Você está na página 1de 417

OP-012ST-20

CÓD: 7891182037730

INSS
INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL

Técnico do Seguro Social


A APOSTILA PREPARATÓRIA É ELABORADA
ANTES DA PUBLICAÇÃO DO EDITAL OFICIAL COM BASE NO EDITAL
ANTERIOR, PARA QUE O ALUNO ANTECIPE SEUS ESTUDOS.
• A Opção não está vinculada às organizadoras de Concurso Público. A aquisição do material não garante sua inscrição ou ingresso na
carreira pública,

• Sua apostila aborda os tópicos do Edital de forma prática e esquematizada,

• Alterações e Retificações após a divulgação do Edital estarão disponíveis em Nosso Site na Versão Digital,

• Dúvidas sobre matérias podem ser enviadas através do site: www.apostilasopção.com.br/contatos.php, com retorno do professor
no prazo de até 05 dias úteis.,

• É proibida a reprodução total ou parcial desta apostila, de acordo com o Artigo 184 do Código Penal.

Apostilas Opção, a Opção certa para a sua realização.


ÍNDICE

Ética no Serviço Público


1. Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal: Decreto nº 1.171/1994 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Decreto nº 6.029/2007. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03

Regime Jurídico Único


1. Lei 8.112/1990 e alterações, direitos e deveres do Servidor Público. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. O servidor público como agente de desenvolvimento social. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
3. Saúde e qualidade de vida no serviço público . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25

Noções de Direito Constitucional


1. Direitos e deveres fundamentais: direitos e deveres individuais e coletivos; direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à
propriedade; direitos sociais; nacionalidade; cidadania; garantias constitucionais individuais; garantias dos direitos coletivos, sociais e
políticos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Administração Pública (artigos de 37 a 41, capítulo VII, Constituição Federal de 1988 e atualizações). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28

Noções de Direito Administrativo


1. Estado, governo e Administração Pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios. . . . . . . . . . . . 01
2. Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 04
3. Organização administrativa da União; administração direta e indireta. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
4. Agentes públicos: espécies e classificação; poderes, deveres e prerrogativas; cargo, emprego e função públicos; regime jurídico único:
provimento, vacância, remoção, redistribuição e substituição; direitos e vantagens; regime disciplinar; responsabilidade civil, criminal
e administrativa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
5. Poderes administrativos: poder hierárquico; poder disciplinar; poder regulamentar; poder de polícia; uso e abuso do poder. . . . 51
6. Ato administrativo: validade, eficácia; atributos; extinção, desfazimento e sanatória; classificação, espécies e exteriorização; vinculação
e discricionariedade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
7. Serviços Públicos: conceito, classificação, regulamentação e controle; forma, meios e requisitos; delegação: concessão, permissão,
autorização. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
8. Controle e responsabilização da administração: controle administrativo; controle judicial; controle legislativo; responsabilidade civil
do Estado. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
9. Lei nº 8.429/1992 (sanções aplicáveis aos agentes públicos nos casos de enriquecimento ilícito no exercício de mandato, cargo,
emprego ou função da administração pública direta, indireta ou fundacional e dá outras providências). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
10. Lei n°9.784/1999 (Lei do Processo Administrativo). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81

Língua Portuguesa
1. Compreensão e interpretação de textos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Tipologia textual. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 04
3. Ortografia oficial. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 05
4. Acentuação gráfica. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
5. Emprego das classes de palavras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 08
6. Emprego do sinal indicativo de crase. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
7. Sintaxe da oração e do período. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
8. Pontuação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
9. Concordância nominal e verbal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
10. Regências nominal e verbal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
11. Significação das palavras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
12. Redação de correspondências oficiais (conforme Manual de Redação da Presidência da República). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
ÍNDICE

Raciocínio Lógico
1. Conceitos básicos de raciocínio lógico: proposições; valores lógicos das proposições; sentenças abertas; número de linhas da tabela
verdade; conectivos; proposições simples; proposições compostas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Tautologia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
3. Operação com conjuntos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
4. Cálculos com porcentagens. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64

Noções de Informática
1. Conceitos de Internet e intranet. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. 2 Conceitos básicos e modos de utilização de tecnologias, ferramentas, aplicativos e procedimentos de informática. . . . . . . . . . . 07
3. 3 Conceitos e modos de utilização de aplicativos para edição de textos, planilhas e apresentações utilizando-se a suíte de escritório
LibreOffice. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
4. 4 Conceitos e modos de utilização de sistemas operacionais Windows 7 e 10. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
5. 5 Noções básicas de ferramentas e aplicativos de navegação e correio eletrônico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
6. 6 Noções básicas de segurança e proteção: vírus, worms e derivados. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67

Conhecimentos Específicos
Técnico do Seguro Social
1. Seguridade Social. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Origem e evolução legislativa no Brasil. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
3. Conceituação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
4. Organização e princípios constitucionais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
5. Legislação Previdenciária. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 04
6. Conteúdo, fontes, autonomia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 04
7. Aplicação das normas previdenciárias. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 04
8. Vigência, hierarquia, interpretação e integração. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 04
9. Regime Geral de Previdência Social. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
10. Segurados obrigatórios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
11. Filiação e inscrição. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
12. Conceito, características e abrangência: empregado, empregado doméstico, contribuinte individual, trabalhador avulso e segurado
especial. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
13. Segurado facultativo: conceito, características, filiação e inscrição. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
14. Trabalhadores excluídos do Regime Geral. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
15. Empresa e empregador doméstico: conceito previdenciário. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
16. Financiamento da Seguridade Social. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
17. Receitas da União. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
18. Receitas das contribuições sociais: dos segurados, das empresas, do empregador doméstico, do produtor rural, do clube de futebol
profissional, sobre a receita de concursos de prognósticos, receitas de outras fontes. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
19. Salário-de-contribuição. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
20. Conceito. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
21. Parcelas integrantes e parcelas não-integrantes. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
22. Limites mínimo e máximo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
23. Proporcionalidade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
24. Reajustamento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
25. Arrecadação e recolhimento das contribuições destinadas à seguridade social. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
26. Competência do INSS e da Secretaria da Receita Federal do Brasil. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
27. Obrigações da empresa e demais contribuintes. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
28. Prazo de recolhimento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
29. Recolhimento fora do prazo: juros, multa e atualização monetária. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
30. Decadência e prescrição. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
31. Crimes contra a Seguridade Social. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
32. Recurso das decisões administrativas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
ÍNDICE

33. Plano de Benefícios da Previdência Social: beneficiários, espécies de prestações, benefícios, disposições gerais e específicas, períodos
de carência, salário-de-benefício, renda mensal do benefício, reajustamento do valor dos benefícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
34. Manutenção, perda e restabelecimento da qualidade de segurado. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
35. Lei nº 8.212/1991 e alterações. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
36. Lei nº 8.213/1991 e alterações. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
37. Decreto nº 3.048, de 06/05/1999 e alterações. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
38. Lei de Assistência Social (LOAS): conteúdo; fontes e autonomia (Lei nº 8.742/1993 e Decreto nº 6.214/2007 e alterações). . . . . . 29
ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO
1 Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal: Decreto nº 1.171/1994 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Decreto nº 6.029/2007. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03
ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO
III - A moralidade da Administração Pública não se limita à dis-
1 CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DO SERVIDOR PÚ- tinção entre o bem e o mal, devendo ser acrescida da idéia de que
BLICO CIVIL DO PODER EXECUTIVO FEDERAL: DECRE- o fim é sempre o bem comum. O equilíbrio entre a legalidade e a
TO Nº 1.171/1994 finalidade, na conduta do servidor público, é que poderá consolidar
a moralidade do ato administrativo.
DECRETO Nº 1.171, DE 22 DE JUNHO DE 1994 IV- A remuneração do servidor público é custeada pelos tribu-
tos pagos direta ou indiretamente por todos, até por ele próprio, e
Aprova o Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do por isso se exige, como contrapartida, que a moralidade adminis-
Poder Executivo Federal. trativa se integre no Direito, como elemento indissociável de sua
aplicação e de sua finalidade, erigindo-se, como consequência, em
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe fator de legalidade.
confere o art. 84, incisos IV e VI, e ainda tendo em vista o disposto V - O trabalho desenvolvido pelo servidor público perante a
no art. 37 da Constituição, bem como nos arts. 116 e 117 da Lei n° comunidade deve ser entendido como acréscimo ao seu próprio
8.112, de 11 de dezembro de 1990, e nos arts. 10, 11 e 12 da Lei n° bem-estar, já que, como cidadão, integrante da sociedade, o êxito
8.429, de 2 de junho de 1992, desse trabalho pode ser considerado como seu maior patrimônio.
VI - A função pública deve ser tida como exercício profissional
DECRETA: e, portanto, se integra na vida particular de cada servidor público.
Assim, os fatos e atos verificados na conduta do dia-a-dia em sua
Art. 1° Fica aprovado o Código de Ética Profissional do Servidor vida privada poderão acrescer ou diminuir o seu bom conceito na
Público Civil do Poder Executivo Federal, que com este baixa. vida funcional.
Art. 2° Os órgãos e entidades da Administração Pública Federal VII - Salvo os casos de segurança nacional, investigações poli-
direta e indireta implementarão, em sessenta dias, as providências ciais ou interesse superior do Estado e da Administração Pública,
necessárias à plena vigência do Código de Ética, inclusive mediante a serem preservados em processo previamente declarado sigiloso,
a Constituição da respectiva Comissão de Ética, integrada por três nos termos da lei, a publicidade de qualquer ato administrativo
servidores ou empregados titulares de cargo efetivo ou emprego constitui requisito de eficácia e moralidade, ensejando sua omissão
permanente. comprometimento ético contra o bem comum, imputável a quem
Parágrafo único. A constituição da Comissão de Ética será co- a negar.
municada à Secretaria da Administração Federal da Presidência da VIII - Toda pessoa tem direito à verdade. O servidor não pode
República, com a indicação dos respectivos membros titulares e su- omiti-la ou falseá-la, ainda que contrária aos interesses da própria
plentes. pessoa interessada ou da Administração Pública. Nenhum Estado
Art. 3° Este decreto entra em vigor na data de sua publicação. pode crescer ou estabilizar-se sobre o poder corruptivo do hábito
Brasília, 22 de junho de 1994, 173° da Independência e 106° do erro, da opressão ou da mentira, que sempre aniquilam até mes-
da República. mo a dignidade humana quanto mais a de uma Nação.
IX - A cortesia, a boa vontade, o cuidado e o tempo dedica-
ITAMAR FRANCO dos ao serviço público caracterizam o esforço pela disciplina. Tratar
Romildo Canhim mal uma pessoa que paga seus tributos direta ou indiretamente
significa causar-lhe dano moral. Da mesma forma, causar dano a
Este texto não substitui o publicado no DOU de 23.6.1994. qualquer bem pertencente ao patrimônio público, deteriorando-o,
por descuido ou má vontade, não constitui apenas uma ofensa ao
ANEXO equipamento e às instalações ou ao Estado, mas a todos os homens
de boa vontade que dedicaram sua inteligência, seu tempo, suas
Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder esperanças e seus esforços para construí-los.
Executivo Federal
X - Deixar o servidor público qualquer pessoa à espera de solu-
ção que compete ao setor em que exerça suas funções, permitindo
CAPÍTULO I
a formação de longas filas, ou qualquer outra espécie de atraso na
Seção I
prestação do serviço, não caracteriza apenas atitude contra a ética
Das Regras Deontológicas
ou ato de desumanidade, mas principalmente grave dano moral aos
usuários dos serviços públicos.
I - A dignidade, o decoro, o zelo, a eficácia e a consciência dos
XI - O servidor deve prestar toda a sua atenção às ordens legais
princípios morais são primados maiores que devem nortear o ser-
de seus superiores, velando atentamente por seu cumprimento, e,
vidor público, seja no exercício do cargo ou função, ou fora dele, já
que refletirá o exercício da vocação do próprio poder estatal. Seus assim, evitando a conduta negligente. Os repetidos erros, o descaso
atos, comportamentos e atitudes serão direcionados para a preser- e o acúmulo de desvios tornam-se, às vezes, difíceis de corrigir e
vação da honra e da tradição dos serviços públicos. caracterizam até mesmo imprudência no desempenho da função
II - O servidor público não poderá jamais desprezar o elemento pública.
ético de sua conduta. Assim, não terá que decidir somente entre o XII - Toda ausência injustificada do servidor de seu local de tra-
legal e o ilegal, o justo e o injusto, o conveniente e o inconveniente, balho é fator de desmoralização do serviço público, o que quase
o oportuno e o inoportuno, mas principalmente entre o honesto e sempre conduz à desordem nas relações humanas.
o desonesto, consoante as regras contidas no art. 37, caput, e § 4°, XIII - O servidor que trabalha em harmonia com a estrutura or-
da Constituição Federal. ganizacional, respeitando seus colegas e cada concidadão, colabora
e de todos pode receber colaboração, pois sua atividade pública é
a grande oportunidade para o crescimento e o engrandecimento
da Nação.

1
ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO
Seção II u) abster-se, de forma absoluta, de exercer sua função, poder
Dos Principais Deveres do Servidor Público ou autoridade com finalidade estranha ao interesse público, mes-
mo que observando as formalidades legais e não cometendo qual-
XIV - São deveres fundamentais do servidor público: quer violação expressa à lei;
a) desempenhar, a tempo, as atribuições do cargo, função ou v) divulgar e informar a todos os integrantes da sua classe so-
emprego público de que seja titular; bre a existência deste Código de Ética, estimulando o seu integral
b) exercer suas atribuições com rapidez, perfeição e rendimen- cumprimento.
to, pondo fim ou procurando prioritariamente resolver situações
procrastinatórias, principalmente diante de filas ou de qualquer ou- Seção III
tra espécie de atraso na prestação dos serviços pelo setor em que Das Vedações ao Servidor Público
exerça suas atribuições, com o fim de evitar dano moral ao usuário;
c) ser probo, reto, leal e justo, demonstrando toda a integri- XV - E vedado ao servidor público;
dade do seu caráter, escolhendo sempre, quando estiver diante de a) o uso do cargo ou função, facilidades, amizades, tempo, po-
duas opções, a melhor e a mais vantajosa para o bem comum; sição e influências, para obter qualquer favorecimento, para si ou
d) jamais retardar qualquer prestação de contas, condição es- para outrem;
sencial da gestão dos bens, direitos e serviços da coletividade a seu b) prejudicar deliberadamente a reputação de outros servido-
cargo; res ou de cidadãos que deles dependam;
e) tratar cuidadosamente os usuários dos serviços aperfeiçoan- c) ser, em função de seu espírito de solidariedade, conivente
do o processo de comunicação e contato com o público; com erro ou infração a este Código de Ética ou ao Código de Ética
f) ter consciência de que seu trabalho é regido por princípios de sua profissão;
éticos que se materializam na adequada prestação dos serviços pú- d) usar de artifícios para procrastinar ou dificultar o exercício
blicos; regular de direito por qualquer pessoa, causando-lhe dano moral
g) ser cortês, ter urbanidade, disponibilidade e atenção, res- ou material;
peitando a capacidade e as limitações individuais de todos os usu- e) deixar de utilizar os avanços técnicos e científicos ao seu al-
ários do serviço público, sem qualquer espécie de preconceito ou cance ou do seu conhecimento para atendimento do seu mister;
distinção de raça, sexo, nacionalidade, cor, idade, religião, cunho f) permitir que perseguições, simpatias, antipatias, caprichos,
político e posição social, abstendo-se, dessa forma, de causar-lhes paixões ou interesses de ordem pessoal interfiram no trato com o
dano moral; público, com os jurisdicionados administrativos ou com colegas hie-
h) ter respeito à hierarquia, porém sem nenhum temor de re- rarquicamente superiores ou inferiores;
presentar contra qualquer comprometimento indevido da estrutu- g) pleitear, solicitar, provocar, sugerir ou receber qualquer tipo
ra em que se funda o Poder Estatal; de ajuda financeira, gratificação, prêmio, comissão, doação ou van-
i) resistir a todas as pressões de superiores hierárquicos, de tagem de qualquer espécie, para si, familiares ou qualquer pessoa,
para o cumprimento da sua missão ou para influenciar outro servi-
contratantes, interessados e outros que visem obter quaisquer fa-
dor para o mesmo fim;
vores, benesses ou vantagens indevidas em decorrência de ações
h) alterar ou deturpar o teor de documentos que deva encami-
imorais, ilegais ou aéticas e denunciá-las;
nhar para providências;
j) zelar, no exercício do direito de greve, pelas exigências espe-
i) iludir ou tentar iludir qualquer pessoa que necessite do aten-
cíficas da defesa da vida e da segurança coletiva;
dimento em serviços públicos;
l) ser assíduo e frequente ao serviço, na certeza de que sua
j) desviar servidor público para atendimento a interesse parti-
ausência provoca danos ao trabalho ordenado, refletindo negativa-
cular;
mente em todo o sistema;
l) retirar da repartição pública, sem estar legalmente autoriza-
m) comunicar imediatamente a seus superiores todo e qual- do, qualquer documento, livro ou bem pertencente ao patrimônio
quer ato ou fato contrário ao interesse público, exigindo as provi- público;
dências cabíveis; m) fazer uso de informações privilegiadas obtidas no âmbito in-
n) manter limpo e em perfeita ordem o local de trabalho, se- terno de seu serviço, em benefício próprio, de parentes, de amigos
guindo os métodos mais adequados à sua organização e distribui- ou de terceiros;
ção; n) apresentar-se embriagado no serviço ou fora dele habitual-
o) participar dos movimentos e estudos que se relacionem com mente;
a melhoria do exercício de suas funções, tendo por escopo a reali- o) dar o seu concurso a qualquer instituição que atente contra
zação do bem comum; a moral, a honestidade ou a dignidade da pessoa humana;
p) apresentar-se ao trabalho com vestimentas adequadas ao p) exercer atividade profissional aética ou ligar o seu nome a
exercício da função; empreendimentos de cunho duvidoso.
q) manter-se atualizado com as instruções, as normas de ser-
viço e a legislação pertinentes ao órgão onde exerce suas funções; CAPÍTULO II
r) cumprir, de acordo com as normas do serviço e as instruções DAS COMISSÕES DE ÉTICA
superiores, as tarefas de seu cargo ou função, tanto quanto possí-
vel, com critério, segurança e rapidez, mantendo tudo sempre em XVI - Em todos os órgãos e entidades da Administração Pública
boa ordem. Federal direta, indireta autárquica e fundacional, ou em qualquer
s) facilitar a fiscalização de todos atos ou serviços por quem de órgão ou entidade que exerça atribuições delegadas pelo poder
direito; público, deverá ser criada uma Comissão de Ética, encarregada de
t) exercer com estrita moderação as prerrogativas funcionais orientar e aconselhar sobre a ética profissional do servidor, no tra-
que lhe sejam atribuídas, abstendo-se de fazê-lo contrariamente tamento com as pessoas e com o patrimônio público, competin-
aos legítimos interesses dos usuários do serviço público e dos juris- do-lhe conhecer concretamente de imputação ou de procedimento
dicionados administrativos; susceptível de censura.

2
ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO
XVIII - À Comissão de Ética incumbe fornecer, aos organismos Art. 3oA CEP será integrada por sete brasileiros que preencham
encarregados da execução do quadro de carreira dos servidores, os os requisitos de idoneidade moral, reputação ilibada e notória ex-
registros sobre sua conduta ética, para o efeito de instruir e funda- periência em administração pública, designados pelo Presidente da
mentar promoções e para todos os demais procedimentos próprios República, para mandatos de três anos, não coincidentes, permitida
da carreira do servidor público. uma única recondução.
XIX - (Revogado pelo Decreto nº 6.029, de 2007) § 1oA atuação no âmbito da CEP não enseja qualquer remu-
XX - (Revogado pelo Decreto nº 6.029, de 2007) neração para seus membros e os trabalhos nela desenvolvidos são
XXI - (Revogado pelo Decreto nº 6.029, de 2007) considerados prestação de relevante serviço público.
XXII - A pena aplicável ao servidor público pela Comissão de § 2oO Presidente terá o voto de qualidade nas deliberações da
Ética é a de censura e sua fundamentação constará do respectivo Comissão.
parecer, assinado por todos os seus integrantes, com ciência do fal- § 3oOs mandatos dos primeiros membros serão de um, dois e
toso. três anos, estabelecidos no decreto de designação.
XXIII - (Revogado pelo Decreto nº 6.029, de 2007) Art. 4oÀ CEP compete:
XXIV - Para fins de apuração do comprometimento ético, en- I - atuar como instância consultiva do Presidente da República
tende-se por servidor público todo aquele que, por força de lei, e Ministros de Estado em matéria de ética pública;
II - administrar a aplicação do Código de Conduta da Alta Admi-
contrato ou de qualquer ato jurídico, preste serviços de natureza
nistração Federal, devendo:
permanente, temporária ou excepcional, ainda que sem retribuição
a) submeter ao Presidente da República medidas para seuapri-
financeira, desde que ligado direta ou indiretamente a qualquer ór-
moramento;
gão do poder estatal, como as autarquias, as fundações públicas,
b) dirimir dúvidas a respeito de interpretação de suas normas,
as entidades paraestatais, as empresas públicas e as sociedades de deliberando sobre casos omissos;
economia mista, ou em qualquer setor onde prevaleça o interesse c) apurar, mediante denúncia, ou de ofício, condutas em desa-
do Estado. cordo com as normas nele previstas, quando praticadas pelas auto-
XXV - (Revogado pelo Decreto nº 6.029, de 2007) ridades a ele submetidas;
III - dirimir dúvidas de interpretação sobre as normas do Código
de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo
DECRETO Nº 6.029/2007
Federal de que trata o Decreto no 1.171, de 1994;
IV - coordenar, avaliar e supervisionar o Sistema de Gestão da
DECRETO Nº 6.029, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2007. Ética Pública do Poder Executivo Federal;
Vide Resolução nº 10, de 29 de setembro de 2008 V - aprovar o seu regimento interno; e
VI - escolher o seu Presidente.
Institui Sistema de Gestão da Ética do Poder Executivo Federal, e Parágrafo único.A CEP contará com uma Secretaria-Executiva,
dá outras providências. vinculada à Casa Civil da Presidência da República, à qual competirá
prestar o apoio técnico e administrativo aos trabalhos da Comissão.
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe Art. 5ºCada Comissão de Ética de que trata o Decreto no 1171,
confere o art. 84, inciso VI, alínea “a”, da Constituição, de 1994, será integrada por três membros titulares e três suplentes,
DECRETA: escolhidos entre servidores e empregados do seu quadro perma-
nente, e designados pelo dirigente máximo da respectiva entidade
Art. 1oFica instituído o Sistema de Gestão da Ética do Poder ou órgão, para mandatos não coincidentes de três anos.
Executivo Federal com a finalidade de promover atividades que dis- Art. 6oÉ dever do titular de entidade ou órgão da Administra-
põem sobre a conduta ética no âmbito do Executivo Federal, com- ção Pública Federal, direta e indireta:
petindo-lhe: I - assegurar as condições de trabalho para que as Comissões
I - integrar os órgãos, programas e ações relacionadas com a de Ética cumpram suas funções, inclusive para que do exercício das
ética pública; atribuições de seus integrantes não lhes resulte qualquer prejuízo
ou dano;
II - contribuir para a implementação de políticas públicas tendo
II - conduzir em seu âmbito a avaliação da gestão da ética con-
a transparência e o acesso à informação como instrumentos funda-
forme processo coordenado pela Comissão de Ética Pública.
mentais para o exercício de gestão da ética pública;
Art. 7oCompete às Comissões de Ética de que tratam os incisos
III - promover, com apoio dos segmentos pertinentes, a com-
II e III do art. 2o:
patibilização e interação de normas, procedimentos técnicos e de I - atuar como instância consultiva de dirigentes e servidores no
gestão relativos à ética pública; âmbito de seu respectivo órgão ou entidade;
IV - articular ações com vistas a estabelecer e efetivar procedi- II - aplicar o Código de Ética Profissional do Servidor Público
mentos de incentivo e incremento ao desempenho institucional na Civil do Poder Executivo Federal, aprovado pelo Decreto 1.171, de
gestão da ética pública do Estado brasileiro. 1994, devendo:
Art. 2oIntegram o Sistema de Gestão da Ética do Poder Execu- a) submeter à Comissão de Ética Pública propostas para seu
tivo Federal: aperfeiçoamento;
I - a Comissão de Ética Pública - CEP, instituída pelo Decreto de b) dirimir dúvidas a respeito da interpretação de suas normas e
26 de maio de 1999; deliberar sobre casos omissos;
II - as Comissões de Ética de que trata o Decreto no 1.171, de c) apurar, mediante denúncia ou de ofício, conduta em desa-
22 de junho de 1994; e cordo com as normas éticas pertinentes; e
III - as demais Comissões de Ética e equivalentes nas entidades d) recomendar, acompanhar e avaliar, no âmbito do órgão ou
e órgãos do Poder Executivo Federal. entidade a que estiver vinculada, o desenvolvimento de ações ob-
jetivando a disseminação, capacitação e treinamento sobre as nor-
mas de ética e disciplina;

3
ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO
III - representar a respectiva entidade ou órgão na Rede de Éti- § 3oNa hipótese de serem juntados aos autos da investigação,
ca do Poder Executivo Federal a que se refere o art. 9o; e após a manifestação referida no caput deste artigo, novos elemen-
IV - supervisionar a observância do Código de Conduta da Alta tos de prova, o investigado será notificado para nova manifestação,
Administração Federal e comunicar à CEP situações que possam no prazo de dez dias.
configurar descumprimento de suas normas. § 4oConcluída a instrução processual, as Comissões de Ética
§ 1oCada Comissão de Ética contará com uma Secretaria-Exe- proferirão decisão conclusiva e fundamentada.
cutiva, vinculada administrativamente à instância máxima da enti- § 5oSe a conclusão for pela existência de falta ética, além das
dade ou órgão, para cumprir plano de trabalho por ela aprovado e providências previstas no Código de Conduta da Alta Administração
prover o apoio técnico e material necessário ao cumprimento das Federal e no Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do
suas atribuições. Poder Executivo Federal,as Comissões de Ética tomarão as seguin-
§ 2oAs Secretarias-Executivas das Comissões de Ética serão tes providências, no que couber:
chefiadas por servidor ou empregado do quadro permanente da I - encaminhamento de sugestão de exoneração de cargo ou
entidade ou órgão, ocupante de cargo de direção compatível com função de confiança à autoridade hierarquicamente superior ou de-
sua estrutura, alocado sem aumento de despesas. volução ao órgão de origem, conforme o caso;
Art. 8oCompete às instâncias superiores dos órgãos e entida- II -- encaminhamento, conforme o caso, para a Controladoria-
des do Poder Executivo Federal, abrangendo a administração direta -Geral da União ou unidade específica do Sistema de Correição do
e indireta: Poder Executivo Federal de que trata o Decreto n o 5.480, de 30 de
I - observar e fazer observar as normas de ética e disciplina; junho de 2005, para exame de eventuais transgressões disciplina-
II - constituir Comissão de Ética; res; e
III - garantir os recursos humanos, materiais e financeiros para III - recomendação de abertura de procedimento administrati-
que a Comissão cumpra com suas atribuições; e vo, se a gravidade da conduta assim o exigir.
IV - atender com prioridade às solicitações da CEP. Art. 13.Será mantido com a chancela de “reservado”, até que
Art. 9oFica constituída a Rede de Ética do Poder Executivo Fe- esteja concluído, qualquer procedimento instaurado para apuração
deral, integrada pelos representantes das Comissões de Ética de de prática em desrespeito às normas éticas.
que tratam os incisos I, II e III do art. 2o, com o objetivo de promo- § 1oConcluída a investigação e após a deliberação da CEP ou da
ver a cooperação técnica e a avaliação em gestão da ética. Comissão de Ética do órgão ou entidade, os autos do procedimento
Parágrafo único.Os integrantes da Rede de Ética se reunirão sob deixarão de ser reservados.
a coordenação da Comissão de Ética Pública, pelo menos uma vez § 2oNa hipótese de os autos estarem instruídos com documen-
por ano, em fórum específico, para avaliar o programa e as ações to acobertado por sigilo legal, o acesso a esse tipo de documento
para a promoção da ética na administração pública. somente será permitido a quem detiver igual direito perante o ór-
Art. 10.Os trabalhos da CEP e das demais Comissões de Ética gão ou entidade originariamente encarregado da sua guarda.
devem ser desenvolvidos com celeridade e observância dos seguin- § 3oPara resguardar o sigilo de documentos que assim devam
tes princípios: ser mantidos, as Comissões de Ética, depois de concluído o proces-
I - proteção à honra e à imagem da pessoa investigada; so de investigação, providenciarão para que tais documentos sejam
II - proteção à identidade do denunciante, que deverá ser man-
desentranhados dos autos, lacrados e acautelados.
tida sob reserva, se este assim o desejar; e
Art. 14.A qualquer pessoa que esteja sendo investigada é as-
III - independência e imparcialidade dos seus membros na apu-
segurado o direito de saber o que lhe está sendo imputado, de co-
ração dos fatos, com as garantias asseguradas neste Decreto.
nhecer o teor da acusação e de ter vista dos autos, no recinto das
Art. 11.Qualquer cidadão, agente público, pessoa jurídica de
Comissões de Ética, mesmo que ainda não tenha sido notificada da
direito privado, associação ou entidade de classe poderá provocar
existência do procedimento investigatório.
a atuação da CEP ou de Comissão de Ética, visando à apuração de
Parágrafo único.O direito assegurado neste artigo inclui o de
infração ética imputada a agente público, órgão ou setor específico
obter cópia dos autos e de certidão do seu teor.
de ente estatal.
Art. 15.Todo ato de posse, investidura em função pública ou ce-
Parágrafo único.Entende-se por agente público, para os fins
deste Decreto, todo aquele que, por força de lei, contrato ou qual- lebração de contrato de trabalho, dos agentes públicos referidos no
quer ato jurídico, preste serviços de natureza permanente, tempo- parágrafo único do art. 11, deverá ser acompanhado da prestação
rária, excepcional ou eventual, ainda que sem retribuição financei- de compromisso solene de acatamento e observância das regras es-
ra, a órgão ou entidade da administração pública federal, direta e tabelecidas pelo Código de Conduta da Alta Administração Federal,
indireta. pelo Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder
Art. 12.O processo de apuração de prática de ato em desres- Executivo Federal e pelo Código de Ética do órgão ou entidade, con-
peito ao preceituado no Código de Conduta da Alta Administração forme o caso.
Federal e no Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil Parágrafo único . A posse em cargo ou função pública que sub-
do Poder Executivo Federal será instaurado, de ofício ou em razão meta a autoridade às normas do Código de Conduta da Alta Admi-
de denúncia fundamentada, respeitando-se, sempre, as garantias nistração Federal deve ser precedida de consulta da autoridade à
do contraditório e da ampla defesa, pela Comissão de Ética Pública Comissão de Ética Pública, acerca de situação que possa suscitar
ou Comissões de Ética de que tratam o incisos II e III do art. 2º, con- conflito de interesses.
forme o caso, que notificará o investigado para manifestar-se, por Art. 16.As Comissões de Ética não poderão escusar-se de pro-
escrito, no prazo de dez dias. ferir decisão sobre matéria de sua competência alegando omissão
§ 1oO investigado poderá produzir prova documental necessá- do Código de Conduta da Alta Administração Federal, do Código de
ria à sua defesa. Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Fede-
§ 2oAs Comissões de Ética poderão requisitar os documentos ral ou do Código de Ética do órgão ou entidade, que, se existente,
que entenderem necessários à instrução probatória e, também, será suprida pela analogia e invocação aos princípios da legalidade,
promover diligências e solicitar parecer de especialista. impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência.

4
ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO
§ 1oHavendo dúvida quanto à legalidade, a Comissão de Ética EXERCÍCIOS
competente deveráouvir previamente a área jurídica do órgão ou
entidade. 01. Referente a conceituação sobre ética profissional, conside-
§ 2oCumpre à CEP responder a consultas sobre aspectos éticos re:
que lhe forem dirigidas pelas demais Comissões de Ética e pelos I. A ética profissional deve ser compreendida de maneira res-
órgãos e entidades que integram o Executivo Federal, bem como trita como deontologia profissional, ou seja, ciência do dever ou
pelos cidadãos e servidores que venham a ser indicados para ocu- estudo do dever.
par cargo ou função abrangida pelo Código de Conduta da Alta Ad- II. A ética profissional pressupõe entender aspectos de sua par-
ministração Federal. ticularidade no que se refere à ética enquanto práxis social na rela-
Art. 17.As Comissões de Ética, sempre que constatarem a pos- ção com a práxis humana.
sível ocorrência de ilícitos penais, civis, de improbidade adminis- III. Referida às profissões, a ética é a reflexão sobre a moralida-
trativa ou de infração disciplinar, encaminharão cópia dos autos às de profissional.
autoridades competentes para apuração de tais fatos, sem prejuízo Está correto o que se afirma em
das medidas de sua competência. A. I, II e III.
Art. 18.As decisões das Comissões de Ética, na análise de qual- B. I e II, apenas.
quer fato ou ato submetido à sua apreciação ou por ela levantado, C. I e III, apenas.
serão resumidas em ementa e, com a omissão dos nomes dos inves- D. II, apenas.
tigados, divulgadas no sítio do próprio órgão, bem como remetidas E. III, apenas.
à Comissão de Ética Pública.
Art. 19.Os trabalhos nas Comissõesde Ética de que tratam os 02. De acordo com o Código de Ética Profissional, o servidor
incisos II e III do art. 2o são considerados relevantes e têm priori- público civil do Poder Executivo Federal deverá
dade sobre as atribuições próprias dos cargos dos seus membros,
A. dar publicidade a todos os atos administrativos, tendo em
quando estes não atuarem com exclusividade na Comissão.
vista que essa é a regra que não pode ser modificada, sendo requi-
Art. 20.Os órgãos e entidades da Administração Pública Federal
sito de eficácia e de moralidade.
darão tratamento prioritário às solicitações de documentos neces-
B. divulgar unicamente aos colegas de repartição as normas
sários à instrução dos procedimentos de investigação instaurados
pelas Comissões de Ética . constantes do Código de Ética.
§ 1oNa hipótese de haver inobservância do dever funcional C. facilitar a fiscalização de todos os seus atos e serviços por
previsto no caput, a Comissão de Ética adotará as providências pre- qualquer administrado.
vistas no inciso III do § 5o do art. 12. D. saber distinguir a conduta honesta da desonesta, observan-
§ 2oAs autoridades competentes não poderão alegar sigilo para do atentamente os princípios que regem a conduta do Administra-
deixar de prestar informação solicitada pelas Comissões de Ética. dor Público e a probidade administrativa.
Art. 21.A infração de natureza ética cometida por membro de
Comissão de Ética de que tratam os incisos II e III do art. 2o será 03. No exercício do cargo, o servidor público, quando decide
apurada pela Comissão de Ética Pública. entre o honesto e o desonesto, vincula sua decisão à
Art. 22.A Comissão de Ética Pública manterá banco de dados de A. ética.
sanções aplicadas pelas Comissões de Ética de que tratam os incisos B. impessoalidade.
II e III do art. 2o e de suas próprias sanções, para fins de consulta pe- C. conveniência.
los órgãos ou entidades da administração pública federal, em casos D. eficiência.
de nomeação para cargo em comissão ou de alta relevância pública. E. legalidade.
Parágrafo único.O banco de dados referido neste artigo englo-
ba as sanções aplicadas a qualquer dos agentes públicos menciona- 04. Do ponto de vista atitudinal, o servidor público, no desem-
dos no parágrafo único do art. 11 deste Decreto. penho das suas atribuições,
Art. 23.Os representantes das Comissões de Ética de que tra- A. deve respeitar a hierarquia, tomando cuidado ao represen-
tam os incisos II e III do art. 2o atuarão como elementos de ligação tar contra determinados comprometimentos indevidos da estrutu-
com a CEP, que disporá em Resolução própria sobre as atividades ra em que se funda o poder estatal.
que deverão desenvolver para o cumprimento desse mister. B. poderá, usando a própria faculdade, exercer as prerrogativas
Art. 24.As normas do Código de Conduta da Alta Administração funcionais que lhe sejam atribuídas, desde que sua atuação tenha
Federal, do Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do foco no objetivo no bem comum.
Poder Executivo Federal e do Código de Ética do órgão ou entidade C. poderá exercer sua função com finalidade estranha ao inte-
aplicam-se, no que couber, às autoridades e agentes públicos neles
resse público, desde que sua atuação satisfaça interesse legítimo do
referidos, mesmo quando em gozo de licença.
destinatário da prestação de serviço.
Art. 25.Ficam revogados os incisos XVII, XIX, XX, XXI, XXIII e XXV
D. deve comunicar imediatamente a seus superiores todo e
do Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder
qualquer ato contrário ao interesse público e exigir as providências
Executivo Federal, aprovado pelo Decreto no 1.171, de 22 de junho
de 1994, os arts. 2o e 3o do Decreto de 26 de maio de 1999, que cabíveis.
cria a Comissão de Ética Pública, e os Decretos de 30 de agosto de E. deve escolher sempre, quando estiver diante de duas op-
2000 e de 18 de maio de 2001, que dispõem sobre a Comissão de ções, a melhor e a mais vantajosa para a administração pública.
Ética Pública.
Art. 26.Este Decreto entra em vigor na data da sua publicação. 05. Considerando a ética no Setor Público, julgue os itens sub-
sequentes.
I Omitir informações que lhe forem solicitadas quando julgar
inoportunas para o processo administrativo em curso é uma ativi-
dade prevista e aceita no Setor Público.

5
ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO
II No Setor Público, o profissional deve agir de modo temerário, C. dentro ou fora da Comissão de Ética, mesmo que ainda não
evitando assim atitudes irresponsáveis ou que causem risco ao bom tenha sido notificado da existência do procedimento investigatório.
andamento do trabalho. D. dentro ou fora da Comissão de Ética, porém, apenas se tiver
III No Setor Público, o profissional deve declarar‐se apto para sido devidamente notificado da existência do procedimento inves-
atuar em processos administrativos, sobretudo em matérias ou as- tigatório.
suntos que lhe interessem diretamente. E. no recinto da Comissão de Ética, não estando, no entanto,
Assinale a alternativa correta. incluído em tal direito o de obter cópia dos autos.
A. Nenhum item está certo.
B. Apenas o item I está certo. 09. No que concerne à Comissão de Ética Pública – CEP, con-
C. Apenas o item II está certo. soante as disposições previstas no Decreto nº 6.029/2007, pode-se
D. Apenas o item III está certo. afirmar que
E. Apenas os itens I e II estão certos. A. contará com uma Secretaria-Executiva, vinculada ao Minis-
tério da Justiça, à qual competirá prestar o apoio técnico e adminis-
06. Com base no Decreto n.º 1.171/1994, julgue os itens a se- trativo aos trabalhos da Comissão.
guir. B. seus integrantes serão designados para mandatos de três
I Iludir ou tentar iludir qualquer pessoa que necessite do aten- anos, não coincidentes, sendo vedada recondução.
dimento em serviços públicos e desviar servidor público para aten- C. a atuação no âmbito da CEP enseja remuneração a seus
dimento de interesse particular são ações vedadas ao servidor pú- membros e os trabalhos nela desenvolvidos são considerados pres-
blico. tação de relevante serviço público.
II É vedado ao servidor público utilizar os avanços técnicos e D. compete-lhe, dentre outras atribuições, dirimir dúvidas a
científicos a seu alcance ou de seu conhecimento para atendimento respeito de interpretação das normas do Código de Conduta da Alta
do seu mister. Administração Federal, deliberando sobre casos omissos.
III É vedado ao servidor público pleitear, solicitar, provocar, su- E. deve observar, dentre outros princípios, a proteção à identi-
gerir ou receber qualquer tipo de ajuda financeira, gratificação, prê- dade do denunciante, que deverá sempre ser mantida sob reserva.
mio, comissão, doação ou vantagem de qualquer espécie, para si,
familiares ou qualquer pessoa, para o cumprimento da sua missão 10. Nos termos do Decreto nº 6.029/2007, o procedimento
ou para influenciar outro servidor para o mesmo fim. para a apuração de infração ética deve ser mantido com a chancela
Assinale a alternativa correta. de “reservado”. Sobre o prazo em que deve ser mantida tal chan-
A. Apenas o item I está certo. cela, pode-se afirmar que
B. Apenas o item III está certo. A. após a apresentação da defesa pelo investigado, é possível a
C. Apenas os itens I e II estão certos. supressão da chancela de “reservado”.
D. Apenas os itens I e III estão certos. B. é possível que, a qualquer momento, ainda que antes da
E. Todos os itens estão certos. conclusão do procedimento, seja retirada tal chancela.
C. a condição de reservado deve ser mantida até a conclusão
07. De acordo com o Decreto n.º 1.171/1994, assinale a alter- do procedimento e deliberação da respectiva Comissão de Ética do
nativa incorreta acerca das vedações e dos deveres fundamentais órgão ou entidade ou da CEP.
pertinentes aos servidores públicos. D. tal condição deve ser mantida até a conclusão do procedi-
A. É defeso deixar de utilizar os avanços técnicos e científicos mento, independentemente de qualquer deliberação da respectiva
a seu alcance ou de seu conhecimento para atendimento de seu Comissão de Ética do órgão ou entidade ou da CEP.
mister. E. após concluída a fase probatória, é possível a supressão da
B. É dever fundamental jamais retardar qualquer prestação de chancela de “reservado”.
contas, condição essencial da gestão de bens, direitos e serviços da
coletividade a seu cargo. 11. Quanto à Comissão de Ética Pública, nos termos do Decreto
C. É dever fundamental zelar, no exercício do direito de greve, nº 6.029, de 1º de fevereiro de 2007, é correto afirmar que
pelas exigências específicas da defesa da vida e da segurança cole- A. É composta 9 (nove) por brasileiros que preencham os requi-
tiva. sitos de idoneidade moral, reputação ilibada e notória experiência
D. É defeso resistir a todas as pressões de superiores hierárqui- em administração pública.
cos, de contratantes, interessados e outros que visem obter quais- B. É assegurada remuneração a todos os membros, a qual será
quer favores, benesses ou vantagens indevidas em decorrência de variável em razão do número de reuniões de que participarem.
ações imorais, ilegais ou aéticas e denunciá‐las. C. Seu Presidente não terá direito de manifestar-se nas delibe-
E. É vedado retirar da repartição pública, sem estar legalmente rações da Comissão, nem mesmo com voto de qualidade.
autorizado, qualquer documento, livro ou bem pertencente ao pa- D. Seus membros possuem mandatos de 5 (cinco) anos, permi-
trimônio público. tidas até duas reconduções.
E. A atuação no âmbito da Comissão de Ética Pública não ense-
08. Manoel, servidor público civil do Poder Executivo Federal, ja qualquer remuneração para seus membros.
está sendo investigado para apuração de eventual infração ética.
Nos termos do Decreto nº 6.029/2007, Manoel tem o direito de sa- 12. Atuar como instância consultiva do Presidente da República
ber o que lhe está sendo imputado, de conhecer o teor da acusação e Ministros de Estado em matéria de ética pública constitui compe-
e de ter vista dos autos, tência da
A. no recinto da Comissão de Ética, mesmo que ainda não te- A. Secretaria Executiva de Ética Pública.
nha sido notificado da existência do procedimento investigatório. B. Comissão de Avaliação Institucional.
B. no recinto da Comissão de Ética, porém, apenas se tiver sido C. Coordenadoria de Ética Profissional.
devidamente notificado da existência do procedimento investiga- D. Comissão Permanente de Avaliação Ética.
tório. E. Comissão de Ética Pública.

6
ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO
GABARITO ________________________________________________

________________________________________________
01 E
02 D ________________________________________________
03 A
________________________________________________
04 D
05 A ________________________________________________
06 D ________________________________________________
07 D
________________________________________________
08 A
09 D ________________________________________________
10 C
________________________________________________
11 E
12 E ________________________________________________

________________________________________________

________________________________________________
______________________________ ________________________________________________
______________________________ ________________________________________________
______________________________ ________________________________________________
________________________________________________ ________________________________________________
________________________________________________ ________________________________________________
________________________________________________ ________________________________________________
________________________________________________ ________________________________________________
________________________________________________ ________________________________________________
________________________________________________ ________________________________________________
________________________________________________ ________________________________________________
________________________________________________ ________________________________________________
________________________________________________ ________________________________________________
________________________________________________ ________________________________________________
________________________________________________ ________________________________________________
________________________________________________ ________________________________________________
________________________________________________ ________________________________________________
________________________________________________ ________________________________________________
________________________________________________ ________________________________________________
________________________________________________ ________________________________________________
________________________________________________ ________________________________________________
_______________________________________________ ________________________________________________
_______________________________________________ ________________________________________________

7
ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO
________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

8
REGIME JURÍDICO ÚNICO
1 Lei 8.112/1990 e alterações, direitos e deveres do Servidor Público. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2 O servidor público como agente de desenvolvimento social. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
3 Saúde e qualidade de vida no serviço público . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
REGIME JURÍDICO ÚNICO
Art. 6º O provimento dos cargos públicos far-se-á mediante ato
1 LEI 8.112/1990 E ALTERAÇÕES, DIREITOS E DEVERES da autoridade competente de cada Poder.
DO SERVIDOR PÚBLICO Art. 7º A investidura em cargo público ocorrerá com a posse.
Art. 8º São formas de provimento de cargo público:
LEI Nº 8.112, DE 11 DE DEZEMBRO DE 1990 I - nomeação;
II - promoção;
Dispõe sobre o regime jurídico dos servidores públicos civis da III - (Revogado pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
União, das autarquias e das fundações públicas federais. IV - (Revogado pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
V - readaptação;
PUBLICAÇÃO CONSOLIDADA DA LEI Nº 8.112, DE 11 DE DEZEM- VI - reversão;
BRO DE 1990, DETERMINADA PELO ART. 13 DA LEI Nº 9.527, DE 10 VII - aproveitamento;
DE DEZEMBRO DE 1997. VIII - reintegração;
IX - recondução.
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Na-
cional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Seção II
Da Nomeação
Título I
Capítulo Único Art. 9º A nomeação far-se-á:
Das Disposições Preliminares I - em caráter efetivo, quando se tratar de cargo isolado de pro-
vimento efetivo ou de carreira;
Art. 1º Esta Lei institui o Regime Jurídico dos Servidores Públi- II - em comissão, inclusive na condição de interino, para cargos
cos Civis da União, das autarquias, inclusive as em regime especial, de confiança vagos. (Redação dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
e das fundações públicas federais. Parágrafo único. O servidor ocupante de cargo em comissão
Art. 2º Para os efeitos desta Lei, servidor é a pessoa legalmente ou de natureza especial poderá ser nomeado para ter exercício,
investida em cargo público. interinamente, em outro cargo de confiança, sem prejuízo das atri-
Art. 3º Cargo público é o conjunto de atribuições e responsabi- buições do que atualmente ocupa, hipótese em que deverá optar
lidades previstas na estrutura organizacional que devem ser come- pela remuneração de um deles durante o período da interinidade.
tidas a um servidor. (Redação dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
Parágrafo único. Os cargos públicos, acessíveis a todos os brasi- Art. 10. A nomeação para cargo de carreira ou cargo isolado
leiros, são criados por lei, com denominação própria e vencimento de provimento efetivo depende de prévia habilitação em concurso
pago pelos cofres públicos, para provimento em caráter efetivo ou público de provas ou de provas e títulos, obedecidos a ordem de
em comissão. classificação e o prazo de sua validade.
Art. 4º É proibida a prestação de serviços gratuitos, salvo os Parágrafo único. Os demais requisitos para o ingresso e o de-
casos previstos em lei. senvolvimento do servidor na carreira, mediante promoção, serão
estabelecidos pela lei que fixar as diretrizes do sistema de carreira
Título II na Administração Pública Federal e seus regulamentos. (Redação
Do Provimento, Vacância, Remoção, dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
Redistribuição e Substituição
Seção III
Capítulo I Do Concurso Público
Do Provimento
Art. 11. O concurso será de provas ou de provas e títulos, po-
Seção I dendo ser realizado em duas etapas, conforme dispuserem a lei e o
Disposições Gerais regulamento do respectivo plano de carreira, condicionada a inscri-
ção do candidato ao pagamento do valor fixado no edital, quando
Art. 5º São requisitos básicos para investidura em cargo públi- indispensável ao seu custeio, e ressalvadas as hipóteses de isenção
co: nele expressamente previstas. (Redação dada pela Lei nº 9.527, de
I - a nacionalidade brasileira; 10.12.97) (Regulamento)
II - o gozo dos direitos políticos; Art. 12. O concurso público terá validade de até 2 (dois ) anos,
III - a quitação com as obrigações militares e eleitorais; podendo ser prorrogado uma única vez, por igual período.
IV - o nível de escolaridade exigido para o exercício do cargo; § 1º O prazo de validade do concurso e as condições de sua
V - a idade mínima de dezoito anos; realização serão fixados em edital, que será publicado no Diário Ofi-
VI - aptidão física e mental. cial da União e em jornal diário de grande circulação.
§ 1º As atribuições do cargo podem justificar a exigência de § 2º Não se abrirá novo concurso enquanto houver candidato
outros requisitos estabelecidos em lei. aprovado em concurso anterior com prazo de validade não expira-
§ 2º Às pessoas portadoras de deficiência é assegurado o direi- do.
to de se inscrever em concurso público para provimento de cargo Seção IV
cujas atribuições sejam compatíveis com a deficiência de que são Da Posse e do Exercício
portadoras; para tais pessoas serão reservadas até 20% (vinte por
cento) das vagas oferecidas no concurso. Art. 13. A posse dar-se-á pela assinatura do respectivo termo,
§ 3º As universidades e instituições de pesquisa científica e no qual deverão constar as atribuições, os deveres, as responsabi-
tecnológica federais poderão prover seus cargos com professores, lidades e os direitos inerentes ao cargo ocupado, que não poderão
técnicos e cientistas estrangeiros, de acordo com as normas e os ser alterados unilateralmente, por qualquer das partes, ressalvados
procedimentos desta Lei. (Incluído pela Lei nº 9.515, de 20.11.97) os atos de ofício previstos em lei.

1
REGIME JURÍDICO ÚNICO
§ 1o A posse ocorrerá no prazo de trinta dias contados da pu- e observados os limites mínimo e máximo de seis horas e oito ho-
blicação do ato de provimento. (Redação dada pela Lei nº 9.527, de ras diárias, respectivamente. (Redação dada pela Lei nº 8.270, de
10.12.97) 17.12.91)
§ 2o Em se tratando de servidor, que esteja na data de publi- § 1o O ocupante de cargo em comissão ou função de confiança
cação do ato de provimento, em licença prevista nos incisos I, III submete-se a regime de integral dedicação ao serviço, observado o
e V do art. 81, ou afastado nas hipóteses dos incisos I, IV, VI, VIII, disposto no art. 120, podendo ser convocado sempre que houver
alíneas “a”, “b”, “d”, “e” e “f”, IX e X do art. 102, o prazo será contado interesse da Administração. (Redação dada pela Lei nº 9.527, de
do término do impedimento. (Redação dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
10.12.97) § 2o O disposto neste artigo não se aplica a duração de traba-
§ 3o A posse poderá dar-se mediante procuração específica. lho estabelecida em leis especiais. (Incluído pela Lei nº 8.270, de
§ 4o Só haverá posse nos casos de provimento de cargo por 17.12.91)
nomeação. (Redação dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) Art. 20. Ao entrar em exercício, o servidor nomeado para cargo
§ 5o No ato da posse, o servidor apresentará declaração de de provimento efetivo ficará sujeito a estágio probatório por pe-
bens e valores que constituem seu patrimônio e declaração quanto ríodo de 24 (vinte e quatro) meses, durante o qual a sua aptidão e
ao exercício ou não de outro cargo, emprego ou função pública. capacidade serão objeto de avaliação para o desempenho do cargo,
§ 6o Será tornado sem efeito o ato de provimento se a posse observados os seguinte fatores: (vide EMC nº 19)
não ocorrer no prazo previsto no § 1o deste artigo. I - assiduidade;
Art. 14. A posse em cargo público dependerá de prévia inspe- II - disciplina;
ção médica oficial. III - capacidade de iniciativa;
Parágrafo único. Só poderá ser empossado aquele que for jul- IV - produtividade;
gado apto física e mentalmente para o exercício do cargo. V- responsabilidade.
Art. 15. Exercício é o efetivo desempenho das atribuições do § 1o 4 (quatro) meses antes de findo o período do estágio pro-
cargo público ou da função de confiança. (Redação dada pela Lei nº batório, será submetida à homologação da autoridade competen-
9.527, de 10.12.97) te a avaliação do desempenho do servidor, realizada por comissão
§ 1o É de quinze dias o prazo para o servidor empossado em constituída para essa finalidade, de acordo com o que dispuser a lei
cargo público entrar em exercício, contados da data da posse. (Re- ou o regulamento da respectiva carreira ou cargo, sem prejuízo da
dação dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) continuidade de apuração dos fatores enumerados nos incisos I a V
§ 2o O servidor será exonerado do cargo ou será tornado sem do caput deste artigo. (Redação dada pela Lei nº 11.784, de 2008
efeito o ato de sua designação para função de confiança, se não § 2o O servidor não aprovado no estágio probatório será exo-
entrar em exercício nos prazos previstos neste artigo, observado o nerado ou, se estável, reconduzido ao cargo anteriormente ocupa-
disposto no art. 18. (Redação dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) do, observado o disposto no parágrafo único do art. 29.
§ 3o À autoridade competente do órgão ou entidade para § 3o O servidor em estágio probatório poderá exercer quais-
onde for nomeado ou designado o servidor compete dar-lhe exercí- quer cargos de provimento em comissão ou funções de direção,
cio. (Redação dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) chefia ou assessoramento no órgão ou entidade de lotação, e so-
§ 4o O início do exercício de função de confiança coincidirá mente poderá ser cedido a outro órgão ou entidade para ocupar
com a data de publicação do ato de designação, salvo quando o cargos de Natureza Especial, cargos de provimento em comissão do
servidor estiver em licença ou afastado por qualquer outro motivo Grupo-Direção e Assessoramento Superiores - DAS, de níveis 6, 5 e
legal, hipótese em que recairá no primeiro dia útil após o término 4, ou equivalentes. (Incluído pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
do impedimento, que não poderá exceder a trinta dias da publica- § 4o Ao servidor em estágio probatório somente poderão ser
ção. (Incluído pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) concedidas as licenças e os afastamentos previstos nos arts. 81,
Art. 16. O início, a suspensão, a interrupção e o reinício do incisos I a IV, 94, 95 e 96, bem assim afastamento para participar
exercício serão registrados no assentamento individual do servidor. de curso de formação decorrente de aprovação em concurso para
Parágrafo único. Ao entrar em exercício, o servidor apresenta- outro cargo na Administração Pública Federal. (Incluído pela Lei nº
rá ao órgão competente os elementos necessários ao seu assenta- 9.527, de 10.12.97)
mento individual. § 5o O estágio probatório ficará suspenso durante as licenças
Art. 17. A promoção não interrompe o tempo de exercício, que e os afastamentos previstos nos arts. 83, 84, § 1o, 86 e 96, bem
é contado no novo posicionamento na carreira a partir da data de assim na hipótese de participação em curso de formação, e será
publicação do ato que promover o servidor. (Redação dada pela Lei retomado a partir do término do impedimento. (Incluído pela Lei nº
nº 9.527, de 10.12.97) 9.527, de 10.12.97)
Art. 18. O servidor que deva ter exercício em outro município
em razão de ter sido removido, redistribuído, requisitado, cedido ou Seção V
posto em exercício provisório terá, no mínimo, dez e, no máximo, Da Estabilidade
trinta dias de prazo, contados da publicação do ato, para a retoma-
da do efetivo desempenho das atribuições do cargo, incluído nesse Art. 21. O servidor habilitado em concurso público e empossa-
prazo o tempo necessário para o deslocamento para a nova sede. do em cargo de provimento efetivo adquirirá estabilidade no servi-
(Redação dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) ço público ao completar 2 (dois) anos de efetivo exercício. (prazo 3
§ 1o Na hipótese de o servidor encontrar-se em licença ou anos - vide EMC nº 19)
afastado legalmente, o prazo a que se refere este artigo será conta- Art. 22. O servidor estável só perderá o cargo em virtude de
do a partir do término do impedimento. (Parágrafo renumerado e sentença judicial transitada em julgado ou de processo administra-
alterado pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) tivo disciplinar no qual lhe seja assegurada ampla defesa.
§ 2o É facultado ao servidor declinar dos prazos estabelecidos
no caput. (Incluído pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) Seção VI
Art. 19. Os servidores cumprirão jornada de trabalho fixada Da Transferência
em razão das atribuições pertinentes aos respectivos cargos, res-
peitada a duração máxima do trabalho semanal de quarenta horas Art. 23. (Revogado pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)

2
REGIME JURÍDICO ÚNICO
Seção VII Seção IX
Da Readaptação Da Reintegração

Art. 24. Readaptação é a investidura do servidor em cargo de Art. 28. A reintegração é a reinvestidura do servidor estável no
atribuições e responsabilidades compatíveis com a limitação que cargo anteriormente ocupado, ou no cargo resultante de sua trans-
tenha sofrido em sua capacidade física ou mental verificada em ins- formação, quando invalidada a sua demissão por decisão adminis-
peção médica. trativa ou judicial, com ressarcimento de todas as vantagens.
§ 1o Se julgado incapaz para o serviço público, o readaptando § 1o Na hipótese de o cargo ter sido extinto, o servidor ficará
será aposentado. em disponibilidade, observado o disposto nos arts. 30 e 31.
§ 2o A readaptação será efetivada em cargo de atribuições § 2o Encontrando-se provido o cargo, o seu eventual ocupante
afins, respeitada a habilitação exigida, nível de escolaridade e equi- será reconduzido ao cargo de origem, sem direito à indenização ou
valência de vencimentos e, na hipótese de inexistência de cargo aproveitado em outro cargo, ou, ainda, posto em disponibilidade.
vago, o servidor exercerá suas atribuições como excedente, até a
ocorrência de vaga. (Redação dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) Seção X
Da Recondução
Seção VIII
Da Reversão Art. 29. Recondução é o retorno do servidor estável ao cargo
(Regulamento Dec. nº 3.644, de 30.11.2000) anteriormente ocupado e decorrerá de:
I - inabilitação em estágio probatório relativo a outro cargo;
Art. 25. Reversão é o retorno à atividade de servidor aposenta- II - reintegração do anterior ocupante.
do: (Redação dada pela Medida Provisória nº 2.225-45, de 4.9.2001) Parágrafo único. Encontrando-se provido o cargo de origem, o
I - por invalidez, quando junta médica oficial declarar insub- servidor será aproveitado em outro, observado o disposto no art.
sistentes os motivos da aposentadoria; ou (Incluído pela Medida 30.
Provisória nº 2.225-45, de 4.9.2001) Seção XI
II - no interesse da administração, desde que: (Incluído pela Da Disponibilidade e do Aproveitamento
Medida Provisória nº 2.225-45, de 4.9.2001)
a) tenha solicitado a reversão; (Incluído pela Medida Provisória Art. 30. O retorno à atividade de servidor em disponibilidade
nº 2.225-45, de 4.9.2001) far-se-á mediante aproveitamento obrigatório em cargo de atribui-
b) a aposentadoria tenha sido voluntária; (Incluído pela Medi- ções e vencimentos compatíveis com o anteriormente ocupado.
da Provisória nº 2.225-45, de 4.9.2001) Art. 31. O órgão Central do Sistema de Pessoal Civil determi-
c) estável quando na atividade; (Incluído pela Medida Provisó- nará o imediato aproveitamento de servidor em disponibilidade em
ria nº 2.225-45, de 4.9.2001) vaga que vier a ocorrer nos órgãos ou entidades da Administração
d) a aposentadoria tenha ocorrido nos cinco anos anterio- Pública Federal.
res à solicitação; (Incluído pela Medida Provisória nº 2.225-45, de Parágrafo único. Na hipótese prevista no § 3o do art. 37, o
4.9.2001) servidor posto em disponibilidade poderá ser mantido sob respon-
e) haja cargo vago. (Incluído pela Medida Provisória nº 2.225- sabilidade do órgão central do Sistema de Pessoal Civil da Admi-
45, de 4.9.2001) nistração Federal - SIPEC, até o seu adequado aproveitamento em
§ 1o A reversão far-se-á no mesmo cargo ou no cargo resultan- outro órgão ou entidade. (Parágrafo incluído pela Lei nº 9.527, de
te de sua transformação. (Incluído pela Medida Provisória nº 2.225- 10.12.97)
45, de 4.9.2001) Art. 32. Será tornado sem efeito o aproveitamento e cassada a
disponibilidade se o servidor não entrar em exercício no prazo legal,
§ 2o O tempo em que o servidor estiver em exercício será con-
salvo doença comprovada por junta médica oficial.
siderado para concessão da aposentadoria. (Incluído pela Medida
Provisória nº 2.225-45, de 4.9.2001)
Capítulo II
§ 3o No caso do inciso I, encontrando-se provido o cargo, o ser-
Da Vacância
vidor exercerá suas atribuições como excedente, até a ocorrência
de vaga. (Incluído pela Medida Provisória nº 2.225-45, de 4.9.2001)
Art. 33. A vacância do cargo público decorrerá de:
§ 4o O servidor que retornar à atividade por interesse da ad-
I - exoneração;
ministração perceberá, em substituição aos proventos da aposenta- II - demissão;
doria, a remuneração do cargo que voltar a exercer, inclusive com III - promoção;
as vantagens de natureza pessoal que percebia anteriormente à IV - (Revogado pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
aposentadoria. (Incluído pela Medida Provisória nº 2.225-45, de V - (Revogado pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
4.9.2001) VI - readaptação;
§ 5o O servidor de que trata o inciso II somente terá os pro- VII - aposentadoria;
ventos calculados com base nas regras atuais se permanecer pelo VIII - posse em outro cargo inacumulável;
menos cinco anos no cargo. (Incluído pela Medida Provisória nº IX - falecimento.
2.225-45, de 4.9.2001) Art. 34. A exoneração de cargo efetivo dar-se-á a pedido do
§ 6o O Poder Executivo regulamentará o disposto neste artigo. servidor, ou de ofício.
(Incluído pela Medida Provisória nº 2.225-45, de 4.9.2001) Parágrafo único. A exoneração de ofício dar-se-á:
Art. 26. (Revogado pela Medida Provisória nº 2.225-45, de I - quando não satisfeitas as condições do estágio probatório;
4.9.2001) II - quando, tendo tomado posse, o servidor não entrar em
Art. 27. Não poderá reverter o aposentado que já tiver comple- exercício no prazo estabelecido.
tado 70 (setenta) anos de idade. Art. 35. A exoneração de cargo em comissão e a dispensa de
função de confiança dar-se-á: (Redação dada pela Lei nº 9.527, de
10.12.97)

3
REGIME JURÍDICO ÚNICO
I - a juízo da autoridade competente; § 3o Nos casos de reorganização ou extinção de órgão ou en-
II - a pedido do próprio servidor. tidade, extinto o cargo ou declarada sua desnecessidade no órgão
Parágrafo único. (Revogado pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) ou entidade, o servidor estável que não for redistribuído será co-
locado em disponibilidade, até seu aproveitamento na forma dos
Capítulo III arts. 30 e 31. (Parágrafo renumerado e alterado pela Lei nº 9.527,
Da Remoção e da Redistribuição de 10.12.97)
§ 4o O servidor que não for redistribuído ou colocado em dis-
Seção I ponibilidade poderá ser mantido sob responsabilidade do órgão
Da Remoção central do SIPEC, e ter exercício provisório, em outro órgão ou en-
tidade, até seu adequado aproveitamento. (Incluído pela Lei nº
Art. 36. Remoção é o deslocamento do servidor, a pedido ou 9.527, de 10.12.97)
de ofício, no âmbito do mesmo quadro, com ou sem mudança de
sede. Capítulo IV
Parágrafo único. Para fins do disposto neste artigo, entende-se Da Substituição
por modalidades de remoção: (Redação dada pela Lei nº 9.527, de
10.12.97) Art. 38. Os servidores investidos em cargo ou função de dire-
I - de ofício, no interesse da Administração; (Incluído pela Lei ção ou chefia e os ocupantes de cargo de Natureza Especial terão
nº 9.527, de 10.12.97) substitutos indicados no regimento interno ou, no caso de omissão,
II - a pedido, a critério da Administração; (Incluído pela Lei nº previamente designados pelo dirigente máximo do órgão ou entida-
9.527, de 10.12.97) de. (Redação dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
III - a pedido, para outra localidade, independentemente do in- § 1o O substituto assumirá automática e cumulativamente,
teresse da Administração: (Incluído pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) sem prejuízo do cargo que ocupa, o exercício do cargo ou função
a) para acompanhar cônjuge ou companheiro, também servi- de direção ou chefia e os de Natureza Especial, nos afastamentos,
dor público civil ou militar, de qualquer dos Poderes da União, dos impedimentos legais ou regulamentares do titular e na vacância do
Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, que foi deslocado no cargo, hipóteses em que deverá optar pela remuneração de um de-
interesse da Administração; (Incluído pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) les durante o respectivo período. (Redação dada pela Lei nº 9.527,
b) por motivo de saúde do servidor, cônjuge, companheiro ou de 10.12.97)
dependente que viva às suas expensas e conste do seu assentamen- § 2o O substituto fará jus à retribuição pelo exercício do cargo
to funcional, condicionada à comprovação por junta médica oficial; ou função de direção ou chefia ou de cargo de Natureza Especial,
(Incluído pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) nos casos dos afastamentos ou impedimentos legais do titular, su-
c) em virtude de processo seletivo promovido, na hipótese em periores a trinta dias consecutivos, paga na proporção dos dias de
que o número de interessados for superior ao número de vagas, efetiva substituição, que excederem o referido período. (Redação
de acordo com normas preestabelecidas pelo órgão ou entidade
dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
em que aqueles estejam lotados. (Incluído pela Lei nº 9.527, de
Art. 39. O disposto no artigo anterior aplica-se aos titulares de
10.12.97)
unidades administrativas organizadas em nível de assessoria.
Seção II
Título III
Da Redistribuição
Dos Direitos e Vantagens
Art. 37. Redistribuição é o deslocamento de cargo de provi-
mento efetivo, ocupado ou vago no âmbito do quadro geral de pes- Capítulo I
soal, para outro órgão ou entidade do mesmo Poder, com prévia Do Vencimento e da Remuneração
apreciação do órgão central do SIPEC, observados os seguintes pre-
ceitos: (Redação dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) Art. 40. Vencimento é a retribuição pecuniária pelo exercício
I - interesse da administração; (Incluído pela Lei nº 9.527, de de cargo público, com valor fixado em lei.
10.12.97) Parágrafo único. (Revogado pela Medida Provisória nº 431, de
II - equivalência de vencimentos; (Incluído pela Lei nº 9.527, 2008). (Revogado pela Lei nº 11.784, de 2008)
de 10.12.97) Art. 41. Remuneração é o vencimento do cargo efetivo, acres-
III - manutenção da essência das atribuições do cargo; (Incluí- cido das vantagens pecuniárias permanentes estabelecidas em lei.
do pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) § 1o A remuneração do servidor investido em função ou cargo
IV - vinculação entre os graus de responsabilidade e complexi- em comissão será paga na forma prevista no art. 62.
dade das atividades; (Incluído pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) § 2o O servidor investido em cargo em comissão de órgão ou
V - mesmo nível de escolaridade, especialidade ou habilitação entidade diversa da de sua lotação receberá a remuneração de
profissional; (Incluído pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) acordo com o estabelecido no § 1o do art. 93.
VI - compatibilidade entre as atribuições do cargo e as finalida- § 3o O vencimento do cargo efetivo, acrescido das vantagens
des institucionais do órgão ou entidade. (Incluído pela Lei nº 9.527, de caráter permanente, é irredutível.
de 10.12.97) § 4o É assegurada a isonomia de vencimentos para cargos de
§ 1o A redistribuição ocorrerá ex officio para ajustamento de atribuições iguais ou assemelhadas do mesmo Poder, ou entre ser-
lotação e da força de trabalho às necessidades dos serviços, inclu- vidores dos três Poderes, ressalvadas as vantagens de caráter indi-
sive nos casos de reorganização, extinção ou criação de órgão ou vidual e as relativas à natureza ou ao local de trabalho.
entidade. (Incluído pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) § 5o Nenhum servidor receberá remuneração inferior ao salá-
§ 2o A redistribuição de cargos efetivos vagos se dará mediante rio mínimo. (Incluído pela Lei nº 11.784, de 2008
ato conjunto entre o órgão central do SIPEC e os órgãos e entidades Art. 42. Nenhum servidor poderá perceber, mensalmente, a
da Administração Pública Federal envolvidos. (Incluído pela Lei nº título de remuneração, importância superior à soma dos valores
9.527, de 10.12.97) percebidos como remuneração, em espécie, a qualquer título, no

4
REGIME JURÍDICO ÚNICO
âmbito dos respectivos Poderes, pelos Ministros de Estado, por Capítulo II
membros do Congresso Nacional e Ministros do Supremo Tribunal Das Vantagens
Federal.
Parágrafo único. Excluem-se do teto de remuneração as vanta- Art. 49. Além do vencimento, poderão ser pagas ao servidor as
gens previstas nos incisos II a VII do art. 61. seguintes vantagens:
Art. 43. (Revogado pela Lei nº 9.624, de 2.4.98) (Vide Lei nº I - indenizações;
9.624, de 2.4.98) II - gratificações;
Art. 44. O servidor perderá: III - adicionais.
I - a remuneração do dia em que faltar ao serviço, sem motivo § 1o As indenizações não se incorporam ao vencimento ou
justificado; (Redação dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) provento para qualquer efeito.
II - a parcela de remuneração diária, proporcional aos atrasos, § 2o As gratificações e os adicionais incorporam-se ao venci-
ausências justificadas, ressalvadas as concessões de que trata o art. mento ou provento, nos casos e condições indicados em lei.
97, e saídas antecipadas, salvo na hipótese de compensação de ho- Art. 50. As vantagens pecuniárias não serão computadas, nem
rário, até o mês subsequente ao da ocorrência, a ser estabelecida acumuladas, para efeito de concessão de quaisquer outros acrés-
pela chefia imediata. (Redação dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) cimos pecuniários ulteriores, sob o mesmo título ou idêntico fun-
Parágrafo único. As faltas justificadas decorrentes de caso damento.
fortuito ou de força maior poderão ser compensadas a critério da
chefia imediata, sendo assim consideradas como efetivo exercício. Seção I
(Incluído pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) Das Indenizações
Art. 45. Salvo por imposição legal, ou mandado judicial, ne-
nhum desconto incidirá sobre a remuneração ou provento. (Vide Art. 51. Constituem indenizações ao servidor:
Decreto nº 1.502, de 1995) (Vide Decreto nº 1.903, de 1996) (Vide I - ajuda de custo;
Decreto nº 2.065, de 1996) (Regulamento) (Regulamento) II - diárias;
§ 1o Mediante autorização do servidor, poderá haver consig- III - transporte.
nação em folha de pagamento em favor de terceiros, a critério da IV - auxílio-moradia. (Incluído pela Lei nº 11.355, de 2006)
administração e com reposição de custos, na forma definida em re- Art. 52. Os valores das indenizações estabelecidas nos incisos I
gulamento. (Redação dada pela Lei nº 13.172, de 2015) a III do art. 51, assim como as condições para a sua concessão, serão
§ 2o O total de consignações facultativas de que trata o § 1o estabelecidos em regulamento. (Redação dada pela Lei nº 11.355,
não excederá a 35% (trinta e cinco por cento) da remuneração men- de 2006)
sal, sendo 5% (cinco por cento) reservados exclusivamente para:
(Redação dada pela Lei nº 13.172, de 2015) Subseção I
I - a amortização de despesas contraídas por meio de cartão de Da Ajuda de Custo
crédito; ou (Incluído pela Lei nº 13.172, de 2015)
II - a utilização com a finalidade de saque por meio do cartão de Art. 53. A ajuda de custo destina-se a compensar as despesas
crédito. (Incluído pela Lei nº 13.172, de 2015) de instalação do servidor que, no interesse do serviço, passar a ter
Art. 46. As reposições e indenizações ao erário, atualizadas até exercício em nova sede, com mudança de domicílio em caráter per-
30 de junho de 1994, serão previamente comunicadas ao servidor manente, vedado o duplo pagamento de indenização, a qualquer
ativo, aposentado ou ao pensionista, para pagamento, no prazo tempo, no caso de o cônjuge ou companheiro que detenha também
máximo de trinta dias, podendo ser parceladas, a pedido do inte- a condição de servidor, vier a ter exercício na mesma sede. (Reda-
ressado. (Redação dada pela Medida Provisória nº 2.225-45, de ção dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
4.9.2001) § 1o Correm por conta da administração as despesas de trans-
§ 1o O valor de cada parcela não poderá ser inferior ao corres- porte do servidor e de sua família, compreendendo passagem, ba-
pondente a dez por cento da remuneração, provento ou pensão. gagem e bens pessoais.
(Redação dada pela Medida Provisória nº 2.225-45, de 4.9.2001) § 2o À família do servidor que falecer na nova sede são asse-
§ 2o Quando o pagamento indevido houver ocorrido no mês gurados ajuda de custo e transporte para a localidade de origem,
anterior ao do processamento da folha, a reposição será feita ime- dentro do prazo de 1 (um) ano, contado do óbito.
diatamente, em uma única parcela. (Redação dada pela Medida § 3o Não será concedida ajuda de custo nas hipóteses de re-
Provisória nº 2.225-45, de 4.9.2001) moção previstas nos incisos II e III do parágrafo único do art. 36.
§ 3o Na hipótese de valores recebidos em decorrência de cum- (Incluído pela Lei nº 12.998, de 2014)
primento a decisão liminar, a tutela antecipada ou a sentença que Art. 54. A ajuda de custo é calculada sobre a remuneração do
venha a ser revogada ou rescindida, serão eles atualizados até a servidor, conforme se dispuser em regulamento, não podendo ex-
data da reposição. (Redação dada pela Medida Provisória nº 2.225- ceder a importância correspondente a 3 (três) meses.
45, de 4.9.2001) Art. 55. Não será concedida ajuda de custo ao servidor que se
Art. 47. O servidor em débito com o erário, que for demitido, afastar do cargo, ou reassumi-lo, em virtude de mandato eletivo.
exonerado ou que tiver sua aposentadoria ou disponibilidade cas- Art. 56. Será concedida ajuda de custo àquele que, não sendo
sada, terá o prazo de sessenta dias para quitar o débito. (Redação servidor da União, for nomeado para cargo em comissão, com mu-
dada pela Medida Provisória nº 2.225-45, de 4.9.2001) dança de domicílio.
Parágrafo único. A não quitação do débito no prazo previsto Parágrafo único. No afastamento previsto no inciso I do art. 93,
implicará sua inscrição em dívida ativa. (Redação dada pela Medida a ajuda de custo será paga pelo órgão cessionário, quando cabível.
Provisória nº 2.225-45, de 4.9.2001) Art. 57. O servidor ficará obrigado a restituir a ajuda de custo
Art. 48. O vencimento, a remuneração e o provento não serão quando, injustificadamente, não se apresentar na nova sede no pra-
objeto de arresto, sequestro ou penhora, exceto nos casos de pres- zo de 30 (trinta) dias.
tação de alimentos resultante de decisão judicial.

5
REGIME JURÍDICO ÚNICO
Subseção II V - o servidor tenha se mudado do local de residência para
Das Diárias ocupar cargo em comissão ou função de confiança do Grupo-Dire-
ção e Assessoramento Superiores - DAS, níveis 4, 5 e 6, de Natureza
Art. 58. O servidor que, a serviço, afastar-se da sede em caráter Especial, de Ministro de Estado ou equivalentes (Incluído pela Lei
eventual ou transitório para outro ponto do território nacional ou nº 11.355, de 2006)
para o exterior, fará jus a passagens e diárias destinadas a indenizar VI - o Município no qual assuma o cargo em comissão ou fun-
as parcelas de despesas extraordinária com pousada, alimentação e ção de confiança não se enquadre nas hipóteses do art. 58, § 3o,
locomoção urbana, conforme dispuser em regulamento. (Redação em relação ao local de residência ou domicílio do servidor; (Incluído
dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) pela Lei nº 11.355, de 2006)
§ 1o A diária será concedida por dia de afastamento, sendo de- VII - o servidor não tenha sido domiciliado ou tenha residido
vida pela metade quando o deslocamento não exigir pernoite fora no Município, nos últimos doze meses, aonde for exercer o cargo
da sede, ou quando a União custear, por meio diverso, as despe- em comissão ou função de confiança, desconsiderando-se prazo in-
sas extraordinárias cobertas por diárias. (Redação dada pela Lei nº ferior a sessenta dias dentro desse período; e (Incluído pela Lei nº
9.527, de 10.12.97) 11.355, de 2006)
§ 2o Nos casos em que o deslocamento da sede constituir exi- VIII - o deslocamento não tenha sido por força de alteração
gência permanente do cargo, o servidor não fará jus a diárias. de lotação ou nomeação para cargo efetivo. (Incluído pela Lei nº
§ 3o Também não fará jus a diárias o servidor que se deslocar 11.355, de 2006)
dentro da mesma região metropolitana, aglomeração urbana ou IX - o deslocamento tenha ocorrido após 30 de junho de 2006.
microrregião, constituídas por municípios limítrofes e regularmente (Incluído pela Lei nº 11.490, de 2007)
instituídas, ou em áreas de controle integrado mantidas com países Parágrafo único. Para fins do inciso VII, não será considerado o
limítrofes, cuja jurisdição e competência dos órgãos, entidades e prazo no qual o servidor estava ocupando outro cargo em comissão
servidores brasileiros considera-se estendida, salvo se houver per- relacionado no inciso V. (Incluído pela Lei nº 11.355, de 2006)
noite fora da sede, hipóteses em que as diárias pagas serão sempre Art. 60-C. (Revogado pela Lei nº 12.998, de 2014)
as fixadas para os afastamentos dentro do território nacional. (In- Art. 60-D. O valor mensal do auxílio-moradia é limitado a 25%
cluído pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) (vinte e cinco por cento) do valor do cargo em comissão, função co-
Art. 59. O servidor que receber diárias e não se afastar da sede, missionada ou cargo de Ministro de Estado ocupado. (Incluído pela
por qualquer motivo, fica obrigado a restituí-las integralmente, no Lei nº 11.784, de 2008
prazo de 5 (cinco) dias. § 1o O valor do auxílio-moradia não poderá superar 25% (vinte
Parágrafo único. Na hipótese de o servidor retornar à sede em e cinco por cento) da remuneração de Ministro de Estado. (Incluído
prazo menor do que o previsto para o seu afastamento, restituirá as pela Lei nº 11.784, de 2008
diárias recebidas em excesso, no prazo previsto no caput. § 2o Independentemente do valor do cargo em comissão ou
função comissionada, fica garantido a todos os que preencherem
Subseção III os requisitos o ressarcimento até o valor de R$ 1.800,00 (mil e oito-
Da Indenização de Transporte centos reais). (Incluído pela Lei nº 11.784, de 2008
§ 3o (Incluído pela Medida Provisória nº 805, de 2017) (Vigên-
Art. 60. Conceder-se-á indenização de transporte ao servidor cia encerrada)
que realizar despesas com a utilização de meio próprio de locomo- § 4o (Incluído pela Medida Provisória nº 805, de 2017) (Vigên-
ção para a execução de serviços externos, por força das atribuições cia encerrada)
próprias do cargo, conforme se dispuser em regulamento. Art. 60-E. No caso de falecimento, exoneração, colocação de
imóvel funcional à disposição do servidor ou aquisição de imóvel, o
Subseção IV auxílio-moradia continuará sendo pago por um mês. (Incluído pela
Do Auxílio-Moradia Lei nº 11.355, de 2006)
(Incluído pela Lei nº 11.355, de 2006)
Seção II
Art. 60-A. O auxílio-moradia consiste no ressarcimento das Das Gratificações e Adicionais
despesas comprovadamente realizadas pelo servidor com aluguel
de moradia ou com meio de hospedagem administrado por empre- Art. 61. Além do vencimento e das vantagens previstas nesta
sa hoteleira, no prazo de um mês após a comprovação da despesa Lei, serão deferidos aos servidores as seguintes retribuições, grati-
pelo servidor. (Incluído pela Lei nº 11.355, de 2006) ficações e adicionais: (Redação dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
Art. 60-B. Conceder-se-á auxílio-moradia ao servidor se aten- I - retribuição pelo exercício de função de direção, chefia e as-
didos os seguintes requisitos: (Incluído pela Lei nº 11.355, de 2006) sessoramento; (Redação dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
I - não exista imóvel funcional disponível para uso pelo servi- II - gratificação natalina;
dor; (Incluído pela Lei nº 11.355, de 2006) III - (Revogado pela Medida Provisória nº 2.225-45, de 4.9.2001)
II - o cônjuge ou companheiro do servidor não ocupe imóvel IV - adicional pelo exercício de atividades insalubres, perigosas
funcional; (Incluído pela Lei nº 11.355, de 2006) ou penosas;
III - o servidor ou seu cônjuge ou companheiro não seja ou te- V - adicional pela prestação de serviço extraordinário;
nha sido proprietário, promitente comprador, cessionário ou promi- VI - adicional noturno;
tente cessionário de imóvel no Município aonde for exercer o cargo, VII - adicional de férias;
incluída a hipótese de lote edificado sem averbação de construção, VIII - outros, relativos ao local ou à natureza do trabalho.
nos doze meses que antecederem a sua nomeação; (Incluído pela IX - gratificação por encargo de curso ou concurso. (Incluído
Lei nº 11.355, de 2006) pela Lei nº 11.314 de 2006)
IV - nenhuma outra pessoa que resida com o servidor receba
auxílio-moradia; (Incluído pela Lei nº 11.355, de 2006)

6
REGIME JURÍDICO ÚNICO
Subseção I Parágrafo único. A servidora gestante ou lactante será afasta-
Da Retribuição pelo Exercício de Função de Direção, da, enquanto durar a gestação e a lactação, das operações e locais
Chefia e Assessoramento previstos neste artigo, exercendo suas atividades em local salubre e
(Redação dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) em serviço não penoso e não perigoso.
Art. 70. Na concessão dos adicionais de atividades penosas, de
Art. 62. Ao servidor ocupante de cargo efetivo investido em insalubridade e de periculosidade, serão observadas as situações
função de direção, chefia ou assessoramento, cargo de provimento estabelecidas em legislação específica.
em comissão ou de Natureza Especial é devida retribuição pelo seu Art. 71. O adicional de atividade penosa será devido aos servi-
exercício. (Redação dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) dores em exercício em zonas de fronteira ou em localidades cujas
Parágrafo único. Lei específica estabelecerá a remuneração condições de vida o justifiquem, nos termos, condições e limites
dos cargos em comissão de que trata o inciso II do art. 9o. (Redação fixados em regulamento.
dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) Art. 72. Os locais de trabalho e os servidores que operam com
Art. 62-A. Fica transformada em Vantagem Pessoal Nominal- Raios X ou substâncias radioativas serão mantidos sob controle per-
mente Identificada - VPNI a incorporação da retribuição pelo exer- manente, de modo que as doses de radiação ionizante não ultra-
cício de função de direção, chefia ou assessoramento, cargo de pro- passem o nível máximo previsto na legislação própria.
vimento em comissão ou de Natureza Especial a que se referem os Parágrafo único. Os servidores a que se refere este artigo serão
arts. 3o e 10 da Lei no 8.911, de 11 de julho de 1994, e o art. 3o da submetidos a exames médicos a cada 6 (seis) meses.
Lei no 9.624, de 2 de abril de 1998. (Incluído pela Medida Provisória
nº 2.225-45, de 4.9.2001) Subseção V
Parágrafo único. A VPNI de que trata o caput deste artigo so- Do Adicional por Serviço Extraordinário
mente estará sujeita às revisões gerais de remuneração dos servi-
dores públicos federais. (Incluído pela Medida Provisória nº 2.225- Art. 73. O serviço extraordinário será remunerado com acrés-
45, de 4.9.2001) cimo de 50% (cinquenta por cento) em relação à hora normal de
trabalho.
Subseção II Art. 74. Somente será permitido serviço extraordinário para
Da Gratificação Natalina atender a situações excepcionais e temporárias, respeitado o limite
máximo de 2 (duas) horas por jornada.
Art. 63. A gratificação natalina corresponde a 1/12 (um doze
Subseção VI
avos) da remuneração a que o servidor fizer jus no mês de dezem-
Do Adicional Noturno
bro, por mês de exercício no respectivo ano.
Parágrafo único. A fração igual ou superior a 15 (quinze) dias
Art. 75. O serviço noturno, prestado em horário compreendido
será considerada como mês integral.
entre 22 (vinte e duas) horas de um dia e 5 (cinco) horas do dia seguin-
Art. 64. A gratificação será paga até o dia 20 (vinte) do mês de
te, terá o valor-hora acrescido de 25% (vinte e cinco por cento), compu-
dezembro de cada ano. tando-se cada hora como cinquenta e dois minutos e trinta segundos.
Parágrafo único. (VETADO). Parágrafo único. Em se tratando de serviço extraordinário, o
Art. 65. O servidor exonerado perceberá sua gratificação nata- acréscimo de que trata este artigo incidirá sobre a remuneração
lina, proporcionalmente aos meses de exercício, calculada sobre a prevista no art. 73.
remuneração do mês da exoneração.
Art. 66. A gratificação natalina não será considerada para cál- Subseção VII
culo de qualquer vantagem pecuniária. Do Adicional de Férias
Subseção III Art. 76. Independentemente de solicitação, será pago ao servi-
Do Adicional por Tempo de Serviço dor, por ocasião das férias, um adicional correspondente a 1/3 (um
terço) da remuneração do período das férias.
Art. 67. (Revogado pela Medida Provisória nº 2.225-45, de Parágrafo único. No caso de o servidor exercer função de di-
2001, respeitadas as situações constituídas até 8.3.1999) reção, chefia ou assessoramento, ou ocupar cargo em comissão, a
respectiva vantagem será considerada no cálculo do adicional de
Subseção IV que trata este artigo.
Dos Adicionais de Insalubridade,
Periculosidade ou Atividades Penosas Subseção VIII
Da Gratificação por Encargo de Curso ou Concurso
Art. 68. Os servidores que trabalhem com habitualidade em lo- (Incluído pela Lei nº 11.314 de 2006)
cais insalubres ou em contato permanente com substâncias tóxicas,
radioativas ou com risco de vida, fazem jus a um adicional sobre o Art. 76-A. A Gratificação por Encargo de Curso ou Concurso é
vencimento do cargo efetivo. devida ao servidor que, em caráter eventual: (Incluído pela Lei nº
§ 1o O servidor que fizer jus aos adicionais de insalubridade e 11.314 de 2006) (Regulamento)
de periculosidade deverá optar por um deles. I - atuar como instrutor em curso de formação, de desenvol-
§ 2o O direito ao adicional de insalubridade ou periculosidade vimento ou de treinamento regularmente instituído no âmbito da
cessa com a eliminação das condições ou dos riscos que deram cau- administração pública federal; (Incluído pela Lei nº 11.314 de 2006)
sa a sua concessão. II - participar de banca examinadora ou de comissão para exa-
Art. 69. Haverá permanente controle da atividade de servido- mes orais, para análise curricular, para correção de provas discur-
res em operações ou locais considerados penosos, insalubres ou sivas, para elaboração de questões de provas ou para julgamento
perigosos. de recursos intentados por candidatos; (Incluído pela Lei nº 11.314
de 2006)

7
REGIME JURÍDICO ÚNICO
III - participar da logística de preparação e de realização de § 4o A indenização será calculada com base na remuneração
concurso público envolvendo atividades de planejamento, coorde- do mês em que for publicado o ato exoneratório. (Incluído pela Lei
nação, supervisão, execução e avaliação de resultado, quando tais nº 8.216, de 13.8.91)
atividades não estiverem incluídas entre as suas atribuições perma- § 5o Em caso de parcelamento, o servidor receberá o valor
nentes; (Incluído pela Lei nº 11.314 de 2006) adicional previsto no inciso XVII do art. 7o da Constituição Fede-
IV - participar da aplicação, fiscalizar ou avaliar provas de exa- ral quando da utilização do primeiro período. (Incluído pela Lei nº
me vestibular ou de concurso público ou supervisionar essas ativi- 9.525, de 10.12.97)
dades. (Incluído pela Lei nº 11.314 de 2006) Art. 79. O servidor que opera direta e permanentemente com
§ 1o Os critérios de concessão e os limites da gratificação de Raios X ou substâncias radioativas gozará 20 (vinte) dias consecuti-
que trata este artigo serão fixados em regulamento, observados os vos de férias, por semestre de atividade profissional, proibida em
seguintes parâmetros: (Incluído pela Lei nº 11.314 de 2006) qualquer hipótese a acumulação.
I - o valor da gratificação será calculado em horas, observadas a Parágrafo único. (Revogado pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
natureza e a complexidade da atividade exercida; (Incluído pela Lei Art. 80. As férias somente poderão ser interrompidas por mo-
nº 11.314 de 2006) tivo de calamidade pública, comoção interna, convocação para júri,
II - a retribuição não poderá ser superior ao equivalente a 120 serviço militar ou eleitoral, ou por necessidade do serviço declarada
(cento e vinte) horas de trabalho anuais, ressalvada situação de ex- pela autoridade máxima do órgão ou entidade. (Redação dada pela
cepcionalidade, devidamente justificada e previamente aprovada Lei nº 9.527, de 10.12.97) (Vide Lei nº 9.525, de 1997)
pela autoridade máxima do órgão ou entidade, que poderá autori- Parágrafo único. O restante do período interrompido será go-
zar o acréscimo de até 120 (cento e vinte) horas de trabalho anuais; zado de uma só vez, observado o disposto no art. 77. (Incluído pela
(Incluído pela Lei nº 11.314 de 2006) Lei nº 9.527, de 10.12.97)
III - o valor máximo da hora trabalhada corresponderá aos se-
guintes percentuais, incidentes sobre o maior vencimento básico da Capítulo IV
administração pública federal: (Incluído pela Lei nº 11.314 de 2006) Das Licenças
a) 2,2% (dois inteiros e dois décimos por cento), em se tratan-
do de atividades previstas nos incisos I e II do caput deste artigo; Seção I
(Redação dada pela Lei nº 11.501, de 2007) Disposições Gerais
b) 1,2% (um inteiro e dois décimos por cento), em se tratando
de atividade prevista nos incisos III e IV do caput deste artigo. (Re-
Art. 81. Conceder-se-á ao servidor licença:
dação dada pela Lei nº 11.501, de 2007)
I - por motivo de doença em pessoa da família;
§ 2o A Gratificação por Encargo de Curso ou Concurso somente
II - por motivo de afastamento do cônjuge ou companheiro;
será paga se as atividades referidas nos incisos do caput deste ar-
III - para o serviço militar;
tigo forem exercidas sem prejuízo das atribuições do cargo de que
IV - para atividade política;
o servidor for titular, devendo ser objeto de compensação de carga
V - para capacitação; (Redação dada pela Lei nº 9.527, de
horária quando desempenhadas durante a jornada de trabalho, na
10.12.97)
forma do § 4o do art. 98 desta Lei. (Incluído pela Lei nº 11.314 de
2006) VI - para tratar de interesses particulares;
§ 3o A Gratificação por Encargo de Curso ou Concurso não se VII - para desempenho de mandato classista.
incorpora ao vencimento ou salário do servidor para qualquer efei- § 1o A licença prevista no inciso I do caput deste artigo bem
to e não poderá ser utilizada como base de cálculo para quaisquer como cada uma de suas prorrogações serão precedidas de exame
outras vantagens, inclusive para fins de cálculo dos proventos da por perícia médica oficial, observado o disposto no art. 204 desta
aposentadoria e das pensões. (Incluído pela Lei nº 11.314 de 2006) Lei. (Redação dada pela Lei nº 11.907, de 2009)
§ 2o (Revogado pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
Capítulo III § 3o É vedado o exercício de atividade remunerada durante o
Das Férias período da licença prevista no inciso I deste artigo.
Art. 82. A licença concedida dentro de 60 (sessenta) dias do
Art. 77. O servidor fará jus a trinta dias de férias, que podem término de outra da mesma espécie será considerada como pror-
ser acumuladas, até o máximo de dois períodos, no caso de neces- rogação.
sidade do serviço, ressalvadas as hipóteses em que haja legislação
específica. (Redação dada pela Lei nº 9.525, de 10.12.97) (Vide Lei Seção II
nº 9.525, de 1997) Da Licença por Motivo de Doença em Pessoa da Família
§ 1o Para o primeiro período aquisitivo de férias serão exigidos
12 (doze) meses de exercício. Art. 83. Poderá ser concedida licença ao servidor por motivo
§ 2o É vedado levar à conta de férias qualquer falta ao serviço. de doença do cônjuge ou companheiro, dos pais, dos filhos, do pa-
§ 3o As férias poderão ser parceladas em até três etapas, des- drasto ou madrasta e enteado, ou dependente que viva a suas ex-
de que assim requeridas pelo servidor, e no interesse da administra- pensas e conste do seu assentamento funcional, mediante compro-
ção pública. (Incluído pela Lei nº 9.525, de 10.12.97) vação por perícia médica oficial. (Redação dada pela Lei nº 11.907,
Art. 78. O pagamento da remuneração das férias será efetuado de 2009)
até 2 (dois) dias antes do início do respectivo período, observan- § 1o A licença somente será deferida se a assistência direta
do-se o disposto no § 1o deste artigo. (Vide Lei nº 9.525, de 1997) do servidor for indispensável e não puder ser prestada simultanea-
§ 1° e § 2° (Revogado pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) mente com o exercício do cargo ou mediante compensação de ho-
§ 3o O servidor exonerado do cargo efetivo, ou em comissão, rário, na forma do disposto no inciso II do art. 44. (Redação dada
perceberá indenização relativa ao período das férias a que tiver di- pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
reito e ao incompleto, na proporção de um doze avos por mês de § 2o A licença de que trata o caput, incluídas as prorrogações,
efetivo exercício, ou fração superior a quatorze dias. (Incluído pela poderá ser concedida a cada período de doze meses nas seguintes
Lei nº 8.216, de 13.8.91) condições: (Redação dada pela Lei nº 12.269, de 2010)

8
REGIME JURÍDICO ÚNICO
I - por até 60 (sessenta) dias, consecutivos ou não, mantida a Parágrafo único. Os períodos de licença de que trata o caput
remuneração do servidor; e (Incluído pela Lei nº 12.269, de 2010) não são acumuláveis. (Redação dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
II - por até 90 (noventa) dias, consecutivos ou não, sem remu- Art. 88. (Revogado pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
neração. (Incluído pela Lei nº 12.269, de 2010) Art. 89. (Revogado pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
§ 3o O início do interstício de 12 (doze) meses será contado a Art. 90. (VETADO).
partir da data do deferimento da primeira licença concedida. (In-
cluído pela Lei nº 12.269, de 2010) Seção VII
§ 4o A soma das licenças remuneradas e das licenças não remu- Da Licença para Tratar de Interesses Particulares
neradas, incluídas as respectivas prorrogações, concedidas em um
mesmo período de 12 (doze) meses, observado o disposto no § 3o, Art. 91. A critério da Administração, poderão ser concedidas
não poderá ultrapassar os limites estabelecidos nos incisos I e II do ao servidor ocupante de cargo efetivo, desde que não esteja em es-
§ 2o. (Incluído pela Lei nº 12.269, de 2010) tágio probatório, licenças para o trato de assuntos particulares pelo
prazo de até três anos consecutivos, sem remuneração. (Redação
Seção III
dada pela Medida Provisória nº 2.225-45, de 4.9.2001)
Da Licença por Motivo de Afastamento do Cônjuge
Parágrafo único. A licença poderá ser interrompida, a qualquer
tempo, a pedido do servidor ou no interesse do serviço. (Redação
Art. 84. Poderá ser concedida licença ao servidor para acompa-
nhar cônjuge ou companheiro que foi deslocado para outro ponto dada pela Medida Provisória nº 2.225-45, de 4.9.2001)
do território nacional, para o exterior ou para o exercício de manda-
to eletivo dos Poderes Executivo e Legislativo. Seção VIII
§ 1o A licença será por prazo indeterminado e sem remuneração. Da Licença para o Desempenho de Mandato Classista
§ 2o No deslocamento de servidor cujo cônjuge ou compa-
nheiro também seja servidor público, civil ou militar, de qualquer Art. 92. É assegurado ao servidor o direito à licença sem re-
dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Muni- muneração para o desempenho de mandato em confederação,
cípios, poderá haver exercício provisório em órgão ou entidade da federação, associação de classe de âmbito nacional, sindicato re-
Administração Federal direta, autárquica ou fundacional, desde que presentativo da categoria ou entidade fiscalizadora da profissão ou,
para o exercício de atividade compatível com o seu cargo. (Redação ainda, para participar de gerência ou administração em sociedade
dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) cooperativa constituída por servidores públicos para prestar servi-
ços a seus membros, observado o disposto na alínea c do inciso VIII
Seção IV do art. 102 desta Lei, conforme disposto em regulamento e obser-
Da Licença para o Serviço Militar vados os seguintes limites: (Redação dada pela Lei nº 11.094, de
2005) (Regulamento)
Art. 85. Ao servidor convocado para o serviço militar será conce- I - para entidades com até 5.000 (cinco mil) associados, 2 (dois)
dida licença, na forma e condições previstas na legislação específica. servidores; (Redação dada pela Lei nº 12.998, de 2014)
Parágrafo único. Concluído o serviço militar, o servidor terá II - para entidades com 5.001 (cinco mil e um) a 30.000 (trinta
até 30 (trinta) dias sem remuneração para reassumir o exercício do mil) associados, 4 (quatro) servidores; (Redação dada pela Lei nº
cargo. 12.998, de 2014)
III - para entidades com mais de 30.000 (trinta mil) associados,
Seção V 8 (oito) servidores. (Redação dada pela Lei nº 12.998, de 2014)
Da Licença para Atividade Política § 1o Somente poderão ser licenciados os servidores eleitos
para cargos de direção ou de representação nas referidas entida-
Art. 86. O servidor terá direito a licença, sem remuneração,
des, desde que cadastradas no órgão competente. (Redação dada
durante o período que mediar entre a sua escolha em convenção
pela Lei nº 12.998, de 2014)
partidária, como candidato a cargo eletivo, e a véspera do registro
§ 2o A licença terá duração igual à do mandato, podendo ser
de sua candidatura perante a Justiça Eleitoral.
§ 1o O servidor candidato a cargo eletivo na localidade onde renovada, no caso de reeleição. (Redação dada pela Lei nº 12.998,
desempenha suas funções e que exerça cargo de direção, chefia, de 2014)
assessoramento, arrecadação ou fiscalização, dele será afastado, a
partir do dia imediato ao do registro de sua candidatura perante a Capítulo V
Justiça Eleitoral, até o décimo dia seguinte ao do pleito. (Redação Dos Afastamentos
dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
§ 2o A partir do registro da candidatura e até o décimo dia Seção I
seguinte ao da eleição, o servidor fará jus à licença, assegurados os Do Afastamento para Servir a Outro Órgão ou Entidade
vencimentos do cargo efetivo, somente pelo período de três meses.
(Redação dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) Art. 93. O servidor poderá ser cedido para ter exercício em ou-
tro órgão ou entidade dos Poderes da União, dos Estados, ou do Dis-
Seção VI trito Federal e dos Municípios, nas seguintes hipóteses: (Redação
Da Licença para Capacitação dada pela Lei nº 8.270, de 17.12.91) (Regulamento) (Vide Decreto
(Redação dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) nº 4.493, de 3.12.2002) (Vide Decreto nº 5.213, de 2004) (Vide De-
creto nº 9.144, de 2017)
Art. 87. Após cada quinquênio de efetivo exercício, o servidor I - para exercício de cargo em comissão ou função de confian-
poderá, no interesse da Administração, afastar-se do exercício do ça; (Redação dada pela Lei nº 8.270, de 17.12.91)
cargo efetivo, com a respectiva remuneração, por até três meses, II - em casos previstos em leis específicas. (Redação dada pela
para participar de curso de capacitação profissional. (Redação dada Lei nº 8.270, de 17.12.91)
pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) (Vide Decreto nº 5.707, de 2006)

9
REGIME JURÍDICO ÚNICO
§ 1o Na hipótese do inciso I, sendo a cessão para órgãos ou en- § 1o A ausência não excederá a 4 (quatro) anos, e finda a mis-
tidades dos Estados, do Distrito Federal ou dos Municípios, o ônus são ou estudo, somente decorrido igual período, será permitida
da remuneração será do órgão ou entidade cessionária, mantido o nova ausência.
ônus para o cedente nos demais casos. (Redação dada pela Lei nº § 2o Ao servidor beneficiado pelo disposto neste artigo não
8.270, de 17.12.91) será concedida exoneração ou licença para tratar de interesse par-
§ 2º Na hipótese de o servidor cedido a empresa pública ou ticular antes de decorrido período igual ao do afastamento, res-
sociedade de economia mista, nos termos das respectivas normas, salvada a hipótese de ressarcimento da despesa havida com seu
optar pela remuneração do cargo efetivo ou pela remuneração do afastamento.
cargo efetivo acrescida de percentual da retribuição do cargo em § 3o O disposto neste artigo não se aplica aos servidores da
comissão, a entidade cessionária efetuará o reembolso das despe- carreira diplomática.
sas realizadas pelo órgão ou entidade de origem. (Redação dada § 4o As hipóteses, condições e formas para a autorização de
pela Lei nº 11.355, de 2006) que trata este artigo, inclusive no que se refere à remuneração do
§ 3o A cessão far-se-á mediante Portaria publicada no Diário servidor, serão disciplinadas em regulamento. (Incluído pela Lei nº
Oficial da União. (Redação dada pela Lei nº 8.270, de 17.12.91) 9.527, de 10.12.97)
§ 4o Mediante autorização expressa do Presidente da Repúbli- Art. 96. O afastamento de servidor para servir em organismo
ca, o servidor do Poder Executivo poderá ter exercício em outro ór- internacional de que o Brasil participe ou com o qual coopere dar-
gão da Administração Federal direta que não tenha quadro próprio -se-á com perda total da remuneração. (Vide Decreto nº 3.456, de
de pessoal, para fim determinado e a prazo certo. (Incluído pela Lei 2000)
nº 8.270, de 17.12.91)
§ 5º Aplica-se à União, em se tratando de empregado ou servi- Seção IV
dor por ela requisitado, as disposições dos §§ 1º e 2º deste artigo. (Incluído pela Lei nº 11.907, de 2009)
(Redação dada pela Lei nº 10.470, de 25.6.2002) Do Afastamento para Participação em Programa de Pós-Gra-
§ 6º As cessões de empregados de empresa pública ou de so- duação Stricto Sensu no País
ciedade de economia mista, que receba recursos de Tesouro Nacional
para o custeio total ou parcial da sua folha de pagamento de pessoal, Art. 96-A. O servidor poderá, no interesse da Administração, e
independem das disposições contidas nos incisos I e II e §§ 1º e 2º desde que a participação não possa ocorrer simultaneamente com
deste artigo, ficando o exercício do empregado cedido condicionado o exercício do cargo ou mediante compensação de horário, afastar-
a autorização específica do Ministério do Planejamento, Orçamento e -se do exercício do cargo efetivo, com a respectiva remuneração,
Gestão, exceto nos casos de ocupação de cargo em comissão ou função para participar em programa de pós-graduação stricto sensu em
gratificada. (Incluído pela Lei nº 10.470, de 25.6.2002) instituição de ensino superior no País. (Incluído pela Lei nº 11.907,
§ 7° O Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, com de 2009)
a finalidade de promover a composição da força de trabalho dos § 1o Ato do dirigente máximo do órgão ou entidade definirá,
órgãos e entidades da Administração Pública Federal, poderá de- em conformidade com a legislação vigente, os programas de capa-
terminar a lotação ou o exercício de empregado ou servidor, inde- citação e os critérios para participação em programas de pós-gra-
pendentemente da observância do constante no inciso I e nos §§ 1º duação no País, com ou sem afastamento do servidor, que serão
e 2º deste artigo. (Incluído pela Lei nº 10.470, de 25.6.2002) (Vide avaliados por um comitê constituído para este fim. (Incluído pela
Decreto nº 5.375, de 2005) Lei nº 11.907, de 2009)
§ 2o Os afastamentos para realização de programas de mestra-
Seção II do e doutorado somente serão concedidos aos servidores titulares
Do Afastamento para Exercício de Mandato Eletivo de cargos efetivos no respectivo órgão ou entidade há pelo menos
3 (três) anos para mestrado e 4 (quatro) anos para doutorado, in-
Art. 94. Ao servidor investido em mandato eletivo aplicam-se
cluído o período de estágio probatório, que não tenham se afastado
as seguintes disposições:
por licença para tratar de assuntos particulares para gozo de licença
I - tratando-se de mandato federal, estadual ou distrital, ficará
capacitação ou com fundamento neste artigo nos 2 (dois) anos an-
afastado do cargo;
teriores à data da solicitação de afastamento. (Incluído pela Lei nº
II - investido no mandato de Prefeito, será afastado do cargo,
11.907, de 2009)
sendo-lhe facultado optar pela sua remuneração;
§ 3o Os afastamentos para realização de programas de pós-
III - investido no mandato de vereador:
-doutorado somente serão concedidos aos servidores titulares de
a) havendo compatibilidade de horário, perceberá as vanta-
gens de seu cargo, sem prejuízo da remuneração do cargo eletivo; cargos efetivo no respectivo órgão ou entidade há pelo menos qua-
b) não havendo compatibilidade de horário, será afastado do tro anos, incluído o período de estágio probatório, e que não te-
cargo, sendo-lhe facultado optar pela sua remuneração. nham se afastado por licença para tratar de assuntos particulares
§ 1o No caso de afastamento do cargo, o servidor contribuirá ou com fundamento neste artigo, nos quatro anos anteriores à data
para a seguridade social como se em exercício estivesse. da solicitação de afastamento. (Redação dada pela Lei nº 12.269,
§ 2o O servidor investido em mandato eletivo ou classista não de 2010)
poderá ser removido ou redistribuído de ofício para localidade di- § 4o Os servidores beneficiados pelos afastamentos previstos
versa daquela onde exerce o mandato. nos §§ 1o, 2o e 3o deste artigo terão que permanecer no exercício
de suas funções após o seu retorno por um período igual ao do afas-
Seção III tamento concedido. (Incluído pela Lei nº 11.907, de 2009)
Do Afastamento para Estudo ou Missão no Exterior § 5o Caso o servidor venha a solicitar exoneração do cargo ou
aposentadoria, antes de cumprido o período de permanência pre-
Art. 95. O servidor não poderá ausentar-se do País para estudo visto no § 4o deste artigo, deverá ressarcir o órgão ou entidade, na
ou missão oficial, sem autorização do Presidente da República, Pre- forma do art. 47 da Lei no 8.112, de 11 de dezembro de 1990, dos
sidente dos Órgãos do Poder Legislativo e Presidente do Supremo gastos com seu aperfeiçoamento. (Incluído pela Lei nº 11.907, de
Tribunal Federal. (Vide Decreto nº 1.387, de 1995) 2009)

10
REGIME JURÍDICO ÚNICO
§ 6o Caso o servidor não obtenha o título ou grau que justificou II - exercício de cargo em comissão ou equivalente, em órgão
seu afastamento no período previsto, aplica-se o disposto no § 5o ou entidade dos Poderes da União, dos Estados, Municípios e Dis-
deste artigo, salvo na hipótese comprovada de força maior ou de trito Federal;
caso fortuito, a critério do dirigente máximo do órgão ou entidade. III - exercício de cargo ou função de governo ou administração,
(Incluído pela Lei nº 11.907, de 2009) em qualquer parte do território nacional, por nomeação do Presi-
§ 7o Aplica-se à participação em programa de pós-graduação dente da República;
no Exterior, autorizado nos termos do art. 95 desta Lei, o disposto IV - participação em programa de treinamento regularmen-
nos §§ 1o a 6o deste artigo. (Incluído pela Lei nº 11.907, de 2009) te instituído ou em programa de pós-graduação stricto sensu no
País, conforme dispuser o regulamento; (Redação dada pela Lei nº
Capítulo VI 11.907, de 2009) (Vide Decreto nº 5.707, de 2006)
Das Concessões V - desempenho de mandato eletivo federal, estadual, munici-
pal ou do Distrito Federal, exceto para promoção por merecimento;
Art. 97. Sem qualquer prejuízo, poderá o servidor ausentar-se VI - júri e outros serviços obrigatórios por lei;
do serviço: (Redação dada pela Medida provisória nº 632, de 2013) VII - missão ou estudo no exterior, quando autorizado o afasta-
I - por 1 (um) dia, para doação de sangue; mento, conforme dispuser o regulamento; (Redação dada pela Lei
II - pelo período comprovadamente necessário para alistamen- nº 9.527, de 10.12.97) (Vide Decreto nº 5.707, de 2006)
to ou recadastramento eleitoral, limitado, em qualquer caso, a 2 VIII - licença:
(dois) dias; (Redação dada pela Lei nº 12.998, de 2014) a) à gestante, à adotante e à paternidade;
III - por 8 (oito) dias consecutivos em razão de : b) para tratamento da própria saúde, até o limite de vinte e
a) casamento; quatro meses, cumulativo ao longo do tempo de serviço público
b) falecimento do cônjuge, companheiro, pais, madrasta ou prestado à União, em cargo de provimento efetivo; (Redação dada
padrasto, filhos, enteados, menor sob guarda ou tutela e irmãos. pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
Art. 98. Será concedido horário especial ao servidor estudante, c) para o desempenho de mandato classista ou participação de
quando comprovada a incompatibilidade entre o horário escolar e o gerência ou administração em sociedade cooperativa constituída
da repartição, sem prejuízo do exercício do cargo. por servidores para prestar serviços a seus membros, exceto para
§ 1o Para efeito do disposto neste artigo, será exigida a com- efeito de promoção por merecimento; (Redação dada pela Lei nº
pensação de horário no órgão ou entidade que tiver exercício, res- 11.094, de 2005)
peitada a duração semanal do trabalho. (Parágrafo renumerado e d) por motivo de acidente em serviço ou doença profissional;
alterado pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) e) para capacitação, conforme dispuser o regulamento; (Reda-
§ 2o Também será concedido horário especial ao servidor por- ção dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
tador de deficiência, quando comprovada a necessidade por junta f) por convocação para o serviço militar;
médica oficial, independentemente de compensação de horário. IX - deslocamento para a nova sede de que trata o art. 18;
(Incluído pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) X - participação em competição desportiva nacional ou convo-
§ 3o As disposições constantes do § 2o são extensivas ao ser- cação para integrar representação desportiva nacional, no País ou
vidor que tenha cônjuge, filho ou dependente com deficiência. (Re- no exterior, conforme disposto em lei específica;
dação dada pela Lei nº 13.370, de 2016) XI - afastamento para servir em organismo internacional de
§ 4o Será igualmente concedido horário especial, vinculado à que o Brasil participe ou com o qual coopere. (Incluído pela Lei nº
compensação de horário a ser efetivada no prazo de até 1 (um) ano, 9.527, de 10.12.97)
ao servidor que desempenhe atividade prevista nos incisos I e II do Art. 103. Contar-se-á apenas para efeito de aposentadoria e
caput do art. 76-A desta Lei. (Redação dada pela Lei nº 11.501, de disponibilidade:
2007) I - o tempo de serviço público prestado aos Estados, Municí-
Art. 99. Ao servidor estudante que mudar de sede no interesse pios e Distrito Federal;
da administração é assegurada, na localidade da nova residência ou II - a licença para tratamento de saúde de pessoal da família do
na mais próxima, matrícula em instituição de ensino congênere, em servidor, com remuneração, que exceder a 30 (trinta) dias em perío-
qualquer época, independentemente de vaga. do de 12 (doze) meses. (Redação dada pela Lei nº 12.269, de 2010)
Parágrafo único. O disposto neste artigo estende-se ao cônjuge III - a licença para atividade política, no caso do art. 86, § 2o;
ou companheiro, aos filhos, ou enteados do servidor que vivam na IV - o tempo correspondente ao desempenho de mandato ele-
sua companhia, bem como aos menores sob sua guarda, com au- tivo federal, estadual, municipal ou distrital, anterior ao ingresso no
torização judicial. serviço público federal;
V - o tempo de serviço em atividade privada, vinculada à Pre-
Capítulo VII vidência Social;
Do Tempo de Serviço VI - o tempo de serviço relativo a tiro de guerra;
VII - o tempo de licença para tratamento da própria saúde que
Art. 100. É contado para todos os efeitos o tempo de serviço exceder o prazo a que se refere a alínea “b” do inciso VIII do art.
público federal, inclusive o prestado às Forças Armadas. 102. (Incluído pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
Art. 101. A apuração do tempo de serviço será feita em dias, § 1o O tempo em que o servidor esteve aposentado será con-
que serão convertidos em anos, considerado o ano como de trezen- tado apenas para nova aposentadoria.
tos e sessenta e cinco dias. § 2o Será contado em dobro o tempo de serviço prestado às
Parágrafo único. (Revogado pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) Forças Armadas em operações de guerra.
Art. 102. Além das ausências ao serviço previstas no art. 97, § 3o É vedada a contagem cumulativa de tempo de serviço
são considerados como de efetivo exercício os afastamentos em vir- prestado concomitantemente em mais de um cargo ou função de
tude de: (Vide Decreto nº 5.707, de 2006) órgão ou entidades dos Poderes da União, Estado, Distrito Federal
I - férias; e Município, autarquia, fundação pública, sociedade de economia
mista e empresa pública.

11
REGIME JURÍDICO ÚNICO
Capítulo VIII V - atender com presteza:
Do Direito de Petição a) ao público em geral, prestando as informações requeridas,
ressalvadas as protegidas por sigilo;
Art. 104. É assegurado ao servidor o direito de requerer aos b) à expedição de certidões requeridas para defesa de direito
Poderes Públicos, em defesa de direito ou interesse legítimo. ou esclarecimento de situações de interesse pessoal;
Art. 105. O requerimento será dirigido à autoridade compe- c) às requisições para a defesa da Fazenda Pública.
tente para decidi-lo e encaminhado por intermédio daquela a que VI - levar as irregularidades de que tiver ciência em razão do
estiver imediatamente subordinado o requerente. cargo ao conhecimento da autoridade superior ou, quando houver
Art. 106. Cabe pedido de reconsideração à autoridade que suspeita de envolvimento desta, ao conhecimento de outra autori-
houver expedido o ato ou proferido a primeira decisão, não poden- dade competente para apuração; (Redação dada pela Lei nº 12.527,
do ser renovado. (Vide Lei nº 12.300, de 2010) de 2011)
Parágrafo único. O requerimento e o pedido de reconsideração VII - zelar pela economia do material e a conservação do patri-
de que tratam os artigos anteriores deverão ser despachados no mônio público;
prazo de 5 (cinco) dias e decididos dentro de 30 (trinta) dias. VIII - guardar sigilo sobre assunto da repartição;
Art. 107. Caberá recurso: (Vide Lei nº 12.300, de 2010) IX - manter conduta compatível com a moralidade adminis-
I - do indeferimento do pedido de reconsideração; trativa;
II - das decisões sobre os recursos sucessivamente interpostos. X - ser assíduo e pontual ao serviço;
§ 1o O recurso será dirigido à autoridade imediatamente supe- XI - tratar com urbanidade as pessoas;
rior à que tiver expedido o ato ou proferido a decisão, e, sucessiva- XII - representar contra ilegalidade, omissão ou abuso de po-
mente, em escala ascendente, às demais autoridades. der.
§ 2o O recurso será encaminhado por intermédio da autorida- Parágrafo único. A representação de que trata o inciso XII será
de a que estiver imediatamente subordinado o requerente. encaminhada pela via hierárquica e apreciada pela autoridade su-
Art. 108. O prazo para interposição de pedido de reconsidera- perior àquela contra a qual é formulada, assegurando-se ao repre-
ção ou de recurso é de 30 (trinta) dias, a contar da publicação ou da sentando ampla defesa.
ciência, pelo interessado, da decisão recorrida. (Vide Lei nº 12.300,
de 2010) Capítulo II
Art. 109. O recurso poderá ser recebido com efeito suspensivo, Das Proibições
a juízo da autoridade competente.
Art. 117. Ao servidor é proibido: (Vide Medida Provisória nº
Parágrafo único. Em caso de provimento do pedido de recon-
2.225-45, de 4.9.2001)
sideração ou do recurso, os efeitos da decisão retroagirão à data do
I - ausentar-se do serviço durante o expediente, sem prévia
ato impugnado.
autorização do chefe imediato;
Art. 110. O direito de requerer prescreve:
II - retirar, sem prévia anuência da autoridade competente,
I - em 5 (cinco) anos, quanto aos atos de demissão e de cassa-
qualquer documento ou objeto da repartição;
ção de aposentadoria ou disponibilidade, ou que afetem interesse
III - recusar fé a documentos públicos;
patrimonial e créditos resultantes das relações de trabalho;
IV - opor resistência injustificada ao andamento de documento
II - em 120 (cento e vinte) dias, nos demais casos, salvo quando e processo ou execução de serviço;
outro prazo for fixado em lei. V - promover manifestação de apreço ou desapreço no recinto
Parágrafo único. O prazo de prescrição será contado da data da da repartição;
publicação do ato impugnado ou da data da ciência pelo interessa- VI - cometer a pessoa estranha à repartição, fora dos casos
do, quando o ato não for publicado. previstos em lei, o desempenho de atribuição que seja de sua res-
Art. 111. O pedido de reconsideração e o recurso, quando ca- ponsabilidade ou de seu subordinado;
bíveis, interrompem a prescrição. VII - coagir ou aliciar subordinados no sentido de filiarem-se a
Art. 112. A prescrição é de ordem pública, não podendo ser associação profissional ou sindical, ou a partido político;
relevada pela administração. VIII - manter sob sua chefia imediata, em cargo ou função de
Art. 113. Para o exercício do direito de petição, é assegurada confiança, cônjuge, companheiro ou parente até o segundo grau
vista do processo ou documento, na repartição, ao servidor ou a civil;
procurador por ele constituído. IX - valer-se do cargo para lograr proveito pessoal ou de ou-
Art. 114. A administração deverá rever seus atos, a qualquer trem, em detrimento da dignidade da função pública;
tempo, quando eivados de ilegalidade. X - participar de gerência ou administração de sociedade priva-
Art. 115. São fatais e improrrogáveis os prazos estabelecidos da, personificada ou não personificada, exercer o comércio, exceto
neste Capítulo, salvo motivo de força maior. na qualidade de acionista, cotista ou comanditário; (Redação dada
pela Lei nº 11.784, de 2008
Título IV XI - atuar, como procurador ou intermediário, junto a reparti-
Do Regime Disciplinar ções públicas, salvo quando se tratar de benefícios previdenciários
ou assistenciais de parentes até o segundo grau, e de cônjuge ou
Capítulo I companheiro;
Dos Deveres XII - receber propina, comissão, presente ou vantagem de
qualquer espécie, em razão de suas atribuições;
Art. 116. São deveres do servidor: XIII - aceitar comissão, emprego ou pensão de estado estran-
I - exercer com zelo e dedicação as atribuições do cargo; geiro;
II - ser leal às instituições a que servir; XIV - praticar usura sob qualquer de suas formas;
III - observar as normas legais e regulamentares; XV - proceder de forma desidiosa;
IV - cumprir as ordens superiores, exceto quando manifesta- XVI - utilizar pessoal ou recursos materiais da repartição em
mente ilegais; serviços ou atividades particulares;

12
REGIME JURÍDICO ÚNICO
XVII - cometer a outro servidor atribuições estranhas ao cargo § 2o Tratando-se de dano causado a terceiros, responderá o
que ocupa, exceto em situações de emergência e transitórias; servidor perante a Fazenda Pública, em ação regressiva.
XVIII - exercer quaisquer atividades que sejam incompatíveis § 3o A obrigação de reparar o dano estende-se aos sucesso-
com o exercício do cargo ou função e com o horário de trabalho; res e contra eles será executada, até o limite do valor da herança
XIX - recusar-se a atualizar seus dados cadastrais quando soli- recebida.
citado. (Incluído pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) Art. 123. A responsabilidade penal abrange os crimes e contra-
Parágrafo único. A vedação de que trata o inciso X do caput venções imputadas ao servidor, nessa qualidade.
deste artigo não se aplica nos seguintes casos: (Incluído pela Lei nº Art. 124. A responsabilidade civil-administrativa resulta de ato
11.784, de 2008 omissivo ou comissivo praticado no desempenho do cargo ou fun-
I - participação nos conselhos de administração e fiscal de em- ção.
presas ou entidades em que a União detenha, direta ou indireta- Art. 125. As sanções civis, penais e administrativas poderão
mente, participação no capital social ou em sociedade cooperativa cumular-se, sendo independentes entre si.
constituída para prestar serviços a seus membros; e (Incluído pela Art. 126. A responsabilidade administrativa do servidor será
Lei nº 11.784, de 2008 afastada no caso de absolvição criminal que negue a existência do
II - gozo de licença para o trato de interesses particulares, na fato ou sua autoria.
forma do art. 91 desta Lei, observada a legislação sobre conflito de Art. 126-A. Nenhum servidor poderá ser responsabilizado civil,
interesses. (Incluído pela Lei nº 11.784, de 2008 penal ou administrativamente por dar ciência à autoridade superior
ou, quando houver suspeita de envolvimento desta, a outra autori-
Capítulo III dade competente para apuração de informação concernente à prá-
Da Acumulação tica de crimes ou improbidade de que tenha conhecimento, ainda
que em decorrência do exercício de cargo, emprego ou função pú-
Art. 118. Ressalvados os casos previstos na Constituição, é ve- blica. (Incluído pela Lei nº 12.527, de 2011)
dada a acumulação remunerada de cargos públicos.
§ 1o A proibição de acumular estende-se a cargos, empregos Capítulo V
e funções em autarquias, fundações públicas, empresas públicas, Das Penalidades
sociedades de economia mista da União, do Distrito Federal, dos
Estados, dos Territórios e dos Municípios. Art. 127. São penalidades disciplinares:
§ 2o A acumulação de cargos, ainda que lícita, fica condiciona- I - advertência;
da à comprovação da compatibilidade de horários. II - suspensão;
§ 3o Considera-se acumulação proibida a percepção de venci- III - demissão;
mento de cargo ou emprego público efetivo com proventos da ina- IV - cassação de aposentadoria ou disponibilidade;
tividade, salvo quando os cargos de que decorram essas remune- V - destituição de cargo em comissão;
rações forem acumuláveis na atividade. (Incluído pela Lei nº 9.527, VI - destituição de função comissionada.
de 10.12.97)
Art. 128. Na aplicação das penalidades serão consideradas a
Art. 119. O servidor não poderá exercer mais de um cargo em
natureza e a gravidade da infração cometida, os danos que dela
comissão, exceto no caso previsto no parágrafo único do art. 9o,
provierem para o serviço público, as circunstâncias agravantes ou
nem ser remunerado pela participação em órgão de deliberação
atenuantes e os antecedentes funcionais.
coletiva. (Redação dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
Parágrafo único. O ato de imposição da penalidade mencio-
Parágrafo único. O disposto neste artigo não se aplica à remu-
nará sempre o fundamento legal e a causa da sanção disciplinar.
neração devida pela participação em conselhos de administração e
(Incluído pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
fiscal das empresas públicas e sociedades de economia mista, suas
subsidiárias e controladas, bem como quaisquer empresas ou enti- Art. 129. A advertência será aplicada por escrito, nos casos de
dades em que a União, direta ou indiretamente, detenha participa- violação de proibição constante do art. 117, incisos I a VIII e XIX, e
ção no capital social, observado o que, a respeito, dispuser legisla- de inobservância de dever funcional previsto em lei, regulamenta-
ção específica. (Redação dada pela Medida Provisória nº 2.225-45, ção ou norma interna, que não justifique imposição de penalidade
de 4.9.2001) mais grave. (Redação dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
Art. 120. O servidor vinculado ao regime desta Lei, que acumu- Art. 130. A suspensão será aplicada em caso de reincidência
lar licitamente dois cargos efetivos, quando investido em cargo de das faltas punidas com advertência e de violação das demais proibi-
provimento em comissão, ficará afastado de ambos os cargos efe- ções que não tipifiquem infração sujeita a penalidade de demissão,
tivos, salvo na hipótese em que houver compatibilidade de horário não podendo exceder de 90 (noventa) dias.
e local com o exercício de um deles, declarada pelas autoridades § 1o Será punido com suspensão de até 15 (quinze) dias o ser-
máximas dos órgãos ou entidades envolvidos. (Redação dada pela vidor que, injustificadamente, recusar-se a ser submetido a inspe-
Lei nº 9.527, de 10.12.97) ção médica determinada pela autoridade competente, cessando os
efeitos da penalidade uma vez cumprida a determinação.
Capítulo IV § 2o Quando houver conveniência para o serviço, a penalidade
Das Responsabilidades de suspensão poderá ser convertida em multa, na base de 50% (cin-
qüenta por cento) por dia de vencimento ou remuneração, ficando
Art. 121. O servidor responde civil, penal e administrativamen- o servidor obrigado a permanecer em serviço.
te pelo exercício irregular de suas atribuições. Art. 131. As penalidades de advertência e de suspensão te-
Art. 122. A responsabilidade civil decorre de ato omissivo ou rão seus registros cancelados, após o decurso de 3 (três) e 5 (cinco)
comissivo, doloso ou culposo, que resulte em prejuízo ao erário ou anos de efetivo exercício, respectivamente, se o servidor não hou-
a terceiros. ver, nesse período, praticado nova infração disciplinar.
§ 1o A indenização de prejuízo dolosamente causado ao erário Parágrafo único. O cancelamento da penalidade não surtirá
somente será liquidada na forma prevista no art. 46, na falta de efeitos retroativos.
outros bens que assegurem a execução do débito pela via judicial. Art. 132. A demissão será aplicada nos seguintes casos:

13
REGIME JURÍDICO ÚNICO
I - crime contra a administração pública; funções públicas em regime de acumulação ilegal, hipótese em que
II - abandono de cargo; os órgãos ou entidades de vinculação serão comunicados. (Incluído
III - inassiduidade habitual; pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
IV - improbidade administrativa; § 7o O prazo para a conclusão do processo administrativo disci-
V - incontinência pública e conduta escandalosa, na repartição; plinar submetido ao rito sumário não excederá trinta dias, contados
VI - insubordinação grave em serviço; da data de publicação do ato que constituir a comissão, admitida
VII - ofensa física, em serviço, a servidor ou a particular, salvo a sua prorrogação por até quinze dias, quando as circunstâncias o
em legítima defesa própria ou de outrem; exigirem. (Incluído pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
VIII - aplicação irregular de dinheiros públicos; § 8o O procedimento sumário rege-se pelas disposições des-
IX - revelação de segredo do qual se apropriou em razão do te artigo, observando-se, no que lhe for aplicável, subsidiariamen-
cargo; te, as disposições dos Títulos IV e V desta Lei. (Incluído pela Lei nº
X - lesão aos cofres públicos e dilapidação do patrimônio na- 9.527, de 10.12.97)
cional; Art. 134. Será cassada a aposentadoria ou a disponibilidade
XI - corrupção; do inativo que houver praticado, na atividade, falta punível com a
XII - acumulação ilegal de cargos, empregos ou funções públi- demissão.
cas; Art. 135. A destituição de cargo em comissão exercido por não
XIII - transgressão dos incisos IX a XVI do art. 117. ocupante de cargo efetivo será aplicada nos casos de infração sujei-
Art. 133. Detectada a qualquer tempo a acumulação ilegal de ta às penalidades de suspensão e de demissão.
cargos, empregos ou funções públicas, a autoridade a que se refere Parágrafo único. Constatada a hipótese de que trata este arti-
o art. 143 notificará o servidor, por intermédio de sua chefia ime- go, a exoneração efetuada nos termos do art. 35 será convertida em
diata, para apresentar opção no prazo improrrogável de dez dias, destituição de cargo em comissão.
contados da data da ciência e, na hipótese de omissão, adotará pro- Art. 136. A demissão ou a destituição de cargo em comissão,
cedimento sumário para a sua apuração e regularização imediata, nos casos dos incisos IV, VIII, X e XI do art. 132, implica a indisponi-
cujo processo administrativo disciplinar se desenvolverá nas seguin- bilidade dos bens e o ressarcimento ao erário, sem prejuízo da ação
tes fases: (Redação dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) penal cabível.
I - instauração, com a publicação do ato que constituir a co- Art. 137. A demissão ou a destituição de cargo em comissão,
missão, a ser composta por dois servidores estáveis, e simultanea- por infringência do art. 117, incisos IX e XI, incompatibiliza o ex-ser-
mente indicar a autoria e a materialidade da transgressão objeto da vidor para nova investidura em cargo público federal, pelo prazo de
apuração; (Incluído pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) 5 (cinco) anos.
II - instrução sumária, que compreende indiciação, defesa e Parágrafo único. Não poderá retornar ao serviço público fede-
relatório; (Incluído pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) ral o servidor que for demitido ou destituído do cargo em comissão
III - julgamento. (Incluído pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) por infringência do art. 132, incisos I, IV, VIII, X e XI.
§ 1o A indicação da autoria de que trata o inciso I dar-se-á pelo Art. 138. Configura abandono de cargo a ausência intencional
nome e matrícula do servidor, e a materialidade pela descrição dos do servidor ao serviço por mais de trinta dias consecutivos.
cargos, empregos ou funções públicas em situação de acumulação Art. 139. Entende-se por inassiduidade habitual a falta ao ser-
ilegal, dos órgãos ou entidades de vinculação, das datas de ingresso, viço, sem causa justificada, por sessenta dias, interpoladamente,
do horário de trabalho e do correspondente regime jurídico. (Reda- durante o período de doze meses.
ção dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) Art. 140. Na apuração de abandono de cargo ou inassiduidade
§ 2o A comissão lavrará, até três dias após a publicação do ato habitual, também será adotado o procedimento sumário a que se
que a constituiu, termo de indiciação em que serão transcritas as refere o art. 133, observando-se especialmente que: (Redação dada
informações de que trata o parágrafo anterior, bem como promo- pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
verá a citação pessoal do servidor indiciado, ou por intermédio de I - a indicação da materialidade dar-se-á: (Incluído pela Lei nº
sua chefia imediata, para, no prazo de cinco dias, apresentar defe- 9.527, de 10.12.97)
sa escrita, assegurando-se-lhe vista do processo na repartição, ob- a) na hipótese de abandono de cargo, pela indicação precisa
servado o disposto nos arts. 163 e 164. (Redação dada pela Lei nº do período de ausência intencional do servidor ao serviço superior
9.527, de 10.12.97) a trinta dias; (Incluído pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
§ 3o Apresentada a defesa, a comissão elaborará relatório con- b) no caso de inassiduidade habitual, pela indicação dos dias
clusivo quanto à inocência ou à responsabilidade do servidor, em de falta ao serviço sem causa justificada, por período igual ou supe-
que resumirá as peças principais dos autos, opinará sobre a licitude rior a sessenta dias interpoladamente, durante o período de doze
da acumulação em exame, indicará o respectivo dispositivo legal e meses; (Incluído pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
remeterá o processo à autoridade instauradora, para julgamento. II - após a apresentação da defesa a comissão elaborará re-
(Incluído pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) latório conclusivo quanto à inocência ou à responsabilidade do
§ 4o No prazo de cinco dias, contados do recebimento do pro- servidor, em que resumirá as peças principais dos autos, indicará o
cesso, a autoridade julgadora proferirá a sua decisão, aplicando-se, respectivo dispositivo legal, opinará, na hipótese de abandono de
quando for o caso, o disposto no § 3o do art. 167. (Incluído pela Lei cargo, sobre a intencionalidade da ausência ao serviço superior a
nº 9.527, de 10.12.97) trinta dias e remeterá o processo à autoridade instauradora para
§ 5o A opção pelo servidor até o último dia de prazo para defe- julgamento. (Incluído pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
sa configurará sua boa-fé, hipótese em que se converterá automa- Art. 141. As penalidades disciplinares serão aplicadas:
ticamente em pedido de exoneração do outro cargo. (Incluído pela I - pelo Presidente da República, pelos Presidentes das Casas
Lei nº 9.527, de 10.12.97) do Poder Legislativo e dos Tribunais Federais e pelo Procurador-Ge-
§ 6o Caracterizada a acumulação ilegal e provada a má-fé, ral da República, quando se tratar de demissão e cassação de apo-
aplicar-se-á a pena de demissão, destituição ou cassação de apo- sentadoria ou disponibilidade de servidor vinculado ao respectivo
sentadoria ou disponibilidade em relação aos cargos, empregos ou Poder, órgão, ou entidade;

14
REGIME JURÍDICO ÚNICO
II - pelas autoridades administrativas de hierarquia imediata- Capítulo II
mente inferior àquelas mencionadas no inciso anterior quando se Do Afastamento Preventivo
tratar de suspensão superior a 30 (trinta) dias;
III - pelo chefe da repartição e outras autoridades na forma dos Art. 147. Como medida cautelar e a fim de que o servidor não
respectivos regimentos ou regulamentos, nos casos de advertência venha a influir na apuração da irregularidade, a autoridade instau-
ou de suspensão de até 30 (trinta) dias; radora do processo disciplinar poderá determinar o seu afastamen-
IV - pela autoridade que houver feito a nomeação, quando se to do exercício do cargo, pelo prazo de até 60 (sessenta) dias, sem
tratar de destituição de cargo em comissão. prejuízo da remuneração.
Art. 142. A ação disciplinar prescreverá: Parágrafo único. O afastamento poderá ser prorrogado por
I - em 5 (cinco) anos, quanto às infrações puníveis com demis- igual prazo, findo o qual cessarão os seus efeitos, ainda que não
são, cassação de aposentadoria ou disponibilidade e destituição de concluído o processo.
cargo em comissão;
II - em 2 (dois) anos, quanto à suspensão; Capítulo III
III - em 180 (cento e oitenta) dias, quanto à advertência. Do Processo Disciplinar
§ 1o O prazo de prescrição começa a correr da data em que o
fato se tornou conhecido. Art. 148. O processo disciplinar é o instrumento destinado a
§ 2o Os prazos de prescrição previstos na lei penal aplicam-se apurar responsabilidade de servidor por infração praticada no exer-
às infrações disciplinares capituladas também como crime. cício de suas atribuições, ou que tenha relação com as atribuições
§ 3o A abertura de sindicância ou a instauração de processo do cargo em que se encontre investido.
disciplinar interrompe a prescrição, até a decisão final proferida por Art. 149. O processo disciplinar será conduzido por comissão
autoridade competente. composta de três servidores estáveis designados pela autoridade
§ 4o Interrompido o curso da prescrição, o prazo começará a competente, observado o disposto no § 3o do art. 143, que indica-
correr a partir do dia em que cessar a interrupção. rá, dentre eles, o seu presidente, que deverá ser ocupante de cargo
efetivo superior ou de mesmo nível, ou ter nível de escolaridade
Título V igual ou superior ao do indiciado. (Redação dada pela Lei nº 9.527,
Do Processo Administrativo Disciplinar de 10.12.97)
§ 1o A Comissão terá como secretário servidor designado pelo
Capítulo I seu presidente, podendo a indicação recair em um de seus membros.
Disposições Gerais § 2o Não poderá participar de comissão de sindicância ou de
inquérito, cônjuge, companheiro ou parente do acusado, consan-
Art. 143. A autoridade que tiver ciência de irregularidade no
guíneo ou afim, em linha reta ou colateral, até o terceiro grau.
serviço público é obrigada a promover a sua apuração imediata,
Art. 150. A Comissão exercerá suas atividades com indepen-
mediante sindicância ou processo administrativo disciplinar, asse-
dência e imparcialidade, assegurado o sigilo necessário à elucida-
gurada ao acusado ampla defesa.
ção do fato ou exigido pelo interesse da administração.
§ 1o (Revogado pela Lei nº 11.204, de 2005)
Parágrafo único. As reuniões e as audiências das comissões te-
§ 2o (Revogado pela Lei nº 11.204, de 2005)
rão caráter reservado.
§ 3o A apuração de que trata o caput, por solicitação da au-
toridade a que se refere, poderá ser promovida por autoridade de Art. 151. O processo disciplinar se desenvolve nas seguintes fases:
órgão ou entidade diverso daquele em que tenha ocorrido a irre- I - instauração, com a publicação do ato que constituir a co-
gularidade, mediante competência específica para tal finalidade, missão;
delegada em caráter permanente ou temporário pelo Presidente da II - inquérito administrativo, que compreende instrução, defe-
República, pelos presidentes das Casas do Poder Legislativo e dos sa e relatório;
Tribunais Federais e pelo Procurador-Geral da República, no âmbito III - julgamento.
do respectivo Poder, órgão ou entidade, preservadas as competên- Art. 152. O prazo para a conclusão do processo disciplinar não
cias para o julgamento que se seguir à apuração. (Incluído pela Lei excederá 60 (sessenta) dias, contados da data de publicação do ato
nº 9.527, de 10.12.97) que constituir a comissão, admitida a sua prorrogação por igual pra-
Art. 144. As denúncias sobre irregularidades serão objeto de apu- zo, quando as circunstâncias o exigirem.
ração, desde que contenham a identificação e o endereço do denun- § 1o Sempre que necessário, a comissão dedicará tempo in-
ciante e sejam formuladas por escrito, confirmada a autenticidade. tegral aos seus trabalhos, ficando seus membros dispensados do
Parágrafo único. Quando o fato narrado não configurar eviden- ponto, até a entrega do relatório final.
te infração disciplinar ou ilícito penal, a denúncia será arquivada, § 2o As reuniões da comissão serão registradas em atas que
por falta de objeto. deverão detalhar as deliberações adotadas.
Art. 145. Da sindicância poderá resultar:
I - arquivamento do processo; Seção I
II - aplicação de penalidade de advertência ou suspensão de Do Inquérito
até 30 (trinta) dias;
III - instauração de processo disciplinar. Art. 153. O inquérito administrativo obedecerá ao princípio do
Parágrafo único. O prazo para conclusão da sindicância não ex- contraditório, assegurada ao acusado ampla defesa, com a utiliza-
cederá 30 (trinta) dias, podendo ser prorrogado por igual período, a ção dos meios e recursos admitidos em direito.
critério da autoridade superior. Art. 154. Os autos da sindicância integrarão o processo discipli-
Art. 146. Sempre que o ilícito praticado pelo servidor ensejar nar, como peça informativa da instrução.
a imposição de penalidade de suspensão por mais de 30 (trinta) Parágrafo único. Na hipótese de o relatório da sindicância con-
dias, de demissão, cassação de aposentadoria ou disponibilidade, cluir que a infração está capitulada como ilícito penal, a autoridade
ou destituição de cargo em comissão, será obrigatória a instauração competente encaminhará cópia dos autos ao Ministério Público, in-
de processo disciplinar. dependentemente da imediata instauração do processo disciplinar.

15
REGIME JURÍDICO ÚNICO
Art. 155. Na fase do inquérito, a comissão promoverá a to- Parágrafo único. Na hipótese deste artigo, o prazo para defesa
mada de depoimentos, acareações, investigações e diligências cabí- será de 15 (quinze) dias a partir da última publicação do edital.
veis, objetivando a coleta de prova, recorrendo, quando necessário, Art. 164. Considerar-se-á revel o indiciado que, regularmente
a técnicos e peritos, de modo a permitir a completa elucidação dos citado, não apresentar defesa no prazo legal.
fatos. § 1o A revelia será declarada, por termo, nos autos do proces-
Art. 156. É assegurado ao servidor o direito de acompanhar o so e devolverá o prazo para a defesa.
processo pessoalmente ou por intermédio de procurador, arrolar e § 2o Para defender o indiciado revel, a autoridade instaurado-
reinquirir testemunhas, produzir provas e contraprovas e formular ra do processo designará um servidor como defensor dativo, que
quesitos, quando se tratar de prova pericial. deverá ser ocupante de cargo efetivo superior ou de mesmo nível,
§ 1o O presidente da comissão poderá denegar pedidos con- ou ter nível de escolaridade igual ou superior ao do indiciado. (Re-
siderados impertinentes, meramente protelatórios, ou de nenhum dação dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
interesse para o esclarecimento dos fatos. Art. 165. Apreciada a defesa, a comissão elaborará relatório
§ 2o Será indeferido o pedido de prova pericial, quando a com- minucioso, onde resumirá as peças principais dos autos e mencio-
provação do fato independer de conhecimento especial de perito. nará as provas em que se baseou para formar a sua convicção.
Art. 157. As testemunhas serão intimadas a depor mediante § 1o O relatório será sempre conclusivo quanto à inocência ou
mandado expedido pelo presidente da comissão, devendo a segun- à responsabilidade do servidor.
da via, com o ciente do interessado, ser anexado aos autos. § 2o Reconhecida a responsabilidade do servidor, a comissão
Parágrafo único. Se a testemunha for servidor público, a ex- indicará o dispositivo legal ou regulamentar transgredido, bem
pedição do mandado será imediatamente comunicada ao chefe da como as circunstâncias agravantes ou atenuantes.
repartição onde serve, com a indicação do dia e hora marcados para Art. 166. O processo disciplinar, com o relatório da comissão,
inquirição. será remetido à autoridade que determinou a sua instauração, para
Art. 158. O depoimento será prestado oralmente e reduzido a julgamento.
termo, não sendo lícito à testemunha trazê-lo por escrito.
§ 1o As testemunhas serão inquiridas separadamente. Seção II
§ 2o Na hipótese de depoimentos contraditórios ou que se Do Julgamento
infirmem, proceder-se-á à acareação entre os depoentes.
Art. 159. Concluída a inquirição das testemunhas, a comissão Art. 167. No prazo de 20 (vinte) dias, contados do recebimento
promoverá o interrogatório do acusado, observados os procedi- do processo, a autoridade julgadora proferirá a sua decisão.
mentos previstos nos arts. 157 e 158. § 1o Se a penalidade a ser aplicada exceder a alçada da autori-
§ 1o No caso de mais de um acusado, cada um deles será ouvi- dade instauradora do processo, este será encaminhado à autorida-
do separadamente, e sempre que divergirem em suas declarações de competente, que decidirá em igual prazo.
sobre fatos ou circunstâncias, será promovida a acareação entre § 2o Havendo mais de um indiciado e diversidade de sanções,
eles. o julgamento caberá à autoridade competente para a imposição da
§ 2o O procurador do acusado poderá assistir ao interroga- pena mais grave.
tório, bem como à inquirição das testemunhas, sendo-lhe vedado § 3o Se a penalidade prevista for a demissão ou cassação de
interferir nas perguntas e respostas, facultando-se-lhe, porém, rein- aposentadoria ou disponibilidade, o julgamento caberá às autorida-
quiri-las, por intermédio do presidente da comissão. des de que trata o inciso I do art. 141.
Art. 160. Quando houver dúvida sobre a sanidade mental do § 4o Reconhecida pela comissão a inocência do servidor, a au-
acusado, a comissão proporá à autoridade competente que ele seja toridade instauradora do processo determinará o seu arquivamen-
submetido a exame por junta médica oficial, da qual participe pelo to, salvo se flagrantemente contrária à prova dos autos. (Incluído
menos um médico psiquiatra. pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
Parágrafo único. O incidente de sanidade mental será proces- Art. 168. O julgamento acatará o relatório da comissão, salvo
sado em auto apartado e apenso ao processo principal, após a ex- quando contrário às provas dos autos.
pedição do laudo pericial. Parágrafo único. Quando o relatório da comissão contrariar as
Art. 161. Tipificada a infração disciplinar, será formulada a in- provas dos autos, a autoridade julgadora poderá, motivadamente,
diciação do servidor, com a especificação dos fatos a ele imputados agravar a penalidade proposta, abrandá-la ou isentar o servidor de
e das respectivas provas. responsabilidade.
§ 1o O indiciado será citado por mandado expedido pelo pre- Art. 169. Verificada a ocorrência de vício insanável, a autorida-
sidente da comissão para apresentar defesa escrita, no prazo de 10 de que determinou a instauração do processo ou outra de hierar-
(dez) dias, assegurando-se-lhe vista do processo na repartição. quia superior declarará a sua nulidade, total ou parcial, e ordenará,
§ 2o Havendo dois ou mais indiciados, o prazo será comum e no mesmo ato, a constituição de outra comissão para instauração
de 20 (vinte) dias. de novo processo. (Redação dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
§ 3o O prazo de defesa poderá ser prorrogado pelo dobro, para § 1o O julgamento fora do prazo legal não implica nulidade do
diligências reputadas indispensáveis. processo.
§ 4o No caso de recusa do indiciado em apor o ciente na cópia § 2o A autoridade julgadora que der causa à prescrição de que
da citação, o prazo para defesa contar-se-á da data declarada, em trata o art. 142, § 2o, será responsabilizada na forma do Capítulo IV
termo próprio, pelo membro da comissão que fez a citação, com a do Título IV.
assinatura de (2) duas testemunhas. Art. 170. Extinta a punibilidade pela prescrição, a autoridade
Art. 162. O indiciado que mudar de residência fica obrigado a julgadora determinará o registro do fato nos assentamentos indivi-
comunicar à comissão o lugar onde poderá ser encontrado. duais do servidor.
Art. 163. Achando-se o indiciado em lugar incerto e não sa- Art. 171. Quando a infração estiver capitulada como crime, o
bido, será citado por edital, publicado no Diário Oficial da União e processo disciplinar será remetido ao Ministério Público para ins-
em jornal de grande circulação na localidade do último domicílio tauração da ação penal, ficando trasladado na repartição.
conhecido, para apresentar defesa.

16
REGIME JURÍDICO ÚNICO
Art. 172. O servidor que responder a processo disciplinar só § 1o O servidor ocupante de cargo em comissão que não seja,
poderá ser exonerado a pedido, ou aposentado voluntariamente, simultaneamente, ocupante de cargo ou emprego efetivo na admi-
após a conclusão do processo e o cumprimento da penalidade, aca- nistração pública direta, autárquica e fundacional não terá direito
so aplicada. aos benefícios do Plano de Seguridade Social, com exceção da as-
Parágrafo único. Ocorrida a exoneração de que trata o pará- sistência à saúde. (Redação dada pela Lei nº 10.667, de 14.5.2003)
grafo único, inciso I do art. 34, o ato será convertido em demissão, § 2o O servidor afastado ou licenciado do cargo efetivo, sem
se for o caso. direito à remuneração, inclusive para servir em organismo oficial
Art. 173. Serão assegurados transporte e diárias: internacional do qual o Brasil seja membro efetivo ou com o qual
I - ao servidor convocado para prestar depoimento fora da coopere, ainda que contribua para regime de previdência social no
sede de sua repartição, na condição de testemunha, denunciado exterior, terá suspenso o seu vínculo com o regime do Plano de Se-
ou indiciado; guridade Social do Servidor Público enquanto durar o afastamento
II - aos membros da comissão e ao secretário, quando obri- ou a licença, não lhes assistindo, neste período, os benefícios do
gados a se deslocarem da sede dos trabalhos para a realização de mencionado regime de previdência. (Incluído pela Lei nº 10.667,
missão essencial ao esclarecimento dos fatos. de 14.5.2003)
§ 3o Será assegurada ao servidor licenciado ou afastado sem
Seção III remuneração a manutenção da vinculação ao regime do Plano de
Da Revisão do Processo Seguridade Social do Servidor Público, mediante o recolhimento
mensal da respectiva contribuição, no mesmo percentual devido
Art. 174. O processo disciplinar poderá ser revisto, a qualquer pelos servidores em atividade, incidente sobre a remuneração total
tempo, a pedido ou de ofício, quando se aduzirem fatos novos ou do cargo a que faz jus no exercício de suas atribuições, computan-
circunstâncias suscetíveis de justificar a inocência do punido ou a do-se, para esse efeito, inclusive, as vantagens pessoais. (Incluído
inadequação da penalidade aplicada. pela Lei nº 10.667, de 14.5.2003)
§ 1o Em caso de falecimento, ausência ou desaparecimento do ser- § 4o O recolhimento de que trata o § 3o deve ser efetuado até
vidor, qualquer pessoa da família poderá requerer a revisão do processo. o segundo dia útil após a data do pagamento das remunerações dos
§ 2o No caso de incapacidade mental do servidor, a revisão servidores públicos, aplicando-se os procedimentos de cobrança e
será requerida pelo respectivo curador. execução dos tributos federais quando não recolhidas na data de
Art. 175. No processo revisional, o ônus da prova cabe ao re- vencimento. (Incluído pela Lei nº 10.667, de 14.5.2003)
querente. Art. 184. O Plano de Seguridade Social visa a dar cobertura aos
Art. 176. A simples alegação de injustiça da penalidade não riscos a que estão sujeitos o servidor e sua família, e compreende
constitui fundamento para a revisão, que requer elementos novos, um conjunto de benefícios e ações que atendam às seguintes fina-
ainda não apreciados no processo originário. lidades:
Art. 177. O requerimento de revisão do processo será dirigido I - garantir meios de subsistência nos eventos de doença, in-
ao Ministro de Estado ou autoridade equivalente, que, se autorizar validez, velhice, acidente em serviço, inatividade, falecimento e re-
a revisão, encaminhará o pedido ao dirigente do órgão ou entidade clusão;
onde se originou o processo disciplinar. II - proteção à maternidade, à adoção e à paternidade;
Parágrafo único. Deferida a petição, a autoridade competente III - assistência à saúde.
providenciará a constituição de comissão, na forma do art. 149. Parágrafo único. Os benefícios serão concedidos nos termos
Art. 178. A revisão correrá em apenso ao processo originário. e condições definidos em regulamento, observadas as disposições
Parágrafo único. Na petição inicial, o requerente pedirá dia e hora desta Lei.
para a produção de provas e inquirição das testemunhas que arrolar. Art. 185. Os benefícios do Plano de Seguridade Social do ser-
Art. 179. A comissão revisora terá 60 (sessenta) dias para a vidor compreendem:
conclusão dos trabalhos. I - quanto ao servidor:
Art. 180. Aplicam-se aos trabalhos da comissão revisora, no a) aposentadoria;
que couber, as normas e procedimentos próprios da comissão do b) auxílio-natalidade;
processo disciplinar. c) salário-família;
Art. 181. O julgamento caberá à autoridade que aplicou a pe- d) licença para tratamento de saúde;
nalidade, nos termos do art. 141. e) licença à gestante, à adotante e licença-paternidade;
Parágrafo único. O prazo para julgamento será de 20 (vinte) f) licença por acidente em serviço;
dias, contados do recebimento do processo, no curso do qual a au-
g) assistência à saúde;
toridade julgadora poderá determinar diligências.
h) garantia de condições individuais e ambientais de trabalho
Art. 182. Julgada procedente a revisão, será declarada sem
satisfatórias;
efeito a penalidade aplicada, restabelecendo-se todos os direitos
II - quanto ao dependente:
do servidor, exceto em relação à destituição do cargo em comissão,
a) pensão vitalícia e temporária;
que será convertida em exoneração.
b) auxílio-funeral;
Parágrafo único. Da revisão do processo não poderá resultar
c) auxílio-reclusão;
agravamento de penalidade.
d) assistência à saúde.
Título VI § 1o As aposentadorias e pensões serão concedidas e manti-
Da Seguridade Social do Servidor das pelos órgãos ou entidades aos quais se encontram vinculados
os servidores, observado o disposto nos arts. 189 e 224.
Capítulo I § 2o O recebimento indevido de benefícios havidos por fraude,
Disposições Gerais dolo ou má-fé, implicará devolução ao erário do total auferido, sem
prejuízo da ação penal cabível.
Art. 183. A União manterá Plano de Seguridade Social para o
servidor e sua família.

17
REGIME JURÍDICO ÚNICO
Capítulo II § 5o A critério da Administração, o servidor em licença para
Dos Benefícios tratamento de saúde ou aposentado por invalidez poderá ser con-
vocado a qualquer momento, para avaliação das condições que
Seção I ensejaram o afastamento ou a aposentadoria. (Incluído pela Lei nº
Da Aposentadoria 11.907, de 2009)
Art. 189. O provento da aposentadoria será calculado com ob-
Art. 186. O servidor será aposentado: (Vide art. 40 da Consti- servância do disposto no § 3o do art. 41, e revisto na mesma data e
tuição) proporção, sempre que se modificar a remuneração dos servidores
I - por invalidez permanente, sendo os proventos integrais em atividade.
quando decorrente de acidente em serviço, moléstia profissional Parágrafo único. São estendidos aos inativos quaisquer bene-
ou doença grave, contagiosa ou incurável, especificada em lei, e fícios ou vantagens posteriormente concedidas aos servidores em
proporcionais nos demais casos; atividade, inclusive quando decorrentes de transformação ou re-
II - compulsoriamente, aos setenta anos de idade, com proven- classificação do cargo ou função em que se deu a aposentadoria.
tos proporcionais ao tempo de serviço; Art. 190. O servidor aposentado com provento proporcional ao
III - voluntariamente: tempo de serviço se acometido de qualquer das moléstias especifi-
a) aos 35 (trinta e cinco) anos de serviço, se homem, e aos 30 cadas no § 1o do art. 186 desta Lei e, por esse motivo, for conside-
(trinta) se mulher, com proventos integrais; rado inválido por junta médica oficial passará a perceber provento
b) aos 30 (trinta) anos de efetivo exercício em funções de ma- integral, calculado com base no fundamento legal de concessão da
gistério se professor, e 25 (vinte e cinco) se professora, com proven- aposentadoria. (Redação dada pela Lei nº 11.907, de 2009)
tos integrais; Art. 191. Quando proporcional ao tempo de serviço, o proven-
c) aos 30 (trinta) anos de serviço, se homem, e aos 25 (vinte e to não será inferior a 1/3 (um terço) da remuneração da atividade.
cinco) se mulher, com proventos proporcionais a esse tempo; Art. 192. (Revogado pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
d) aos 65 (sessenta e cinco) anos de idade, se homem, e aos Art. 193. (Revogado pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
60 (sessenta) se mulher, com proventos proporcionais ao tempo de Art. 194. Ao servidor aposentado será paga a gratificação na-
serviço. talina, até o dia vinte do mês de dezembro, em valor equivalente ao
§ 1o Consideram-se doenças graves, contagiosas ou incuráveis, respectivo provento, deduzido o adiantamento recebido.
a que se refere o inciso I deste artigo, tuberculose ativa, alienação Art. 195. Ao ex-combatente que tenha efetivamente participa-
mental, esclerose múltipla, neoplasia maligna, cegueira poste- do de operações bélicas, durante a Segunda Guerra Mundial, nos
termos da Lei nº 5.315, de 12 de setembro de 1967, será concedida
rior ao ingresso no serviço público, hanseníase, cardiopatia grave,
aposentadoria com provento integral, aos 25 (vinte e cinco) anos de
doença de Parkinson, paralisia irreversível e incapacitante, espon-
serviço efetivo.
diloartrose anquilosante, nefropatia grave, estados avançados do
mal de Paget (osteíte deformante), Síndrome de Imunodeficiência Seção II
Adquirida - AIDS, e outras que a lei indicar, com base na medicina Do Auxílio-Natalidade
especializada.
§ 2o Nos casos de exercício de atividades consideradas insalu- Art. 196. O auxílio-natalidade é devido à servidora por motivo
bres ou perigosas, bem como nas hipóteses previstas no art. 71, a de nascimento de filho, em quantia equivalente ao menor venci-
aposentadoria de que trata o inciso III, “a” e “c”, observará o dispos- mento do serviço público, inclusive no caso de natimorto.
to em lei específica. § 1o Na hipótese de parto múltiplo, o valor será acrescido de
§ 3o Na hipótese do inciso I o servidor será submetido à junta 50% (cinquenta por cento), por nascituro.
médica oficial, que atestará a invalidez quando caracterizada a in- § 2o O auxílio será pago ao cônjuge ou companheiro servidor
capacidade para o desempenho das atribuições do cargo ou a im- público, quando a parturiente não for servidora.
possibilidade de se aplicar o disposto no art. 24. (Incluído pela Lei
nº 9.527, de 10.12.97) Seção III
Art. 187. A aposentadoria compulsória será automática, e de- Do Salário-Família
clarada por ato, com vigência a partir do dia imediato àquele em
que o servidor atingir a idade-limite de permanência no serviço ati- Art. 197. O salário-família é devido ao servidor ativo ou ao ina-
vo. tivo, por dependente econômico.
Art. 188. A aposentadoria voluntária ou por invalidez vigorará Parágrafo único. Consideram-se dependentes econômicos
a partir da data da publicação do respectivo ato. para efeito de percepção do salário-família:
§ 1o A aposentadoria por invalidez será precedida de licença I - o cônjuge ou companheiro e os filhos, inclusive os enteados
para tratamento de saúde, por período não excedente a 24 (vinte até 21 (vinte e um) anos de idade ou, se estudante, até 24 (vinte e
e quatro) meses. quatro) anos ou, se inválido, de qualquer idade;
§ 2o Expirado o período de licença e não estando em condi- II - o menor de 21 (vinte e um) anos que, mediante autoriza-
ções de reassumir o cargo ou de ser readaptado, o servidor será ção judicial, viver na companhia e às expensas do servidor, ou do
aposentado. inativo;
III - a mãe e o pai sem economia própria.
§ 3o O lapso de tempo compreendido entre o término da licen-
Art. 198. Não se configura a dependência econômica quando o
ça e a publicação do ato da aposentadoria será considerado como
beneficiário do salário-família perceber rendimento do trabalho ou
de prorrogação da licença.
de qualquer outra fonte, inclusive pensão ou provento da aposen-
§ 4o Para os fins do disposto no § 1o deste artigo, serão con- tadoria, em valor igual ou superior ao salário-mínimo.
sideradas apenas as licenças motivadas pela enfermidade enseja- Art. 199. Quando o pai e mãe forem servidores públicos e vi-
dora da invalidez ou doenças correlacionadas. (Incluído pela Lei nº verem em comum, o salário-família será pago a um deles; quando
11.907, de 2009) separados, será pago a um e outro, de acordo com a distribuição
dos dependentes.

18
REGIME JURÍDICO ÚNICO
Parágrafo único. Ao pai e à mãe equiparam-se o padrasto, a IV - prestar os exames médicos periódicos mediante contrato
madrasta e, na falta destes, os representantes legais dos incapazes. administrativo, observado o disposto na Lei no 8.666, de 21 de ju-
Art. 200. O salário-família não está sujeito a qualquer tributo, nho de 1993, e demais normas pertinentes. (Incluído pela Lei nº
nem servirá de base para qualquer contribuição, inclusive para a 12.998, de 2014)
Previdência Social.
Art. 201. O afastamento do cargo efetivo, sem remuneração, Seção V
não acarreta a suspensão do pagamento do salário-família. Da Licença à Gestante, à Adotante e da Licença-Paternidade

Seção IV Art. 207. Será concedida licença à servidora gestante por 120
Da Licença para Tratamento de Saúde (cento e vinte) dias consecutivos, sem prejuízo da remuneração.
(Vide Decreto nº 6.690, de 2008)
Art. 202. Será concedida ao servidor licença para tratamento § 1o A licença poderá ter início no primeiro dia do nono mês de
de saúde, a pedido ou de ofício, com base em perícia médica, sem gestação, salvo antecipação por prescrição médica.
prejuízo da remuneração a que fizer jus. § 2o No caso de nascimento prematuro, a licença terá início a
Art. 203. A licença de que trata o art. 202 desta Lei será conce- partir do parto.
dida com base em perícia oficial. (Redação dada pela Lei nº 11.907, § 3o No caso de natimorto, decorridos 30 (trinta) dias do even-
de 2009) to, a servidora será submetida a exame médico, e se julgada apta,
§ 1o Sempre que necessário, a inspeção médica será realizada reassumirá o exercício.
na residência do servidor ou no estabelecimento hospitalar onde se § 4o No caso de aborto atestado por médico oficial, a servidora
encontrar internado. terá direito a 30 (trinta) dias de repouso remunerado.
§ 2o Inexistindo médico no órgão ou entidade no local onde Art. 208. Pelo nascimento ou adoção de filhos, o servidor terá
se encontra ou tenha exercício em caráter permanente o servidor, direito à licença-paternidade de 5 (cinco) dias consecutivos.
e não se configurando as hipóteses previstas nos parágrafos do art. Art. 209. Para amamentar o próprio filho, até a idade de seis
230, será aceito atestado passado por médico particular. (Redação meses, a servidora lactante terá direito, durante a jornada de tra-
dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) balho, a uma hora de descanso, que poderá ser parcelada em dois
§ 3o No caso do § 2o deste artigo, o atestado somente produ- períodos de meia hora.
zirá efeitos depois de recepcionado pela unidade de recursos hu- Art. 210. À servidora que adotar ou obtiver guarda judicial de
manos do órgão ou entidade. (Redação dada pela Lei nº 11.907, criança até 1 (um) ano de idade, serão concedidos 90 (noventa) dias
de 2009) de licença remunerada. (Vide Decreto nº 6.691, de 2008)
§ 4o A licença que exceder o prazo de 120 (cento e vinte) dias Parágrafo único. No caso de adoção ou guarda judicial de
no período de 12 (doze) meses a contar do primeiro dia de afasta- criança com mais de 1 (um) ano de idade, o prazo de que trata este
mento será concedida mediante avaliação por junta médica oficial. artigo será de 30 (trinta) dias.
(Redação dada pela Lei nº 11.907, de 2009)
§ 5o A perícia oficial para concessão da licença de que trata Seção VI
o caput deste artigo, bem como nos demais casos de perícia ofi- Da Licença por Acidente em Serviço
cial previstos nesta Lei, será efetuada por cirurgiões-dentistas, nas
hipóteses em que abranger o campo de atuação da odontologia. Art. 211. Será licenciado, com remuneração integral, o servidor
(Incluído pela Lei nº 11.907, de 2009) acidentado em serviço.
Art. 204. A licença para tratamento de saúde inferior a 15 Art. 212. Configura acidente em serviço o dano físico ou mental
(quinze) dias, dentro de 1 (um) ano, poderá ser dispensada de perí- sofrido pelo servidor, que se relacione, mediata ou imediatamente,
cia oficial, na forma definida em regulamento. (Redação dada pela com as atribuições do cargo exercido.
Lei nº 11.907, de 2009) Parágrafo único. Equipara-se ao acidente em serviço o dano:
Art. 205. O atestado e o laudo da junta médica não se referirão I - decorrente de agressão sofrida e não provocada pelo servi-
ao nome ou natureza da doença, salvo quando se tratar de lesões dor no exercício do cargo;
produzidas por acidente em serviço, doença profissional ou qual- II - sofrido no percurso da residência para o trabalho e vice-
quer das doenças especificadas no art. 186, § 1o. -versa.
Art. 206. O servidor que apresentar indícios de lesões orgâni- Art. 213. O servidor acidentado em serviço que necessite de
cas ou funcionais será submetido a inspeção médica. tratamento especializado poderá ser tratado em instituição priva-
Art. 206-A. O servidor será submetido a exames médicos pe- da, à conta de recursos públicos.
riódicos, nos termos e condições definidos em regulamento. (Incluí- Parágrafo único. O tratamento recomendado por junta médica
do pela Lei nº 11.907, de 2009) (Regulamento). oficial constitui medida de exceção e somente será admissível quan-
Parágrafo único. Para os fins do disposto no caput, a União e do inexistirem meios e recursos adequados em instituição pública.
suas entidades autárquicas e fundacionais poderão: (Incluído pela Art. 214. A prova do acidente será feita no prazo de 10 (dez)
Lei nº 12.998, de 2014) dias, prorrogável quando as circunstâncias o exigirem.
I - prestar os exames médicos periódicos diretamente pelo ór-
gão ou entidade à qual se encontra vinculado o servidor; (Incluído Seção VII
pela Lei nº 12.998, de 2014) Da Pensão
II - celebrar convênio ou instrumento de cooperação ou parce-
ria com os órgãos e entidades da administração direta, suas autar- Art. 215. Por morte do servidor, os seus dependentes, nas hi-
quias e fundações; (Incluído pela Lei nº 12.998, de 2014) póteses legais, fazem jus à pensão por morte, observados os limites
III - celebrar convênios com operadoras de plano de assistência estabelecidos no inciso XI do caput do art. 37 da Constituição Fede-
à saúde, organizadas na modalidade de autogestão, que possuam ral e no art. 2º da Lei nº 10.887, de 18 de junho de 2004.(Redação
autorização de funcionamento do órgão regulador, na forma do art. dada pela Lei nº 13.846, de 2019)
230; ou (Incluído pela Lei nº 12.998, de 2014)

19
REGIME JURÍDICO ÚNICO
Art. 216. (Revogado pela Medida Provisória nº 664, de 2014) produzirá efeito a partir da data da publicação da portaria de con-
(Vigência) (Revogado pela Lei nº 13.135, de 2015) cessão da pensão ao dependente habilitado. (Redação dada
Art. 217. São beneficiários das pensões: pela Lei nº 13.846, de 2019)
I - o cônjuge; (Redação dada pela Lei nº 13.135, de 2015) § 2º Ajuizada a ação judicial para reconhecimento da condição
a) (Revogada); (Redação dada pela Lei nº 13.135, de 2015) de dependente, este poderá requerer a sua habilitação provisória
b) (Revogada); (Redação dada pela Lei nº 13.135, de 2015) ao benefício de pensão por morte, exclusivamente para fins de ra-
c) (Revogada); (Redação dada pela Lei nº 13.135, de 2015) teio dos valores com outros dependentes, vedado o pagamento da
d) (Revogada); (Redação dada pela Lei nº 13.135, de 2015) respectiva cota até o trânsito em julgado da respectiva ação, ressal-
e) (Revogada); (Redação dada pela Lei nº 13.135, de 2015) vada a existência de decisão judicial em contrário.(Redação dada
II - o cônjuge divorciado ou separado judicialmente ou de fato, pela Lei nº 13.846, de 2019)
com percepção de pensão alimentícia estabelecida judicialmente; § 3º Nas ações em que for parte o ente público responsável pela
(Redação dada pela Lei nº 13.135, de 2015) concessão da pensão por morte, este poderá proceder de ofício à
a) (Revogada); (Redação dada pela Lei nº 13.135, de 2015) habilitação excepcional da referida pensão, apenas para efeitos de
b) (Revogada); (Redação dada pela Lei nº 13.135, de 2015) rateio, descontando-se os valores referentes a esta habilitação das
c) Revogada); (Redação dada pela Lei nº 13.135, de 2015) demais cotas, vedado o pagamento da respectiva cota até o trânsito
d) (Revogada); (Redação dada pela Lei nº 13.135, de 2015) em julgado da respectiva ação, ressalvada a existência de decisão
III - o companheiro ou companheira que comprove união está- judicial em contrário.(Redação dada pela Lei nº 13.846, de 2019)
vel como entidade familiar; (Incluído pela Lei nº 13.135, de 2015) § 4º Julgada improcedente a ação prevista no § 2º ou § 3º deste
IV - o filho de qualquer condição que atenda a um dos seguin- artigo, o valor retido será corrigido pelos índices legais de reajusta-
tes requisitos: (Incluído pela Lei nº 13.135, de 2015) mento e será pago de forma proporcional aos demais dependentes,
a) seja menor de 21 (vinte e um) anos; (Incluído pela Lei nº de acordo com as suas cotas e o tempo de duração de seus benefí-
13.135, de 2015) cios.(Incluído pela Lei nº 13.846, de 2019)
b) seja inválido; (Incluído pela Lei nº 13.135, de 2015) § 5º Em qualquer hipótese, fica assegurada ao órgão conces-
c) (Vide Lei nº 13.135, de 2015) (Vigência) sor da pensão por morte a cobrança dos valores indevidamente
d) tenha deficiência intelectual ou mental;(Redação dada pela pagos em função de nova habilitação.(Incluído pela Lei nº 13.846,
Lei nº 13.846, de 2019) de 2019)
V - a mãe e o pai que comprovem dependência econômica do Art. 220. Perde o direito à pensão por morte: (Redação dada
servidor; e (Incluído pela Lei nº 13.135, de 2015) pela Lei nº 13.135, de 2015)
I - após o trânsito em julgado, o beneficiário condenado pela
VI - o irmão de qualquer condição que comprove dependência
prática de crime de que tenha dolosamente resultado a morte do
econômica do servidor e atenda a um dos requisitos previstos no
servidor; (Incluído pela Lei nº 13.135, de 2015)
inciso IV. (Incluído pela Lei nº 13.135, de 2015)
II - o cônjuge, o companheiro ou a companheira se compro-
§ 1o A concessão de pensão aos beneficiários de que tratam os vada, a qualquer tempo, simulação ou fraude no casamento ou
incisos I a IV do caput exclui os beneficiários referidos nos incisos V na união estável, ou a formalização desses com o fim exclusivo de
e VI. (Redação dada pela Lei nº 13.135, de 2015) constituir benefício previdenciário, apuradas em processo judicial
§ 2o A concessão de pensão aos beneficiários de que trata o in- no qual será assegurado o direito ao contraditório e à ampla defesa.
ciso V do caput exclui o beneficiário referido no inciso VI. (Redação (Incluído pela Lei nº 13.135, de 2015)
dada pela Lei nº 13.135, de 2015) Art. 221. Será concedida pensão provisória por morte presumi-
§ 3o O enteado e o menor tutelado equiparam-se a filho me- da do servidor, nos seguintes casos:
diante declaração do servidor e desde que comprovada dependên- I - declaração de ausência, pela autoridade judiciária compe-
cia econômica, na forma estabelecida em regulamento. (Incluído tente;
pela Lei nº 13.135, de 2015) II - desaparecimento em desabamento, inundação, incêndio
§ 4º (VETADO). (Incluído pela Lei nº 13.846, de 2019) ou acidente não caracterizado como em serviço;
Art. 218. Ocorrendo habilitação de vários titulares à pensão, III - desaparecimento no desempenho das atribuições do cargo
o seu valor será distribuído em partes iguais entre os beneficiários ou em missão de segurança.
habilitados. (Redação dada pela Lei nº 13.135, de 2015) Parágrafo único. A pensão provisória será transformada em
§ 1o (Revogado). (Redação dada pela Lei nº 13.135, de 2015) vitalícia ou temporária, conforme o caso, decorridos 5 (cinco) anos
§ 2o (Revogado). (Redação dada pela Lei nº 13.135, de 2015) de sua vigência, ressalvado o eventual reaparecimento do servidor,
§ 3o (Revogado). (Redação dada pela Lei nº 13.135, de 2015) hipótese em que o benefício será automaticamente cancelado.
Art. 219. A pensão por morte será devida ao conjunto dos de- Art. 222. Acarreta perda da qualidade de beneficiário:
pendentes do segurado que falecer, aposentado ou não, a contar da I - o seu falecimento;
data:(Redação dada pela Lei nº 13.846, de 2019) II - a anulação do casamento, quando a decisão ocorrer após a
I - do óbito, quando requerida em até 180 (cento e oitenta concessão da pensão ao cônjuge;
dias) após o óbito, para os filhos menores de 16 (dezesseis) anos, III - a cessação da invalidez, em se tratando de beneficiário
ou em até 90 (noventa) dias após o óbito, para os demais depen- inválido, ou o afastamento da deficiência, em se tratando de be-
dentes;(Redação dada pela Lei nº 13.846, de 2019) neficiário com deficiência, respeitados os períodos mínimos decor-
rentes da aplicação das alíneas a e b do inciso VII do caput deste
II - do requerimento, quando requerida após o prazo previs-
artigo;(Redação dada pela Lei nº 13.846, de 2019)
to no inciso I do caput deste artigo; ou (Redação dada pela Lei nº
IV - o implemento da idade de 21 (vinte e um) anos, pelo filho
13.846, de 2019)
ou irmão; (Redação dada pela Lei nº 13.135, de 2015)
III - da decisão judicial, na hipótese de morte presumida. (Re- V - a acumulação de pensão na forma do art. 225;
dação dada pela Lei nº 13.846, de 2019) VI - a renúncia expressa; e (Redação dada pela Lei nº 13.135,
§ 1º A concessão da pensão por morte não será protelada pela de 2015)
falta de habilitação de outro possível dependente e a habilitação VII - em relação aos beneficiários de que tratam os incisos I a III
posterior que importe em exclusão ou inclusão de dependente só do caput do art. 217: (Incluído pela Lei nº 13.135, de 2015)

20
REGIME JURÍDICO ÚNICO
a) o decurso de 4 (quatro) meses, se o óbito ocorrer sem que § 8º No ato de requerimento de benefícios previdenciários,
o servidor tenha vertido 18 (dezoito) contribuições mensais ou se o não será exigida apresentação de termo de curatela de titular ou
casamento ou a união estável tiverem sido iniciados em menos de 2 de beneficiário com deficiência, observados os procedimentos a
(dois) anos antes do óbito do servidor; (Incluído pela Lei nº 13.135, serem estabelecidos em regulamento.(Incluído pela Lei nº 13.846,
de 2015) de 2019)
b) o decurso dos seguintes períodos, estabelecidos de acordo Art. 223. Por morte ou perda da qualidade de beneficiário, a
com a idade do pensionista na data de óbito do servidor, depois de respectiva cota reverterá para os cobeneficiários. (Redação dada
vertidas 18 (dezoito) contribuições mensais e pelo menos 2 (dois) pela Lei nº 13.135, de 2015)
anos após o início do casamento ou da união estável: (Incluído pela I - (Revogado); (Redação dada pela Lei nº 13.135, de 2015)
Lei nº 13.135, de 2015) II - (Revogado). (Redação dada pela Lei nº 13.135, de 2015)
1) 3 (três) anos, com menos de 21 (vinte e um) anos de idade; Art. 224. As pensões serão automaticamente atualizadas na
(Incluído pela Lei nº 13.135, de 2015) mesma data e na mesma proporção dos reajustes dos vencimentos
2) 6 (seis) anos, entre 21 (vinte e um) e 26 (vinte e seis) anos de dos servidores, aplicando-se o disposto no parágrafo único do art.
idade; (Incluído pela Lei nº 13.135, de 2015) 189.
3) 10 (dez) anos, entre 27 (vinte e sete) e 29 (vinte e nove) anos Art. 225. Ressalvado o direito de opção, é vedada a percepção
de idade; (Incluído pela Lei nº 13.135, de 2015) cumulativa de pensão deixada por mais de um cônjuge ou compa-
4) 15 (quinze) anos, entre 30 (trinta) e 40 (quarenta) anos de nheiro ou companheira e de mais de 2 (duas) pensões. (Redação
idade; (Incluído pela Lei nº 13.135, de 2015) dada pela Lei nº 13.135, de 2015)
5) 20 (vinte) anos, entre 41 (quarenta e um) e 43 (quarenta e
três) anos de idade; (Incluído pela Lei nº 13.135, de 2015) Seção VIII
6) vitalícia, com 44 (quarenta e quatro) ou mais anos de idade. Do Auxílio-Funeral
(Incluído pela Lei nº 13.135, de 2015)
§ 1o A critério da administração, o beneficiário de pensão cuja Art. 226. O auxílio-funeral é devido à família do servidor faleci-
preservação seja motivada por invalidez, por incapacidade ou por do na atividade ou aposentado, em valor equivalente a um mês da
deficiência poderá ser convocado a qualquer momento para avalia- remuneração ou provento.
ção das referidas condições. (Incluído pela Lei nº 13.135, de 2015) § 1o No caso de acumulação legal de cargos, o auxílio será
§ 2o Serão aplicados, conforme o caso, a regra contida no inciso pago somente em razão do cargo de maior remuneração.
§ 2o (VETADO).
III ou os prazos previstos na alínea “b” do inciso VII, ambos do caput,
§ 3o O auxílio será pago no prazo de 48 (quarenta e oito) horas,
se o óbito do servidor decorrer de acidente de qualquer natureza
por meio de procedimento sumaríssimo, à pessoa da família que
ou de doença profissional ou do trabalho, independentemente do
houver custeado o funeral.
recolhimento de 18 (dezoito) contribuições mensais ou da compro- Art. 227. Se o funeral for custeado por terceiro, este será inde-
vação de 2 (dois) anos de casamento ou de união estável. (Incluído nizado, observado o disposto no artigo anterior.
pela Lei nº 13.135, de 2015) Art. 228. Em caso de falecimento de servidor em serviço fora
§ 3o Após o transcurso de pelo menos 3 (três) anos e desde do local de trabalho, inclusive no exterior, as despesas de transpor-
que nesse período se verifique o incremento mínimo de um ano te do corpo correrão à conta de recursos da União, autarquia ou
inteiro na média nacional única, para ambos os sexos, correspon- fundação pública.
dente à expectativa de sobrevida da população brasileira ao nascer,
poderão ser fixadas, em números inteiros, novas idades para os fins Seção IX
previstos na alínea “b” do inciso VII do caput, em ato do Ministro de Do Auxílio-Reclusão
Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão, limitado o acrésci-
mo na comparação com as idades anteriores ao referido incremen- Art. 229. À família do servidor ativo é devido o auxílio-reclusão,
to. (Incluído pela Lei nº 13.135, de 2015) nos seguintes valores:
§ 4o O tempo de contribuição a Regime Próprio de Previdência I - dois terços da remuneração, quando afastado por motivo de
Social (RPPS) ou ao Regime Geral de Previdência Social (RGPS) será prisão, em flagrante ou preventiva, determinada pela autoridade
considerado na contagem das 18 (dezoito) contribuições mensais competente, enquanto perdurar a prisão;
referidas nas alíneas “a” e “b” do inciso VII do caput. (Incluído pela II - metade da remuneração, durante o afastamento, em virtu-
Lei nº 13.135, de 2015) de de condenação, por sentença definitiva, a pena que não deter-
§ 5º Na hipótese de o servidor falecido estar, na data de seu mine a perda de cargo.
falecimento, obrigado por determinação judicial a pagar alimentos § 1o Nos casos previstos no inciso I deste artigo, o servidor terá
temporários a ex-cônjuge, ex-companheiro ou ex-companheira, a direito à integralização da remuneração, desde que absolvido.
pensão por morte será devida pelo prazo remanescente na data do § 2o O pagamento do auxílio-reclusão cessará a partir do dia
óbito, caso não incida outra hipótese de cancelamento anterior do imediato àquele em que o servidor for posto em liberdade, ainda
benefício.(Redação dada pela Lei nº 13.846, de 2019) que condicional.
§ 6º O beneficiário que não atender à convocação de que trata § 3o Ressalvado o disposto neste artigo, o auxílio-reclusão será
devido, nas mesmas condições da pensão por morte, aos depen-
o § 1º deste artigo terá o benefício suspenso, observado o disposto
dentes do segurado recolhido à prisão. (Incluído pela Lei nº 13.135,
nos incisos I e II do caput do art. 95 da Lei nº 13.146, de 6 de julho
de 2015)
de 2015.(Redação dada pela Lei nº 13.846, de 2019)
§ 7º O exercício de atividade remunerada, inclusive na condi- Capítulo III
ção de microempreendedor individual, não impede a concessão ou Da Assistência à Saúde
manutenção da cota da pensão de dependente com deficiência in-
telectual ou mental ou com deficiência grave. (Incluído pela Art. 230. A assistência à saúde do servidor, ativo ou inativo, e
Lei nº 13.846, de 2019) de sua família compreende assistência médica, hospitalar, odonto-
lógica, psicológica e farmacêutica, terá como diretriz básica o imple-

21
REGIME JURÍDICO ÚNICO
mento de ações preventivas voltadas para a promoção da saúde e Título VIII
será prestada pelo Sistema Único de Saúde – SUS, diretamente pelo Capítulo Único
órgão ou entidade ao qual estiver vinculado o servidor, ou median- Das Disposições Gerais
te convênio ou contrato, ou ainda na forma de auxílio, mediante
ressarcimento parcial do valor despendido pelo servidor, ativo ou Art. 236. O Dia do Servidor Público será comemorado a vinte e
inativo, e seus dependentes ou pensionistas com planos ou seguros oito de outubro.
privados de assistência à saúde, na forma estabelecida em regula- Art. 237. Poderão ser instituídos, no âmbito dos Poderes Exe-
mento. (Redação dada pela Lei nº 11.302 de 2006) cutivo, Legislativo e Judiciário, os seguintes incentivos funcionais,
§ 1o Nas hipóteses previstas nesta Lei em que seja exigida pe- além daqueles já previstos nos respectivos planos de carreira:
rícia, avaliação ou inspeção médica, na ausência de médico ou junta I - prêmios pela apresentação de idéias, inventos ou trabalhos
médica oficial, para a sua realização o órgão ou entidade celebra- que favoreçam o aumento de produtividade e a redução dos custos
rá, preferencialmente, convênio com unidades de atendimento do operacionais;
sistema público de saúde, entidades sem fins lucrativos declaradas II - concessão de medalhas, diplomas de honra ao mérito, con-
de utilidade pública, ou com o Instituto Nacional do Seguro Social - decoração e elogio.
INSS. (Incluído pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) Art. 238. Os prazos previstos nesta Lei serão contados em dias
§ 2o Na impossibilidade, devidamente justificada, da aplicação corridos, excluindo-se o dia do começo e incluindo-se o do venci-
do disposto no parágrafo anterior, o órgão ou entidade promoverá a mento, ficando prorrogado, para o primeiro dia útil seguinte, o pra-
contratação da prestação de serviços por pessoa jurídica, que cons- zo vencido em dia em que não haja expediente.
tituirá junta médica especificamente para esses fins, indicando os Art. 239. Por motivo de crença religiosa ou de convicção filo-
nomes e especialidades dos seus integrantes, com a comprovação sófica ou política, o servidor não poderá ser privado de quaisquer
de suas habilitações e de que não estejam respondendo a processo dos seus direitos, sofrer discriminação em sua vida funcional, nem
disciplinar junto à entidade fiscalizadora da profissão. (Incluído pela eximir-se do cumprimento de seus deveres.
Lei nº 9.527, de 10.12.97) Art. 240. Ao servidor público civil é assegurado, nos termos da
§ 3o Para os fins do disposto no caput deste artigo, ficam a Constituição Federal, o direito à livre associação sindical e os se-
União e suas entidades autárquicas e fundacionais autorizadas a: guintes direitos, entre outros, dela decorrentes:
(Incluído pela Lei nº 11.302 de 2006) a) de ser representado pelo sindicato, inclusive como substitu-
I - celebrar convênios exclusivamente para a prestação de ser- to processual;
viços de assistência à saúde para os seus servidores ou empregados b) de inamovibilidade do dirigente sindical, até um ano após o
ativos, aposentados, pensionistas, bem como para seus respectivos final do mandato, exceto se a pedido;
grupos familiares definidos, com entidades de autogestão por elas c) de descontar em folha, sem ônus para a entidade sindical a
patrocinadas por meio de instrumentos jurídicos efetivamente ce- que for filiado, o valor das mensalidades e contribuições definidas
lebrados e publicados até 12 de fevereiro de 2006 e que possuam em assembleia geral da categoria.
autorização de funcionamento do órgão regulador, sendo certo d) (Revogado pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
que os convênios celebrados depois dessa data somente poderão e) (Revogado pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
sê-lo na forma da regulamentação específica sobre patrocínio de Art. 241. Consideram-se da família do servidor, além do cônju-
autogestões, a ser publicada pelo mesmo órgão regulador, no prazo ge e filhos, quaisquer pessoas que vivam às suas expensas e cons-
de 180 (cento e oitenta) dias da vigência desta Lei, normas essas tem do seu assentamento individual.
também aplicáveis aos convênios existentes até 12 de fevereiro de Parágrafo único. Equipara-se ao cônjuge a companheira ou
2006; (Incluído pela Lei nº 11.302 de 2006) companheiro, que comprove união estável como entidade familiar.
II - contratar, mediante licitação, na forma da Lei no 8.666, de Art. 242. Para os fins desta Lei, considera-se sede o município
21 de junho de 1993, operadoras de planos e seguros privados de onde a repartição estiver instalada e onde o servidor tiver exercício,
assistência à saúde que possuam autorização de funcionamento do em caráter permanente.
órgão regulador; (Incluído pela Lei nº 11.302 de 2006)
III - (VETADO) (Incluído pela Lei nº 11.302 de 2006) Título IX
§ 4o (VETADO) (Incluído pela Lei nº 11.302 de 2006) Capítulo Único
§ 5o O valor do ressarcimento fica limitado ao total despendi- Das Disposições Transitórias e Finais
do pelo servidor ou pensionista civil com plano ou seguro privado
de assistência à saúde. (Incluído pela Lei nº 11.302 de 2006) Art. 243. Ficam submetidos ao regime jurídico instituído por
esta Lei, na qualidade de servidores públicos, os servidores dos Po-
Capítulo IV deres da União, dos ex-Territórios, das autarquias, inclusive as em
Do Custeio regime especial, e das fundações públicas, regidos pela Lei nº 1.711,
de 28 de outubro de 1952 - Estatuto dos Funcionários Públicos Civis
Art. 231. (Revogado pela Lei nº 9.783, de 28.01.99) da União, ou pela Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo
Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, exceto os contratados
Título VII por prazo determinado, cujos contratos não poderão ser prorroga-
Capítulo Único dos após o vencimento do prazo de prorrogação.
Da Contratação Temporária de Excepcional Interesse Público § 1o Os empregos ocupados pelos servidores incluídos no regi-
me instituído por esta Lei ficam transformados em cargos, na data
Art. 232. (Revogado pela Lei nº 8.745, de 9.12.93) de sua publicação.
Art. 233. (Revogado pela Lei nº 8.745, de 9.12.93) § 2o As funções de confiança exercidas por pessoas não in-
Art. 234. (Revogado pela Lei nº 8.745, de 9.12.93) tegrantes de tabela permanente do órgão ou entidade onde têm
Art. 235. (Revogado pela Lei nº 8.745, de 9.12.93) exercício ficam transformadas em cargos em comissão, e mantidas
enquanto não for implantado o plano de cargos dos órgãos ou enti-
dades na forma da lei.

22
REGIME JURÍDICO ÚNICO
§ 3o As Funções de Assessoramento Superior - FAS, exercidas Presidência da República
por servidor integrante de quadro ou tabela de pessoal, ficam extin- Casa Civil
tas na data da vigência desta Lei. Subchefia para Assuntos Jurídicos
§ 4o (VETADO).
§ 5o O regime jurídico desta Lei é extensivo aos serventuários
da Justiça, remunerados com recursos da União, no que couber. LEI Nº 8.112, DE 11 DE DEZEMBRO DE 1990
§ 6o Os empregos dos servidores estrangeiros com estabilida-
de no serviço público, enquanto não adquirirem a nacionalidade Partes vetadas pelo Presidente da República e mantidas pelo
brasileira, passarão a integrar tabela em extinção, do respectivo ór- Congresso Nacional, do Projeto que se transformou na Lei n.° 8.112,
gão ou entidade, sem prejuízo dos direitos inerentes aos planos de de 11 de dezembro de 1990, que “dispõe sobre o Regime Jurídico
carreira aos quais se encontrem vinculados os empregos. dos Servidores Públicos Civis da União, das autarquias e das funda-
§ 7o Os servidores públicos de que trata o caput deste artigo, ções públicas federais”.
não amparados pelo art. 19 do Ato das Disposições Constitucionais O PRESIDENTE DO SENADO FEDERAL:
Transitórias, poderão, no interesse da Administração e conforme
critérios estabelecidos em regulamento, ser exonerados median- Faço saber que o CONGRESSO NACIONAL manteve, e eu, MAU-
te indenização de um mês de remuneração por ano de efetivo RO BENEVIDES, Presidente do Senado Federal, nos termos do § 7°
exercício no serviço público federal. (Incluído pela Lei nº 9.527, de do art. 66 da Constituição, promulgo as seguintes partes da Lei n°
10.12.97) 8.112, de 11 de dezembro de 1990:
§ 8o Para fins de incidência do imposto de renda na fonte e na “Art. 87 ......................................................................................
declaração de rendimentos, serão considerados como indenizações .......................................
isentas os pagamentos efetuados a título de indenização prevista § 1° ............................................................................................
no parágrafo anterior. (Incluído pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) ......................................
§ 9o Os cargos vagos em decorrência da aplicação do disposto § 2° Os períodos de licença-prêmio já adquiridos e não gozados
no § 7o poderão ser extintos pelo Poder Executivo quando conside- pelo servidor que vier a falecer serão convertidos em pecúnia, em
rados desnecessários. (Incluído pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) favor de seus beneficiários da pensão.
Art. 244. Os adicionais por tempo de serviço, já concedidos Art. 192. O servidor que contar tempo de serviço para aposen-
aos servidores abrangidos por esta Lei, ficam transformados em tadoria com provento integral será aposentado:
anuênio. I - com a remuneração do padrão de classe imediatamente su-
Art. 245. A licença especial disciplinada pelo art. 116 da Lei nº perior àquela em que se encontra posicionado;
II - quando ocupante da última classe da carreira, com a remu-
1.711, de 1952, ou por outro diploma legal, fica transformada em
neração do padrão correspondente, acrescida da diferença entre
licença-prêmio por assiduidade, na forma prevista nos arts. 87 a 90.
esse e o padrão da classe imediatamente anterior.
Art. 246. (VETADO).
Art. 193. O servidor que tiver exercido função de direção, che-
Art. 247. Para efeito do disposto no Título VI desta Lei, haverá
fia, assessoramento, assistência ou cargo em comissão, por perío-
ajuste de contas com a Previdência Social, correspondente ao pe-
do de 5 (cinco) anos consecutivos, ou 10 (dez) anos interpolados,
ríodo de contribuição por parte dos servidores celetistas abrangi-
poderá aposentar-se com a gratificação da função ou remuneração
dos pelo art. 243. (Redação dada pela Lei nº 8.162, de 8.1.91)
do cargo em comissão, de maior valor, desde que exercido por um
Art. 248. As pensões estatutárias, concedidas até a vigência período mínimo de 2 (dois) anos.
desta Lei, passam a ser mantidas pelo órgão ou entidade de origem § 1° Quando o exercício da função ou cargo em comissão de
do servidor. maior valor não corresponder ao período de 2 (dois) anos, será in-
Art. 249. Até a edição da lei prevista no § 1o do art. 231, os corporada a gratificação ou remuneração da função ou cargo em
servidores abrangidos por esta Lei contribuirão na forma e nos per- comissão imediatamente inferior dentre os exercidos.
centuais atualmente estabelecidos para o servidor civil da União § 2° A aplicação do disposto neste artigo exclui as vantagens
conforme regulamento próprio. previstas no art. 192, bem como a incorporação de que trata o art.
Art. 250. O servidor que já tiver satisfeito ou vier a satisfazer, 62, ressalvado o direito de opção.
dentro de 1 (um) ano, as condições necessárias para a aposentado- Art. 231. ....................................................................................
ria nos termos do inciso II do art. 184 do antigo Estatuto dos Fun- .......................................
cionários Públicos Civis da União, Lei n° 1.711, de 28 de outubro de § 1° .............................................................................................
1952, aposentar-se-á com a vantagem prevista naquele dispositivo. .....................................
(Mantido pelo Congresso Nacional) § 2º O custeio da aposentadoria é de responsabilidade integral
Art. 251. (Revogado pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) do Tesouro Nacional.
Art. 252. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação, Art. 240. ....................................................................................
com efeitos financeiros a partir do primeiro dia do mês subseqüen- .......................................
te. a) ...............................................................................................
Art. 253. Ficam revogadas a Lei nº 1.711, de 28 de outubro de ......................................
1952, e respectiva legislação complementar, bem como as demais b) ...............................................................................................
disposições em contrário. ......................................
Brasília, 11 de dezembro de 1990; 169o da Independência e c) ...............................................................................................
102o da República. ......................................
d) de negociação coletiva;
FERNANDO COLLOR e) de ajuizamento, individual e coletivamente, frente à Justiça
Jarbas Passarinho do Trabalho, nos termos da Constituição Federal.
Art. 250. O servidor que já tiver satisfeito ou vier a satisfazer,
Este texto não substitui o publicado no DOU de 12.12.1990 e dentro de 1 (um) ano, as condições necessárias para a aposentado-
republicado em 18.3.1998 ria nos termos do inciso II do art. 184 do antigo Estatuto dos Fun-

23
REGIME JURÍDICO ÚNICO
cionários Públicos Civis da União, Lei n° 1.711, de 28 de outubro humanista, ressaltou que o fim da sociedade é o seu bem comum
de 1952, aposentar-se-á com a vantagem prevista naquele dispo- e que esse bem comum é o das pessoas humanas, que compõem a
sitivo.” sociedade. Assim, ele apontou as características essenciais do bem
comum: redistribuição, pela qual o bem comum deve ser redistri-
buído às pessoas e colaborar para o desenvolvimento delas; respei-
2 O SERVIDOR PÚBLICO COMO AGENTE DE DESENVOL- to à autoridade na sociedade, pois a autoridade é necessária para
VIMENTO SOCIAL conduzir a comunidade de pessoas humanas para o bem comum;
moralidade, que constitui a retidão de vida, sendo a justiça e a reti-
dão moral elementos essenciais do bem comum.
A Lei n° 8.112/90 que estabelece o regime jurídico único dos Desenvolvimento social não se dá por si só, é preciso que o
servidores públicos federais possui diversos aspectos relacionados Estado tome providências para que ele ocorra, notadamente por
à ética no serviço público, notadamente ao estabelecer quais são as políticas públicas que consolidem as premissas da igualdade ma-
atitudes esperadas dos servidores públicos e ao trazer direitos para terial: tratando de maneira igual os que se encontram nas mesmas
que estes desempenhem suas funções sem que se prejudique sua condições e de maneira diversa os que não se encontram.
saúde e seu bem-estar. No âmbito do Poder Executivo há um ministério específico que
A ética está presente em todas as esferas da vida de um indi- controla o desenvolvimento social, embora políticas voltadas a ele
víduo e da sociedade que ele compõe e é fundamental para a ma- se encontrem espalhadas por toda a estrutura governamental. O
nutenção da paz social que todos os cidadãos (ou ao menos grande Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome coordena
parte deles) obedeçam os ditames éticos consolidados. A obediên- inúmeras iniciativas voltadas ao desenvolvimento social: acesso à
cia à ética não deve se dar somente no âmbito da vida particular, informação, Brasil sem miséria, segurança alimentar, bolsa família,
mas também na atuação profissional, principalmente se tal atuação entre outras.2 Contudo, a principal iniciativa voltada ao desenvolvi-
se der no âmbito estatal. mento social para os fins do concurso em questão é a da assistência
O Estado é a forma social mais abrangente, a sociedade de fins social, descrita pelo Ministério nos seguintes termos:
gerais que permite o desenvolvimento, em seu seio, das individua- “A assistência social, política pública não contributiva, é dever
lidades e das demais sociedades, chamadas de fins particulares. O do Estado e direto de todo cidadão que dela necessitar. Entre os
principais pilares da assistência social no Brasil estão a Constituição
Estado, como pessoa, é uma ficção, é um arranjo formulado pelos
Federal de 1988, que dá as diretrizes para a gestão das políticas
homens para organizar a sociedade de disciplinar o poder visando
públicas, e a Lei Orgânica da Assistência Social (Loas), de 1993, que
que todos possam se realizar em plenitude, atingindo suas finalida-
estabelece os objetivos, princípios e diretrizes das ações.
des particulares.
A Loas determina que a assistência social seja organizada em
O Estado tem um valor ético, de modo que sua atuação deve
um sistema descentralizado e participativo, composto pelo poder
se guiar pela moral idônea. Mas não é propriamente o Estado que
público e pela sociedade civil. A IV Conferência Nacional de Assis-
é aético, porque ele é composto por homens. Assim, falta ética ou
tência Social deliberou, então, a implantação do Sistema Único de
não aos homens que o compõem. Ou seja, o bom comportamento Assistência Social (Suas). Cumprindo essa deliberação, o Ministério
profissional do funcionário público é uma questão ligada à ética no do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) implantou o
serviço público, pois se os homens que compõem a estrutura do Es- Suas, que passou a articular meios, esforços e recursos para a exe-
tado tomam uma atitude correta perante os ditames éticos há uma cução dos programas, serviços e benefícios socioassistenciais.
ampliação e uma consolidação do valor ético do Estado.
Alguns cidadãos recebem poderes e funções específicas dentro O Suas organiza a oferta da assistência social em todo o Brasil,
da administração pública, passando a desempenhar um papel de promovendo bem-estar e proteção social a famílias, crianças, ado-
fundamental interesse para o Estado. Quando estiver nesta condi- lescentes e jovens, pessoas com deficiência, idosos – enfim, a todos
ção, mais ainda, será exigido o respeito à ética. Afinal, o Estado é que dela necessitarem. As ações são baseadas nas orientações da
responsável pela manutenção da sociedade, que espera dele uma nova Política Nacional de Assistência Social (PNAS), aprovada pelo
conduta ilibada e transparente. Quando uma pessoa é nomeada Conselho Nacional de Assistência Social (CNAS) em 2004.
como servidor público, passa a ser uma extensão daquilo que o Es- A gestão das ações socioassistenciais segue o previsto na Nor-
tado representa na sociedade, devendo, por isso, respeitar ao máxi- ma Operacional Básica do Suas (NOB/Suas), que disciplina a descen-
mo todos os consagrados preceitos éticos. tralização administrativa do Sistema, a relação entre as três esferas do
Não obstante, todo o regramento estatal deve garantir a estes Governo e as formas de aplicação dos recursos públicos. Entre outras
funcionários públicos o bom desempenho de suas funções, preser- determinações, a NOB reforça o papel dos fundos de assistência social
vando a qualidade de vida e a saúde dos funcionários que atuam como as principais instâncias para o financiamento da PNAS.
representando o ente estatal. Logo, ao lado de deveres devem apa- A gestão da assistência social brasileira é acompanhada e ava-
recer direitos, sendo que estes direitos funcionam como incentivo liada tanto pelo poder público quanto pela sociedade civil, igual-
para o melhor desempenho dos deveres, garantindo uma otimiza- mente representados nos conselhos nacionais do Distrito Federal,
ção na contribuição para o desenvolvimento social. estaduais e municipais de assistência social. Esse controle social
Percebe-se que os assuntos propostos para estudo neste tópi- consolida um modelo de gestão transparente em relação às estra-
co ligam-se diretamente ao conteúdo até aqui estudado e também tégias e à execução da política.
um com o outro. A transparência e a universalização dos acessos aos progra-
Aprofundando o estudo, desenvolvimento social consiste na mas, serviços e benefícios socioassistenciais, promovidas por esse
evolução dos componentes da sociedade (capital humano) e na ma- modelo de gestão descentralizada e participativa, vem consolidar,
neira como estes se relacionam (capital social). Em outras palavras, definitivamente, a responsabilidade do Estado brasileiro no enfren-
é a melhoria da sociedade em que vivemos para toda a população. tamento da pobreza e da desigualdade, com a participação com-
Todo o conceito de desenvolvimento social se relaciona com plementar da sociedade civil organizada, através de movimentos
uma ideia consolidada nas premissas do Humanismo que é a de sociais e entidades de assistência social”.
preservação do bem comum social. Maritain1, tradicional filósofo
Livraria José Olympio Editora, 1967.
1 MARITAIN, Jacques. Os direitos do homem e a lei natural. 3. ed. Rio de Janeiro: 2 http://www.mds.gov.br/

24
REGIME JURÍDICO ÚNICO
A respeito da Assistência Social, explica Tavares3: “a fim de atender à demanda por prestações materiais trabalhistas, de saúde, pre-
vidência e educação, as Constituições passaram a atribuir ao Estado a responsabilidade pelo fornecimento de serviços públicos, o que
conduziu a uma inflação normativa nem sempre acompanhada de mecanismos eficazes de garantia dos direitos sociais declarados, além
do inchaço da estrutura administrativa estatal”.
Nesta linha, afirma Couto4: “compõe o direito social a ideia de que as dificuldades enfrentadas pelos homens para viver com dignidade
serão assumidas coletivamente pela sociedade, com supremacia da responsabilidade de cobertura do Estado, que deverá criar um sistema
institucional capaz de dar conta dessas demandas”.
Logo, a assistência social é uma atividade tipicamente voltada ao desenvolvimento social e à promoção do bem comum em sociedade.
Por isso, o funcionário público que se vincule ao serviço social desempenhará funções diretamente ligadas à promoção do desenvolvimen-
to social.
Por outro lado, bem se sabe que há um inchaço na assistência social devido aos inúmeros pedidos de benefícios sociais, de tal forma
que a previdência acaba pagando muito mais do que recebe. As situações de conflito que podem surgir em meio a este impasse tendem a
deixar o funcionário público sem fé quanto ao papel social de suas funções.

É preciso garantir ao funcionário público saúde e qualidade de vida no desempenho de suas atividades, posto que sem isto ele se
verá desmotivado a fazê-lo de maneira efetiva, o que prejudica diretamente sua contribuição para o desenvolvimento social. Para tanto, a
legislação anteriormente estudada garante um rol de direitos a este servidor, os quais devem ser respeitados.

3 SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA NO SERVIÇO PÚBLICO

Qualidade de vida no trabalho

Qualidade de vida no trabalho “é o conjunto de ações de uma empresa que envolve diagnósticos e implantação de melhorias e inova-
ções gerenciais, tecnológicas e estruturais dentro e fora do ambiente de trabalho, visando propiciar condições plenas de desenvolvimento
humano para e durante a realização do trabalho” (Ana Cristina L. França,1996).
A implementação de um Programa de Qualidade de Vida no Trabalho (PQVT) tem o objetivo de promover a motivação dos servidores,
reduzir o índice de absenteísmo e, consequentemente, melhorar a qualidade dos serviços prestados. Já os objetivos específicos são:
•Levantar, por meio de pesquisa de clima, a situação vivenciada pelos servidores públicos no que se refere a sua motivação para o
trabalho;
•Propor ações que sejam convergentes para a motivação dos servidores públicos;
•Recomendar ações que propiciem aos servidores públicos melhores condições físicas, ergonômicas e emocionais de trabalho.

Oferecer um ambiente adequado de trabalho e bem-estar aos colaboradores é promover a saúde da instituição como um todo. Não
se tem um “corpo” institucional saudável se suas células encontram-se doentes pela desmotivação, pela descrença no trabalho que
executam, pelo sentimento de não pertencimento, pelo estresse, entre outros.
O PQVT deverá contemplar cinco fases, quais sejam:
1 – Sensibilização: É a fase em que a Alta Administração compra e defende a ideia da implementação. Nenhuma ação dessa monta
será bem sucedida se o staff da instituição não se posicionar de forma positiva;
2 – Planejamento: Estabelecem-se os mecanismos estratégicos, formam-se as equipes de trabalho, estruturam-se modelos e instru-
mentos a serem utilizados e estabelece-se o cronograma inicial;
3 – Diagnóstico: Faz-se a coleta de informações sobre a natureza e funcionamento do sistema técnico e o levantamento do sistema
social do ambiente de trabalho;
4 – Execução e implementação: Fase do estabelecimento de prioridades e execução das ações;
5 – Avaliação e manutenção: No processo de avaliação, que deve ser anual, pode ser utilizado o mesmo instrumento da fase diagnos-
tica e feita a comparação para levantar a eficácia do Programa.

Um PQVT deve ser desenvolvido a partir de um conjunto de ações permanentes, abrangendo três eixos: qualidade no trabalho;
qualidade física e mental; qualidade profissional. O quadro abaixo mostra o foco e as ações referentes a cada eixo.

EIXOS FOCO AÇÕES A SEREM DESENVOLVIDAS


Relacionamento entre as pessoas, a
Eventos focando o relacionamento interpessoal,
cordialidade, o respeito, o estímulo à
como cinema comentado, intervenção musical nas
QUALIDADE NO TRABALHO interação entre os colegas de trabalho
unidades, desenvolvimento das equipe através de
através de ações dirigidas à humanização
gincanas, comemorações, entre outros.
do ambiente de trabalho

3 TAVARES, Marcelo Leonardo. Previdência e Assistência Social: Legitimação e Fundamentação Constitucional Brasileira. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2003.
4 COUTO, Berenice Rojas. O Direito Social e a Assistência Social na Sociedade Brasileira: Uma Equação Possível? 2. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

25
REGIME JURÍDICO ÚNICO

Oficinas de promoção de saúde, estruturação de


Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional
– PCMSO, Segurança do Trabalho, Brigadas de
QUALIDADE
Incêndios, Comissão Interna de Prevenção de
FÍSICA E A integralidade da saúde dos profissionais
Acidentes – CIPA. Trabalhos corporais, como:
MENTAL
massagens e ginásticas laborais, trabalhos anti-
estresse – aulas de yoga com exercícios de respiração,
caminhadas apreciativas e perceptivas, sempre
com a presença de monitores, oficinas de prevenção
ao estresse.
Programas de capacitação e desenvolvimento das
Desenvolvimento e capacitação competências profissionais, promovendo o realce
QUALIDADE PROFISSIONAL
profissional dos talentos individuais para uma busca plena da
qualidade de vida no trabalho.

Figura: Conjunto de ações permanentes abrangendo os eixos do Programa de Qualidade de Vida no Trabalho
Fonte: adaptado do IPSEMG.

Uma das questões mais importantes em matéria de QVT é a ergonomia. A Associação Brasileira de Ergonomia conceitua-a do seguinte
modo:
Entende-se por ergonomia o estudo das interações das pessoas com a tecnologia a organização e o ambiente objetivando interven-
ções e projetos que visem melhorar de forma integrada e não dissociada a segurança,o conforto, o bem estar e a eficácia das atividades
humanas (ABERGO).
Desta forma, a ergonomia vai se preocupar com:
Condição de trabalho: carga física, mobiliário, postura, exigência sensorial e equipamentos;
Condições ambientais de trabalho: conforto, ruído, temperatura, velocidade do ar, umidade;
Organização do trabalho: norma de produção, modo operatório, exigência de tempo, determinação do conteúdo-tempo, ritmo de
trabalho e o conteúdo das tarefas.
A multidisciplinaridade da ergonomia pode ser constatada na figura abaixo.

Vale citar as disposições do Ministério do Trabalho e Emprego sobre Segurança e Medicina do Trabalho5 e o Decreto n. 7.602, de 7 de
novembro de 2011, que dispõe sobre a Política Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho – PNSST.
As condições gerais de vida, as relações, processo e organização do trabalho são elementos fundamentais na preservação da saúde
dos trabalhadores ou na gênese de seu adoecimento.
O trabalho decente, preconizado pela OIT, é direito de todos, incluindo a segurança e a saúde. A prática do trabalho decente é
o meio mais eficaz de romper com o ciclo da marginalização, pobreza e exclusão social, especialmente das pessoas com deficiência,
as quais necessitam de ações afirmativas para sua adequada inclusão e manutenção no mercado de trabalho, contribuindo de forma
significativa para a economia nacional e reduzindo o nível geral de pobreza. Essas ações especiais compensatórias de proteção facilitam
o emprego dessas pessoas mediante esforço coordenado que vise ao ambiente de trabalho, às necessidades individuais e da empresa e
às responsabilidades legais.
São inúmeros os obstáculos encontrados por este grupo populacional, obstáculos estes minimizados pela execução de ações concretas
em segurança e saúde, por parte das empresas para superar esse desafio.

5. Obtido em http://www.mte.gov.br/fisca_trab/inclusao/lei_cotas_10.asp

26
REGIME JURÍDICO ÚNICO
Existem importantes instrumentos facilitadores na inclusão O profissional médico, familiarizado com os princípios da
adequada de trabalhadores no nível de empresa, tais como o patologia ocupacional e suas causas, bem como com o ambiente,
Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO), o as condições de trabalho e os riscos a que está ou será exposto
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA), a Ergonomia, cada trabalhador da empresa, atua, pois, como importante agente
o Programa de Gestão de Questões Relativas à Deficiência no Local facilitador na inclusão da pessoa com deficiência na empresa, por
de Trabalho (incluído no PPRA e PCMSO), dentre outros, que, meio da prevenção, rastreamento e diagnóstico precoce dos agra-
articulados, integram o conjunto mais amplo das iniciativas da vos à saúde relacionados com o trabalho. Mediante exame médico
empresa, no campo da preservação da saúde e da integridade dos ocupacional, o profissional médico identifica aptidão ou não do(a)
trabalhadores em geral e em especial das pessoas com deficiência. trabalhador(a) para exercer determina da função, identificando
O Programa de Gestão de Questões Relativas à Deficiência suas potencialidades laborativas, fator primordial na adequada
no Local de Trabalho pode estar incluído no PPRA e PCMSO da alocação e inclusão deste(a) trabalhador(a) com deficiência na em
empresa, e faz parte das orientações da OIT em seu Repertório presa. Essa ação é primordial para garantir que a pessoa com defi-
de Recomendações Práticas sobre essa questão (Genebra/2001), ciência assuma uma função que corresponda às suas habilidades, à
tendo como objetivo a igualdade de acesso e oportunidade para sua capacidade de trabalho e a seu interesse, atuando como agente
todas as pessoas no que diz respeito a emprego seguro e saudável, produtivo na sociedade.
a treinamento profissional e a ocupações específicas e sem discri- O PCMSO deverá ser planejado e implantado com base nos ris-
minação (art. 4º da Convenção n° 159 da OIT). cos à saúde dos trabalhadores, especialmente os identificados nas
Nesse programa deverão ser definidas as estratégias de ações avaliações previstas nas demais Normas Regulamentadoras (NRs).
por parte da empresa para a adequada inclusão das pessoas com Dois conceitos epidemiológicos são fundamentais na compreensão
deficiência, após consulta a estas e às suas organizações represen- da importância do programa para a inclusão das pessoas com
tativas, incluindo ações no recrutamento, seleção e manutenção no deficiência: o risco e o fator de risco. Risco pode ser definido como
emprego das pessoas em igualdade de oportunidades perante os a probabilidade de os membros de uma determinada população
outros empregados, bem como manter no emprego o trabalhador desenvolverem uma dada doença ou evento relacionado à saúde
que tenha adquirido alguma deficiência. em um período de tempo. Fator de risco pode ser definido como o
Essas estratégias devem estar associadas à política de respon- atributo de um grupo que apresenta maior incidência de uma dada
sabilidade social da empresa na promoção de local de trabalho patologia ou característica, em comparação com outros grupos
seguro e saudável, incluindo medidas de segurança e saúde no populacionais, definidos pela ausência ou menor dosagem de tal
trabalho, de análise de risco relativa a qualquer adaptação, ajusta- característica.
mento ou acomodação, pronta intervenção e encaminhamento de As pessoas com deficiência devem ser, portanto, vistas como in-
trabalhadores(as) a serviços de tratamento e reabilitação, no caso tegrantes de um grupo populacional com características específicas
de deficiência adquirida durante a vida ativa. que, se consideradas aptas ao trabalho pelo profissional médico,
A inserção da pessoa com deficiência no trabalho deverá ser, deverá ter promovida a sua acessibilidade para inclusão adequada
sobretudo, individual, social e profissional, apoiada por equipe multidis- na empresa.
ciplinar, a fim de se conseguir a verdadeira inclusão dessas pessoas. O impacto da deficiência sobre a capacidade de trabalho da
Compete, portanto, ao empregador garantir a elaboração e pessoa pode variar amplamente, podendo ser reduzido, pouco
efetiva implementação desses instrumentos, sem ônus para o em- interferindo na interação da mesma com o meio ambiente laboral,
pregado, bem como zelar pela sua eficácia. Esses programas devem ou ser significativo, exigindo considerável apoio e assistência por
ser apresentados e discutidos na Comissão Interna de Prevenção de parte da empresa e seus empregados.
Acidentes (CIPAs), quando existente na empresa, configurando-se O PCMSO deve incluir, dentre outros, a realização obrigatória
como importante espaço de inclusão dos trabalhadores com defi- dos exames médicos admissional, periódico, de retorno ao tra-
ciência, no tocante à preservação de sua integridade e saúde. balho, de mudança de função e demissional, que inclui avaliação
A participação dos trabalhadores nos diversos níveis de decisão clínica, abrangendo anamnese ocupacional, exame físico e mental,
nas relações, processo e organização do trabalho são, portanto, além de exames complementares, para avaliar o funcionamento de
fundamentais na promoção da sua saúde. A inclusão e a integração órgãos e sistemas orgânicos, realizados de acordo com os termos
no trabalho das pessoas com deficiência repercutem na qualidade de específicos da NR 07 e seus anexos.
vida e de saúde da empresa e da comunidade em geral, possibilitando
O exame médico admissional deverá ser realizado antes que o
a utilização por todos dos bens e serviços, viabilizando uma sociedade
trabalhador as suma suas atividades. Para trabalhadores expostos a
mais flexível e aberta às diferenças entre as pessoas e concretizando-se
riscos ou a situações de trabalho que impliquem desencadeamento
o princípio da igualdade de oportunidades para todos.
ou agravamento de doença ocupacional, ou, ainda, para aqueles
que sejam portadores de doenças crônicas, o exame médico de-
PCMSO
verá ser repetido a cada ano ou a intervalos menores, a critério
do médico encarregado, ou quando notificado pelo médico agente
Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO),
Norma Regulamentadora (NR 07) que introduziu um “olhar coletivo” da inspeção do trabalho, ou, ainda, como resultado de negociação
nos procedimentos da inspeção do trabalho na área da segurança coletiva de trabalho.
e saúde, dando ênfase às questões incidentes não somente sobre Após o exame, o médico emitirá o Atestado de Saúde Ocupacio-
o indivíduo (abordagem clínica), mas também sobre a coletividade nal, com a definição de apto ou inapto para a função específica que
de trabalhadores (abordagem epidemiológica), privilegiando o o trabalhador irá exercer (admissão), exerce (periódico) ou exerceu
instrumental clínicoepidemiológico na abordagem da relação entre (demissional).
sua saúde e o trabalho. O exame médico ocupacional é de primordial importância para
Essa dupla abordagem configura-se como essencial para a inclu- avaliação da capacidade laborativa das pessoas com deficiência,
são das pessoas com deficiência no trabalho, por ter como objetivo objetivando melhorar a sua colocação e inclusão na empresa.
a promoção e a preservação da saúde do conjunto dos trabalha-
dores, possibilitando a prevenção, rastreamento e o diagnóstico
precoce dos agravos à saúde re-lacionados com o trabalho.

27
REGIME JURÍDICO ÚNICO
PPRA presa, organização ou entidade empregadora, com o objetivo de
propiciar o acesso ao local de trabalho e facilitar o emprego desse
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA), Norma segmento de trabalhadores.
Regulamentadora (NR 09) que visa à preservação da saúde e da Nesse processo, considera-se a palavra do trabalhador como a
integridade dos trabalhadores, por meio da antecipação, reconhe- principal diretiva na busca dessa melhor adequação das condições
cimento, avaliação e consequente controle da ocorrência de riscos e organização do trabalho ao homem. O trabalhador com deficiên-
ambientais existentes ou que venham a existir no ambiente de cia, portanto, deverá ser considerado como essencial e importante
trabalho, tendo em consideração a proteção do meio ambiente e agente das transformações, pois apenas ele poderá confirmar ou
dos recursos naturais. não a adequação de soluções propostas pelos técnicos sobre o seu
Essas ações devem ser desenvolvidas sob a responsabilidade ambiente e organização do trabalho.
do empregador, com a participação dos trabalhadores, sendo sua
abrangência e profundidade dependentes das características dos APOIOS ESPECIAIS
riscos e das necessidades de controle. A escuta e a efetiva participa-
ção dos trabalhadores com deficiência nessas ações é de primordial A empresa deverá providenciar a adequação dos meios e
importância para a eficácia desse programa e de sua adequada recursos para o bom desempenho do trabalho, considerando suas
inclusão na empresa. limitações. Os apoios especiais são elementos (orientação, super-
Consideram-se riscos ambientais os agentes físicos, químicos e visão e ajudas técnicas, dentre outros) que auxiliam ou permitem
biológicos existentes nos ambientes de trabalho que, em função de compensar uma ou mais limitações funcionais motoras, sensoriais
sua natureza, concentração ou intensidade e tempo de exposição, ou mentais da pessoa portadora de deficiência, de modo a superar
são capazes de causar danos à saúde do trabalhador. Deverá ser as barreiras da mobilidade e da comunicação, possibilitando a
efetuada, sempre que necessário e pelo menos uma vez ao ano, plena utilização de suas capacidades em condições de normalidade
uma análise global do PPRA para avaliação do seu desenvolvimento (Instrução Normativa nº 20/01, da Secretaria de Inspeção do Tra-
e realização dos ajustes necessários e estabelecimento de novas balho/MTE).
metas e prioridades. Como exemplos de apoios especiais temos: as tecnologias de
Essa análise deverá incluir sempre a gestão de questões relati- acesso ao computador e à Internet para pessoas com deficiência
vas à deficiência no local de trabalho com vistas à promoção de um visual e motora, sintetizadores de voz, livros falados, sinalização e
local de trabalho seguro, acessível e saudável para pessoas com de- alarmes sonoros e luminosos, folheadores eletrônicos para tetra-
ficiência, devendo ser executados todos os ajustes necessários nos plégicos, serviço de impressão em Braille, serviço de mensagem
equipamentos, posto de trabalho e organização do trabalho com e vibracall em telefones para deficientes auditivos, banheiros
a finalidade de minimizar ou excluir possíveis riscos ocupacionais. adaptados para cadeirantes, corrimão nas paredes para facilitar a
Nesse caso, a adoção de medidas especiais positivas, tais locomoção de deficientes visuais, etc.
como apoios especiais, promoção da acessibilidade e ajustes na
organização do trabalho, atendem às necessidades específicas das ACESSIBILIDADE
pessoas com deficiência e visam estabelecer igualdade efetiva de
oportunidades e de tratamento no trabalho para essas pessoas, A inclusão social das pessoas com deficiência deve ser um dos
não constituindo discriminação dos demais trabalhadores. objetivos nas sociedades que defendem os valores da solidarieda-
de e da integração, além do respeito pelas diferenças pessoais. A
ERGONOMIA acessibilidade exerce papel fundamental nessa inclusão. A empresa
deverá conscientizar todos os seus empregados, mediante treina-
Norma Regulamentadora NR 17 – ERGONOMIA – tem como mentos e execução de ações para eliminar barreiras e promover a
objetivo estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das acessibilidade. A empresa pode melhorar, por exemplo, o acesso ao
condições de trabalho às características psicofisiológicas dos local de trabalho por pessoas com diferentes tipos de deficiência,
trabalhadores e à natureza do trabalho a ser executado, de modo incluindo facilidades para entrar e se movimentar no estabeleci-
a proporcionar o máximo de conforto, segurança e desempenho mento, além de acesso a banheiros e lavatórios. O planejamento
eficiente. As características psicofisiológicas dizem respeito a todo para emergências deve assegurar que pessoas com deficiência
o conhecimento referente ao funcionamento do ser humano, possam deixar, com segurança e eficiência, o local de trabalho e se
incluindo o conhecimento antropológico, psicológico e fisiológico. deslocar para uma área segura.
As condições de trabalho incluem aspectos relacionados ao O acesso à informação também é fundamental, devendo ser
levantamento, transporte e descarga de materiais, ao mobiliário, disponibilizados na empresa, por exemplo, manuais e instruções
aos equipamentos e às condições ambientais do posto de trabalho relativas ao posto de trabalho de forma a serem compreendidos
e à própria organização do trabalho. por pessoas com diferentes tipos de deficiência.
A organização do trabalho exerce papel fundamental na gênese A Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000, estabelece normas
de inúmeros comprometimentos à saúde do trabalhador. Para gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das
avaliar a adaptação das condições de trabalho às características pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida,
psicofisiológicas dos trabalhadores, cabe ao empregador realizar a mediante a supressão de barreiras e de obstáculos nas vias e
análise ergonômica do trabalho, podendo, em situações comple- espaços públicos, no mobiliário urbano, na construção e reforma
xas, demandar a presença de um ergonomista. de edifícios e nos meios de transporte e de comunicação. Para fins
Com vistas à adaptação das condições de trabalho às caracte- dessa Lei são estabelecidas as seguintes definições:
I. acessibilidade: possibilidade e condição de alcance para
rísticas psicofisiológicas dos trabalhadores com deficiência, devem
utilização, com segurança e autonomia, dos espaços, mobiliários
ser avaliados e executados ajustes ou adaptações da maquinaria,
e equipamentos urbanos, das edificações, dos transportes e dos
equipamentos, estações de trabalho e/ou adequação das tarefas
sistemas e meios de comunicação, por pessoa portadora de defi-
correspondentes ao posto de trabalho, do tempo de trabalho e de
ciência ou com mobilidade reduzida;
sua organização, bem como a adaptação do espaço físico da em-

28
REGIME JURÍDICO ÚNICO
II. barreiras: qualquer entrave ou obstáculo que limite ou blocos regionais de nações, destacando-se o Comitê PanAmericano
impeça o acesso, a liberdade de movimento e a circulação com de Normas Técnicas (COPANT), bem como o Comitê de Normaliza-
segurança das pessoas, classificadas em: ção do Mercosul.
a. barreiras arquitetônicas urbanísticas: as existentes nas vias No Brasil, o organismo legalmente constituído para cuidar das
públicas e nos espaços de uso público; normas técnicas é a Associação Brasileira de Normas Técnicas
b. barreiras arquitetônicas na edificação: as existentes no inte- (ABNT), afiliada à ISO e atuante desde 1940. A ABNT está dividida
rior dos edifícios públicos e privados; em comitês nacionais, dentre eles o Comitê Brasileiro de Acessi-
c. barreiras arquitetônicas nos transportes: as existentes nos bilidade (CB 40), que começou a atuar no ano 2000. Em 1985 foi
meios de transporte; criada a primeira Norma Técnica Brasileira da Associação Brasileira
d. barreiras nas comunicações: qualquer entrave ou obstáculo de Normas Técnicas (ABNT, 1985), pertinente à acessibilidade
que dificulte ou impossibilite a expressão ou o recebimento de intitulada: “Adequação das Edificações, Equipamentos e Mobiliário
mensagens por intermédio dos meios ou sistemas de comunicação, Urbano à Pessoa Portadora de Deficiência” – NBR 9050, voltada
sejam ou não de massa. para edificações, mobiliário e equipamentos urbanos. Existem
ainda normas de acessibilidade sobre elevadores para transportes
O Capítulo V desta Lei trata da acessibilidade nos edifícios de de pessoa portadora de deficiência, trens, ônibus, transporte aéreo
uso privado (como as empresas), estabelecendo critérios para e veículos automotores.
adequada inclusão dos trabalhadores com deficiência.
O Capítulo VII desta lei aborda os critérios para acessibilidade DECRETO Nº 7.602, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011
nos sistemas de comunicação e sinalização, definindo que o Poder
Público promoverá a eliminação de barreiras na comunicação Dispõe sobre a Política Nacional de Seguran-
e estabelecerá mecanismos e alternativas técnicas que tornem ça e Saúde no Trabalho – PNSST.
acessíveis os sistemas de comunicação e sinalização às pessoas por-
tadoras de deficiência sensorial e com dificuldade de comunicação, A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe
para garantir-lhes o direito de acesso à informação, à comunicação, confere o art. 84, incisos IV e VI, alínea “a”, da Constituição, e tendo
ao trabalho, à educação, ao transporte, à cultura, ao esporte e ao em vista o disposto no artigo 4 da Convenção no 155, da Organiza-
lazer. ção Internacional do Trabalho, promulgada pelo Decreto no 1.254,
Enfatizamos a importância da comunicação para melhor inclu- de 29 de setembro de 1994,
são da pessoa com deficiência no mundo do trabalho. A empresa DECRETA:
deverá disponibilizar todos os meios para minimizar ou excluir
todas as barreiras que impeçam a perfeita comunicação dos traba- Art. 1º Este Decreto dispõe sobre a Política Nacional de Segu-
lhadores com deficiência, tais como uso de intérpretes em LIBRAS, rança e Saúde no Trabalho – PNSST, na forma do Anexo.
escrita em Braille, sinalização em luzes, sons e/ou cores, etc. Art. 2º Este Decreto entra em vigor na data da sua publicação.
Por meio do art. 19 fica determinado que os serviços de radio-
difusão sonora e de sons e imagens adotarão plano de medidas Brasília, 7 de novembro de 2011; 190o da Independência e
técnicas com o objetivo de permitir o uso da linguagem de sinais ou 123o da República.
outra subtitulação, para garantir o direito de acesso à informação DILMA ROUSSEFF
às pessoas portadoras de deficiência auditiva, na forma e no prazo
previstos em regulamento. Carlos Lupi
O Capítulo X estabelece, por meio do art. 24, que o Poder Alexandre Rocha Santos Padilha
Público promoverá campanhas informativas e educativas dirigidas Garibaldi Alves Filho
à população em geral, com a finalidade de conscientizá-la e sen- Este texto não substitui o publicado no DOU de 8.11.2011
sibilizá-la quanto à acessibilidade e à integração social da pessoa
portadora de deficiência ou com mobilidade reduzida. POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO
Importante ressaltar que o art. 26 estabelece que as organiza-
ções representativas de pessoas portadoras de deficiência terão OBJETIVO E PRINCÍPIOS
legitimidade para acompanhar o cumprimento dos requisitos de I – A Política Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho –
acessibilidade estabelecidos nesta Lei. PNSST tem por objetivos a promoção da saúde e a melhoria da
qualidade de vida do trabalhador e a prevenção de acidentes e de
NORMAS ABNT danos à saúde advindos, relacionados ao trabalho ou que ocorram
no curso dele, por meio da eliminação ou redução dos riscos nos
As normas técnicas destinadas a permitir a acessibilidade das ambientes de trabalho;
pessoas com deficiência são importantes instrumentos para enco- II – A PNSST tem por princípios:
rajar e comprometer solidariamente toda a sociedade na inclusão, a) universalidade;
ressaltando a importância da supressão das barreiras arquitetôni- b) prevenção;
cas e de comunicação, criando condições para o exercício de uma c) precedência das ações de promoção, proteção e prevenção
cidadania plena. Essas normas refletem orientações de diversas sobre as de assistência, reabilitação e reparação;
organizações, como a Organização das Nações Unidas e a União d) diálogo social; e
Europeia, dentre outras. e) integralidade;
As normas técnicas de acessibilidade podem integrar a legisla- III – Para o alcance de seu objetivo a PNSST deverá ser imple-
ção federal e estadual, favorecendo a implantação da acessibilidade mentada por meio da articulação continuada das ações de governo
em todos os municípios brasileiros. no campo das relações de trabalho, produção, consumo, ambiente
As normas técnicas internacionais são de competência da e saúde, com a participação voluntária das organizações represen-
International Standards Organization (ISO), ligadas à Organização tativas de trabalhadores e empregadores;
das Nações Unidas. Existem, ainda, organismos normalizadores de

29
REGIME JURÍDICO ÚNICO
DIRETRIZES VII – Compete ao Ministério da Saúde:
IV – As ações no âmbito da PNSST devem constar do Plano a) fomentar a estruturação da atenção integral à saúde dos
Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho e desenvolver-se de trabalhadores, envolvendo a promoção de ambientes e processos
acordo com as seguintes diretrizes: de trabalho saudáveis, o fortalecimento da vigilância de ambientes,
a) inclusão de todos trabalhadores brasileiros no sistema nacio- processos e agravos relacionados ao trabalho, a assistência integral
nal de promoção e proteção da saúde; à saúde dos trabalhadores, reabilitação física e psicossocial e a
b) harmonização da legislação e a articulação das ações de pro- adequação e ampliação da capacidade institucional;
moção, proteção, prevenção, assistência, reabilitação e reparação b) definir, em conjunto com as secretarias de saúde de Estados
da saúde do trabalhador; e Municípios, normas, parâmetros e indicadores para o acompa-
c) adoção de medidas especiais para atividades laborais de alto nhamento das ações de saúde do trabalhador a serem desenvolvi-
risco; das no Sistema Único de Saúde, segundo os respectivos níveis de
d) estruturação de rede integrada de informações em saúde do complexidade destas ações;
trabalhador; c) promover a revisão periódica da listagem oficial de doenças
e) promoção da implantação de sistemas e programas de ges- relacionadas ao trabalho;
tão da segurança e saúde nos locais de trabalho; d) contribuir para a estruturação e operacionalização da rede
f) reestruturação da formação em saúde do trabalhador e em integrada de informações em saúde do trabalhador;
segurança no trabalho e o estímulo à capacitação e à educação e) apoiar o desenvolvimento de estudos e pesquisas em saúde
continuada de trabalhadores; e do trabalhador;
g) promoção de agenda integrada de estudos e pesquisas em f) estimular o desenvolvimento de processos de capacitação de
segurança e saúde no trabalho; recursos humanos em saúde do trabalhador; e
g) promover a participação da comunidade na gestão das ações
RESPONSABILIDADES NO ÂMBITO DA PNSST em saúde do trabalhador;
V – São responsáveis pela implementação e execução da PNSST VIII – Compete ao Ministério da Previdência Social:
os Ministérios do Trabalho e Emprego, da Saúde e da Previdência a) subsidiar a formulação e a proposição de diretrizes e normas
Social, sem prejuízo da participação de outros órgãos e instituições relativas à interseção entre as ações de segurança e saúde no tra-
que atuem na área; balho e as ações de fiscalização e reconhecimento dos benefícios
VI – Cabe ao Ministério do Trabalho e Emprego: previdenciários decorrentes dos riscos ambientais do trabalho;
a) formular e propor as diretrizes da inspeção do trabalho, bem b) coordenar, acompanhar, avaliar e supervisionar as ações do
como supervisionar e coordenar a execução das atividades rela- Regime Geral de Previdência Social, bem como a política direcio-
cionadas com a inspeção dos ambientes de trabalho e respectivas nada aos Regimes Próprios de Previdência Social, nas áreas que
condições de trabalho; guardem inter-relação com a segurança e saúde dos trabalhadores;
b) elaborar e revisar, em modelo tripartite, as Normas Regula- c) coordenar, acompanhar e supervisionar a atualização e a re-
mentadoras de Segurança e Saúde no Trabalho; visão dos Planos de Custeio e de Benefícios, relativamente a temas
c) participar da elaboração de programas especiais de proteção de sua área de competência;
ao trabalho, assim como da formulação de novos procedimentos d) realizar estudos, pesquisas e propor ações formativas visan-
reguladores das relações capital-trabalho; do ao aprimoramento da legislação e das ações do Regime Geral de
d) promover estudos da legislação trabalhista e correlata, no Previdência Social e dos Regimes Próprios de Previdência Social, no
âmbito de sua competência, propondo o seu aperfeiçoamento; âmbito de sua competência; e
e) acompanhar o cumprimento, em âmbito nacional, dos e) por intermédio do Instituto Nacional do Seguro Social – INSS:
acordos e convenções ratificados pelo Governo brasileiro junto a 1. realizar ações de reabilitação profissional; e
organismos internacionais, em especial à Organização Internacio- 2. avaliar a incapacidade laborativa para fins de concessão de
nal do Trabalho – OIT, nos assuntos de sua área de competência; benefícios previdenciários.
f) planejar, coordenar e orientar a execução do Programa de
Alimentação do Trabalhador; e GESTÃO
g) por intermédio da Fundação Jorge Duprat Figueiredo de IX - (Revogado pelo Decreto nº 9.944, de 2019)
Segurança e Medicina do Trabalho – FUNDACENTRO: X - (Revogado pelo Decreto nº 9.944, de 2019)
1. elaborar estudos e pesquisas pertinentes aos problemas que a) - (Revogado pelo Decreto nº 9.944, de 2019)
afetam a segurança e saúde do trabalhador; b) - (Revogado pelo Decreto nº 9.944, de 2019)
2. produzir análises, avaliações e testes de medidas e métodos c) - (Revogado pelo Decreto nº 9.944, de 2019)
que visem à eliminação ou redução de riscos no trabalho, incluindo d) - (Revogado pelo Decreto nº 9.944, de 2019)
equipamentos de proteção coletiva e individual; e) - (Revogado pelo Decreto nº 9.944, de 2019)
3. desenvolver e executar ações educativas sobre temas rela- XI -A gestão executiva da Política será conduzida por Comitê
cionados com a melhoria das condições de trabalho nos aspectos Executivo constituído pelos Ministérios do Trabalho e Emprego, da
de saúde, segurança e meio ambiente do trabalho; Saúde e da Previdência Social; e (Revogado pelo Decreto nº 9.944,
4. difundir informações que contribuam para a proteção e de 2019)
promoção da saúde do trabalhador; XII -Compete ao Comitê Executivo:(Revogado pelo Decreto nº
5. contribuir com órgãos públicos e entidades civis para a proteção 9.944, de 2019)
e promoção da saúde do trabalhador, incluindo a revisão e formulação a) - (Revogado pelo Decreto nº 9.944, de 2019)
de regulamentos, o planejamento e desenvolvimento de ações inte- b ) - (Revogado pelo Decreto nº 9.944, de 2019)
rinstitucionais; a realização de levantamentos para a identificação das
c) - (Revogado pelo Decreto nº 9.944, de 2019)
causas de acidentes e doenças nos ambientes de trabalho; e
d) - (Revogado pelo Decreto nº 9.944, de 2019)
6. estabelecer parcerias e intercâmbios técnicos com organis-
e) - (Revogado pelo Decreto nº 9.944, de 2019)
mos e instituições afins, nacionais e internacionais, para fortalecer
a atuação institucional, capacitar os colaboradores e contribuir com
a implementação de ações globais de organismos internacionais;

30
REGIME JURÍDICO ÚNICO
QVT e Gestão de Pessoas no Serviço Público desde a forma de ingresso, as políticas de desenvolvimento na ins-
tituição, a estabilidade, a falta de espírito empreendedor e, com
Tratar do assunto QVT na Administração Pública pode ser uma isso, a falta de preocupação com a inovação e criatividade, entre
forma de preencher um vazio existente no nível de tratamento que outros. Tudo isso pode contribuir com a ineficiência no setor pú-
o servidor público recebe no que se refere à valorização de seu tra- blico e, mais do que isso, com o baixo nível de qualidade de vida
balho e preocupação com o seu bem estar e o de sua família. Es- destes trabalhadores.
pecificamente, os gestores públicos têm algumas dificuldades em Ojedokun (2015) et al realizaram um estudo relacionando a
desempenhar suas funções, pois estão limitados a fatores legais QVT e o comprometimento organizacional entre funcionários do
como orçamento restrito, licitação, estrutura de cargos e carreiras setor público de Gana. Foram analisados 137 empregados de duas
dos servidores (AMORIM, 2010). organizações públicas. Os resultados retratam que a QVT teve uma
Frossard (2008) propõe que políticas de gestão de pessoas que relação positiva tanto com o prestígio externo percebido quanto
tenham como referência a QVT têm sido cada vez mais valorizadas, com o comprometimento organizacional, e isso revela que uma for-
pois visam à integração do indivíduo com a organização de forma ma de aumentar o comprometimento organizacional é melhorar a
harmoniosa, trazendo benefícios para o indivíduo (integridade físi- QVT dos funcionários e aumentar as percepções do prestígio exter-
ca e mental) além de benefícios para ambos (indivíduo e organiza- no da organização. O fato de a QVT estar fundamentalmente liga-
ção): melhoria no rendimento e qualidade no processo produtivo. da ao comprometimento organizacional evidencia às organizações
Percebe-se, com isso, que a QVT pode ser um importante elo de públicas a importância e a necessidade de se pensar em estratégias
equilíbrio entre os objetivos individuais de cada trabalhador e os que valorizem e auxiliem na manutenção da QVT de seus funcio-
objetivos organizacionais para os quais cada trabalhador se empe- nários como forma de mantê-los comprometidos com o trabalho,
nha, no seu dia a dia, para atingir. Ter qualidade de vida no trabalho beneficiando ambas as partes: funcionários e organização.
torna-se um fator essencial para um nível de produtividade eficaz Pérez-Zapata et al (2014) consideram que a cultura organiza-
nas organizações. cional e o meio social podem constituir diferenças na QVT dos fun-
Paralela à QVT, temos a questão da motivação no trabalho. Bru- cionários. Com isso, desenvolveram um trabalho em organizações
nelli (2008) aponta que a falta de motivação no trabalho pode gerar públicas de saúde de uma cidade do Chile relacionando QVT com os
sérios problemas tanto para as organizações (perda de padrões de fatores: clima organizacional, satisfação no trabalho e o comprome-
qualidade e produtividade) como para as pessoas (estresse, ab- timento dos funcionários. Os resultados do trabalho apresentam a
senteísmo, baixa produtividade, diminuição no desempenho e no relação positiva entre QVT e os aspectos citados. Esses resultados
comprometimento com o trabalho, problemas com a saúde física e mostram que a QVT tem um valor subjetivo atrelado à percepção
mental). A motivação contribui para o bom desempenho das ativi- dos funcionários no que se refere a vários aspectos da organiza-
dades diárias, torna as pessoas mais envolvidas e comprometidas, ção em que atuam. Alguns fatores podem contribuir nesse sentido:
levando, consequentemente, a altos níveis de eficácia no trabalho processos de interação que possibilitam autonomia e participação,
e ao atingimento dos objetivos da organização. A motivação acaba presença de compromisso intrínseco e companheirismo, valoriza-
gerando um ganho recíproco para indivíduos e organização, ou seja, ção de atitudes e disposição ao trabalho, entre outros.
o indivíduo ganha por estar estimulado a trabalhar, e a organização Oliveira e Medeiros (2011) fazem uma retomada histórica so-
ganha com o trabalho resultado dessa motivação. bre a gestão de pessoas no serviço público, desde a Administração
Segundo Valdevio e Loureiro (2012), a satisfação de um cola- Científica, que considerava o trabalhador como homem econômico,
borador no seu trabalho é uma forma de estratégia que os gestores passando pela Administração Patrimonialista, que não separava o
utilizam para atingir suas metas. Quando os indivíduos trabalham público do privado fazendo com que não existisse a noção de gestão
satisfeitos e motivados, há uma maior probabilidade de esses in- de pessoas no setor público, pois nem mesmo a noção de público
divíduos se dedicarem mais, trabalharem melhor e, consequente- era clara, chegando à Escola de Relações Humanas, que passou a
mente, conseguirem um melhor desempenho nas suas atividades. tratar do homem social, dando mais atenção à organização informal
Assim, alcançam de forma efetiva as suas metas individuais, e e a assuntos como motivação, liderança, clima e cultura organiza-
colaboram para o alcance dos objetivos da organização, tornando cional.
esse processo uma relação mútua de benefícios. No Brasil, com a criação do Departamento Administrativo do
Oliveira (1998) destaca que a Qualidade de Vida no Trabalho Serviço Público (DASP) também foi criado um Departamento de
merece bastante atenção, já que é no trabalho que as pessoas pas- Pessoal. Os autores também salientam, nessa retomada histórica,
sam a maior parte do seu dia e da sua vida. Se esse período de a abordagem sistêmica como nova característica para a administra-
tempo é vivido de maneira digna, as pessoas ficam felizes e pas-
ção, tratando a organização como sistema aberto. Também desta-
sam esse sentimento àqueles que lhes cercam, criando uma rede
cam a Administração Pública Gerencialista, com características tais
de bons sentimentos.
como: tecnologias avançadas, programas de qualidade total, admi-
Pires et al (2005) consideram os problemas da Gestão de Pes-
nistração estratégica de recursos humanos, competitividade, entre
soas no que se refere ao serviço público. Segundo os autores, a
outros.
dificuldade começa com a forma como as pessoas são escolhidas
Os mesmos autores ainda comentam que o setor público no
para ingressar no setor público, pois, muitas vezes, selecionam-se
Brasil está mudando o foco “da burocracia, estruturas e sistemas or-
pessoas sem competência ou sem perfil para determinados cargos
ou funções. Como uma das consequências disso, tem-se problemas ganizacionais, para uma mudança de práticas, de padrões de ações”
de adaptação ao trabalho, baixa produtividade e altos índices de (OLIVEIRA e MEDEIROS, 2011, p. 33). Barzelay (2005) salienta que o
doenças decorrentes desses fatores. Isso revela que a forma de in- objetivo da atuação das organizações e dos projetos públicos pro-
gresso no serviço público impede outras formas de seleção mais gridem continuamente em função do aprendizado organizacional,
flexível para o recrutamento que poderiam ser mais adequadas às da política, da tecnologia e do governo e, segundo o autor, é nesse
necessidades e ao contexto das instituições, possibilitando que pes- aspecto que reside a responsabilidade que o gestor público e os
soas mais preparadas adentrem ao serviço público. representantes da cidadania possuem para inovar e acompanhar as
Pode-se perceber, com as contribuições de Pires et al (2005), exigências e necessidades dos cidadãos por meio das organizações,
que determinadas características exclusivas do setor público aca- dos programas e dos projetos públicos.
bam prejudicando os assuntos relacionados à gestão de pessoas,

31
REGIME JURÍDICO ÚNICO
A Secretaria de Gestão Pública desenvolveu o Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização (GESPÚBLICA) com o objetivo
de fortalecer a gestão pública, de acordo com o Modelo de Excelência em Gestão Pública (MEGP). Esse modelo tem o objetivo de desen-
volver ações de apoio técnico aos órgãos e entidades da Administração Pública Federal com o intuito de promover a inovação e a melhoria
da gestão. O Programa GESPÚBLICA busca suscitar a cidadania, sendo que por meio do compromisso com as pessoas são desenvolvidas
estratégias para melhorar a qualidade dos serviços públicos prestados à população

Conceito de QVT Preventiva

Engloba duas perspectivas interdependentes (Ferreira, 2006)

- Ótica dos Dirigentes e Gestores


Preceito de gestão organizacional: normas, diretrizes e práticas que visam à promoção do bem-estar individual e coletivo, o desenvol-
vimento pessoal dos trabalhadores e o exercício da cidadania organizacional.

- Ótica dos trabalhadores


Representações que estes constroem da organização na qual estão inseridos, indicando o predomínio de vivências de bem-estar no
trabalho, de reconhecimento institucional e coletivo, de possibilidade de crescimento profissional e de respeito às características indivi-
duais.

Avaliação de Qualidade de Vida no Trabalho (QVT): Níveis Analíticos, Fatores Estruturadores e Método

QVT Preventiva: Etapas Fundamentais

32
REGIME JURÍDICO ÚNICO
EXERCÍCIOS 4. De acordo com a Lei n. 8112/1990, torna-se sem efeito o
ato de provimento se a posse do aprovado não ocorrer no prazo
1. No tocante às licenças e afastamentos dos servidores públi- previsto de até
cos, a Lei n° 8.112/1990, que estabelece o regime jurídico aplicável
aos servidores públicos federais, dispõe que A. vinte dias contados da publicação.
B. trinta dias contados da publicação.
A. a licença ao servidor para acompanhar cônjuge ou compa- C. quarenta dias contados da publicação.
nheiro, que foi deslocado para outro ponto do território nacional, D. cinquenta dias contados da publicação.
para o exterior ou para o exercício de mandato eletivo dos Poderes
Executivo e Legislativo, será por prazo indeterminado e com pro- 5. De acordo com a Lei n. 8112/1990, o indivíduo legalmente
ventos proporcionais. investido em cargo público é denominado de
B. o servidor investido em mandato eletivo ou classista poderá
ser removido ou redistribuído de ofício para localidade diversa da- A. colaborador.
quela onde exerce o mandato, desde que justificadamente. B. funcionário.
C. a licença por motivo de doença em pessoa da família somen- C. trabalhador.
te será deferida se a assistência direta do servidor for indispensável D. servidor.
e não puder ser prestada simultaneamente com o exercício do car-
go ou mediante compensação de horário. 06. Assinale a alternativa que completa corretamente a lacuna.
D. o servidor candidato a cargo eletivo na localidade onde “____________________ afeta atitudes pessoais e compor-
desempenha suas funções e que exerça cargo de direção, chefia, tamentos relevantes para a produtividade individual e grupal, tais
assessoramento, arrecadação ou fiscalização, dele será afastado, a como: motivação para o trabalho, adaptabilidade a mudanças no
partir do dia imediato ao do registro de sua candidatura perante ambiente de trabalho, criatividade e vontade de inovar ou aceitar
a Justiça Eleitoral, somente a ele retornando no ano seguinte ao mudança”
pleito.
E. após cada quinquênio de efetivo exercício, o servidor pode- A. Comportamento organizacional
rá, a seu exclusivo critério, afastar-se do exercício do cargo efetivo, B .Qualidade de Vida no Trabalho
com a respectiva remuneração, por até três meses, para tratar de C. Remuneração
interesses particulares. D. Liderança e motivação
E. Gestão de conflitos
2. A Lei n° 8.112/1990, que estabelece o regime jurídico aplicá-
vel aos servidores públicos federais, estatui uma série de compor- 7. Assinale a alternativa incorreta quanto à Qualidade de Vida e
tamentos proibidos e outros que são autorizados ou tolerados. Nos Qualidade de Vida no Trabalho:
termos do referido diploma, é permitido ao servidor público federal
A. Trata-se de um programa que visa facilitar e satisfazer as ne-
A. manter sob sua chefia imediata, em cargo ou função de con- cessidades do trabalhador ao desenvolver suas atividades nas or-
fiança, cônjuge, companheiro ou parente até o segundo grau civil, ganizações, tendo como ideia básica o fato de que as pessoas pro-
contanto que haja autorização superior. duzem mais quando estão satisfeitas e envolvidas com o trabalho
B. participar nos conselhos de administração e fiscal de empre- B. Baseia-se no princípio de que o comprometimento com a
sas ou entidades em que a União detenha, direta ou indiretamente, qualidade ocorre de forma mais natural nos ambientes em que os
participação no capital social. colaboradores literalmente estão interagidos com as atividades
C. aliciar subordinados a se filiarem a partido político. C. Refere-se, essencialmente, aos bons salários, aos prêmios,
D. participar de gerência ou administração de sociedade priva- à série de benefícios e participação nos lucros etc., oferecidos aos
da, personificada ou não personificada, desde que não mantenha funcionários
relações de cunho comercial com os entes públicos. D. Representa o grau em que os membros da organização são
E. aceitar comissão, emprego ou pensão de estado estrangeiro, capazes de satisfazer as suas necessidades pessoais com suas ativi-
desde que autorizado pelo Ministério das Relações Exteriores. dades dentro da organização
E. Ambos devem ser criados e mantidos a partir dos valores
3. No que se refere ao disposto no Estatuto do Servidor Público da organização, respeitando ao ser humano, á saúde, à integridade
Federal (Lei n. 8.112/1990), é correto afirmar que moral, física e psicológica e aos direitos das pessoas

A. a autoridade que tiver ciência de irregularidade no serviço 8. As características definidoras da identidade organizacional e
público é obrigada a instaurar, imediatamente, processo adminis- dos comportamentos esperados das pessoas que atuam na organi-
trativo disciplinar, assegurada ao acusado ampla defesa. zação são evidenciadas por meio
B. a autoridade instauradora do processo disciplinar poderá,
como medida cautelar, afastar o servidor do exercício do cargo, pelo A. das normas, valores e costumes, que balizam a forma como
prazo de até 90 (noventa) dias, sem remuneração. a organização opera sua estrutura e age no mercado, representan-
C. as denúncias sobre irregularidades serão objeto de apura- do sua dimensão cultural.
ção, desde que contenham a identificação e o endereço do denun- B. das vantagens financeiras, que sustentam as operações da
ciante e sejam formuladas por escrito, confirmada a autenticidade. organização no mercado, representando sua dimensão econômica.
D. o prazo para a conclusão do processo disciplinar não excede- C. das interações pessoais e com outras organizações, repre-
rá 120 (cento e vinte) dias, contados da data do fato, admitida a sua sentando a dimensão relacional da organização.
prorrogação por igual prazo, quando as circunstâncias o exigirem. D. das regulamentações normativas e institucionais, que defi-
nem o modo de atuação da organização no contexto local e global,
representando sua dimensão político-legal.

33
REGIME JURÍDICO ÚNICO
E. dos avanços científicos e tecnológicos, que marcam o con-
texto externo da organização e incidem sobre sua estrutura interna. ______________________________

9. A inspeção de qualidade pode ser ______________________________


A. visual, dimensional e testes.
B. manual, testes e automática. ______________________________
C. automática, manual e testes.
D. manual, ergométrica e visual. ________________________________________________
E. visual, automática e objetiva.
________________________________________________
10. A abordagem da Qualidade de Vida no Trabalho envolve
duas dimensões potencialmente antagônicas. São elas: ________________________________________________

A. A necessidade de aumentos constantes de produtividade no ________________________________________________


trabalho e a luta dos trabalhadores pelas melhorias salariais.
B. O bem-estar e a satisfação dos funcionários no trabalho e a ________________________________________________
produtividade e a qualidade dos produtos/serviços fornecidos pela
organização. ________________________________________________
C. A preservação do meio ambiente e a expansão da produção
industrial.
________________________________________________
D. O crescente uso de tecnologias poupadoras de mão de obra
e a necessidade de elevar a qualificação dos trabalhadores.
________________________________________________
E. A melhoria contínua dos processos e a necessidade de lazer
dos trabalhadores.
________________________________________________
GABARITO
________________________________________________
01 C ________________________________________________
02 B
03 C ________________________________________________
04 B
________________________________________________
05 D
06 B ________________________________________________
07 C
________________________________________________
08 A
09 A ________________________________________________
10 B
________________________________________________

________________________________________________

_______________________________________________

_______________________________________________

________________________________________________

________________________________________________

________________________________________________

________________________________________________

________________________________________________

________________________________________________

________________________________________________

________________________________________________

34
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
1 Direitos e deveres fundamentais: direitos e deveres individuais e coletivos; direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à pro-
priedade; direitos sociais; nacionalidade; cidadania; garantias constitucionais individuais; garantias dos direitos coletivos, sociais e políti-
cos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2 Administração Pública (artigos de 37 a 41, capítulo VII, Constituição Federal de 1988 e atualizações). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
f) Indivisibilidade: os direitos fundamentais compõem um úni-
1 DIREITOS E DEVERES FUNDAMENTAIS: DIREITOS E co conjunto de direitos porque não podem ser analisados de manei-
DEVERES INDIVIDUAIS E COLETIVOS; DIREITO À VIDA, ra isolada, separada.
À LIBERDADE, À IGUALDADE, À SEGURANÇA E À PRO- g) Imprescritibilidade: os direitos fundamentais não se perdem
PRIEDADE; DIREITOS SOCIAIS; NACIONALIDADE; CIDA- com o tempo, não prescrevem, uma vez que são sempre exercíveis
DANIA; GARANTIAS CONSTITUCIONAIS INDIVIDUAIS; e exercidos, não deixando de existir pela falta de uso (prescrição).
GARANTIAS DOS DIREITOS COLETIVOS, SOCIAIS E h) Relatividade: os direitos fundamentais não podem ser uti-
POLÍTICOS. lizados como um escudo para práticas ilícitas ou como argumento
para afastamento ou diminuição da responsabilidade por atos ilíci-
CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE tos, assim estes direitos não são ilimitados e encontram seus limites
1988 nos demais direitos igualmente consagrados como humanos.

PREÂMBULO Direitos e deveres individuais e coletivos

Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos em Assem- O capítulo I do título II é intitulado “direitos e deveres indivi-
bléia Nacional Constituinte para instituir um Estado Democrático, duais e coletivos”. Da própria nomenclatura do capítulo já se extrai
destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, que a proteção vai além dos direitos do indivíduo e também abran-
a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igual- ge direitos da coletividade. A maior parte dos direitos enumerados
dade e a justiça como valores supremos de uma sociedade frater- no artigo 5º do texto constitucional é de direitos individuais, mas
na, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia social e são incluídos alguns direitos coletivos e mesmo remédios constitu-
comprometida, na ordem interna e internacional, com a solução cionais próprios para a tutela destes direitos coletivos (ex.: manda-
pacífica das controvérsias, promulgamos, sob a proteção de Deus, do de segurança coletivo).
a seguinte CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL.
1) Brasileiros e estrangeiros
TÍTULO II O caput do artigo 5º aparenta restringir a proteção conferida
DOS DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS pelo dispositivo a algumas pessoas, notadamente, “aos brasileiros
e aos estrangeiros residentes no País”. No entanto, tal restrição é
O título II da Constituição Federal é intitulado “Direitos e Ga- apenas aparente e tem sido interpretada no sentido de que os di-
rantias fundamentais”, gênero que abrange as seguintes espécies reitos estarão protegidos com relação a todas as pessoas nos limites
de direitos fundamentais: direitos individuais e coletivos (art. 5º, da soberania do país.
CF), direitos sociais (genericamente previstos no art. 6º, CF), direi- Em razão disso, por exemplo, um estrangeiro pode ingressar
tos da nacionalidade (artigos 12 e 13, CF) e direitos políticos (artigos com habeas corpus ou mandado de segurança, ou então intentar
14 a 17, CF). ação reivindicatória com relação a imóvel seu localizado no Brasil
Em termos comparativos à clássica divisão tridimensional dos (ainda que não resida no país).
direitos humanos, os direitos individuais (maior parte do artigo 5º,
CF), os direitos da nacionalidade e os direitos políticos se encaixam Somente alguns direitos não são estendidos a todas as pesso-
na primeira dimensão (direitos civis e políticos); os direitos sociais as. A exemplo, o direito de intentar ação popular exige a condição
se enquadram na segunda dimensão (direitos econômicos, sociais de cidadão, que só é possuída por nacionais titulares de direitos
e culturais) e os direitos coletivos na terceira dimensão. Contudo, políticos.
a enumeração de direitos humanos na Constituição vai além dos
direitos que expressamente constam no título II do texto constitu- 2) Relação direitos-deveres
cional. O capítulo em estudo é denominado “direitos e garantias de-
Os direitos fundamentais possuem as seguintes características veres e coletivos”, remetendo à necessária relação direitos-deve-
principais: res entre os titulares dos direitos fundamentais. Acima de tudo,
a) Historicidade: os direitos fundamentais possuem antece- o que se deve ter em vista é a premissa reconhecida nos direitos
dentes históricos relevantes e, através dos tempos, adquirem novas fundamentais de que não há direito que seja absoluto, correspon-
perspectivas. Nesta característica se enquadra a noção de dimen- dendo-se para cada direito um dever. Logo, o exercício de direitos
sões de direitos. fundamentais é limitado pelo igual direito de mesmo exercício por
b) Universalidade: os direitos fundamentais pertencem a to- parte de outrem, não sendo nunca absolutos, mas sempre relativos.
dos, tanto que apesar da expressão restritiva do caput do artigo 5º Explica Canotilho1 quanto aos direitos fundamentais: “a ideia
aos brasileiros e estrangeiros residentes no país tem se entendido de deveres fundamentais é suscetível de ser entendida como o
pela extensão destes direitos, na perspectiva de prevalência dos di- ‘outro lado’ dos direitos fundamentais. Como ao titular de um di-
reitos humanos. reito fundamental corresponde um dever por parte de um outro
c) Inalienabilidade: os direitos fundamentais não possuem titular, poder-se-ia dizer que o particular está vinculado aos direitos
conteúdo econômico-patrimonial, logo, são intransferíveis, inego- fundamentais como destinatário de um dever fundamental. Neste
ciáveis e indisponíveis, estando fora do comércio, o que evidencia sentido, um direito fundamental, enquanto protegido, pressuporia
uma limitação do princípio da autonomia privada. um dever correspondente”. Com efeito, a um direito fundamental
d) Irrenunciabilidade: direitos fundamentais não podem ser conferido à pessoa corresponde o dever de respeito ao arcabouço
renunciados pelo seu titular devido à fundamentalidade material de direitos conferidos às outras pessoas.
destes direitos para a dignidade da pessoa humana.
e) Inviolabilidade: direitos fundamentais não podem deixar de
ser observados por disposições infraconstitucionais ou por atos das
autoridades públicas, sob pena de nulidades. 1 CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Direito constitucional e teoria
da constituição. 2. ed. Coimbra: Almedina, 1998, p. 479.

1
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
3) Direitos e garantias Entretanto, o princípio da isonomia abrange muito mais do que
A Constituição vai além da proteção dos direitos e estabelece a igualdade de gêneros, envolve uma perspectiva mais ampla.
garantias em prol da preservação destes, bem como remédios cons- O direito à igualdade é um dos direitos norteadores de inter-
titucionais a serem utilizados caso estes direitos e garantias não se- pretação de qualquer sistema jurídico. O primeiro enfoque que foi
jam preservados. Neste sentido, dividem-se em direitos e garantias dado a este direito foi o de direito civil, enquadrando-o na primei-
as previsões do artigo 5º: os direitos são as disposições declarató- ra dimensão, no sentido de que a todas as pessoas deveriam ser
rias e as garantias são as disposições assecuratórias. garantidos os mesmos direitos e deveres. Trata-se de um aspecto
O legislador muitas vezes reúne no mesmo dispositivo o direito relacionado à igualdade enquanto liberdade, tirando o homem do
e a garantia, como no caso do artigo 5º, IX: “é livre a expressão da arbítrio dos demais por meio da equiparação. Basicamente, estaria
atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, inde- se falando na igualdade perante a lei.
pendentemente de censura ou licença” – o direito é o de liberdade No entanto, com o passar dos tempos, se percebeu que não
de expressão e a garantia é a vedação de censura ou exigência de bastava igualar todos os homens em direitos e deveres para torná-
licença. Em outros casos, o legislador traz o direito num dispositivo -los iguais, pois nem todos possuem as mesmas condições de exer-
e a garantia em outro: a liberdade de locomoção, direito, é colocada cer estes direitos e deveres. Logo, não é suficiente garantir um di-
no artigo 5º, XV, ao passo que o dever de relaxamento da prisão reito à igualdade formal, mas é preciso buscar progressivamente a
ilegal de ofício pelo juiz, garantia, se encontra no artigo 5º, LXV2. igualdade material. No sentido de igualdade material que aparece
Em caso de ineficácia da garantia, implicando em violação de o direito à igualdade num segundo momento, pretendendo-se do
direito, cabe a utilização dos remédios constitucionais. Estado, tanto no momento de legislar quanto no de aplicar e exe-
Atenção para o fato de o constituinte chamar os remédios cutar a lei, uma postura de promoção de políticas governamentais
constitucionais de garantias, e todas as suas fórmulas de direitos e voltadas a grupos vulneráveis.
garantias propriamente ditas apenas de direitos. Assim, o direito à igualdade possui dois sentidos notáveis: o
de igualdade perante a lei, referindo-se à aplicação uniforme da lei
4) Direitos e garantias em espécie a todas as pessoas que vivem em sociedade; e o de igualdade ma-
Preconiza o artigo 5º da Constituição Federal em seu caput: terial, correspondendo à necessidade de discriminações positivas
com relação a grupos vulneráveis da sociedade, em contraponto à
Artigo 5º, caput, CF. Todos são iguais perante a lei, sem dis- igualdade formal.
tinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos
estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, Ações afirmativas
à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos Neste sentido, desponta a temática das ações afirmativas,que
seguintes [...]. são políticas públicas ou programas privados criados temporaria-
mente e desenvolvidos com a finalidade de reduzir as desigualda-
O caput do artigo 5º, que pode ser considerado um dos prin- des decorrentes de discriminações ou de uma hipossuficiência eco-
cipais (senão o principal) artigos da Constituição Federal, consagra nômica ou física, por meio da concessão de algum tipo de vantagem
o princípio da igualdade e delimita as cinco esferas de direitos in- compensatória de tais condições.
dividuais e coletivos que merecem proteção, isto é, vida, liberdade, Quem é contra as ações afirmativas argumenta que, em uma
igualdade, segurança e propriedade. Os incisos deste artigos delimi- sociedade pluralista, a condição de membro de um grupo especí-
tam vários direitos e garantias que se enquadram em alguma destas fico não pode ser usada como critério de inclusão ou exclusão de
esferas de proteção, podendo se falar em duas esferas específicas benefícios.
que ganham também destaque no texto constitucional, quais se- Ademais, afirma-se que elas desprivilegiam o critério republi-
jam, direitos de acesso à justiça e direitos constitucionais-penais. cano do mérito (segundo o qual o indivíduo deve alcançar determi-
nado cargo público pela sua capacidade e esforço, e não por perten-
- Direito à igualdade cer a determinada categoria); fomentariam o racismo e o ódio; bem
Abrangência como ferem o princípio da isonomia por causar uma discriminação
Observa-se, pelo teor do caput do artigo 5º, CF, que o consti- reversa.
tuinte afirmou por duas vezes o princípio da igualdade: Por outro lado, quem é favorável às ações afirmativas defende
que elas representam o ideal de justiça compensatória (o objetivo é
Artigo 5º, caput, CF. Todos são iguais perante a lei, sem dis- compensar injustiças passadas, dívidas históricas, como uma com-
tinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos pensação aos negros por tê-los feito escravos, p. ex.); representam
estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, o ideal de justiça distributiva (a preocupação, aqui, é com o presen-
à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos te. Busca-se uma concretização do princípio da igualdade material);
seguintes [...]. bem como promovem a diversidade.
Neste sentido, as discriminações legais asseguram a verdadeira
Não obstante, reforça este princípio em seu primeiro inciso: igualdade, por exemplo, com as ações afirmativas, a proteção espe-
cial ao trabalho da mulher e do menor, as garantias aos portadores
Artigo 5º, I, CF. Homens e mulheres são iguais em direitos e de deficiência, entre outras medidas que atribuam a pessoas com
obrigações, nos termos desta Constituição. diferentes condições, iguais possibilidades, proegendo e respeitan-
do suas diferenças3. Tem predominado em doutrina e jurisprudên-
Este inciso é especificamente voltado à necessidade de igual- cia, inclusive no Supremo Tribunal Federal, que as ações afirmativas
dade de gênero, afirmando que não deve haver nenhuma distinção são válidas.
sexo feminino e o masculino, de modo que o homem e a mulher
possuem os mesmos direitos e obrigações. 3 SANFELICE, Patrícia de Mello. Comentários aos artigos I e II. In:
BALERA, Wagner (Coord.). Comentários à Declaração Universal dos
2 FARIA, Cássio Juvenal. Notas pessoais tomadas em teleconferência. Direitos do Homem. Brasília: Fortium, 2008, p. 08.

2
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
- Direito à vida § 5º A condenação acarretará a perda do cargo, função ou em-
Abrangência prego público e a interdição para seu exercício pelo dobro do prazo
O caput do artigo 5º da Constituição assegura a proteção do da pena aplicada.
direito à vida. A vida humana é o centro gravitacional em torno do § 6º O crime de tortura é inafiançável e insuscetível de graça
qual orbitam todos os direitos da pessoa humana, possuindo refle- ou anistia.
xos jurídicos, políticos, econômicos, morais e religiosos. Daí existir § 7º O condenado por crime previsto nesta Lei, salvo a hipótese
uma dificuldade em conceituar o vocábulo vida. Logo, tudo aquilo do § 2º, iniciará o cumprimento da pena em regime fechado.
que uma pessoa possui deixa de ter valor ou sentido se ela perde a
vida. Sendo assim, a vida é o bem principal de qualquer pessoa, é o - Direito à liberdade
primeiro valor moral inerente a todos os seres humanos4. O caput do artigo 5º da Constituição assegura a proteção do
No tópico do direito à vida tem-se tanto o direito de nascer/ direito à liberdade, delimitada em alguns incisos que o seguem.
permanecer vivo, o que envolve questões como pena de morte,
eutanásia, pesquisas com células-tronco e aborto; quanto o direito Liberdade e legalidade
de viver com dignidade, o que engloba o respeito à integridade físi- Prevê o artigo 5º, II, CF:
ca, psíquica e moral, incluindo neste aspecto a vedação da tortura,
bem como a garantia de recursos que permitam viver a vida com Artigo 5º, II, CF. Ninguém será obrigado a fazer ou deixar de
dignidade. fazer alguma coisa senão em virtude de lei.
Embora o direito à vida seja em si pouco delimitado nos incisos
que seguem o caput do artigo 5º, trata-se de um dos direitos mais O princípio da legalidade se encontra delimitado neste inciso,
discutidos em termos jurisprudenciais e sociológicos. É no direito à prevendo que nenhuma pessoa será obrigada a fazer ou deixar de
vida que se encaixam polêmicas discussões como: aborto de anen- fazer alguma coisa a não ser que a lei assim determine. Assim, salvo
céfalo, pesquisa com células tronco, pena de morte, eutanásia, etc. situações previstas em lei, a pessoa tem liberdade para agir como
Vedação à tortura considerar conveniente.
De forma expressa no texto constitucional destaca-se a veda- Portanto, o princípio da legalidade possui estrita relação com
ção da tortura, corolário do direito à vida, conforme previsão no o princípio da liberdade, posto que, a priori, tudo à pessoa é líci-
inciso III do artigo 5º: to. Somente é vedado o que a lei expressamente estabelecer como
Artigo 5º, III, CF. Ninguém será submetido a tortura nem a tra- proibido. A pessoa pode fazer tudo o que quiser, como regra, ou
tamento desumano ou degradante. seja, agir de qualquer maneira que a lei não proíba.
A tortura é um dos piores meios de tratamento desumano, ex-
pressamente vedada em âmbito internacional, como visto no tó- Liberdade de pensamento e de expressão
pico anterior. No Brasil, além da disciplina constitucional, a Lei nº O artigo 5º, IV, CF prevê:
9.455, de 7 de abril de 1997 define os crimes de tortura e dá outras
providências, destacando-se o artigo 1º: Artigo 5º, IV, CF. É livre a manifestação do pensamento, sendo
Art. 1º Constitui crime de tortura: vedado o anonimato.
I - constranger alguém com emprego de violência ou grave
ameaça, causando-lhe sofrimento físico ou mental: Consolida-se a afirmação simultânea da liberdade de pensa-
a) com o fim de obter informação, declaração ou confissão da mento e da liberdade de expressão.
vítima ou de terceira pessoa; Em primeiro plano tem-se a liberdade de pensamento. Afinal,
b) para provocar ação ou omissão de natureza criminosa; “o ser humano, através dos processos internos de reflexão, formula
c) em razão de discriminação racial ou religiosa; juízos de valor. Estes exteriorizam nada mais do que a opinião de
II - submeter alguém, sob sua guarda, poder ou autoridade, seu emitente. Assim, a regra constitucional, ao consagrar a livre ma-
com emprego de violência ou grave ameaça, a intenso sofrimento nifestação do pensamento, imprime a existência jurídica ao chama-
físico ou mental, como forma de aplicar castigo pessoal ou medida do direito de opinião”5. Em outras palavras, primeiro existe o direito
de caráter preventivo. de ter uma opinião, depois o de expressá-la.
Pena - reclusão, de dois a oito anos. No mais, surge como corolário do direito à liberdade de pen-
§ 1º Na mesma pena incorre quem submete pessoa presa ou samento e de expressão o direito à escusa por convicção filosófica
sujeita a medida de segurança a sofrimento físico ou mental, por ou política:
intermédio da prática de ato não previsto em lei ou não resultante Artigo 5º, VIII, CF. Ninguém será privado de direitos por motivo
de medida legal. de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se
§ 2º Aquele que se omite em face dessas condutas, quando as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recu-
tinha o dever de evitá-las ou apurá-las, incorre na pena de detenção sar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei.
de um a quatro anos.
§ 3º Se resulta lesão corporal de natureza grave ou gravíssima, Trata-se de instrumento para a consecução do direito assegu-
a pena é de reclusão de quatro a dez anos; se resulta morte, a reclu- rado na Constituição Federal – não basta permitir que se pense di-
são é de oito a dezesseis anos. ferente, é preciso respeitar tal posicionamento.
§ 4º Aumenta-se a pena de um sexto até um terço: Com efeito, este direito de liberdade de expressão é limitado.
I - se o crime é cometido por agente público; Um destes limites é o anonimato, que consiste na garantia de atri-
II – se o crime é cometido contra criança, gestante, portador de buir a cada manifestação uma autoria certa e determinada, permi-
deficiência, adolescente ou maior de 60 (sessenta) anos; tindo eventuais responsabilizações por manifestações que contra-
III - se o crime é cometido mediante sequestro. riem a lei.
Tem-se, ainda, a seguinte previsão no artigo 5º, IX, CF:
4 BARRETO, Ana Carolina Rossi; IBRAHIM, Fábio Zambitte.
Comentários aos Artigos III e IV. In: BALERA, Wagner (Coord.).
Comentários à Declaração Universal dos Direitos do Homem. Brasília: 5 ARAÚJO, Luiz Alberto David; NUNES JÚNIOR, Vidal Serrano. Curso
Fortium, 2008, p. 15. de direito constitucional. 10. ed. São Paulo: Saraiva, 2006.

3
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
Artigo 5º, IX, CF. É livre a expressão da atividade intelectual, Sempre que a lei impõe uma obrigação a todos, por exemplo,
artística, científica e de comunicação, independentemente de cen- a todos os homens maiores de 18 anos o alistamento militar, não
sura ou licença. cabe se escusar, a não ser que tenha fundado motivo em crença re-
ligiosa ou convicção filosófica/política, caso em que será obrigado a
Consolida-se outra perspectiva da liberdade de expressão, refe- cumprir uma prestação alternativa, isto é, uma outra atividade que
rente de forma específica a atividades intelectuais, artísticas, cien- não contrarie tais preceitos.
tíficas e de comunicação. Dispensa-se, com relação a estas, a exi-
gência de licença para a manifestação do pensamento, bem como Liberdade de informação
veda-se a censura prévia. O direito de acesso à informação também se liga a uma dimen-
A respeito da censura prévia, tem-se não cabe impedir a divul- são do direito à liberdade. Neste sentido, prevê o artigo 5º, XIV, CF:
gação e o acesso a informações como modo de controle do poder. A
censura somente é cabível quando necessária ao interesse público Artigo 5º, XIV, CF. É assegurado a todos o acesso à informa-
numa ordem democrática, por exemplo, censurar a publicação de ção e resguardado o sigilo da fonte, quando necessário ao exercício
um conteúdo de exploração sexual infanto-juvenil é adequado. profissional.
O direito à resposta (artigo 5º, V, CF) e o direito à indenização Trata-se da liberdade de informação, consistente na liberdade
(artigo 5º, X, CF) funcionam como a contrapartida para aquele que de procurar e receber informações e ideias por quaisquer meios,
teve algum direito seu violado (notadamente inerentes à privacida- independente de fronteiras, sem interferência.
de ou à personalidade) em decorrência dos excessos no exercício da A liberdade de informação tem um caráter passivo, ao passo
liberdade de expressão. que a liberdade de expressão tem uma característica ativa, de for-
ma que juntas formam os aspectos ativo e passivo da exterioriza-
Liberdade de crença/religiosa ção da liberdade de pensamento: não basta poder manifestar o seu
Dispõe o artigo 5º, VI, CF: próprio pensamento, é preciso que ele seja ouvido e, para tanto, há
necessidade de se garantir o acesso ao pensamento manifestado
Artigo 5º, VI, CF. É inviolável a liberdade de consciência e de para a sociedade.
crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e Por sua vez, o acesso à informação envolve o direito de todos
garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas obterem informações claras, precisas e verdadeiras a respeito de
liturgias. fatos que sejam de seu interesse, notadamente pelos meios de co-
municação imparciais e não monopolizados (artigo 220, CF).
Cada pessoa tem liberdade para professar a sua fé como bem
No entanto, nem sempre é possível que a imprensa divulgue
entender dentro dos limites da lei. Não há uma crença ou religião
com quem obteve a informação divulgada, sem o que a segurança
que seja proibida, garantindo-se que a profissão desta fé possa se
desta poderia ficar prejudicada e a informação inevitavelmente não
realizar em locais próprios.
chegaria ao público.
Nota-se que a liberdade de religião engloba 3 tipos distintos,
Especificadamente quanto à liberdade de informação no âmbi-
porém intrinsecamente relacionados de liberdades: a liberdade de
to do Poder Público, merecem destaque algumas previsões.
crença; a liberdade de culto; e a liberdade de organização religiosa.
Primeiramente, prevê o artigo 5º, XXXIII, CF:
Consoante o magistério de José Afonso da Silva6, entra na liber-
Artigo 5º, XXXIII, CF. Todos têm direito a receber dos órgãos
dade de crença a liberdade de escolha da religião, a liberdade de públicos informações de seu interesse particular, ou de interesse
aderir a qualquer seita religiosa, a liberdade (ou o direito) de mudar coletivo ou geral, que serão prestadas no prazo da lei, sob pena de
de religião, além da liberdade de não aderir a religião alguma, assim responsabilidade, ressalvadas aquelas cujo sigilo seja imprescindí-
como a liberdade de descrença, a liberdade de ser ateu e de ex- vel à segurança da sociedade e do Estado.
primir o agnosticismo, apenas excluída a liberdade de embaraçar o A respeito, a Lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011 regula
livre exercício de qualquer religião, de qualquer crença. A liberdade o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. 5º, CF, tam-
de culto consiste na liberdade de orar e de praticar os atos próprios bém conhecida como Lei do Acesso à Informação.
das manifestações exteriores em casa ou em público, bem como a
de recebimento de contribuições para tanto. Por fim, a liberdade de Não obstante, estabelece o artigo 5º, XXXIV, CF:
organização religiosa refere-se à possibilidade de estabelecimento Artigo 5º, XXXIV, CF. São a todos assegurados, independente-
e organização de igrejas e suas relações com o Estado. mente do pagamento de taxas:
Como decorrência do direito à liberdade religiosa, assegurando a) o direito de petição aos Poderes Públicos em defesa de direi-
o seu exercício, destaca-se o artigo 5º, VII, CF: tos ou contra ilegalidade ou abuso de poder;
Artigo 5º, VII, CF. É assegurada, nos termos da lei, a prestação b) a obtenção de certidões em repartições públicas, para de-
de assistência religiosa nas entidades civis e militares de interna- fesa de direitos e esclarecimento de situações de interesse pessoal.
ção coletiva.
Quanto ao direito de petição, de maneira prática, cumpre ob-
O dispositivo refere-se não só aos estabelecimentos prisionais servar que o direito de petição deve resultar em uma manifesta-
civis e militares, mas também a hospitais. ção do Estado, normalmente dirimindo (resolvendo) uma questão
Ainda, surge como corolário do direito à liberdade religiosa o proposta, em um verdadeiro exercício contínuo de delimitação dos
direito à escusa por convicção religiosa: direitos e obrigações que regulam a vida social e, desta maneira,
Artigo 5º, VIII, CF. Ninguém será privado de direitos por motivo quando “dificulta a apreciação de um pedido que um cidadão quer
de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as apresentar” (muitas vezes, embaraçando-lhe o acesso à Justiça);
invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recu- “demora para responder aos pedidos formulados” (administrativa
sar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei. e, principalmente, judicialmente) ou “impõe restrições e/ou con-
dições para a formulação de petição”, traz a chamada insegurança
jurídica, que traz desesperança e faz proliferar as desigualdades e
6 SILVA, José Afonso da. Curso de direito constitucional positivo. 25.
as injustiças.
ed. São Paulo: Malheiros, 2006.

4
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
Dentro do espectro do direito de petição se insere, por exem- Liberdade de reunião
plo, o direito de solicitar esclarecimentos, de solicitar cópias repro- Sobre a liberdade de reunião, prevê o artigo 5º, XVI, CF:
gráficas e certidões, bem como de ofertar denúncias de irregulari-
dades. Contudo, o constituinte, talvez na intenção de deixar clara Artigo 5º, XVI, CF. Todos podem reunir-se pacificamente, sem
a obrigação dos Poderes Públicos em fornecer certidões, trouxe a armas, em locais abertos ao público, independentemente de auto-
letra b) do inciso, o que gera confusões conceituais no sentido do rização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente con-
direito de obter certidões ser dissociado do direito de petição. vocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à
Por fim, relevante destacar a previsão do artigo 5º, LX, CF: autoridade competente.
Pessoas podem ir às ruas para reunirem-se com demais na de-
Artigo 5º, LX, CF. A lei só poderá restringir a publicidade dos fesa de uma causa, apenas possuindo o dever de informar tal reu-
atos processuais quando a defesa da intimidade ou o interesse so- nião.
cial o exigirem. Tal dver remonta-se a questões de segurança coletiva. Imagine
uma grande reunião de pessoas por uma causa, a exemplo da Pa-
Logo,o processo, em regra, não será sigiloso. Apenas o será rada Gay, que chega a aglomerar milhões de pessoas em algumas
quando a intimidade merecer preservação (ex: processo criminal capitais: seria absurdo tolerar tal tipo de reunião sem o prévio aviso
de estupro ou causas de família em geral) ou quando o interesse do poder público para que ele organize o policiamento e a assistên-
social exigir (ex: investigações que possam ser comprometidas pela cia médica, evitando algazarras e socorrendo pessoas que tenham
publicidade). A publicidade é instrumento para a efetivação da li- algum mal-estar no local. Outro limite é o uso de armas, totalmente
berdade de informação. vedado, assim como de substâncias ilícitas (Ex: embora a Marcha
da Maconha tenha sido autorizada pelo Supremo Tribunal Federal,
Liberdade de locomoção vedou-se que nela tal substância ilícita fosse utilizada).
Outra faceta do direito à liberdade encontra-se no artigo 5º,
XV, CF: Liberdade de associação
No que tange à liberdade de reunião, traz o artigo 5º, XVII, CF:
Artigo 5º, XV, CF. É livre a locomoção no território nacional em
tempo de paz, podendo qualquer pessoa, nos termos da lei, nele Artigo 5º, XVII, CF. É plena a liberdade de associação para fins
entrar, permanecer ou dele sair com seus bens. lícitos, vedada a de caráter paramilitar.
A liberdade de locomoção é um aspecto básico do direito à li-
berdade, permitindo à pessoa ir e vir em todo o território do país A liberdade de associação difere-se da de reunião por sua pere-
em tempos de paz (em tempos de guerra é possível limitar tal liber- nidade, isto é, enquanto a liberdade de reunião é exercida de forma
dade em prol da segurança). A liberdade de sair do país não signifi- sazonal, eventual, a liberdade de associação implica na formação
ca que existe um direito de ingressar em qualquer outro país, pois de um grupo organizado que se mantém por um período de tempo
caberá à ele, no exercício de sua soberania, controlar tal entrada. considerável, dotado de estrutura e organização próprias.
Classicamente, a prisão é a forma de restrição da liberdade. Por exemplo, o PCC e o Comando vermelho são associações
Neste sentido, uma pessoa somente poderá ser presa nos casos ilícitas e de caráter paramilitar, pois possuem armas e o ideal de
autorizados pela própria Constituição Federal. A despeito da nor- realizar sua própria justiça paralelamente à estatal.
mativa específica de natureza penal, reforça-se a impossibilidade de O texto constitucional se estende na regulamentação da liber-
se restringir a liberdade de locomoção pela prisão civil por dívida. dade de associação.
Prevê o artigo 5º, LXVII, CF: O artigo 5º, XVIII, CF, preconiza:

Artigo 5º, LXVII, CF. Não haverá prisão civil por dívida, salvo Artigo 5º, XVIII, CF. A criação de associações e, na forma da
a do responsável pelo inadimplemento voluntário e inescusável de lei, a de cooperativas independem de autorização, sendo vedada a
obrigação alimentícia e a do depositário infiel. interferência estatal em seu funcionamento.

Nos termos da Súmula Vinculante nº 25 do Supremo Tribunal Neste sentido, associações são organizações resultantes da
Federal, “é ilícita a prisão civil de depositário infiel, qualquer que reunião legal entre duas ou mais pessoas, com ou sem personalida-
seja a modalidade do depósito”. Por isso, a única exceção à regra de jurídica, para a realização de um objetivo comum; já cooperati-
da prisão por dívida do ordenamento é a que se refere à obrigação vas são uma forma específica de associação, pois visam a obtenção
alimentícia. de vantagens comuns em suas atividades econômicas.
Ainda, tem-se o artigo 5º, XIX, CF:
Liberdade de trabalho
O direito à liberdade também é mencionado no artigo 5º, XIII, Artigo 5º, XIX, CF. As associações só poderão ser compulsoria-
CF: mente dissolvidas ou ter suas atividades suspensas por decisão judi-
cial, exigindo-se, no primeiro caso, o trânsito em julgado.
Artigo 5º, XIII, CF. É livre o exercício de qualquer trabalho, ofí-
cio ou profissão, atendidas as qualificações profissionais que a lei O primeiro caso é o de dissolução compulsória, ou seja, a as-
estabelecer. sociação deixará de existir para sempre. Obviamente, é preciso o
trânsito em julgado da decisão judicial que assim determine, pois
O livre exercício profissional é garantido, respeitados os limi- antes disso sempre há possibilidade de reverter a decisão e permitir
tes legais. Por exemplo, não pode exercer a profissão de advogado que a associação continue em funcionamento. Contudo, a decisão
aquele que não se formou em Direito e não foi aprovado no Exame judicial pode suspender atividades até que o trânsito em julgado
da Ordem dos Advogados do Brasil; não pode exercer a medicina ocorra, ou seja, no curso de um processo judicial.
aquele que não fez faculdade de medicina reconhecida pelo MEC e Em destaque, a legitimidade representativa da associação
obteve o cadastro no Conselho Regional de Medicina. quanto aos seus filiados, conforme artigo 5º, XXI, CF:

5
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
Artigo 5º, XXI, CF. As entidades associativas, quando expressa- O domicílio é inviolável, razão pela qual ninguém pode nele en-
mente autorizadas, têm legitimidade para representar seus filiados trar sem o consentimento do morador, a não ser EM QUALQUER
judicial ou extrajudicialmente. HORÁRIO no caso de flagrante delito (o morador foi flagrado na prá-
tica de crime e fugiu para seu domicílio) ou desastre (incêndio, en-
Trata-se de caso de legitimidade processual extraordinária, chente, terremoto...) ou para prestar socorro (morador teve ataque
pela qual um ente vai a juízo defender interesse de outra(s) pesso- do coração, está sufocado, desmaiado...), e SOMENTE DURANTE O
a(s) porque a lei assim autoriza. DIA por determinação judicial.
A liberdade de associação envolve não somente o direito de Quanto ao sigilo de correspondência e das comunicações, pre-
criar associações e de fazer parte delas, mas também o de não asso- vê o artigo 5º, XII, CF:
ciar-se e o de deixar a associação, conforme artigo 5º, XX, CF:
Artigo 5º, XII, CF. É inviolável o sigilo da correspondência e das
Artigo 5º, XX, CF. Ninguém poderá ser compelido a associar-se comunicações telegráficas, de dados e das comunicações telefôni-
ou a permanecer associado. cas, salvo, no último caso, por ordem judicial, nas hipóteses e na
- Direitos à privacidade e à personalidade forma que a lei estabelecer para fins de investigação criminal ou
instrução processual penal.
Abrangência
Prevê o artigo 5º, X, CF: O sigilo de correspondência e das comunicações está melhor
regulamentado na Lei nº 9.296, de 1996.
Artigo 5º, X, CF. São invioláveis a intimidade, a vida privada, a
honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização Personalidade jurídica e gratuidade de registro
pelo dano material ou moral decorrente de sua violação. Quando se fala em reconhecimento como pessoa perante a lei
desdobra-se uma esfera bastante específica dos direitos de perso-
O legislador opta por trazer correlacionados no mesmo disposi- nalidade, consistente na personalidade jurídica. Basicamente, con-
tivo legal os direitos à privacidade e à personalidade. siste no direito de ser reconhecido como pessoa perante a lei. Para
Reforçando a conexão entre a privacidade e a intimidade, ao ser visto como pessoa perante a lei mostra-se necessário o registro.
abordar a proteção da vida privada – que, em resumo, é a privaci- Por ser instrumento que serve como pressuposto ao exercício de
dade da vida pessoal no âmbito do domicílio e de círculos de ami- direitos fundamentais, assegura-se a sua gratuidade aos que não
gos –, Silva7 entende que “o segredo da vida privada é condição tiverem condição de com ele arcar.
de expansão da personalidade”, mas não caracteriza os direitos de
personalidade em si. Aborda o artigo 5º, LXXVI, CF:
A união da intimidade e da vida privada forma a privacidade, Artigo 5º, LXXVI, CF. São gratuitos para os reconhecidamente
sendo que a primeira se localiza em esfera mais estrita. É possível pobres, na forma da lei: a) o registro civil de nascimento; b) a cer-
ilustrar a vida social como se fosse um grande círculo no qual há um tidão de óbito.
menor, o da vida privada, e dentro deste um ainda mais restrito e
impenetrável, o da intimidade. Com efeito, pela “Teoria das Esfe- O reconhecimento do marco inicial e do marco final da perso-
ras” (ou “Teoria dos Círculos Concêntricos”), importada do direito nalidade jurídica pelo registro é direito individual, não dependendo
alemão, quanto mais próxima do indivíduo, maior a proteção a ser de condições financeiras. Evidente, seria absurdo cobrar de uma
conferida à esfera (as esferas são representadas pela intimidade, pessoa sem condições a elaboração de documentos para que ela
pela vida privada, e pela publicidade). seja reconhecida como viva ou morta, o que apenas incentivaria a
“O direito à honra distancia-se levemente dos dois anteriores, indigência dos menos favorecidos.
podendo referir-se ao juízo positivo que a pessoa tem de si (honra
subjetiva) e ao juízo positivo que dela fazem os outros (honra ob-
Direito à indenização e direito de resposta
jetiva), conferindo-lhe respeitabilidade no meio social. O direito à
Com vistas à proteção do direito à privacidade, do direito à per-
imagem também possui duas conotações, podendo ser entendido
sonalidade e do direito à imagem, asseguram-se dois instrumentos,
em sentido objetivo, com relação à reprodução gráfica da pessoa,
o direito à indenização e o direito de resposta, conforme as neces-
por meio de fotografias, filmagens, desenhos, ou em sentido subje-
sidades do caso concreto.
tivo, significando o conjunto de qualidades cultivadas pela pessoa e
reconhecidas como suas pelo grupo social”8.
Com efeito, prevê o artigo 5º, V, CF:
Inviolabilidade de domicílio e sigilo de correspondência
Correlatos ao direito à privacidade, aparecem a inviolabilidade Artigo 5º, V, CF. É assegurado o direito de resposta, proporcio-
do domicílio e o sigilo das correspondências e comunicações. nal ao agravo, além da indenização por dano material, moral ou à
Neste sentido, o artigo 5º, XI, CF prevê: imagem.
“A manifestação do pensamento é livre e garantida em nível
Artigo 5º, XI, CF. A casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém constitucional, não aludindo a censura prévia em diversões e es-
nela podendo penetrar sem consentimento do morador, salvo em petáculos públicos. Os abusos porventura ocorridos no exercício
caso de flagrante delito ou desastre, ou para prestar socorro, ou, indevido da manifestação do pensamento são passíveis de exame
durante o dia, por determinação judicial. e apreciação pelo Poder Judiciário com a consequente responsabili-
dade civil e penal de seus autores, decorrentes inclusive de publica-
ções injuriosas na imprensa, que deve exercer vigilância e controle
7 SILVA, José Afonso da. Curso de direito constitucional positivo. 25. da matéria que divulga”9.
ed. São Paulo: Malheiros, 2006.
8 MOTTA, Sylvio; BARCHET, Gustavo. Curso de direito constitucional. 9 BONAVIDES, Paulo. Curso de direito constitucional. 26. ed. São
Rio de Janeiro: Elsevier, 2007. Paulo: Malheiros, 2011.

6
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
O direito de resposta é o direito que uma pessoa tem de se - Direito à propriedade
defender de críticas públicas no mesmo meio em que foram pu- O caput do artigo 5º da Constituição assegura a proteção do
blicadas garantida exatamente a mesma repercussão. Mesmo direito à propriedade, tanto material quanto intelectual, delimitada
quando for garantido o direito de resposta não é possível reverter em alguns incisos que o seguem.
plenamente os danos causados pela manifestação ilícita de pensa-
mento, razão pela qual a pessoa inda fará jus à indenização. Função social da propriedade material
A manifestação ilícita do pensamento geralmente causa um O artigo 5º, XXII, CF estabelece:
dano, ou seja, um prejuízo sofrido pelo agente, que pode ser indi-
vidual ou coletivo, moral ou material, econômico e não econômico. Artigo 5º, XXII, CF. É garantido o direito de propriedade.
Dano material é aquele que atinge o patrimônio (material ou
imaterial) da vítima, podendo ser mensurado financeiramente e in- A seguir, no inciso XXIII do artigo 5º, CF estabelece o principal
denizado. fator limitador deste direito:
“Dano moral direto consiste na lesão a um interesse que visa a
satisfação ou gozo de um bem jurídico extrapatrimonial contido nos Artigo 5º, XXIII, CF. A propriedade atenderá a sua função social.
direitos da personalidade (como a vida, a integridade corporal, a
liberdade, a honra, o decoro, a intimidade, os sentimentos afetivos,
A propriedade, segundo Silva12, “[...] não pode mais ser consi-
a própria imagem) ou nos atributos da pessoa (como o nome, a
derada como um direito individual nem como instituição do direito
capacidade, o estado de família)”10.
privado. [...] embora prevista entre os direitos individuais, ela não
Já o dano à imagem é delimitado no artigo 20 do Código Civil:
mais poderá ser considerada puro direito individual, relativizando-
Artigo 20, CC. Salvo se autorizadas, ou se necessárias à adminis- -se seu conceito e significado, especialmente porque os princípios
tração da justiça ou à manutenção da ordem pública, a divulgação da ordem econômica são preordenados à vista da realização de seu
de escritos, a transmissão da palavra, ou a publicação, a exposição fim: assegurar a todos existência digna, conforme os ditames da jus-
ou a utilização da imagem de uma pessoa poderão ser proibidas, tiça social. Se é assim, então a propriedade privada, que, ademais,
a seu requerimento e sem prejuízo da indenização que couber, se tem que atender a sua função social, fica vinculada à consecução
lhe atingirem a honra, a boa fama ou a respeitabilidade, ou se se daquele princípio”.
destinarem a fins comerciais. Com efeito, a proteção da propriedade privada está limitada
ao atendimento de sua função social, sendo este o requisito que
- Direito à segurança a correlaciona com a proteção da dignidade da pessoa humana. A
O caput do artigo 5º da Constituição assegura a proteção do propriedade de bens e valores em geral é um direito assegurado na
direito à segurança. Na qualidade de direito individual liga-se à se- Constituição Federal e, como todos os outros, se encontra limitado
gurança do indivíduo como um todo, desde sua integridade física e pelos demais princípios conforme melhor se atenda à dignidade do
mental, até a própria segurança jurídica. ser humano.
No sentido aqui estudado, o direito à segurança pessoal é o
direito de viver sem medo, protegido pela solidariedade e liberto de Uso temporário
agressões, logo, é uma maneira de garantir o direito à vida. No mais, estabelece-se uma terceira limitação ao direito de
Nesta linha, para Silva11, “efetivamente, esse conjunto de di- propriedade que não possui o caráter definitivo da desapropriação,
reitos aparelha situações, proibições, limitações e procedimentos mas é temporária, conforme artigo 5º, XXV, CF:
destinados a assegurar o exercício e o gozo de algum direito indivi- Artigo 5º, XXV, CF. No caso de iminente perigo público, a autori-
dual fundamental (intimidade, liberdade pessoal ou a incolumidade dade competente poderá usar de propriedade particular, assegura-
física ou moral)”. da ao proprietário indenização ulterior, se houver dano.
Especificamente no que tange à segurança jurídica, tem-se o
disposto no artigo 5º, XXXVI, CF: Se uma pessoa tem uma propriedade, numa situação de peri-
Artigo 5º, XXXVI, CF. A lei não prejudicará o direito adquirido, o
go, o poder público pode se utilizar dela (ex: montar uma base para
ato jurídico perfeito e a coisa julgada.
capturar um fugitivo), pois o interesse da coletividade é maior que
o do indivíduo proprietário.
Pelo inciso restam estabelecidos limites à retroatividade da lei.
Direito sucessório
Define o artigo 6º da Lei de Introdução às Normas do Direito
Brasileiro: O direito sucessório aparece como uma faceta do direito à pro-
Artigo 6º, LINDB. A Lei em vigor terá efeito imediato e geral, priedade, encontrando disciplina constitucional no artigo 5º, XXX e
respeitados o ato jurídico perfeito, o direito adquirido e a coisa jul- XXXI, CF:
gada.
§ 1º Reputa-se ato jurídico perfeito o já consumado segundo a Artigo 5º, XXX, CF. É garantido o direito de herança;
lei vigente ao tempo em que se efetuou.
§ 2º Consideram-se adquiridos assim os direitos que o seu titu- Artigo 5º, XXXI, CF.A sucessão de bens de estrangeiros situados
lar, ou alguém por ele, possa exercer, como aqueles cujo começo do no País será regulada pela lei brasileira em benefício do cônjuge ou
exercício tenha termo pré-fixo, ou condição pré-estabelecida inalte- dos filhos brasileiros, sempre que não lhes seja mais favorável a lei
rável, a arbítrio de outrem. pessoal do de cujus.
§ 3º Chama-se coisa julgada ou caso julgado a decisão judicial
de que já não caiba recurso.
10 ZANNONI, Eduardo. El daño en la responsabilidad civil. Buenos
Aires: Astrea, 1982.
11 SILVA, José Afonso da. Curso de direito constitucional positivo... 12 SILVA, José Afonso da. Curso de direito constitucional positivo.
Op. Cit., p. 437. 25. ed. São Paulo: Malheiros, 2006.

7
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
O direito à herança envolve o direito de receber – seja devido a O artigo 7° do referido diploma considera como obras inte-
uma previsão legal, seja por testamento – bens de uma pessoa que lectuais que merecem a proteção do direito do autor os textos de
faleceu. Assim, o patrimônio passa para outra pessoa, conforme a obras de natureza literária, artística ou científica; as conferências,
vontade do falecido e/ou a lei determine. A Constituição estabele- sermões e obras semelhantes; as obras cinematográficas e televi-
ce uma disciplina específica para bens de estrangeiros situados no sivas; as composições musicais; fotografias; ilustrações; programas
Brasil, assegurando que eles sejam repassados ao cônjuge e filhos de computador; coletâneas e enciclopédias; entre outras.
brasileiros nos termos da lei mais benéfica (do Brasil ou do país es- Os direitos morais do autor, que são imprescritíveis, inaliená-
trangeiro). veis e irrenunciáveis, envolvem, basicamente, o direito de reivindi-
car a autoria da obra, ter seu nome divulgado na utilização desta,
Direito do consumidor assegurar a integridade desta ou modificá-la e retirá-la de circula-
Nos termos do artigo 5º, XXXII, CF: ção se esta passar a afrontar sua honra ou imagem.
Já os direitos patrimoniais do autor, nos termos dos artigos 41
Artigo 5º, XXXII, CF. O Estado promoverá, na forma da lei, a de- a 44 da Lei nº 9.610/98, prescrevem em 70 anos contados do pri-
fesa do consumidor. meiro ano seguinte à sua morte ou do falecimento do último coau-
tor, ou contados do primeiro ano seguinte à divulgação da obra se
O direito do consumidor liga-se ao direito à propriedade a par- esta for de natureza audiovisual ou fotográfica. Estes, por sua vez,
tir do momento em que garante à pessoa que irá adquirir bens e abrangem, basicamente, o direito de dispor sobre a reprodução,
serviços que estes sejam entregues e prestados da forma adequa- edição, adaptação, tradução, utilização, inclusão em bases de dados
da, impedindo que o fornecedor se enriqueça ilicitamente, se apro- ou qualquer outra modalidade de utilização; sendo que estas mo-
veite de maneira indevida da posição menos favorável e de vulnera- dalidades de utilização podem se dar a título oneroso ou gratuito.
bilidade técnica do consumidor. “Os direitos autorais, também conhecidos como copyright (di-
O Direito do Consumidor pode ser considerado um ramo re- reito de cópia), são considerados bens móveis, podendo ser alie-
cente do Direito. No Brasil, a legislação que o regulamentou foi pro- nados, doados, cedidos ou locados. Ressalte-se que a permissão a
mulgada nos anos 90, qual seja a Lei nº 8.078, de 11 de setembro terceiros de utilização de criações artísticas é direito do autor. [...] A
de 1990, conforme determinado pela Constituição Federal de 1988, proteção constitucional abrange o plágio e a contrafação. Enquanto
que também estabeleceu no artigo 48 do Ato das Disposições Cons- que o primeiro caracteriza-se pela difusão de obra criada ou produ-
titucionais Transitórias: zida por terceiros, como se fosse própria, a segunda configura a re-
Artigo 48, ADCT. O Congresso Nacional, dentro de cento e vinte produção de obra alheia sem a necessária permissão do autor”[13].
dias da promulgação da Constituição, elaborará código de defesa
do consumidor. - Direitos de acesso à justiça
A formação de um conceito sistemático de acesso à justiça se
A elaboração do Código de Defesa do Consumidor foi um gran-
dá com a teoria de Cappelletti e Garth, que apontaram três ondas
de passo para a proteção da pessoa nas relações de consumo que
de acesso, isto é, três posicionamentos básicos para a realização
estabeleça, respeitando-se a condição de hipossuficiente técnico
efetiva de tal acesso. Tais ondas foram percebidas paulatinamen-
daquele que adquire um bem ou faz uso de determinado serviço,
te com a evolução do Direito moderno conforme implementadas
enquanto consumidor.
as bases da onda anterior, quer dizer, ficou evidente aos autores a
emergência de uma nova onda quando superada a afirmação das
Propriedade intelectual
premissas da onda anterior, restando parcialmente implementada
Além da propriedade material, o constituinte protege também
(visto que até hoje enfrentam-se obstáculos ao pleno atendimento
a propriedade intelectual, notadamente no artigo 5º, XXVII, XXVIII
em todas as ondas).
e XXIX, CF: Primeiro, Cappelletti e Garth[14] entendem que surgiu uma
onda de concessão de assistência judiciária aos pobres, partindo-se
Artigo 5º, XXVII, CF. Aos autores pertence o direito exclusivo de da prestação sem interesse de remuneração por parte dos advoga-
utilização, publicação ou reprodução de suas obras, transmissível dos e, ao final, levando à criação de um aparato estrutural para a
aos herdeiros pelo tempo que a lei fixar; prestação da assistência pelo Estado.
Artigo 5º, XXVIII, CF. São assegurados, nos termos da lei: Em segundo lugar, no entender de Cappelletti e Garth[15], veio
a) a proteção às participações individuais em obras coletivas e a onda de superação do problema na representação dos interesses
à reprodução da imagem e voz humanas, inclusive nas atividades difusos, saindo da concepção tradicional de processo como algo
desportivas; restrito a apenas duas partes individualizadas e ocasionando o sur-
b) o direito de fiscalização do aproveitamento econômico das gimento de novas instituições, como o Ministério Público.
obras que criarem ou de que participarem aos criadores, aos intér- Finalmente, Cappelletti e Garth[16] apontam uma terceira
pretes e às respectivas representações sindicais e associativas; onda consistente no surgimento de uma concepção mais ampla de
acesso à justiça, considerando o conjunto de instituições, mecanis-
Artigo 5º, XXIX, CF. A lei assegurará aos autores de inventos in- mos, pessoas e procedimentos utilizados: “[...] esse enfoque enco-
dustriais privilégio temporário para sua utilização, bem como prote- raja a exploração de uma ampla variedade de reformas, incluindo
ção às criações industriais, à propriedade das marcas, aos nomes de alterações nas formas de procedimento, mudanças na estrutura
empresas e a outros signos distintivos, tendo em vista o interesse dos tribunais ou a criação de novos tribunais, o uso de pessoas lei-
social e o desenvolvimento tecnológico e econômico do País. gas ou paraprofissionais, tanto como juízes quanto como defenso-
Assim, a propriedade possui uma vertente intelectual que deve res, modificações no direito substantivo destinadas a evitar litígios
ser respeitada, tanto sob o aspecto moral quanto sob o patrimo- ou facilitar sua solução e a utilização de mecanismos privados ou in-
nial. No âmbito infraconstitucional brasileiro, a Lei nº 9.610, de 19 formais de solução dos litígios. Esse enfoque, em suma, não receia
de fevereiro de 1998, regulamenta os direitos autorais, isto é, “os inovações radicais e compreensivas, que vão muito além da esfera
direitos de autor e os que lhes são conexos”. de representação judicial”.

8
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
Assim, dentro da noção de acesso à justiça, diversos aspectos Tribunal do júri
podem ser destacados: de um lado, deve criar-se o Poder Judiciário A respeito da competência do Tribunal do júri, prevê o artigo
e se disponibilizar meios para que todas as pessoas possam bus- 5º, XXXVIII, CF:
cá-lo; de outro lado, não basta garantir meios de acesso se estes
forem insuficientes, já que para que exista o verdadeiro acesso à Artigo 5º, XXXVIII. É reconhecida a instituição do júri, com a
justiça é necessário que se aplique o direito material de maneira organização que lhe der a lei, assegurados:
justa e célere. a) a plenitude de defesa;
Relacionando-se à primeira onda de acesso à justiça, prevê a b) o sigilo das votações;
Constituição em seu artigo 5º, XXXV: c) a soberania dos veredictos;
d) a competência para o julgamento dos crimes dolosos contra
Artigo 5º, XXXV, CF. A lei não excluirá da apreciação do Poder a vida.
Judiciário lesão ou ameaça a direito. O Tribunal do Júri é formado por pessoas do povo, que julgam
os seus pares. Entende-se ser direito fundamental o de ser julgado
O princípio da inafastabilidade da jurisdição é o princípio de por seus iguais, membros da sociedade e não magistrados, no caso
Direito Processual Público subjetivo, também cunhado como Prin- de determinados crimes que por sua natureza possuem fortes fato-
cípio da Ação, em que a Constituição garante a necessária tutela res de influência emocional.
estatal aos conflitos ocorrentes na vida em sociedade. Sempre que Plenitude da defesa envolve tanto a autodefesa quanto a defe-
uma controvérsia for levada ao Poder Judiciário, preenchidos os re- sa técnica e deve ser mais ampla que a denominada ampla defesa
quisitos de admissibilidade, ela será resolvida, independentemente assegurada em todos os procedimentos judiciais e administrativos.
de haver ou não previsão específica a respeito na legislação. Sigilo das votações envolve a realização de votações secretas,
Também se liga à primeira onda de acesso à justiça, no que preservando a liberdade de voto dos que compõem o conselho que
tange à abertura do Judiciário mesmo aos menos favorecidos eco- irá julgar o ato praticado.
nomicamente, o artigo 5º, LXXIV, CF: A decisão tomada pelo conselho é soberana. Contudo, a sobe-
rania dos veredictos veda a alteração das decisões dos jurados, não
Artigo 5º, LXXIV, CF. O Estado prestará assistência jurídica inte- a recorribilidade dos julgamentos do Tribunal do Júri para que seja
gral e gratuita aos que comprovarem insuficiência de recursos. procedido novo julgamento uma vez cassada a decisão recorrida,
haja vista preservar o ordenamento jurídico pelo princípio do duplo
O constituinte, ciente de que não basta garantir o acesso ao Po- grau de jurisdição.
der Judiciário, sendo também necessária a efetividade processual, Por fim, a competência para julgamento é dos crimes dolosos
incluiu pela Emenda Constitucional nº 45/2004 o inciso LXXVIII ao (em que há intenção ou ao menos se assume o risco de produção
artigo 5º da Constituição: do resultado) contra a vida, que são: homicídio, aborto, induzimen-
Artigo 5º, LXXVIII, CF. A todos, no âmbito judicial e administrati- to, instigação ou auxílio a suicídio e infanticídio. Sua competência
vo, são assegurados a razoável duração do processo e os meios que não é absoluta e é mitigada, por vezes, pela própria Constituição
garantam a celeridade de sua tramitação. (artigos 29, X /102, I, b) e c) / 105, I, a) / 108, I).

Com o tempo se percebeu que não bastava garantir o acesso à Anterioridade e irretroatividade da lei
justiça se este não fosse célere e eficaz. Não significa que se deve O artigo 5º, XXXIX, CF preconiza:
acelerar o processo em detrimento de direitos e garantias assegu-
rados em lei, mas sim que é preciso proporcionar um trâmite que Artigo5º, XXXIX, CF. Não há crime sem lei anterior que o defina,
dure nem mais e nem menos que o necessário para a efetiva reali- nem pena sem prévia cominação legal.
zação da justiça no caso concreto.
É a consagração da regra do nullum crimen nulla poena sine
- Direitos constitucionais-penais praevia lege. Simultaneamente, se assegura o princípio da legalida-
de (ou reserva legal), na medida em que não há crime sem lei que o
Juiz natural e vedação ao juízo ou tribunal de exceção defina, nem pena sem prévia cominação legal, e o princípio da an-
Quando o artigo 5º, LIII, CF menciona: terioridade, posto que não há crime sem lei anterior que o defina.
Ainda no que tange ao princípio da anterioridade, tem-se o ar-
Artigo 5º, LIII, CF. Ninguém será processado nem sentenciado tigo 5º, XL, CF:
senão pela autoridade competente”, consolida o princípio do juiz
natural que assegura a toda pessoa o direito de conhecer previa- Artigo 5º, XL, CF. A lei penal não retroagirá, salvo para benefi-
mente daquele que a julgará no processo em que seja parte, reves- ciar o réu.
tindo tal juízo em jurisdição competente para a matéria específica
do caso antes mesmo do fato ocorrer. O dispositivo consolida outra faceta do princípio da anteriori-
dade: se, por um lado, é necessário que a lei tenha definido um fato
Por sua vez, um desdobramento deste princípio encontra-se no como crime e dado certo tratamento penal a este fato (ex.: pena de
artigo 5º, XXXVII, CF: detenção ou reclusão, tempo de pena, etc.) antes que ele ocorra;
por outro lado, se vier uma lei posterior ao fato que o exclua do rol
Artigo 5º, XXXVII, CF. Não haverá juízo ou tribunal de exceção. de crimes ou que confira tratamento mais benéfico (diminuindo a
pena ou alterando o regime de cumprimento, notadamente), ela
Juízo ou Tribunal de Exceção é aquele especialmente criado será aplicada. Restam consagrados tanto o princípio da irretroati-
para uma situação pretérita, bem como não reconhecido como le- vidade da lei penal in pejus quanto o da retroatividade da lei penal
gítimo pela Constituição do país. mais benéfica.

9
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
Menções específicas a crimes O princípio da personalidade encerra o comando de o crime
O artigo 5º, XLI, CF estabelece: ser imputado somente ao seu autor, que é, por seu turno, a úni-
ca pessoa passível de sofrer a sanção. Seria flagrante a injustiça se
Artigo 5º, XLI, CF. A lei punirá qualquer discriminação atentató- fosse possível alguém responder pelos atos ilícitos de outrem: caso
ria dos direitos e liberdades fundamentais. contrário, a reação, ao invés de restringir-se ao malfeitor, alcançaria
Sendo assim confere fórmula genérica que remete ao princí- inocentes. Contudo, se uma pessoa deixou patrimônio e faleceu,
pio da igualdade numa concepção ampla, razão pela qual práticas este patrimônio responderá pelas repercussões financeiras do ilí-
discriminatórias não podem ser aceitas. No entanto, o constituinte cito.
entendeu por bem prever tratamento específico a certas práticas
criminosas. Individualização da pena
Neste sentido, prevê o artigo 5º, XLII, CF: A individualização da pena tem por finalidade concretizar o
princípio de que a responsabilização penal é sempre pessoal, de-
Artigo 5º, XLII, CF. A prática do racismo constitui crime inafian- vendo assim ser aplicada conforme as peculiaridades do agente.
A primeira menção à individualização da pena se encontra no
çável e imprescritível, sujeito à pena de reclusão, nos termos da lei.
artigo 5º, XLVI, CF:
A Lei nº 7.716, de 5 de janeiro de 1989 define os crimes resul-
Artigo 5º, XLVI, CF. A lei regulará a individualização da pena e
tantes de preconceito de raça ou de cor. Contra eles não cabe fiança
adotará, entre outras, as seguintes:
(pagamento de valor para deixar a prisão provisória) e não se aplica a) privação ou restrição da liberdade;
o instituto da prescrição (perda de pretensão de se processar/punir b) perda de bens;
uma pessoa pelo decurso do tempo). c) multa;
Não obstante, preconiza ao artigo 5º, XLIII, CF: d) prestação social alternativa;
e) suspensão ou interdição de direitos.
Artigo 5º, XLIII, CF. A lei considerará crimes inafiançáveis e in-
suscetíveis de graça ou anistia a prática da tortura, o tráfico ilícito Pelo princípio da individualização da pena, a pena deve ser in-
de entorpecentes e drogas afins, o terrorismo e os definidos como dividualizada nos planos legislativo, judiciário e executório, evitan-
crimes hediondos, por eles respondendo os mandantes, os execu- do-se a padronização a sanção penal. A individualização da pena
tores e os que, podendo evitá-los, se omitirem. significa adaptar a pena ao condenado, consideradas as caracterís-
ticas do agente e do delito.
Anistia, graça e indulto diferenciam-se nos seguintes termos: a A pena privativa de liberdade é aquela que restringe, com
anistia exclui o crime, rescinde a condenação e extingue totalmente maior ou menor intensidade, a liberdade do condenado, consis-
a punibilidade, a graça e o indulto apenas extinguem a punibilidade, tente em permanecer em algum estabelecimento prisional, por um
podendo ser parciais; a anistia, em regra, atinge crimes políticos, a determinado tempo.
graça e o indulto, crimes comuns; a anistia pode ser concedida pelo A pena de multa ou patrimonial opera uma diminuição do pa-
Poder Legislativo, a graça e o indulto são de competência exclusiva trimônio do indivíduo delituoso.
do Presidente da República; a anistia pode ser concedida antes da A prestação social alternativa corresponde às penas restritivas
sentença final ou depois da condenação irrecorrível, a graça e o in- de direitos, autônomas e substitutivas das penas privativas de liber-
dulto pressupõem o trânsito em julgado da sentença condenatória; dade, estabelecidas no artigo 44 do Código Penal.
graça e o indulto apenas extinguem a punibilidade, persistindo os Por seu turno, a individualização da pena deve também se fazer
efeitos do crime, apagados na anistia; graça é em regra individual e presente na fase de sua execução, conforme se depreende do artigo
solicitada, enquanto o indulto é coletivo e espontâneo. 5º, XLVIII, CF:
Não cabe graça, anistia ou indulto (pode-se considerar que o
Artigo 5º, XLVIII, CF. A pena será cumprida em estabelecimen-
artigo o abrange, pela doutrina majoritária) contra crimes de tortu-
tos distintos, de acordo com a natureza do delito, a idade e o sexo
ra, tráfico, terrorismo (TTT) e hediondos (previstos na Lei nº 8.072
do apenado.
de 25 de julho de 1990). Além disso, são crimes que não aceitam
fiança.
A distinção do estabelecimento conforme a natureza do delito
Por fim, prevê o artigo 5º, XLIV, CF: visa impedir que a prisão se torne uma faculdade do crime. Infeliz-
mente, o Estado não possui aparato suficiente para cumprir tal di-
Artigo 5º, XLIV, CF. Constitui crime inafiançável e imprescritível retiva, diferenciando, no máximo, o nível de segurança das prisões.
a ação de grupos armados, civis ou militares, contra a ordem cons-
titucional e o Estado Democrático. Quanto à idade, destacam-se as Fundações Casas, para cumpri-
mento de medida por menores infratores. Quanto ao sexo, prisões
Personalidade da pena costumam ser exclusivamente para homens ou para mulheres.
A personalidade da pena encontra respaldo no artigo 5º, XLV, Também se denota o respeito à individualização da pena nesta
CF: faceta pelo artigo 5º, L, CF:
Artigo 5º, L, CF. Às presidiárias serão asseguradas condições
Artigo 5º, XLV, CF. Nenhuma pena passará da pessoa do con- para que possam permanecer com seus filhos durante o período
denado, podendo a obrigação de reparar o dano e a decretação do de amamentação.
perdimento de bens ser, nos termos da lei, estendidas aos suces-
sores e contra eles executadas, até o limite do valor do patrimônio
transferido.

10
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
Preserva-se a individualização da pena porque é tomada a con- Se uma pessoa possui identificação civil, não há porque fazer
dição peculiar da presa que possui filho no período de amamenta- identificação criminal, colhendo digitais, fotos, etc. Pensa-se que se-
ção, mas também se preserva a dignidade da criança, não a afastan- ria uma situação constrangedora desnecessária ao suspeito, sendo
do do seio materno de maneira precária e impedindo a formação de assim, violaria a integridade moral.
vínculo pela amamentação.
Devido processo legal, contraditório e ampla defesa
Vedação de determinadas penas Estabelece o artigo 5º, LIV, CF:
O constituinte viu por bem proibir algumas espécies de penas,
consoante ao artigo 5º, XLVII, CF: Artigo 5º, LIV, CF. Ninguém será privado da liberdade ou de
Artigo 5º, XLVII, CF. não haverá penas: seus bens sem o devido processo legal.
a) de morte, salvo em caso de guerra declarada, nos termos do
art. 84, XIX; Pelo princípio do devido processo legal a legislação deve ser
b) de caráter perpétuo; respeitada quando o Estado pretender punir alguém judicialmente.
c) de trabalhos forçados; Logo, o procedimento deve ser livre de vícios e seguir estritamente
d) de banimento; a legislação vigente, sob pena de nulidade processual.
e) cruéis. Surgem como corolário do devido processo legal o contraditó-
rio e a ampla defesa, pois somente um procedimento que os garan-
Em resumo, o inciso consolida o princípio da humanidade, pelo ta estará livre dos vícios. Neste sentido, o artigo 5º, LV, CF:
qual o “poder punitivo estatal não pode aplicar sanções que atinjam
a dignidade da pessoa humana ou que lesionem a constituição físi- Artigo 5º, LV, CF. Aos litigantes, em processo judicial ou admi-
co-psíquica dos condenados”[17] . nistrativo, e aos acusados em geral são assegurados o contraditório
Quanto à questão da pena de morte, percebe-se que o consti- e ampla defesa, com os meios e recursos a ela inerentes.
tuinte não estabeleceu uma total vedação, autorizando-a nos casos
de guerra declarada. Obviamente, deve-se respeitar o princípio da O devido processo legal possui a faceta formal, pela qual se
anterioridade da lei, ou seja, a legislação deve prever a pena de deve seguir o adequado procedimento na aplicação da lei e, sendo
morte ao fato antes dele ser praticado. No ordenamento brasilei- assim, respeitar o contraditório e a ampla defesa. Não obstante, o
ro, este papel é cumprido pelo Código Penal Militar (Decreto-Lei nº devido processo legal tem sua faceta material que consiste na to-
1.001/1969), que prevê a pena de morte a ser executada por fuzi- mada de decisões justas, que respeitem os parâmetros da razoabili-
lamento nos casos tipificados em seu Livro II, que aborda os crimes dade e da proporcionalidade.
militares em tempo de guerra.
Por sua vez, estão absolutamente vedadas em quaisquer cir- Vedação de provas ilícitas
cunstâncias as penas de caráter perpétuo, de trabalhos forçados, Conforme o artigo 5º, LVI, CF:
de banimento e cruéis.
No que tange aos trabalhos forçados, vale destacar que o tra- Artigo 5º, LVI, CF. São inadmissíveis, no processo, as provas ob-
balho obrigatório não é considerado um tratamento contrário à tidas por meios ilícitos.
dignidade do recluso, embora o trabalho forçado o seja. O trabalho
Provas ilícitas, por força da nova redação dada ao artigo 157 do
é obrigatório, dentro das condições do apenado, não podendo ser
CPP, são as obtidas em violação a normas constitucionais ou legai,
cruel ou menosprezar a capacidade física e intelectual do condena-
ou seja, prova ilícita é a que viola regra de direito material, constitu-
do; como o trabalho não existe independente da educação, cabe in-
cional ou legal, no momento da sua obtenção. São vedadas porque
centivar o aperfeiçoamento pessoal; até mesmo porque o trabalho
não se pode aceitar o descumprimento do ordenamento para fazê-
deve se aproximar da realidade do mundo externo, será remunera-
-lo cumprir: seria paradoxal.
do; além disso, condições de dignidade e segurança do trabalhador,
como descanso semanal e equipamentos de proteção, deverão ser
Presunção de inocência
respeitados.
Prevê a Constituição no artigo 5º, LVII:
Respeito à integridade do preso Artigo 5º, LVII, CF. Ninguém será considerado culpado até o
Prevê o artigo 5º, XLIX, CF: trânsito em julgado de sentença penal condenatória.
Consolida-se o princípio da presunção de inocência, pelo qual
Artigo 5º, XLIX, CF. É assegurado aos presos o respeito à integri- uma pessoa não é culpada até que, em definitivo, o Judiciário assim
dade física e moral. decida, respeitados todos os princípios e garantias constitucionais.
Obviamente, o desrespeito à integridade física e moral do pre-
so é uma violação do princípio da dignidade da pessoa humana. Ação penal privada subsidiária da pública
Dois tipos de tratamentos que violam esta integridade estão Nos termos do artigo 5º, LIX, CF:
mencionados no próprio artigo 5º da Constituição Federal. Em pri-
meiro lugar, tem-se a vedação da tortura e de tratamentos desu- Artigo 5º, LIX, CF. Será admitida ação privada nos crimes de
manos e degradantes (artigo 5º, III, CF), o que vale na execução da ação pública, se esta não for intentada no prazo legal.
pena.
No mais, prevê o artigo 5º, LVIII, CF: A chamada ação penal privada subsidiária da pública encontra
respaldo constitucional, assegurando que a omissão do poder pú-
Artigo 5º, LVIII, CF.O civilmente identificado não será subme- blico na atividade de persecução criminal não será ignorada, forne-
tido a identificação criminal, salvo nas hipóteses previstas em lei. cendo-se instrumento para que o interessado a proponha.

11
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
Prisão e liberdade Artigo 5º, LXXV, CF. O Estado indenizará o condenado por erro
O constituinte confere espaço bastante extenso no artigo 5º judiciário, assim como o que ficar preso além do tempo fixado na
em relação ao tratamento da prisão, notadamente por se tratar de sentença.
ato que vai contra o direito à liberdade. Obviamente, a prisão não
é vedada em todos os casos, porque práticas atentatórias a direitos Trata-se do erro em que incorre um juiz na apreciação e jul-
fundamentais implicam na tipificação penal, autorizando a restrição gamento de um processo criminal, resultando em condenação de
da liberdade daquele que assim agiu. alguém inocente. Neste caso, o Estado indenizará. Ele também in-
denizará uma pessoa que ficar presa além do tempo que foi conde-
No inciso LXI do artigo 5º, CF, prevê-se: nada a cumprir.

Artigo 5º, LXI, CF. Ninguém será preso senão em flagrante de- 5) Direitos fundamentais implícitos
lito ou por ordem escrita e fundamentada de autoridade judiciária Nos termos do § 2º do artigo 5º da Constituição Federal:
competente, salvo nos casos de transgressão militar ou crime pro-
priamente militar, definidos em lei.
Artigo 5º, §2º, CF. Os direitos e garantias expressos nesta Cons-
tituição não excluem outros decorrentes do regime e dos princípios
Logo, a prisão somente se dará em caso de flagrante delito (ne-
por ela adotados, ou dos tratados internacionais em que a Repúbli-
cessariamente antes do trânsito em julgado), ou em caráter tempo-
ca Federativa do Brasil seja parte.
rário, provisório ou definitivo (as duas primeiras independente do
trânsito em julgado, preenchidos requisitos legais e a última pela
irreversibilidade da condenação). Daí se depreende que os direitos ou garantias podem estar
Aborda-se no artigo 5º, LXII o dever de comunicação ao juiz e à expressos ou implícitos no texto constitucional. Sendo assim, o rol
família ou pessoa indicada pelo preso: enumerado nos incisos do artigo 5º é apenas exemplificativo, não
taxativo.
Artigo 5º, LXII, CF. A prisão de qualquer pessoa e o local onde
se encontre serão comunicados imediatamente ao juiz competente 6) Tratados internacionais incorporados ao ordenamento inter-
e à família do preso ou à pessoa por ele indicada. no
Estabelece o artigo 5º, § 2º, CF que os direitos e garantias po-
Não obstante, o preso deverá ser informado de todos os seus dem decorrer, dentre outras fontes, dos “tratados internacionais
direitos, inclusive o direito ao silêncio, podendo entrar em contato em que a República Federativa do Brasil seja parte”.
com sua família e com um advogado, conforme artigo 5º, LXIII, CF:
Para o tratado internacional ingressar no ordenamento jurídi-
Artigo 5º, LXIII, CF. O preso será informado de seus direitos, co brasileiro deve ser observado um procedimento complexo, que
entre os quais o de permanecer calado, sendo-lhe assegurada a as- exige o cumprimento de quatro fases: a negociação (bilateral ou
sistência da família e de advogado. multilateral, com posterior assinatura do Presidente da República),
submissão do tratado assinado ao Congresso Nacional (que dará
Estabelece-se no artigo 5º, LXIV, CF: referendo por meio do decreto legislativo), ratificação do tratado
(confirmação da obrigação perante a comunidade internacional) e
Artigo 5º, LXIV, CF. O preso tem direito à identificação dos res- a promulgação e publicação do tratado pelo Poder Executivo[18].
ponsáveis por sua prisão ou por seu interrogatório policial. Notadamente, quando o constituinte menciona os tratados interna-
cionais no §2º do artigo 5º refere-se àqueles que tenham por fulcro
Por isso mesmo, o auto de prisão em flagrante e a ata do de- ampliar o rol de direitos do artigo 5º, ou seja, tratado internacional
poimento do interrogatório são assinados pelas autoridades envol- de direitos humanos.
vidas nas práticas destes atos procedimentais.
O §1° e o §2° do artigo 5° existiam de maneira originária na
Ainda, a legislação estabelece inúmeros requisitos para que a
Constituição Federal, conferindo o caráter de primazia dos direitos
prisão seja validada, sem os quais cabe relaxamento, tanto que as-
humanos, desde logo consagrando o princípio da primazia dos di-
sim prevê o artigo 5º, LXV, CF:
reitos humanos, como reconhecido pela doutrina e jurisprudência
Artigo 5º, LXV, CF. A prisão ilegal será imediatamente relaxada majoritários na época. “O princípio da primazia dos direitos huma-
pela autoridade judiciária. nos nas relações internacionais implica em que o Brasil deve incor-
porar os tratados quanto ao tema ao ordenamento interno brasi-
Desta forma, como decorrência lógica, tem-se a previsão do leiro e respeitá-los. Implica, também em que as normas voltadas à
artigo 5º, LXVI, CF: proteção da dignidade em caráter universal devem ser aplicadas no
Brasil em caráter prioritário em relação a outras normas”[19].
Artigo 5º, LXVI, CF. Ninguém será levado à prisão ou nela man- Regra geral, os tratados internacionais comuns ingressam com
tido, quando a lei admitir a liberdade provisória, com ou sem fiança. força de lei ordinária no ordenamento jurídico brasileiro porque
somente existe previsão constitucional quanto à possibilidade da
Mesmo que a pessoa seja presa em flagrante, devido ao prin- equiparação às emendas constitucionais se o tratado abranger ma-
cípio da presunção de inocência, entende-se que ela não deve ser téria de direitos humanos.
mantida presa quando não preencher os requisitos legais para pri- Antes da emenda alterou o quadro quanto aos tratados de di-
são preventiva ou temporária. reitos humanos, era o que acontecia, mas isso não significa que tais
direitos eram menos importantes devido ao princípio da primazia e
Indenização por erro judiciário ao reconhecimento dos direitos implícitos.
A disciplina sobre direitos decorrentes do erro judiciário encon-
tra-se no artigo 5º, LXXV, CF:

12
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
Por seu turno, com o advento da Emenda Constitucional nº 3.2 Habeas corpus, mandado de segurança, mandado de in-
45/04 se introduziu o §3º ao artigo 5º da Constituição Federal, de junção e habeas data.
modo que os tratados internacionais de direitos humanos foram
equiparados às emendas constitucionais, desde que houvesse a Remédios constitucionais são as espécies de ações judiciárias
aprovação do tratado em cada Casa do Congresso Nacional e ob- que visam proteger os direitos fundamentais reconhecidos no texto
tivesse a votação em dois turnos e com três quintos dos votos dos constitucional quando a declaração e a garantia destes não se mos-
respectivos membros: trar suficiente. Assim, o Poder Judiciário será acionado para sanar
o desrespeito a estes direitos fundamentais, servindo cada espécie
Art. 5º, § 3º, CF. Os tratados e convenções internacionais sobre de ação para uma forma de violação.
direitos humanos que forem aprovados, em cada Casa do Congres-
so Nacional, em dois turnos, por três quintos dos votos dos respec- Habeas Corpus
tivos membros, serão equivalentes às emendas constitucionais. No que tange à disciplina do habeas corpus, prevê a Constitui-
ção em seu artigo 5º, LXVIII:
Logo, a partir da alteração constitucional, os tratados de direi-
tos humanos que ingressarem no ordenamento jurídico brasileiro, Artigo 5º, LXVIII, CF. Conceder-se-á habeas corpus sempre que
versando sobre matéria de direitos humanos, irão passar por um alguém sofrer ou se achar ameaçado de sofrer violência ou coação
processo de aprovação semelhante ao da emenda constitucional. em sua liberdade de locomoção, por ilegalidade ou abuso de poder.
Contudo, há posicionamentos conflituosos quanto à possi-
Trata-se de ação gratuita, nos termos do artigo 5º, LXXVII, CF.
bilidade de considerar como hierarquicamente constitucional os
a) Antecedentes históricos: A Magna Carta inglesa, de 1215, foi
tratados internacionais de direitos humanos que ingressaram no
o primeiro documento a mencionar este remédio eo Habeas Corpus
ordenamento jurídico brasileiro anteriormente ao advento da re-
Act, de 1679, o regulamentou.
ferida emenda. Tal discussão se deu com relação à prisão civil do
b) Escopo: ação que serve para proteger a liberdade de lo-
depositário infiel, prevista como legal na Constituição e ilegal no comoção. Antes de haver proteção no Brasil por outros remédios
Pacto de São José da Costa Rica (tratado de direitos humanos apro- constitucionais de direitos que não este, o habeas-corpus foi utiliza-
vado antes da EC nº 45/04), sendo que o Supremo Tribunal Federal do para protegê-los. Hoje, apenas serve à lesão ou ameaça de lesão
firmou o entendimento pela supralegalidade do tratado de direitos ao direito de ir e vir.
humanos anterior à Emenda (estaria numa posição que paralisaria a c) Natureza jurídica: ação constitucional de cunho predominan-
eficácia da lei infraconstitucional, mas não revogaria a Constituição temente penal, pois protege o direito de ir e vir e vai contra a restri-
no ponto controverso). ção arbitrária da liberdade.
d) Espécies: preventivo, para os casos de ameaça de violação
7) Tribunal Penal Internacional ao direito de ir e vir, conferindo-se um “salvo conduto”, ou repressi-
Preconiza o artigo 5º, CF em seu § 4º: vo, para quando ameaça já tiver se materializado.
e) Legitimidade ativa: qualquer pessoa pode manejá-lo, em
Artigo 5º, §4º, CF. O Brasil se submete à jurisdição de Tribunal próprio nome ou de terceiro, bem como o Ministério Público (ar-
Penal Internacional a cuja criação tenha manifestado adesão. tigo 654, CPP). Impetrante é o que ingressa com a ação e paciente
é aquele que está sendo vítima da restrição à liberdade de loco-
O Estatuto de Roma do Tribunal Penal Internacional foi promul- moção. As duas figuras podem se concentrar numa mesma pessoa.
gado no Brasil pelo Decreto nº 4.388 de 25 de setembro de 2002. f) Legitimidade passiva: pessoa física, agente público ou priva-
Ele contém 128 artigos e foi elaborado em Roma, no dia 17 de julho do.
de 1998, regendo a competência e o funcionamento deste Tribu- g) Competência: é determinada pela autoridade coatora, sen-
nal voltado às pessoas responsáveis por crimes de maior gravidade do a autoridade imediatamente superior a ela. Ex.: Delegado de
com repercussão internacional (artigo 1º, ETPI). Polícia é autoridade coatora, propõe na Vara Criminal Estadual; Juiz
“Ao contrário da Corte Internacional de Justiça, cuja jurisdição de Direito de uma Vara Criminal é a autoridade coatora, impetra no
é restrita a Estados, ao Tribunal Penal Internacional compete o pro- Tribunal de Justiça.
cesso e julgamento de violações contra indivíduos; e, distintamente h) Conceito de coação ilegal: encontra-se no artigo 648, CPP:
dos Tribunais de crimes de guerra da Iugoslávia e de Ruanda, cria- Artigo 648, CPP. A coação considerar-se-á ilegal: I - quando não
houver justa causa; II - quando alguém estiver preso por mais tem-
dos para analisarem crimes cometidos durante esses conflitos, sua
po do que determina a lei; III - quando quem ordenar a coação não
jurisdição não está restrita a uma situação específica”[20].
tiver competência para fazê-lo; IV - quando houver cessado o mo-
Resume Mello[21]: “a Conferência das Nações Unidas sobre a
tivo que autorizou a coação; V - quando não for alguém admitido a
criação de uma Corte Criminal Internacional, reunida em Roma, em
prestar fiança, nos casos em que a lei a autoriza; VI - quando o pro-
1998, aprovou a referida Corte. Ela é permanente. Tem sede em cesso for manifestamente nulo; VII - quando extinta a punibilidade.
Haia.
A corte tem personalidade internacional. Ela julga: a) crime de i) Procedimento: regulamentado nos artigos 647 a 667 do Có-
genocídio; b) crime contra a humanidade; c) crime de guerra; d) digo de Processo Penal.
crime de agressão. Para o crime de genocídio usa a definição da
convenção de 1948. Como crimes contra a humanidade são citados:
assassinato, escravidão, prisão violando as normas internacionais,
violação tortura, apartheid, escravidão sexual, prostituição forçada,
esterilização, etc. São crimes de guerra: homicídio internacional,
destruição de bens não justificada pela guerra, deportação, forçar
um prisioneiro a servir nas forças inimigas, etc.”.

13
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
Habeas Data e) Direito líquido e certo: é aquele que pode ser demonstra-
O artigo 5º, LXXII, CF prevê: do de plano mediante prova pré-constituída, sem a necessidade
de dilação probatória, isto devido à natureza célere e sumária do
Artigo 5º, LXXII, CF. Conceder-se-á habeas data: a) para asse- procedimento.
gurar o conhecimento de informações relativas à pessoa do impe- f) Legitimidade ativa: a mais ampla possível, abrangendo não
trante, constantes de registros ou bancos de dados de entidades só a pessoa física como a jurídica, nacional ou estrangeira, residente
governamentais ou de caráter público; b) para a retificação de da- ou não no Brasil, bem como órgãos públicos despersonalizados e
dos, quando não se prefira fazê-lo por processo sigiloso, judicial ou universalidades/pessoas formais reconhecidas por lei.
administrativo. g) Legitimidade passiva: A autoridade coatora deve ser autori-
dade pública ou agente de pessoa jurídica no exercício de atribui-
Tal como o habeas corpus, trata-se de ação gratuita (artigo 5º, ções do Poder Público. Neste viés, o art. 6º, §3º, Lei nº 12.016/09,
LXXVII, CF). preceitua que “considera-se autoridade coatora aquela que tenha
a) Antecedente histórico: Freedom of Information Act, de 1974. praticado o ato impugnado ou da qual emane a ordem para a sua
b) Escopo: proteção do acesso a informações pessoais constan- prática”.
tes de registros ou bancos de dados de entidades governamentais h) Competência: Fixada de acordo com a autoridade coatora.
ou de caráter público, para o conhecimento ou retificação (corre- i) Regulamentação específica: Lei nº 12.016, de 07 de agosto
ção). de 2009.
c) Natureza jurídica: ação constitucional que tutela o acesso a j) Procedimento: artigos 6º a 19 da Lei nº 12.016/09.
informações pessoais.
d) Legitimidade ativa: pessoa física, brasileira ou estrangeira, Mandado de segurança coletivo
ou por pessoa jurídica, de direito público ou privado, tratando-se A Constituição Federal prevê a possibilidade de ingresso com
de ação personalíssima – os dados devem ser a respeito da pessoa mandado de segurança coletivo, consoante ao artigo 5º, LXX:
que a propõe. Artigo 5º, LXX, CF. O mandado de segurança coletivo pode ser
e) Legitimidade passiva: entidades governamentais da Admi- impetrado por: a) partido político com representação no Congresso
nistração Pública Direta e Indireta nas três esferas, bem como insti- Nacional; b) organização sindical, entidade de classe ou associação
tuições, órgãos, entidades e pessoas jurídicas privadas prestadores legalmente constituída e em funcionamento há pelo menos um
de serviços de interesse público que possuam dados relativos à pes- ano, em defesa dos interesses de seus membros ou associados.
soa do impetrante.
f) Competência: Conforme o caso, nos termos da Constituição, a) Origem: Constituição Federal de 1988.
do Supremo Tribunal Federal (art. 102, I, “d”), do Superior Tribunal b) Escopo: preservação ou reparação de direito líquido e certo
de Justiça (art. 105, I, “b”), dos Tribunais Regionais Federais (art. relacionado a interesses transindividuais (individuais homogêneos
108, I, “c”), bem como dos juízes federais (art. 109, VIII). ou coletivos), e devido à questão da legitimidade ativa, pertencente
g) Regulamentação específica: Lei nº 9.507, de 12 de novembro a partidos políticos e determinadas associações.
de 1997. c) Natureza jurídica: ação constitucional de natureza civil, inde-
h) Procedimento: artigos 8º a 19 da Lei nº 9.507/1997. pendente da natureza do ato, de caráter coletivo.
d) Objeto: o objeto do mandado de segurança coletivo são os
Mandado de segurança individual direitos coletivos e os direitos individuais homogêneos. Tal instituto
Dispõe a Constituição no artigo 5º, LXIX: não se presta à proteção dos direitos difusos, conforme posiciona-
mento amplamente majoritário, já que, dada sua difícil individuali-
Artigo 5º, LXIX, CF. Conceder-se-á mandado de segurança para zação, fica improvável a verificação da ilegalidade ou do abuso do
proteger direito líquido e certo, não amparado por habeas-corpus poder sobre tal direito (art. 21, parágrafo único, Lei nº 12.016/09).
ou habeas-data, quando o responsável pela ilegalidade ou abuso
e) Legitimidade ativa: como se extrai da própria disciplina cons-
de poder for autoridade pública ou agente de pessoa jurídica no
titucional, aliada ao artigo 21 da Lei nº 12.016/09, é de partido
exercício de atribuições do Poder Público.
político com representação no Congresso Nacional, bem como de
organização sindical, entidade de classe ou associação legalmente
a) Origem: Veio com a finalidade de preencher a lacuna decor-
constituída e em funcionamento há, pelo menos, 1 (um) ano, em
rente da sistemática do habeas corpus e das liminares possessórias.
defesa de direitos líquidos e certos que atinjam diretamente seus
b) Escopo: Trata-se de remédio constitucional com natureza
interesses ou de seus membros.
subsidiária pelo qual se busca a invalidação de atos de autoridade
f) Disciplina específica na Lei nº 12.016/09:
ou a suspensão dos efeitos da omissão administrativa, geradores
Art. 22, Lei nº 12.016/09. No mandado de segurança coletivo,
de lesão a direito líquido e certo, por ilegalidade ou abuso de po-
der. São protegidos todos os direitos líquidos e certos à exceção da a sentença fará coisa julgada limitadamente aos membros do grupo
proteção de direitos humanos à liberdade de locomoção e ao aces- ou categoria substituídos pelo impetrante.
so ou retificação de informações relativas à pessoa do impetrante, § 1ºO mandado de segurança coletivo não induz litispendência
constantes de registros ou bancos de dados de entidades governa- para as ações individuais, mas os efeitos da coisa julgada não be-
mentais ou de caráter público, ambos sujeitos a instrumentos es- neficiarão o impetrante a título individual se não requerer a desis-
pecíficos. tência de seu mandado de segurança no prazo de 30 (trinta) dias a
c) Natureza jurídica: ação constitucional de natureza civil, inde- contar da ciência comprovada da impetração da segurança coletiva.
pendente da natureza do ato impugnado (administrativo, jurisdicio- § 2ºNo mandado de segurança coletivo, a liminar só poderá
nal, eleitoral, criminal, trabalhista). ser concedida após a audiência do representante judicial da pessoa
d) Espécies: preventivo, quando se estiver na iminência de vio- jurídica de direito público, que deverá se pronunciar no prazo de 72
lação a direito líquido e certo, ou reparatório, quando já consumado (setenta e duas) horas.
o abuso/ilegalidade.

14
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
Mandado de Injunção e) Legitimidade passiva: ente da Administração Pública, direta
Regulamenta o artigo 5º, LXXI, CF: ou indireta, ou então pessoa jurídica que de algum modo lide com
a coisa pública.
Artigo 5º, LXXI, CF. Conceder-se-á mandado de injunção sem- f) Competência: Será fixada de acordo com a origem do ato ou
pre que a falta de norma regulamentadora torne inviável o exercício omissão a serem impugnados (artigo 5º, Lei nº 4.717/65).
dos direitos e liberdades constitucionais e das prerrogativas ineren- g) Regulamentação específica: Lei nº 4.717, de 29 de junho de
tes à nacionalidade, à soberania e à cidadania. 1965.
h) Procedimento: artigos 7º a 19, Lei nº 4.717/65.
a) Escopo: os dois requisitos constitucionais para que seja pro-
posto o mandado de injunção são a existência de norma constitu- 1) Direitos sociais
cional de eficácia limitada que prescreva direitos, liberdades cons- A Constituição Federal, dentro do Título II, aborda no capítulo II
titucionais e prerrogativas inerentes à nacionalidade, à soberania e a categoria dos direitos sociais, em sua maioria normas programá-
à cidadania; além da falta de norma regulamentadores, impossibili- ticas e que necessitam de uma postura interventiva estatal em prol
tando o exercício dos direitos, liberdades e prerrogativas em ques- da implementação.
tão. Assim, visa curar o hábito que se incutiu no legislador brasileiro Os direitos assegurados nesta categoria encontram menção ge-
de não regulamentar as normas de eficácia limitada para que elas nérica no artigo 6º, CF:
não sejam aplicáveis.
b) Natureza jurídica: ação constitucional que objetiva a regula- Art. 6º São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação,
mentação de normas constitucionais de eficácia limitada. o trabalho, a moradia, o transporte, o lazer, a segurança, a previ-
c) Legitimidade ativa: qualquer pessoa, nacional ou estrangei- dência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência
ra, física ou jurídica, capaz ou incapaz, que titularize direito funda- aos desamparados, na forma desta Constituição.
mental não materializável por omissão legislativa do Poder público,
bem como o Ministério Público na defesa de seus interesses insti- Trata-se de desdobramento da perspectiva do Estado Social de
tucionais. Não se aceita a legitimidade ativa de pessoas jurídicas de Direito. Em suma, são elencados os direitos humanos de 2ª dimen-
direito público. são, notadamente conhecidos como direitos econômicos, sociais
d) Competência: Supremo Tribunal Federal, quando a elabo- e culturais. Em resumo, os direitos sociais envolvem prestações
ração de norma regulamentadora for atribuição do Presidente da positivas do Estado (diferente dos de liberdade, que referem-se à
postura de abstenção estatal), ou seja, políticas estatais que visem
República, do Congresso Nacional, da Câmara dos Deputados, do
consolidar o princípio da igualdade não apenas formalmente, mas
Senado Federal, das Mesas de uma dessas Casas Legislativas, do
materialmente (tratando os desiguais de maneira desigual).
Tribunal de Contas da União, de um dos Tribunais Superiores, ou do
Por seu turno, embora no capítulo específico do Título II que
próprio Supremo Tribunal Federal (art. 102, I, “q”, CF); ao Superior
aborda os direitos sociais não se perceba uma intensa regulamen-
Tribunal de Justiça, quando a elaboração da norma regulamenta-
tação destes, à exceção dos direitos trabalhistas, o Título VIII da
dora for atribuição de órgão, entidade ou autoridade federal, da
Constituição Federal, que aborda a ordem social, se concentra em
administração direta ou indireta, excetuados os casos da compe-
trazer normativas mais detalhadas a respeitos de direitos indicados
tência do Supremo Tribunal Federal e dos órgãos da Justiça Militar,
como sociais.
da Justiça Eleitoral, da Justiça do Trabalho e da Justiça Federal (art.
105, I, “h”, CF); ao Tribunal Superior Eleitoral, quando as decisões 1.1) Direito individual do trabalho
dos Tribunais Regionais Eleitorais denegarem habeas corpus, man- O artigo 7º da Constituição enumera os direitos individuais dos
dado de segurança, habeas data ou mandado de injunção (art. 121, trabalhadores urbanos e rurais. São os direitos individuais tipica-
§4º, V, CF); e aos Tribunais de Justiça Estaduais, frente aos entes a mente trabalhistas, mas que não excluem os demais direitos funda-
ele vinculados. mentais (ex.: honra é um direito no espaço de trabalho, sob pena de
e) Procedimento: Regulamentado pela Lei nº 13.300/2016. se incidir em prática de assédio moral).
Artigo 7º, I, CF. Relação de emprego protegida contra despedi-
Ação Popular da arbitrária ou sem justa causa, nos termos de lei complementar,
Prevê o artigo 5º, LXXIII, CF: que preverá indenização compensatória, dentre outros direitos.
Significa que a demissão, se não for motivada por justa causa,
Artigo 5º, LXXIII, CF. Qualquer cidadão é parte legítima para assegura ao trabalhador direitos como indenização compensatória,
propor ação popular que vise a anular ato lesivo ao patrimônio pú- entre outros, a serem arcados pelo empregador.
blico ou de entidade de que o Estado participe, à moralidade admi- Artigo 7º, II, CF. Seguro-desemprego, em caso de desemprego
nistrativa, ao meio ambiente e ao patrimônio histórico e cultural, involuntário.
ficando o autor, salvo comprovada má-fé, isento de custas judiciais Sem prejuízo de eventual indenização a ser recebida do empre-
e do ônus da sucumbência. gador, o trabalhador que fique involuntariamente desempregado –
a) Origem: Constituição Federal de 1934. entendendo-se por desemprego involuntário o que tenha origem
b) Escopo: é instrumento de exercício direto da democracia, num acordo de cessação do contrato de trabalho – tem direito ao
permitindo ao cidadão que busque a proteção da coisa pública, ou seguro-desemprego, a ser arcado pela previdência social, que tem
seja, que vise assegurar a preservação dos interesses transindivi- o caráter de assistência financeira temporária.
duais.
c) Natureza jurídica: trata-se de ação constitucional, que visa
anular ato lesivo ao patrimônio público ou de entidade de que o
Estado participe, à moralidade administrativa, ao meio ambiente e
ao patrimônio histórico e cultural
d) Legitimidade ativa: deve ser cidadão, ou seja, aquele nacio-
nal que esteja no pleno gozo dos direitos políticos.

15
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
Artigo 7º, III, CF. Fundo de garantia do tempo de serviço. Artigo 7º, IX, CF. Remuneração do trabalho noturno superior à
Foi criado em 1967 pelo Governo Federal para proteger o tra- do diurno.
balhador demitido sem justa causa. O FGTS é constituído de contas O adicional noturno é devido para o trabalho exercido durante
vinculadas, abertas em nome de cada trabalhador, quando o em- a noite, de modo que cada hora noturna sofre a redução de 7 mi-
pregador efetua o primeiro depósito. O saldo da conta vinculada nutos e 30 segundos, ou ainda, é feito acréscimo de 12,5% sobre o
é formado pelos depósitos mensais efetivados pelo empregador, valor da hora diurna. Considera-se noturno, nas atividades urbanas,
equivalentes a 8,0% do salário pago ao empregado, acrescido de o trabalho realizado entre as 22:00 horas de um dia às 5:00 horas do
atualização monetária e juros. Com o FGTS, o trabalhador tem a dia seguinte; nas atividades rurais, é considerado noturno o traba-
oportunidade de formar um patrimônio, que pode ser sacado em lho executado na lavoura entre 21:00 horas de um dia às 5:00 horas
momentos especiais, como o da aquisição da casa própria ou da do dia seguinte; e na pecuária, entre 20:00 horas às 4:00 horas do
aposentadoria e em situações de dificuldades, que podem ocorrer dia seguinte.
com a demissão sem justa causa ou em caso de algumas doenças Artigo 7º, X, CF. Proteção do salário na forma da lei, constituin-
graves. do crime sua retenção dolosa.
Artigo 7º, IV, CF. Salário mínimo, fixado em lei, nacionalmente Quanto ao possível crime de retenção de salário, não há no Có-
unificado, capaz de atender a suas necessidades vitais básicas e às digo Penal brasileiro uma norma que determina a ação de retenção
de sua família com moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, de salário como crime. Apesar do artigo 7º, X, CF dizer que é crime
vestuário, higiene, transporte e previdência social, com reajustes a retenção dolosa de salário, o dispositivo é norma de eficácia limi-
periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo, sendo vedada sua tada, pois depende de lei ordinária, ainda mais porque qualquer
vinculação para qualquer fim. norma penal incriminadora é regida pela legalidade estrita (artigo
Trata-se de uma visível norma programática da Constituição 5º, XXXIX, CF).
que tem por pretensão um salário mínimo que atenda a todas as Artigo 7º, XI, CF. Participação nos lucros, ou resultados, des-
necessidades básicas de uma pessoa e de sua família. Em pesquisa vinculada da remuneração, e, excepcionalmente, participação na
que tomou por parâmetro o preceito constitucional, detectou-se gestão da empresa, conforme definido em lei.
que “o salário mínimo do trabalhador brasileiro deveria ter sido de A Participação nos Lucros e Resultado (PLR), que é conhecida
R$ 2.892,47 em abril para que ele suprisse suas necessidades bá- também por Programa de Participação nos Resultados (PPR), está
sicas e da família, segundo estudo divulgado nesta terça-feira, 07, prevista na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) desde a Lei nº
pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeco- 10.101, de 19 de dezembro de 2000. Ela funciona como um bônus,
nômicos (Dieese)” . que é ofertado pelo empregador e negociado com uma comissão de
trabalhadores da empresa. A CLT não obriga o empregador a forne-
Artigo 7º, V, CF. Piso salarial proporcional à extensão e à com- cer o benefício, mas propõe que ele seja utilizado.
plexidade do trabalho.
Cada trabalhador, dentro de sua categoria de emprego, seja Artigo 7º, XII, CF. Salário-família pago em razão do dependente
ele professor, comerciário, metalúrgico, bancário, construtor civil, do trabalhador de baixa renda nos termos da lei.
enfermeiro, recebe um salário base, chamado de Piso Salarial, que Salário-família é o benefício pago na proporção do respectivo
é sua garantia de recebimento dentro de seu grau profissional. O número de filhos ou equiparados de qualquer condição até a idade
Valor do Piso Salarial é estabelecido em conformidade com a data de quatorze anos ou inválido de qualquer idade, independente de
base da categoria, por isso ele é definido em conformidade com um carência e desde que o salário-de-contribuição seja inferior ou igual
acordo, ou ainda com um entendimento entre patrão e trabalhador. ao limite máximo permitido. De acordo com a Portaria Interminis-
terial MPS/MF nº 19, de 10/01/2014, valor do salário-família será
Artigo 7º, VI, CF. Irredutibilidade do salário, salvo o disposto em de R$ 35,00, por filho de até 14 anos incompletos ou inválido, para
convenção ou acordo coletivo. quem ganhar até R$ 682,50. Já para o trabalhador que receber de
R$ 682,51 até R$ 1.025,81, o valor do salário-família por filho de até
O salário não pode ser reduzido, a não ser que anão redução 14 anos de idade ou inválido de qualquer idade será de R$ 24,66.
implique num prejuízo maior, por exemplo, demissão em massa du- Artigo 7º, XIII, CF. duração do trabalho normal não superior a
rante uma crise, situações que devem ser negociadas em conven- oito horas diárias e quarenta e quatro semanais, facultada a com-
ção ou acordo coletivo. pensação de horários e a redução da jornada, mediante acordo ou
Artigo 7º, VII, CF. Garantia de salário, nunca inferior ao mínimo, convenção coletiva de trabalho.
Artigo 7º, XVI, CF. Remuneração do serviço extraordinário su-
para os que percebem remuneração variável.
perior, no mínimo, em cinquenta por cento à do normal.
O salário mínimo é direito de todos os trabalhadores, mesmo
A legislação trabalhista vigente estabelece que a duração nor-
daqueles que recebem remuneração variável (ex.: baseada em co-
mal do trabalho, salvo os casos especiais, é de 8 (oito) horas diárias
missões por venda e metas);
e 44 (quarenta e quatro) semanais, no máximo. Todavia, poderá a
Artigo 7º, VIII, CF. Décimo terceiro salário com base na remune-
jornada diária de trabalho dos empregados maiores ser acrescida
ração integral ou no valor da aposentadoria.
de horas suplementares, em número não excedentes a duas, no
Também conhecido como gratificação natalina, foi instituída no
máximo, para efeito de serviço extraordinário, mediante acordo
Brasil pela Lei nº 4.090/1962 e garante que o trabalhador receba o
individual, acordo coletivo, convenção coletiva ou sentença norma-
correspondente a 1/12 (um doze avos) da remuneração por mês
tiva. Excepcionalmente, ocorrendo necessidade imperiosa, poderá
trabalhado, ou seja, consiste no pagamento de um salário extra ao ser prorrogada além do limite legalmente permitido. A remunera-
trabalhador e ao aposentado no final de cada ano. ção do serviço extraordinário, desde a promulgação da Constituição
Federal, deverá constar, obrigatoriamente, do acordo, convenção
ou sentença normativa, e será, no mínimo, 50% (cinquenta por cen-
to) superior à da hora normal.

16
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
Artigo 7º, XIV, CF. Jornada de seis horas para o trabalho rea- Artigo 7º, XXI, CF. Aviso prévio proporcional ao tempo de servi-
lizado em turnos ininterruptos de revezamento, salvo negociação ço, sendo no mínimo de trinta dias, nos termos da lei.
coletiva.
O constituinte ao estabelecer jornada máxima de 6 horas para Nas relações de emprego, quando uma das partes deseja res-
os turnos ininterruptos de revezamento, expressamente ressalvan- cindir, sem justa causa, o contrato de trabalho por prazo indetermi-
do a hipótese de negociação coletiva, objetivou prestigiar a atuação nado, deverá, antecipadamente, notificar à outra parte, através do
da entidade sindical. Entretanto, a jurisprudência evoluiu para uma aviso prévio. O aviso prévio tem por finalidade evitar a surpresa na
interpretação restritiva de seu teor, tendo como parâmetro o fato ruptura do contrato de trabalho, possibilitando ao empregador o
de que o trabalho em turnos ininterruptos é por demais desgastan- preenchimento do cargo vago e ao empregado uma nova colocação
te, penoso, além de trazer malefícios de ordem fisiológica para o no mercado de trabalho, sendo que o aviso prévio pode ser traba-
trabalhador, inclusive distúrbios no âmbito psicossocial já que difi- lhado ou indenizado.
culta o convívio em sociedade e com a própria família.
Artigo 7º, XXII, CF. Redução dos riscos inerentes ao trabalho,
Artigo 7º, XV, CF. Repouso semanal remunerado, preferencial- por meio de normas de saúde, higiene e segurança.
mente aos domingos.
O Descanso Semanal Remunerado é de 24 (vinte e quatro) ho- Trata-se ao direito do trabalhador a um meio ambiente do tra-
ras consecutivas, devendo ser concedido preferencialmente aos balho salubre. Fiorillo destaca que o equilíbrio do meio ambiente
domingos, sendo garantido a todo trabalhador urbano, rural ou do trabalho está sedimentado na salubridade e na ausência de
doméstico. Havendo necessidade de trabalho aos domingos, desde agentes que possam comprometer a incolumidade físico-psíquica
que previamente autorizados pelo Ministério do Trabalho, aos tra- dos trabalhadores.
balhadores é assegurado pelo menos um dia de repouso semanal
remunerado coincidente com um domingo a cada período, depen- Artigo 7º, XXIII, CF. Adicional de remuneração para as ativida-
dendo da atividade (artigo 67, CLT). des penosas, insalubres ou perigosas, na forma da lei.

Artigo 7º, XVII, CF. Gozo de férias anuais remuneradas com, Penoso é o trabalho acerbo, árduo, amargo, difícil, molesto,
pelo menos, um terço a mais do que o salário normal. trabalhoso, incômodo, laborioso, doloroso, rude, que não é peri-
O salário das férias deve ser superior em pelo menos um terço goso ou insalubre, mas penosa, exigindo atenção e vigilância acima
ao valor da remuneração normal, com todos os adicionais e benefí- do comum. Ainda não há na legislação específica previsão sobre o
cios aos quais o trabalhador tem direito. A cada doze meses de tra- adicional de penosidade.
balho – denominado período aquisitivo – o empregado terá direito São consideradas atividades ou operações insalubres as que se
a trinta dias corridos de férias, se não tiver faltado injustificadamen- desenvolvem excesso de limites de tolerância para: ruído contínuo
te mais de cinco vezes ao serviço (caso isso ocorra, os dias das férias ou intermitente, ruídos de impacto, exposição ao calor e ao frio,
serão diminuídos de acordo com o número de faltas). radiações, certos agentes químicos e biológicos, vibrações, umi-
dade, etc. O exercício de trabalho em condições de insalubridade
Artigo 7º, XVIII, CF. Licença à gestante, sem prejuízo do empre-
assegura ao trabalhador a percepção de adicional, incidente sobre
go e do salário, com a duração de cento e vinte dias.
o salário base do empregado (súmula 228 do TST), ou previsão
O salário da trabalhadora em licença é chamado de salário-ma-
mais benéfica em Convenção Coletiva de Trabalho, equivalente a
ternidade, é pago pelo empregador e por ele descontado dos re-
40% (quarenta por cento), para insalubridade de grau máximo; 20%
colhimentos habituais devidos à Previdência Social. A trabalhadora
(vinte por cento), para insalubridade de grau médio; 10% (dez por
pode sair de licença a partir do último mês de gestação, sendo que
cento), para insalubridade de grau mínimo.
o período de licença é de 120 dias. A Constituição também garante
O adicional de periculosidade é um valor devido ao emprega-
que, do momento em que se confirma a gravidez até cinco meses
do exposto a atividades perigosas. São consideradas atividades ou
após o parto, a mulher não pode ser demitida. operações perigosas, aquelas que, por sua natureza ou métodos
de trabalho, impliquem risco acentuado em virtude de exposição
Artigo 7º, XIX, CF. Licença-paternidade, nos termos fixados em permanente do trabalhador a inflamáveis, explosivos ou energia
lei. elétrica; e a roubos ou outras espécies de violência física nas ativi-
dades profissionais de segurança pessoal ou patrimonial. O valor do
O homem tem direito a 5 dias de licença-paternidade para es- adicional de periculosidade será o salário do empregado acrescido
tar mais próximo do bebê recém-nascido e ajudar a mãe nos pro- de 30%, sem os acréscimos resultantes de gratificações, prêmios ou
cessos pós-operatórios. participações nos lucros da empresa.
Artigo 7º, XX, CF. Proteção do mercado de trabalho da mulher, O Tribunal Superior do Trabalho ainda não tem entendimento
mediante incentivos específicos, nos termos da lei. unânime sobre a possibilidade de cumulação destes adicionais.

Embora as mulheres sejam maioria na população de 10 anos Artigo 7º, XXIV, CF. Aposentadoria.
ou mais de idade, elas são minoria na população ocupada, mas A aposentadoria é um benefício garantido a todo trabalhador
estão em maioria entre os desocupados. Acrescenta-se ainda, que brasileiro que pode ser usufruído por aquele que tenha contribuído
elas são maioria também na população não economicamente ativa. ao Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) pelos prazos esti-
Além disso, ainda há relevante diferença salarial entre homens e pulados nas regras da Previdência Social e tenha atingido as idades
mulheres, sendo que os homens recebem mais porque os empre- mínimas previstas. Aliás, o direito à previdência social é considera-
gadores entendem que eles necessitam de um salário maior para do um direito social no próprio artigo 6º, CF.
manter a família. Tais disparidades colocam em evidência que o
mercado de trabalho da mulher deve ser protegido de forma es- Artigo 7º, XXV, CF. Assistência gratuita aos filhos e dependen-
pecial. tes desde o nascimento até 5 (cinco) anos de idade em creches e
pré-escolas.

17
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
Todo estabelecimento com mais de 30 funcionárias com mais Prescrição é a perda da pretensão de buscar a tutela jurisdicio-
de 16 anos tem a obrigação de oferecer um espaço físico para que nal para assegurar direitos violados. Sendo assim, há um período de
as mães deixem o filho de 0 a 6 meses, enquanto elas trabalham. tempo que o empregado tem para requerer seu direito na Justiça
Caso não ofereçam esse espaço aos bebês, a empresa é obrigada a do Trabalho. A prescrição trabalhista é sempre de 2 (dois) anos a
dar auxílio-creche a mulher para que ela pague uma creche para o partir do término do contrato de trabalho, atingindo as parcelas re-
bebê de até 6 meses. O valor desse auxílio será determinado con- lativas aos 5 (cinco) anos anteriores, ou de 05 (cinco) anos durante
forme negociação coletiva na empresa (acordo da categoria ou con- a vigência do contrato de trabalho.
venção). A empresa que tiver menos de 30 funcionárias registradas Artigo 7º, XXX, CF. Proibição de diferença de salários, de exercí-
não tem obrigação de conceder o benefício. É facultativo (ela pode cio de funções e de critério de admissão por motivo de sexo, idade,
oferecer ou não). Existe a possibilidade de o benefício ser estendido cor ou estado civil.
até os 6 anos de idade e incluir o trabalhador homem. A duração Há uma tendência de se remunerar melhor homens brancos
do auxílio-creche e o valor envolvido variarão conforme negociação na faixa dos 30 anos que sejam casados, sendo patente a diferença
coletiva na empresa. remuneratória para com pessoas de diferente etnia, faixa etária ou
Artigo 7º, XXVI, CF. Reconhecimento das convenções e acordos sexo. Esta distinção atenta contra o princípio da igualdade e não é
coletivos de trabalho. aceita pelo constituinte, sendo possível inclusive invocar a equipa-
Neste dispositivo se funda o direito coletivo do trabalho, que ração salarial judicialmente.
encontra regulamentação constitucional nos artigo 8º a 11 da Cons- Artigo 7º, XXXI, CF. Proibição de qualquer discriminação no to-
tituição. Pelas convenções e acordos coletivos, entidades represen- cante a salário e critérios de admissão do trabalhador portador de
tativas da categoria dos trabalhadores entram em negociação com deficiência.
as empresas na defesa dos interesses da classe, assegurando o res- A pessoa portadora de deficiência, dentro de suas limitações,
peito aos direitos sociais; possui condições de ingressar no mercado de trabalho e não pode
Artigo 7º, XXVII, CF. Proteção em face da automação, na forma ser preterida meramente por conta de sua deficiência.
da lei. Artigo 7º, XXXII, CF. Proibição de distinção entre trabalho ma-
Trata-se da proteção da substituição da máquina pelo homem, nual, técnico e intelectual ou entre os profissionais respectivos.
que pode ser feita, notadamente, qualificando o profissional para Os trabalhos manuais, técnicos e intelectuais são igualmente
exercer trabalhos que não possam ser desempenhados por uma relevantes e contribuem todos para a sociedade, não cabendo a
máquina (ex.: se criada uma máquina que substitui o trabalhador, desvalorização de um trabalho apenas por se enquadrar numa ou
deve ser ele qualificado para que possa operá-la). outra categoria.
Artigo 7º, XXVIII, CF. Seguro contra acidentes de trabalho, a car- Artigo 7º, XXXIII, CF. proibição de trabalho noturno, perigoso ou
go do empregador, sem excluir a indenização a que este está obri- insalubre a menores de dezoito e de qualquer trabalho a menores
gado, quando incorrer em dolo ou culpa. de dezesseis anos, salvo na condição de aprendiz, a partir de qua-
Atualmente, é a Lei nº 8.213/91 a responsável por tratar do torze anos.
assunto e em seus artigos 19, 20 e 21 apresenta a definição de Trata-se de norma protetiva do adolescente, estabelecendo-se
doenças e acidentes do trabalho. Não se trata de legislação espe- uma idade mínima para trabalho e proibindo-se o trabalho em con-
cífica sobre o tema, mas sim de uma norma que dispõe sobre as
dições desfavoráveis.
modalidades de benefícios da previdência social. Referida Lei, em
Artigo 7º, XXXIV, CF. Igualdade de direitos entre o trabalhador
seu artigo 19 da preceitua que acidente do trabalho é o que ocorre
com vínculo empregatício permanente e o trabalhador avulso.
pelo exercício do trabalho a serviço da empresa ou pelo exercício do
Avulso é o trabalhador que presta serviço a várias empresas,
trabalho, provocando lesão corporal ou perturbação funcional que
mas é contratado por sindicatos e órgãos gestores de mão-de-obra,
cause a morte ou a perda ou redução, permanente ou temporária,
possuindo os mesmos direitos que um trabalhador com vínculo em-
da capacidade para o trabalho.
pregatício permanente.
Seguro de Acidente de Trabalho (SAT) é uma contribuição com
A Emenda Constitucional nº 72/2013, conhecida como PEC das
natureza de tributo que as empresas pagam para custear benefícios
domésticas, deu nova redação ao parágrafo único do artigo 7º:
do INSS oriundos de acidente de trabalho ou doença ocupacional,
cobrindo a aposentadoria especial. A alíquota normal é de um, dois Artigo 7º, parágrafo único, CF. São assegurados à categoria dos
ou três por cento sobre a remuneração do empregado, mas as em- trabalhadores domésticos os direitos previstos nos incisos IV, VI, VII,
presas que expõem os trabalhadores a agentes nocivos químicos, VIII, X, XIII, XV, XVI, XVII, XVIII, XIX, XXI, XXII, XXIV, XXVI, XXX, XXXI e
físicos e biológicos precisam pagar adicionais diferenciados. Assim, XXXIII e, atendidas as condições estabelecidas em lei e observada a
quanto maior o risco, maior é a alíquota, mas atualmente o Minis- simplificação do cumprimento das obrigações tributárias, principais
tério da Previdência Social pode alterar a alíquota se a empresa in- e acessórias, decorrentes da relação de trabalho e suas peculiarida-
vestir na segurança do trabalho. des, os previstos nos incisos I, II, III, IX, XII, XXV e XXVIII, bem como
Neste sentido, nada impede que a empresa seja responsabi- a sua integração à previdência social.
lizada pelos acidentes de trabalho, indenizando o trabalhador. Na 1.2) Direito coletivo do trabalho
atualidade entende-se que a possibilidade de cumulação do benefí- Os artigos 8º a 11 trazem os direitos sociais coletivos dos traba-
cio previdenciário, assim compreendido como prestação garantida lhadores, que são os exercidos pelos trabalhadores, coletivamente
pelo Estado ao trabalhador acidentado (responsabilidade objetiva) ou no interesse de uma coletividade, quais sejam: associação pro-
com a indenização devida pelo empregador em caso de culpa (res- fissional ou sindical, greve, substituição processual, participação e
ponsabilidade subjetiva), é pacífica, estando amplamente difundida representação classista .
na jurisprudência do Tribunal Superior do Trabalho; A liberdade de associação profissional ou sindical tem escopo
Artigo 7º, XXIX, CF. Ação, quanto aos créditos resultantes das no artigo 8º, CF:
relações de trabalho, com prazo prescricional de cinco anos para Art. 8º, CF. É livre a associação profissional ou sindical, obser-
os trabalhadores urbanos e rurais, até o limite de dois anos após a vado o seguinte:
extinção do contrato de trabalho.

18
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
I - a lei não poderá exigir autorização do Estado para a fundação Povo é o conjunto de nacionais. Por seu turno, povo não é a
de sindicato, ressalvado o registro no órgão competente, vedadas mesma coisa que população. População é o conjunto de pessoas
ao Poder Público a interferência e a intervenção na organização sin- residentes no país – inclui o povo, os estrangeiros residentes no país
dical; e os apátridas.
II - é vedada a criação de mais de uma organização sindical, em 2.1) Nacionalidade como direito humano fundamental
qualquer grau, representativa de categoria profissional ou econô- Os direitos humanos internacionais são completamente con-
mica, na mesma base territorial, que será definida pelos trabalha- trários à ideia do apátrida – ou heimatlos –, que é o indivíduo que
dores ou empregadores interessados, não podendo ser inferior à não possui o vínculo da nacionalidade com nenhum Estado. Logo, a
área de um Município; nacionalidade é um direito da pessoa humana, o qual não pode ser
III - ao sindicato cabe a defesa dos direitos e interesses coleti- privado de forma arbitrária. Não há privação arbitrária quando res-
vos ou individuais da categoria, inclusive em questões judiciais ou peitados os critérios legais previstos no texto constitucional no que
administrativas; tange à perda da nacionalidade. Em outras palavras, o constituinte
IV - a assembleia geral fixará a contribuição que, em se tratan- brasileiro não admite a figura do apátrida.
do de categoria profissional, será descontada em folha, para custeio Contudo, é exatamente por ser um direito que a nacionalidade
do sistema confederativo da representação sindical respectiva, in- não pode ser uma obrigação, garantindo-se à pessoa o direito de
dependentemente da contribuição prevista em lei; deixar de ser nacional de um país e passar a sê-lo de outro, mu-
V - ninguém será obrigado a filiar-se ou a manter-se filiado a dando de nacionalidade, por um processo conhecido como natu-
sindicato; ralização.
VI - é obrigatória a participação dos sindicatos nas negociações Prevê a Declaração Universal dos Direitos Humanos em seu ar-
coletivas de trabalho; tigo 15: “I) Todo homem tem direito a uma nacionalidade. II) Nin-
VII - o aposentado filiado tem direito a votar e ser votado nas guém será arbitrariamente privado de sua nacionalidade, nem do
organizações sindicais; direito de mudar de nacionalidade”.
VIII - é vedada a dispensa do empregado sindicalizado a par- A Convenção Americana sobre Direitos Humanos aprofunda-se
tir do registro da candidatura a cargo de direção ou representação em meios para garantir que toda pessoa tenha uma nacionalidade
sindical e, se eleito, ainda que suplente, até um ano após o final do desde o seu nascimento ao adotar o critério do jus solis, explicitan-
do que ao menos a pessoa terá a nacionalidade do território onde
mandato, salvo se cometer falta grave nos termos da lei.
nasceu, quando não tiver direito a outra nacionalidade por previ-
Parágrafo único. As disposições deste artigo aplicam-se à orga-
sões legais diversas.
nização de sindicatos rurais e de colônias de pescadores, atendidas
“Nacionalidade é um direito fundamental da pessoa humana.
as condições que a lei estabelecer.
Todos a ela têm direito. A nacionalidade de um indivíduo não pode
O direito de greve, por seu turno, está previsto no artigo 9º, CF:
ficar ao mero capricho de um governo, de um governante, de um
Art. 9º É assegurado o direito de greve, competindo aos tra-
poder despótico, de decisões unilaterais, concebidas sem regras
balhadores decidir sobre a oportunidade de exercê-lo e sobre os
prévias, sem o contraditório, a defesa, que são princípios funda-
interesses que devam por meio dele defender.
mentais de todo sistema jurídico que se pretenda democrático. A
§ 1º A lei definirá os serviços ou atividades essenciais e disporá questão não pode ser tratada com relativismos, uma vez que é mui-
sobre o atendimento das necessidades inadiáveis da comunidade. to séria” .
§ 2º Os abusos cometidos sujeitam os responsáveis às penas Não obstante, tem-se no âmbito constitucional e internacional
da lei. a previsão do direito de asilo, consistente no direito de buscar abri-
A respeito, conferir a Lei nº 7.783/89, que dispõe sobre o exer- go em outro país quando naquele do qual for nacional estiver so-
cício do direito de greve, define as atividades essenciais, regula o frendo alguma perseguição. Tal perseguição não pode ter motivos
atendimento das necessidades inadiáveis da comunidade, e dá ou- legítimos, como a prática de crimes comuns ou de atos atentatórios
tras providências. Enquanto não for disciplinado o direito de greve aos princípios das Nações Unidas, o que subverteria a própria fina-
dos servidores públicos, esta é a legislação que se aplica, segundo lidade desta proteção. Em suma, o que se pretende com o direito
o STF. de asilo é evitar a consolidação de ameaças a direitos humanos de
uma pessoa por parte daqueles que deveriam protegê-los – isto é,
O direito de participação é previsto no artigo 10, CF: os governantes e os entes sociais como um todo –, e não proteger
Artigo 10, CF. É assegurada a participação dos trabalhadores e pessoas que justamente cometeram tais violações.
empregadores nos colegiados dos órgãos públicos em que seus in- 2.2) Naturalidade e naturalização
teresses profissionais ou previdenciários sejam objeto de discussão O artigo 12 da Constituição Federal estabelece quem são os na-
e deliberação. cionais brasileiros, dividindo-os em duas categorias: natos e natura-
Por fim, aborda-se o direito de representação classista no ar- lizados. Percebe-se que naturalidade é diferente de nacionalidade
tigo 11, CF: – naturalidade é apenas o local de nascimento, nacionalidade é um
Artigo 11, CF. Nas empresas de mais de duzentos empregados, efetivo vínculo com o Estado.
é assegurada a eleição de um representante destes com a finalida- Uma pessoa pode ser considerada nacional brasileira tanto por
de exclusiva de promover-lhes o entendimento direto com os em- ter nascido no território brasileiro quanto por voluntariamente se
pregadores. naturalizar como brasileiro, como se percebe no teor do artigo 12,
CF. O estrangeiro, num conceito tomado à base de exclusão, é todo
2) Nacionalidade aquele que não é nacional brasileiro.
O capítulo III do Título II aborda a nacionalidade, que vem a ser a) Brasileiros natos
corolário dos direitos políticos, já que somente um nacional pode Art. 12, CF. São brasileiros:
adquirir direitos políticos. I - natos:
Nacionalidade é o vínculo jurídico-político que liga um indiví- a) os nascidos na República Federativa do Brasil, ainda que de
duo a determinado Estado, fazendo com que ele passe a integrar o pais estrangeiros, desde que estes não estejam a serviço de seu
povo daquele Estado, desfrutando assim de direitos e obrigações. país;

19
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
b) os nascidos no estrangeiro, de pai brasileiro ou mãe brasilei- Destaque vai para o requisito da residência contínua. Em regra,
ra, desde que qualquer deles esteja a serviço da República Federa- o estrangeiro precisa residir no país por 4 anos contínuos, conforme
tiva do Brasil; o inciso III do referido artigo 112. No entanto, por previsão constitu-
c) os nascidos no estrangeiro de pai brasileiro ou de mãe bra- cional do artigo 12, II, “a”, se o estrangeiro foi originário de país com
sileira, desde que sejam registrados em repartição brasileira com- língua portuguesa o prazo de residência contínua é reduzido para 1
petente ou venham a residir na República Federativa do Brasil e ano. Daí se afirmar que o constituinte estabeleceu a naturalização
optem, em qualquer tempo, depois de atingida a maioridade, pela ordinária no artigo 12, II, “b” e a naturalização extraordinária no
nacionalidade brasileira. artigo 12, II, “a”.
Tradicionalmente, são possíveis dois critérios para a atribuição Outra diferença sensível é que à naturalização ordinária se
da nacionalidade primária – nacional nato –, notadamente: ius soli, aplica o artigo 121 do Estatuto do Estrangeiro, segundo o qual “a
direito de solo, o nacional nascido em território do país indepen- satisfação das condições previstas nesta Lei não assegura ao estran-
dentemente da nacionalidade dos pais; e ius sanguinis, direito de geiro direito à naturalização”. Logo, na naturalização ordinária não
sangue, que não depende do local de nascimento mas sim da des- há direito subjetivo à naturalização, mesmo que preenchidos todos
cendência de um nacional do país (critério comum em países que os requisitos. Trata-se de ato discricionário do Ministério da Justiça.
tiveram êxodo de imigrantes). O mesmo não vale para a naturalização extraordinária, quando há
O brasileiro nato, primeiramente, é aquele que nasce no terri- direito subjetivo, cabendo inclusive a busca do Poder Judiciário para
tório brasileiro – critério do ius soli, ainda que filho de pais estran- fazê-lo valer .
geiros, desde que não sejam estrangeiros que estejam a serviço de
seu país ou de organismo internacional (o que geraria um conflito c) Tratamento diferenciado
de normas). Contudo, também é possível ser brasileiro nato ainda A regra é que todo nacional brasileiro, seja ele nato ou natura-
que não se tenha nascido no território brasileiro. lizado, deverá receber o mesmo tratamento. Neste sentido, o artigo
No entanto, a Constituição reconhece o brasileiro nato também 12, § 2º, CF:
pelo critério do ius sanguinis. Se qualquer dos pais estiver a serviço
do Brasil, é considerado brasileiro nato, mesmo que nasça em outro Artigo 12, §2º, CF. A lei não poderá estabelecer distinção en-
país. Se qualquer dos pais não estiverem a serviço do Brasil e a pes- tre brasileiros natos e naturalizados, salvo nos casos previstos nesta
soa nascer no exterior é exigido que o nascido do exterior venha ao Constituição.
território brasileiro e aqui resida ou que tenha sido registrado em
repartição competente, caso em que poderá, aos 18 anos, mani- Percebe-se que a Constituição simultaneamente estabelece a
festar-se sobre desejar permanecer com a nacionalidade brasileira não distinção e se reserva ao direito de estabelecer as hipóteses
ou não. de distinção.
Algumas destas hipóteses de distinção já se encontram enume-
b) Brasileiros naturalizados radas no parágrafo seguinte.

Art. 12, CF. São brasileiros: [...] Artigo 12, § 3º, CF. São privativos de brasileiro nato os cargos:
II - naturalizados: I - de Presidente e Vice-Presidente da República;
a) os que, na forma da lei, adquiram a nacionalidade brasileira, II - de Presidente da Câmara dos Deputados;
exigidas aos originários de países de língua portuguesa apenas resi- III - de Presidente do Senado Federal;
dência por um ano ininterrupto e idoneidade moral; IV - de Ministro do Supremo Tribunal Federal;
b) os estrangeiros de qualquer nacionalidade, residentes na V - da carreira diplomática;
República Federativa do Brasil há mais de quinze anos ininterrup- VI - de oficial das Forças Armadas;
tos e sem condenação penal, desde que requeiram a nacionalidade VII - de Ministro de Estado da Defesa.
brasileira.
A lógica do dispositivo é a de que qualquer pessoa no exer-
A naturalização deve ser voluntária e expressa. cício da presidência da República ou de cargo que possa levar a
O Estatuto do Estrangeiro, Lei nº 6.815/1980, rege a questão da esta posição provisoriamente deve ser natural do país (ausente o
naturalização em mais detalhes, prevendo no artigo 112: Presidente da República, seu vice-presidente desempenha o cargo;
ausente este assume o Presidente da Câmara; também este ausen-
Art. 112, Lei nº 6.815/1980. São condições para a concessão da te, em seguida, exerce o cargo o Presidente do Senado; e, por fim,
naturalização: o Presidente do Supremo pode assumir a presidência na ausência
I - capacidade civil, segundo a lei brasileira; dos anteriores – e como o Presidente do Supremo é escolhido num
II - ser registrado como permanente no Brasil; critério de revezamento nenhum membro pode ser naturalizado);
III - residência contínua no território nacional, pelo prazo míni- ou a de que o cargo ocupado possui forte impacto em termos de
mo de quatro anos, imediatamente anteriores ao pedido de natu- representação do país ou de segurança nacional.
ralização; Outras exceções são: não aceitação, em regra, de brasileiro na-
IV - ler e escrever a língua portuguesa, consideradas as condi- turalizado como membro do Conselho da República (artigos 89 e
ções do naturalizando; 90, CF); impossibilidade de ser proprietário de empresa jornalística,
V - exercício de profissão ou posse de bens suficientes à manu- de radiodifusão sonora e imagens, salvo se já naturalizado há 10
tenção própria e da família; anos (artigo 222, CF); possibilidade de extradição do brasileiro natu-
VI - bom procedimento; ralizado que tenha praticado crime comum antes da naturalização
VII - inexistência de denúncia, pronúncia ou condenação no ou, depois dela, crime de tráfico de drogas (artigo 5º, LI, CF).
Brasil ou no exterior por crime doloso a que seja cominada pena
mínima de prisão, abstratamente considerada, superior a 1 (um) 2.3) Quase-nacionalidade: caso dos portugueses
ano; e Nos termos do artigo 12, § 1º, CF:
VIII - boa saúde.

20
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
Artigo 12, §1º, CF. Aos portugueses com residência permanen- b) havendo entrado no território nacional com infração à lei,
te no País, se houver reciprocidade em favor de brasileiros, serão dele não se retirar no prazo que lhe for determinado para fazê-lo,
atribuídos os direitos inerentes ao brasileiro, salvo os casos previs- não sendo aconselhável a deportação;
tos nesta Constituição. c) entregar-se à vadiagem ou à mendicância; ou
d) desrespeitar proibição especialmente prevista em lei para
É uma regra que só vale se os brasileiros receberem o mes- estrangeiro.
mo tratamento, questão regulamentada pelo Tratado de Amizade,
Cooperação e Consulta entre a República Federativa do Brasil e a A entrega (ou surrender) consiste na submissão de um nacional
República Portuguesa, assinado em 22 de abril de 2000 (Decreto nº a um tribunal internacional do qual o próprio país faz parte. É o que
3.927/2001). ocorreria, por exemplo, se o Brasil entregasse um brasileiro para
As vantagens conferidas são: igualdade de direitos civis, não julgamento pelo Tribunal Penal Internacional (competência reco-
sendo considerado um estrangeiro; gozo de direitos políticos se re- nhecida na própria Constituição no artigo 5º, §4º).
sidir há 3 anos no país, autorizando-se o alistamento eleitoral. No
caso de exercício dos direitos políticos nestes moldes, os direitos 2.6) Extradição
desta natureza ficam suspensos no outro país, ou seja, não exerce A extradição é ato diverso da deportação, da expulsão e da en-
simultaneamente direitos políticos nos dois países. trega. Extradição é um ato de cooperação internacional que con-
siste na entrega de uma pessoa, acusada ou condenada por um ou
2.4) Perda da nacionalidade mais crimes, ao país que a reclama. O Brasil, sob hipótese alguma,
Artigo 12, § 4º, CF. Será declarada a perda da nacionalidade do extraditará brasileiros natos mas quanto aos naturalizados assim
brasileiro que: permite caso tenham praticado crimes comuns (exceto crimes po-
I - tiver cancelada sua naturalização, por sentença judicial, em líticos e/ou de opinião) antes da naturalização, ou, mesmo depois
virtude de atividade nociva ao interesse nacional; da naturalização, em caso de envolvimento com o tráfico ilícito de
II - adquirir outra nacionalidade, salvo nos casos: entorpecentes (artigo 5º, LI e LII, CF).
a) de reconhecimento de nacionalidade originária pela lei es- Aplicam-se os seguintes princípios à extradição:
trangeira; a) Princípio da Especialidade: Significa que o estrangeiro só
b) de imposição de naturalização, pela norma estrangeira, ao pode ser julgado pelo Estado requerente pelo crime objeto do pe-
brasileiro residente em estado estrangeiro, como condição para dido de extradição. O importante é que o extraditado só seja sub-
permanência em seu território ou para o exercício de direitos civis. metido às penas relativas aos crimes que foram objeto do pedido
de extradição.
A respeito do inciso I do §4º do artigo 12, a Lei nº 818, de 18 b) Princípio da Dupla Punibilidade: O fato praticado deve ser
de setembro de 1949 regula a aquisição, a perda e a reaquisição da punível no Estado requerente e no Brasil. Logo, além do fato ser
nacionalidade, e a perda dos direitos políticos. No processo deve típico em ambos os países, deve ser punível em ambos (se houve
ser respeitado o contraditório e a iniciativa de propositura é do Pro- prescrição em algum dos países, p. ex., não pode ocorrer a extra-
curador da República. dição).
No que tange ao inciso II do parágrafo em estudo, percebe-se c) Princípio da Retroatividade dos Tratados: O fato de um trata-
a aceitação da figura do polipátrida. Na alínea “a” aceita-se que a do de extradição entre dois países ter sido celebrado após a ocor-
rência do crime não impede a extradição.
pessoa tenha nacionalidade brasileira e outra se ao seu nascimento
d) Princípio da Comutação da Pena (Direitos Humanos): Se o
tiver adquirido simultaneamente a nacionalidade do Brasil e outro
crime for apenado por qualquer das penas vedadas pelo artigo 5º,
país; na alínea “b” é reconhecida a mesma situação se a aquisição
XLVII da CF, a extradição não será autorizada, salvo se houver a co-
da nacionalidade do outro país for uma exigência para continuar lá
mutação da pena, transformação para uma pena aceita no Brasil.
permanecendo ou exercendo seus direitos civis, pois se assim não
Por ser tema incidente, vale observar a disciplina da Lei nº
o fosse o brasileiro seria forçado a optar por uma nacionalidade e,
6.815/1980 a respeito da extradição e de seu procedimento:
provavelmente, se ver privado da nacionalidade brasileira.
2.5) Deportação, expulsão e entrega
Art. 76. A extradição poderá ser concedida quando o governo
A deportação representa a devolução compulsória de um es-
requerente se fundamentar em tratado, ou quando prometer ao
trangeiro que tenha entrado ou esteja de forma irregular no territó- Brasil a reciprocidade.
rio nacional, estando prevista na Lei nº 6.815/1980, em seus artigos
57 e 58. Neste caso, não houve prática de qualquer ato nocivo ao Art. 77. Não se concederá a extradição quando:
Brasil, havendo, pois, mera irregularidade de visto. I - se tratar de brasileiro, salvo se a aquisição dessa nacionalida-
A expulsão é a retirada “à força” do território brasileiro de um de verificar-se após o fato que motivar o pedido;
estrangeiro que tenha praticado atos tipificados no artigo 65 e seu II - o fato que motivar o pedido não for considerado crime no
parágrafo único, ambos da Lei nº 6.815/1980: Brasil ou no Estado requerente;
III - o Brasil for competente, segundo suas leis, para julgar o
Art. 65, Lei nº 6.815/1980. É passível de expulsão o estrangei- crime imputado ao extraditando;
ro que, de qualquer forma, atentar contra a segurança nacional, a IV - a lei brasileira impuser ao crime a pena de prisão igual ou
ordem política ou social, a tranquilidade ou moralidade pública e a inferior a 1 (um) ano;
economia popular, ou cujo procedimento o torne nocivo à conveni- V - o extraditando estiver a responder a processo ou já houver
ência e aos interesses nacionais. sido condenado ou absolvido no Brasil pelo mesmo fato em que se
Parágrafo único. É passível, também, de expulsão o estrangeiro fundar o pedido;
que: VI - estiver extinta a punibilidade pela prescrição segundo a lei
a) praticar fraude a fim de obter a sua entrada ou permanência brasileira ou a do Estado requerente;
no Brasil; VII - o fato constituir crime político; e

21
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
VIII - o extraditando houver de responder, no Estado requeren- Art. 82.O Estado interessado na extradição poderá, em caso de
te, perante Tribunal ou Juízo de exceção. urgência e antes da formalização do pedido de extradição, ou con-
§ 1° A exceção do item VII não impedirá a extradição quando juntamente com este, requerer a prisão cautelar do extraditando
o fato constituir, principalmente, infração da lei penal comum, ou por via diplomática ou, quando previsto em tratado, ao Ministério
quando o crime comum, conexo ao delito político, constituir o fato da Justiça, que, após exame da presença dos pressupostos formais
principal. de admissibilidade exigidos nesta Lei ou em tratado, representará
§ 2º Caberá, exclusivamente, ao Supremo Tribunal Federal, a ao Supremo Tribunal Federal.(Redação dada pela Lei nº 12.878, de
apreciação do caráter da infração. 2013)
§ 3° O Supremo Tribunal Federal poderá deixar de considerar § 1oO pedido de prisão cautelar noticiará o crime cometido e
crimes políticos os atentados contra Chefes de Estado ou quaisquer deverá ser fundamentado, podendo ser apresentado por correio,
autoridades, bem assim os atos de anarquismo, terrorismo, sabota- fax, mensagem eletrônica ou qualquer outro meio que assegure
gem, sequestro de pessoa, ou que importem propaganda de guerra a comunicação por escrito.(Redação dada pela Lei nº 12.878, de
ou de processos violentos para subverter a ordem política ou social. 2013)
§ 2oO pedido de prisão cautelar poderá ser apresentado ao Mi-
Art. 78. São condições para concessão da extradição: nistério da Justiça por meio da Organização Internacional de Polícia
I - ter sido o crime cometido no território do Estado requerente Criminal (Interpol), devidamente instruído com a documentação
ou serem aplicáveis ao extraditando as leis penais desse Estado; e comprobatória da existência de ordem de prisão proferida por Esta-
II - existir sentença final de privação de liberdade, ou estar a do estrangeiro.(Redação dada pela Lei nº 12.878, de 2013)
prisão do extraditando autorizada por Juiz, Tribunal ou autoridade § 3oO Estado estrangeiro deverá, no prazo de 90 (noventa) dias
competente do Estado requerente, salvo o disposto no artigo 82. contado da data em que tiver sido cientificado da prisão do extra-
ditando, formalizar o pedido de extradição. (Redação dada pela Lei
Art. 79. Quando mais de um Estado requerer a extradição da
nº 12.878, de 2013)
mesma pessoa, pelo mesmo fato, terá preferência o pedido daque-
§ 4oCaso o pedido não seja formalizado no prazo previsto no §
le em cujo território a infração foi cometida.
3o, o extraditando deverá ser posto em liberdade, não se admitindo
§ 1º Tratando-se de crimes diversos, terão preferência, suces-
sivamente: novo pedido de prisão cautelar pelo mesmo fato sem que a extra-
I - o Estado requerente em cujo território haja sido cometido o dição haja sido devidamente requerida. (Redação dada pela Lei nº
crime mais grave, segundo a lei brasileira; 12.878, de 2013)
II - o que em primeiro lugar houver pedido a entrega do extra- Art. 83. Nenhuma extradição será concedida sem prévio pro-
ditando, se a gravidade dos crimes for idêntica; e nunciamento do Plenário do Supremo Tribunal Federal sobre sua
III - o Estado de origem, ou, na sua falta, o domiciliar do extra- legalidade e procedência, não cabendo recurso da decisão.
ditando, se os pedidos forem simultâneos. Art. 84. Efetivada a prisão do extraditando (artigo 81), o pedido
§ 2º Nos casos não previstos decidirá sobre a preferência o Go- será encaminhado ao Supremo Tribunal Federal.
verno brasileiro. Parágrafo único. A prisão perdurará até o julgamento final do
§ 3º Havendo tratado ou convenção com algum dos Estados Supremo Tribunal Federal, não sendo admitidas a liberdade vigiada,
requerentes, prevalecerão suas normas no que disserem respeito à a prisão domiciliar, nem a prisão albergue.
preferência de que trata este artigo. Art. 85. Ao receber o pedido, o Relator designará dia e hora
Art. 80.A extradição será requerida por via diplomática ou, para o interrogatório do extraditando e, conforme o caso, dar-lhe-á
quando previsto em tratado, diretamente ao Ministério da Justiça, curador ou advogado, se não o tiver, correndo do interrogatório o
devendo o pedido ser instruído com a cópia autêntica ou a certidão prazo de dez dias para a defesa.
da sentença condenatória ou decisão penal proferida por juiz ou § 1º A defesa versará sobre a identidade da pessoa reclamada,
autoridade competente. defeito de forma dos documentos apresentados ou ilegalidade da
§ 1oO pedido deverá ser instruído com indicações precisas so- extradição.
bre o local, a data, a natureza e as circunstâncias do fato criminoso, § 2º Não estando o processo devidamente instruído, o Tri-
a identidade do extraditando e, ainda, cópia dos textos legais sobre bunal, a requerimento do Procurador-Geral da República, poderá
o crime, a competência, a pena e sua prescrição. converter o julgamento em diligência para suprir a falta no prazo
§ 2oO encaminhamento do pedido pelo Ministério da Justiça improrrogável de 60 (sessenta) dias, decorridos os quais o pedido
ou por via diplomática confere autenticidade aos documentos. será julgado independentemente da diligência.
§ 3oOs documentos indicados neste artigo serão acompanha- § 3º O prazo referido no parágrafo anterior correrá da data da
dos de versão feita oficialmente para o idioma português.
notificação que o Ministério das Relações Exteriores fizer à Missão
Diplomática do Estado requerente.
Art. 81.O pedido, após exame da presença dos pressupostos
Art. 86. Concedida a extradição, será o fato comunicado atra-
formais de admissibilidade exigidos nesta Lei ou em tratado, será
vés do Ministério das Relações Exteriores à Missão Diplomática do
encaminhado pelo Ministério da Justiça ao Supremo Tribunal Fe-
deral. Estado requerente que, no prazo de sessenta dias da comunicação,
Parágrafo único.Não preenchidos os pressupostos de que trata deverá retirar o extraditando do território nacional.
o caput, o pedido será arquivado mediante decisão fundamentada Art. 87. Se o Estado requerente não retirar o extraditando do
do Ministro de Estado da Justiça, sem prejuízo de renovação do pe- território nacional no prazo do artigo anterior, será ele posto em
dido, devidamente instruído, uma vez superado o óbice apontado. liberdade, sem prejuízo de responder a processo de expulsão, se o
motivo da extradição o recomendar.
Art. 88. Negada a extradição, não se admitirá novo pedido ba-
seado no mesmo fato.

22
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
Art. 89. Quando o extraditando estiver sendo processado, ou Sufrágio universal é a soma de duas capacidades eleitorais, a
tiver sido condenado, no Brasil, por crime punível com pena pri- capacidade ativa – votar e exercer a democracia direta – e a capa-
vativa de liberdade, a extradição será executada somente depois cidade passiva – ser eleito como representante no modelo da de-
da conclusão do processo ou do cumprimento da pena, ressalvado, mocracia indireta. Ou ainda, sufrágio universal é o direito de todos
entretanto, o disposto no artigo 67. cidadãos de votar e ser votado. O voto, que é o ato pelo qual se
Parágrafo único. A entrega do extraditando ficará igualmente exercita o sufrágio, deverá ser direto e secreto.
adiada se a efetivação da medida puser em risco a sua vida por cau- Para ter capacidade passiva é necessário ter a ativa, mas não
sa de enfermidade grave comprovada por laudo médico oficial. apenas isso, há requisitos adicionais. Sendo assim, nem toda pessoa
Art. 90. O Governo poderá entregar o extraditando ainda que que tem capacidade ativa tem também capacidade passiva, embora
responda a processo ou esteja condenado por contravenção. toda pessoa que tenha capacidade passiva tenha necessariamente
Art. 91. Não será efetivada a entrega sem que o Estado reque- a ativa.
rente assuma o compromisso: 3.2) Democracia direta e indireta
I - de não ser o extraditando preso nem processado por fatos Art. 14, CF. A soberania popular será exercida pelo sufrágio uni-
anteriores ao pedido; versal e pelo voto direto e secreto, com valor igual para todos, e,
II - de computar o tempo de prisão que, no Brasil, foi imposta nos termos da lei, mediante:
por força da extradição; I - plebiscito;
III - de comutar em pena privativa de liberdade a pena corporal II - referendo;
ou de morte, ressalvados, quanto à última, os casos em que a lei III - iniciativa popular
brasileira permitir a sua aplicação; A democracia brasileira adota a modalidade semidireta, porque
IV - de não ser o extraditando entregue, sem consentimento do possibilita a participação popular direta no poder por intermédio
Brasil, a outro Estado que o reclame; e de processos como o plebiscito, o referendo e a iniciativa popular.
V - de não considerar qualquer motivo político, para agravar a Como são hipóteses restritas, pode-se afirmar que a democracia in-
pena. direta é predominantemente adotada no Brasil, por meio do sufrá-
Art. 92. A entrega do extraditando, de acordo com as leis brasi- gio universal e do voto direto e secreto com igual valor para todos.
leiras e respeitado o direito de terceiro, será feita com os objetos e Quanto ao voto direto e secreto, trata-se do instrumento para o
instrumentos do crime encontrados em seu poder. exercício da capacidade ativa do sufrágio universal.
Parágrafo único. Os objetos e instrumentos referidos neste ar- Por seu turno, o que diferencia o plebiscito do referendo é o
tigo poderão ser entregues independentemente da entrega do ex- momento da consulta à população: no plebiscito, primeiro se con-
traditando. sulta a população e depois se toma a decisão política; no referendo,
Art. 93. O extraditando que, depois de entregue ao Estado re- primeiro se toma a decisão política e depois se consulta a popula-
querente, escapar à ação da Justiça e homiziar-se no Brasil, ou por ção. Embora os dois partam do Congresso Nacional, o plebiscito é
ele transitar, será detido mediante pedido feito diretamente por via convocado, ao passo que o referendo é autorizado (art. 49, XV, CF),
diplomática, e de novo entregue sem outras formalidades. ambos por meio de decreto legislativo. O que os assemelha é que
Art. 94. Salvo motivo de ordem pública, poderá ser permitido, os dois são “formas de consulta ao povo para que delibere sobre
pelo Ministro da Justiça, o trânsito, no território nacional, de pesso- matéria de acentuada relevância, de natureza constitucional, legis-
as extraditadas por Estados estrangeiros, bem assim o da respectiva lativa ou administrativa” .
guarda, mediante apresentação de documentos comprobatórios de Na iniciativa popular confere-se à população o poder de apre-
concessão da medida. sentar projeto de lei à Câmara dos Deputados, mediante assinatura
2.7) Idioma e símbolos de 1% do eleitorado nacional, distribuído por 5 Estados no mínimo,
Art. 13, CF. A língua portuguesa é o idioma oficial da República com não menos de 0,3% dos eleitores de cada um deles. Em com-
Federativa do Brasil. plemento, prevê o artigo 61, §2°, CF:
§ 1º São símbolos da República Federativa do Brasil a bandeira, Art. 61, § 2º, CF. A iniciativa popular pode ser exercida pela
o hino, as armas e o selo nacionais. apresentação à Câmara dos Deputados de projeto de lei subscrito
§ 2º Os Estados, o Distrito Federal e os Municípios poderão ter por, no mínimo, um por cento do eleitorado nacional, distribuído
símbolos próprios. pelo menos por cinco Estados, com não menos de três décimos por
Idioma é a língua falada pela população, que confere caráter cento dos eleitores de cada um deles.
diferenciado em relação à população do resto do mundo. Sendo 3.3) Obrigatoriedade do alistamento eleitoral e do voto
assim, é manifestação social e cultural de uma nação. O alistamento eleitoral e o voto para os maiores de dezoito
Os símbolos, por sua vez, representam a imagem da nação e anos são, em regra, obrigatórios. Há facultatividade para os anal-
permitem o seu reconhecimento nacional e internacionalmente. fabetos, os maiores de setenta anos e os maiores de dezesseis e
Por esta intrínseca relação com a nacionalidade, a previsão é menores de dezoito anos.
feito dentro do capítulo do texto constitucional que aborda o tema. Artigo 14, § 1º, CF. O alistamento eleitoral e o voto são:
3) Direitos políticos I - obrigatórios para os maiores de dezoito anos;
Como mencionado, a nacionalidade é corolário dos direitos II - facultativos para:
políticos, já que somente um nacional pode adquirir direitos políti- a) os analfabetos;
cos. No entanto, nem todo nacional é titular de direitos políticos. Os b) os maiores de setenta anos;
nacionais que são titulares de direitos políticos são denominados c) os maiores de dezesseis e menores de dezoito anos.
cidadãos. Significa afirmar que nem todo nacional brasileiro é um
cidadão brasileiro, mas somente aquele que for titular do direito de No mais, esta obrigatoriedade se aplica aos nacionais brasilei-
sufrágio universal. ros, já que, nos termos do artigo 14, §2º, CF:
3.1) Sufrágio universal Artigo 14, §2º, CF. Não podem alistar-se como eleitores os es-
A primeira parte do artigo 14, CF, prevê que “a soberania popu- trangeiros e, durante o período do serviço militar obrigatório, os
lar será exercida pelo sufrágio universal [...]”. conscritos.

23
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
Quanto aos conscritos, são aqueles que estão prestando servi- Descreve-se no dispositivo uma hipótese de inelegibilidade re-
ço militar obrigatório, pois são necessárias tropas disponíveis para lativa. Se um Chefe do Poder Executivo de qualquer das esferas for
os dias da eleição. substituído por seu vice no curso do mandato, este vice somente
3.4) Elegibilidade poderá ser eleito para um período subsequente.
O artigo 14, §§ 3º e 4º, CF, descrevem as condições de elegibi- Ex.: Governador renuncia ao mandato no início do seu último
lidade, ou seja, os requisitos que devem ser preenchidos para que ano de governo para concorrer ao Senado Federal e é substituído
uma pessoa seja eleita, no exercício de sua capacidade passiva do pelo seu vice-governador. Se este se candidatar e for eleito, não
sufrágio universal. poderá ao final deste mandato se reeleger. Isto é, se o mandato o
Artigo 14, § 3º, CF. São condições de elegibilidade, na forma candidato renuncia no início de 2010 o seu mandato de 2007-2010,
da lei: assumindo o vice em 2010, poderá este se candidatar para o man-
I - a nacionalidade brasileira; dato 2011-2014, mas caso seja eleito não poderá se reeleger para
II - o pleno exercício dos direitos políticos; o mandato 2015-2018 no mesmo cargo. Foi o que aconteceu com
III - o alistamento eleitoral; o ex-governador de Minas Gerais, Antônio Anastasia, que assumiu
IV - o domicílio eleitoral na circunscrição; em 2010 no lugar de Aécio Neves o governo do Estado de Minas
V - a filiação partidária; Gerais e foi eleito governador entre 2011 e 2014, mas não pode se
VI - a idade mínima de: candidatar à reeleição, concorrendo por isso a uma vaga no Senado
a) trinta e cinco anos para Presidente e Vice-Presidente da Re- Federal.
pública e Senador; Artigo 14, §6º, CF. Para concorrerem a outros cargos, o Presi-
b) trinta anos para Governador e Vice-Governador de Estado e dente da República, os Governadores de Estado e do Distrito Fe-
do Distrito Federal; deral e os Prefeitos devem renunciar aos respectivos mandatos até
c) vinte e um anos para Deputado Federal, Deputado Estadual seis meses antes do pleito.
ou Distrital, Prefeito, Vice-Prefeito e juiz de paz; São inelegíveis absolutamente, para quaisquer cargos, os che-
d) dezoito anos para Vereador. fes do Executivo que não renunciarem aos seus mandatos até seis
Artigo 14, § 4º, CF. São inelegíveis os inalistáveis e os analfa- meses antes do pleito eleitoral, antes das eleições. Ex.: Se a eleição
betos. aconteceu em 05/10/2014, necessário que tivesse renunciado até
Dos incisos I a III denotam-se requisitos correlatos à naciona- 04/04/2014.
lidade e à titularidade de direitos políticos. Logo, para ser eleito é Artigo 14, §7º, CF. São inelegíveis, no território de jurisdição do
preciso ser cidadão. titular, o cônjuge e os parentes consanguíneos ou afins, até o segun-
O domicílio eleitoral é o local onde a pessoa se alista como do grau ou por adoção, do Presidente da República, de Governador
eleitor e, em regra, é no município onde reside, mas pode não o de Estado ou Território, do Distrito Federal, de Prefeito ou de quem
ser caso analisados aspectos como o vínculo de afeto com o local os haja substituído dentro dos seis meses anteriores ao pleito, salvo
(ex.: Presidente Dilma vota em Porto Alegre – RS, embora resida se já titular de mandato eletivo e candidato à reeleição.
em Brasília – DF). Sendo assim, para se candidatar a cargo no mu- São inelegíveis absolutamente, para quaisquer cargos, cônjuge
nicípio, deve ter domicílio eleitoral nele; para se candidatar a cargo e os parentes consanguíneos ou afins, até o segundo grau ou por
no estado, deve ter domicílio eleitoral em um de seus municípios; adoção, dos Chefes do Executivo ou de quem os tenha substituído
para se candidatar a cargo nacional, deve ter domicílio eleitoral em ao final do mandato, a não ser que seja já titular de mandato eletivo
uma das unidades federadas do país. Aceita-se a transferência do e candidato à reeleição.
domicílio eleitoral ao menos 1 ano antes das eleições. Artigo 14, §8º, CF. O militar alistável é elegível, atendidas as
A filiação partidária implica no lançamento da candidatura por seguintes condições:
um partido político, não se aceitando a filiação avulsa. I - se contar menos de dez anos de serviço, deverá afastar-se
Finalmente, o §3º do artigo 14, CF, coloca o requisito etário, da atividade;
com faixa etária mínima para o desempenho de cada uma das fun- II - se contar mais de dez anos de serviço, será agregado pela
ções, a qual deve ser auferida na data da posse. autoridade superior e, se eleito, passará automaticamente, no ato
3.5) Inelegibilidade da diplomação, para a inatividade.
Atender às condições de elegibilidade é necessário para poder São inelegíveis absolutamente, para quaisquer cargos, os mili-
ser eleito, mas não basta. Além disso, é preciso não se enquadrar tares que não podem se alistar ou os que podem, mas não preen-
em nenhuma das hipóteses de inelegibilidade. chem as condições do §8º do artigo 14, CF, ou seja, se não se afastar
A inelegibilidade pode ser absoluta ou relativa. Na absoluta, da atividade caso trabalhe há menos de 10 anos, se não for agre-
são atingidos todos os cargos; nas relativas, são atingidos determi- gado pela autoridade superior (suspenso do exercício das funções
nados cargos. por sua autoridade sem prejuízo de remuneração) caso trabalhe há
Artigo 14, § 4º, CF. São inelegíveis os inalistáveis e os analfa- mais de 10 anos (sendo que a eleição passa à condição de inativo).
betos. Artigo 14, §9º, CF. Lei complementar estabelecerá outros casos
O artigo 14, §4º, CF traz duas hipóteses de inelegibilidade, que de inelegibilidade e os prazos de sua cessação, a fim de proteger a
são absolutas, atingem todos os cargos. Para ser elegível é preciso probidade administrativa, a moralidade para exercício de mandato
ser alfabetizado (os analfabetos têm a faculdade de votar, mas não considerada vida pregressa do candidato, e a normalidade e legiti-
podem ser votados) e é preciso possuir a capacidade eleitoral ativa midade das eleições contra a influência do poder econômico ou o
– poder votar (inalistáveis são aqueles que não podem tirar o título abuso do exercício de função, cargo ou emprego na administração
de eleitor, portanto, não podem votar, notadamente: os estrangei- direta ou indireta.
ros e os conscritos durante o serviço militar obrigatório). O rol constitucional de inelegibilidades dos parágrafos do artigo
Artigo 14, §5º, CF. O Presidente da República, os Governadores 14 não é taxativo, pois lei complementar pode estabelecer outros
de Estado e do Distrito Federal, os Prefeitos e quem os houver suce- casos, tanto de inelegibilidades absolutas como de inelegibilidades
dido, ou substituído no curso dos mandatos poderão ser reeleitos relativas. Neste sentido, a Lei Complementar nº 64, de 18 de maio
para um único período subsequente. de 1990, estabelece casos de inelegibilidade, prazos de cessação,

24
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
e determina outras providências. Esta lei foi alterada por aquela h) os detentores de cargo na administração pública direta, in-
que ficou conhecida como Lei da Ficha Limpa, Lei Complementar direta ou fundacional, que beneficiarem a si ou a terceiros, pelo
nº 135, de 04 de junho de 2010, principalmente em seu artigo 1º, abuso do poder econômico ou político, que forem condenados em
que segue. decisão transitada em julgado ou proferida por órgão judicial cole-
Art. 1º, Lei Complementar nº 64/1990. São inelegíveis: giado, para a eleição na qual concorrem ou tenham sido diploma-
I - para qualquer cargo: dos, bem como para as que se realizarem nos 8 (oito) anos seguin-
a) os inalistáveis e os analfabetos; tes; (Redação dada pela Lei Complementar nº 135, de 2010)
b) os membros do Congresso Nacional, das Assembleias Legis- i) os que, em estabelecimentos de crédito, financiamento ou
lativas, da Câmara Legislativa e das Câmaras Municipais, que ha- seguro, que tenham sido ou estejam sendo objeto de processo de
jam perdido os respectivos mandatos por infringência do disposto liquidação judicial ou extrajudicial, hajam exercido, nos 12 (doze)
nos incisos I e II do art. 55 da Constituição Federal, dos dispositivos meses anteriores à respectiva decretação, cargo ou função de dire-
equivalentes sobre perda de mandato das Constituições Estaduais e ção, administração ou representação, enquanto não forem exone-
Leis Orgânicas dos Municípios e do Distrito Federal, para as eleições rados de qualquer responsabilidade;
que se realizarem durante o período remanescente do mandato j) os que forem condenados, em decisão transitada em julgado
para o qual foram eleitos e nos oito anos subsequentes ao término ou proferida por órgão colegiado da Justiça Eleitoral, por corrupção
da legislatura; eleitoral, por captação ilícita de sufrágio, por doação, captação ou
d) os que tenham contra sua pessoa representação julgada pro- gastos ilícitos de recursos de campanha ou por conduta vedada aos
cedente pela Justiça Eleitoral, em decisão transitada em julgado ou
agentes públicos em campanhas eleitorais que impliquem cassação
proferida por órgão colegiado, em processo de apuração de abuso
do registro ou do diploma, pelo prazo de 8 (oito) anos a contar da
do poder econômico ou político, para a eleição na qual concorrem
eleição; (Incluído pela Lei Complementar nº 135, de 2010)
ou tenham sido diplomados, bem como para as que se realizarem
k) o Presidente da República, o Governador de Estado e do
nos 8 (oito) anos seguintes; (Redação dada pela Lei Complementar
nº 135, de 2010) Distrito Federal, o Prefeito, os membros do Congresso Nacional,
e) os que forem condenados, em decisão transitada em julga- das Assembleias Legislativas, da Câmara Legislativa, das Câmaras
do ou proferida por órgão judicial colegiado, desde a condenação Municipais, que renunciarem a seus mandatos desde o oferecimen-
até o transcurso do prazo de 8 (oito) anos após o cumprimento da to de representação ou petição capaz de autorizar a abertura de
pena, pelos crimes: (Redação dada pela Lei Complementar nº 135, processo por infringência a dispositivo da Constituição Federal, da
de 2010) Constituição Estadual, da Lei Orgânica do Distrito Federal ou da Lei
1. contra a economia popular, a fé pública, a administração pú- Orgânica do Município, para as eleições que se realizarem durante o
blica e o patrimônio público; (Incluído pela Lei Complementar nº período remanescente do mandato para o qual foram eleitos e nos
135, de 2010) 8 (oito) anos subsequentes ao término da legislatura; (Incluído pela
2. contra o patrimônio privado, o sistema financeiro, o merca- Lei Complementar nº 135, de 2010)
do de capitais e os previstos na lei que regula a falência; (Incluído l) os que forem condenados à suspensão dos direitos políticos,
pela Lei Complementar nº 135, de 2010) em decisão transitada em julgado ou proferida por órgão judicial
3. contra o meio ambiente e a saúde pública; (Incluído pela Lei colegiado, por ato doloso de improbidade administrativa que im-
Complementar nº 135, de 2010) porte lesão ao patrimônio público e enriquecimento ilícito, desde
4. eleitorais, para os quais a lei comine pena privativa de liber- a condenação ou o trânsito em julgado até o transcurso do prazo
dade; (Incluído pela Lei Complementar nº 135, de 2010) de 8 (oito) anos após o cumprimento da pena; (Incluído pela Lei
5. de abuso de autoridade, nos casos em que houver conde- Complementar nº 135, de 2010)
nação à perda do cargo ou à inabilitação para o exercício de função m) os que forem excluídos do exercício da profissão, por deci-
pública; (Incluído pela Lei Complementar nº 135, de 2010) são sancionatória do órgão profissional competente, em decorrên-
6. de lavagem ou ocultação de bens, direitos e valores; (Incluí- cia de infração ético-profissional, pelo prazo de 8 (oito) anos, salvo
do pela Lei Complementar nº 135, de 2010) se o ato houver sido anulado ou suspenso pelo Poder Judiciário;
7. de tráfico de entorpecentes e drogas afins, racismo, tortura, (Incluído pela Lei Complementar nº 135, de 2010)
terrorismo e hediondos; n) os que forem condenados, em decisão transitada em julgado
8. de redução à condição análoga à de escravo; (Incluído pela ou proferida por órgão judicial colegiado, em razão de terem desfei-
Lei Complementar nº 135, de 2010)
to ou simulado desfazer vínculo conjugal ou de união estável para
9. contra a vida e a dignidade sexual; e (Incluído pela Lei Com-
evitar caracterização de inelegibilidade, pelo prazo de 8 (oito) anos
plementar nº 135, de 2010)
após a decisão que reconhecer a fraude; (Incluído pela Lei Comple-
10. praticados por organização criminosa, quadrilha ou bando;
mentar nº 135, de 2010)
(Incluído pela Lei Complementar nº 135, de 2010)
f) os que forem declarados indignos do oficialato, ou com ele o) os que forem demitidos do serviço público em decorrência
incompatíveis, pelo prazo de 8 (oito) anos; (Redação dada pela Lei de processo administrativo ou judicial, pelo prazo de 8 (oito) anos,
Complementar nº 135, de 2010) contado da decisão, salvo se o ato houver sido suspenso ou anulado
g) os que tiverem suas contas relativas ao exercício de cargos pelo Poder Judiciário; (Incluído pela Lei Complementar nº 135, de
ou funções públicas rejeitadas por irregularidade insanável que 2010)
configure ato doloso de improbidade administrativa, e por decisão p) a pessoa física e os dirigentes de pessoas jurídicas responsá-
irrecorrível do órgão competente, salvo se esta houver sido suspen- veis por doações eleitorais tidas por ilegais por decisão transitada
sa ou anulada pelo Poder Judiciário, para as eleições que se rea- em julgado ou proferida por órgão colegiado da Justiça Eleitoral,
lizarem nos 8 (oito) anos seguintes, contados a partir da data da pelo prazo de 8 (oito) anos após a decisão, observando-se o pro-
decisão, aplicando-se o disposto no inciso II do art. 71 da Constitui- cedimento previsto no art. 22; (Incluído pela Lei Complementar nº
ção Federal, a todos os ordenadores de despesa, sem exclusão de 135, de 2010)
mandatários que houverem agido nessa condição; (Redação dada
pela Lei Complementar nº 135, de 2010)

25
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
q) os magistrados e os membros do Ministério Público que h) os que, até 6 (seis) meses depois de afastados das funções,
forem aposentados compulsoriamente por decisão sancionatória, tenham exercido cargo de Presidente, Diretor ou Superintendente
que tenham perdido o cargo por sentença ou que tenham pedido de sociedades com objetivos exclusivos de operações financeiras e
exoneração ou aposentadoria voluntária na pendência de processo façam publicamente apelo à poupança e ao crédito, inclusive atra-
administrativo disciplinar, pelo prazo de 8 (oito) anos; (Incluído pela vés de cooperativas e da empresa ou estabelecimentos que gozem,
Lei Complementar nº 135, de 2010) sob qualquer forma, de vantagens asseguradas pelo poder público,
II - para Presidente e Vice-Presidente da República: salvo se decorrentes de contratos que obedeçam a cláusulas uni-
a) até 6 (seis) meses depois de afastados definitivamente de formes;
seus cargos e funções: i) os que, dentro de 6 (seis) meses anteriores ao pleito, hajam
1. os Ministros de Estado: exercido cargo ou função de direção, administração ou representa-
2. os chefes dos órgãos de assessoramento direto, civil e militar, ção em pessoa jurídica ou em empresa que mantenha contrato de
da Presidência da República; execução de obras, de prestação de serviços ou de fornecimento de
3. o chefe do órgão de assessoramento de informações da Pre- bens com órgão do Poder Público ou sob seu controle, salvo no caso
sidência da República; de contrato que obedeça a cláusulas uniformes;
4. o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas; j) os que, membros do Ministério Público, não se tenham afas-
tado das suas funções até 6 (seis) meses anteriores ao pleito;
5. o Advogado-Geral da União e o Consultor-Geral da Repúbli-
I) os que, servidores públicos, estatutários ou não, dos órgãos
ca;
ou entidades da Administração direta ou indireta da União, dos Es-
6. os chefes do Estado-Maior da Marinha, do Exército e da Ae-
tados, do Distrito Federal, dos Municípios e dos Territórios, inclu-
ronáutica;
sive das fundações mantidas pelo Poder Público, não se afastarem
7. os Comandantes do Exército, Marinha e Aeronáutica; até 3 (três) meses anteriores ao pleito, garantido o direito à percep-
8. os Magistrados; ção dos seus vencimentos integrais;
9. os Presidentes, Diretores e Superintendentes de autarquias, III - para Governador e Vice-Governador de Estado e do Distrito
empresas públicas, sociedades de economia mista e fundações pú- Federal;
blicas e as mantidas pelo poder público; a) os inelegíveis para os cargos de Presidente e Vice-Presidente
10. os Governadores de Estado, do Distrito Federal e de Terri- da República especificados na alínea a do inciso II deste artigo e, no
tórios; tocante às demais alíneas, quando se tratar de repartição pública,
11. os Interventores Federais; associação ou empresas que operem no território do Estado ou do
12. os Secretários de Estado; Distrito Federal, observados os mesmos prazos;
13. os Prefeitos Municipais; b) até 6 (seis) meses depois de afastados definitivamente de
14. os membros do Tribunal de Contas da União, dos Estados e seus cargos ou funções:
do Distrito Federal; 1. os chefes dos Gabinetes Civil e Militar do Governador do Es-
15. o Diretor-Geral do Departamento de Polícia Federal; tado ou do Distrito Federal;
16. os Secretários-Gerais, os Secretários-Executivos, os Secretá- 2. os comandantes do Distrito Naval, Região Militar e Zona Aé-
rios Nacionais, os Secretários Federais dos Ministérios e as pessoas rea;
que ocupem cargos equivalentes; 3. os diretores de órgãos estaduais ou sociedades de assistên-
b) os que tenham exercido, nos 6 (seis) meses anteriores à elei- cia aos Municípios;
ção, nos Estados, no Distrito Federal, Territórios e em qualquer dos 4. os secretários da administração municipal ou membros de
poderes da União, cargo ou função, de nomeação pelo Presidente órgãos congêneres;
da República, sujeito à aprovação prévia do Senado Federal; IV - para Prefeito e Vice-Prefeito:
c) (Vetado); a) no que lhes for aplicável, por identidade de situações, os ine-
d) os que, até 6 (seis) meses antes da eleição, tiverem com- legíveis para os cargos de Presidente e Vice-Presidente da Repúbli-
petência ou interesse, direta, indireta ou eventual, no lançamento, ca, Governador e Vice-Governador de Estado e do Distrito Federal,
arrecadação ou fiscalização de impostos, taxas e contribuições de observado o prazo de 4 (quatro) meses para a desincompatibiliza-
ção;
caráter obrigatório, inclusive parafiscais, ou para aplicar multas re-
b) os membros do Ministério Público e Defensoria Pública em
lacionadas com essas atividades;
exercício na Comarca, nos 4 (quatro) meses anteriores ao pleito,
e) os que, até 6 (seis) meses antes da eleição, tenham exercido
sem prejuízo dos vencimentos integrais;
cargo ou função de direção, administração ou representação nas
c) as autoridades policiais, civis ou militares, com exercício no
empresas de que tratam os arts. 3° e 5° da Lei n° 4.137, de 10 de Município, nos 4 (quatro) meses anteriores ao pleito;
setembro de 1962, quando, pelo âmbito e natureza de suas ativida- V - para o Senado Federal:
des, possam tais empresas influir na economia nacional; a) os inelegíveis para os cargos de Presidente e Vice-Presidente
f) os que, detendo o controle de empresas ou grupo de em- da República especificados na alínea a do inciso II deste artigo e, no
presas que atuem no Brasil, nas condições monopolísticas previstas tocante às demais alíneas, quando se tratar de repartição pública,
no parágrafo único do art. 5° da lei citada na alínea anterior, não associação ou empresa que opere no território do Estado, observa-
apresentarem à Justiça Eleitoral, até 6 (seis) meses antes do pleito, dos os mesmos prazos;
a prova de que fizeram cessar o abuso apurado, do poder econômi- b) em cada Estado e no Distrito Federal, os inelegíveis para os
co, ou de que transferiram, por força regular, o controle de referidas cargos de Governador e Vice-Governador, nas mesmas condições
empresas ou grupo de empresas; estabelecidas, observados os mesmos prazos;
g) os que tenham, dentro dos 4 (quatro) meses anteriores ao VI - para a Câmara dos Deputados, Assembleia Legislativa e Câ-
pleito, ocupado cargo ou função de direção, administração ou re- mara Legislativa, no que lhes for aplicável, por identidade de situa-
presentação em entidades representativas de classe, mantidas, to- ções, os inelegíveis para o Senado Federal, nas mesmas condições
tal ou parcialmente, por contribuições impostas pelo poder Público estabelecidas, observados os mesmos prazos;
ou com recursos arrecadados e repassados pela Previdência Social; VII - para a Câmara Municipal:

26
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
a) no que lhes for aplicável, por identidade de situações, os O inciso V se refere à ação de improbidade administrativa, que
inelegíveis para o Senado Federal e para a Câmara dos Deputados, tramita para apurar a prática dos atos de improbidade administra-
observado o prazo de 6 (seis) meses para a desincompatibilização; tiva, na qual uma das penas aplicáveis é a suspensão dos direitos
b) em cada Município, os inelegíveis para os cargos de Prefeito políticos.
e Vice-Prefeito, observado o prazo de 6 (seis) meses para a desin- Os direitos políticos somente são perdidos em dois casos, quais
compatibilização . sejam cancelamento de naturalização por sentença transitada em
§ 1° Para concorrência a outros cargos, o Presidente da Repú- julgado (o indivíduo naturalizado volta à condição de estrangeiro) e
blica, os Governadores de Estado e do Distrito Federal e os Prefeitos perda da nacionalidade brasileira em virtude da aquisição de outra
devem renunciar aos respectivos mandatos até 6 (seis) meses antes (brasileiro se naturaliza em outro país e assim deixa de ser consi-
do pleito. derado um cidadão brasileiro, perdendo direitos políticos). Nos de-
§ 2° O Vice-Presidente, o Vice-Governador e o Vice-Prefeito po- mais casos, há suspensão. Nota-se que não há perda de direitos
derão candidatar-se a outros cargos, preservando os seus manda- políticos pela prática de atos atentatórios contra a Administração
tos respectivos, desde que, nos últimos 6 (seis) meses anteriores ao Pública por parte do servidor, mas apenas suspensão.
pleito, não tenham sucedido ou substituído o titular. A cassação de direitos políticos, consistente na retirada dos di-
§ 3° São inelegíveis, no território de jurisdição do titular, o côn- reitos políticos por ato unilateral do poder público, sem observância
juge e os parentes, consanguíneos ou afins, até o segundo grau ou dos princípios elencados no artigo 5º, LV, CF (ampla defesa e contra-
por adoção, do Presidente da República, de Governador de Estado ditório), é um procedimento que só existe nos governos ditatoriais
ou Território, do Distrito Federal, de Prefeito ou de quem os haja e que é absolutamente vedado pelo texto constitucional.
substituído dentro dos 6 (seis) meses anteriores ao pleito, salvo se 3.8) Anterioridade anual da lei eleitoral
já titular de mandato eletivo e candidato à reeleição. Art. 16, CF. A lei que alterar o processo eleitoral entrará em vi-
gor na data de sua publicação, não se aplicando à eleição que ocor-
§ 4º A inelegibilidade prevista na alínea e do inciso I deste ar-
ra até um ano da data de sua vigência.
tigo não se aplica aos crimes culposos e àqueles definidos em lei
É necessário que a lei eleitoral entre em vigor pelo menos 1
como de menor potencial ofensivo, nem aos crimes de ação penal
ano antes da próxima eleição, sob pena de não se aplicar a ela, mas
privada. (Incluído pela Lei Complementar nº 135, de 2010)
somente ao próximo pleito.
§ 5º A renúncia para atender à desincompatibilização com vis- O pluripartidarismo é uma das facetas do pluralismo político
tas a candidatura a cargo eletivo ou para assunção de mandato não e encontra respaldo enquanto direito fundamental, já que regula-
gerará a inelegibilidade prevista na alínea k, a menos que a Justiça mentado no Título II, “Dos Direitos e Garantias Fundamentais”, ca-
Eleitoral reconheça fraude ao disposto nesta Lei Complementar. (In- pítulo V, “Dos Partidos Políticos”.
cluído pela Lei Complementar nº 135, de 2010). O caput do artigo 17 da Constituição prevê:
3.6) Impugnação de mandato Art. 17. É livre a criação, fusão, incorporação e extinção de
Encerrando a disciplina, o artigo 14, CF, aborda a impugnação partidos políticos, resguardados a soberania nacional, o regime de-
de mandato. mocrático, o pluripartidarismo, os direitos fundamentais da pessoa
Artigo 14, § 10, CF. O mandato eletivo poderá ser impugnado humana [...].
ante a Justiça Eleitoral no prazo de quinze dias contados da diplo- Consolida-se, assim a liberdade partidária, não estabelecen-
mação, instruída a ação com provas de abuso do poder econômico, do a Constituição um limite de números de partidos políticos que
corrupção ou fraude. possam ser constituídos, permitindo também que sejam extintos,
Artigo 14, § 11, CF. A ação de impugnação de mandato tramita- fundidos e incorporados.
rá em segredo de justiça, respondendo o autor, na forma da lei, se Os incisos do artigo 17 da Constituição indicam os preceitos a
temerária ou de manifesta má-fé. serem observados na liberdade partidária: caráter nacional, ou seja,
3.7) Perda e suspensão de direitos políticos terem por objetivo o desempenho de atividade política no âmbito
Art. 15, CF. É vedada a cassação de direitos políticos, cuja perda interno do país; proibição de recebimento de recursos financeiros
ou suspensão só se dará nos casos de: de entidade ou governo estrangeiros ou de subordinação a estes,
I - cancelamento da naturalização por sentença transitada em logo, o Poder Público não pode financiar campanhas eleitorais;
julgado; prestação de contas à Justiça Eleitoral, notadamente para resguar-
II - incapacidade civil absoluta; dar a mencionada vedação; e funcionamento parlamentar de acor-
III - condenação criminal transitada em julgado, enquanto du- do com a lei. Ainda, a lei veda a utilização de organização paramili-
rarem seus efeitos; tar por parte dos partidos políticos (artigo 17, §4º, CF).
IV - recusa de cumprir obrigação a todos imposta ou prestação O respeito a estes ditames permite o exercício do partidarismo
de forma autônoma em termos estruturais e organizacionais, con-
alternativa, nos termos do art. 5º, VIII;
forme o §1º do artigo 17, CF:
V - improbidade administrativa, nos termos do art. 37, § 4º.
Art. 17, §1º, CF. § 1º É assegurada aos partidos políticos auto-
O inciso I refere-se ao cancelamento da naturalização, o que
nomia para definir sua estrutura interna e estabelecer regras sobre
faz com que a pessoa deixe de ser nacional e, portanto, deixe de ser
escolha, formação e duração de seus órgãos permanentes e pro-
titular de direitos políticos. visórios e sobre sua organização e funcionamento e para adotar
O inciso II trata da incapacidade civil absoluta, ou seja, da inter- os critérios de escolha e o regime de suas coligações nas eleições
dição da pessoa para a prática de atos da vida civil, entre os quais majoritárias, vedada a sua celebração nas eleições proporcionais,
obviamente se enquadra o sufrágio universal. sem obrigatoriedade de vinculação entre as candidaturas em âmbi-
O inciso III refere-se a um dos possíveis efeitos da condenação to nacional, estadual, distrital ou municipal, devendo seus estatutos
criminal, que é a suspensão de direitos políticos. estabelecer normas de disciplina e fidelidade partidária.
O inciso IV trata da recusa em cumprir a obrigação militar ou Os estatutos que tecem esta regulamentação devem ser regis-
a prestação substitutiva imposta em caso de escusa moral ou reli- trados no Tribunal Superior Eleitoral (artigo 17, §2º, CF).
giosa. Quanto ao financiamento das campanhas e o acesso à mídia,
preveem os §§3º e 5º do artigo 17 da CF:

27
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
Art. 17, §3º, CF. Somente terão direito a recursos do fundo par- a) Princípio da legalidade: Para o particular, legalidade significa
tidário e acesso gratuito ao rádio e à televisão, na forma da lei, os a permissão de fazer tudo o que a lei não proíbe. Contudo, como
partidos políticos que alternativamente: a administração pública representa os interesses da coletividade,
I - obtiverem, nas eleições para a Câmara dos Deputados, no ela se sujeita a uma relação de subordinação, pela qual só poderá
mínimo, 3% (três por cento) dos votos válidos, distribuídos em pelo fazer o que a lei expressamente determina (assim, na esfera estatal,
menos um terço das unidades da Federação, com um mínimo de 2% é preciso lei anterior editando a matéria para que seja preservado
(dois por cento) dos votos válidos em cada uma delas; ou o princípio da legalidade). A origem deste princípio está na criação
II - tiverem elegido pelo menos quinze Deputados Federais dis- do Estado de Direito, no sentido de que o próprio Estado deve res-
tribuídos em pelo menos um terço das unidades da Federação. peitar as leis que dita.
Art. 17, §5º, CF. Ao eleito por partido que não preencher os b) Princípio da impessoalidade: Por força dos interesses que
requisitos previstos no § 3º deste artigo é assegurado o mandato representa, a administração pública está proibida de promover
e facultada a filiação, sem perda do mandato, a outro partido que discriminações gratuitas. Discriminar é tratar alguém de forma di-
os tenha atingido, não sendo essa filiação considerada para fins de ferente dos demais, privilegiando ou prejudicando. Segundo este
distribuição dos recursos do fundo partidário e de acesso gratuito princípio, a administração pública deve tratar igualmente todos
ao tempo de rádio e de televisão. aqueles que se encontrem na mesma situação jurídica (princípio
da isonomia ou igualdade). Por exemplo, a licitação reflete a im-
pessoalidade no que tange à contratação de serviços. O princípio
2 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (ARTIGOS DE 37 A 41,
da impessoalidade correlaciona-se ao princípio da finalidade, pelo
CAPÍTULO VII, CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 E
ATUALIZAÇÕES). qual o alvo a ser alcançado pela administração pública é somente
o interesse público. Com efeito, o interesse particular não pode in-
fluenciar no tratamento das pessoas, já que deve-se buscar somen-
TÍTULO III te a preservação do interesse coletivo.
Da Organização do Estado c) Princípio da moralidade: A posição deste princípio no artigo
CAPÍTULO VII 37 da CF representa o reconhecimento de uma espécie de morali-
DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
dade administrativa, intimamente relacionada ao poder público. A
administração pública não atua como um particular, de modo que
1) Princípios da Administração Pública
enquanto o descumprimento dos preceitos morais por parte deste
Os valores éticos inerentes ao Estado, os quais permitem que
particular não é punido pelo Direito (a priori), o ordenamento jurí-
ele consolide o bem comum e garanta a preservação dos interesses
da coletividade, se encontram exteriorizados em princípios e regras. dico adota tratamento rigoroso do comportamento imoral por par-
Estes, por sua vez, são estabelecidos na Constituição Federal e em te dos representantes do Estado. O princípio da moralidade deve
legislações infraconstitucionais, a exemplo das que serão estudadas se fazer presente não só para com os administrados, mas também
neste tópico, quais sejam: Decreto n° 1.171/94, Lei n° 8.112/90 e no âmbito interno. Está indissociavelmente ligado à noção de bom
Lei n° 8.429/92. administrador, que não somente deve ser conhecedor da lei, mas
Todas as diretivas de leis específicas sobre a ética no setor pú- também dos princípios éticos regentes da função administrativa.
blico partem da Constituição Federal, que estabelece alguns princí- TODO ATO IMORAL SERÁ DIRETAMENTE ILEGAL OU AO MENOS IM-
pios fundamentais para a ética no setor público. Em outras palavras, PESSOAL, daí a intrínseca ligação com os dois princípios anteriores.
é o texto constitucional do artigo 37, especialmente o caput, que d) Princípio da publicidade: A administração pública é obriga-
permite a compreensão de boa parte do conteúdo das leis especí- da a manter transparência em relação a todos seus atos e a todas
ficas, porque possui um caráter amplo ao preconizar os princípios informações armazenadas nos seus bancos de dados. Daí a publica-
fundamentais da administração pública. Estabelece a Constituição ção em órgãos da imprensa e a afixação de portarias. Por exemplo,
Federal: a própria expressão concurso público (art. 37, II, CF) remonta ao
Artigo 37, CF. A administração pública direta e indireta de qual- ideário de que todos devem tomar conhecimento do processo sele-
quer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos tivo de servidores do Estado. Diante disso, como será visto, se negar
Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, indevidamente a fornecer informações ao administrado caracteriza
moralidade, publicidade e eficiência e, também, ao seguinte: [...] ato de improbidade administrativa.
No mais, prevê o §1º do artigo 37, CF, evitando que o princípio
São princípios da administração pública, nesta ordem: da publicidade seja deturpado em propaganda político-eleitoral:
Legalidade
Impessoalidade Artigo 37, §1º, CF. A publicidade dos atos, programas, obras,
Moralidade serviços e campanhas dos órgãos públicos deverá ter caráter edu-
Publicidade cativo, informativo ou de orientação social, dela não podendo
Eficiência constar nomes, símbolos ou imagens que caracterizem promoção
pessoal de autoridades ou servidores públicos.
Para memorizar: veja que as iniciais das palavras formam o vo-
Somente pela publicidade os indivíduos controlarão a legali-
cábulo LIMPE, que remete à limpeza esperada da Administração Pú-
dade e a eficiência dos atos administrativos. Os instrumentos para
blica. É de fundamental importância um olhar atento ao significado
proteção são o direito de petição e as certidões (art. 5°, XXXIV, CF),
de cada um destes princípios, posto que eles estruturam todas as
regras éticas prescritas no Código de Ética e na Lei de Improbidade além do habeas data e - residualmente - do mandado de segurança.
Administrativa, tomando como base os ensinamentos de Carvalho Neste viés, ainda, prevê o artigo 37, CF em seu §3º:
Filho13 e Spitzcovsky14: Artigo 37, §3º, CF. A lei disciplinará as formas de participação
do usuário na administração pública direta e indireta, regulando
13CARVALHO FILHO, José dos Santos. Manual de direito admin- especialmente:
istrativo. 23. ed. Rio de Janeiro: Lumen juris, 2010.
14SPITZCOVSKY, Celso. Direito Administrativo. 13. ed. São Paulo: Método, 2011.

28
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
I - as reclamações relativas à prestação dos serviços públicos Meirelles16 entende que o ato discricionário, editado sob os
em geral, asseguradas a manutenção de serviços de atendimento limites da Lei, confere ao administrador uma margem de liberda-
ao usuário e a avaliação periódica, externa e interna, da qualidade de para fazer um juízo de conveniência e oportunidade, não sendo
dos serviços; necessária a motivação. No entanto, se houver tal fundamentação,
II - o acesso dos usuários a registros administrativos e a infor- o ato deverá condicionar-se a esta, em razão da necessidade de ob-
mações sobre atos de governo, observado o disposto no art. 5º, X servância da Teoria dos Motivos Determinantes. O entendimento
e XXXIII; majoritário da doutrina, porém, é de que, mesmo no ato discricio-
III - a disciplina da representação contra o exercício negligente nário, é necessária a motivação para que se saiba qual o caminho
ou abusivo de cargo, emprego ou função na administração pública. adotado pelo administrador. Gasparini17, com respaldo no art. 50
da Lei n. 9.784/98, aponta inclusive a superação de tais discussões
e) Princípio da eficiência: A administração pública deve man- doutrinárias, pois o referido artigo exige a motivação para todos
ter o ampliar a qualidade de seus serviços com controle de gastos. os atos nele elencados, compreendendo entre estes, tanto os atos
Isso envolve eficiência ao contratar pessoas (o concurso público discricionários quanto os vinculados.
seleciona os mais qualificados ao exercício do cargo), ao manter
tais pessoas em seus cargos (pois é possível exonerar um servidor 2) Regras mínimas sobre direitos e deveres dos servidores
público por ineficiência) e ao controlar gastos (limitando o teto de O artigo 37 da Constituição Federal estabelece os princípios
remuneração), por exemplo. O núcleo deste princípio é a procura da administração pública estudados no tópico anterior, aos quais
por produtividade e economicidade. Alcança os serviços públicos estão sujeitos servidores de quaisquer dos Poderes em qualquer
e os serviços administrativos internos, se referindo diretamente à das esferas federativas, e, em seus incisos, regras mínimas sobre o
conduta dos agentes. serviço público:
Além destes cinco princípios administrativo-constitucionais
diretamente selecionados pelo constituinte, podem ser apontados Artigo 37, I, CF. Os cargos, empregos e funções públicas são
como princípios de natureza ética relacionados à função pública a acessíveis aos brasileiros que preencham os requisitos estabeleci-
probidade e a motivação: dos em lei, assim como aos estrangeiros, na forma da lei.
a) Princípio da probidade: um princípio constitucional incluído
dentro dos princípios específicos da licitação, é o dever de todo o Aprofundando a questão, tem-se o artigo 5º da Lei nº
administrador público, o dever de honestidade e fidelidade com o 8.112/1990, que prevê:
Estado, com a população, no desempenho de suas funções. Possui
contornos mais definidos do que a moralidade. Diógenes Gaspari- Artigo 5º, Lei nº 8.112/1990. São requisitos básicos para inves-
ni15 alerta que alguns autores tratam veem como distintos os prin- tidura em cargo público:
cípios da moralidade e da probidade administrativa, mas não há ca- I - a nacionalidade brasileira;
racterísticas que permitam tratar os mesmos como procedimentos II - o gozo dos direitos políticos;
distintos, sendo no máximo possível afirmar que a probidade ad- III - a quitação com as obrigações militares e eleitorais;
ministrativa é um aspecto particular da moralidade administrativa. IV - o nível de escolaridade exigido para o exercício do cargo;
b) Princípio da motivação: É a obrigação conferida ao admi- V - a idade mínima de dezoito anos;
nistrador de motivar todos os atos que edita, gerais ou de efeitos VI - aptidão física e mental.
concretos. É considerado, entre os demais princípios, um dos mais § 1º As atribuições do cargo podem justificar a exigência de
importantes, uma vez que sem a motivação não há o devido pro- outros requisitos estabelecidos em lei. [...]
cesso legal, uma vez que a fundamentação surge como meio inter- § 3º As universidades e instituições de pesquisa científica e
pretativo da decisão que levou à prática do ato impugnado, sendo tecnológica federais poderão prover seus cargos com professores,
verdadeiro meio de viabilização do controle da legalidade dos atos técnicos e cientistas estrangeiros, de acordo com as normas e os
da Administração. procedimentos desta Lei.
Motivar significa mencionar o dispositivo legal aplicável ao caso Destaca-se a exceção ao inciso I do artigo 5° da Lei nº 8.112/1990
concreto e relacionar os fatos que concretamente levaram à aplica- e do inciso I do artigo 37, CF, prevista no artigo 207 da Constituição,
ção daquele dispositivo legal. Todos os atos administrativos devem permitindo que estrangeiros assumam cargos no ramo da pesquisa,
ser motivados para que o Judiciário possa controlar o mérito do ato ciência e tecnologia.
administrativo quanto à sua legalidade. Para efetuar esse controle, Artigo 37, II, CF. A investidura em cargo ou emprego público
devem ser observados os motivos dos atos administrativos. depende de aprovação prévia em concurso público de provas ou
Em relação à necessidade de motivação dos atos administra- de provas e títulos, de acordo com a natureza e a complexidade do
tivos vinculados (aqueles em que a lei aponta um único comporta- cargo ou emprego, na forma prevista em lei, ressalvadas as nome-
mento possível) e dos atos discricionários (aqueles que a lei, dentro ações para cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação
dos limites nela previstos, aponta um ou mais comportamentos e exoneração.
possíveis, de acordo com um juízo de conveniência e oportunida- Preconiza o artigo 10 da Lei nº 8.112/1990:
de), a doutrina é uníssona na determinação da obrigatoriedade de Artigo 10, Lei nº 8.112/90. A nomeação para cargo de carreira
motivação com relação aos atos administrativos vinculados; toda- ou cargo isolado de provimento efetivo depende de prévia habilita-
via, diverge quanto à referida necessidade quanto aos atos discri- ção em concurso público de provas ou de provas e títulos, obedeci-
cionários. dos a ordem de classificação e o prazo de sua validade.

16MEIRELLES, Hely Lopes. Direito administrativo brasileiro. São


Paulo: Malheiros, 1993.
15GASPARINI, Diógenes. Direito Administrativo. 9ª ed. São Pau- 17GASPARINI, Diógenes. Direito Administrativo. 9ª ed. São Pau-
lo: Saraiva, 2004. lo: Saraiva, 2004.

29
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
Parágrafo único. Os demais requisitos para o ingresso e o desenvolvimento do servidor na carreira, mediante promoção, serão estabe-
lecidos pela lei que fixar as diretrizes do sistema de carreira na Administração Pública Federal e seus regulamentos.
No concurso de provas o candidato é avaliado apenas pelo seu desempenho nas provas, ao passo que nos concursos de provas e tí-
tulos o seu currículo em toda sua atividade profissional também é considerado. Cargo em comissão é o cargo de confiança, que não exige
concurso público, sendo exceção à regra geral.
Artigo 37, III, CF. O prazo de validade do concurso público será de até dois anos, prorrogável uma vez, por igual período.
Artigo 37, IV, CF. Durante o prazo improrrogável previsto no edital de convocação, aquele aprovado em concurso público de provas ou
de provas e títulos será convocado com prioridade sobre novos concursados para assumir cargo ou emprego, na carreira.

Prevê o artigo 12 da Lei nº 8.112/1990:


Artigo 12, Lei nº 8.112/1990. O concurso público terá validade de até 2 (dois) anos, podendo ser prorrogado uma única vez, por igual
período.
§1º O prazo de validade do concurso e as condições de sua realização serão fixados em edital, que será publicado no Diário Oficial da
União e em jornal diário de grande circulação.
§ 2º Não se abrirá novo concurso enquanto houver candidato aprovado em concurso anterior com prazo de validade não expirado.

O edital delimita questões como valor da taxa de inscrição, casos de isenção, número de vagas e prazo de validade. Havendo candi-
datos aprovados na vigência do prazo do concurso, ele deve ser chamado para assumir eventual vaga e não ser realizado novo concurso.

Destaca-se que o §2º do artigo 37, CF, prevê:

Artigo 37, §2º, CF. A não-observância do disposto nos incisos II e III implicará a nulidade do ato e a punição da autoridade responsá-
vel, nos termos da lei.
Com efeito, há tratamento rigoroso da responsabilização daquele que viola as diretrizes mínimas sobre o ingresso no serviço público,
que em regra se dá por concurso de provas ou de provas e títulos.
Artigo 37, V, CF. As funções de confiança, exercidas exclusivamente por servidores ocupantes de cargo efetivo, e os cargos em comis-
são, a serem preenchidos por servidores de carreira nos casos, condições e percentuais mínimos previstos em lei, destinam-se apenas às
atribuições de direção, chefia e assessoramento.

Observa-se o seguinte quadro comparativo18:

Função de Confiança Cargo em Comissão


Exercidas exclusivamente por servidores ocupantes de cargo efetivo. Qualquer pessoa, observado o percentual mínimo reserva-
do ao servidor de carreira.
Com concurso público, já que somente pode exercê-la o servidor de car- Sem concurso público, ressalvado o percentual mínimo re-
go efetivo, mas a função em si não prescindível de concurso público. servado ao servidor de carreira.
Somente são conferidas atribuições e responsabilidade É atribuído posto (lugar) num dos quadros da Administração
Pública, conferida atribuições e responsabilidade àquele
que irá ocupá-lo
Destinam-se apenas às atribuições de direção, chefia e assessora- Destinam-se apenas às atribuições de direção, chefia e as-
mento sessoramento
De livre nomeação e exoneração no que se refere à função e não em De livre nomeação e exoneração
relação ao cargo efetivo.

Artigo 37, VI, CF. É garantido ao servidor público civil o direito à livre associação sindical.

A liberdade de associação é garantida aos servidores públicos tal como é garantida a todos na condição de direito individual e de
direito social.
Artigo 37, VII, CF. O direito de greve será exercido nos termos e nos limites definidos em lei específica.

O Supremo Tribunal Federal decidiu que os servidores públicos possuem o direito de greve, devendo se atentar pela preservação da
sociedade quando exercê-lo. Enquanto não for elaborada uma legislação específica para os funcionários públicos, deverá ser obedecida a
lei geral de greve para os funcionários privados, qual seja a Lei n° 7.783/89 (Mandado de Injunção nº 20).
Artigo 37, VIII, CF. A lei reservará percentual dos cargos e empregos públicos para as pessoas portadoras de deficiência e definirá os
critérios de sua admissão.

Neste sentido, o §2º do artigo 5º da Lei nº 8.112/1990:


Artigo 5º, Lei nº 8.112/90. Às pessoas portadoras de deficiência é assegurado o direito de se inscrever em concurso público para provi-
mento de cargo cujas atribuições sejam compatíveis com a deficiência de que são portadoras; para tais pessoas serão reservadas até 20%
(vinte por cento) das vagas oferecidas no concurso.

18http://direitoemquadrinhos.blogspot.com.br/2011/03/quadro-comparativo-funcao-de-confianca.html

30
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
Prossegue o artigo 37, CF: § 5º Nenhum servidor receberá remuneração inferior ao salá-
Artigo 37, IX, CF. IX - a lei estabelecerá os casos de contratação rio mínimo.
por tempo determinado para atender a necessidade temporária de Ainda, o artigo 37 da Constituição:
excepcional interesse público;(Vide Emenda constitucional nº 106,
de 2020) Artigo 37, XI, CF. A remuneração e o subsídio dos ocupantes
A Lei nº 8.745/1993 regulamenta este inciso da Constituição, de cargos, funções e empregos públicos da administração direta,
definindo a natureza da relação estabelecida entre o servidor con- autárquica e fundacional, dos membros de qualquer dos Poderes
tratado e a Administração Pública, para atender à “necessidade da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, dos
temporária de excepcional interesse público”. detentores de mandato eletivo e dos demais agentes políticos e os
“Em se tratando de relação subordinada, isto é, de relação que proventos, pensões ou outra espécie remuneratória, percebidos
comporta dependência jurídica do servidor perante o Estado, duas cumulativamente ou não, incluídas as vantagens pessoais ou de
opções se ofereciam: ou a relação seria trabalhista, agindo o Es- qualquer outra natureza, não poderão exceder o subsídio mensal,
tado iure gestionis, sem usar das prerrogativas de Poder Público, em espécie, dos Ministros do Supremo Tribunal Federal, aplican-
ou institucional, estatutária, preponderando o ius imperii do Esta- do-se como limite, nos Municípios, o subsídio do Prefeito, e nos
do. Melhor dizendo: o sistema preconizado pela Carta Política de Estados e no Distrito Federal, o subsídio mensal do Governador no
1988 é o do contrato, que tanto pode ser trabalhista (inserindo-se âmbito do Poder Executivo, o subsídio dos Deputados Estaduais e
na esfera do Direito Privado) quanto administrativo (situando-se no Distritais no âmbito do Poder Legislativo e o subsídio dos Desem-
campo do Direito Público). [...] Uma solução intermediária não dei- bargadores do Tribunal de Justiça, limitado a noventa inteiros e
xa, entretanto, de ser legítima. Pode-se, com certeza, abonar um vinte e cinco centésimos por cento do subsídio mensal, em es-
sistema híbrido, eclético, no qual coexistam normas trabalhistas e pécie, dos Ministros do Supremo Tribunal Federal, no âmbito do
estatutárias, pondo-se em contiguidade os vínculos privado e admi- Poder Judiciário, aplicável este limite aos membros do Ministério
nistrativo, no sentido de atender às exigências do Estado moderno, Público, aos Procuradores e aos Defensores Públicos.
que procura alcançar os seus objetivos com a mesma eficácia dos
empreendimentos não-governamentais”19. Artigo 37, XII, CF. Os vencimentos dos cargos do Poder Legis-
lativo e do Poder Judiciário não poderão ser superiores aos pagos
Artigo 37, X, CF. A remuneração dos servidores públicos e o pelo Poder Executivo.
subsídio de que trata o § 4º do art. 39 somente poderão ser fixados
ou alterados por lei específica, observada a iniciativa privativa em Prevê a Lei nº 8.112/1990 em seu artigo 42:
cada caso, assegurada revisão geral anual, sempre na mesma data e
sem distinção de índices. Artigo 42, Lei nº 8.112/90. Nenhum servidor poderá perce-
Artigo 37, XV, CF. O subsídio e os vencimentos dos ocupantes ber, mensalmente, a título de remuneração, importância superior
de cargos e empregos públicos são irredutíveis, ressalvado o dis- à soma dos valores percebidos como remuneração, em espécie, a
posto nos incisos XI e XIV deste artigo e nos arts. 39, § 4º, 150, II, qualquer título, no âmbito dos respectivos Poderes, pelos Minis-
153, III, e 153, § 2º, I. tros de Estado, por membros do Congresso Nacional e Ministros do
Artigo 37, §10, CF. É vedada a percepção simultânea de pro- Supremo Tribunal Federal. Parágrafo único. Excluem-se do teto de
ventos de aposentadoria decorrentes do art. 40 ou dos arts. 42 remuneração as vantagens previstas nos incisos II a VII do art. 61.
e 142 com a remuneração de cargo, emprego ou função pública, Com efeito, os §§ 11 e 12 do artigo 37, CF tecem aprofunda-
ressalvados os cargos acumuláveis na forma desta Constituição, os mentos sobre o mencionado inciso XI:
cargos eletivos e os cargos em comissão declarados em lei de livre Artigo 37, § 11, CF. Não serão computadas, para efeito dos li-
nomeação e exoneração. mites remuneratórios de que trata o inciso XI do caput deste artigo,
as parcelas de caráter indenizatório previstas em lei.
Sobre a questão, disciplina a Lei nº 8.112/1990 nos artigos 40 Artigo 37, § 12, CF. Para os fins do disposto no inciso XI do caput
e 41: deste artigo, fica facultado aos Estados e ao Distrito Federal fixar,
em seu âmbito, mediante emenda às respectivas Constituições e
Art. 40. Vencimento é a retribuição pecuniária pelo exercício de Lei Orgânica, como limite único, o subsídio mensal dos Desembar-
cargo público, com valor fixado em lei. gadores do respectivo Tribunal de Justiça, limitado a noventa in-
Art. 41. Remuneração é o vencimento do cargo efetivo, acres- teiros e vinte e cinco centésimos por cento do subsídio mensal dos
cido das vantagens pecuniárias permanentes estabelecidas em lei. Ministros do Supremo Tribunal Federal, não se aplicando o disposto
§ 1º A remuneração do servidor investido em função ou cargo neste parágrafo aos subsídios dos Deputados Estaduais e Distritais
em comissão será paga na forma prevista no art. 62. e dos Vereadores.
§ 2º O servidor investido em cargo em comissão de órgão ou Por seu turno, o artigo 37 quanto à vinculação ou equiparação
entidade diversa da de sua lotação receberá a remuneração de salarial:
acordo com o estabelecido no § 1º do art. 93. Artigo 37, XIII, CF. É vedada a vinculação ou equiparação de
§ 3º O vencimento do cargo efetivo, acrescido das vantagens de quaisquer espécies remuneratórias para o efeito de remuneração
caráter permanente, é irredutível. de pessoal do serviço público.
§ 4º É assegurada a isonomia de vencimentos para cargos de Os padrões de vencimentos são fixados por conselho de políti-
atribuições iguais ou assemelhadas do mesmo Poder, ou entre ser- ca de administração e remuneração de pessoal, integrado por ser-
vidores dos três Poderes, ressalvadas as vantagens de caráter indi- vidores designados pelos respectivos Poderes (artigo 39, caput e §
vidual e as relativas à natureza ou ao local de trabalho. 1º), sem qualquer garantia constitucional de tratamento igualitário
aos cargos que se mostrem similares.
19 VOGEL NETO, Gustavo Adolpho. Contratação de servidores Artigo 37, XIV, CF. Os acréscimos pecuniários percebidos por
para atender a necessidade temporária de excepcional interesse servidor público não serão computados nem acumulados para fins
público. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/re- de concessão de acréscimos ulteriores.
vista/Rev_39/Artigos/Art_Gustavo.htm>. Acesso em: 23 dez. 2014.

31
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
A preocupação do constituinte, ao implantar tal preceito, foi “Os artigos 118 a 120 da Lei nº 8.112/90 ao tratarem da acu-
de que não eclodisse no sistema remuneratório dos servidores, ou mulação de cargos e funções públicas, regulamentam, no âmbito
seja, evitar que se utilize uma vantagem como base de cálculo de do serviço público federal a vedação genérica constante do art. 37,
um outro benefício. Dessa forma, qualquer gratificação que venha incisos VXI e XVII, da Constituição da República. De fato, a acumu-
a ser concedida ao servidor só pode ter como base de cálculo o pró- lação ilícita de cargos públicos constitui uma das infrações mais co-
prio vencimento básico. É inaceitável que se leve em consideração muns praticadas por servidores públicos, o que se constata obser-
outra vantagem até então percebida. vando o elevado número de processos administrativos instaurados
Artigo 37, XVI, CF. É vedada a acumulação remunerada de car- com esse objeto. O sistema adotado pela Lei nº 8.112/90 é relativa-
gos públicos, exceto, quando houver compatibilidade de horários, mente brando, quando cotejado com outros estatutos de alguns Es-
observado em qualquer caso o disposto no inciso XI: a) a de dois tados, visto que propicia ao servidor incurso nessa ilicitude diversas
cargos de professor; b) a de um cargo de professor com outro, téc- oportunidades para regularizar sua situação e escapar da pena de
nico ou científico; c) a de dois cargos ou empregos privativos de demissão. Também prevê a lei em comentário, um processo admi-
profissionais de saúde, com profissões regulamentadas. nistrativo simplificado (processo disciplinar de rito sumário) para a
Artigo 37, XVII, CF. A proibição de acumular estende-se a em- apuração dessa infração – art. 133” 21.
pregos e funções e abrange autarquias, fundações, empresas pú- Artigo 37, XVIII, CF. A administração fazendária e seus servido-
blicas, sociedades de economia mista, suas subsidiárias, e socieda- res fiscais terão, dentro de suas áreas de competência e jurisdição,
des controladas, direta ou indiretamente, pelo poder público. precedência sobre os demais setores administrativos, na forma da
Segundo Carvalho Filho20, “o fundamento da proibição é im- lei.
pedir que o cúmulo de funções públicas faça com que o servidor Artigo 37, XXII, CF. As administrações tributárias da União, dos
não execute qualquer delas com a necessária eficiência. Além disso, Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, atividades essenciais
porém, pode-se observar que o Constituinte quis também impedir ao funcionamento do Estado, exercidas por servidores de carreiras
a cumulação de ganhos em detrimento da boa execução de tarefas específicas, terão recursos prioritários para a realização de suas
públicas. [...] Nota-se que a vedação se refere à acumulação remu- atividades e atuarão de forma integrada, inclusive com o compar-
nerada. Em consequência, se a acumulação só encerra a percepção tilhamento de cadastros e de informações fiscais, na forma da lei
de vencimentos por uma das fontes, não incide a regra constitucio- ou convênio.
nal proibitiva”.
“O Estado tem como finalidade essencial a garantia do bem-
A Lei nº 8.112/1990 regulamenta intensamente a questão: -estar de seus cidadãos, seja através dos serviços públicos que dis-
Artigo 118, Lei nº 8.112/1990. Ressalvados os casos previstos ponibiliza, seja através de investimentos na área social (educação,
na Constituição, é vedada a acumulação remunerada de cargos saúde, segurança pública). Para atingir esses objetivos primários,
públicos. deve desenvolver uma atividade financeira, com o intuito de obter
recursos indispensáveis às necessidades cuja satisfação se compro-
§ 1o A proibição de acumular estende-se a cargos, empregos
meteu quando estabeleceu o “pacto” constitucional de 1988. [...]
e funções em autarquias, fundações públicas, empresas públicas,
A importância da Administração Tributária foi reconhecida ex-
sociedades de economia mista da União, do Distrito Federal, dos
pressamente pelo constituinte que acrescentou, no artigo 37 da
Estados, dos Territórios e dos Municípios.
Carta Magna, o inciso XVIII, estabelecendo a sua precedência e de
§ 2o A acumulação de cargos, ainda que lícita, fica condiciona-
seus servidores sobre os demais setores da Administração Pública,
da à comprovação da compatibilidade de horários.
dentro de suas áreas de competência”22.
§ 3o Considera-se acumulação proibida a percepção de venci-
Artigo 37, XIX, CF. Somente por lei específica poderá ser criada
mento de cargo ou emprego público efetivo com proventos da ina-
autarquia e autorizada a instituição de empresa pública, de socie-
tividade, salvo quando os cargos de que decorram essas remunera- dade de economia mista e de fundação, cabendo à lei complemen-
ções forem acumuláveis na atividade. tar, neste último caso, definir as áreas de sua atuação.
Artigo 37, XX, CF. Depende de autorização legislativa, em cada
Art. 119, Lei nº 8.112/1990. O servidor não poderá exercer caso, a criação de subsidiárias das entidades mencionadas no inciso
mais de um cargo em comissão, exceto no caso previsto no pará- anterior, assim como a participação de qualquer delas em empresa
grafo único do art. 9o, nem ser remunerado pela participação em privada.
órgão de deliberação coletiva.
Parágrafo único. O disposto neste artigo não se aplica à remu- Órgãos da administração indireta somente podem ser criados
neração devida pela participação em conselhos de administração e por lei específica e a criação de subsidiárias destes dependem de
fiscal das empresas públicas e sociedades de economia mista, suas autorização legislativa (o Estado cria e controla diretamente deter-
subsidiárias e controladas, bem como quaisquer empresas ou enti- minada empresa pública ou sociedade de economia mista, e estas,
dades em que a União, direta ou indiretamente, detenha participa- por sua vez, passam a gerir uma nova empresa, denominada subsi-
ção no capital social, observado o que, a respeito, dispuser legisla- diária. Ex.: Transpetro, subsidiária da Petrobrás). “Abrimos um pa-
ção específica. rêntese para observar que quase todos os autores que abordam o
assunto afirmam categoricamente que, a despeito da referência no
Art. 120, Lei nº 8.112/1990. O servidor vinculado ao regime texto constitucional a ‘subsidiárias das entidades mencionadas no
desta Lei, que acumular licitamente dois cargos efetivos, quando inciso anterior’, somente empresas públicas e sociedades de eco-
investido em cargo de provimento em comissão, ficará afastado de nomia mista podem ter subsidiárias, pois a relação de controle que
ambos os cargos efetivos, salvo na hipótese em que houver compa-
tibilidade de horário e local com o exercício de um deles, declarada 21MORGATO, Almir. O Regime Disciplinar dos Servidores
pelas autoridades máximas dos órgãos ou entidades envolvidos. Públicos da União. Disponível em: <http://www.canaldosconcur-
sos.com.br/artigos/almirmorgado_artigo1.pdf>. Acesso em: 11
ago. 2013.
20CARVALHO FILHO, José dos Santos. Manual de direito admin- 22http://www.sindsefaz.org.br/parecer_administracao_
istrativo. 23. ed. Rio de Janeiro: Lumen juris, 2010. tributaria_sao_paulo.htm

32
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
existe entre a pessoa jurídica matriz e a subsidiária seria própria de § 1o O prazo de prescrição começa a correr da data em que o
pessoas com estrutura empresarial, e inadequada a autarquias e fato se tornou conhecido.
fundações públicas. OUSAMOS DISCORDAR. Parece-nos que, se o § 2o Os prazos de prescrição previstos na lei penal aplicam-se às
legislador de um ente federado pretendesse, por exemplo, auto- infrações disciplinares capituladas também como crime.
rizar a criação de uma subsidiária de uma fundação pública, NÃO § 3o A abertura de sindicância ou a instauração de processo
haveria base constitucional para considerar inválida sua autoriza- disciplinar interrompe a prescrição, até a decisão final proferida por
ção”23. autoridade competente.
Ainda sobre a questão do funcionamento da administração in- § 4o Interrompido o curso da prescrição, o prazo começará a
direta e de suas subsidiárias, destaca-se o previsto nos §§ 8º e 9º correr a partir do dia em que cessar a interrupção.
do artigo 37, CF:
Artigo 37, §8º, CF. A autonomia gerencial, orçamentária e fi- Prescrição é um instituto que visa regular a perda do direito
nanceira dos órgãos e entidades da administração direta e indireta de acionar judicialmente. No caso, o prazo é de 5 anos para as in-
poderá ser ampliada mediante contrato, a ser firmado entre seus frações mais graves, 2 para as de gravidade intermediária (pena de
administradores e o poder público, que tenha por objeto a fixação suspensão) e 180 dias para as menos graves (pena de advertência),
de metas de desempenho para o órgão ou entidade, cabendo à lei contados da data em que o fato se tornou conhecido pela adminis-
dispor sobre: tração pública. Se a infração disciplinar for crime, valerão os prazos
I - o prazo de duração do contrato; prescricionais do direito penal, mais longos, logo, menos favoráveis
II - os controles e critérios de avaliação de desempenho, direi- ao servidor. Interrupção da prescrição significa parar a contagem
tos, obrigações e responsabilidade dos dirigentes; do prazo para que, retornando, comece do zero. Da abertura da
III - a remuneração do pessoal. sindicância ou processo administrativo disciplinar até a decisão final
Artigo 37, § 9º, CF. O disposto no inciso XI aplica-se às empre- proferida por autoridade competente não corre a prescrição. Pro-
sas públicas e às sociedades de economia mista e suas subsidi- ferida a decisão, o prazo começa a contar do zero. Passado o prazo,
árias, que receberem recursos da União, dos Estados, do Distrito
não caberá mais propor ação disciplinar.
Federal ou dos Municípios para pagamento de despesas de pessoal
Artigo 37, §7º, CF. A lei disporá sobre os requisitos e as restri-
ou de custeio em geral.
ções ao ocupante de cargo ou emprego da administração direta e
Continua o artigo 37, CF:
indireta que possibilite o acesso a informações privilegiadas.
Artigo 37, XXI, CF. Ressalvados os casos especificados na legis-
A Lei nº 12.813, de 16 de maio de 2013 dispõe sobre o conflito
lação, as obras, serviços, compras e alienações serão contratados
de interesses no exercício de cargo ou emprego do Poder Executivo
mediante processo de licitação pública que assegure igualdade de
federal e impedimentos posteriores ao exercício do cargo ou em-
condições a todos os concorrentes, com cláusulas que estabeleçam
prego; e revoga dispositivos da Lei nº 9.986, de 18 de julho de 2000,
obrigações de pagamento, mantidas as condições efetivas da pro-
posta, nos termos da lei, o qual somente permitirá as exigências e das Medidas Provisórias nºs 2.216-37, de 31 de agosto de 2001, e
de qualificação técnica e econômica indispensáveis à garantia do 2.225-45, de 4 de setembro de 2001.
cumprimento das obrigações. Neste sentido, conforme seu artigo 1º:

A Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, regulamenta o art. 37, Artigo 1º, Lei nº 12.813/2013. As situações que configuram
inciso XXI, da Constituição Federal, institui normas para licitações e conflito de interesses envolvendo ocupantes de cargo ou emprego
contratos da Administração Pública e dá outras providências. Licita- no âmbito do Poder Executivo federal, os requisitos e restrições a
ção nada mais é que o conjunto de procedimentos administrativos ocupantes de cargo ou emprego que tenham acesso a informações
(administrativos porque parte da administração pública) para as privilegiadas, os impedimentos posteriores ao exercício do cargo ou
compras ou serviços contratados pelos governos Federal, Estadual emprego e as competências para fiscalização, avaliação e preven-
ou Municipal, ou seja todos os entes federativos. De forma mais ção de conflitos de interesses regulam-se pelo disposto nesta Lei.
simples, podemos dizer que o governo deve comprar e contratar
serviços seguindo regras de lei, assim a licitação é um processo for- 3) Atos de improbidade administrativa
mal onde há a competição entre os interessados. A Lei n° 8.429/1992 trata da improbidade administrativa, que
é uma espécie qualificada de imoralidade, sinônimo de desones-
Artigo 37, §5º, CF. A lei estabelecerá os prazos de prescrição tidade administrativa. A improbidade é uma lesão ao princípio da
para ilícitos praticados por qualquer agente, servidor ou não, que moralidade, que deve ser respeitado estritamente pelo servidor
causem prejuízos ao erário, ressalvadas as respectivas ações de res- público. O agente ímprobo sempre será um violador do princípio
sarcimento. da moralidade, pelo qual “a Administração Pública deve agir com
boa-fé, sinceridade, probidade, lhaneza, lealdade e ética”24.
A prescrição dos ilícitos praticados por servidor encontra disci- A atual Lei de Improbidade Administrativa foi criada devido ao
plina específica no artigo 142 da Lei nº 8.112/1990: amplo apelo popular contra certas vicissitudes do serviço público
que se intensificavam com a ineficácia do diploma então vigente, o
Art. 142, Lei nº 8.112/1990. A ação disciplinar prescreverá: Decreto-Lei nº 3240/41. Decorreu, assim, da necessidade de acabar
I - em 5 (cinco) anos, quanto às infrações puníveis com demis- com os atos atentatórios à moralidade administrativa e causadores
são, cassação de aposentadoria ou disponibilidade e destituição de de prejuízo ao erário público ou ensejadores de enriquecimento ilí-
cargo em comissão; cito, infelizmente tão comuns no Brasil.
II - em 2 (dois) anos, quanto à suspensão;
III - em 180 (cento e oitenta) dias, quanto á advertência.
23ALEXANDRINO, Marcelo. Direito Administrativo Descom- 24LENZA, Pedro. Curso de direito constitucional esquema-
plicado. São Paulo: GEN, 2014. tizado. 15. ed. São Paulo: Saraiva, 2011.

33
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
Com o advento da Lei nº 8.429/1992, os agentes públicos Perda patrimonial é o gênero, do qual são espécies: desvio, que
passaram a ser responsabilizados na esfera civil pelos atos de im- é o direcionamento indevido; apropriação, que é a transferência in-
probidade administrativa descritos nos artigos 9º, 10 e 11, ficando devida para a própria propriedade; malbaratamento, que significa
sujeitos às penas do art. 12. A existência de esferas distintas de res- desperdício; e dilapidação, que se refere a destruição27.
ponsabilidade (civil, penal e administrativa) impede falar-se em bis O objeto da tutela é a preservação do patrimônio público, em
in idem, já que, ontologicamente, não se trata de punições idênti- todos seus bens e valores. O pressuposto exigível é a ocorrência de
cas, embora baseadas no mesmo fato, mas de responsabilização em dano ao patrimônio dos sujeitos passivos.
esferas distintas do Direito. Este artigo admite expressamente a variante culposa, o que
Destaca-se um conceito mais amplo de agente público previsto muitos entendem ser inconstitucional. O STJ, no REsp n° 939.142/
pela lei nº 8.429/1992 em seus artigos 1º e 2º porque o agente pú- RJ, apontou alguns aspectos da inconstitucionalidade do artigo.
blico pode ser ou não um servidor público. Ele poderá estar vincu- Contudo, “a jurisprudência do STJ consolidou a tese de que é indis-
lado a qualquer instituição ou órgão que desempenhe diretamente pensável a existência de dolo nas condutas descritas nos artigos
o interesse do Estado. Assim, estão incluídos todos os integrantes 9º e 11 e ao menos de culpa nas hipóteses do artigo 10, nas quais
da administração direta, indireta e fundacional, conforme o preâm- o dano ao erário precisa ser comprovado. De acordo com o minis-
bulo da legislação. tro Castro Meira, a conduta culposa ocorre quando o agente não
Pode até mesmo ser uma entidade privada que desempenhe pretende atingir o resultado danoso, mas atua com negligência,
tais fins, desde que a verba de criação ou custeio tenha sido ou imprudência ou imperícia (REsp n° 1.127.143)”28. Para Carvalho
seja pública em mais de 50% do patrimônio ou receita anual. Caso Filho29, não há inconstitucionalidade na modalidade culposa, lem-
a verba pública que tenha auxiliado uma entidade privada a qual brando que é possível dosar a pena conforme o agente aja com dolo
o Estado não tenha concorrido para criação ou custeio, também ou culpa.
haverá sujeição às penalidades da lei. Em caso de custeio/criação O ponto central é lembrar que neste artigo não se exige que
pelo Estado que seja inferior a 50% do patrimônio ou receita anual, o sujeito ativo tenha percebido vantagens indevidas, basta o dano
a legislação ainda se aplica. Entretanto, nestes dois casos, a sanção ao erário. Se tiver recebido vantagem indevida, incide no artigo an-
patrimonial se limitará ao que o ilícito repercutiu sobre a contri- terior. Exceto pela não percepção da vantagem indevida, os tipos
buição dos cofres públicos. Significa que se o prejuízo causado for exemplificados se aproximam muito dos previstos nos incisos do
maior que a efetiva contribuição por parte do poder público, o res- art. 9°.
sarcimento terá que ser buscado por outra via que não a ação de c) Ato de Improbidade Administrativa Decorrentes de Conces-
improbidade administrativa. são ou Aplicação Indevida de Benefício Financeiro ou Tributário
A legislação em estudo, por sua vez, divide os atos de improbi- (Incluído pela Lei Complementar nº 157, de 2016)
dade administrativa em três categorias: Uma das alterações recentes à disciplina do ISS visou evitar a
a) Ato de improbidade administrativa que importe enriqueci- continuidade da guerra fiscal entre os municípios, fixando-se a alí-
mento ilícito (artigo 9º, Lei nº 8.429/1992) quota mínima em 2%.
O grupo mais grave de atos de improbidade administrativa se Com efeito, os municípios não poderão fixar dentro de sua
caracteriza pelos elementos: enriquecimento + ilícito + resultante competência constitucional alíquotas inferiores a 2% para atrair e
de uma vantagem patrimonial indevida + em razão do exercício de fomentar investimentos novos (incentivo fiscal), prejudicando os
cargo, mandato, emprego, função ou outra atividade nas entidades municípios vizinhos.
do artigo 1° da Lei nº 8.429/1992. Em razão disso, tipifica-se como ato de improbidade adminis-
O enriquecimento deve ser ilícito, afinal, o Estado não se opõe trativa a eventual concessão do benefício abaixo da alíquota míni-
que o indivíduo enriqueça, desde que obedeça aos ditames morais, ma.
notadamente no desempenho de função de interesse estatal. d) Ato de improbidade administrativa que atente contra os
Exige-se que o sujeito obtenha vantagem patrimonial ilícita. princípios da administração pública (artigo 11, Lei nº 8.429/1992)
Contudo, é dispensável que efetivamente tenha ocorrido dano aos Nos termos do artigo 11 da Lei nº 8.429/1992, “constitui ato de
cofres públicos (por exemplo, quando um policial recebe propina improbidade administrativa que atenta contra os princípios da ad-
pratica ato de improbidade administrativa, mas não atinge direta- ministração pública qualquer ação ou omissão que viole os deveres
mente os cofres públicos). de honestidade, imparcialidade, legalidade, e lealdade às institui-
Como fica difícil imaginar que alguém possa se enriquecer ili- ções [...]”. O grupo mais ameno de atos de improbidade adminis-
citamente por negligência, imprudência ou imperícia, todas as con- trativa se caracteriza pela simples violação a princípios da adminis-
dutas configuram atos dolosos (com intenção). Não cabe prática tração pública, ou seja, aplica-se a qualquer atitude do sujeito ativo
por omissão.25 que viole os ditames éticos do serviço público. Isto é, o legislador
b) Ato de improbidade administrativa que importe lesão ao pretende a preservação dos princípios gerais da administração pú-
erário (artigo 10, Lei nº 8.429/1992) blica30.
O grupo intermediário de atos de improbidade administrativa
se caracteriza pelos elementos: causar dano ao erário ou aos cofres 27 CARVALHO FILHO, José dos Santos. Manual de direito ad-
ministrativo. 23. ed. Rio de Janeiro: Lumen juris, 2010.
públicos + gerando perda patrimonial ou dilapidação do patrimô-
28BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Improbidade ad-
nio público. Assim como o artigo anterior, o caput descreve a fór-
ministrativa: desonestidade na gestão dos recursos públicos.
mula genérica e os incisos algumas atitudes específicas que exem-
Disponível em: <http://www.stj.gov.br/portal_stj/publicacao/
plificam o seu conteúdo26.
engine.wsp?tmp.area=398&tmp.texto=103422>. Acesso em: 26
mar. 2013.
29CARVALHO FILHO, José dos Santos. Manual de direito ad-
25SPITZCOVSKY, Celso. Direito Administrativo. 13. ed. São ministrativo. 23. ed. Rio de Janeiro: Lumen juris, 2010.
Paulo: Método, 2011. 30SPITZCOVSKY, Celso. Direito Administrativo. 13. ed. São
26Ibid. Paulo: Método, 2011.

34
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
O objeto de tutela são os princípios constitucionais. Basta a vul- - Ressarcimento integral do dano: há quem entenda que en-
neração em si dos princípios, sendo dispensáveis o enriquecimento globa dano moral. Cabe acréscimo de correção monetária e juros
ilícito e o dano ao erário. Somente é possível a prática de algum de mora.
destes atos com dolo (intenção), embora caiba a prática por ação - Perda de função pública: “se o agente é titular de mandato,
ou omissão. a perda se processa pelo instrumento de cassação. Sendo servidor
Será preciso utilizar razoabilidade e proporcionalidade para estatutário, sujeitar-se-á à demissão do serviço público. Havendo
não permitir a caracterização de abuso de poder, diante do conte- contrato de trabalho (servidores trabalhistas e temporários), a per-
údo aberto do dispositivo. Na verdade, trata-se de tipo subsidiário, da da função pública se consubstancia pela rescisão do contrato
ou seja, que se aplica quando o ato de improbidade administrativa com culpa do empregado. No caso de exercer apenas uma função
não tiver gerado obtenção de vantagem pública, fora de tais situações, a perda se dará pela revogação da
Com efeito, os atos de improbidade administrativa não são cri- designação”. Lembra-se que determinadas autoridades se sujeitam
mes de responsabilidade. Trata-se de punição na esfera cível, não a procedimento especial para perda da função pública, ponto em
criminal. Por isso, caso o ato configure simultaneamente um ato que não se aplica a Lei de Improbidade Administrativa.
de improbidade administrativa desta lei e um crime previsto na le- - Multa: a lei indica inflexibilidade no limite máximo, mas fle-
gislação penal, o que é comum no caso do artigo 9°, responderá o xibilidade dentro deste limite, podendo os julgados nesta margem
agente por ambos, nas duas esferas. optar pela mais adequada. Há ainda variabilidade na base de cál-
culo, conforme o tipo de ato de improbidade (a base será o valor
Em suma, a lei encontra-se estruturada da seguinte forma: ini-
do enriquecimento ou o valor do dano ou o valor da remuneração
cialmente, trata das vítimas possíveis (sujeito passivo) e daqueles
do agente). A natureza da multa é de sanção civil, não possuindo
que podem praticar os atos de improbidade administrativa (sujeito
caráter indenizatório, mas punitivo.
ativo); ainda, aborda a reparação do dano ao lesionado e o ressar-
- Proibição de receber benefícios: não se incluem as imunida-
cimento ao patrimônio público; após, traz a tipologia dos atos de
improbidade administrativa, isto é, enumera condutas de tal natu- des genéricas e o agente punido deve ser ao menos sócio majoritá-
reza; seguindo-se à definição das sanções aplicáveis; e, finalmente, rio da instituição vitimada.
descreve os procedimentos administrativo e judicial. - Proibição de contratar: o agente punido não pode participar
No caso do art. 9°, categoria mais grave, o agente obtém um de processos licitatórios.
enriquecimento ilícito (vantagem econômica indevida) e pode ain-
da causar dano ao erário, por isso, deverá não só reparar eventual 4) Responsabilidade civil do Estado e de seus servidores
dano causado mas também colocar nos cofres públicos tudo o que O instituto da responsabilidade civil é parte integrante do direi-
adquiriu indevidamente. Ou seja, poderá pagar somente o que enri- to obrigacional, uma vez que a principal consequência da prática de
queceu indevidamente ou este valor acrescido do valor do prejuízo um ato ilícito é a obrigação que gera para o seu auto de reparar o
causado aos cofres públicos (quanto o Estado perdeu ou deixou de dano, mediante o pagamento de indenização que se refere às per-
ganhar). No caso do artigo 10, não haverá enriquecimento ilícito, das e danos. Afinal, quem pratica um ato ou incorre em omissão
mas sempre existirá dano ao erário, o qual será reparado (even- que gere dano deve suportar as consequências jurídicas decorren-
tualmente, ocorrerá o enriquecimento ilícito, devendo o valor ad- tes, restaurando-se o equilíbrio social.33
quirido ser tomado pelo Estado). Na hipótese do artigo 10-A, não A responsabilidade civil, assim, difere-se da penal, podendo re-
se denota nem enriquecimento ilícito e nem dano ao erário, pois cair sobre os herdeiros do autor do ilícito até os limites da herança,
no máximo a prática de guerra fiscal pode gerar. Já no artigo 11, o embora existam reflexos na ação que apure a responsabilidade civil
máximo que pode ocorrer é o dano ao erário, com o devido ressar- conforme o resultado na esfera penal (por exemplo, uma absolvição
cimento. Além disso, em todos os casos há perda da função pública. por negativa de autoria impede a condenação na esfera cível, ao
Nas três categorias, são estabelecidas sanções de suspensão dos passo que uma absolvição por falta de provas não o faz).
direitos políticos, multa e vedação de contratação ou percepção de A responsabilidade civil do Estado acompanha o raciocínio de
vantagem, graduadas conforme a gravidade do ato. É o que se de- que a principal consequência da prática de um ato ilícito é a obri-
preende da leitura do artigo 12 da Lei nº 8.929/1992 como §4º do gação que gera para o seu auto de reparar o dano, mediante o pa-
artigo 37, CF, que prevê: “Os atos de improbidade administrativa gamento de indenização que se refere às perdas e danos. Todos os
importarão a suspensão dos direitos políticos, a perda da função cidadãos se sujeitam às regras da responsabilidade civil, tanto po-
pública, a indisponibilidade dos bens e o ressarcimento ao erário,
dendo buscar o ressarcimento do dano que sofreu quanto respon-
na forma e gradação previstas em lei, sem prejuízo da ação penal
dendo por aqueles danos que causar. Da mesma forma, o Estado
cabível”.
tem o dever de indenizar os membros da sociedade pelos danos
A única sanção que se encontra prevista na Lei nº 8.429/1992
que seus agentes causem durante a prestação do serviço, inclusi-
mas não na Constituição Federal é a de multa. (art. 37, §4°, CF).
Não há nenhuma inconstitucionalidade disto, pois nada impediria ve se tais danos caracterizarem uma violação aos direitos humanos
que o legislador infraconstitucional ampliasse a relação mínima de reconhecidos.
penalidades da Constituição, pois esta não limitou tal possibilidade
e porque a lei é o instrumento adequado para tanto31. Trata-se de responsabilidade extracontratual porque não de-
Carvalho Filho32 tece considerações a respeito de algumas das pende de ajuste prévio, basta a caracterização de elementos gené-
sanções: ricos pré-determinados, que perpassam pela leitura concomitante
- Perda de bens e valores: “tal punição só incide sobre os bens do Código Civil (artigos 186, 187 e 927) com a Constituição Federal
acrescidos após a prática do ato de improbidade. Se alcançasse an- (artigo 37, §6°).
teriores, ocorreria confisco, o que restaria sem escora constitucio- Genericamente, os elementos da responsabilidade civil se en-
nal. Além disso, o acréscimo deve derivar de origem ilícita”. contram no art. 186 do Código Civil:
31CARVALHO FILHO, José dos Santos. Manual de direito ad-
ministrativo. 23. ed. Rio de Janeiro: Lumen juris, 2010. 33GONÇALVES, Carlos Roberto. Responsabilidade Civil. 9. ed.
32Ibid. São Paulo: Saraiva, 2005.

35
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
Artigo 186, CC. Aquele que, por ação ou omissão voluntária, Assim, o Estado responde pelos danos que seu agente causar
negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, aos membros da sociedade, mas se este agente agiu com dolo ou
ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito. culpa deverá ressarcir o Estado do que foi pago à vítima. O agente
causará danos ao praticar condutas incompatíveis com o comporta-
Este é o artigo central do instituto da responsabilidade civil, mento ético dele esperado.34
que tem como elementos: ação ou omissão voluntária (agir como A responsabilidade civil do servidor exige prévio processo ad-
não se deve ou deixar de agir como se deve), culpa ou dolo do agen- ministrativo disciplinar no qual seja assegurado contraditório e am-
te (dolo é a vontade de cometer uma violação de direito e culpa é pla defesa. Trata-se de responsabilidade civil subjetiva ou com cul-
a falta de diligência), nexo causal (relação de causa e efeito entre a pa. Havendo ação ou omissão com culpa do servidor que gere dano
ação/omissão e o dano causado) e dano (dano é o prejuízo sofrido ao erário (Administração) ou a terceiro (administrado), o servidor
pelo agente, que pode ser individual ou coletivo, moral ou material, terá o dever de indenizar.
econômico e não econômico). Não obstante, agentes públicos que pratiquem atos violadores
1) Dano - somente é indenizável o dano certo, especial e anor- de direitos humanos se sujeitam à responsabilidade penal e à res-
mal. Certo é o dano real, existente. Especial é o dano específico, ponsabilidade administrativa, todas autônomas uma com relação
individualizado, que atinge determinada ou determinadas pessoas. à outra e à já mencionada responsabilidade civil. Neste sentido, o
Anormal é o dano que ultrapassa os problemas comuns da vida em artigo 125 da Lei nº 8.112/90:
sociedade (por exemplo, infelizmente os assaltos são comuns e o
Estado não responde por todo assalto que ocorra, a não ser que na Artigo 125, Lei nº 8.112/1990. As sanções civis, penais e admi-
circunstância específica possuía o dever de impedir o assalto, como nistrativas poderão cumular-se, sendo independentes entre si.
no caso de uma viatura presente no local - muito embora o direito à
No caso da responsabilidade civil, o Estado é diretamente acio-
segurança pessoal seja um direito humano reconhecido).
nado e responde pelos atos de seus servidores que violem direitos
2) Agentes públicos - é toda pessoa que trabalhe dentro da ad-
humanos, cabendo eventualmente ação de regresso contra ele.
ministração pública, tenha ingressado ou não por concurso, possua
Contudo, nos casos da responsabilidade penal e da responsabilida-
cargo, emprego ou função. Envolve os agentes políticos, os servido-
de administrativa aciona-se o agente público que praticou o ato.
res públicos em geral (funcionários, empregados ou temporários) e São inúmeros os exemplos de crimes que podem ser praticados
os particulares em colaboração (por exemplo, jurado ou mesário). pelo agente público no exercício de sua função que violam direitos
3) Dano causado quando o agente estava agindo nesta qualida- humanos. A título de exemplo, peculato, consistente em apropria-
de - é preciso que o agente esteja lançando mão das prerrogativas ção ou desvio de dinheiro público (art. 312, CP), que viola o bem
do cargo, não agindo como um particular. comum e o interesse da coletividade; concussão, que é a exigência
Sem estes três requisitos, não será possível acionar o Estado de vantagem indevida (art. 316, CP), expondo a vítima a uma situa-
para responsabilizá-lo civilmente pelo dano, por mais relevante ção de constrangimento e medo que viola diretamente sua dignida-
que tenha sido a esfera de direitos atingida. Assim, não é qualquer de; tortura, a mais cruel forma de tratamento humano, cuja pena é
dano que permite a responsabilização civil do Estado, mas somente agravada quando praticada por funcionário público (art. 1º, §4º, I,
aquele que é causado por um agente público no exercício de suas Lei nº 9.455/97); etc.
funções e que exceda as expectativas do lesado quanto à atuação Quanto à responsabilidade administrativa, menciona-se, a títu-
do Estado. lo de exemplo, as penalidades cabíveis descritas no art. 127 da Lei
É preciso lembrar que não é o Estado em si que viola os direitos nº 8.112/90, que serão aplicadas pelo funcionário que violar a ética
humanos, porque o Estado é uma ficção formada por um grupo de do serviço público, como advertência, suspensão e demissão.
pessoas que desempenham as atividades estatais diversas. Assim, Evidencia-se a independência entre as esferas civil, penal e
viola direitos humanos não o Estado em si, mas o agente que o re- administrativa no que tange à responsabilização do agente público
presenta, fazendo com que o próprio Estado seja responsabilizado que cometa ato ilícito.
por isso civilmente, pagando pela indenização (reparação dos danos Tomadas as exigências de características dos danos acima co-
materiais e morais). Sem prejuízo, com relação a eles, caberá ação lacionadas, notadamente a anormalidade, considera-se que para o
de regresso se agiram com dolo ou culpa. Estado ser responsabilizado por um dano, ele deve exceder expec-
Prevê o artigo 37, §6° da Constituição Federal: tativas cotidianas, isto é, não cabe exigir do Estado uma excepcional
vigilância da sociedade e a plena cobertura de todas as fatalidades
Artigo 37, §6º, CF. As pessoas jurídicas de direito público e as de que possam acontecer em território nacional.
direito privado prestadoras de serviços públicos responderão pelos Diante de tal premissa, entende-se que a responsabilidade civil
do Estado será objetiva apenas no caso de ações, mas subjetiva
danos que seus agentes, nessa qualidade, causarem a terceiros,
no caso de omissões. Em outras palavras, verifica-se se o Estado se
assegurado o direito de regresso contra o responsável nos casos
omitiu tendo plenas condições de não ter se omitido, isto é, ter dei-
de dolo ou culpa.
xado de agir quando tinha plenas condições de fazê-lo, acarretando
em prejuízo dentro de sua previsibilidade.
Este artigo deixa clara a formação de uma relação jurídica autô- São casos nos quais se reconheceu a responsabilidade omissiva
noma entre o Estado e o agente público que causou o dano no de- do Estado: morte de filho menor em creche municipal, buracos não
sempenho de suas funções. Nesta relação, a responsabilidade civil sinalizados na via pública, tentativa de assalto a usuário do metrô
será subjetiva, ou seja, caberá ao Estado provar a culpa do agente resultando em morte, danos provocados por enchentes e escoa-
pelo dano causado, ao qual foi anteriormente condenado a reparar. mento de águas pluviais quando o Estado sabia da problemática e
Direito de regresso é justamente o direito de acionar o causador não tomou providência para evitá-las, morte de detento em prisão,
direto do dano para obter de volta aquilo que pagou à vítima, consi- incêndio em casa de shows fiscalizada com negligência, etc.
derada a existência de uma relação obrigacional que se forma entre
a vítima e a instituição que o agente compõe.
34SPITZCOVSKY, Celso. Direito Administrativo. 13. ed. São
Paulo: Método, 2011.

36
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
Logo, não é sempre que o Estado será responsabilizado. Há ex- § 4º O membro de Poder, o detentor de mandato eletivo, os
cludentes da responsabilidade estatal, notadamente: a) caso for- Ministros de Estado e os Secretários Estaduais e Municipais serão
tuito (fato de terceiro) ou força maior (fato da natureza) fora dos remunerados exclusivamente por subsídio fixado em parcela úni-
alcances da previsibilidade do dano; b) culpa exclusiva da vítima. ca, vedado o acréscimo de qualquer gratificação, adicional, abono,
prêmio, verba de representação ou outra espécie remuneratória,
5) Exercício de mandato eletivo por servidores públicos obedecido, em qualquer caso, o disposto no art. 37, X e XI.
A questão do exercício de mandato eletivo pelo servidor públi- § 5º Lei da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Muni-
co encontra previsão constitucional em seu artigo 38, que notada- cípios poderá estabelecer a relação entre a maior e a menor remu-
mente estabelece quais tipos de mandatos geram incompatibilida- neração dos servidores públicos, obedecido, em qualquer caso, o
de ao serviço público e regulamenta a questão remuneratória: disposto no art. 37, XI.
§ 6º Os Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário publicarão
Artigo 38, CF. Ao servidor público da administração direta, au- anualmente os valores do subsídio e da remuneração dos cargos e
tárquica e fundacional, no exercício de mandato eletivo, aplicam-se empregos públicos.
as seguintes disposições: § 7º Lei da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Muni-
I - tratando-se de mandato eletivo federal, estadual ou distrital, cípios disciplinará a aplicação de recursos orçamentários provenien-
ficará afastado de seu cargo, emprego ou função; tes da economia com despesas correntes em cada órgão, autarquia
II - investido no mandato de Prefeito, será afastado do cargo, e fundação, para aplicação no desenvolvimento de programas de
qualidade e produtividade, treinamento e desenvolvimento, mo-
emprego ou função, sendo-lhe facultado optar pela sua remune-
dernização, reaparelhamento e racionalização do serviço público,
ração;
inclusive sob a forma de adicional ou prêmio de produtividade.
III - investido no mandato de Vereador, havendo compatibili-
§ 8º A remuneração dos servidores públicos organizados em
dade de horários, perceberá as vantagens de seu cargo, emprego
carreira poderá ser fixada nos termos do § 4º.
ou função, sem prejuízo da remuneração do cargo eletivo, e, não
havendo compatibilidade, será aplicada a norma do inciso anterior; Artigo 40, CF. Aos servidores titulares de cargos efetivos da
IV - em qualquer caso que exija o afastamento para o exercício União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, incluídas
de mandato eletivo, seu tempo de serviço será contado para todos suas autarquias e fundações, é assegurado regime de previdência
os efeitos legais, exceto para promoção por merecimento; de caráter contributivo e solidário, mediante contribuição do res-
V - para efeito de benefício previdenciário, no caso de afas- pectivo ente público, dos servidores ativos e inativos e dos pensio-
tamento, os valores serão determinados como se no exercício es- nistas, observados critérios que preservem o equilíbrio financeiro e
tivesse. atuarial e o disposto neste artigo.
§ 1º Os servidores abrangidos pelo regime de previdência de
6) Regime de remuneração e previdência dos servidores pú- que trata este artigo serão aposentados, calculados os seus proven-
blicos tos a partir dos valores fixados na forma dos §§ 3º e 17:
Regulamenta-se o regime de remuneração e previdência dos I - por invalidez permanente, sendo os proventos proporcio-
servidores públicos nos artigo 39 e 40 da Constituição Federal: nais ao tempo de contribuição, exceto se decorrente de acidente
em serviço, moléstia profissional ou doença grave, contagiosa ou
Artigo 39, CF. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Mu- incurável, na forma da lei;
nicípios instituirão conselho de política de administração e remu- II - compulsoriamente, com proventos proporcionais ao tempo
neração de pessoal, integrado por servidores designados pelos res- de contribuição, aos 70 (setenta) anos de idade, ou aos 75 (setenta
pectivos Poderes. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, e cinco) anos de idade, na forma de lei complementar;
de 1998 e aplicação suspensa pela ADIN nº 2.135-4, destacando-se III - voluntariamente, desde que cumprido tempo mínimo de
a redação anterior: “A União, os Estados, o Distrito Federal e os Mu- dez anos de efetivo exercício no serviço público e cinco anos no
nicípios instituirão, no âmbito de sua competência, regime jurídico cargo efetivo em que se dará a aposentadoria, observadas as se-
único e planos de carreira para os servidores da administração pú- guintes condições:
blica direta, das autarquias e das fundações públicas”). a) sessenta anos de idade e trinta e cinco de contribuição, se
§ 1º A fixação dos padrões de vencimento e dos demais compo- homem, e cinquenta e cinco anos de idade e trinta de contribuição,
se mulher;
nentes do sistema remuneratório observará:
b) sessenta e cinco anos de idade, se homem, e sessenta anos
I - a natureza, o grau de responsabilidade e a complexidade dos
de idade, se mulher, com proventos proporcionais ao tempo de
cargos componentes de cada carreira;
contribuição.
II - os requisitos para a investidura;
§ 2º Os proventos de aposentadoria e as pensões, por ocasião
III - as peculiaridades dos cargos. de sua concessão, não poderão exceder a remuneração do respecti-
§ 2º A União, os Estados e o Distrito Federal manterão escolas vo servidor, no cargo efetivo em que se deu a aposentadoria ou que
de governo para a formação e o aperfeiçoamento dos servidores serviu de referência para a concessão da pensão.
públicos, constituindo-se a participação nos cursos um dos requisi- § 3º Para o cálculo dos proventos de aposentadoria, por oca-
tos para a promoção na carreira, facultada, para isso, a celebração sião da sua concessão, serão consideradas as remunerações utili-
de convênios ou contratos entre os entes federados. zadas como base para as contribuições do servidor aos regimes de
§ 3º Aplica-se aos servidores ocupantes de cargo público o previdência de que tratam este artigo e o art. 201, na forma da lei.
disposto no art. 7º, IV, VII, VIII, IX, XII, XIII, XV,XVI, XVII, XVIII, XIX, § 4º É vedada a adoção de requisitos e critérios diferenciados
XX, XXII e XXX, podendo a lei estabelecer requisitos diferenciados de para a concessão de aposentadoria aos abrangidos pelo regime
admissão quando a natureza do cargo o exigir. de que trata este artigo, ressalvados, nos termos definidos em leis
complementares, os casos de servidores:
I - portadores de deficiência;
II - que exerçam atividades de risco;

37
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
III - cujas atividades sejam exercidas sob condições especiais § 16. Somente mediante sua prévia e expressa opção, o dispos-
que prejudiquem a saúde ou a integridade física. to nos §§ 14 e 15 poderá ser aplicado ao servidor que tiver ingressa-
§ 5º Os requisitos de idade e de tempo de contribuição serão do no serviço público até a data da publicação do ato de instituição
reduzidos em cinco anos, em relação ao disposto no § 1º, III, a, para do correspondente regime de previdência complementar.
o professor que comprove exclusivamente tempo de efetivo exer- § 17. Todos os valores de remuneração considerados para o cál-
cício das funções de magistério na educação infantil e no ensino culo do benefício previsto no § 3° serão devidamente atualizados,
fundamental e médio. na forma da lei.
§ 6º Ressalvadas as aposentadorias decorrentes dos cargos § 18. Incidirá contribuição sobre os proventos de aposentado-
acumuláveis na forma desta Constituição, é vedada a percepção rias e pensões concedidas pelo regime de que trata este artigo que
de mais de uma aposentadoria à conta do regime de previdência superem o limite máximo estabelecido para os benefícios do regime
previsto neste artigo. geral de previdência social de que trata o art. 201, com percentual
§ 7º Lei disporá sobre a concessão do benefício de pensão por igual ao estabelecido para os servidores titulares de cargos efetivos.
morte, que será igual: § 19. O servidor de que trata este artigo que tenha completado
I - ao valor da totalidade dos proventos do servidor falecido, até as exigências para aposentadoria voluntária estabelecidas no § 1º,
o limite máximo estabelecido para os benefícios do regime geral de III, a, e que opte por permanecer em atividade fará jus a um abono
previdência social de que trata o art. 201, acrescido de setenta por de permanência equivalente ao valor da sua contribuição previden-
cento da parcela excedente a este limite, caso aposentado à data ciária até completar as exigências para aposentadoria compulsória
do óbito; ou contidas no § 1º, II.
§ 20. Fica vedada a existência de mais de um regime próprio
II - ao valor da totalidade da remuneração do servidor no cargo
de previdência social para os servidores titulares de cargos efeti-
efetivo em que se deu o falecimento, até o limite máximo estabele-
vos, e de mais de uma unidade gestora do respectivo regime em
cido para os benefícios do regime geral de previdência social de que
cada ente estatal, ressalvado o disposto no art. 142, § 3º, X.
trata o art. 201, acrescido de setenta por cento da parcela exceden-
§ 21. A contribuição prevista no § 18 deste artigo incidirá ape-
te a este limite, caso em atividade na data do óbito. nas sobre as parcelas de proventos de aposentadoria e de pensão
§ 8º É assegurado o reajustamento dos benefícios para preser- que superem o dobro do limite máximo estabelecido para os be-
var-lhes, em caráter permanente, o valor real, conforme critérios nefícios do regime geral de previdência social de que trata o art.
estabelecidos em lei. 201 desta Constituição, quando o beneficiário, na forma da lei, for
§ 9º O tempo de contribuição federal, estadual ou municipal portador de doença incapacitante.
será contado para efeito de aposentadoria e o tempo de serviço
correspondente para efeito de disponibilidade. 7) Estágio probatório e perda do cargo
§ 10. A lei não poderá estabelecer qualquer forma de contagem Estabelece a Constituição Federal em seu artigo 41, a ser lido
de tempo de contribuição fictício. em conjunto com o artigo 20 da Lei nº 8.112/1990:
§ 11. Aplica-se o limite fixado no art. 37, XI, à soma total dos
proventos de inatividade, inclusive quando decorrentes da acumu- Artigo 41, CF. São estáveis após três anos de efetivo exercício
lação de cargos ou empregos públicos, bem como de outras ativi- os servidores nomeados para cargo de provimento efetivo em vir-
dades sujeitas a contribuição para o regime geral de previdência tude de concurso público.
social, e ao montante resultante da adição de proventos de inativi- § 1º O servidor público estável só perderá o cargo:
dade com remuneração de cargo acumulável na forma desta Cons- I - em virtude de sentença judicial transitada em julgado;
tituição, cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e II - mediante processo administrativo em que lhe seja assegu-
exoneração, e de cargo eletivo. rada ampla defesa;
§ 12. Além do disposto neste artigo, o regime de previdência III - mediante procedimento de avaliação periódica de desem-
dos servidores públicos titulares de cargo efetivo observará, no que penho, na forma de lei complementar, assegurada ampla defesa.
couber, os requisitos e critérios fixados para o regime geral de pre- § 2º Invalidada por sentença judicial a demissão do servidor
vidência social. estável, será ele reintegrado, e o eventual ocupante da vaga, se
§ 13. Ao servidor ocupante, exclusivamente, de cargo em co- estável, reconduzido ao cargo de origem, sem direito a indenização,
missão declarado em lei de livre nomeação e exoneração bem como aproveitado em outro cargo ou posto em disponibilidade com remu-
de outro cargo temporário ou de emprego público, aplica-se o regi- neração proporcional ao tempo de serviço.
§ 3º Extinto o cargo ou declarada a sua desnecessidade, o ser-
me geral de previdência social.
vidor estável ficará em disponibilidade, com remuneração propor-
§ 14. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios,
cional ao tempo de serviço, até seu adequado aproveitamento em
desde que instituam regime de previdência complementar para os
outro cargo.
seus respectivos servidores titulares de cargo efetivo, poderão fixar,
§ 4º Como condição para a aquisição da estabilidade, é obriga-
para o valor das aposentadorias e pensões a serem concedidas pelo tória a avaliação especial de desempenho por comissão instituída
regime de que trata este artigo, o limite máximo estabelecido para para essa finalidade.
os benefícios do regime geral de previdência social de que trata o
art. 201. Art. 20, Lei nº 8.112/1990. Ao entrar em exercício, o servidor
§ 15. O regime de previdência complementar de que trata o § nomeado para cargo de provimento efetivo ficará sujeito a estágio
14 será instituído por lei de iniciativa do respectivo Poder Executivo, probatório por período de 24 (vinte e quatro) meses, durante o qual
observado o disposto no art. 202 e seus parágrafos, no que couber, a sua aptidão e capacidade serão objeto de avaliação para o de-
por intermédio de entidades fechadas de previdência complemen- sempenho do cargo, observados os seguinte fatores:
tar, de natureza pública, que oferecerão aos respectivos participan- I - assiduidade;
tes planos de benefícios somente na modalidade de contribuição II - disciplina;
definida. III - capacidade de iniciativa;
IV - produtividade;

38
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
V - responsabilidade. § 1º Aplicam-se aos militares dos Estados, do Distrito Federal e
§ 1º 4 (quatro) meses antes de findo o período do estágio pro- dos Territórios, além do que vier a ser fixado em lei, as disposições
batório, será submetida à homologação da autoridade competen- do art. 14, § 8º; do art. 40, § 9º; e do art. 142, §§ 2º e 3º, cabendo
te a avaliação do desempenho do servidor, realizada por comissão a lei estadual específica dispor sobre as matérias do art. 142, § 3º,
constituída para essa finalidade, de acordo com o que dispuser a lei inciso X, sendo as patentes dos oficiais conferidas pelos respectivos
ou o regulamento da respectiva carreira ou cargo, sem prejuízo da governadores.
continuidade de apuração dos fatores enumerados nos incisos I a V § 2º Aos pensionistas dos militares dos Estados, do Distrito Fe-
do caput deste artigo. deral e dos Territórios aplica-se o que for fixado em lei específica do
§ 2º O servidor não aprovado no estágio probatório será exone- respectivo ente estatal.
rado ou, se estável, reconduzido ao cargo anteriormente ocupado,
observado o disposto no parágrafo único do art. 29. EXERCÍCIOS
§ 3º O servidor em estágio probatório poderá exercer quais-
quer cargos de provimento em comissão ou funções de direção, 01. [...] não se pode deduzir que todos os direitos fundamen-
chefia ou assessoramento no órgão ou entidade de lotação, e so- tais possam ser aplicados e protegidos da mesma forma, embora
mente poderá ser cedido a outro órgão ou entidade para ocupar todos eles estejam sob a guarda de um regime jurídico reforçado,
cargos de Natureza Especial, cargos de provimento em comissão do conferido pelo legislador constituinte. (HACHEM, Daniel Wunder.
Grupo-Direção e Assessoramento Superiores - DAS, de níveis 6, 5 e Mandado de Injunção e Direitos Fundamentais, 2012.)
4, ou equivalentes.
Sobre o tema, assinale a alternativa correta.
§ 4º Ao servidor em estágio probatório somente poderão ser
A. É compatível com a posição do autor inferir-se que, não obs-
concedidas as licenças e os afastamentos previstos nos arts. 81,
tante o reconhecimento do princípio da aplicabilidade imediata das
incisos I a IV, 94, 95 e 96, bem assim afastamento para participar
normas definidoras de direitos e garantias fundamentais, há pe-
de curso de formação decorrente de aprovação em concurso para
outro cargo na Administração Pública Federal. culiaridades nas consequências jurídicas extraíveis de cada direito
§ 5º O estágio probatório ficará suspenso durante as licenças e fundamental, haja vista existirem distintos níveis de proteção.
os afastamentos previstos nos arts. 83, 84, § 1o, 86 e 96, bem assim B. É compatível com a posição do autor a recusa ao reconheci-
na hipótese de participação em curso de formação, e será retomado mento do princípio da aplicabilidade imediata das normas definido-
a partir do término do impedimento. ras de direitos e garantias fundamentais no sistema constitucional
brasileiro.
O estágio probatório pode ser definido como um lapso de tem- C. O autor se refere particularmente à distinção existente entre
po no qual a aptidão e capacidade do servidor serão avaliadas de direitos fundamentais políticos e direitos fundamentais sociais, haja
acordo com critérios de assiduidade, disciplina, capacidade de ini- vista a mais ampla proteção constitucional aos primeiros, que não
ciativa, produtividade e responsabilidade. O servidor não aprovado estão limitados ao mínimo existencial.
no estágio probatório será exonerado ou, se estável, reconduzido D. O autor se refere particularmente à distinção entre os direi-
ao cargo anteriormente ocupado. Não existe vedação para um ser- tos fundamentais que consistem em cláusulas pétreas e os direitos
vidor em estágio probatório exercer quaisquer cargos de provimen- fundamentais que não estão protegidos por essa cláusula, sendo
to em comissão ou funções de direção, chefia ou assessoramento que a maior proteção dada aos primeiros os torna imunes à incidên-
no órgão ou entidade de lotação. cia da reserva do possível.
Desde a Emenda Constitucional nº 19 de 1998, a disciplina do E. O autor se refere particularmente à distinção entre os di-
estágio probatório mudou, notadamente aumentando o prazo de 2 reitos fundamentais que estão expressos na Constituição de 1988
anos para 3 anos. Tendo em vista que a norma constitucional preva- e aqueles que estão implícitos, decorrendo dos princípios por ela
lece sobre a lei federal, mesmo que ela não tenha sido atualizada, adotados, haja vista o expresso regime diferenciado de proteção
deve-se seguir o disposto no artigo 41 da Constituição Federal. estabelecido em nível constitucional para esses dois grupos de di-
Uma vez adquirida a aprovação no estágio probatório, o ser- reitos.
vidor público somente poderá ser exonerado nos casos do §1º do
artigo 40 da Constituição Federal, notadamente: em virtude de 02. De acordo com a Constituição Federal, sobre os direitos e
sentença judicial transitada em julgado; mediante processo admi- deveres individuais e coletivos, assinalar a alternativa CORRETA:
nistrativo em que lhe seja assegurada ampla defesa; ou mediante
A. A lei excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou
procedimento de avaliação periódica de desempenho, na forma
ameaça a direito.
de lei complementar, assegurada ampla defesa (sendo esta lei com-
B. A lei não prejudicará o direito adquirido, o ato jurídico per-
plementar ainda inexistente no âmbito federal.
feito e a coisa julgada.
8) Dos militares dos Estados, do Distrito Federal e dos Terri- C. Haverá juízo ou tribunal de exceção.
tórios D. Não há crime sem lei anterior que o defina, podendo haver
Prevê o artigo 42, CF: pena sem prévia cominação legal.

Art. 42. Os membros das Polícias Militares e Corpos de Bom-


beiros Militares, instituições organizadas com base na hierarquia
e disciplina, são militares dos Estados, do Distrito Federal e dos
Territórios.

39
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
03. Sobre os direitos constitucionais à vida, à liberdade e à 06. Sobre os Direitos Constitucionais da inviolabilidade à intimi-
igualdade, é correto afirmar que a: dade, à vida privada, à honra e à imagem das pessoas, assegurado
Marcar apenas uma oval. o direito à indenização pelo dano material ou moral decorrente de
A. prerrogativa do foro em favor da mulher e sua aplicação tan- sua violação, assinale a alternativa INCORRETA.
to para a ação de separação judicial quanto para a de divórcio dire- A. A violação desses bens jurídicos ensejará indenização, cujo
to fere o princípio constitucional da isonomia de tratamento entre montante deverá observar o grau de reprovabilidade da conduta.
homens e mulheres. B. O direito à honra protege, desse modo, o sentimento de dig-
B. pena de morte é objeto de cláusula pétrea ou limitação ao nidade e a reputação dos indivíduos, o “bom nome” que os diferen-
poder constituinte derivado reformador, de forma que proposta cia na sociedade.
de emenda que a comine não pode ser deliberada, uma vez que C. As indenizações por dano material e por dano moral são
afronta ao direito constitucional à vida, não se admitindo a pena de cumuláveis, ou seja, diante de um mesmo fato, é possível que se
morte nem mesmo em tempo de guerra. reconheça o direito a ambas as indenizações.
C. liberdade de locomoção é desenhada como possibilidade D. As pessoas jurídicas não poderão ser indenizadas por dano
de ingresso, circulação interna e saída do território nacional, sendo moral, uma vez que não são titulares dos direitos à honra e à ima-
preservada mesmo com a decretação de estado de sítio com funda- gem.
mentação em comoção grave de repercussão nacional. A liberdade E. A intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pesso-
de locomoção apenas é restringida com advento da declaração de as são invioláveis. Elas consistem espaço íntimo intransponível por
guerra. intromissões ilícitas externas.
D. objeção de consciência é alusiva às obrigações legais a todos
impostas que podem ser eximidas por motivo de crença religiosa ou 07. Segundo prevê a Constituição Federal, o dever do Estado
convicção filosófica ou política, sem que os direitos fundamentais com a educação será efetivado mediante a garantia de:
de quem a opõe sejam perdidos ou suspensos, ressalvado o des- A. oferta de ensino noturno regular, adequado às condições do
cumprimento de prestação alternativa. educando.
B. educação infantil, em creche e pré-escola, às crianças entre
04. Segundo a Constituição Federal, todos são iguais perante 6(seis) e 13 (treze) anos de idade.
a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos bra- C. ensino exclusivamente público, já que é proibido o ensino
sileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do prestado pela iniciativa privada.
direito à vida, à liberdade, à segurança e à propriedade, nos termos D. não abertura de vagas na rede regular de ensino aos porta-
seguintes, entre outros: dores de deficiência.
I. É livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica E. pagamento de um salário-mínimo para cada aluno que ob-
e de comunicação, independentemente de censura ou licença. tiver frequência anual às aulas igual ou maior que 50% (cinquenta
II. A casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo por cento).
penetrar sem consentimento do morador, inclusive em caso de fla-
grante delito ou desastre, salvo para prestar socorro, ou, durante a 08. Conforme disposto na Constituição da República Federati-
noite, por determinação judicial. va do Brasil de 1988 - Dos Direitos Políticos, assinale a alternativa
III. É livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, correta.
atendidas as qualificações profissionais que a lei estabelecer. A. A ação de impugnação de mandato tramitará de modo pú-
Estão CORRETOS: blico, respondendo o autor, na forma da lei, se temerária ou de ma-
A. Somente os itens I e II. nifesta má-fé.
B. Somente os itens I e III. B. Alistar-se-á como eleitores os estrangeiros e, durante o perí-
C. Somente os itens II e III. odo do serviço militar obrigatório, os conscritos.
D. Todos os itens. C. O alistamento eleitoral e o voto são facultativos para os
maiores de setenta anos.
05. A respeito dos direitos fundamentais, com base na Cons- D. A lei que alterar o processo eleitoral entrará em vigor na data
tituição Federal e na jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, de sua publicação, aplicando à eleição que ocorra até um ano da
assinale a alternativa correta. data de sua vigência.
A. A adoção de ações afirmativas não é incompatível com o
princípio da igualdade. 09. A Administração Pública é regida por princípios que vêm
B. A interceptação telefônica pode ser determinada pelo Mi- estabelecidos no caput do art. 37 da Constituição da República.
nistério Público, sempre que a defesa da probidade administrativa Acerca de tais princípios, é correto afirmar, EXCETO, que
recomende a adoção da medida. A. o princípio da impessoalidade liga-se ao interesse da coleti-
C. As associações poderão ter as suas atividades suspensas por vidade de maneira que se entende que a Administração não deve,
decisão administrativa ou judicial. como regra geral, beneficiar ou prejudicar ninguém, mas atuar de
D. O direito à habitação garante ao indivíduo que ocupe imó- maneira impessoal.
vel público e nele exerça atividade econômica produtiva o direito à B. o princípio da publicidade corrobora a ideia de que a Admi-
usucapião. nistração deve agir de maneira transparente já que cuida da coisa
E. A autoridade competente, em caso de iminente perigo públi- pública. Tal princípio é considerado absoluto no Ordenamento Ju-
co, poderá utilizar a propriedade particular, assegurada ao proprie- rídico Nacional.
tário a indenização prévia, justa e em dinheiro. C. o princípio da legalidade estabelece que todos os atos do
poder público devem ser consoantes à lei, muito embora admita-
-se atos discricionários desde que marcados pela razoabilidade e
proporcionalidade, de acordo com uma interpretação em confor-
midade com o texto legal que implícita ou expressamente preveja a
possibilidade da conduta.

40
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
D. o princípio da eficiência decorre da EC19/98 e estabelece a ________________________________________________
necessidade de a Administração ter uma visão gerencial da coisa
pública, primando por qualidade aliada à economia. ________________________________________________

10. De acordo com o Capítulo VII da Constituição Federal de ________________________________________________


1988, que trata da organização da Administração Pública, é correto
afirmar, EXCETO, que ________________________________________________
A. os atos de improbidade administrativa importarão a suspen-
são dos direitos políticos, a perda da função pública, a indisponibi- ________________________________________________
lidade dos bens e o ressarcimento ao erário, na forma e gradação
________________________________________________
previstas em lei, sem prejuízo da ação penal cabível.
B. a administração pública direta e indireta de qualquer dos po-
________________________________________________
deres da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios
obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralida- ________________________________________________
de, publicidade e eficiência.
C. a proibição de acumular cargos públicos remunerados es- ________________________________________________
tende-se a empregos e funções e abrange autarquias, fundações,
empresas públicas, sociedades de economia mista, suas subsidiá- ________________________________________________
rias, e sociedades controladas, direta ou indiretamente, pelo poder
público. ________________________________________________
D. os vencimentos dos cargos do Poder Legislativo e do Poder
Executivo não poderão ser superiores aos pagos pelo Poder Judici- ________________________________________________
ário.
________________________________________________
GABARITO
________________________________________________
01 A ________________________________________________
02 B
________________________________________________
03 D
04 B ________________________________________________
05 A
________________________________________________
06 D
07 A ________________________________________________
08 C ________________________________________________
09 B
________________________________________________
10 D
________________________________________________

________________________________________________

________________________________________________
______________________________
________________________________________________
______________________________
________________________________________________
______________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
_______________________________________________
________________________________________________
_______________________________________________
________________________________________________

41
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

________________________________________________ ________________________________________________

42
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO
1 Estado, governo e Administração Pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios. . . . . . . . . . . . . . 01
2 Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 04
3 Organização administrativa da União; administração direta e indireta. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
4 Agentes públicos: espécies e classificação; poderes, deveres e prerrogativas; cargo, emprego e função públicos; regime jurídico único:
provimento, vacância, remoção, redistribuição e substituição; direitos e vantagens; regime disciplinar; responsabilidade civil, criminal e
administrativa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
5 Poderes administrativos: poder hierárquico; poder disciplinar; poder regulamentar; poder de polícia; uso e abuso do poder. . . . . . . 51
6 Ato administrativo: validade, eficácia; atributos; extinção, desfazimento e sanatória; classificação, espécies e exteriorização; vinculação
e discricionariedade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
7 Serviços Públicos: conceito, classificação, regulamentação e controle; forma, meios e requisitos; delegação: concessão, permissão, auto-
rização. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
8 Controle e responsabilização da administração: controle administrativo; controle judicial; controle legislativo; responsabilidade civil do
Estado. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
Lei nº 8.429/1992 (sanções aplicáveis aos agentes públicos nos casos de enriquecimento ilícito no exercício de mandato, cargo, emprego
ou função da administração pública direta, indireta ou fundacional e dá outras providências). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
9 Lei n°9.784/1999 (Lei do Processo Administrativo). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO
Pode ser conceituado em dois sentidos:
1 ESTADO, GOVERNO E ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: a) sentido formal, orgânico ou subjetivo: o conjunto de ór-
CONCEITOS, ELEMENTOS, PODERES E ORGANIZAÇÃO; gãos/entidades administrativas e agentes estatais, que estejam no
NATUREZA, FINS E PRINCÍPIOS. exercício da função administrativa, independentemente do poder a
que pertençam, tais como Poder Executivo, Judiciário ou Legislativo
CONCEITOS ou a qualquer outro organismo estatal.
Em outras palavras, a expressão Administração Pública confun-
Estado de-se com os sujeitos que integram a estrutura administrativa do
Estado, ou seja, com quem desempenha a função administrativa.
O Estado soberano, traz como regra, um governo, indispensá- Assim, num sentido subjetivo, Administração Pública representa o
vel por ser o elemento condutor política do Estado, o povo que irá conjunto de órgãos, agentes e entidades que desempenham a fun-
representar o componente humano e o território que é o espaço ção administrativa. 
físico que ele ocupa. 
b) sentido material ou objetivo: conjunto das atividades ad-
São Características do Estado: ministrativas realizadas pelo Estado, que vai em direção à defesa
- Soberania:.No âmbito interno refere-se à capacidade de auto- concreta do interesse público.
determinação e, no âmbito externo, é o privilégio de receber trata- Em outras palavras, a Administração Pública confunde-se com
mento igualitário perante os outros países.  a própria função (atividade) administrativa desempenhada pelo Es-
- Sociedade: é o conjunto de pessoas que compartilham tado. O conceito de Administração Pública está relacionado com o
propósitos, preocupações e costumes, e que interagem entre si objeto da Administração. Não se preocupa aqui com quem exerce
constituindo uma comunidade.  a Administração, mas sim com o que faz a Administração Pública.
- Território é a base espacial do poder jurisdicional do Estado
onde este exerce o poder coercitivo estatal sobre os indivíduos hu- A doutrina moderna considera quatro tarefas precípuas da Ad-
manos, sendo materialmente composto pela terra firme, incluindo ministração Pública, que são:
o subsolo e as águas internas (rios, lagos e mares internos), pelo 1 - a prestação de serviços públicos,
mar territorial, pela plataforma continental e pelo espaço aéreo.  2 - o exercício do poder de polícia,
- Povo é a população do Estado, considerada pelo aspecto pura- 3 - a regulação das atividades de interesse público e
mente jurídico.É o conjunto de indivíduos sujeitos às mesmas leis. São 4 - o controle da atuação do Estado.
os cidadãos de um mesmo Estado, detentores de direitos e deveres. 
- Nação é um grupo de indivíduos que se sentem unidos pela Em linhas gerais, podemos entender a atividade administrativa
origem comum, pelos interesses comuns, e principalmente, por como sendo aquela voltada para o bem toda a coletividade, desen-
ideais e princípios comuns. volvida pelo Estado com a finalidade de privilegiar e administrar a
coisa pública e as necessidades da coletividade.
Governo  Por sua vez, a função administrativa é considerada um múnus
público, que configura uma obrigação ou dever para o administrador
A palavra governo tem dois sentidos, coletivo e singular. público que não será livre para atuar, já que deve obediência ao
- Coletivo: conjunto de órgãos que orientam a vida política do direito posto, para buscar o interesse coletivo.
Estado.
- Singular: como poder executivo, órgão que exerce a função Separação dos Poderes
mais ativa na direção dos negócios públicos. É um conjunto par-
ticular de pessoas que, em qualquer tempo, ocupam posições de O Estado brasileiro adotou a tripartição de poderes, assim são
autoridade dentro de um Estado, que tem o objetivo de estabelecer seus poderes o Legislativo, o Executivo e o Judiciário, conforme se
as regras de uma sociedade política e exercer autoridade. infere da leitura do art. 2º da Constituição Federal: “São Poderes da
União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo, o Execu-
Importante destacar o conceito de governo dado por Alexandre tivo e o Judiciário.”.
Mazza: “... é a cúpula diretiva do Estado, responsável pela condução a) Poder Executivo: No exercício de suas funções típicas, pratica
dos altos interesses estatais e pelo poder político, e cuja composição atos de chefia do Estado, de Governo e atos de administração, ou
pode ser modificada mediante eleições.” seja, administra e executa o ordenamento jurídico vigente. É uma
O governo é a instância máxima de administração executiva, administração direita, pois não precisa ser provocada. Excepcional-
geralmente reconhecida como a liderança de um Estado ou uma mente, no exercício de função atípica, tem o poder de legislar, por
nação. É formado por dirigentes executivos do Estado e ministros.  exemplo, via medida provisória.
Os conceitos de Estado e Governo não podem ser confundidos, b) Poder legislativo: No exercício de suas funções típicas, é de
já que o Estado é um povo situado em determinado território, com- sua competência legislar de forma geral e abstrata, ou seja, legislar
posto pelos elementos: povo, território e governo. para todos. Tem o poder de inovar o ordenamento jurídico. Em fun-
O governo, por sua vez, é o elemento gestor do Estado. Pode-se ção atípica, pode administrar internamente seus problemas.
dizer que o governo é a cúpula diretiva do Estado que se organiza c) Poder judiciário: No exercício de suas funções típicas, tem o
sob uma ordem jurídica por ele posta, a qual consiste no complexo poder jurisdicional, ou seja, poder de julgar as lides, no caso concre-
de regras de direito baseadas e fundadas na Constituição Federal. to. Sua atuação depende de provocação, pois é inerte.

Administração pública Como vimos, o governo é o órgão responsável por conduzir os


interesses de uma sociedade. Em outras palavras, é o poder diretivo
É a forma como o Estado governa, ou seja, como executa as do Estado.
suas atividades voltadas para o atendimento para o bem estar de
seu povo.

1
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO
FONTES soas privadas. A atividade administrativa deve ser destinada a todos
os administrados, sem discriminação nem favoritismo, constituindo
A Administração Pública adota substancialmente as mesmas assim um desdobramento do princípio geral da igualdade, art. 5.º,
fontes adotadas no ramo jurídico do Direito Administrativo: Lei, caput, CF.
Doutrina, Jurisprudência e Costumes. - Moralidade: A atividade da Administração Pública deve obe-
Além das fontes mencionadas, adotadas em comum com o decer não só à lei, mas também à moral. Como a moral reside no
Direito Administrativo, a Administração Pública ainda utiliza-se das campo do subjetivismo, a Administração Pública possui mecanis-
seguintes fontes para o exercício das atividades administrativas: mos que determinam a moral administrativa, ou seja, prescreve
- Regulamentos São atos normativos posteriores aos decretos, condutas que são moralmente aceitas na esfera do Poder Público.
que visam especificar as disposições de lei, assim como seus man- - Publicidade: É o dever atribuído à Administração, de dar total
damentos legais. As leis que não forem executáveis, dependem de transparência a todos os atos que praticar, ou seja, como regra
regulamentos, que não contrariem a lei originária. Já as leis auto- geral, nenhum ato administrativo pode ser sigiloso.
-executáveis independem de regulamentos para produzir efeitos. A regra do princípio que veda o sigilo comporta algumas ex-
- Instruções normativas Possuem previsão expressa na Consti- ceções, como quando os atos e atividades estiverem relacionados
tuição Federal, em seu artigo 87, inciso II. São atos administrativos com a segurança nacional ou quando o conteúdo da informação for
privativos dos Ministros de Estado. É a forma em que os superiores resguardado por sigilo (art. 37, § 3.º, II, da CF/88).
expedem normas de caráter geral, interno, prescrevendo o meio de - Eficiência: A Emenda Constitucional nº 19 trouxe para o tex-
atuação de seus subordinados com relação a determinado serviço, to constitucional o princípio da eficiência, que obrigou a Adminis-
assemelhando-se às circulares e às ordens de serviço.  tração Pública a aperfeiçoar os serviços e as atividades que presta,
- Regimentos  São atos administrativos internos que emanam buscando otimização de resultados e visando atender o interesse
do poder hierárquico do Executivo ou da capacidade de auto- público com maior eficiência. 
organização interna das corporações legislativas e judiciárias.
Desta maneira, se destinam à disciplina dos sujeitos do órgão que Princípios Implícitos:
o expediu. Os demais são os denominados princípios reconhecidos (ou
- Estatutos É o conjunto de normas jurídicas, através de acordo implícitos), estes variam de acordo com cada jurista/doutrinador.
entre os sócios e os fundadores, regulamentando o funcionamento Destaca-se os seguintes princípios elaborados pela doutrina
de uma pessoa jurídica. Inclui os órgãos de classe, em especial os administrativa, dentre outros:
colegiados. - Princípio da Supremacia do Interesse Público sobre o Parti-
cular: Sempre que houver necessidade de satisfazer um interesse
PRINCÍPIOS público, em detrimento de um interesse particular, prevalece o
interesse público. São as prerrogativas conferidas à Administração
Os princípios jurídicos orientam a interpretação e a aplicação Pública, porque esta atua por conta dos interesses públicos.
de outras normas. São as diretrizes do ordenamento jurídico, guias No entanto, sempre que esses direitos forem utilizados para
de interpretação, às quais a administração pública fica subordinada. finalidade diversa do interesse público, o administrador será res-
Possuem um alto grau de generalidade e abstração, bem como um ponsabilizado e surgirá o abuso de poder.
profundo conteúdo axiológico e valorativo. - Indisponibilidade do Interesse Público: Os bens e interesses
Os princípios da Administração Pública são regras que surgem públicos são indisponíveis, ou seja, não pertencem à Administra-
como parâmetros e diretrizes norteadoras para a interpretação das ção ou a seus agentes, cabendo aos mesmos somente sua gestão
demais normas jurídicas. em prol da coletividade. Veda ao administrador quaisquer atos que
Com função principal de garantir oferecer coerência e harmo- impliquem renúncia de direitos da Administração ou que, injustifi-
nia para o ordenamento jurídico e determinam a conduta dos agen-
cadamente, onerem a sociedade.
tes públicos no exercício de suas atribuições.
- Autotutela: é o princípio que autoriza que a Administração
Encontram-se de maneira explícita/expressas no texto consti-
Pública revise os seus atos e conserte os seus erros.
tucional ou implícitas na ordem jurídica. Os primeiros são, por una-
- Segurança Jurídica: O ordenamento jurídico vigente garante
nimidade, os chamados princípios expressos (ou explícitos), estão
que a Administração deve interpretar a norma administrativa da
previstos no art. 37, caput, da Constituição Federal.
forma que melhor garanta o atendimento do fim público a que se
dirige, vedada aplicação retroativa de nova interpretação.
Princípios Expressos:
São os princípios expressos da Administração Pública os que - Razoabilidade e da Proporcionalidade: São tidos como prin-
estão inseridos no artigo 37 “caput” da Constituição Federal: legali- cípios gerais de Direito, aplicáveis a praticamente todos os ramos
dade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência. da ciência jurídica. No âmbito do Direito Administrativo encontram
- Legalidade: O princípio da legalidade representa uma garantia aplicação especialmente no que concerne à prática de atos adminis-
para os administrados, pois qualquer ato da Administração Pública trativos que impliquem restrição ou condicionamento a direitos dos
somente terá validade se respaldado em lei. Representa um limite administrados ou imposição de sanções administrativas.
para a atuação do Estado, visando à proteção do administrado em - Probidade Administrativa: A conduta do administrador públi-
relação ao abuso de poder. co deve ser honesta, pautada na boa conduta e na boa-fé.
O princípio apresenta um perfil diverso no campo do Direito - Continuidade do Serviço Público: Via de regra os serviços pú-
Público e no campo do Direito Privado. No Direito Privado, tendo blicos por serem prestados no interesse da coletividade devem ser
em vista o interesse privado, as partes poderão fazer tudo o que a adequados e seu funcionamento não deve sofrer interrupções.
lei não proíbe; no Direito Público, diferentemente, existe uma rela-
ção de subordinação perante a lei, ou seja, só se pode fazer o que a Ressaltamos que não há hierarquia entre os princípios (expres-
lei expressamente autorizar. sos ou não), visto que tais diretrizes devem ser aplicadas de forma
- Impessoalidade: a Administração Pública não poderá atuar harmoniosa. Assim, a aplicação de um princípio não exclui a aplica-
discriminando pessoas de forma gratuita, a Administração Pública ção de outro e nem um princípio se sobrepõe ao outros.
deve permanecer numa posição de neutralidade em relação às pes-

2
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO
Nos termos do que estabelece o artigo 37 da Constituição Fe- (C) São elementos do Estado o Poder Legislativo, o Poder Judi-
deral, os princípios da Administração abrangem a Administração ciário e o Poder Executivo.
Pública direta e indireta de quaisquer dos Poderes da União, dos (D) Os elementos do Estado podem se dividir em presidencia-
Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, vinculando todos os lista ou parlamentarista.
órgãos, entidades e agentes públicos de todas as esferas estatais ao (E) A União, o estado, os municípios e o Distrito Federal são
cumprimento das premissas principiológicas. elementos do Estado brasileiro.

06. (IF/AP - Auxiliar em Administração – FUNIVERSA/2016).


QUESTÕES No sistema de governo brasileiro, os chefes do Poder Executivo
(presidente da República, governadores e prefeitos) exercem, ao
01. (Prefeitura de Jataí/GO - Auditor de Controladoria - Qua- mesmo tempo, as funções administrativa (Administração Pública) e
drix /2019) A cúpula diretiva investida de poder político para a con- política (governo). No entanto, são funções distintas, com conceitos
dução dos interesses nacionais consiste e objetivos bem definidos. Acerca de Administração Pública e go-
A) no Estado. verno, assinale a alternativa correta. 
B) na Administração Pública.
C) no Poder Executivo. (A) Administração Pública e governo são considerados sinôni-
D) no governo. mos, visto que ambos têm como objetivo imediato a busca da satis-
E) nos agentes políticos. fação do interesse coletivo. 
(B) As ações de Administração Pública têm como objetivo a sa-
02. (CRO-GO - Assistente Administrativo – Quadrix/2019) No tisfação do interesse público e são voltadas à execução das políticas
que se refere ao Estado e a seus Poderes, julgue o item. públicas. 
A noção de Estado de direito baseia‐se na regra de que, ao (C) Administração Pública é a atividade responsável pela fixa-
mesmo tempo em que o Estado cria o direito, deve sujeitar‐se a ele. ção dos objetivos do Estado, ou seja, nada mais é que o Estado de-
( ) Certo sempenhando sua função política. 
( ) Errado (D) Governo é o conjunto de agentes, órgãos e pessoas jurídicas
de que o Estado dispõe para colocar em prática as políticas públicas. 
03. (CRO-GO - CRO-GO - Fiscal Regional - Quadrix – 2019) No (E) A Administração pratica tanto atos de governo (políticos)
que se refere ao Estado e a seus Poderes, julgue o item. como atos de execução das políticas públicas.
Os Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário exercem suas res-
pectivas funções com absoluta exclusividade. 07. (UFAL - Auxiliar em Administração – COPEVE-UFAL). O ter-
( ) Certo mo Administração Pública, em sentido estrito e objetivo, equivale
( ) Errado
(A) às funções típicas dos Poderes Executivo, Legislativo e Ju-
04. (CRF-PR - Analista de RH – Quadrix/2019) A supremacia do diciário.
interesse público sobre o privado, também chamada simplesmente (B) à noção de governo.
de princípio do interesse público ou da finalidade pública, princípio (C) ao conceito de Estado.
implícito na atual ordem jurídica, significa que os interesses da co- (D) ao conceito de função administrativa.
letividade são mais importantes que os interesses individuais, razão (E) ao Poder Executivo.
pela qual a Administração, como defensora dos interesses públicos,
recebe da lei poderes especiais não extensivos aos particulares. Ale- 08. (CESPE – INSS - Perito Médico Previdenciário – CESPE).
xandre Mazza. Manual de direito administrativo. 8.ª ed. São Paulo: Acerca do direito administrativo, julgue os itens a seguir.
Saraiva Educação, 2018. Povo, território e governo soberano são elementos do Estado.
Com relação a esse princípio, assinale a alternativa correta. (  ) Certo 
( ) Errado
A) Apesar da supremacia presente, não possibilita que a Admi-
nistração Pública convoque particulares para a execução compulsó- 09. (JARU-PREVI - RO - Assistente Administrativo – IBA-
ria de atividades públicas. DE/2019) Com base nos três poderes do estado e nas suas funções,
B) Só existe a supremacia do interesse público primário sobre o
afirma-se que ao:
interesse privado. O interesse patrimonial do Estado como pessoa
jurídica, conhecido como interesse público secundário, não tem su-
A) legislativo: cabe a ele criar leis em cada uma das três esferas
premacia sobre o interesse do particular.
e fiscalizar e controlar os atos do poder executivo.
C) Não permite a requisição de veículo particular, pela polícia,
B) executivo: estabelece normas que regem a sociedade.
para perseguir criminoso. Referida atitude não é prevista no direito
C) judiciário: responsável pela regulação da administração dos
brasileiro.
interesses públicos.
D) Não permite que a Administração Pública transforme com-
pulsoriamente propriedade privada em pública. D) legislativo: poder exercido pelos secretários do Estado.
E) Estará presente em todos os atos de gestão da Administra- E) executivo: sua principal tarefa é a de controle de constitu-
ção Pública. cionalidade.

05. (TRT /8ª Região - Analista Judiciário – CESPE/2016). A res- 10. (CONRERP 2ª Região - Assistente Administrativo - Qua-
peito dos elementos do Estado, assinale a opção correta. drix/2019) Quanto à Administração Pública, julgue o item.
À Administração Pública é facultado fazer tudo o que a lei não
(A) Povo, território e governo soberano são elementos indisso- proíbe.
ciáveis do Estado. ( ) Certo
(B) O Estado é um ente despersonalizado. ( ) Errado

3
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO
GABARITO Conforme o entendimento da Prof.ª Maria Helena Diniz, em
sentido jurídico, a Lei é um texto oficial que engloba um conjunto
01 D de normas, ditadas pelo Poder Legislativo e que integra a organiza-
ção do Estado.
02 CERTO Pode-se afirmar que a lei, em sentido jurídico ou formal, é um
03 ERRADO ato primário, pois encontra seu fundamento na Constituição Fede-
ral, bem como possui por características a generalidade (a lei é vá-
04 B
lida para todos) e a abstração (a lei não regula situação concreta).
05 A Existem diversas espécies normativas: lei ordinária, lei comple-
06 B mentar, lei delegada, medida provisória, decretos legislativos, re-
soluções, etc. Por serem leis constituem fonte primária do Direito
07 D Administrativo.
08 CERTO
09 A NOTA: Não se deve esquecer das normas constitucionais que
estão no ápice do ordenamento jurídico brasileiro.
10 ERRADO
b) Doutrina é o resultado do trabalho dos estudiosos e pesqui-
sadores do Direito, ou seja, é a interpretação que os doutrinadores
dão à lei. Vê-se que a doutrina não cria normas, mas tão somente
2 DIREITO ADMINISTRATIVO: CONCEITO, FONTES E
interpreta-as de forma que determinam o sentido e alcance dessa e
PRINCÍPIOS.
norteiam o caminho do seu aplicador.
c) Jurisprudência é o resultado do trabalho dos aplicadores da
CONCEITO lei ao caso concreto, especificamente, são decisões reiteradas dos
Tribunais. Também não cria normas, ao contrário, assemelhar-se à
O Direito Administrativo é um dos ramos do Direito Público, já doutrina porque se trata de uma interpretação da legislação.
que rege a organização e o exercício de atividades do Estado, visan- d) Costumes, de modo geral, são conceituados como os com-
do os interesses da coletividade. portamentos reiterados que tem aceitação social. Ex: fila. Não há
Hely Lopes Meirelles, por sua vez, destaca o elemento finalísti- nenhuma regra jurídica que obrigue alguém a respeitar a fila, po-
co na conceituação: os órgãos, agentes e atividades administrativas rém as pessoas respeitam porque esse é um costume, ou seja, um
como instrumentos para realização dos fins desejados pelo Estado. comportamento que está intrínseco no seio social.
Vejamos: “o conceito de Direito Administrativo Brasileiro, para nós, sin-
tetiza-se no conjunto harmônico de princípios jurídicos que regem os Princípios
órgãos, os agentes e as atividades públicas tendentes a realizar concre-
ta, direta e imediatamente os fins desejados pelo Estado”. Alexandre Mazza (2017) define princípios como sendo regras
O jurista Celso Antônio Bandeira de Mello enfatiza a ideia de condensadoras dos valores fundamentais de um sistema, cuja
função administrativa: “o direito administrativo é o ramo do direito função é informar e enformar o ordenamento jurídico e o modo de
público que disciplina a função administrativa, bem como pessoas e atuação dos aplicadores e intérpretes do direito. De acordo com o
órgãos que a exercem” administrativista, a função de informar deve-se ao fato de que os
Portanto, direito administrativo é o conjunto dos princípios princípios possuem um núcleo valorativo essencial da ordem juríd-
jurídicos que tratam da Administração Pública, suas entidades, ór- ica, ao passo que a função de enformar é caracterizada pelos con-
gãos, agentes públicos, enfim, tudo o que diz respeito à maneira tornos que conferem a determinada seara jurídica.
de se atingir as finalidades do Estado. Assim, tudo que se refere à Mazza (2017) atribui dupla funcionalidade aos princípios, quais
Administração Pública e a relação entre ela e os administrados e sejam, a função hermenêutica e a função integrativa. No que toca
seus servidores, é regrado e estudado pelo Direito Administrativo.  a função hermenêutica, os princípios são responsáveis por esclare-
cer o conteúdo dos demais dispositivos legais, quando os mesmos
OBJETO se mostrarem obscuros no ato de tutela dos casos concretos. Por
meio da função integrativa, por sua vez, os princípios cumprem a
O Direito Administrativo é um ramo que estuda as normas que tarefa de suprir eventuais lacunas legais observadas em matérias
disciplinam o exercício da função administrativa, que regulam a específicas e/ou diante das particularidades que permeiam a apli-
atuação estatal diante da administração da “coisa pública”. cação das normas aos casos concretos.
O objeto imediato do Direito Administrativo são os princípios e Os princípios possuem papel importantíssimo para o Direito
normas que regulam a função administrativa. Administrativo. Uma vez que trata-se de ramo jurídico não codifica-
Por sua vez, as normas e os princípios administrativos têm por objeto do, os princípios, além de exercerem função hermenêutica e inte-
a disciplina das atividades, agentes, pessoas e órgãos da Administração Pú- grativa, cumprem o papel de alinhavar os dispositivos legais espar-
blica, constituindo o objeto mediato do Direito Administrativo. sos que compõe a seara do Direito Administrativo, conferindo-lhe
coerência e unicidade.
FONTES Os princípios do Direito Administrativo podem ser expressos,
ou seja, positivados, escritos na lei, ou implícitos, não positivados,
Pode-se entender fonte como a origem de algo, nesse caso a não expressamente escritos na lei. Importa esclarecer que não ex-
origem das normas de Direito Administrativo. iste hierarquia (grau de importância ou superioridade) entre os
a) Lei - De acordo com o princípio da legalidade, previsto no princípios expressos e implícitos, de forma que os últimos não são
texto constitucional do Artigo 37 caput, somente a lei pode impor inferiores aos primeiros. Prova de tal afirmação, é o fato de que os
obrigações, ou seja, somente a lei pode obrigar o sujeito a fazer ou dois princípios (ou supraprincípios) que dão forma o Regime Jurídi-
deixar de fazer algo. co Administrativo, são implícitos.

4
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO
• Regime Jurídico Administrativo: O Regime Jurídico Admin- Impessoalidade: O princípio da impessoalidade deve ser anali-
istrativo é formado por todos os princípios e demais dispositivos sado sob duas óticas, são elas:
legais que compõe o Direito Administrativo. Entretanto, é correta a) Impessoalidade sob a ótica da atuação da Administração
a afirmação de que as bases desse regime são lançadas por dois Pública em relação aos administrados: O administrado deve pautar
princípios centrais, ou supraprincípios, são eles: Supremacia do In- sua atuação na não discriminação e na não concessão de privilégi-
teresse Público e Indisponibilidade do Interesse Público. os aos indivíduos que o ato atingirá, o que significa que sua atuação
deverá estar calcada na neutralidade e na objetividade, não na sub-
→ Supremacia do Interesse Público: Também denominado jetividade.
supremacia do interesse público sobre o privado, o supraprincípio Sobre o assunto, Matheus Carvalho (2017) cita o exemplo do
invoca a necessidade da sobreposição dos interesses da coletiv- concurso público para provimento de cargos públicos. Ao nomear
idade sobre os individuais. A defesa do interesse público confere indivíduos para ocupação dos cargos em questão, o administrador
ao Estado uma série de prerrogativas (‘‘vantagens’’ atribuídas pelo estará vinculado a lista de aprovados no certame, não podendo se-
Direito Público) que permite uma atuação desigual em relação ao lecionar qualquer outro sujeito.
particular.
São exemplos de prerrogativas da Administração Pública: A b) Impessoalidade do administrador em relação a sua própria
imprescritibilidade dos bens públicos, ou seja, a impossibilidade atuação: A compreensãodesse tópico exige a leitura do parágrafo
de aquisição de bens da Administração Pública mediante ação de primeiro do art. 37 da CF/88. Vejamos: ‘‘A publicidade dos atos, pro-
usucapião; a possibilidade que a Administração Pública possui de gramas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos deverá
rescindir os contratos administrativos de forma unilateral, ou seja, ter caráter educativo, informativo ou de orientação social, dela não
independente da expressão de vontade do particular contratado; a podendo constar nomes, símbolos ou imagens que caracterizem
possibilidade de requisitar os bens dos particulares mediante situ- promoção pessoal de autoridades ou servidores públicos.’’
ação de iminente perigo para população, entre outros. Do dispositivo legal supratranscrito é possível inferir que o uso
da máquina pública para fins de promoção pessoal de autoridades e
→ Indisponibilidade do Interesse Público: O supraprincípio da agentes públicos constitui violação ao princípio da impessoalidade.
indisponibilidade do interesse público tem como principal função Quando o agente público atua, no exercício da função adminis-
orientar a atuação dos agentes públicos, que, no exercício da trativa, o faz em nome da Administração Pública, e não em nome
função administrativa, devem atuar em nome e em prol dos inter- próprio.
esses da Administração Pública. Indisponibilidade significa que os Assim, se o Prefeito João do município J, durante a inauguração
agentes públicos não poderão renunciar poderes (que são também de uma praça com espaço recreativo voltado para crianças, contrata
deveres) e competências a eles atribuídos em prol da consecução um carro de som para transmitir a mensagem: ‘‘ A nova praça é um
do interesse público. presente do Prefeito João para a criançada do município J’’, estará
Ademais, uma vez que o agente público goza das prerrogativas violando o princípio da impessoalidade.
de atuação conferidas pela supremacia do interesse público, a in-
disponibilidade do interesse público, a fim de impedir que tais pre- Moralidade: Bom trato com a máquina pública. Atuação ad-
rrogativas sejam desvirtuadas e utilizadas para a consecução de in- ministrativa pautada nos princípios da ética, honestidade, probi-
teresses privados, impõe limitações à atuação dos agentes públicos. dade e boa fé. A moralidade na Administração Pública está intima-
São exemplos de limitações impostas aos agentes públicos: A mente ligada a não corrupção, não se confundindo com o conceito
necessidade de aprovação em concurso público para o provimen- de moralidade na vida privada.
to dos cargos públicos e a necessidade do procedimento licitatório
para contratação de serviços e aquisição de bens para Adminis- Publicidade: A publicidade é um mecanismo de controle dos
tração Pública. atos administrativos por parte da sociedade, está associada à
prestação de informação da atuação pública aos administrados. A
• Princípios Administrativos Clássicos: regra é que a atuação administrativa seja pública, viabilizando, as-
O art. 37, caput da Constituição Federal disciplina que a Ad- sim, o controle da sociedade. Entretanto, o princípio em questão
ministração Pública direta e indireta, tanto no que diz respeito ao não é absoluto, admitindo exceções previstas em lei. Dessa forma,
desempenho do serviço público, quanto no que concerne ao ex- em situações em que devam ser preservadas a segurança nacional,
ercício da função econômica, deverá obedecer aos princípios da Le- relevante interesse coletivo e intimidade, honra e vida privada, o
galidade, Impessoalidade, Moralidade, Publicidade e Eficiência, os princípio da publicidade será afastado.
famigerados princípios do LIMPE. Ademais, cumpre advertir que a publicidade é requisito de
Legalidade: O princípio da legalidade, no Direito Administrati- eficácia dos atos administrativos que se voltam para a sociedade,
vo, ramo do Direito Público, possui um significado diferente do que de forma que os mesmos não poderão produzir efeitos enquanto
apresenta no Direito Privado. Para o Direito Privado, considera-se não publicados. Ex: Proibição de levar animais e andar de bicicle-
legal toda e qualquer conduta do indivíduo que não esteja defesa ta em praça (bem público) recentemente inaugurada só será eficaz
em lei, que não contrarie a lei. Para o Direito Administrativo, legali- mediante placa com o aviso.
dade significa subordinação à lei, assim, o administrador só poderá
atuar no momento e da maneira que a lei permite. Nesse sentido, Eficiência (Inserido pela Emenda Constitucional 19/98): De
havendo omissão legislativa (lacuna legal, ausência de previsão le- acordo com esse princípio, a Administração Pública deve atingir
gal) em determinada matéria, o administrador não poderá atuar, os melhores resultados possíveis com o mínimo de gastos, ou seja,
estará diante de uma vedação. produzir mais utilizando menos. Com a eficiência, deseja-se rapi-
dez, qualidade, presteza e menos desperdício de recursos possível.
Importante! O princípio da legalidade considera a lei em senti- O princípio da eficiência inspirou, por exemplo, a avaliação
do amplo, assim, compreende-se como lei qualquer espécie norma- periódica de desempenho do servidor público.
tiva prevista pelo art. 59 da Constituição Federal.

5
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO
• Demais princípios que desempenham papel fundamental → Se a atividade administrativa deve ser contínua e ininterrup-
no Direito Administrativo ( CARVALHO, 2017) ta, o servidor público não possui direito de greve?
Ampla Defesa e Contraditório (art. 5, LV da CF/88): São os Depende. Servidores militares não possuem direito de greve,
princípios responsáveis por enunciar o direito do particular adquirir tampouco de sindicalização. Em se tratando dos servidores civis, o
conhecimento sobre o que se passa em processos nos quais com- direito de greve existe e deve ser exercido nos termos e condições
ponha um dos polos (autor ou réu), bem como, de se manifestar da lei específica cabível. Tal lei específica, entretanto, nunca foi edit-
acerca dos fatos que lhe são imputados. Contraditório e Ampla ada, de forma que STF decidiu que, diante da omissão, os servidores
Defesa, portanto, são princípios que se complementam, devendo públicos civis poderão fazer greve nos moldes da Lei Geral de Greve.
ser observados tanto em processos judiciais, quanto em processos
administrativos. → É possível que o particular contratado pela Administração
Em âmbito administrativo, a ampla defesa, conforme asseve- Pública se valha da exceção de contrato não cumprido?
ra Matheus Carvalho (2017), compreende tanto o direito à defesa Primeiramente, se faz necessário esclarecer que exceção de
prévia, direito de o particular se manifestar antes da decisão ad- contrato não cumprido é o direito que a parte possui de não cum-
ministrativa, a fim de formar o convencimento do administrador, prir com suas obrigações contratuais caso a outra parte também
quanto à defesa técnica, faculdade (possibilidade) que o particular não tenha cumprido com as dela.
possui de constituir procurador (advogado). Dessa forma, suponhamos que a Administração Pública deixa
de fazer os pagamentos ao particular contratado, este poderá deix-
Importante! O processo administrativo admite o duplo grau ar de prestar o serviço pactuado?
de jurisdição, ou seja, a possibilidade de interpor recursos em face Sim, entretanto só poderá fazê-lo após 90 dias de inadimplên-
sentença desfavorável. cia, trata-se de garantia conferida pelo princípio da continuidade
disciplinada pelo art. 78, XV da Lei 8.666/93.
Inafastabilidade do Poder Judiciário (art. 5, inciso XXXV da
CF/88): Insatisfeito com decisão proferida em âmbito administrati- →A interrupção de um serviço público em razão do inadimple-
vo, o particular poderá recorrer ao judiciário. Diz-se que a decisão mento do usuário fere o princípio da continuidade?
administrativa não forma Coisa Julgada Material, ou seja, não afasta De acordo com o art. 6, § 3º da Lei 8987/95, a interrupção de
a apreciação da matéria pelo judiciário, pois, caso o fizesse, con- serviço público em virtude do inadimplemento do usuário não fere
sistiria em violação ao princípio da Inafastabilidade do Poder Ju- o princípio da continuidade desde que haja prévio aviso ou seja
diciário. configurada situação de emergência, contanto, ainda, que seja
Ocorre que, de acordo com o princípio ora em análise, qualquer preservado o interesse coletivo.
indivíduo que sofra lesão ou ameaça a direito, poderá, sem ressal- Razoabilidade e Proporcionalidade: A atividade da Adminis-
va, recorrer ao Poder Judiciário. tração Pública deve obedecer a padrões plausíveis, aceitáveis para
Autotutela: De acordo com a súmula 473 do STF, por meio da a sociedade. Diz-se então, que a atuação administrativa deve ser ra-
autotutela, a Administração Pública pode rever os atos que prat- zoável. No que diz respeito à proporcionalidade, deve-se pensar em
ica. A autotutela pode ser provocada pelo particular interessado, adequação entre a finalidade pretendida e os meios utilizados para
por meio do direito de petição, mas também pode ser exercida de o alcance dessa finalidade, por exemplo, não é razoável e propor-
ofício, ou seja, é possível que a Administração Pública reveja os atos cional que um servidor público que se ausenta de suas atividades
que pratica sem que seja necessária qualquer provocação. por apenas um dia seja punido com a sanção de exoneração.

Motivação: É dever da Administração Pública justificar, motivar Isonomia: O princípio da isonomia consiste no tratamento igual
os atos que pratica. Isso ocorre devido ao fato de que a sociedade aos indivíduos que se encontram na mesma situação e no trata-
é a real titular do interesse público e, nessa qualidade, tem o direi- mento diferenciado aos indivíduos que se encontram em situação
to de conhecer as questões que levaram a Administração Pública a de desigualdade. Exemplo: Tratamento diferenciado (‘‘vantagens’’)
praticar determinado ato em determinado momento. Existem ex- conferido às microempresas e empresas de pequeno porte no pro-
ceções ao dever de motivar, exemplo, a nomeação e exoneração de cedimento de licitação, a fim de que possam competir de forma
servidores que ocupam cargos em comissão, conforme disciplina o mais justa junto às empresas detentoras de maior poder econôm-
art. 40,§13 da CF/88. ico.
O princípio da motivação é tratado pelos seguintes dispositivos
legais: Segurança Jurídica: Disciplinado pelo art. 2º, parágrafo único,
Art. 50 da lei 9.784/99 ‘‘ Os atos administrativos deverão ser XIII da Lei 9784/99 ‘‘ Nos processos administrativos será obser-
motivados, com indicação dos fatos e dos fundamentos jurídicos.’’ vada a interpretação da norma administrativa da forma que mel-
50, §1° da lei 9.784/99‘‘A motivação deve ser explícita, clara e hor garanta o atendimento do fim público a que se dirige, vedada
congruente, podendo consistir em declaração de concordância com aplicação retroativa de nova interpretação.’’. Do dispositivo legal é
fundamentos de anteriores pareceres, informações, decisões ou possível extrair o fato de que não é possível aplicação retroativa de
propostas, que, neste caso, serão parte integrante do ato.’’ nova interpretação da norma em âmbito administrativo, visto que
O parágrafo primeiro do artigo cinquenta, de acordo com tal medida, ao ferir legítimas expectativas de direito dos administra-
Matheus Carvalho (2017) diz respeito à motivação aliunde, que dos, constituiria lesão ao princípio da Segurança Jurídica.
como o próprio dispositivo legal denuncia, ocorre quando o admin-
istrador recorre a motivação de atos anteriormente praticados para
justificar o ato que expedirá.

Continuidade (Lei 8987/95): De acordo com o princípio da con-


tinuidade, a atividade administrativa deve ser contínua e não pode
sofrer interrupções. A respeito deste princípio, Matheus Carvalho
(2017) traz alguns questionamentos, vejamos:

6
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO
QUESTÕES 04. (TRF - 1ª REGIÃO - Estagiário – Direito - COPESE –
UFPI/2019) Considerando as fontes do Direito Administrativo como
01. (TRE/PE - Analista Judiciário - Área Administrativa – CES- regras ou comportamentos que provocam o surgimento de uma
PE/2017). O direito administrativo é norma posta, assinale a alternativa que apresenta a descrição in-
correta de fontes dispostas na doutrina.
(A) um ramo estanque do direito, formado e consolidado cien-
tificamente. A) A lei, enquanto fonte do direito, demonstra que o Direito
(B) um ramo do direito proximamente relacionado ao direito Administrativo é composto por um conjunto de normas reunidas
constitucional e possui interfaces com os direitos processual, penal, em legislação única.
tributário, do trabalho, civil e empresarial. B) O costume, representa a prática habitual de determinado
(C) um sub-ramo do direito público, ao qual está subordinado. grupo que o considera obrigatório.
(D) um conjunto esparso de normas que, por possuir caracte- C) A jurisprudência traduz-se na reiteração dos julgamentos
rísticas próprias, deve ser considerado de maneira dissociada das dos órgãos do Judiciário, sempre num mesmo sentido, e tem gran-
demais regras e princípios. de influência na construção do Direito.
(E) um sistema de regras e princípios restritos à regulação inter- D) A doutrina pode ser conceituada como a lição de estudiosos
na das relações jurídicas entre agentes públicos e órgãos do Estado. do Direito, formando o sistema teórico de princípios aplicáveis ao
Direito Positivo.
02. (TJ/CE - Analista Judiciário - Área Administrativa – CESPE).
Com relação ao conceito, ao objeto e às fontes do direito adminis- 05. (UFRB - Assistente em Administração – UFRB/2019) O Di-
trativo, assinale a opção correta. reito Administrativo mantém estreita afinidade e íntimas relações
com o Direito Constitucional, porque ambos cuidam da mesma
(A) Consoante o critério negativo, o direito administrativo com- entidade, que é o Estado. Assinale a alternativa que apresenta um
preende as atividades desenvolvidas para a consecução dos fins aspecto do Direito Administrativo em que há divergência com o Di-
estatais, incluindo as atividades jurisdicionais, porém excluindo as reito Constitucional.
atividades legislativas.
(B) Pelo critério teleológico, o direito administrativo é o conjun- A) O cuidado da organização interna dos órgãos da Administra-
to de princípios que regem a administração pública. ção, seu pessoal e o funcionamento de seus serviços.
(C) Para a escola exegética, o direito administrativo tinha por B) Os lineamentos gerais do Estado, instituição dos órgãos es-
objeto a compilação das leis existentes e a sua interpretação com senciais, definição dos direitos e garantias individuais.
C) A anatomia do Estado, cuidando de suas formas, de sua es-
base principalmente na jurisprudência dos tribunais administrati-
trutura, de sua substância, no aspecto estático.
vos.
D) O interesse pela estrutura estatal e pela instituição política
(D) São considerados fontes primárias do direito administrativo
do governo.
os atos legislativos, os atos infra legais e os costumes.
(E) De acordo com o critério do Poder Executivo, o direito admi-
GABARITO
nistrativo é conceituado como o conjunto de normas que regem as
relações entre a administração e os administrados.
01 B
03. (Prefeitura de São Paulo – SP - Auditor Fiscal Municipal – 02 C
CETRO). Entre as fontes principais do Direito Administrativo estão a
lei, a doutrina, a jurisprudência e os costumes. Acerca dessas fon- 03 B
tes, assinale a alternativa correta. 04 A
05 A
(A) A doutrina, em sentido amplo, é a fonte primária do Direito
Administrativo. Ela influi na elaboração da lei e nas decisões con-
tenciosas e não contenciosas, ordenando, assim, o próprio Direito
Administrativo. 3 ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DA UNIÃO; ADMI-
(B) A jurisprudência caracteriza-se pelo nacionalismo, isto é, NISTRAÇÃO DIRETA E INDIRETA.
enquanto a doutrina tende a universalizar-se, a jurisprudência ten-
de a nacionalizar-se, pela contínua adaptação da lei e dos princípios NOÇÕES GERAIS
teóricos ao caso concreto.
(C) Os costumes distinguem as regras que convêm ao Direito Para que a Administração Pública possa executar suas ativida-
Público e ao Direito Privado. Assim como a doutrina, influi na ela- des administrativas de forma eficiente com o objetivo de atender
boração da lei. os interesses coletivos é necessária a implementação de tecnicas
(D) A lei possui um caráter mais prático, mais objetivo, que a organizacionais que permitam aos administradores públicos decidi-
doutrina e os costumes, mas nem por isso se aparta de princípios rem, respeitados os meios legias, a forma adequada de repartição
teóricos. de competencias internas e escalonamento de pessoas para melhor
(E) A doutrina, no Direito Administrativo Brasileiro, exerce ain- atender os assuntos relativos ao interesse público.
da influência em razão da deficiência da legislação. Celso Antonio Bandeira de Mello, em sua obra Curso de Direito
Administrativo assim afirma: “...o Estado como outras pessoas de
Direito Público que crie, pelos múltiplos cometimentos que lhe as-
sistem, têm de repartir, no interior deles mesmos, os encargos de
sua alçada entre diferentes unidades, representativas, cada qual,
de uma parcela de atribuições para decidir os assuntos que lhe são
afetos...”

7
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO
A Organização Administrativa é a parte do Direito Administra- c) Sociedades de Economia Mista.
tivo que normatiza os órgãos e pessoas jurídicas que a compõem, d) fundações públicas.
além da estrutura interna da Administração Pública. Parágrafo único. As entidades compreendidas na Administra-
Em âmbito federal, o assunto vem disposto no Decreto-Lei n. ção Indireta vinculam-se ao Ministério em cuja área de competência
200/67 que “dispõe sobre a organização da Administração Pública estiver enquadrada sua principal atividade.
Federal e estabelece diretrizes para a Reforma Administrativa”.
O certo é que, durante o exercício de suas atribuições, o Esta- Essas quatro pessoas ou entidades administrativas são criadas
do pode desenvolver as atividades administrativas que lhe compete para a execução de atividades de forma descentralizada, seja para
por sua própria estrutura ou então prestá-la por meio de outros a prestação de serviços públicos ou para a exploração de atividades
sujeitos. econômicas, com o objetivo de aumentar o grau de especialidade
A Organização Administrativa estabelece as normas justamen- e eficiência da prestação do serviço público. Têm característica de
te para regular a prestação dos encargos administrativos do Estado autonomia na parte administrativa e financeira
bem como a forma de execução dessas atividades, utilizando-se de O Poder Público só poderá explorar atividade econômica a títu-
técnicas administrativas previstas em lei. lo de exceção em duas situações previstas na CF/88, no seu art. 173:
- Para fazer frente à uma situação de relevante interesse coletivo;
ADMINISTRAÇÃO DIRETA E INDIRETA - Para fazer frente à uma situação de segurança nacional.

Em âmbito federal o Decreto-Lei 200/67 regula a estrutura O Poder Público não tem a obrigação de gerar lucro quando
administrativa dividindo, para tanto, em Administração Direta e explora atividade econômica. Quando estiver atuando na atividade
Administração Indireta. econômica, entretanto, estará concorrendo em grau de igualdade
com os particulares, estando sob o regime do art. 170 da CF/88,
Administração Direta inclusive quanto à livre concorrência.

A Administração Pública Direta é o conjunto de órgãos públicos DESCONCENTRAÇÃO E DESCENTRALIZAÇÃO


vinculados diretamente ao chefe da esfera governamental que a in-
No decorrer das atividades estatais, a Administração Pública
tegram.
pode executar suas ações por meios próprios, utilizando-se da es-
trutura administrativa do Estado de forma centralizada, ou então
Decreto-lei 200/67
transferir o exercício de certos encargos a outras pessoas, como en-
Art. 4° A Administração Federal compreende:
tidades concebidas para este fim de maneira descentralizada.
I - A Administração Direta, que se constitui dos serviços integra-
Assim, como técnica administrativa de organização da execu-
dos na estrutura administrativa da Presidência da República e dos
ção das atividades administrativas, o exercício do serviço público
Ministérios. poderá ser por:
Por característica não possuem personalidade jurídica própria, Centralização: Quando a execução do serviço estiver sendo
patrimônio e autonomia administrativa e cujas despesas são reali- feita pela Administração direta do Estado, ou seja, utilizando-se do
zadas diretamente por meio do orçamento da referida esfera. conjunto orgânico estatal para atingir as demandas da sociedade.
Assim, é responsável pela gestão dos serviços públicos executa- (ex.: Secretarias, Ministérios, departamentos etc.).
dos pelas pessoas políticas por meio de um conjunto de órgãos que Dessa forma, o ente federativo será tanto o titular como o pres-
estão integrados na sua estrutura. tador do serviço público, o próprio estado é quem centraliza a exe-
Outra característica marcante da Administração Direta é que cução da atividade.
não possuem personalidade jurídica, pois não podem contrair direi-
tos e assumir obrigações, haja vista que estes pertencem a pessoa Descentralização: Quando estiver sendo feita por terceiros que
política (União, Estado, Distrito Federal e Municípios). não se confundem com a Administração direta do Estado. Esses ter-
A Administração direta não possui capacidade postulatória, ou ceiros poderão estar dentro ou fora da Administração Pública (são
seja, não pode ingressar como autor ou réu em relação processual. sujeitos de direito distinto e autônomo).
Exemplo: Servidor público estadual lotado na Secretaria da Fazenda Se os sujeitos que executarão a atividade estatal estiverem vin-
que pretende interpor ação judicial pugnando o recebimento de al- culadas a estrutura centra da Administração Pública, poderão ser
guma vantagem pecuniária. Ele não irá propor a demanda em face autarquias, fundações, empresas públicas e sociedades de econo-
da Secretaria, mas sim em desfavor do Estado que é a pessoa polí- mia mista (Administração indireta do Estado). Se estiverem fora da
tica dotada de personalidade jurídica com capacidade postulatória Administração, serão particulares e poderão ser concessionários,
para compor a demanda judicial. permissionários ou autorizados.
Assim, descentralizar é repassar a execução de das atividades
Administração Indireta administrativas de uma pessoa para outra, não havendo hierarquia.
Pode-se concluir que é a forma de atuação indireta do Estado por
São integrantes da Administração indireta as fundações, as au- meio de sujeitos distintos da figura estatal
tarquias, as empresas públicas e as sociedades de economia mista. Desconcentração: Mera técnica administrativa que o Estado
Decreto-lei 200/67 utiliza para a distribuição interna de competências ou encargos de
sua alçada, para decidir de forma desconcentrada os assuntos que
Art. 4° A Administração Federal compreende: lhe são competentes, dada a multiplicidade de demandas e interes-
[...] ses coletivos.
II - A Administração Indireta, que compreende as seguintes ca- Ocorre desconcentração administrativa quando uma pessoa
tegorias de entidades, dotadas de personalidade jurídica própria: política ou uma entidade da administração indireta distribui com-
a) Autarquias; petências no âmbito de sua própria estrutura a fim de tornar mais
b) Empresas Públicas; ágil e eficiente a prestação dos serviços.

8
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO
Desconcentração envolve, obrigatoriamente, uma só pessoa II - disponham sobre:
jurídica, pois ocorre no âmbito da mesma entidade administrativa. [...]
Surge relação de hierarquia de subordinação entre os órgãos
dela resultantes. No âmbito das entidades desconcentradas temos e) criação e extinção de Ministérios e órgãos da administração
controle hierárquico, o qual compreende os poderes de comando, pública, observado o disposto no art. 84, VI;
fiscalização, revisão, punição, solução de conflitos de competência,
delegação e avocação. Entretanto, em alguns casos, a iniciativa legislativa é atribuída,
pelo texto constitucional, a outros agentes públicos, como ocorre,
Diferença entre Descentralização e Desconcentração por exemplo, em relação aos órgãos do Poder Judiciário (art. 96, II,
c e d, da Constituição Federal) e do Ministério Público (127, § 2.º),
As duas figuras técnicas de organização administrativa do Esta- cuja iniciativa pertence aos representantes daquelas instituições.
do não podem ser confundidas tendo em vista que possuem con- Trata-se do princípio da reserva legal aplicável às técnicas de
ceitos completamente distintos. organização administrativa (desconcentração para órgãos públicos
A Descentralização pressupõe, por sua natureza, a existência e descentralização para pessoas físicas ou jurídicas).
de pessoas jurídicas diversas sendo: Atualmente, no entanto, não é exigida lei para tratar da orga-
a) o ente público que originariamente tem a titularidade sobre nização e do funcionamento dos órgãos públicos, já que tal matéria
a execução de certa atividade, e; pode ser estabelecida por meio de decreto do Chefe do Executivo.
b) pessoas/entidades administrativas ou particulares as quais De forma excepcional, a criação de órgãos públicos poderá ser
foi atribuído o desempenho da atividade em questão. instrumentalizada por ato administrativo, tal como ocorre na insti-
Importante ressaltar que dessa relação de descentralização não tuição de órgãos no Poder Legislativo, na forma dos arts. 51, IV, e
há que se falar em vínculo hierárquico entre a Administração Cen- 52, XIII, da Constituição Federal.
tral e a pessoa descentralizada, mantendo, no entanto, o controle Neste contexto, vemos que os órgãos são centros de compe-
sobre a execução das atividades que estão sendo desempenhadas. tência instituídos para praticar atos e implementar políticas por in-
Por sua vez, a desconcentração está sempre referida a uma úni- termédio de seus agentes, cuja conduta é imputada à pessoa jurídi-
ca pessoa, pois a distribuição de competência se dará internamen- ca. Esse é o conceito administrativo de órgão. É sempre um centro
te, mantendo a particularidade da hierarquia. de competência, que decorre de um processo de desconcentração
dentro da Administração Pública.
CRIAÇÃO, EXTINÇÃO E CAPACIDADE PROCESSUAL DOS ÓR-
GÃOS PÚBLICOS Capacidade Processual dos Órgãos Públicos

Conceito Como visto, órgão público pode ser definido como uma unida-
de que congrega atribuições exercidas pelos agentes públicos que o
Órgãos Públicos, de acordo com a definição do jurista integram com o objetivo de expressar a vontade do Estado.
administrativo Celso Antônio Bandeira de Mello “são unidade abs- Na realidade, o órgão não se confunde com a pessoa jurídica,
tratas que sintetizam os vários círculos de atribuição do Estado.” embora seja uma de suas partes integrantes; a pessoa jurídica é o
Por serem caracterizados pela abstração, não tem nem vonta- todo, enquanto os órgãos são parcelas integrantes do todo.
de e nem ação próprias, sendo os órgão públicos não passando de O órgão também não se confunde com a pessoa física, o agente
mera repartição de atribuições, assim entendidos como uma uni- público, porque congrega funções que este vai exercer. Conforme
dade que congrega atribuições exercidas por seres que o integram estabelece o artigo 1º, § 2º, inciso I, da Lei nº 9.784/99, que disci-
com o objetivo de expressar a vontade do Estado. plina o processo administrativo no âmbito da Administração Públi-
Desta forma, para que sejam empoderados de dinamismo e ca Federal, órgão é “a unidade de atuação integrante da estrutura
ação os órgãos públicos necessitam da atuação de seres físicos, su- da Administração direta e da estrutura da Administração indireta”.
jeitos que ocupam espaço de competência no interior dos órgãos Isto equivale a dizer que o órgão não tem personalidade jurídica
para declararem a vontade estatal, denominados agentes públicos. própria, já que integra a estrutura da Administração Direta, ao con-
trário da entidade, que constitui “unidade de atuação dotada de
Criação e extinção personalidade jurídica” (inciso II do mesmo dispositivo); é o caso
das entidades da Administração Indireta (autarquias, fundações,
A criação e a extinção dos órgãos públicos ocorre por meio de empresas públicas e sociedades de economia mista).
lei, conforme se extrai da leitura conjugada dos arts. 48, XI, e 84, Nas palavras de Celso Antônio Bandeira de Mello, os órgãos:
VI, a, da Constituição Federal, com alteração pela EC n.º 32/2001.6 “nada mais significam que círculos de atribuições, os feixes indivi-
Em regra, a iniciativa para o projeto de lei de criação dos órgãos duais de poderes funcionais repartidos no interior da personalidade
públicos é do Chefe do Executivo, na forma do art. 61, § 1.º, II da estatal e expressados através dos agentes neles providos”.
Constituição Federal. Embora os órgãos não tenham personalidade jurídica, eles
podem ser dotados de capacidade processual. A doutrina e a ju-
“Art. 61. A iniciativa das leis complementares e ordinárias cabe risprudência têm reconhecido essa capacidade a determinados ór-
a qualquer membro ou Comissão da Câmara dos Deputados, do gãos públicos, para defesa de suas prerrogativas.
Senado Federal ou do Congresso Nacional, ao Presidente da Re- Nas palavras de Hely Lopes Meirelles, “embora despersonaliza-
pública, ao Supremo Tribunal Federal, aos Tribunais Superiores, ao dos, os órgãos mantêm relações funcionais entre si e com terceiros,
Procurador-Geral da República e aos cidadãos, na forma e nos casos das quais resultam efeitos jurídicos internos e externos, na forma
previstos nesta Constituição. legal ou regulamentar. E, a despeito de não terem personalidade
jurídica, os órgãos podem ter prerrogativas funcionais próprias que,
§ 1º São de iniciativa privativa do Presidente da República as quando infringidas por outro órgão, admitem defesa até mesmo
leis que: por mandado de segurança”.
[...]

9
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO
Por sua vez, José dos Santos Carvalho Filho, depois de lem- - Especialização dos fins ou atividades: coloca a autarquia entre
brar que a regra geral é a de que o órgão não pode ter capacida- as formas de descentralização administrativa por serviços ou fun-
de processual, acrescenta que “de algum tempo para cá, todavia, cional, distinguindo-a da descentralização territorial; o princípio da
tem evoluído a ideia de conferir capacidade a órgãos públicos para especialização impede de exercer atividades diversas daquelas para
certos tipos de litígio. Um desses casos é o da impetração de man- as quais foram instituídas; e
dado de segurança por órgãos públicos de natureza constitucional, - Sujeição a controle ou tutela: é indispensável para que a au-
quando se trata da defesa de sua competência, violada por ato de tarquia não se desvie de seus fins institucionais.
outro órgão”. Admitindo a possibilidade do órgão figurar como par- - Liberdade Financeira: as autarquias possuem verbas próprias
te processual. (surgem como resultado dos serviços que presta) e verbas orça-
Desta feita é inafastável a conclusão de que órgãos públicos mentárias (são aquelas decorrentes do orçamento). Terão liberdade
possuem personalidade judiciária. Mais do que isso, é lícito dizer para manejar as verbas que recebem como acharem conveniente,
que os órgãos possuem capacidade processual (isto é, legitimidade dentro dos limites da lei que as criou.
para estar em juízo), inclusive mediante procuradoria própria, - Liberdade Administrativa: as autarquias têm liberdade para
Ainda por meio de construção jurisprudencial, acompanhando desenvolver os seus serviços como acharem mais conveniente
a evolução jurídica neste aspecto tem reconhecido capacidade pro- (comprar material, contratar pessoal etc.), dentro dos limites da lei
cessual a órgãos públicos, como Câmaras Municipais, Assembleias que as criou.
Legislativas, Tribunal de Contas. Mas a competência é reconhecida
apenas para defesa das prerrogativas do órgão e não para atuação Patrimônio: as autarquias são constituídas por bens públicos,
em nome da pessoa jurídica em que se integram. conforme dispõe o artigo 98, Código Civil e têm as seguintes carac-
terísticas:
PESSOAS ADMINISTRATIVAS a) São alienáveis
b) impenhoráveis;
Pessoas Políticas c) imprescritíveis
d) não oneráveis.
Autarquias
Pessoal: em conformidade com o que estabelece o artigo 39
As autarquias são pessoas jurídicas de direito público criadas da Constituição, em sua redação vigente, as pessoas federativas
por lei para a prestação de serviços públicos e executar as ativida- (União, Estados, DF e Municípios) ficaram com a obrigação de insti-
des típicas da Administração Pública, contando com capital exclusi- tuir, no âmbito de sua organização, regime jurídico único para todos
vamente público. os servidores da administração direta, das autarquias e das funda-
O Decreto-lei 200/67 assim conceitua as autarquias: ções públicas.

Art. 5º Para os fins desta lei, considera-se: Controle Judicial: as autarquias, por serem dotadas de persona-
I - Autarquia - o serviço autônomo, criado por lei, com perso- lidade jurídica de direito público, podem praticar atos administrati-
nalidade jurídica, patrimônio e receita próprios, para executar ati- vos típicos e atos de direito privado (atípicos), sendo este último,
vidades típicas da Administração Pública, que requeiram, para seu controlados pelo judiciário, por vias comuns adotadas na legislação
melhor funcionamento, gestão administrativa e financeira descen- processual, tal como ocorre com os atos jurídicos normais pratica-
tralizada. dos por particulares.

As autarquias são regidas integralmente por regras de direito Foro dos litígios judiciais: a fixação da competência varia de
público, podendo, tão-somente, serem prestadoras de serviços e acordo com o nível federativo da autarquia, por exemplo, os litígios
contando com capital oriundo da Administração Direta (ex.: IN- comuns, onde as autarquias federais figuram como autoras, rés, as-
CRA, INSS, DNER, Banco Central etc.). sistentes ou oponentes, têm suas causas processadas e julgadas na
Justiça Federal, o mesmo foro apropriado para processar e julgar
Características: Temos como principais características das au- mandados de segurança contra agentes autárquicos.
tarquias: Quanto às autarquias estaduais e municipais, os processos em
que encontramos como partes ou intervenientes terão seu curso na
- Criação por lei: é exigência que vem desde o Decreto-lei nº 6 Justiça Estadual comum, sendo o juízo indicado pelas disposições
016/43, repetindo-se no Decreto-lei nº 200/67 e no artigo 37, XIX, da lei estadual de divisão e organização judiciárias.
da Constituição; Nos litígios decorrentes da relação de trabalho, o regime po-
- Personalidade jurídica pública: ela é titular de direitos e obri- derá ser estatutário ou trabalhista. Sendo estatutário, o litígio será
gações próprios, distintos daqueles pertencentes ao ente que a ins- de natureza comum, as eventuais demandas deverão ser processa-
tituiu: sendo pública, submete-se a regime jurídico de direito públi- das e julgadas nos juízos fazendários. Porém, se o litígio decorrer
co, quanto à criação, extinção, poderes, prerrogativas, privilégios, de contrato de trabalho firmado entre a autarquia e o servidor, a
sujeições; natureza será de litígio trabalhista (sentido estrito), devendo ser re-
- Capacidade de autoadministração: não tem poder de criar o solvido na Justiça do Trabalho, seja a autarquia federal, estadual ou
próprio direito, mas apenas a capacidade de se auto administrar a municipal.
respeito das matérias especificas que lhes foram destinadas pela Responsabilidade civil: prevê a Constituição Federal que as pes-
pessoa pública política que lhes deu vida. A outorga de patrimônio soas jurídicas de direito público respondem pelos danos que seus
próprio é necessária, sem a qual a capacidade de autoadministração agentes, nessa qualidade, causarem a terceiros.
não existiria. A regra contida no referido dispositivo, consagra a teoria da
Pode-se compreender que ela possui dirigentes e patrimônio responsabilidade objetiva do Estado, aquela que independe da in-
próprios. vestigação sobre a culpa na conduta do agente.

10
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO
Prerrogativas autárquicas: as autarquias possuem algumas Objetivo
prerrogativas de direito público, sendo elas:
- Imunidade tributária: previsto no art. 150, § 2 º, da CF, veda É a exploração de atividade econômica de produção ou
a instituição de impostos sobre o patrimônio, a renda e os serviços comercialização de bens ou de prestação de serviços, ainda que
das autarquias, desde que vinculados às suas finalidades essenciais a atividade econômica esteja sujeita ao regime de monopólio da
ou às que delas decorram. Podemos, assim, dizer que a imunidade União ou preste serviço público.
para as autarquias tem natureza condicionada.
- Impenhorabilidade de seus bens e de suas rendas: não pode Regime Jurídico
ser usado o instrumento coercitivo da penhora como garantia do
credor. Se a empresa pública é prestadora de serviços públicos, por
- Imprescritibilidade de seus bens: caracterizando-se como consequência está submetida a regime jurídico público. Se a empre-
bens públicos, não podem ser eles adquiridos por terceiros através sa pública é exploradora de atividade econômica, estará submetida
de usucapião. a regime jurídico privado igual ao da iniciativa privada.
- Prescrição quinquenal: dívidas e direitos em favor de terceiros As empresas públicas, independentemente da personalidade
contra autarquias prescrevem em 5 anos. jurídica, têm as seguintes características:
- Créditos sujeitos à execução fiscal: os créditos autárquicos são - Liberdade financeira: Têm verbas próprias, mas também são
inscritos como dívida ativa e podem ser cobrados pelo processo es- contempladas com verbas orçamentárias;
pecial das execuções fiscais. - Liberdade administrativa: Têm liberdade para contratar e de-
mitir pessoas, devendo seguir as regras da CF/88. Para contratar,
Contratos: os contratos celebrados pelas autarquias são de deverão abrir concurso público; para demitir, deverá haver moti-
caráter administrativo e possuem as cláusulas exorbitantes, que vação.
garantem à administração prerrogativas que o contratado comum
não tem, assim, dependem de prévia licitação, exceto nos casos de Não existe hierarquia ou subordinação entre as empresas pú-
dispensa ou inexigibilidade e precisam respeitar os trâmites da lei blicas e a Administração Direta, independentemente de sua fun-
8.666/1993, além da lei 10.520/2002, que institui a modalidade lici- ção. Poderá a Administração Direta fazer controle de legalidade e
tatória do pregão para os entes públicos. finalidade dos atos das empresas públicas, visto que estas estão
Isto acontece pelo fato de que por terem qualidade de pessoas vinculadas àquela. Só é possível, portanto, controle de legalidade
jurídicas de direito público, as entidades autárquicas relacionam-se finalístico.
com os particulares com grau de supremacia, gozando de todas as Como já estudado, a empresa pública será prestadora de ser-
prerrogativas estatais. viços públicos ou exploradora de atividade econômica. A CF/88
somente admite a empresa pública para exploração de atividade
Empresas Públicas econômica em duas situações (art. 173 da CF/88):
- Fazer frente a uma situação de segurança nacional;
Empresas públicas são pessoas jurídicas de Direito Privado, e - Fazer frente a uma situação de relevante interesse coletivo:
tem sua criação por meio de autorização legal, isso significa dizer
que não são criadas por lei, mas dependem de autorização legis- A empresa pública deve obedecer aos princípios da ordem
lativa. econômica, visto que concorre com a iniciativa privada. Quando o
O Decreto-lei 200/67 assim conceitua as empresas públicas: Estado explora, portanto, atividade econômica por intermédio de
uma empresa pública, não poderão ser conferidas a ela vantagens
Art. 5º Para os fins desta lei, considera-se: e prerrogativas diversas das da iniciativa privada (princípio da livre
[...] concorrência).
Cabe ressaltar que as Empresas Públicas são fiscalizadas pelo
II - Empresa Pública - a entidade dotada de personalidade jurí- Ministério Público, a fim de saber se está sendo cumprido o acor-
dica de direito privado, com patrimônio próprio e capital exclusivo dado.
da União, criado por lei para a exploração de atividade econômica
que o Governo seja levado a exercer por fôrça de contingência ou Sociedades de Economia Mista
de conveniência administrativa podendo revestir-se de qualquer das
formas admitidas em direito. As sociedades de economia mista são pessoas jurídicas de
Direito Privado, integrante da Administração Pública Indireta, sua
As empresas públicas têm seu próprio patrimônio e seu capital criação autorizada por lei, criadas para a prestação de serviços pú-
é integralmente detido pela União, Estados, Municípios ou pelo Dis- blicos ou para a exploração de atividade econômica, contando com
trito Federal, podendo contar com a participação de outras pessoas capital misto e constituídas somente sob a forma empresarial de
jurídicas de direito público, ou também pelas entidades da admi- S/A (Sociedade Anônima).
nistração indireta de qualquer das três esferas de governo, porém, O Decreto-lei 200/67 assim conceitua as empresas públicas:
a maioria do capital deve ser de propriedade da União, Estados,
Municípios ou do Distrito Federal. Art. 5º Para os fins desta lei, considera-se:
[...]
Foro Competente
III - Sociedade de Economia Mista - a entidade dotada de perso-
A Justiça Federal julga as empresas públicas federais, enquanto nalidade jurídica de direito privado, criada por lei para a exploração
a Justiça Estadual julga as empresas públicas estaduais, distritais e de atividade econômica, sob a forma de sociedade anônima, cujas
municipais. ações com direito a voto pertençam em sua maioria à União ou a
entidade da Administração Indireta.

11
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO
As sociedades de economia mista são: Apesar da legislação estabelecer que as fundações públicas são
- Pessoas jurídicas de Direito Privado. dotadas de personalidade jurídica de direito privado, a doutrina ad-
- Exploradoras de atividade econômica ou prestadoras de ser- ministrativa admite a adoção de regime jurídico de direito público
viços públicos. a algumas fundações.
- Empresas de capital misto. As fundações que integram a Administração indireta, quando
- Constituídas sob forma empresarial de S/A. forem dotadas de personalidade de direito público, serão regidas
integralmente por regras de Direito Público. Quando forem dotadas
Veja alguns exemplos de sociedade mista: de personalidade de direito privado, serão regidas por regras de di-
a). Exploradoras de atividade econômica: Banco do Brasil. reito público e direito privado, dada sua relevância para o interesse
b) Prestadora de serviços públicos: Petrobrás, Sabesp, Metrô, coletivo.
entre outras O patrimônio da fundação pública é destacado pela Adminis-
tração direta, que é o instituidor para definir a finalidade pública.
Características Como exemplo de fundações, temos: IBGE (Instituto Brasileiro Geo-
gráfico Estatístico); Universidade de Brasília; Fundação CASA; FU-
As sociedades de economia mista têm as seguintes caracterís- NAI; Fundação Padre Anchieta (TV Cultura), entre outras.
ticas:
- Liberdade financeira; Características:
- Liberdade administrativa; - Liberdade financeira;
- Dirigentes próprios; - Liberdade administrativa;
- Patrimônio próprio. - Dirigentes próprios;
- Patrimônio próprio:
Não existe hierarquia ou subordinação entre as sociedades de
economia mista e a Administração Direta, independentemente da As fundações governamentais, sejam de personalidade de
função dessas sociedades. No entanto, é possível o controle de le- direito público, sejam de direito privado, integram a Administra-
galidade. Se os atos estão dentro dos limites da lei, as sociedades ção Pública. Importante esclarecer que não existe hierarquia ou
não estão subordinadas à Administração Direta, mas sim à lei que subordinação entre a fundação e a Administração direta. O que
as autorizou. existe é um controle de legalidade, um controle finalístico.
As sociedades de economia mista integram a Administração As fundações são dotadas dos mesmos privilégios que a Admi-
Indireta e todas as pessoas que a integram precisam de lei para au- nistração direta, tanto na área tributária (ex.: imunidade prevista no
torizar sua criação, sendo que elas serão legalizadas por meio do art. 150 da CF/88), quanto na área processual (ex.: prazo em dobro).
registro de seus estatutos. As fundações respondem pelas obrigações contraídas junto a
A lei, portanto, não cria, somente autoriza a criação das so- terceiros. A responsabilidade da Administração é de caráter subsi-
ciedades de economia mista, ou seja, independentemente das ati- diário, independente de sua personalidade.
vidades que desenvolvam, a lei somente autorizará a criação das As fundações governamentais têm patrimônio público. Se ex-
sociedades de economia mista. tinta, o patrimônio vai para a Administração indireta, submetendo-
A Sociedade de economia mista, quando explora atividade -se as fundações à ação popular e mandado de segurança. As par-
econômica, submete-se ao mesmo regime jurídico das empresas ticulares, por possuírem patrimônio particular, não se submetem
privadas, inclusive as comerciais. Logo, a sociedade mista que ex- à ação popular e mandado de segurança, sendo estas fundações
plora atividade econômica submete-se ao regime falimentar. So- fiscalizadas pelo Ministério Público.
ciedade de economia mista prestadora de serviço público não se
submete ao regime falimentar, visto que não está sob regime de DELEGAÇÃO SOCIAL
livre concorrência.
Organizações sociais
Fundações e Outras Entidades Privadas Delegatárias
Criada pela Lei n. 9.637/98, organização social é uma qualifica-
Fundação é uma pessoa jurídica composta por um patrimônio ção especial outorgada pelo governo federal a entidades da inicia-
personalizado, destacado pelo seu instituidor para atingir uma fina- tiva privada, sem fins lucrativos, cuja outorga autoriza a fruição de
lidade específica. As fundações poderão ser tanto de direito público vantagens peculiares, como isenções fiscais, destinação de recursos
quanto de direito privado. São criadas por meio de por lei específica orçamentários, repasse de bens públicos, bem como empréstimo
cabendo à lei complementar, neste último caso, definir as áreas de temporário de servidores governamentais.
sua atuação. As áreas de atuação das organizações sociais são ensino, pes-
Decreto-lei 200/67 assim definiu as Fundações Públicas. quisa científica, desenvolvimento tecnológico, proteção e preserva-
ção do meio ambiente, cultura e saúde. Desempenham, portanto,
Art. 5º Para os fins desta lei, considera-se: atividades de interesse público, mas que não se caracterizam como
[... serviços públicos stricto sensu, razão pela qual é incorreto afirmar
IV - Fundação Pública - a entidade dotada de personalidade ju- que as organizações sociais são concessionárias ou permissionárias.
rídica de direito privado, sem fins lucrativos, criada em virtude de Nos termos do art. 2º da Lei n. 9.637/98, a outorga da qualifica-
autorização legislativa, para o desenvolvimento de atividades que ção constitui decisão discricionária, pois, além da entidade preen-
não exijam execução por órgãos ou entidades de direito público, cher os requisitos exigidos na lei, o inciso II do referido dispositi-
com autonomia administrativa, patrimônio próprio gerido pelos vo condiciona a atribuição do título a “haver aprovação, quanto à
respectivos órgãos de direção, e funcionamento custeado por recur- conveniência e oportunidade de sua qualificação como organização
sos da União e de outras fontes. social, do Ministro ou titular de órgão supervisor ou regulador da
área de atividade correspondente ao seu objeto social e do Ministro
de Estado da Administração Federal e Reforma do Estado”. Assim,

12
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO
as entidades que preencherem os requisitos legais possuem sim- normas de transparência administrativas. Em contrapartida, podem
ples expectativa de direito à obtenção da qualificação, nunca direito celebrar com o poder público os chamados termos de parceria, que
adquirido. são uma alternativa interessante aos convênios para ter maior agili-
Evidentemente, o caráter discricionário dessa decisão, permi- dade e razoabilidade em prestar contas.
tindo outorgar a qualificação a uma entidade e negar a outro que Uma ONG (Organização Não-Governamental), essencialmente
igualmente atendeu aos requisitos legais, viola o princípio da iso- é uma OSCIP, no sentido representativo da sociedade, OSCIP é uma
nomia, devendo-se considerar inconstitucional o art. 2º, II, da Lei qualificação dada pelo Ministério da Justiça no Brasil.
n. 9.637/98. A lei que regula as OSCIPs é a nº 9.790/1999. Esta lei traz a
Na verdade, as organizações sociais representam uma espécie possibilidade das pessoas jurídicas (grupos de pessoas ou profissio-
de parceria entre a Administração e a iniciativa privada, exercen- nais) de direito privado sem fins lucrativos serem qualificadas, pelo
do atividades que, antes da Emenda 19/98, eram desempenhadas Poder Público, como Organizações da Sociedade Civil de Interesse
por entidades públicas. Por isso, seu surgimento no Direito Brasi- Público - OSCIPs e poderem com ele relacionar-se por meio de par-
leiro está relacionado com um processo de privatização lato sensu ceria, desde que os seus objetivos sociais e as normas estatutárias
realizado por meio da abertura de atividades públicas à iniciativa atendam os requisitos da lei.
privada. Um grupo privado recebe a qualificação de OSCIP depois que o
O instrumento de formalização da parceria entre a Administra- estatuto da instituição, que se pretende formar, tenha sido analisa-
ção e a organização social é o contrato de gestão, cuja aprovação do e aprovado pelo Ministério da Justiça. Para tanto, é necessário
deve ser submetida ao Ministro de Estado ou outra autoridade su- que o estatuto atenda a certos pré-requisitos que estão descritos
pervisora da área de atuação da entidade. nos artigos 1º, 2º, 3º e 4º da Lei nº 9.790/1999. Vejamos:
O contrato de gestão discriminará as atribuições, responsabi-
lidades e obrigações do Poder Público e da organização social, de- Art. 1º Podem qualificar-se como Organizações da Sociedade
vendo obrigatoriamente observar os seguintes preceitos: Civil de Interesse Público as pessoas jurídicas de direito privado sem
I - especificação do programa de trabalho proposto pela organi- fins lucrativos que tenham sido constituídas e se encontrem em
zação social, a estipulação das metas a serem atingidas e os respec- funcionamento regular há, no mínimo, 3 (três) anos, desde que os
tivos prazos de execução, bem como previsão expressa dos critérios respectivos objetivos sociais e normas estatutárias atendam aos re-
objetivos de avaliação de desempenho a serem utilizados, median- quisitos instituídos por esta Lei.
te indicadores de qualidade e produtividade; § 1o Para os efeitos desta Lei, considera-se sem fins lucrativos
II - a estipulação dos limites e critérios para despesa com re- a pessoa jurídica de direito privado que não distribui, entre os seus
muneração e vantagens de qualquer natureza a serem percebidas sócios ou associados, conselheiros, diretores, empregados ou doa-
pelos dirigentes e empregados das organizações sociais, no exercí- dores, eventuais excedentes operacionais, brutos ou líquidos, divi-
cio de suas funções; dendos, bonificações, participações ou parcelas do seu patrimônio,
III - os Ministros de Estado ou autoridades supervisoras da área auferidos mediante o exercício de suas atividades, e que os aplica
de atuação da entidade devem definir as demais cláusulas dos con- integralmente na consecução do respectivo objeto social.
tratos de gestão de que sejam signatários. § 2o A outorga da qualificação prevista neste artigo é ato vincu-
lado ao cumprimento dos requisitos instituídos por esta Lei.
A fiscalização do contrato de gestão será exercida pelo órgão ou
entidade supervisora da área de atuação correspondente à ativida- Art. 2o Não são passíveis de qualificação como Organizações
de fomentada, devendo a organização social apresentar, ao término da Sociedade Civil de Interesse Público, ainda que se dediquem de
de cada exercício, relatório de cumprimento das metas fixadas no qualquer forma às atividades descritas no art. 3o desta Lei:
contrato de gestão. I - as sociedades comerciais;
Se descumpridas as metas previstas no contrato de gestão, o II - os sindicatos, as associações de classe ou de representação
Poder Executivo poderá proceder à desqualificação da entidade de categoria profissional;
como organização social, desde que precedida de processo admi- III - as instituições religiosas ou voltadas para a disseminação
nistrativo com garantia de contraditório e ampla defesa. de credos, cultos, práticas e visões devocionais e confessionais;
Por fim, convém relembrar que o art. 24, XXIV, da Lei n. IV - as organizações partidárias e assemelhadas, inclusive suas
8.666/93 prevê hipótese de dispensa de licitação para a celebração fundações;
de contratos de prestação de serviços com a s organizações sociais, V - as entidades de benefício mútuo destinadas a proporcionar
qualificadas no âmbito das respectivas esferas de governo, para bens ou serviços a um círculo restrito de associados ou sócios;
atividades contempladas no contrato de gestão. Excessivamente VI - as entidades e empresas que comercializam planos de saú-
abrangente, o art. 24, XXIV, da Lei n. 8.666/93, tem a sua consti- de e assemelhados;
tucionalidade questionada perante o Supremo Tribunal Federal na VII - as instituições hospitalares privadas não gratuitas e suas
ADIn 1.923/98. Recentemente, foi indeferida a medida cautelar que mantenedoras;
suspendia a eficácia da norma, de modo que o dispositivo voltou a VIII - as escolas privadas dedicadas ao ensino formal não gra-
ser aplicável. tuito e suas mantenedoras;
IX - as organizações sociais;
Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público
X - as cooperativas;
XI - as fundações públicas;
As Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público, popu-
XII - as fundações, sociedades civis ou associações de direito
larmente denominadas OSCIP é um título fornecido pelo Ministério
privado criadas por órgão público ou por fundações públicas;
da Justiça do Brasil, cuja finalidade é facilitar a viabilidade de parce-
XIII - as organizações creditícias que tenham quaisquer tipo de
rias e convênios com todos os níveis de governo e órgãos públicos
vinculação com o sistema financeiro nacional a que se refere o art.
(federal, estadual e municipal).
192 da Constituição Federal.
OSCIPs são ONGs criadas por iniciativa privada, que obtêm um
certificado emitido pelo poder público federal ao comprovar o cum-
primento de certos requisitos, especialmente aqueles derivados de

13
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO
Art. 3o A qualificação instituída por esta Lei, observado em VI - a possibilidade de se instituir remuneração para os diri-
qualquer caso, o princípio da universalização dos serviços, no res- gentes da entidade que atuem efetivamente na gestão executiva
pectivo âmbito de atuação das Organizações, somente será conferi- e para aqueles que a ela prestam serviços específicos, respeitados,
da às pessoas jurídicas de direito privado, sem fins lucrativos, cujos em ambos os casos, os valores praticados pelo mercado, na região
objetivos sociais tenham pelo menos uma das seguintes finalidades: correspondente a sua área de atuação;
I - promoção da assistência social; VII - as normas de prestação de contas a serem observadas pela
II - promoção da cultura, defesa e conservação do patrimônio entidade, que determinarão, no mínimo:
histórico e artístico; a) a observância dos princípios fundamentais de contabilidade
III - promoção gratuita da educação, observando-se a forma e das Normas Brasileiras de Contabilidade;
complementar de participação das organizações de que trata esta b) que se dê publicidade por qualquer meio eficaz, no encerra-
Lei; mento do exercício fiscal, ao relatório de atividades e das demons-
IV - promoção gratuita da saúde, observando-se a forma com- trações financeiras da entidade, incluindo-se as certidões negativas
plementar de participação das organizações de que trata esta Lei; de débitos junto ao INSS e ao FGTS, colocando-os à disposição para
V - promoção da segurança alimentar e nutricional; exame de qualquer cidadão;
VI - defesa, preservação e conservação do meio ambiente e pro- c) a realização de auditoria, inclusive por auditores externos
moção do desenvolvimento sustentável; independentes se for o caso, da aplicação dos eventuais recursos
VII - promoção do voluntariado; objeto do termo de parceria conforme previsto em regulamento;
VIII - promoção do desenvolvimento econômico e social e com- d) a prestação de contas de todos os recursos e bens de origem
bate à pobreza; pública recebidos pelas Organizações da Sociedade Civil de Interes-
IX - experimentação, não lucrativa, de novos modelos sócio- se Público será feita conforme determina o parágrafo único do art.
-produtivos e de sistemas alternativos de produção, comércio, em- 70 da Constituição Federal.
prego e crédito; Parágrafo único. É permitida a participação de servidores pú-
X - promoção de direitos estabelecidos, construção de novos di- blicos na composição de conselho ou diretoria de Organização da
reitos e assessoria jurídica gratuita de interesse suplementar; Sociedade Civil de Interesse Público.
XI - promoção da ética, da paz, da cidadania, dos direitos hu-
manos, da democracia e de outros valores universais; Pode-se dizer que as OSCIPs são o reconhecimento oficial e le-
XII - estudos e pesquisas, desenvolvimento de tecnologias al- gal mais próximo do que modernamente se entende por ONG, es-
ternativas, produção e divulgação de informações e conhecimentos pecialmente porque são marcadas por uma extrema transparência
técnicos e científicos que digam respeito às atividades mencionadas administrativa. Contudo ser uma OSCIP é uma opção institucional,
neste artigo. não uma obrigação.
XIII - estudos e pesquisas para o desenvolvimento, a disponibi- Em geral, o poder público sente-se muito à vontade para se
lização e a implementação de tecnologias voltadas à mobilidade de relacionar com esse tipo de instituição, porque divide com a socie-
pessoas, por qualquer meio de transporte. dade civil o encargo de fiscalizar o fluxo de recursos públicos em
Parágrafo único. Para os fins deste artigo, a dedicação às ati- parcerias.
vidades nele previstas configura-se mediante a execução direta de A OSCIP, portanto, é uma organização da sociedade civil que,
projetos, programas, planos de ações correlatas, por meio da doa- em parceria com o poder público, utilizará também recursos públi-
ção de recursos físicos, humanos e financeiros, ou ainda pela presta- cos para suas finalidades, dividindo dessa forma o encargo adminis-
ção de serviços intermediários de apoio a outras organizações sem trativo e de prestação de contas.
fins lucrativos e a órgãos do setor público que atuem em áreas afins.
Entidades de utilidade pública
Art. 4o Atendido o disposto no art. 3o, exige-se ainda, para qua-
lificarem-se como Organizações da Sociedade Civil de Interesse Pú- Figuram ainda como entidades privadas de utilidade pública:
blico, que as pessoas jurídicas interessadas sejam regidas por esta-
tutos cujas normas expressamente disponham sobre: Serviços sociais autônomos
I - a observância dos princípios da legalidade, impessoalidade,
moralidade, publicidade, economicidade e da eficiência; São pessoas jurídicas de direito privado, criados por intermé-
II - a adoção de práticas de gestão administrativa, necessárias dio de autorização legislativa. Tratam-se de entes paraestatais de
e suficientes a coibir a obtenção, de forma individual ou coletiva, de cooperação com o Poder Público, possuindo administração e patri-
benefícios ou vantagens pessoais, em decorrência da participação mônio próprios.
no respectivo processo decisório; Para ficar mais fácil de compreender, basta pensar no sistema
III - a constituição de conselho fiscal ou órgão equivalente, dota- “S”, cujo o qual resulta do fato destas entidades ligarem-se à es-
do de competência para opinar sobre os relatórios de desempenho trutura sindical e terem sua denominação iniciada com a letra “S”
financeiro e contábil, e sobre as operações patrimoniais realizadas, – SERVIÇO.
emitindo pareceres para os organismos superiores da entidade; Integram o Sistema “S:” SESI, SESC, SENAC, SEST, SENAI, SENAR
IV - a previsão de que, em caso de dissolução da entidade, o e SEBRAE.
respectivo patrimônio líquido será transferido a outra pessoa jurídi- Estas entidades visam ministrar assistência ou ensino a algu-
ca qualificada nos termos desta Lei, preferencialmente que tenha o mas categorias sociais ou grupos profissionais, sem fins lucrativos.
mesmo objeto social da extinta; São mantidas por dotações orçamentárias e até mesmo por contri-
V - a previsão de que, na hipótese de a pessoa jurídica perder a buições parafiscais.
qualificação instituída por esta Lei, o respectivo acervo patrimonial Ainda que sejam oficializadas pelo Estado, não são partes inte-
disponível, adquirido com recursos públicos durante o período em grantes da Administração direta ou indireta, porém trabalham ao
que perdurou aquela qualificação, será transferido a outra pessoa lado do Estado, seja cooperando com os diversos setores as ativida-
jurídica qualificada nos termos desta Lei, preferencialmente que te- des e serviços que lhes são repassados.
nha o mesmo objeto social;

14
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO
Entidades de Apoio 02. (AL-AP - Analista Legislativo - FCC – 2020) A organização
administrativa pode implicar desconcentração e descentralização.
As entidades de apoio fazem parte do Terceiro Setor e são pes- A criação de empresas estatais
soas jurídicas de direito privado, criados por servidores públicos
para a prestação de serviços sociais não exclusivos do Estado, pos- A) depende da edição de lei instituidora dos entes, da qual tam-
suindo vínculo jurídico com a Administração direta e indireta. bém deverão constar as competências próprias atribuídas a essas
Atualmente são prestadas no Brasil através dos serviços de lim- pessoas jurídicas dotadas de personalidade jurídica de direito pri-
peza, conservação, concursos vestibulares, assistência técnica de vado ou de direito público.
equipamentos, administração em restaurantes e hospitais univer- B) difere da instituição de autarquias e fundações, pessoas jurí-
sitários. dicas que expressam a desconcentração da Administração pública.
O bom motivo da criação das entidades de apoio é a eficiência C) indica a desconcentração da organização administrativa, que
na utilização desses entes. Através delas, convênios são firmados se caracteriza pela criação de pessoas jurídicas com competências
com a Administração Pública, de modo muito semelhante com a próprias.
celebração de um contrato D) é expressão da descentralização administrativa, que implica
a criação de pessoas jurídicas com atribuições previstas em lei e em
Associações Públicas seus atos constitutivos.
E) e de outras pessoas jurídicas com personalidade jurídica de
Tratam-se de pessoas jurídicas de direito público, criadas por direito público configura forma híbrida de organização administra-
meio da celebração de um consórcio público com entidades fede- tiva.
rativas.
Quando as entidades federativas fazem um consórcio público, 03. (FITO – Advogado - VUNESP – 2020) De acordo com o orde-
elas terão a faculdade de decidir se essa nova pessoa criada será de namento jurídico brasileiro, uma fundação pública
direito privado ou de direito público. Caso se trate de direito públi-
co, caracterizar-se-á como Associação Pública. No caso de direito A) poderá celebrar parcerias com organizações da sociedade
privado, não se tem um nome específico. civil, em regime de mútua cooperação, para a consecução de fina-
A finalidade da associação pública é estabelecer finalidades lidades de interesse público e recíproco, mediante a execução de
de interesse comum entre as entidades federativas, estabelecendo atividades ou de projetos previamente estabelecidos em planos de
uma meta a ser atingida. trabalho inseridos em termos de colaboração, em termos de fo-
Faz parte da administração indireta de todas as entidades fede- mento ou em acordos de cooperação.
rativas consorciadas. B) poderá consorciar-se com outras fundações públicas que in-
tegrem a Administração indireta de outros entes da federação, para
Conselhos Profissionais estabelecer relações de cooperação federativa, inclusive a realiza-
ção de objetivos de interesse comum, passando a constituir consór-
Trata-se de entidades que são destinadas ao controle e fiscali- cio público com personalidade jurídica de direito público.
zação de algumas profissões regulamentadas. Eis que tem-se uma C) criada por lei, poderá representar a Administração direta na
grande controvérsia, quanto à sua natureza jurídica. celebração de acordos de cooperação técnica com outros órgãos ou
O STF considera que como se trata de função típica do Estado, entidades integrantes da Administração indireta dos demais entes
o controle e fiscalização do exercício de atividades profissionais não federados, com a finalidade de expandir o alcance das finalidades
poderia ser delegado a entidades privadas, em decorrência disso, de interesse público que justificaram sua criação.
chegou-se ao entendimento que os conselhos profissionais pos- D) cujas atividades sejam dirigidas ao ensino, à pesquisa cientí-
suem natureza autárquica. fica, ao desenvolvimento tecnológico, à proteção e preservação do
Assim, não estamos diante de entes de colaboraçao, mas sim meio ambiente, à cultura e à saúde, serão qualificadas como orga-
de pessoas jurídicas de direito público. nizações da sociedade civil de interesse público, podendo celebrar
Fazendo-se um comparativo, a Constituição Federal não admite contrato de gestão com dispensa de chamamento público, com o
que esses conselhos tenham personalidade jurídica de direito pri- poder público.
vado, gozando de prerrogativas que são conferidas ao Estado. Os E) que tenha sido constituída e esteja em funcionamento re-
conselhos profissionais com natureza autárquica é uma forma de gular há, no mínimo, três anos, poderá qualificar-se como organi-
descentralizar a atividade administrativa que não pode mais ser de- zação da sociedade civil de interesse público com fundamento no
legada a associações profissionais de caráter privado. princípio da universalização dos serviços de interesse público que
autorizaram sua criação.

QUESTÕES 04. (AL-AP - Assistente Legislativo - FCC – 2020) A amplitude


da Administração pública considera dois grupos de instituições, que
01. (MPE-CE - Técnico Ministerial - CESPE – 2020) No que diz são classificados em Administração direta e indireta. Considera-se
respeito à administração pública direta, à administração pública in- Administração Direta,
direta e aos agentes públicos, julgue o item que se segue.
A administração pública indireta é composta por órgãos e agen- A) as Fundações públicas.
tes públicos que, no âmbito federal, constituem serviços integrados B) as Autarquias.
na estrutura administrativa da presidência da República e dos mi- C) as Empresas públicas.
nistérios. D) as Sociedades de Economia mista.
( ) Certo E) a Casa Civil.
( ) Errado

15
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO
05. (TRE-PA - Analista Judiciário – Administrativa - IBFC – 2020) C) permanece sujeita aos princípios e regras que regem a Ad-
Assinale a alternativa que apresenta corretamente um conceito de ministração pública, tais como a impenhorabilidade de seus bens,
Desconcentração Administrativa. exigência de autorização legislativa para alienação de bens imóveis
e realização de concurso público para admissão de servidores, com
A) Distribuição de competências de uma para outra pessoa, fí- exceção de comissionados.
sica ou jurídica D) permanecerá obrigada à regra geral de licitação para firmar
B) Distribuição interna de competências, ou seja, uma distribui- contratos administrativos, com exceção das hipóteses de alienação
ção de competências dentro da mesma pessoa jurídica de bens imóveis, porque geram receita como resultado.
C) Distribuição de competências de uma pessoa jurídica inte- E) ficará equiparada, em direitos e obrigações, às empresas es-
grante da Administração Pública para uma pessoa física tatais não dependentes, que podem adquirir bens e serviços sem
D) Distribuição de competências de uma pessoa física integran- prévia realização de licitação, mas têm patrimônio sujeito à penho-
te da Administração Pública para uma pessoa jurídica rabilidade e prescritibilidade.

06. (TRF - 1ª REGIÃO - Estagiário – Direito - COPESE – 09. (Prefeitura de Aracruz - ES – Contador - IBADE – 2019) Os
UFPI/2019) Considere o seguinte conceito. órgãos públicos representam compartimentos internos da pessoa
“Pessoa jurídica de direito privado composta por capital exclu- pública, podendo ser criados ou extintos por meio de lei. Já a es-
sivamente público, criada para a prestação de serviços públicos ou truturação e as atribuições dos órgãos podem ser processadas por:
exploração de atividades econômicas, sob qualquer modalidade
empresarial.” A) lei, apenas.
MARINELA, Fernanda. Direito Administrativo. São Paulo: Sarai- B) lei em tese do Chefe do Judiciário.
va, 2016. C) decreto do Chefe do Executivo.
Esse conceito aplica-se à: D) resolução legislativa.
E) ofício da Presidência da República.
A) Empresa pública.
B) Autarquia. 10. (IF Baiano - Assistente em Administração - IF-BA – 2019)
C) Agência executiva. No que se refere à organização administrativa do Estado, assinale a
D) Sociedade de economia mista. afirmativa incorreta.

07. (Prefeitura de Porto Alegre /RS - Auditor Fiscal da Receita A) Compreende-se como Administração Pública Direta ou Cen-
Municipal – FUNDATEC/2019) Acerca da administração pública in- tralizada aquela constituída a partir de um conjunto de órgãos pú-
direta e do regime jurídico das empresas públicas e sociedades de blicos despersonalizados, através dos quais o Estado desempenha
economia mista, analise as seguintes assertivas: diretamente a atividade administrativa.
B) Somente por lei específica poderá ser criada autarquia e au-
I. Empresa pública é a entidade com criação autorizada por lei e torizada a instituição de empresa pública, de sociedade de econo-
com patrimônio próprio, cujo capital social é integralmente detido pelo mia mista e de fundação, cabendo à lei complementar, neste último
poder público, dotada de personalidade jurídica de direito público. caso, definir as áreas de sua atuação.
II. A criação de subsidiárias de empresa pública e de sociedade C) Compreende-se como Administração Pública Indireta ou
de economia mista independe de autorização legislativa. Descentralizada aquela constituída a partir de um conjunto de en-
III. Sociedade de economia mista é a entidade com criação au- tidades dotadas de personalidade jurídica própria, algumas de di-
torizada por lei sob a forma de sociedade anônima, cujas ações com reito público, outras de direito privado, responsáveis pelo exercício,
direito a voto pertençam em sua maioria à União, aos Estados, ao em caráter especializado e descentralizado, de certa e determinada
Distrito Federal, aos Municípios ou à entidade da administração in- atividade administrativa.
direta, dotada de personalidade jurídica de direito privado.
D) As empresas públicas e as sociedades de economia mista
fazem parte da Administração Pública Direta.
Quais estão corretas?
E) As autarquias são pessoas jurídicas de direito público, cria-
das por lei, com personalidade jurídica, patrimônio e receita pró-
A) Apenas III.
prios, para executar atividades típicas da Administração Pública.
B) Apenas I e II.
C) Apenas I e III.
GABARITO
D) Apenas II e III.

08. (SPPREV - Analista em Gestão Previdenciária - FCC – 2019) 01 ERRADO


As autarquias são pessoas jurídicas integrantes da Administração 02 D
pública indireta, que podem ter receitas próprias e receber recur-
sos orçamentários e financeiros do erário público. No caso de uma 03 A
autarquia auferir receitas próprias em montante suficiente para su- 04 E
portar todas as despesas e investimentos do ente,
05 B
A) fica excepcionada a aplicação do regime jurídico de direito 06 A
público durante o período em que perdurar a condição de pessoa 07 A
jurídica não dependente.
B) poderá realizar contratações efetivas sem a necessidade de 08 C
prévio concurso público, diante da não incidência da regra para os 09 C
entes da Administração pública indireta que não sejam dependen-
tes. 10 D

16
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO
b) Servidores Públicos: são as pessoas que executam serviços
4 AGENTES PÚBLICOS: ESPÉCIES E CLASSIFICAÇÃO; ao Estado e também às entidades da Administração Pública direta e
PODERES, DEVERES E PRERROGATIVAS; CARGO, indireta (sentido amplo). Os servidores têm vínculo empregatício e
EMPREGO E FUNÇÃO PÚBLICOS; REGIME JURÍDICO sua remuneração é paga pelos cofres públicos.
ÚNICO: PROVIMENTO, VACÂNCIA, REMOÇÃO, REDIS- Também chamados de servidores estatais engloba todos aque-
TRIBUIÇÃO E SUBSTITUIÇÃO; DIREITOS E VANTAGENS; les que mantêm com o Estado relação de trabalho de natureza pro-
REGIME DISCIPLINAR; RESPONSABILIDADE CIVIL, CRI- fissional, de caráter não eventual e sob o vínculo de dependência.
MINAL E ADMINISTRATIVA. Servidores públicos podem ser:
- estatutários: são os ocupantes de CARGOS PÚBLICOS e estão
CONCEITO sob o regime estatutário. Quando nomeados, ingressam numa si-
tuação jurídica previamente definida, à qual se submetem com o
Em seu conceito mais amplo Agente Público é a pessoa física ato da posse. Assim, não tem como modificar as normas vigentes
que presta serviços às Pessoas Jurídicas da Administração Pública por meio de contrato entre o servidor e a Administração, mesmo
Direta ou Indireta, também são aqueles que exercem função públi- que com a concordância de ambos, por se tratar de normas de or-
ca, seja qual for a modalidade (mesário, jurado, servidor público, dem pública. Não há contrato de trabalho entre os estatutários e a
etc.).  Administração, tendo em vista sua natureza não contratual mas sim
A Lei de Improbidade Administrativa (8.429/92) conceitua regida por um estatuto jurídico condicionada ao termo de posse. 
Agente Público: - empregados públicos: são ocupantes de empregos públicos
contratados sob o regime da CLT, com vínculo contratual, precisam
“Artigo 2° - Reputa-se agente público, para os efeitos desta lei, de aprovação em concurso público ou processo seletivo e sua de-
todo aquele que exerce, ainda que transitoriamente ou sem remu- missão precisa ser motivada;
neração, por eleição, nomeação, designação, contratação ou qual- - temporários ou em regime especial: são os contratados por
quer outra forma de investidura ou vínculo, mandato, cargo, empre- tempo determinado, com base no artigo 37, IX, CF. Não ocupam
go ou função nas entidades mencionadas no artigo anterior”. cargos ou empregos públicos e não exige aprovação em concurso
público, mas a Administração Pública deve respeitar os princípios
Para o jurista administrativo Celso Antonio Bandeira de Mello constitucionais da impessoalidade e da moralidade, realizando um
“...esta expressão – agentes públicos – é a mais ampla que se pode processo seletivo simplificado.
conceber para designar genérica e indistintamente os sujeitos que Para que tenha a contratação de temporários, se faz necessária
servem ao Pod