Você está na página 1de 40

Manual de Estágio

Supervisionado
EDUCAÇÃO

LICENCIATURAS
Educação Especial
Psicopedagogia
Pedagogia

BACHARELADO
Psicopedagogia

SEGUNDA LICENCIATURA/FORMAÇÃO PEDAGÓGICA


Pedagogia 1
Sumário

1. Apresentação................................................................................................................... 3

2. Três formatos para o desenvolvimento do estágio supervisionado................................ 5

3. Base legal........................................................................................................................ 6

4. Dimensões do estágio......................................................................................................7

5. Etapas do estágio............................................................................................................8

6. Conceitos elementares.................................................................................................. 11

7. Estágio supervisionado e trabalho de conclusão de curso (tcc)................................... 15

2
1. APRESENTAÇÃO

“Quando se une a prática com a teoria tem-se


a ação criadora e modificadora da realidade”.
(Paulo Freire)

Neste manual, encontram-se todas as diretrizes a respeito do estágio supervisionado

do seu curso de Licenciatura e Bacharelado do Centro Universitário Internacional UNINTER.

Estas normas e orientações serão de fundamental importância para o desenvolvimento

das atividades, pois contribuirão para a organização, planejamento e operacionalização no

ano de 2020, para todos os estudantes matriculados na(s) disciplinas de estágio curricular,

indiferente se concluinte ou não no corrente ano.

O estágio curricular supervisionado tem um papel imprescindível, no sentido de

conciliar teoria e prática, pois permite aos estudantes e egressos dos diversos cursos a

experiência por meio da aplicação dos fundamentos e conhecimentos adquiridos ao longo

da sua formação acadêmica.

O estágio supervisionado se constitui em um processo de transição do estudante para o

profissional, e deve proporcionar ao estudante a oportunidade de demonstrar os conhecimentos,

habilidades, atitudes e valores. É também o momento no qual se torna possível o reconhecimento

das competências daqueles profissionais que já atuam na área. Por fim, o estágio propicia a

aprendizagem na convivência e pela oportunidade de realizar distintas atividades, desde o

planejamento até a transposição didática nos diferentes assuntos do seu curso de formação.

3
O estágio supervisionado deve favorecer a descoberta, ser um processo dinâmico de

aprendizagem em diferentes áreas de atuação no campo profissional e em situações reais

em contextos possíveis da futura atuação profissional. É uma honra adentrar em distintos

espaços para observar, analisar e praticar atividades. Aproveite este momento para

demonstrar os princípios éticos que regem sua atuação na sociedade da fluidez. Estenda

sua mão para os profissionais e famílias, conviva de forma harmônica, saiba o momento de

apresentar e aceitar ideias.

Os princípios que norteiam o estágio supervisionado estão assim distribuídos: Sólida

formação teórica e interdisciplinar; União entre teoria e prática; Trabalho coletivo e

interdisciplinar; Compromisso social e valorização do profissional. O tema pesquisado no

estágio supervisionado poderá ser aprofundado no trabalho de conclusão de curso (TCC),

seguindo as linhas indicadas deste manual.

Estamos felizes por estarmos juntos com você, nesta etapa de sua formação e num

momento excepcional para humanidade diante das transformações ocorridas pela

Pandemia do COVID-19.

Saudações acadêmicas!
Equipe Multidisciplinar de Professores de Licenciatura da área de Educação

Profa. Dra. Gisele do Rocio Cordeiro


Coordenadora da área de Educação

Profa. Dra. Dinamara Pereira Machado

Diretora da Escola Superior de Educação

4
2.TRÊS FORMATOS PARA O DESENVOLVIMENTO
DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

A perspectiva de realização do estágio em três formatos, possibilita ao estudante

reconhecer diferentes cenários de atuação apesar de estarem diretamente ligadas as

etapas de ensino. Durante as disciplinas de estágio supervisionado o estudante pode optar

em realizar em diferentes modalidades.

Extensão: quando da opção por projeto de extensão, experimenta-se desde identificação

do público até produção de evidências da atividade realizada.

Ensino (para Licenciaturas): quando da opção por ensino, vive-se o cotidiano escolar

nas diferentes etapas de ensino, perpassando por diferentes oportunidades de

aprendizagem.

Profissional (para Bacharelados): quando da opção por profissional, vive-se o cotidiano

de instituições em que atua o profissional bacharel, perpassando por diferentes

oportunidades de aprendizagem.

Iniciação Científica: quando da opção por iniciação científica, experimenta-se discussões

teóricas e práticas com profissionais da área que culminam com publicação de artigo

científico no Caderno Intersaberes. O estudante que optar em participar de Iniciação

Científica fará parte do Grupo de Pesquisa, EAD, Presencial e o Híbrido: vários cenários

profissionais, de gestão, de currículo, de aprendizagem e políticas públicas.

5
3. BASE LEGAL

O estágio é regulamentado nacionalmente a partir de quatro prismas, sendo eles:

1º Diretriz Curricular da área de formação de professores que trata, de forma sistêmica,

como deve acontecer o estágio supervisionado em todos os cursos de licenciatura;

2º Diretriz Curricular do seu curso que, a partir da diretriz nacional, especifica como devem

ser as atividades de estágio supervisionado dentro do seu curso;

3º Plano Nacional de Educação, que aponta o direcionamento do estágio em todos os cursos;

4º Lei do Estágio Remunerado, que trata das normas para o estágio remunerado e as

implicações para o estudante e a empresa contratante.

Acrescenta-se ao aparato legal no ano de 2020 as normativas da Portaria do MEC nº 544,

de 16 de junho de 2020, da Nota Técnica Conjunta Nº 17/2020, CGLNRS/DPR/SERES/

SERES, e do Parecer nº 05, de 28 de abril de 2020.

6
4. DIMENSÕES DO ESTÁGIO

Ao tratarmos do estágio supervisionado, devem ser levadas em consideração as seguintes

dimensões:

A partir das dimensões de formação estrutura-se como objetivo:

Reconhecer a liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar a cultura, o

pensamento, a arte e o saber; o pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas; o respeito

à liberdade e o apreço à tolerância; a valorização do profissional da educação; a gestão

democrática e participativa do ensino público e privado; a garantia de um padrão de qualidade;

a valorização da experiência extraescolar; a vinculação entre a educação escolar, o trabalho e

as práticas sociais; o respeito e a valorização da diversidade étnico-racial, entre outros,

constituem princípios vitais para a melhoria e democratização da gestão e do ensino.


7
5.ETAPAS DO ESTÁGIO

O estágio supervisionado é estruturado em etapas, indiferente da temática e espaço de

realização, mas está atrelado à TURMA e cada TURMA pode possuir etapas distintas no sistema:

5.1 Possibilidade 01

5.2 Possibilidade 02

8
5.3 Possibilidade 03

5.3 Possibilidade 04

É obrigatória a realização de todo o fluxo administrativo e pedagógico do estágio

supervisionado para autorização, realização e comprovação das disciplinas de Estágio

Supervisionado.

9
A seguir apresentamos cada etapa:

CARTA DE APRESENTAÇÃO: É o documento que inicial da disciplina de Estágio

Supervisionada. Nesse documento apresentamos VOCÊ, repassamos orientações acerca

de suas atividades pedagógicas e administrativas para que aprendizagem e o compromisso

de todos estejam presentes durante esta nova etapa de sua formação. A carta de

apresentação não é postada no sistema, mas garante a unidade concedente garantia da

matrícula do estudante e respaldo legal, e estabelece a primeira comunicação entre a

UNINTER e a unidade concedente. A carta de apresentação deve ser preenchida de acordo

com os dados da matrícula do estágio supervisionado, identificando em qual estágio está

matriculado. A carta de apresentação pode ser entregue presencialmente, ou atendendo

dispositivo da Portaria do MEC nº 544, de 16 de junho de 2020, da Nota Técnica Conjunta

Nº 17/2020, CGLNRS/DPR/SERES/SERES, e do Parecer nº 05, de 28 de abril de 2020,

pode ser enviada de forma on-line para unidade concedente.

TERMO DE COMPROMISSO: O termo de compromisso é um documento jurídico de

acordo com a Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008. O termo de compromisso para

preenchimento pode ser entregue presencialmente, ou atendendo dispositivo da Portaria

do MEC nº 544, de 16 de junho de 2020, da Nota Técnica Conjunta Nº 17/2020, CGLNRS/

DPR/SERES/SERES, e do Parecer nº 05, de 28 de abril de 2020, pode ser enviada de

forma on-line para unidade concedente para preenchimento e posteriormente o termo

preenchido, carimbado e assinado, postar no AVA Univirtus, no link Trabalhos – Postagem

do Termo de Compromisso e aguarde a análise da Central de Estágio. Após o DEFERIMENTO,

imprima o Termo de Compromisso carimbado e assinado pelo representante da UNINTER

e entregue de forma presencial ou virtual uma cópia na instituição onde realizará o estágio.
10
O prazo para análise do termo de compromisso pela central de estágios é de 48 horas

uteis. Caso no AVA não conste o link de postagem deve ser enviado por malote.

PLANO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO: Documento em que são apresentadas as atividades

que serão desenvolvidas durante o período do estágio supervisionado.

FICHA DE FREQUÊNCIA: A ficha de frequência e a postagem é individual, indiferente da etapa,

deve ser preenchida de acordo com as orientações contidas nesse manual.

RELATÓRIO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO (PRODUÇÃO CONCEITUAL): O relatório de

realização do estágio pode ser desenvolvido em grupo de até 04 (quatro) estudantes contanto

que todos estejam inscritos na mesma oferta da disciplina de Estágio Supervisionado.

6.CONCEITOS ELEMENTARES

OBSERVAÇÃO PARTICIPATIVA: A observação participativa representa aproximadamente

20% da sua atividade de estágio supervisionado. É uma técnica que consiste ao estudante

observador daquele espaço, na medida em que as circunstâncias o permitam, demonstrar

suas percepções e ajudar no desenvolvimento das atividades de forma ativa. A observação

participante necessita saber ouvir, escutar e ver. É preciso aprender quando perguntar e

quando não perguntar, assim como que perguntas fazer na hora certa. Prevalece interação

entre o estudante e os sujeitos do seu lócus de pesquisa e prática. É uma fase exploratória,
11
necessária para compreender o comportamento e a ação dos grupos. O estudante é

convidado e não possui controle da situação. Deve compreender que apesar das

proximidades ainda é externo, que deve agir com auto-análise e ética, visto que é um

observador e que também é observado o tempo todo. Estabelecer uma rotina de trabalho,

pois sua presença deve gerar confiança nos participantes. As reflexões da pesquisa

participantes, a partir dos equívocos, da recusa, do porquê do desacerto, do porquê do

silêncio (...) aparecem na produção conceitual ao término da atividade. Aproveite os

momentos das pesquisas participantes para estabelecer vínculos de respeito e amizade.

ONDÊ SE REALIZA OBSERVAÇÃO PARTICIPATIVA

LICENCIATURA

12
BACHARELADO

PSICOPEDAGOGIA

• Clínicas psicopedagógicas ou psicológicas.

• Instituições de ensino que permitam o atendimento individualizado.

• Próprio polo de apoio desde que tenha um profissional formado em psicopedagogia.

ATUAÇÃO: O momento da atuação é culminância do estágio supervisionado, pois consiste

em aplicar as teorias, verificar eficácia dos materiais produzidos e avaliar os resultados

obtidos. A atuação no caso das licenciaturas é a docência em suas diferentes especificidades:

palestras, tutoria de apoio em contraturno, cursos de extensão (...)

PESQUISA EM BASES DE DADOS: Constitui-se como banco de produções digitais em que

os estudantes encontram perspectivas acerca das temáticas explorados durante o estágio

supervisionado. Foram selecionadas para possibilitar observação e reflexão a partir de

determinada realidade, ajudando no processo de aprendizagem do campo profissional futuro.

PRODUÇÃO DE MATERIAL: O desenvolvimento de material para atividade profissional é

uma das aprendizagens necessárias para atuação no século XXI, de forma múltipla e

sistêmica, ao adotarmos este mecanismos fortalecemos o protagonismo dos estudantes,

pois serão produtores dos materiais e que de forma personalizada podem atender aqueles

que se dedicam participar do seu momento de atuação.

PRODUÇÃO CONCEITUAL: A produção conceitual consiste na reflexão proporcionada

pela prática na observação participante, na análise a partir das bases imagéticas, da

atuação e agrega-se novas teorias estimuladas pela linha de pesquisa.


13
SUPERVISIONADO: O estágio é considerado como supervisionado pois compreende:

realização de atividades devidamente organizadas, autorizadas e avaliadas pelo professor

responsável da disciplina de Estágio Supervisionado do Centro Universitário Internacional

UNINTER.

DISPENSA: O estágio remunerado poderá ser aproveitado como estágio supervisionado,

com dispensa por tempo de experiência, mediante documentos postados no AVA Univirtus

em Roteiro de Estudos, na disciplina de Estágio Supervisionado. É possível, mediante

solicitação, comprovação e autorização, a dispensa de apenas 01 (um) estágio

supervisionado. Para isso deve apresentar: declaração de comprovação de atuação e

vínculo empregatício que pode ser: a) carteira de trabalho; b) contrato de trabalho; c)

contrato de estágio remunerado; d) edital de convocação, ou ata de aprovação (para

funcionários públicos sem carteira ou contrato de trabalho). A experiência comprovada

deve ser de no mínimo seis meses nos últimos cinco anos. CEPE Resolução 122/16.

14
7.ESTÁGIO SUPERVISIONADO E TRABALHO DE
CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

As disciplinas de Estágio Supervisionado e Trabalho de Conclusão de Curso estão

estreitamente interligadas.

Durante a realização do estágio supervisionado, você escolherá uma temática e, caso

julgue importante, poderá aprofundar sua pesquisa no trabalho de conclusão de curso

(TCC), conforme representado no diagrama a seguir:

ESTÁGIO SUPERVISIONADO TCC

TEÓRICO- PRÁTICO PRÁTICO TEÓRICO-PRÁTICO TEÓRICO

C
A PESQUISA
REFLEXÃO
PESQUISA PRODUÇAO ESCOLHA DO TEMA
ESTUDO M PRODUÇÃO
ESCOLHA DO TEMA ESCRITA PRODUÇÃO ESCRITA
P ESCRITA DO RELATÓRIO
DO TCC
O

Consulte as linhas de pesquisa para que seus esforços do estágio supervisionado

possam ser potencializados em seu trabalho de conclusão de curso.

Lembrando que o estágio pode ser realizado em três formatos:

Extensão: quando da opção por projeto de extensão, experimenta-se desde identificação

do público até produção de evidências da atividade realizada.

15
Ensino (para Licenciaturas): quando da opção por ensino, vive-se o cotidiano escolar

nas diferentes etapas de ensino, perpassando por diferentes oportunidades de

aprendizagem.

Profissional (para Bacharelados): quando da opção por profissional, vive-se o cotidiano

de instituições em que atua o profissional bacharel, perpassando por diferentes

oportunidades de aprendizagem.

Iniciação Científica: quando da opção por iniciação científica, experimenta-se discussões

teóricas e práticas com profissionais da área que culminam com publicação de artigo

científico no Caderno Intersaberes. O estudante que optar em participar de Iniciação

Científica fará parte do Grupo de Pesquisa, EAD, Presencial e o Híbrido: vários cenários

profissionais, de gestão, de currículo, de aprendizagem e políticas públicas.

16
ORIENTAÇÕES
ADMINISTRATIVAS E
PEDAGÓGICAS

Clique aqui para localizar seu estágio supervisionado.

17
CARTA DE APRESENTAÇÃO

Verificar modelo no AVA, utilize o arquivo de acordo com seu estágio supervisionado;

1.1 Carta de apresentação - Ensino/profissional

1.2 Carta de apresentação - Extensão - Não existe necessidade de carta de apresentação

1.3 Carta de apresentação - Iniciação Científica - Não existe necessidade de carta de

apresentação

TERMO DE COMPROMISSO

TERMO DE COMPROMISSO – ENSINO/PROFISSIONAL


Colocar os dados da INSTITUIÇÃO
Unidade concedente: (NOME DA INSTITUIÇÃO )
Endereço: (COLOCAR O ENDEREÇO DA INSTITUIÇÃO)
Inscrição no CNPJ (COLOCAR NÚMERO DO CNPJ)
TERMO DE COMPROMISSO - EXTENSÃO
Colocar os dados da POLOS DE APOIO PRESENCIAL
Unidade concedente: (NOME DO POLO DE APOIO PRESENCIAL)
Endereço: (COLOCAR O ENDEREÇO DO PAP)
Inscrição no CNPJ (COLOCAR NÚMERO DO CNPJ)
TERMO DE COMPROMISSO – INICIAÇÃO CIENTÍFICA
Colocar os dados da UNINTER
Unidade concedente: UNINTER EDUCACIONAL S/A
Endereço: Rua do Rosário, 147 – Centro – Curitiba – PR – CEP 80020-110
Inscrição no CNPJ nº 02.261.854/0001-57

18
PLANO DE AÇÃO

PLANO DE AÇÃO - ENSINO/PROFISSIONAL

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO


ENSINO/PROFISSIONAL
1.IDENTIFICAÇÃO
Disciplina/Área do conhecimento: ______________
Campo em que o plano foi aplicado: _____________

2.CONTEÚDO DA AULA/ATIVIDADE
Apresente o conteúdo (componente curricular) que será abordado na aula/oficina.

3.OBJETIVOS
Indique 3 objetivos do plano de ação que indiquem de maneira clara o que se pretende
atingir. Os objetivos devem iniciar com um verbo no infinitivo

4.SÍNTESE DO ASSUNTO (pressupostos teóricos do conteúdo)


Apresente aqui os principais conceitos e autores que embasam seu plano de aula. Cite
dois ou três autores do campo de conhecimento do seu curso que fundamentam sua
atividade.
Ou seja, o conteúdo a ser desenvolvido na aula toma quais autores como base? Cite
esses autores e suas ideias principais. Não esqueça de, ao citá-los, colocar o ano da
obra pesquisada. Essas obras deverão constar no item REFERÊNCIAS do relatório.

5.DESENVOLVIMENTO DA AULA/ATIVIDADE (introdução, desenvolvimento e encerra-


mento, em formato de texto detalhado).
Descreva detalhadamente as ações, atividades e/ou exercícios que serão desenvolvi-
dos para atingir os objetivos propostos.
Lembre-se, por ser uma intervenção com carga horária, conforme descrito na tabela,
essa parte do plano precisa ser muito detalhada. Aponte as possibilidades de estabe-
lecer relações com a área de atuação da instituição em que você realizou o estágio.
Inclua a explicação dos materiais didáticos utilizados em todos os momentos de sua
prática.

6.RECURSOS
Descreva os recursos tecnológicos educacionais que serão utilizados para desenvolver
o plano de aula (por exemplo: Datashow, rádio, televisão, quadro de giz, entre outros).
Nesse item você deve apresentar o material didático manipulável que você criou e ex-
plicar como ele pode ser utilizado com os alunos. Tire fotos desse material e insira as
imagens aqui.

7. REFERÊNCIAS
Colocar todas as referências utilizadas.

19
PLANO DE AÇÃO – EXTENSÃO

Clique aqui para acessar as instruções de


preenchimento em caso de Estágio Supervisionado

PLANO DE AÇÃO - INICIAÇÃO

O estudante que optar em participar de Iniciação Científica fará parte do Grupo de Pesquisa,

EAD, Presencial e o Híbrido: vários cenários profissionais, de gestão, de currículo, de

aprendizagem e políticas públicas.

Deve escolher entre os seguintes linhas e projetos de pesquisa: Atlas Nacional de Educação

Superior – Modalidade EAD: perfil dos discentes de geociências; Vozes da Pedagogia e a

Formação docente: transitando entre a teoria e a prática nas articulações entre EAD,

Semipresencial e Presencial; Teologia, Sociologia e Filosofia: diálogos orgânicos;

Intersecções: Língua, cultura, história e tecnologias; Cinema e Industria Cultural: a

experiência do cineclube na educação superior a distância; Perspectivas do ensino de arte

na EAD; Educação física na educação a distância: histórico, cenários e perspectivas

20
ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO INICIAÇÃO

1.IDENTIFICAÇÃO
Nome da linha/projeto de pesquisa (colocar o nome da linha/projeto de pesquisa)

2.EMENTA
(colocar a ementa da linha/projeto de pesquisa)

3.OBJETIVOS
(colocar o objetivo da linha/projeto de pesquisa)

4. LIVROS OU TEXTOS QUE DEVEM SER DISCUTIDOS (pressupostos teóricos do conteúdo)


À luz da ementa e dos objetivos apresente aqui os principais autores que devem ser
discutido na linha/grupo . Cite entre 8 e 10 autores com referência das obras que devem
ser discutidas.

5.DESENVOLVIMENTO DE UM DOS TEXTOS DE DISCUSSÃO (cronograma de debate).


Descreva detalhadamente as ações, atividades e/ou exercícios que serão desenvolvidos para
atingir os objetivos propostos.
Lembre-se, por ser uma intervenção com carga horária de 8 horas, essa parte do plano precisa
ser muito detalhada. Você deve descrever cada passo de sua ação como participante do grupo.
Aponte as possibilidades de estabelecer relações com a área de atuação da instituição em que
você realizou o estágio.
Inclua a explicação dos materiais didáticos utilizados em todos os momentos de sua prática.

6.RECURSOS
Descreva os recursos tecnológicos educacionais que serão utilizados para desenvolver o
plano de aula (por exemplo: Datashow, rádio, televisão, quadro de giz, entre outros).
Nesse item você deve apresentar o material didático manipulável que você criou e explicar
como ele pode ser utilizado com os alunos. Tire fotos desse material e insira as imagens
aqui.

7. REFERÊNCIAS
Colocar todas as referências utilizadas.

21
FICHAS DE FREQUÊNCIAS

Clique no botão abaixo para acessar as fichas para o seu estágio supervisionado.

ENSINO – PRESENÇA FÍSICA e/ou REMOTA

PROJETO DE EXTENSÃO

INICIAÇÃO CIENTÍFICA

PRODUÇÃO CONCEITUAL

RELATÓRIO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ENSINO/PROFISSIONAL – EXTENSÃO – INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Assim, seu relatório deverá ser composto dos seguintes itens:

1. INTRODUÇÃO

2. DESENVOLVIMENTO
Nesse item você vai descrever as atividades realizadas nesse estágio. Apresente-as na
sequência indicada.

2.1 TEXTO TEÓRICO RELACIONANDO OS CONHECIMENTOS DO SEU CURSO


COM AS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO CAMPO ESTAGIADO (de 2 a 3 páginas)

2.2 FICHA DE ANÁLISE DE DOCUMENTÁRIO (3 páginas)

22
2.3 PESQUISA ESTADO DA ARTE (2 páginas)

2.4 DESCRIÇÃO REFLEXIVA SOBRE A AÇÃO REALIZADA EM CAMPO E O USO


DO MATERIAL DIDÁTICO MANIPULÁVEL PRODUZIDO. (4 a 5 páginas)

3. CONSIDERAÇÕES FINAIS (2 a 3 páginas)

REFERÊNCIA

1. FICHA TÉCNICA DO DOCUMENTÁRIO/FILME

Clique aqui para acessar a ficha de análise


de filmes e documentários

2. PROPOSTA DE LEITURA

Contexto:
1. Identifique o tema central do documentário/filme.
2. Caracterize o tema. Político? Religioso? Moral? Social?
3. Qual contexto se passa o documentário? Urbano, rural, ambos? O que predomina?
4. Qual o tipo de ambiente predominante? Físico: natureza, campo, montanha, praia, cidade,
fazenda etc. Social: algum agrupamento social específico, família, amigos, trabalhadores, times,
nobres etc.

Informações de produção: são informações como locações, custos de produção, adaptações de livros, entre outras e que possibilitam
ao professor contextualizar o uso da obra. Essas informações também podem estabelecer ações interdisciplinares com outras áreas;
Conteúdos explícitos: são aqueles conteúdos que a narrativa apresenta de forma clara e direta, ou seja, que o aluno identifica sem
dificuldades. Podem representar um desdobramento do Assunto;
Conteúdos implícitos: são aqueles que de alguma forma podem ser subentendidos na narrativa. Não ocupam uma cena principal,
porém fazem parte, implicitamente, da história. Podem surgir em diálogos, ações, figurinos, cenários, músicas ou outras formas.
Interdisciplinaridade com outras áreas: relaciona as áreas que podem estabelecer diálogos com a área principal. A interdisciplinaridade
ocorre ou, pode ser proposta, a partir da área de formação do professor que propõe a utilização do documentário.

23
Roteiro:
1. Apresente de que forma ocorre a introdução do documentário/filme Como a temática central
é introduzida?
2. Além dos elementos históricos ou baseados em fatos reais há algum indício de ficção?
3. Há uma unidade na narrativa? Os fatos se encadeiam logicamente ou são episódios mais
independentes/autônomos?
4. Há diferentes temporalidades apresentadas? Os fatos retratados ocorrem simultaneamente
ou não?
Ambiente:
1. Qual(is) é(são) o(s) local(is) dos acontecimentos? Há mais de um lugar central?
3. O ambiente ou cenário se destacam na narrativa? São detalhadamente apresentados?
4. Nas cenas predominam os elementos físicos do ambiente ou se destacam mais aspectos
emocionais ou psicológicos?
Personagens:
1. Sobre as características que compõem os personagens ou pessoas apresentadas:
a) Quais aspectos psicológicos se destacam? Os personagens são calmos, obsessivos, serenos,
frios, objetivos, maquiavélicos, bondosos etc.?
b) O uso desses aspectos mencionados conduz de alguma maneira a construção da própria
narrativa? De que forma?
c) Quais são os elementos que você destacaria para a composição e andamento da narrativa?

REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES

Proposta de leitura:
1. Quais foram as suas impressões após ter assistido ao documentário/filme?
2. Há, ao longo do documentário, algum elemento que tenha feito você relacionar com algum
conhecimento prévio seu? (outro filme, leitura literária, expressão e produção das artes plásticas
etc.)

Relações com a sua formação acadêmica-pedagógica:


1. Quais aspectos do documentário se relacionam com o seu curso?
2. Aponte as contribuições do documentário para a unidade curricular de estágio.
3. Em quais temas do seu curso você poderia utilizar o documentário? De que forma?
4. De que forma o documentário contribui para a sua formação como professor?

Elabore um texto dissertativo contempla ndo as respostas das perguntas acima.

24
ROTEIRO PARA RELATÓRIO

IDENTIFICAÇÃO
RELATOR (ES): (nome do aluno (os))
PATRIMÔNIO CULTURAL/CATEGORIA:
DISCIPLINA: Estágio Supervisionado
LOCAL E DATA:
DURAÇÃO E DATA:

APRESENTAÇÃO (800 – 1200 caracteres)


Breve relato sobre o conceito sobre patrimônio cultural, bens materiais e imateriais. Os
bens tombados em sua região, a definição da categoria de patrimônio cultural escolhida e
a justificativa da escolha.

DESENVOLVIMENTO (800 – 1500 caracteres)

Apresentar em forma de texto os itens de pesquisa da categoria escolhida:Identificação

a. Imagem ou registro da categoria

b. O que é – apresentar de forma resumida

c. Onde está – apresentar o local, descrevendo o lugar

d. História – contextos

e. Significado para a comunidade

f. Pessoas envolvidas

g. Materiais/Acessórios

h. Expressões utilizadas orais ou musicais

i. Estrutura e recursos

j. Pontos positivos como referência cultural

k. Existem referências como artigos, pesquisa sobre esse evento ou categoria

25
CONCLUSÃO (800 – 1000 caracteres)

Citar aspectos positivos que destaquem a pesquisa do patrimônio cultural escolhido.

Destacar aspectos que precisam ser melhorados no espaço para atender as necessidades

da comunidade.

Descrever sua opinião sobre as ações culturais que promovam o reconhecimento do

patrimônio cultural e sua importância para o reconhecimento e valorização da cultura local.

REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES (500 – 800 caracteres)

Aponte as contribuições da pesquisa do patrimônio cultural material e imaterial na disciplina

de Estágio Supervisionado e na sua formação como professor.

OBSERVAÇÃO GERAL:

- Será considerado cópia de relatório todo e qualquer documento que apresentar

semelhança literal em mais de 30% do texto. - Cópia de relatório é considerada PLÁGIO e

será desconsiderada como avaliação autoral.

PROJETO E/OU LINHAS DE PESQUISA PARA INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Grupo de Pesquisa, EAD, Presencial e o Híbrido: vários cenários profissionais, de gestão,

de currículo, de aprendizagem e políticas públicas.

1. Atlas Nacional de Educação Superior – Modalidade EAD: perfil dos discentes de

geociências;

Ementa: O projeto Atlas Nacional da Educação Superior na Modalidade EAD surgiu a

partir de reuniões e discussões com os professores dos Cursos de Licenciatura e


26
Bacharelado em Geografia e Ciências Biológicas, e dos Cursos de Segunda Licenciatura e

Formação Pedagógica em Geografia, quando percebeu-se a necessidade de se espacializar

os dados referentes ao perfil sociopolítico dos estudantes, a inserção profissional dos

egressos e dos concluintes, além de mapear as principais incidências de doenças infecto

parasitárias nos municípios e/ou regiões de origem dos estudantes da área de Geociências

- EAD Uninter.

Dessa forma, o projeto guarda-chuva do atlas está estruturado em quatro subprojetos que

podem ser divididos da seguinte forma: i) Perfil socioeconômico e perspectivas de Inserção

profissional dos concluintes dos alunos da área de Geociências; ii) Inserção profissional

dos egressos do curso de licenciatura em Geografia e dificuldades encontradas no exercício

da docência; iii) perfil político-eleitoral dos alunos da área de Geociências; iii) mobilidade

e deslocamento dos discentes da área de Geociências em busca da formação superior –

EAD Uninter; e iv) levantamento epidemiológico das doenças infecciosas e parasitárias nas

áreas loco-regionais dos estudantes da área de Geociências.

Objetivos:

• Localizar, no território nacional, e mapear os egressos do curso de Licenciatura e

concluintes do curso de Bacharelado em Geografia;

• Verificar os índices de inserção profissional dos egressos do curso de Licenciatura em

Geografia, bem como as perspectivas dessa inserção para os concluintes do curso de

Bacharelado em Geografia;

• Discutir as diferenças loco-regionais de origem dos alunos do curso de Geografia do

Centro Universitário Internacional - Uninter no que diz respeitos aos possíveis campos de

trabalho para o bacharel;


27
• Discutir as dificuldades para o exercício da docência encontradas pelo egresso do curso

de Licenciatura em Geografia do Centro Universitário Internacional – Uninter;

• Mapear o perfil sócio-político dos municípios que os alunos da área de Geociências

estão inseridos;

• Identificar e quantificar as principais doenças infecciosas e parasitárias que ocorrem no

município (dos alunos envolvidos);

• Levantar dados espaciais e socioambientais utilizando os boletins epidemiológicos

fornecidos pelas secretarias municipais de saúde e pelo Ministério da Saúde, disponíveis

na web;

• Elaborar um Atlas Nacional com os dados obtidos pelas pesquisas desenvolvidas nos

subgrupos desse projeto de modo a apresentar os resultados cartografados, mas também

discutidos, por meio de textos que acompanharão os mapas.

2. Vozes da Pedagogia e a Formação docente: transitando entre a teoria e a prática nas

articulações entre EAD, Semipresencial e Presencial;

Ementa: Formação de professores na sociedade moderna. Metodologias ativas no Curso

de Pedagogia Presencial e EAD. Inovação e ensino hibrido no ensino EAD e Presencial.

Objetivos:

• Investigar no curso de pedagogia presencial, semipresencial e Ead como os professores

compreendem os processos educativos, nas conexões entre a sociedade o aluno e o

professor;

• Relacionar as metodologias utilizadas nas salas de aula do ensino superior possibilitam

um aprendizado significativo nas articulações do conhecimento com as metodologias


28
ativas, inovação e ensino hibrido no ensino EAD, presencial e Semipresencial.

3. Teologia, Sociologia e Filosofia: diálogos orgânicos;

Visando a interdisciplinaridade dentro da área de Humanidades, buscando-se integrar

conhecimentos e conteúdos contemplados nos diferentes cursos, e assim produzir

reflexões mais ampliadas sobre problemas e temáticas atuais da sociedade contemporânea,

pretende-se refletir sobre questões relacionadas ao meio ambiente partindo-se de

contribuições teórico-conceituais de autores renomados na área, visando sobretudo a

relação entre a teoria e a prática de maneira contextualizada. Será uma leitura útil e profícua

para os sujeitos envolvidos, provocando não somente a produção de literatura científica na

área, mas ações de cidadania e inclusão social no campo da diversidade e da

sustentabilidade. OBJETIVO GERAL: Refletir quais os impactos que a crise ambiental

acarreta do ponto de vista da manutenção da autenticidade da vida humana, nos seus

aspectos sociais, éticos e religiosos.

4. Intersecções: Língua, cultura, história e tecnologias;

O presente projeto decorre da criação da linha de pesquisa “Intersecções: língua, cultura

e história e tecnologias”. A proposta encontra motivação no contexto educacional

contemporâneo, que incentiva o diálogo entre as disciplinas. A partir de tal cenário,

congregam-se pesquisadores das áreas de Letras, História e Educação interessados nas

reflexões sobre as diversas sociedades no tempo, suas culturas, linguagens e formas de

expressão. A partir desses aspectos, visa-se o estudo das mais variadas formas de difusão

relacionadas aos conhecimentos histórico, linguístico e literário, em meios impressos e/ou

eletrônicos, sobretudo os veiculados em ambientes educativos em sentido lato. OBJETIVO:

Promover leituras críticas e reflexivas a partir de textos selecionados previamente que


29
tenham a característica de tratarem de história, literatura, linguística e pedagogia em

perspectiva multidisciplinar.

5. Cinema e Industria Cultural: a experiência do cineclube na educação superior a distância;

Ementa: De que modo a prática da tradição cineclubista pode estruturar a educação

filosófica? A práxis da reflexão filosófica é possível através das experiências de produção

e consumo dos filmes?

Objetivos:

• Investigar as práticas cineclubistas tendo em vista a análise dos novos formatos possíveis;

• Explorar as possibilidades da realização de filmes ao longo da história do cinema para

poder compreender a intencionalidade da realização dos seus processos comunicativos;

• Apropriar-se das alternativas de reflexão filosófica acerca do cinema;

• Problematizar a questão da predominância da produção e consumo do cinema de

mercado, considerando alternativas à padronização das suas narrativas.

6. Perspectivas do ensino de arte na EAD;

Ementa: Procedimentos metodológicos, produção de conhecimento e estudos interdisciplinares

no ensino na modalidade a distância nos cursos de Artes Visuais e Música.

Objetivos:

• Investigar os procedimentos implementados nos cursos de Artes Visuais e Música na

modalidade EaD, e verificar de que maneira estes contribuem para a formação profissional;

• Apontar aprimoramentos nos processos adotados, considerando o perfil profissional do

egresso, o currículo, o contexto educacional, as características locais e regionais e novas

práticas emergentes no campo do conhecimento relacionado aos cursos;


30
• Estudar e analisar as relações entre a teoria e a prática inerentes aos cursos de Artes

Visuais e Música, elaborando estratégias para o desenvolvimento da produção teórico-

prática discente e seu devido acompanhamento;

• Estudar, analisar e compreender conceitos âncora para a relação entre a Educação Física,

as Artes Visuais e a Música como inovação, metodologias ativas, multidisciplinaridade e

interdisciplinaridade;

Identificar e analisar a relação interdisciplinar entre corpo e cultura, tendo como base os

fundamentos teóricos das áreas de Educação Física, Artes Visuais e Música.

7. Educação física na educação a distância: histórico, cenários e perspectivas

Ementa: Processos históricos, espaços ocupados, perspectivas curriculares e estudos

interdisciplinares no processo de formação superior em Educação Física na modalidade

EAD no Brasil.

Objetivos:

• Identificar e descrever os processos históricos de formação superior em Educação Física

(licenciatura e bacharelado) na modalidade a distância no Brasil;

• Localizar o espaço ocupado pela modalidade a distância no campo de formação superior

em Educação Física no Brasil, considerando preceitos legislativos, regulatórios e relações

institucionais;

• Analisar a concepção das matrizes curriculares e os processos de docência, especialmente

por parte dos tutores nos polos de apoio presencial, bem como os processos de

aprendizagem por parte dos alunos, nos cursos de Educação Física a distância.

31
BASES DE DADOS

LICENCIATURA EM PEDAGOGIA

ARTHUR E O INFINITO - UM OLHAR


Gênero: Documentário
SOBRE O AUTISMO
Direção: Ano: 2018

Tema central: Autismo Tempo: 36 min


Documentário que retrata a vida de uma criança com autismo e suas necessidades e especificidades no
dia a dia. https://www.youtube.com/watch?v=33Fv3_0s0rE

CORDAS- CUERDAS Gênero: Documentário

Direção: Ano: 2014

Tema central: Inclusão Tempo: 0:26 segundos


Documentário que retrata a inclusão no ambiente escolar e as dificuldades das crianças como um todo.
https://www.youtube.com/watch?v=OrGEjSn1v8Y

QUANDO SINTO O QUE JÁ SEI Gênero: Documentário

Direção: Vekante Educação e Cultura Ano: 2009

Tema central: Diferentes metodologias Tempo: 78 min


O documentário nos mostra as práticas baseadas na metodologia da Escola da Ponte em Portugal
evidenciando a necessidade em revisitar as ações dos professores e dos alunos em sala de aula e para
além dos muros da escola.https://www.youtube.com/watch?v=HX6P6P3x1Qg

TEMPO DE BRINCAR Gênero: Documentário

Direção: Instituto Alana Ano: 2017 

Tema central: Educação e o brincar Tempo: 52 min


Discussão central do documentário sobre crianças viciadas nas tecnologias e ausentes de um convívio
com a natureza. Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=NqK147AfJnA

JEMICY SCHOOL - ESCOLA ESPE-


Gênero: Documentário
CIALIZADA EM DISLEXIA
Direção: Ano: 2015

Tema central: Educação multissensorial Tempo: 8min


O documentário apresenta uma educação multissensorial e experenciada, retratada baseada em pesquisas
e experiências. https://www.youtube.com/watch?v=hxZ_d7VRG9g

[REPENSANDO A DISLEXIA] DISLEXIA


Gênero: Documentário
EM FAMÍLIA
32
Direção: Ano: 2012

Tema central: Dislexia Tempo:


Dislexia- tratamentos dados e as experiências vividas pelas famílias.
https://www.youtube.com/watch?v=OdMs5Zfqhkk&t=287s

JEMICY SCHOOL - ESCOLA ESPE-


Gênero: Documentário
CIALIZADA EM DISLEXIA
Direção: Ano: 2015

Tema central: Dislexia Tempo: 8min


O documentário trata sobre as dificuldades enfrentadas pelas crianças com dislexia, que para algumas
crianças, demoram até chegam ao diagnóstico e receber o auxílio corretamente.

MARIA MONTESSORI 1 Gênero: Documentário

Direção: Ano: 2011

Tema central: Maria Montessori Tempo: 8 min


O documentário nos traz a possibilidade de conhecer Maria Montessori e sua relação com a educação
diante da realidade que vivia.
https://www.youtube.com/watch?v=ThlxtmPOSPw

MARIA MONTESSORI 2 Gênero: Documentário

Direção: Ano: 2009


Tema central: Maria Montessori Tempo: 6 min
O documentário nos traz a possibilidade de conhecer Maria Montessori e sua relação com a educação
diante da realidade que vivia.
https://www.youtube.com/watch?v=ppYN4Dq0wgA

OS DESAFIOS DO PROFESSOR DO
Gênero: Documentário
CAMPO
Direção: Ano: 2014
Tema central: professores em diferen-
Tempo: 10 min
tes campos de atuação
Realidade das escolas do campo e suas individualidades retratando os atendimentos especializados e
suas experiências.
https://www.youtube.com/watch?v=4yuQrwzizuk&t=81s

A LUZ DAS PALAVRAS Gênero: Documentário


Direção: Kátia Klock e Cinthia Creatini
Ano: 2012
da Rocha
Tema central: Cultura e costumes Tempo:18 min

33
Sensibilidade do povo guarani e seus costumes, representando os dilemas, as buscas, encontros e
desencontros e a educação. https://curtadoc.tv/curta/espiritualidade/mbya-reko-pygua-a-luz-das-
palavras/

DO LUTO À LUTA Gênero: Documentário

Direção: Ano: 2017

Tema central: Síndrome de Down Tempo: 1h:17min


O documentário retrata a Síndrome de Down a partir dos depoimentos das famílias e das pessoas com
Down. https://www.youtube.com/watch?v=CRyzd6Wsof4&t=2480s

EDUCAÇÃO E CULTURA NO HOSPI-


Gênero: Documentário
TAL PEQUENO PRÍNCIPE
Direção: Ano: 2013

Tema central: Educação não formal Tempo: 25min


Documentário revela os espaços não formais de ensino e aprendizagem, bem como o tratamento
direcionado a cada criança no ambiente hospitalar.
https://www.youtube.com/watch?v=SU9KK2Q-2es

CLASSES HOSPITALARES Gênero: Documentário

Direção: Ano: 2014

Tema central: Classes hospitalares Tempo:

O documentário relaciona a política e o direito das crianças ao atendimento em diferentes espaços.


https://www.youtube.com/watch?v=6AgP3sF_7Rw&t=385s

EDUCAÇÃO PROIBIDA Gênero: Documentário

Direção: Ano: 2017


Tema central: Pedagogias e suas
Tempo: 2h25min
nuances
Documentário retrata o que chama de “direita ou esquerda pedagógica” e que entre uma ou outra não
existe um vazio. As crianças e o mundo, como se relacionam, como interagem, o que pensam, etc. são
fundamentos para este documentário. https://www.youtube.com/watch?v=t8z0VkUEt6o

DOCUMENTÁRIO FRANCÊS
SOBRE O AUTISMO (SÍNDROME DE Gênero: Documentário
ASPERGER)
Direção: Ano: 2016

Tema central: Síndrome de Asperger Tempo: 1h40min

34
Documentários sobre as declarações de pessoas com a Síndrome de Asperger sobre seus tratamentos
psicológicos e tratamentos. https://www.youtube.com/watch?v=TVbweoNJrKM&t=3s

O PEQUENO E O GRANDE Gênero: Documentário


Direção: Marco Antônio Oliveira dos
Ano: 2008
Santos
Tema central: Brincadeira com pedaços
Tempo:
de Tijolos
Documentário retrata sobre uma brincadeira das crianças e dos jovens no morro de uma favela, Favela do
Pereirão, que acabou transformando vidas e seres humanos através da valorização de um olhar artístico.
https://curtadoc.tv/curta/cotidiano/o-pequeno-e-o-grande/

O USO DA TECNOLOGIA NA ESCOLA Gênero: Documentário

Direção: Univesp Ano: 2013

Tema central: Tecnologia e a escola Tempo: 12min

Documentário que fala sobre as Tecnologias Inclusivas e a inclusão social

TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO
Gênero: Documentário
INCLUSIVA
Direção: Univesp Ano: 2013

Tema central: Educação Inclusiva Tempo: 12 min


Documentário sobre a capacitação para a educação inclusiva e suas necessidades. https://www.youtube.
com/watch?v=f00vfIORMws

LINHAS DE PESQUISA PARA O DESENVOLVIMENTO DE TCC

CURSO DE PEDAGOGIA

LICENCIATURA
1.Formação de Professor
- Formação inicial, formação continuada e qualidade de ensino
- Professor leigo e demanda por formação inicial de professores
- Professor sem formação na área de atuação e qualidade de ensino
2.Currículo e didática
- Práticas de ensino
- Organização conhecimentos por ano/série na proposta pedagógica da escola
Organização do trabalho pedagógico – o processo de ensino e aprendizagem
- Abordagem dos conteúdos
35
3.Recursos de ensino
- Recursos didáticos para o ensino de educação infantil e ensino fundamental (anos iniciais)
- Aula de campo e a formação integral dos alunos
- Recursos tecnológicos para a educação infantil e ensino fundamental (anos iniciais)
- Materiais lúdicos e o ensino para a educação infantil e ensino fundamental (anos iniciais)

4. Educação especial e inclusão


- Adaptação curricular para o processo de ensino e aprendizagem a alunos público alvo da educação
especial e inclusiva (PAEE)
- Recursos didáticos para inclusão de alunos público alvo da educação especial e inclusiva (PAEE)
- O trabalho do licenciado em educação especial;
5. Políticas públicas
- Mantenedora e oferta de formação continuada de professores
- Calendário escolar e possibilidade de formação em ação para professores
- Políticas curriculares para a Educação Básica
6. Avaliação
- Concepção de avaliação
- Instrumentos de avaliação para a educação infantil e ensino fundamental (anos iniciais)
- Critérios de avaliação do desenvolvimento do estudante

CURSO DE PSICOPEDAGOGIA

LICENCIATURA BACHARELADO
1.Formação de Professor 1.Desenvolvimento humano
- Formação inicial e formação continuada para a - Bases da epistemologia genética
instrumentalização e capacitação dos docentes - Psicanálise na psicopedagogia
- Professor sem formação na área de atuação e - Influência das relações afetivas na aprendizagem
qualidade de ensino - Desenvolvimento humano na infância e adoles-
cência
- Desenvolvimento humano na fase adulta e velhice

2.Currículo e didática 2.Corpo e movimento


- Práticas de ensino para alunos público alvo da - A relação entre o Psicodrama e a Psicopedagogia
psicopedagogia - A relação entre a Ação, Emoção e Aprendizagem
- Organização conhecimentos por ano/série na pro- no Psicodrama
posta pedagógica da escola e os aspectos inclusi- - Neurolinguística: a formação cerebral da lingua-
vos que a compoem gem
Organização do trabalho pedagógico – o processo - Os métodos da psicomotricidade relacional
de ensino e aprendizagem dos alunos público pú- - O olhar psicomotor para a aprendizagem
blico alvo da psicopedagogia

36
3.Recursos de ensino
- Recursos didáticos para os alunos público alvo da 3.Bases da aprendizagem
psicopedagogia no ensino de educação infantil e - TDAH e suas implicações na aprendizagem
ensino fundamental (anos iniciais) - Percepção espacial, auditiva e visual
- Recursos tecnológicos assistivos para a educa- - As emoções e a autoestima na infância
ção infantil e ensino fundamental (anos iniciais) para - Tipos de memória e aprendizagem
os alunos público alvo da psicopedagogia - Disciplina e indisciplina na aprendizagem: uma
- Materiais lúdicos e o ensino de alunos público abordagem neuropsicopedagógica
alvo da psicopedagogia para a educação infantil e
ensino fundamental (anos iniciais)
4. Educação especial e inclusão 4.Potencial Humano
- Adaptação curricular para o processo de ensino e - Influência da família e escola no desenvolvimento
aprendizagem a alunos público alvo da psicopeda- do aluno com altas habilidades.
gogia. - O diagnóstico na pessoa com altas habilidades/
- Recursos didáticos para inclusão de alunos públi- superdotação.
co alvo da psicopedagogia - Inteligência, criatividade e afetividade.
- O trabalho do licenciado em psicopedagogia. - Atendimento especializado em alunos com altas
habilidades/superdotação.
- Inclusão de alunos com altas habilidades em
classes regulares.

5. Políticas públicas
- Mantenedora e oferta de formação continuada de 5. Avaliação e intervenção institucional
professores - A mediação no trabalho psicopedagógico institu-
- Calendário escolar e possibilidade de formação cional.
em ação para professores - Conceito e aplicação do Cone Invertido.
- Políticas curriculares para a Educação Básica e - O trabalho de intervenção psicopedagógica em
Inclusiva instituições não escolares.
- Dinâmicas de grupo.
- O grupo operativo de Pichón Riviere.

6. Avaliação 6. Avaliação clínica


- Concepção de avaliação para alunos público alvo - Aplicação de instrumentos psicopedagógicos:
da psicopedagogia EOCA (Entrevista - Operativa Centrada na Aprendi-
- Instrumentos de avaliação para a educação infan- zagem) e Anamnese.
til e ensino fundamental (anos iniciais) para alunos - A importância do diagnóstico psicopedagógico
público alvo da psicopedagogia clínico.
- Critérios de avaliação do desenvolvimento do es- - O contexto das provas operatórias.
tudante alunos público alvo da psicopedagogia - O contexto das provas projetivas.
- O contexto das provas pedagógicas.

37
CURSO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

LICENCIATURA
1.Formação de Professor
- Formação inicial e formação continuada para uma proposta de educação inclusiva
- Professor leigo e demanda por formação inicial de professores
- Professor sem formação na área de atuação e qualidade de ensino
2.Currículo e didática
- Práticas de ensino para alunos público alvo da educação especial e inclusiva (PAEE).
- Organização conhecimentos por ano/série na proposta pedagógica da escola e os aspectos inclusivos
que a compoem
Organização do trabalho pedagógico – o processo de ensino e aprendizagem dos alunos público alvo da
educação especial e inclusiva (PAEE).
3.Recursos de ensino
- Recursos didáticos para os alunos público alvo da educação especial e inclusiva (PAEE) no ensino de
educação infantil e ensino fundamental (anos iniciais)
- Recursos tecnológicos assistivos para a educação infantil e ensino fundamental (anos iniciais) para os
alunos público alvo da educação especial e inclusiva (PAEE).
- Materiais lúdicos e o ensino de alunos público alvo da educação especial e inclusiva. (PAEE) para a
educação infantil e ensino fundamental (anos iniciais)
4. Educação especial e inclusão
- Adaptação curricular para o processo de ensino e aprendizagem a alunos público alvo da educação
especial e inclusiva (PAEE);
- Recursos didáticos para inclusão de alunos público alvo da educação especial e inclusiva (PAEE)
- O trabalho do licenciado em educação especial;

5. Políticas públicas
- Mantenedora e oferta de formação continuada de professores
- Calendário escolar e possibilidade de formação em ação para professores
- Políticas curriculares para a Educação Básica e Inclusiva.
6. Avaliação
- Concepção de avaliação para alunos público alvo da educação especial e inclusiva (PAEE)
- Instrumentos de avaliação para a educação infantil e ensino fundamental (anos iniciais) para alunos pú-
blico alvo da educação especial e inclusiva (PAEE)
- Critérios de avaliação do desenvolvimento do estudante alunos público alvo da educação especial e
inclusiva (PAEE)

38
ESPAÇOS CULTURAIS VIRTUAIS

CULTURA ENDEREÇO ELETRÔNICO


1. Museu Virtual da Água www.museuvirtualdaagua.com 
2. American Museum of Natural His-
https://www.amnh.org/plan-your-visit
tory
3. Museu Virtual UnB http://www.museuvirtual.unb.br/
4.Museu da Faculdade de Medicina
http://www.museuvirtual.medicina.ufrj.br/
UFRJ
http://www.acervosvirtuais.com.br/layout/museuvirtualdearte/co-
5. Museu virtual de artes lecoes.php
6. My studios http://www.mystudios.com/artgallery/
7. Museu Virtual de Arte Moderna http://eravirtual.org/museu-victor-meirelles/
8. RTP Museu Virtual https://museu.rtp.pt/
9. Museu Virtual de Ouro Preto http://eravirtual.org/ouro-preto/
10. Museu Virtual do Transporte http://www.museudantu.org.br/principal.asp
11.Van Gogh Museum https://www.vangoghmuseum.nl/
12.Museu do Louvre https://www.louvre.fr/en

13.Museu Virtual de Informática http://piano.dsi.uminho.pt/museuv/


14.Museu Virtual da Imprensa http://piano.dsi.uminho.pt/museuv/
15.Museu Mazzaropi https://museumazzaropi.org.br/
16.Museu Virtual Aristides Sousa
http://mvasm.sapo.pt/
Mendes
17.British Museum https://www.britishmuseum.org/visit
18.Virtual Museum of Canada http://www.virtualmuseum.ca/home/
19.Museu Oscar Niemayer https://museuoscarniemeyer.org.br/visite/visita-virtual-3D 
20.Museum with no frontiers http://www.museumwnf.org/#
21.Virtual Egyptian Museum https://www.virtual-egyptian-museum.org/
22.Museu Virtual FEB http://museuvirtualfeb.blogspot.com/
http://www.museunacional.ufrj.br/dir/exposicoes/arqueologia/
23.Museu Nacional de Arqueologia index.html
24.Museu virtual do Iraque http://www.virtualmuseumiraq.cnr.it/prehome.htm
25.Museu da casa de PortinarI http://www.virtualmuseumiraq.cnr.it/prehome.htm
26.Museu da história da arte do Uru-
http://muhar.montevideo.gub.uy/
guai
27.Vários museus da Natural History https://naturalhistory2.si.edu/vt3/list-3-past.html
28.Diversos museus e exposições
http://eravirtual.org/
em Minas Gerais

39
29. Tour virtual 360 3d para museus
e galerias de arte visite sem sair de https://www.iteleport.com.br/imoveis/tour-virtual-360-3d/museus/
casa
30. Museu Virtual do Corpo Humano
http://www.ufrgs.br/museuvirtual/
UFRGS

31. Museu virtual da Evolução Huma- http://evolucaohumana.ib.usp.br/


na
32. Museu virtual do Louvre https://www.louvre.fr/en/visites-en-ligne
33. Masp https://artsandculture.google.com/partner/masp
34. Museu do Futebol https://www.museudofutebol.org.br/pagina/exposicoes-virtuais
35. Biblioteca Nacional https://bndigital.bn.gov.br/
36. Museu da imigração http://museudaimigracao.org.br/exposicoes/virtuais/
37. Museu da Inconfidência http://eravirtual.org/inconfidencia_br/
https://artsandculture.google.com/partner/museu-afro-brasil?hl=-
38. Museu Afro Brasil pt-BR
39. CPDOC https://expo-virtual-cpdoc.fgv.br/
40. Museu da Cora Coralina http://eravirtual.org/casa-de-cora-coralina/
41. Museu virtual do cartoon http://www.cartoonvirtualmuseum.org/
42. Museu da UNB http://www.museuvirtual.unb.br/
43. Hemeroteca do IHGB https://www.ihgb.org.br/pesquisa/hemeroteca.html
44. Instituto Moreira Salles https://ims.com.br/
45. Museu Imperial http://eravirtual.org/museu-imperial/
46. Museu da República http://www.eravirtual.org/mrepublica_01_br/
47. Museu da Pessoa https://www.museudapessoa.net/pt/museu-da-pessoa
https://artsandculture.google.com/partner/museu-historico-nacio-
48. Museu Histórico Nacional nal
49. Museu do Amanhã https://museudoamanha.org.br/pt-br/content/tour-virtual
50. Museu do Índio http://www.museudoindio.gov.br/visitas/visita-virtual

40

Você também pode gostar