Você está na página 1de 20

ISCAL – INTRODUÇÃO À CONTABILIDADE (Ano letivo 2015/2016)

LICENCIATURA EM CONTABILIDADE

Âmbito e Objeto da Contabilidade


Docentes:
Joana Souto
Mª do Céu Antunes
Mª Julieta Azevedo
Nuno Saraiva
Paulo Costa
Pedro Flores
Vera Pinto
Âmbito e Objeto da Contabilidade
2

 A Contabilidade
Há várias definições de contabilidade:

“É a Contabilidade que coleta todos os dados económicos,


mensurando-os monetariamente, registando-os e
sumariando-os em forma de relatórios comunicados, que
contribuem sobremaneira para a tomada de decisões.”

Fonte: American Institute of Accountants (AIA) (In: Review and


resume, Accounting Terminology Bulletin nº 1, parág. 9, (NY:
AIA),1953
Âmbito e Objeto da Contabilidade
3

 A Contabilidade

Professor Gonçalves da Silva:


“Sistema de recolha, classificação, interpretação e exposição dos dados
económicos.”

O que ganhei
O que tenho? O que devo? ou perdi?

A Contabilidade é uma ciência económica que realiza um processo de


identificar, medir e comunicar informação económica, apta para emitir
juízos e tomar decisões destinada aos distintos utilizadores daquela
informação.
Âmbito e Objeto da Contabilidade
4

 Mais definições de contabilidade

Professor Lopes de Amorim:


“O conhecimento do património nos aspetos quantitativos, qualitativos e valorativos, em
qualquer momento da existência da empresa, e ainda possibilitar a análise económico-financeira
da empresa.”

Hopwod e Mille
“Prática social e institucional com implicações para o funcionamento social e
organizacional”

Carniege e Napier
“A contabilidade enquanto prática social influencia e é influenciada simultaneamente pelo
seu contexto e é hoje mais facilmente reconhecida como instrumento de poder e controlo
do que por um conjunto de ideais e técnicas neutras que apenas visam facilitar e
monitorizar contratos livremente estabelecidos entre instituições”
Âmbito e Objeto da Contabilidade
5

 A Contabilidade

A Contabilidade é um sistema de informação que deve garantir a


fiabilidade e precisão da mesma, através de métodos rigorosos de
medição e organização para a tomada de decisão.

Critérios de Reconhecimento e Mensuração

A Contabilidade é uma actividade que proporciona informação (…) para


a tomada de decisões, planeamento, controlo das operações, avaliação do
desempenho e relato financeiro aos utentes (como investidores, credores,
autoridades reguladoras e ao público em geral).
Âmbito e Objeto da Contabilidade
Introdução à
Contabilidade

 Divisões da Contabilidade

– DO PONTO DE VISTA – HISTÓRICA


TEMPORAL
– PREVISIONAL

– DO PONTO DE VISTA – EXTERNA / FINANCEIRA


DO UTILIZADOR
– INTERNA / GESTÃO

23/09/2015
6
Âmbito e Objeto da Contabilidade
7

 Divisões da Contabilidade

o Contabilidade de carácter histórico: dá a conhecer o que efetivamente


aconteceu, permitindo uma visão retrospetiva da gestão da entidade. Inclui:

• Contabilidade Financeira: Necessária a todas as entidades. Regista e fornece


informações gerais, as que respeitam à entidade no seu todo. Apura o
resultado global da entidade e divulga o balanço.
• Contabilidade de Analítica: Está voltada para o cálculo, interpretação e
controle dos custos dos bens fabricados e comercializados, e dos serviços
prestados pela entidade. É uma contabilidade interna, visando o apuramento
de resultados ao nível mais elementar. Por produto; por departamento; por
projeto; por cliente.
Âmbito e Objeto da Contabilidade
8

 Divisões da Contabilidade

o Contabilidade de carácter previsional: Exprime os resultados das


previsões. Permite a elaboração dos planos de actividades e o
estabelecimento de regras a que a gestão se deve submeter. Inclui:

• Contabilidade Orçamental: Visa antecipar a actividade económica


futura da empresa. Requer avaliações subjectivas e a análise de um
grande número de variáveis e premissas.
Âmbito e Objeto da Contabilidade
Introdução à
Contabilidade

 Divisões da Contabilidade

– Contabilidade de Gestão:
«O processo de identificação, mensuração, acumulação,
análise, preparação, interpretação e comunicação de
informação (quer financeira quer operacional) utilizado
pelo órgão de gestão para planear, avaliar e controlar
internamente uma organização e para assegurar o uso e
a responsabilidade pelos seus recursos»

In Financial and Management Accounting Committee (FMAC), Internacional


Federation of Accountants (IFAC), Practice Statement nº. 1, Fevereiro de 1989

23/09/2015
9
Âmbito e Objeto da Contabilidade
10

 Utilizadores da Informação Contabilística § 9 a 11 - Estrutura Conceptual


o As demonstrações contabilísticas, preparadas, elaboradas e apresentadas
pela contabilidade, devem atender às necessidades dos utilizadores externos e
internos à entidade:

Utilizadores externos Utilizadores internos


• Investidores actuais e potenciais • Empregados
• Instituições de crédito • Órgãos de Gestão
• Clientes Utilizadores internos – participam
• Fornecedores e outros credores actuais directamente na gestão da empresa,
• Governo e seus departamentos assim como em qualquer outra função
• Público de controlo da mesma. Neste sentido,
usam a informação interna e externa
Utilizadores externos – não participam directamente produzida pela contabilidade, com
na gestão da empresa, mas são afectados pela fins de continuidade, controlo e
situação económico-financeira da mesma. decisão.

Necessitam de informação “normalizada”


Âmbito e Objeto da Contabilidade
11

Profissionais de Contabilidade podem exercer a sua


actividade em três áreas diferentes mas complementares:

• Preparação das Demonstrações Financeiras

• Certificação das Demonstrações Financeira

• Análise das Demonstrações Financeiras


• Âmbi Âmbito e objeto da Contabilidade

12

 A profissão contabilística

 Contabilista (Contabilista certificado)


 Auditor
 Revisor oficial de contas (ROC)
 Analista financeiro
 Director financeiro
 Tesoureiro
 Técnicos administrativos de contabilidade
 Operadores de contabilidade e escrituração comercial
Âmbito e Âmbito e objeto da Contabilidade

13

 A profissão contabilística

Organismos profissionais:

 Ordem dos Contabilistas Certificados (substitui a OTOC)

 Ordem dos Revisores Oficiais de Contas (OROC)


Âmbito e Âmbito e objeto da Contabilidade

14

 A profissão contabilística
Contabilista Certificado (substitui o TOC)
• Específicas
Funções - Planificar, organizar e coordenar a execução da contabilidade.
• Outras:
- Consultoria nas áreas da contabilidade e da fiscalidade;
- Representação dos sujeitos passivos por cujas contabilidades sejam responsáveis,
na fase graciosa do procedimento tributário e no processo tributário, até ao limite a
partir do qual, nos termos legais, é obrigatória a constituição de advogado;
- Desempenhar quaisquer outras funções definidas por lei, designadamente as de
perito nomeado pelos tribunais ou por outras entidades públicas ou privadas.

-Regularidade técnica nas áreas contabilística e fiscal;


Responsabili- - Assinar, conjuntamente com o representante legal as respetivas demonstrações
dades financeiras e declarações fiscais, fazendo prova da sua qualidade;
-Supervisão dos atos declarativos para a segurança social e para efeitos fiscais
relacionados com o processamento de salários
Âmbito e Âmbito e objeto da Contabilidade

15

 A profissão contabilística

ROC

Funções
1 - Constituem funções de interesse público:
- Revisão legal das contas e a auditoria às contas, e serviços
relacionados:

Emissão da certificação legal das contas individuais ou consolidadas,


das entidades, em que esta é obrigatória por lei.
Responsabilidades
- Guardar a documentação da sua análise dos trabalhos de revisão;
Evolução histórica da Profissão de
Contabilista
16

Ano Acontecimentos

1759 O Marquês de Pombal cria a Aula do Comércio. Este foi o primeiro estabelecimento de ensino criado oficialmente em
Portugal para o ensino da Contabilidade.
1958 É criada a figura de Técnico Oficial de Contas
1995 Regulamentação da profissão com a publicação do Decreto-Lei n.º 265/95, de 17 de Outubro.

Surge a Associação dos Técnicos Oficiais de Contas (ATOC)

1999
Associação dos Técnicos Oficiais de Contas passa a designar-se Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas.

2000 A 1 de janeiro entra em vigor o Código Deontológico, como necessidade lógica de impor regras comportamentais a todos
os profissionais

2003 Entram em vigor as novas regras de inscrição na CTOC, as quais compreendem a exigência de uma determinada estrutura
curricular dos cursos que permitem acesso à inscrição na Câmara

2009 Parlamento vota favoravelmente a proposta de lei 276/x que viabiliza alterar o estatuto da CTOC e a passagem a
Ordem profissional. É uma nova etapa após 14 anos de reconhecimento público da profissão. A 26 outubro do mesmo ano
é publicado em Diário da República o decreto-lei n.º 310 de 2009 que formaliza a nova e maior ordem profissional
portuguesa

Fonte: OTOC
Profissão TOC vs. responsabilidade
17

“O técnico oficial de contas é responsável por todos os actos que pratique no


exercício das suas funções, incluindo os dos seus colaboradores”nº1 art.º5 CD

“Por forma continuada e actualizada desenvolver e incrementar os seus


conhecimentos e qualificações técnicas e as dos seus colaboradores;” a) art.º 6 CD

“1 – Os técnicos oficiais de contas e os seus colaboradores estão obrigados ao


sigilo profissional sobre os factos e documentos de que tomem conhecimento no
exercício das suas funções, devendo adoptar as medidas adequadas para a sua
salvaguarda.
2 - O sigilo profissional abrange ainda documentos ou outras coisas que se
relacionem, directa ou indirectamente, com os factos sujeitos a sigilo.
3 - A obrigação de sigilo profissional não está limitada no tempo, mantendo-se
mesmo após a cessação de funções.” art.º10 CD
Profissão de Contabilista
18

www.youtube.com/watch?v=eIk3gp6RxdA
19

Leitura recomendada

• BORGES, António, RODRIGUES, Azevedo e RODRIGUES, Rogério, (2010) “ELEMENTOS DE CONTABILIDADE GERAL”, 25ª
Edição, Áreas Editora, Lisboa.

- COSTA, Carlos Batista e ALVES, Gabriel Correia (2013), Contabilidade Financeira, Rei dos Livros Editora

• SILVA, Eusébio Pires da e SILVA, Ana Cristina Pires da, (2010) “SNC – MANUAL DE CONTABILIDADE”, Rei dos Livros, Lisboa.
ISCAL Maria
Julieta Azevedo

 A importância da “Aula
de comércio” pode ser
comprovada pela
presença do marquês de
Pombal e do próprio rei
D. José I no início do ano
lectivo e nos dias dos
exames.

23/09/2015
20

Você também pode gostar