Você está na página 1de 25

SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO

BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

MAURÍCIO ANTONIO DE OLIVEIRA AMARAL

ESTUDO DE CASO:
Indústria ABC

Jacareí
2017
MAURÍCIO ANTONIO DE OLIVEIRA AMARAL

ESTUDO DE CASO:
Indústria ABC

Trabalho apresentado à Universidade Norte do Paraná -


UNOPAR, como requisito parcial para a obtenção de
média semestral nas disciplinas de Raciocínio Lógico,
Matemática Financeira, contabilidade, Metodologia
Científica, Capital de Giro e análise das Demonstrações
Financeiras e Seminário Interdisciplinar II.

Orientador: Profs. Marcelo Silva de Jesus, Mariana da


Silva Nogueira Ribeiro, Merris Mozer, Hallynnee
Rossetto, Antônio Ricardo Catânio, Vinícius Rincão,
Alessandra Petrechi, Cleverson Nunes Neves, Marilza
Aparecida Pavesi, Magno Rogério Gomes e Jaqueline
dos Santos Ferrarezi.

Jacareí
2017
SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO.......................................................................................................3

2 DESENVOLVIMENTO...........................................................................................4
2.1 TAREFA 1 – Classificação do balanço patrimônial...........................................7
2.2 TAREFA 2 – Adicionando os fatos contábeis....................................................8
2.3 TAREFA 3 – Indicadores de liquidez e interpretação........................................9
2.4 TAREFA 4 – Empréstimo contratado...............................................................10
2.5 TAREFA 5 – Financiamento de veículos.........................................................11
2.6 TAREFA 6 – Tabela verdade...........................................................................14
2.7 TAREFA 7 – Relatório final..............................................................................15
2.7.1 Reclassificação das Contas do Balanço Patrimonial e Apresentação do
Demonstrativo Corrigido ...........................................................................................15
2.7.2 Lançamento dos Fatos Contábeis Não Considerados Anteriormente............
16
2.7.3 Indicadores de Liquidez e Suas Interpretações.............................................. 17
2.7.4 Empréstimo e Suas Parcelas..........................................................................
18
2.7.5 Aquisição de Veículos.....................................................................................
19
2.7.6 Valores Lógicos...............................................................................................
20

3 CONCLUSÃO......................................................................................................21

REFERÊNCIAS...........................................................................................................22
1 INTRODUÇÃO

A área de Administração de Empresas é uma das mais concorridas


atualmente, pois ela leva o profissional a conhecer aspectos estruturais e
conceituais do patrimônio, a dinâmica patrimonial, os procedimentos de elaboração
e análise de demonstrações financeiras, que são pontos fundamentais na gestão
das organizações.
O objetivo desta produção textual é elucidar alguns pontos obscuros
na contabilidade e gestão da Indústria ABC, nela será abordado a questão do risco e
um Balanço Patrimonial elaborado de maneira incorreta, como a classificação errada
de contas de Ativo e Passivo, os lançamentos de fatos contábeis não reconhecido
no exercício social devido, a interpretação dos Indicadores de Liquidez, com a
utilização da Matemática Financeira ajuda os gestores a perceber o valor das
parcelas de um empréstimo contratado e também na escolha de qual instituição
financeira fazer o financiamento dos três veículos necessitados e a construção da
tabela verdade para ter certeza da veracidade das informações apresentadas pelos
gestores da indústria.
Será apresentado um relatório contendo toda a interpretação das
questões levantadas com o intuito de nortear a tomada de decisões e a gestão da
Indústria ABC.
2 DESENVOLVIMENTO

Para se manter no mercado a empresa precisa controlar e gerenciar


o seu patrimônio que de acordo com Polizel et al. (2015, p. 19) é o conjunto de bens,
direitos e obrigações que uma organização possuí e é composto por:

a. Bens: pode-se entender como bens coisas úteis que são


capazes de atender a organização, e, dentre os bens pode-se
encontrar:

i. Bens Tangíveis – são os bens de forma física,


palpável como veículos, imóveis, estoques entre
outros;
ii. Bens Intangíveis – são bens incorpóreos, não
palpáveis como marcas e patentes;
iii. Bens Imóveis – os que são vinculados ao solo,
como um terreno; e
iv. Bens Móveis – que são aqueles que podem ser
removidos como as máquinas, equipamentos,
estoques e outros.
b. Direitos: são os bens que pertencem à empresa, porém não
estão em poder dela, estão em poder de terceiros como por
exemplo o dinheiro aplicado que está no banco, mas pertence
a empresa, vendas a prazo onde a empresa entregou a
mercadoria, porém o valor monetário será recebido
posteriormente.
c. Obrigações: são os bens em poder da empresa, porém
pertencem a terceiros, são relativas as dívidas que a empresa
tem para com os terceiros citando fornecedores a pagar,
salários a pagar ou empréstimos a pagar como exemplo.

E que por sua vez é controlado pela Contabilidade, que ainda


segundo Polizel et al. (2015, p. 9):

É uma ciência social que está embasada nos pilares contábeis da entidade
e da continuidade, ou seja, o valor monetário da pessoa jurídica não se
mistura com o valor monetário da pessoa física e que a empresa é um corpo
em movimento. E também possuí princípios e regras como qualquer
organização. Embora a contabilidade se utilize de métodos quantitativos,
não se pode confundi-la com uma ciência exata, como a matemática.

A contabilidade precisa ser exata, pois ela auxilia a empresa a


cumprir corretamente a legislação contábil do país e também é uma excelente fonte
de informação para tomada de decisões, que se forem mal executadas podem levar
a empresa às ruínas.
Polizel et al. (2015, p.32) ainda diz que a alocação correta das
contas patrimoniais permite a organização, a verificação de sua estrutura, a sua
liquidez e o seu grau de endividamento e como a empresa está em constante
movimento, comprando, vendendo, tomando empréstimos, pagando obrigações,
estes movimentos são denominados fatos contábeis, que segundo Ribeiro (apud
POLIZEL et al. 2015) são:

Nada mais que acontecimentos que ocorrem na entidade e que provocaram


modificações no patrimônio, sendo, portanto, objeto de contabilização nas
contas contábeis patrimoniais obrigatoriamente, conforme os princípios
fundamentais da Contabilidade.

O patrimônio é demonstrado pelo balanço patrimonial, que é a


demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa
determinada data, a posição patrimonial e financeira da entidade conforme definição
da equipe do Portal da Contabilidade (200-) e que é constituído por:

I. Ativo: que compreende os bens, os direitos e as demais


aplicações de recursos controlados pela entidade, capazes de
gerar benefícios econômicos futuros, originados de eventos
ocorridos.
II. Passivo: compreende as origens de recursos representados
pelas obrigações para com terceiros, resultantes de eventos
ocorridos que exigirão ativos para a sua liquidação.
III. Patrimônio Líquido: compreende os recursos próprios da
entidade, e seu valor é a diferença positiva entre o valor do
Ativo e do Passivo.

As definições dos grupos são dadas conforme o CPC (Comitê de


Pronunciamentos Contábeis) 00 – R1 – Capítulo 4 – item 4.4 e das contas presente
no balanço patrimonial conforme a Lei nº 6.404/76 atualizada pelas Leis nº
11.638/07 e nº 11.941/09. O artigo 179 classifica as contas do seguinte modo:

“l – no ativo circulante: as disponibilidades – que correspondem


aos recursos que estão à disposição imediata da empresa (caixa, bancos,
aplicações financeiras de liquidez imediata), os direitos realizáveis no curso
do exercício social subsequente – que são as contas que serão convertidas
em dinheiro dentro do exercício seguinte (aplicações financeiras, clientes,
estoques, impostos a recuperar e outros) e as aplicações de recursos em
despesas do exercício seguinte – que se refere a despesas antecipadas, ou
seja, despesas futuras que ainda não foram realizadas (seguros a vencer,
assinaturas de jornais e revistas, contrato de aluguel entre outros)”.

Já o ativo não circulante é composto de quatro grupos que de


acordo com a Lei – Art. 179 são:

ll – ativo realizável a longo prazo, são os direito realizáveis


após o término do exercício seguinte;

lll – investimentos, que são as participações permanentes em


outras sociedades e os direitos de qualquer natureza, não classificáveis na
ativo circulante, e que não se destinem à manutenção da atividade da
empresa;

lV – ativo imobilizado, que são os direitos que tenham por


objetivo bens corpóreos destinados à manutenção das atividades da empresa;

V – intangível, os direitos que tenham por objeto bens


incorpóreos destinados à manutenção da empresa.

O art. 180 da Lei se refere ao passivo, ou seja, as obrigações e


dívidas da empresa com terceiros e é composto por passivo circulante e
passivo não circulante. As obrigações da empresa serão classificadas no
passivo circulante quando se vencerem no exercício seguinte e no passivo
não circulante se tiverem vencimento em prazo maior, concordante com os
exemplos: fornecedores, salários e encargos a pagar, impostos a recolher,
provisões, empréstimos e financiamentos entre outros.

2.1 TAREFA 1 – CLASSIFICAÇÃO DO BALANÇO PATRIMÔNIAL

De acordo com a literatura pesquisada, o balanço patrimonial


apresentado no anexo A não atende a legislação pois há erros de classificação de
contas patrimoniais.
Após a correta classificação das contas patrimoniais, o
demonstrativo atende os requisitos da legislação, traz segurança aos gestores da
empresa na tomada de decisão e informa corretamente os interessados, tanto
interno quanto externo, no balanço patrimonial

BALANÇO PATRIMÔNIAL

ATIVO PASSIVO
Ativo Circulante Passivo Circulante
Disponível Fornecedores
Caixa 23.000,00 Fornecedores 59.000,00
Banco Conta Movimento 80.000,00
Estoque de Matéria Prima 30.000,00 Empréstimos e Financiamentos
Clientes Empréstimo a pagar C.P. 15.000,00
Duplicatas a receber 87.500,00
Obrigações Fiscais
Estoque Imposto a recolher 35.000,00
Estoque Prod. Acabados 22.500,00
Obrigações Trabalhistas
Salários a pagar 47.000,00
Ativo Não Circulante FGTS a recolher 4.500,00
Realizável a Logo Prazo INSS a recolher 14.500,00
Títulos a receber L.P. 111.500,00
Passivo Não Circulante
Imobilizado Empréstimos e Financiamentos
Veículos 68.000,00 Empréstimo a pagar L.P. 226,875,00
Imóveis 343.000,00
Depreciação Acumulada (142.500,00) Patrimônio Líquido
Capital Social 250.000,00
Prejuízo Acumulado (28.875,00)

TOTAL DO ATIVO R$ 623.000,00 TOTAL DO PASSIVO R$ 623.000,00

2.2 TAREFA 2 – ADICIONANDO OS FATOS CONTÁBEIS

Foi identificado dois fatos contábeis que não foram reconhecidos no


exercício social, que é definido por Masi (2016) como sendo o período de avaliação
do desempenho de um empreendimento: um período pré-estabelecido, que serve de
base para determinar quais as receitas e despesas que serão considerados para
apuração de seu resultado econômico-financeiro e que o não lançamento fere os
princípios da Contabilidade: Princípio da Oportunidade em que o lançamento deve
ser integro e tempestivo, ou seja, um lançamento correto e no momento certo e o
Princípio da Competência em que as receitas e despesas devem ser incluídas na
apuração do resultado do período em que ocorrem independentemente de
recebimento ou pagamento.
Os fatos não considerados no período são:
A. Aquisição de um veículo mediante transferência bancária no
valor de R$33.000,00.
B. Aumento de capital Social mediante a entrega de um terreno
no valor de R$150.000,00.

BALANÇO PATRIMÔNIAL

ATIVO PASSIVO
Ativo Circulante Passivo Circulante
Disponível Fornecedores
Caixa 23.000,00 Fornecedores 59.000,00
Banco Conta Movimento 47.000,00
Estoque de Matéria Prima 30.000,00 Empréstimos e Financiamentos
Clientes Empréstimo a pagar C.P. 15.000,00
Duplicatas a receber 87.500,00
Obrigações Fiscais
Estoque Imposto a recolher 35.000,00
Estoque Prod. Acabados 22.500,00
Obrigações Trabalhistas
Salários a pagar 47.000,00
Ativo Não Circulante FGTS a recolher 4.500,00
Realizável a Logo Prazo INSS a recolher 14.500,00
Títulos a receber L.P. 111.500,00
Passivo Não Circulante
Imobilizado Empréstimos e Financiamentos
Veículos 101.000,00 Empréstimo a pagar L.P. 226,875,00
Imóveis 343.000,00
Terreno 150.000,00 Patrimônio Líquido
Depreciação Acumulada (142.500,00) Capital Social 400.000,00
Prejuízo Acumulado (28.875,00)

TOTAL DO ATIVO R$ 773.000,00 TOTAL DO PASSIVO R$ 773.000,00

2.3 TAREFA 3 – INDICADORES DE LIQUIDEZ E INTERPRETAÇÃO

Após a reestruturação do Balanço Patrimonial os sócios têm


condições de analisar os indicadores de liquidez da empresa, que para Marion
(2007, p. 83) é:

Os Índices de Liquidez são utilizados para avaliar a capacidade de


pagamento, isto é, constituem uma apreciação sobre se a empresa tem
capacidade para saldar seus compromissos. Essa capacidade de
pagamento pode ser avaliada, considerando: longo prazo, curto prazo ou
prazo imediato

Portanto eles exprimem uma posição financeira da empresa em um


dado momento no tempo e procuram medir quão sólida é a base financeira da
empresa. Cada índice tem uma fórmula e interpretação única:
I. Liquidez Geral: de acordo com Silva (2006) a interpretação do
índice de Liquidez Geral é no sentido de quanto maior,
melhor, mantidos constantes os demais fatores. Se a
empresa fosse pagar suas dívidas ela deveria utilizar somente
seu disponível e seus realizáveis sem envolver o ativo
permanente, de acordo com a fórmula abaixo.
( Ativo Circulante+ Realizável a Longo Prazo)
Liquidez Geral=
( Passivo Circulante+ Passivo Não Circulante)

O resultado da fórmula é 0,8, ou seja, para cada R$1,00 de dívida a


curto e longo prazo ela tem R$0,80 a receber a curto e longo prazo.
II. Liquidez Corrente: esse índice é um dos indicadores
financeiros mais utilizados, pois mede a capacidade da
empresa de pagar suas obrigações de curto prazo. (SILVA,
2006).

AtivoCirculante
Liquidez Corrente=
Passivo Circulante
O resultado da operação é 1,2, isto indica que a empresa tem capital
de giro. Que os valores disponíveis são maiores do que os compromissos de curto
prazo.
III. Liquidez Seca: indica o quanto a empresa poderá dispor de
recursos circulantes, sem vender seus estoques, para fazer
frente as suas obrigações a longo prazo. (SILVA, 2003).

( Ativo Circulante−Estoques)
Liquidez Seca=
Passivo Circulante

Pela interpretação do resultado, que foi 0,90, a empresa tem mais a


pagar do que a receber, revela que a empresa depende das vendas dos estoques
para saldar as obrigações a curto prazo. Quanto menor o índice, maior será a
dependência das vendas de seus estoques.
IV. Liquidez Imediata: este índice mostra quanto de dinheiro a
empresa dispõe (em Caixa e Banco Conta Movimento) para
saldar as dívidas de curto prazo.

Disponível
Liquidez Imediata=
PassivoCirculante

O resultado, de 0,40, indica que para cada R$ 1,00 de dívidas de


curto prazo a empresa tem R$ 0,40 de disponibilidade. Mesmo sendo um índice
baixo ele não tem muito realce, pois trata-se de obrigações que vencerão em datas
diversas podendo ser em sete dias ou mesmo quatro meses. Este índice varia
dependendo do tipo de organização e orientação a vendas, Silva (2003) diz que em
se tratando de empresa varejista, que venda diariamente elevadas somas à vista, a
disponibilidade pode modificar-se sensivelmente de um dia para o outro.

2.4 TAREFA 4 – EMPRÉSTIMO CONTRATADO

Segundo o Portal Brasil (2009) empréstimo é um contrato que o


cidadão ou empresa faz com a instituição financeira para receber uma quantia em
dinheiro que deverá ser devolvida ao banco em prazo determinado, acrescida de
juros e encargos. (grifo nosso).
A Indústria ABC, tomou um empréstimo no valor de R$241.875,00
nas seguintes condições:
 Prestações fixas mensais, onde a 1ª parcela será paga após
30 dias da data do contrato;
 Período de três anos, ou seja, 36 meses;
 Com uma taxa de juros de 0,03% ao mês
Para apresentar o valor de cada parcela aos gestores da empresa,
serão utilizados dois formatos de cálculo, um com uma calculadora financeira e outro
utilizando a fórmula clássica como demonstrado logo abaixo:

HP 12C Fórmula
( 1+ i )n . i
PV = R$241.875,00 PMT =PV
[
( 1+i )n−1 ]
n = 36 meses

(1+ 0 ,0003 )36 . 0 , 0003


PMT =241875
[
(1+ 0 ,0003 )36−1 ]
1 , 0109 . 0 ,0003
i = 0,03% PMT =241875 [ 1, 0109−1 ]
PMT = R$6.756,10 PMT =241875 . 0 ,0275
PMT =R $ 6657,11
Após os referidos cálculos chegou-se aos seguintes resultados:
a) Pela calculadora HP 12C: R$6.756,10
b) Pela fórmula padrão: R$6.657,11
c) A diferença observada se refere ao arredondamento realizado
nos dados da fórmula, na calculadora científica HP 10s foram
utilizadas 4 casas decimais.

2.5 TAREFA 5 – FINANCIAMENTO DE VEÍCULOS

O financiamento de veículo é uma modalidade muito utilizada para a


aquisição de um automóvel, caminhão ou utilitário e ele é realizado por três opções:

 Crédito Direto ao Consumidor - CDC: é realizado um empréstimo em


uma instituição financeira ou banco, seja ele privado ou público. O carro
fica de posse do comprador, mas não pode ser negociado, pois está
alienado ao banco, até que sejam pagas todas as parcelas;
 Leasing: nesta opção quem compra o carro são as empresas de
leasing, geralmente um banco, que aluga o veículo ao consumidor.
Assim ele paga pelo aluguel do veículo, que fica em nome da empresa
de leasing até o término das prestações, quando, sem ter que pagar
mais nenhuma prestação, o consumidor passa a ser o dono do veículo;
 Consórcio: aqui o consumidor faz parte de um grupo formado por outros
compradores, organizado por uma administradora de consórcios. O
cliente paga as prestações, mas só recebe o veículo quando for
sorteado, além do sorteio, há a possibilidade de o consorciado oferecer
lances, que é um adiantamento das parcelas a vencer, neste caso que
oferecer o maior lance será o vencedor. Diferentemente do CDC e do
Leasing as prestações sofrem alterações referentes a variação do
veículo, se o preço do carro aumenta a prestação sobe e se há uma
redução, desconto de IPI – Imposto sobre Produtos Industrializados – a
parcela diminui. (UOL, 2017).

A empresa decidiu investir em mais três veículos avaliados em


R$179.450,00, foi pesquisado junto a três Instituições financeiras e foram
apresentadas taxas de juros e prazos de pagamentos conforme os dados abaixo.

A) HP 12C Fórmulas
(1+i )n .i
PV= R$179.450,00 PMT =PV n
( 1+i ) −1

( 1+i )n−1
FV =PMT [ i ]
i= 0,03%
n= 12 meses
FV = R$180.097,09

Resolução das fórmulas com os dados da Instituição A:

( 1+0,0003 )12 .0,0003 (1+0,0003 )12−1


PMT =179450 12
( 1+0,0003 ) −1
FV =14954,17
0,0003 [ ]
( 1 , 0003 )12 .0,0003 ( 1 , 0003 )12−1
PMT =179450 12
( 1 , 0003 ) −1
FV =14954,17
0,0003 [ ]
1,0036 .0,0003 1,0036−1
PMT =179450
1,0036−1
FV =14954,17 [
0,0003 ]
0,0003 0 ,0036
PMT =179450
0,0036
FV =14954,17 [
0,0003 ]
PMT =179450 .0,0833 FV =14954,17 .12
PMT =R $ 14.954,17 . FV =R $ 179.450,04

Para a Instituição A a parcela mensal é de R$14.954,17 e o valor a


ser pago no futuro é R$179.450,04.
Resolução das fórmulas com os dados da instituição B:
B) HP 12C Fórmulas
(1+i )n .i
PV= R$179.450,00 PMT =PV n
( 1+i ) −1

( 1+i )n−1
FV =PMT [ i ]
i= 0,01%
n= 36 meses
FV = R$180.097,15

( 1+0,0001 )36 .0,0001 ( 1+0,0001 )36−1


PMT =179450 36
( 1+0,0001 ) −1
FV =4988,71
0,0001 [ ]
( 1 , 0001 )36 .0,0001 ( 1 ,0001 )36−1
PMT =179450 36
( 1 , 0001 ) −1
FV =4988,71
0,0001[ ]
1,0036 .0,0001 1,0036−1
PMT =179450
1,0036−1
FV =4988,71 [0,0001 ]
0,0001 0 , 0036
PMT =179450
0,0036
FV =4988,71 [
0,0001 ]
PMT =179450 .0,0278 FV =4988,71.36
PMT =R $ 4.988,71 FV =R $ 179.593,56

Já para a Instituição B, a parcela mensal é de R$4.988,71 e o valor a


ser pago no futuro é R$179.593,56.

C) HP 12C Fórmulas
(1+i )n .i
PV = R$179.450,00 PMT =PV n
( 1+i ) −1

( 1+i )n−1
FV =PMT [ i ]
i= 0,05%
n= 7 meses
FV = R$180.079,02

Resolução das fórmulas com os dados da instituição C:

( 1+0,0005 )7 .0,0005 ( 1+ 0,0005 )7−1


PMT =179450 7
( 1+0,0005 ) −1
FV =25643,40 [
0,0005 ]
( 1 , 0005 )7 .0,0005 ( 1 , 0005 )7−1
PMT =179450 7
( 1 , 0005 ) −1
FV =25643,40 [
0,0005 ]
1,0035 .0,0005 1,0035−1
PMT =179450
1,0035−1
FV =25643,40 [
0,0005 ]
0,0005 0 , 0035
PMT =179450
0,0035
FV =25643,40 [
0,0005 ]
PMT =179450 .0,1429 FV =25643,40 .7
PMT =R $ 25.643,40 FV =R $ 179.503,80

Depois dos cálculos com os referidos dados da Instituição B, a


parcela mensal é de R$25.643,40 e o valor a ser pago no futuro é R$179.503,80.
De acordo com a tabela 1, onde foram destacados os menores
dados informados pelas Instituições, pode-se notar que os valores finais são,
praticamente, os mesmos, portanto sugere-se realizar o negócio com a Instituição A,
pois ela oferece um prazo mediano de 12 meses e com uma prestação de
R$14.954,17 e com um valor total de R$179.450,04.

Tabela 1 – Resultado das fórmulas

Fonte: Do autor (2017).

Já a tabela 2, evidencia os resultados obtidos pela calculadora


financeira HP 12C®, onde fica claro que a diferença dos valores de cada operação se
dá devido ao arredondamento de casas decimais, portanto o valor da Instituição A é
ainda o mais vantajoso.

Tabela 2 – Resultados da Calculadora Científica

Fonte: Do autor (2017).

2.6 TAREFA 6 – TABELA VERDADE

Devido as inconsistências de lançamentos e de informações, gerou-


se a dúvida a respeito da veracidade dos lançamentos dos ativos, passivos e do
fechamento do Balanço Patrimonial, portanto será utilizada a lógica, que Zanin
(2016) diz que proporciona um pensamento mais organizado e uma melhor
ordenação e utilização de argumentos para a construção de uma conclusão válida.
Logo, para elucidar a questão observada: “foram lançados no
balanço patrimonial os bens ativos e os passivos se e somente se o Balanço
Patrimonial está fechado?” foi montada a Tabela Verdade, tabela 3, que é utilizada
para determinar o valor lógico de uma proposição composta.
Para tanto foi apresentada as seguintes proposições sentenças
declarativas fechadas que podem ser associadas a somente um valor lógico (ZANIN,
2016):
I. Foram lançados no balanço patrimonial os bens ativos;
II. Foram lançados no balanço patrimonial os bens
passivos
III. O balanço patrimonial está encerrado.

Tabela 3 – Tabela Verdade


p q r p^q (p ^ q)  r
V V V V V
V V F V F
V F V F F
F V V F F
F F V F F
F V F F V
V F F F V
F F F F V
Fonte: do autor (2017).

A interpretação da tabela 3 mostra que a afirmação feita na pergunta


só será verdadeira nas seguintes hipóteses, quando os dois lançamentos foram
feitos junto com o fechamento do balanço, que é o que se quer, ou quando nenhum
dos trabalhos é realizado.

2.7 TAREFA 7 – RELATÓRIO FINAL

Após a conclusão das tarefas foi elaborado o relatório conclusivo


que auxiliará os gestores da Indústria ABC na administração e na tomada de
decisões durante a gestão do empreendimento.

2.7.1 Reclassificação das Contas do Balanço Patrimonial e Apresentação do


Demonstrativo Corrigido

Foram movidas as contas Caixa, Duplicatas a Receber, Títulos a


Receber L.P., do Passivo para o Ativo e as contas Empréstimos a Pagar C.P.,
Empréstimos a Pagar L.P., INSS a Recolher e Depreciação Acumulada do Ativo
para o Passivo de acordo com suas classificações, desta forma pode-se apresentar
o Balanço Patrimonial corrigido, conforme tabela 4.
Tabela 4 – Balanço Patrimonial Reestruturado
BALANÇO PATRIMÔNIAL
ATIVO PASSIVO
Ativo Circulante Passivo Circulante
Disponível Fornecedores
Caixa 23.000,00 Fornecedores 59.000,00
Banco Conta Movimento 80.000,00
Estoque de Matéria Prima 30.000,00 Empréstimos e Financiamentos
Clientes Empréstimo a pagar C.P. 15.000,00
Duplicatas a receber 87.500,00
Obrigações Fiscais
Estoque Imposto a recolher 35.000,00
Estoque Prod. Acabados 22.500,00
Obrigações Trabalhistas
Salários a pagar 47.000,00
Ativo Não Circulante FGTS a recolher 4.500,00
Realizável a Logo Prazo INSS a recolher 14.500,00
Títulos a receber L.P. 111.500,00
Passivo Não Circulante
Imobilizado Empréstimos e Financiamentos
Veículos 68.000,00 Empréstimo a pagar L.P. 226,875,00
Imóveis 343.000,00
Depreciação Acumulada (142.500,00) Patrimônio Líquido
Capital Social 250.000,00
Prejuízo Acumulado (28.875,00)

TOTAL DO ATIVO R$ 623.000,00 TOTAL DO PASSIVO R$ 623.000,00


Fonte: Indústria ABC (2017).

2.7.2 Lançamento dos Fatos Contábeis Não Considerados Anteriormente

Foi observado que dois fatos contábeis não foram lançados no


momento apropriado, o que fere um dos princípios da Contabilidade, o Princípio da
Competência, fato que impacta negativamente na veracidade do Balanço
Patrimonial e que pode causar erros graves na tomada de decisão além de acarretar
sérios problemas na contabilidade e a possibilidade de uma autuação fiscal.

Tabela 5 – Balanço Patrimonial Atualizado


BALANÇO PATRIMÔNIAL
ATIVO PASSIVO
Ativo Circulante Passivo Circulante
Disponível Fornecedores
Caixa 23.000,00 Fornecedores 59.000,00
Banco Conta Movimento 47.000,00
Estoque de Matéria Prima 30.000,00 Empréstimos e Financiamentos
Clientes Empréstimo a pagar C.P. 15.000,00
Duplicatas a receber 87.500,00
Obrigações Fiscais
Estoque Imposto a recolher 35.000,00
Estoque Prod. Acabados 22.500,00
Obrigações Trabalhistas
Salários a pagar 47.000,00
Ativo Não Circulante FGTS a recolher 4.500,00
Realizável a Logo Prazo INSS a recolher 14.500,00
Títulos a receber L.P. 111.500,00
Passivo Não Circulante
Imobilizado Empréstimos e Financiamentos
Veículos 101.000,00 Empréstimo a pagar L.P. 226,875,00
Imóveis 343.000,00
Terreno 150.000,00 Patrimônio Líquido
Depreciação Acumulada (142.500,00) Capital Social 400.000,00
Prejuízo Acumulado (28.875,00)

TOTAL DO ATIVO R$ 773.000,00 TOTAL DO PASSIVO R$ 773.000,00


Fonte: Indústria ABC (2017).

2.7.3 Indicadores de Liquidez e Suas Interpretações

O Índices de Liquidez e suas corretas interpretações são de


fundamental importância para a gestão, pois eles mostram a solidez da base
financeira da organização.
Os Indicadores são quatros, a saber:
 Liquidez Geral: que mede o pagamento das dívidas somente
com os Disponíveis e os Realizáveis sem envolver o Ativo
Permanente, no caso da Indústria ABC, o resultado obtido foi
0,80, ou seja, para cada R$1,00 de dívida a curto prazo ela
tem R$0,80 a receber.
 Liquidez Corrente: que mede a capacidade da empresa pagar
suas obrigações de curto prazo, no caso estudado o resultado
foi 1,2, que significa que os valores disponíveis são maiores
que os compromissos de curto prazo.
 Liquidez Seca: indica o quanto a empresa poderá dispor de
recursos circulantes, sem vender seus estoques, para fazer
frente as suas obrigações a longo prazo, no caso da Indústria
ABC o índice obtido foi 0,90, ou seja, ela tem mais a pagar do
que receber.
 Liquidez Imediata: mostra o quanto de dinheiro a empresa
dispõe para saldar as dívidas de curto prazo. Neste indicador
a empresa tem R$0,40 para cada R$1,00 de dívida.
Estes índices devem ser analisados em conjunto e dependendo do
tipo da organização e sua orientação para vendas, se atacado ou varejo, se a vista
ou prazo, pode influenciar na sua interpretação, de forma geral a empresa está bem
financeiramente, pois se ela encerrasse suas atividades hoje teria condição de
saldar suas dívidas.

2.7.4 Empréstimo e Suas Parcelas

A estratégia levou os gestores a tomarem um empréstimo em que o


contrato foi assinado nos seguintes termos: prazo de pagamento em três anos, ou
seja, em 36 meses com prestações fixas, uma taxa de juros de 0,03% ao mês e com
o primeiro pagamento após 30 dias da sua assinatura.
De acordo com os cálculos realizados, será paga uma parcela
mensal no valor de R$6.756,10 de acordo com o resultado apresentado pela
calculadora científica HP 12C, vide figura 1.

Figura 1 – Demonstrativo de Cálculo HP 12C


Fonte: Do autor (2017)

2.7.5 Aquisição de Veículos

Devido à necessidade, os gestores decidiram investir um valor


R$179.450,00 em três veículos. Foram pesquisadas três Instituições Financeiras e
encontrou-se as seguintes opções:
 Instituição A: taxa de 0,03% ao mês e 12 meses para
pagamento;
 Instituição B: taxa mensal de 0,01% e 36 parcelas;
 Instituição C: taxa de juros em 0,05% com pagamento em
sete meses.
Após os cálculos realizados, obteve-se os valores conforme a tabela
1:

Tabela 1 – Resultado das fórmulas

Fonte: Do autor (2017).

O valor total a ser pago é, basicamente, o mesmo, portanto devemos


analisar o valor e quantidade de parcelas a serem pagas, pois o prazo pode
impactar em outras decisões ou necessidades da empresa. Sugere-se a Instituição
A como a mais favorável para realizar o financiamento, pois ela tem um valor de
parcela não muito elevado como a Instituição C e um prazo de pagamento razoável.

2.7.6 Valores Lógicos

Diante dos estudos realizados na Indústria ABC, verificou-se a


inconsistência em algumas informações, com a incerteza na veracidade, considerou-
se a possibilidade de serem verdadeiras ou falsas.
Para resolver a questão criou-se uma Tabela Verdade com as
informações obtidas e o resultado da análise foi a seguinte:
De acordo com a tabela 3, mostra que a afirmação feita na pergunta
só será verdadeira nas seguintes hipóteses, quando os dois lançamentos foram
feitos junto com o fechamento do balanço, que é o que se quer, ou quando nenhum
dos trabalhos é realizado.

Tabela 3 – Tabela Verdade


p q r p^q (p ^ q)  r
V V V V V
V V F V F
V F V F F
F V V F F
F F V F F
F V F F V
V F F F V
F F F F V
Fonte: do autor (2017).
3 CONCLUSÃO

Após concluído a resolução das questões levantadas, foi gerado um


relatório com os principais pontos identificados em relação a importância da
classificação corretas de contas, tanto no Ativo quanto no Passivo, o lançamento
dos fatos contábeis no momento em que ocorrem, não ferindo assim os princípios da
Contabilidade, em especial os Princípios da Oportunidade e o da Competência.
Apoiando a decisão na escolha da instituição que financiará a
compra dos veículos necessários para a empresa e também no valor de cada
parcela que será paga no empréstimo tomado. Auxiliando os gestores na
interpretação dos indicadores de Liquidez Geral, Corrente, Seca e Imediata
juntamente com a execução das fórmulas.
E também criando uma tabela verdade para verificar a veracidade
das informações obtidas na seguinte questão: Foram lançados no balanço
patrimonial os bens ativos; foram lançados no balanço patrimonial os bens passivos
e se o balanço patrimonial está encerrado.
Espera-se que com o relatório os gestores da Indústria ABC possam
tomar decisões mais assertivas e administrar melhor a organização levando-a atingir
seus objetivos traçados.
REFERÊNCIAS

COMITÊ de Pronunciamentos Contábeis. CPC00 (R1). Disponível em:


http://static.cpc.mediagroup.com.br/Documentos/147_CPC00_R1.pdf Acesso em: 18
out. 2017.

MASI, Vito. O que significa exercício social. Disponível em:


http://nossoblog.vitomasi.com.br/o-que-e-exercicio-social/. Acesso em: 18 out. 2017.

MARION, José Carlos. Análise das Demonstrações Contábeis: Contabilidade


Empresarial. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

PORTAL Brasil. Empréstimos. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/economia-e-


emprego/2009/11/emprestimos. Acesso em: 20 out. 2017.

PORTAL da Contabilidade. Balanço patrimonial. Disponível em:


http://www.portaldecontabilidade.com.br/guia/balancopatrimonial.htm. Acesso em: 18
out. 2017.

POLIZE, Gisele Zanardi; VILLALVA, Wagner Luiz; SANTOS, Willian Ferreira dos.
Contabilidade. Londrina: Editora e distribuidora Educacional S.A., 2015.

SILVA, Adriana Barbosa Sousa. Capital de giro e análise das demonstrações


financeiras. Londrina: Editora e Distribuidora Educacional S.A., 2016.

SILVA, Lanna Golenhesky Luz da. Análise dos demonstrativos financeiros:


capacidade de pagamento. 2003. 18 f. Monografia (Ciências Contábeis) -
Universidade Federal do Pará, Belém – PA.

UOL. Como funciona o financiamento de carros. Disponível em:


https://economia.uol.com.br/financas-pessoais/guias-financeiros/guia-como-
funciona-o-financiamento-de-carros.htm. Acesso em: 21 out. 2017.

ZANIN, Vagner Luis. Raciocínio lógico e matemático. Londrina: Editora e


Distribuidora Educacional S.A., 2016.

Você também pode gostar