Você está na página 1de 3

Instituto Federal de São Paulo

Campus Sertãozinho

Plano de Aula

1. Identificação
Disciplina: Química Curso: Técnico em química / Nível médio
Data: 30/08/2015 Período Letivo: 2015/2
Duração da aula: 30 minutos Docente: Francisco de Araújo Silva
TEMA: Equilíbrios Iônicos em Soluções Aquosas – Força dos Ácidos e Bases.

2. Conhecimentos Prévios Necessários

1. Funções inorgânicas: ácidos e bases;


2. Soluções eletrolíticas;
3. Estequiometria das reações químicas;
4. Concentração de soluções;
5. Equilíbrio químico.

3. Habilidades e Competências (Objetivos)

Ao término desta aula os alunos deverão ser capazes de:

 Descrever equilíbrios iônicos de ácidos e bases em água usando a teoria de


Arrhenius;
 Construir a equação da constante de equilíbrio iônico para ácidos e bases;
 Diferenciar a força de ácidos e bases a partir de suas constantes de equilíbrio
iônico;
 Compreender a importância do equilíbrio iônico de ácidos e bases em
diferentes sistemas aquosos.

4. Conteúdo Conceitual

1. Breve retomada de conceitos anteriores:


- Equilíbrio químico;
- Ácidos e bases pela teoria de Arrhenius;
- Íons, condutividade iônica em solução.
2. Força de ácidos e bases: uma construção experimental do equilíbrio iônico.
3. Constante de ionização de ácidos e bases:
- Equação da constante de equilíbrio iônico para ácidos e bases fracas, e o
significado dos valores destas constantes;
- Ácidos polipróticos.
(Contextualização contínua das substâncias usadas em sala através de ideias
referentes aos seus usos, além da importância em diversos sistemas aquosos e de
produção.)

5. Metodologia de Ensino

A abordagem inicial desta aula terá um breve diálogo com os alunos, na forma de
revisão sobre conceitos importantes do equilíbrio químico, e a teoria de Arrhenius
sobre ácidos e bases, além das características dos íons e soluções eletrolíticas.
A força dos ácidos e das bases será abordada experimentalmente pela
condutividade dos mesmos em soluções aquosas: compararemos a intensidade da luz
1
de uma lâmpada em circuito elétrico, fechado por uma solução de ácido forte e fraco, e
uma base forte e fraca, na expectativa que os alunos associem a intensidade da luz
com a quantidade de íons em solução. Para o ácido e base fracos o brilho menos
intenso da lâmpada remeteria a presença de poucos íons em solução, mesmo usando
a mesma concentração do ácido e base fortes, trazendo a ideia da ionização do ácido
ou dissociação da base parcialmente, e assim será possível conduzir a dedução da
equação do equilíbrio iônico destas substâncias em água.
Em seguida os ácidos e bases abordados no experimento serão transcritos na
lousa para descrição do equilíbrio iônico do ácido e base fracos e produção de suas
constantes de equilíbrio. Compararemos constantes de diferentes ácidos e bases e
indicaremos as informações contidas nesta grandeza. Todas as substâncias usadas
na aula serão contextualizadas pela importância dos seus equilíbrios iônicos em
diferentes sistemas aquosos, e de produção
Uma breve avaliação utilizando material impresso será realizada, para
acompanhamento da efetividade desta aula na aprendizagem dos alunos.

6. Recursos Didáticos

Quadro branco e marcador; materiais de laboratório: béqueres, frascos, soluções


ácidas e básicas, e dispositivo elétrico para medir condução de eletrólitos (materiais
fornecidos pelo CEIQ – Centro de Ensino Integrado de Química – da USP/RP);
cópias impressas.
Para complementar, após a aula os alunos poderão ter acesso a página do
professor na internet para assistirem vídeos selecionados, modelos computacionais
que ajudam a entender os conceitos abordados, fazer exercícios extras e enviar outras
dúvidas ou curiosidades.

7. Conclusão

A partir dos objetivos propostos sobre as habilidades e competências dos alunos,


da participação dos mesmos e da revisão das respostas da atividade realizada em
sala de aula será possível traçar a profundidade da retomada do conteúdo na aula
seguinte e a sua consequente continuidade.

8. Verificação da Efetividade da Aula na Aprendizagem

O acompanhamento da aprendizagem dos alunos se fará por duas vias:


- de forma contínua ao longo da aula através do diálogo com os alunos;
- através de atividade realizada durante a aula.

9. Referências Básicas

1) FONSECA, M. R. M. Química: meio ambiente, cidadania, tecnologia. São Paulo,


1ª ed. v 2, FTD, 2010.
2) USBERCO, J; SALVADOR, E. Química, volume único. São Paulo, 7ª ed. Saraiva,
2006.
3) ATKINS, P. W.; JONES, L. L. Princípios de Química: questionando a vida
moderna e o meio ambiente. Porto Alegre, 3ª ed., Bookman, 2006.

10. Referências Complementares: periódicos científicos e materiais de apoio na


internet.

1) BERTOTTI, M. Dificuldades conceituais no aprendizado de equilíbrios químicos


2
envolvendo reações ácido-base. Química Nova, Vol. 34, n.10, 1836-1839, 2011;
2) SABADINI, E.; BIANCHI, J. C. A. Ensino do conceito de equilíbrio químico: uma
breve reflexão. Química Nova na Escola, n.25, 10-13, 2007;
3) SOUZA, K. A. F. D.; CARDOSO, A. A. Aspectos macro e microscópicos do
conceito de equilíbrio químico e de sua abordagem em sala de aula. Química Nova na
Escola, n. 27, 51-56, 2008;
4) CAMPOS, M. L. A. M. Introdução à biogeoquímica de ambientes aquáticos.
Campinas, Editora Átomo, 2010;
5) Páginas de apoio e estudos complementares produzidas pelo professor:
https://www.facebook.com/www.quimicanovestibular.com.br?ref=hl;
http://franciscoaraujosil.wix.com/estudequimica.

Catanduva/SP, 30 de Agosto de 2015.

PROFESSOR:

_______________________________
Francisco de Araújo Silva

Você também pode gostar