Você está na página 1de 5

NECESSIDADES NUTRICIONAIS

PARA FILHOTES
Os cães constituem, entre as espécies animais, aqueles que apresentam
maior variação no peso adulto (raças miniaturas até raças gigantes). Esta
AMINOÁCIDOS E PROTEÍNA IDEAL
variação ocasiona dificuldades em se estabelecer a correta necessidade
em nutrientes, os quais oscilam grandemente, indo desde gastos em No século XIX, acreditava-se que a contração muscular destruia uma
manutenção basal até o crescimento. Os filhotes, por apresentarem uma parte do conteudo proteico dos músculos para proporcionar energia.
velocidade de crescimento grande e variável, são ainda suscetíveis a Recomendava-se uma dieta rica em proteínas para preservar a estrutura
condições de estresse que ocorrem no decorrer de seu desenvolvimento. muscular e suprir os gastos energéticos. Atualmente é sabido que o tecido
Dentre estas merecem atenção a fase de transição de alimentação muscular não aumenta simplesmente graças ao consumo de alimentos
(líquida para sólida), condição física da mãe na fase de aleitamento ricos em proteínas. Na verdade, a proteína extra ingerida pode ser
envolvendo a produção de leite, desmame, vacinações, erupção dentária, convertida em componentes de outras moléculas (assim, proteína em
mudança de ambiente, etc. A somatória desta série de fatores levam o excesso pode aumentar o porcentual de gordura), bem como induzir
filhote a perdas na capacidade de reagir a agressões, tornando-os
susceptíveis a doenças infecto-contagiosas. efeitos colaterais, particularmente uma sobrecarga para as funções
As necessidades proteica e energética dos filhotes são superiores aos de hepática e renal, em virtude da eliminação da uréia e de outros compostos
cães adultos. O teor de energia é em torno de 50% maior, e a proteína (McARDLE et al., 2003).
cerca de duas vezes mais, sendo que para filhotes deve-se prover pelo A principal contribuição das proteínas da dieta consiste em fornecer
menos 25% da energia, a partir de uma proteína de qualidade (McGINNIS, aminoácidos para os vários processos realizados no organismo animal. O
1991; POFFENBARGER et al, 1990). organismo animal necessita de aminoácidos diferentes, sendo alguns
É indispensável que na dieta oferecida aos filhotes, haja níveis ideais de “não-essenciais” (produzidos pelo próprio organismo) e os restantes
aminoácidos essenciais (arginina, histidina, isoleucina, leucina, lisina, “essenciais” (como não são sintetizados pelo organismo, tem de advir da
metionina, fenilanina, treonina, triptofano e valina), pois são responsáveis alimentação); são aminoácidos essenciais: valina, leucina, isoleucina,
pelo desenvolvimento dos filhotes, buscando sustentação do fenilalanina, metionina, treonina, lisina, triptofano e histidina (McARDLE et al.,
desenvolvimento de novos tecidos, principalmente o muscular, e 2003). Os aminoácidos são elementos estruturais e podem ser consumidos
também aporte suficiente de nitrogênio para a síntese endógena dos como energia participando da conversão da energia do piruvato que
aminoácidos não essenciais e outros compostos dependentes desse ocorre no fígado. Com o esforço moderado, os aminoácidos como, por
elemento químico (JOHNSON, 1993). Caso isso não aconteça, o filhote precisa
de uma suplementação. exemplo, os de cadeia ramificada atingem a mitocôndria, participando da
O requerimento de cada nutriente varia de acordo com a idade, estado síntese de glutamina, a qual segue para os tecidos para a formação de
físico e modo de vida do filhote. Dependendo da idade do filhote, essa glutamato. Enfim, observa-se que o consumo de aminoácidos de cadeia
suplementação pode ser feita em mamadeira ou em vasilhas rasas. ramificada visa à manutenção da funcionalidade do Ciclo de Krebs, e tanto
O filhote come várias vezes por dia e vai diminuindo o número de a síntese de alanina quanto a de glutamina são a forma encontrada para
refeições à medida que vai crescendo. remover da musculatura os grupos amínicos tóxicos resultantes da
Um animal alimentado com nutrientes equilibrados e de qualidade degradação celular (LANCHA JUNIOR, 2004). Os aminoácidos de cadeia
adquire um desenvolvimento saudável associado à longevidade. ramificada podem substituir a glicose nas vias de energia (SIZER e WHITNEY,
2003). No fim da década de 70, os aminoácidos foram sugeridos como o
terceiro combustível para a musculatura esquelética, principalmente em
indivíduos caquéticos sendo utilizados já após os carboidratos e as
gorduras (GLEESON, 2005).
Muitas funções são atribuidas aos aminoácidos, dentre elas, é possível
Contaminação destacar aumento da síntese de proteínas musculares e redução da sua
ambiental degradação, encurtamento do tempo de recuperação, aumento da
Aleitamento materno
Genética ou artificial
resistência muscular, diminuição da fadiga muscular, fonte de energia
durante dieta e preservação do glicogênio muscular. São encontrados
aminoácidos em todas as fontes de proteína animal.
Sistema Microbiota A Proteína Ideal é um conceito proposto por Mitchell (1964) para otimizar
imune
intestinal Saúde intestinal a utilização da proteína da dieta (relação entre retenção e consumo de
Estresse
(Puppy) proteína) e minimizar a excreção de nitrogênio. Estabeleceu-se que é uma
mistura de aminoácidos ou proteínas com completa disponibilidade na
Uso de digestão e no metabolismo e cuja composição deve ser idêntica às
medicação/vacinação
Tipo exigências do animal. Todos os aminoácidos devem estar presentes na
de parto dieta exatamente nos níveis exigidos para o máximo ganho em proteína e
mantença, e a relação entre eles deve ser preservada. Os aminoácidos
Fatores que ajudam a manter o equilíbrio intestinal e saúde animal digestíveis, principalmente os aminoácidos essenciais, são limitantes na

Organnact | Informativo Técnico | PUPPY | 39.0160


CONSTRUÇÃO
REPRODUÇÃOE
REGENERAÇAO
CANINA MUSCULAR

mesma proporção. Isso significa que nenhum aminoácido está em A hemoglobina é o composto de eleição para diagnóstico da
excesso em comparação com os outros. Como consequência, a retenção deficiência de ferro. Em termos de pesquisa, é possível que o ferro deva
de proteína é máxima e a excreção de nitrogênio é mínima. Isso é ser um motivo mais de preocupação em relação ao seu potencial tóxico
possível através de uma adequada combinação de concentrados que de deficiência. Pode causar deficiência condicionada a outros
protéicos e aminoácidos sintéticos suplementados na dieta (LECLERCQ, elementos essenciais (cobre e zinco) pelo efeito antagônico no processo
1998). de absorção no duodeno.
Como proposta, para uso na alimentação de monogástricos, todos os A deficiência de ferro é a deficiência nutricional mais frequente no
aminoácidos indispensáveis são expressos como relações ideais ou mundo, produzindo anemia em animais, homens, mulheres e crianças.
porcentagem em função de um aminoácido referência. De modo geral Uma alimentação inadequada, bem como as hemorragias, que
se estabelece a lisina como aminoácido de referência por ser um provocam uma perda de ferro, levam a uma deficiência que se deve
aminoácido limitante na maioria das dietas, estando diretamente ligado tratar com suplementos do mineral. É provável que esta deficiência se
ao aumento da massa corporal e crescimento. Segundo HACKENHAAR e verifique durante a prenhes devido à necessidade da gata ter de
LEMME (2005), a lisina é usada como aminoácido de referência devido aos fornecer uma grande quantidade de ferro ao feto em desenvolvimento.
tres argumentos a seguir: Os animais para transportar o ferro dentro do corpo empregam
proteínas (transferrinas). Para armazená-lo empregam a ferritina e a
• É usada quase que exclusivamente para deposição de proteína hemosiderina. O ferro entra no organismo absorvido no intestino
corporal e, portanto, as exigências sofrem pouca influência de outras delgado e é transportado e armazenado no fígado. A maior parte do
funções metabólicas (exigência de mantença); ferro é reutilizada e um pouco é excretado.
Tanto o excesso como a deficiência de ferro podem causar problemas
• Não há interações metabólicas entre a lisina e os outros aminoácidos; no organismo. O envenenamento por ferro é chamado de
hemocromatose enquanto que a sua deficência é conhecida
• Da perspectiva analítica, é mais fácil analisar lisina do que a metionina popularmente como anemia. A palavra anemia, apesar de estar
e, especialmente, cistina. popularmente associada à carência de ferro no organismo, não é
utilizada unicamente para ela. Para a carência de ferro no organismo,
cabe o nome específico de anemia ferropriva. Nas transfusões de sangue
A redução de nitrogênio consumido e consequente redução de são usados ligantes que formam com o ferro complexos de alta
nitrogênio excretado, não só melhora o aproveitamento de estabilidade, evitando que ocorra uma queda demasiada de ferro livre.
aminoácidos, em geral, como da energia. A menor excreção de Estes ligantes são conhecidos como sideróforos. Muitos organismos
nitrogênio também resulta em uma menor produção de calor para empregam estes sideróforos para captar o ferro que necessitam.
catabolizar aminoácidos, pois eles estarão na dieta em menor Também podem ser empregados como antibióticos, pois não permitem
quantidade e de forma balanceada (PENZ, 2002). ferro livre disponível.

O cobre é um mineral traço cuja essencialidade foi primeiramente


MINERAIS reconhecida em 1928 ao ser evidenciado em experimento com ratos.
Este micronutriente juntamente com o ferro tinha uma função
As funções bioquímicas do zinco podem ser refletidas pelo seu importante na prevenção da anemia (Hart et al., 1928). A importância
envolvimento na atividade de mais de 300 enzimas (McCALL, 2000). Apesar biológica, funcional e estrutural do cobre em animais e humanos está
das baixas concentrações de zinco na maioria dos órgãos, as relacionada com as funções metabólicas de enzimas
metaloenzimas dependentes deste mineral estão distribuidas em todos cobre-dependentes - cuproenzimas, como por exemplo: citocromo c
os tecidos do organismo, desempenhando processos fisiológicos oxidase, superóxido dismutase citosólica, lisil oxidase, tirosinase,
importantes. Dentre as principais funções do zinco, destacam-se a ceruloplasmina e dopamina-hidroxilase. Estas catalisam reações
participação na síntese e degradação dos carboidratos, lipídeos e fisiológicas importantes relacionadas com fosforilação oxidativa,
proteínas, na manutenção do crescimento e do desenvolvimento inativação de radicais livres, biossíntese de colágeno e elastina,
normais, no funcionamento adequado do sistema imunológico, na formação de melanina, coagulação sanguínea, metabolismo de ferro e
defesa antioxidante, na função neurosensorial, e, também, na síntese de catecolaminas (DANKS, 1988).
transcrição e tradução de polinucleotídios (SALGUEIRO, 2000). No trato digestório do animal, a inter-relação entre os vários elementos
Nos últimos anos, a deficiência de zinco tornou-se um problema minerais pode ser tanto sinérgica quanto antagônica. Os íons minerais
nutricional presente em países desenvolvidos ou em desenvolvimento. podem interferir entre eles entrando em competição seletiva a respeito
Esta abrange inúmeras anormalidades no metabolismo, tendo como dos sítios de absorção. Sabe-se hoje que existem íons minerais capazes
causas a ingestão dietética inadequada, diminuição na absorção ou de reduzir a biodisponibilidade de um ou mais íons de outra natureza;
aumento na excreção urinária, presença de agentes na dieta que para alguns íons esta interferência é recíproca. Com relação a este
comprometem sua absorção, cirurgias do intestino, síndromes de complexo fenômeno, a grande parte dos casos relacionados com a
má-absorção, lesões oculares e de pele, inclusive acne, unhas capacidade de inibição dos micro-elementos minerais foram
quebradiças, perda de apetite, perda de peso, doenças renais, doença quantificados. A competição é especialmente acirrada entre os íons
crônica do fígado, nutrição parenteral total sem adição de zinco e, ainda, minerais Cu, Zn, e Fe, que disputam a mesma via de absorção. Deste
problemas genéticos (PRASAD, 1996). Além de outras manifestações modo, uma dieta com altos níveis de cobre pode bloquear a absorção do
clínicas da deficiência deste mineral, ressaltam-se o retardo no Zn e do Fe, levando a deficiências destes últimos.
crescimento, hipogonadismo, alteração da resposta imune, dificuldade
de cicatrização, aumento do risco de aborto, diarréia, anorexia, perda de O cobalto participa junto com o cobre e o ferro na hematopoiese.
peso, alopecia, e a prematuridade na gestação (SALGUEIRO, 2000).
Os parâmetros mais utilizados para avaliação do estado nutricional O selênio (Se) é um elemento não metálico relacionado ao enxofre(S)
relativo ao zinco e, consequentemente, detecção de sua deficiência, são e embora seja tóxico, é um micronutriente essencial para os animais.
as medidas deste mineral no plasma, em componentes celulares do Está distribuido irregularmente pelo solo, é encontrado nas rochas
sangue (eritrócitos, monócitos, plaquetas, neutrófilos), no cabelo (a sedimentares das regiões mais secas em todo o mundo. O selênio tem
atividade de enzimas dependentes de zinco), bem como na excreção ação fundamental na nutrição humana e animal como um fator
urinária. Normalmente, é utilizado mais de um marcador biológico para importante na proteção de oxidação dos tecidos. Protege o tecido
avaliação do zinco no organismo, devido às baixas concentrações nos celular dos danos causados pelo oxigênio é também importante para o
tecidos, e ao efetivo mecanismo homeostático para manutenção das crescimento e para assegurar um metabolismo adequado.
concentrações plasmáticas e teciduais (HAMBIDGE, 2003). Apresenta um papel ativo no sistema imunológico e reduz o risco de
infecções por vírus. O seu uso regular melhora a contagem de
Setenta por cento do ferro no organismo animal está sob forma de espermatozóides. Pesquisas tem atribuido ao Se uma ação no retardo do
hemoglobina e 30% encontra-se no fígado, baço e medula óssea. avanço do câncer.

Organnact | Informativo Técnico | PUPPY | 39.0160


CONSTRUÇÃO
REPRODUÇÃOE
REGENERAÇAO
CANINA MUSCULAR

Como um micronutriente é exigido em microgramas e, portanto, a sua


ingestão excessiva, acima de 50-150 mg ao dia, pode causar problemas
de saúde. De um modo geral, sua carência resulta em atraso no IMPORTÂNCIA DAS VITAMINAS
crescimento, estados patológicos e até morte, enquanto sua toxicidade
se traduz por perda do apetite, atrofia do coração e óbito. O selênio na
forma orgânica é rapidamente absorvido pela mucosa intestinal. Sua As vitaminas são moléculas orgânicas (contém carbono), que
eliminação se produz pelos rins, intestino e pulmões, sendo, neste caso, funcionam principalmente como catalisadores para as reações dentro
característico um odor aliáceo no ar expirado por animais que ingeriram do corpo. Os catalisadores são substâncias que permitem que uma
doses relativamente altas do elemento. reação química ocorra usando menos energia e menos tempo do que
O selênio faz parte de uma enzima a glutation-peroxidase (GPS-Px) precisaria em condições normais. Se estiverem em falta, como no caso
que praticamente complementa a ação da vitamina E, esta enzima de deficiência vitamínica, as funções normais do corpo podem falhar,
destrói os lipoperóxidos formados pelos radicais livres. A deficiência de deixando o animal suscetível a doenças.
vitamina E e/ou Se podem determinar redução da reação do linfócito T, As vitaminas não podem ser sintetizadas pelos animais e podem ser
redução na função fagocitária com redução na reação imunológica. classificadas como hidrossolúveis (complexo B e vitamina C) e
lipossolúveis (vitaminas A, D, E e K).
As demais funções do selênio são:
A vitamina E é um dos antioxidantes mais aclamados, pois demonstra
• Antioxidante: o selênio (Se) absorvido é rapidamente convertido a ter efeitos contra a deterioração das células e contra o envelhecimento.
Se-cisteína (via seleneto), e esta é incorporada às várias seleno-enzimas Normalmente encontrada em multivitamínicos e fórmulas
do organismo; seleno-cisteína não é substituida por cisteína e não é antioxidantes, a forma natural (d-alfa-tocoferol) é notavelmente a
armazenada, havendo necessidade de suprimento constante de Se; melhor.
GPS-Px representa 30 a 40% do Se do organismo; há 4 GPS-Px A vitamina E age na proteção e defesa das membranas celulares do
reconhecidas, a mais abundante é a do citoplasma de todas as células, corpo contra o estresse oxidativo e, por isso promove uma melhora da
que reduz hidroperóxidos do metabolismo celular a água; a segunda saúde do sistema imunológico. Com a idade, o sistema imunológico se
localiza-se nas células intestinais, onde hidroperóxidos absorvidos são torna menos eficiente no combate a bactérias e vírus. Parte deste
reduzidos; a terceira é secretada pelo fígado e rins e ocorre no fluido declínio deve-se a baixos níveis de vitamina E na corrente sanguínea.
extracelular e plasma, e reduz hidroperóxidos livres ou esterificados a Alguns estudos demonstraram melhoras nas respostas imunes em
fosfolipídeos; a quarta reduz hidroperóxidos de fosfolipídeos animais mais velhos que eram suplementados com vitamina E.
intracelulares e se localiza adjacente às membranas subcelulares, A vitamina E pode também diminuir os efeitos do envelhecimento por
protegendo-as. promover proteção das células dos danos dos radicais livres.
Em estudos recentes, sugere-se que a vitamina E pode prevenir a
• A riboflavina é requerida para a síntese de glutationa peroxidase, pela formação de coágulos no sangue e minimizar o processo inflamatório
glutationa redutase; logo, deficiência de riboflavina pode resultar em envolvido no desenvolvimento de doenças do coração. Apenas quando
baixa atividade de GPS-Px. o LDL é danificado é que o colesterol parece levar à doença cardíaca e a
vitamina E é um importante antioxidante protetor do LDL.
• A atividade de GPS-Px reflete suplementação de Se até nível normal Nos últimos dez anos as funções da vitamina E nas células tem sido
de atividade, níveis superiores na dieta não elevam a atividade de ainda mais esclarecidas. Além de suas funções antioxidantes, a vitamina E
GPS-Px. é agora conhecida por agir por meio de outros mecanismos, incluindo
efeitos diretos na inflamação, regulação das células do sangue,
• A GPS-Px junto com as vitaminas E, C compõe o sistema antioxidante crescimento do tecido de conectividade e controle genético da divisão
do organismo. celular.

• A selenocisteína também participa de duas enzimas iodotironina O complexo B compreende diversas substâncias que apresentam as
deiodinases, na conversão de T4 para a sua forma mais ativa de T3; logo características de se diferenciarem em sua estrutura química, em suas
a deficiência de Se exacerba a de iodo e vice-versa. (Estima-se que ações biológicas e terapêuticas e no teor de suas necessidades
existam mais de 30 selenoproteínas no organismo, muitas ainda não nutricionais.
identificadas.) As vitaminas do complexo B ajudam a manter a saúde dos nervos,
pele, olhos, cabelos, fígado e boca, assim como a tonicidade muscular
• Função imune: evidências demonstram que o selênio e a vitamina E do aparelho gastrintestinal. As vitaminas do complexo B são coenzimas
aumentam a imunocompetência, obtidas pela medida da geração de envolvidas na produção de energia e podem ser úteis nos casos de
imunoglobulinas, possivelmente estimulando a biossíntese da depressão e ansiedade. As vitaminas do complexo B devem sempre ser
coenzima Q10 (ANDRIGUETTO et al., 1988). ingeridas juntas, mas uma determinada vitamina B poder ser consumida
de duas a tres vezes mais do que outra no tratamento de um
O selênio geralmente é ingerido sob diversas formas: determinado problema.
seleneometionina (das fontes vegetais), seleneocisteína (das fontes A tiamina (B1) atua na forma de carboxilase e no metabolismo dos
animais) e como selênio inorgânico. As duas primeiras formas são glicídios. Assim, quando as dietas forem ricas nos mesmos, a presença
geralmente bem absorvidas, enquanto a forma inorgânica do mineral é de tiamina se faz necessária a níveis mais altos do que quando a energia
influenciada por fatores intestinais. provem dos lipídios. Os sintomas de deficiência se traduzem por
Nas dietas atuais industrializadas e ricas em óleos, a suplementação de anorexia, convulsões e decréscimo na ação reflexa, principalmente
selênio se faz necessária complementando a ação da vitamina E como (ANDRIGUETTO, 1988).
um fator protetor de tecidos contra radicais livres e processos oxidativos. A riboflavina (B2) é necessária para a formação de hemácias,
produção de anticorpos, respiração celular e crescimento. É importante
O manganês é ativador de uma série de enzimas incluindo arginase, na prevenção e tratamento da catarata. Atua no metabolismo de
tiaminase, enolase etc. É necessário ao desenvolvimento da matriz carboidratos, gorduras e proteínas.
proteica dos ossos, à fosforilação oxidativa na mitocôndria, à síntese de A niacina é o termo genérico para a nicotinamida, ácido nicotínico ou
ácidos graxos e está envolvido no metabolismo dos aminoácidos vitamina B3. Sua absorção ocorre no intestino delgado e um pequeno
(ANDRIGUETTO et al., 1988). armazenamento ocorre no organismo. Qualquer excesso é eliminado
através da urina. Está presente em coenzimas essenciais para as reações
O iodo é necessário à síntese da tiroxina e da triiodotironina que são de oxidação-redução envolvidas na liberação de energia por
essenciais ao crescimento, ao desenvolvimento e a maturação carboidratos, gorduras e proteínas. A niacina tem propriedades
físico-mental. A função principal da tiroxina é aquela de controlar a hipolipemiantes, influencia a formação de colágeno e a pigmentação.
intensidade do metabolismo, determinando o nível do metabolismo No cérebro, a niacina age na formação de substâncias mensageiras,
basal (ANDRIGUETTO et al., 1988).

Organnact | Informativo Técnico | PUPPY | 39.0160


CONSTRUÇÃO
REPRODUÇÃO E
REGENERAÇAO
CANINA MUSCULAR

carboidratos, gorduras e proteínas. A niacina tem propriedades através das membranas celulares. O fosfato de piridoxal é essencial para
hipolipemiantes, influencia a formação de colágeno e a pigmentação. a síntese do ácido gama-aminolevulínico, precursor do heme (o heme é
No cérebro, a niacina age na formação de substâncias mensageiras, uma porfirina que contém ferro e que, unido à globina, forma a
como a adrenalina, influenciando a atividade nervosa. Na sua hemoglobina; o heme também faz parte de vários pigmentos
avitaminose a língua pode apresentar coloração avermelhada até negra, respiratórios de muita células, tanto vegetais como animais); embora
ulcerações e edema. Este quadro é acompanhado de salivação excessiva ainda seja nebuloso, o fosfato de piridoxal parece ter parte na
e aumento das glândulas salivares. Podem aparecer dermatites excitabilidade dos neurônios, possivelmente por sua ação no
parecidas com queimaduras de pele, diarréia, esteatorreia, náuseas e metabolismo do ácido gama-aminobutírico (GABA).
vômitos. No sistema nervoso, aparecem manifestações como cefaleia, Os sinais da deficiência são:
tonturas, insônia, depressão, perda de memória e, nos casos mais
severos, alucinações, demência e alterações motoras e neurológicas A- Na pele: lesões seborreicas acima dos olhos, boca e nariz,
com períodos de ausência e desordens nervosas generalizadas. inflamação da língua (glossite) e estomatite;
O estresse emocional pode induzir um aumento dos níveis de ácidos
graxos, da frequência cardíaca e da pressão diastólica, bem como a uma B- Sistema nervoso: convulsão, neurite periférica, irritabilidade e
elevação dos níveis de adrenalina e de noradrenalina no sangue.
A niacina participa nos mecanismos de oxidação celular, intervem no C- Sangue: anemia microcítica (com hemácias pequenas). Há outros
metabolismo dos aminoácidos e enxofre. Possibilita o metabolismo das sinais atribuidos à falta da vitamina B6, como os cálculos urinários de
gorduras e carboidratos, participando na redução dos níveis de oxalatos, a hiperglicemia e a diminuição da síntese de anticorpos (DUTRA,
colesterol do plasma. É componente de coenzimas e enzimas 1998).
respiratórias e vasodilatadoras, age estimulando a circulação com
redução na hipertensão. Tem importante função na revitalização da A vitamina B12 ou cianocobalamina é necessária para prevenir
pele, manutenção do sistema nervoso e do aparelho digestório. anemia. Auxilia a formação e longevidade das células. Essa vitamina
A colina (B4) é necessária a transmissão nervosa, regulação biliar e também é necessária à digestão apropriada, absorção dos alimentos,
funcionamento do fígado e formação de lecetina. Minimiza o excesso de síntese de proteínas e metabolismo de carboidratos e lipídeos. Além
gordura no fígado, com a sua ação lipotrópica, ajuda a produção de disso, a vitamina B12 previne danos aos nervos, mantém a fertilidade e
hormônio e é necessária ao metabolismo de lipídeos e colesterol. Sem promove o crescimento e desenvolvimento normais.
colina o funcionamento do cérebro e memória ficam prejudicados. A biotina (vitamina B8) é absorvida no intestino delgado por
O ácido pantotênico (B5) é necessário ao metabolismo glicídico e transporte ativo, em baixas concentrações e por difusão passiva em altas
lipídico. Através da CoA, participa da transferência das cadeias concentrações. Ajuda no crescimento celular, produção de ácidos
dicarbonadas e da utilização dos acetatos ativos, condicionando assim, graxos, metabolismo de carboidratos, lipídeos e proteínas e utilização
a realização do ciclo cítrico, a partir da condensação do ácido das vitaminas do complexo B. Quantidades suficientes são necessárias
oxaloacético e de um radical acetilado. O nível de CoA no fígado parece para a saúde dos pelos, pele e cascos (tecidos queratinizados).
ser influenciado por fontes de sulfatos orgânicos ou inorgânicos. Tanto a Considerado um alimento para o cérebro, o ácido fólico (vitamina B9)
metionina como o sulfato de cálcio, suplementados na proporção de é necessário à produção de energia e a interação com a vitamina B12 é
1,0% em dietas à base de milho-soja, aumentam a concentração indispensável para a proliferação dos glóbulos sanguíneos (eritrócitos).
hepática de CoA. A deficiência de ácido pantotênico retarda o A falta deste ácido causa uma anemia macrocítica idêntica a da falta de
crescimento e pode provocar o aparecimento de dermatite B12. Há perda de apetite, o que faz piorar as condições nutricionais, por
característica, que afeta os pés, a boca e as pálpebras. Os níveis hipótese, já carente.
suplementares parecem estar relacionados, também, com fatores A ciência médica veterinária tem investido na busca de terapias e de
genéticos. Apesar de, quimicamente, ser encontrado em grande substâncias, por meio de produtos naturais e derivados de plantas, que
variedade de matérias-primas, o ácido pantotênico parece estar nelas auxiliem no crescimento e, sobretudo, no desenvolvimento dos animais.
em forma pouco disponível. Frente à instabilidade da forma ácida, esta Uma série de doenças sistêmicas como infecções bacterianas e virais,
vitamina é suplementada na forma de sais, principalmente de cálcio, endo e ectoparasitoses, ou mesmo intoxicações, podem ser
como o pantotenato de cálcio. responsáveis pelo desenvolvimento de um quadro clínico de anemia.
A piridoxina (B6) participa de mais funções orgânicas do que
qualquer outro nutriente isolado, é representada por tres substâncias A vitamina A exerce inúmeras funções no organismo. Dentre estas
com estruturas diferentes: a piridoxina, um álcool primário, o seu funções, destacam-se por sua relevância, a visão, o crescimento, o
correspondente aldeído, o piridoxal e a piridoxamina, do grupo desenvolvimento e a manutenção do tecido epitelial, da função
aminoetil. No organismo dos animais, para serem aproveitados, todos os imunológica e da reprodução. Cada uma dessas funções pode ser
tres devem ser convertidos, no fígado, à forma ativa da vitamina, o satisfeita por ingestão de carotenóides pró-vitamina A, ésteres de retinil,
fosfato de piridoxal (DRI, 1998). retinol ou retinal que, posteriormente, restituir-se-ão em formas
Como outras vitaminas do complexo B, a atuação da B6 é na forma de funcionais de retinol, retinal e ácido retinóico. A deficiência da vitamina A
coenzima participante de uma série de reações metabólicas e é descrita por hiperqueratinização das superfícies epiteliais,
transformações de aminoácidos, sendo muito importante no hiperqueratose de ductos de glândulas sebáceas, erupções papulares,
metabolismo do triptofano. O fosfato de piridoxal atua como co-fator, alopecia e descamação cutânea e uma suscetibilidade aumentada à
no caso uma coenzima essencial para a ação de enzimas envolvidas no infecção bacteriana.
metabolismo dos aminoácidos, como as transaminases, as sintetazes e
as hidroxilases; a vitamina tem importância especial no metabolismo da Os níveis de vitamina D dependem em parte da relação cálcio e
glicina, da serina, do triptofano, do glutamato e dos aminoácidos fósforo da dieta bem como a disponibilidade deste último. A deficiência
sulfurados (contendo enxofre na fórmula). Atua na descarboxilação do desta vitamina se traduz nos cães jovens por raquitismo, ossos
5-hidroxitriptofano, portanto, na síntese do neurotransmissor arqueados, os dentes são irregulares e demoram a eruptar.
serotonina que entre outras ações, está associada com a atenção, com a A hiperavitaminose D pode levar a calcificação dos tecidos moles,
energia e com a motivação. Não poderia deixar de citar o outro excessiva mineralização dos ossos e deformação dos dentes. Pode haver
neurotransmissor, a noradrenalina, que influencia a impulsividade, a anorexia, poliúria e diarréia de sangue. Os distúrbios referidos para a
libido e o apetite (DRI, 1998). deficiência de vitamina D podem estar também relacionados com a
A vitamina B6 atua no metabolismo dos ácidos graxos e do glicogênio. falha de hormônios paratireoideos (ANDRIGUETTO et al., 1988).
O fosfato de piridoxal é coenzima para duas enzimas importantes para
o metabolismo cerebral, a transaminase ácida gama-aminobutírica e a Os cães parecem sintetizar no intestino a vitamina K para atender suas
adecarboxilase glutâmica. O fosfato de piridoxal também funciona necessidades. Salvo a presença de fatores antivitamina K na dieta
como quelato de metais, participa da síntese do ácido aracdônico (dicumarol), ou quando da aplicação terapêutica prolongada de
(a partir do ácido linolêico), entre outras ações, atua decisivamente nos antibióticos de largo espectro, não há necessidade de suplementação
processos inflamatórios e participa no transporte ativo de aminoácidos (ANDRIGUETTO et al., 1988).

Organnact | Informativo Técnico | PUPPY | 39.0160


REFERÊNCIAS

ANDRIGUETTO, J.M.; PERLY, L.; MINARDI, I.; GEMAEL, A.; LCLERCQ, B. El concepto de proteína ideal y el uso de aminoácidos
FLEMMING, J.S.; SOUZA, G.A.; FILHO, A.B. Nutrição animal, as sintéticos: estudio comparativo entre pollos y cerdos. In: Avances en
bases e os fundamentos da nutrição animal. Nobel. 4a Ed, 1988. Nutrición y Alimentación Animal. INRA – França. 1998.
ARAÚJO, K.V.; LIMA, J.A. de F.; TEIXEIRA, J.C.; FIALHO, E.T.; McARDLE, W.D.; KATCH, F.I.; KATCH, V.L. Fisiologia do exercício:
OLIVEIRA, A.I.J.; QUEIROZ, A.C. de. Determinação da energia, nutrição e desempenho humano. 5ª ed. Rio de Janeiro:
digestibilidade aparente dos nutrientes de alguns concentrados e Guanabara Koogan; 2003.
volumosos para eqüinos, pela técnica de saco de náilon móvel.
Revista da Sociedade Brasileira de Zootecnia, Viçosa, v. 25, n.5, MCCALL, K.A.; HUANG, C.C.; FIERKE, C.A. Function and
p.944-956, set./out. 1996. mechanism of zinc metalloenzymes. J Nutr. 2000; 130(5):1437S-46.
BOBÁNY, D.M. Cuidados clínicos com o filhote de cão/ cuidados McDOWELL, L.R. Calcium, phosphorus and fluorine.
clínicos em pequenos animais, A alimentação do filhote. Fragmento In: __________. Nutrition of grazing ruminants in warm climates.
extraído do curso a distância de Cuidados Clínicos em Pequenos Orlando, Academic Press, 1985. cap.9, p.189-212.
Animais – Portal Veterinária. Disponível em:
http://www.portalveterinaria.com.br/veterinaria/principal/conteud McGINNIS, T. The well dog book. New York: Handon House, 1991.
o.asp?id=4040.
PENZ Jr, A.M. Efeito da nutrição na preservação do meio ambiente.
DRI, Institute of Medicine, Dietary reference intakes for Thiamin, In: I Congresso Latino Americano de Suinocultura – Foz do Iguaçu,
Riboflavin, Niacin, Vitamin B6, Folate, Vitamin B12, Pantothenic Anais... p.95-109, 2003.
Acid, Biotin and Choline, http://www.nap.edu, copyright 1998, The
National Academy of Science. POFFENBARGER, E.M.; RALSTON, S.L.; CHANDLER, M.L. et al.
Canine neonatology. Part I. Phisiologic differences betwem puppies
DUTRA-DE-OLIVEIRA, J. O.; MARCHINI, J. S. Ciências and adults. The Compendium on Continuing Education for the
Nutricionais, Savier, São Paulo, 1998. Practicing Veterinarian, Trenton, v. 12, n. 11, p. 1601 - 1609, 1990.
GEORGIESVKII, V.I. The physiological role of macroelements. In: PRASAD, AS. Zinc deficiency in women, infants and children. J Am
GEORGIEVSKII, V.I.; ANNENKOV, B.N.; SAMOKHIN, V. I. Mineral Coll Nutr. 1996; 15(2):113-20.
nutrition of animals, London: Butterworths, 1982. cap.6., p.91-170
SALGUEIRO, M.J. et al. Zinc as an essencial micronutrient: a review.
GLEESON, M. Interrelationship between physical activity and Nutr Res. 2000; 20(5): 737-55.
branched-chain amino acids. J Nutr, 135: 1591-1595, 2005.
SANTIN, E.; MAIORKA, A. ; MACARI. M. Performance and
HACKENHAAR, l.; LEMME, A. Como reduzir o nível de proteína em intestinal mucosa development in broiler chickens fed ration
dietas de frangos de corte, garantindo performance e reduzindo containing Saccharomyces cerevisiae Cell Wall. J. Appl. Poult. Res.,

Organnact. Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução parcial e/ou total.


custos. Seminários Técnicos de Avicultura - VII Simpósio Goiano de Amesterdan, n.10, p. 236 - 244, 2001.
Avicultura e II Simpósio Goiano de Suinocultura – Avesui
Centro-Oeste. Goiânia – GO, 2005. SCOTT, D.W.; MILLER, W.H.; GRIFFIN, C. Skin immune system and
allergic skin disease. In: Muller and Kirk's: Dermatologia de pequenos
HAMBIDGE, M. Biomarkers of trace mineral intake status. J Nutr. animais. Philadelphia, WB Saunders 2001, pp. 543-666, 3 ed., 1985.
2003; 133(3 Suppl):948S-55.
SINGARI, N.A.; BHARDWAJ, R.M.; MATA, M.M.; CHUGH, S.K.
JACKSON, S.G.; PAGAN, J.D. Growth management of young Effect of hypophosphatemia on erythrocytic metabolism in post
horses. A key to future success. Journal Equine Veterinary Science, parturient haemoglobinuria of buffaloes. Indian Journal of Animal
Wildomar, v.13, p.10-11, 1993. Science, v.59, n.10, p.1235-1236, 1989.
JOHNSON, J.V. Necessidades protéicas Del perro. Waltham SIZER, F.S.; WHITNEY, E.N. Nutrição: conceitos e controvérsias. São
International Focus, London, v. 3, n. 1, p. 9 - 14, 1993. Paulo: Manole; 2003.
KNOCHEL, J.P. The pathophysiology and clinical caracteristics of UNDERWOOD, E.J. The mineral nutrition of livestock . 2.ed.
severe hypophosphatemia. Archives of Internal Medicine, v.137, Farnham Royal: CAB, 1981. cap.4, p.31-48: Calcium and phosphorus.
p.203-220, 1977.
WANG, X.L.; GALLAGHER, C.H.; McLURE, T.J.; REEVE, V.E.;
LANCHA Jr, A.H. Nutrição e metabolismo aplicados à atividade CANFIELD, P. J. Bovine pos-parturient haemoglobinuria: effect of
motora. São Paulo: Atheneu; 2004. inorganic phosphate on red cell metabolism. Research in
Veterinary Science, v.39, p.333-339, 1985.