Você está na página 1de 34

SEGURANÇA DO TRABALHO

LEANDRO MOL
SEGURANÇA
• SEGURANÇA: É a garantia de um estado de bem-estar físico e
mental, traduzindo por saúde, paz e harmonia.

• SEGURANÇA DO TRABALHO: É a garantia de um estado de bem-estar


físico e mental do empregado, no trabalho para a empresa e se
possível, fora do ambiente dela (viagem de trabalho, lar, lazer, etc.).

• É um compromisso acerca de uma relativa proteção da exposição a


perigos.
SEGURANÇA - LEGISLAÇÃO
• LEGISLAÇÃO:
• A legislação de segurança e medicina do trabalho têm aplicação a todos os empregados e
empregadores e encontram-se agrupadas nos arts. 154 a 201 da CLT:

• RESPONSABILIDADES CONFORME A CLT:


• ÓRGÃOS NACIONAIS (ESCOLA NACIONAL DA INSPEÇÃO DO TRABALHO - ENIT)
• Estabelecer as normas (NRs – Normas Regulamentadoras)
• Coordenar, orientar, controlar e supervisionar a fiscalização
• DELEGACIAS REGIONAIS DO TRABALHO
• Promover a fiscalização
• Adotar as medidas que se tornem exigíveis
• EMPRESAS
• Cumprir e fazer cumprir as normas
• Instruir os empregados
• EMPREGADO
• Observar as normas e colaborar
SEGURANÇA
• Atuação

• Minimizar os acidentes de trabalho.

• Evitar doenças ocupacionais.

• Proteger a integridade e capacidade de trabalho do trabalhador.


RISCO

RISCO: DERIVADO DA INCERTEZA

OS RISCOS REPRESENTAM O GRAU DE INCERTEZA DE UMA ATIVIDADE OU


SITUAÇÃO. PODE SER ENTENDIDO COMO A MEDIDA DA INCERTEZA, LIGADA À
PROBABILIDADE E AO IMPACTO DE SEU EFEITO.

• Há gestão de riscos, em alguma extensão, em todas as


organizações produtivas, de forma explícita ou tácita,
sistematizada ou não.
RISCO
APLICAÇÕES

• SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO

• ANÁLISES FINANCEIRAS

• ANÁLISES ESTRATÉGICAS

• PROJETOS
RISCO
“é a possibilidade de acontecer algo que irá ter um impacto
sobre os objetivos. Ele é medido em termos de consequências e
probabilidade.”

AS/NZS 4360: 2004


Norma australiana / neo-zelandesa de Gestão de Riscos, substituída pela ISO 31000
RISCO
“efeito da incerteza nos objetivos”

Nota 1: Um efeito é um desvio do esperado – positivo e/ou negativo.

Nota 2: Objetivos podem ter diferentes aspectos (tais como objetivos


financeiros, saúde e segurança e ambientais) e podem ser
aplicados em diferentes níveis (tais como estratégico, em toda
organização, projeto, produto e processo).
GESTÃO DE RISCO

• ISO 31000

• Norma internacional para gestão de risco

• É aplicada para a maioria das atividades de negócios, incluindo


planejamento, operações de gestão, projetos e processos de comunicação

• Recomendações de melhores práticas dessa norma internacional foram


desenvolvidas para melhorar as técnicas de gestão e garantir a segurança no
local de trabalho em todos os momentos
GESTÃO DE RISCO
Evolução das abordagens de gestão de riscos

Ações reativas

Ações preventivas localizadas

Ações preventivas sistematizadas


(programas / sistemas)
GESTÃO DE RISCO

“ Sistemas sociais necessitam definir critérios para permiti-los priorizar suas


ações e desconsiderar aqueles riscos que parecem ser triviais” Renn(1992)

Fonte: Renn, Ortwin. “Concepts of Risk: a classification.” In: Social Theories of Risk. Sheldon Krimsky, Dominic
Golding (Eds). Wesport (Connecticut) / London: Praeger, 1992, Cap. 3.
GESTÃO DE RISCO
A efetividade da gestão de riscos é um processo complexo e
interdependente

VONTADE RECURSOS AMBIENTE


EXTERNO

CONHECIMENTO

AMBIENTE INTERNO
GESTÃO DE RISCO
Risco é uma representação simbólica (mental) de uma situação
(recorte da realidade), construída a partir dos conhecimentos, crenças,
práticas, valores e interesses do indivíduo ou grupo de indivíduos.

Implicação prática para a gestão de gestão de riscos: necessidade de


confrontação das diferentes representações de risco.
RISCO EM SEGURANÇA DO TRABALHO
A abordagem do conceito de risco para segurança contém três elementos:
• Consequências indesejáveis
• Possibilidade / probabilidade da ocorrência
• Concepção de realidade (objetividade x subjetividade)

Renn(1992), adaptado
RISCO EM SEGURANÇA DO TRABALHO

• A gestão de riscos é um processo de melhoria contínua:


• Risco zero é uma meta impossível (SST)

• Através de uma gestão efetiva pode-se alcançar níveis de riscos


residuais socialmente aceitáveis.
RISCO EM SEGURANÇA DO TRABALHO
RISCO

FONTE DE RISCO EVENTO CONSEQUÊNCIA

RISCO = função da probabilidade e gravidade da


Consequência
RISCO EM SEGURANÇA DO TRABALHO
Como pode acontecer? O que pode acontecer?
(explicações)

Fontes de
EVENTO CONSEQUÊNCIAS
risco

Incidentes perigosos Impactos sobre a


como exposições Segurança e
excessivas, Saúde dos
sobrecargas de Trabalhadores
fatores de risco trabalho

(Baseado na ISO 31000:2009 + Diagrama de Ishikawa)


CORRER RISCOS ELEVADOS É ALGO AINDA
COMUM?
CORRER RISCOS ELEVADOS É ALGO AINDA
COMUM?
CORRER RISCOS ELEVADOS É ALGO AINDA
COMUM?
CORRER RISCOS ELEVADOS É ALGO AINDA
COMUM?
CORRER RISCOS ELEVADOS É ALGO AINDA
COMUM?
CORRER RISCOS ELEVADOS É ALGO AINDA
COMUM?
DEFINIÇÕES
DEFINIÇÕES DE GESTÃO DE RISCO EM SEGURANÇA DO TRABALHO:

1. Dano
2. Perigo
3. Desvio
4. Causa
5. Perda
6. Sinistro
7. Acidente e Incidente
8. Nível de risco
1. DANO
DANO: É A CONSEQÜÊNCIA NEGATIVA DO ACIDENTES, OU SEJA, É O PRODUTO OU
RESULTADO NEGATIVO DO ACIDENTE (PREJUÍZO).

• GRAVIDADE DA PERDA HUMANA, MATERIAL OU FINANCEIRA QUE PODE


RESULTAR SE O CONTROLE SOBRE UM RISCO É PERDIDO.

• A PROBABILIDADE E A EXPOSIÇÃO PODEM MANTER-SE INALTERADOS, E


MESMO ASSIM, EXISTIR DIFERENÇA NA GRAVIDADE DO DANO.

• OS DANOS PODEM SER:


• PESSOAIS: LESÕES, FERIMENTOS, PERTURBAÇÃO MENTAL
• MATERIAIS: DANOS EM APARELHOS, EQUIPAMENTOS
• ADMINISTRATIVO: PREJUÍZO MONETÁRIO, DESEMPREGO EM MASSA
2. PERIGO
• Fonte ou situação (condição) com potencial para provocar danos em
termos de lesão, doença, dano à propriedade, dano ao meio ambiente, ou
uma combinação destes.

3. DESVIO
• É qualquer ação ou condição que tem potencial para conduzir, direta ou
indiretamente, a danos a pessoas, ao patrimônio ou causar impacto
ambiental, que se encontre desconforme com as normas de trabalho,
procedimentos, requisitos legais ou normativos, requisitos do sistema de
gestão, ou boas práticas.
4. CAUSA
CAUSA:
• Origem, de caráter humano ou material, relacionada com o evento
catastrófico (acidente) pela materialização de um perigo, resultando
em danos.

• É aquilo que provocou o acidente, sendo responsável por sua


ocorrência, permitindo que o risco se transformasse em danos.

Antes do acidente existe o risco. Após o acidente existe a


causa.
4. CAUSA
• EXISTEM TRÊS TIPOS DE CAUSAS:
ATOS INSEGUROS
É todo ato, consciente ou não, emitidos pelo trabalhador ou empresa,
capaz de provocar dano ao trabalhador, a seus companheiros ou a
máquinas, materiais e equipamentos.
Está diretamente relacionado a falha humana.
Os atos inseguros são cometidos por imprudência, imperícia ou
negligência.

Exemplo: a falta de treinamento, excesso de trabalho / pressa, teimosia,


curiosidade, improvisação, autoconfiança, entre outros são fatores que
levam à prática do ato inseguro
OBS.: Através da Portaria n° 84/09, o Ministério do Trabalho corrigiu a expressão "ato inseguro",
contida na alínea "b" do item 1.7 da NR 1, retirando-a. Representa a desconstrução das práticas
de atribuição de culpa às vítimas de acidentes.
4. CAUSA
CONDIÇÕES INSEGURAS

• Consiste em irregularidades ou deficiências existentes no


ambiente de trabalho que constituem riscos para a integridade
física do trabalhador e para a sua saúde, bem como para os
bens materiais da empresa.

• A falta de limpeza e ordem no ambiente de trabalho, bem


como máquinas e equipamentos sem proteção ou a segurança
“jampeada” são fatores que produzem a condição insegura.
4. CAUSA
FATOR PESSOAL DE INSEGURANÇA

PROBLEMA PESSOAL DO INDIVÍDUO QUE PODE VIR A PROVOCAR ACIDENTES:

• PROBLEMAS DE SAÚDE
• PROBLEMAS FAMILIARES
• DÍVIDAS
• ALCOOLISMO
• USO DE SUBSTÂNCIAS TÓXICAS
• ETC.
5. PERDA
PERDA: É O PREJUÍZO SOFRIDO POR UMA ORGANIZAÇÃO, SEM
GARANTIA DE RESSARCIMENTO ATRAVÉS DE SEGUROS OU OUTROS
MEIOS.

• AS PERDAS PODEM SER:

• TANGÍVEIS: QUANDO SE REFEREM A PREJUÍZOS MENSURÁVEIS,


EX.: EQUIPAMENTO

• INTANGÍVEIS: QUANDO SE REFEREM A ELEMENTOS DE DIFÍCIL MENSURAÇÃO


EX.: A IMAGEM DA EMPRESA.
6. SINISTRO
SINISTRO: PREJUÍZO SOFRIDO POR UMA ORGANIZAÇÃO, COM
GARANTIA DE RESSARCIMENTO POR SEGURO OU POR OUTROS MEIOS.
7. ACIDENTE/INCIDENTE
• ACIDENTE: TODA OCORRÊNCIA NÃO PROGRAMADA QUE PODE
PRODUZIR DANOS. É UM ACONTECIMENTO QUE NÃO PREVEMOS,
OU SE PREVEMOS, NÃO SABEMOS PRECISAR QUANDO ACONTECER.
• ALGUNS CONCEITOS DE ACIDENTE:

• LEGAL
• Acidente é aquele que ocorrer pelo exercício do trabalho a serviço da empresa,
provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause morte, perda ou
redução permanente ou temporária da capacidade laboral para o trabalho.

• PREVENCIONISTA
• Acidente é uma ocorrência não programada, inesperada ou não, que interrompe ou
interfere no processo normal de uma atividade, ocasionando perda de tempo útil,
lesões nos trabalhadores ou danos materiais.
7. ACIDENTE/INCIDENTE
INCIDENTE: QUALQUER EVENTO OU FATO NEGATIVO COM POTENCIAL
PARA PROVOCAR DANOS, MAS POR ALGUM FATOR NÃO SATISFEITO,
NÃO OCORRE O ESPERADO ACIDENTE.

• TAMBÉM DENOMINADO DE “QUASE-ACIDENTE”.

• MUITAS VEZES ATRIBUÍDA AO ANJO-DA-GUARDA.

• OS ESTUDOS DOS INCIDENTES TRAZEM UM CONHECIMENTO MAIOR SOBRE


AS CAUSAS, QUE PODERIAM VIR A TORNAR-SE ACIDENTES, ALÉM DE CONTER
ESTES.

• OSHAS: INCIDENTE SEM LESÃO

Você também pode gostar