Você está na página 1de 4

Faça sua busca

• Assine
• E-mail
• SAC
• Canais

* PRINCÍPIOS CIENTÍFICOS *
Sendo a musculação um método de treinamento desportivo, esta deve então
respeitar os princípios científicos do treinamento desportivo. A seguir estão os de maior
importância para o treinamento de hipertrofia :

* Princípio da Individualidade Biológica *


Também conhecido como Princípio das Diferenças Individuais.
Todos seres humanos resultam da associação do genótipo ( carga genética ) com o
fenótipo (ação do meio ambiente sobre os seres humanos ).

GENÓTIPO + FENÓTIPO = INDIVÍDUO


Podemos entender o genótipo como a carga genética transmitida à pessoa e que
determinará diversos fatores como : composição corporal, biotipo, altura, força, entre
outras.
O fenótipo, pode ser entendido como tudo que é acrescido ao indivíduo a partir do
nascimento, sendo responsável por fatores como : habilidades técnicas, consumo máximo
de oxigênio, entre outras.
Segundo DANTAS ( 1985 ) " pode-se dizer que os potenciais são determinados
geneticamente, e as capacidades ou habilidades expressas são decorrentes do fenótipo ".
Além desses caractéres individuais, algumas características coletivas influenciam a
formação da individualidade. Assim, o sexo, a idade e a raça determinam fatores comuns
para grupos de pessoas.
Concluímos, então que um treinamento ministrado a homens negros, de terceira
idade, será diferente do aplicado a meninas japonesas, por exemplo.
* Princípio da Adaptação *
Para que o princípio da adaptação ( ou Princípio da Adaptabilidade ) seja entendido é
preciso que se compreenda o conceito de homeostase.
Homeostase é o estado de equilíbrio instável mantido entre os sistemas
constitutivos do organismo vivo, e o existente entre este e o meio ambiente.
O objetivo do treinamento é, através de stress físicos, "quebrar" essa homeostase,
desencadeando um processo denominado de Síndrome de Adaptação Geral ( SAG )
Essa homeostase pode ser rompida por fatores internos ( geralmente oriundos do
córtex cerebral ) ou externos como calor, variação da pressão, esforço físico,
traumatismo. Assim, sempre que essa homeostase é rompida, o organismo dispara um
mecanismo compensatório que procura restabelecer o equilíbrio. Tiramos então a
conclusão que todo estímulo provoca uma reação do organismo acarretando uma
resposta.
Essa resposta será diretamente proporcional à intensidade do estímulo. E é com
essa intensidade de estímulo que esse princípio se preocupa.
A Síndrome de Adaptação Geral pode ser dividida em três fases :

1. Fase de Excitação
2. Fase de Resistência
3. Fase de Exaustão

O treinamento tem por objetivo desencadear essa S.A.G. até a segunda fase,
evitando os processos de "overtraining", ou seja, os excessos de treinamento.
Pode-se resumir a intensidade desses estímulos e suas respectivas conseqüências
da seguinte maneira :

ESTÍMULOS FASES DA S.A.G. REAÇÕES DO ORGANISMO


Fracos Não há resposta Não provocam alterações
Médios Excitação Apenas excitam o organismo
Fortes Adaptação Provocam adaptações no organismo
Muito fortes Exaustão Provocam danos
É desejável que o atleta, após uma sessão de treino, esteja cansado. Porém é
imprescindível que, após um período de repouso, ele consiga recuperar-se totalmente e
esteja em perfeitas condições físicas, bioquímicas e mentais para o treino seguinte.
* Princípio da Sobrecarga *
Imediatamente após a aplicação de uma carga de trabalho, há uma recuperação do
organismo, visando a restabelecer a homeostase. Um treinamento de alta intensidade
provocará a depleção das reservas energéticas orgânicas e o acúmulo de ácido lático e
outros substratos. A reposição destas reservas se faz em nível muscular nos primeiros 3
ou 5 minutos de recuperação ( Mathews e Fox , 1983 ). No entanto, em nível orgânico,
somente o repouso prolongado e a alimentação suficiente possibilitarão a reposição total.
Hegedus ( 1969 ) chamou esse fenômeno de "assimilação compensatória", que seria
composta de um período de recuperação, no qual seriam recompostas as energias e
substratos depletados, e de um período de restauração ampliada, no qual seria
assimilada uma "overdose" energética. ( DANTAS, 1998 ).
O equilíbrio entre o estímulo aplicado e o tempo de recuperação é que garantirá a
existência da supercompensação de forma permanente.
Resumindo, podemos definir os seguintes critérios para aplicação de sobrecargas.
A aplicação de uma nova carga dependerá :
1. da intensidade da carga anterior ;
2. do período de recuperação ( anabolismo ) ;
3. do período de restauração ampliada ( super-compensação )

* Princípio da Interdependência Volume X Intensidade *

O aumento das cargas de trabalho é uma imposição para se obter uma melhora no
performance. Um organismo submetido a trabalho muito intenso só poderá executá-lo por
curto espaço de tempo. Por outro lado, se há necessidade de realizar um esforço de
longa duração a carga será, necessariamente, moderada.
A escolha da incidência de sobrecarga na intensidade ou no volume, respeitará dois
critérios: a capacidade física visada e o período de treinamento.
Entendemos sobrecarga no volume : quilometragem percorrida, número de
repetições e séries, duração do exercício, horas de treinamento, etc...
Entendemos sobrecarga na intensidade : quilagem utilizada, velocidade, ritmo, redução
de intervalos entre as séries, etc ...

VOLUME INTENSIDADE
Maior número de séries Aumento dos pesos das anilhas
Maior número de grupos musculares trabalhados Aumento da velocidade de execução
Maior número de exercícios Diminuição do intervalo entre as séries
Maior número de repetições Aumento da amplitude do movimento

* Princípio da Continuidade *
Como já vimos nos princípios anteriores, o treinamento baseia-se na aplicação de
cargas crescentes, progressivamente assimiladas pelo organismo. Assim, o fator que
assegura essa melhora de rendimento é a continuidade do processo de treinamento,
caracterizado pela alternância entre os estímulos e os períodos de recuperação.
Para se obter resultados otimistas no desenvolvimento das capacidades físicas
visadas, é necessário um mínimo de persistência nos exercícios, com o intuito de
propiciar uma duração que permita ocorrer as alterações bioquímicas e morfológicas
necessárias.

* Princípio da Especificidade *
O princípio da especificidade é aquele que impõe, como ponto essencial, que o
treinamento deve ser montado sobre os requisitos específicos da performance esportiva
em termos de capacidade física interveniente, sistema energético predominante,
segmento do corpo e a coordenação motora ( técnicas ) requisitadas.
Assim devemos verificar qual capacidade física é mais utilizada no esporte escolhido
e treiná-la. Assim, realizar um treinamento de hipertrofia muscular com um maratonista
seria desperdício de tempo e energia !

Esses princípios não existem apenas por existir ! Cada um, considerado
individualmente, possui seu valor e função próprios, entretanto, a integração entre todos
adquire inestimável importância para o desenvolvimento dos objetivos. Além desses
princípios, existe outro fator que influencia diretamente no sucesso do treinamento e que
merece destaque : a alimentação.

Voltar à página inicial !