Você está na página 1de 33

INSCRIÇÃO ESCOLA SALA LUGAR NA

SALA

NOME ASSINATURA DO CANDIDATO

HEMODINÂMICA E CARDIOLOGIA INTERVENCIONISTA

Instruções para a realização da prova


 Esta prova é composta de 50 questões de múltipla escolha. Para cada questão, há 4 alternativas, devendo
ser marcada apenas uma.

 Assine a folha de respostas com caneta esferográfica preta e transcreva para essa folha as respostas
escolhidas.

 Ao marcar o item correto, preencha completamente o campo correspondente, utilizando caneta esferográfica
preta.

 Não deixe nenhuma das questões em branco na folha de respostas.

 As duas provas da 1ª Fase terão a duração total de 3 horas. NÃO haverá tempo adicional para transcrição
de gabarito.

 Você somente poderá deixar a sala após 1h30min do início da prova, podendo levar consigo APENAS o
CONTROLE DE RESPOSTAS DO CANDIDATO e a DECLARAÇÃO DE PRESENÇA (abaixo).

RESIDÊNCIA MÉDICA 2021 – 1ª FASE


HEMODINÂMICA E CARDIOLOGIA INTERVENCIONISTA

CONTROLE DE RESPOSTAS DO CANDIDATO


1 11 21 31 41
2 12 22 32 42
3 13 23 33 43
4 14 24 34 44
5 15 25 35 45
6 16 26 36 46
7 17 27 37 47
8 18 28 38 48
9 19 29 39 49
10 20 30 40 50

DECLARAÇÃO DE PRESENÇA

Declaramos que o candidato abaixo, inscrito no PROCESSO SELETIVO RESIDÊNCIA MÉDICA 2021, compareceu à prova da 1ª
Fase realizada no dia 23 de janeiro de 2021.

Nome: Documento:

Coordenação de Logística
Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp
1)Sobre a displasia arritmogênica do ventrículo direito (DAVD) é correto afirmar:

I. Apenas 6% dos pacientes apresentam sintomas de Disfunção do VD.


II. Pacientes com mutação no gene PKP2 tem apresentação da doença mais
precocemente, porém apresentam taxas de choque apropriado pelo cardio-
desfibrilador implantável significativamente menores.
III. Estudos genéticos indicam que 60% dos casos de DAVD apresentam origem
familiar.
IV. A anomalia de Uhl representa um possível diagnóstico diferencial para DAVD,
caracterizada pelo afilamento e ausência focal do músculo parietal do VD,
sendo uma condição raramente associada com o desenvolvimento de sinais e
sintomas de insuficiência cardíaca.
V. Em um estudo com pacientes que preenchiam critérios diagnósticos para forma
familiar da DAVC, submetidos a ressonância magnética cardíaca, ECG e
monitoramento do ritmo cardíaco, o acometimento do VE esteve presente em
>80% dos casos.
a) Apenas a a firmação V é correta
b) As afirmações I, II e V são corretas
c) As afirmações III, IV e V são corretas
d) As afirmações I e V são corretas

2)Recentemente um estudo fase-3 randomizado e duplo-cego publicado no NEJM


mostrou que o tratamento com tafamidis pode alterar favoravelmente o prognóstico de
um tipo especifico de amiloidose cardíaca (AC) caracterizada pela mutação no gene
da transtirretina (TTR). Sobre a amiloidose cardíaca tipo TTR é incorreto afirmar:
a) O eletrocardiograma com complexos QRS de baixa voltagem estão presentes
em 20% dos casos.
b) A cintilografia com Tc99m Pirofosfato (PYP-Tc99m) é útil em descriminar o
subtipo de amiloide, diferenciando forma TTR de outras formas.
c) Assim como o tafamidis, o diflunisal é um droga compropiedade estabilizadoras
de TTR.
d) A AC TTR hereditária, chamada de mutante, está relacionada a cerca de 50
mutações genéticas, sendo que alelo mais comum nos Estados Unidos é o causado
por uma substituição de valina por isolécita na posição 122.
Caso clínico para questões 3 e 4:
Paciente do sexo masculino de 37 anos, natural e procedente de Campinas,
previamente hígido e assintomático, procura atendimento cardiológico após seu irmão
mais jovem de 27 anos ter falecido subitamente. Na entrevista inicial o paciente
negava uso de substancias ilícitas, álcool ou medicações, informando que nunca havia
passado em consulta com cardiologista e que praticava atividade física de moderada
intensidade por 40 min 4 x por semana. Relatava também que seu pai foi
diagnosticado com “doença no coração” quando era adolescente, tendo implantado
cardiodesfibrilador (CDI) há 5 anos em outro serviço. Ao exame físico apresentava
ausculta pulmonar e cardíacas normais, pressão arterial no membro superior esquerdo
118/72 mmHg, FC: 65bpm, pulsos simétrico, seu eletrocardiograma apresentava
ritmo sinusal, FC: 67bpm, eixo do QRS normal, sobrecargas atrial esquerda e
ventricular esquerda. O ecocardiograma bidimensional transtorácico demonstrou os
seguintes achados: aumento discreto do átrio esquerdo, função biventricular
preservada, massa do ventrículo esquerdo 248g, espessura do septo 31 mm,
espessura da parede posterior 12 mm, trabeculação miocárdica normal, valva aórtica
sem anormalidades, insuficiência mitral discreta, ausência de obstrução da via de
saída do ventrículo esquerdo com arco aórtico sem alterações. Realizou também
estudo de monitorização eletrocardiográfica com 3 canais por 24 hs (sistema Holter)
que revelou ritmo de base sinusal com raras extra sístoles supra ventricular e
ventricular isoladas sem demais amoralidades.

3)Baseando no caso clinico descrito acima, qual dos diagnósticos abaixo melhor se
encaixa:
a) Doença de Fabry
b) Miocardiopatia Hipertrófica
c) Amiloidose Cardíaca
d) Doença por depósito

4)Indique quais são os fatores de risco do paciente em questão para morte súbita.
a) Arritmia ventricular e morte súbita em parente do primeiro grau
b) Parente do primeiro grau com CDI e arritmia supraventricular
c) Morte súbita em parente do primeiro grau e espessura miocárdica > 30 mm
d) Espessura miocárdica > 30 mm e arritmia ventricular
5)Paciente de 45 anos com antecedente de câncer de mama, tipo ductal invasivo com
linfonodo positivo, submetida há 6 meses a mastectomia radical seguida de
quimioterapia e radioterapia, procura nosso serviço de cardiologia com edema em
MMII, piora de tolerância ao esforço e dispneia paroxística noturna. Trazia
ecocardiograma realizado recentemente com aumento das dimensões e volumes do
VE associado com disfunção sistólica do VE (FEVE 40%). Relatava ser previamente
hígida sem queixas cardiovasculares antes do diagnostico de câncer de mama.
Sobre a causa para disfunção ventricular esquerda é correto afirmar:
a) Apesar das antraciclinas serem os quimioterápicos mais comumente
associados à toxicidade cardíaca, no caso do câncer de mama são utilizadas doses
baixas que não aumentam significativamente o risco de lesão miocárdica.
b) Dose de radiação superior a 8 Gy ao coração associada a exposição a doses >
250 mg/m2 de antraciclina aumentam o risco relativo de insuficie ncia cardíaca de 2 a
6 vezes, quando comparado a sobreviventes não irradiados.
c) Anticorpos monoclonais como o trastuzumabe estão associados alterações
vaso-oclusivas mas raramente causam miocardiopatia dilatada.
d) As antraciclinas lesam os miócitos por meio da geração de radicais livres e
incorporação de ferro.

6)Sobre o transplante cardíaco, indique quais afirmações estão corretas.


I. IC refrataria e VO2 de pico ≤ 50% do previsto em pacientes < 50 anos e
mulheres constitui indicação IIb para transplante cardíaco.
II. A cateterizac ão da artéria pulmonar ainda é necessario para a inclusão do
paciente na fila de transplante cardíaco.
III. A classificac ão “Interagency Registry for Mechanically Assisted Circulatory
Support” (INTERMACS) classe 1, 2 e 3 configuram situações em que o risco
perioperatório para transplante é muito desfavorável.
IV. IC refrataria e VO2 de pico ajustado para massa magra ≤ 19 mL/kg/minuto em
pacientes com índice de massa corporal > 30 constitui indicação IIb para
transplante cardíaco.
V. Apesar do micofenolato sódico ser o antiproliferativo de escolha, em pacientes
chagásicos, azatioprina apresentou menor taxa de reativac ão da doenc a.
a) I, II, IV e V estão corretas
b) II, III e V estão corretas
c) II, IV e V estão corretas
d) III, IV e V estão corretas
7)Sobre a avaliação de risco pre-operatória de cirurgia não cardíaca é incorreto
afirmar.
a) Idade 70-79 anos recebe 4 pontos no algoritmo de Lee- Vasc.
b) DPOC recebe 2 pontos no algoritmo de Lee- Vasc.
c) idade > 70 anos recebe 5 pontos no algoritmo do “American College of
Physicians” (ACP).
d) >5 ESV no ECG recebe 5 pontos no algoritmo do “American College of
Physicians” (ACP).

8)Sobre a doença de Fabry é incorreto afirmar:


a) Sintomas renais e cardíacos são encontrados em mais de 50% dos homens
com mais de 40 anos
b) O acúmulo de glicoesfingolipídeos nos miócitos resulta na hipertrofia e eventual
fibrose do miocárdio
c) Sintomas neurológicos ocorrem com menor frequência em homens.
d) Cerca de 60% dos pacientes com doença de Fabry têm alguma forma de
envolvimento cardíaco

9)Sobre a doença de Pompe é correto afirmar:


a) Em neonatos, nos quais é diagnosticada a forma infantil da doença, há um
comprometimento parcial da atividade da enzima ácido alfa-glicosidase
(GAA).
b) Em pacientes adultos com doença de Pompe, os distúrbios respiratórios do
sono (SDB) podem ocorrer em mais de 50% dos casos, principalmente durante o sono
REM.
c) O aumento dos estoques de glicogênio ocorre em praticamente todos os
tecidos exceto no fígado e no coração.
d) A reposição da enzima não apresenta efeito na função cardíaca mas reduz
acentuadamente a mortalidade em crianças portadoras da doença clássica.
10)Paciente com 58 anos, hipertenso, diabético e ex-tabagista, transferido de outro
serviço para nossa unidade clínica com infarto anterior evoluído com início dos
sintomas há mais de 7 dias. Realizou cateterismo cardíaco que evidenciou oclusão
proximal da A.DA. Ecocardiograma evidenciou disfunção segmentar acometendo toda
parede anterior com afilamento do miocárdio nos segmentos acometidos. A equipe
clinica optou por pesquisar viabilidade miocárdica com Ressonância Magnética (RM)
Cardíaca, com as imagens representadas a seguir:

É correto afirmar:
a) As figuras mostram imagens de realce tardio, evidenciando presença de
viabilidade em toda parede anterior do VE.
b) As figuras mostram imagens de realce tardio, evidenciando ausência de
viabilidade em toda parede anterior do VE.
c) As figuras mostram imagens de em sangue preto (“black blood”), evidenciando
ausência de viabilidade em toda parede anterior do VE.
d) As figuras mostram imagens de realce tardio, evidenciando ausência de
viabilidade apenas do ápice do VE.
11)Mulher de 66 anos com mieloma múltiplo diagnosticado há 6 anos em investigação
para doença de depósito no miocárdio. Ao eletrocardiograma apresentava baixa
voltagem e bloqueio AV do primeiro grau. O ecocardiograma mostrava FEVE
preservada com disfunção diastólica e áreas suspeitas de infiltração no septo e parede
lateral do VE. Exames realizados há 1 semana mostravam taxa de filtração
glomerular de 26. A equipe clínica optou por solicitar Ressonância Magnética (RM)
Cardíaca. Sobre a utilização de contraste a base de gadolínio é correto afirmar:
a) Para reduzir o risco de nefropatia induzida pelo contraste devemos realizar
preparo renal com hidratação endovenosa com solução fisiológica por pelo menos 24
horas.
b) Os compostos a base de gadolínio comumente não apresentam risco de
induzir nefropatia sendo seguros em pacientes com insuficiência renal avançada.
c) Pacientes com taxa de filtração glomerular abaixo de 45 não devem
rotineiramente fazer uso de contraste a base de gadolínio pelo risco de ocorrência de
Fibrose Sistêmica Nefrogênica.
d) Pacientes com taxa de filtração glomerular abaixo de 45 podem fazer uso
rotineiro apenas de contraste a base de gadolínio com moléculas cíclicas de quelação
pois estes compostos não apresentam risco de indução de Fibrose Sistêmica
Nefrogênica.
12)Paciente de 33 anos admitido no nosso Pronto socorro com quadro de dor torácica
aguda de forte intensidade, sem relação com atividade física, com duração prolongada
(> 20 min). Os marcadores de lesões miocárdica coletados na entrada foram positivos.
ECG é representado a seguir:

Na sequencia realizou ecocardiograma e Ressonância Magnética Cardíaca que não


evidenciou os seguintes achados:
Ecocardiograma transtorácico:
AE: 38 mm, Ao: 30 mm VEd: 50 mm, VEs: 30 mm
FEVE pelo método Simpson: 66%
Alteração segmentar da contratilidade do VE na parede lateral do VE.

Ressonância Magnética (RM) Cardíaca:


Átrios de morfologia preservada
Função sistólica global do VE preservada com FEVE 68%
Dimensões do VE dentro da normalidade
Presença de hipocinesia na parede lateral do VE
Edema acometendo a parede lateral do VE
Realce tardio com padrão epicárdico acometendo a parede lateral do VE
Em relação ao caso é correto afirmar:
a) O padrão do realce tardio indica a presença de infarto subendocárdico causado
pela oclusão da artéria coronária circunflexa.
b) O cateterismo cardíaco deve ser realizado imediatamente pois o pacientes
apresenta corrente de lesão no ECG
c) O padrão de realce tardio indica lesão no miocárdico de causa isquêmica e o
cateterismo cardíaco deve ser realizado.
d) O padrão de realce tardio indica lesão no miocárdico de causa não isquêmica.

13)Homem, 78 anos, vem à consulta ambulatorial referindo tontura, a qual se se


iniciou há 3 meses. Refere hipertensão arterial controlada, estando em uso de
anlodipina 5mg/dia e hidroclorotiazida 25 mg/dia há 10 anos. No momento, pressão
arterial = 147X72 mmHg. Faz o seguinte ECG.

O que mostra o ECG?


a) Bloqueio divisional ântero-superior esquerdo
b) Bradicardia sinusal
c) Eixo elétrico da onda P está em -120o
d) Sinais de infarto prévio em parede inferior
14)Mulher, 66 anos, tem diagnóstico de hipertensão arterial, insuficiência cardíaca
com fração de ejeção preservada e angina estável. Refere dispneia e dor precordial
aos grandes esforços. Está em uso de furosemida 80 mg/dia, anlodipina 10 mg/dia e
enalapril 20 mg/dia. Relata história pregressa de alguns episódios de asma leve. No
momento, pressão arterial = 132X86 mmHg, frequência cardíaca = 98 bpm. O médico
assistente decide iniciar um betabloqueador. Considerando-se a cardiosseletividade,
qual a medicação abaixo teria maior chance de desencadear crise asmática?
a) Carvedilol
b) Metoprolol
c) Bisoprolol
d) Atenolol

15)Homem, 62 anos, hipertenso, diabético e dislipidêmico, realiza o seguinte ECG na


sala de emergência:

Qual o diagnóstico mais provável?


a) Choque hemorrágico
b) Via acessória comunicando átrio direito com parede livre do ventrículo direito
c) Hiperparatiroidismo
d) Dupla via nodal
16)Homem, 76 anos, foi admitido na unidade de emergência com dor precordial. Neste
momento, fez o ECG mostrado abaixo. Foi levado à sala de hemodinâmica e
submetido à intervenção coronária 20 horas após o início dos sintomas. No terceiro
dia de internação hospitalar, desenvolveu dor precordial súbita e perda da
consciência. Ao exame, encontrava-se com a atividade elétrica cardíaca sem pulso.
As bulhas cardíacas estavam bastante hipofonéticas.

Qual o diagnóstico mais provável?


a) Re-estenose do stent coronário
b) Comunicação inter-ventricular
c) Dissecção de aorta
d) Ruptura de parede livre ventricular

17)Mulher, 75 anos, refere dispneia progressiva aos esforços há 6 meses e dispneia


paroxística noturna há 1 semana. Nega dor precordial, palpitações ou edema
periférico. Refere infarto do miocárdio há 6 anos e diagnóstico de insuficiência
cardíaca há 4 anos. Está em uso de carvedilol 50 mg/dia, losartana 100 mg/dia,
espironolactona 25 mg/dia, furosemida 120 mg/dia, aspirina 100 mg/dia e
rosuvastatina 120 mg/dia há 1 ano. Pressão arterial – 102X64 mmHg, frequência
cardíaca – 64 bpm. O exame físico mostra um ictus cordis desviado para a esquerda e
um sopro sistólico 2+/6+ em foco mitral. A propedêutica pulmonar é normal, assim
como o restante do exame físico. Traz exames recentes: Ecocardiograma com fração
de ejeção de 28% com acinesia da parede anterior; creatinina – 1,4 mg/dL; Potássio –
4,8 mEq/L. Qual é a medida mais adequada para esta paciente?
a) Fazer angiografia coronária
b) Trocar losartana por hidralazina + nitrato
c) Trocar losartana por sacubitril-valsartana
d) Fazer ecocardiograma de estresse
18)Mulher, 28 anos, refere palpitações intermitentes acompanhadas ocasionalmente
de falta de ar e tonturas. Estes episódios duram de 30 a 60 minutos. Relata que há 6
anos, teve sintomas similares que a fizeram ser levada à sala de emergência, onde foi
diagnosticada taquicardia supraventricular. O exame físico é normal. Traz um
ecocardiograma recente que não mostrou indício de cardiopatia estrutural, e o
seguinte ECG:

Qual a conduta mais apropriada a ser tomada neste caso?


a) Bisoprolol
b) Flecainida
c) Diltiazem
d) Estudo eletrofisiológico
19)Mulher, 46 anos, obesa, hipertensa e diabética, refere dor precordial aos esforços
há 4 meses. Nega tabagismo ou dislipidemia. Faz uso de enalapril, hidroclorotiazida e
metformina. O exame físico é normal. O ECG mostra infra-desnivelamento do
segmento ST em parede lateral. Um exame de cintilografia miocárdica mostra defeito
de perfusão leve na parede anterior ao esforço e uma angiografia coronária
subsequente mostra artérias coronárias normais. Qual o diagnóstico mais provável?
a) Doença coronária microvascular
b) Cardiomiopatia de Takotsubo
c) Distúrbio somatoforme
d) Síndrome coronária aguda com recanalização espontânea

20)Homem, 64 anos, fez troca de válvula aórtica por prótese mecânica recentemente.
Seu ritmo é sinusal. Qual a melhor terapia antitrombótica para este paciente?
a) Varfarina com RNI entre 2,0 e 3,0
b) Varfarina com RNI entre 2,5 e 3,5
c) Dabigatrana
d) Rivaroxabana + aspirina
21)Homem, 59 anos, é admitido na unidade de emergência com história de dor
precordial e dispneia há 3 horas. Tem história de hipertensão em tratamento com
hidroclorotiazida. Ao exame físico, encontra-se confuso, afebril, com pressão arterial –
84X50 mmHg; frequência cardíaca – 124 bpm; frequência respiratória – 25 irpm. A
saturação em ar ambiente é 90%. A propedêutica pulmonar mostra estertores
crepitantes. A extremidades estão frias.
O ECG está mostrado abaixo:

Aspirina e clopidogrel são administrados na sala de emergência. Qual a próxima


conduta é a mais adequada neste caso?
a) Metoprolol E.V.
b) Nitroglicerina E.V.
c) Angioplastia primária
d) Admissão na Unidade Coronária para estabilização clínica
22)Mulher, 49 anos, refere hipertensão arterial sistêmica há 1 ano, de difícil controle
clínico. Relata neste período tonturas ao se levantar da cama ou ao ficar de pé. Nega
diabetes mellitus, tabagismo, dislipidemia ou história familiar de hipertensão arterial.
Está em uso de hidroclorotiazida 25 mg/d, atenolol 100mg/d, enalapril 20mg/d e
anlodipina 10mg/d. Ao exame, apresenta: índice de massa corporal – 27 kg/m2;
pressão arterial deitada – 224X158 mmHg; pressão arterial em pé – 172X102 mmHg;
frequência cardíaca – 86bpm; hiperfonese do componente aórtico da segunda bulha;
Pulsos cheios e simétricos. O exame dos demais aparelhos não evidenciou alterações
adicionais. A paciente trazia exames prévios realizados há 1 mês em outro serviço, os
quais demonstravam: Hemoglobina – 18.9g%, leucócitos – 7600/mm3; Plaquetas –
314000/mm3; Glicemia – 132mg%; creatinina – 1,1mg%; Potássio – 4,5mEq. Após a
consulta, o médico assistente substituiu o atenolol por doses crescentes de prazos.
Após 1 mês, a paciente retorna referindo melhora das queixas de tonturas e do
controle pressórico. Ao exame, pressão arterial deitada – 160X110 mmHg; pressão
arterial em pé 158X106 mmHg. Assinale a alternativa cujos exames complementares
poderiam confirmar o diagnóstico desta paciente:
a) Relação Renina-Aldosterona em repouso
b) Doppler de Artérias Renais e Cintilografia Renal com DTPA
c) Tomografia Computadorizada de Adrenais
d) Dosagem de Metanefrinas Urinárias e Cintilografia com MIBG

23)Homem, 19 anos, vem ao ambulatório de Cardiologia referindo diagnóstico prévio


de Cardiopatia Congênita, com queixas de dispneia aos pequenos esforços, anaçara e
cianose apenas em membros inferiores. Com base nestes dados, qual a hipótese
clínica mais provável.
a) Transposição Parcial dos Grandes Vasos + Comunicação Inter-Atrial
b) Tetralogia de Fallot
c) Persistência do Canal Arterial
d) Anomalia de Ebstein
24)Mulher de 67 anos hipertensa e dislipidemia procurou atendimento médico com dor
torácica de forte intensidade com duração há 2 horas. ECG de admissão revelou
supra ST na parede anterior. Foi submetida a angioplastia primária. O controle após a
angioplastia é representado a seguir:

Qual é diagnóstico mais provável:


a) No-reflow
b) Dissecção de coronária
c) Perfuração de coronária
d) Fistula coronário ventricular
25) Homem de 56 anos hipertenso bem controlado com diagnóstico prévio de doença
arterial coronária (IAM há 4 anos) em uso de AAS 100mg/dia, metroprolol 50mg/dia,
atorvastatina 20mg/dia e valsartana 360mg/dia é admitido com quadro súbito de
afasia. Foi submetido a trombólise com melhora completa dos sintomas. ECG
mostrava ritmo sinusal e área inativa anterior. Na investigação realizou Holter-24hs
que mostrou ritmo sinusal com raras extra sístoles atriais. Doppler de carótidas sem
aterosclerose significativa. Realizou ressonância magnética do crânio e do coração
com imagens representadas a seguir:

Qual alternativa melhor descreve a origem da afasia do paciente:


a) AVC isquêmico cardio-embolico
b) AVC isquêmico de causa indeterminada
c) AVC hemorrágico
d) AIT

26)Ainda sobre o enunciado da questão 25, qual o melhor regime de medicamentos


após a alta para evitar quadros semelhantes.
a) Aspirina + clopidogrel
b) Ticagrelor + aspirina
c) Warfarina + pressugrel
d) Aspirina + Warfarina
27)Mulher de 69 anos tabagista é admitida no serviço de emergência com quadro
súbito de dor forte torácica após receber a notícia da morte da sua mãe. Ao exame
físico apresentava pulmões limpos, pulsos simétricos, FC: 90, pressão arterial: 122 x
78 mmHg e ausculta cardíaca normal. ECG da admissão é representado a seguir:

Realizou ecocardiograma com acinesia anterior e o cateterismo foi negativo para


lesões coronárias obstrutivas.
Qual é o diagnóstico mais adequado:
a) Síndrome Coronariana Aguda de alto risco
b) Síndrome aórtica aguda
c) Síndrome de TakoTsubo
d) Infarto Anterior

28)No fluxo coronário, o papel da sucção exercido pela microvasculatura no início da


diástole é indispensável para um bom fluxo coronário. Qual afirmação abaixo é
verdadeira?
a. Seis ondas predominantemente conduzem o fluxo sanguíneo coronário humano
b. A onda pressórica na sístole proporciona ejeção do volume no seio coronário
c. O determinante de fluxo mais importante na artéria coronária é a diferença de
pressão na aorta e no seio coronário
d. A obstrução parcial por placa na coronária, mesmo leve, impede as ondas de
sucção de regularem o fluxo coronário
29)São afirmações verdadeiras sobre o controle do fluxo coronário, exceto a
alternativa:
a. Três gânglios simpáticos inervam o epicárdio, e as artérias e veias intramurais
b. Artérias coronárias têm receptores adrenérgicos beta-2 e alfa
c. Estimulação do nervo vago produz dilatação coronária mediada pela acetilcolina e
pode ser bloqueada pela atropina
d. Estimulação dos nervos cardíacos simpáticos produz vasodilatação das coronárias,
normalmente seguida de vasoconstricção secundária ao aumento do metabolismo
miocárdico com elevação da frequência cardíaca e contratilidade

30)Sobre o consumo de oxigênio miocárdico e seus determinantes, podemos afirmar:


a. Não existe uma correlação fina entre a concentração de oxigênio e a entrega de
oxigênio
b. No repouso, a extração de oxigênio é bastante alta, sendo que, em média, 75% do
conteúdo de oxigênio é extraído
c. Os maiores determinantes de consumo miocárdico são na ordem de importância:
frequência cardíaca, contratilidade e estresse da parede ventricular.
d. O fluxo coronário em repouso varia entre 0,7 a 1,0 mL/min/g e pode ser aumentado
de seis a dez vezes.
31)Mulher de 32 anos, deu entrada no em serviço de emergência com história de dor
torácica. Conta que estava fazendo sua corrida rotineira de 5km quando apresentou
forte dor precordial (intensidade 10/10) em aperto, de, associada a dispneia e
sudorese, sem irradiação e que já durava mais de 1 hora. Previamente hígida, única
medicação que fazia uso era anticoncepcional oral. Negava tabagismo ou história
familiar de doenças cardíacas. Na chagada ao serviço de emergência foi realizado
prontamente o ECG que é visto abaixo. O plantonista acionou a equipe de
hemodinâmica, e a paciente foi levada ao cateterismo em 25 minutos. No momento do
transporte sua dor melhorou (intensidade 2/10), e houve contato do laboratório
dizendo que os marcadores de necrose miocárdica solicitados na urgência eram
negativos. A imagem da coronariografia esquerda é apresentada abaixo. Baseado no
caso clínico e imagem apresentada, qual opção melhor descreve o evento, e qual a
melhor conduta?
a) Arterite de Takayasu com estenose da coronária descendente anterior e
episódio agudo de trombose resolvido. Conduta conservadora.
b) Infarto agudo do miocárdio de parede anterior com trombólise espontânea.
Pela lesão coronária grave a melhor conduta seria angioplastia com implante de stent
convencional.
c) Dissecção espontânea de coronária, devendo-se manter conduta conservadora
e observação clínica.
d) Recanalização espontânea de oclusão trombótica de artéria descendente
anterior. Indicada tripla antiagregação (tirofiban ou abciximab) por tempo prolongado
(>96h) e reestudo pelo cateterismo após alta.

32) Paciente com histórico de implante de stent farmacológico de primeira geração no


terço médio da artéria circunflexa há 9 meses. Procedimento foi realizado por angina
estável porém com baixa carga e demonstração pela cintilografia de 13% de isquemia
em parede lateral e lesão longa de 90% na Cx. Na ocasião não haviam outras lesões
na coronariografia. Paciente vinha bem, no entanto deu entrada no serviço de
emergência com história de dor precordial leve aos esforços no último mês e aumento
importante algumas horas antes da chegada ao serviço de emergência. Na chegada a
dor já era leve e os 3 ECGs realizados dentro da primeira hora identificaram alteração
dinâmica por inversão de onda T nas derivações D1 e aVL no segundo ECG e
normalizando no terceiro ECG, sem sinais de zona eletricamente inativa. Baseado na
história do paciente acima, qual a hipótese que mais explica o quadro?
a) trombose tardia provável de stent farmacológico.
b) trombose tardia possível de stent farmacológico.
c) trombose muito tardia provável de stent farmacológico.
d) re-estenose de stent farmacológico.
33)Paciente apresentou quadro de dor torácica súbita de forte intensidade, duradoura,
sem irradiação. ECG realizado na chegada no pronto socorro com manutenção de dor
forte (com 4 horas de dor) não evidenciava corrente de lesão. Curva de marcadores
mostrava CKMB às 0, 6 e 12 h da chegada de 23, 49, 87 (VR<25), com troponina
negativa na primeira dosagem e positiva na segunda (18x acima do valor de
referência). Levado à cinecoronariografia não foi constatada nenhuma lesão
coronariana. Sobre este caso, como você interpreta o achado?
a) Cardiomiopatia catecolaminérgica.
b) Infarto agudo do miocárdio transmural com trombólise espontânea.
c) MINOCA
d) Takotsubo

34) Com relação à aspiração manual de trombos nos casos de infarto agudo do
miocárdio, podemos a firmar que:
a) hoje apresenta indicação classe I apenas para pacientes com infarto com
supradesnivelamentos do segmento ST e com alto carga trombótica identificada à
coronariografia.
b) o estudo TOTAL mostrou benefício da aspiração nos casos de IAM com supra de
ST quando associado à abciximab.
c) O estudo TOTAL mostrou que a aspiração de trombos no IAM com supra não
mostrou benefícios na redução de morte, re-infarto, choque cardiogênico ou
insuficiência cardíaca, quando comparada à angioplastia isolada, e ainda apresentou
maior risco de AVC.
d) O uso da aspiração em diretrizes nacional e internacionais possui certas indicações
(indicação classe IIa ou IIb), no entanto não há contraindicação (classe III).
35)Na avaliação de risco perioperatório dos pacientes que serão submetidos à cirurgia
não cardíaca:
a) o ecocardiograma está sempre indicado para poder classificar o paciente quanto ao
seu status de função ventricular e disfunção diastólica.
b) a insuficiência cardíaca (IC) tem grande impacto no prognóstico perioperatório, por
isso suas drogas devem ser sempre continuadas e tituladas para doses plenas no pré-
operatório
c) A hipertensão arterial deve ser rigorosamente controlada neste período, devendo as
cirurgias serem suspensas se a mesma se encontrar elevada.
d) A dosagem do BNP e do NT-proBNP se associa com desfechos cardiovasculares
nos pacientes submetidos à cirurgia não cardíaca, e sua dosagem é recomendada em
pacientes com IC que serão submetidos à cirurgia de médio a alto risco.

36)Paciente de 55 anos com fibrilação atrial crônica em anticoagulação com


rivaroxabana, tabagista, apresentou quadro de dor torácica sendo diagnosticado
infarto inferior com acometimento de VD. Foi transferido tardiamente ao nosso serviço
sem terapia de reperfusão no serviço de origem. No terceiro dia pós infarto evoluído,
com instabilidade hemodinâmica e febre, foi optado pela passagem de Swan-Ganz
para interpretação do status hemodinâmico.
Ao registrar a curva de pressão do capilar pulmonar (pressão encunhada), qual das
seguintes curvas não é esperada para este caso?
a) onda a
b) onda c
c) descendente x
d) curva v

37) No caso de paciente com insuficiência mitral acentuada por miocardiopatia


Chagásica dilatada, qual seria a curva mais pronunciada na interpretação da curva de
átrio direito em monitorização de PVC em UTI?
a) onda a
b) onda c
c) descendente y
d) curva v
38)O FFR (Fractional Flow Reserve) é um método adjunto na cardiologia
Intervencionista que vem ganhando espaço pela sua complementariedade à
coronariografia. Seu uso e indicação devem ser de conhecimento do cardiologista.
Qual alternativa melhor explica o FFR?
a) Método de imagem capaz de fazer avaliação com precisão das paredes da artéria
coronária.
b) Método de imagem capaz de identificar a funcionalidade de obstruções coronárias.
c) Método funcional capaz de avaliar a gravidade de obstruções detectadas à
coronariografia.
d) Método funcional capaz de identificar lesões nas porções superficiais da parede
vascular.

39)Observando as curvas de pressão simultâneas do ventrículo esquerdo e da aorta,


abaixo representadas, de um paciente referido ao cateterismo cardíaco para avaliação
das coronárias, pode-se concluir que o paciente apresente:

a) coronárias com obstrução importante


b) estenose aórtica
c) estenose mitral
d) miocardiopatia restritiva
40)Observando a coronariografia abaixo de um paciente que se apresentou com
síndrome coronariana aguda e marcadores de necrose miocárdica positivos, qual a
artéria apresentada e o que a imagem representa?

a) Coronária direita, placa ulcerada.


b) Coronária direita, aneurisma sacular de coronária.
c) Coronária direita, placa com dissecção espontânea extensa.
d) Artéria descendente anterior com dissecção espontânea.

41) Sobre a nefropatia induzida por contraste é correto afirmar:


a) insuficiência renal aguda, caracterizada por oligoanúria nos dias após a realização
do cateterismo cardíaco ou outro exame com uso de contraste.
b) aumento da creatinina sérica em 10% de 2 a 5 dias após o uso de contraste.
c) aumento da creatinina sérica em mais de 25% ou mais de 0,5 mg/dL do valor basal,
geralmente de 48 a 72h após o uso do contraste.
d) aumento de qualquer valor da creatinina com diminuição da função renal após
angioplastia coronária.
42) Homem, 47 anos, negro, tem diagnóstico de insuficiência cardíaca por
miocardiopatia dilatada há 1 ano. Referia dispneia aos esforços na época do
diagnóstico, a qual cedeu após instituição de furosemida 80 mg/dia por via oral. No
momento, em uso apenas desta medicação, está assintomático. Trabalha como
pedreiro e anda 18 quilômetros por dia de bicicleta para ir e voltar ao trabalho. Exame
físico: Ritmo cardíaco regular em 2 tempos, com sopro sistólico 1+/4+ em foco mitral.
Frequência cardíaca – 72 bpm, pressão arterial – 128X82 mmHg. Ausculta pulmonar
sem alterações. Ecocardiograma mostra dilatação leve das câmaras esquerdas, com
fração de ejeção de 37% (normal > 50%). Exames: creatinina – 0,78mg/dL, potássio –
3,7mg/dL. Qual a melhor conduta para este caso?
a) Manter a furosemida e não acrescentar nenhuma medicação
b) Iniciar hidralazina e nitrato
c) Iniciar ivabradina
d) Iniciar enalapril e bisoprolol

(Caso clínico para questões 43 e 44) Homem de 70 anos é admitido com história de
dispneia aos esforços progressiva há 5 meses. Nega hipertensão, diabetes,
dislipidemia ou tabagismo. Tem diagnóstico de espondilite anquilosante há 10 anos.
Ao exame, pressão arterial = 148X52 mmHg e pulso = 92 bpm. A ausculta cardíaca
mostra um ritmo cardíaco regular e um sopro, que está representado abaixo:
43)Com base nestes achados, qual o sinal semiológico esperado?
a) Unha meio-a-meio
b) Pulsação da úvula
c) Sopro audível na cabeça
d) Diminuição de pulsos nos membros inferiores

44)Qual o achado ecocardiográfico mais esperado neste paciente?


a) Hipertrofia concêntrica do ventrículo esquerdo
b) Átrio esquerdo com volume similar ao do ventrículo esquerdo
c) Ruptura de cordoalha tendínea
d) Hipertrofia excêntrica do ventrículo esquerdo
45)Homem, 58 anos, tabagista, é admitido na unidade de emergência com queixas de
dor torácica anterior e dispneia intensa há 30 minutos, de início súbito. Encontra-se
taqui-dispneico, sudoreico e agitado. Murmúrio vesicular presente, sem ruídos
adventícios, frequência respiratória – 38 irpm, ritmo cardíaco regular, sem sopros ou
bulhas acessórias, frequência cardíaca – 132 bpm, pressão arterial – 62X32 mmHg.
Saturação de oxigênio (em ar ambiente) = 78%. O eletrocardiograma mostra apenas
taquicardia sinusal. Realiza a seguinte tomografia computadorizada de tórax:

Qual a melhor conduta neste caso?


a) Enoxaparina
b) Alteplase
c) Aspirina, clopidogrel e tirofiban
d) Drenagem de tórax
46) Homem 58 anos, tabagista, estivador, refere episódios de dor precordial
relacionados aos esforços há cerca de 1 mês, que ocorrem sobretudo durante o
trabalho. O último episódio ocorreu há cerca de 2 horas, após subir uma ladeira, e
ainda persiste. Nega outras queixas. Ao exame físico, pressão arterial – 142X92
mmHg. Murmúrio vesicular presente, sem ruídos adventícios. A ausculta cardíaca
mostra bulhas normofonéticas em 2 tempos, sem sopros. Apresenta leve dor à
palpação das articulações costo-condrais esquerdas, sem outras alterações. O
eletrocardiograma está mostrado abaixo.

A conduta inicial neste caso deve envolver:

a) inibição da ciclo-oxigenase-1 e do receptor do ADP


b) inibição da ciclo-oxigenase-1 e da gliproteína IIbIIIa
c) inibição da ciclo-oxigenase-2
d) uso de glicocorticóides
47)Mulher, 74 anos, fez diagnóstico de hipertensão em 2012. Os níveis de pressão
arterial, as medicações em uso, os níveis glicêmicos e o índice de massa corpóreo da
paciente nos últimos anos estão mostrados abaixo:
Ano Medica es em uso Press Glicemia de ndice de massa
Arterial, jejum, mg/dL corp ea, kg/m2
mmHg
2012 ------ 168X98 94 28,3
2014 Captopril 150 mg/dia 144X92 95 28,5
Anlodipina 5 mg/dia
2016 Enalapril 20 mg/dia 142X86 110 28,4
Anlodipina 10 mg/dia
Atenolol 50 mg/dia
2018 Enalapril 20 mg/dia 138X84 119 28,3
Anlodipina 10 mg/dia
Atenolol 100 mg/dia
Assinale a alternativa correta:

a) o enalapril apresentou efeito deletério sobre o perfil glicêmico mais acentuado do


que o captopril.
b) Aumentos da dose da anlodipina levaram à piora do perfil glicêmico, aumentando o
risco de diabetes.
c) A medicação que pode ter piorado o perfil glicêmico neste caso tem efeito
cronotrópico negativo.
d) Apenas a combinação de atenolol com anlodipina apresenta efeitos deletérios sobre
o perfil glicêmico.
48) Mulher, 57 anos, hipertensa e diabética, relata febre vespertina há 30 dias e
anasarca progressiva e piora do controle pressórico há 10 dias. Faz uso regular de
hidrocolorotiazida, enalapril, metformina e glipzida, e refere controle pressórico
adequado da glicemia e da pressão arterial antes do início dos sintomas. Ao exame
físico, encontra-se descorada (+/4+), com petéquias sub-ungueais em mãos e pés,
ascite, além de edema de membros inferiores (2+/4+) e de membros superiores e face
(+/4+). A ausculta cardíaca mostra sopro sistólico em foco aórtico 3+/4+, rude, com
irradiação para as carótidas. Fundo de olho e exame pulmonar são normais. Pressão
arterial = 188X104 mmHg. Exames complementares: hemoglobina – 9 g/dL; 16.500
leucócitos/mm3; 189.000 plaquetas/mm3; creatinina – 4,5mg/dL; ureia – 134 mg/dL;
Glicemia – 142 mg/dL; hemoglobina glicada – 6,9 g/dL; potássio – 6,2 mEq/L; urina I –
hematúria (>100 hemácias por campo) com dismorfismo eritrocitário e proteína 2+/4+.
Qual o diagnóstico da paciente?
a) Síndrome nefrítica
b) Síndrome nefrótica
c) Nefropatia diabética
d) Nefropatia maligna hipertensiva
49)Mulher, 45 anos, tabagista, refere que há 2 dias está sentindo dor precordial, que
melhora ao sentar e que piora ao deitar e à inspiração profunda. Relata mal-estar e
febre no início do quadro. Nega outras queixas ou co-morbidades. Realiza o seguinte
eletrocardiograma:

Qual a melhor conduta neste caso?


a) Anti-inflamatório não esteroidal
b) Aspirina, clopidogrel e enoxaparina
c) Angioplastia primária
d) Tenecteplase
50)Homem de 76 anos encaminha para investigação e seguimento de insuficiência
cardíaca sintomática. Trazia cateterismo com cornarias sem obstruções e ECG com
fibrilação atrial e baixa voltagem. O ecocardiograma mostrou FEVE de 52% com
espessamento parietal difuso e granulações no miocárdio do VE associado com
aumento biatrial com padrão de enchimento ventricular restritivo. Assinale a alternativa
incorreta sobre os achados típicos encontrado nesse patologia:

a) Aumento da espessura do septo e da parede posterior do VE.


b) Espessamento valvar.
c) Analise do strain pela técnica de speckle-tracking mostra hipocinesia apical
d) Massa do VE aumentada

Você também pode gostar