Você está na página 1de 84

CENTRO UNIVERSITÁRIO FAVENI

ESPORTES AQUÁTICOS

GUARULHOS – SP
SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO ........................................................................................................ 5
2 ATIVIDADES AQUÁTICAS: HISTÓRIA, PRINCÍPIOS FÍSICOS E APLICAÇÃO.... 6
2.1 Atividades aquáticas: passado e presente .......................................................... 7
2.2 Propriedades físicas da água.............................................................................. 8
2.2.1 Princípios mecânicos .......................................................................................... 8
2.2.2 Princípios térmicos............................................................................................ 10
2.3 Efeitos da imersão à água ................................................................................ 11
2.4 Ajustes fisiológicos à imersão com o exercício físico ........................................ 13
2.5 Possibilidades na prescrição dos exercícios ..................................................... 15
3 VANTAGENS E DESVANTAGENS DO EXERCÍCIO NA ÁGUA .......................... 17
3.1 Exercícios na água: indicações e contraindicações .......................................... 17
3.2 Efeitos das atividades aquáticas: evidências científicas ................................... 20
3.3 Biomecânica aplicada aos exercícios físicos .................................................... 22
4 MODALIDADES ESPORTIVAS AQUÁTICAS....................................................... 25
4.1 Habilidades motoras e de aptidão física das atividades aquáticas ................... 25
4.1.1 Natação............................................................................................................. 26
4.1.2 Polo aquático .................................................................................................... 27
5 FUNDAMENTOS DAS MODALIDADES AQUÁTICAS: CARACTERÍSTICAS
BÁSICAS ................................................................................................................... 29
5.1 Natação ............................................................................................................ 29
5.1.1 A técnica dos nados.......................................................................................... 29
5.2 Nado sincronizado ............................................................................................ 35
5.3 Polo aquático .................................................................................................... 36
5.4 Regulamento da natação, nado sincronizado e do polo aquático: aspectos
gerais..........................................................................................................................37
5.4.1 Natação............................................................................................................. 37
5.4.2 Nado sincronizado ............................................................................................ 38
5.4.3 Polo aquático .................................................................................................... 39
6 PRÁTICAS CORPORAIS DE AVENTURA ........................................................... 40
6.1 Modalidades...................................................................................................... 42
6.1.1 Bodyboard......................................................................................................... 42

2
6.1.2 Surf................ .................................................................................................. 43
6.1.3 Stand up paddle ................................................................................................ 45
6.1.4 Wakeboard........................................................................................................ 46
6.1.5 Kitesurf.......... .................................................................................................... 47
6.1.6 Windsurf........ .................................................................................................... 49
6.1.7 Canoagem.... .................................................................................................... 50
6.1.8 Rafting............................................................................................................... 50
6.1.9 Mergulho...... ..................................................................................................... 52
6.2 Benefícios da prática das modalidades esportivas de aventura aquáticas ....... 53
7 HIDROGINÁSTICA: ORIGEM HISTÓRICA E PECULIARIDADES ....................... 55
7.1 Estruturação da prática ..................................................................................... 56
7.2 Hidroginástica para grupos especiais ............................................................... 59
7.2.1 Idosos........... .................................................................................................... 59
7.2.2 Gestantes.......................................................................................................... 60
7.2.3 Obesidade......................................................................................................... 61
7.2.4 Outros grupos especiais ................................................................................... 61
7.3 Programa de hidroginástica para todos os grupos............................................ 64
8 INFLUÊNCIA DA ÁGUA NO DESEMPENHO ESPORTIVO ................................. 66
8.1 Os princípios hidrostáticos e hidrodinâmicos .................................................... 67
8.2 Forças estáticas no meio líquido....................................................................... 68
9 EXERCÍCIO FÍSICO PARA PROMOÇÃO DA SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA.. 69
9.1 Atividade física e qualidade de vida .................................................................. 69
9.2 Exercício físico e doenças crônicas .................................................................. 71
9.2.1 Doenças arteriais .............................................................................................. 72
9.2.2 Depressão......................................................................................................... 72
9.2.3 Diabetes....... ..................................................................................................... 72
9.2.4 Osteoporose. .................................................................................................... 73
9.2.5 Obesidade......................................................................................................... 73
9.2.6 Câncer.......... .................................................................................................... 73
9.2.7 Asma.............. ................................................................................................... 74
9.3 Programas de exercícios para populações especiais ....................................... 74
10 RESPOSTAS E EFEITOS FISIOLÓGICOS DOS EXERCÍCIOS EM IMERSÃO .. 76
10.1 Sistema cardiovascular ..................................................................................... 76

3
10.2 Sistema respiratório .......................................................................................... 77
10.3 Sistemas renal e hormonal ............................................................................... 77
10.4 Sistema musculoesquelético............................................................................. 78
10.5 Sistema nervoso ............................................................................................... 78
11 INDICAÇÕES E CONTRAINDICAÇÕES DOS EXERCÍCIOS AQUÁTICOS ........ 78
REFERÊNCIAS ......................................................................................................... 82

4
1 INTRODUÇÃO

Prezado aluno!

O Grupo Educacional FAVENI, esclarece que o material virtual é semelhante


ao da sala de aula presencial. Em uma sala de aula, é raro – quase improvável - um
aluno se levantar, interromper a exposição, dirigir-se ao professor e fazer uma
pergunta, para que seja esclarecida uma dúvida sobre o tema tratado. O comum é
que esse aluno faça a pergunta em voz alta para todos ouvirem e todos ouvirão a
resposta. No espaço virtual, é a mesma coisa. Não hesite em perguntar, as perguntas
poderão ser direcionadas ao protocolo de atendimento que serão respondidas em
tempo hábil.
Os cursos à distância exigem do aluno tempo e organização. No caso da nossa
disciplina é preciso ter um horário destinado à leitura do texto base e à execução das
avaliações propostas. A vantagem é que poderá reservar o dia da semana e a hora
que lhe convier para isso.
A organização é o quesito indispensável, porque há uma sequência a ser
seguida e prazos definidos para as atividades.

Bons estudos!

5
2 ATIVIDADES AQUÁTICAS: HISTÓRIA, PRINCÍPIOS FÍSICOS E APLICAÇÃO

Desde a Pré-história, há indícios das atividades aquáticas como recurso de


sobrevivência, fins terapêuticos e culto à beleza. Hoje, todas essas características
persistem, mas pautadas em conhecimento científico. As propriedades físicas da água
trazem muitos benefícios aos seus praticantes, tanto fisiológicos quanto psicológicos.
Nesta disciplina, você vai perceber que a história das atividades aquáticas
acompanha a evolução do homem. Profissionais de diversas áreas têm
reconhecido seus efeitos positivos na melhoria da saúde e qualidade de vida, e o
fitness aquático tem sido amplamente difundido no mundo. Vale lembrar que as
atividades na água não têm restrição: sua prática atende do bebê ao idoso e inclui
desde os exercícios mais simples e funcionais até os esportes mais
convencionais e radicas. O entendimento sobre os efeitos fisiológicos e psicológicos
da imersão na água influencia decisivamente na escolha do exercício por parte do
profissional de Educação Física e está pautado em leis e princípios que regem todo
tipo de movimento.
De acordo com as necessidades dos alunos, contemplamos diferentes
possibilidades para a prescrição dos exercícios. Todo esse aporte teórico tem origem
no princípio da humanidade em que o poder de regeneração da água se fazia
presente. Isso tudo contribuiu para que as pesquisas sobre os efeitos terapêuticos das
atividades aquáticas crescessem substancialmente nos últimos anos, porém muitos
indivíduos têm buscado as atividades aquáticas não somente para fins terapêuticos,
mas também para melhorar a qualidade de vida ou simplesmente para o lazer. É o
chamado fitness aquático, muito presente nos dias atuais. (SANTOS, 2018).

Fonte: https://nautilus.ind.br/
6
2.1 Atividades aquáticas: passado e presente

De todos os elementos que existem, nenhum possui uma abrangência


simbólica tão grande quanto a água. Em todas as culturas ela teve sua importância.
Historicamente falando, entre os vedas ela é a fonte da vida; na China, liga-se ao YIN,
que, assim como o tempo, esvai-se, nada a detém; na Bíblia, expressa tanto o
contentamento de Deus com os homens como também a ira divina — dilúvio. A
representação social da água e o seu simbolismo a colocam na condição de mito em
diversas crenças, pois simboliza a purificação e a regeneração (PUGLIESE, 2017).
Por trás de todo esse simbolismo, a relação entre o homem e a água está
atrelada à questão da sobrevivência, imergindo na água para a busca de alimentos
(peixe) e nadando para fuga. Os cientistas evolucionistas acreditam que a evolução
da humanidade ocorreu no mar. Podemos constatar, assim, que a atividade aquática
é uma das atividades físicas mais antigas da humanidade: 9.000 a.C. já havia, nas
cavernas do deserto da Líbia, indícios de ilustrações conhecidas da arte de nadar. Na
Índia, há 500 anos, já existiam piscinas quentes.
Na Grécia Antiga, os balneários públicos eram utilizados para lazer. Também
existia, naquela época, a ideia que os exercícios natatórios eram responsáveis por
deixar os músculos mais protuberantes, um culto à beleza. Já para os filósofos da
época, como Platão, um homem educado era equiparado à sua capacidade de nadar.
O primeiro a estudar os benefícios das atividades aquáticas foi Heródoto (446 a.C.),
que escreveu um tratado sobre relação entre água quente e saúde (CATTEAU;
GAROFF, 1990). De acordo com Pinheiro e Leão (1989), a água era bastante utilizada
pelos romanos, e no século V a.C. a medicina grega considerava a água um agente
de cura.
Estudos sobre os efeitos terapêuticos das atividades aquáticas têm crescido
nos últimos anos, e um dos motivos da água ser tão eficaz no tratamento de diversas
doenças é o impacto direto que causa nas respostas fisiológica, psicológica e
emocional.
Apesar de muitas atividades aquáticas remeterem aos esportes competitivos,
como natação, polo aquático ou surf, muitas outras oferecem um meio principal de
socialização, como no caso da hidroginástica, que tem a terceira idade como o público
mais adepto. De maneira geral, as atividades aquáticas contemplam um conjunto de

7
modalidades que vai desde os esportes tradicionais (natação, nado sincronizado), os
esportes de aventura (surf, kite surf, wind surf), até às atividades voltadas ao fitness
(hidrobike, hidroginástica) e as de fins terapêuticos (hidroterapia, hidropilates).
As atividades aquáticas são prescritas por muitos profissionais da área por
serem exercícios bem completos, em nível de aptidão física e motora, e pela
possibilidade de atender todas as fases do desenvolvimento humano, ou seja,
dependendo da modalidade, ela pode ser praticada tanto por bebês de 3 meses de
idade como por idosos com mais de 100 anos.
Como as pesquisas continuam a ser conduzidas no ambiente aquático,
atualmente têm-se um vasto conhecimento sobre as condições ótimas para o
exercício aquático, seguro e eficiente (ACQUATIC EXERCISE ASSOCIATION, 2014).

2.2 Propriedades físicas da água

Uma das principais razões para a água ser utilizada como tratamento é a
redução da gravidade. Essa característica propicia um ambiente ideal para a
reabilitação de indivíduos que não podem sofrer impacto articular, bem como para os
que possuem dificuldade de realizar exercícios em solo, já que a movimentação é
facilitada no meio líquido. Para melhor compreensão, podemos dividir os princípios
em mecânicos e térmicos.

2.2.1 Princípios mecânicos

Cada princípio apresenta a sua utilização prática, veja no Quadro a seguir:

Aspectos hidrostáticos Aspectos hidrodinâmicos


Densidade: relação entre massa e volume. Viscosidade: atrito interno gerado pela atração
 A densidade da água pura é de 1.000 kg/ m3 molecular.
(gravidade específica é 1, por isso, toda  Quando o corpo tenta se movimentar na
substância de menor valor deverá flutuar; se a água, essa atração cria uma resistência ao
densidade for maior que 1, a tendência é afundar. movimento (atrito).
 A densidade do corpo humano é ligeiramente  Quanto maior a viscosidade, maior a
menor que a da água (0,974 adultos e 0,860 dificuldade do corpo em se locomover.
crianças).

8
 Quanto mais gordura corporal, maior a
tendência à flutuação; quando mais massa
magra, menos flutuação, já que sua densidade
será maior que a da água.
Pressão hidrostática: força exercida Fluxo laminar: movimentação da água de forma
igualmente em todas as direções, numa lenta e suave.
determinada área.  Quando o movimento da água fica acelerado,
 Diretamente relacionada à profundidade e à as moléculas se deslocam em diferentes
densidade do líquido. Quanto maior a direções, em fluxo turbulento ou turbulência
profundidade, maior a força exercida sobre uma
superfície, e quanto maior a densidade, maior o
valor de pressão.
 Sua ação influência no aspecto circulatório do
corpo em imersão.
Flutuação: força exercida em um corpo para Turbulência: situação que impõe maior
cima, de magnitude igual ao peso da água resistência ao movimento.
deslocada por esse corpo.  Depende da posição e da velocidade do
 Devido a essa propriedade, todo corpo corpo durante o movimento. Quanto mais lento e
imerso tende a apresentar peso menor do que controlado o movimento, menor será a
fora d’água. turbulência.
 Quando o corpo está imerso até a altura da
cintura, 50% do peso do indivíduo é anulado; na
altura do peito, 70%; e na altura dos ombros,
90% (menos de 10% do seu peso real).
Centro de gravidade: ponto ao redor do qual a Arrasto: resistência específica imposta pela
massa corporal é distribuída, localizado na água para o movimento de um corpo.
região pélvica, próximo do nível da segunda  Diretamente proporcional à viscosidade do
vértebra sacral. líquido e à turbulência gerada pelo corpo em
 Já o centro de flutuação (ponto ao redor do movimento.
qual a força de flutuação do corpo está
igualmente distribuída) geralmente está
localizado no meio do tórax.
 O corpo mantém-se em equilíbrio quando os
dois centros estão alinhados, caso contrário,
tende a girar.
 O centro de flutuação e de gravidade se altera
à medida que o corpo se movimenta (por
exemplo, posicionar os braços acima da cabeça).
Fonte: Adaptado de Greguol (2010, p. 7–12).

9
2.2.2 Princípios térmicos

A água esfria o corpo mais rápido do que o ar. Quando se está se exercitando
na piscina, os efeitos negativos do calor são anulados. De acordo com a Acquatic
Exercise Association (2014), o calor é eliminado pelo corpo por meio da radiação,
evaporação, condução ou convecção.

Dissipação do calor
 Radiação: perda de calor através da vasodilatação dos vasos superficiais (radiação).
 Evaporação: perda de suor pela pele, esfriando o corpo.
 Condução: perda de calor na água, através da transferência de calor para a substância ou o
objeto em contato com o corpo.
 Convecção: transferência de calor pelo movimento de um líquido ou gás entre as áreas de
diferentes temperaturas.
Fonte: Adaptado de Acquatic Exercise Association (2014).

Vale ressaltar também o extremo oposto: o resfriamento, já que sentir frio pode
ser um problema para alguns alunos. A temperatura estável do corpo humano é de
cerca de 37ºC. Quando entra em contato com água abaixo dessa temperatura, o corpo
perde calor para a água, e se o aluno não gerar calor suficiente para se manter
aquecido, ocorre o resfriamento (ACQUATIC EXERCISE ASSOCIATION, 2014).
Entende-se que a habilidade do corpo em conduzir calor para a água acelera o
processo de resfriamento. Dentro desse contexto, vale ressaltar a existência da Lei
do Resfriamento, de Newton, que considera que a velocidade de resfriamento de um
corpo em um dado tempo é proporcional à diferença em temperatura entre o corpo e
sua vizinhança, o que significa dizer que quanto maior a diferença em temperatura,
maior será a velocidade do resfriamento (PUGLIESE, 2017).
Variações no controle da temperatura corporal ocorrem em razão de diferenças
antropométricas. Homens e mulheres apresentam mudanças similares no
resfriamento corporal e na produção de calor durante 90 minutos de imersão em água
fria (18°C), segundo estudos. Na água abaixo de 26°C, as respostas fisiológicas do
corpo estão alteradas. Com uma temperatura de água mais fria, os ritmos metabólico
e cardíaco tornam-se mais lentos, bem como as funções circulatórias. Vale ressaltar
que, se há redução da circulação nas extremidades, há também maior risco de lesão
(ACQUATIC EXERCISE ASSOCIATION, 2014). No entanto, a natação e algumas
10
outras formas de exercícios sem impacto podem ser realizadas em temperaturas mais
baixas. Temperaturas de 22 a 25°, valor considerado um limite aceitável para natação,
são geralmente muito baixas para a maioria dos programas de exercícios verticais, e
talvez levem à lesão.

2.3 Efeitos da imersão à água

Um corpo imerso na água desfruta de muitos benefícios. A imersão aquática


gera respostas fisiológicas, que são afetadas pela: temperatura e profundidade da
água, composição corporal, intensidade do exercício (repouso, exercício submáximo
ou máximo), imersão temporária da cabeça e da face, além de fatores individuais do
aluno (idade, sexo, gênero, doença, etc.) (ACQUATIC EXERCISE ASSOCIATION,
2014).
Dentro desse contexto, podemos compreender que ocorrem ajustes fisiológicos
ocasionados através dessa imersão, podendo esta ser passiva, ou seja, quando o
corpo fica em repouso, ou ativa, quando associada à prática de exercícios aquáticos.
Os ajustes fisiológicos na imersão passiva, de acordo com Belli (2010), são:

 Cardiovasculares — decorrentes de retorno venoso e volume plasmático


aumentado, com:
■ aumento do volume de ejeção (VE);
■ aumento do débito cardíaco (DC);
■ aumento da pressão artéria (PA);
■ diminuição da frequência cardíaca (FC);
■ diminuição da resistência vascular periférica.

 Renais — decorrentes do aumento de volume de sangue intravascular e


central.
■ Diurese:
– Redução na liberação do hormônio antidiurético (ADH);
– Aumento de liberação de prostaglandinas endógenas;
– Diminuição da atividade nervosa simpática.
■ Natriurese:
– Aumento do peptídeo natriurético atrial (PNA);
11
– Diminuição do sistema renina-angiotensina-aldosterona e da atividade
nervosa simpática.

 Pulmonares — atribuídos à pressão hidrostática da água, influencia os


músculos inspiratórios, e a elevação do diafragma em posição de expiração total,
ocasionando:
■ aumento de volume de sangue central;
■ aumento da resistência ao fluxo pulmonar;
■ diminuição da capacidade vital e do volume residual;
■ diminuição do volume de reserva expiratório e da capacidade residual
funcional.
Vale ressaltar que, durante a imersão, a água exerce pressão sobre o corpo.
Na prática, isso favorece o aumento no sistema de retorno venoso e há o aumento do
fluxo sanguíneo no pulmão, favorecendo uma maior troca gasosa. O consumo
energético é aumentado, pelo aumento da força de contração do coração, que,
consequentemente, aumenta do débito cardíaco, em resposta ao aumento de volume
do sangue. Variações na temperatura da água parecem estar associadas ao aumento
do débito cardíaco. Quando a imersão ocorre na altura do tórax, o ritmo respiratório é
afetado e ocasiona aumento do trabalho respiratório (CARREGARO; TOLEDO, 2008).
Os efeitos combinados no sistema renal e cardiovascular parecem diminuir a pressão
em longas imersões, ocasionando diminuições da pressão sanguínea que duram até
horas, pós-imersão. A imersão também pode ser benéfica nos casos de edema, por
auxiliar o retorno de líquido para a circulação linfática.
Além disso, os efeitos do sistema musculoesquelético são bem documentados
na literatura: a imersão passiva, com o auxílio da flutuação, favorece a diminuição da
sobrecarga articular, favorecendo uma ação equilibrada dos músculos. Há também
uma maior facilidade de realização dos movimentos e a potencialização de exercícios
que não seriam possíveis de serem realizados em solo (CARREGARO; TOLEDO,
2008). Esses aspectos são apontados como uma das principais vantagens das
atividades aquáticas.
Por fim, os autores citam também o sistema neurológico, já que os efeitos da
água parecem influenciar os níveis de dor, por um mecanismo de redução de
sensibilidade das terminações nervosas livres. Há também um efeito de relaxamento

12
do tônus muscular, que pode ser devido à vasodilatação e à diminuição da sobrecarga
corporal. Esse aspecto se torna muito benéfico nos casos de espasticidade ou tensão
muscular exacerbada.
Até o momento, identificamos as propriedades físicas da água, tanto em seus
aspectos mecânicos quanto térmicos. Dentro desse contexto, pudemos compreender
que existem efeitos fisiológicos em nosso corpo que resultam da imersão à água e
que trarão benefícios mesmo com o corpo em repouso (imersão passiva). No entanto,
tais respostas fisiológicas poderão ser potencializadas quando for realizada a imersão
ativa, ou seja, quando há prática de exercícios físicos dentro d’água. Dessa forma,
muitos benefícios poderão ser desfrutados, tais como: a viscosidade servirá como
incremento para exercícios de resistência muscular localizada, a flutuação
possibilitará aos indivíduos com problemas articulares se movimentarem de maneira
segura, a pressão hidrostática contribuirá para o aprimoramento da circulação
linfática, etc.

Fonte: https://br.freepik.com/

2.4 Ajustes fisiológicos à imersão com o exercício físico

O desempenho de exercícios físicos na água sofrerá influência da temperatura


e profundidade da água, da intensidade do exercício, da composição corporal do
indivíduo, da imersão temporária da cabeça e da face, bem como de fatores
individuais, como idade, sexo e estado de saúde (ACQUATIC EXERCISE
ASSOCIATION, 2014).

13
Nos estudos reportados por Belli (2010), pode-se verificar que a resposta
cardiovascular em imersão até o pescoço com duração de 20 minutos é mais
pronunciada na condição de exercício físico, quando comparado com as respostas
em condição passiva. Na condição de exercício físico pode ocorrer aumento adicional
no débito cardíaco em função do aumento da frequência cardíaca e da pressão arterial
sistólica e manutenção da diastólica. O volume de ejeção é maior em exercícios físicos
realizados na água, quando comparado com os exercícios em solo, sendo que esse
aumento é promovido pela imersão, já que não há aumento adicional do volume de
ejeção em função do exercício na água.
Os estudos de imersão baseiam-se em duas categorias gerais:
 Exercícios com imersão da face (como natação ou exercício horizontal);
 Exercícios sem imersão da face (como em exercício vertical na água).

Dentro dessa classificação, a Acquatic Exercise Association (2014) destaca


que, de modo geral, muitas das respostas fisiológicas à imersão na água aceitas nas
pesquisas são:
 Alterações circulatórias, no volume sanguíneo e no coração;
 Redução da frequência cardíaca em repouso e em exercício;
 Alterações na regulação térmica e modificações na temperatura central do
corpo, com dissipação de calor por condução e convecção;
 Impacto sobre a resposta renal, em função da diurese e aumento do fluxo
sanguíneo;
 Influência da pressão hidrostática na superfície e nos órgãos internos do
corpo;
 Respostas do sistema endócrino;
 Diminuição do peso hidrostático com redução de sobrecarga articular;
 Descompressão da coluna em piscina com grande profundidade;
 Redução de inchaço nas exterminadas corporais, principalmente dos
membros inferiores;
 Benefícios fisiológicos e anatômicos em gestantes;
 Efeito sobre o consumo e transporte de oxigênio;

14
 Ajustes musculoesqueléticos na realização de movimentos em um ambiente
mais viscoso, com aumento no esforço muscular, no tipo de contração muscular e na
quantificação do esforço recebido;
 Modificações biomecânicas em padrões de movimento;
 Modificações na função pulmonar, distribuição sanguínea pulmonar e carga
gerada aos músculos respiratórios;
 Facilidade na recuperação do exercício executado na água quando
comparado ao executado em solo.

2.5 Possibilidades na prescrição dos exercícios

A influência dos exercícios físicos à imersão pode também ser apontada de


maneira específica, quando consideramos, isoladamente, as propriedades físicas da
água durante as atividades aquáticas. A viscosidade, por exemplo, é a principal
propriedade responsável por oferecer resistência ao se fazer exercícios na água. São
as propriedades viscosas da água que fazem com que as leis de Newton sobre o
movimento, como inércia, ação e reação e a aceleração sejam mais prevalentes na
elaboração de programas de exercício aquático, quando comparado com o programa
de exercício em solo (ACQUATIC EXERCISE ASSOCIATION, 2014).
A Acquatic Exercise Association (2014) nos lembra ainda que as propriedades
de flutuação, pressão hidrostática e tensão superficial não afetam drasticamente a
intensidade do exercício, mas é importante compreendê-las para a elaboração de
exercícios físicos na água. O que pode alterar, de fato, a intensidade do exercício é a
mudança da resistência frontal em deslocamento, a mudança de comprimento de um
membro ou, ainda, o ajuste das posições da mão durante os movimentos dos braços.
Desse modo, a utilização do sprint e velocidade para o aumento ou diminuição da
intensidade do exercício parece não ser tão eficaz quanto o uso das leis de
movimento, por exemplo.
O arrasto é a força principal contra a qual trabalhamos na água. Ele contribui
para as sobrecargas muito diferentes para os músculos durante o exercício na água,
quando comparado ao exercício em solo, já que, em terra, quando se atinge uma
velocidade constante, a sobrecarga muscular diminui. Na água, por sua vez, é
possível ter uma sobrecarga muscular constante proporcionada pela água ao longo

15
de toda a amplitude de movimento (ACQUATIC EXERCISE ASSOCIATION, 2014). A
compreensão de como usar o arrasto efetivamente aumenta as habilidades do
profissional de Educação Física.
Dentro dessa perspectiva, vale ressaltar que a aplicação dos princípios e leis
poderá aumentar a intensidade dos exercícios de maneira segura. Quando a
velocidade do movimento é aumentada, por exemplo, a amplitude e posição corporal
podem ser comprometidas. Considera-se mais eficiente treinar um músculo através
da amplitude total de movimento, cabendo ao professor oferecer alternativas para que
esta ocorra.
As evidências aqui apresentadas podem ser consideradas como fidedignas
para se propor práticas de exercícios físicos de qualidade na água. No que concerne
à evolução das atividades aquáticas, podemos afirmar que as pesquisas relacionadas
ao fitness aquático continuam em expansão e que o conhecimento adequado do
ambiente aquático é essencial para o profissional de Educação Física. O
entendimento sobre os efeitos fisiológicos e psicológicos da imersão na água, assim
como das recomendações e diretrizes da aplicação baseada em evidências, influencia
positivamente a qualidade das intervenções de exercícios físicos aquáticos que serão
ofertados aos alunos. (SANTOS, 2018).

16
3 VANTAGENS E DESVANTAGENS DO EXERCÍCIO NA ÁGUA

As evidências científicas têm reafirmado os fundamentos das atividades


aquáticas quanto ao menor estresse nas articulações, músculos e ossos; à tonicidade
e resistência muscular; e ao aumento da carga de trabalho, isso sem contar a
combinação entre diversão, treinamento e conforto. (BAUN, 2010)
A atuação das propriedades físicas da água faz com que os exercícios sejam
muito diferentes dos realizados em terra. Desse modo, é importante que todo
profissional conheça os aspectos biomecânicos que estão envolvidos no movimento
realizado nesse meio, na tentativa de propor atividades que potencializem seus
efeitos, que vão desde a melhora na qualidade de vida de pessoas com necessidades
especiais até a melhoria na performance esportiva de atletas profissionais.

3.1 Exercícios na água: indicações e contraindicações

Para quem busca exercícios para reabilitação, manutenção da saúde ou, ainda,
para melhorar o desempenho esportivo, os exercícios aquáticos têm se tornado uma
excelente alternativa.
Podemos elencar as vantagens das atividades aquáticas em todas as faixas
etárias do processo de desenvolvimento humano, como descrito a seguir.
 Bebês: as atividades na água auxiliam o desenvolvimento motor e cognitivo
dos bebês, fazendo com que os marcos referenciais do desenvolvimento, como
sentar, engatinhar e andar, ocorram dentro do tempo esperado. As atividades auxiliam
na manutenção do vínculo afetivo do bebê com os pais, além de favorecer o sistema
respiratório, melhorar o sono e o apetite.
 Crianças: o aprimoramento das habilidades motoras fundamentais pode ser
conquistado através das atividades aquáticas. A prática da natação, por exemplo, está
vinculada a melhorias na percepção do corpo, espaço e tempo, e essas habilidades
constituem componentes de domínio básico tanto para a aprendizagem motora quanto
para as atividades de formação escolar. As atividades aquáticas trazem benefícios
cognitivos, afetivos e sociais na infância.
 Adolescentes: além das modalidades clássicas como a natação e o polo
aquático, esportes radicais como o surf se tornam uma excelente opção aos

17
adolescentes que comumente não se sentem motivados a praticar exercícios físicos
com regularidade. O apoio social da família e dos amigos é fundamental para a adesão
de um programa de exercícios aquáticos.
 Adultos: com a rotina de trabalho e os afazeres domésticos e obrigações
familiares, o estresse, comportamento sedentário e a falta de atividade física se fazem
presentes. Por esse motivo, algumas doenças começam a surgir, e os exercícios
físicos se tornam de grande valia para manutenção dos marcadores de saúde e
melhora na qualidade de vida em geral.
 Idosos: com o deteriorar das habilidades motoras, os idosos acabam
buscando exercícios que facilitem a locomoção independente e que sejam mais
prazerosos para realizar. Como muitos idosos apresentam problemas
osteomusculares, as atividades aquáticas se tornam a opção mais viável para esse
público; além disso, a hidroginástica, por exemplo, promove a socialização, que é
fundamental para a saúde mental nessa fase da vida.
Dentro desse contexto, os exercícios aquáticos têm se mostrado ideais e
seguros para praticamente qualquer pessoa. Eles podem melhorar a qualidade de
vida de pessoas com deficiência bem como aprimorar a performance de atletas
profissionais de elite.
Há ainda muitas outras razões adicionais para tornar os exercícios aquáticos
um hábito (BAUN, 2010), tais como:
 diminui a compressão da coluna vertebral, comparado à corrida em terra, o
que é benéfico para indivíduos que sofrem de lombalgia;
 melhora a aptidão física relacionada à saúde;
 melhora na saúde mental;
 durante a gestação, melhora o desfecho da gravidez, proporcionando parto
de bebês mais saudáveis e redução de doenças em mães e bebês;
 aumenta o suprimento sanguíneo para os músculos, queima calorias e
produz mais energia para os movimentos;
 aumenta o uso de oxigênio pelo corpo e reduz a pressão arterial;
 reduz o estresse sobre os músculos, ossos, tendões e ligamentos;
 torna a prática possível em condições que podem interferir nos exercícios:
artrite, dor lombar, doença cardíaca, fibromialgia, obesidade, esclerose múltipla ou
gestante;
18
 refresca mesmo durante os exercícios mais intensos;
 combina diversão, treinamento eficiente e conforto.

As contraindicações para a realização de exercícios na água dependerão muito


do estado de saúde do aluno. No caso de alguma patologia, por exemplo, o médico
pode recomendar que as atividades aquáticas não sejam praticadas por um
determinado período, até o total restabelecimento do paciente. No caso de alguma
infecção na pele, epilepsia, convulsões descontroladas, insuficiência renal grave,
insuficiência cardíaca grave e angina instável, patologia neoplásica em fase avançada
e otite media purulenta com perfuração do tímpano, a prática de exercícios aquáticos
não é aconselhada.
Abrahin et al. (2016) citam que os efeitos da natação como adjuvante na
prevenção e no tratamento da osteoporose é um aspecto que tem sido analisado em
diversos estudos. Exercícios físicos têm sido recomendados, como abordagem não
farmacológica, para a prevenção e o tratamento da osteoporose, e os benefícios dos
exercícios físicos sobre a densidade mineral óssea (DMO) se devem em parte à
intensidade e ao tipo de exercício e controle dos princípios biológicos do treinamento.
Estudos prévios evidenciaram que diferentes tipos de atividades físicas, como
natação, ciclismo, bem como a intensidade (endurance e sprint), podem afetar
negativamente a DMO. Como a natação é um exercício sem impacto, as evidências
não demonstraram efeitos positivos da atividade sobre a massa óssea (FERRY et al.,
2013; KEMPER et al., 2009; MAGKOS et al., 2007; MUDD et al., 2007; VELEZ et al.,
2008 apud ABRAHIN et al., 2016).
Por outro lado, há também evidências sobre os efeitos positivos da
hidroginástica sobre a saúde óssea, uma vez que quando há o contato do pé com o
chão, mesmo na água, o impacto não é nulo, e sim um pouco menor. Dentro desse
contexto, podemos pressupor que para a prevenção da osteoporose, é recomendado
exercícios de alto impacto, mas quando o indivíduo já apresenta o problema, é preciso
haver uma cautela maior quanto aos exercícios de impacto para que não haja o risco
de fraturas. Desse modo, no tratamento, exercícios aquáticos têm sido uma das
medidas recomendadas (AQUATIC EXERCISE ASSOCIATION, 2014).

19
3.2 Efeitos das atividades aquáticas: evidências científicas

Os programas de exercícios aquáticos oferecem muitas oportunidades para a


realização de séries de exercícios que aprimoram as habilidades motoras e os
componentes de aptidão física tanto relacionada à saúde quanto ao desempenho
esportivo.
O trabalho corporal no meio líquido consiste em diversos componentes
importantes que dizem respeito à força e à tonificação corporal, à resistência e à
mobilidade. Para potencializar o trabalho aquático, devemos levar em consideração
alguns fundamentos referentes aos efeitos da imersão do corpo humano no meio
líquido, os quais são apresentados no Quadro a seguir.
Estudos na área têm buscado averiguar os efeitos das atividades aquáticas em
diferentes amostras, com um crescente número de publicações que contemplam
grupos especiais.
Em uma meta-análise de estudos randomizados sobre os efeitos da
hidroginástica, concluiu-se que a prática de hidroginástica é importante na melhora da
capacidade funcional de idosos, uma vez que promove o incremento da força
resistente, da flexibilidade e do equilíbrio dinâmico. Isso acarreta em melhoria na
capacidade de realizar as atividades de vida diária, promovendo, assim, uma maior
independência funcional ao idoso (REICHERT et al., 2015).

Principais fundamentos da imersão ao meio líquido


Fundamentos Efeitos da imersão
Menor impacto articular Impacto mínimo, com flutuador praticamente nulo. A
flutuabilidade da água retira a pressão da cápsula articular, que,
em combinação com a temperatura agradável do meio,
aumenta a mobilidade e a flexibilidade. O risco de dor articular
é reduzido, e se existe dor, ela pode ser aliviada enquanto se
exercita.
Menos lesões Minimiza a possibilidade de lesões musculares, ósseas e
articulares. Na água, por esta ser mais densa que o ar, o corpo
encontra resistência em ambas as direções e viscosidade em
todas elas. Isso desenvolve a força equilibrada nos músculos
(prevenindo lesões), trabalhando-os em ambos os lados das
articulações durante cada repetição do exercício.

20
Tonificação Ao usar o potente efeito de resistência, é possível potencializar
o condicionamento e melhorar os resultados de tonificação.
Diferente da terra, é possível trabalhar dois grupos musculares
opostos simultaneamente, desenvolvendo o tônus muscular
com mais eficiência e aumentando o músculo com mais
rapidez.
Aumento da carga de trabalho É preciso mais energia muscular para empurrar o corpo pela
água do que pelo ar, por isso, andar com água até as coxas ou
com flutuadores pode proporcionar o dobro da carga e do
trabalho em relação ao andar em terra. O sistema de utilização
de energia trabalha mais.
Queima de calorias É possível queimar até 525 calorias por hora andando na água,
em comparação a 240 calorias em terra. Recomenda-se a
variação de exercícios (andar de lado, de trás, por exemplo)
para aumentar a carga de trabalho e, consequentemente,
promover maior queima de calorias.
Prevenção de superaquecimento Menor desconforto, não provoca suor. O corpo transmite o calor
do exercício à água com mais facilidade para mantê-lo fresco e
confortável.
Diversão e treinamento Exercícios mais agradáveis, mais confortáveis e muito mais
divertidos geram maior satisfação dos participantes.
Fonte: Adaptado de Baun (2010).

Em uma revisão sistemática sobre os efeitos dos exercícios aeróbicos


aquáticos sobre a pressão arterial em adultos hipertensos, verificou-se que, dos cinco
estudos com intervenção aguda, 80% demonstraram redução da pressão arterial
sistêmica após a sessão de exercícios. Após o período de intervenção crônica, 80%
dos estudos incluídos também demonstraram redução da pressão arterial. A
intensidade do protocolo variou de moderada à alta. Participaram 377 sujeitos, que
realizavam as atividades numa frequência de duas vezes semanais há 12 meses. Os
resultados permitiram concluir que os exercícios aquáticos, sobretudo a
hidroginástica, atuam positivamente na redução da pressão arterial, sendo uma
alternativa eficiente para o auxílio no tratamento de adultos hipertensos (SANTOS;
COSTA; KRUEL, 2014).
No estudo de Lima, Malheiros e Santos (2018), que teve como objetivo
comparar os níveis de flexibilidade e força muscular em mulheres praticantes e não
praticantes de hidroginástica, foi constatado que as praticantes de hidroginástica
21
apresentaram resultados significativamente mais positivos das que não praticavam,
ajudando a melhorar a capacidade funcional dos músculos e aumentando a amplitude
articular. Concluiu-se que a prática de hidroginástica é vista como um dos exercícios
físicos mais indicados para pessoas no processo de envelhecimento, tornando-as
mais aptas e saudáveis.
Já no estudo de Leite et al. (2010), cujo objetivo foi verificar os efeitos de
exercícios aquáticos e da orientação nutricional de crianças e adolescentes obesos,
verificou-se que um programa de caminhada aquática em suspensão, aliado à um
programa nutricional, pode resultar em importantes modificações na composição
corporal desses indivíduos, pela característica cíclica da atividade em relação ao
grupo de aprendizagem da natação. Por fim, no estudo de Pereira et al. (2011), cujo
objetivo foi verificar a influência das atividades aquáticas no desenvolvimento motor
de bebês, quando comparado a um grupo de bebês não participantes, verificou-se
melhor desempenho no grupo que participava, com semelhança entre os sexos e
influência do tempo de prática.

3.3 Biomecânica aplicada aos exercícios físicos

Os movimentos corporais realizados no ambiente aquático estão sujeitos às


propriedades físicas da água, por isso a realização de movimentos em água se difere
dos movimentos realizados em terra (Figura abaixo). Isso se deve às modificações
biomecânicas e fisiológicas que ocorrem, e também explica as diferentes sensações
vivenciadas pelos indivíduos: parecer estar “mais leve” e ter dificuldade em realizar
movimentos rápidos são algumas delas (CORRÊA; MASSETTO, 2010).

Fonte: Wallenrock; MinDof/Shutterstock.com.

22
Para Corrêa e Massetto (2010), a sensação de diminuição do peso corporal
(parecer estar “mais leve”) acontece em razão da força de empuxo (força exercida
sobre um corpo, para cima, igual ao peso do volume de água deslocado por ele).
Quanto mais submerso está um corpo, maior será o seu empuxo (LOSS; CASTRO,
2010). Essa força também é responsável pela diminuição da força de reação do solo
quando andamos ou saltamos dentro d’água. Essa característica da água justifica a
redução do impacto sofrido pelas articulações quando se realiza exercícios em
imersão.
Por outro lado, a dificuldade em realizar movimentos muito rápidos dentro
d’água ocorre em virtude das resistências sofridas pelo corpo quando em movimento.
Essas resistências podem ser chamadas de resistência ao avanço, que são
resultantes da somatória das resistências de forma, de superfície e de onda
(CORRÊA; MASSETTO, 2010).
A resistência de forma é a que mais contribui para a resistência total; desse
modo, quando um corpo se desloca na água, forma atrás de si uma área de baixa
pressão que “suga” o corpo no sentido contrário ao movimento, dificultando sua
realização. Por sua vez, a resistência oferecida pelo meio dependerá da forma do
objeto; por isso, quanto mais hidrodinâmico for o corpo em movimento, menor será a
resistência (CORRÊA; MASSETTO, 2010). Um bom exemplo está na natação, a
impulsão da borda, após a virada. Quando o atleta adota uma posição “mais
afunilada”, em que há o alongamento dos braços, com a cabeça bem alinhada ao
resto do corpo, essa resistência de forma será perceptivelmente menor do que se a
cabeça fosse “elevada” para acima do nível dos ombros (LOSS; CASTRO, 2010). Os
autores chamam essa resistência de força de arrasto, e no caso, arrasto de forma
(LOSS; CASTRO, 2010).
Loss e Castro (2010) salientam que atletas de natação reconhecem que a
posição descrita anteriormente é a de menor resistência ao avanço. No caso de um
aprendiz, ela servirá como referência e pode-se sugerir a posição de “deslize” com
variação da profundidade em que o corpo deslizará (na superfície ou logo abaixo, com
o corpo completamente imerso durante o “deslize”, sem cortar a superfície da água,
por exemplo).
Outro fator importante para o aumento da resistência é a viscosidade do líquido:
quando maior a viscosidade, maior a resistência ao avanço (CORRÊA; MASSETTO,

23
2010). Para os autores, esse tipo de fluxo também interfere na resistência da água, e
o arrasto será maior em um fluxo turbulento quando comparado a um fluxo laminar. A
velocidade de execução do movimento também influencia na intensidade da
resistência, uma vez que quanto mais rápido o movimento, maior será a resistência
ao avanço.
As forças de resistência ao avanço têm diferentes magnitudes de acordo com
as partes do corpo envolvidas durante o movimento. Desse modo, quanto maior a
distância em relação ao eixo (articulação), maior será a velocidade e,
consequentemente, a resistência (CORRÊA; MASSETTO, 2010).
Nos exercícios realizados em piscina profunda, sem o contato dos pés com o
solo, ocorre o trabalho em suspensão, o princípio de Bernoulli. Apesar do que o nome
sugere, essa força não “sustenta” o corpo; ela não age “de baixo para cima”, mas sim
pode agir em qualquer direção, sendo sempre perpendicular à direção de propagação
(LOSS; CASTRO, 2010), à trajetória do fluxo, à resistência ao avanço e dependendo
do ângulo de ataque do pé ou da mão com a direção do fluxo (CORRÊA; MASSETTO,
2010).
Os autores ressaltam que esse conceito está relacionado à terceira lei de
Newton, pois para toda ação existe uma reação igual e contrária (que depende do
ângulo formado pela inclinação do pé/mão com a direção do fluxo). Para eles, de
acordo com o ângulo, haverá um maior componente de resistência ao avanço ou de
sustentação, o que terá efeitos sobre a propulsão. O princípio de Bernoulli, por sua
vez, explica que, conforme a velocidade de um fluído aumenta, a pressão exercida
pelo fluído diminui. Na prática, quando um pé se desloca na água, um gradiente de
pressão é criado em ambos os lados do pé. Quando o fluxo da água é mais rápido na
parte de cima, uma área de baixa pressão é criada nesse local. Há um sistema de
baixa pressão na parte de cima do pé e um de alta pressão na parte de baixo, o que
fará com o que o pé seja empurrado para cima, ou seja, para a área de menor pressão
(CORRÊA; MASSETTO, 2010).
Nesse contexto, podemos ponderar que, na prática, durante um gesto técnico,
quando o braço de um nadador cruza a água, por exemplo, esse “corpo” está sujeito
às forças mencionadas. Tem-se o empuxo atuando de baixo para cima, que será muito
próximo ao peso do próprio braço, e também as forças de arrasto e de sustentação.
Os pontos do braço que apresentarem maior velocidade estarão sujeitos a forças

24
maiores, sendo que a parte mais distal, no caso a mão, é a porção que recebe os
maiores esforços. Nesse sentido, sua forma, direcionamento e posicionamento são
fundamentais para uma boa performance (lê-se bom aproveitamento das forças que
derivam do movimento relativo com a água) (LOSS; CASTRO, 2010).
A leve curvatura dos dedos e da palma da mão como um todo (formato de
concha), aumentará a assimetria do corpo, contribuindo para uma maior força de
sustentação. Basicamente, um ângulo de pronossupinação, associado às angulações
do cotovelo e do ombro, irá fazer com que a força resultante entre a sustentação e o
arrasto seja em uma direção favorável ao deslocamento do nadador, influenciando
diretamente na sua performance (LOSS; CASTRO, 2010).
Trabalhar na água é muito diferente de se trabalhar fora dela. Para que um
programa de exercícios aquáticos seja bem-sucedido, esses conceitos são
importantes para aumentar a força aplicada na realização do movimento. Uma
compreensão básica sobre a análise do movimento é necessária para um programa
seguro e eficiente. Um claro entendimento sobre o que cada exercício alcança e por
que alguns movimentos são necessários em uma aula potencializa os resultados
(AQUATIC EXERCISE ASSOCIATION, 2014).

4 MODALIDADES ESPORTIVAS AQUÁTICAS

As práticas corporais de aventura são compostas por diferentes modalidades


esportivas, variando em risco, modos e ambientes. Quanto às diferenças de ambiente,
o meio líquido tem potencial para a prática de modalidades esportivas em que se usa
a água para o deslocamento.
Nesta seção, você vai compreender o conceito de modalidades esportivas
aquáticas, além de identificar suas características, formas e equipamentos,
conhecendo seus benefícios na esfera biopsicossocial daqueles que as praticam.

4.1 Habilidades motoras e de aptidão física das atividades aquáticas

De acordo com o modelo bidimensional para classificação dos movimentos,


proposto por Gallahue, Ozmun e Goodway (2013), os movimentos podem ser
definidos, de acordo com a função intencional de cada tarefa, em: estabilização

25
(ênfase no equilíbrio corporal em situações de movimentos tanto estáticos quanto
dinâmicos); locomoção (ênfase no transporte corporal de um ponto para o outro) e
manipulação (ênfase em colocar ou receber força de um objeto) (GALLAHUE;
OZMUN; GOODWAY, 2013). Desse modo, podemos pressupor que as habilidades de
locomoção (saídas e viradas, giros, remadas) e estabilização (flutuação, postura das
figuras) estão presentes nas três modalidades aquáticas, porém é somente no polo
aquático que há os movimentos de manipulação (lançar e receber a bola).

4.1.1 Natação

As habilidades motoras específicas da natação são as saídas, as viradas, os


nados submersos e de superfície e as varreduras (FREUDENHEIM; MADUREIRA,
2010). Segundo os autores, para uma locomoção eficaz, as viradas, seguidas das
saídas, são apontadas por alguns estudos como um componente importante da prova.
Esse fato se justifica porque nenhum nadador consegue se deslocar mais rápido
nadando quando comparado com a velocidade que ele mesmo atinge ao sair do bloco
de partida ou impulsionar a parede após a virada.
O nado submerso promove maior deslocamento ao corpo, uma vez que a
superfície da água é turbulenta, principalmente quando se tem oito nadadores em
deslocamento. Por esse motivo, a habilidade de nadar submerso (no mínimo a 0,6 m
de profundidade) diminui a maior parte da resistência, gerando um fluxo laminar e
maximizando o deslocamento subaquático. Ainda durante o nado submerso, quando
o nadador mantém sua mão em posição sobreposta, braços estendidos em
alongamento, cabeça alinhada com o corpo e braços comprimindo as orelhas, isso
gera uma maior eficiência hidrodinâmica, maximizando o seu deslocamento
(FREUDENHEIM; MADUREIRA, 2010).
Já no nado de superfície, habilidade ainda pouco explorada, ao iniciar o
deslocamento na superfície, o atleta deve fazê-lo com uma maior frequência de
braçadas e pernadas em máxima velocidade e logo ajustar as frequências destas para
o ritmo com o qual se dará o seu deslocamento no restante do percurso
(FREUDENHEIM; MADUREIRA, 2010). Para os mesmos autores, os quatros nados
culturalmente conhecidos (crawl, costas, peito e borboleta) são considerados nados
de superfície, e cada atleta tende a adaptar o seu nado a diferentes demandas
(distância a ser percorrida, contexto, características do ambiente), ao contrário do que
26
se achava anteriormente, que o atleta devia manter o mesmo padrão de nado ao longo
de todo o percurso.
Em relação a varreduras, a biomecânica aquática tem revelado que os ângulos
da mão (próximo a 45°) diminuem a turbulência atrás dela e aumentam a força de
sustentação do nadador, e que na natação, a força de propulsão pode ser um melhor
preditor de performance em nadadores quando comparado à potência aeróbia, por
exemplo (FREUDENHEIM; MADUREIRA, 2010). Dentro desse contexto, vale
ressaltar que as valências de aptidão física, como força, flexibilidade, resistência
muscular localizada, resistência aeróbia, velocidade e agilidade são exigidas nas
diferentes habilidades motoras específicas supracitadas.

4.1.2 Polo aquático

O polo aquático é um esporte coletivo e de invasão, praticado em piscinas


fundas; por esse motivo, faz-se necessárias habilidades de sustentação
(estabilização) e deslocamento (locomoção) que juntas são conhecidas como
eggbeater (SILVA; CASTRO, 2016). De acordo com os autores, “[...] é utilizado para
elevar a parte superior do corpo para fora da água, gerando força vertical para cima,
juntamente com o empuxo, a fim de equilibrar e ou superar o peso corporal [...]”
(SILVA; CASTRO, 2016, p. 242). O movimento é descrito por uma ação cíclica e
alternada das pernas (enquanto a perna esquerda move-se no sentido horário, a
perna direita move-se no sentido anti-horário, com as pernas e pés desenhando um
círculo) para elevar a parte superior do corpo (SILVA; CASTRO, 2016). Vale ressaltar
que essa técnica favorece também a execução dos saltos verticais. Ela pode, ainda,
ser executada com o auxílio de um ou dos dois braços na água, ou ainda com os
braços fora dela (CORRÊA, TEIXEIRA, GUIMARÃES JR., 2010).
27
Quanto à aptidão física, a força e resistência muscular localizada são exigidas
para que haja a sustentação do corpo, bem como potência para o salto vertical na
água. Além disso, forças externas como a de arrasto e de sustentação fazem-se
presentes. Segundo Corrêa, Teixeira e Guimarães Jr. (2010, p. 14), a realização do
eggbeater:

[...] depende, entre outros fatores, de velocidade e potência dos flexores e


extensores de quadril e joelho, flexibilidade, força e potência dos abdutores e
adutores do quadril, flexibilidade, força e potência dos rotadores internos e
externos do quadril e do joelho e flexibilidade dos tornozelos na inversão e
eversão [...].

Por fim, no polo aquático, há também a habilidade de manipulação, no ato de


lançar e receber a bola. Como vimos anteriormente, tanto no polo aquático quanto no
nado sincronizado é de suma importância a execução eficiente de pedaladas para
sustentação e deslocamento, as famosas pedaladas de polo aquático ou eggbeater.
Já na natação essa habilidade é menos explorada que o palmateio (movimento em
“forma de oito” considerado básico para a sustentação e a locomoção) (FUGITA,
2010).
Vale destacar que, pelo fato de serem esportes aquáticos, e, por isso, de baixo
impacto, os atletas não estão isentos de sofrer lesões. Como em qualquer esporte de
alto nível, em virtude do treinamento rigoroso e de um volume elevado de repetições,
o risco de lesões existe e cabe ao profissional minimizá-lo; por isso, os conhecimentos
dos fundamentos técnicos servirão como pressuposto básico para a prática de
qualquer uma dessas modalidades.

Fonte: https://www.socialbauru.com.br/

28
5 FUNDAMENTOS DAS MODALIDADES AQUÁTICAS: CARACTERÍSTICAS
BÁSICAS

5.1 Natação

Para a realização de todos os estilos de nado — crawl, costas, borboleta,


peito e medley (combinação dos nados) —, bem como para as saídas e viradas, é
necessário compreender os cinco fundamentos descritos a seguir:

Imersão Adaptação. Realizar a imersão: com controle de apneia e expiração.


Respiração Controlar a respiração: nos deslocamentos, com ritmo respiratório no
mergulho em profundidade e, em maiores distâncias, submerso.
Flutuação Posição hidrodinâmica. Flutuar com diferenciação de controle em
relação à submersão, em diferentes posições, modificando o decúbito
nos dois eixos do corpo.
Propulsão Membros superiores e inferiores. Propulsionar-se de acordo com
cada estilo e realizar as respectivas saídas e viradas, atendendo aos
critérios técnicos.
Coordenação Respiração + flutuação + propulsão. Combinações e sincronizações
de braços, pernas e respiração
Fonte: Adaptado de Freudenhein, Gama e Carracedo (2003).

5.1.1 A técnica dos nados

De acordo com Freudenheim e Madureira (2009), as habilidades específicas


da natação envolvem: viradas, saídas, nado submersos e de superfície (crawl, costas,
peito e borboleta).
Para a aprendizagem de qualquer habilidade, é necessário dominar a técnica.
De acordo com Evans (2009), a técnica de nado é a base da natação rápida e
eficiente, e aprimorá-la durante os treinos é essencial não somente para nadadores
iniciantes, mas também para os mais experientes e de elite. Para a autora, alguns
fundamentos gerais são iguais para todas as modalidades do nado, tais como:
 expirar embaixo da água e inspirar fora dela;

29
 manter os músculos axiais do corpo sempre contraídos durante todas as
partes da braçada;
 buscar uma posição hidrodinâmica para se deslocar de forma eficiente pela
piscina;
 balanço individual de contagem, comprimento e frequência de braçadas.
A seguir, serão descritas, de maneira completa e concisa, as técnicas
específicas de cada um dos estilos de nado, bem como as técnicas de virada e saída
(Evans, 2009).

Nado crawl –

Posicionamento do corpo e da cabeça Corpo estendido em decúbito ventral, em uma postura


plana e horizontal na superfície da água. Cabeça,
ombro, tronco e pernas situam-se o mais próximo
possível da superfície, o que evita aumento nas forças
de resistência
Movimentação da parte superior do Braçadas alternadas com circundação anteroposterior.
corpo  Fase 1: Recuperação (fase aérea, que compreende o
momento entre a saída e a entrada dos membros
superiores na água). No início da recuperação, o
cotovelo é a primeira parte do corpo a romper a
superfície da água. Nessa sequência, os dedos são os
primeiros a tocar a superfície aquática, seguidos pela
mão, antebraço, braço e ombro.
 Fase 2: Propulsão (fase subaquática, responsável
pela progressão do nadador). Parte 1: tração, que
objetiva puxar a massa líquida, e o empurre ou impulso,
realizado pela extensão progressiva do membro
superior, que, em conjunto, responde pelo
deslocamento do nadador à frente.
Pernada Movimentos alternados ascendentes e descendentes,
no plano vertical. Destina-se essencialmente à
estabilização e manutenção do equilíbrio, e não à
manifestação de força propulsiva. Seus movimentos
concentram-se na articulação do quadril.

30
Respiração A respiração ocorre de forma lateral, devido à posição
ventral, com imersão da cabeça e ação alternada dos
membros superiores
Fonte: Adaptado de Galdi et al. (2004).
Nado costas –

Posicionamento do corpo e da cabeça Corpo estendido em decúbito dorsal, em uma postura


plana e horizontal à superfície da água. A cabeça é
mantida em sua posição natural, ou levemente
inclinada, com o queixo em direção ao peito, evitando,
assim, que o rosto seja coberto de água.
Movimentação da parte superior do Braçadas alternadas, com circundação posteroanterior.
corpo Fase de propulsão e recuperação: inicia-se a saída do
membro superior da água, estendido desde a altura da
coxa, o qual é elevado pela trajetória semicircular. A
tração é feita com um dos membros superiores em
imersão, ligeira flexão do cotovelo e profundidade
moderada. É caracterizada pela submersão do braço e
mão, esta flexionada “puxando” e, em seguida,
empurrando a água em direção aos pés do nadador.
Esse trajeto se segue até o final da fase subaquática,
quando o braço e as mãos se estendem até,
aproximadamente, a linha dos quadris
Pernada Movimentos ascendentes e descendentes, no plano
vertical. Responde pela manutenção da estabilidade do
corpo na água, pois equilibra as oscilações e os desvios
decorrentes de incorreções da braçada, participando,
ainda, da propulsão do nado
Respiração Realiza-se com o rosto voltado para fora da água. O
ritmo de uma inspiração a cada ciclo de braçada é o
mais utilizado, ou seja, inspira-se na recuperação de
um dos membros superiores e expira-se na mesma
fase do outro.
Fonte: Adaptado de Galdi et al. (2004).

Nado peito –

31
Posicionamento do corpo e da cabeça Nado simétrico e simultâneo, ou seja, os movimentos
realizados pelo lado direito do corpo são
simultaneamente acompanhados por movimentos
idênticos do lado esquerdo. Cabeça posicionada entre
os membros superiores. Parte-se da posição de
decúbito ventral e estendida, com a cabeça entre os
membros superiores
Movimentação da parte superior do Os membros superiores passam a orientar-se para trás
corpo e para fora, pela flexão do cotovelo, buscando apoio
para que o tórax e a cabeça possam emergir e, então,
possibilitar a inspiração. Nesse momento, a flexão
continua até que as mãos passem por baixo da linha
dos ombros e se encontrem sob o peito, quando os
braços se fecham em direção ao tronco e são
estendidos acima da cabeça.
Pernada Os membros inferiores também partem de posição
estendida, sendo, posteriormente, flexionados, e os pés
são submetidos à flexão plantar e à rotação externa.
Em seguida, as pernas são estendidas e unidas de
maneira vigorosa, e os pés seguem a mesma
movimentação, empurrando a massa líquida e
permitindo o deslocamento.
Respiração Respiração frontal. Ocorre com o auxílio do tronco que,
ao se elevar, em razão do apoio proveniente do
movimento de puxada dos braços, faz a cabeça sair da
água.
Fonte: Adaptado de Galdi et al. (2004).

Nado borboleta –

Posicionamento do corpo e da cabeça Nado simétrico e simultâneo entre os membros,


realizado em decúbito ventral. Inicialmente, o corpo
situa-se estendido com os membros superiores à
frente, alinhados ao restante do corpo, na superfície da
água. A cabeça permanece em seu posicionamento
natural, de forma que o topo da cabeça do nadador
possa ser visualizado
Movimentação da parte superior do À circundação simultânea anteroposterior dos
corpo membros superiores é atribuída grande parte da

32
responsabilidade propulsiva do nado. Assim como nos
outros estilos, a forma e a trajetória dessa
movimentação permitem que sua ação seja descrita em
duas fases: recuperação (aérea) e propulsão
(subaquática), também diferenciada em duas outras
etapas. A recuperação inicia-se com a saída dos
membros superiores da água em posição estendida e
as mãos posicionam-se na altura da coxa. O cotovelo é
o primeiro a romper essa superfície, seguindo
levemente flexionado e arrastando consigo o antebraço
e as mãos, que se mantêm relaxados. À medida que os
membros são lançados à frente, o cotovelo e o ombro
são estendidos. Uma vez submersos, os membros
superiores iniciarão a tração. O movimento é
direcionado para fora e para baixo até alcançar a linha
dos ombros, quando a trajetória muda e passa a
manifestar-se em direção ao centro do corpo. Quando
os membros superiores se aproximam do eixo sagital
do corpo do nadador, inicia-se extensão progressiva,
que caracteriza o empurre da fase subaquática
Pernada As pernadas são simultâneas e ocorrem no plano
vertical, atuando de forma relevante para a propulsão
do nado, diferente dos demais estilos. O batimento das
pernas é semelhante ao movimento da cauda do
golfinho. A última fase tem mais potência, sendo
acompanhada pela elevação dos quadris, enquanto a
ascendente é menos vigorosa. Essa variação de força
que acompanha o movimento das pernas é responsável
pelo efeito de ondulação que o corpo realiza durante a
ação do nado. Duas pernadas são realizadas para cada
ciclo de braços; a primeira é realizada logo que a fase
de propulsão dos braços está sendo finalizada e a
segunda ocorre após a nova entrada dos braços na
água.
Respiração A inspiração deve ser feita durante o final da tração dos
braços, pelo movimento de elevação da cabeça (é
muito rápida, efetuada pela boca, indicando-se que
pode ocorrer na frequência de uma ou duas braçadas,
sendo esta possibilidade correspondente ao nível de
desenvolvimento do nadador). A expiração se

33
manifesta ao longo de toda a fase do nado em que a
cabeça fica imersa.
Fonte: Adaptado de Galdi et al. (2004).

Dentro desse contexto, vale ressaltar que a aprendizagem das habilidades


específicas deve respeitar o desenvolvimento do aprendiz, ocorrer somente mediante
domínio prévio do corpo no meio líquido e posterior combinação de movimentos do
corpo na água. Além dos nados submersos, as técnicas de saída e virada são de
suma importância para a natação eficaz.

Saída –

Ao entrar na água, o corpo deve passar pelo mesmo local que a mão; realiza-
se um voo carpado (ação realizada pelo nadador que, ao sair do bloco de partida,
projeta o quadril para o alto a fim de projetá-lo para baixo) ao entrar na água,
maximizando a velocidade de entrada. O corpo deve estar firme, com as mãos
sobrepostas, os braços estendidos e a cabeça entre os braços.

Virada –

Basicamente, há apenas duas viradas na natação para os quatro nados. No


nado peito e no borboleta, não há diferença na virada. Já a virada no nado crawl e
costas é praticamente a mesma; a única diferença é quando o nadador gira da posição
dorsal para a frontal (EVANS, 2009).

Nado crawl e nado costas –

A meia cambalhota realizada na água é o elemento essencial da virada, e essa


técnica é chamada de virada de cambalhota. No nado crawl, quando o nadador
executa a cambalhota de 180º, significa que ele realizará a impulsão contra a parede
em posição dorsal e deverá fazer uma rotação para voltar à posição ventral. No nado
costas, os nadadores viram até a posição ventral antes da cambalhota e ficam
posicionados para recomeçar o nado costas após o impulso contra a parede (EVANS,
2009). A virada do nado crawl começa quando uma mão está na altura do quadril e a
34
outra se prepara para entrar na água. O queixo é aproximado dos ombros, o joelho é
elevado até o peito e a mão que está prestes a entrar na água vai até a altura dos
quadris, a fim de que o corpo fique em uma posição compacta e encaixada. O
rolamento frontal é realizado até que as costas fiquem direcionadas para o fundo da
piscina (EVANS, 2009). A partir dessa posição, os pés realizam o impulso contra a
parede, com a maior força possível. A virada pode ser feita em sentido horário ou anti-
horário, dependendo da preferência de cada nadador, até alcançar a posição
hidrodinâmica. No nado costas, a virada é praticamente a mesma, a única diferença
é que ela começa com o nadador girando da posição dorsal até a posição ventral do
nado crawl para, então, iniciar a cambalhota.

Nado peito e nado borboleta –

A virada começa com o toque simultâneo das mãos na parede, separadas uma
da outra pela largura dos ombros com os braços estendidos e o corpo na posição
hidrodinâmica. O nadador usa o impulso da parede para aproximar os joelhos no tórax.
Após isso, os braços se deslocam rapidamente para iniciar o movimento reverso
conduzido pelo cotovelo (que dará sequência ao movimento em direção ao lado
oposto da piscina). Os joelhos continuam a se flexionar em direção ao tórax para que
ambos os pés fiquem posicionados na parede. Antes dos pés chegarem, a cabeça é
elevada para inspiração e para o início do movimento de 180º para trás com os braços
em sentido horário e anti-horário abaixo da superfície da piscina (EVANS, 2009).
Ainda segundo Evans (2009), quando os pés estiverem posicionados, a outra mão
executa o movimento semelhante a um golpe de caratê próximo da orelha, do mesmo
lado do corpo, e a impulsão é iniciada. Nesse momento, durante a impulsão, o nadador
realiza um giro até ficar com a barriga para baixo. As pernas deixam a parede
conforme a mão que estava perto da orelha se desloca em direção ao braço, que está
na frente da cabeça, e o corpo assume a posição hidrodinâmica.

5.2 Nado sincronizado

35
No nado sincronizado, as figuras dos movimentos (imagem a seguir) podem
ser consideradas seus fundamentos, pois sua execução se dá tanto isoladamente
quanto como parte da rotina (FUGITA, 2010).

Figuras básicas dos movimentos de nado sincronizado

Fonte: Adaptado de FINA (2018b).

5.3 Polo aquático

36
Assim como no handebol ou no futebol, o objetivo do polo aquático é o mesmo:
cada equipe realiza a troca de passes para enviar a bola a um jogador desmarcado
que possa atirar ao gol. Nessa ação, bem como em outras ações da partida, os
fundamentos a seguir se fazem presentes (Quadro - Principais fundamentos técnicos
do polo aquático).

Principais fundamentos técnicos do polo aquático


Manejo e controle da bola Pegar a bola, passe (para a água ou seco; trajetória e
distância), recepção (na água ou na mão: frontal, esquerda
e direita, lateral); remate — com ou sem simulação (frontal,
sueco, bozi, pulso; tapinha, francês, costas e deitado).
Propulsão e técnicas específicas Peito vertical, crawl polo e drible, arranque e travagem;
rotações; retropedalagem (posição básica: vertical,
horizontal, oblíqua, frontal, lateral e de costas) saltos e
giros, mudanças de direção e sentido de nado (inversão:
simples ou com rotação).
Tática Posição básica defensiva e ofensiva; passe, recepção e
remada; princípio do jogo; meios táticos ofensivos e
defensivos; métodos de jogo ofensivo e defensivo; guarda-
redes.
Fonte: Adaptado de Canossa et al. (2007).

5.4 Regulamento da natação, nado sincronizado e do polo aquático: aspectos


gerais

A natação é considerada um dos esportes mais tradicionais dos Jogos


Olímpicos, sendo disputada desde a primeira edição realizada na era moderna, na
Grécia, em 1896. O polo aquático foi disputado já na segunda edição dos Jogos, em
Paris, 1900. O nado sincronizado foi aceito oficialmente somente em 1984, em Los
Angeles. Todas as três modalidades são regulamentadas pela FINA e apresentam
características próprias que a diferem entre si. (FUGITA, 2010).

5.4.1 Natação

37
A natação é uma das modalidades esportivas mais antigas. Em competições
oficiais, ela é praticada numa piscina de 50 metros de comprimento, dividida por 10
raias com 2,5 metros de largura cada. A temperatura da água não pode exceder 21ºC,
e a profundidade mínima da piscina é de 1,35 metro.
Suas regras variam conforme o estilo praticado, que pode ser: crawl (nado
livre), peito, costas, borboleta e medley (os quatro estilos na mesma prova). Cada uma
das modalidades apresenta especificações técnicas quanto ao posicionamento dos
seguimentos corporais. As provas são iniciadas em cima do bloco de partida, exceto
a do nado de costas, cuja ação se inicia já dentro d’água, virados para a borda,
segurando as alças, e impulsionando o corpo com os pés. Vale ressaltar que falsas
largadas eliminam os atletas. As competições de natação têm como objetivo a
realização, no menor tempo possível, de um percurso que pode ser de 50, 100, 200,
400, 800 ou de 1500 metros (FINA, 2018a). As provas de nado livre e medley podem
ser realizadas na forma de revezamento. No nado livre, o crawl é utilizado por ser o
que proporciona maior agilidade. Na ação, há a combinação de rotações dos braços
com as batidas dos pés. Ao finalizar a prova, na chegada, o atleta deve tocar a borda
da piscina com uma das mãos, pois lá há uma placa de toque que cronometra o tempo.
Nas provas individuais, o nadador realiza os quatro estilos na seguinte ordem:
borboleta, costas, peito e crawl. Já no revezamento, a ordem é diferente: costas,
peito, borboleta e crawl.

Fonte: http://patrocinados.estadao.com.br/

5.4.2 Nado sincronizado

38
As competições de nado sincronizado podem conter provas de figuras, rotina
técnica, livre e combinada. Eventos que visam a formação de atletas de alto nível
incluem as provas de figuras, já nos de excelência, como os Jogos Olímpicos, as
rotinas fazem-se presentes (FUGITA, 2010).
As rotinas (ou coreografias) são divididas em quatro modalidades: solo (1
atleta), dueto (2 atletas e 1 reserva), equipe (8 atletas e 2 reservas) e combinada (10
atletas) (FUGITA; PONSIANO, 2013). Sendo assim, em cada prova os atletas
competem nas etapas de rotina técnica (sequência de elementos previamente
estipulados que devem ser cumpridos na ordem determinada) e rotina livre (sem a
obrigatoriedade de elementos, os atletas, juntamente com o técnico, elaboram a rotina
de modo a transmitir o tema, valorizar o potencial da equipe e convencer os juízes
sobre a sua excelência).
De acordo com as regras oficiais do nado artístico, no geral, as rotinas são
compostas por uma grande variação de movimentos suaves e expressivos a rápidos
e vigorosos. Estrategicamente, em todas as provas, há aumento em dificuldade,
principalmente na parte final da coreografia, aumentando-se a velocidade de
movimento, para enfatizar o preparo físico e o nível técnico dos atletas, a fim de obter
a nota máxima (FINA, 2018b).
Figuras são sequências de posições, codificadas pela FINA (2018b), divididas
segundo categorias de idade (entre 8 a 10 figuras). Em cada competição, sempre há
duas figuras obrigatórias que já são conhecidas pelos árbitros e duas são sorteadas
na véspera da competição (FUGITA, 2010). Essa prova exige alinhamentos e ângulos
precisos, máxima altura em relação à superfície, estabilidade e ritmo contínuo nas
transições, além da “ausência de esforço aparente”, segundo Fugita (2010).
Os árbitros avaliam o desempenho nessa modalidade considerando o valor
artístico das coreografias, que combinam elementos técnicos e estéticos de forma
sincronizada (GUERREIRO et al., 2013). No julgamento de figuras, o competidor pode
obter uma pontuação de 0 a 10, utilizando 1/10 de ponto (FINA, 2018b).

5.4.3 Polo aquático

O polo aquático é um esporte coletivo, de invasão, derivado do futebol,


praticado em piscina funda. Cada equipe é composta de 7 atletas, sendo 1 goleiro e
6 atletas de linha. O objetivo do jogo é marcar o gol na trave do adversário, semelhante
39
ao futebol e handebol (FREITAS FILHO et al., 2018). Apesar de ser um esporte de
contato, as regras não preveem qualquer tipo de violência, seja por cima da água ou
sob ela, tendo, assim, os mesmos princípios desses outros esportes coletivos
(TELLES et al., 2016).
As regras básicas oficiais incluem, ainda, que a bola não pode ser agarrada
com as duas mãos juntas por qualquer jogador, exceto o goleiro (FREITAS FILHO et
al., 2018). Além disso, “[...] a bola não pode ser afundada por qualquer jogador,
quando este estiver em disputa de bola com o adversário e nenhum jogador pode
colocar o pé no fundo da piscina [...]” (FREITAS FILHO et al., 2018, p. 331). Os
mesmos autores destacam que o movimento do arremesso/hute é um dos principais
fundamentos da modalidade, sendo decisivo no resultado das partidas, já que o gol
sempre sairá de um movimento assim.
Na partida de polo aquático é preciso muita agilidade, já que o tempo de posse
bola não pode ultrapassar 30 segundos e não há muito espaço para contato físico
intenso na maioria das posições, o que proporciona uma partida mais dinâmica e mais
fluída aos olhos dos espectadores (TELLES et al., 2016).
No Brasil, apesar dos vários títulos conquistados, como os sul-americanos, um
pan-americano, participação em sete edições dos Jogos Olímpicos e diversas
competições regionais, nacionais e internacionais realizadas, o polo aquático não se
tornou um esporte de massa e nem ganhou uma significativa adesão de participantes
ou de espectadores (TELLES et al., 2016).

6 PRÁTICAS CORPORAIS DE AVENTURA

As práticas corporais de aventura são compostas por diferentes modalidades


esportivas, variando em risco, modos e ambientes. Quanto às diferenças de ambiente,
o meio líquido tem potencial para a prática de modalidades esportivas em que se usa
a água para o deslocamento.
As práticas corporais de aventura (PCAs) são manifestações culturais, tanto
contemporâneas quanto ancestrais, que, ao longo do tempo, foram adquirindo ares
esportivos, quando deixaram de ser exclusivamente praticadas no tempo livre ou de
lazer, ganhando um contexto competitivo e até mesmo profissional, o que cria uma

40
ideia de aventura e resgate histórico e da natureza dentro da sociedade (SOUZA;
ARAÚJO, 2016).
Nas PCAs, podemos identificar diferentes meios em que essas atividades
acontecem — aéreos, terrestres ou aquáticos, sendo o último o objeto de estudo deste
capítulo. As modalidades esportivas aquáticas consistem naquelas que acontecem
em contato com o meio líquido (i. e., a água), em mares, rios, lagos, piscinas e
corredeiras.
Sabendo que cerca de 70% da superfície do planeta Terra é composta por
água, não é difícil entender os motivos que levaram o homem a desbravar esse novo
território.
É inegável que o contato do homem com o meio aquático não data dos dias
atuais, mas desde a sua origem, já que se tornou responsável por fornecer
alimentação e condições de vida, além de permitir o deslocamento por longas
distâncias (TAHARA; SANTIAGO; TAHARA, 2006). Desde seu desenvolvimento na
barriga da mãe, a criança demonstra maior prazer nas atividades aquáticas, o que
resulta em reflexos e respostas motoras ao meio líquido característicos em cada fase
do desenvolvimento, ou seja, as respectivas capacidades neuromotoras de
movimento na água. Um dos fatores primordiais para que o indivíduo sinta prazer de
estar na água é descobrir as sensações que ela pode lhe proporcionar (SILVA et al.,
2016).

Essas novas sensações possibilitam que o corpo daqueles que praticam


atividades aquáticas se adapte a outros ambientes, desenvolvendo novas habilidades
e coordenando força e velocidade de maneira diferenciada (MONTEIRO, 2006), o que
favorece vivências novas e variadas nas atividades cotidianas (LEONARD;
HIRSCHFELD; FORSSBERG, 1991).
41
Nos estudos de Teixeira-Arroyo e de Oliveira (2007), observou-se que o quadro
geral de crianças com paralisia cerebral é muito beneficiado pela estimulação no meio
líquido, a partir de melhoras em habilidades como coordenação, equilíbrio,
lateralidade, esquema corporal, orientação espacial e temporal, além de favorecer a
relação do indivíduo com o próprio corpo e o ambiente.
Outro grupo beneficiado sobremaneira pelas atividades aquáticas,
principalmente a natação, é formado pelos asmáticos, considerado um tratamento
auxiliar para a asma, já que interfere positivamente na sua qualidade de vida pela
resistência que a água proporciona ao movimento da respiração da natação, além de
compreender uma atividade aeróbia (FREITAS et al., 2019).
A partir de agora, conheceremos mais profundamente algumas das
modalidades esportivas que se enquadram nas características das modalidades
esportivas de aventura aquáticas.

6.1 Modalidades

Entre as muitas modalidades esportivas de aventura aquática existentes, neste


capítulo abordaremos as características históricas, as definições e os equipamentos
presentes nas modalidades de bodyboard, surf, stand-up paddle (SUP), wakeboard,
kitesurf, windsurf, canoagem, rafting e mergulho.

6.1.1 Bodyboard

Derivado do inglês, o termo bodyboard significa “deslizar pelas ondas deitado


em cima de uma prancha”, uma espécie de “surf deitado”. Esporte recente, apareceu
pela primeira vez em 1970, difundindo-se por vários países, principalmente por ser
mais seguro e apresentar uma dificuldade menor graças à característica de ficar
deitado na prancha, mais curta e larga (AMADO, 2011).
Apesar de ser um desporto de deslize na onda deitado sobre uma prancha, o
bodyboard tem como características a velocidade e a realização de manobras e saltos
em diferentes rotações nos eixos corporais (SOUSA, 2016). Pode ser praticado por
pessoas de diferentes idades como lazer ou competitivamente, quando acontece em
mar aberto e o atleta realiza diversas manobras, somando pontos.

42
Para praticar bodyboard, são necessários alguns equipamentos, como os
listados a seguir.
 Nadadeira ou pé de pato: auxiliam na propulsão para pegar as ondas, além
de facilitar a saída do atleta de correntes marítimas.
 Prancha: é pequena e com um formato arredondado na frente e quadrado
na traseira, feita de material leve. Seu tamanho deve ser proporcional ao peso e ao
tamanho do praticante. À prancha, também é acoplado o lash, preso ao pulso do
atleta, impedindo-o que perca a prancha.
 Roupa especializada: o fato de o corpo estar em contato direto com a
prancha pode causar lesões no tronco, o que leva à necessidade de usar camisetas
de lycra ou de neoprene específicas para atividades aquáticas.

Fonte: O bodyboard... (2019, documento on-line).

6.1.2 Surf

Há muitos séculos atrás, os moradores das ilhas do Pacífico Sul, conhecidas


hoje como Polinésia, se aventuravam pelas ondas em cima de pranchas de madeira.
Mas apenas em 1778, quando o capitão James Cook em uma expedição marítima
observou a prática dos nativos e levou a modalidade para outros locais do mundo,
essa modalidade passou a ser praticada no mundo inteiro, tendo sua estreia marcada
nas Olimpíadas de Tóquio em 2020 (STUBBS, 2012; OLIVEIRA, 2007).

43
Além de ser uma modalidade esportiva e olímpica, o surf é carregado de
filosofias e culturas que perpassam a prática esportiva, impactando na criação de um
estilo de vida de seus praticantes — o conhecido “espírito Aloha”, que preza pela
simplicidade e pelo respeito a natureza, criando uma tribo identificável pela fala, pelas
vestimentas e até mesmo pelos estilos musicais (COSTA E SILVA, 2000).
De origem inglesa, a palavra surf significa “deslizar pelas ondas com uma
prancha”, ou seja, o surfista (atleta de surf) fica em pé em cima de uma prancha
deslizando sobre as ondas, realizando manobras ou não, até o momento em que
perde a velocidade. A modalidade é tradicionalmente praticada em mar aberto,
embora, atualmente, existam competições esportivas realizadas em piscinas com
ondas específicas para essa prática.
O surf pode ser praticado de maneira recreativa ou como lazer e competitiva;
no último caso, há duas modalidades diferentes: a primeira consiste na realização de
manobras em uma onda em que se somam pontos; e a outra é conhecida como tow-
in, ou surf em ondas gigantes, considerada um esporte extremo pelo alto risco que
envolve, no qual o surfista é levado de lancha ou jet-ski até um pico de ondas com
mais de 20 m de altura e, em pé na prancha, é puxado por um jet-ski até alcançar a
velocidade necessária para surfar na onda. A maior onda já surfada, na Califórnia, nos
Estados Unidos, tem 23,4 metros de altura.
Para a prática de surf, podemos utilizar uma prancha longa (longboard), mais
pesada e com pouca mobilidade, utilizada para permanecer mais tempo na onda sem
realizar manobras, ou uma mais curta, que permite realizar manobras em maior
velocidade, feita em madeira ou fibra de vidro e revestida com um material
impermeabilizado. Todo o processo de construção da prancha é artesanal e
personalizável. Para que o atleta consiga manter os pés na prancha com maior
facilidade, é utilizada a parafina, que dificulta que o surfista escorregue e possa, assim,
realizar manobras. Outra parte importante da prancha compreende as quilhas, que
funcionam como lemes e ficam localizadas na parte inferior traseira da prancha; ainda,
o lash fica preso ao tornozelo do atleta que fica na parte posterior da prancha, ligando-
o a ela e impedindo que se separe da prancha, impedindo-o de perdê-la (STUBBS,
2012).

44
Fonte: Cheng (2018, documento on-line).
6.1.3 Stand up paddle

O stand up paddle (SUP) constitui um híbrido entre o surf e a canoagem, uma


vez que, para a sua prática, utilizamos uma prancha pesada e alongada para ficar em
pé e um remo para fazer os deslocamentos. Trata-se de uma atividade que consiste
em remar uma prancha pela água, em locais calmos e sem ondas, como rios e lagos,
e, também, para surfar em ondas (ZAGARE; PEREIRA, 2015).
Hoje, o SUP é praticado de diferentes formas, como as listadas a seguir.
 Lazer: praticada amplamente nas praias ao redor do mundo de maneira
recreativa por pessoas de todas as idades.
 Race: corridas realizadas em percursos demarcados cujo objetivo é
completá-los no menor tempo possível.
 Rafting: consiste em descer corredeiras utilizando-se a prancha de SUP.
 Wave: similar ao surf, nessa modalidade o atleta utiliza o SUP para deslizar
nas ondas, ou seja, surfar.
 Challenge: travessias de longa distância.
As pranchas de SUP são bastante similares às de surf, inclusive quanto à sua
fabricação, com as mesmas partes e materiais — a maior diferença entre elas reside
no fato de que as pranchas para a realização do SUP devem ser mais largas e
grossas, facilitando a flutuação e a estabilidade e favorecendo a prática.

45
Fonte: Beginner... (2019, documento on-line).

6.1.4 Wakeboard

Modalidade que faz parte do esqui aquático, o wakeboard foi uma invenção de
Ralph Samuelson, que data de 1922, período em que Samuelson utilizava dois
pedaços de madeira finos e alongados para deslizar sobre a água, o que,
posteriormente, evolui para o esporte tal como o conhecemos hoje. A modalidade é
regulada pela Federação Internacional de Esqui (IWSF), que organiza campeonatos
mundiais a cada 2 anos, mas não é um esporte olímpico. As principais potências do
wakeboard são a Nova Zelândia, a Austrália, o Canadá, a Irlanda e a França
(STUBBS, 2012).
Por definição, o wakeboard compreende um esporte radical em que os atletas
podem alcançar uma velocidade de 37 km/h, sendo puxados por uma lancha enquanto
realizam manobras e saltos em alta velocidade. E, pelo fato de o esporte se utilizar de
um meio de transporte aquático, tanto a lancha quanto o piloto devem seguir as
orientações da Marinha do Brasil.
Em razão de o wakeboard proporcionar grandes riscos, principalmente pelas
manobras e pela velocidade alcançada, a Associação Brasileira de Wakeboard (ABW)
sugere algumas condutas e equipamentos durante a prática da modalidade: utilizar
sempre equipamento de proteção, como capacete e colete salva-vidas; evitar a prática
por pessoas com epilepsia; verificar sempre se todos os equipamentos estão bem

46
presos e em bom estado de conservação; e nunca ficar próximo ao banco quando
este estiver ligado (WAKEBOARD..., 2019, documento on-line).

Fonte: https://www.arraialferias.com.br/

As partes dos equipamentos do wakeboard se dividem em:


 Manete (handle): ligada ao cabo, é onde o atleta segura com as mãos para
acompanhar a lancha;
 Colete salva-vidas: deve ser utilizado por todos os praticantes e permite uma
rápida volta à superfície em caso de quedas ou acidentes;
 Cabo: liga o atleta à lancha que o transporta;
 Prancha e botas: as botas são unidas à prancha, o que permite que o atleta
realize manobras sem perder o contato com a prancha, que é mais curta e larga com
pequenos lemes nas partes inferior traseira e dianteira;
 Lancha: instrumento usado para carregar o atleta, que deve seguir as
normas da Marinha do Brasil.

6.1.5 Kitesurf

O kitesurf é considerado um esporte contemporâneo, embora haja relatos


históricos do século XII de pescadores da Indonésia, da Polinésia e da China que
utilizavam pipas para movimentar embarcações, sendo utilizado como recreação a
partir da década de 1970. A primeira tentativa de prática da modalidade com esquis

47
de neve e uma vela inflável para deslizar pelo mar se deu apenas no ano de 1984, até
alcançar os moldes atuais.
Modalidade esportiva que mistura surf, windsurf e wakeboard, a realização do
kitesurf depende de combinações específicas de condições climáticas e ambientais
— no Brasil, por exemplo, o número de praticantes tem crescido principalmente no
verão, quando as intensidades dos ventos e o calor favorecem a prática. O estado do
Rio Grande do Sul tem condições ideais para a prática do kitesurf, como ventos fortes
e constantes, em função da formação de planície litorânea bastante extensa
localizada ao sul do estado, com pouca influência de barreiras naturais (BERNEIRA
et al., 2011).
A palavra kitesurf é composta por duas palavras da língua inglesa, kite, que
significa “pipa”, e surf, “deslizar pelas ondas com uma prancha”, ou seja, trata-se do
ato de “deslizar pelas ondas com uma prancha utilizando uma pipa”, uma espécie de
paraquedas alongado que mede ente 5 e 20 m 2. A pipa tem quatro cabos finos com,
em média, 20 m de comprimentos ligados à barra, que permite ao atleta controlar a
pipa. A barra fica ligada ao atleta por um cabo preso ao trapézio, um cinto específico
da modalidade que representa um aspecto de segurança caso o atleta perca o
controle da barra (RODRIGUES, 2009)
Além de o kitesurf ser uma prática bastante difundida para o lazer, existem
modalidades competitivas (RODRIGUES, 2009), como as listadas a seguir.
 Estilo livre: quando os atletas realizam manobras e giros, sendo pontuados
por isso.
 Regata: os atletas perpassam um percurso determinado, tendo como
objetivo percorrê-lo no menor tempo possível.
 Hang time: uma competição de saltos em que o objetivo consiste em ficar o
maior tempo possível no ar.
 Velocidade: o objetivo é surfar o mais rápido possível; em alguns casos,
pode-se alcançar até 90 km/h.
 Nas ondas: parecido com o surf, os atletas realizam manobras em ondas.

48
Fonte: Kite surfing... (2015, documento on-line).

6.1.6 Windsurf

Com o nome resultado de duas palavras provenientes de língua inglesa —


wind, que significa “vento” e surf, “deslizar pelas ondas com uma prancha” —, o
windsurf se caracteriza pelo deslizamento pelas ondas com uma prancha movida pela
força do vento. Na década de 1940, já havia registros de pranchas adaptadas que
utilizavam velas para a navegação na Austrália, contudo, a primeira prancha à vela
construída e patenteada tem a alcunha de dois norte-americanos, Jim Drake e Hoyle
Schwitzer, em 1970, tendo sido considerados os pais do windsurf, um esporte aquático
veloz e acrobático. A modalidade teve sua primeira competição em nível mundial em
1983, tornando-se um esporte olímpico apenas em 1984. Além da modalidade
praticada nos mares, há uma modalidade indoor, que começou a ser praticada de
maneira competitiva em 1991 (STUBBS, 2012).
Além de compreender uma modalidade esportiva utilizada para o lazer, o
windsurf tem um caráter competitivo, com diferentes divisões ou modalidades que
visam a elementos diferentes da mesma modalidade, como velocidade, habilidade
técnica, manobras e estilo (STUBBS, 2012).

49
Fonte: Reid (2015, documento on-line).

6.1.7 Canoagem

O homem usa canoas para sua locomoção pelas águas há mais de 6 mil anos,
tendo alguns registros históricos apontando que, no século XVI, eram utilizadas, pelos
índios americanos, canoas feitas de madeira, em que o canoísta ficava ajoelhado e
utilizava remos para impulsionar a canoa para a frente (MARCHI; MEZZADRI, 2003).
A canoagem pode ser realizada tanto individualmente quanto em duplas,
representada pelas modalidades em águas paradas e de slalon.
 Águas paradas: realizada em lagos e outros locais em que haja águas
calmas e sem correnteza, os competidores devem percorrer um percurso determinado
sinalizado dentro de raias, que pode variar de 200 a 1.000 m, sendo vencido por
aquele que completar o percurso no menor período.
 Slalon: praticada em águas correntes ou em piscinas que imitam essa
condição, o canoísta deve desviar de obstáculos presentes no percurso até chegar à
marca final.

6.1.8 Rafting

O rafting é uma modalidade realizada nas corredeiras de rios por meio de botes
infláveis e remos com capacidade para 5 ou 10 pessoas, bastante procurada para o

50
lazer, principalmente por sua característica de cooperatividade, além do aspecto
lúdico e aventureiro, uma vez que é necessário entrar no rio e conquistá-lo,
desbravando-o de maneira consciente e saudável (SCHWARTZ; CARNICELLI FILHO,
2006). Para a prática, sempre há a necessidade de um instrutor ou guia registrado e
experiente em técnicas de canoagem (MARCHI; MEZZADRI, 2003).
Seu primeiro registro histórico data de 1869, durante uma expedição pelo rio
Colorado, nos Estados Unidos, com barcos a remo descendo corredeiras, mas foi em
1885, com algumas alterações como virar o acento do bote para a frente para melhor
enxergar o percurso, que se transformou na modalidade tal como conhecemos hoje
(MARCHI; MEZZADRI, 2003).

Fonte: Rafting ([201-?], documento on-line).

Além da conhecida prática de lazer, existem outras três modalidades


competitivas de rafting (MARCHI; MEZZADRI, 2003):
 descida: a equipe deve fazer um percurso de 2,5 a 6 km do rio, conforme a
categoria, no menor tempo possível;
 resgate: a equipe precisa cumprir um percurso de 300 a 600 m, realizando
tarefas como a virada do bote e resgate de um dos integrantes que está na água;
 slalom: percurso de 300 a 600 m delimitado por barreiras que devem ser
cruzadas pelos botes.
De modo geral, para praticar o rafting, é necessário dispor de um bote inflável
adequado à prática, remos (um para cada atleta), colete salva-vidas e capacete.

51
6.1.9 Mergulho

O mergulho é umas das principais atividades relacionadas ao turismo em áreas


marinhas protegidas (AMP), tendo apresentado maior crescimento na última década.
Em associação ao aumento da popularidade do turismo em áreas naturais, o
desenvolvimento de equipamentos de mergulho mais confiáveis e de custo menos
elevado, além de câmeras fotográficas e filmadoras subaquáticas digitais com maior
facilidade de utilizar e editam, tem contribuído substancialmente para a difusão do
mergulho e da fotografia e do vídeo subaquáticos (AUGUSTOWSKI, 2007).
Essa modalidade começou a ser praticada a partir do desejo humano de
explorar o mundo submarino, para buscar alimentos, realizar salvamentos, para
deslocamentos militares, para colher pérolas e realizar práticas de lazer ou esportivas
(DANCINI, 2005). Dessas necessidades iniciais, o mergulho evoluiu muito ao longo
dos anos, permitindo que, hoje, seja amplamente praticado em praias como forma de
lazer. Existem duas formas de realizar o mergulho: o mergulho de cilindro e a apneia.
A apneia consiste em mergulhar em piscinas ou no mar sem nenhum
equipamento, mantendo o ar nos pulmões, quando há uma suspensão voluntária da
respiração para manter o fôlego durante o mergulho. O grande desafio do
mergulhador de apneia consiste em manter o corpo sem a entrada de oxigênio, para
atingir a maior profundidade, percorrer a maior distância ou estabelecer o maior tempo
possível submerso. Para a conquista desses objetivos, no entanto, é preciso treinar o
corpo para alcançar um condicionamento físico e um autocontrole corporal que
possibilitem perceber os limites individuais. Além da falta de ar, outra dificuldade nessa
prática refere-se ao aumento da pressão, já que, quanto mais fundo o atleta desce no
oceano, maior a pressão, pois o peso da água faz pressão para baixo, causando
diversos tipos de alterações fisiológicas, o que exige um grande esforço para controlar
as sensações de desconforto. Trata-se de um esporte de risco, que requer do
mergulhador determinação, concentração, autocontrole corporal, domínio e controle
dos movimentos respiratórios, bem como um treinamento constante — na verdade,
essencialmente, seus praticantes precisam reaprender a respirar para que consigam
ficar sem respirar (DANCINI, 2005).
Na modalidade de mergulho de cilindro, são utilizados equipamentos
específicos para manter-se em segurança por longos períodos submerso:
52
 máscara de mergulho: oferece uma visão nítida do fundo do mar, além de
cobrir o nariz para permitir a respiração correta (no mergulho, ela acontece pela boca);
 nadadeiras: no mergulho, os movimentos das pernas são os responsáveis
pelo deslocamento do mergulhador. Assim como as utilizadas no bodyboard, esse
equipamento auxilia no deslocamento, apresentando vários modelos, conforme a
necessidade do mergulho e do mergulhador;
 lastro: equipamento utilizado para compensar a flutuabilidade causada
principalmente pela roupa isolante, nada mais é que um cinto com blocos de chumbo
que variam conforme o tamanho e o peso do mergulhador para este permaneça mais
perto do fundo;
 colete flutuador: mantém a flutuação do mergulhador e, como o próprio nome
sugere, dispõe de bolsas de ar que podem ser acionadas conforme a necessidade;
 cilindro de ar comprimido: equipamento que permite se manter por longos
períodos embaixo da água. Os cilindros pesam em média 12 kg, contendo
aproximadamente 2.400 L de ar comprimido;
 regulador: equipamento que permite que o ar comprimido saia do cilindro,
entrando em contato com o mergulhador, controlando a pressão para que seja
adequada para o organismo. Constitui-se por uma membrana que permite a
passagem do ar quando o mergulhador inspira e expira, sendo colocado na boca do
mergulhador;
 roupa: busca manter a temperatura corporal.

6.2 Benefícios da prática das modalidades esportivas de aventura aquáticas

As atividades aquáticas de aventura têm especificidades, podem ser praticadas


de maneira coletiva ou individual e, em sua maioria, apresentam baixo risco, embora
todas devam ser realizadas com equipamentos de segurança, como o colete salva-
vidas (LIMA, 2017).
Essas práticas também são de extrema importância para a aquisição e a
manutenção de hábitos mais saudáveis, por sua conexão com a água, que existe no
ser humano desde antes de seu nascimento, e envolvem fatores de proteção para a
saúde, como o contato com a natureza e o sol, e o aumento da capacidade muscular
e aeróbia (LIMA, 2017).

53
É inegável que as atividades aquáticas evoluíram sobremaneira, em técnica ou
em equipamentos, o que possibilitou que os esportes ficassem cada vez mais seguros,
chegando a ser praticados em escolas, principalmente o SUP, que apresenta
inúmeras possibilidades pedagógicas, sobretudo por poder ser realizado em piscinas,
desenvolvendo o equilíbrio e outras habilidades motoras dos estudantes (ZAGARE;
PEREIRA, 2015).
Tahara e Santiago (2006) afirmam que os benefícios das atividades realizadas
no meio líquidos podem se dar em diferentes aspectos — físico, psicológico e social.
 Aspecto físico: podemos citar a possibilidade de realizar atividades físicas
que promovam com pouco impacto nas articulações, estimulando a musculatura e a
manutenção do tônus muscular e efeitos positivamente significativos no sistema
cardiorrespiratório.
 Aspecto psicológico: refere-se às questões de saúde mental, autoestima
e diminuição do estresse.
 Aspecto social: como muitas modalidades esportivas aquáticas necessitam
de trabalho em equipe, elas favorecem as relações interpessoais, aumentando ou
estreitando os círculos de amizade com pessoas com interesses e práticas de lazer
em comum.
É possível ainda afirmar que as modalidades esportivas aquáticas recrutam
grandes grupos musculares, tanto em isometria quanto em contrações concêntricas e
excêntricas para garantir posturas adequadas, equilíbrio e os movimentos necessários
durante as práticas. O SUP, o surf, wakeboard e o wind surf, por exemplo, favorecem
o equilíbrio e fortificam os membros superiores, principalmente no caso do SUP, e
também da canoagem, que exigem os músculos da região dos ombros fortes para a
remada correta (ZAGARE; PEREIRA, 2015).
Assim, analisando tudo o que foi apresentado, é possível perceber que as
modalidades esportivas aquáticas são responsáveis por uma movimentação da
economia dentro do cenário de turismo de aventura, tornando-se uma ferramenta
amplamente utilizada para conscientização quanto à questão ambiental de
preservação dos recursos hídricos, além dos benefícios sociais, físicos e psicológicos,
com potencial para serem praticadas nas mais diferentes faixas etárias, com cenários
e objetivos distintos.

54
7 HIDROGINÁSTICA: ORIGEM HISTÓRICA E PECULIARIDADES

A origem das atividades aquáticas está atrelada à sua utilização com fins
recreativos e curativos. Esses mesmos movimentos que anteriormente eram
realizados de maneira informal, hoje estão relacionados a uma modalidade aquática,
não competitiva, chamada hidroginástica. A prática esportiva, que também é
conhecida como ginástica aquática ou aquaeróbica, pode ser entendida como uma
prática corporal que utiliza o meio líquido para melhorar a aptidão física
(FERNANDES, 2011).
A origem da hidroginástica esteve atrelada à civilização romana no período
compreendido entre 460 e 375 a.C., quando os povos viam os banhos como algo
sagrado e com finalidades terapêuticas, como forma de “hidroterapia” (FERNANDES,
2011).
Nos países europeus, nos séculos XVIII e XIX, os banhos mornos foram
utilizados como hidroterapia para a recuperação e alívio de espasmos musculares, e,
posteriormente, as temperaturas foram variadas, aprofundando o estudo sobre as
propriedades físicas da água. Desse modo, pode-se afirmar que a hidroginástica
derivou da hidroterapia, que surgiu na Alemanha para atender pessoas que
precisavam realizar exercícios físicos de forma segura, sem risco de causar lesões.
Naquela época, as aulas eram muito semelhantes à ginástica aeróbica, que foi
introduzida no Brasil no final dos anos 1980 e teve como primeiros participantes os
idosos, atraídos pelo baixo risco de lesão (FERNANDES, 2011).
A diferença da hidroterapia e da hidroginástica é que a primeira trata-se de uma
reabilitação individual para tratamento de lesões osteomusculares, por exemplo. Ela
não possui características de “aula”, como a hidroginástica, que, além dos fins
terapêuticos herdados da hidroterapia, possui um caráter descontraído, pois envolve
música, diversão e prevenção de doenças.
Uma das suas principais particularidades que difere a hidroginástica das
atividades físicas realizadas em terra está no fato de ela proporcionar ao indivíduo a
influência direta das propriedades da água, favoráveis aos objetivos pretendidos com
a prática (GALDI et al., 2004). Os mesmos autores também afirmam que, dentro da
água, a ação muscular é concêntrica, e, portanto, é raro ocorrer dor muscular pós-
exercício. Além disso, há a redução do impacto, que pode ser considerado um dos

55
aspectos mais vantajosos da sua prática, uma vez que possibilita a exploração de
exercícios com saltos sem que haja um estresse articular como ocorre no solo.
Para Cerri e Simões (2007), a hidroginástica proporciona o aprimoramento da
aptidão física, como força, flexibilidade, resistência muscular localizada e
coordenação, além de promover a sociabilização, fator que pode ser considerado uma
das principais motivações que levam as pessoas, particularmente os idosos, a
realizarem esse tipo de atividade. Souto et al. (2016) acrescentam que a hidroginástica
tem sido procurada por idosos e apresenta benefícios como redução da frequência
cardíaca, aumento do VO² máximo, da massa muscular, da amplitude articular, do
bem-estar físico e psíquico e melhora da função cognitiva.

Fonte: https://gardensc.com.br/

De modo geral, podemos considerar que a hidroginástica hoje faz parte de uma
modalidade fundamentada no conceito de fitness, que tem como finalidade melhorias
na saúde sob um aspecto fisiológico e funcional, e sob uma perspectiva da saúde
mental, do bem-estar em geral e da socialização de seus praticantes.

7.1 Estruturação da prática

A prática de hidroginástica é constituída de movimentos aquáticos específicos


realizados em pé e que se baseiam no aproveitamento da resistência da água como
sobrecarga. Sendo assim, os diferentes movimentos influenciarão na intensidade de

56
esforço, em que o grupo muscular envolvido é proporcional à intensidade imposta
(OLKOSKI et al., 2013).
Apesar de a hidroginástica ser favorável a todos os tipos de pessoas, o perfil
dos praticantes e as metas a serem alcançadas são especificidades que devem ser
levadas em consideração no planejamento das aulas. Nesta, vale destacar a estrutura
pedagógica da aula, que geralmente é comporta por: aquecimento (preparação do
corpo para a realização dos movimentos), parte principal (realização de atividades
específicas) e final (relaxamento de toda a musculatura) (GALDI et al., 2004). De
acordo com a Acquatic Exercise Association (2014), o objetivo da estrutura da aula é
facilitar o ingresso do corpo em um estado de exercício que, então, retorna
gradualmente ao estado pré-exercício, sendo que cada componente serve a um
objetivo fisiológico específico para minimizar o risco e melhorar o processo de
treinamento.
No Quadro abaixo, está a importância de cada uma dessas etapas:

Estrutura da sessão Características gerais


Aquecimento Etapa essencial, com duração de 5 a 10 minutos. Prepara o corpo para a
sobrecarga dos exercícios, mediante a adaptação do sistema
cardiovascular, ajustes na temperatura corporal e pressão periférica.
Parte principal Fase em que são propostos os exercícios dirigidos e determinados de
acordo com a programação, com duração de 40 a 45 minutos. A ênfase
está na melhoria da resistência aeróbia, força, resistência muscular
localizada e flexibilidade
Parte Final Volta à calma, desaquecimento gradual, com 5 a 10 minutos de duração.
Objetiva a diminuição da frequência cardíaca e da temperatura corporal.
Fonte: Adaptado de Galdi et al. (2004).
Segundo Galdi et al. (2004), essa estruturação possui características
específicas, e, por isso, são também aspectos que devem ser levados em
consideração, como apresentado a seguir.
 O aquecimento é iniciado como movimentos que envolvem todos os grupos
musculares com exercícios simples e multidirecionais, para, em seguida, situar-se nas
estruturas que irão compor a parte principal. Podem ser usados alongamentos
estáticos (que preparam as articulações para a realização das atividades,
ocasionando a produção do líquido sinovial e prevenindo possíveis lesões articulares)
ou alongamentos dinâmicos (úteis para elevar a temperatura corporal e aumentar o

57
aporte sanguíneo nos diferentes grupos musculares, e para provocar o aumento da
ventilação pulmonar, como, por exemplo, quando se caminha de uma borda à outra
da piscina movimentando os braços). Ainda no aquecimento, este pode ser concluído
com a aplicação de algum jogo, para auxiliar na sociabilização da turma e trazer mais
motivação à prática.
 A parte principal é composta por exercícios dinâmicos, que exigem
movimentação contínua do praticante, para que ocorra um aumento da frequência
cardíaca (FC) em torno de 70% da FCmáx, justificando melhorias da aptidão física.
As corridas de borda em borda, ou no lugar, podem ser utilizadas variando a
movimentação dos braços, pernas (chutes) e tronco (giros), com elevação de joelhos
ou o toque alternado de calcanhares no glúteo. Quando a resistência muscular
localizada é priorizada, devem ser executados movimentos específicos para cada
grupo muscular, intensificando o trabalho com o uso de acessórios como halteres,
macarrão e bola.
 Na parte final, o alongamento estático é recomendado sobretudo quando
tenha ocorrido o trabalho de resistência muscular localizada, visando à diminuição da
tensão e a prevenção de lesões. Nessa parte da aula também podem ser utilizados
jogos recreativos, massagens terapêuticas e relaxamentos.
Faverão (2018) salienta a importância da música e do lúdico numa proposta
metodológica e nos faz refletir sobre a importância de o profissional ter novas
possibilidades de trabalho e suprir, porventura, as delimitações de treinamento para
hidroginástica, como estrutura total da aula, duração e intensidade de cada exercício,
tempo e forma de recuperação.
Acredita-se que a estruturação de metodologias direcionadas para as
atividades aquáticas, assim como os benefícios em vários aspectos, têm colaborado
para a sua grande aceitação social (FERNANDES, 2011). O autor também cita os
diferentes programas de hidroginástica existentes no mercado, como acquagym,
ginástica aquática, hidroatividade, aquaeróbica, além das hidrovariações, como o
deep water (hidro sem tocar o pé no fundo da piscina); deep runner (corrida dentro da
piscina, sem tocar no fundo), hidroioga, hidrodança, hidrocapoeira, hidro power; hidro
local entre outras.
No planejamento de uma aula de hidroginástica, é importante levar em
consideração o processo de aprendizagem do movimento. Desse modo, para a ação

58
efetiva dos movimentos, a demonstração dos exercícios propostos, juntamente com a
instrução verbal, parecem ser componentes básicos para a aprendizagem motora.
Muitas vezes, o professor deverá “testar” se aqueles exercícios que propõe fora da
piscina tem o mesmo resultado dentro dela, com a resistência da água atuando.

7.2 Hidroginástica para grupos especiais

Atualmente, a hidroginástica é procurada por diferentes grupos — idosos,


gestantes, adultos —, e em diferentes contextos — clubes, academias e associações
— com diferentes objetivos e expectativas (FERNANDES, 2011). Ao ministrar aulas
de hidroginástica para grupos especiais, é importante que o professor de educação
física compreenda as propriedades físicas da água e sua aplicabilidade, para que seus
benefícios sejam potencializados naquelas pessoas.

7.2.1 Idosos

De acordo com Alves et al. (2004), em idosos, a hidroginástica apresenta


muitas vantagens, pois o as propriedades físicas da água possibilitam um melhor
rendimento dos exercícios e oferecem riscos menores à saúde. Em sua pesquisa, os
autores verificaram que programas de hidroginástica corroboram com melhorias da
aptidão física de idosos, como medida profilática importante no sentido de preservar
e retardar ao máximo os efeitos do envelhecimento sobre a aptidão física, contribuindo
também para a redução das taxas de mobimortalidade em idosos. No estudo de
Teixeira et al. (2018) com 60 idosos praticantes de hidroginástica, foi verificado que a
atividade contribui para melhorar a qualidade de vida dos praticantes, havendo uma
grande motivação pelo fato de ser realizada em grupo, auxiliando na socialização e
na formação de amizade entre os idosos.
De acordo com Baun (2010), adultos que já passaram da meia-idade precisam
de mais tempo para se aquecer e devem resfriar o corpo de forma mais gradual. É
aconselhável se movimentar em um ritmo que permita manter a estabilidade
musculoesquelética, com respiração plena e profunda. O treinamento de força é
também importante para os idosos, sendo interessante incluir de 8 a 10 exercícios de
fortalecimento e tonificação com 10 a 15 repetições de cada exercício, 2 ou 3 vezes
por semana. Exercícios de equilíbrio são primordiais na sessão de treinamento para
59
a prevenção de quedas em idosos, que é hoje um problema de saúde pública. É
aconselhável aquecer lentamente e depois aumentar a intensidade aos poucos,
monitorando o trabalho rumo a uma intensidade moderada. Quando necessário, deve-
se reduzir a intensidade, de modo que a resistência seja reduzida aos poucos,
movendo lentamente e minimizando sacolejos e pulos. Esse tipo de ação é necessária
para resfriar o corpo no término da parte principal, já que uma cessação abrupta de
exercícios vigorosos pode causar acúmulo de sangue nos membros, o que coloca
tensão desnecessária no coração, enquanto o corpo se esforça para levar o sangue
das extremidades ao tronco. Além disso, resfriar o corpo gradualmente é indicado para
a prevenção de dor muscular pós-exercícios.

7.2.2 Gestantes

Durante a gestação, a atividade física é uma prática segura e agradável.


Estudos comprovam que a variação da frequência cardíaca no terceiro trimestre
gestacional pode diminuir com a prática da hidroginástica, aumentando a atividade
vagal e evitando possíveis intercorrências gestacionais como a pré-eclâmpsia
(TAREVNIC et al., 2015). Além disso, na gestação, a hidroginástica possibilita o alívio
de desconfortos comuns durante a gravidez, principalmente o inchaço nos pés e
pernas em função da melhoria no retorno venoso. Pesquisas recentes têm
demostrado que a imersão na água associada à prática de exercícios diminui
significantemente o edema, a dor lombar, a fadiga e queixas gerais de desconfortos
normalmente vivenciadas pelas gestantes (BENEVIDES et al., 2012).
De acordo com Baun (2010), durante a gravidez, a mulher obtém um aumento
de peso gradual (entre 9 e 11 kg) e sustenta seu inevitável estresse sobre a região
lombar. Desse modo, durante a gestação, faz-se necessário exercícios de
fortalecimento muscular para que o aumento do peso corporal seja melhor sustentado
e, após o parto, para ajudá-las a carregar o bebê. A autora cita um estudo no qual
foram examinados os efeitos dos exercícios realizados em terra e na água, em
mulheres grávidas. Foi concluído que exercitar-se na água reduz o estresse térmico,
mantendo a temperatura da futura mãe dentro de níveis mais seguros para o feto, com
redução da frequência cardíaca e pressão sanguínea. A flutuabilidade da água é
responsável pelo alívio do peso da gravidez, tornando-se uma opção mais confortável,
além de eliminar o perigo de pulos ou trepidações.
60
Fonte: https://ciaathleticasjc.com.br/

7.2.3 Obesidade

Na obesidade, a hidroginástica se torna fundamental, uma vez que, através da


sua prática, há o incremento do metabolismo basal, que se torna de extrema
relevância no combate à obesidade, já que controla o percentual de massa gorda,
melhora a eliminação de lipídios no sangue e diminui a tensão arterial. Os mesmos
autores citam estudos que consideram que 1 hora de caminhada na água gera um
gasto energético de até 525 calorias, ao passo que a mesma caminhada em terra
queima até 240 calorias. Além disso, a caminhada na água apresenta a vantagem de
diminuir o risco de lesão e as sensações de calor e suor.
De acordo com Baun (2010), para pessoas que precisam emagrecer a fim de
recuperar a mobilidade e a boa saúde, a hidroginástica é a atividade mais indicada,
uma vez que exercitar-se na água queima mais calorias em menos tempo do que
executar exercícios similares em terra. Uma sessão de 30 minutos na água equivale
a uma sessão de 45 minutos em terra, o que faz da hidroginástica uma excelente
forma de obter trabalho cardiorrespiratório com queima de calorias em uma base
regular.

7.2.4 Outros grupos especiais

De acordo com Vieira, Porcu e Buzzo (2009), a hidroginástica mostrou-se um


auxiliar terapêutico benéfico no tratamento do transtorno de ansiedade, com redução

61
do nível de ansiedade no grupo de participantes, mostrando-se, portanto, um
tratamento complementar eficaz. A prática influenciou também no estado de humor,
evidenciando que o grupo praticante apresentou melhor perfil de saúde mental
positiva.
Estudos também mostram que a hidroginástica é considerada a melhor terapia
para quem sofre com dores articulares, osteoartrite ou artrite reumatoide. Exercícios
regulares ajudam a manter as articulações em movimento, restaurando e preservando
a flexibilidade e a força, ajudando a melhorar a coordenação e a resistência. A água
proporciona um ambiente confortável para pacientes com artrite se exercitarem com
suavidade e sem dor. A flutuabilidade auxilia na sustentação do corpo, reduzindo o
estresse sobre as articulações e proporcionando maior amplitude de movimento
(BAUN, 2010). Se a água morna alivia a artrite, significa que esse é o exercício mais
apropriado, e a temperatura deve estar entre 28 e 31ºC antes de entrar na piscina.
Já para pessoas com fibromialgia, os estudos têm demonstrado que a
hidroginástica realmente pode ajudar na redução dos sintomas de dor e melhorar a
qualidade de vida, a flexibilidade muscular e a força, reduzindo o desconforto causado
pela doença (BAUN, 2010). Em pessoas com fascite plantar (dor aguda e intermitente
ou intensa queimação no calcanhar ou na sola do pé), a hidroginástica também tem
sido bastante recomendada, assim como para pessoas com esclerose múltipla,
diabetes, etc. (BAUN, 2010).
Baun (2010) cita algumas das rotinas específicas de exercícios aquáticos que
podem ser desenvolvidas para alguns dos grupos especiais elencados acima, que
necessitam de algumas precauções.

Grupo Aquecimento térmico Parte principal: Alongamentos finais


especial (5’) + Alongamento (5’) Exercícios aeróbicos e de para resfriamento (10
fortalecimento muscular a 15 minutos)
Gestantes Começar lentamente, Aquecer de forma gradual, Alongamentos,
aumentando a manter um ritmo moderado mantendo-se na posição
intensidade de forma e resfriar lentamente (p. ex., por 20 a 30 segundos.
gradual. Exemplo: passada lateral ampla).
caminhada na água, Exercícios de flutuação (p.
corrida ou marcha com ex., com espaguete, esqui
elevação do joelho, aquático). No fortalecimento
muscular, comece devagar,

62
alongamento região aumentando gradualmente
lombar, etc. (p. ex., Flexão e extensão
do braço).
Idosos Escolher a intensidade Começar lentamente, Completar todos os
de exercícios apropriada elevar a intensidade de alongamentos finais e de
ao nível de aptidão física forma gradual até a resfriamento, mantendo
do idoso. Alinhamento intensidade moderada. Nos um alinhamento corporal
corporal correto, corrida últimos 10 minutos, reduzir correto. Alongar por 10 a
e pedaladas leves. No gradualmente a 30 segundos. Não
alongamento, evitar ir intensidade. No executar movimentos
além da amplitude fortalecimento, executar de que causem desconforto
normal. forma constante e extremo.
controlada, iniciando com 8
repetições e aumentando
para 16 ou mais.
Artrite Aquecimento breve, Exercícios aeróbicos com Alongamentos estáticos,
como caminhada na flutuação é opcional. mantendo as posições
água, corrida ou marcha Exercícios para ampliar de alongamento por 20
com elevação dos movimentos e de segundos.
joelhos. Realizar fortalecimento se fazem
alongamentos que necessários (p. ex.,
considerar confortáveis, tesouras laterais
nunca dolorosos, flutuantes).
mantendo alongado
levemente por 10
segundos.
Fascite plantar Aquecimento térmico de Evitar movimentos com Alongamento mantendo-
5 minutos, alongamento pulos até não sentir mais se em cada posição por
mantendo a posição por crises de dor, até 20 segundos.
10 segundos. Atenção recuperação total e até os Alongamentos que
especial aos sintomas não serem mais apresentam maior
alongamentos com agravados por saltos. desafio para os
ênfase nos membros Indicado exercícios em músculos que controlam
inferiores. flutuação. Incluir a solo do pé são
movimentos de indicados na última
fortalecimento e tonificação sequência, a fim de
quando não houver mais garantir que eles
sintomas, concentrando-se estejam alongados e
na flexão dos dedos do pé, preparados para o seu
extensão dos tornozelos,

63
elevação dos dedos do pé, papel de estabilização
etc. da postura ereta.
Fonte: Adaptado de Baun (2010).

Em idosos, têm-se a opção de começar com 5 a 10 minutos de exercícios


aeróbicos e adicionar gradualmente 1 minuto a cada semana. Em pessoas com
obesidade, não foram elencadas medidas preventivas; no entanto, acredita-se que
quanto maior a intensidade do exercício aquático, maior o gasto calórico, o que
favorece o emagrecimento. Porém, deve-se estar atento a outras comorbidades que
podem estar associadas à obesidade, como hipertensão e diabetes.

7.3 Programa de hidroginástica para todos os grupos

De acordo com a Acquatic Exercise Association (2014), para a elaboração de


programas de liderança em hidroginástica, faz-se necessário, além da atenção
especial aos elementos de composição da aula (aquecimento, parte principal e parte
final), um entendimento sobre a variação no formato do programa e a que grupo eles
serão destinados.

Treinamento em circuito: Chamado de treinamento por estação, sendo que as


estações podem ser cardiorrespiratórias, de condicionamento muscular, de
flexibilidade ou de qualquer combinação. Deve ser guiado pelo instrutor, havendo um
tempo de permanência em cada estação. (AEA, 2014).

Treinamento intervalado: Composto por uma série de ciclos de trabalho que incluem
segmentos de alta e de baixa intensidade. (AEA, 2014).

Exercício de dança aquática: Sequência de coreografia mais altamente


desenvolvida e que pode incorporar movimentos orientados para a dança. São
ensinados segmentos de combinação durante o aquecimento para preparar os alunos
para o que está à frente. (AEA, 2014).

64
Condicionamento físico em piscina funda: Opção de exercício sem impacto, que
permite a amplitude total de movimentos sem restrições, podendo ser realizado por
alunos de todas as alturas. (AEA, 2014).

Step aquático: Trata-se de um programa de condicionamento físico que incorpora


degraus para subir e descer durante uma parte da aula. (AEA, 2014).

Hidroginástica Caminhadas vigorosas com passos largos: Pode ser utilizada


como aquecimento, relaxamento ou formato inteiro da aula, com a elaboração de
padrões de caminhada. (AEA, 2014).

Condicionamento muscular: Foca na força e resistência muscular, com atividades


de alongamento e flexibilidade. Geralmente, utiliza equipamentos a fim de promover
resistência adicional para sobrecarga contínua no músculo. (AEA, 2014).

Kickboxing aquático: Treino intervalado que usa mudanças de velocidade e


resistência para criar ciclos de treinamentos eficientes. Há chutes, socos e bloqueios.
(AEA, 2014).

Ciclismo aquático: Com bicicletas estacionárias, tem se tornado uma opção para o
treinamento em grupo, personalizado ou reabilitação, indicado para todos os níveis de
habilidade. (AEA, 2014).
Pré e pós-natal: Para mulheres na gestação, de maneira segura e confortável. (AEA,
2014).

Programas para artrite: O foco está em readquirir e manter a amplitude de


movimento e as habilidades funcionais sem comprometimento da segurança. (AEA,
2014).

Ai chi: Combinação de respiração profunda e movimentos lentos. (AEA, 2014).

65
Pilates, tai chi e ioga aquáticos: Exercícios adaptados dessas modalidades, com
foco nas técnicas de respiração, força de core, ativação muscular, alinhamento
corporal e flexibilidade. (AEA, 2014).

Diante do contexto, podemos pressupor que “[...] diretrizes gerais são


recomendadas para a formatação de aulas com concessões para considerações
ambientais, variações de programas e objetivos e habilidades dos alunos [...]”
(ACQUATIC EXERCISE ASSOCIATION, 2014, p. 175).
Além disso, vale ressaltar que a água pode realmente oferecer algo a todos,
desde alunos sem condicionamento até atletas de elite à grupos especiais. Os
benefícios possíveis incluem ganhos de força, flexibilidade e benefícios
cardiovasculares. Para tanto, o planejamento da aula se torna de suma importância,
devendo incentivar a criatividade e, ao mesmo tempo, efetividade e diversão.

Fonte: https://revistapilates.com.br/

8 INFLUÊNCIA DA ÁGUA NO DESEMPENHO ESPORTIVO

A biomecânica é a ciência que estuda as forças internas e externas que atuam


no corpo humano e os efeitos produzidos por elas. O ambiente aquático é repleto de
particularidades, dentre elas, estão os princípios hidrodinâmicos norteados pelas
propriedades físicas que explicam as especificidades do movimento no meio líquido.

66
Especialmente no que diz respeito aos movimentos na água, seu entendimento
é importante para a avaliação desse desempenho e para compreender os
fundamentos de esportes como a natação e demais atividades aquáticas.

8.1 Os princípios hidrostáticos e hidrodinâmicos

Desde há muito tempo os seres humanos desenvolvem fortes relações com o


meio aquático, utilizando-se da água para diversas necessidades, como os povos
mais primitivos que usavam a água fugir de um incêndio na floresta, para escapar de
algum inimigo ou animal feroz ou para procurar comida, e de civilizações mais
avançadas, como marinheiros que marchavam de forma irresistível para o mar em
busca de novas descobertas e negociações nos períodos das grandes navegações
(THOMAS, 1999).
Ainda, nos dias atuais, onde através de grandes tecnologias se consegue
vasculhar os oceanos em busca de novos combustíveis, como o pré-sal, ou, ainda,
construir enormes pontes que atravessam rios e até mesmo oceanos, como o
Eurotunel, que liga a França à Inglaterra pelo Canal da Mancha. Indiferente do motivo,
a história do ser humano com a água é fascinante, sendo utilizada para as mais
diversas tarefas ou, simplesmente, para se refrescar e se divertir nos dias mais
quentes (LOSS; CASTRO, 2010).
Apesar dessa longa relação histórica entre os humanos e a água, isto não quer
dizer que a movimentação no ambiente aquático é completamente natural para os
humanos, muito pelo contrário, o processo de adaptação ao meio aquático é
fundamental para que seja possível o desenvolvimento de habilidades e funções
motoras básicas que possibilitem, posteriormente, o aprendizado das técnicas dos
esportes aquáticos. Esse processo de adaptação ao meio aquático é desenvolvido
com diferentes estratégias e objetivos, mas todos fundamentam-se nas premissas de
que o ser humano não é naturalmente um ser aquático e de que as características
físicas da água, que são distintas das características físicas do meio terrestre, levam
a novos comportamentos motores frente às novas e misteriosas forças que surgem
da relação do corpo do indivíduo com a água (THOMAS, 1999; HALL, 2017).
Para compreender completamente o processo de adaptação ao meio aquático,
precisamos visualizar que as restrições ao movimento são impostas pelo ambiente,
pelo organismo e pela tarefa, isto é, o meio aquático é um ambiente novo, regido por
67
uma série de forças que pouco se assemelham às do meio terrestre; o organismo, isto
é, o sujeito, também está experenciando novos estímulos, que promovem percepções
e sensações diferentes para seus sentidos, isto é, estar e se movimentar dentro da
água, é algo completamente novo e pouco habitual (LOSS; CASTRO, 2010).
Em outro lado, podemos observar através de diferentes modalidades esportivas
que, após muito período de treino, o ser humano é capaz de romper a barreira de
adaptação ao ambiente aquático e demonstrar total controle de seu organismo e suas
tarefas, conseguindo alcançar altas velocidades nas provas de natação rápida,
sustentar a velocidade por bastante tempo nas provas longas de natação (de fundo),
performar diversas expressões corporais e físicas, como nas provas de nado
sincronizado, e até mesmo combinar tais movimentos, associados ainda à flutuação
constante, como ocorre com os jogadores de polo aquático. No entanto, é importante
destacar que, mesmo os atletas do mais alto nível, como César Cielo, Ian Torp e
Michael Phepls, em algum momento estiveram frente à estranha situação de tentar
compreender todo aquele novo cenário que é o movimento no ambiente aquático e
suas misteriosas forças (THOMAS, 1999).

Fonte: https://www.natacaomormaii.com.br/

8.2 Forças estáticas no meio líquido

O movimento no meio líquido é desafiador pois a compreensão sobre como o


corpo humano se adapta às leis da física na água e como esses princípios
hidrostáticos e hidrodinâmicos agem no desenvolvimento de práticas esportivas, de
lazer, aprendizagem ou reabilitação motora, tornam-se relevantes. O ambiente
68
aquático é o meio que apresenta características específicas, dentre as quais, os
princípios mais importantes a serem considerados, segundo Corrêa e Massaud
(1999), envolvem a compreensão de princípios e forças hidrostáticas e
hidrodinâmicas; a hidrostática analisa as forças que atuam em fluidos em estado de
repouso, isto é, simplesmente do corpo estar na água, já sofre suas ações, enquanto
as forças hidrodinâmicas referem-se às forças que irão atuar frente a perturbações
criadas pelo movimento. (CASTRO; CORREIA; WIZER, 2016).

9 EXERCÍCIO FÍSICO PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

A inatividade física está intrinsecamente relacionada à severidade de certas


doenças crônicas, e, com isso, a prática regular de exercícios físicos passa a
representar uma ferramenta fundamental para a promoção da saúde. Dentre as
doenças crônicas existentes, abordaremos nesta seção aquelas que abrangem
grandes populações e que mais apresentam benefícios diretos advindos de atividades
físicas regulares: doenças arteriais, depressão, diabetes, osteoporose, obesidade,
câncer e asma. Porém, para que esses benefícios à saúde sejam conquistados e
conduzam à melhoria de diferentes quadros clínicos crônicos, é preciso analisar com
cuidado as especificidades de programas de treinamento para cada uma dessas
populações especiais, conduzindo a uma intervenção prática eficiente e adequada às
necessidades de cada indivíduo.

9.1 Atividade física e qualidade de vida

Adultos cujo estilo de vida inclui a prática frequente de atividades físicas obtêm
uma redução da incidência de várias doenças crônico-degenerativas, e até mesmo
redução da mortalidade envolvendo acidente cardiovascular e cerebral. Tratando-se
de crianças e adolescentes, atividades físicas regulares podem contribuir para
melhoria do perfil lipídico, melhoria do desempenho metabólico e redução da
prevalência de obesidade, um dos maiores problemas do século XXI. Além disso,
números indicam que crianças e adolescentes ativos tendem a se tornar adultos
também ativos, criando-se uma cultura prática que traz resultados para a vida toda
(LAZZOLI et al., 1998).

69
Por consequência, e do ponto de vista da saúde pública, é fácil compreender
que a promoção da atividade física na infância e na adolescência significa estabelecer
uma base sólida capaz de reduzir a possibilidade de sedentarismo na idade adulta,
contribuindo para uma melhor qualidade de vida (LAZZOLI et al., 1998).
Nesse sentido, é possível compreender que a prática frequente de atividades
físicas causa mudanças internas e externas no corpo humano, que ultrapassam as
fronteiras da estética e atingem diretamente a qualidade de vida. Por si só, a atividade
física não pode ser responsável por um êxito completo nessa esfera, pois uma
alimentação balanceada também é um fator determinante para a manutenção dos
benefícios propiciados pela atividade física. De todo modo, os benefícios da atividade
física ao nosso corpo são inúmeros, e os 10 principais são listados no Quadro a seguir:

Área de atuação Benefício


Obesidade A atividade física regular é uma das maiores responsáveis pela
manutenção do peso em condições que não ultrapassem a faixa do
sobrepeso ou da obesidade.
Pressão alta e cardiopatias A atividade física controlada e orientada por um profissional é uma das
formas de tratamento para indivíduos com hipertensão e pessoas que
sofrem com algum tipo de cardiopatia.
Colesterol O controle dos níveis de colesterol no organismo é um dos benefícios
que a atividade regular pode trazer ao praticante.
Resistência e plasticidade O exercício físico regular é responsável pelo desenvolvimento de uma
muscular e articular maior resistência muscular e articular, bem como pelo aumento de sua
elasticidade, o que reduz a propensão a lesões
Depressão A atividade física está comprovadamente atrelada a alterações
neurais e hormonais, e, por isso, é uma alternativa para o auxílio do
tratamento de transtornos e algumas doenças psicológicas.
Insônia A regularização do sono é uma das maiores buscas do século XXI, e
a prática física traz claros benefícios neste quesito.
Serotonina Conhecida como hormônio do bem-estar, a serotonina é produzida a
partir da prática regular de atividades
Estresse e ansiedade Reconhecidos pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como os
maus do século, o estresse e a ansiedade afligem a maior parte da
população mundial; a prática regular de exercícios físicos diminui suas
taxas de prevalência no organismo.
Libido Responsável pelo desejo sexual, a libido é aumentada por meio da
prática regular de atividades físicas.

70
Sistema imunológico A prática de atividades físicas frequentes é responsável pelo
fortalecimento do sistema imunológico e, consequentemente, pela
diminuição da propensão do corpo a doenças.
Fonte: Adaptado de LAZZOLI et al., 1998.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte (LAZZOLI et al.,


1998), os princípios gerais que regem as reações do nosso corpo aos exercícios
físicos e ao treinamento são os mesmos para qualquer faixa etária, ou seja, os
benefícios recém-citados estão ao alcance de qualquer ser humano.
Agora que você já sabe quais são os principais benefícios da prática regular de
atividades físicas, examinemos como o exercício físico pode ser um fator de proteção
para a redução de doenças crônicas e diminuição do risco de vida.

9.2 Exercício físico e doenças crônicas

Para Gualano e Tinucci (2011), a inatividade física pode ser relacionada, de


forma intrínseca, à severidade de doenças crônicas, e, sendo assim, o exercício físico
passa a ser uma das mais importantes ferramentas para a promoção da saúde. Dentre
todas as doenças crônicas existentes, abordaremos as que estão mais vinculadas aos
estudos epidemiológicos realizados por Goodpaster et al. (2006), que indicam uma
relação direta entre a falta de exercícios físicos regulares e o aumento da incidência
de tais patologias.
Já Katzmarzyk e Janssen (2004) especificam a elevação percentual de
incidência de doenças crônicas relacionadas à falta de exercícios físicos:
 45% na propensão de doenças arteriais;
 60% em casos de infartos agudos do miocárdio;
 41% em casos de câncer de cólon;
 50% em diabetes do tipo 2;
 59% em casos de osteoporose.
Todos esses dados são indicadores da necessidade de se estabelecer uma
rotina com bons hábitos e prática frequente de atividades físicas. Entretanto, mais do
que conhecer os percentuais e as doenças, precisamos entender as relações
fisiológicas do corpo frente à atividade física e como a prática de exercícios auxilia no
combate às principais patologias.
71
9.2.1 Doenças arteriais

Não muito tempo atrás, o exercício físico ainda era um tabu para pessoas com
algum tipo de doença arterial, pois a ciência enxergava a prática como algo nocivo à
saúde do paciente. Contudo, novos estudos destituíram o mito e revelaram inúmeros
benefícios para os pacientes com doenças arteriais (WILLMORE; COSTILL; KENNEY,
2010). O Instituto do Coração garante que o exercício físico monitorado é capaz de
auxiliar na dilatação dos vasos sanguíneos mais periféricos, além de levar a uma
diminuição da frequência cardíaca de repouso, ou basal, que é um dos fatores
principais da hipertensão.

9.2.2 Depressão

A depressão é considerada uma das doenças que mais afligem a população


mundial nos tempos atuais. Para Lane e Lovejoy (2001), o exercício físico tem
resultados diretos sobre indivíduos com quadro de depressão, e, de fato, seus estudos
conseguiram encontrar uma relação direta na melhora de humor em pacientes que
praticavam exercícios físicos.
Nesse contexto, atividades como ioga e exercícios aeróbicos são os mais
indicados para esses casos, pois os aspectos relacionados ao controle respiratório
são muito significativos para as fases de inspiração e expiração.

9.2.3 Diabetes

A prática de exercícios físicos como recurso para melhoria do quadro de


diabetes está diretamente vinculada ao efeito potencializador das atividades físicas
no movimento orgânico de quebra das moléculas de glicose, gerando energia e,
assim, simulando a função do hormônio da insulina (WILLMORE; COSTILL; KENNEY,
2010).
Além disso, pesquisas apontam para a redução do teor de gordura visceral em
órgãos como coração e rins, o que também ajuda a reduzir o risco de infarto agudo
do miocárdio, que, mesmo não sendo uma doença crônica, apresenta uma relação
intrínseca com indivíduos que têm diabetes.

72
9.2.4 Osteoporose

Ao contrário do que muitos pensam, a osteoporose não é uma doença que


atinge apenas a população de mais idade. As mulheres, por exemplo, já a partir da
menarca param de produzir tecido ósseo. Ademais, a OMS (2014) relata que quase
metade das mulheres do mundo sofrerá uma fratura vertebral até os 80 anos de idade.
Dentre os princípios do tratamento que auxiliam na neutralização dos impactos da
perda de tecido ósseo, o exercício físico surge como um grande aliado, pelo fato de
conseguir contemplar grande parte das necessidades do tratamento.
A atividade física de impacto ajuda o corpo a gerar massa óssea, apresentando,
assim, forte potencial osteogênico. Todavia, é de grande importância ter os devidos
cuidados no que diz respeito a frequência, carga e intensidade de treinamento, pois
cada caso deve ser tratado mediante sua especificidade (BUTTROS et al., 2011).

9.2.5 Obesidade

Para Prado et al. (2009), a obesidade é uma doença inflamatória sistêmica, ou


seja, uma doença crônica relacionada à grande concentração de adipocinas no
organismo, capazes de alterar o estado de saúde geral dos indivíduos. Embora
poucos entendam a obesidade como doença, este é o primeiro passo para seu
tratamento.
O exercício físico surge para a obesidade como um modulador direto dos
processos corpóreos, causando uma eficiente resposta às inflamações contidas nas
adipocinas. Indivíduos que se exercitam elevam seu consumo calórico, o que, aliado
a uma ingestão calórica inferior ao despendido, gera uma curva nutricional e
metabólica descendente, que inverte a balança energética e propicia a melhoria
clínica do sujeito com obesidade.

9.2.6 Câncer

Em termos dos benefícios oriundos das atividades físicas, o Instituto Nacional


do Câncer (2018) afirma que atividades físicas regulares com duração de 30 minutos
já são suficientes para auxiliar na prevenção de três tipos de câncer: de mama, de
endométrio e de cólon.

73
Além de um grande aporte em termos de prevenção, a atividade física regular
também representa uma das ferramentas de tratamento para diferentes tipos de
câncer, sendo um forte aliado na busca pela neutralização dos sintomas oriundos da
doença e dos efeitos advindos de tratamento por quimioradioterapia.

9.2.7 Asma

Mesmo com uma grande necessidade de adequações e controle de ritmo e


intensidade de treinamento, pessoas que sofrem de asma podem ser muito
beneficiadas pela prática de atividades físicas frequentes, isso porque tais atividades
ajudam a aumentar sua capacidade respiratória, propiciando trocas gasosas
benéficas capazes de suavizar os sintomas da doença.
No entanto, para Freitas, Silva e Carvalho (2015) é importante ter cuidado, pois
em períodos de crise, a atividade física não é benéfica para indivíduos asmáticos. Os
exercícios aeróbios são os mais recomendados, além das atividades em meio
aquático, já que dentro da água ocorre uma resistência no momento da expiração,
fazendo com que os músculos respiratórios sejam fortalecidos.
Agora que você está a par das devidas informações referentes aos benefícios
dos exercícios físicos regulares e da sua relação com a melhoria de diferentes quadros
clínicos crônicos, vamos analisar melhor as especificidades de programas de
treinamento de populações especiais, com o objetivo de adquirir dados relevantes
para uma intervenção prática eficiente e adequada às necessidades de cada
indivíduo.

9.3 Programas de exercícios para populações especiais

Dentro das áreas da saúde e do esporte, é muito raro encontrarmos definições


técnicas para populações especiais ou grupos especiais (ANDRELLA; NERY, 2012).
Muitos, inclusive, confundem grupos especiais com pessoas com deficiência.
Portanto, é imprescindível, antes de mais nada, definir grupos especiais:

[...] todo indivíduo que apresenta algum problema de saúde ou condição de


caráter irreversível ou não, que interfira diretamente na prática esportiva ou
que apresente cuidados específicos para participar de um programa de
exercício físico, se encaixa em alguma população de grupos especiais.

74
Pensando dessa forma, podemos exemplificar algumas populações
especiais, como: diabéticos, hipertensos, ateroscleróticos, crianças, obesos,
tabagistas, cardiopatas, grávidas, deficientes físicos, deficientes cognitivos,
pessoas com síndromes metabólicas ou síndromes genéticas, lesados
medulares e cerebrais, etc. (IESPE, 2017, documento on-line).

Diante da explicação, é possível identificar muitas das doenças crônicas citadas


neste capítulo e, a partir disso, entender que as populações especiais são muito mais
comuns do que se pode imaginar. Por isso, é de extrema importância que tenhamos
os devidos conhecimentos para melhor auxiliar e atender as necessidades de cada
indivíduo (ANDRELLA; NERY, 2012).
Para elaborarmos um programa de treinamento ou atividade física para um
indivíduo que apresenta alguma limitação ou dificuldade oriunda de uma doença
crônica, não podemos esquecer que cada tipo de população e/ou doença demanda
uma determinada abordagem, e, quando não adequada à realidade, tal abordagem
terá impactos extremamente negativos na vida e no quadro clínico do indivíduo em
questão. Assim, na preparação de programações de treinamento para populações
especiais, as adaptações ou supressões técnicas aos programas estão muito
atreladas às necessidades caso a caso.

Mesmo diante de todas especificidades e demandas, é de suma importância


compreender que não existe uma fórmula única e pronta para elaboração de
programas de treinamento, mas sim balizadores conceituais capazes de nortear a
proposta do profissional. Sendo assim, é dele a responsabilidade de buscar um
75
entendimento maior do quadro e do histórico de cada indivíduo atendido, bem como
de pesquisar um arcabouço teórico que sustente suas práticas perante a necessidade
de adaptação ou não das atividades. Assim, fica claro que a presença do professor
de educação física, aliado aos demais membros da área da saúde, é de primordial
importância para que se possa atingir com maior êxito as demandas de cada indivíduo
e sua doença crônica.

10 RESPOSTAS E EFEITOS FISIOLÓGICOS DOS EXERCÍCIOS EM IMERSÃO

Alterações hemodinâmicas, neuromusculares, metabólicas e teciduais são


efeitos fisiológicos causados pelo resfriamento ou aquecimento de qualquer
substância que altera a temperatura corporal. Porém, os efeitos fisiológicos causados
pela água são decorrentes das propriedades físicas da água, mas dependem de
outros fatores como temperatura da água, profundidade da piscina, tipo e intensidade
das atividades realizadas, duração da hidrofisioterapia, postura dos pacientes e suas
condições clínicas.
Além das respostas fisiológicas que precisam ser estudadas separadamente, a
imersão também traz importantes benefícios psicológicos, como aumento da
autoestima, aumento do senso de independência, diminuição da ansiedade e
aprendizado de novas habilidades. (FORNAZARI, 2015).

10.1 Sistema cardiovascular

Os efeitos cardiovasculares são dados principalmente pela pressão


hidrostática, além da temperatura da água. Quando um indivíduo entra na piscina,
ocorre uma vasoconstrição momentânea, que resulta em um aumento da resistência
vascular periférica e da pressão arterial. Entretanto, durante a imersão em água
aquecida ocorre aumento da circulação sanguínea e redistribuição do sangue, que
favorece o fluxo sanguíneo devido à vasodilatação periférica, aumentando o
suprimento sanguíneo na musculatura e ajudando o retorno venoso. (FORNAZARI,
2015).
Em resumo, em imersão até o pescoço, pelo aumento da pressão hidrostática
que promove compressão linfática e venosa, o volume sanguíneo central aumenta,

76
provocando elevação da pressão atrial com aumento do volume cardíaco. Esse
mecanismo resulta em um aumento de aproximadamente 35% no volume sistólico e
de 30% no débito cardíaco, sendo que a variabilidade na alteração da frequência
cardíaca para menos está relacionada à temperatura da água. (FORNAZARI, 2015).

10.2 Sistema respiratório

As alterações fisiológicas ocorridas no sistema circulatório estão relacionadas,


em parte, aos efeitos sobre o sistema respiratório.
Por consequência do deslocamento do sangue venoso periférico para a
cavidade torácica, somada ao efeito da pressão hidrostática exercendo maior pressão
na expansibilidade do tórax, o trabalho respiratório sofre um aumento importante
quando em imersão até o pescoço. Em consequência, o volume de reserva expiratória
(VRE) diminui pela metade e a capacidade vital (CV) em torno de seis a 12%, sendo
que a combinação desses dois fatores leva ao aumento de aproximadamente 60% no
trabalho da respiração. (FORNAZARI, 2015).
Sendo assim, essa maior carga de trabalho ventilatório pode auxiliar na
eficiência e força do sistema respiratório. Entretanto, indivíduos com redução da vital
(abaixo de 1.500 ml) podem apresentar dificuldades na respiração e não devem
permanecer em imersão com nível de água acima do processo xifoide, pois a pressão
hidrostática oferece maior resistência à expansão dos pulmões. (FORNAZARI, 2015).

10.3 Sistemas renal e hormonal

O sistema regulador renal também sofre alterações fisiológicas pelos efeitos


físicos da água. Com a imersão até o pescoço, ocorre um aumento na produção de
urina e excreção de água (diurese), bem como na excreção de sódio (natriurese) e de
potássio (potassiurese). Esses fatores podem ser resultado da inibição da produção
de aldosterona e do hormônio antidiurético (ADH), também chamado de
vassopressina, além do aumento do fluxo sanguíneo nos rins. Contudo, o aumento
central do volume sanguíneo, do débito cardíaco e do retorno venoso são
proporcionados pela presença do hormônio peptídeo natriurético atrial (PNA).
(FORNAZARI, 2015).

77
10.4 Sistema musculoesquelético

As alterações que ocorrem no sistema musculoesquelético são devidas aos


efeitos da pressão hidrostática e pela regulação reflexa do tônus dos vasos
sanguíneos. Parte do fluxo sanguíneo (pelo débito cardíaco aumentado durante a
imersão) é destinada à pele e músculos, o que provoca uma diminuição do espasmo
muscular e uma maior distribuição do oxigênio com aumento da remoção catabólitos,
o que proporciona melhor nutrição tecidual. Como os fluidos dos tecidos movimentam-
se mais livremente nas estruturas lesionadas e removem com mais rapidez os
produtos tóxicos do metabolismo muscular, a cicatrização tecidual acontece com
maior velocidade. (FORNAZARI, 2015).

10.5 Sistema nervoso

Os efeitos da imersão sobre o sistema nervoso são bastante variados, mas


relevantes para a fisioterapia aquática. Durante a imersão, a liberação de
neurotransmissores é alternada com a liberação de catecolaminas, que são
intimamente ligadas ao sistema de regulação da frequência cardíaca e da resistência
dos vasos sanguíneos. Com isso, ocorre uma diminuição dos níveis de epinefrina e
norepinefrina, provocando um aumento do limiar da dor (o paciente sente menor
sensação dolorosa). (FORNAZARI, 2015).
Esse fator pode ser explicado pelo bloqueio, por meio da ação de água
aquecida, de terminações nervosas, considerando-se que a transmissão de impulsos
nervosos é mais rápida nas fibras do calor e tato do que nas fibras da dor.
(FORNAZARI, 2015).
Durante a atividade aquática, o sistema vestibular é bastante requisitado pela
instabilidade provocada pela água, o que possibilita o tratamento de pacientes
portadores de distúrbios do equilíbrio. Contudo, o apoio fornecido pelo meio líquido
estimula a consciência da movimentação dos segmentos corporais, além de promover
aumento do equilíbrio e da coordenação motora.

11 INDICAÇÕES E CONTRAINDICAÇÕES DOS EXERCÍCIOS AQUÁTICOS

78
Os exercícios aquáticos, com seus mais variados tipos, são amplamente
utilizados em problemas neurológicos, para reabilitação cardíaca, tratamentos
ortopédicos e reumatológicos, controle da dor crônica, entre outros. (FORNAZARI,
2015).
A fisioterapia aquática oferece benefícios principalmente em situações em que
o suporte de peso precisa ser reduzido ou eliminado completamente, como em
processos inflamatórios, dores, contrações e espasmos musculares, amplitude de
movimento reduzida e recuperação funcional rápida. (FORNAZARI, 2015).
Em função de a flutuabilidade permitir maior independência, a reabilitação em
meio líquido torna-se mais rápida em relação à fisioterapia de solo, sendo uma das
melhores opções para pacientes incapacitados devido a cirurgia recente, lesões
agudas (neurológicas ou ortopédicas), patologias reumatológicas, ou pós-
mastectomia. Isto porque o meio líquido é um ambiente controlável no qual a
reeducação motora e a aquisição de novas habilidades (ou restauração daquelas
perdidas) são facilitadas. Durante as sessões, o indivíduo experimenta uma sensação
agradável, com redução da dor e de espasmos musculares, ao mesmo tempo em que
lhe é proporcionada uma maior amplitude de movimento e aumento da força muscular.
Como a água tem forte preservação de calor e capacidade de condução, ela
pode expandir os vasos sanguíneos, aumentar a circulação sanguínea, reduzir a
rigidez das articulações, melhorar a amplitude de movimento e as habilidades
funcionais e pode exercer a eficácia da fisioterapia aquática.
A descarga de peso em articulações debilitadas ou membros enfraquecidos é
reduzida pela flutuação, podendo o paciente realizar exercícios de fortalecimento
muscular, condicionamento físico e coordenação motora, que seriam mais difíceis em
solo. O trabalho de fortalecimento é proporcionado pela resistência da água durante
o movimento, enquanto que a pressão hidrostática auxilia no retorno venoso e, com a
melhora da circulação sanguínea, o condicionamento cardiovascular e pulmonar é
facilitado.
Com a diminuição da espasticidade e da dor em meio líquido aquecido, o
movimento é restaurado mais rapidamente após uma lesão, cirurgia ou imobilização.
Portanto, com a movimentação precoce, a funcionalidade é recuperada em tempo
menor em relação às condições de solo. Isto também pode ser afirmado em casos de
atrofia muscular e formação de tecido cicatricial, nos quais, pelo aumento da

79
circulação sanguínea, ocorre uma melhor nutrição dos tecidos lesados e, portanto, o
trofismo é aumentado e a fibrose intramuscular e a artrofibrose são diminuídas.
As contraindicações podem ser divididas em relativas, absolutas e relacionadas
com o estado clínico do paciente. (FORNAZARI, 2015).
As relativas dizem respeito a cuidados especiais em relação a: período
menstrual, tímpano perfurado, uso de bolsa de colostomia, epilepsia, disfagia e medo
de água. (FORNAZARI, 2015).
As contraindicações absolutas são aquelas que o paciente não pode ser
submetido à fisioterapia aquática, como fístulas cutâneas, feridas abertas, úlceras de
decúbito, infecções de olhos (conjuntivite) ou de ouvidos (otite), infecções urinárias e
micoses. Além dessas, a insuficiência respiratória grave, úlceras varicosas,
insuficiência cardíaca sem acompanhamento médico e crises de angina também
constituem condições de abstinência para os exercícios em piscina. (FORNAZARI,
2015).
As contraindicações relacionadas com o estado clínico do paciente são as
miopatias progressivas, estados febris, lesões de pele, tuberculose, debilidade grave,
queimaduras, sarna e piolhos. (FORNAZARI, 2015).
É correto afirmar que o exercício físico é um hábito que traz muitos benefícios
à saúde física. Praticar exercícios na água (como natação e hidroginástica) além de
ajudar a reduzir a gordura corporal, também ajuda no desenvolvimento muscular e
ósseo dos praticantes de exercícios.
Cada exercício realizado na piscina, seja ele físico ou relaxamento, fará com
que seu coração bombeie mais sangue para o corpo, aumentando assim a circulação
sanguínea. A prática de esportes aquáticos também ajuda a fortalecer os pulmões e
a melhorar o sistema respiratório. O esforço de empurrar os braços e as pernas é
essencial para bons esportes aquáticos e também ajuda a ganhar massa muscular
magra.
Portanto, dentre os inúmeros benefícios dos esportes aquáticos, podemos
destacar:
 Melhoria na qualidade de vida: Natação, hidroginástica ou mergulho são
atividades que auxiliam o nosso corpo. Dessa forma, o cérebro libera endorfinas em
nosso sangue. As endorfinas são chamadas de hormônios de relaxamento, que nos
fazem sentir saudáveis e relaxados. As endorfinas melhoram nosso humor e também

80
ajudam nosso metabolismo, melhoram a qualidade do sono e aumentam a aptidão
física.
 Melhoria no condicionamento físico: É normal que o corpo humano gaste
mais energia debaixo d'água, o que resulta em mais calorias queimadas em atividades
aquáticas do que em outras atividades. A água pode não apenas reduzir o impacto no
coração e nas articulações, mas também reduzir muito o trabalho, para que você
possa se exercitar facilmente. Todas essas atividades contribuem para a prática de
exercícios físicos, importante para quem pratica mergulho, por exemplo. Ajuda a
queimar até 900 calorias e ajuda a tonificar os músculos das pernas e costas.
 Trabalhar a respiração: Praticar atividades na água, auxilia na respiração.
Além disso, a natação também ajuda no desenvolvimento dos pulmões em bebês e
crianças. Podemos exemplificar com o mergulho, atividade essencial para melhorar a
forma como inalamos. Por isso, é necessário respirar lenta e profundamente. De forma
que com esse ritmo de respiração equilibrado e controlado, o corpo seja levado a um
estado de calma e tranquilidade.
As atividades físicas aquáticas trazem benefícios para pessoas de todas as
idades, reduzindo também os níveis de depressão, além de proporcionar um estilo de
vida mais saudável, a prática dessas atividades melhoram a capacidade funcional do
corpo e contribui para a maior qualidade de vida. (FORNAZARI, 2015).

Fonte: https://atitudesaude.uai.com.br/

81
REFERÊNCIAS

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

COSTA, Paula H. Lobo DA. Natação e Atividades Aquáticas. Barueri/SP: Manole.


2009. 190p.

FIGUEIREDO, P.A.P. Natação para bebes, infantil e iniciação: Uma estimulação


para a vida. Phorte, 2011.

PALMER, Mervyn L. A ciência do ensino da natação. São Paulo: Manole, 1990.


359p

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

ACQUATIC EXERCISE ASSOCIATION. Fitness aquático: um guia completo para


profissionais. 6. ed. Barueri: Manole, 2014.

ANDRELLA, J. L.; NERY, S. S. Populações especiais: conceitos na área das


ciências da saúde e do esporte. Efdeportes.com, v. 17, n. 167, 2012. Disponível em:
https://www.efdeportes.com/ efd167/populacoes-especiais-na-area-das-ciencias-da-
saude.htm. Acesso em: 22 jul. 2019.

BELLI, T. Demandas fisiológicas das atividades aquáticas: a imersão. In COSTA,


P. H. L. Natação e atividades aquáticas. Barueri: Manole, 2010.

CAMPION, M. R. Hidroterapia: Princípios e prática. Manole: São Paulo, 2000.

CANOSSA, S. et al. Ensino multidisciplinar em natação: uma reflexão


metodológica e proposta de lista de verificação. Motricidade, Santa Maria da Feira, v.
3, n. 4, p. 82-99, ago. 2007.

CARREGARO, R. L.; TOLEDO, A. M. Efeitos fisiológicos e evidências científicas


da eficácia da fisioterapia aquática. Revista Movimenta, Goiânia, v. 1, n. 1, p. 23-
27, 2008.

82
CATTEAU, R.; GAROFF, G. O ensino da natação. 3. ed. Barueri: Manole, 1990.

CORRÊA, S. C.; TEIXEIRA, S.; GUIMARÃES JR. Análise biomecânica da pernada


alternada no polo aquático. Revista da Educação Física/UEM, v. 21, n. 1, p. 13-23,
2010.

DUARTE, M. Princípios físicos da interação entre ser humano e ambiente


aquático. Laboratório de biofísica – EEFEUSP. 2004. Disponível em:
http://usp/eef/lob.

FINA. Regras oficiais: natação: 2017-2021. 2018a. Disponível em:


https://www.cbda.org. br/_uploads/natacao/RegrasOficiaisNatacao2017_2021.pdf.
Acesso em: 18 fev. 2019.

FORNAZARI, Lorena Pohl. Fisioterapia Aquática. E-book, Universidade Estadual do


Centro-Oeste Unicentro, 2015.

FORNAZARI et al. A intervenção da Fisioterapia Aquática em alunos da UNATI.


Anais. II SIEPE. Semana de Integração Ensino Pesquisa e Extensão. UNICENTRO.
Guarapuava, 27 a 29 de setembro de 2011 - ISSN – 2236-7098.

FREUDENHEIM, A. M.; MADUREIRA, F. Natação: características e ensino das


habilidades específicas. In: COSTA, P. Natação e atividades aquáticas. Barueri:
Manole, 2010.

GALLAHUE, D.; OZMUN, J. C.; GOODWAY, J. D. Compreendendo o


desenvolvimento motor. 7. ed. Porto Alegre: AMGH, 2013.

GREGUOL, M. Natação adaptada: em busca do movimento com autonomia. Barueri:


Manole, 2010.

JUNIOR, Lafaiete Luiz de Oliveira. Práticas Corporais de Aventura. Soluções


Educacionais Integradas, SAGAH, 2018.

PEREIRA, K. R. G. et al. Influência de atividades aquáticas no desenvolvimento


motor de bebês. Revista da Educação Física UEM, Maringá, v. 22, n. 2, p. 159–168,
2. trim. 2011
83
PINHEIRO, J. P.; LEÃO, M. L. Hidrocinesiologia. Revista Portuguesa de Medicina
Desportiva, Lisboa. 1989.

SANTOS, Ana Paula Maurilia dos. Atividades Aquáticas. Soluções Educacionais


Integradas, SAGAH, 2018.

SKINNER, A. T.; THOMSON, A. M. Exercícios na água. Manole: São Paulo, 1985.

WHITE, M. D. Exercícios na água. Manole: São Paulo, 1998.

WILMORE, J. H.; COSTILL D. L.; KENNEY, W. L. Fisiologia do esporte e exercício.


4. ed. Barueri: Manole, 2010

84

Você também pode gostar