Você está na página 1de 15

INTERVENÇÃO

PSICOSSOCIAL
Por Daniele Carmo Queiroz
O FACILITADOR INTERVENTOR
• Intervenção vem do latin interventio.
• s.f. Ato de exercer influência em determinada situação na
tentativa de alterar o seu resultado; interferência.
• Ação de expressar, de modo escrito ou artístico, um
ponto de vista, acrescentando argumentos ou ideias.
• Inserida no cotidiano profissional, diz respeito a quando
estamos no dirigindo à realidade do outro, interferindo
nela e de alguma forma, modificando-a.
Plano Vertical → figura de controle:
saber sobre o grupo

Plano Horizontal → transformação


de condução
• “[...] por mais dialógica e horizontal, ou quem sabe,
democrática e não ditatorial que a seja nossa relação com o
grupo-alvo, não fazemos parte dele enquanto construção
histórica, embora passemos a fazer parte da história desse
grupo e ele da nossa.”
• “[...] torna-se fundamental avaliarmos nossos valores e a ética
que adotamos para definir que mudanças de fato buscamos
em nosso cotidiano quando ingressamos no grupo-alvo.”
• “[...] temos o dever de avaliar nossas posturas e
posicionamentos, tendo em vista que exercemos o poder de
conhecimento, frente ao grupo-alvo num momento histórico
• que se complexifica quanto a valores e sentidos éticos.”
GRUPO ALVO
• A intervenção psicossocial é um trabalho de relação
direta entre facilitador-interventor com o grupo-alvo, que
incide em transformações nas histórias, ou melhor, na
vida cotidiana.
• A escolha do grupo alvo, realizada pelo facilitador-
interventor é baseada nos seus valores e ideologias.
• Portanto, se faz necessário que os facilitadores-
interventores analisem os valores pessoais e paradigmas
científicos que embasam seus critérios de escolha dos
grupos-alvo.
O QUE É UMA INTERVENÇÃO PSICOSSOCIAL?

Objetivo Principal:
• Possibilitar melhores condições humanas e de qualidade
de vida.
Área de Ação:
• Se configura nos sistemas macro/e ou meso-sociais e no
complexo processo de interação sujeito /meio social.
Abrange a saúde mental, educação, política, economia,
etc, ou seja, a vida social direta com o bem estar
humano.
Técnicas e estratégias interventivas:
• O processo de intervenção depende do seu âmbito, bem
como das estratégias que são usadas e dos objetivos que
propõe atingir.
FASES DO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DE UMA
INTERVENÇÃO
• Definição e análise do tema/problema a ser enfocado
e grupo alvo
• Na fase de Definição e análise do tema/problema a ser
enfocado, bem como grupo alvo o facilitador-interventor
precisa deixar claro e delimitar a quem irá direcionar o
seu trabalho e qual o objetivo geral de partida. Precisa
analisar os problemas, recursos, relação entre os
componentes e o sistema social total.
• A intervenção pode estar direcionada a uma comunidade,
onde existe uma delimitação social e geográfica da
temática, o que facilita a intervenção; a um problema que
centra o processo, porém, este dificulta a ação devido a
falta de delimitação geográfica; ou a um tema.
FASES DO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DE UMA
INTERVENÇÃO
• O tema da intervenção é fundamental para o
interventor e para a comunidade.
• Para o profissional porque amplia seu
conhecimento e experiência e o auxilia no
desenvolvimento das práticas psicossociais.
• Para a comunidade porque o processo só é
possível se houver uma participação interessada
e comprometida com o tema a ser desenvolvido,
para isto é necessário que o tema tenha a ver
com suas necessidades e expectativas.
FASES DO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DE UMA
INTERVENÇÃO
• Na fase da avaliação inicial é necessário entender quais
as necessidades existentes na comunidade para que seja
possível planejar a intervenção. É preciso ter uma visão
global do sistema ou comunidade que participa do
processo realizando uma avaliação criteriosa sobre sua
organização, dificuldades, capacidades, e recursos com o
objetivo de pensar na viabilidade do programa a ser
proposto.
Delineamento/ Planejamento e organização do
programa interventivo
- Implantação do Planejamento
- Avaliação da Intervenção
- Disseminação de programas interventivos
Aspectos do modo de ser da intervenção
Psicossocial
- Direito de Expressão por parte dos participantes
- Questionamento das formas de pensamento e
linguagem do grupo
- Limites de uma intervenção
APRESENTAÇÃO DE UMA INTERVENÇÃO
PSICOSSOCIAL

Intervenção Psicossocial com Jovens em Busca de


Emprego (1997-1999/PUCRS)
• Avaliar a realidade
• Estabelecer metas
• Desenvolver um Programa de Inserção Sócio-Laboral
APRESENTAÇÃO DE UMA INTERVENÇÃO
PSICOSSOCIAL

GRUPO-ALVO
• 36 jovens desempregados matriculados em cursos
profissionalizantes de beleza, hotelaria e aux. de
escritório.
OBJETIVOS
• Auxiliar o esclarecimento dos projetos vitais e
profissionais, ampliando as habilidades sociais para
procura de emprego, aprofundando a consciência de
cidadania e trabalho.
PARCERIAS
• Instituições públicas ou privadas
Módulo I
- Atribuições externas e dificuldades pessoais
percebidas para aquisição de emprego, projetos
vitais e estratégias para realização das mesmas.
Módulo II
- Apresentação e postura pessoal nas entrevistas
de emprego e crença na superação das
dificuldades encontradas.
Módulo III
- Foco nos conhecimentos das ocupações em
questão e direitos e deveres do trabalhados
RESULTADOS
• Os jovens apresentaram-se mais apropriados de suas
responsabilidades e possibilidades pessoais, ao invés de
atribuírem apenas a fatores externos suas dificuldades na
inserção laboral.
• Durante o processo, o profissional de intervenção deve
estar em sintonia com as necessidades e expectativas da
população-alvo, respeitando e solicitando a participação
dessa, enquanto integrantes ativos.
• A intervenção psicossocial pode ser uma prática que
auxilie na construção de novos rumos e sentidos de vida,
ao valorizar a interação do ser humano e seu contexto,
sua mútua influência, bem como considerar as
capacidades e recursos próprios dos grupo-alvo para a
promoção do bem estar psicossocial.
REFERÊNCIA
• Sarriera, J. C., Silva, M. A., Pizzinato, A., Zago, C., &
Meira, P. (2000). Intervenção psicossocial e algumas
questões éticas e técnicas. In J. C. Sarriera (Coord.),
Psicologia comunitária: estudos atuais (pp. 25-44). Porto
Alegre: Sulina.

Você também pode gostar