Você está na página 1de 11

Prefácio

Auto de los Reyes Magos é o nome dado, posteriormente, ao texto


contido no final do códice VITR/5/9 da BNE (Biblioteca
Nacional de España), encontrado na Catedral de Toledo e que data
provavelmente do último quarto do séc. XII. Muito obscuro em
relação a sua origem, até hoje não se sabe quem o fez, se a obra
está completa ou não, e mesmo se é uma peça original ou copiada
de outra língua. Os nomes dos personagens são conhecidos por
dois versos no texto, mas as falas do "auto" não foram designadas,
tendo como única pista alguns símbolos - ainda não decifrados -
no final de algumas frases. O que se pode falar com mais
convicção é que essa é a peça de teatro conservada, em língua
vernácula, mais antiga da Espanha, e talvez a mais antiga da Idade
Média.

Assim como a designação dos versos, a divisão das cenas é uma


modificação contemporânea, sendo comum as versões em 5 e 7
cenas. Nesta tradução, optei pela de 7 cenas, das quais foram
ilustradas as cenas 1, 2 e 3, sendo a ilustração da capa
correspondente às cenas 5, 6 e 7. Por outro lado, a transcrição do
original feita pela Biblioteca Augustana, que ficará na coluna
direita, ao lado da tradução, opta pela versão em 5 cenas. A
escolha de 7 cenas em vez de 5 foi mais por causa da
conveniência que daria às ilustrações do que por uma busca de
fidelidade ao original.

Ainda sobre fidelidade, confesso que não me atentei à métrica do


texto; em parte por minha ignorância no assunto, em parte pela
dificuldade de descobrir os fonemas de uma língua de 8 séculos
atrás, mas principalmente pela inconstância da peça nesse quesito.
Ora utiliza-se um tipo bem específico de verso alexandrino, ora
decassílabos, outras vezes eneassílabos e assim por diante. As
rimas parecem postas aleatoriamente; embora sem nenhum padrão,
o autor coloca-as com frequência, mas quando convém
simplesmente ignora as rimas e as sílabas poéticas. Em geral,
procurei priorizar, nesta ordem, a semântica, a rima, a fidelidade e
a inteligibilidade, em contrapartida foram afetadas a gramática, a
estilística e a métrica.

A narrativa é curta e sem grandes emoções - ora, é uma peça


litúrgica, não uma tragédia grega! -, mas surpreende seu fim
abrupto, e daí provém a teoria de que o texto está incompleto.
Essa é a forma mais comum de interpretar a peça, porém existem
fortes evidências - as quais omito aqui e deixo para os curiosos
procurarem por si - de que ela está sim completa, e que na
verdade a peça é mais sobre uma crítica aos judeus do que
"apenas" uma representação natalina do nascimento de Cristo.
Seja como for, a importância desta obra não está em seu valor
artístico, muito baixo se comparado aos clássicos do gênero, mas
em viajar através de séculos para uma época perdida, e econtrar,
nesse tempo em que o ato de escrever era tão duro e braçal quanto
o trabalho de um camponês e tão belo quanto o do artesão, a alma
de um copista entregue ao amor de Deus.

Agradeço especialmente a minha irmã e o sempre prestativo @Runtrigo.


Cena I Escena I
[Caspar]: [Caspar]:
Deus criador, que maravilha! ¡dios criador, qual marauila,
Não reconheço esta estrela; no se qual es achesta strela!
agora na prima por mim foi vista; agora primas la e ueida,
pouco tempo há que é nascida. poco timpo a que es nacida.
¿nacido es el criador
Nascido é o Criador, que es de la[s] gentes senior?
que é das gentes Senhor? non es uerdad, non se que digo;
Não é verdade, não sei o que digo, todo esto non uale uno figo.
tudo isso não vale um figo. otra nocte me lo catare;
Outra noite a observarei, si es uertad, bine lo sabre.
se é verdade, bem saberei. [Pausa]
¿bine es uertad lo que io digo?
Bem verdade é o que digo? en todo, en todo lo prohio.
Em absoluto, em absoluto acredito! ¿non pudet seer otra sennal?
achesto es i non es al;
Não pode ser outro sinal? nacido es dios, por uer, de fembra
Isto é e não é senão tal: in achest mes de december.
de mulher, certo estou, nascido é o Criador ala ire, o que fure, aoralo e,
neste mês de dezembro do Nosso Senhor. por dios de todos lo terne.
Para lá irei, onde estiver adorá-lo-ei,
por Deus de todos o terei!
Cena II
[Baltasar]: [Baltasar]:
Essa estrela não sei donde vem, esta strela non se dond uinet,
quem a traz ou quem a tem. quin la trae o quin la tine.
Por que é esta um sinal? ¿por que es achesta sennal?
Em meus dias nunca vi tal. en mos dias [no] ui atal.
Decerto nascido é na terra certas nacido es en tirra
aquele que em paz e em guerra aquel qui en pace i en guera
senhor há de ser desde o Oriente, senior a a seer da oriente
de todos, até o Ocidente! de todos hata in occidente.
por tres noches me lo uere
Por três noites esperarei i mas de uero lo sabre.
e com mais certeza saberei. [Pausa]
¿en todo, en todo es nacido?
Em absoluto, em absoluto é nascido? non se si algo e ueido.
Já não sei se algo por mim foi visto. ire, lo aorare,
i pregare i rogare.
Irei, o adorarei
e pregarei e rogarei!
Cena III
[Melchior]: [Melchior]:
Valha-me, Criador, tal coisa ual, criador, atal facinda
há sido alguma vez encontrada ¿fu numquas alguandre falada
ou em escritura registrada? o en escriptura trubada?
Tal estrela não é do céu, tal estrela non es in celo,
para isso sou eu bom astrólogo. desto so io bono strelero;
Bem vejo e não me engano, bine lo ueo sines escarno
que é nascido de carne um humano, que uno omne es nacido de carne,
que é senhor de todo o mundo. que es senior de todo el mundo,
Assim como o céu é redondo, asi cumo el cilo es redondo;
de todas as gentes senhor será, de todas gentes senior sera
e por todo o sempre julgará. i todo seglo iugara.
¿es? ¿non es?
É? Não é? cudo que uerdad es.
Creio que verdade é. ueer lo e otra uegada,
Ver-la-ei outra vez antes da próxima alvorada, si es uertad o si es nada.
se é verdade ou se não é nada. [Pausa]
nacido es el criador
Nascido é o Criador, de todas las gentes maior;
de todas as gentes senhor! bine lo [u]eo que es uerdad;
Bem vejo que é verdade. ire ala, par caridad.
Para lá irei, em caridade!
Cena IV Escena II
[Caspar]: [Caspar a Baltasar]:
Deus vos guarde, senhor! Sois vós astrólogo? dios uos salue, senior: ¿sodes uos strelero?
Diga-me a verdade, de vós saber quero. dezidme la uertad, de uos sabelo quiro.
Vedes tal maravilha? [¿uedes tal marauilla?]
Nascida é uma estrela. [nacida] es una strela.

[Baltasar]: [Baltasar]:
Nascido é o Criador, nacido es el criador,
que das gentes é senhor. que de las gentes es senior.
Irei e o adorarei. ire, lo aorare.

[Caspar]: [Caspar]:
Eu outrossim rogar-lo-ei! io otrosi rogar lo e.

[Melchior]: [Melchior a los otros dos]:


Senhores, a qual terra quereis chegar? seniores, ¿a qual tirra, o que[redes] andar?
Quereis ir comigo ao Criador rogar? ¿queredes ir conmigo al criador rogar?
Acaso o viram? Eu vou-lo adorar. ¿auedes lo ueido? io lo uo [aor]ar.

[Baltasar]: [Caspar]:
Nós iremos outrossim, se o pudéssemos achar. nos imos otrosi, sil podremos falar.
andemos tras el strela, ueremos el logar.
[Caspar]:
Andemos trás a estrela, e veremos o lugar. [Melchior]:
¿cumo podremos prouar si es homne mortal,
[Baltasar]: o si es rei de terra o si celestrial?
Como podemos provar se é homem mortal,
ou se rei da terra ou se celestial? [Baltasar]:
¿queredes bine saber cumo lo sabremos?
[Melchior]: oro, mira i acenso a el ofreceremos:
Quereis bem saber como isso saberemos? si fure rei de terra, el oro quera;
Ouro, mirra e incenso a ele ofereceremos: si fure omne mortal, la mira tomara;
se for rei da terra, o ouro quererá; si rei celestrial, estos dos dexara,
se for homem mortal, a mirra tomará; tomara el encenso quel pertenecera.
se rei celestial, esses dois deixará,
tomará o incenso, que lhe pertencerá. [Caspar y Melchior]:
andemos i asi lo fagamos.
[Caspar]:
Andemos e assim façamos!
Cena V Escena III
[Caspar]: [Caspar y los otros dos reyes, a Herodes]:
Guarda-te o Criador, Deus te cure de todo o mal!
Pouco falaremos, de ti não queremos mais igual. [Caspar]:
salue te el criador, dios te curie de mal:
[Melchior]: un poco te dizeremos, non te queremos al;
Deus te dê longa vida e te cure de todo o mal! dios te de longa uita i te curie de mal;
imos in romeria aquel rei adorar
[Baltasar]: que es nacido in tirra, nol podemos fallar.
Vamos em romaria àquele rei adorar
que é nascido em terra, mas não o podemos achar. [Herodes]:
¿que decides, o ides? ¿a quin ides buscar?
[Herodes]: ¿de qual terra uenides, o queredes andar?
Que dizeis, aonde ides, a quem ides buscar? decid me uostros nombres, nom los
De qual terra vindes, aonde quereis chegar? querades celar.
Dizei-me vossos nomes, não me querais calar.
[Caspar]:
[Caspar]: a mi dizen caspar,
A mim chamam Caspar, est otro melchior, ad achest baltasar.
esse outro Melchior, e este Baltasar. rei, un rei es nacido que es senior de tirra,
que mandara el seclo en grant pace sines
[Baltasar]: gera.
Rei, um rei é nascido que é senhor da terra,
que governará para sempre em grande paz e sem [Herodes]:
guerra. ¿es asi por uertad?

[Herodes]: [Caspar]:
É assim, de verdade? si, rei, por caridad.

[Melchior]: [Herodes]:
Sim, rei, por caridade. ¿i cumo lo sabedes?
¿ia prouado lo auedes?
[Herodes]:
E como sabeis? [Caspar]:
Prova já fizestes? rei, uertad te dizremos,
que prouado lo auemos.
[Baltasar]:
Rei, verdade te dizemos, [Melchior]:
que prova fizemos. esto es grand ma[ra]uila;
un strela es nacida.
[Caspar]: [Baltasar]:
Isso é grande maravilha: sennal face que es nacido
uma estrela é nascida! i in carne humana uenido.

[Melchior]: [Herodes]:
Sinal há que é nascido ¿quanto i a que la uistes
e em carne humana vindo! i que la percibistis?

[Herodes]: [Caspar]:
Quanto há que a vistes tredze dias a,
e que a percebestes? i mais non auera,
que la auemos ueida
[Melchior] : i bine percebida.
Treze dias há
e mais não fará [Herodes]:
que a temos vista pus andad i buscad
e bem percebida. i a el adorad
i por aqui tornad.
[Herodes]: io ala ire
Então andai e buscai i adorarlo e.
e a ele adorai
e por aqui tornai.
Eu para lá irei
e adorá-lo-ei.

Cena VI Escena IV
[Herodes]: [Herodes, solo]:
Quem já viu semelhante mal, ¿quin uio numquas tal mal?
sobre rei outro tal?! ¡sobre rei otro tal!
Ainda não sou eu morto ¡aun non so io morto
nem sob a terra posto! ni so la terra pusto!
Rei outro sobre mim? ¿rei otro sobre mi?
Nunca tal coisa vi! ¡numquas atal non ui!
O século retrocesso parece querer, el seglo ua a caga,
já não sei o que com relação a mim fazer. ia non se que me faga.
Em verdade não acredito por uertad no lo creo
até que por mim seja visto. ata que io lo ueo.
uenga mio maiordo[ma]
Venha meu mordomo, qui mio aueres toma.
que meus afazeres toma; [Sale el mayordomo]
ide por meus abades id me por mios abades
e por minhas potestades i por mios podestades
e por meus escrivões i por mios scribanos
e por meus gramáticos i por meos gramatgos
e por meus astrólogos i por mios streleros
e por meus retóricos. i por mios retoricos;
Dir-me-ão a verdade, dezir man la uertad, si iace in escripto,
se está em escrito o si lo saben elos o si lo an sabido.
ou se conhecem eles
ou por eles é sabido.

Cena VII Escena V


[Rabinos]: [Salen los sabios de la Corte]:
Rei, o que desejais? A ti viemos.
[Los sabios]:
[Herodes]: rei, ¿que te plaze? he nos uenidos.
E trouxestes vossos escritos?
[Herodes]:
[Rabinos]: ¿i traedes uostros escriptos?
Sim, rei, trouxemos
os melhores que nós temos. [Los sabios]:
rei, si traemos,
[Herodes]: los meiores que nos auemos.
Então vede,
dizei-me a verdade: [Herodes]:
se é aquele homem nascido, pus catad,
que esses três reis me hão dito. dezid me la uertad,
Diz, rabi, a verdade, se o tem reconhecido. si es aquel omne nacido
que estos tres rees man dicho.
[Rabi primeiro]: di, rabi, la uertad, si tu lo as sabido.
Por deveras vos digo
que não o acho em escrito. [El rabí]:
po[r] ueras uo[s] lo digo
[Rabi segundo]: que nolo [fallo] escripto.
Hamihala, como estás enganado!
Por que és de rabi chamado? [Otro rabí, al primero]:
Não entendes as profecias, ¡hamihala, cumo eres enartado!
as que nos disse Jeremias! ¿por que eres rabi clamado
non entendes las profecias,
[Rabi primeiro]: las que nos dixo ieremias.
Por minha lei somos desviados! ¡par mi lei, nos somos erados!
[Rabi segundo]: ¿por que non somos acordados?
Por que em nós não há acordo? ¿por que non dezimos uertad?
Por que não dizemos a verdade?
[Rabí primero]:
[Rabi primeiro]: io non la se, par caridad.
Eu não sei, por caridade.
[Rabí segundo]:
[Rabi segundo]: por que no la habemos usada,
Por que ela por nós não é usada ni en nostras uocas es falada.
nem em nossas bocas é achada?

Referências
BIBLIOTECA DIGITAL HISPÁNICA. Canticum Canticorum cum glossa ordinaria
Walafridi Strabi et interlineari Anselmi Laudunensis [Manuscrito].Disponível em:
<http://bdh.bne.es/bnesearch/detalle/bdh0000050961>.

BIBLIOTECA AUGUSTANA. El Auto de los Reyes Magos Transcripción. Disponível em:


<http://www.hs-augsburg.de/~harsch/hispanica/Cronologia/siglo12/Magos/mag_auto.html>.

GUTIERREZ, César. Estudio y edición del Auto de los Reyes Magos: análisis paleográfico,
lingüístico y literario. Disponível em: <http://www.dialogodelalengua.com/articulo/pdf/2-
Gutierrez-dl-Auto.pdf>.

FUENTES, Miguel Ángel Teijeiro. El "Auto de los Reyes Magos" consideraciones para una
lectura y edición del texto. Disponível em:
<https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=58859>.

OJEDA, Juan Manuel. Auto de los Reyes Magos versión para el Coro Villa de Las Rozas.
Disponível em:
<https://emad.defensa.gob.es/Galerias/emad/files/S_O_2017_Concierto_de_Navidad_2017_
FOLLETO.pdf>

GIRAO, Fran. El auto de los Reyes Magos. Disponível em:


<http://castellanoactual.blogspot.com/2007/01/el-auto-de-los-reyes-magos.html?m=1>.

SAMPAIO, Luiz Fernando. O Livro dos Reis Magos: arte, comentários e resenha.
Disponível em: <http://peregrinosdaestrela.blogspot.com/2010/12/o-livro-dos-reis-magos-
arte-comentarios.html?m=1>.

Você também pode gostar