Você está na página 1de 7

Fundação CECIERJ – Vice Presidência de Educação Superior à

Distância
Curso de Tecnologia em Sistemas de Computação
Gabarito da 1ª Avaliação à Distância de Física para Computação –
2015.2

Questão 1 (1,25 pontos): Em uma viagem do Rio de Janeiro a São Paulo, um


motorista dirige um carro a velocidade constante v. A uma distância d a frente do seu
carro está́ a traseira de um caminhão que viaja com velocidade constante V. O carro
tem comprimento L1 e o caminhão tem comprimento L2. Quanto o carro se deslocará
até́ ultrapassar o caminhão?

Solução
Primeiro vamos a considerar o referencial do caminhão para descobrir o tempo que
levará o carro na ultrapassagem. Nesse referencial o caminhão está parado e o carro se
move com velocidade 𝑣 − 𝑉. Logo, para que o carro ultrapasse o caminhão (o carro
fique à frente do caminhão), o carro deverá percorrer a distância d mais os
comprimentos tanto do carro quanto do caminhão, temos então: 𝑑   + 𝐿! + 𝐿! .
Também é válido considerar que ultrapassar significa somente colocar a parte da
frente do carro à frente do caminhão, sendo assim, a distância seria d+L2 (os dois
casos serão considerados certos).

Seguidamente, calculamos o tempo considerando a distância e a velocidade nesse


!!!!!!!
referencial que será: 𝑡 = !!!

Logo, consideramos que o tempo não muda de um referencial para outro, portanto
podemos usar o tempo calculado acima para calcular o deslocamento D (em relação
!!!!!!!
ao referencial da estrada) ou seja: 𝐷 = 𝑣𝑡 = 𝑣( !!! )

Finalmente, podemos afirmar que para o carro ultrapassar o caminhão, este deverá se
!!!!!!!
deslocar uma distância 𝑣( !!! ).

Questão 2 (1,75 pontos): Uma caixa de massa m é arrastada sobre um piso horizontal
através de uma corda fazendo um ângulo de 45o. com a horizontal. Os coeficientes de
atrito estático e cinético entre a caixa e o piso são respectivamente 0,70 e 0,50. (a)
(0,5 pontos) Estando a caixa inicialmente em repouso, qual é a força mínima
necessária para iniciar o movimento? (b) (1,0 pontos) Quando a força atinge esse
valor mínimo, com que aceleração inicia-se o movimento da caixa?

Solução

(a) As forças que agem sobre a caixa são: o peso P; a normal do piso N; a tensão da
corda T cujas componentes são T cos 45° (paralela ao piso) e T sin 45°
(perpendicular ao piso); e as forças de atrito (Fc ou Fe) que aparecem ao tentar
mover a caixa, sempre contrárias ao movimento.

Inicialmente, precisamos calcular a tensão mínima T exercida pela corda para


romper a inercia da caixa. Essa situação ocorre quando a força que puxa o objeto
para frente é igual à força que o puxa para atrás. Nesse caso, a componente
𝑇 cos 45° = 𝐹𝑒...(i).

A força de atrito estático (Fe) pode ter qualquer valor entre zero e os valores
máximos que o coeficiente de atrito permite, dependendo da força que tenta
provocar o movimento. Como no caso queremos chegar à situação limite de
movimento, usaremos o valor máximo de Fe=0,70 vezes N... (ii).

Logo, a força normal (N) nesse caso não será igual ao peso, porque existe outra
força que sustenta parte do peso do objeto, ou seja a componente 𝑇 sin 45° . Temos
então:  𝑃 = 𝑁 + 𝑇 sin 45° ... (iii)

Assim, para romper a inercia podemos aproveitar a expressão (i):


𝑇 cos 45° = 𝐹𝑒, logo substituindo (ii) em (i) obtemos 𝑇 cos 45° = 0,70𝑁...(iv)

! !"# !"°
Em (iv) isolamos a normal N cuja expressão fica assim 𝑁 = !,!"
...(v)

!
Finalmente, consideremos sin 45° = cos 45° = !
. Logo substituímos (v) em (iii)
! !"# !"°
e obtemos 𝑃 = !,!"
+ 𝑇 sin 45° è  𝑇 ≈ 0,58𝑃 ≈ 0,58𝑚𝑔   ≈ 5,684𝑚

Ou seja, a força mínima necessária para iniciar o movimento da caixa é de 0,58𝑚𝑔


ou se utilizamos o valor de g=9,8m/s2 será 5,684m.

(b) Ao alcançar a força mínima, o movimento da caixa se inicia e o atrito que era
estático passa a ser cinético. Como o atrito cinético é menor, teremos uma força
resultante na direção horizontal que acelerará o objeto. Assim, a resultante 𝑅  vale
𝑇 sin 45° − 𝐹𝑐. Logo, calculando o atrito cinético:

𝐹𝑐 = 0,50𝑁= 0,5(𝑃 − 𝑇 sin 45° )

Assim, a resultante 𝑅 = 𝑇 sin 45° − 𝐹𝑐 Logo, substituindo 𝐹𝑐 em:


!
𝑅 = 𝑇 sin 45° − 0,5 𝑃 − 𝑇 sin 45° ; e considerando sin 45° = !
e o valor de
𝑇 ≈ 0,58𝑃 temos então:
! !,!!
𝑅= !
− 0,5𝑃 + !
≈ 0,115𝑃 ≈ 0,115𝑚𝑔

Finalmente, para calcular a aceleração inicial, usamos a segunda lei de Newton,


R=ma e obtemos 𝑎 ≈ 0,115𝑔 ≈1,127m/s2

Portanto, quando a força atinge o valor mínimo de 𝑇 ≈ 0,58𝑃 a aceleração com


que inicia-se o movimento da caixa é de 𝑎 ≈ 0,115𝑔 ≈1,127m/s2

[ANULADO- pontos redistribuídos nas demais questões]Questão 3 (1,5 ponto):


Num circo, um homem-bala é disparado por um canhão, conforme mostrado na
figura. Ele deve aterrissar em uma rede de segurança a 10m embaixo da boca do
canhão. Se considerarmos que as velocidades iniciais foram 20m/s na vertical e 10m/s
no sentido horizontal responda: a) Quanto tempo o homem-bala permanece no ar? b)
A que distância deve ser colocada a rede? c) O homem-bala consegue passar pelo
muro?
Solução

(a) Segundo o enunciado a velocidade inicial na vertical foi de 20m/s, logo, pela
equação do movimento na vertical, temos a seguinte relação:
! !
𝑦 = 𝑦! + 𝑣!" 𝑡 + ! 𝑎! 𝑡 ! ...(i) è 𝑦𝚥 = 𝑦! 𝚥 + 𝑣!" 𝑡𝚥 + ! 𝑎! 𝑡 ! 𝚥

Logo, identificamos as condições iniciais: Posição inicial 𝑦! = 10mȷ; velocidade


inicial 𝑣!" = 20m/sȷ; e aceleração 𝑎 = −𝑔𝚥= -9,8m/s2  𝚥.

Assumindo como referencial que não existe a parede, o homem-bala chega ao chão
quando y=0. Nesse caso, substituindo as condições iniciais em (i) temos:
! ! !
0 = 10m + 20 ! ×𝑡 − ! ×9.8 !! ×𝑡 ! è 10 + 20×𝑡 − 4.9×𝑡 ! = 0

Utilizando o método de Baskara para equações de segundo grau, calculamos o


tempo t, sendo os resultados t=4,5s e t=-0,45. Observemos que o segundo resultado
não possui sentido físico, portanto consideramos t=4.5s como o tempo que o
homem-bala demora no ar.

(b) Novamente assumimos que não existe a parede e sabemos que o homem-bala
chega ao chão em 4,5s. Determinamos as condições inicias: Posição inicial
𝑥! = 0×𝑚𝚤: a velocidade inicial 𝑣!" = 10𝑚/𝑠 e aceleração a=0m/s2

Assim, o homem-bala percorrerá uma distância “x” em 4,5s, logo x= 10×4,5 =


45𝑚 . Ou seja, a rede deve ser colocada a uma distância de 45 metros.

(c) Para saber se o homem-bala colide contra a parede (muro), antes devemos
determinar a altura do homem-bala quando 𝑥 = 15𝑚

Para isso, basta determinar o instante em que 𝑥 = 15𝑚;

𝑥 15𝑚
𝑡= = = 1,5𝑠
𝑣!" 10𝑚/𝑠

Com esse resultado determinamos a altura correspondente a 1,5s utilizando a


expressão de lançamento de projetis, ou seja:
1
𝑦 = 𝑦! + 𝑦!" 𝑡 − 𝑔𝑡 ! = 10 + 20×1.5 − 1/2 ∗ 9.8×(1.5)! = 28𝑚
2

Portanto, o homem-bala consegue passar o muro sim, pois a altura que ele alcança
é 28m e a altura do muro é de 25m, ficando uma diferença de 3m.

Questão 4 (1,75 pontos): Imagine dois blocos A e B de 3,5Kg e 5,5Kg que estão
unidos por uma mola ideal horizontalmente esticada, conforme a figura abaixo.
Quando se deixa de esticar a mola, qual será a aceleração do bloco A no instante em
que o bloco B tem aceleração de módulo 9m/s2? Considere que os blocos estão sobre
uma superfície sem atrito.

Solução

A força resultante sobre o sistema em todo instante (seja comprimido ou esticado) é


nula e o centro de massa de cada bloco (quando são soltados) oscilarão em relação a
sua posição de equilíbrio.

Assim, analisando o enunciado observamos que a única força que atua sobre o bloco
B, e que está no sentido do movimento (ou seja no eixo x), é da mola. Temos então:
𝐹! = 𝑚! ×𝑎 = 5,5𝑘𝑔×9𝑚/𝑠 ! = 49,5𝑁

Também observamos que a única força que atua sobre o bloco A é da mola, mas a
mola também faz uma força sobre o bloco B. Por sua vez, o bloco B também faz força
sobre a mola, logo pelo princípio de ação e reação (supondo que a mola não sofre
deformação) este fará uma força sobre o bloco A, e vice-versa para o bloco A, temos
então:
𝐹 49,5𝑁
𝑎= = = 14,14𝑚/𝑠 !
𝑚! 3,5𝑘𝑔

Portanto, quando se deixa de esticar a mola, a aceleração do bloco A será de


14,14𝑚/𝑠 ! no instante em que o bloco B alcança uma aceleração de 9m/s2

Questão 5 (1,75 pontos): No sistema da figura abaixo α = 30º e mA = 4.mB. Calcular:

a) Com que aceleração se moverá o sistema?


b) Se retiramos o corpo B e aplicamos sobre a corda uma força F = mB.g. Qual
será a aceleração de A no novo sistema? Justifique sua resposta.
Solução

(a) Inicialmente temos que descobrir para qual lado se movimenta o sistema
assumindo que não exista atrito. Para isso, é necessário comparar os pesos, se
PB=mBg e PAx=4mB.g.sin30o=2mB.g, então PAx>PB, portanto o movimento será para
o lado esquerdo, conforme mostrado na figura.

A seguir, analisamos os objetos pelo diagrama de corpo livre e determinamos a


seguinte relação: PAx-PB=mA.a+mB.a substituindo pelos valores equivalentes
temos: mA.g sin30o-mBg=(mA+mB)a.

Como sabemos que mA=4mB substituímos acima e obtemos como segue:


4mB.g.0,5-mB.g=(4mB+mB).a è mB.g=5mB.a è a=g/5 è a=1,96m/s2, onde
g=9,8m/s2.

Portanto, a aceleração do sistema será 1,96m/s2.

(b)

Analisando o novo sistema, conforme figura acima, observamos que o peso


PAx=2mB.g é maior do que a força F do novo sistema. Assim, a aceleração de A
será também para a esquerda. Logo, utilizando a segunda lei de Newton temos:
PAx-F=mA.a èmA.g sin30o-mBg= mA.a e como sabemos que mA=4mB substituímos
e obtemos: 4mB.g.0,5-mB.g=4mB.a è a=g/4 è a=2,45 m/s2

Portanto, a aceleração de A no novo sistema será 2,45 m/s2

Questão 6 (1,75 pontos): A figura mostra o deslocamento unidimensional de uma


partícula que parte do repouso. Diga se as seguintes proposições são verdadeiras,
justifique sua resposta.
a) O módulo da aceleração da partícula entre [0;2] segundos, é 1m/s2?
b) A velocidade para t=1s é (2m/s)  𝑘 ?
c) A velocidade para t=3s é (-0,5m/s)  𝑘?

Solução

(a) Falso
Porque no intervalo de tempo tϵ[0;2] segundos, observamos que a partícula se
afasta de um ponto de referência 0. Observamos que a distância que percorre
!∆! !
estará relacionada com 𝑑 = 𝑣! ∆𝑡 + !
, onde d=  𝑧! − 𝑧! . Logo, substituindo

!∆! ! !.!!
𝑧! − 𝑧! = 𝑣! ∆𝑡 + !
è 4 − 0 = 0.2 + !
è 𝑎 = 2𝑚/𝑠 !

(b)Verdadeira
Porque no intervalo de tempo tϵ[0;1] segundos, observamos que o movimento da
partícula começa do repouso e vai na direção de +Z. Nesse caso, a velocidade 𝑣 e a
aceleração em tϵ[0;1]s estará na direção de +𝑘, temos então:
𝑣! = 𝑣! + 𝑎∆𝑡, è 𝑣! = 0 + 2𝑘 . 1=2𝑘𝑚/𝑠

(c) Falso
Primeiramente, observemos que t=3s encontra-se dentro do intervalo t ϵ [2;4]
segundos e note que a partícula realiza um MRU. Observemos também que a
velocidade da partícula começa a diminuir (conforme mostrado pela reta na
figura). Logo, a velocidade pode ser determinada pela inclinação da reta (ver figura
abaixo) com a seguinte relação: 𝑣 = tan 𝛼 𝑘, onde tan 𝛼  é o coeficiente angular.
Substituindo encontramos 𝑣 = −2𝑘𝑚/s.
Questão 7 (1,75 pontos): (a) (0,75 pontos) Explique qualitativamente o que acontece
com o período de um pêndulo quando sua amplitude é aumentada.
(b) (1,0 ponto)
Qualquer mola real tem massa. Se esta massa for levada em conta, explique
qualitativamente como isto afetará o período de oscilação do sistema massa-mola.

Solução

(a) Na medida em que a amplitude aumenta, a aproximação 𝜃~ sin 𝜃 deixa de valer, e


o movimento deixa de ser harmônico. Nesse caso o período do pêndulo aumenta
como função da amplitude.
(b) Nesse caso a massa que se desloca com as oscilações será um pouco maior. Como
!
o período é proporcional à raiz quadrada da massa (𝑇 = 2𝜋 !
) quando a massa
aumenta, o período aumenta.

Você também pode gostar