Você está na página 1de 8

13

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício


ISSN 1981-9900 versão eletrônica
P e r i ó d i c o do I n s t i t u t o B r a s i l e i r o d e P e sq u i s a e E n si n o e m F i s i o l o gi a do E x e r c í c i o
w w w . i b p e f e x . c o m . b r / w w w . r b p f e x . c o m . b r

RESPOSTA AGUDA DO LACTATO SANGUÍNEO EM DIFERENTES MÉTODOS


DE TREINAMENTO DE FORÇA REALIZADOS POR HOMENS TREINADOS

Henrique Miguel1, Marcus Vinícius de Almeida Campos2


Rafael Dramis Calixto3, Marcos Tadeu Tavares Pacheco4

RESUMO ABSTRACT

Introdução: O treinamento de força (TF) é uma das Acute response of blood lactate in different
modalidades mais praticadas de exercício físico strenght training metodhs performed by trained
atualmente, por indivíduos de diferentes faixas men
etárias, de ambos os sexos e com níveis de aptidão
física distintos. Diversos são os motivos advindos
Introduction: Strength training (TF) is one of the
da prática do TF, porém, verifica-se uma grande
most widely practiced forms of exercise today, for
vertente voltada à estética, principalmente à
individuals of different ages, of both sexes and with
hipertrofia muscular. Objetivo: analisar as respostas
different levels of physical fitness. There are several
agudas de lactato sanguíneo (LAC) em diferentes
reasons arising from the TF practice, however, there
métodos de treinamento de força. Métodos: Foram
is a large component dedicated to aesthetics,
avaliados 12 homens com experiência em
especially to muscle hypertrophy. Objective: To
treinamento de força (idade de 27±1,2 anos, massa
analyze the acute responses of blood lactate (LAC)
corporal de 80,15±6,5 quilos e tempo de prática de
in different strength training methods. Methods: We
4,5±1,4 anos). O protocolo do trabalho foi dado por:
evaluated 12 men with experience in strength
1) realização da anamnese e explicação sobre a
training (age 27 ± 1.2 years, body mass 80.15 ± 6.5
pesquisa; 2) teste de 1RM para o exercício supino
kg and practice time of 4.5 ± 1.4 years). The study
reto; 3) familiarização com os protocolos de treino;
protocol was given by:1) anamnesis and
4) realização do método isodinâmico (ISO); 5)
explanation of the research; 2) 1RM test for the
realização do método repetições negativas (NGT);
bench press exercise; 3) familiarization with the
6) realização do método pirâmide decrescente
training protocols; 4) perform of isodynamic method
(PRD); 7) realização do método intervalo
(ISO), 5) perform of negative repetitions method
decrescente (ITD); 8) realização do método rest-
(NGT); 6) perform of decreasing pyramid method
pause (RST); 9) realização do método ondulatório
(PRD); 7) perform of decreasing interval method
(OND). Para a análise do LAC nos métodos, foram
(ITD); 8) perform of the rest-pause method (RST);
observados os momentos pré e pós-exercício onde
9) perform of wave method (OND). For the analysis
foi retirado 0,1 ml de sangue do lóbulo da orelha
of LAC in the methods they were observed pre and
direita dos indivíduos e mensurado através de um
post exercise which was removed 0.1 ml of blood
aparelho portátil devidamente calibrado.
from the right ear lobe of individuals and measured
Resultados: observou-se que a resposta aguda foi
using a calibrated portable device. Results: it was
estatisticamente significativa após realização dos
observed that the acute response was statistically
exercícios (p<0,05), contudo não houve diferença
significant after the exercises (p <0.05), however
entre os exercícios e os tipos de estresse induzido
there was no difference between exercises and
pelos mesmos (Metabólico, Tensional e Misto -
types of stress induced by the same (Metabolic,
p>0,12). Conclusão: As respostas agudas pós-
Tension and Mixed - p> 0, 12). Conclusion: Acute
realização de diferentes métodos de treinamento
responses after realization of different training
para hipertrofia muscular, aumentaram o LAC
methods for muscle hypertrophy, increased
significativamente. Em relação aos tipos de
significantly LAC. Regarding the types of stress
estresse induzido pelo exercício (MET, TE e MIS), o
induced by exercise (TEM, TE and MIS), the LAC
LAC não apresentou diferença significativa entre
was no significant difference between them,
eles, contudo, observou-se que os métodos que
however, it was observed that the methods that
induzem o estresse metabólico tiveram maiores
induce metabolic stress had greater changes in
modificações em LAC.
LAC.

Palavras-chave: Treinamento de força. Key words: Strength training. Lactate.


Lactato. Métodos de treinamento. Training Methods
1-Centro Regional Universitário de Espírito 3-Faculdades Pitágoras, Departamento de
Santo do Pinhal, Departamento de Educação Educação Física, Poços de Caldas-MG, Brasil.
Física, Poços de Caldas-MG, Brasil. 4-Universidade Camilo Castelo Branco,
2-Faculdade Euclides da Cunha, Departamento de Pós-Graduação de
Departamento de Educação Física, Mococa- Pesquisa, São José dos Campos-SP, Brasil.
SP, Brasil.

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo. v.12. n.72. p.13-20. Jan./Fev. 2018. ISSN 1981-9900.
14
Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício
ISSN 1981-9900 versão eletrônica
P e r i ó d i c o do I n s t i t u t o B r a s i l e i r o d e P e sq u i s a e E n si n o e m F i s i o l o gi a do E x e r c í c i o
w w w . i b p e f e x . c o m . b r / w w w . r b p f e x . c o m . b r

RESUMEN INTRODUÇÃO

Respuesta aguda del lactato sanguíneo en As respostas fisiológicas verificadas


diferentes métodos de entrenamiento de frente ao treinamento de força (TF), sejam elas
fuerza realizados por hombres entrenados agudas ou crônicas, auxiliam no processo de
entendimento sobre a eficiência das cargas de
Introducción: el entrenamiento de fuerza (TF) es trabalho, dos tempos de recuperação, do
una de las formas más ampliamente practicado tempo sob tensão e outros fatores que atuam
ejercicio de hoy, para las personas de diferentes de forma estressora no organismo. Tais
edades, de ambos sexos y con diferentes niveles ajustes, levam a mudanças nos valores de
de aptitud física. Hay varias razones derivadas de la
práctica TF, sin embargo, hay un gran componente
vários parâmetros fisiológicos, que buscam
dedicado a la estética, especialmente a la verificar a otimização do componente de
hipertrofia muscular. Objetivo: Analizar las treinamento para determinado indivíduo
respuestas agudas de lactato en sangre (LAC) en (ACSM, 2003; Campos e Luecke, 2002;
diferentes métodos de entrenamiento de fuerza. Prestes e colaboradores, 2010; Smilios e
Métodos: Se evaluó a 12 hombres con experiencia colaboradores, 2003).
en el entrenamiento de fuerza (edad 27 ± 1,2 años, A elaboração do treinamento de força
la masa corporal 80.15 ± 6.5 kg y el tiempo de la objetivando as respostas hipertróficas deve
práctica de 4,5 ± 1,4 años). El protocolo de estudio seguir as orientações definidas pela literatura
fue dado por: 1) la terminación de la historia y la
explicación de la investigación; 2) test de 1RM para
(ACSM, 2002; Frolinni e colaboradores, 2008;
el ejercicio de press de banca; 3) la familiaridad con Kraemer e Ratames, 2004; Miguel, 2015),
los protocolos de entrenamiento; 4) realización de sendo que a mesma preconiza que as cargas
método isodinámico (ISO); 5) la realización del de treino para indivíduos saudáveis devem
método de repeticiones negativo (NGT); 6) la estar entre 70 a 85% de 1RM (uma repetição
realización de disminuir método de pirámide (PRD); máxima), variando de 3 a 4 séries com 8 a 12
7) realización de la disminución de método de repetições e intervalos entre as séries que
intervalo (ITD); 8) la realización del método de podem variar de 60 a 90 segundos.
descanso-pausa (RST); 9) la ejecución de método Outro ponto importante a ser
en forma de onda (OND). Para el análisis de LAC
en los métodos de entrenamiento, Se observaron el
destacado na elaboração do treinamento é o
pre y post-ejercicio que se retiró 0,1 ml de sangre tipo de estresse muscular induzido pelo
de la oreja derecha de los individuos y se midió exercício (EMIE) que cotidianamente vem
utilizando un dispositivo portátil calibrado. ganhando evidência entre as pesquisas em
Resultados: se observó que la respuesta aguda fue treinamento de força (Yasuda e colaboradores,
estadísticamente significativa después de los 2010).
ejercicios (p <0,05), sin embargo, no hubo Os tipos de estresse podem ser
diferencias entre los ejercicios y tipos de estrés definidos de acordo com a magnitude do
inducido por el mismo (metabólico, tensionale y trabalho que é desenvolvido. O estímulo
mixta- p>0,12). Conclusión: las respuestas agudas
después de la realización de los diferentes métodos
mecânico é definido pela quantidade de peso
de entrenamiento para la hipertrofia muscular, levantada em cada repetição executada
aumentaron significativamente LAC. En cuanto a enquanto o estímulo metabólico é definido por
los tipos de estrés inducido por el ejercicio (MET, uma quantidade maior de repetições, com
TE y MIS), LAC no mostró ninguna diferencia cargas relativamente baixas, primando por um
significativa entre ellos, sin embargo, se observa exercício de maior tempo sob tensão (Gentil e
que los métodos que inducen estrés metabólico colaboradores, 2006a).
tuvieron mayores cambios en la LAC. Além destes, outros autores ainda
citam um terceiro estímulo, que é executado
Palabras-clave: Entrenamiento de fuerza. com parâmetros do estresse tensional
Lactato. Métodos de entrenamiento somados aos parâmetros do estresse
metabólico, que recebe o nome de estímulo
misto (Schoenfeld, 2010, 2013, Teixeira,
E-mails dos autores: 2015).
prhmiguel@gmail.com Sendo estímulos diferentes, cada um
marcttadeu@uol.com.br destes possui determinados fatores
rafacalixto888@gmail.com metabólicos e fisiológicos particulares, e as
mvacampos@gmail.com respostas agudas frente ao treinamento

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo. v.12. n.72. p.13-20. Jan./Fev. 2018. ISSN 1981-9900.
15
Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício
ISSN 1981-9900 versão eletrônica
P e r i ó d i c o do I n s t i t u t o B r a s i l e i r o d e P e sq u i s a e E n si n o e m F i s i o l o gi a do E x e r c í c i o
w w w . i b p e f e x . c o m . b r / w w w . r b p f e x . c o m . b r

dependem das variáveis que são manipuladas, Desta forma, o objetivo deste estudo
apontando sua eficácia ou não no processo de foi verificar a resposta aguda da lactacidemia
indução da hipertrofia muscular (Durand e em diferentes métodos de treinamento para a
colaboradores, 2003). hipertrofia muscular.
Alguns autores (Robergs e
colaboradores, 2004) citam que o piruvato que MATERIAIS E MÉTODOS
é originado ao final da via glicolítica é
dependente da intensidade do exercício que Amostra
se realiza. Quando em condições aeróbias é
oxidado na mitocôndria. Quando em condições Participaram deste estudo 12 (doze)
anaeróbias, o piruvato é transformado em indivíduos do sexo masculino, com idade entre
lactato, que é responsável pela regeneração 25 e 29 anos, com mais de dois anos de
da coenzima NAD+ (nicotinamida adenina prática no treinamento de força (musculação)
dinucleotideo), que recebem elétrons de e conhecimento em diferentes métodos de
NADH, permitindo o funcionamento da via treino para hipertrofia e aumento de força
glicolítica. Quando o ATP é hidrolisado a muscular.
enzima lactato desidrogenase auxilia na O número da amostra foi determinado
catalisação de prótons de hidrogênio (H+), pela análise dos dados de 1RM num estudo
potencializando a reoxidação de NADH piloto realizado anteriormente em um grupo de
mantido no contingente de substratos indivíduos com características semelhantes
energéticos da segunda fase da via glicolítica, aos participantes desta pesquisa. Utilizou-se
auxiliando na regeneração do ATP. o nível de significância de 5% e poder de teste
Segundo Ide e colaboradores (2010) o de 95% (Eng, 2003).
lactato produzido no final da via glicolítica em Os dados gerais dos voluntários
exercício de intensidade alta, auxilia na podem ser observados na tabela 1.
produção de energia proveniente do ATP na O presente estudo foi aprovado pelo
contração muscular. A intensidade do Comitê de Ética e Pesquisa da Universidade
treinamento contribui de forma direta no Santa Cecília (UNISANTA-SP/Brasil), com
aumento da capacidade de transporte de H+ e número do parecer 964.904. A metodologia
lactato, onde os transportadores MCT podem utilizada foi elaborada respeitando as
ser modificados segundo a intensidade do resoluções 196/96 do Conselho Nacional de
trabalho. Sendo assim, elas se adaptam às Saúde.
respostas da produção de lactato, transporte e
eliminação durante o exercício.

Tabela 1 - Variáveis
Variante Média ± DP
Idade (anos) 27,00 ± 1,20
Massa (kg) 80,15 ± 6,50
Estatura (m) 1,76 ± 0,04
IMC 25,70 ± 2,00
1RM (kg) 149,00 ± 6,50
Tempo de prática (anos) 4,50 ± 1,40

Desenho experimental participar do estudo. Após isso, foi realizada


uma explicação geral sobre o objetivo do
Os sujeitos realizaram ao todo, nove estudo, bem como seus possíveis benefícios
visitas ao local de pesquisa. A divisão das ou riscos para os indivíduos. Na 2ª visita, os
tarefas foi efetivada da seguinte maneira: na participantes foram divididos em dois grupos
1ª visita (semana I), os voluntários pré- com quantidades iguais e realizaram o teste
selecionados de acordo com os critérios de de 1RM (uma repetição máxima) para o
inclusão, responderam à ficha de anamnese, exercício supino reto.
onde foi verificada qualquer situação Tais grupos realizaram o teste no dia 2
controversa que pudesse impedir o mesmo em e no dia 3, respectivamente. Na 3ª visita, ainda

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo. v.12. n.72. p.13-20. Jan./Fev. 2018. ISSN 1981-9900.
16
Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício
ISSN 1981-9900 versão eletrônica
P e r i ó d i c o do I n s t i t u t o B r a s i l e i r o d e P e sq u i s a e E n si n o e m F i s i o l o gi a do E x e r c í c i o
w w w . i b p e f e x . c o m . b r / w w w . r b p f e x . c o m . b r

divididos em dois grupos, houve a incapacidade de suportar o peso na


familiarização com os protocolos de treino de frenagem do movimento. Foram
força que foram utilizados durante a pesquisa. realizadas 4 séries, de 4 a 6 repetições,
Os grupos realizaram a familiarização nos dias com intervalos passivos de 120
4 e 5, respectivamente. Na 4ª visita (semana segundos.
II) com os indivíduos sendo escolhidos de • Rest-Pause(RST): o voluntário realiza de
forma aleatória para execução do exercício, 6 a 8 repetições com 80% da carga de
iniciou-se a realização dos métodos de 1RM. Após isso, descansa durante 10
treinamento, onde foi utilizado o método segundos e repete os movimentos até a
isodinâmico, com as coletas pré e pós- falha concêntrica. Após mais 10
exercício. Na 5ª visita e na 6ª visita, foi segundos de intervalo, realiza novamente
utilizado o mesmo protocolo, onde o método os movimentos até a fadiga concêntrica,
negativo e pirâmide decrescente foram encerrando a série. Foram realizadas 4
realizados, respectivamente. Na 7ª visita séries com intervalos passivos de 90
(semana III), bem como na 8ª e 9ª visitas, segundos.
foram realizados os métodos intervalo
decrescente, rest-pause e ondulatório, nesta b) Estresse metabólico predominante (MET)
ordem, onde foram finalizadas as coletas • Isodinâmico (ISO): o voluntário realiza um
realizadas com os voluntários. As visitas das movimento isométrico de 20 segundos e,
semanas II e III foram realizadas com espaço em seguida, realiza os movimentos do
de 48 horas entre as mesmas, permitindo que exercício em ciclos completos até a
os parâmetros fisiológicos dos indivíduos fadiga concêntrica. Neste protocolo é
pudessem ser recuperados entre uma sessão utilizada carga de 60% de 1RM. Foram
e outra. realizadas 4 séries, com 90 segundos de
intervalo passivo.
Protocolo de uma repetição máxima (1RM) • Intervalos decrescentes (ITD): o
voluntário realiza de 12 a 15 repetições
O protocolo de 1RM para o supino reto com uma carga de 60% de 1RM. Os
seguiu as determinações de Hollander e intervalos entre as séries possuem
colaboradores (2007) que consiste tempos decrescentes. No protocolo
inicialmente num aquecimento de 5 a 10 adotados nesta análise, foram utilizadas 4
repetições com carga aleatória, não séries e os tempos de intervalo foram de
ultrapassando 60% de 1RM. Após isso, há um 90 segundos, 60 segundos e 30
intervalo de 3 minutos de intervalo passivo, segundos.
antes de se inserir uma carga inicial próxima à
capacidade máxima de execução de uma c) Estresse misto – “metabólico +
repetição no exercício. Caso o indivíduo tensional” (MIS)
consiga realizar mais que uma repetição, o • Pirâmide decrescente (PRD): o voluntário
protocolo é interrompido e a barra volta ao realiza o exercício onde, durante as
suporte. Após um intervalo de 5 minutos, são séries, ocorre o aumento das repetições
acrescidos pesos de 2 a 10 quilos, (~10%) com a diminuição da carga e do intervalo
realizando o mesmo processo anterior, até que de descanso. 1ª série: de 5 a 7 repetições
apenas um ciclo de movimento seja realizado com 90% de 1RM e 120 segundos de
(uma repetição máxima). intervalo; 2ª série: de 7 a 9 repetições
com 80% de 1RM e 90 segundo de
Métodos de treinamento de força intervalo; 3ª série: de 9 a 11 repetições
com 70% de 1RM e 60 segundos de
a) Estresse tensional predominante (TE) intervalo; 4ª série: de 11 a 13 repetições
• Repetições negativas (NEG): o voluntário com 60% de 1RM.
realiza apenas o movimento excêntrico do • Ondulatório (OND): parecido com o
movimento (fase negativa) e tem o auxílio protocolo anterior, consiste em realizar as
de um companheiro na fase concêntrica séries com ondulação de carga. 1ª série:
(fase positiva). A carga utilizada foi de de 7 a 9 repetições com 80% de 1RM e
110% de 1RM, e o exercício se encerra intervalo de 90 segundos; 2ª série: de 13
quando ocorre a falha concêntrica ou há a a 15 repetições com 60% de 1RM e

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo. v.12. n.72. p.13-20. Jan./Fev. 2018. ISSN 1981-9900.
17
Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício
ISSN 1981-9900 versão eletrônica
P e r i ó d i c o do I n s t i t u t o B r a s i l e i r o d e P e sq u i s a e E n si n o e m F i s i o l o gi a do E x e r c í c i o
w w w . i b p e f e x . c o m . b r / w w w . r b p f e x . c o m . b r

intervalo de 90 segundos; 3ª série: de 5 a e pós-exercício utilizou-se o teste ANOVA


7 repetições com 90% de 1RM e intervalo One-way seguido de Bonferrony, avaliando
de 90 segundos; 4ª série: de 9 a 11 significância entre os métodos (análise aos
repetições com 70% de 1RM. pares). Para verificação de diferenças
significativas entre o tipo de estresse
Análise do lactato sanguíneo (LAC) fisiológico dos métodos de treinamento,
utilizou-se da diferença ponderada, seguido do
O lactato sanguíneo foi coletado teste de ANOVA One-way, com teste de
imediatamente antes e imediatamente após a Bonferrony, avaliando significância aos pares
execução dos métodos do treinamento de (MET x TE, MET X MIS, TE x MIS). O nível de
força. Para tal, foi utilizado um aparelho da significância foi estabelecido em P ≤ 0.05.
marca Roche (modelo Accutrend Plus), com Para análise dos dados foi utilizado o
tiras da marca Roche (modelo Accusport BM programa GraphPad Instat 3.1.
Lactate). Para punção, utilizou-se um
lancetador Softclix com microlancetas RESULTADOS
descartáveis, coletando duas gotas de sangue
(~0,1ml) do lóbulo da orelha direita do Em relação à alteração aguda do
indivíduo, que foram colocadas no centro da lactato sanguíneo (LAC) frente aos distintos
tira teste reagente para a análise da métodos de treinamento de força utilizados
concentração de lactato sanguíneo. Tal nesta pesquisa, verificou-se aumento notório
aparelho utiliza química seca no diagnóstico nesta variável (média de 5,36 mM), e, após
do lactato, verificando concentrações que vão análise estatística, observou-se diferença
de 0,8 a 22 milimoles por litro (mMol/L). significativa para todos os métodos nas
condições pré e pós-exercício (p<0,05),
Análise estatística conforme mostra a figura 1.
Em relação ao tipo de estresse
Num momento inicial buscou-se a muscular induzido pelo exercício imposto pelo
normalização e homogeneidade dos dados método de treino executado, utilizando a
mesmos utilizando o teste de Shapiro-Wilk. Na média da diferença ponderada (pós – pré/pré)
comparação pré e pós-exercício, para LAC, verificou-se não haver diferença
utilizou-se a comparação de médias para estatisticamente significativa quando
grupos pareados através do teste de T- comparados entre si: MET x TE (p= 0,204); TE
Student. Para a verificação de diferenças x MIS (p= 0,237); MET x MIS (p= 0,123). Tais
significativas entre a diferença ponderada pré dados são mostrados na figura 2.

Figura 1 - Média e desvio padrão do LAC entre os diferentes métodos de treinamento de força nas
condições pré e pós-exercício (*p<0,05).

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo. v.12. n.72. p.13-20. Jan./Fev. 2018. ISSN 1981-9900.
18
Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício
ISSN 1981-9900 versão eletrônica
P e r i ó d i c o do I n s t i t u t o B r a s i l e i r o d e P e sq u i s a e E n si n o e m F i s i o l o gi a do E x e r c í c i o
w w w . i b p e f e x . c o m . b r / w w w . r b p f e x . c o m . b r

Figura 2 - Médias da diferença ponderada comparadas entre os métodos Metabólicos (MET),


Tensionais (TE) e Mistos (MIS) em relação ao LAC.

DISCUSSÃO Quando analisadas as médias de


aumento do LAC, observou-se que os
Observou-se neste estudo que os exercícios que induzem o estresse metabólico
níveis de lactato sanguíneo (LAC) elevaram-se muscular tiveram maiores diferenças em
significativamente após a realização de todos relação aos demais, contudo, não houve
os métodos de treinamento (pré e pós- alterações significativas.
exercício), sendo que o método de repetições Com o mesmo intuito, Gentil e
negativas obteve o menor aumento deste colaboradores (2006b) verificaram os
metabólito (aumento de 50%), fato que pode parâmetros agudos de LAC em 7 homens
ser explicado por este método não buscar a ativos em diferentes protocolos de treinamento
indução de estresse metabólico significativo, e observaram aumento deste metabólito,
possuindo intervalos de recuperação maiores porém, não houve diferença significativa entre
que os demais (120 segundos) e um tempo os momentos pré e pós-exercício, fato este
menor de execução das séries (Kraemer e que não corrobora com os achados desta
Ratames, 2004; Smilios e colaboradores, pesquisa. Contudo, os autores afirmam que o
2003). número reduzido de participantes pesquisados
Gentil e colaboradores (2006a) pode ter sido um importante componente de
verificaram a mesma situação frente ao variação dos resultados esperados. Em
método super slow, que é realizado através de contrapartida, Smilios e colaboradores (2003),
uma repetição com carga elevada e tempo de verificaram que os métodos de treinamento de
ação concêntrica de 30 segundos e ação força que proporcionam maiores alterações na
excêntrica de 30 segundos. No estudo em concentração do LAC, são aqueles que
questão, os autores observaram que o método possuem um maior número de repetições,
super-slow, obteve a menor elevação de LAC tempo de recuperação menor que 120
em relação aos outros três métodos segundos e carga de trabalho de 40 a 60%.
analisados. Tais resultados evidenciam que Estes dados auxiliam no entendimento dos
exercícios com longos períodos de execução parâmetros encontrados na média dos
nas ações concêntricas/excêntricas, podem métodos que induzem o estresse metabólico
influenciar nos níveis de LAC. Buscando utilizados nesta pesquisa.
enfatizar esta hipótese, a pesquisa de Buitrago Em nosso estudo, os métodos que
e colaboradores (2013) mostra que a utilizaram cargas menores, tiveram maior
realização de ações concêntricas e quantidade de repetições e, também,
excêntricas com tempo maiores, demonstra utilizaram intervalos de recuperação reduzidos
menores valores de lactato sanguíneo pós (métodos de estresse metabólico).
exercício. Sendo assim, houve um maior tempo
sobre tensão durante estes exercícios. Mesmo

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo. v.12. n.72. p.13-20. Jan./Fev. 2018. ISSN 1981-9900.
19
Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício
ISSN 1981-9900 versão eletrônica
P e r i ó d i c o do I n s t i t u t o B r a s i l e i r o d e P e sq u i s a e E n si n o e m F i s i o l o gi a do E x e r c í c i o
w w w . i b p e f e x . c o m . b r / w w w . r b p f e x . c o m . b r

não sendo observadas diferenças REFERÊNCIAS


significativas entre os protocolos de estresse
tensional, misto e metabólico, este último, 1-American College of Sports Medicine.
mostrou-se com parâmetros mais elevados Diretrizes do ACSM para os testes de esforço
que os demais. e sua prescrição. 6ª edição. Guanabara. 2003.
Neste sentido, Rahimi e colaboradores
(2010) relatam que os intervalos de 2-American College of Sports Medicine.
recuperação entre as séries também são Position stand: progression models in
importantes componentes para modificação resistance training for healthy adults. Med
dos parâmetros metabólicos do organismo. Science Sports Exercise. Vol. 34. Num. 17.
Quando os exercícios possuem uma maior 2002. p. 364-380.
duração em relação as suas repetições nas
séries (maior tempo sobre tensão), as pausas 3-Buitrago, S.; Wirtz, N.; Kleinoder, H.; Mester,
auxiliam na recuperação do metabolismo J. Mechanical load and physiological
energético, o que evita uma fadiga responses of four different resistance training
intramuscular efetiva pelo fato de ocorrer o methods in bench press exercise. Journal
acúmulo de íons de hidrogênio e aumento das Strenght Condition Research. Vol. 27. Num. 4.
concentrações do lactato. Nos protocolos de 2013. p. 1091-1100.
hipertrofia, o estresse metabólico pode ser
fator fundamental nos ganhos musculares, 4-Campos, G.E.; Luecke, T. J. Muscular
justamente por induzir o aumento das adaptations in response to three different
concentrações de GH e IGF1, que são resistance training regimens: specificity of
importantes hormônios anabólicos. repetition maximum training zones. European
Journal Applied Physilogy. Vol. 88. Num. 1.
CONCLUSÃO 2002. p. 50-60.

A partir dos resultados verificados no 5-Durand, J.R.; Castracane, D.; Hollander,


presente estudo, observou-se que as B.D.; Trynieck, L.J.; Bamman, M.M.; O´Neal
respostas agudas pós-realização de diferentes S.; Hebbert, P.E.; Kraemer, R.R. Hormonal
métodos de treinamento para hipertrofia responses concentric and eccentric muscle
muscular, aumentaram o LAC contractions. Medicine Science Sports
significativamente. Exercise. 2003. p. 937-943.
Em relação aos tipos de estresse
induzido pelo exercício (MET, TE e MIS), o 6-Eng, J. Sample Size Estimation: How many
LAC não apresentou diferença significativa individuals should be studied? Radiology. Vol.
entre eles, e ainda, observou-se que os 227. Num. 2. 2003. p. 309-313.
métodos que induzem o estresse metabólico
tiveram maiores modificações em LAC. 7-Frolinni, A.B.; e colaboradores. Exercício
Contudo, estudos futuros se fazem físico e regulação do lactato: papel dos
necessários para confirmar estes achados, transportadores de monocarboxilato (proteínas
analisando uma amostra maior, verificando a MCT). Revista Educação Física. Vol. 19. Num.
percepção subjetiva de esforço, investigando o 3. 2008. p.4 53-463.
tempo sobre tensão de cada exercício e
utilizando respostas crônicas induzidas pelo 8-Gentil, P.; Oliveira, E.; Fontana, K.; Molina.;
TF. G, Oliveira.; R.J.; Bottaro, M. The acute effects
of varied resistance training methods on blood
AGRADECIMENTO lactate and loading characteristics in
recreationally trained men. Revista Brasileira
Este trabalho foi realizado com o Medicina do Esporte. Vol. 12. Num. 6. 2006a.
auxílio da CAPES, órgão nacional voltado à p. 406-413.
otimização da pesquisa científica.
9-Gentil, P.; Oliveira, E.; Bottaro, M. Time
under tension and blood lactate response
during four different resistance training
methods. Journal of Physiology

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo. v.12. n.72. p.13-20. Jan./Fev. 2018. ISSN 1981-9900.
20
Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício
ISSN 1981-9900 versão eletrônica
P e r i ó d i c o do I n s t i t u t o B r a s i l e i r o d e P e sq u i s a e E n si n o e m F i s i o l o gi a do E x e r c í c i o
w w w . i b p e f e x . c o m . b r / w w w . r b p f e x . c o m . b r

Anthropometry. Vol. 25. Num. 2. 2006b. p. 19-Teixeira, C.V.L.S. Métodos avançados de


339-344. treinamento para hipertrofia. 2ª edição. Create
Space. 2015.
10-Ide, B.N.; Lopes, C.R.; Sarraipa, M.F.
Fisiologia do treinamento esportivo. Phorte. 20-Yasuda, T.; Fujita, S.; Ogasawara, R.; Sato,
2010. Y.; Abe, T. Effects of low-intensity bench press
training with restricted arm muscle blood flow
11-Kraemer, W.J.; Ratames, N.A. on chest muscle hypertrophy: a pilot study.
Fundamentals of Resistance Training: Clinical Physilogy Functional Imaging. Vol. 30.
Progression and Exercise Prescription. Num. 5. 2010. p. 338-343.
Medicine Science Sports Exercise. Vol. 36.
Num. 16. 2004. p. 674-688.

12-Miguel, H. Musculação: Manual teórico-


prático para jovens profissionais. Jundiaí:
Fontoura, 2015. Contribuições dos autores: Cada autor
contribuiu individual e significativamente para
13-Prestes, J.; Foschini, D.; Marquetti, P.H.; o desenvolvimento do manuscrito.
Charro, M.A. Prescrição e periodização do HM (0000-0003-3455-8873)* participou
treinamento de força em academias. Manole. substancialmente na concepção do trabalho;
2010. HM (0000-0003-3455-8873)* e MTTP(0000-
0002-1725-4803)* participaram no desenho do
14-Rahimi, R.; Qaderi, M.; Faraji, H.; trabalho, aquisição, análise e interpretação
Boroujerdi, S.S. Effects Very Short Rest dos dados e redação do artigo. contribuiu na
Periods on hormonal responses to resistance aquisição gerenciamento das coletas e
exercise in men. Journal Strenght Conditio instrução aos voluntários.
Research. Vol. 24. Num. 7. 2001. p. 1851- MVAC (0000-0002-2408-5104)* contribuiu na
1859. aquisição e análise dos dados, redação e
revisão final do conteúdo. Todos os autores
15-Robergs, R.A.; Ghiasvand, F.; Parker, D. contribuíram com o conceito intelectual do
Biochemistry of exercise-induced metabolic estudo.
acidosis. American Journal Physiology Regular *Número ORCID (Open Researcher and
Integral Composition. Vol. 287. Num. 3. 2004. Contributor ID).
p. 503-516.

16-Schoenfeld, B.J. The Mechanisms of Endereço para correspondência:


Muscle Hypertrophy and Their Aplication to Henrique Miguel
Resistance Training. Journal Strenght Rua lázaro Fraga, 319, Jardim country Club;
Condition Research. Vol. 24. Num. 10. 2010. P Poços de Caldas-MG; Brasil
.2857-2872. Tel: 36 98804-6172

17Schoenfeld, B.J. Is there a minimum


intensity threshold for resistance training- Recebido para publicação 15/01/2017
induced hypertrophy adaptations? Sports Aceito em 10/01/2018
Medicine. Vol. 12. Num. 43. 2003. p. 1279-
1288.

18-Smilios, I.; Pilianidis, T.; Karamouzis, M.;


Tokmakids, S.P. Hormonal Responses after
Various Resistance Exercise Protocols.
Medicine Science Sports Exercise. Vol. 35.
Num. 4. 2003. p. 644-654.

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo. v.12. n.72. p.13-20. Jan./Fev. 2018. ISSN 1981-9900.

Você também pode gostar