Você está na página 1de 8

ATIVIDADE FINAL

MÓDULO FUNDEB

CURSISTA: Édna Gude Schulz

TUTORA: Mauricéia Aparecida Rovetta 

PROGRAMA NACIONAL DE
FORMAÇÃO CONTINUADA A
DISTÂNCIA NAS AÇÕES DO FNDE

RIO BANANAL/ES
2019
1. INTRODUÇÃO

Embora o Governo tenha tomado diversas atitudes para melhorar o „quadro‟ da


educação brasileira, ainda existe muitas deficiências neste setor. Hoje, a
Educação em todas as suas dimensões é um desafio. O financiamento da
educação brasileira através do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da
Educação Básica - FUNDEB, a participação dos organismos internacionais,
mais especificamente do Banco Mundial, na política educacional brasileira e o
forte investimento do governo federal na Educação a Distância são algumas
das iniciativas do Governo para que a Educação passe a ser realmente de
qualidade e, que esteja ao alcance de todos.

2. FUNDEB: FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NACIONAL E CACS: OS


CONSELHOS DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL

O Brasil investe muito pouco em educação, se comparado a outros países.


Conscientes dessa realidade, que ainda é visível, governantes reuniram-se
com intuito de melhorar os investimentos destinados à educação, reformulando
o fundo da educação, antes chamado de Fundef, para Fundo de Manutenção e
Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da
Educação – Fundeb, criado pela EC nº. 53/2006 e regulamentado pela Lei nº.
11.494, de 20 de junho de 2007. Este é um fundo especial, de natureza
contábil, de âmbito estadual, formado por recursos provenientes dos impostos,
transferências e contribuições dos Estados, Distrito Federal e Municípios, e
complementado por recursos federais. Os recursos do fundo são repassados
automaticamente para contas específicas dos Governos Estaduais, do Distrito
Federal e dos Municípios. Sua distribuição leva em conta: critérios definidos na
legislação específica do fundo, os dezenove segmentos da educação básica,
os fatores de ponderação, os dados do censo escolar, os valores por aluno/ano
nacional e por Estado, dentre outros. Sua execução é possível pela atuação de
uma rede de parceria ampla, formada pelo MEC, pelo Ministério Público pelos
Tribunais de Conta dos estados, Distrito Federal e Municípios, pelo Tribunal de
Contas da União e a controladoria Geral da União, pelo Ministério da Fazenda,
Ministério da Fazenda e do Planejamento, Instituições bancárias e pelo
Conselho de Acompanhamento e Controle Social do Fundeb. A aplicação do
Fundeb trouxe grandes benefícios à educação. Mas seria esta uma solução ou
apenas mais um remendo aos problemas da educação? A criação do Fundeb
teve como pretensão corrigir as falhas do Fundef, que não beneficiava todas as
modalidades de ensino da Educação Básica. Contudo, é certo que diante da
quantidade de impostos que são arrecadados em nosso país, o fundo
destinado à manutenção da educação básica ainda é pouco. Para as escolas
públicas localizadas nos grandes centros, que atendem crianças de classe
média baixa, o fundo destinado pode até ser suficiente. Mas, para as escolas
localizadas em bairros carentes, com população na faixa da pobreza e até
mesmo da miséria, esse fundo é indiscutivelmente baixo. Para Winckler e
Santagada (2007):
O Fundeb, ao atender aos vários níveis de ensino e modalidades da educação
básica, retoma a bandeira da universalização, da gratuidade e da qualidade do
ensino nas diferentes etapas da aprendizagem, apesar de sua lógica restringir-
se a um rearranjo interno dos seus recursos (WINCKLER; SANTAGADA, 2007.
p. 44).
Quanto à suposta valorização dos profissionais da educação, o Fundeb contém
vários equívocos e inconsistências. Um é que, embora denominado de
valorização dos profissionais da educação básica, só vincula um percentual
para os profissionais do magistério, não para os profissionais da educação,
categoria mais ampla, que inclui os trabalhadores da educação não envolvidos
em funções tradicionalmente definidas como pedagógicas dentro da escola.
Além disso, o Fundeb, em toda sua instância, jamais irá garantir a igualdade
salarial para todos os profissionais do Brasil, sendo que, em algumas regiões
este profissional é mais valorizado, enquanto em outras não. Conselho é um
espaço de participação que permite aos cidadãos maior proximidade com
administração pública, por isso, constitui-se importante mecanismo de
aplicação e de participação política.
 Os Conselhos de acompanhamento e controle social se constituem em canais
de comunicação entre a “sociedade civil” e o poder público, e seus principais
papeis são: estimular a participação e formação de novas lideranças; manter o
fluxo de informação com as instituições que representa; alimentar-se
permanentemente das opiniões e vontades daqueles que representa; tornar
pública as decisões políticas e as negociações; respeitar e defender as
deliberações; contribuir na generalização das discussões e dos interesses
coletivos; contribuir na qualificação da participação social; cumprir e fazer
cumprir o regimento interno; buscar maior transparência na utilização dos
recursos públicos e consolidar a democracia e a participação popular no
espaço público. Nesse sentido, o Conselho do FUNDEB é um colegiado, com a
principal função de acompanhar toda a gestão desses recursos, em nosso
município o Conselho está representado por todos os seguimentos, foi criado
pela Lei 1.744 de 23/03/07 pelo poder executivo, esta em situação regular junto
ao FUNDEB e fez o cadastramento, existe regimento interno elaborado pelos
membros onde cada um tem em seu poder uma cópia. O Conselho se reúne
mensalmente e sempre procura estudar a Legislação para melhor atuar em sua
função, mas nem todos têm o domínio da Legislação e existem muitas
dificuldades como: espaço para melhor desenvolver suas funções, não tem
participado da elaboração da Programação Orçamentária e não tem
conhecimento da mesma. Neste Módulo FUNDEB tivemos a oportunidade de
fazermos um à reflexão sobre o nosso papel de cidadão na definição dos
rumos da educação de nosso país, mediante a participação e envolvimento nos
conselhos dos programas do FNDE ou conselhos escolares. Os conselhos
precisam ter autonomia, transparência e socialização de informações,
visibilidade, integração, articulação e capacitação continuada dos conselhos. O
conselho do FUNDEB exerce uma função muito importante diante desse
recurso que é fiscalizar e acompanhar as aplicações efetuadas pelo poder
executivo. Antes de ser exigida a efetivação dos conselhos, os dirigentes
podiam desviar o fundo sem que ninguém percebesse, hoje além do tribunal de
contas temos o conselho do FUNDEB formado por representantes dos diversos
segmentos da sociedade.

3. ENTREVISTA COM CONSELHEIROS

Por meio das entrevistas com Conselheiros do Fundeb que atuam em nossa
localidade, foi possível levantar informações técnicas sobre a organização e
atuação do Conselho, dentre as quais:
a) O CACS está devidamente organizado, e possui a representação dos
segmentos sociais previstos na Lei?

Sim. O conselho, conforme legislação tem representantes dos professores da


educação básica pública municipal; representante dos diretores das escolas
públicas municipais; representante dos servidores técnico-administrativos das
escolas públicas municipais; representantes de pais de alunos da educação
básica pública municipal; representantes dos estudantes da educação básica
pública municipal; representante do Conselho Municipal de Educação (caso
exista no município); representante do Conselho Tutelar (caso exista no
município).

b) Os conselheiros conhecem a legislação referente ao Fundeb?

 Sim, todos os conselheiros receberam o manual de orientação e foram


convidados para uma formação, da qual participaram a maioria dos
conselheiros.

c) Há um processo interno de discussões quanto às atribuições e competências


desse colegiado?
Sim nas reuniões mensais.

d) Foi aprovada legislação específica para a criação do CACS local?


Sim

e) O conselho está em situação regular junto ao FNDE, ou seja, efetuou o


devido cadastramento junto aquela Autarquia?
Sim.

f) O conselho tem recebido apoio do Poder Executivo local (Prefeitura,


Secretaria de Educação, etc...) para exercer suas funções?
Sim.
g) O conselho possui regimento interno?
Sim.

h) O CACS tem o hábito de se reunir para deliberar sobre as questões de sua


responsabilidade?
Sim, o Conselho se reúne onde são analisados extratos e empenhos, planilhas
contábeis de aplicação de recursos do Fundeb. Também são discutidas
solicitações e irregularidades apontadas pelo conselho, análise do PNAT,
elaboração de ofícios a serem encaminhados para a Secretaria de Educação,
Secretaria de Administração e Contabilidade solicitando documentação que
esclareça dúvidas levantadas pelos conselheiros.

i) O conselho tem acompanhado a execução do Fundo em todas as suas fases:


- Elaboração da Programação Orçamentária (Plano de execução); - Créditos
dos recursos financeiros na conta; - Aplicação dos recursos; - Prestação de
contas.
Sim e os extratos são analisados em reuniões mensais.

4. IDENTIFICAÇÃO DOS PONTOS POSITIVOS E NEGATIVOS DA


ATUAÇÃO DO CONSELHO SE FOR O CASO

Referente ao funcionamento do Fundeb, monitorado por meio de conselheiros,


pôde-se identificar como pontos positivos, que os conselheiros estão
devidamente esclarecidos de suas funções, demonstrando bom relacionamento
entre eles, tendo diversidade de funções dentro da escola. E, a presidente do
conselho, mostra ter conhecimento das leis, demonstrando interesse na função
que exerce.
Como ponto negativo, observou-se que em alguns meses não acontecerão
reuniões do conselho por falta de disponibilidade de alguns conselheiros para
exercer o papel de fiscalizador, demonstrando assim, uma falta de organização
em comissões de trabalho. Quanto à função de presidência, destaca-se como
ponto negativo, o acúmulo de funções atribuídas à mesma.
5. PROPOSTAS DE SOLUÇÃO PARA AS DIFICULDADES ENCONTRADAS

Primeiramente, destaca-se como importante mudança no sistema de


fiscalização do Fundeb, o acúmulo de funções. Quando uma pessoa exerce
várias tarefas ao mesmo tempo, acaba por não conseguir realizar todas com
qualidade. Outra sugestão seria a criação de um calendário anual. Deste modo,
todos os envolvidos poderiam organizar o seu tempo com antecedência, para
que as reuniões realmente aconteçam. Ainda, para incentivar a participação da
comunidade escolar na fiscalização do Fundeb, sugere-se a remuneração
desses voluntários, para que a participação acontecesse ao agrado de todos os
envolvidos. Também, sugere-se momentos de estudo e reflexão sobre o tema,
para que mais pessoas despertem a vontade de atuar como conselheiros.
CONCLUSÃO DA ATIVIDADE FINAL DO MÓDULO FUNDEB

Este módulo foi de suma importância para que obtivéssemos informações


detalhadas a respeito do FUNDEB, podendo assim conhecer melhor suas
etapas de execução, de prestação de contas, sabendo que é necessário que
todos os cidadãos, inclusive os que atuam na educação brasileira participem,
opinem e fiscalizem. Para fazer valer nossos direitos, primeiramente
necessitamos de educação de qualidade, que apenas será possível por meio
de nossos esforços enquanto professores, que necessitam de valorização
adequada. A educação só irá acontecer, se algum mecanismo de investimento
financeiro auxilie na ajuda de custo. Esse mecanismo existe como vimos neste
módulo, porém, necessita de melhor administração pública e de um aumento
significativo de repasse financeiro para o setor da educação.

Você também pode gostar