Você está na página 1de 5

APRENDER A APRENDER – O PARADIGMA DA BAHIA

O Enriquecimento Instrumental de Feuerstein


ICELP Jerusalem
Mr. Samuel Rosen
Prof. Alex Kozulin
Prof. Reuven Feuerstein
O Centro Internacional para Ampliação da Potencialidade da
Aprendizagem (ICELP –
Jerusalem, Israel) tem sido abençoado com muitas e diversas
experiências na disseminação e
aplicação de nossa teoria e métodos. Cada uma dessas aplicações traz
novos elementos, criando,
por conseguinte um mosaico de conhecimento, "insight" e
entendimento. Fizemos o necessário para
transformar todas essas valiosas experiências em segmentos
conceituais e operacionais como elas
merecem. Durante anos de trabalho, nos quais transformamos esse
esforço de conceituação em
programas didático-operacionais, temos vivenciado todo o efeito da
Experiência Mediada da
Aprendizagem (MLE) e do Enriquecimento Instrumental (IE) em
crianças com Síndrome de Down,
em crianças com lesões cerebrais, em estudantes regulares que
necessitam ampliar suas
capacidades de aprendizagem e em adultos de setores industriais que
vivenciam programas de
capacitação técnica.
A grandiosidade e a riqueza da experiência estão nas estratégias e
ferramentas que
propiciam ao mediador escolhas para adaptar o Programa de
Enriquecimento Instrumental a
diferentes modalidades conforme as necessidades específicas do
segmento populacional de
aprendizes.
Uma das grandes experiências, que poderia tornar-se fonte de
conceituação, é a experiência
de ambientes modificadores tão necessários para criar um nível
eficiente de modificabilidade no
indivíduo. Estamos, de fato, atentos a cada oportunidade de
enriquecer nosso repertório com
elementos que nos possibilitem ampliar informações sobre ambientes
que podem ser preparados de
forma a criar as condições necessárias à modificabilidade significativa
do ser humano (Veja o
capítulo de Rafi Feuerstein que reflete seu trabalho e de outros nessa
área particular de formação
dos determinantes do ambiente que ajudam a elevar a função do
indivíduo.) (Interpretação: Se e
Como.)
O que nos faltou, contudo, nesses anos, foi a oportunidade de
aprender sobre a
modificabilidade em grandes sistemas, e variações das condições que
têm de ser criadas com a
finalidade de mudar não só alunos, escolas, mas para mudar a rede da
sociedade, permeando suas
várias estruturas, educacional, tecnológica e social.
O trabalho feito nesse campo na Bahia, Brasil, é, definitivamente, a
única experiência do
mundo e muito mais raro que isso é que esteja ocorrendo por iniciativa
do Governo do Estado,
combinado com poderes organizacionais efetivos, concentrado na
visão de uma pessoa – Dr. Eraldo
Tinoco, Secretário da Educação do Estado da Bahia – e implementado,
da forma mais eficiente, pela
Professora Clelia Melo que, pelo seu próprio exemplo de profunda fé e
entusiasmo, consegue
conquistar dedicação e compromisso dos líderes governamentais e
educacionais, diretores de
escola, professores, psicólogos e comunidade estudantil.
“Esse programa merece ser chamado paradigmático porque seu
objetivo é mudar a sociedade
através da mudança na maneira de educar pessoas. Isso envolve
estudantes, pais, professores e
administradores educacionais. Toda a sociedade, então, muda sua
atitude em relação à
possibilidade de mudanças radicais nas habilidades da aprendizagem
humana e nas estruturas
cognitivas.”
Os parâmetros parecem ser essenciais para o que gostaríamos de
definir como "Aprender a
Aprender – O Paradigma da Bahia" num sistema amplo de
implementação do Programa de
Enriquecimento Instrumental:
A existência de um sistema educacional forte e amplo necessita ser
reconhecido por educadores
e público em geral. No caso da Bahia, um dos problemas mais graves
é o grande número de
estudantes alcançando a idade adulta sem os esquemas básicos como,
por exemplo,
compreender textos acadêmicos e resolver problemas de matemática.
A presença da criação de desafios pela mudança do mercado de
trabalho. O Brasil tem um
rápido desenvolvimento econômico com grandes oportunidades, mas
essa economia tem
poucos ou nenhum trabalho para pessoas sem escolaridade.
Relações de responsabilidade entre o Governo do Estado e a
população. Nessa atmosfera de
responsabilidade, a reforma educacional iniciada por Dr. Tinoco reflete
o cumprimento de
obrigações do Governo do Estado em relação aos seus cidadãos,
tornando, portanto, essa
reforma um evento político e social mais do que simplesmente
educacional.

Cuidadoso e gradual planejamento de um sistema aberto de


implementação do Programa de
Enriquecimento Instrumental. A implementação foi seguida de plano
plurianual que estipulou
estágios para o projeto e empreendimentos como referência. No
primeiro momento, o Programa
foi implementado relativamente num pequeno número de escolas
selecionadas tanto na capital
como em municípios do interior. Respostas desse primeiro momento
possibilitam harmonizar
treinamentos de professores e implementação às condições locais.
Para os momentos
seguintes, pressupõe-se um crescimento contínuo no número de
professores treinados e de
escolas com o programa implementado.
A natureza integradora de um sistema amplo de implementação.
Isto inclui encontros de
sensibilização com diretores de escolas e administradores, preparação
de materiais
suplementares incluindo artigos, padrões de avaliação, notas em jornal
etc, treinamento de
professores e supervisores, avaliação e acompanhamento,
conferências profissionais e
científicas, a mais notável delas foi o I Fórum Internacional PEI:
Enriquecimento Instrumental
Feuerstein na Bahia, em novembro de 2000, que atraiu mais de 2000
(dois mil) participantes.
O Programa Educacional que incorpora a metodologia do
Enriquecimento Instrumental, com
base na teoria da Modificabilidade Cognitiva Estrutural e na
Experiência da Aprendizagem Mediada
(MLE), tem como objetivo preparar estudantes que procuram aumentar
seu potencial de
aprendizagem para, mais tarde, engajar-se em estudos mais
adiantados e seguir suas carreiras e
vocações.
Líderes mundiais da educação vêm reconhecendo que o
desenvolvimento social e emocional
de crianças é tarefa do sistema educacional tanto quanto o são a
leitura, a escrita e a matemática.
Entretanto, na Bahia, líderes como Dr. Tinoco, apoiado pelo
Governador do Estado, Dr. César
Borges, foram mais adiante direcionando o trabalho para o
desenvolvimento dos indivíduos quanto
ao potencial cognitivo. Eles se viram responsáveis não só em
intensificar a educação e aquisição do
conhecimento, mas também proporcionar aos estudantes aquisição e
desenvolvimento de
habilidades de sobrevivência necessárias ao século XXI. Essas
habilidades incluem "como" se
relacionar, "como" ser responsável, "como" escolher, "como" resolver
problemas, "como" amar,
"como" pensar e "como" aprender.
Na sua procura de um método amplo para desenvolvimento cognitivo,
Dr. Tinoco e sua equipe
focalizaram suas atenções em metodologias comprovadas que já
tinham sido, de fato, aplicadas

com resultados. Eles escolheram a Experiência de Aprendizagem


Mediada (MLE) e o
Enriquecimento Instrumental (IE).
Agora, após 18 meses de implementação bem-sucedida na Bahia, três
dos mais importantes
paradigmas emergiram:
a) Centenas de administradores e diretores de escolas, assim como
líderes do governo e
formadores de opinião do cenário educacional baiano têm sido
envolvidos, demonstrando
sua fé e compromisso com o programa.
b) Milhares de professores de Salvador e de diferentes e distantes
cidades da Bahia são
responsáveis pela aplicação da Experiência da Aprendizagem Mediada,
do Programa de
Enriquecimento Instrumental integrado à matriz curricular do sistema
de Ensino Médio.
Sua confiança neles mesmos e nos seus alunos tem, sem dúvida,
fortalecido todo o
sistema.
c) Dezenas de milhares de adolescentes de comunidades escolares
espalhadas no Estado
da Bahia têm ativamente vivenciado o MLE e o IE. De fato, esses
jovens cidadãos da
Bahia formam uma nova geração de aprendizes responsáveis pela
modificação de uma
comunidade de jovens.
Durante todas as fases de aplicação do Programa na Bahia, houve uma
condição sine qua
non para o sucesso significativo – não só as autoridades formais de
educação como também os
diretores das escolas foram convidados a participar do programa.
Desta forma foi criado um
ambiente de intensificação para a mudança. A confiança dos diretores
de escola, seu envolvimento
entusiástico e seu apoio implacável têm sido de suma importância.
Acredita-se que, nas escolas, os
diretores são os que estimulam os professores que, por sua vez,
motivam os alunos. De fato, isso é
um pré-requisito importante que, quando combinado com o
Enriquecimento Instrumental e a
Aprendizagem Mediada produz, como é esperado, benefícios
prolongados e resultados concretos
que, de fato, têm contribuído, até aqui, diretamente, para o sucesso do
projeto em sua totalidade.
O mais expressivo, almejado e de efeito duradouro deverá manifestar-
se em significativa
diminuição de evasão escolar e na maior habilidade dos alunos de
integrar-se em estudos
superiores e, mais tarde, conseguir empregos que requisitam
habilidades de raciocínio mais
complexas, flexibilidade, profissionalismo e adaptabilidade social.

“Certamente, o objetivo pleno do projeto é que alunos consigam não


apenas resultados
superiores nos seus estudos, mas aumentem e otimizem suas
capacidades de empregabilidade e
suas qualidades de vida num mundo turbulento. Na maioria, se não
todos, os alunos serão bem-
sucedidos na sua vida de trabalho e pessoal. Seus filhos, por sua vez,
terão ainda melhores
oportunidades de progresso no século XXI. Essa é e será a conquista
de todo o empenho da
implementação do PEI na Bahia.”