Você está na página 1de 12

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO - UFMA

Curso: Bacharelado Interdisciplinar em Ciência e Tecnologia


Disciplina: Química Experimental
Prof. Dra. Regina Maria Mendes Oliveira

ELLEN CARMO DA SILVA

RELATÓRIO DE QUÍMICA EXPERIMENTAL


Experimento I: Medidas de massa e volume

Balsas - MA
2021
ELLEN CARMO DA SILVA
RELATÓRIO DE QUÍMICA EXPERIMENTAL
Experimento I: Medidas de massa e volume

Relatório apresentado à Prof. Dra. Regina Maria Mendes


Oliveira na Universidade Federal do Maranhão - UFMA,
como parte das exigências para a obtenção de nota
disciplina de Química Experimental.

Balsas, 17 de novembro de 2021.

Balsas - MA

2021
SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO ....................................................................................................................... 4
2. OBJETIVOS............................................................................................................................ 8
3. METODOLOGIA.................................................................................................................... 8
3.1 Material ..........................................................................................................................................8
3.2 Medidas de Volume .......................................................................................................................8
3.3 Medidas de Massa (pesagem e balança) ................................................................................. 8
4. RESULTADOS E DISCUSSÕES............................................................................................. 9

4.1 Medidas de Volume .............................................................................................................. 9


4.2 Medidas de Massa (pesagem e balança) ................................................................................10
5. CONCLUSÃO ....................................................................................................................... 12

6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS .................................................................................. 12


4

1.0 INTRODUÇÃO

O estudo da Química Experimental exige equipamentos capazes de fornecerem o número


mais exato sobre quantidades de matéria em determinado experimento, seja em massa ou
volume da mesma. No laboratório de Química, portanto, é onde podemos e devemos
encontrar esses equipamentos, por exemplo, o tubo de ensaio, o balão volumétrico, a
proveta, a bureta, a pipeta e outras vidrarias. Ao estudarmos as vidrarias do laboratório, a
maneira correta de manipulação de cada vidraria e qual melhor a ser utilizada para um
experimento, torna -se perceptível que há vidrarias que fornece uma maior precisão que
outras, dentre todas as vidrarias disponíveis em laboratório. Com isso, faz-se necessário
entender os conceitos de precisão e exatidão, que são normalmente utilizadas no exame de
incertezas de valores e medidas, sendo que precisão é a medida do grau de aproximação
entre valores, enquanto exatidão indica o grau de aproximação entre medidas individuais e
o valor considerado verdadeiro.
Para usar vidraçarias de medição de volumes líquidos é necessário entender a natureza dos
líquidos envolvidos. A água e a maioria dos outros líquidos molham a superfície do vidro
limpo e, como resultado, forma uma curva na sua superfície. Esta superfície é chamada de
menisco, e é mais fácil de ser visualizada em cilindros mais finos. Para realizar a leitura de
volume de uma solução líquida deve-se obedecer à posição do menisco, ou seja: soluções
incolores por convenção a leitura se dá pela tangente do menisco inferior e para soluções
coloridas pelo menisco superior. Dessa forma determina-se com precisão a leitura de
volume de qualquer que seja a solução líquida.
Abaixo algumas vidrarias e suas funções:

Béquer: É de uso geral e pode ser utilizado em líquidos e misturas com ou sem ocorrência
de reação, para dissolver sólidos em líquidos e aquecer as substâncias (colocando-o sobre
uma tela de amianto). Assim, como as demais vidrarias, existem béqueres que podem
comportar diversos volumes, sendo que isso está escrito na sua graduação. No entanto, o
béquer não é uma vidraria de laboratório que possui a graduação com muita exatidão.
5

Figura 1: Béquer com solução líquida

Erlenmeyer: Assim como o béquer, o erlenmeyer também pode ser usado para preparar soluções
e aquecer líquidos, mas também serve para armazená-las. Visto que tem a boca mais estreita,
possui mais fácil manuseio, por isso, é muito utilizado em titulações. Além do mais, esse
afunilamento ajuda a diminuir as chances de perda de material.

Figura 2: Reação química ocorrendo dentro de um erlenmeyer

Tubos de Ensaio: É usado para testar reações e aquecer substâncias em pequena escala.

Figura 3: Tubos de ensaio com soluções em estante


6

Balão Volumétrico: A vantagem desse balão é que ele possui uma graduação volumétrica de
maior precisão. Mas o volume é único e fixo, sendo descrito na parte externa do balão.

Figura 4: Esse balão volumétrico com o volume fixo de 25 mL indicado pelo traço de aferição

Pipeta Graduada: Serve para medir e transferir pequenos volumes de líquidos. Sua vantagem
sobre a pipeta volumétrica (logo aabaixo) é que ela possui várias graduações ao longo do seu
tubo, podendo medir volumes variáveis, enquanto a pipeta volumétrica possui somente um
volume único e fixo.

Figura 5: A pipeta graduada mede e transfere volumes variáveis de líquidos

Pipeta volumétrica: Tem a mesma finalidade que a pipeta graduada, mas tem a grande vantagem
de ter uma precisão bem maior. Todos os tipos de pipeta não podem ser aquecidos, e o líquido
é puxado para dentro delas por meio de sucção provocada por um equipamento acoplado a elas
denominado de “Pera”, pois tem um formato muito parecido com essa fruta.
7

Figura 6: Pipetas volumétricas

Proveta: Também é utilizada para medir o volume de líquidos e soluções líquidas, além de
realizar transferências com mais fácil manuseio que as pipetas. Porém, a sua graduação
volumétrica é menos precisa que a das pipetas.

Figura 7: Proveta graduada

Bureta: Assim como as pipetas, a bureta mede e transfere volumes de líquidos e soluções, mas
eles são colocados nela pela sua parte superior, que é aberta e maior. Além disso, ela possui
uma torneira embaixo que pode ser aberta para fazer escoar o líquido de forma rápida e gota a
gota, de modo que o volume transferido seja exatamente o desejado.

Figura 8: Bureta sendo usada em titulação


8

2.0 OBJETIVO

Realizar medidas de forma precisa e aproximada da água utilizando várias vidrarias e


verificando a sua precisão a partir da diferença entre as vidrarias volumétricas e graduadas.

3.0 Metodologia
3.1 Material

Pisseta; Balança, Béquer, Proveta, Pipeta Volumétrica, Erlenmeyer, Balão Volumétr ico,
Bureta, Conta gotas, Balança, Água e Pêra de sucção

3.2 Medidas de Volume

Os experimentos foram iniciados após a apresentação das vidrarias, com isso, colocou-
se 50 ml de água destilada em um béquer e logo após transferiu-se do béquer para o
erlenmeyer. Com isso foi verificado a precisão e diferença entre as duas vidrarias.

Após isso, mediu-se 50mL de água destilada em uma proveta graduada e logo após
transferido a água para um béquer, e novamente transferido para um erlenmeyer, no qual
foi observado a diferença de precisão entre as vidrarias, e colocou-os em ordem
crescente de precisão.

Dando continuidade ao experimento, pipetou-se 25mL de água usando uma pipeta


volumétrica e transferiu-se a água para uma proveta, onde foi comparado a diferença de
precisão das duas vidrarias.

Em seguida, foi enchido o balão volumétrico com água destilada, com o balão
volumétrico cheio, transferiu-se toda a água para a bureta, onde transferiu-se o mesmo
volume para o erlenmeyer e verificou-se a diferença de precisão das escalas das três
vidrarias.

Finalizando as medidas de volume, com uma pipeta graduada foi pipetado: 1mL, 2mL,
1,5mL, 2,7mL e 3,8mL para diferentes tubos de ensaio. Essa prática teve como
finalidade apenas treinar o controle de volumes variáveis em uma pipeta graduada.

3.3 Medidas de massa (peso e balança)


9

No experimento com massa e volume, foi utilizado um béquer menor, o pedido no


experimento era 100mL, contudo, o técnico do laboratório informou essa pequena
diferença, o béquer menor já utilizado foi limpo e seco. Para em seguida ser pesado,
utilizando a balança do laboratório de química da UFMA – Campus Balsas, previamente
ligada e preparada pelos seus técnicos. O procedimento iniciou-se ao zerar o
equipamento, para evitar medidas errôneas decorrentes de oscilações externas.

Em seguida, com o mesmo béquer usado anteriormente, seco, ele foi pesado novamente,
e adicionou-se 10mL de água, que foram medidos com uma pipeta graduada, visto que
o técnico do laboratório informou que seria mais propício o uso da mesma.

Dando continuidade, ao final do experimento foram pesados 10mL de água proveniente


de uma proveta, repetiu-se o processo, pesou-se 10mL de água, contudo, proveniente do
erlenmeyer. Ao término tudo foi lavado, seco e guardado pelo grupo conforme as regras
regulamentadoras.

4. DISCUSSÕES DOS EXPERIMENTOS

4.1 Medidas de Volume

Neste tópico, será seguido a mesma ordem do anterior, visto que os resultados abordados são
provenientes do mesmo. Os resultados da calibração dos instrumentos apontam pequenas falhas
de exatidão para suas medidas. Para melhor análise, optou-se por considerar duas casas
decimais após a vírgula, também é importante ressaltar que em todos os materiais a leitura de
altura da água foi feita na parte inferior do menisco, evitando assim, o erro de paralaxe.

a) Ao transferir 50 mL de água de um béquer para o erlenmeyer, obteve-se como


resultado 60mL de água na escala do erlenmeyer, após isso, transferiu-se o mesmo
volume para proveta, foi tido como resultado 49mL de água, o que comprova que a
proveta é uma vidraria de medida de alta precisão, já o erlenmeyer baixa precisão.
b) Ao medir 50mL de água em uma proveta graduada e transferir para um béquer, foi
observado um valor de 50mL no béquer e ao transferir do béquer para o erlenmeye r
60mL aproximadamente. A precisão dessas três vidrarias em ordem crescente, após
observar os dados obtidos é: erlenmeyer< béquer< proveta graduada.
10

c) Com uma pipeta volumétrica, após pipetar 25mL de água destilada e transferir para
a proveta têm-se um resultado de 25,5mL de água na escala da proveta, o que mostra
uma certa diferença de escala entre as duas vidrarias.
d) Após encher o balão volumétrico, no qual obteve-se 25mL de água, e em seguida
transferir para a bureta, no qual foi obtido aproximadamente 26mL de água,
transferindo novamente para um erlenmeyer, no qual foi observado 60 mL de água
aproximadamente. Com isso percebe-se o quanto o erlenmeyer possui uma baixa
precisão em relação as outras duas vidrarias, a diferença de resultado mostra isso
pela escala.

4.2 Medidas de Massa e Volume (peso e balança)


a) Após pesar o béquer pequeno previamente seco, obteve um valor de 50,95g para o
peso do béquer, já adicionando os 10mL de água pedidos, obteve-se um valor de 62,
13g, o processo foi repetido mais duas vezes, o peso do béquer foi o mesmo, contudo
ao adicionar a água na 2º vez, foi observado um resultado de 61,58g, e repetindo
novamente, observou-se 62,50g. Com isso, a discordância nos valores não foi
considerada alta.
b) Repetindo o item a) foi pesado o béquer, contudo, a água destilada foi medida em
uma pipeta graduada de 10mL, o peso do béquer seco foi de 50,97g ao adicionar a
água obteve-se 60,88g, repetiu-se o processo ´pela segunda vez, o peso do béquer:
50,95g ao adicionar a água 60,89g.
c) Na parte c, novamente se foi pesado 10mL de água destilada juntamente ao béquer,
provenientes de uma proveta, foi observado o béquer com um valor de 50,95g e ao
adicionar a água 60,34g.
d) Nesta parte temos o mesmo procedimento da parte c, contudo a água foi medida
proveniente de uma erlenmeyer, o béquer de peso 50,95g e ao adicionar a água
obteve-se 62,37g ao todo.

Comparando a precisão das vidrarias, e fazendo a diferença do peso do béquer ao da


água, abaixo uma tabela mostrando os valores do peso com o béquer e com a água e
provenientes de diferentes vidrarias.
11

VIDRARIA PESO ÁGUA (10mL) PESO FINAL

Béquer 50,95g 11, 18g e 10,63g 62,13g e 61,58g

Béquer 50,97g 9,91g e 9,94g(medido


em uma pipeta
60,88g e 60,89g
graduada)

Béquer 50,95g 9,39g (medido em 60,34g


proveta graduada)

Béquer 50,95g 11,42g (medido em 62,37g


um erlenmeyer)

Tabela 1: medidas de massa: resultado

O valor tabelado de 25 mL de água a 25 ºC é 24,9262 g, fazendo uma regra de três, foi obtido
que 10 mL de água (o valor utilizado no experimento ) a 25ºC é 9,97g, e observando a tabela 1,
percebe-se que o resultado obtido confere com a literatura, visto que a pipeta graduada é uma
das vidrarias de maior exatidão, seguido da proveta e do erlenmeyer, houve pequenos erros,
considerando a influência do ambiente externo (partículas presentes no ar, a mesa onde a
balança se encontrava) em que qualquer toque havia interferência na balança. Portanto, existem
instrumentos adequados para diferentes tipos de análises químicas quantitativas, bem como é
importante o correto manuseio dos instrumentos e leitura das medições de volume a fim de se
evitar ou minimizar os erros sistemáticos.

Para calcular o erro obtido nesse experimento, através do erro relativo, que se dá pela fórmula :

𝑥 0 −𝑥
Erro relativo = | | (1)
𝑥

Nos resultados que foram feitos mais de uma vez, se foi calculado a média para só em seguida
calcular o erro relativo.

𝑥 0 −𝑥 10,95−9,97
Erro da 1 º medida: | | =| | = |0,098| = 0,098 × 100%= 9,8%
𝑥 9,97

𝑥 0−𝑥 9,925 −9,97


Erro na 2º medida (medido em uma pipeta graduada): | | =| | = |−0,0045| =
𝑥 9,97

0,0045× 100% = 0,45%


12

𝑥 0 −𝑥 9,39−9,97
Erro na 3º medida (água medida em uma proveta): | | =| | = |−0,058| = 0,058×
𝑥 9,97

100% = 5,8%

𝑥 0 −𝑥 11,42−9,97
Erro na 4º medida (água medida em um erlenmeyer): | | =| | = |0,145| = 0,145×
𝑥 9,97

100% = 14,5%

Logo, existem instrumentos adequados para diferentes tipos de análises químicas quantitativas,
bem como é importante o correto manuseio dos instrumentos e leitura das medições de volume
a fim de se evitar ou minimizar os erros sistemático.

5.0 CONCLUSÃO

Através da compreensão das técnicas de medição de massa e volume, foi possível concluir que
alguns instrumentos não possuem exatidão em suas medidas apresentando, assim, alguns erros
pequenos e desvios. Esta aula prática proporcionou experiência aos discentes quanto ao
manuseio de instrumentos e vidraria, além de ter instruído quanto a erros que normalme nte
acontecem nas medidas laboratoriais, erros que podem ser significantes no resultado da
experiência, ocasionando por vezes, o não objetivo que se tem ao realizar tal experimento. Esses
erros podem ser provenientes da execução do experimento ou até mesmo dos equipamentos,
pois como foi visto a própria vidraria gera uma porcentagem de erro. Portanto, é necessário ter
competência ao utilizar os instrumentos de medida e na conferência, além de saber a função de
cada vidraria para usá-las de acordo ao que cada experimento pede.

6.0 REFERÊNCIAS

(OLIVEIRA, REGINA MARIA MENDES. QUÍMICA EXPERIMENTAL. 2016).

ROCHA- FILHO,RC;D A S I LV A, R. R. CÁLCULOS BÁSICOS DA


QUÍMICA. SÃO CARLOS: EDUFSCAR. 2006.

UDESC. USO DA VIDRARIA VOLUMÉTRICA E DETERMINAÇÃO DE


DENSIDADE. DISPONÍVEL EM: <HTTP ://WWW.JOINVILLE.UDESC.BR /PORTAL/
PROFESSORES/ACVEARLD/MATERIAIS/02_ DENSIDADE.PD F>. ACESSO EM 15
DE NOVEMBRO DE 2018.

Você também pode gostar