Você está na página 1de 5

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS

~**~
Curso: Engenharia Química Semestre: 1o
Disciplina: Resistência dos Materiais Horas/Semana: 4
Ano: 3o Turmas: EQM-M1

EXERCICIOS DE APLICAÇÃO SOBRE: ESFORÇO AXIAL. TENSÃO- DEFORMAÇÃO

1. Determinar o esforço normal e traçar o diagrama de esforço normal. (Obs.: qx → Carga


elementar distribuída).

2. Duas barras cilíndricas maciças são soldadas no ponto B como indicado. Determine a
tensão normal no ponto médio de cada barra. Resp: Fig. 1: 35,65 MPa; 42,44MPa. Fig.
2. 19,67MPa; -18,11MPa
3. Determine a intensidade de P, para que a tensão de
tracção na barra AB tenha a mesma intensidade que a
tensão de compressão na barra BC. Resp: P = 80,0 kN

4. Calcule o deslocamento horizontal do ponto de


aplicação da força de 200 kN. Dados: A = 800 mm2; E =
70 GPa. Resp: 22,18 mm

5. Uma barra de alumínio com uma área de seção


transversal de 0,5 in2 carrega as cargas axiais que são
aplicadas nas posições mostradas na fig. Calcule o
alongamento total da barra se E = 10×106 Psi. Sendo,
1 ft = 12 in. Resp: 0,0696 in

6. O Conjunto consiste de uma haste CB de aço A-36 e de uma haste BA de alumínio 6061-
T6, cada uma com diâmetro de 1 pol. Se a haste está sujeita a uma carga axial P1 = 12
kips em A e P2 = 18 kips na conexão B, determinar o deslocamento da extremidade A e
da conexão B. O comprimento de cada segmento sem
alongamento está na figura. Desprezar o tamanho das
conexões em B e C e supor que sejam rígidas. Nota: 1
pé = 12 pol. Dados: Eaço = 29000 ksi e Eal = 10000 ksi.
Resp: 0,067 pol e -0,0063 pol

7. Um bloco de massa m = 1.500 kg é sustentado por dois


cabos de seção transversal circular. Sendo dados d1 =
8,0 mm; d2 = 12,0 mm; E1 = 70 GPa e E2 = 120 GPa,
calcule: a) o valor do ângulo θ sabendo que σ1 = σ2; b)
valor da tensão normal nas duas barras; c) a
deformação linear específica das duas barras. Resp:
63,610; 145,2 N/mm2; 145,2 N/mm2; 2,074 x10-3;
1,21x10-3
8. Calcule o alongamento dos dois cabos da estrutura
abaixo. Dados: Φ1 = Φ2 = 25,4 mm; L1 = L2 = 3,5 m; E1
= E2 = 70 GPa. Resp: 0,22mm; 0,37mm

9. As barras da treliça têm uma área de secção


tranasvesal de 1,25 pol2. Determinar a tensão normal
média em cada elemento deveido á carga P = 8 kip.
Indicar se a tensão é de tracção ou de compressão.

10. Uma barra de aço de 1´´ de diâmetro é utilizada para levantar cargas. Se levantarmos
270 m dessa barra, verticalmente, com uma carga de 300 kgf presa na extremidade, que
alongamento ela sofrerá? O peso especifico do aço é 7800 kgf/cm 3 e o modulo de
elasticidade é E = 2,1x106 kgf/cm2. Nota: 1´´ = 2,54 cm. Resp: 21,25 mm

11. Uma barra de aço com 15 cm2 de secção transversal tem 100 m de comprimento.
Sabendo que quando suspensa verticalmente com uma carga P presa na extremidade
teve um alongamento de 5 mm. Qual é o valor da carga P. Dados: γaço = 7800 kgf/cm3;
Eaço = 2,1x106 kgf/cm2. Resp: 11662,2 kgf

12. Calcule a tensão normal máxima e o alongamento da barra prismática


abaixo. Dados: A = 7,1x10-4 m2; E = 120 GPa; γ = 44.300 N/m3. Resp: 5,85
MPa; 0,146 mm

13. Calcular o alongamento total e a tensão normal para a barra da Figura


ao lado. Desconsidere o peso próprio. Dados: área da secção transversal
A, comprimento L, módulo de elasticidade longitudinal E e q a carga axial
distribuída. Traçar também o DEN. Resp: ax2/2 e aL3/6EA
14. Duas barras prismáticas rigidamente ligadas entre si suportam
uma carga axial de 45 kN como se indica na figura. A barra
superior é de aço, tem 10 m de comprimento e seção
transversal com 65 cm2 de área; a barra inferior é de latão, tem
6 m de comprimento e seção transversal com 52 cm2 de área.
Pedem-se as máximas tensões de cada material e o
alongamento do sistema. Dados do aço: E = 2,1X104 kN/cm2; γ =
78 kN/m3. Dados do latão: E = 0,9x104 kN/cm2; γ = 83 kN/m3.
Resp: 0,81 kN/cm2; 0,91 kN/cm2; 0,096 cm

15. Um tubo (E = 110 GPa) suporta uma carga P1 = 120


kN em A e uma carga uniformemente distribuída P2
= 100 kN na placa em B. Os diâmetros e espessuras
iniciais do tubo são: dAB = 38 mm, tAB = 12 mm, dBC
= 70 mm, tBC = 10 mm. Sobre acção das cargas P1 e
P2, a espessura da parede tBC aumenta em 0,0036
mm. O coeficiente de Poisson ν para o material do
tubo é aproximadamente? Resp: 0,34

16. A Barra da figura ao lado está em equilíbrio estático


sendo constituída pelos trechos: AB, BC e CD.
Sabendo-se que as secções transversais são 10 cm2, 15
cm2 e 18 cm2 respectivamente e que a tensão normal
na secção σAB = 15 kN/cm2, pede-se: a) As forças P1 e
P2; b) O alongamento (mm) e deformação relactiva
(especifica) de cada secção da barra; c) A deformação
total da barra (mm) e d) A tensão de cada secção da
barra (kN/cm2). Dados: E = 21000 kN/cm2. Resp: 150
kN; 170 kN; 2,14 mm; 0,76 mm; 0,89 mm; 0,71%;
0,38%; 0,45%; 3,79 mm; 8 kN/cm2 e 9,44 kN/cm2

17. A haste plástica é feita de Kevlar 49 e tem diâmetro


de 10 mm. Supondo que seja aplicada uma carga axial
de 80 kN, determinar as mudanças em seu
comprimento e em seu diâmetro. Dados: E = 131 GPa;
υ = 0,34. Resp: 100,77 mm e 9,97 mm

18. Em um teste de tração axial, uma barra de aço de 22


mm de diâmetro é submetida a uma força de 80 kN.
Sabe-se que ν = 0,3 e que E = 200 GPa. Determinar:
a) o alongamento de um trecho de 200 mm da barra;
b) a variação do diâmetro da barra. Resp: 0,2104
mm; -6,9449x10-3 mm
19. Uma barra de alumínio de 60 mm de diâmetro é tracionada em uma máquina de tração.
Em certo instante, a força aplicada P é de 16000 kgf, enquanto que o alongamento
medido na barra é de 0,238 mm em um comprimento de 300 mm e o diâmetro diminui
de 0,0149 mm. Calcular as duas constantes υ e E do material. Resp: 7,13x105 kgf/cm2 e
0,313

20. Uma barra prismática de secção transversal circular (d = 20 mm) e comprimento de 1500
mm, fica solicitada por uma força axial de tração F = 6 kN. Experimentalmente
determinou-se a deformação linear especifica longitudinal εL = 3%. Calcule a tensão
normal, a variação do comprimento e o diâmetro da barra. Dado: υ = 0,25. Resp: 19,1
N/mm2; 4,5 mm e -0,015 mm

 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Ferdinand P. Beer & E. Russell Johnston, Jr. & John T. DeWolf. Resistência dos Materiais.
5ª Edição. Editora McGraw Hill, 2011.
R. C. Hibbeler. Resistência dos Materiais. 7ª Edição. Editora Pearson, 2010.
Ansel C. Ugural. Mecânica dos Materiais. Editora LCT, 2009.
James M. Gere e Barry J. Goodno. Mecânica dos Materiais. 7ª Edição. Editora Cengage
Learning, 2010.
Melconian, Sarkis. Mecânica técnica e Resistência dos materiais. 10. ed. São Paulo:
Érica, 2000.

Você também pode gostar