Você está na página 1de 23

DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

Janaína Mascarenhas
Lei da Pessoa com Deficiência
Lei nº 13.146/2015 - Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com
Deficiência).

Art. 1o É instituída a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com
Deficiência), destinada a assegurar e a promover, em condições de igualdade, o exercício dos direitos e
das liberdades fundamentais por pessoa com deficiência, visando à sua inclusão social e cidadania.
Parágrafo único. Esta Lei tem como base a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e
seu Protocolo Facultativo, ratificados pelo Congresso Nacional por meio do Decreto Legislativo no 186, de
9 de julho de 2008, em conformidade com o procedimento previsto no § 3o do art. 5o da Constituição da
República Federativa do Brasil, em vigor para o Brasil, no plano jurídico externo, desde 31 de agosto de
2008, e promulgados pelo Decreto no 6.949, de 25 de agosto de 2009, data de início de sua vigência no
plano interno.
Meia entrada em eventos culturais
Lei Federal nº 12.933/2013,

Art. 1º, ...


§ 8º Também farão jus ao benefício da meia-entrada as pessoas com deficiência, inclusive seu
acompanhante quando necessário, sendo que este terá idêntico benefício no evento em que comprove
estar nesta condição, na forma do regulamento.

Decreto Federal n° 8.537/15:


Art. 6º As pessoas com deficiência terão direito ao benefício da meia-entrada mediante a apresentação,
no momento da aquisição do ingresso e na portaria ou na entrada do local de realização do evento:

I - do cartão de Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social da Pessoa com Deficiência; ou


II - de documento emitido pelo Instituto Nacional do Seguro Social - INSS que ateste a aposentadoria de
acordo com os critérios estabelecidos na Lei Complementar nº 142, de 8 de maio de 2013.
§ 1º Os documentos de que tratam os incisos I e II do caput deverão estar acompanhados de
documento de identificação com foto expedido por órgão público e válido em todo o território nacional.

§ 2º Os documentos previstos nos incisos I e II do caput serão substituídos, conforme regulamento, quando
for instituída a avaliação da deficiência prevista no § 1º do art. 2º da Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015,
para fins de meia entrada.

§ 3º Quando a pessoa com deficiência necessitar de acompanhamento, ao seu acompanhante


também se aplica o direito ao benefício previsto no caput.

§ 4º Enquanto não for instituída a avaliação de que trata o § 2º, com a identificação da necessidade ou
não de acompanhante para cada caso, o benefício de que trata o § 3º será concedido mediante
declaração da necessidade de acompanhamento pela pessoa com deficiência ou, na sua
impossibilidade, por seu acompanhante, no momento da aquisição do ingresso e na portaria ou na
entrada do local de realização do evento.

http://especialesercrianca.blogspot.com/2018/06/direito-da-pessoa-com-deficiencia-meia.html
Desconto em Passagens Aéreas
RESOLUÇÃO Nº 009, DE 05 DE JUNHO DE 2007
Art. 48. As empresas aéreas ou operadores de aeronaves só poderão exigir um acompanhante para o
passageiro portador de deficiência, independentemente da manifestação de seu interesse, quando a
critério da empresa aérea ou das operadoras de aeronaves, por razões técnicas e de segurança de vôo,
mediante justificativa expressa, por escrito, considere essencial a presença de um acompanhante.
§ 1º. Na hipótese da empresa aérea exigir a presença de um acompanhante para o passageiro portador
de deficiência, deverá oferecer para o seu acompanhante, desconto de, no mínimo, 80% da tarifa
cobrada do passageiro portador de deficiência.
§ 2º O acompanhante deverá viajar na mesma classe e em assento adjacente ao da pessoa portadora
de deficiência.
Formulário MEDIF (Medical Information Form) ou do cartão Fremec (Frequent Traveller Medical Card).
A diferença básica entre esses dois formulários é que o MEDIF precisa ser preenchido a cada viagem,
enquanto que o FREMEC tem validade de 1 ano e pode ser usado por pessoas que possuam um quadro
de saúde estável. O relatório é preenchido pelo médico e o FREMEC pode ser preenchido por qualquer
pessoa, porém deve ter assinatura do médico.
COMO FAZER?

http://www.melhoresdestinos.com.br/medif-fremec-tam-latam-gol-azul.html
Vaga especial de estacionamento
COMO PROCEDER PARA SOLICITAR A CREDENCIAL

1. Selecionar a credencial desejada. Preencher o formulário, imprimir e assinar a Solicitação de Credencial para Estacionamento Vaga Especial.

2. Anexar ao formulário os seguintes documentos:


◦ Cópia autenticada em cartório do Documento oficial de identificação com fotografia, que conste o número do RG e CPF (caso env iado pelo
Correio) ou cópia simples acompanhada do original para autenticação na TRANSALVADOR (caso entregue pessoalmente);
◦ Cópia autenticada em cartório do Comprovante de residência com data de emissão não superior a 03 (três) meses (caso enviado pelo Correio)
ou cópia simples acompanhada do original para autenticação na TRANSALVADOR (caso entregue pessoalmente);
◦ Para Pessoas com deficiência e/ou com mobilidade reduzida - Atestado Médico. Cópia autenticada em cartório (caso enviado pelo Correio) ou
cópia simples acompanhada do original para autenticação na TRANSALVADOR (caso entregue pessoalmente). O atestado médico deve conter
a indicação da deficiência e/ou mobilidade reduzida, de acordo com o Código Internacional de Doenças - CID, o carimbo, o CRM e a assinatura
do médico, preferencialmente, emitido pelo serviço médico oficial da União, do Estado ou Município.

3.Enviar pelo correio ou entregar pessoalmente na TRANSALVADOR

4. Se no prazo de 15 (quinze) dias úteis, após o preenchimento do formulário via web, não forem recebidos os documentos pela TRANSALVADOR,
automaticamente a solicitação será desconsiderada.

Previsão Legal: Lei Federal nº 9.503/97 e 10.098/00 e Resolução nº 304/08 do CONTRAN

http://www.transalvadorantigo.salvador.ba.gov.br/credencial/?pagina=solicitacao/solicitacao
Isenção tributária para aquisição de
veículos
Há previsão legal de isenção de IPI, IOF, ICMS e IPVA.

O Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) incide sobre produtos industrializados, nacionais e
estrangeiros. Em automóveis feitos em solo brasileiro, o IPI corresponde de 7% a 25% ao valor de compra
do veículo (Lei Federal nº 8.989/95)
O Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguros (IOF) incide sobre a compra de veículos em
caso de financiamento. Essa taxa possui diversas alíquotas: 3% ao ano para pessoa física e 0,38% na
abertura da operação de crédito – EXCLUSIVO PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA.
O Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), é uma taxa de pagamento anual
obrigatório para todos os proprietários de veículos. O imposto corresponde a 2,5% do valor venal do
veículo, no caso de veículos leves (Lei Estadual nº 6.348/91)
O Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), incide sobre qualquer compra de
mercadoria no Brasil. Atualmente, a alíquota desse imposto é de 17% do valor do bem (Regulamento do
ICMS. Limitado a veículos com valor final até 70 mil).
http://idg.receita.fazenda.gov.br/orientacao/tributaria/isencoes/isencao-ipi-iof-pessoas-fisicas
Procedimento:

1. Providenciar laudo médico, nos moldes estabelecidos pela Receita Federal

2. Formular pedido eletrônico de isenção de IPI no site da Receita Federal (validade de


270 dias)

3. Solicitar isenção dos tributos estaduais junto ao SAC


(https://www.sefaz.ba.gov.br/scripts/cartadeservicos/index.asp?id=icms_aquisicao_veiculo_pessoas_portadoras_deficiencia_fisi
ca_visual_mental_autista# )

4. Ir à concessionária.
Prioridade na Restituição do IR
O artigo 108, do Estatuto da Pessoa com Deficiência, Lei 13146, de 06 de julho de 2015, alterou a lei 9250,
de 26 de dezembro de 1995, acrescentando um §5o ao artigo 35, com a seguinte redação:

“Sem prejuízo do disposto no inciso IX do parágrafo único do art. 3o da Lei no 10.741, de 1o de outubro de
2003, a pessoa com deficiência, ou o contribuinte que tenha dependente nessa condição, tem
preferência na restituição referida no inciso III do art. 4o e na alínea “c” do inciso II do art. 8o”.
Isso significa que o contribuinte, responsável por pessoa com deficiência física ou mental, tem
direito à preferencia na apreciação da restituição. Na prática, isso significa que a restituição será
paga no primeiro lote, sem prejuízo de posterior fiscalização por parte da Receita Federal.
Redução de jornada de trabalho
para os responsáveis
◦ Previsão legal para servidores federais, como também para servidores dos Estados de Rondônia, Rio
Grande do Sul e Rio de Janeiro, dos Municípios de Santos, Nova Iguaçu, Rio de Janeiro e de Guaporé.

◦ Ausência de regulamentação do direito no Estado da Bahia.

◦ Uma sugestão de Projeto de Lei para tramitar o direito encontra-se na Junta Médica para apreciação
desde junho/2018: processo n° 0100170029237.

◦ Judicialmente, tem-se obtido êxito na redução, com fundamento na Convenção Internacional sobre os
Direitos das Pessoas Portadoras de Deficiência, da qual o Brasil é signatário, que foi recebida pela
legislação nacional com status de emenda constitucional.
ALGUMAS DECISÕES CONCESSIVAS

MANDADO DE SEGURANÇA. PRELIMINARES DE I NADEQUAÇÃO DA VI A ELEI TA E ILEGI TIMIDADE PASSIVA. REJEI TADAS. MÉRI TO. SERVIDORA PÚBLICA
ESTADUAL, MÃE DE MENOR PORTADOR DE GRAVE PATOLOGI A. PRETENSÃO DE REDUÇÃO DA CARGA HORÁRIA DE 40 (QUARENTA) HORAS PARA 20
(VI NTE) HORAS SEMANAIS. INEXI STÊNCI A DE PREVISÃO NO ESTATUTO DOS SERVI DORES PÚBLICOS DO ESTADO DA BAHI A. DIREI TO PREVI STO NO
ESTATUTO DOS SERVI DORES PÚBLI COS FEDERAI S (LEI Nº 8.112/90). APLI CAÇÃO ANALÓGICA AO CASO CONCRETO. PREPONDERÂNCIA DOS
PRI NCÍPIOS CONSTI TUCIONAI S DA DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA, DA PROTEÇÃO À FAMÍ LIA E DO MELHOR INTERESSE DA CRI ANÇA. DI REI TO À
REDUÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO COM MANUTENÇÃO DE REMUNERAÇÃO E SEM COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO. PRECEDENTES. SEGURANÇA
CONCEDIDA. (Classe: Mandado de Segurança,Número do Processo: 0008843-80.2016.8.05.0000, Relator (a): Baltazar Miranda Saraiva, Seção
Cív el de Direito Público, Publicado em: 08/03/2018 )
(TJ-BA - MS: 00088438020168050000, Relator: Baltazar Miranda Saraiva, Seção Cível de Direito Público, Data de Publicação: 08/03/2018)

CONSTI TUCIONAL. ADMINISTRATI VO. SERVIDOR PÚBLICO FEDERAL. ASSI STÊNCI A A FI LHO DEFI CIENTE (PARALI SIA CELEBRAL). REDUÇÃO DE JORNADA
DE TRABALHO COM MANUTENÇÃO DE REMUNERAÇÃO E SEM COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO. ARTI GOS 83, PARÁGRAFO 2º, I C/C ART. 98,
PARÁGRAFO 3º. 1. Apela-se da sentença que julgou procedente a pretensão autoral (servidora da UFPE), para assegurar a imediata redução da
jornada de trabalho da demandante, de 40 (quarenta) para 20 (v inte) horas semanais, sem redução de remuneração e sem a necessidade de
compensação de horários, tendo em v ista a necessidade do filho da demandante (portador de deficiência física - paralisia celebral), ser
acompanhado por sua genitora, e receber os tratamentos necessários inerentes. 2. O legislador pátrio desde a promulgação da Constituição
Federal de 1988 vem positivando, irrestritivamente, a doutrina da proteção integral à criança e do adolescente como um todo. As crianças
portadoras de necessidade (deficientes) receberam atenção especial por parte do Congresso Nacional Brasileiro, quando este aprovou, por
meio do Decreto Legislativo nº 186, de 09 de julho de 2008, a "Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência" e seu
"Protocolo Facultativo", assinados em Nov a York, em 20.03.2007. O Presidente, na época ratificou tal medida por meio do Decreto nº 6.949, de 25
de agosto de 2009. 3. A Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência tem o propósito de promov er, proteger e
assegurar o exercício pleno e equitativo de todos os direitos humanos e liberdades fundamentais para todas as pessoas com deficiência, bem
como a acessibilidade aos meios físico, social, econômico e cultural, á saúde, à educação e à informação e comunicação e promover o
respeito pela sua dignidade inerente, sem qualquer tipo de discriminação.

STJ - RECURSO ESPECI AL Nº 1.626.378 - PE (2016/0242377-1)


Acompanhamento terapêutico
multidisciplinar
Qual é o principal problema junto às operadoras de plano de saúde?
É a limitação do acesso dos usuários às sessões multidisciplinares anuais.
A alegação principal das operadoras para tal limitação está no rol da ANS (Agência Nacional de Saúde
Suplementar) que determina a cobertura mínima obrigatória para os profissionais responsáveis pelo
atendimento das crianças com autismo.
A questão é que esse rol não é taxativo, ou seja, ele é apenas uma referência mínima obrigatória de
cobertura que a ANS estabelece para as operadoras de planos de saúde.
Lei 9.656/98
Ela traz como obrigatoriedade a cobertura das doenças listadas na Classificação Estatística Internacional
de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde, freqüentemente designada pela sigla CID - 10. E no
caso específico do autismo, faz parte do Transtorno Global do Desenvolvimento (CID – 10 F84)
Não foi previsto nesta lei nenhuma limitação quanto ao número de sessões ou internações dos usuários
dos planos de saúde.
Sendo assim uma simples resolução da ANS de um órgão regulador não pode se sobrepor a Lei 9.656/98
A Súmula 469 do STJ, segundo a qual "aplica-se o Código de Defesa do Consumidor aos contratos de plano de
saúde" remete esses problemas de limitação de atendimento das operadoras de planos de saúde aos usuários
ao Código de Defesa do Consumidor.
Entendimento do STJ:
- Somente ao médico que acompanha o caso é dado estabelecer qual o tratamento adequado para alcançar
a cura ou amenizar os efeitos da enfermidade que acometeu o paciente.
A seguradora não está habilitada, tampouco autorizada a limitar as alternativas possíveis para o
restabelecimento da saúde do segurado, sob pena de colocarem risco a vida do consumidor.
(...)
Ao propor um seguro-saúde, a empresa priv ada está substituindo o Estado e assumindo, perante o segurado, as
garantias prev istas no texto constitucional.
O argumento utilizado para atrair um maior número de segurados a aderirem ao contrato é o de que o sistema
priv ado suprirá as falhas do sistema público, assegurando-lhes contra riscos e tutelando sua saúde de uma forma
que o Estado não é capaz de cumprir. (REsp 1.053.810/SP – 3ª turma – Relatora Ministra Nancy Andrighi, j.
17/12/09)”
Súmula 302 do STJ:
Essa súmula dev e ser aplicada por analogia “É abusiv a a cláusula contratual de plano de saúde que limita no
tempo a internação hospitalar do segurado”.
Se existe tal abusiv idade para internação, dev e-se concluir que essa abusiv idade pode ser estendida quanto à
limitação de sessões junto ao médico designado.
DECISÃO LIMINAR CONTRA O PLANSERV
DECISÕES RECENTES DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA BAHIA

PROCESSO CIVIL. APELAÇÃO CÍVEL. DIREITO À SAÚDE. PLANO DE SAÚDE. CDC. MENOR IMPÚBERE. AUTOR
PORTADOR DE AUTISMO. NEGATIVA DO PLANO. NECESSIDADE DE REALIZAÇÃO DE TRATAMENTO MÉDICO-
TERAPÊUTICO PRESCRITO POR ESPECIALISTAS. RESTRIÇÃO DO PLANO DE SAÚDE. NÃO CABIMENTO. DIREITO
À SAÚDE. GARANTIA CONSTITUCIONAL. REEMBOLSO DEVIDO DAS DESPESAS COMPROVADAS NOS AUTOS.
DANOS MATERIAIS E MORAIS CONFIGURADOS. SENTENÇA DE PROCEDÊNCIA MANTIDA. RECURSO
IMPROVIDO.
(TJ-BA - APL: 05169577920158050001, Relator: Mário Augusto Albiani Alves Junior, Primeira Câmara Cível,
Data de Publicação: 13/11/2017)

APELAÇÕES CÍVEIS SIMULTÂNEAS. PLANO DE SAÚDE. RELAÇÃO DE CONSUMO. AUTOR MENOR DE IDADE
COM AUTISMO. NECESSIDADE DE REALIZAÇÃO DE TRATAMENTO MÉDICO-TERAPÊUTICO PRESCRITO POR
ESPECIALISTAS. RESTRIÇÕES DO PLANO DE SAÚDE. NÃO CABIMENTO. SÚMULA 302 DO STJ. DANOS MORAIS
CONFIGURADOS. HONORÁRIOS. PARÂMETROS. APELO DA RÉ IMPROVIDO. APELO DA AUTORA PROVIDO EM
PARTE. REFORMA DA SENTENÇA NO CAPÍTULO RELACIONADO AO DANO MORAL.
(TJ-BA - APL: 03439042820138050001, Relator: Mário Augusto Albiani Alves Junior, Primeira Câmara Cível,
Data de Publicação: 26/02/2018)
Passe Livre
DECRETO Nº 8065, DE 03 DE JUNHO DE 1988

REGULAMENTA A LEI Nº 3812/87, QUE ASSEGURA PASSE LIVRE A PESSOA DEFICIENTE E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Art. 1º O Sistema de Passe Livre da Pessoa Deficiente assegura a todo deficiente, até a idade de 18 anos,
passagem gratuita no Sistema de Transporte Coletivo por Ônibus Convencional no Município de Salvador.

§ 1º Entende-se por pessoa deficiente todas aquelas portadoras de deficiência físico-motora, mental,
auditiva e/ou visual.

§ 2º Para o gozo deste benefício, as deficiências referidas no parágrafo anterior deverão ser atestadas
pelas instituições de reabilitação, oficinas e estabelecimentos de ensino especializados, que forem
credenciadas pelo Conselho Municipal para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência.

Art. 2º O passe da pessoa deficiente terá validade nos dias úteis, de segunda a sábado, durante os
períodos de tratamento do portador nas instituições de reabilitação e/ou períodos letiv os nas oficinas e
estabelecimentos de ensino especializados.
VIAGENS INTERESTADUAIS

Todas as pessoas comprovadamente carentes com deficiência


física, mental, auditiva, visual, doença renal crônica ou ostomia
têm direito ao benefício, que é a gratuidade nas viagens
interestaduais de ônibus, barco ou trem. Na hora de viajar...
A definição de deficiência é estabelecida pelo Decreto nº Vá diretamente ao balcão da empresa de transportes e apresente a sua
3.298/1999. credencial junto com o documento de identidade. A passagem pode ser
solicitada até três horas antes do início da viagem. Toda empresa é
O pedido do passe pode ser feito manualmente ou pela internet .
obrigada a reservar dois assentos por viagem, em veículo convencional,
para atender o PASSE LIVRE. Se os assentos já estiverem ocupados, o
Quem tem direito? usuário tem o direito de escolher outro dia ou horário. Os assentos
reservados devem estar, de preferência, na primeira fila das poltronas.
As pessoas que pertencem a uma família com renda mensal de
Acompanhantes devem ser acomodados em poltronas próximas.
até um salário mínimo por pessoa. Para calcular, some os valores
dos ganhos de quem recebe dinheiro em casa (incluindo
pensões, aposentadorias ou lucro de atividade agrícola...) e O acompanhant e tem direito à gratuidade se demonstrado ser
divida o resultado pelo número total de pessoas, até mesmo por necessário para a viagem da pessoa com deficiência, mas não tem
aqueles que não têm renda, como as crianças. Se o resultado for
credencial. Fica vinculado ao cadastro da PCD.
igual ou abaixo de um salário mínimo, a pessoa será considerada
carente.

O prazo para análise, emissão e envio da credencial (carteirinha)


é de 30 dias, a partir do recebimento da documentação pela
equipe do programa.

http://portal.transportes.gov.br/passelivre/o-programa/index.html?como-pedir
Acompanhante Pedagógico
Lei nº 13.146/15:
Art. 3º Para fins de aplicação desta Lei, consideram-se:
...
XIII – profissional de apoio escolar: pessoa que exerce atividades de alimentação, higiene e locomoção
do estudante com deficiência e atua em todas as atividades escolares nas quais se fizer necessária, em
todos os níveis e modalidades de ensino, em instituições públicas e privadas, excluídas as técnicas ou os
procedimentos identificados com profissões legalmente estabelecidas;

https://www.youtube.com/watch?v=pTcu9xwBpLg
OUTROS
O Estatuto da Pessoa com Deficiência garante o recebimento de alguns auxílios, tais como:

•um salário-mínimo à pessoa com deficiência com renda familiar per capita inferior a 1/4 do salário-
mínimo;
•auxílio-reabilitação psicossocial de um salário-mínimo para quem tenha recebido alta de hospitais
psiquiátricos. Esse auxílio faz parte do Programa de Volta para Casa e tem como objetivo reintegrar a
convivência em família;
•aposentadoria com redução de período de contribuição conforme o grau de deficiência, sempre
comprovado por perícia médica;
•auxílio-inclusão para pessoas com deficiência moderada ou grave que entrarem no mercado de
trabalho;
•benefício no saque do FGTS para comprar órteses e próteses.

Para obter esses auxílios, a pessoa com deficiência deve procurar o Centro de Referência de Assistência
Social do município onde mora. Lá, será informada sobre a documentação necessária para cada
benefício.

Você também pode gostar