Você está na página 1de 11

FAVENI – FACULDADE VENDA NOVA DO IMIGRANTE

PÓS GRADUAÇÃO EM ARTE TERAPIA

ANDREA PAVAN BIDIN MARTINS

ARTE TERAPIA E ARTE EDUCAÇÃO


EM SEUS CONCEITOS E DEFINIÇÕES

SÃO PAULO
2020
ARTE TERAPIA E ARTE EDUCAÇÃO
EM SEUS CONCEITOS E DEFINIÇÕES

Andrea Pavan Bidin Martins1

Declaro que sou autora¹ deste Trabalho de Conclusão de Curso. Declaro também que o mesmo
foi por mim elaborado e integralmente redigido, não tendo sido copiado ou extraído, seja parcial ou
integralmente, de forma ilícita de nenhuma fonte além daquelas públicas consultadas e corretamente
referenciadas ao longo do trabalho ou daqueles cujos dados resultaram de investigações empíricas por
mim realizadas para fins de produção deste trabalho.
Assim, declaro, demonstrando minha plena consciência dos seus efeitos civis, penais e
administrativos, e assumindo total responsabilidade caso se configure o crime de plágio ou violação aos
direitos autorais. (Consulte a 3ª Cláusula, § 4º, do Contrato de Prestação de Serviços).

RESUMO- Este artigo traz uma revisão bibliográfica com o foco voltado a Arte Terapia e a Arte
Educação. Neste sentido, este estudo busca apresentar algumas concepções que envolvem os dois
termos. Apesar de a Arte Educação e a Arte Terapia atuarem em áreas de estudo diferentes, alguns
conceitos estão relacionados quando pensamos nos processos cognitivos e criativos. Além disso as duas
áreas tem o seu processo histórico relacionados nas mudanças que ocorreram em seus conceitos, na
educação, arte, psicologia e psicanálise. A Arte sempre esteve relacionada a história da Educação e
dependendo da época e do contexto social no qual estava inserida, assumia diferentes papeis e
princípios na escola. Ao passar dos anos o conceito de Arte foi contraindo diferentes interpretações. O
trabalho com Arte terapia em sala de aula, pode trabalhar a ansiedade e os desconfortos emocionais que
os adolescentes possam apresentar, a produção gerada por eles constitui-se em base para o estudo em
sessões de arte terapia, relacionadas aos aspectos emocionais dos sujeitos.

PALAVRAS-CHAVE: Arte Terapia. Arte Educação. Educação. Aprendizagem.

1
andreabidin2016@gmail.com
1 INTRODUÇÃO

A Arte sempre esteve presente na história da educação escolar e dependendo


da época e do contexto social assumia diferentes princípios e papeis na escola. Com o
passar do tempo o conceito de Arte foi contraindo interpretações diferenciadas.
Podemos dividir as áreas de conhecimento em Artes em: Teatro, Dança, Artes
Visuais e Música. Trabalhar com Artes Visuais deve prever o respeito as
particularidades e peculiaridades das crianças, além do seu nível de desenvolvimento,
favorecendo o processo de criação das mesmas. O educador deve intervir
proporcionando o contato com diferentes objetos agindo de forma intencional com o
intuito de enriquecer a ação desenvolvida pela criança.
A Arte terapia pode ser definida como uma prática terapêutica que trabalha com
diferentes saberes de maneira transdisciplinar, saúde, educação e arte. Neste sentido,
busca resgatar o homem em sua dimensão integral, auxiliando o seu processo de
autoconhecimento, traz informações simbólicas a partir da transformação das imagens,
estruturando assim o que era inconsciente para o consciente.
A Arte terapia tem a sua fundamentação como ciência na medicina, psicologia e
arte, e realiza estudos sobre a avaliação, cura ou contribuição para a cura dos sujeitos
com a arte e as expressões artísticas. O processo terapêutico utiliza a arte e as
diferentes maneiras de expressões artísticas buscando um maneira mais prazerosa de
conseguir novas descobertas e criar novas possibilidades.
No Brasil, alguns movimentos influenciaram o ensino de artes e defendiam que
este ensino deveria estar integrado e relacionado à educação, a arte educação, sempre
a favor do ensino de artes. Em 1928, com a Reforma de Fernando de Azevedo foi
instituído o jardim de infância e a música foi incluída na grade curricular dos cursos para
as crianças. A concepção moderna de Artes não era abordado e nem o ensino de tal
temática nas escolas de ensino regular no Brasil nesta época.
O trabalho com Arte terapia em sala de aula, pode trabalhar a ansiedade e os
desconfortos emocionais que os adolescentes possam apresentar, a produção gerada
por eles constitui-se em base para o estudo em sessões de arte terapia, relacionadas
aos aspectos emocionais dos sujeitos.

2 ARTE EDUCAÇÃO E ARTE TERAPIA: DEFINIÇÕES E CONCEITOS

Silva (2013) afirma que a arte utilizada terapeuticamente surge nas civilizações
antigas no século XX, a Arte terapia se consolida como um conceito próprio de atuação,
em decorrência das modificações que aconteceram na época. A Arte terapia e a Arte
educação são consideradas áreas de estudo e investigação distintas e independentes,
compartilham conceitos relacionados aos processos criativos e cognitivos, além dessas
áreas compartilharem também um processo histórico ligado às mudanças conceituais
na arte, na psicologia, na psicanálise e na educação, ao longo do século XX.
A Arte e a história da educação escolar estão entrelaçadas e dependendo da
época e do contexto social no qual estava inserida, assumia papeis diferenciados e
diferentes princípios na escola. Ao longo dos anos o conceito de Arte foi adquirindo
diferentes interpretações: a Arte como técnica, como expressão, como linguagem,
como comunicação, produção de materiais artísticos e como lazer.
A Lei de Diretrizes e Bases (LDB) 5692/71 na qual a Educação Artística foi
instituída no currículo reunindo todos os tipos de linguagem, porém esta lei não previa a
formação e a qualificação dos professores. Com a Lei de Diretrizes e Bases da
Educação Nacional (LDBEN) 9394/96, o ensino de Arte passa a ser componente
curricular obrigatório, nos diversos níveis de educação básica, de forma a promover o
desenvolvimento cultural dos alunos.
O ensino de Arte na escola e a concepção de currículo foi sofrendo mudanças ao
longo dos anos, mudanças no campo conceitual, epistemológico, estrutural, político e
pedagógico. Das Belas Artes às Artes Visuais, passando pela Educação Artística e
pelas Arte Plásticas, a disciplina vem buscando uma valorização e
reconhecimento da Arte como uma área de conhecimento importante como as
demais disciplinas do currículo escolar e não como um meio de passatempo ou
uma maneira de descobrir novos artistas.
A Arte terapia emerge como um campo aberto ao encontro e diálogo
entre as áreas da Psicologia, Educação e Artes, resgatando o potencial
terapêutico, pedagógico e de crescimento pessoal contido em todas as
formas de arte, colocando a arte a serviço da vida e de seu
florescimento, trazendo à tona a dimensão do sagrado, como era e
ainda é entre os povos primitivos o papel da arte, para comungar com a
existência humana, resgatando os elos com
nossa ancestralidade (BERNARDO, 2006, p. 27).

O educador é o responsável por significar aquilo que a criança aprende, incluir a


Arte no currículo escolar, não é suficiente para a garantia de aprendizado, a Arte
deve estar integrada as outras áreas e esferas do conhecimento e tornar possível que a
criança aprenda e compreenda o seu conteúdo de forma relevante e significativa.
Desta maneira afirma-se que o trabalho com as Artes Visuais na Educação
Infantil deve respeitar as peculiaridades das crianças e o seu nível de desenvolvimento,
favorecendo o processo de criação das mesmas. O educador deve intervir
proporcionando o contato com diferentes objetos agindo de forma intencional com o
intuito de enriquecer a ação desenvolvida pela criança.
Os documentos educacionais trazem orientações didáticas aos
educadores incluindo a música dentre as atividades oportunizadas às crianças, como
um dos eixos do currículo, o ensino da música deve garantir experiências capazes de
promover a interação em suas diferentes manifestações artísticas.
Barbosa (2007) enfatiza que a obrigatoriedade do ensino de Arte não é
o bastante para garantir existência desta disciplina no currículo. Depende muito das
ações do professor para que este ensino tenha maior legitimidade no contexto
escolar. Em outras palavras, é muito importante que o professor de Arte seja formado
para que atue e garanta que os alunos possam explorar os campos artísticos
identificar os diversos fenômenos artísticos em seu cotidiano.
Os conteúdos da área de Arte devem abranger um conhecimento que torne a
criança capaz de criar e expressar-se artisticamente, proporcionando o contato com
diferentes suportes, materiais e conteúdos, diversas manifestações culturais e
artísticas, em diferentes portadores e modelos.
Rodrigues (2013) ressalta que a disciplina de Artes, por muitas vezes, é vista
como menos importante em detrimento das demais disciplinas do currículo escolar,
analisando as propostas de ensino e os conteúdos cobrados para o ingresso no ensino
superior. Muitas vezes, o ensino de Artes, é visto como uma forma de passatempo ou
diversão, é preciso estabelecer de forma clara e objetivo quais são os seus propósitos
de ensino e a sua finalidade, quebrando com esse paradigma. 
A Arte terapia aborda alguns aspectos do inconsciente e utiliza, para isso,
materiais de arte, que permite a construção de imagens, movimentos e ações que
serão capazes de permitir a redescoberta das necessidades e potencialidades dos
indivíduos. Desta forma, o cliente passa a ter conhecimento de conteúdos que antes
não tinham e não eram considerados. A criatividade permite a expressão dos sujeitos e
traz informações do passado para o presente.

[...] os recursos arte terapêuticos são de grande valia na prevenção do


abuso de poder nas terapias, no trabalho com grupos e no ensino,
pois na medida em que a pessoa cria, ela participa ativamente e com
seus próprios recursos do seu processo de aprendizado, crescimento ou
cura, aprendendo um caminho que pode seguir mesmo sozinha em
outros momentos de sua vida, não dependendo da figura do professor,
facilitador ou terapeuta para isso. (BERNARDO, 2006, p.12).

A Arte terapia faz parte de diferentes campos de atuação, dentre eles,


destacamos neste estudo os campos da Saúde e da Educação, ainda não existem
cursos de graduação nesta área. Valladares (2008) define a Arte Terapia como uma
atividade que canaliza o trabalho para a reordenação e reestruturação mental do
sujeito, direcionando para os processos individuais, preocupando-se com as emoções,
questões e dificuldades de cada pessoa.
Ainda conforme a autora a Arte terapia busca resgatar os processos de
autoconhecimento e de transformação pessoal, por meio da produção de imagens, do
desenvolvimento da comunicação, da valorização da subjetividade e da liberdade de
expressão.
Na sala de aula, podemos dividir o ensino de artes em três dimensões: Arte
como linguagem, como expressão da cultura e como conhecimento. A Arte como
linguagem no sentido de realizar leituras e estabelecer sentidos interpretando as
relações da mensagem artística; a Arte como expressão da cultura no sentido da
preocupação com a influência cultural, observar a arte em sua relação com a cultura,
melhor entendendo as obras artísticas; a Arte como conhecimento no sentido de
entendê-la como qualquer outra área do conhecimento, vivenciado e refletido pelas
crianças.

A arte terapia insere-se dentro de um contexto de exploração criativa e


valorização do sensível, viabilizado por meio da utilização dos recursos
artístico-expressivos. (...) a arte terapia caracteriza-se por possibilitar
que qualquer um entre em contato com seu próprio universo interno,
com aqueles que estão à sua volta e com o mundo. À medida que a
emergência da expressão se mostra cada vez mais indispensável, tanto
mais o sentido da vida torna-se evidente e, consequentemente, o
despertar do desejo de como aprender a lidar com os problemas, com
os medos, com as deficiências, de modo a tornar os pensamentos e os
atos mais consonantes com o viver pleno. (AATESP, 2010, p. 7)

Philippini (2005) enfatiza que a Arte terapia é uma prática terapêutica que
trabalha com a transdisciplinaridade de vários saberes, dentre eles, a saúde, a arte e a
educação, promovendo o resgate da dimensão integral do homem, auxiliando o
processo de autoconhecimento em que as imagens se transformam em símbolos,
criando condições para estruturar e informar o que antes era inconsciente passa a
integrar a consciência.
Bernardo (2006) enfatiza que para a melhoria da qualidade de vida do sujeito, a
Arte Terapia se utiliza de recursos como desenho, modelagem, pintura, dança,
dramatização, entre outros, neste sentido realiza a relação significativa do mundo
interior com o mundo exterior, contribuindo para que o sujeito reconheça e desenvolva
as suas potencialidades.

A Arte terapia surgiu como auxiliar de medidas terapêuticas no


tratamento dos transtornos mentais, a partir de medidas
tomadas frente à sua própria prática: facilitadora de catarses (expurgos
de materiais indesejáveis à mente), como medida preventiva ao
embotamento psíquico e de competências para a noção de aquisição de
esquemas da vida diária A capacidade de fazer escolhas, diferente do
abandono do doente à sua própria sorte com a deterioração de sua
mente foram avanços efetuados pela Arte terapia, que anteriormente
levava o nome de Terapia Ocupacional (URRUTIGARAY, 2008, p.41).
Segundo a Associação Brasileira de Arte terapia é possível definir esta prática
como um maneira de trabalho terapêutica que se utiliza da linguagem artística para
estabelecer uma comunicação entre o profissional e o cliente. Com a elaboração
artística e a criação estética atuando em favor da saúde. A arte terapia utiliza os
processos e os meios da arte para contribuir com a saúde dos indivíduos em seus
aspectos físicos e psicológicos.
Canda (2009) define que as linguagens artísticas presentes no currículo escolar,
não devem ter a função de formar artistas, o propósito da disciplina é baseado no
desenvolvimento do sujeito em todos os seus aspectos, o ensino em Arte propicia o
conhecimento de técnicas e conceitos por meio da aprendizagem lúdica e de forma
contextualizada e interdisciplinar. Os Parâmetros Curriculares Nacionais (Brasil, 1997)
definem o ensino da Arte como um campo de conhecimento de mesma importância que
os demais campos que fazem parte do currículo.
Rodrigues (2013) afirma que a disciplina de Artes passou por grandes
transformações quando pensamos no currículo escolar, mudanças de estrutura,
conceitos e mudanças pedagógicas. Além de tais mudanças temos as diferentes
definições ao longo da história, Ensino de Belas Artes à Artes Visuais, Educação
Artística, Artes Plásticas, etc.
A Arte Educação deve contribuir para reflexões sobre a sociedade e o cotidiano,
estimulando o educando a pensar e a refletir sobre o seu papel e deixar de ser um
receptor passivo de informações. Por outro lado, a arte terapia foi traçando seu
percurso e se firmando enquanto saber, buscando tornar possível um ser humano mais
consciente, mais livre para fazer suas escolhas e através da escuta e da valorização do
indivíduo, fortalecer a autoconfiança ajudando esse indivíduo a se colocar e lidar com
suas emoções.

O arte terapeuta deve tanto ser um profissional com conhecimento de


materiais e técnicas do campo das Artes Visuais. Deve, também, ser
alguém com conhecimento sobre o homem, seu desenvolvimento, suas
patologias, além de ser uma pessoa que conhece a si própria, que
vivencia seu próprio processo terapêutico, de maneira que possa ofertar
o melhor de si àqueles que nele confiam suas dores, sofrimento,
questionamentos, em busca de crescimento e saúde. Esperamos que
esta apresentação sobre informações dos cursos de Especialização em
Arte terapia possa orientar os interessados em sua procura por uma
formação ética e fundamentada. (AATESP, 2010, p. 27-28)

O trabalho com Arte terapia em sala de aula, pode trabalhar a ansiedade e os


desconfortos emocionais que os adolescentes possam apresentar, essa clientela traz
um rico material a ser estudado, principalmente nas terapias em grupo, considerando
que a proposta é o atendimento das necessidades dos sujeitos, em níveis culturais e
emocionais.
O educador deve conduzir o processo educativo dando significado aquilo que a
criança aprende, incluir a Arte no currículo escolar, não é suficiente para garantir a
aprendizagem, a Arte deve estar integrada as demais áreas do conhecimento e tornar
possível que a criança aprenda e compreenda o seu conteúdo de forma relevante e
significativa.
Alves (2016) define que a Arte terapia também está relacionada a
psicoterapia como meio de linguagem, com a utilização da pintura, escultura, colagem e
outras manifestações artísticas, contribuindo para o processo de aprendizagem,
abarcando um contexto bem mais amplo, antes voltado apenas aos estudos
psiquiátricos e clínicos. O profissional que atua nesta área deve possuir licenciatura em
arte terapia.

3 CONCLUSÃO

A Arte terapia faz parte de diferentes campos de atuação, dentre eles,


destacamos neste estudo os campos da Saúde e da Educação. É capaz de reordenar  e
reestruturar a mente do sujeito, com base nos trabalhos sobre os aspectos relacionados
as emoções e as questões que o indivíduo apresente dificuldades individuais ou
coletiva. A prática em Arte Terapia busca resgatar os processos de transformação
pessoal e de autoconhecimento, com a produção de imagens, do desenvolvimento da
comunicação, da valorização da subjetividade e da liberdade de expressão.
Segundo a Associação Brasileira de Arte Terapia, ela pode ser definida como
uma maneira de trabalhar com a utilização da linguagem artística como base para a
comunicação entre o cliente e o profissional desta área. Sua essência é a criação
estética e a elaboração artística a favor da saúde. A Arte terapia não utiliza somente os
meios, mas os processos da arte e está relacionada à saúde integral do sujeito, em
seus aspectos psicológicos e físicos.
A Arte sempre esteve presente na história da educação escolar e dependendo
da época e do contexto social no qual estava inserida, assumia diferentes papeis e
princípios na escola. Ao longo dos anos o conceito de Arte foi adquirindo
diferentes interpretações.
O educador deve conduzir o processo educativo dando significado aquilo que a
criança aprende, incluir a Arte no currículo escolar, não é suficiente para a garantia de
aprendizado, a Arte deve estar integrada as demais áreas do conhecimento e tornar
possível que a criança aprenda e compreenda o seu conteúdo de forma relevante e
significativa.
A Arte Educação deve contribuir para reflexões sobre a sociedade e o cotidiano,
estimulando o educando a pensar e a refletir sobre o seu papel e deixar de ser um
receptor passivo de informações. Por outro lado, a arte terapia foi traçando seu
percurso e se firmando enquanto saber, buscando tornar possível um ser humano mais
consciente, mais livre para fazer suas escolhas e através da escuta e da valorização do
indivíduo, fortalecer a autoconfiança ajudando esse indivíduo a se colocar e lidar com
suas emoções.

4 REFERÊNCIAS

AATESP. Associação de Arte terapia do Estado de São Paulo. A formação em Arte


terapia no Brasil: contextualização e desafios. Textos do III Fórum Paulista de Arte
Terapia. - São Paulo: Associação de Arte terapia do Estado de São Paulo, 2010. 163p.

AATESP. Associação de Arte Terapia do Estado de São Paulo. A formação em Arte


terapia no Brasil: contextualização e desafios. Associação de Arte terapia do Estado
de São Paulo, 2010.
ALVES, Ana Claudia Canário Costa. Contribuições da Arte terapia no ensino da arte
para alunos do ensino médio do colégio estadual Atheneu Sergipense. Encontro
Internacional de Formação de Professores e Fórum Permanente de Inovação
Educacional, v. 9, n. 1, 2016.

BARBOSA, Ana Mae. Inquietações e mudanças no Ensino da Arte. São Paulo:


Cortez, 2007.

BERNARDO, Patrícia Pinna. Arte terapia: a arte a serviço da vida e da cura de


todas as nossas relações. In: ARCURI, I. (Org.). Arte terapia – um novo campo do
conhecimento. São Paulo: Vetor, 2006.

CANDA, Cirlene Nascimento. Qual o lugar da arte no currículo escolar? Revista


Científica. FAP. Curitiba. v.4, jul/dez 2009.

PHILIPPINI, Ângela. Para entender arte terapia: cartografia da coragem. Rio de


Janeiro: Wak Editora, 2005.

RODRIGUES, Carla Cunha. Sobre tempos e lugares da arte no currículo escolar


brasileiro. 2013. Disponível em:
<http://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/viewFile/15995/9103> Acesso em 20
maio de 2020

URRUTIGARAY, Maria Cristina. Arte terapia: A transformação pessoal pelas


imagens. 5ª edição. Rio de Janeiro: Wak, 2008.

SILVA, Mariane Coimbra; CARVALHO, E. M.; LIMA, R. D. Arte terapia Gestáltica e


suas relações com o processo criativo. Revista IGT na Rede, v. 10, n. 18, p. 18-36,
2013.

VALLADARES, A. C. A. A Arte terapia humanizando os espaços de saúde. São


Paulo: Casa do Psicólogo, 2008.

Você também pode gostar