Você está na página 1de 23

Resolução comentada de exercícios de Química

Analítica
Prof. Doutor Pedro Silva

Exercícios gerais

Exercícios sobre análise gravimétrica

Exercícios sobre considerações gerais de métodos volumétricos

Exercícios sobre titulações de ácido-base

Exercícios sobre titulações de precipitação

Exercícios sobre titulações de complexação

Exercícios sobre titulações de oxidação-redução

Bioquímica metabólica   

Química Orgânica

Exercícios gerais
1. Descreva de que modo prepararia 5,000 L de carbonato de sódio 0,1000 M (105,99 g/mol) a partir
do sólido (substância primária).

m Na2CO3 =nNa2CO3*MM(Na2CO3)
nNa2CO3=c * v
Substituindo:
m Na2CO3 = 0,1000 M *5,000 L * 105,99 g/mol = 53,00 g

2. Para calibração de um método fotométrico para a determinação de sódio é necessário prepara


uma solução padrão de Na+ 0,0100 M . Descreva como prepararia 500,0 cm3 desta solução a partir do
padrão primário Na2CO3.

cNa2CO3 = 1/2 cNa+


nNa2CO3=c * v
m Na2CO3 = nNa2CO3*MM(Na2CO3)
Substituindo:
m Na2CO3 = 1/2 * 0,0100 M *0,5000 L * 105,99 g/mol = 0,265 g

3. Como prepararia 50,00 mL de soluções padrão de Na+ 0,00500 M , 0,00200 M e 0,00100 M a partir da
solução anterior?
ci vi = cf vf
Substituindo:
0,0100 M vi = 0,00500 M 50,00 mL
vi = 0,00500 M 50,00 mL / 0,0100 M = 25,0 mL

Exercícios sobre análise gravimétrica


4. O teor em alumínio numa amostra pode ser determinado por precipitação como uma base e
calcinação a Al2O3, que é pesado. Qual a massa de alumínio numa amostra com 0,2365 g de
precipitado calcinado?

n Al2O3= mAl2O3 / MM(Al2O3)


Substituindo:
n Al2O3= 0,2385 / 101,961 = 2,339 mmol
nAl = 2 nAl2O3 = 4,678 mmol
mAl = nAl * MA(Al) = 4,678 mmol * 26,9815 g/mol = 0,1262 g

5. O conteúdo em cálcio numa amostra de urina pode ser determinado pelo seguinte procedimento:

1º – Precipitação do Ca2+, em meio alcalino, sob a forma de oxalato de cálcio (CaC2O4)

2º – Após lavagem do precipitado com água fria para remoção do oxalato livre, o sólido é
dissolvido em ácido, formando-se Ca2+ e H2C2O4.

3º – O ácido oxálico dissolvido é aquecido a 60 ºC e titulado com uma solução padrão de


permanganato de potássio até viragem para cor violeta (ponto final).

Supondo que na titulação de 5,00 mL de uma amostra de urina sujeita a este tratamento se gastou
16,17 mL da solução padrão de permanganato, calcule a concentração de cálcio na amostra de
urina.

Dados: Para determinar a concentração rigorosa de permanganato de potássio procedeu-se do


seguinte modo: dissolveram-se 0,3562 g de Na2C2O4 num balão volumétrico de 250,00 mL, e titulou-
se 10 mL desta solução com a solução de KMnO4, tendo-se gasto um volume de 48,36 mL.

48,36 mL de KMnO4 titulam 10,00 mL de Na2C2O4


c Na2C2O4 = n Na2C2O4 / v
n Na2C2O4 = m Na2C2O4 / MM (Na2C2O4)
Substituindo, vem:
c Na2C2O4 = 0,3562 g /133,999 g/mol / 0,25000 L = 10,63 mM
E a quantidade de Na2C2O4 presente em 10,00 mL desta solução é:
10,00 mL * 10,63 mM = 1,063 *10-4 mol,
Portanto, se 1,063 *10-4 mol C2O42- titulam 48,35 mL de KMnO4, 16,17 mL de KMnO4 titulam
n C2O42- = 16,17 / 48,35 * 1,063* 10-4 = 3,556 *10 -5 mol,
Esta quantidade de C2O42- é equivalente à quantidade de Ca2+ presente em 5,00 mL da amostra, pelo
que a concentração de Ca2+ nesta é:
[Ca2+] = 3,556 *10 -5 / 5,00 *10-3 L = 7,112 * 10 -3 M

Exercícios sobre considerações gerais de métodos volumétricos

6. Uma amostra de 0,4671 g contendo hidrogenocarbonato de sódio foi dissovida e titulada com
40,72 mL de uma solução padrão de HCl 0,1067 M. Sabendo que a reacção é

HCO3- + H+ -> H2O + CO2

calcule a percentagem de bicarbonato de sódio na amostra.

nHCO3- = n H+ = [H+] * vH+


Substituindo:
nHCO3- = 4,345 mmol
o que corresponde a uma massa de NaHCO3 =
4,345 mmol * MM(NaHCO3) = 4,345 mmol * 84,007 g/mol = 0,3650 g
A amostra dada é portanto:
0,3650 g / 0,4671 g = 78,14 % NaHCO3

7. O alumínio pode ser determinado por titulação com EDTA: Al3+ + H2Y2- -> AlY- + 2 H+. Uma
amostra de 1,00 g contendo Al2O3 requer 20,50 mL de solução de EDTA. Sabendo que para titular
25,00 mL de uma solução 0,100 M de CaCl2 se gastou 30,00 mL de EDTA, calcule a percentagem de
Al2O3 na amostra.

n EDTA = n Ca2+ = [Ca2+] * v Ca2+


Substituindo :
n EDTA = 0,100 M * 25,00 mL = 2,50 mmol
[EDTA] = nEDTA / vEDTA = 2,50 mmol / 30,00 mL = 0,0833 M
Para titular a amostra, são necessários 20,50 mL desta solução, i,e,:
nAl3+ = nEDTA = [EDTA] * vEDTA = 0,0833 M * 20,50 mL = 1,708 mmol,
o que corresponde a uma massa de Al2O3 :
m Al2O3 = n Al2O3 * MM(Al2O3 ) = ½ nAl3+ * MM(Al2O3 ) = ½ * 1,708 mmol * 101,961 g/mol =
87,09 mg
ou seja:
87,09 mg/1,00 g = 8,71 % de Al2O3 na amostra dada,

8. Uma amostra de 0,8040 g de um mineral de ferro foi dissolvida em ácido. Em seguida, reduziu-se
todo o ferro à forma de Fe(II) e titulou-se com 47,22 mL de uma solução padrão de KMnO4 0,02242
M. Calcule os resultados desta análise em termos de % de Fe (55,847 g/mol), e %de Fe3O4 (231,54
g/mol). A reacção do analito com o reagente titulante descreve-se pela seguinte equação:

MnO4- + 8 H+ + 5 Fe2+ → Mn2+ + 5 Fe3+ + 4 H2O

nFe2+ = 5* nMnO4- = 5* [MnO4-] * vMnO4-


nFe2+= 5* 0,02242 M * 47,22 mL = 5,293 mmol
i,e,:
mFe = 5,293 mmol * MA(Fe) = 5,293 mmol * 55,847 g/mol = 295,6 mg ,i,e, 36,77 %
da amostra
mFe3O4= 5,293 mmol * MM(Fe3O4) = 5,293 mmol /3 * 231,54 = 408,5 mg ,i,e, 50,81
% da amostra

9. O monóxido de carbono contido em 20,30 mL de uma amostra de gás foi convertido em CO2
fazendo o gás passar por um leito de pentóxido de iodo aquecido (150 ºC)

I2O5 (s) + 5 CO(g) -> 5 CO2 (g) + I2(g)

O iodo destilado a esta temperatura é recolhido num absorvente que continha 8,25 mL de Na2S2O32-
0,01101 M.

I2 + 2 S2O32- -> 2 I- + S4O62-

O excesso de Na2S2O3 titula-se por retorno com 2,16 mL de uma solução 0,0947 M de I2. Calcule a
massa de CO por litro de amostra.

nCO = 5* nI2 produzido


nI2 produzido = ½ n S2O32- gasto na titulação
n S2O32- gasto na titulação = n S2O32- inicial - n S2O32- final
n S2O32- inicial = [S2O32-] * vS2O32- = 0,01101 M * 8,25 mL = 90,8 mmol
n S2O32- final = 2* nI2 necessário para o titular = 2* [I2] vI2 = 2* 0,00947 M * 2,16 mL
= 20,46 mmol
Portanto:
nCO = 5* ½ n S2O32- gasto na titulação = 5* ½ (90,8 mmol - 20,46 mmol) = 176 mmol
mCO = 176 mmol* 28,01 g/mol = 4,93 mg
Por litro de amostra gasosa:
[CO]= 4,93 mg/20,30 mL =243 mg/L

Exercícios sobre titulações de ácido-base

10. Que volume de Ba(OH)2 é necessário adicionar a 50 mL de NaOH 0,30 M para obter uma solução
0,50 M em HO- ?

2* nBa(OH)2 + nNaOH / vtotal = 0,50 M


Supondo que os volumes são aditivos, vtotal = vBa(OH)2 + vNaOH, Portanto:

2* [Ba(OH)2] * vBa(OH)2 + [NaOH] * vNaOH / (vBa(OH)2 + vNaOH) =0,50 M

0,80 M * vBa(OH) 2 + 0,30 M * 50 mL / (vBa(OH)2 + 50 mL) =0,50 M

0,80 M * vBa(OH) 2 + 15 mmol =0,50 M * vBa(OH)2 + 25 mmol

0,30 M * vBa(OH) 2 = 10 mmol

vBa(OH) 2 = 33 mL

11 Titularam-se 20,00 mL de uma solução de HCl 0,1000 M com uma solução de NaOH 0,1000 M.
Calcule

11.1 o volume equivalente, e o pH da solução no ponto de equivalência.

No ponto de equivalência,

nHO- adicionado = nH+ presente inicialmente

[HO-] vHO- = [H+] vH+

0,1000 M vHO- = 0,1000 M * 25,00 mL

vHO- = 25,00 mL

pH no ponto de equivalência =7,0, uma vez que na titulação de ácido forte com base forte não
se produz nenhuma partícula ácido/base com características diferentes do solvente, e portanto
o pH é o pH do solvente puro,

Nota: Rigorosamente, o catião Na+ em solução aquosa é um ácido fraco, mas dado o seu elevado
pKa (≈14,5) e baixa concentração (0,100 M) em relação à água (55,5 M), não afectará o pH da
solução.

11.2 a variação de pH entre 1% antes e 1% depois do ponto de equivalência

1% antes do volume equivalente:

n H+ restante= 1% n H+ inicial = 1% 0,100 M 25,00 mL = 25 mmol

Volume da solução = vH+ + vHO- = 25,00 mL + 99 % 25,00 mL= 49,75 mL

[H+] = 25 mmol / 49,75 mL = 5,025 * 10-4 M

pH = -log [H+] = 3,3

1% depois do volume equivalente:

n HO- restante= 1% n H+ inicial = 1% 0,100 M 25,00 mL = 25 mmol


Volume da solução = vH+ + vHO- = 25,00 mL + 101 % 25,00 mL= 50,25 mL

[HO-] = 25 mmol / 50,25 mL = 4,975 * 10-4 M

pHO = -log [HO-] = 3,3

pH =14 – pOH = 10,7

12.Titularam-se 20,00 mL de uma solução de ácido acético 0,1000 M com NaOH 5,000 * 10-2 M.
Calcule:

12.1 o volume equivalente de NaOH

No ponto de equivalência,

nHO- adicionado = nCH3COOH presente inicialmente

[HO-] vHO- = [CH3COOH] vCH3COOH

0,05000 M vHO- = 0,1000 M * 20,00 mL

vHO- = 40,00 mL

12.2 o pH no início da titulação, no ponto de equivalência, 1% antes e 1% depois do ponto de


equivalência e após a adição de 50,00 mL de NaOH.

No início da titulação, temos uma solução de ácido fraco

pH = 1/2 pKa -1/2 log [CH3COOH]

pH = 1/2 *4,76 -1/2 (-1)

pH =2,88

No ponto de equivalência, temos uma solução de base fraca:

pH = 7,00 +1/2 pKa +1/2 log [CH3COO-]

pH = 7,00 + 2,38 +1/2 log (0,0333)

pH = 8,64

1% antes ponto de equivalência:

pH = pKa + log ([CH3COO-]/[CH3COOH]

pH= 4,76 + log 99


pH = 6,76

1% depois do ponto de equivalência, o excesso de NaHO equivale a 0,02 mmol, num volume
de 60,40 mL,

[HO-]= 0,02 mmol/60,40 mL = 3,31 * 10-4 M

pH = 14 - pOH =10,52

Após grande excesso (50,00 mL) de titulante, o excesso de NaOH é:

(50,00-40,00) *5,000* 10-2 M = 5,000 * 10-4 mol, num volume de 50,00+20,00 = 70,00 mL,

[HO-]= 0,5000 mmol / 70,00 mL = 7,14 * 10-3 M

pH = 14 - pOH =11,85

Os exercícios 13. a 16. resolvem-se de forma idêntica:

13.Titularam-se 25,00 mL de uma solução de ácido fórmico 0,1200 M com NaOH 0,1000 M. Calcule:

13.1 o volume equivalente de NaOH

13.2 o pH no início da titulação, no ponto de equivalência, 1% antes e 1% depois do ponto de


equivalência e após a adição de 50,00 mL de NaOH.

14.Titularam-se 50,00 mL de NaCN 0,0500 M com HCl 0,1000 M. Calcule o pH depois da adição de 0.00
, 10.00, 25.00 e 26.00 mL de ácido.

15.Trace a curva de titulação de 10,00 mL de uma solução aquosa de ácido sulfúrico 0,1500 M com
uma solução de NaOH 0,3000 M.

16. Esboce as seguintes curvas de titulação:

16.1 20,00 mL de amoníaco 0,1000 M com ácido clorídrico 0,1000 M.

16.2 25,00 mL de ácido maleico 0,1000 M com hidróxido de sódio 0,1000 M.

16.3 20,00 mL de fosfato de sódio 0,1000 M com ácido clorídrico 0,1000 M.


17.Analisou-se uma amostra de 0,7121 g de farinha de trigo pelo método de Kjeldahl:

CaHbNc -----> a CO2 + ½ b H2O + ½ c (NH4)2SO4 (reacção realizada na presença de H2SO4 como
catalizador)

(NH4)2SO4 + OH- ---> 2 NH3 + SO42-

NH3 + HCl --> NH4Cl + HClexcesso

HClexcesso + NaOH -->H2O + NaCl

O amoníaco formado por adição de uma base concentrada após digestão com H2SO4 foi destilado
sobre 25,00 mL de HCl 0,04977 M. O excesso de HCl foi depois titulado por retorno com 3,97 mL de
NaOH 0,04012 M. Calcule a percentagem de proteína na farinha.

Dados: 17,5% de N na proteína da farinha.

nHCl total = [HCl] vHCl = 0,04977 M * 25,00 mL = 1,244 mmol = nHCl gasto na reacção com o NH3  +
nHClexcesso

nHClexcesso= nNaOH necessário para o titular = 3,97 mL * 0,04012 M = 0,1593 mmol

nNproteína = nNH3 formado = nHCl total – nHClexcesso = 1,244 mmol – 0,1593 mmol =1,085
mmol

mNproteína = 15,20 mg

mproteína = 15,20 mg/0,175 = 86,9 mg

A percentagem de proteína na farinha é portanto = 0,0869 g/ 0,7121 g = 12,2 %

18. Determine o título rigoroso de uma solução aquosa de HCl 0,04 M, sabendo que quando se
titulam 50,00 mL do ácido se gastam 50,00 mL de uma solução preparada a partir de 0,3850 g de
bórax (381,37 g/mol).

Na2[B4O5(HO)4]. 8H2O <-> 2 H3BO3 + 2 [B(HO)4]- + 2 Na+ + 3 H2O

[B(HO)4]- + H+ <-> H3BO3 + H2O

nbórax= mbórax/MM(bórax) = 0,3850 g / 381,37 g/mol = 1,0095 mmol

nHCl = 2* nbórax= 20,19 mmol

[HCl] = nHCl / vHCl =2,019 mmol / 50,00 mL = 0,04038 M


19. Uma solução de NaOH isenata de carbonatos tinha uma concentração 0,05118 M imediatamente
depois de preparada. Exactamente 1,000 L desta solução foi exposto ao ar durante algum tempo e
absorveu 0,1962 g de CO2. Calcule o erro relativo que terá lugar ao titular uma solução de ácido
acético com esta solução contaminada,utilizando a fenolftaleína como indicador.

nCO2 = 0,1962 g / 44,010 g/mol = 4,458 mmol

nNaOHinicial= 1,000 L* 0,05118 M = 51,18 mmol

O ácido carbónico é diprótico, e reage por isso com o dobro da sua quantidade de NaOH,

[NaOH]final= nNaOHfinal / vNaOH = 51,18mmol – 2* 4,458 mmol /1,000 L = 0,04226 M,

O erro na titulação será 0,05118 / 0,04226 = 21,11%,

Exercícios sobre titulações de precipitação

20. Calcula a variação de pAg, entre 1% antes e 1% depois do ponto de equivalência, na titulação de
25,00 mL de uma solução de nitrato de prata 0,1000 M com uma solução equimolar de cloreto de
sódio.

nAgNO3= [AgNO3] * vAgNO3

nAgNO3= 0,1000 M* 25,00 mL = 2,500 mmol

No ponto de equivalência, nNaCladicionado= nAgNO3inicial=2,500 mmol :

vNaCl=nNaCl/[NaCl]= 2,500 mmol/ 0,1000 M = 25,00 mL

1% antes ponto de equivalência:

nAg+= 1 % nAgNO3 inicial = 0,02500 mmol

v= 25,00 mL + 99% 25,00 mL = 49,75 mL

[Ag+]=0,02500 mmol/ 49,75 mL = 5,02 * 10-4 M

pAg = -log [Ag+]= -log 5,02 * 10-4 = 3,30


1% depois do ponto de equivalência, o excesso de NaCl equivale a 0,02500 mmol, num volume
de 50,25 mL,

[Cl-]= 0,02500 mmol/50,25 mL = 4,98 * 10-4 M

Dado que o Kps(AgCl)= 1,8*10 -10, a concentração máxima de Ag+ possível na solução é:

[Ag+]= Kps(AgCl)/ [Cl-]= 1,8*10 -10/4,98 * 10-4 = 3,64* 10-7 M

pAg= 6,44

21. Determinou-se o teor em cloreto numa solução salina pelo método de Volhard. Uma alíquota de
10,00 mL foi tratada com 15,00 mL de uma solução padrão de AgNO3 0,1182 M. O excesso de prata foi
titulado com uma solução padrão de KSCN 0,101 M, sendo necessário 2,38 mL para atingir o ponto
de equivalência de Fe(SCN)2+. Calcule a concentração de cloreto na solução salina, em g/L.

nAg+excesso = nSCN-adicionda= vSCN- *[SCN-] = 2,38 mL *0,101 M = 0,2404 mmol

nAg+inicial = vAgNO3 *[ AgNO3] = 15,00 mL * 0,1182 M = 1,773 mmol

nCl-= nAg+gasto = nAg+inicial - nAg+excesso =1,773 mmol - 0,2404 mmol = 1,533 mmol

[Cl-] = 1,533 mmol / 10,00 mL = 0,1533 M

22. Titulou-se 25,00 mL de uma solução contendo 0,0311 M de Na2C2O4 com La(ClO4)3 0,0257 M,
havendo a precipitação de oxalato de lantânio:

2 La3+ + 3 C2O42- -> La2(C2O4)3

22.1 Qual o volume de perclorato de lantânio necessário para atingir o ponto de equivalência?

nLa3+ = 2/3 nC2O42- = 2/3 [C2O42-] vC2O42- = 2/3 * 25,00 mL * 0,0311 M = 0,5183 mmol

vLa3+ = nLa3+ / [La3+] = 0,5183 mmol / 0,0257 M = 20,17 mL

22.2 Qual o pLa3+ quando se adicionaram 10,00 mL de La(ClO4)3 ?

Em qualquer momento da titulação antes do ponto de equivalência,

nC2O42- = nC2O42-inicial - nC2O42-precipitado = nC2O42-inicial - 3/2 n La3+ adicionado

Após a adição de 10,00 mL de La(ClO4)3

nC2O42- = 25,00 mL * 0,0311 M  - 3/2 10,00 mL * 0,0257 M = 0,7775 mmol – 0,3855 mmol = 0,392
mmol
Como v=25,00 mL + 10,00 mL =35,00 mL , [C2O42-] = 0,392 mmol/35,00 mL =0,0112 M.

A quantidade de La3+ em solução é obtida através do produto de solubilidade do La2(C2O4)3:

Kps= [La3+] 2 [C2O42-]3

1,03 * 10-25 = [La3+] 2 (0,0112)3

[La3+]= 2.71 * 10-10 M

pLa3+ = -log [La3+] = 9.567

22.3 Determine o pLa3+ no ponto de equivalência.

No ponto de equivalência, a precipitação é quantitativa. Pode-se considerar que o La2(C2O4)3 em


solução é o proveniente da dissolução do precipitado formado.

Kps= [La3+] 2 [C2O42-]3

Como C2O42-= 3/2 nLa3+, a expressão acima pode ser escrita :

1,03 * 10-25 = [La3+] 2  [3/2 La3+] 3

1,03 * 10-25 = [La3+] 2  [3/2 La3+] 3

1,03 * 10-25 = [La3+] 2  (3/2)3 [La3+] 3

[La3+]5=1,03 * 10-25 / (3/2)3

[La3+]5= 3,052 *10-26

[La3+]= 7,89 *10-6  M

pLa3+ = -log [La3+] = 5.103

22.4 Calcule o pLa3+ após a adição de 25,00 mL de La(ClO4)3

Após a adição de 25,00 mL de La(ClO4)3 já foi ultrapassado o ponto de equivalência. Portanto

nLa3+livre= nLa3+adicionado –nLa3+precipitado= nLa3+adicionado – 2/3 nC2O42- inicial

nLa3+livre= 25,00 mL * 0,0257 M – 2/3 0,7775 mmol = 0,1242 mmol

[La3+] = nLa3+livre /vtotal = 0,1242 mmol / (25,00 mL+25,00 mL) = 2,483 *10-3 M

pLa3+ = -log [La3+] = 2.605

 
23. 40,00 mL de uma mistura contendo 0,0502 KI e 0,0500 M de KCl foram titulados com AgNO3 0,0845
M.

23.1  Calcule a concentração de Ag+ no ponto de equivalência correspondente à titulação do iodeto


em separado.

O AgI em solução no ponto de equivalência é o proveniente da dissolução do precipitado


formado. Se a nossa solução não contiver o AgCl, e devido à estequiometria do sal, nAg+=nI-
Portanto:

Kps= [Ag+][I-] =[Ag+][Ag+]

1,5* 10-16= [Ag+]2

[Ag+]=1,2*10-8 M

23.2 Demonstre que para a concentração de Ag+calculada no ponto anterior ocorre precipitação de
Cl-.

Kps(AgCl)= 1,8 *10-10

Se o quociente da reacção for superior ao Kps, observar-se-á precipitação. È portanto conhecer


a concentração de Cl-, que é diferente da inicial ( 0,0500 M) devido à variação de volume
provocada pela adição de AgNO3 até à completa precipitação do I- : Este volume é calculado da
seguinte forma.

No ponto de equivalência,

nAg+=nI-

vAg+ [Ag+] = vI- [I-]

vAg+ 0,0845 M = 40,00 mL 0,0502 M

vAg+ = 40,00 mL 0,0502 M = 23,76 mL

vtotal= 40,00 mL + 23,76 mL = 63,76 mL

e a concentração de Cl- será dada por:

civi=cfvf

0,0500 M * 40,00 mL= cf 63,76 mL

cf = 0,0314 M

Neste momento o quociente da reacção será [Ag+][Cl-] = 1,2*10-8 *0,0314 = 3,76*10-10 >
Kps(AgCl). Logo ocorre precipitação de Cl-.

24 Qual o volume mínimo de nitrato de prata 0,09621 M necessário para assegurar que haja um
excesso de iões prata na titulação de

24.1 uma amostra impura de NaCl com uma massa de 0,2513 g?


A quantidade máxima de Cl- possivelmente presente na amostra é:

nCl-= nNaCl= mNaCl/MM(NaCl) =0,2513g/58,443= 4,300 mmol

E o volume necessário para a titular é:

vAgNO3 = nAgNO3 / [AgNO3] = 4,300 *10-3 / 0,09621 M = 44,69 mL

24.2 uma amostra de 0,3462 g que contém 74,52 % (p/p) de ZnCl2?

A quantidade de Cl- presente na amostra é:

nCl-= 2*nZnCl2=2*  mZnCl2/MM(ZnCl2) =2* 0,7452 * 0,3462/136,29= 3,786 mmol

Eo o volume necessário para a titular é:

vAgNO3 = nAgNO3 / [AgNO3] = 3,786 *10-3 / 0,09621 M = 39,35 mL

24.3 25,00 mL de AlCl3 0,01907 M?

A quantidade de Cl- presente na amostra é:

nCl-= 3*nAlCl3= 3* vAlCl3 [AlCl3] =3* 25,00 mL * 0,01907 M= 1,430 mmol

Eo o volume necessário para a titular é:

vAgNO3 = nAgNO3 / [AgNO3] = 1,430*10-3 / 0,09621 M = 14,87 mL

25. Na titulação, pelo método de Fajans, de uma amostra de 0,7908 g gastaram-se 45,32 mL de nitrato
de prata 0,1046 M.

nCl-= nAg+ = nAgNO3 = [AgNO3] vAgNO3 = 0,1046 M * 45,32 mL = 4,740 mmol

25.1 Expresse os resultados como percentagem de Cl-

mCl- =  4,740 mmol * MM(Cl-) = 4,740 mmol *  35,453 =0,1681 g

A amostra tem 0,1681/0,7908 = 21,25 % Cl-

25.2 Expresse os resultados como percentagem de BaCl2∙2H2O

mBaCl2∙2H2O= nBaCl2∙2H2O * MM(BaCl2∙2H2O) = ½ * nCl-* MM(BaCl2∙2H2O) = ½ * 4,740 mmol *


244,27 = 0,5789 g

A amostra seria 0,5789 g/ 0,7908 g = 73,21 % BaCl2∙2H2O

25.3 Expresse os resultados como percentagem de ZnCl2∙2NH4Cl

mZnCl2∙2NH4Cl= nZnCl2∙2NH4Cl * MM(ZnCl2∙2NH4Cl) = 1/4 * nCl-* MM(ZnCl2∙2NH4Cl) = 1/4 *


4,740 mmol * 243,28 = 0,2883 g

A amostra seria 0,2883 g/ 0,7908 g = 36,46 % ZnCl2∙2NH4Cl


Exercícios sobre titulações de complexação

26. O crómio (III) reage lentamente com o EDTA, sendo por isso determinado recorrendo a uma
titulação de retorno. Uma preparação farmacêutica contendo crómio(III) foi analisada por
tratamento de 2,63 g de amostra com 5,00 mL de 0,0103 M de EDTA . A quantidade de EDTA que não
reagiu foi titulada com 1,32 mL de solução de zinco 0,0122 M. Qual a percentagem de crómio na
preparação farmacêutica?

nEDTAtotal= 5,00 mL * 0,0103 M = 5,15 * 10-5 mol

nEDTAexcesso = nZn2+necessário para a titular = 1,32 mL * 0,0122 M = 1,61 * 10-5 mol

nCr3+= nEDTAtotal - nEDTAexcesso = 5,15 * 10-5 – 1,61 * 10-5 = 3,54 * 10-5 mol

mCr3+ = nCr3+ * MM(Cr3+)= 3,54 * 10-5* 51,996 = 1,84 * 10-3 g

A percentagem de Cr3+ na preparação será 1,84 * 10-3 g/ 2,63 =0,0700 %

27. A constante de formação do complexo de Fe(III) com EDTA é 1,3*1025. Calcule as concentrações
de Fe3+ livre numa solução de FeY- 0,10 M a pH 4,00 e pH 1,00. (αY4- a pH 1,00 = 1,9 *10-18 ; αY4- a pH
4,00 = 3,8 *10-9)

1,3*1025=

1,3*1025=

Como nYtotal = nFe3+, isto significa que

1,3*1025 =

e portanto:

[Fe3+]2 = 0,10 M / a 1,3*1025

A pH = 1,0 [Fe3+] = 6,36 * 10-5

A pH = 4,0 [Fe3+] = 1,43 * 10-9


28. Uma amostra de 25,00 mL com uma concentração desconhecida de Fe3+ e Cu2+ necessitou de
16,06 mL de EDTA 0,05083 M para a titulação completa. Um volume de 50,00 mL da mesma amostra
foi tratado com NH4F para proteger o Fe3+ . Em seguida, o Cu2+ foi reduzido e mascarado pela
adição de tioureia. Após adição de 25,00 mL de EDTA 0,05083 M, o Fe3+ foi libertado do complexo
com o fluoreto, formando-se um complexo com o EDTA. O excesso de EDTA consumiu 19,77 mL de
Pb2+ 0,01833 M para atingir o ponto de equivalência (usando o alaranjado de xilenol como
indicador). Calcule a concentração de Cu2+ na amostra.

nFe3+ + nCu2+ = nEDTA = vEDTA [EDTA] = 16,06 mL * 0,05083 M = 8,163 *10-4 mol

Como o volume de solução contendo os dois catiões é 25,00 mL, isto dá-nos

[Fe3+] + [Cu2+ ] = 8,163 *10-4 mol / 25,00 mL = 3,265 *10-2 M

Para a titulação por retorno do Fe3+ em 50,00 mL de solução , utilizou-se:

nEDTAinicial = 25,00 mL * 0,05083 M = 1,2708 *10-3 mol

nEDTAexcesso = n Pb2+ = 19,77 mL * 0,01883 M = 3,723 *10-4

nFe3+ = nEDTAinicial - nEDTAexcesso = 1,2708 *10-3 - 3,723 *10-4= 8,985 *10-4 mol

[Fe3+] = 8,985 *10-4 mol / 50,00 mL = 1,797 *10-2 M

E portanto [Cu2+ ]= 3,265 *10-2 -1,797 *10-2 =1,468 *10-2 M

29. O ião Mn+ (100,0 mL do ião metálico 0,0500 M tamponados a pH 9,00) foi titulado com EDTA
0,0500 M.

29.1 Qual o volume equivalente (Ve)?

nEDTA=nMn+

vEDTA [EDTA]= vMn+ [Mn+]

vEDTA 0,0500 M = 100,00 mL 0,0500 M

vEDTA = 100,00 mL

29.2 Calcule a concentração de Mn+ quando V= ½ Ve

V= ½ * Ve = 50,00 mL

Vtotal = 100,00 + 50,00 =150,00 mL

nMn+ = nMn+inicial - nEDTAadicionado = 100,00 mL 0,0500 M - 50,00 mL 0,0500 M = 2,50 mmol

[Mn+] = 2,50 mmol / 150,00 mL = 0,0167 M

29.3 Sabendo que a fracção de EDTA livre que está na forma Y4- (αY4-)a pH 9,00 ´3 o,o54, e que a
constante de formação (Kf ) é 1012,00 , calcule a constante de formação condicional K'f

Kf = [MY4-n] / [Mn+] [Y4-] = 1012,00

[Y4-] = a [EDTA] ó [Y4-] = a [EDTA]


Substituindo, vem:

[MY4-n] / [Mn+] a [EDTA] =1012,00

[MY4-n] / [Mn+] 0,054 [EDTA] =1012,00

[MY4-n] / [Mn+] [EDTA] = Kf’=1012,00 * 0,054 = 5,4 *1011

29.4 Calcule a concentração de Mn+ quando V= Ve

[MY4-n] / [Mn+] [Y4-]


[MY4-n] / [Mn+] a [EDTA] =
[MY4-n] / [Mn+] 0,054 [EDTA]

Como nEDTA=nMn+a expressão pode ser simplificada:

1012,00 = [MY4-n] / [Mn+]2 0,054

nMY4-n = nMn+inicial = 5,00 mmol. Vtotal = 100,00 + 100,00 =200,00 mL, portanto

[MY4-n] = 5,00 mmol/ 200,00 mL = 2,5 *10-2 M. Substituindo:

[Mn+]2 = [MY4-n] / 1012,00 0,054 = 2,5 *10-2 M / 1012,00 0,054

[Mn+]= 2,15 *10-7 M

29.5 Calcule a concentração de Mn+ quando V= 1,100 Ve

1012,00=[MY4-n] / [Mn+] 0,054 [EDTA]

nEDTA = nEDTAadicionado - nMn+inicial = 5,50 mmol – 5,00 mmol = 0,50 mmol, portanto como
Vtotal = 210,00 mL :

[EDTA]= 2,38*10-3 M

nMY4-n = 5,00 mmol, logo [MY4-n]= 2,38*10-2 M. Substituindo na expressão acima:

1012,00=2,38*10-2 / [Mn+] 0,054 2,38*10-3

[Mn+]= 1,85*10-11M

30. O ião cálcio foi titulado com EDTA a pH 11, usando calmagite como indicador.
Qual é a principal espécie de calmagite a pH 11? Qual é a cor que se observa antes e depois do ponto
de equivalência?

pH = pKa2 + log [HIn2-] / [H2In-]

pH = pKa3 + log [In3-] / [HIn2-]

Substituido os valores do pH e dos pK :

11 = 8,1 + log [HIn2-] / [H2In-] ó [HIn2-] = 794 [H2In-]

11 = 12,4 + log [In3-] / [HIn2-] ó [HIn2-] = 25 [In3-]

A espécie predominante é HIn2-. Antes do ponto de equivalência a solução é azul, e depois é


vermelho-vinho.

31. Um volume de amostra de 1,000 mL contendo uma quantidade desconhecida de Co2+ e Ni2+ foi
tratado com 25,00 mL de EDTA 0,03872 M. Na titulação de retorno, gastou-se 23,54 mL de uma
solução padrão de Zn2+ 0,02127 M (a pH 5) para atingir o ponto final do alaranjado de metilo.
Simultaneamente, fez-se passar 2,000 mL da amostra por uma coluna de troca iónica (que retarda
mais o Co2+ que o Ni2+). O Ni2+ que passou pela coluna foi tratado com 25,00 mL de EDTA 0,03872 M e
necessitou de 25,63 mL de Zn2+ 0,02127 M para a retrotitulação. O Co2+, que emergiu mais tarde da
coluna, foi também tratado com 25,00 mL de EDTA 0,03872 M. Quantos mL de solução padrão de
Zn2+ 0,02127 M foram necessários apra a retrotitulação?

Titulação de 1,0000 mL de amostra:

nEDTAtotal = 25,00 mL * 0,03872 M = 0,9680 mmol

nEDTAexcesso = nZn2+ = 23,54 mL * 0,02127 M = 0,5007 mmol

nCo2+ +nNi2+ = nEDTAtotal - nEDTAexcesso = 0,4637 mmol

[Co2+] + [Ni2+] = 0,4637 mmol / 1,000 mL = 0,4637 M

Titulação do Ni2+ contido em 2,000 mL

nEDTAtotal= 25,00 mL * 0,03872 M = 0,9680 mmol

nEDTAexcesso = nZn2+ = 25,63 mL* 0,02127 M = 0,5451 mmol

nNi2+ = nEDTAtotal - nEDTAexcesso = 0,4228 mmol

[Ni2+]= 0,4228 mmol / 2,000 mL = 0,2114 M

Daqui se conclui que [Co2+] = 0,4637 M - 0,2114 M = 0,2523 M

Titulação do Co2+ contido em 2,000 mL

nEDTAtotal= 25,00 mL * 0,03872 M = 0,9680 mmol

nEDTAque reagiu = nCo2+ = 0,2523 M * 2,000 mL = 0,5046 mmol

nEDTAexcesso= nEDTAtotal - nEDTAque reagiu = 0,9680 mmol- 0,5046 mmol = 0,4634 mmol

vZn2+= nZn2+/ [Zn2+] = nEDTAexcesso / [Zn2+]= 0,4634 mmol / 0.02127 M = 21,79 mL


32.O ião sulfureto foi determinado por titulação indirecta com EDTA: a uma mistura contenfo 25,00
mL de Cu(ClO4)2 0,04332 M e 15 mL de tampão acetato (pH 4,5), adicionou-se 25,00 mL de solução de
sulfureto e agitou-se vigorosamente. O precipitado CuS foi filtrado e lavado com água quente. Em
seguida, adicionou-se amoníaco ao filtrado (que continha um excesso de Cu2+ ) até ao aparecimento
da cor azul do complexo Cu(NH3)42+. Na titulação com uma solução de EDTA 0,03927 M gastou-se um
volume de 12,11 mL para atingir o ponto final da murexida. Calcule a concentração de sulfureto na
amostra.

nCu2+excesso=nEDTA = 12,11 mL* 0,03927 M = 0,47556 mmol

nCu2+inicial= 25,00 mL * 0,04332 M = 1,083 mmol

nS2-= nCu2+inicial – nCu2+excesso= 0,6074 mmol

[S2-]= 0,6074 mmol / 25,00 mL = 0,02430 M

Exercícios sobre titulações de oxidação-redução

33. Considere a titulação de 100,0 mL de Fe2+ 0,0500 M com Ce4+ 0,100 M. Calcule:

33.1 o volume equivalente

Fe2++ Ce4+ → Fe3++ Ce3+

nFe2+ = nCe4+

100,0 mL * 0,0500 M = vCe4+ * 0,100 M

vCe4+ = 50,0 mL

33.2 a diferença de potencial quando o volume de titulante adicionado for de 10.00, 25.00, 36.00,
50.00, 63.00 e 100.0 mL.

Uma vez que os potenciais dos pares Fe3+/Fe2+ (0,77 V) e Ce4+/Ce3+ (1,61 V) são bastante
afastados o potencial pode ser calculado com exactidão considerando apenas o par presente em
grande quantidade (i.e. opar do titulado antes do ponto de equivalência, e o par do titulante
após este ponto). No ponto de equivalência, o potencial será a média dos potenciais dos pares
envolvidos.

Assim, antes do ponto de equivalência teremos:


= E0Fe3+/Fe2+ + RT/nF ln ([Fe3+]/[Fe2+])
= E0Fe3+/Fe2+ + RT/nF ln (nFe3+/nFe2+)

= E0Fe3+/Fe2+ + RT/nF ln (nCe4+adicionado/ (nFe2+inicial- nCe4+adicionado))

E depois do ponto de equivalência teremos:

= E0Ce4+/Ce3+ + RT/nF ln ([Ce4+]/[Ce3+])

= E0Ce4+/Ce3+ + RT/nF ln (nCe4+ / nCe3+)


= E0Ce4+/Ce3+ + RT/nF ln (nCe4+adicionado – nFe2+inicial / nFe2+inicial)

Os potenciais serão:

Vtitulante adicionado (mL) E (V)

10,00 0,73
25,00 0,77
36,00 0,79
50,00 1,19
63,00 1,58
100,00 1,61

34. a 36. resolvem-se de forma idêntica ao anterior.

34. Considere a titulação de 50,00 mL de I- 1,00 mM com Br2 5,00 mM para dar I2 e Br-. Calcule o
potencial (contra o eléctrodo saturado de calomelanos) para os seguintes volumes de Br2: 0.100,
2.50, 4.99, 5.01 e 6.00 mL.

35. Calcule o potencial no ponto de equivalência da titulação de 100 mL de Fe2+ 0,100 M em H2SO4
0,500 M com 100 mL de MnO4- 0,0200 M.

36. Calcule o potencial (vs. ENH) de uma mistura quando 5,0 mL de uma solução de Ce4+ 0,10 M são
adicionados a 5,0 mL de Fe2+ 0,30 M.
37. Seria o tetrassulfonato de indigo um indicador redox apropriado para a titulação de Fe(CN)64-
com Tl3+ em HCl 1M?

Eº [Fe(CN)3- /Fe(CN)64- ] = 0,356 V Eº indicador = 0,36 V Eº (Tl3+/Tl+) = 0,77V

O potencial no ponto de equivalência é a média ponderada dos potenciais dos pares envolvidos,
i.e. = (2*0,77+0,356) /3 = 0,60 V.

Para que um indicador se possa usar, convém que o seu ponto de viragem se dê próximo do
volume equivalente (ou seja, com um erro máximo de 1%).

1% antes do ponto de equivalência (i.e., depois de adicionar 99% do titulante necessário), o


potencial da solução será:

E= 0,356 + RT/nF ln (99/1) = 0,474 V

1% depois do volume de equivalência, o potencial da solução será

E= 0,77 + RT/nF ln (1/100) = 0,71 V (notar que neste caso n=2)

O indicador não é apropriado, uma vez que o seu potencial (0,36 V) não se encontra dentro
do intervalo de potencial [0,474 V;0,71 V].

38. Uma solução de triiodeto foi padronizada com óxido de arsénio (As4O6, 395,683 g/mol). A
titulação de 25,00 mL de uma solução preparada por dissolução de 0,3663g de As4O6 num volume de
100,0 mL necessitou de 31,77 mL de I3-.

As4O6 + 6 H2O --> 4 H3AsO3

H3AsO3 + I3- + H2O --> H3AsO4 + 3 I- + 2 H+

38.1 Calcule a molaridade da solução de I3-

MM(As4O6)=395,6828 g.mol-1

[As4O6]= 0,3663 g / 395,6828 g.mol-1 / 100,00 mL = 9,257 *10-3 M

nI3- = n H3AsO3 = 4* nAs4O6 = 4* vAs4O6 / [As4O6] = 4* 25,00 mL * 9,257 *10-3 M = 9,257 *10-4 mol

[I3-]=9,257 *10-4 mol / 31,77 mL = 2,914 *10-2 M

38.2 Que influência pode ter o facto do indicador de amido ser adicionado no início ou perto do
ponto de equivalência?

Se o amido fôr adicionado no início da titulação poderá reagir irreversivelmente com o iodo, o
que o impedirá de mudar de côr no ponto de equivalência. [Peat S, Bourne EJ, Thrower RD
Nature (1947) 159: 810-811]
39. Uma amostra de 128.6 mg de proteína (58600 g/mol) foi tratada com 2,000 mL de NaIO4 0,0487 M
para reagir com todos os resíduos de serina e treonina. A solução foi depois tratada com excesso de
iodeto para converter o periodato que não reagiu em triiodeto:

IO4- + 3 I-+ H2O -> IO3-+ I3- + 2 HO-

A titulação do triiodeto exigiu 823 μL de tiossulfato 0,0988 M.

39.1 Calcule o número de resíduos de serina e treonina por molécula de proteína (ajusta para o
inteiro mais próximo)

nIO4- total = 2,000 mL * 0,0487 M = 9,74 *10-5 mol

nIO4- excesso = nI3- = ½ * nS2O42- = ½ * 823 *10-6 L * 0,0988 M = 4,07 *10-5 mol

nIO4- gasto = 5,67 *10-5 mol

nproteína = 128,6 mg / 58600 g.mol-1 = 2.195 *10-6 mol

(Ser/Thr) / proteína = nIO4- gasto / nproteína = 26

39.2 Quantos mg de As4O6 seriam necessários para reagir com o I3- libertado nesta experiência?

nI3- == 4,07 *10-5 mol

nAs4O6 = nI3- / 4 = 1,02 *10-5 mol

mAs4O6 = nAs4O6 * MM(As4O6)= 1,02 *10-5 mol* 395,6828 g.mol-1= 404 mg

40. Dilui-se 5,00 mL de brandy num balção volumétrico de 1,000 L. O etanol de uma alíquota de 25,00
mL da solução diluída foi destilado em 50,00 mL de K2Cr2O7 0,02000 M e oxidou-se até ácido acético
por aquecimento:

2 Cr2O72- + 16 H+ + 3 C2H5OH -> 4 Cr3+ + 11 H2O + 3 CH3COOH

Depois de arrefecer a solução, adicionou-se ao matráz 20,00 mL de Fe2+ 0,1253 M. Em seguida,


titulou-se o excesso de Fe2+ com 7,46 mL de K2Cr2O7 0,02000 M até ao ponto final do ácido
difenilaminossulfónico. Calcule a % (m/v) de etanol (46,97 g/mol) no brandy.

netanol=3/2 * nCr2O72-gasto na sua oxidação

Foi utilizado Cr2O72- em excesso:

nCr2O72- inicial = 50,00 mL * 0,02000 M = 1,000 mmol

Para determinar quanto Cr2O72- sobrou (nCr2O72-excesso) titula-se por retorno com Fe2+:
6 Fe2+ + Cr2O72- + 14 H+ → 6 Fe3+ + 2 Cr3+ + 7 H2O

nFe2+inicial= 20,00 mL * 0,1253 M = 2,506 mmol

nFe2+excesso= 6* nCr2O72-necessário para o titular = 6 * 7,46 mL * 0,0200 M = 0,8952 mmol

nCr2O72-excesso = 1/6 * n Fe2+gasto= 1/6 * (2,506 mmol - 0,8952 mmol) = 0,2685 mmol

nCr2O72-gasto na oxidação do etanol = nCr2O72- inicial - nCr2O72-excesso = 1,000 mmol - 0,2685 mmol =
0,7315 mmol

netanol=3/2 * nCr2O72-gasto na sua oxidação = 1,097 mmol

[brandy diluído] = 1,097 mmol / 25,00 mmol = 0,0439 M

ci vi = cf vf
Substituindo:
ci 5,00 * 10-3 L = 0,0439
M 1,000 L
ci = 8,78 M = 412 g /L =
41,2 g /100 mL = 41,2
%

41. Uma amostra de 0,2981 g de um antibiótico (sulfanilamida) em pó foi dissolvida em HCl e diluída
a 100,0 mL. Transferiu-se uma alíquota de 20,00 mL para um matráz e adicionou-se 25,00 mL de
KBrO3 0,01767 M. Juntou-se um excesso de KBr, para formar Br2, e tapou-se o matrás.

BrO3- + 5Br- + 6 H+ -> 3 Br2 + 3 H2O

Deixou-se o Br2 reagir com a sulfanilamida durante 10 minutos:

sulfanilamida + 2 Br2 -> 2 H+ + 2 Br- + sulfanilamida dihalogenada

Após este tempo, adicionou-se um excesso de KI, e titulou-se o iodo libertado com 12,92 mL de
tiossulfato de sódio 0,1215 M:

Br2 + 2 I- -> I2 + 2 Br-

I2 + 2 S2O32- -> 2 I- + S4O62-

Calcule a % (m/m) de sulfanilamida no pó.

nBr2 excesso = nI2 = ½ n S2O32- = ½ * 12,92 mL * 0,1215 M = 0,7949 mmol

nBr2 inicial = 3 * nKBrO3 = 3* 25,00 mL * 0,01767 M = 1,325 mmol

nsulfanilamida = ½ nBr2 gasto = nBr2 inicial -nBr2 excesso = 1,325 mmol -0,7949 mmol = 0,530 mmol

msulfanilamida = 0,530 mmol * 172,21 g/mol = 0,0913 g


%sulfanilamida = 0,0913 g / 0,2981 g = 30,6 %

42. Uma solução amostra contém Fe(II) e Fe(III). Retiraram-se 25,00 desta amostra para um balão
volumétrico de 200,0 mL, e completou-se o volume com água desionizada. Para um matrás mediu-se
15,00 mL da solução contida no balão, 20 mL de água, e tamponou-se a solução para meio
fortemente ácido. Titulou-se o conteúdo do matrás com uma solução de anião permanganato 0,0203
M, tendo-se gasto 2,34 mL.

Para outro matrás mediu-se 10,00 mL da solução contida no balão, acidulou-se com HCl e adicionou-
se excesso de uma solução de catião Sn2+. Após reacção e remoção do catião Sn2+ sobrante, titulou-
se o conteúdo do matrás com a solução de anião permanganato 0,0203 M, tendo-se gasto 3,51 mL.
Calcule a concentração da amostra em Fe2+ e Fe3+.

Determinação do Fe(II)

MnO4- + 8 H+ + 5 Fe2+ → Mn2+ + 5 Fe3+ + 4 H2O

nFe2+ = 5 * nMnO4- = 5 * 2,34 mL * 0,0203 M = 2,38 * 10-4 mol

[Fe2+] = 2,38 * 10-4 mol/ 15,00 mL = 1,59 * 10-2 M

[Fe2+]ivi =[Fe2+] f vf

ci 25,00 mL = 1,59* 10-2 M * 200,00 mL

[Fe2+]i = 0,127 M

Determinação do Fe total

Procedeu-se primeiro à redução do Fe(III) a Fe(II)

6 Cl- + Sn2+ + 2 Fe3+ → 2 Fe2+ + [SnCl6]2-

A titulação do Fe(II) foi feita como anteriormente:

MnO4- + 8 H+ + 5 Fe2+ → Mn2+ + 5 Fe3+ + 4 H2O

nFe2+ = 5 * nMnO4- = 5 * 3,51 mL * 0,0203 M = 3,56 * 10-4 mol

[Fe2+]total = 3,56 * 10-4 mol/ 10,00 mL = 3,56 * 10-2 M

[Fetotal]ivi =[Fe2+] f vf

ci 25,00 mL = 3,56* 10-2 M * 200,00 mL

[Fetotal]i = 0,285 M

[Fe3+]i = [Fetotal]i - [Fe2+]i = 0,285 M- 0,127 M = 0,158 M

Bibliografia recomendada:

Você também pode gostar