Você está na página 1de 3

Coordenação de Controle de Infecção Hospitalar

CCIH/HUCFF/UFRJ
Agosto 2013
RECOMENDAÇÕES PARA TROCA DE ARTIGOS HOSPITALARES ENVOLVIDOS NA
PATOGÊNESE DAS INFECÇÕES HOSPITALARES

Artigos Tempo Recomendado de Troca


Circuito do ventilador Trocar e reprocessar entre pacientes. No mesmo paciente
trocar se visivelmente sujo. Esvaziar o condensado sempre
que necessário e evitar que retorne para o paciente.
Obs: quando o paciente for desconectado do ventilador por
período inferior a 6 horas, o mesmo circuito poderá ser
reconectado desde que tenha sido protegido.
Circuito do ventilador no paciente em desmame da Trocar todo o circuito com o umidificador 1x ao dia.
ventilação mecânica (pela manhã)
Filtros internos do respirador Consultar manual do aparelho.
Máscara de oxigênio (Hudson) Trocar entre pacientes e fazer desinfecção de alto nível.
Umidificador para cateter nasal de O2 Trocar entre pacientes, usar água destilada para o
preenchimento.
Umidificador do respirador Trocar entre pacientes, usar água estéril para o
preenchimento.
Macronebulizador e circuito acessório Trocar de 24/24 horas e realizar desinfecção de alto nível.
Usar água estéril para preenchimento.
Nebulizador do respirador Após cada uso, realizar desinfecção de alto nível.
Preferir nebulização através de aerocâmara.
Micronebulizador de mão Após cada uso, realizar desinfecção de alto nível.
Preferir medicação em aerossol.
Frascos de aspiração de vidro Esvaziar quando necessário e lavar.
Auto-clavar entre pacientes.
Frascos de aspiração descartável Trocar quando necessário, não reutilizar.
Borrachas de aspiração Trocar diariamente (com descarte da utilizada).
Ambu Trocar sempre que abrir o invólucro, realizar desinfecção de
alto nível na alta do paciente ou quando visivelmente sujo.
Uso individual
Lâmina, cabo do laringoscópio e guia metálico de Limpeza e fricção com álcool a 70% antes e após cada uso.
entubação.
Sistema fechado de aspiração: Trocar quando estiver sem condições técnicas de uso e/ou de
higienização.

Filtro higroscópico: Trocar na presença de sujidade ou umidade que comprometa


a função
Cânulas de traqueotomia metálicas ou plásticas Realizar limpeza da subcânula com água destilada sempre
que necessário. Não é necessária troca de rotina.
Material de ventilação não invasiva Trocar todo o material 1x por dia.
Obs: ter 01 fixador cefálico para cada circuito.
Conexões do ventilômetro Uso individual. Manter protegido após uso.
Realizar desinfecção de alto nível após alta do paciente.

1
Coordenação de Controle de Infecção Hospitalar
CCIH/HUCFF/UFRJ
Agosto 2013
Incentivadores de fisioterapia Uso individual, descartar ou reprocessar após a alta do
paciente (dependendo do material).
Filtro de ar condicionado central Verificar com o fabricante rotina de troca, geralmente realizada
a cada 06 meses.
Cateter arterial periférico em membros superiores Não há rotina de troca.
(PAM) e sistema de infusão, “Vamp“. ATENÇÃO: No caso de acesso profundo femoral trocar a cada
04dias.
Cateter Swan-Ganz, dome, solução de flush, Trocar a cada 05 dias.
equipo e bainha.
Transdutor Trocar junto com o cateter, preferir descartável. Caso não seja
possível, realizar esterilização em óxido de etileno.
Cateter de PAE, balão de contrapulsação, marca-
passo provisório. Não há rotina de troca estabelecida.
Cateter venoso profundo (exceto Swan-Ganz) Trocar se houver hiperemia ou secreção no orifício da pele ou
em caso de febre sem foco definido.
Cateter venoso periférico/Jelcos e Scalps Trocar de acordo com a recomendação do “Time de cateter”,
mesmo na ausência de flebite ou infiltrações.

Equipos, conexões, bureta e equipo de PVC. Trocar a cada 96 horas ou quando visivelmente sujo.
Equipos de NPT (com emulsão de lipídios) Trocar a cada etapa.
hemoderivados, albumina.

Cateter vesical Não trocar de rotina, exceto no início do tratamento de


infecções urinárias.

Almotolias Realizar desinfecção e troca da solução 1 vez por semana.


Antisséptico em galão Descartar 10 dias após abertura.
Curativos de veia profunda Fazer inspeção e palpação do sítio de punção diária, trocar
caso apresente-se sujo ou molhado.

Comadres/Patinhos Lavar com água e sabão a cada uso e realizar desinfecção


entre pacientes.

Termômetros Após cada uso, fazer desinfecção com álcool 70%. Guardar
em vidros secos.

Cateter de nutrição enteral Não há prazo estabelecido para a troca.


Equipo de sonda enteral Trocar a cada 24 horas.
Paciente Transferido de outra instituição em uso de Trocar sempre que não comprometa o estado geral do
cateter gástrico, vesical, venoso (periférico e paciente.
profundo).

2
Coordenação de Controle de Infecção Hospitalar
CCIH/HUCFF/UFRJ
Agosto 2013
OBS: Com o objetivo de prevenir a admissão de pacientes com colonização e/ou
infecção em cateteres que tenham sido introduzidos em outra instituição hospitalar
orientamos a troca dos mesmos.

Bibliografia recomendada:
1. Mechanical Ventilation ith or without 7- Day Circuit Changes - Kollef, M.; Shapiro, SD. - Ann
Intern Med 1995, 123:168-174
2. Recomendations for Infection Control for the Practice of Anersthesiology - CDC Home
Page
3. Infection Control and Applied Epidemiology - Priciples and Practice - APIC - 1996
4. Guideline for Prevention of Nosocomial Pneumonia - CDC - ICHE 1994, 15(9):587-620
5. Mechanical Ventilation with or without Daily Changes of In-Line Suction Catheters - Kollef,
M - Am J Respir Crit Med 1997,156:466-472
6. Guideline for Prevention of Intravascular Device-Related Infections - CDC - AJIC
1996,24(4):262-293
7. Prevention and Control of Nosocomial Infections - Wenzel 1997

Você também pode gostar