Você está na página 1de 22

CCNA Exploration

(Protocolos e Conceitos de Roteamento)

Protocolos de Roteamento link-state

kraemer
Cronograma

• Introdução
• Introdução ao algoritmo SPF
• Processo de roteamento link-state
• Criação de um B.D. link-state
• Vantagens
• Requisitos
• Comparação dos protocolos
• Resumo e revisão

kraemer
Introdução

Os protocolos link-state funcionam como um mapa de estrada criando um mapa


topológico da rede, e cada roteador usa esse mapa para determinar o caminho
mais curto para cada rede. Da mesma maneira que você recorre a um mapa para
localizar a rota até outra cidade, roteadores link-state usam um mapa para
determinar o melhor caminho para chegar a outro destino.

O objetivo final é que cada roteador receba todas as informações link-state


sobre todos os outros roteadores na área de roteamento. Com essas
informações link-state, cada roteador pode criar seu próprio mapa topológico da
rede e calcular de maneira independente o caminho mais curto para toda rede.
kraemer
Introdução

kraemer
Introdução ao algoritmo SPF

kraemer
Processo de roteamento link-state

LSP = Pacote Link-State

kraemer
Processo de roteamento link-state

Ou estado do link (link-state)

kraemer
Processo de roteamento link-state

kraemer
Processo de roteamento link-state

kraemer
Processo de roteamento link-state

Cada roteador cria um pacote link-state que contém o


estado de cada link diretamente conectado.

Cada roteador inunda o LSP em todos


os vizinhos, que armazenam todos os
LSPs recebidos em um banco de dados.

kraemer
Processo de roteamento link-state

LSPs não precisam ser enviados periodicamente.


Um LSP só precisa ser enviado:

• Durante a primeira inicialização do roteador ou do


processo de protocolo de roteamento nesse roteador

• Sempre que houver uma mudança na topologia,


incluindo um link para cima ou para baixo, ou uma
adjacência de vizinho que estiver sendo estabelecida
ou quebrada.

kraemer
Criação de um B.D. link-state

Cada roteador usa o banco de dados para criar um


mapa completo da topologia e computa o melhor
caminho para cada rede de destino.

Cada roteador cria sua própria árvore SPF


independentemente de todos os outros roteadores.
Para assegurar o roteamento correto, os bancos de
dados link-state usados para criar essas árvores
devem ser idênticos em todos os roteadores.

kraemer
Criação de um B.D. link-state

kraemer
Criação de um B.D. link-state

B.D. topológico

kraemer
Vantagens

kraemer
Requisitos

Os link-states modernos são


criados para minimizar os
efeitos de memória, CPU e
largura de banda.

kraemer
Requisitos

Em geral consome mais recursos que Vetor de Distância


O B.D. topológico consome memória

A CPU é usada para processamento do SPF

Consome muita largura de banda na


inicialização.

kraemer
Comparação dos protocolos

kraemer
Resumo e revisão

Protocolos de roteamento link-state também são conhecidos como protocolos de


caminho mais curto primeiro e são criados a partir do algoritmo SPF (caminho mais
curto primeiro) de Edsger Dijkstra. Há dois protocolos de roteamento link-state para
IP. OSPF (Abrir Caminho Mais Curto Primeiro) e IS-IS (Intermediate-System-to-
Intermediate-System).

kraemer
Resumo e revisão

O processo link-state pode ser resumido da seguinte forma:

1. Cada roteador obtém informações sobre suas próprias redes diretamente


conectadas.

2. Cada roteador é responsável por "dizer olá" a seus vizinhos em redes


diretamente conectadas.

3. Cada roteador cria um pacote link-state que contém o estado de cada link
diretamente conectado.

4. Cada roteador inunda o LSP para todos os vizinhos, que armazenam todos os
LSPs recebidos em um banco de dados.

5. Cada roteador usa o banco de dados para criar um mapa completo da topologia
e computa o melhor caminho para cada rede de destino.

kraemer
Resumo e revisão

Um link é uma interface no roteador. Um link-state é a informação sobre a


interface, que inclui o endereço IP e a máscara de sub-rede, o tipo de rede, o custo
associado ao link e qualquer roteador vizinho àquele link.

Cada roteador determina seus próprios link-states e inunda as informações em


todos os outros roteadores na área. Como resultado, cada roteador cria um banco
de dados link-state (LSDB) que contém as informações link-state de todos os
outros roteadores. Todos os roteadores têm LSDBs idênticos. Usando as
informações no LSDB, cada roteador executa o algoritmo SPF. O algoritmo SPF
cria uma árvore SPF, com o roteador na raiz da árvore. Enquanto cada link é
conectado a outros links, a árvore SPF é criada. Quando a árvore SPF é concluída,
o roteador pode determinar por si só o melhor caminho para cada rede na árvore.
Essas informações de melhor caminho são então armazenadas na tabela de
roteamento do roteador.

kraemer
Resumo e revisão

Protocolos de roteamento link-state criam um mapa da topologia local da rede que


permite que cada roteador determine o melhor caminho para uma determinada
rede. Um novo LSP só é enviado quando há uma mudança na topologia. Quando
um link é adicionado, removido ou modificado, o roteador inunda o novo LSP para
todos os outros roteadores. Quando um roteador recebe o novo LSP, ele atualiza o
LSDB, executa novamente o algoritmo SPF, cria uma nova árvore SPF e atualiza a
tabela de roteamento.

Protocolos de roteamento link-state normalmente têm um tempo de convergência


mais rápido que protocolos de roteamento do vetor de distância. Uma exceção
notável é o EIGRP. Porém, os protocolos de roteamento link-state exigem mais
memória e processamento. Isso não costuma ser um problema com os roteadores
atuais.

kraemer

Você também pode gostar