Você está na página 1de 4

RESUMO

A aplicação da lei penal no tempo e no espaço são diferentes e merecem atenção quando da aplicação
no caso concreto. Deve ser observado em primeira monta a sociedade como um todo, toda e qualquer
ação criminosa que possa colocar em risco os bens jurídicos tutelados pela Constituição Federal. A lei
penal entra nesse momento para atuar e repelir todo e qualquer abuso frente as leis, sejam estas
incriminadoras ou não incriminadoras. A observação a aplicação da lei penal é muito importante, pois
visa garantir que princípios constitucionais e atos justos sejam conferidos diante do caso concreto.

INTRODUÇÃO

A área penalista conta com características próprias, capazes de beneficiar o réu em diversas situações.
Uma delas é a possibilidade de retroagir uma lei já revogada para beneficiá-lo no que couber a
respectiva lei.

O funcionamento jurisdicional depende única e exclusivamente de distribuir os litígios judiciais sejam


penais, civis entre outros, as suas competências corretas, preservando o princípio da celeridade
processual e evitando que o Direito escoe pelo tempo.

Quando estudamos a aplicação da lei penal no tempo no espaço, estamos buscando a real aplicação da
lei, dando a ela a finalidade correta para a atuação do poder estatal.

Diversas formas de lei penais existem, teorias a serem estudadas, respeitadas e então aplicadas,
diversos princípios observados para a aplicação dessas leis. Portanto, a lei penal busca elidir os conflitos
sociais, crimes e delitos repressivos pela comunidade, e para isso, faz uso de meios como ultratividade,
retroatividade, extraterritorialidade, entre outros mecanismos para aplicar a norma correta, de maneira
justa e dentro do ordenamento jurídico vigente.
CONCLUSÃO

Podemos concluir que quando falamos de aplicação da lei penal no tempo, deveremos observar em
primeira situação se será para benefício ou não do réu, caso contrário, a aplicação da lei será em regra
geral a vigente no momento do ação. Caso contrário, poderemos contar com os efeitos da ultratividade
e da retroatividade para garantir a real execução do processo.

Ademais a lei penal deverá sempre observar a vontade e a conduta individualizada do agente, autor do
delito, caso não gere lesividade social, não estaremos diante de uma lei penal.

Já no âmbito da aplicação da lei penal do espaço, observamos que é importante delimitar a ação do
agente, sua conduta inicial, se gerou resultado e onde gerou, dessa maneira, a aplicação da lei será
diretamente realizada, aplicando-se no território nacional ou estrangeiro.

Por fim, temos diversos princípios e teorias inerentes tanto para a lei penal no tempo como no espaço, e
já são delimitadas por suas teorias majoritárias. A aplicação de qualquer preceito desta temática visa
sempre atender o direito, de maneira justa e respeitando o ordenamento jurídico brasileiro.
RAUJO, Pedro. A aplicação da lei penal no espaço. 2016. Jusbrasil, Brasil, 2016. Disponível em: . Acesso
em: 15 mar. 2017.

AZEVEDO, Marcelo André de; SALIM, Alexandre. Direito Penal: Parte Geral. 2015., Editora Juspodivm,
Salvador, 2015.

BRASIL. Decreto-Lei 2.848, de 07 de dezembro de 1940. Código Penal. Diário Oficial da União, Rio de
Janeiro, 31 dez. 1940.

CAPEZ, Fernando. Direito Penal: Parte Geral. 2011., Editora Saraiva, Brasil, 2011.

CAPEZ, Fernando. Curso de Processo Penal. 2012., Editora Saraiva, Brasil, 2012.
DEZEM, Guilherme Madeira. Curso de Processo Penal. 2016. 506 f., Revista dos Tribunais, Brasil, 2016.

FREITAS, Felipe de. Direito Penal. - Curso de Direito, UEMS, Brasil, 0000. Disponível em: . Acesso em: 15
mar. 2017.

MACHADO, Angela C. Cangiano; DEZEM, Guilherme Madeira; VANZOLINI, Patrícia. Prática Penal. 2016.,
Revista dos Tribunais, Brasil, 2016.

NUCCI, Guilherme de Souza. Manual de Direito Penal. 2015., Editora Método, Rio de Janeiro, 2015.

Você também pode gostar