Você está na página 1de 18

c 



  



  !
""#$%%"#&'(((
##)###*###&+#,#
"#&-#./0&,(
!1#2&,)-/.3#,
4

A) srv
B) sbin
C) opt
D) dev
E) mnt

m   

!#2&5#3/0& ,4

A) Arquivos para dispositivos


B) Ponto de acesso para mídias removíveis
C) Comandos essenciais
D) Dados variáveis
E) Comandos essenciais para administração do Linux

m   

[!3#24

A) Dados para serviços fornecidos por este equipamento


B) Arquivos temporários
C) Pacotes de programas adicionais
D) Arquivos estáticos para boot do Linux
E) Hierarquia secundaria para programas adicionais

m   

r!#2##3./0#,4

A) Armazenas os pacotes de programas adicionais


B) Armazena bibliotecas compartilhadas e módulos do Kernel
C) Armazena arquivos temporários
D) Ponto de acesso de mídia removível
E) Ponto de montagem para sistemas e arquivos temporários

m   

 !,##2-&&##"2673#2)4

A) media
B) lib
C) mnt
D) opt
E) sbin

m   

Obs.: As 5 primeiras questões foram relacionadas diretamente a diretórios principais do Debian. Para a prova e
cotidiano dentro do mundo Linux, é muito importante saber exatamente a função de cada um deles. Segue agora
uma lista rápida para orientação e estudo.

bin - Comandos essenciais


boot - Arquivos estáticos para boot do Linux
dev - Arquivos de dispositivos
etc - Configuração específica do equipamento
lib - Bibliotecas compartilhadas e módulos do kernel
media - Ponto de acesso para mídias removíveis
mnt - Ponto de acesso para sistemas de arquivos temporários
opt - Pacotes de programas adicionais
sbin - Comandos essenciais para administração e boot do do Linux
srv - Dados para serviços oferecidos por este equipamento
tmp - Arquivos temporários
usr - Hierarquia secundaria para programas adicionais
var - Dados variáveis

!##,7.# &7,#3##2
%&#30-'/0#(1304

A) vmlinuz e inittrd
B) vmlinux e initddrd
C) vlclinux e inittrdrx
D) vmlinz e inittrd.ocx
E) vmlinu.zig e inittrdty

m   

A!3.'.8&#(*.8%%. 4

A) Copia drivers e arquivos de inicialização do sistema para o drive de disquete


B) Copia os arquivos de inicialização para a instalação do Linux para um disquete
C) Copia os drivers dos dispositivos principais de inicialização para a unidade de disquete
D) Copia o Kernel e drivers para a unidade de CD
E) Copia os drivers e faz um bkp do Kernel do Linux instalado

m   

Obs.: Para instalar o Linux por disquete, é necessário a criação de dois discos, levando arquivos principais de sistema
e alguns drivers básicos. Porém é preciso utilizar dois comandos para isso. Use o .89(*
.8%%. para criar o primeiro disquete e o .8&#(*.8%%. .

:!1#2&,#;&<4

A) /usr
B) /var
C) /
D /srv
E) /home

m   

Obs.: Quando falamos de servidores, falta de espaço em disco pode ser catastrófico. Definir seu particionamento
deve levar em consideração quais serviços e recursos serão providos pelo equipamento.

Independente do tipo de servidor a ser instalado, a criação de uma partição para armazenamento de logs é
essencial. As primeiras 3 partições são o mínimo recomendado para servidores. Partições adicionais poderão ser
criadas de acordo com suas necessidades podendo ser criadas apenas uma ou várias delas.
Ë!1#=#&,73# ,> ?4

A) Sua configuração é armazenada em /boot/lilo.conf e deve ser gravada na MBR ou BSI sempre que for alterada
executando-se com o comando lilo
B) O Linux Loader possui até 26 combinações entre diferentes sistemas operacionais
C) O arquivo do Linux Loader é armazenado em /etc/lilo.conf e possui 16 combinações diferentes para inicialização
de sistemas operacionais
D) Não é necessário a gravação dele pela MBR e nem mesmo pela BSI e aceita apenas 3 combinações de sistemas
operacionais
E) Efetua a gravação apenas dentro da MBR, não sendo necessário a gravação pela BSI e possui aceitação para
inicialização de 48 sistemas operacionais diferentes

m   

Obs.: É importante diferenciar o LILO (Linux Loader) do Grub (GRand Unifield Bootloader), pois a utilização deles é
apenas similar, porém o LILO exige a gravação em MBR e BSI e o Grub não, pois sua inicialização é lida
automaticamente quando o sistema inicializa. Seu arquivo fica em %&#%*&%(# - Pegadinha de
prova, fique atento. 

!3#/0)#5#/0#4

A) Apenas para servidores


B) Apenas para usuários desktops e notebook
C) Apenas para servidores WEB e Correio
D) Apenas para testes
E) Nunca devemos fazer algo assim

m   

Obs.: O ideal é sempre criar no mínimo 3 partições, sendo elas:


/boot
swap
/

!@="*/0#/A&4

A) Sim
B) Não
C) Sim, mas somente se utilizar a EXT2
D) Não se você utilizar a EXT3
E) Somente se utilizar a FAT16

m   

Obs.: É possível sim, criar as partições em locais específicos do HD e recomendamos sempre criar a partição /boot
com uma área mínima de 64MB e anda sendo no inicio do disco.

!1)./0 #,4

A) Gerenciar a identificação dos downloads efetuados durante o período


B) É a identificação do usuário, onde serão registrados todos os direitos e permissões de acesso do usuário
C) Registra as movimentações do cachê do sistema e da volumetria da transferência de dados entre o processador e
o arquivo de troca
D) Gerencia os endereçamentos dos programas dentro das células da memória
E) NDA

m   
[!1##*#,7) -#'/0[/0
";4

A) ACPI
B) CDI
C) ACDI
D) DRI
E) NDSI

m   

Obs.: DRI significa Direct Rendering Interface.

r!1/0"#;&#,/04

A) -t
B) -a
C) -h
D) -c
E) -r

m   

Obs.: As opções de tempo neste comando são obrigatórias, sem um dos parâmetros ele simplesmente não
funciona.
Lembre-se que apesar do comando shutdown ser muito utilizado, ainda temos mais duas opções para desligamento
do sistema. O comando # e o comando "#, também são muito úteis para o desligamento do sistema. Para
reiniciar o sistema temos o comando # e &#.

EX.: shutdown -h now ou ainda o shutdown -r 1

Shutdown -h 10 ͞servidor ficará fora do ar por 45 minutos͟

-h - Desligar o equipamento
-r - Reiniciar o equipamento
-t - Tempo, em segundos, até o envio de sigterm às aplicações em execução
-c - Abortar a execução do comando shutdown

 !3#B,&#&4

A) Administrador do sistema
B) Root
C) Super usuário
D) Log de sistema
E) Usuário comum

m   

!1###,##0=0&4

A) 8
B) 7
C) 5
D) 6
E) 18

m   

Obs.: Por padrão o Debian vem pré configurado com 6 terminais em modo texto e uma em modo gráfico. De 1 a 6
texto e a 7 em modo gáfico.

A!1,&'/0#-##4
A) cd
B) rmd
C) pwd
D) cp
E) clear

m   

:!#2"%&#%##'34

A) mkdir /var/tmp/rumbora
B) cd /var/tmp/rumbora
C) pwd \var /tmp/rumbora
D) ls -la /var /tmp /rumbora
E) csi /etc/tmp/rumbora

m   

Ë!#2"##7#*
./073#'4

A)mkdir /var/tmp/dba
B) mkdir/var/tmp -p dba
C) mkdir /var/tmp/DBA -m
D) mkdir/var/tmp/DBA -v
E) mkdir \var/tmp/dbA -p

m   

 !#2#%#+-#&A(1"&,
#'4

A) mkdir /var/tmp/drd1 -m 4777


B) mkdir /var/tmp/drd1 -m chmod xrd
C) mkdir /var/tmp/drd1 -pmv 472
D) mkdir /var/tmp/drd1 \chmod 472
E) mkdir /var/tmp/drd1 -v 4444

m   

 !3.'/0C4

A) Mostra os diretórios e suas permissões de acesso


B) Lista diretórios em blocos e mostrando seu tamanho atual
C) Mostra o conteúdo de diretórios em forma de árvore
D) Lista os diretório por data de criação
E) Lista os diretórios por tamanho

m  
!
##5#2 "/073/0#'4

A) ls -s
B) ls -S
C) ls -R
D) ls -t
E) ls -F

m   

[!1/0#7##5##27
 sub diretórios ?

A) ls -R
B) ls -r
C) ls -F
D) ls -f
E) ls -G

m  

r!.#26(1&,#'
./04

A) ls -l --color
B) ls -S
C) ls -t
D) ls -Ral
E) ls -l -a -S

m   

Obs.: Para saber com mais detalhes sobre as opções do comando ls tente digitar no prompt de comando o ls --help.
Porém, para ajudar com os estudos, segue uma pequena lista com algumas opções.

-l - Exibe o conteúdo do diretório em formato detalhado.


-a - Exibe todos os objetos dentro de um diretório, incluindo arquivos e pastas ocultas,
lembrando que toda pasta oculta é iniciada por ponto ( ./drd )
-F - Acrescenta ao nome do objeto um caracter para indicar o seu tipo, por exemplo: /para diretório
e * para executaveis
-r - Ordem inversa de exibição (decrescente)
-R - Listagem em modo recursivo; exibe o conteúdo do diretório corrente e todas as subpastas
-1 - Exibe a saída simples(apenas o nome em uma coluna)
-S - Ordena pelo tamanho do Objeto
-t - Ordena por data e hora da criação
--color - Colore diretórios em ', links simbólicos em D (azul claro), dispositivos em amarelo
e arquivos compactados em "
 !"&,7)#' '&#*-.,(1")
4

A) /var/tmp/RG
B) /dev/Xorg
C) /usr/X11R6
D) /boot/xorg/032.conf
E) /proc/var/bin/dev

m   

!#'/(1#2 )'
/,4

A) /etc
B) /var
C) /boot
D) /dev
E) /home

m   

A!,#*#23&*/0.##2'7#2%(1
#204

A) /bin, /etc, /dev e /home


B) /bin, /dev, /etc, /lib e /root
C) /var, /home, /dev, /bin e /etc
D) /home, /tmp, /dev, /root e /etc
E) Somente o /bin

m   

:!##2"cc7#:&A7 #):(

### 73)4

A) ls -l sala*
B) ls sala *.*
C) ls sala [d-r]
D) ls sala [1-2][0-9]
E) ls sala [1-2]

m   

Ë!#33EF02*73 #'4 *33#


 :77 (

A) ls -l [18][22-26][5]
B) ls sala [18-26]
C) ls sala {5,18,22,26}
D) ls sala {[5,18,22,26]}
E) ls *sala*

m   
[ !
3&7#' (1)4

A) cat
B) touch
C) talk
D) clev
E) pwd

m   

[ ! *#2  &#2(,&#7#2


#2(1 &,#'4"/0
-(

A) ls -l carros planador [a -b]


B) ls -l carros planador
C)ls carro[o] planador[r]
D) cp carro planador
E) rm carro planador

m     

[!###23#"*cG(1&,#'
4

A) ls -l SMG
B) ls *SMG*
C) ls -v SMG /?
D) ls -l ? SMG
E) NDA

m   

[[!#*-"6&#*#2#7 0&
'C(1#*-33#2
#0#4

A) ls -a
B) ls -x
C) ls -w32
D) ls -j
E) ls -c

m   

[r!,##3)./0*"4

A) Permite especificar que parte do sistema será aplicado o comando


B) Permite especificar exatamente um evento dentro de um sistema ou script
C) Permite especificar condições adicionais como faixa de caracteres que dev em ser satisfeitas
D) Permite especificar as faixas de ip de uma conexão full duplex
E) NDA

Resposta correta: C

Obs.: Vamos utilizar como exemplo o comando ls para acionar condições extras.

ls -d /etc/[a-z]* Å Lista todos os arquivos ou diretórios que comecem com letras minúsculas do diretório
/etc. É ainda importante lembrar que o uso do colchete permite especificar apenas um
caractere que será substituído, ou seja, em cada um desses exemplos apenas um
caractere dentro da faixa especificada será combinado com a condição externa (*).

[ !@=#'*HI.*/04

A) Sim, utilizando o símbolo % dentro do comando


B) Sim, utilizando o símbolo $ dentro do comando
C) Sim, utilizando o símbolo ^ dentro do comando
D) Não, pois o comando apenas habilita o que eu quero mostras
E) Não, mas é possível criar um script para tal funçã o

m   

Obs.: É possível sim, negar uma determinada característica para se chegar ao que procura. Por exemplo, imagine
um diretório com vários subdiretórios, porém você só quer que seja exibido os itens com letras minúsculas. Para
isso precisamos utilizar o sinal ^ dentro da condição de pesquisa.

Ex.: ls -d /etc/[^A-Z]

[!1&,##23#"54

A) ls -d /etc/[a-z]*
B) ls -d /etc/*[a-0]*
C) ls -d /etc/*[1-a]
D) ls -d etc/[^A-0]
E) ls -d /etc/*[0-9]*

m   

[A!1)./0*JK4

A) Permite especificar qualquer número de caracteres que serão combinados com o padrão fora das chaves
B) Permite agrupar comandos específicos para comandos de perm issão
C) Permitem o agrupamento de caracteres numéricos apenas
D) É utilizado para localização de informativos numéricos
E) Não é utilizado em distribuições Debian

m   

EX.: ls -d /etc/{pás,print,gr}* Å Mostrará apena itens que tenham essa seqüência de letras em seu
nome.
[:!1*#'#"64

A) []
B) ()
C) {}
D) Todos
E) NDA

m   

[Ë! #27#/0./07
5"7.'4

A) mkdir sala(1,2,3,4,5)
B) mkdir sala [1,2,3,4,5]*
C) mkdir sala1,sala2,sala3,sala4,sala5 ʹv
D) mkdir {1,2,3,4,5}
E) mkdir [1,2,3,4,5}

m   

r !1#'*####23#.4

A) rmdir -p /treinamento/lpi/sbrubles/
B) rmdir -z /treinamento/
C) mkdir -jF /treinamento
D) mkdir -s -j /treinamento/
E) NDA

m   

r !@=####25'64

A) Sim, com o comando mkdir /nome_diretorio/nome_diretorio/nome_diretorio


B) Sim, utilizando a opç ão -p antes de especificar os diretórios
C) Sim, utilizando a opção -e antes do nome dos diretórios
D) Não é possível, uma vez que ele segue as mesmas regras do extinto sistema DOS 6.22 da IBM
E) NDA

m   

Ex.: mkdir -p /Edu/edu2/edu3

r!,##3#4

A) Utilizado para fazer a instalação de pacotes do Debian


B) Utilizado junto com o comando mkdir para localizar diretórios com o nome superior a 11 caracteres
C) Equivale a um visualizador de conteúdo de um arquivo
D) É um compactador de diretórios em formato .tar
E) É um compactador de arquivos em formado .7z

m   
r[!1/0#,&LM N##&/04

A) -n
B) -E
C) -b
D) -u
E) -T

m   

rr!,#/0##3"30#0'7#3(
1/0)4

A) -n
B) -a
C) -z
D) -b
E) -E

m   

r !1/0#"34

A) -n
B) -E
C) -e
D) -T
E) -b

m   

r!.##%&%&"##0-&&
###70#(1,##
/A#4

A) renew
B) review
C) reset
D) ren -a
E) raz -v

m   

rA!1&,,&#3#4

A) zat
B) rat
C) tac
D) cta
E) acti

m   
r:! *3-'37)#" (1
&,.##.4

A) more -d /etc/services
B) cat -d /etc/services
C) more +20 /etc/services
D) cat -e /etc/services
E) more +200 /etc/services

m   

rË!#'7/A,&./A3)
-*(1/0)4

A) -d
B) -s
C) +MN
D) -a
E) -v

m   

  !1*&###/A#'4

A) lessa
B) mone
C) ls -gh
D) less
E) moresi

m   

  !1/0)#'&#3#2#,#4

A) b
B) /
C) :n
D) :p
E) q

m   

 !*3&##'7,#/03)*;
##,#(1/0)*;4

A) z, s e F5
B) f, h e F12
C) z, f ou espaço
D) z, h, j ou F7
E) F8, F9 ou k

m   
 [!#'73/0.'/04

A) :q
B) q
C) :q!
D) r
E) t

m   

 r! *3#'3'3#7O 


%#%;%#%*(
*3##'4

A) :n
B) :p
C) :g e :z
D) :ç e r
E) :n e :p

m   

Obs.: Nesse caso a opção $ avança para o próximo arquivo e a opção $ volta ao arquivo anterior.
  !1&,3%#%#7#./024

A) cp /etc/* /tmp
B) cp /etc/* /var/tmp
C) cp -i /etc /var/tmp
D) cp -f /etc/* var/tmp
E)cp -i /etc/* /var/tmp

m   

 !3##2#3..#
*4

A) O arquivo será renomeado no destino mantendo o arquivo original


B) O arquivo será sobrescrito
C) Ocorrerá uma mensagem de erro informando o cor rompimento do arquivo
D) O arquivo antigo é eliminado e um novo é criado
E) NDA

m   

 A!#'.#0733#2+-,##
373#4

A) Irá ser criado um novo arquivo com a opção 2, no final do nome


B) O arquivo será sobrescrito
C) O arquivo assume o lugar do anterior e o anterior tem seu nome modificado automaticamente
D) Gera uma mensagem de erro dizendo que não é possível efetuar tal operação, pois arquivo já existe
E) NDA

m   
 :!1&,3.4

A) cp /ect/services ~serviços
B) cp /etc/services serviços~
C) cp /etc/services ~/serviços
D) cp /etc/services */serviços
E) cp /etc/services ^serviços

m   

 Ë!
,###3#=#73#
..&+#4

A) file
B) less
C) more
D) cat
E) tac

m   

Obs.: Utilizando o comando file mais o nome do arquivo, é possível coletar informações rápidas do tipo do arquivo.
Faça um teste, no prompt de comando digite .%#% e note que será apresentado a seguinte
resposta Å %#%$c
*"#,#
Isso informa que trata-se de um arquivo de texto padrão ASCII.

 !-,370&.'(1
&,+4

A) mv
B) cp
C) rd
D) cd
E) vi

m   

Obs.: O comando completo é mv arquivo novo_nome_do arquivo

 !
-3#0#3#2%/7#2%##
73#'4

A) mv /* ~/tmp
B) mv /serviços /tmp
C) mv /serviços /outo_local
D) mv /outro_local /serviços
E) mv /outrolocal/* /serviços/tmp

m   
!1#,&*3#24

A) rd
B) rm
C) rz
D cd -m
E) mkdir -m

m   

[!@*### 3#2,*./04

A) Sim, utilizando os parâmetros -ri


B) Sim, utilizando os parâmetros -if
C) Sim, utilizando os parâmetros -rf
D) Não é possível devido comando só apagar diretórios vazios
E) NDA

m   

r! F)#".(*#/A&
&.c(
-**P.(*.30*&&3A
#-(1,/0-4

A) Informe a ele que somente o root do sistema pode efetuar tal configuração
B) Diga que somente o usuário com privilégios administrativos pode efetuar tal processo
C) Diga para ele se logar com outra conta do mesmo departamento e que faça uma nova tentativa
D) Peça que ele reinicie o equipamento e tente novamente
E) NDA

m   

 !13#"-./A*;4

A) binpass
B) passwd
C) wordpass
D) logpass
E) passlog

m   

!2*#3;7.#"./A&,(Q
"&,73/A#; 4

$R$ $ $ $% $ Q%c


A) O password é o ROOT em laranja e o UID é o ROOT em cinza
B) O password é o ROOT em verde e o UID é o BIN em preto
C) O password é o X em vermelho e o UID é o ROOT em cinza
D) O password é o X em vermelho e o UID é o 0 em azul
E) O password é o 0 em azul e o UID é o 0 em roxo

m   
A!1&,-,4

A) userdel
B) useradd
C) usernew
D) gpasswd
E) usernovo

m   

:!.*7#'3 4

A) useradd
B) groupadd
C) groupmod
D) groupmodify
E) group -a

m   

Ë!*/A0.(

I ʹ A criação de um usuário não força a criação de seu diretório pessoal dentro de /home e de um grupo pessoal,
que pode ser consultado.
II ʹPara que um usuário possa ter acesso ao Linux, é obrigatório a definição de uma senha inicial, mesmo que
forneçamos a troca no primeiro logon.
III ʹ O processo de criação de usuários pode combinar vários parâmetros como diretóri o pessoal, comentários e
outros itens.

A) Somente a opção I é verdadeira


B) Todas são falsas
C) Apenas a II é falsa
D) Todas são verdadeiras
E) Somente a opção III esta correta

m   

A !3'$

useradd jsilva ʹd /home/João ʹm ʹs /bin/bash/João/


I ʹ Foi criado o usuário jsilva, sendo definido a Shell do usuário
II ʹ Foi criado o usuário sendo a criação da sua pasta pessoal obrigatória pelo sistema
III ʹ Foi solicitado a mudança obrigatória da senha
IV ʹ A conta de usuário foi renomeada

A) Todas estão corretas


B) I, II e III estão corretas
C) II e IV estão corretas
D) somente a III esta correta
E) I e II estão corretas

m   
A !.#=#&,$

useradd ed ʹd /home/ed ʹu 03724 ʹp Brasil ʹm ʹs /bin/bash/ed/


I ʹ Foi definido o password do usuário com a opção ʹp
II ʹ Foi definido a quantidade de caracteres que ele pode digitar como password
III ʹ Foi definido a pasta base do usuário com a opção ʹd
IV ʹ Foi definido o grupo em que ele vai pertencer ʹu
V ʹ Foi definido o UID do usuário como sendo 03724 e senha Brasil com a opção ʹu

A) Todas estão corretas


B) I, III e V estão corretas
C) I, II e IV estão corretas
D) I, II, III e V estão corretas
E) II, III e V estão corretos

m   

&($
#*"()#=## 7#
&/A/0*#*-#
(c*&,#+*()3F+"
####(#/0#(

useradd Å Cria usuários


userdel Å Remove usuários
usermod Å Modifica dados de uma conta de usuário
passwd Å Define/troca a senha de usuários
groupadd Å Cria contas de grupos
groupdel Å Remove contas de grupos
groupmod Å Modifica dados do grupo
gpasswd Å Gerência membros e senhas de grupos