Você está na página 1de 5

MEIO AMBIENTE

INTRODUÇÃO
No final da década de 90, a coordenação de Educação Ambiental do MEC
promove oito cursos de capacitação de multiplicadores de educação, a
Coordenação de Educação Ambiental é inserida na Secretaria de Ensino
Fundamental – SEF no MEC, após reforma administrativa. Depois de
promulgada a Lei de no. 9795 de 27 de abril de 1999, que institui a Política
Nacional de Educação ambiental, a que deverá ser regulamentada após
discussões na Câmara Técnica Temporária de Educação ambiental CONAMA.
A Portaria 1648/99 do MEC, cria um grupo de trabalho com representantes de
todas as sua Secretarias para discutir a regulamentação da Lei 9795/99. O
Ministério da Educação propõe o Programa PCNs em ação, atendendo às
solicitações dos Estados.
A partir do ano 2000, outros temas transversais foram abordados. A Educação
Infantil e o Meio- Ambiente e o desenvolvimento de novas tendências para a
educação no campo e em outros.
Entende-se como Meio-Ambiente todos os elementos que constituem o lugar
que constituem o lugar, o espaço onde o ser humano vive e forma o seu
habitat. Fazem parte do meio ambiente: além das paisagens naturais, as
habitações das cidades e do campo, as estradas, as avenidas, etc. Percebe-se
que alguns dos elementos formadores do meio ambiente, como a vegetação,
os rios, os solos, etc, são produzidos diretamente pela natureza, outros porém,
são resultados da atividade humana, podendo assim, dividir o meio-ambiente
humano em meio ambiente natural ou paisagem natural e meio social ou
cultural.
Segundo Manoel Arroyo (2004) essa divisão é antes de tudo didática (feita
apenas para facilitar o entendimento), não correspondendo à realidade, pois
nos dias atuais é difícil encontrar elementos que sejam apenas naturais (sem
nenhuma interferência humana). Tendo em vista que muitos elementos
culturais também costumam ser influenciados pelo meio natural.
Aloísio Ruschinsky (2002), define meio-ambiente, como um conjunto dos
processos abióticos e bióticos existentes na terra, passíveis da influência e da
ação humana.
Já em relação à Educação Ambiental, pode-se dizer que o seu conceito varia
de interpretações, de acordo com cada contexto, conforme a influência e
vivência de cada um.
Para muitos, a Educação Ambiental restringe-se em trabalhar assuntos
relacionados à natureza: lixo, preservação, paisagens naturais, animais, etc.
Dentro deste enfoque, a Educação Ambiental assume um caráter basicamente
naturalista.
Atualmente, a Educação Ambiental assume um caráter mais realista,
embasado na busca de um equilíbrio entre o homem e o ambiente, com vista à
construção de um futuro pensado e vivido numa lógica de desenvolvimento e
progresso (pensamento positivista). Neste contexto, a Educação Ambiental é
ferramenta de educação para o desenvolvimento sustentável (apesar de
polêmico o conceito de desenvolvimento sustentável, tendo em vista ser o
próprio "desenvolvimento" o causador de tantos danos sócio-ambientais).
Ampliando a maneira de perceber a Educação Ambiental podemos dizer que
se trata de uma prática de educação para a sustentabilidade. Para muitos
especialistas, uma Educação Ambiental para o Desenvolvimento Sustentável é
severamente criticada pela dicotomia existente entre "desenvolvimento e
sustentabilidade".
Atualmente a preocupação com o meio ambiente envolve toda sociedade e a
educação ambiental da população deve começar do início, ou seja, da
Educação Infantil.
A questão ambiental é um tema muito comentado por uma razão simples: a
necessidade de sobrevivência. Quanto mais cedo o tema for abordado com as
crianças, maiores as chances de despertar a consciência pela preservação.
Por isso, a educação para uma vida sustentável deve começar já na pré-
escola. O objetivo definido pelo Referencial Curricular Nacional é observar e
explorar o meio ambiente com curiosidade, percebendo-se como ser
integrante, dependente, transformador e, acima de tudo, que tem atitudes de
conservação.
Para falar sobre Educação Ambiental com crianças é importante abordar
assuntos que produzam resultados ao alcance delas. Um bom exemplo é
cultivar uma horta e depois colher as verduras e os legumes plantados. Outro
aspecto importante é a educação para a coleta seletiva do lixo na ajuda da
preservação ambiental.
Não se pode deixar de abordar com as crianças sobre a importância da água e,
para isso, é necessário que se faça um conjunto de aulas teóricas e aulas-
passeio focalizando as condições dos locais que recebem todo o esgoto da
cidade, principalmente os rios e em regiões que não tem o saneamento básico.
Procurar mostrar também as condições que tornam a água potável e o
reconhecimento dos lençóis freáticos e outros meios de dessalinizar à água,
principalmente em regiões que tem água imprópria devido o alto índice de sais,
especialmente na região Nordeste, onde essa prática é comum em função da
seca.
A educação ambiental, uma vez implantada, proporcionará à criança a
oportunidade de manter um contato profundo com a natureza, ambientando-as
às condições naturais que o mundo oferece em seu habitat.

JUSTIFICATIVA
A natureza é o bem mais precioso que o homem tem, pois é dela que ele tira a
sua sobrevivência. È por este motivo que a geração atual tem que começar a
ensinar as gerações futuras como se deve preservar e minimizar a ação
negativa que desagrega e destrói as nossas riquezas naturais.
É por isto que as escolas têm orientar suas crianças desde a pré-escola, para
que elas já cresçam pensando em preservar o meio-ambiente e respeitando as
leis da natureza.
Para se fazer um estudo ligado à área de meio-ambiente não precisa de muitos
recursos financeiros e sim boa vontade, pois com cartilhas educativas e a boa
vontade dos profissionais da educação, orientados para tal, com certeza o
assunto será tratado de maneira fácil e esclarecedora. Assim, utilizaremos para
esse fim um DVD com vídeos/palestras educativas sobre o meio ambiente,
além da Cartilha da Diretoria de Educação Ambiental – MMA (PROGRAMA
MUNICÍPIOS EDUCADORES SUSTENTÁVEIS), indicado pela supervisora
Marilu, este será repassado aos professores desta unidade para dar respaldo a
este trabalho.
Para tanto, justifica-se a necessidade de se fazer um trabalho voltado para
despertar o interesse das crianças, para que elas possam fazer descobertas
que contribuam para o enriquecimento do saber e para a preservação do meio
em que vivem, e assim, cresçam conscientes para não destruir o mundo que as
rodeiam.

OBJETIVOS
• Mostrar a importância da educação ambiental para o processo de
formação de crianças e adolescentes no que diz respeito das
questões ecológicas abordadas nas escolas.
• Implantar desde a educação infantil um programa que procure
tratar as questões ambientais;
• Relacionar os problemas causados pela degradação do meio-
ambiente;
• Estudar os diversos fatores causadores da poluição na cidade e
no campo;
• Utilizar métodos que procurem na prática integrar criança-escola,
natureza e sociedade.

CONTEÚDOS

• Para falar de educação ambiental com crianças é importante que


se aborde resultados ao alcance delas. Como por exemplo: as
aulas passeios em regiões que estão sendo exploradas e
degradadas pela ação do homem;
• A visita á escolas fazendas, escolas chácaras, poderá despertar
na criança o interesse pela proteção do meio ambiente;
• As aulas práticas têm como meta integrar a criança ao meio
ambiente além de despertar a curiosidade de conhecer melhor a
natureza, e também, os agentes poluidores que tanto atrapalham
e modificam a qualidade de vida dos seres vivos;
• A leitura de livros sobre o tema, contação de histórias e
dramatização com teatrinhos durante o trabalho de acordo com
os tópicos trabalhados: Água, Animais, Florestas, Poluição;
• Através da prática estimular o uso consciente da água;
• Horticultura e jardinagem;
• Reciclagem do lixo;
• Animais;
• Alimento;
• Artes: recorte e colagens, pintura;
• Sucata;
• Argila e massinha;
• Cartazes.