Você está na página 1de 3

CINÉTICA QUÍMICA I – MÉTODO ANALÍTICO

Parte A

1. Oxidação do íon iodeto pelo persulfato.

Ainda que a maioria das reações entre íons seja muito rápida, existem algumas que ocorrem a velocidades facilmente mensuráveis, como por exemplo, a oxidação do iodeto a iodo com o persulfato:

K 2 S 2 O 8 + 2 KI

I 2

+ 2 K 2 SO 4

Esta reação se processa de acordo com o modelo abaixo:

A

+

2

B

Produtos

Sendo os reagentes utilizados em proporção estequiométrica:

encontra-se:

[B] = 2 [A]

taxa = - (1/2) d[B]/dt = k [B] (((( + ))))

A

concentração do iodo é determinada por titulação de amostras retiradas em intervalos de tempo bem

definidos. O Na 2 S 2 O 3 é usado como titrante que reage com o iodo I 2 de acordo com a reação:

A velocidade da reação é obtida medindo-se a concentração do iodo formado ao longo do tempo.

2 S 2 O 3 =

+

I 2

S 4 O 6 =

+ 2I -

O tiosulfato atua como redutor de acordo com a equação:

2 S 2 O 3

=

S

4 O 6 =

I 2 + 2e

2I -

[[[[ I 2 ]]]]

=

VN

V (alíquota)

+

2e -

A produção de íon tetrationato requer a perda de dois elétrons do íon tiosulfato. Então o equivalente

grama do tiosulfato nesta reação é igual à sua fórmula grama, ou seja 1 N = 1 mol/L.

2

- Método Experimental:

I. Determinação da constante cinética de reação

- Transferir 50,0 mL de KI 0,20 mol/L para um erlenmeyer fechado de 250 ml; tomar o mesmo volume de persulfato 0,1 mol/L em um béquer. Utilizar buretas para a transferência.

- Adicionar o persulfato ao iodeto, mantendo sob agitação magnética para homogeneizar a mistura, acionando simultaneamente o cronômetro para começar a marcar o tempo da reação. Tampar o erlenmeyer com uma rolha para evitar que o iodo formado escape.

- Imediatamente após a adição (quando a solução mostrar os primeiros sinais de amarelo pálido), pipetar uma alíquota de 10 mL para um erlenmeyer de 250 mL contendo gelo para deter a reação. Anotar o tempo no qual a amostra é transferida para o enlenmeyer com gelo (sem parar o cronômetro).

- Titular rapidamente com tiosulfato de sódio 0,01 mol/L adicionando uma ou duas gotas de amido 0,2% próximo do ponto final (quando a solução estiver amarela pálida). Anotar o volume de tiosulfato consumido assim que a coloração azulada desaparecer (não esperar, pois o azul retorna).

- Imediatamente que possível, pipetar amostras do sistema reacional e transferir para um erlenmeyer de 250 mL contendo gelo. Anotar o tempo no qual a amostra é transferida para o enlenmeyer com gelo. Titular rapidamente a amostra com tiosulfato de sódio. Repetir o mesmo procedimento com mais 2 a 3 alíquotas. (Cuidado: inicialmente o volume consumido de tiosulfato será muito pequeno).

- A partir da quarta (ou quinta) alíquota. Repetir a coleta de alíquotas até o volume de tiosulfato estiver aproximadamente constante (25 a 30 minutos de reação).

-

Observe que o cronômetro, uma vez iniciada a reação (t o ), não mais deverá ser interrompido até

o

final da reação.

-

Não contaminar uma solução com outra, pois isto vai alterar significativamente o resultado.

-

Ter certeza que está misturando inicialmente KI e persulfato de potássio.

-

Repetir o experimento anterior utilizando: A) 40,0 mL de KI 0,2 mol/L + 10,0 mL de água e o

mesmo para persulfato. Idem para outras combinações: B) 30 mL de KI + 20 mL de água, 30 mL de persulfato + 20 mL de água; C) 20 mL de KI + 30 mL de água, 20 mL de persulfato + 30 mL de água soluções; D) 10 mL de KI + 40 mL de água, 10 mL de persulfato + 40 mL de água soluções.

- Titular as amostras com tiosulfato de sódio mais diluídas: sistema A, 60 mL de tiosulfato diluído

a 100 mL (balão volumétrico); sistema B, 30 mL de tiosulfato diluído a 100 mL (balão volumétrico);

sistema C, 10 mL de tiosulfato diluído a 100 mL (balão volumétrico); sistema D, 5 mL de tiosulfato diluído a 100 mL (balão volumétrico).

3 - Tratamento de Dados:

- Determinar a concentração de iodeto em função do tempo e fazer gráfico da [Iodo] e [Iodeto] em função do tempo (segundos).

- Determinar a taxa da reação pela relação – [Iodeto]/ t; fazer o gráfico da taxa de reação em função da concentração de iodeto;

- Determinar a ordem global de reação, pelo método diferencial, e constante cinética pelo método integral. Estes valores devem ser obtidos para cada concentração inicial.

- Estabelecer o efeito da concentração dos reagentes sobre a ordem da reação e a constante cinética.

- Discutir o ajuste dos dados e explicar os resultados.

Concentração KI Temperatura ambiente

DADOS EXPERIMENTAIS

mol/L

Tempo, minutos: segundos Volume tiosulfato, mL 0’ 0” 0
Tempo, minutos: segundos
Volume tiosulfato, mL
0’ 0”
0

Concentração KI Temperatura ambiente

mol/L

Tempo, minutos: segundos Volume tiosulfato, mL 0’ 0” 0
Tempo, minutos: segundos
Volume tiosulfato, mL
0’ 0”
0