Você está na página 1de 42

Sistema reprodutor

feminino

Profa Mira Wengert


Sistema reprodutor feminino

O sistema reprodutor feminino consiste em órgãos sexuais internos e estruturas genitais


externas.
Sistema reprodutor feminino

O sistema reprodutor feminino consiste em órgãos sexuais internos e estruturas genitais


externas.
Ovário

Os ovários têm duas funções inter-relacionadas: a produção de gametas (gametogênese)


e a produção de esteróides (esteroidogênese).
Estruturas do Ovário

O ovário é composto de um córtex e de uma medula.

Córtex- encontrada na porção periférica do


ovário, contém os folículos ováricos e
representa a maior parte do ovário.

Medula- encontrada na porção central do


ovário. Formada por tecido conjuntivo
frouxo, um a massa de vasos sanguíneos,
vasos linfáticos e nervos. Estrutura de
suporte.
Folículos ovarianos

Os folículos ováricos proporcionam o microambiente para o oócito (célula germinativa) em


desenvolvimento. Cada folículo contém um oócito e podem estar em diferentes estágios de
desenvolvimento:

Em fase de formação Folículo de


primordiais primários
do antro (folículo secundário) Graaf
Folículos ovarianos

Folículos primordiais É o estágio mais inicial do desenvolvimento folicular

✓ Aparecem primeiramente nos ovários durante o terceiro


mês de desenvolvimento fetal.

✓ O crescimento inicial independe da estimulação


gonadotrófica.

✓ Um única camada de células pavimentosas circunda o


oócito (posição excêntrica); a superfície externa das
células foliculares é limitada por uma lâmina basal.

✓ O citoplasma do oócito, denominado de ooplasma,


contém um corpúsculo de Balbiani , que é um acúmulo
localizado de membranas e vesícula de Golgi.
Folículos ovarianos

Folículos primordiais
Folículos ovarianos

Folículos primário

Células foliculares
✓ O oócito aumenta de tamanho.
Zona pelúcida
✓ As células foliculares achatadas proliferam e se tornam
cúbicas.

✓ Aparecimento da zona pelúcida, entre os oócitos e as


células foliculares adjacentes. É rica em glicoproteínas e
glicosaminoglicanos. É produzida pelas células foliculares,
que virão a dar origem as células glomerulosas.

oócito
Folículos ovarianos

Folículos primário

Células foliculares

Zona pelúcida

oócito
Folículos ovarianos

Folículos primário tardio

✓ As células foliculares sofrem estratificação para


fornecerem a camada granulosa do folículo primário.

✓ A lâmina basal retém sua posição entre a camada mais


externa das células foliculares e o tecido conjuntivo.

✓ As células do tecido conjuntivo formam as camadas tecais


do folículo primário, logo externa a lâmina basal.

teca

Teca interna: Teca externa:


• As células da teca interna Contém principalmente
apresentam inúmeros células musculares lisas
receptores para o hormônio e colágeno.
luteinizantes (LH).

• Em resposta a estimulação do
LH sintetizam e segregam os
andrógenos, que são os
percursores de estrógenos.
Produção de andrógenos pela teca interna

Teca interna

*
Folículos ovarianos
Folículos primário tardio
Folículos ovarianos
Folículo secundário É caracterizado por um antro contendo líquido

✓ O estrato granuloso cresce, atingindo 6 a 12 camadas de


células. Esse crescimento é possível devido a vários
fatores, como: hormônio folículo estimulante (FSH),
fatores de crescimento e cálcio.

✓ Entre essas camadas aparecem um líquido rico em


hialuronana, denominado líquido folicular. Esse líquido vai
acumulando formando uma estrutura chamada de antro.

✓ Corpúsculo de Call- Exner- é segregado pelas células


granulosas e contém hialuronana e proteoglicanas.
Folículos ovarianos
Folículo secundário
Folículos ovarianos

Folículo maduro ou folículo de Graaf

✓ Folículo grande , se estendendo por toda a espessura do


córtex.

✓ O estrato granuloso parece se tornar mais fino a medida


que o antro aumenta de tamanho.

✓ As células granulosas que circundam o oócito, agora são


chamadas de coroa radiada. Permanecem com o oócito
na ocitação.

✓ As camadas tecais se tornam mais proeminente.

O LH estimula as células tecais interna a segregar andrógenos

Alguns andrógenos são transportados para o Rel nas células granulosas


Conjunto de células
granulosas que Em resposta ao FSH, as células granulosas catalisam a conversão de
envolvem o oócito.
andrógenos em estrogenio, que por sua vez estimulam as células
granulosas a proliferarem.
Produção de estradiol pela célula granulosa

Teca interna

*
Folículos ovarianos

Folículo maduro ou folículo de Graaf


Oocitação
A oocitação é o processo pelo qual um oócito secundário é liberado do folículo ovárico.

Durante a oocitação, o oócito cruza toda a parede folicular, incluindo o epitélio do ovário.

Uma combinação de alterações hormonais e efeitos enzimáticos é responsável pela liberação


real do oócito secundário no meio do ciclo menstrual, isto é, no 14° dia de um ciclo de 28 dias:

❖ Aumento no volume e pressão do líquido


folicular

❖ Proteólise enzimática da parede folicular

❖ Contração de fibras musculares lisas na camada


da teca externa, desencadeada por
prostaglandinas.
Oocitação

O oócito depois de expelido é então transportado para a tuba uterina. No momento da oocitação, as
fímbrias da tuba uterina tornam-se intimamente apostas a superfície do ovário e direcionam o oócito
para dentro da tuba uterina, impedindo sua passagem para a cavidade abdominal.
Oogênese e desenvolvimento do folículo

Os oócitos primários começam a


primeira divisão meiótica ainda
no embrião, porém o processo é
interrompido na prófase.
Permanecem parados por 12 a
50 anos.

A primeira divisão meiótica é


completada no folículo maduro.
Cada célula-filha do oócito 1°
contém uma cota igual de
cromatina. Maior citoplasma –
oócito secundário.

Tão logo a primeira divisão


meiótica é completada, começa
a segunda divisão meiótica que
só é completada se o oócito for
fecundado.
Oocitação- Corpo Lúteo

Na oocitação, a parede folicular , composta de células granulosas e tecais remanescentes é


dobrada em pregas profundas a medida que o folículo se colapsa e é transformada no corpo lúteo
(corpo amarelo) .

Secreta progesterona e estrógeno → esses hormônios estimulam o crescimento do útero


para prepará-lo para a implantação do zigoto em desenvolvimento se ocorrer fecundação.

Corpo albicante
As estruturas
ovarianas

http://www.cristina.prof.ufsc.br/v2/
As estruturas
ovarianas

http://www.cristina.prof.ufsc.br/v2/
As estruturas
ovarianas

http://www.cristina.prof.ufsc.br/v2/
As estruturas
ovarianas

http://www.cristina.prof.ufsc.br/v2/
As estruturas
ovarianas

http://www.cristina.prof.ufsc.br/v2/
As estruturas
ovarianas

http://www.cristina.prof.ufsc.br/v2/
As estruturas
ovarianas

http://www.cristina.prof.ufsc.br/v2/
Neuroendocrinologia das
gônadas

O ciclo hormonal feminino


Ciclo ovariano

1º dia
Folículos Amadurecimento de um folículo

Oócito
secundário
Ovário

28º dia 14º dia

Corpo Lúteo Ovulação


Fases do ciclo menstrual
Hormônios ovarianos

Livro maragarida
Fase folicular inicial
Nesta fase ocorre o aumento da síntese de estrogênios e de receptores para FSH nas células granulosas e
de receptores para LH nas células tecais internas.

v
celulas granulosas

GnRH : H. Liberador de gonadotrofinas


FSH: H. Foliculoestimulante
Teca interna

*
Síntese de
hormônios sexuais
esteróides
ovarianos
Progesterona e
Estrogênios
✓ aumenta a captação de colesterol, favorecendo
a esteroidogênese
✓ induz a síntese da enzima aromatase
✓ aumenta assim a produção de estradiol
Fase folicular final
Na fase final folicular , as células da granulosa passam a sintetizar receptor para LH, por ação do
FSH e estrogênios. As células passam a produzir quantidades aumentadas de progesterona e 17-
hidroxi-progesterona.

GnRH : H. Liberador de gonadotrofinas


LH : H. Luteinizante
Teca interna

*
Síntese de
Colesterol
Colesterol
SCC
hormônios sexuais
StAR

3-HSD
esteróides
17-hydroxylase ovarianos
FSH FSH
Progesterona e
Estrogênios
17,20- lyase

aromatase

LH
Estrona
Reductase/17 -HSD3 FSH
FSH

aromatase

Estradiol

Síntese de esteróides ovarianos na fase folicular final


*SCC=20,22-Desmolase
Ovulação
A medida que iniciam a produção de progesterona, as células granulosas começam a perder seus
receptores para FSH e a produção de estrogênios começa a diminuir em relação a produção de
progesterona. O pico de LH culmina com a ovulação.

A fase ovulatória é caracterizada pelo início da


secreção de progesterona, que coincide com o início
da queda de estrogênio.

Picos de secreção de LH ( de
grande magnitude) e FSH (de
baixa magnitude)
Fase Luteínica
Na lútea, as células granulosas luteinizadas produzem grande quantidade de progesterona.
Também produzem estrogênio, mas em menor quantidade. Logo, essa fase é caracterizada por um
grande pico de progesterona e um pico menor de estrogênio.

Você também pode gostar