Você está na página 1de 8

LICENCIATURA EM PEDAGOGIA

MÔNICA DE MELO BALBUENA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR FRENTE ÀS TEORIAS E


CONCEPÇÕES PEDAGÓGICAS CONTEMPORÂNEAS

Rondonópolis-MT
2021
MÔNICA DE MELO BALBUENA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR FRENTE ÀS TEORIAS E


CONCEPÇÕES PEDAGÓGICAS CONTEMPORÂNEAS

Trabalho apresentado à Universidade do Norte do


Paraná - UNOPAR, como requisito parcial à aprovação
no 3º semestre do curso de Licenciatura em Pedagogia.

Rondonópolis-MT
2021
SUMÁRIO

INTRODUÇÃO 3
DESENVOLVIMENTO 4
CONSIDERAÇÕES FINAIS 7
REFERÊNCIAS 8
3

INTRODUÇÃO

A educação é um segmento importante do processo educativo, mas somente


nas últimas duas décadas é que seu crescimento alcançou uma significação maior.
O professor nesse processo se tornou essencial, e essa pesquisa vem de encontro
as necessidades atuais das escolas, que é o de formação para embasarmos nossas
praticas pedagógicas.
As competências estimuladas nessa pesquisa são a de correlacionar os
conteúdos das disciplinas integradoras do semestre para compreender as possíveis
relações convencionadas entre educação e sociedade; também valorizar a prática,
do planejamento à execução, referente à profissionalização daqueles que atuam no
contexto escolar, articulando variados aspectos à prática docente, tendo em vista a
formação que atenda às necessidades contemporâneas.
O tema da pesquisa é a “A formação do professor frente às teorias e
concepções pedagógicas contemporâneas” e tem por habilidades: familiarizar-se
com a vivência concreta em instituições educativas; planejar atividades integrando
teoria e prática, integrando conteúdo das disciplinas do semestre; analisar
criticamente as relações estabelecidas entre a educação escolar e a formação do
sujeito para atuar na sociedade; e, conhecer os elementos necessários para a
construção de textos científicos seguindo normas da ABNT.
A pesquisa trará a análise de uma situação geradora de aprendizagem na
qual nos colocaremos no lugar dos professores elaborando um texto de acordo com
as orientações contidas nessa situação-problema, contemplando as cinco temáticas
indicadas anteriormente, que fazem parte das discussões propostas para esse grupo
de estudos.
4

DESENVOLVIMENTO

Avaliação de aprendizagem classificatória e formativa


Notamos, portanto, que a avaliação, na tendência tradicional, acaba
por ter o propósito de “[...] classificar e certificar, aceitando que há
alunos que não podem aprender, desenvolvendo uma cultura cujos
resultados estão em geral associados à desmoralização, à
repetência e ao abandono escolar de milhares de crianças e jovens”
(FERNANDES, 2009, p. 29). (NASCIMENTO; BARBOSA; ANNIBAL,
2017, p.10)

Nessa proposta avaliativa, o importante é o diagnóstico das


dificuldades, para reorientação das intervenções do professor,
cabendo a esse profissional auxiliar os alunos na identificação dos
equívocos, tendo em vista orientá-los na busca de outras formas
para compreender o que ainda permanece incompreendido. O
importante é despertar os aprendizes para a autoavaliação e para
novas alternativas de aprender, no intuito de ampliar o conhecimento.
(NASCIMENTO; BARBOSA; ANNIBAL, 2017, p.12)

história da educação construção histórica


A autora (LOPES, 1986, p. 36) afirma que “[...] o educador ou o
pedagogo, não recebendo formação específica nem em metodologia
de pesquisa histórica nem em teorias da História, dificilmente pode
tornar-se um historiador”, pois, para atender o rigor e o método que o
ofício do historiador “[...] exige-se um crescente entendimento da
História da educação, que deve ser escrita através de pesquisas
rigorosas que obedeçam aos critérios (NEVES; COSTA, 2012, p.119)

currículo escolar tradicional, crítica e pós crítica


Para Romanowski (2007), o professor, nesse momento, é treinado
para desempenhar a sua função, a de treinar seus alunos, sem
desenvolver, portanto, a reflexão, destacando a valorização da
técnica aplicada ao ensino que enfatiza a atividade instrumental do
professor (PINHEIRO, 2009, p.15).

Para Paulo Freire, os oprimidos (massas populares) para libertar-se


necessitavam de conscientização. Isso quer dizer que precisam estar
conscientes da sua condição de oprimido para libertar-se a si mesmo
e ao opressor. Essas lutas de classes mostram o quanto a ideologia
dominante não tem interesse em mudar a sua condição de domínio e
poder sobre os oprimidos (PINHEIRO, 2009, p. 16).
5

práticas pedagógicas oportunizar melhores aulas – uma gestão da sala de


aula

didática – desenvolvimento da aprendizagem


6

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Compreender a criatividade em todos os contextos históricos existentes é um


trabalho árduo, mas, se buscarmos conhecimento diário, podemos compreende
essa concepção. Perrenoud (2002, p.440 afirma que “um profissional reflexivo não
se limita ao que aprendeu no período de formação inicial, nem ao que descobriu em
seus primeiros anos de prática. Ele reexamina constantemente seus objetivos, seus
procedimentos, suas evidências e seus saberes”.

Quando iniciamos nossa prática docente, a formação é contínua, e deve


continuar acontecendo. É uma busca que pode ser individual ou coletiva, isso
dependerá da equipe escolar de profissionais. Afirmo que consegui alcançar os
objetivos traçados, pois, não só compreendi a importância da formação teórica,
como consegui fazer a análise da situação com as leituras propostas.

Mudanças são necessárias, pois a educação está em constante


transformação, e nós professores, precisamos acompanhar o processo.
7

REFERÊNCIAS

NASCIMENTO, Mari Clair Moro; BARBOSA, Raquel Lazzari Leite; ANNIBAL, Sérgio
Fabiano. Avaliação das Aprendizagens: Representações decorrentes de Práticas
Instituídas na Formação Inicial. Educação em Revista, Marília, v.18, n.1, p.7-22, Jan-
Jun., 2017. Disponível em:
https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/educacaoemrevista/article/view/6992.
Acesso em: 20 abr. 2021.

NEVES, Fátima Maria; COSTA, Célio Juvenal. A importância da História da


Educação para a Formação de Profissionais da Educação. Rev. Teoria e Prática
da Educação, v.15, n. 1, p. 113-121, jan./abr. 2012. Disponível em:
http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/TeorPratEduc/article/view/18570/9795. Acesso
em: 20 abr. 2021.

PERRENOUD, Philippe. Da reflexão na Essência da Ação a uma Prática reflexiva.


In.: _______. A Prática Reflexiva no Ofício de Professor: profissionalização e
Razão Pedagógica. Porto Alegre: Artmed, 2002. Cap.1, p.29-45.

PINHEIRO, Geslani Cristina Grzyb. Teoria curricular crítica e pós-crítica: uma


perspectiva para a formação inicial de professores para a educação básica.
Analecta, v.10, n. 2, p. 11-25 jul./dez. 2009. Disponível em:
https://revistas.unicentro.br/index.php/analecta/article/view/2096/1799. Acesso em:
20 abr. 2021.

Você também pode gostar