Você está na página 1de 26

POTENCIAL AÇÃO DE FITOTERÁPICOS

COMO AGENTES ANSIOLÍTICOS

Autora: Cláudia Emanuele Machado


Orientadora: Dra. Rafaela Karin de Lima
Coordenador da UC: Dr. Josefredo Rodriguez Pliego Jr.

Revisão Bibliográfica Trabalho de Conclusão de Curso - 2013 1


INTRODUÇÃO
Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG)

Distúrbio do Sistema Nervoso Central

Custos anuais US $ 50 bilhões para os cofres públicos

Reflexo na qualidade de vida e produtividade

2
(Ballenger, 2000; Gargano, 2007; Lakhan e Vieira, 2010; Donegan e Dugas, 2012)
INTRODUÇÃO
Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG)

Todo ser humano possui um “quantum “ de ansiedade considerada normal e


de valor adaptativo. (Gargano, 2007)

Ansiedade Normal X TAG

Saturação com preocupação normal; Persistente pelo menos, 6 meses e


de forma incontrolável

Não impede o desempenho Impede a capacidade de um


eficaz das atividades. indivíduo de relaxar e efetuar suas
atividades.

3
(Gorman, 2001; Gargano, 2007)
INTRODUÇÃO
Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG)

Manual Diagnóstico e Estatístico de corrente de Transtornos


Mentais caracteriza o Transtorno de Ansiedade generalizada (TAG)
como o sentimento de preocupação persistente ao longo de, pelo
menos, 6 meses e de forma incontrolável que impede a capacidade
de um indivíduo de relaxar.

4
(Lakhan e Vieira, 2010; Donegan e Dugas, 2012)
INTRODUÇÃO
Diagnóstico do TAG

 Comprometimento pelo efeito colateral do uso de medicamentos;

 Sintomas físicos mediante ao sofrimento do paciente;

 Descrição de histórico com sintomas somáticos;

Agitação, fadiga, tensão muscular, irritabilidade, dificuldade de


concentração, tremores, espasmos, dor, mãos frias e úmidas, boca seca,
suores, náuseas ou diarréia, frequência urinária e quadros de insônia.

5
(Gorman, 2001; Fricchione, 2004)
INTRODUÇÃO
Postulações Biológicas para TAG

 Desregulação de neurotransmissores específicos:

Dopamina Serotonina Ácido - aminobutírico (GABA)

Controle da Estimulante do humor, Inibidor do SNC, regulação da


estimulação memória e excitabilidade neuronal.
do controle motor. aprendizado.

6
(Lakhan e Vieira, 2010)
OBJETIVOS

Realizar uma revisão bibliográfica sobre:

o TAG como distúrbio do sistema nervoso central;

os principais fármacos sintéticos utilizados para o combate do TAG e


os seus efeitos;

a investigação da eficácia de fitoterápicos como novos agentes


ansiolíticos, Valeriana officinalis e Erythrina mulungu, no tratamento
do TAG quando comparados com os fármacos sintéticos ansiolíticos
presentes no mercado.

7
(Ballenger, 2000; Gargano, 2007; Lakhan e Vieira, 2010; Donegan e Dugas, 2012)
FÁRMACOS SINTÉTICOS ANSIOLÍTICOS
Barbitúricos

 Primeiros ansiolíticos no tratamento do TAG;

 Aumentam a ação do GABA;

 Propriedades anticonvulsantes, sedativas e soníferas;

 Busca de novos fármacos : dependência e casos frequentes de morte,


overdose e uso suicida.

Fenobarbital
Luminal®

8
(López-Muñoz et al., 2011)
FÁRMACOS SINTÉTICOS ANSIOLÍTICOS
Benzodiazepínicos (BZD)
 Principal ansiolítico eficaz no tratamento do TAG;

 Agonista do GABA;

Ensaios Duplos-cegos e randomizados, tem comprovado a eficácia dos


BDZ, embora graves efeitos colaterais tem sido observados.

Quadro de Efeitos Colaterais do BZD


 Graves para os pacientes;
 Sonolência diurna;
 Comprometimento cognitivo (amnésico);
 Coordenação motora prejudicada;
 Ingestão de álcool simultâneo – Suspeitas de indução a morte por
overdose;
 Tratamento crônico – risco a dependência da droga.
9
(Longo e Johnson, 2000; Carlini, 2003; Ernst, 2006; Andreatini et. Al.; 2010)
FÁRMACOS SINTÉTICOS ANSIOLÍTICOS
Benzodiazepínicos (BZD)

Estrutura Benzodiazepínicos
Diazepam Clonazepam
Valium® Rivotril®

Bromazepam
Lexotan®
10
(http://www.sigmaaldrich.com/)
FÁRMACOS SINTÉTICOS ANSIOLÍTICOS
Buspirona

 Encontra-se entre os principais ansiolíticos no tratamento do TAG;

 Potentes inibidores da serotonina nos neurônios do SNC.

Eficácia X Limitações

Ensaios duplos-cegos, randomizados e ensaios controlados:

Ausência de vários efeitos colaterais dos BZD, Embora


resultados negativos, ausência de efeito anti-depressivo e
demora na resposta tem sido relatados.
Buspirona
Ansitec®
11
(Fricchione, 2004; Faustino et al., 2010; Andreatini et al., 2010; http://www.sigmaaldrich.com/)
FITOTERAPIA E LIBERAÇÃO PELA ANVISA
Fitoterápicos

Segundo OMS, fitoterápicos são compreendidos como os produtos


medicinais acabados e etiquetados, tendo seus componentes ativos,
sinérgicos ou não, produzidos em partes das plantas.

Existência de uma legislação que garanta a normatização dos medicamentos


fitoterápicos, segurança e a eficácia do uso destes medicamentos avaliados.

12
(Toledo et al., 2003; Cordeiro et al., 2005; Nascimento e Turolla; 2006; Faustino et al., 2010)
FITOTERAPIA
Fitoterápicos

Vantagem dos Fitoterápicos


 Fornecimento de fármacos de díficil síntese orgânica (Papaver
somniferum);

 Geralmente aquisação mais barata que os sintéticos;

 Utilização como protótipos para obtenção de novos fármacos;

 Identificação de plantas promissoras não basearem em


mecanismos de ação.

13
(Toledo et al., 2003; Cordeiro et al., 2005; Nascimento e Turolla; 2006; Faustino et al., 2010)
FITOTERÁPICOS NO TRATAMENTO DO TAG
Valeriana officinalis
 Pertencente à família Valerianaceae;

 Planta nativa da Europa e Ásia setentrional;

 Efeitos de sedação e alívio em problemas do sono.

14
(Murti et al, 2004; Murti et al, 2011; Gonçalves e Martins, 2005; Gonçalves e Martins, 2005)
FITOTERÁPICOS NO TRATAMENTO DO TAG
Valeriana officinalis – Composição Química
Superior a 150 componentes químicos;

Sinergismo no SNC pela mistura dos principais princípios ativos.

Ácido
Isovalérico
Valtrato Ácido
Valerênico Valeranona

Baldrinal Valerenal
Isovaltrato Actinidina
15
(Zhao et. al., 2010; Zhao et. al., 2011; Chappell et. al., 2013; http://www.sigmaaldrich.com/)
FITOTERÁPICOS NO TRATAMENTO DO TAG
Valeriana officinalis – Testes Pré-Clínicos e Clínicos

Ensaios duplo-cegos
V. officinalis e V. edulis Composto Químico Efeitos superiores ao placebo

Extrato hidroalcoólicos Valepotriatos Sonolência matutina reduzida;


Ausência de amnésia,
Úteis na retirada dos BZD.

Testes por labirinto cruzado


V. officinalis Composto Químico Comparação com
Diazepam (ambos)
Extratos da raiz Valepotriatos Mecanismo semelhante aos
BZD
Composto isolado Ácido valerênico Redução significativa na
ansiedade

16
(Carlini, 2003; Ogava et al., 2003; Mattei et al., Ettinger et al., 2010)
FITOTERÁPICOS NO TRATAMENTO DO TAG
Valeriana officinalis – Testes Pré-Clínicos e Clínicos

Ensaios placebo – controlado


V. officinalis Controle Efeito colateral
Extrato aquoso Diazepam / placebo Ausência de alteração de
humor /psicomotor/
cognitivo

alteração de
humor
/psicomotor/
cognitivo
Ensaios placebo – controlado
V. officinalis e Passiflora Controle Efeito colateral
alata
Extrato aquoso Diazepam / placebo Ausência de indução de
amnésia
indução de
amnésia 17
(Gutierrez et al, 2004; Andreatini et al, 2010)
FITOTERÁPICOS NO TRATAMENTO DO TAG
Erythrina mulungu
 Pertencente à família Fabaceae;

 Planta nativa no Sul do Brasil;

 Possuem efeitos ansiolíticos, anticonvulsantes, antidepressivos, sedativos e


outros.

18
(Ribeiro et al., 2006; Vasconcelos et al, 2007; Souza et al., 2007; Beleboni et al., 2011; Biosementes, 2013)
FITOTERÁPICOS NO TRATAMENTO DO TAG
Erythrina mulungu – Composição Química

 Alcalóides com potencial ansiolítico e anticonvulsantes.

Estrutura Química E. mulungu: Alcalóides (1) (+)-11-α-hidroxi-erythravina; (2)


(+)-erythravina; (3) (+)-11-α-hidroxi-erysotrina e (4) erysothina.

19
(Souza et al., 2007; Beliboni et al., 2011; Rosa et al., 2012)
FITOTERÁPICOS NO TRATAMENTO DO TAG
Erythrina mulungu– Testes Pré-Clínicos

 Escassez de estudos que demonstrem eficácia, segurança e mecanismo de ação.

Tratamento Agudo
Erythrina mulungu Composto Químico Efeitos
Extratos hidroalcoólicos da Mistura sinérgica Ansiolítico semelhante ao
inflorescência diazepam / Buspirona
Eficiente no transtorno de
Pânico
Extrato hidroalcoólico da Mistura sinérgica Ansiolítico
casca Eficiente no transtorno de
Pânico
Anticonvulsivante/ induzidas
por Estricnina

20
(Souza et al., 2007; Ribeiro et al., 2006; Vasconcelos et al., 2007)
FITOTERÁPICOS NO TRATAMENTO DO TAG
Erythrina mulungu– Testes Pré-Clínicos

Tratamento Crônico
Erythrina mulungu Composto Químico Efeitos
Extratos hidroalcoólicos da Mistura sinérgica Ansiolítico semelhante ao
inflorescência Diazepam (sem efeito colateral)
/ Buspirona
Eficiente no transtorno de
Pânico

21
(Ribeiro et al., 2006)
FITOTERÁPICOS NO TRATAMENTO DO TAG
Erythrina mulungu– Testes Pré-Clínicos

Teste com Compostos Isolados


Compostos da Erythrina mulungu Efeitos
(+)-Erythravina Ansiolítico
(+)-11-α-hidroxi-erythravina Ansiolítico , anticonvulsiva/ induzidas por
bicuculina e pentilenotetrazol

Teste com Compostos Isolados


Compostos da Erythrina Efeitos comuns Efeitos Colaterais
mulungu
Erysothrina Ansiolítico suave, Ausência de efeitos
anticonvulsiva colaterais no comportamento
geral

22
(Souza et al., 2007; Beliboni et al., 2011; Rosa et al., 2012)
CONSIDERAÇÕES FINAIS

 Os fitoterápicos tem ganhado destaque devido à baixa incidência de


efeitos secundários, somados às dificuldades e custo alto no desenvolvimento
de novos fármacos sintéticos;

 Estudos descritos na literatura revelaram para o Transtorno de Ansiedade


Generalizada potenciais fitoterápicos ansiolíticos;

 Valeriana Officinalis e Erythrina Mulungu eficientes no seu tratamento


agudo e crônico, sem relatos de efeitos secundários para os pacientes,
diferentemente dos fármacos sintéticos Benzodiazepínicos.

23
REFERÊNCIAS
ANDREATINI, R.; BOERNGEN-LACERDA A., R.; ZORZETTO FILHO, D.;
Pharmacological treatment of generalized anxiety disorder: future Perspectives. Rev
Bras Psiquiatr. v. 23, n.4, p. 233-42, 2001.

ANDREATINI, R.; SLOMP J. H. ; SENISKI, G. ; CUNHA, C. DA ; AUDI, E. A.; The


Combination of Passiflora alata and Valeriana officinalis on Memory Tasks in Mice:
Comparison with Diazepam. Brazilian Archives of Biology and Technology, v.53,
p.1343-1350, 2010.

ANDREATINI, R., ZORZETTO, D., BOERGNEN-LACERDA, R. Pharmacological


treatment of generalized anxietydisorder: future perspectives. Rev Bras Psiq.v.23, n.4,
p.233-242, 2010.

BALLENGER, J. C. Anxiety and Depression: Optimizing Treatments. J. Clin.


Psychiatry, v.2, p.71-79, 2000.

CALIXTO, J.B. Efficacy, safety, quality control, marketing and regulatory guidelines
for herbal medicines (phytotherapeutic agents). Braz J Med Biol Res , v. 33, n.2, p.179
-189, 2000. CARLINI, E. A.; Plants and the central nervous system. Pharmacology,
Biochemistry and Behavior. v.75, p.501–512, 2003.
24
REFERÊNCIAS
CORDEIRO, C.H.G.; CHUNG, M. C., DO SACRAMENTO, L.V.S.; Interactions of
drugs and fitoterápicos: Hypericum perforatum and Piper methysticum. Brazilian
Journal of Pharmacognosy. V.15, n.3, p. 272-278, Jul./Set. 2005.

DONEGAN, E.; DUGAS, M. J.; Generalized Anxiety Disorder: A Comparison of


Symptom Change in Adults Receiving Cognitive-Behavioral Therapy or Applied
Relaxation Journal of Consulting and Clinical Psychology . American Psychological
Association. v. 80, n.3, p.490–496, 2012.

ERNST, E.; Herbal remedies for anxiety a systematic review of controlled clinical
trials. Phytomedicine. v.13, p. 205–208, 2006.

FRICCHIONE, F. M. D.; Generalized Anxiety Disorder. The New England Journal of


Medicine. v.351, n.7, p.675-82, 2004.

GARGANO, A. C.; Estudo da atividade ansiolítica e sedativa do óleo essencial das


cascas de frutos de espécies do gênero Citrus, 2007.

GONÇALVES, S.; MARTINS, A. P.; Valeriana Officinalis. Rev. Lusófona de Ciências


e Tecnologias da Saúde, v. 2, n.3,: p. 209-222, 2005.
25
POTENCIAL AÇÃO DE FITOTERÁPICOS
COMO AGENTES ANSIOLÍTICOS

Obrigada pela atenção!

26

Você também pode gostar