Você está na página 1de 31

Medição de resistência

de aterramento - Exp 7

Ruan Diego Amorim de Melo Vieira


(Líder)

Marcos Vinícius Gonçalves

Guilherme Menezes Ribeiro


Proporcionar ao aluno o conhecimento
sobre as malhas de aterramento;

Objetivos Métodos de medição de resistência de


aterramento;

Importância de aterramento no
sistema elétrico.
● Consiste em colocar instalações e equipamentos
no mesmo potencial da terra por meio de um
componente condutor;
● Possibilita o escoamento de cargas de fuga do
sistema pois a descarga elétrica tende a ir para
o menor potencial, ou seja, a terra (potencial 0);
Aterramento ● Protege contra choques elétricos acidentais
oriundos de falhas ou condições diferentes das
normais de uso;
● Garante o bom funcionamento das instalações,
atendendo às exigências das normas vigentes.
● Utilizado em resistência, prédios, instalações
industriais/hospitalares, para-raios, antenas,
subestações, etc.
● Choque elétrico ao usuário;
● Resposta lenta ou ausente dos sistemas de
proteção;
● Queimas de CI’s (circuitos integrados) ou
Consequências de placas eletrônicas;
um aterramento ● Aquecimento anormal de inversores,
inadequado conversores, motores, etc;
● Funcionamento irregular com constantes
travamentos de computadores.
● Consiste em colocar instalações e
equipamentos no mesmo potencial elétrico;
● Evita descargas eléctricas e perdas de
Equipotencialização equipamentos por variação elétrica;
● Exemplos de condutores para
equipotencialização direta serão os cabos e
fios, mas também tubulações e ferragens em
geral.
● Esquema TN-S : O neutro é aterrado logo na entrada e levado até a carga,
em paralelo um outro condutor PE é utilizado como terra e é conectado à
carcaça dos equipamentos.Assim, o condutor neutro e o condutor de

Esquemas de ●
proteção são distintos.
Esquema TN-C: As funções de neutro e de proteção são combinadas em
um único condutor em toda a instalação, dessa forma este esquema

Aterramento ●
mesmo sendo normalizado não é indicado em certas instalações, uma vez
que o terra e o neutro são constituídos pelo mesmo condutor.
Esquema TN-C-S: A função do condutor neutro e de proteção são
combinadas em um único condutor e em uma parte da instalação.
● Esquema TT : Este esquema possui um ponto da alimentação
Esquemas de diretamente aterrado, estando as massas da instalação ligadas a
um eletrodo de aterramento eletricamente distinto do eletrodo de
aterramento da fonte, ou seja, os equipamentos são aterrados
Aterramento ●
com uma haste própria, diferente da usada para o neutro.
Esquema IT: O aterramento da fonte é realizado através de uma
impedância com um valor elevado. Com isso limita-se a corrente
de modo a não permitir que a primeira falta desligue o sistema. As
massas da instalação são aterradas com duas possibilidades:
Massas aterradas no mesmo eletrodo de aterramento da
alimentação, se existente. Ou massas aterradas em eletrodo de
aterramento próprio, caso não haja eletrodo de aterramento da
alimentação.
● Mede resistências de aterramento e
resistividade do terreno pelo metodo de
Wenner;
O que faz um ● Mede tensões espúrias provocadas pelas

Terrômetro? correntes parasitas no solo;


● Computa a capacidade do solo para receber
as descargas elétricas;
● Utilizado para verificar a resistência de
aterramento e a resistividade da tensão.
Fabricante:
MEGABRAS
● Possui 2 eletrodos auxiliares, que servem como
divisores resistivos;
Fabricante: MEGABRAS ● “Injeta” uma corrente alternada pelo solo para
evitar a corrosão dos eletrodos e para evitar a
polarização de solos de características
Como funciona capacitivas;

um Terrômetro? ● Transformada em “quedas” de tensão pelos


resistores formados pelas hastes de referência e
pela outra haste;
● Com o valor dessa queda de tensão, o
mostrador é calibrado para indicar o valor
ôhmico da resistência do terra.
● Possui entradas de conexões para
realização dos testes (E/ES/S/H);
● Possui botoeira para teste, iluminação,
enter/salvo, menu, Esc, setas de controle e
chave seletora para escolher a escala de
Fabricante: MEGABRAS
medição;
● Possui eletrodo de aterramento que são
O que compõe pequenos conjuntos de barras de aço/cobre
Terrômetro? que podem ser usados em solos com baixa
resistência de aterramento;
● E também possui a malha de aterramento
que são conjuntos de barras ligadas por fios
condutores usadas para diminuir a
resistência de aterramento em solos com
Fabricante: ICEL resistência de aterramento alta.
1. Verificar o estado da bateria
2. Crave no terreno as estacas e conecte os cabos
vermelho e amarelo nas estacas e ao borne

Ligação do vermelho e amarelo do terrômetro (H e S).


3. Crave no terreno a haste de aterramento e

terrômetro conecte o cabo verde a essa estaca e ao borne


verde do terrômetro (E).
4. Coloque a chave seletora na escala desejada.
5. Mantenha o botão TEST pressionado e o display
deverá indicar o valor da resistência medida.

Fabricante: ICEL
● Medição de acordo com a norma
NBR 15749;
● Utilizando uma haste de 2,40m, a
norma diz que no mínimo devemos
ter uma extensão de 3x esse
comprimento;

Como fazer a ● Colocando um eletrodo a 7,5m de distância


da haste e o outro a 62% de distância
medição da (4,65m);

resistência de
aterramento
Fonte:
https://www.youtube.com/watch?v=r6JUzNu ● Realizando mais duas medições com
ZZHY - Leonidas Borges Elétrica tolerância de 5% na distância e pegando a
média das 3 medidas de resistência temos
o valor relativo ao aterramento.
Como fazer a
● Primeira medição = 30 Ω.
medição da ● Segunda medição = 30 Ω
resistência de ● Terceira medição = 31 Ω

aterramento
Fonte:
● As medições estão dentro da zona
https://www.youtube.com/watch?v=r6JUzNu
de 10%, portanto, tirando a média
ZZHY - Leonidas Borges Elétrica dos 3 valores temos um aterramento
de 30,3Ω.
● Discorrer sobre eletrodo de aterramento e malha
de aterramento, ressaltando características
individuais.
- O eletrodo de aterramento são pequenos conjuntos

Pontos de barras de aço/cobre que podem ser usados em


solos com baixa resistência de aterramento. Já a
importantes malha de aterramento são conjuntos de barras
ligadas por fios condutores usadas para diminuir a
resistência de aterramento em solos com
resistência de aterramento alta.
● Verificar se a distância para a qual foi
encontrado o valor da resistência de
aterramento para cada sentido de medição se
situa a cerca de 62% da distância do eletrodo

Pontos auxiliar de corrente para o eletrodo sob


medição, conforme cita a NBR 15749, para
importantes sistemas de pequenas dimensões em solo
homogêneo.
- Sim, o experimento foi realizado conforme o que se
pede na norma NBR 15749, portanto as medições
são realizadas dentro dos parâmetros solicitados.
● Por que o terrômetro injeta corrente alternada
(CA) no eletrodo auxiliar, e não corrente
contínua (CC), para realizar as medições?
- Para evitar a corrosão dos eletrodos e para evitar a

Pontos polarização de solos de características capacitivas,


não havendo tensão residual resultante que possa
importantes interferiria nas medidas.
● Estudar os diversos tipos e finalidades de
aterramento, conforme cada equipamento.
- Esquema TN, Esquema TN-S, Esquema TN-C,
Esquema TN-C-S, Esquema TT, Esquema IT.
● Caracterizar Aterramento e Equipotencialização, nas
instalações elétricas, com exemplos de aplicação.
- Aterramento: ligação elétrica intencional e de baixa
impedância com a terra. Utilizado em resistência,
prédios, instalações industriais/hospitalares, para-raios,
Pontos antenas, subestações, etc.

importantes - Ligação equipotencial: ligação elétrica que coloca


massas e elementos condutores praticamente no
mesmo potencial, exemplos de condutores para
equipotencialização direta serão os cabos e fios, mas
também tubulações e ferragens em geral.
Referências ❖

GUSSOW, Milton. Eletricidade básica. São Paulo: McGraw-Hill.
CREDER, H. Instalações Elétricas. Rio de Janeiro: Livros

Bibliográficas
Técnicos e CientíficosLTC.
❖ EDMINISTER, A JOSEPH. Circuitos Elétricos. São Paulo: Ed.
McGraw-Hill
Universidade de Brası́lia - UnB
Faculdade de Tecnologia - FT
Departamento de Engenharia Elétrica

Pré-Relatório para Laboratório de Eletricidade Básica-Ensino Remoto 2021/1


Prof. Alcides Leandro.

Aluno: Ruan Diego Amorim de Melo Vieira Matrı́cula: 17/0122841 Turma: C


Curso: Engenharia Mecânica Data: 21/09/2021

EXPERIMENTO Nº 07 - MEDIÇÃO DE RESISTÊNCIA DE


ATERRAMENTO.

1 Introdução
Uma instalação elétrica deve ser realizada de forma segura e por um profissional da área. Além de assegurar o
funcionamento correto e adequado da instalação, também deve assegurar a sua própria segurança e das pessoas que
vão ter acesso as instalações. Portanto, a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) surgiu com o intuito
de tornar obrigatório algumas medidas de proteção e segurança das pessoas e instalações, e para assegurar o melhor
funcionamento possı́vel.
Uma das medidas de proteção da instalação e das pessoas é utilizar o aterramento. O aterramento elétrico é
um sistema que direciona possı́veis correntes de fuga para a terra, esse direcionamento é feito através de conexões da
instalação a um componente condutor. Que é responsável por dispersar a corrente para a Terra. De acordo com a
ABNT, aterrar eletricamente significa colocar equipamentos e a instalação no mesmo potencial. Portanto, o objetivo
do experimento é proporcionar ao aluno o conhecimento sobre as malhas de aterramento, alguns métodos para medição
de resistência de aterramento e a importância do aterramento na instalação.
Existem diversos tipos de aterramento segundo a norma NBR-5410, como, esquema TN; que possui um ponto
da alimentação diretamente aterrado, esquema TN-S; onde o condutor neutro e o condutor de proteção são distintos,
esquema TN-C; nesse tipo de aterramento as funções de neutro e de proteção são combinadas em um único condutor
em toda a instalação, esquema TN-C-S; a função do condutor neutro e de proteção são combinadas em um único
condutor e em uma parte da instalação, esquema TT: os equipamentos são aterrados com uma haste própria, diferente
da usada para o neutro, esquema IT; este esquema é parecido com o TT, porém o aterramento da fonte é realizado
através de uma impedância com um valor elevado. Com isso limita-se a corrente de modo a não permitir que a
primeira falta desligue o sistema.
Para assegurar que a instalação elétrica está correta e segura, deve ser realizada a medição da resistência de
aterramento. Que permitirá também ter certeza que os dispositivos de proteção irão atuar de maneira correta e
eficiente, bem como se o dispositivo residual está funcionando corretamente.

1
2 Principais Componentes
Para realizar o aterramento e assegurar que a instalação está segura deve ser utilizado hastes de aterramento,
condutores de cobre e terrômetro.

2.1 Haste de aterramento


A haste de aterramento é fabricada segundo a norma NBR 13571. Fornecendo as diretrizes para aplicação da
haste baseado em testes e experimentos, como, ensaios de tração, ensaios de uniformidade de diâmetro e comprimento,
espessura de cobre, aderência do cobre e qualidade do material.
Normalmente, a haste de aterramento é feita de aço e revestida de cobre. Seu comprimento pode variar de 1,5
a 4,0m. As mais utilizadas são as de 2,5m, por conta do risco de atingirem dutos subterrâneos na instalação.

Figura 1: Haste de aterramento.

Na figura anterior, temos uma haste de aterramento de 12x2,40m, revestida em cobre da marca A.santos, pode
ser encontrada por aproximadamente R$134,90 reais. A torcisão também é uma fabricante de haste muito utilizada
no mercado por possuir materiais de excelente qualidade.
Devem ser fabricadas com materiais de primeira qualidade que suportem as condições elétricas, mecânicas e
quı́micas (resistência à corrosão) que são submetidas quando instaladas. Os assessórios são fabricados em ligas de
cobre de caracterı́sticas elétricas, mecânicas e quı́micas que atendem seu bom funcionamento.

2.2 Terrômetro
O terrômetro digital mede resistências de aterramento e resistividade do terreno pelo método de Wenner, além
das tensões espúrias provocadas pelas correntes parasitas no solo.
Este equipamento é utilizado para verificar a resistência de aterramento de prédios, instalações industriais,
hospitalares e domiciliares, para-raios, antenas, subestações, etc. A medição da resistividade permite avaliar a estra-
tificação do terreno para otimizar a engenharia dos sistemas de aterramento mais complexos.
A corrente de medição, é regulada eletronicamente e alternada com uma frequência de 1.470 Hz, permitindo
avaliar o comportamento adequado do aterramento para falhas de frequência e para uma possı́vel descarga atmosférica.

2
Figura 2: Terrômetro digital da MEGABRAS.

Esse instrumento possui 2 eletrodos auxiliares, que servem como divisores resistivos. O terrômetro “injeta”
uma corrente pela terra que é transformada em “quedas” de tensão pelos resistores formados pelas hastes de referência
e pela própria haste de terra. Através do valor dessa queda de tensão, o mostrador é calibrado para indicar o valor
ôhmico da resistência do terra. A utilização desse instrumento deve ser feita em um local apropriado para instalar as
hastes de referência. Normalmente, o chão das fábricas são concretados, dificultando o acesso com o solo. Infelizmente,
caso haja a necessidade de medir-se o terra, não temos outra opção a não ser realizar buracos no chão. O terrômetro
da figura 2 é da fabricante MEGABRAS, é um terrômetro profissional utilizado em medição de grande porte, podendo
ser encontrado por aproximadamente R$5089,93 reais.

2.3 Condutor de cobre


Em virtude de ter excelente propriedade elétrica, térmica e mecânica o cabo de cobre nu é muito utilizado para
aterramento em instalações elétricas residencial ou predial, na instalação de para-raios, eletrificação rural, painéis de
controle e também em linhas de transmissão ou de distribuição de energia elétrica em alta e baixa tensão, entre outras
instalações.
Para selecionar o condutor fase e neutro ideal utilizado no aterramento, deve ser calculada a sua bitola de
acordo com a carga que deve suportar. O condutor de aterramento deve ser igual ou maior na sua bitola em relação
ao condutor fase e neutro. A ABNT possui uma tabela pré-estabelecida no qual:

• O condutor de 1,5mm², deve suportar uma corrente sem aquecer de 15,5 ampères.

• O condutor de 2,5mm², deve suportar uma corrente sem aquecer de 21,0 ampères.

• O condutor de 4.0mm², deve suportar uma corrente sem aquecer de 28,0 ampères.

• O condutor de 6.0mm², deve suportar uma corrente sem aquecer de 36,0 ampères.

• O condutor de 10.0mm², deve suportar uma corrente sem aquecer de 50.0 ampères.

Seguindo esses procedimentos, fica fácil estabelecer a bitola correta de condutores.

3
Figura 3: Condutor de cobre Nu.

Na figura anterior, temos um condutor de cobre de 10mm2 da fabricante INMETAL que pode ser encontrado
por R$10,78 reais o metro.

3 Aplicabilidade
Entender o funcionamento do aterramento é muito importante para o nosso dia a dia. Lidamos com esse tipo
de instalação em nossas casas e podem ocorrer falhas no sistema, por isso, devemos entender para que serve cada
componente e sua função no sistema. Na área da engenharia mecânica em uma industria, por exemplo, podemos lidar
com máquinas que possuem o neutro e tomadas com o terceiro pino que serve para segurança desses equipamentos.
Portanto, conhecer a funcionalidade e como deve ser feito o aterramento de forma segura e correta, podemos saber
se o sistema vai garantir o bom funcionamento da instalação e se realmente as máquinas e os equipamentos estão
seguros.

4 Conclusão
Conclui-se que, é importante entender o sistema de aterramento para saber se está proporcionando um caminho
de escoamento para terra das descargas atmosféricas, sobretensões devidas a manobras de equipamentos e da estática
gerada por equipamentos ou por indução. Também devemos realizar a medição do sistema, pois devem proporcionar
baixa resistência de aterramento de modo a permitir que os equipamentos de proteção isolem rapidamente as falhas
à terra. Os componentes estudados nesse experimento podem ser encontrados em algumas instalações residenciais,
entretanto, para o estudo desse experimento é importante a utilização de vı́deos, pesquisas em livros e na internet,
uma vez que, a manipulação desses equipamentos em casa deve ser feita por profissionais capacitados. Caso fosse
realizado no laboratório, seria possı́vel entender melhor o funcionamento e ter contato com os dispositivos utilizados
no experimento.

4
5 Referências bibliográficas
1. FILHO, S. V. Aterramento Elétrico, 1ª Edição, Belo Horizonte, Editora Art Liber, 2002.

2. LEITE, C. M.; FILHO, M. L. P. Técnicas de Aterramentos Elétricos, 2ª Edição, São Paulo, Editora Oficina
de Mı́dia, 1996.

3. GUSSOW, Milton. Eletricidade básica. São Paulo: McGraw-Hill.

4. NISKIER, Júlio. Manual de Instalações elétricas. Rio Janeiro: LTC.

5. MAMEDE FILHO, JOÃO. Instalações elétricas industriais. Rio Janeiro: LTC.

5
Universidade de Brasília-UnB
Faculdade de Tecnologia-FT
Departamento de Engenharia Elétrica-EnE (61) 3107 5510

Pré-Relatório para Laboratório de Eletricidade Básica-Ensino Remoto 2021/1


Prof. Alcides Leandro

Aluno: Marcos Vinicius Gonçalves Matrícula: 17/0163211 Turma:C


Curso: Engenharia Mecânica Data: 17/09 /2021

Experimento 07 e Medição de resistência de aterramento

1- INTRODUÇÃO
Neste experimento será observado o método de medição de resistência de aterramento, esta medição é
necessária para permitir que a instalação elétrica esteja feita de forma correta e segura, para que os dispositivos
de proteção atuem de maneira correta e eficiente, para assegurar que a descarga elétrica estática seja eficiente e
para que o DR funcione corretamente.
Existem alguns métodos para realizar esse teste de medição, mas em geral alguns passos cabem para todos os
modelos de medição, como posicionamento correto dos eletrodos, medir corretamente por meio do terrômetro os
dados de resistência do solo para isso devem-se seguir corretamente o passo a passo de utilização do aparelho e
a leitura correta dos dados obtidos.
Este experimento possibilitará com que o conhecimento sobre as malhas de aterramento, métodos de medição
de resistência de aterramento e a importância de aterramento no sistema elétrico sejam conhecidos e estudados,
alem de abordar pontos como finalidade de um aterramento elétrico, consequências de um aterramento
inadequado para uma instalação elétrica, classificações dos aterramentos e aplicações, esquemas de
aterramento, princípio operacional do método da queda de tensão para medição do aterramento e formas
construtivas mais comuns de um eletrodo de aterramento.
2- PRINCIPAIS COMPONENTES
TERRÔMETRO

Fabricante: TDIN
Neste experimento o equipamento que se faz presente é basicamente o terrômetro e seus componentes (fios,
ganchos e estacas), o terrômetro é basicamente um aparelho utilizado por ter a capacidade de medir a resistência
1
do solo e assim saber a capacidade do solo para receber as descargas elétricas, informando se aquele local é
capaz de receber o aterramento de uma instalação. Ou seja, ele mede a eficiência do aterramento através de
sensores.
Para isso existem alguns métodos de medição por meio do terrômetro, destes métodos podemos fazer com que
após a construção do eletrodo de aterramento, ligue do terrômetro, lembre-se de posicioná-lo próximo ao
eletrodo construído, e assim poder:
1. Verifique o estado da bateria;
2. Ponha no solo a estaca de corrente E3 a uma distância D1 de 20 m da periferia do eletrodo a ser
medido, como na figura a seguir:

3. Verifique a conexão dos cabos, espera-se que o cabo vermelho esteja conectado ao borne vermelho do
terrômetro, que o cabo azul esteja conectado borne azul e o verde conectado borne verde e ambos
conectados em estacas diferentes;
4. Verifique a existência de tensões espúrias presentes no terreno;
5. Coloque a chave de Seleção de Função (08) na posição “R”;
6. Posicione a chave de Seleção de Escala (10) no maior valor disponível, ou seja, de 20 kΩ, e mantenha
pressionado o botão START (07). O valor da resistência medida será mostrado no display.
Feito o passo a passo será possível obter dados a respeito do local onde está tentando captar os dados, e
assim assegurar que a instalação elétrica seja segura para descargas elétricas, se os valores obtidos foram
aceitáveis.
FIO CONDUTOR

Fabricante: HONGDA CABLE


Para este experimento a utilização de fios é imprescindível, tendo em vista que o equipamento necessita
deste componente para efetuar a leitura dos dados obtidos, são por eles que a informação passa até chegar na
máquina, pois fios condutores são materiais que permitem o deslocamento de corrente elétrica.
Condutor elétrico é, portanto, composto por material de boa condutibilidade elétrica sendo normalmente de
2
cobre ou alumínio. Um fio é um condutor, que pode ser de alumínio ou cobre, maciço, cuja seção é circular
podendo ter ou não isolamento.
CHAVE SELETORA

Fabricante: CETTI
Este componente possibilita o funcionamento adequado do equipamento, comutando suas funções quando
solicitado, deixando o equipamento com praticidade de possuir em apenas um botão várias funções e ainda
ocupando menos espaço.
Equipamento com a função de possibilitar trocar as funções do equipamento para realização de diferentes
testes sem a necessidade de troca do equipamento por inteiro. Melhorando a praticidade do equipamento em
geral.
3- APLICABILIDADE
Este experimento foi outra coisa diferente que pude aprender durante o curso da disciplina de laboratorio
de eletricidade básica, eu realmente não tinha ciência a respeito deste teste e desta ferramenta disponível
no mercado, agora eu sei que o teste existe e como ele deve ser realizado e isso é algo importante para
minha formação pois me dá domínio de mais ferramentas e métodos aplicáveis para solucionar problemas
durante o período em que exercerei minha formação.
4- CONCLUSÃO
O mesmo que eu esperava de outros experimentos seria poder ter contato direto com os equipamentos, caso
este experimento fosse realizado em laboratorio, porém de forma remota eu tenho acesso a mais informações e
mais métodos de se realizar o mesmo procedimento. Acredito que o aprendizado não ficou comprometido, pois
pude entender como funciona o teste e o equipamento.
5- REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
1. GUSSOW, Milton. Eletricidade básica. São Paulo: McGraw-Hill.
2. NISKIER, Júlio. Manual de Instalações elétricas. Rio Janeiro: LTC.
3. MAMEDE FILHO, JOAO. Instalações elétricas industriais. Rio Janeiro: LTC.

Brasília-UnB, 17 de setembro de 2021

Marcos Vinícius Gonçalves _

3
Pré Relatório Laboratório de Eletricidade Básica
Guilherme Menezes Ribeiro
Engenharia Mecânica 17/09/2021 Turma: C
17/0011739

Experimento nº 7
MEDIÇÃO DE RESISTÊNCIA DE ATERRAMENTO
1 – Introdução
Esse experimento tem por objetivo proporcionar ao aluno o conhecimento sobre as
malhas de aterramento, métodos de medição de resistência de aterramento e a importância
de aterramento no sistema elétrico.
Primeiramente introduziremos o que é o aterramento, que basicamente tem como
função proteger os equipamentos elétricos, usuários e também garantir o bom funcionamento
do circuito. Esse tipo de proteção é uma das formas mais seguras para proteger e garantir o
bom funcionamento da instalação elétrica, além de atender as exigências das normas para
instalações elétricas.
A associação da ABNT diz que aterramento elétrico significa colocar instalações e
equipamentos no mesmo potencial, de modo que a diferença de potencial entre a terra e o
equipamento seja o menor possível.
Para o bom funcionamento de um aterramento eles devem seguir a norma NBR –
5410, para que assim não colocar em risco os usuários e equipamentos.
Os aterramentos são divididos nos seguintes esquemas:
 Esquema TN
Esse esquema possui um ponto da alimentação diretamente aterrado, sendo
as massas ligadas a esse ponto através de condutores de proteção. Este esquema
possui três variantes de acordo com a disposição do condutor neutro e do condutor de
proteção. Pode ser separado em TN-S, TN-C e TN-C-S.
 Esquema TT
Este esquema possui um ponto da alimentação diretamente aterrado, estando
as massas da instalação ligadas a um eletrodo de aterramento diferente do eletrodo de
aterramento da fonte, assim, os equipamentos são aterrados com uma haste própria,
diferente da usada para o neutro.

 Esquema IT
Neste esquema o aterramento da fonte é realizado através de uma impedância
com um valor elevado. Com isso a corrente é limitada de modo a não permitir que a
primeira falta desligue o sistema.
2 – Principais Componentes

 Terrômetro

Fabricantes: Hikari, minipa, megabras, ...

Terrômetro é um medidor de resistência de terra, que pode ser usado tanto para
medição de resistência de aterramento como para medição das tensões geradas pelas
correntes no solo. Entre as aplicações mais comuns do terrômetro, podemos destacar a
medição de resistência de terra em indústrias, edifícios, residências, pára raios, antenas e sub-
estações, permitindo avaliar a qualidade de um sistema de aterramento.

Para analisar a eficiência do aterramento do solo onde você irá fazer sua construção é
estabelecido uma impedância mínima para os eletrodos através de códigos elétricos, padrões
de localização e padrões de engenharia.

Fazendo as medições corretamente você será capaz de verificar a capacidade do


sistema em conduzir correntes elétricas de à terra e qual a impedância desse solo a
isso. Quanto menor a resistência da terra, maior a capacidade de dissipação da descarga
elétrica no solo e maior a eficiência do aterramento.
 Fio de Aterramento
O fio de aterramento deve ser instalado em todas as tomadas e pontos de energia da casa,
independente do ambiente. Isto garante que qualquer equipamento que possua o fio terra seja
interligado ao sistema de aterramento. A Bitola do fio terra deve ser a mesma que a do fio
fase. Além disso, pode-se utilizar um único fio de aterramento por eletroduto, interligando
vários aparelhos e tomadas.

 Tomadas

Fabricantes: intelbras, siemens, ...


Se pensarmos do ponto de vista funcional, alguns equipamentos vão funcionar
perfeitamente mesmo que não haja um sistema de aterramento e de equipotencialização. Na
imagem abordamos uma tomada nova com fio para aterramento e uma tomada mais antiga
sem aterramento. Os fios na tomada nova é uma fase, um neutro e um terra, enquanto na
antiga era apenas uma fase e um neutro. A tomada mais nova garante uma melhor proteção
contra choque elétrico, sobretensão e outros tipos de descarga. Assim, aparelhos ligados a
tomadas novas apesar de funcionarem sem aterramento, eles est
3 – Aplicabilidade
Esse experimento tem grande aplicabilidade na engenharia visto que esses
dispositivos estão presentes em muitos estabelecimentos. Além disso, o sistema de
aterramento garante uma segurança maior para a pessoa e para seu equipamento. Dessa forma,
há uma grande importância no conhecimento desse sistema tanto na parte de segurança de
utilização quanto na parte de manutenção caso tenha que ser realizada.

4 – Conclusão
Caso esse experimento fosse realizado em ambiente de laboratório, acredito que
teríamos contato com o conhecimento prático da montagem de um aterramento, identificando
suas funções e aplicações. Acredito que a forma remota auxilia no contato com a visualização
de vídeos do funcionamento dos dispositivos, assim como as mais diversas aplicações em
diferentes locais.
5 – Referências Bibliográficas

 GUSSOW, Milton. Eletricidade básica. São Paulo: McGraw-Hill


 CREDER, H. Instalações Elétricas. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos-
LTC.
 EDMINISTER, A JOSEPH. Circuitos Elétricos. São Paulo: Ed. McGraw-Hill

Você também pode gostar