Você está na página 1de 4

Diodo semicondutor

Alírio Fernando Cardozo Cardenas


Engenharia Física – Universidade Federal da Integração Latino-Americana
afc.cardenas.2020@aluno.unila.edu.br

Resumo. O presente trabalho trata-se do estudo do diodo semicondutor, na qual foi


possível obter valores de tensão corrente e resistência as quais foram mostradas em
tabelas, além de isso também foram feitas gráficas representativas do comportamento dos
dados obtidos no experimento. neste sentido se observou o comportamento típico do
diodo.

Palabras clave: entre pólo positivo e pólo negativo, por


Diodo semicondutor, semicondutores, exemplo. Fig.1.
barreiras de potencial, retificadores,
miliampérímetro, microamperímetro, fonte de
tensão.

Objetivo

1. Utilizando a curva de corrente vs.


tensão (na faixa entre aproximadamente + 0.7 a
-0.7V, não ultrapassando um Ampère de
corrente) mostrar que o diodo é um dispositivo fig.1 Diodo em polarização direta e em
retificador (deixa passar corrente no sentido polarização inversa. O símbolo contendo uma
direto mas não no sentido inverso – esta cruz representa uma lâmpada, que acende com
propriedade do diodo é utilizada para a a passagem de corrente quando o diodo está
fabricação de retificadores, que são em polarização direta.
dispositivos que transformam tensão alternada
em tensão contínua).

2. Observar o mesmo fenômeno de Um diodo ideal tem resistência nula


retificação através de sua curva de resistência num sentido e resistência infinita no outro.
vs. tensão. Num circuito composto por uma bateria e uma
lâmpada, como o da figura 1, a maneira como
Introdução o diodo está conectado à malha determina se a
lâmpada acenderá ou não. Quando o polo
Do ponto de vista funcional, um diodo positivo do diodo está conectado ao polo
é um dispositivo que bloqueia a passagem de positivo da bateria, a corrente flui, acendendo a
lâmpada.
corrente em um sentido e libera a passagem de
corrente no outro. Por ter uma condutância Dizemos que o diodo está montado em
assimétrica, é um componente elétrico que com polarização direta. No caso contrário (polos
opostos conectados), a corrente não flui e o
polaridade, ou seja, em que há uma distinção diodo está em polarização inversa, como se
pode ver no seguinte Fig.2.
No caso do circuito A Fig.3 foi
utilizado um miliamperímetro para determinar
o valor da corrente elétrica que flui na carga,
neste sentido utilizaram valores da tensão as
quais foram variando no diodo entre 0 e 0.7
Volts, foi feita a medição da corrente
correspondente, colectando 10 pontos como
referência para obter um Gráfico da corrente
versus tensão Graf.1, começando as medidas
Figura 2 Curva característica de um diodo de a partir das maiores escalas para não danificar
silício, com queda de tensão de 0,7 V em o voltímetro e mili-amperímetro ao utilizar o
polarização direta. Para uma dada tensão diodo no sentido direito. neste sentido não é
inversa muito alta, muito superior a 0,7 V, recomendado ultrapasse 1 A (1000 mA) de
ocorre a ruptura da junção p-n. corrente.

No caso do circuito B Fig.4 foi


utilizado um microamperímetro variando a
No caso do diodo, ao polarizamos no tensão no diodo entre 0 e 15 Volts, foram
sentido direto ele conduz corrente de maneira feita a medição da corrente correspondente,
exponencial em função da tensão aplicada. colectando 10 pontos como referência para
Para altas polarizações a expressão para a obter um Gráfico da corrente versus tensão
corrente é da forma. Graf.1.

(1)
Grafico 1 Corrente Vs tensao das Fig.3 e 4.

Procedimento Experimental e resultados

Neste experimento, foi montado o


circuito A e B Fig.3 e Fig.4 utilizando o
simulador de circuitos eléctricos Circuit
Simulator Applet.

Os dados coletados anteriormente


foram montados em uma tabela 1 e tabela 2.
onde podemos identificar dados como tensão,
corrente e resistência.
fig.3 polarização direta do diodo.
Tabela 1 dados coletados circuito A.

fig.4 polarização reversa do diodo.


Graf.3 resistenca Vs tensao circuito B.
Tabela 2 dados coletados circuito B.

Por que utilizamos circuitos diferentes para


medir a corrente e tensão no diodo quando
mudamos sua polarização?

Se o diodo for polarizado inversamente


Considerando os dados medidos do pela aplicação de uma tensão ou voltagem
circuito B como tensão negativa, neste caso inversa de "0" volt e seguindo o eixo -x, vemos
que é invertida a polarização e alcançamos Vz que mesmo aumentasse o valor dessa tensão, a
(zona de quebra) Fig.2, o diodo conduz e corrente (Ii ) não mostra nenhuma variação,
mantém a tensão Vz constante, embora exceto em um ponto onde ocorre uma
continuemos a aumentar a tensão no circuito “corrente de fuga” muito pequena de alguns
que irá alcançar o ponto de "ruptura inversa", microamperes. A partir desse momento,
dando origem a uma corrente fluxo, de valor continuamos aumentando o valor da tensão,
tão alto que destrói o diodo e o torna inútil. que irá alcançar o ponto de "ruptura inversa" ,
onde o isolamento das juntas" pn " se quebram,
se fez um gráfico de corrente Vs dando origem a um fluxo de corrente, de valor
tensão (I vs V) com os dados obtidos tão alto que destrói o diodo e o torna inútil.
(corrente no eixo y e a tensão no eixo x) Fig.3
e 4., também foi feito o gráfico de resistência
versus tensão (R vs V) Fig.3
Conclusão
Graf.2 resistenca Vs tensao circuito A.
Com o experimento realizado
efetivamente, o diodo é um dispositivo
retificador no qual é possível observar que são
dispositivos que transformam tensão alternada
em tensão contínua.

Referências Bibliográficas
Halliday-Resnick Walker, Cap. 46 (pp
227-242)
Feynman, v. III, Cap. 14
Alonso Finn, Física III, Seções 6.6 - 6.8
John Avison, “The Word of Physics”,
Biblioteca do IFGW # 530Av56w, pg. 344 -
S. M. Sze, Physical of Semiconductor Devices,
Cap. 2, IFGW # 621.38152Se52.

Você também pode gostar