Você está na página 1de 8

Escrever, verbo intransitivo: Sophie Calle

To write, an intransitive verb: Sophie Calle

Sandra Lorenzon Schaffa1

RESUMO
A exposição de Sophie Calle, Cuide de você, construída em torno de uma carta privada,
convida-nos a indagar sobre um sentido contemporâneo da intimidade. A obra da artista é
reconhecida pela autora como situação de engendramento de um lugar psíquico aberto à
inscrição de destinos passionais do feminino.

Palavras-chave: Intimidade, Feminino, Escrita.

ABSTRACT
Sophie’s Calle’s exposition, Take care of yourself, designed around a private letter,
invites us to question contemporary intimacy. The work of the artist is recognized by the
author as the construction of a psychical locality open to the inscription of feminine
passionate destinies.

Keywords: Intimacy, Feminine, Writing.

“Ao menos, ele escreveu.”


As palavras são de Sophie Calle. Ela as pronuncia durante uma sessão inabitual. No
consultório vemos duas cadeiras diante de uma terapeuta. Sophie está sentada em uma
delas; na outra, uma carta está posta. Trata-se da carta (e-mail) de rompimento dirigido a
Sophie por seu amante G.
A cena a que assistimos faz parte da obra Cuide de você: um livro, vídeos, uma exposição
que desde a 52ª Bienal de Veneza, em 2007, percorre o mundo. Várias mulheres
1
Psicanalista, membro efetivo da SBPSP. Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo
debruçaram-se sobre a carta de G. “Eu pedi para 107 mulheres – sendo uma de penas e
duas de madeira (isto é, um papagaio, uma boneca bunraku e uma marionete) –
escolhidas pelo seu ofício, seu talento, para interpretar a carta sob um ângulo
profissional” (Calle, 2007, p. 1).
Impresso, o e-mail ganha materialidade. É papel na nossa mão. Tocam-se seus caracteres.
Em Braille. Lê-se em diversas línguas. Em latim, em Morse, em código de barras, em
sistema binário, estenográfico, hexadecimal... Analisa-se à exaustão, sob inúmeros
ângulos: literário, filosófico, moral, antropológico, historiográfico, criminológico,
jurídico, léxico-métrico, estilístico, fonético... Interpreta-se através do Talmud. Revela-se
através do Tarot. Corrige-se segundo a ortografia, segundo as boas maneiras. Desenha-se.
Transcreve-se em romance para a juventude, em romance sentimental. Transforma-se em
poema. Em balanço de contabilidade. Faz-se roteiro. Filma-se. Dança-se. Transpõe-se em
canto lírico. Em soul, em tango, em fado, em rap... Representa-se segundo a versatilidade
de diversas atrizes e uma palhaça: Jeanne Moureau, Miranda Richardson, Victoria Abril,
Maria Medeiros e Merian Menant, dele descobrem tonalidades cômicas ou dramáticas
inauditas. Transmuta-se em Ikebana. Em alvo de tiro. Seguem-se seus ricochetes
incessantes sem lhe esgotar o sentido. Fica-se diante do enigma do homem que o
escreveu.
“Faz tempo que lhe quero escrever e responder ao seu último e-mail. Ao mesmo tempo,
me parecia preferível lhe falar e dizer o que lhe tenho a dizer pessoalmente. Mas, pelo
menos ficará escrito”2.
Mentiroso? “Stop lying, now” geme o refrão da litania pop de Keist. “Ele se acha”, lemos
sobre a tela da adolescente convocada, Anna. Palavras enredadoras? “Paroles, paroles,
paroles”, cantava Dalida... É o que o desenho de Soledad Bravi dá a ver. De um lado, o
homem diante de seu computador, pilhas de livros espalhadas pelo chão (dicionários de
citações, de máximas, de analogias...), no balão sobre sua cabeça lê-se: “enviado!”. A
palavra traduz o orgulho que exibe sua expressão. Do outro lado, a mulher diante de sua
tela acabrunhada.

2
Texto distribuído na exposição Cuide de você. SESC Pompeia, São Paulo, 2009.
Nessa charge não é difícil reconhecer a descrição que oferece Flaubert de Rodolphe no
momento em que escreve a carta de rompimento que enviará a Emma. Rodolphe termina
com estas palavras: “Continue sempre boa!” (Cuide de você?). “E havia um último adeus
separado em duas palavras: A Deus!, o que julgava de um excelente gosto”, ironiza
Flaubert, sublinhando o caráter factício das palavras do amante de Emma. E, no entanto,
não ficamos insensíveis ao que exprime G.: “uma espécie de angústia terrível” desde que
responde a Sophie. Em contraste com a carta de Rodolphe, a intranquilidade transparece
na carta de G.
“Acreditei que a escritura seria um remédio, meu desassossego se dissolvendo para lhe
encontrar.” Em francês, “intranquilité”, palavra empregada pelo amante de Sophie,
encontrada na tradução do livro de Fernando Pessoa, é o único neologismo que se destaca
do estilo elevado de uma escrita estrangeira ao gênero habitual do correio eletrônico. Se o
emprego de “desassossego” poderia ser creditado às expressões literárias que estão na
moda, seu sentido se diz, todavia, pelas oscilações que atingem a pluma do diabo
(resposta de Marie Desplechant feita romance para juventude no âmbito da exposição),
tingindo de angústia a erudição do texto. Desassossego seria então a transpiração das
palavras, que deixa seu rasto de indiscernível limite entre responder e escrever.
“Faz tempo que lhe quero escrever e responder ao seu último e-mail.” Responder não é
escrever: “meu hábito é escrever cartas e não responder cartas” 3, escreve Mário de
Andrade (Moraes, 2001, p. 324), “correspondente contumaz”, como ele próprio se
definiu. Amar, verbo intransitivo, o título de seu primeiro romance, anuncia a contradição
dilacerante que devora a protagonista, Fraülein, a professora de amar. Poderíamos
aventurar o pensamento de uma carta nascida de uma acepção intransitiva do verbo
escrever? Não responder a uma carta, escrever. Escrever, verbo intransitivo?
“Que será de mim, e que queres que eu faça? Encontro-me muito longe de tudo que havia
previsto: esperava que tu me escrevesses de todos os lugares onde passásseis e que tuas
cartas seriam bem longas; que tu sustentarias minha paixão pela esperança de te rever...”
(Graffigny, 1747/1983, p. 78).
A evocação das cartas portuguesas pela psiquiatra Françoise Gorog no quadro de Cuide
de você é instigante. Evoca os idos tempos em que missivas eram enviadas através de um

3
Carta de 10 de novembro de 1926.
dispositivo de ar comprimido, o pneumático: “Um correio eletrônico corre
diferentemente que uma carta, que uma epístola. [...] é ainda o que chamamos ‘um
bilhete’? ‘Amanhã te envio um bilhete ou um pneumático’, dizia-se. A língua mudou,
estamos longe das Cartas da religiosa portuguesa que fizeram da palavra ‘portuguesa’ o
nome próprio da carta apaixonada e terna” (Calle, 2007).
A língua mudou, os costumes também. A publicação de cartas íntimas, como as de
Mariana Alcoforado, a jovem portuguesa (mesmo se três séculos depois sua autenticidade
seria contestada), era uma prática corrente no século XVII; alterações permitiam
preservar o anonimato e o espaço da intimidade.
O que é da intimidade nesse reino mercantil de hiperexposição dos corpos em que
vivemos?
A obra de Sophie Calle inscreve-se no horizonte dessa interrogação. Na intersecção do
domínio público e privado que questiona o sentido do íntimo. Cuide de você, na linha de
Histórias verdadeiras, escritas por essa autora, situa-se no ponto de junção entre sua vida
e sua arte, a obra composta a partir de restos de vida.
As ideias avançadas por Sylvie Le Poulichet poderiam ser evocadas aqui. Essa autora
considera as criações de certos artistas como “processos de engendramento de corpos
estrangeiros que recompõem as relações de tempo e espaço a fim de afastar o perigo”
(1996, p. v). Forjar um corpo estrangeiro, pois. Não estamos longe da intervenção da
psicanalista Marie-Magdaleine Lessana no espaço da exposição: “Ela não pode responder
por uma carta, isso seria confirmar a ausência. Podemos compreender que lhe seja
necessário armar artisticamente, como ela sabe fazer, essa carta de adeus. A fim de,
graças à amplitude pública, alcançar um corpo que vai à esquiva” (Calle, 2007).
Não responder por uma carta. Nem lê-la com os olhos de Ambre, a participante mais
jovem, nove anos e meio, que apenas exprime segundo sua leitura: “Ela está triste”.
Recompor as relações de tempo e espaço a fim de afastar o perigo. Mas trata-se aí de uma
organização particular. Trata-se de constituir um corpo estrangeiro a partir de outros
corpos. Para além do ditado de todos os saberes convocados, ou melhor, à sua margem,
forma-se esse corpo estrangeiro no terreno onde gaguejam, onde se calam. Constrói-se
(seria preciso dizer melhor: tece-se em um sentido freudiano) a partir da matéria da
paixão das outras.
É certo, uma espécie de repugnância em compor esse coro feminino em torno de uma
carta alheia-íntima se lê nas intervenções de várias participantes. Apesar de seu
assentimento, essas mulheres atestam sua singularidade ao mesmo tempo que o seu mal-
estar em transitar através dessa zona de contágio em que se borram os limites de
identidade. Essa resistência em se deixar amalgamar nessa massa de mulheres – a
transferência é, sobretudo, um fenômeno de massa – teria impelido Christine Angot,
escritora convocada, a rejeitar “esse esquadrão de mulheres” armado em torno de uma
correspondência privada: “o coro que você formou em torno dessa carta é o coro da
morte”, exclama ela. Mas por que não pensar antes no coro de mulheres das tragédias de
Ésquilo, que soube dar um lugar para que o desejo feminino pudesse se inscrever?
“Recebi um e-mail de rompimento. Não soube respondê-lo. Era como se não me
estivesse destinado. Terminava por essas palavras: cuide de você. Tomei essa
recomendação ao pé da letra” (Calle, 2007).
Tomar essa consideração ao pé da letra é jogar uma garrafa no mar. Lançar uma carta ao
mar não seria pô-la em segurança, como fez Poe no Manuscrito encontrado numa
garrafa: “Pouco tempo, porém, me será deixado para meditar sobre o meu destino!”
(1831/1966, p. 84). Estamos com Sophie Calle nessa urgência que impele o processo de
criação.
“Botella al mar” é o título de um conto epistolar escrito por Julio Cortázar. Nesse texto,
escrito como uma carta aberta, o escritor se dirige à atriz Glenda Jackson4; o conto se
propõe como epílogo a outro conto, “Queremos tanto a Glenda”, cujo enredo se constitui
em torno do fervor passional de um grupo de fãs da atriz, que acaba por crucificá-la. A
carta, epílogo, nos permite pensar a distância que constrói o íntimo entre responder e
escrever.
Querida Glenda, esta carta no le será enviada por las vías ordinarias porque nada entre
nosotros puede ser enviado así, entrar en los ritos sociales de los sobres y el correo. Sera
más bien como si la pusiera en una botella y la dejara caer a las aguas de la bahía de San
Francisco en cuyo borde se alza la casa donde le escribo; como si la atara al cuello de una

4
Clarín, 8 de outubro de 1981. Disponível em: http://www.lamaquinadeltiempo.com/cortazar/glenda.htm.
Acesso em: abr. 2010.
de las gaviotas que pasan como latigazos de sombra frente a mi ventana y oscurecen por
un instante el teclado de la máquina. … Es así, pienso, que se operan las comunicaciones
profundas, lentas botellas erran en lentos mares, tal como lentamente se abrirá camino
esta carta que la busca a usted con su verdadero nombre. (Cortázar, 1980)5
Escapar ao naufrágio de uma paixão que enclausura ou crucifica. Encontrar a distância
para escrever, isso faz Sophie convocando outras: a garrafa ao mar fará face ao perigo
dentro de um movimento paradoxal que desencadeia uma tempestade para proteger do
naufrágio uma carta. A tempestade – amor no avesso da raiva que aí se inscreve a partir
das respostas das outras – é o sopro que vai preservar a carta, não tanto da raiva, mas do
nada. Trata-se igualmente de preservar o que teria sido: o inacessível amor. “Aquilo que
há por nunca ter sido é o inconsciente”, dizia Fabio Herrmann.
O remédio é o outro. Não é senão através do outro que uma cura é possível. “Tome
conta”, chama o Outro. Então, é a obra de arte que cuida de nós, que nela penetramos
atravessando essa zona de impudor em que reinam maciçamente transferências.
Reconhecer essa exposição como uma carta ultrapassando o enquadre tradicional disso
que conhecíamos como a carta de amor? O estilo da carta amorosa mudou no nosso
tempo, mas tão longe da introspectividade da religiosa portuguesa não encontramos na
carta de Sophie a mesma necessidade de escrever, a mesma marca apaixonada?
Desse convento português no século XVII, Mariana, diante do silêncio e da frieza do
destinatário do seu amor, nos faz assistir à sua deriva no interior de um monólogo que
obedece a um solipsismo devastador em que o outro de seu desejo não mais se inscreve.
“Escrevo mais por mim que por ti ... sinto que tu não me és mais caro que minha paixão”
(Graffigny, 1747/1983, p. 90).
Pelos corredores da exposição de Sophie Calle, não vamos nós na contracorrente do
esvaziamento dessa lamentação feminina se encerrando nela mesma? Esse vazio não
serviria a Sophie Calle para modelar um objeto em cuja concavidade se engendra a
escritura das transferências que suscita?
A carta de Sophie está escrita. Fomos nós todas que lhe emprestamos a tinta.

5
Disponível também em <http://www.lamaquinadeltiempo.com/cortazar/glenda.htm>. Recupedado em
3.05.2010.
Referências
Calle, S. (2007). Prenez soin de vous. Paris: Actes Sud. (Catálogo de exposição).
Cortázar, J. (1980). Queremos tanto a Glenda. Madrid: Punto de Lectura.
Graffigny, F. de (1983). Lettres portugaises. lettres d’une péruviènne et autres romans
d’amour par lettres (B. Bray & I. Landy-Houillon, Eds.). Paris: Flammarion. (Trabalho
original publicado em 1747).
Moraes, M. A. (Org.) (2001). Correspondência Mário de Andrade e Manuel Bandeira.
São Paulo: Edusp.
Poe, E. A. (1966). Poesia e prosa (O. Mendes & M. Amado, Trads.). Rio de Janeiro:
Ediouro. (Trabalho original publicado em 1831).
Poulichet, S. de (1996). L’art du danger : de la détresse à la creation. Paris: Éditions
Anthropos.