Você está na página 1de 3

A importância do ensino de Ciências é reconhecida por pesquisadores da

área, em todo o mundo e há uma concordância relativa à inclusão de


temas relacionados à Ciência e à Tecnologia nos Anos Iniciais do Ensino
Fundamental. Apesar da convergência de opiniões e de sua incorporação
pelas propostas curriculares e planejamentos escolares, ainda, hoje em dia,
o aluno sai da escola com conhecimentos científicos insuficientes para
compreender o mundo que a cerca.

Diante de tal fato, podem ser formuladas questões como: Qual é, afinal, a
importância dos conhecimentos científicos para a vida do aluno? Quais
aspectos devem ser enfatizados ao se ensinar Ciências Naturais? Quais as
demandas da sociedade em decorrência do desenvolvimento científico e
tecnológico? Como as pessoas e as escolas deveriam agir perante o amplo
desenvolvimento da ciência e da técnica?

Considerando que a Ciência e a Tecnologia desempenham um papel


importante na escola elementar, em 1983, a UNESCO apresentou algumas
justificativas para a inclusão desses temas nos currículos escolares, sendo
que algumas delas propõem que o ensino de Ciências, pode ajudar o aluno
a pensar de maneira lógica sobre os fatos cotidianos e a resolver
problemas práticos simples. As ciências e a tecnologia são atividades
socialmente úteis, que esperamos sejam familiares às crianças. Dado que o
mundo tende a orientar-se cada vez mais num sentido científico e
tecnológico, desta forma é importante que os futuros cidadãos se preparem
para viver nele. (UNESCO apud HARLEN, 1994, p. 28-29).

Segundo Fracalanza (1986 pp. 26-27),

O ensino de ciências nos anos iniciais, entre outros


aspectos, deve contribuir para o domínio das técnicas
de leitura e escrita; permitir o aprendizado dos
conceitos básicos das ciências naturais e da aplicação
dos princípios aprendidos a situações práticas;
possibilitar a compreensão das relações entre a ciência
e a sociedade e dos mecanismos de produção e
apropriação dos conhecimentos científicos e
tecnológicos; garantir a transmissão e a sistematização
dos saberes e da cultura regional e local.

Ainda de acordo com Fracalanza (1986), O ensino de Ciências nos Anos


Iniciais deve propiciar a todos os alunos, futuros cidadãos, os
conhecimentos e oportunidades de desenvolvimento de capacidades
necessárias para se orientarem nesta sociedade complexa, compreendendo
o que se passa a sua volta, aprendendo a tomar posição diante das
situações.
Ademais, é no âmbito dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, que a
criança aprimora, constrói e reconstrói seus conceitos e apreende de modo
significativo sobre o ambiente que a rodeia, através da apropriação e
compreensão dos significados apresentados no processo de ensino das
Ciências Naturais.

Logo, o professor tem que trabalhar estas questões, respeitando a faixa


etária, o ritmo e o estilo de aprendizagem do aluno. Por isso é que no
processo de formação do professor, as práticas de estágio constituem o
campo de conhecimento que promovem a interação entre os cursos de
formação profissional (estagiários da área de pedagogia) e o campo social
no qual serão desenvolvidas as práticas educativas (escola-campo). Tais
práticas são problematizadas em nosso projeto intitulado “O Ensino de
Ciências Naturais nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental”, que está em
fase de implementação em uma turma de 1º ano do Ensino Fundamental,
de uma escola estadual em Catalão, com um grupo de 22 alunos
freqüentes, com média de idade entre 6 e 8 anos.

O projeto tem como objetivo geral, despertar a motivação e interesse dos


alunos, acerca dos conteúdos e conhecimentos da disciplina de Ciências,
mostrando a eles os fenômenos naturais relacionados ao seu cotidiano,
trabalhando a partir dos cinco sentidos do Ser Humano. Quanto aos
objetivos específicos, propomos estimular a criatividade, a construção do
raciocínio lógico e a coordenação motora; proporcionar aos alunos, através
das atividades propostas, a oportunidade de perceberem a importância da
função de cada órgão dos sentidos, através dos fenômenos relacionados ao
corpo humano de forma efetiva, lúdica e significativa para a vida.

A metodologia utilizada é focada na realização de jogos, exercícios práticos,


atividades pedagógicas e lúdicas, que visam despertar nos alunos o
interesse pelas aulas de Ciências, favorecendo o processo de alfabetização
e o desenvolvimento dos alunos. Ao trabalharmos os sentidos,
contribuímos para o desenvolvimento da percepção sobre o próprio corpo e
sobre o que o aluno é capaz de reconhecer a partir dos cinco elementos
básicos que compõem esse sentir o mundo que nos cerca. Nas aulas
também são trabalhadas a leitura, dramatização, produção de textos e
vivências para experimentações dos cinco sentidos (tato, olfato, paladar,
audição e visão).

Como recursos didáticos, utilizamos para trabalhar sobre a visão: o


caleidoscópio, o livro de literatura infantil Feito Bicho, (BRIOSCHI, Gabriela
2001); Na abordagem sobre a audição: CD (Reick), materiais diversos para
confecção de chocalhos na latinha de refrigerante (areia, pedras, moedas,
etc.), papel de seda colorido para os alunos reproduzirem o som de um
carro de corrida. Na terceira aula foi utilizado o incenso, caixa de cheiros,
contendo saches com: erva – doce, café, canela, cravo, etc., para que os
alunos percebessem diferentes tipos de cheiro, inclusive buscando sentir e
identificar os cheiros, presentes na sala de aula.

Ainda serão ministradas, posteriormente, mais duas aulas com os temas:


tato e paladar. Será utilizado, como recurso didático, a caixa de sensações
(com objetos de diversas formas, tamanhos, espessuras e texturas) para
trabalharmos, de modo interdisciplinar, as formas, tamanhos e
quantidades. Serão utilizadas, frutas variadas para trabalhar os sabores
tais como azedo, amargo, doce e salgado, etc., e também a partir das
frutas, exploraremos o cheiro, a textura, formato, peso. Ao final desta aula
faremos junto com as crianças, uma salada de frutas para degustarmos.

O projeto ainda está em fase de execução, mas já podemos avaliar os


resultados parciais obtidos, como satisfatórios. A partir da observação dos
alunos, percebemos termos atingido alguns objetivos como o de despertar
o interesse, a motivação dos alunos pelas aulas de Ciências.

A partir do presente trabalho, pretendemos fazer uma reflexão sobre os


saberes e práticas pedagógicas no processo de ensino-aprendizagem de
Ciências Naturais, discutindo teorias que podem sustentá-las, melhorá-las,
enriquecê-las, qualificá-las. Enfim, que nos sirvam de parâmetros no ato de
ensinar, no momento de escolher os conteúdos, definir estratégias,
organizar as aulas práticas. Desta forma, buscaremos meios que
contribuam para tornar a aprendizagem verdadeiramente significativa na
vida dos alunos.

REFERÊNCIAS

FRANCALANZA, Hilário. O Ensino de Ciências no Primeiro Grau. São


Paulo: Atual, 1986.
HARLEN, Wynne. Ensino e Aprendizagem das Ciências. Madri/Esp.
Norata, 1989.
BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares
Nacionais: Ciências Naturais. Brasília, 1997.

Você também pode gostar