TRIBUTOS INCIDENTES SOBRE O FATURAMENTO

PIS – COFINS E ISS Neyde 03/05/2011

10. despesas e encargos.Destina-se exclusivamente ás pessoas jurídicas tributadas com base no lucro real. nos termos da lei. incidentes. de 0. Nesse regime. 10. inclusive as pessoas a elas equiparadas pela Legislação do Imposto de Renda. Regime de incidência cumulativa A base de cálculo é o total das receitas da pessoa jurídica. da empresa e da entidade a ela equiparada na forma da lei. á pessoa física que lhe preste serviço. submetem à incidência cumulativa as receitas elencadas no art. Regimes de incidência: 1. sujeitas á sistemática da não-cumulatividade.833. que são de competência da União. c) O lucro. 2 . dos Estados. A legislação prevê basicamente duas modalidades para o cálculo mensal do PIS/Pasep e da Cofins incidentes sobre o faturamento: I.865/2004. respectivamente.833/2003.COFINS Disposições Gerais: As contribuições ao Programa de Integração Social e ao Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (PIS/Pasep) e a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins). 195: Art. II.65% e de 3% As pessoas jurídicas de direito privado. encontram sua fundamentação legal na Constituição Federal (1988).Aplicada sobre a receita bruta das pessoas jurídicas. de forma direta e indireta. de que tratam as Leis n. de forma centralizada na matriz. com as alterações da Lei n. Os contribuintes da Cofins e do PIS/Pasep são as pessoas jurídicas de direito privado. mesmo se vínculo empregatício. sobre: a) A folha de salários e demais rendimentos do trabalho pagos ou creditados. e as que lhe são equiparadas pela legislação do imposto de renda.637/2002 e 10.Do empregador. e das seguintes contribuições sociais: I. As contribuições ao PIS/Pasep e á Cofins deverão ser recolhidas em DARF. do Distrito Federal e dos Municípios. de 2003 (ver Receitas excluídas do regime de incidência não-cumulativa). as alíquotas da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins são. até o último dia útil da primeira quinzena do mês subseqüente ao de ocorrência dos fatos geradores. no art. sem deduções em relação a custos. a qualquer título. em geral. que apuram o IRPJ com base no lucro presumido ou arbitrado estão sujeitas à incidência cumulativa.TRIBUTOS INCIDENTES SOBRE O FATURAMENTO: PIS – COFINS – ISS PIS/PASEP . VII a XXV da Lei nº 10. b) A receita ou o faturamento. ainda que sujeitas á incidência não-cumulativa. As pessoas jurídicas. 195 – A seguridade social será financiada por toda a sociedade. 10. mediante recursos provenientes dos orçamentos da União.

de 1998. MP 2. com alterações da MP 2. art. pelas pessoas jurídicas submetidas ao regime especial de que trata o art. de 2002. Lei nº 10. de 2002. Nesse regime. [Lei nº 9. embora tenham características próprias de incidência (ver Regimes especiais). (ver Regimes especiais). O diploma legal da Contribuição para o PIS/Pasep não-cumulativa é a Lei nº 10. é o faturamento mensal. devendo a pessoa jurídica calcular ainda a Contribuição para o PIS/Pasep e a Cofins no regime de incidência não-cumulativa ou cumulativa. As pessoas jurídicas de direito privado. também são considerados de incidência cumulativa. Lei nº 10. de 2004. (Lei nº 9. IN SRF nº 247.833. Permite o desconto de créditos apurados com base em custos. de 27 de novembro 1998. que apuram o IRPJ com base no lucro real estão sujeitas à incidência não-cumulativa. apenas por não estarem alcançadas pela incidência não-cumulativa estabelecida pelas Leis nº 10.637. de 1998. Regime de incidência não-cumulativa Regime de incidência da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins instituídos em dezembro de 2002 e fevereiro de 2004.637.833. IN SRF nº 404.65% e de 7. 23): 3 . no âmbito do Mercado Atacadista de Energia Elétrica (MAE). A maioria dos regimes especiais se refere a incidência especial em relação ao tipo de receita e não a pessoas jurídicas. Regimes especiais A característica comum é alguma diferenciação em relação à apuração da base de cálculo e/ou alíquota.833.6%. e de venda de energia elétrica.637. § 1º) Exclusões da Base de Cálculo Para fins de determinação da base de cálculo. 3º. art. podem ser excluídos do faturamento. sendo irrelevantes o tipo de atividade por ela exercida e a classificação contábil adotada para as receitas.158-35. os valores: (Lei nº 9. de 1998.925. as pessoas jurídicas que tenham por objeto a securitização de créditos imobiliários e financeiros. [Lei nº 10.15835/2001. e as que lhe são equiparadas pela legislação do imposto de renda. de 2003. que permanecem excluídas da incidência não-cumulativa. as operadoras de planos de assistência à saúde. de 2003.865.716.637. 5º da Lei nº 9. art. que corresponde à receita bruta. Regime de incidência cumulativa Base de cálculo A base de cálculo da Contribuição para o PIS/Pasep e Cofins.Observação: As receitas de venda de álcool para fins carburantes.718. 3º. de 1. e o da Cofins a Lei nº 10. de 2004] 3. quando o tenham integrado. respectivamente. de 2001] 2. de 2004. 1. As pessoas jurídicas submetidas à incidência não-cumulativa integram a essa incidência as receitas obtidas nas vendas de bens submetidos a alíquotas diferenciadas. e as sociedades cooperativas (exceto as sociedades cooperativas de produção agropecuária e as sociedades cooperativas de consumo). assim entendida a totalidade das receitas auferidas pela pessoa jurídica. de 1983. exceto: as instituições financeiras. as empresas particulares que exploram serviços de vigilância e de transporte de valores de que trata a Lei nº 7. e nº 10. de 2002. de 2003. de 2002. despesas e encargos da pessoa jurídica. sobre as demais receitas. Lei nº 10. respectivamente.718. conforme o caso. excetuadas as receitas de venda de álcool para fins carburantes. § 2º. de venda de veículos usados de que trata o art.102. as cooperativas de crédito. as alíquotas da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins são.718. de venda de produtos sujeitos à substituição tributária. de 2002. 47 da Lei nº 10. no regime de incidência cumulativa.

no regime de incidência cumulativa. de 2003. e 4 . é o valor do faturamento mensal. assim entendido o total das receitas auferidas pela pessoa jurídica. das reversões de provisões. j. e. do ICMS. §§ 1º e 2º e Lei nº 10. decorrentes da venda de bens do ativo permanente. dos resultados positivos da avaliação de investimentos pelo valor do patrimônio líquido. de 2003. c.637. Regime de incidência não-cumulativa Base de cálculo A base de cálculo da Contribuição para o PIS/Pasep e Cofins. com a incidência cumulativa. O pagamento da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins. §3º e Lei nº 10. das recuperações de créditos baixados como perdas.a. 1º. das vendas canceladas. art. respectivamente. g. art 1º. b. dos lucros e dividendos derivados de investimentos avaliados pelo custo de aquisição. das vendas canceladas. 1. art. 24): a. Apuração e Pagamento A apuração e o pagamento da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins serão efetuados mensalmente. h. do ICMS. § 3º. art 1º. de sessenta e cinco centésimos por cento (0. IN SRF nº 247. quando destacado em nota fiscal e cobrado pelo vendedor dos bens ou prestador dos serviços na condição de substituto tributário. com a incidência não-cumulativa. que tenham sido computados como receita. de forma centralizada. e. c. d. dos lucros e dividendos derivados de investimentos avaliados pelo custo de aquisição. §§ 1º e 2º). art.833. do IPI. 1º. dos resultados positivos da avaliação de investimentos pelo valor do patrimônio líquido. Exclusões ou deduções da Base de Cálculo Para fins de determinação da base de cálculo. f. Alíquotas As alíquotas da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins. que não representem ingresso de novas receitas. os valores: (Lei nº 10. dos descontos incondicionais concedidos. que tenham sido computados como receita. de 2002. das receitas isentas ou não alcançadas pela incidência da contribuição ou sujeitas à alíquota 0 (zero). que não representem ingresso de novas receitas. será efetuado sob os códigos de receita 8109 e 2172 (códigos de DARF).637. dos descontos incondicionais concedidos. são. das reversões de provisões e das recuperações de créditos baixados como perdas. de 2002. das receitas não-operacionais. de 2002. independentemente de sua denominação ou classificação contábil (Lei nº 10. g. b. quando o tenham integrado. h. das receitas isentas ou não alcançadas pela incidência da contribuição ou sujeitas à alíquota 0 (zero).833. do IPI. O pagamento deverá ser efetuado até o último dia útil do 2º (segundo) decêndio subseqüente ao mês de ocorrência dos fatos geradores (dia 20 do mês subseqüente ao fato gerador). podem ser excluídos do faturamento. i. pelo estabelecimento matriz da pessoa jurídica. f. d.65%) e de três por cento (3%). quando destacado em nota fiscal e cobrado pelo vendedor dos bens ou prestador dos serviços na condição de substituto tributário.

clínica médica. de revenda de imóveis. a preço predeterminado. sociedade de economia mista ou suas subsidiárias. citológica ou de análises clínicas.i. de prestação de serviços de telecomunicações. de venda de álcool para fins carburantes. das receitas de revenda de bens em que a contribuição já foi recolhida pelo substituto tributário. e 3. de prestação de serviço de transporte coletivo de passageiros. telemarketing. de fisioterapia e de fonoaudiologia. de serviços prestados por hospital. 8º da Lei nº 10. decorrentes da venda de bens do ativo permanente. e as decorrentes de serviços de hotelaria e de organização de feiras e eventos. h. j. estão excluídas desse regime. raios X. de obras de construção civil. quando decorrente de contratos de longo prazo. de venda de mercadorias realizadas pelas lojas francas de portos e aeroportos (free shops). pronto-socorro. k. de prestação de serviços de educação infantil. até aquela data. de venda de jornais e periódicos e de prestação de serviços das empresas jornalísticas e de radiodifusão sonora e de sons e imagens. de prestação de serviços de transporte coletivo rodoviário. efetuado por empresas regulares de linhas aéreas domésticas. f. e do art. k. em processo licitatório. radiodiagnóstico e radioterapia. das receitas excluídas do regime de incidência não-cumulativa. n. observado o disposto no art. da edição de periódicos e de informações neles contidas. e de serviços de diálise. o. telecobrança e de teleatendimento em geral. das operações sujeitas à substituição tributária. d. de administradoras de planos de consórcios de bens móveis e imóveis. de prestação de serviços das empresas de call center. de 2003. até 31 de dezembro de 2008. 4. de 2003. Receitas excluídas do regime de incidência não-cumulativa Ainda que a pessoa jurídica esteja submetida ao regime de incidência não-cumulativa. constantes do art. que sejam relativas aos assinantes dos serviços públicos de telefonia. metroviário. incorporação imobiliária e construção de prédio destinado à venda. 15 desta última Lei. de 2002. 10 da Lei nº 10. i. de construção por empreitada ou de fornecimento. j. bem como os contratos posteriormente firmados decorrentes de propostas apresentadas. quimioterapia e de banco de sangue(Ver ADI SRF nº 26/2004). as receitas constantes do art. 2. o que significa também que os custos. As receitas excluídas do regime de incidência não-cumulativa são as decorrentes: a. com prazo superior a 1 (um) ano. m. g. ensinos fundamental e médio e educação superior. das receitas não-operacionais.833. empresa pública. despesas e encargos vinculados a essas receitas não geram direito ao desconto de créditos. b. c. odontológica. empreitada ou subempreitada. l. de bens ou serviços. conforme definido na Portaria Interministerial nº 33. desmembramento ou loteamento de terrenos. de 2005. 5 .833. de contratos firmados anteriormente a 31 de outubro de 2003: 1. de construção por empreitada ou de fornecimento. a preço predeterminado. auferidas por parques temáticos. e laboratório de anatomia patológica. ferroviário e aquaviário de passageiros. e as decorrentes da prestação de serviço de transporte de pessoas por empresas de táxi aéreo.637. com prazo superior a 1 (um) ano. dos Ministros de Estado dos Ministérios da Fazenda e do Turismo. e. de bens ou serviços contratados com pessoa jurídica de direito público. regularmente autorizadas a funcionar pelo Banco Central. de prestação de serviços com aeronaves de uso agrícola inscritas no Registro Aeronáutico Brasileiro (RAB). da execução por administração. 10 da Lei nº 10.

6% (Cofins) e 1% (Contribuição para o PIS/Pasep). de 2004. de 2002. s. no mês. da prestação de serviços das agências de viagem e de viagens e turismo. u. com a incidência não-cumulativa. c. quando destinado à impressão de periódicos.716. das aquisições de bens para revenda efetuadas no mês. de 2003. de papel imune a impostos de que trata o art. 56 da Lei nº 11. compreendidas ainda como softwares as páginas eletrônicas. auferidas por empresas de serviços de informática. Alíquotas As alíquotas da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins. bem como de análise. das atividades de desenvolvimento de software e o seu licenciamento ou cessão de direito de uso.8% (Contribuição para o PIS/Pasep) (Ver em Regimes especiais o subitem d. 150. pelas pessoas jurídicas submetidas ao regime especial de que trata o art.865.6%). de 2005. na hipótese de aquisição.65%) e de sete inteiros e seis décimos por cento (7. de 1998. programação. assessoria.833. dos bens recebidos em devolução. de venda de veículos usados de que trata o art. no âmbito do Mercado Atacadista de Energia Elétrica (MAE). inciso VI. alínea d da Constituição Federal. respectivamente. efetuadas no mês. será determinado mediante a aplicação da alíquota de 4. no período de apuração em que registrar o respectivo documento fiscal de aquisição. 8º.65% (Contribuição para o PIS/Pasep).8). da prestação de serviços postais e telegráficos prestados pela Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos. OBS1: No caso de subcontratação. OBS: O crédito. são. § 15 da Lei nº 10. e tenha sido tributada no regime de 6 . a alíquota dos créditos é de 5.196. das aquisições. de bens e serviços utilizados como insumos na fabricação de produtos destinados à venda ou na prestação de serviços.7% (Cofins) e 1. calculados mediante a aplicação das alíquotas de 7. suporte técnico e manutenção ou atualização de software. se credita com base nos valores das contribuições estabelecidos nos incisos I a III do art. configuração. q. a pessoa jurídica submetida à incidência não-cumulativa poderá descontar créditos. A exclusão da nãocumulatividade não alcança a comercialização. instalação. 5º da Lei nº 9. Desconto de créditos Dos valores de Contribuição para o PIS/Pasep e Cofins apurados. r.2% (Cofins) e 0.2375% (Contribuição para o PIS/Pasep) OBS2: A pessoa jurídica industrial de bebidas que optar pelo regime de apuração previsto no art. licenciamento ou cessão de direito de uso de software importado. 52 da Lei nº 10. 47 da Lei nº 10. de prestação de serviços públicos de concessionárias operadoras de rodovias. 51 referentes às embalagens que adquirir. b. t.p. será determinado mediante a aplicação da alíquota de 3. por empresa de transporte rodoviário de cargas. das operações de compra e venda de energia elétrica. de um inteiro e sessenta e cinco centésimos por cento (1. de serviço de transporte de carga prestado por pessoa jurídica transportadora optante pelo Simples. ou no art. cuja receita de venda tenha integrado o faturamento do mês ou de mês anterior.6% (Cofins) e 1. sobre os valores: a. na hipótese de revenda de nafta petroquímica pela central petroquímica que adquiriu o produto com a redução de alíquota prevista no art. inclusive combustíveis e lubrificantes. para revenda. OBS2: O crédito. consultoria.637.

7 . 2. quando o ônus for suportado pelo vendedor. 1º da MP nº 2. o contribuinte poderá calcular esse crédito.222. conforme o caso. mediante a aplicação. mediante alíquota específica. máquinas e equipamentos. de acordo com a IN SRF nº 457. art. 3. utilizados nas atividades da empresa. e IN SRF nº 457. 4. de 2004. destinados ao ativo imobilizado. exceto quando esta for optante pelo Simples. d. e. novos. OBS: É vedado o crédito relativo contraprestação de arrendamento mercantil de bens que já tenham integrado o patrimônio da pessoa jurídica. 52 desta Lei. no prazo de 4 (quatro) anos. na hipótese de opção pelo regime de tributação previsto no art.199-14. OBS1: Opcionalmente. no prazo de 2 (dois) anos. o contribuinte poderá calcular esse crédito. na aquisição dos vasilhames. de 2004). para utilização na produção de bens destinados à venda. incorridos no mês. em relação a máquinas e equipamentos. relativo à aquisição de vasilhames referidos no inciso IV do art. de 2004). a contraprestação de operações de arrendamento mercantil pagas a pessoa jurídica. dos produtos recebidos em devolução no mês. a cada mês.incidência não-cumulativa. o contribuinte poderá calcular esse crédito.65% (Contribuição para o PIS/Pasep) sobre o valor correspondente a 1/24 (um vinte e quatro avos) do valor de aquisição do bem (art.6% (Cofins) e 1. relativos a máquinas. e Decreto nº 5. relativos: 1. em relação a máquinas. à razão de 1/12 (um doze avos).051.196. nos casos dos incisos I e II. dos encargos de depreciação e amortização. OBS: É vedado o crédito relativo a aluguel de bens que já tenham integrado o patrimônio da pessoa jurídica. de 2004. 51 desta Lei. OBS: O crédito será determinado mediante a aplicação das alíquotas incidentes na venda sobre o valor ou unidade de medida. relacionados em ato do Poder Executivo. OBS4: O contribuinte — que tenha projeto aprovado na forma do art. armazenagem de mercadoria e frete na operação de venda. equipamentos e outros bens incorporados ao ativo imobilizado adquiridos a partir de maio de 2004.65% (Contribuição para o PIS/Pasep) sobre o valor correspondente a 1/48 (um quarenta e oito avos) do valor de aquisição do bem. à energia elétrica consumida nos estabelecimentos da pessoa jurídica. ou. de 2005. OBS3: Opcionalmente. poderá creditar-se de 1/12 (um doze avos) do valor da contribuição incidente. das despesas e custos incorridos no mês. no prazo de 12 meses. das alíquotas de 7. a aluguéis de prédios. 2º da Lei nº 11. de 2004. a cada mês. aparelhos. 31). OBS2: Para os bens adquiridos depois de 1º de outubro de 2004. mediante a aplicação. de acordo com regulamentação da Secretaria da Receita Federal.6% (Cofins) e 1. das alíquotas de 7. de 2001 em microrregiões menos desenvolvidas definidas em regulamento localizadas nas áreas de atuação das extintas Sudene e Sudam — tem direito ao desconto desse crédito no prazo de 12 meses (Lei nº 11. instrumentos e equipamentos. ou na prestação de serviços (Ver IN SRF nº 457.

e 2. b. os produtos intermediários. desde que não estejam incluídos no ativo imobilizado. será efetuado sob os códigos de receita 6912 e 5856 (códigos de DARF). relativos a edificações e benfeitorias em imóveis próprios ou de terceiros. pelo estabelecimento matriz da pessoa jurídica. f.OBS5: Não integram o valor das máquinas. os serviços prestados por pessoa jurídica domiciliada no País. 2. utilizados nas atividades da empresa. os bens aplicados ou consumidos na prestação de serviços. Apuração e Pagamento A apuração e o pagamento da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins serão efetuados mensalmente. aplicados ou consumidos na prestação do serviço. esse último quando revendidos ou utilizados como insumo em produtos ou serviços sujeitos à alíquota 0 (zero). adquiridas ou realizadas a partir de maio de 2004. equipamentos e outros bens fabricados para incorporação ao ativo imobilizado os custos de mão-de-obra paga a pessoa física. incorridos no mês. aplicados ou consumidos na produção ou fabricação do produto. os serviços prestados por pessoa jurídica domiciliada no País. inclusive no caso de isenção. as matérias primas. utilizados na prestação de serviços: 1. OBS: O direito ao desconto de créditos de que tratam as letras e) e f) não se aplica ao valor decorrente da reavaliação de bens e direitos do ativo permanente. e da aquisição de bens ou serviços não sujeitos ao pagamento da contribuição. Não incidências. O pagamento deverá ser efetuado até o último dia útil do 2º (segundo) decêndio subseqüente ao mês de ocorrência dos fatos geradores (dia 20 do mês subseqüente ao fato gerador). Conceito de insumo Entende-se como insumos: a. o dano ou a perda de propriedades físicas ou químicas. O pagamento da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins. dos encargos de depreciação e amortização. desde que não estejam incluídas no ativo imobilizado. tais como o desgaste. de forma centralizada. em função da ação diretamente exercida sobre o produto em fabricação. isentos ou não alcançados pela contribuição. imunidades e isenções: 8 . no regime de incidência não-cumulativa. utilizados na fabricação ou produção de bens destinados à venda: 1. o material de embalagem e quaisquer outros bens que sofram alterações.

de 1997. i. 15 da Lei nº 9. e 9 . dos serviços prestados a pessoas físicas ou jurídicas residentes ou domiciliadas no exterior. São isentas da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins a que se referem às Leis nºs 10. e 10. d. quando o pagamento for efetuado em moeda conversível. art. de 10 de dezembro de 1997. pelas empresas públicas e sociedades de economia mista. c. as receitas decorrentes da venda de energia elétrica pela Itaipu Binacional. de 29 de novembro de 1972. g. partidos políticos. 149. de vendas. de 30 de dezembro de 2002. de 24 de agosto de 2001. 195.432. de 8 de janeiro de 1997. modernização. auferidas pelos estaleiros navais brasileiros nas atividades de construção. serviços sociais autônomos.432. f. cujo pagamento represente ingresso de divisas.833.637. bem assim da prestação de serviços decorrentes dessas operações. e. I da Constituição Federal). com fim específico de exportação para o exterior. desde que destinadas ao fim específico de exportação para o exterior. de vendas realizadas pelo produtor-vendedor às empresas comerciais exportadoras nos termos do Decreto-Lei nº 1. d. do fornecimento de mercadorias ou serviços para uso ou consumo de bordo em embarcações e aeronaves em tráfego internacional. conservação. h. de frete de mercadorias transportadas entre o País e o exterior pelas embarcações registradas no REB. a empresas exportadoras registradas na Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento. científico e as associações.532. de 30 de abril de 2004. fundações de direito privado. § 2º. art. federações e confederações. art. § 7º). instituições de educação e de assistência social que preencham as condições e requisitos do art. templos de qualquer culto. recreativo. h. de 2002. e i. 12 da Lei nº 9. conselhos de fiscalização de profissões regulamentadas. g. Isenções São isentas da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins as receitas (IN SRF nº 247. e alterações posteriores. efetuadas diretamente a Itaipu Binacional (IN SRF nº 247. 45): a.248. que preencham as condições e requisitos do art. b. condomínios de proprietários de imóveis residenciais ou comerciais. Indústria e Comércio Exterior. f. 11 da Lei nº 9. 10. oriundos do Orçamento Geral da União. 14. conversão e reparo de embarcações pré-registradas ou registradas no Registro Especial Brasileiro (REB). do Distrito Federal e dos Municípios.532. c. de 29 de dezembro de 2003. criados ou autorizados por lei. São isentas da Cofins as receitas relativas às atividades próprias das seguintes entidades (Medida Provisória nº 2. X): a. de 1997. instituições de caráter filantrópico. de 21 de novembro de 2002. sindicatos. instituído pela Lei nº 9. dos Estados. 44.865. cultural.158-35. São isentas da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins as entidades beneficentes de assistência social que atendam as exigências estabelecidas em lei (CF/88. e. da exportação de mercadorias para o exterior. dos recursos recebidos a título de repasse. de que trata o art. I) Imunidades A Contribuição para o PIS/Pasep e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (art. art. b. do transporte internacional de cargas ou passageiros.Não incidência As contribuições não incidem sobre o faturamento correspondente a vendas de materiais e equipamentos.

47. art. 55 da Lei nº 8. Consideram-se receitas derivadas das atividades próprias somente àquelas decorrentes de contribuições. de 16 de dezembro de 1971. destinadas ao seu custeio e ao desenvolvimento dos seus objetivos sociais. condomínios.j. renovado a cada três anos.65% e 7. sem caráter contraprestacional direto. cooperativas. doações. entidades sem fins lucrativos PIS/PASEP SOBRE A FOLHA DE PAGAMENTO: ALÍQUOTA= 1% 10 . as entidades de educação. 47. § 1º) RESUMO: Empresas tributadas pelo Lucro Real PIS E COFINS NÃOCUMULATIVO: ALÍQUOTAS = 1. partidos políticos. assistência social e de caráter filantrópico devem possuir o Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social expedido pelo Conselho Nacional de Assistência Social. Para efeito de fruição desse benefício fiscal.65% e 3% Templos. de 24 de julho de 1991.6% Empresas tributadas pelo Lucro Presumido e Arbitrado PIS E COFINS CUMULATIVO: ALÍQUOTAS = 0. de 2002. Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e as Organizações Estaduais de Cooperativas previstas no art.212.764. recebidas de associados ou mantenedores. assembléia ou estatuto. de acordo com o disposto no art. (IN SRF nº 247. 105 e seu § 1º da Lei nº 5. art. Observações: a. (IN SRF nº 247. anuidades ou mensalidades fixadas por lei. § 2º) b. de 2002.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful