Você está na página 1de 5

É Preciso Arar Antes de Semear, é tempo de preparar o coração

Eu disse: ‘Plantem boas sementes de justiça e terão uma colheita de amor. Arem o solo endurecido de
seu coração, pois é hora de buscar o Senhor, para que ele venha e faça chover justiça sobre vocês’. Oséias
10:12
Neste versículo o profeta está recordando uma palavra do Senhor dirigida à tribo de Efraim. Uma
palavra que Efraim infelizmente se recusou a ouvir e por isto não estava gozando das bênçãos prometidas por
Deus.
Os judeus, assim, como a maior parte dos povos antigos, viviam basicamente da agricultura.
E o Senhor faz uso disto para lhes mostrar que os princípios, ou leis, que regem o trabalho agrícola são
análogos aos que regem a vida espiritual: o agricultor, se quiser colher, precisa antes arar a terra e plantar a
semente.
Então há tempo de arar, há templo de plantar, e há tempo de colher.
Sem este esforço humano não haverá colheita.
Mas ao mesmo tempo em que o homem trabalha, ele o faz na esperança e na confiança em que Deus
ministrará sua bênção enviando as chuvas necessárias; de outro modo, todo o esforço humano seria
completamente inútil.
Por outro lado, se o Senhor enviar a chuva, mas o homem não tiver preparado o solo, plantado a
semente, trabalhado, ele também não terá o que colher.
Então, na agricultura, existe aquilo que o homem deve fazer. E existe aquilo que somente Deus pode
fazer.
Assim também na vida da fé. Assim diz o Senhor:
Semeai para vós outros em justiça, ceifai segundo a misericórdia; arai o campo de pousio; porque é
tempo de buscar ao SENHOR, até que ele venha, e chova a justiça sobre vós.
– Plantem em justiça, diz o Senhor, e vocês irão colher em misericórdia (graça, amor).
Arem o campo, preparem o terreno. Busquem ao Senhor até que ele venha, e aquilo que vocês
plantaram, isto é, a justiça, vocês irão colher muitas vezes mais, porque Deus fará chover justiça sobre nós.
Com base nesta palavra do Senhor, amados, há duas coisas eu desejo considerar com vocês: a primeira, é
o que Deus promete fazer; e a segunda, o que nós devemos fazer.

1. O que Deus promete fazer – ele fará chover justiça


Existem duas palavras neste versículo que expressam aquilo que receberemos do Senhor: misericórdia e
justiça.
Misericórdia e justiça iremos colher, receberemos dos céus.
A palavra hebraica para misericórdia significa a graça de Deus, o amor de Deus por nós, Deus agindo em
nosso favor.
O que o profeta está no prometendo é a misericórdia de Deus descendo sobre a terra em forma de justiça.
A justiça se manifestará entre nós. Na realidade, haverá chuva, haverá abundância de justiça.
Aqueles que conhecem e amam a Deus são pessoas que, pela própria natureza deste conhecimento,
amam a justiça, pois Deus é justo.
Nas palavras do nosso Senhor Jesus Cristo, seus discípulos são pessoas que “têm fome e sede de
justiça”, eles a desejam continuamente.
Por isto, quando consideram o significado bíblico de justiça, percebem quão maravilhosa é esta
promessa.
De acordo com a Palavra de Deus, a justiça que vem do alto deve ser considerada sob três aspectos: o
legal, o moral e o social.
1.1 – O aspecto legal – é aquela justiça que um homem tem diante da lei.
Como se um homem acusado diante de algum crime estivesse diante do juiz, e depois de pesadas todas
as acusações e evidências contra e a favor, o juiz chegasse à conclusão de que aquele homem é inocente. Um
homem declarado inocente é um homem justo, que não fez nada errado.
Bem, se Deus diz que ele vai derramar justiça sobre nós, isto implica que, por nós mesmos, não podemos
produzir esta justiça. Significa que se nós fossemos julgados por Deus ele não veria em nós uma vida sem
pecados.
Repetidas vezes o Espírito Santo nos fala sobre isto nas Escrituras. Por exemplo, leiamos Romanos
3:10-12: “Ninguém é justo, nem um sequer. Ninguém é sábio, ninguém busca a Deus. Todos se desviaram,
todos se tornaram inúteis. Ninguém faz o bem, nem um sequer.”
Neste sentido, então, todos os homens são injustos aos olhos de Deus; todos são pecadores, todos estão
condenados diante do tribunal do Senhor.
Mas eis então a boa notícia de salvação que o Evangelho nos dá.
Sendo que nós somos pecadores, injustos aos olhos do Senhor e dignos de sua condenação, Deus enviou
seu Filho Jesus Cristo, para que ele sofresse a condenação que era nossa. Romanos 3:21-25: Agora, porém,
conforme prometido na lei de Moisés e nos profetas, Deus nos mostrou como somos declarados justos diante
dele sem as exigências da lei: somos declarados justos diante de Deus por meio da fé em Jesus Cristo, e isso se
aplica a todos que creem, sem nenhuma distinção. Pois todos pecaram e não alcançam o padrão da glória de
Deus, mas ele, em sua graça, nos declara justos por meio de Cristo Jesus, que nos resgatou do castigo por
nossos pecados. Deus apresentou Jesus como sacrifício pelo pecado, com o sangue que ele derramou,
mostrando assim sua justiça em favor dos que creem. No passado ele se conteve e não castigou os pecados
antes cometidos,
Isto é boa notícia, isto é evangelho, como também está escrito em Romanos 1:16,17: Pois não me
envergonho das boas-novas a respeito de Cristo, que são o poder de Deus em ação para salvar todos os que
creem, primeiro os judeus, e também os gentios. As boas novas revelam como Deus nos declara justos diante
dele, o que, do começo ao fim, é algo que se dá pela fé. Como dizem as Escrituras: “O justo viverá pela fé”.
Sendo assim, quando Deus, por meio do profeta, anuncia que fará chover justiça, proclama que o Senhor
derramará salvação. Proclama que promoverá fé no evangelho, para que os homens sejam justificados diante de
Deus; para que seus pecados sejam perdoados.

1.2 – Justiça tem um aspecto moral


O Senhor não apenas considera os homens justos diante dele através da justificação em Cristo.
Ele dá um passo adiante, operando nestes homens justificados, uma nova disposição interior de modo
que suas aspirações passam a ser a de uma vida moralmente justa, isto é, conformada com a lei de Deus.
Então aquela vontade do Senhor expressa nos dez mandamentos, como não matarás, não dirás, falso
testemunho, não adulterarás, não furtarás, não cobiçarás aquilo que pertence ao teu próximo; aqueles
mandamentos que dizem: amarás ao teu próximo como a ti mesmo, estas coisas passam a ser não somente
aspirações, mas a vida prática daquele que foi justificado.
Pois agora, em Cristo, recebendo em seu coração a força e a orientação do Espírito Santo, esta pessoa
passa a viver, de forma ainda que imperfeita, mas crescendo nisto, num processo que a Bíblia chama de
santificação, esta pessoa passa a viver em conformidade com a lei do Senhor
Romanos 8:1-5: Agora, portanto, já não há nenhuma condenação para os que estão em Cristo Jesus.
Pois em Cristo Jesus a lei do Espírito que dá vida os libertou da lei do pecado, que leva à morte. A lei não era
capaz de nos salvar por causa da fraqueza de nossa natureza humana, por isso Deus fez o que a lei era incapaz
de fazer ao enviar seu Filho na semelhança de nossa natureza humana pecaminosa e apresentá-lo como
sacrifício por nosso pecado. Com isso, declarou o fim do domínio do pecado sobre nós, de modo que nós, que
agora não seguimos mais nossa natureza humana, mas sim o Espírito, possamos cumprir as justas exigências
da lei. Aqueles que são dominados pela natureza humana pensam em coisas da natureza humana, mas os que
são controlados pelo Espírito pensam em coisas que agradam o Espírito.
Justiça, desta forma significa uma disposição interior para o que é bom, reto, honesto. Uma disposição
para o amor, a graça e a verdade.

1.3 – Justiça social, ou relacional.


Justiça social é a justiça moral transformada em ação. Significa retidão nos relacionamentos, quer na
família, quer na igreja, quer na sociedade.
Significa fidelidade à Palavra de Deus nos laços familiares.
Uma sociedade justa é uma sociedade na qual os preceitos da Palavra de Deus são observados.
Onde há um cuidado para com os pobres, para com os frágeis, uma sociedade na qual não haja distúrbios
ou comoções. Onde os bens sejam distribuídos de forma mais igualitária. Onde todos se preocupam em todos
tenham as mesmas condições, os mesmos direitos, as mesmas responsabilidades.
Onde os princípios da Palavra de Deus têm sido adotados, a poligamia, a escravidão, o canibalismo e
muitas outras injustiças foram abolidos.
Justiça, conforme enfatizada pelos profetas, significa libertar os oprimidos, promover o direitos civis, a
honestidade nos negócios, a honra no lar.
Eu desejo que você pense um pouco: nossa sociedade tem sido caracterizada pela justiça, ou pela
injustiça?
A cada dia, o que vemos e ouvimos, não é sobre cobiças, roubos, opressão aos pobres, violência,
banalização da vida, crimes de toda sorte, impunidade, zombaria para com a Palavra de Deus, detestáveis
idolatrias, incentivo ao pecado? O que vemos e ouvimos não é o pecado sendo incentivado nos meios de
comunicação, entre os “artistas”, entre os intelectuais e os demais “formadores de opinião pública” de modo
geral?
E a igreja de Jesus Cristo?
A maior parte das pessoas conhecidas como evangélica, em nosso país, tem dado um bom ou um mal
testemunho do que é ser crente?
A maior parte das igrejas evangélicas, tem sido caracterizada como igrejas que amam o reino de Deus ou
os bens deste mundo? Nos dias de hoje, faz muita diferença entre ser um membro de igreja evangélica e ser
sócio de uma outra entidade ou religião qualquer?
Acontece adultério entre os chamados crentes? Promiscuidade? Desonestidade? Mentiras? Inimizades?
Difamações?
Não tem sido triste ver casamentos desfeitos, irmãos caindo em pecado, orações que não são
respondidas, a demora na conversão de pecadores, os ataques de Satanás contra as igrejas, contra os pastores, a
desunião do povo de Deus?
Será que Satanás não está rindo?
Está ou não havendo a necessidade de um poderoso reavivamento da fé evangélica em nossas igrejas?
Em nossa nação?
Como pediu Isaías: “Ah, se fendesses o céu, e descesses...” [2]
Como precisamos de uma intervenção poderosa do Senhor.
Em nossas vidas, despertando-nos para mais santidade, mais testemunho, mais firmeza, mais comunhão,
mais vitória sobre o pecado, mais justiça social, mais conversões.
Como aconteceu em Nínive quando Jonas pregou ali.
Ou em Samaria quando Filipe ali esteve.
Ou em Jerusalém nos dias do Pentecoste.
Ou em muitos outros lugares, quando o povo de Deus se humilhou, orou, buscou a face do Senhor.
Que o Senhor assim o faça. Que ele faça chover do céu a justiça sobre nós. Que o Senhor venha.
E porque o Senhor desejaria fazer isto em nossas vidas, amados?
Porque o SENHOR é justo, ele ama a justiça; os retos lhe contemplarão a face. (Salmo 11:7)
E o Senhor ama ao seu povo. O Senhor se deleita em promover a justiça.
Mas ele diz que para isto precisamos fazer o que nos cabe…

2. O que nós devemos fazer


– Semeai a justiça...
– Arai o solo pousio, isto é, a terra que está endurecida, parada. Revolva a terra, afofa, torna receptiva.
– Buscai ao Senhor...
Acabamos de afirmar que não temos justiça própria, em sentido algum, e que somente com a intervenção
divina a justiça pode vir sobre nós.
Mas ao mesmo tempo é nos ensinado que devemos semear justiça. O que significa isto?
Significa exatamente aquilo que acontece numa plantação: não se planta uma macieira. Planta-se
sementes de macieira. Pequenas sementes.
Mas antes de se plantar sementes, ara-se a terra.
Bem, quando olhamos para os ensinos de Jesus entendemos que a terra da qual Deus fala é o coração
humano: o nosso coração. Ele precisa ser arado, preparado.
Por exemplo, na “Parábola do semeador”, em Mateus 13.
Ele compara a pregação do Evangelho com o trabalho de um semeador. Ele é o semeador, o Evangelho é
a semente, e os nossos corações são a terra em que a semente do Evangelho é lançada.
A semente é sempre a mesma, e é boa, mas os corações humanos não são iguais.
Existem corações, ele diz, que são como beira de um caminho, terreno de estrada, terra batida, dura. A
semente é lançada sobre este tipo de solo, mas não penetra, pois ele é duro, e as aves logo chegam e comem a
semente. O coração duro é aquele que ouve a Palavra de Deus, mas ele se fecha, endurecido pelo engano do
pecado, não deixa ela entrar. Então o diabo logo arrebata esta palavra e a pessoa esquece o que ouviu.
Também existem corações que são como solo rochoso, cheio de pedras. São os corações que ouvem a
palavra do Evangelho e a recebem com alegria, mas assim como uma semente lançada entre pedras não tem
raiz em si mesma, assim também estas pessoas não criam raízes na vida de Deus, é coisa que dura pouco tempo;
logo que começam as tribulações, as perseguições e angustias, desistem de viver de acordo com o Evangelho.
Além disto, existem corações que são como uma terra cheia de espinhos, e as preocupações desta vida, a
fascinação pelas coisas do mundo sufocam a Palavra, e ela não dá frutos.
Somente um tipo de terra, ou coração, produz frutos para a eternidade. É a terra boa, arada, revolvida,
afofada, pronta para acolher com mansidão a Palavra de Deus.
Tiago 1:21-22
Portanto, despojando-vos de toda impureza e acúmulo de maldade, acolhei, com mansidão, a palavra em
vós implantada, a qual é poderosa para salvar a vossa alma. 22 Tornai-vos, pois, praticantes da palavra e não
somente ouvintes, enganando-vos a vós mesmos.
Este é o coração arado, preparado, pronto para receber o que Deus diz, sem esquecer, sem se envolver
com os espinhos das preocupações e desejos mundanos, sem se envolver com as pedras de tropeço das
dificuldades passageiras.

Conclusão e aplicação
Semeai para vós outros em justiça, ceifai segundo a misericórdia; arai o campo de pousio; porque é
tempo de buscar ao SENHOR, até que ele venha, e chova a justiça sobre vós.
Você tem fome e sede de justiça?
Você deseja ver justiça em sua própria vida?
Você deseja ver as pessoas de sua família convertidas a Jesus?
Você deseja ver pessoas se convertendo em nossa igreja, no seu trabalho, através de seu testemunho?
Deus também deseja
É tempo de buscar ao Senhor.
É tempo de abandonar pecados, de nos humilharmos na presença do Senhor.
É tempo de orar.
Até quando? Até que ele venha, e chova justiça sobre a terra.
É Preciso Arar Antes de Semear, é tempo de preparar o coração
Assim diz o Senhor ao povo de Judá e de Jerusalém: “Passem o arado na terra endurecida! Não desperdicem sementes
entre os espinhos!” (Jeremias 4:3).
“Choram enquanto lançam as sementes, mas cantam quando voltam com a colheita.” (Salmo 126:6).

Como podemos ter uma boa colheita? Como podemos realizar uma divulgação maior da Palavra de Deus..
1) Arando a terra. Algumas vezes antes do plantio da semente é necessário arar a terra, passar o engradado para tirar
todo topo de obstáculo e deixar a terra fofa para plantá-lo a semente. Este processo leva tempo e horas árduas no preparo da
terra. Assim é também o ensino da Palavra de Deus na vida de uma pessoa, leva tempo e nos exige árduo trabalho no
aprendizado e no preparo.
2) Limpando a terra. Este procedimento é muito comum. O limpar da terra significa tirar a sujeira que possam impedir
o crescimento da semente a ser brotada.
Assim também é na vida de quem quer se preparar, precisa de limpeza espiritual e santificação..
No campo de colheita espiritual, o trabalho de lavrar ou arar a terra é feito por meio de ORAÇÃO. A semeadura é “o
ministério da Palavra”: pregação, ensino, evangelização. Seguindo o exemplo do Agricultor celestial, os primeiros
trabalhadores na seara do Senhor já começaram dizendo: “Então nós nos dedicaremos à oração e ao ensino da palavra”. (Atos
6:4).
Observe a ordem: primeiro, oração. A oração tem a mesma relação ao ministério da Palavra que arar a terra tem com
o processo de semear numa fazenda ou num jardim.
A casa de Deus, antes uma “casa de oração”, agora é uma casa de pregação, de ensino e de educação religiosa. Porém,
sem oração para lavrar a terra ociosa (o coração egoísta e pecaminoso das pessoas), é inútil lançar a semente, porque a Palavra
não pode lavrar a terra sem oração. Um agricultor espera lavrar a terra simplesmente por jogar nela a semente? Evidente que
não. Entretanto, nós como obreiros preguiçosos, achamos que é possível!
Mais uma vez, repito: oração faz para a pregação o que a aração da terra faz para o processo de plantio . Quando
pregamos, ensinamos e evangelizamos com lábios frios, sem oração, a “boa semente” se perde, em grande parte. Lembre-se que
a semente que “caiu à beira do caminho” (na terra dura, sem arar) foi arrebatada pelo maligno (Mateus 13:4,19). Orar é difícil,
às vezes. Mas pregar a Palavra para uma congregação de pessoas indiferentes, com coração duro, é muito mais difícil!
Quando há muita oração antes do ministério da Palavra, a pregação é fácil e nem é preciso insistir muito, relativamente.
Numa determinada vila no sul da Índia, um chefe e seu povo resistiram a um missionário e à sua pregação durante 20 anos.
Finalmente, o missionário e seus ajudantes separaram um período de dez dias de oração. Pediram a alguns amigos para fazerem
parte também. Logo após esse tempo de oração, o missionário foi mais uma vez àquela vila, e o chefe aceitou Jesus, com várias
outras pessoas. Puderam começar uma igreja ali.
Às vezes, orar é mais difícil do que pregar, assim como arar a terra é mais difícil do que plantar grãos. Para arar,
leva muito mais tempo do que para plantar. Para preparar algumas áreas para o plantio, leva vários dias de muito trabalho,
enquanto as mesmas áreas podem ser semeadas em apenas uma hora.
O mesmo ocorre em relação “à oração e ao ministério da palavra”. Um litro de sementes plantadas em terra arada
produzirá uma colheita maior do que um saco de sementes lançadas em terra dura. É assim também no Reino. O Espírito Santo,
em resposta à oração daqueles que permitem que ele ore por meio deles, prepara corações para receber a Palavra. O coração de
quem foi despertado pela oração de alguém receberá a Palavra “com alegria” (Atos 2:41).

Conclusão
“Confie(Consagre) ao Senhor tudo que você faz, e seus planos serão bem-sucedidos.” Provérbios 16:3
A consagração é um ato espiritual importante, mas, mesmo que tenha ouvido o termo antes, talvez não compreenda o
que significa se nunca lhe explicaram antes. Tire um tempo para compreender o que o termo significa e pense em como aplicar
a prática à sua vida. Veja o significado da palavra consagrar em três sentidos da palavra:
• Tornar sagrado, abençoar, sagrar, santificar.
• Oferecer a Deus, votar, ofertar, tributar, devotar.
• Destinar, dedicar, empregar, aplicar, reservar, entregar.
Hoje, o stress, a correria, o costume de fazer as coisas com pressa, levantar em cima da hora etc., acaba roubando das
pessoas o que há de mais precioso: a comunhão com Deus. Consagrar os nossos afazeres do dia, logo cedo, é sair com a
certeza de que tudo vai dar certo, é prosseguir no dia com a fé em alta, pois você não vai temer nada e ninguém e isso alimenta
e fortalece a nossa fé.
Tecnicamente o motivo para arar o solo é para Garantir que o solo permaneça com as condições adequadas para o
cultivo é de extrema importância para uma plantação fértil e saudável. A aração é o ato de descompactar e preparar o terreno
para que as sementes cresçam com raízes mais fortes. Quando a terra é revolvida, ela fica mais fofa e permeável, beneficiando a
troca de nutrientes presentes nos adubos, ajudando na proliferação das minhocas e na retirada de raízes mortas e ervas daninhas.
Arar é uma palavra do latim que tem por definição Lavrar ou sulcar a terra; por sua vez lavrar ou sulcar significam
revirar, abrir regos ou cultivar. Em outras palavras, quando aramos a terra criamos uma terra propensa a um melhor cultivo das
plantas e sementes. Arar deixa a terra fofa e permeável dada a um crescimento mais vigoroso das raízes.

Você também pode gostar