Você está na página 1de 2

Reflexão: 8286

Embora se confundam muitas vezes, compras e aprovisionamento não são


sinónimos. Na realidade, compras refere-se a um conjunto de atuações
iniciadas pela identificação de uma necessidade e compreendem, normalmente
a seleção de um ou mais fornecedores, negociação de preço e de restantes
condições de venda. Por outro lado, o aprovisionamento pode ou não incluir a
atuação de compra, de material e de encomenda dos stocks, na receção e
armazenamento dos produtos, etc.

Atualmente, o aprovisionamento, com a sua subcomponente compras, é


considerado um sector fulcral da atividade comercial, sendo, quase sempre,
decisivo relativamente aos resultados finais, uma vez que é sempre fácil vender
bem o que foi comprado nas melhores condições. As ligações funcionais do
aprovisionamento com os outros departamentos ou sectores da empresa, são
variadas e, quando eficazes otimizam a rentabilidade da empresa.

Quando a empresa efetuava a encomenda dos airbags que o cliente pedia, era
feita a análise ABC (a análise ABC permite implementar políticas diferenciadas
a nível de clientes, fornecedores e stocks e facilita o agrupamento das
encomendas), este método era muito utilizado nesta empresa para não haver
desperdício de matéria prima. A análise ABC permite a gestão rigorosa dos
stocks, evitando a perda de rentabilidade.

Sendo uma empresa que trabalha a nível nacional e internacional, ela tinha um
conceito de Rácio Unitário de Custos (consiste em calcular o custo unitário do
produto) e também as margens de contribuição previstas para o produto
comercializado.

Na empresa onde eu trabalhava, era feita uma ficha técnica, esta ficha técnica
consistia nas especificações da matéria prima ou produto, controle da
qualidade dos produtos, redução de perdas na produção, padronização da
produção, Isso porque com uma ficha técnica bem configurada, a indústria garante
que todos os produtos serão fabricados seguindo a nota da encomenda predefinida.
Todos os funcionários da empresa seguem os mesmos passos e, usam as
medidas estipuladas na ficha técnica de cada encomenda, garantindo a
qualidade e padronização independentemente do profissional que estiver na
produção no momento.

Além disso é possível calcular quanto é gasto em dinheiro e tempo para


completar aquela encomenda definida.

Concluindo, posso afirmar que o controlo de custos e desperdícios seja na


restauração ou noutro setor de atividade é essencial para uma rigorosa gestão
e produtividade da empresa.

Você também pode gostar