Você está na página 1de 43

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE

CENTRO DE SAÚDE E TECNOLOGIA RURAL


UNIDADE ACADÊMICA DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS
CAMPUS DE PATOS- PB

MARIA HELENA DE LIMA GOMES E MARTINS

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO DE ALUNOS DA REDE


PÚBLICA: UM OLHAR PARA RELAÇÃO NA
APRENDIZAGEM

PATOS – PB
2016
MARIA HELENA

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO DE ALUNOS DA REDE


PÚBLICA: UM OLHAR PARA RELAÇÃO NA
APRENDIZAGEM

Monografia apresentada ao curso de


licenciatura plena em ciências biológicas da
Universidade Federal de Campina Grande,
Centro de Saúde e Tecnologia Rural,
campus de Patos, PB, como parte dos
requesito para obtenção do grau de
Licenciado Pleno em Ciências biológicas.

Orientador: Prof. Msc. Luciano de Brito Junior

PATOS - PB
2016
FICHA CATALOGRÁFICA ELABORADA PELA BIBLIOTECA DO CSTR

G633m Gomes e Martins, Maria Helena de Lima


Motivação e desmotivação de alunos da rede pública: um olhar para relação
na aprendizagem / Maria Helena de Lima Gomes e Martins. – Patos, 2016.

42f.: il.
Trabalho de Conclusão de Curso (Ciências Biológicas) - Universidade Federal
de Campina Grande, Centro de Saúde e Tecnologia Rural, 2016.
“Orientação: Prof. Msc. Luciano de Brito Júnior”
Referências.
1. Alunos. 2. Motivação. 3. Aprendizagem. 4. Escola pública.

5. Família. I. Título.
CDU 37.015.3
AGRADECIMENTOS

Gostaria de agradecer primeiramente a DEUS, por ter me dado todas as


oportunidades, uma vida bem vivida ao lado de todos que amo, que são meus
pais (Célia e Everaldo) e meu irmão (Heron) são e sempre serão a base da
construção do amor, de uma educação de qualidade e sobretudo minha
persistência e força sempre vem deles. Ao meu querido orientador que adoro
muito, Luciano De Brito Junior, pela paciência, dedicação, humildade e por ter
me deixado a vontade para procura- lo, sem ter dias marcados, jamais vou
esquecer tudo que você tem feito por mim, um exemplo de homem. A minha
ex-cunhada linda Yanna, que só tenho a agradecer por todas as dicas e ter me
orientado por um caminho de estudo, pois através dela veio minha vontade e
MOTIVAÇÃO para seguir em frente, se eu acredito em anjo, você é a prova
dele, obrigada!!!
A Angélica, minha amiga parceira, por estar em todos os momentos da
minha vida, tanto os difíceis quanto os mais alegres e uma das pessoas a
quem sempre pude recorrer, obrigada! Ao meu amigo Messias que me ajudou
muito e é amigo para todas as horas. As minhas meninas que estudaram
comigo e quem eu faço parte Em nome da moral (Vivianne, Mayara, Jessica
red, Jessica Maria, Erlane e ao meu amigo Jardelsson) e meu amigo Méssis
(Messias), que saudades, eu amo vocês! Vocês contribuíram para meu
crescimento na universidade.
E a todos meus professores que contribuíram para meu crescimento e
conhecimento. Obrigada.
RESUMO

A cada dia a educação escolar se depara com a problemática da desmotivação


e motivação em diversos níveis de escolaridade, isso gera o centro das
discussões no que diz respeito ao que vai mal ou pode melhorar na escola.
Assim buscou-se investigar os possíveis desmotivação e motivação dos alunos
de escola públicas do ensino fundamental II: E.E.E.M José Gomes Alves,
E.M.E.E Professor Manuel de Sousa Oliveira e E.E.E.M Monsenhor Manuel
Vieira, realizada na cidade de Patos- PB. As metodologias adotadas para tal
investigação foi de natureza qualitativa e quantitativa com aplicação de
questionário que consistia com perguntas claras, objetivas, concretas e
precisas que possibilitou uma única interpretação aos alunos do sétimo ao
nono ano. Foram realizadas observações de situações de desmotivação e
motivação no ambiente escolar, na matéria, no gostar da matéria, no gostar de
estudar, equipe escolar; professores da matéria; aluno no ambiente familiar.
Verificou-se que nas escolas pesquisadas a maior parte dos alunos tem
motivação no quesito família, equipe escolar, e desmotivação na disciplina de
português e um ambiente escolar que satisfaça a necessidade desses alunos.
Todos esses fatores são importantes para motivação intrínseca e extrínseca do
aluno.
Palavras- Chaves: Alunos. Motivação. Aprendizagem. Escola pública. Família.
ABSTRACT

Each day the school education is faced with the problem of not motivation and
motivation in several levels of schooling, this generates the center of
discussions with regard to what is going wrong or can improve in school. Thus
sought to investigate the possible motivation and motivating students of
elementary public school II: E.E.E.M José Gomes Alves, E.M.E.E Professor
Manuel de Sousa Oliveira and E.E.E.M Monsenhor Manuel Vieira, held in the
city of Patos- PB. The methodologies adopted for such research was qualitative
and quantitative with application of a questionnaire that was with clear
questions, objective, concrete and precise that allowed a single interpretation to
students from the seventh to the ninth year. Were analyzed situations such as:
the motivation and the lack of motivation in the school environment; in the
matter; if the student like or not like studying; school group; teachers and their
contents; in the family environment of the student. It was found that in schools
researched most of the students have the motivation of the family, the school
team, and lack of motivation in the discipline of Portuguese and a school
environment that meets the needs of these students. All these factors are
important for the intrinsic and extrinsic motivation of the student.

Keywords: Students. Motivation. Learning. Public School. Family.


LISTA DE FIGURAS

Figura 1: Matérias que os Alunos Gostam ................. Erro! Indicador não definido.3
Figura 2: Motivo dos Alunos Gostarem da Matéria....... Erro! Indicador não definido.
Figura 3: Matéria que os Alunos Menos Gostam ou Não GostamErro! Indicador não definido.
Figura 4: Motivo do aluno menos gostar da matéria ou não gostar.Erro! Indicador não definido
Figura 5: Pais ou Responsáveis na Motivação dos Seus Filhos nos EstudosErro! Indicador não
Figura 6: Escola, Equipe e Professores na Motivação dos Estudos dos AlunosErro! Indicador n
Figura 7: Estratégias dos Professores para Melhorar a Motivação dos AlunosErro! Indicador nã
Figura 8: Ambiente Escolar na Motivação dos Alunos .. Erro! Indicador não definido.
LISTA DE TABELAS

Tabela 1: Alunos que gostam de estudar ou não....................................................... 23


Tabela 2: Motivos dos alunos gostarem da matéria ou não ...................................... 24
SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO .................................................... Erro! Indicador não definido.


Objetivos
Justificativa

2. REFERENCIAL TEÓRICO.................................. Erro! Indicador não definido.

2.1 Motivação .............................................................. Erro! Indicador não definido.

2.2 Desmotivação ....................................................... Erro! Indicador não definido.

3. METODOLOGIA ................................................................................................... 21

4. RESULTADOS E DISCURSSÕES .............................................................. 23

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS .................................................................................. 33

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ......................................................................... 34

7. APÊNDICE .................................................................................................. 39
11

1. INTRODUÇÃO

A motivação e a desmotivação estão ligadas a diversos fatores na sala de


aula. Uma delas é a relação do professor com aluno, a metodologia de passar a
matéria, até mesmo aulas interativas ou cansativas. O professor deve pautar suas
aulas de acordo com a carência dos seus alunos, obtendo assim uma possível
motivação.

A partir do momento que os pais matriculam seus filhos na escola é


responsabilidade da escola, equipe e professores motivarem seus alunos. A equipe
escolar deve ser um ponto de alicerce para seus alunos, considerando o emocional
e a ansiedade do aluno, buscando sempre aperfeiçoar seu rendimento no ambiente
escolar.

Para que o aluno tenha motivação, muitos fatores irão contribuir, uma delas,
começa com a participação dos pais ou responsáveis, influenciando seus filhos a
uma vida acadêmica digna, buscando solucionar seus problemas através do diálogo
e incentiva- los aos estudos.

Para Jesus (2004) motivação é o processo em que o indivíduo impulsiona o


comportamento, possibilitando a sua perseverança para realização de algo. Essa
motivação não pode faltar na vida do indivíduo, pois é ela um dos fatores primordiais
para o sucesso do indivíduo tanto na vida profissional quanto na vida pessoal.

Por outro lado a desmotivação acontece quando há fratura no sistema de


ensino da escola, fazendo assim com que haja desorganização, alunos
desestimulados em aprender, perda de controle dos alunos na escola, chegando até
mesmo ao que se chama baderna. Ou seja, isso irá acontecer quando as
necessidades básicas não estão sendo supridas.

Para Maslow (apud HERSEY e BLANCHARD, 1986) desmotivação pode


ocorrer por vários motivos sejam eles: social, segurança e fisiológica. As
12

necessidades fisiológicas são aquelas de moradia, alimentação, roupa, ou seja, são


as necessidades básicas para uma vida psicológica e fisiológica adequada.

A escola e sua equipe são os que mais influenciam para motivação e


desmotivação dos alunos, assim como a família dos alunos estudados faz esse
papel, fazendo com que o rendimento do aluno seja satisfatório ou insatisfatório.

Diante do que foi dito questiono-me: os alunos da escola estudada


estão motivados?

Este estudo tem como finalidade conhecer os fatores intrínsecos e


extrínsecos da motivação e desmotivação dos alunos do ensino fundamental II da
cidade de Patos- PB. E com isso tentar solucionar os possíveis problemas da
desmotivação.
13

2. REFERENCIAL TEÓRICO

2.1 Motivação

Há muito tempo atrás o homem já vinha tentando explicar os comportamentos


humanos, sendo assim tentando justificar seu próprio comportamento e os das
outras pessoas (JESUS, 2004).

Contudo, para entender os diferentes tipos de comportamento humano é


fundamental relevar alguns fatores, e os métodos que impulsionam o
comportamento e que possibilite o progresso e sua persistência, isso é chamado
variáveis motivacionais (JESUS, 2004).

A motivação “é um conjunto de processos psicológico e fisiológico que levam


um individuo a agir, isto é a desencadear uma ação, e orientá- lo em função de
certos objetivos” (MESQUITA & DUARTE, 1996, P. 145).

A motivação abrange vários contextos da vida humana e nesses contextos


podem está ligado com a família, o profissional, escolar e dentre outro aspectos
sociais e pessoais (DECY & RYAN, 2008 citados por AFONSO & LEAL, 2009).

No ambiente escolar o aluno está motivado ou desmotivado, de acordo com


seu interesse e condições dentro do ambiente escolar, ou seja, a escola deve
proporcionar um ambiente com qualidade (TAPIA, 2004).

Para isso é importante observar alguns fatores interpessoal que o professor


tem que oferecer ao aluno tais como: autoestima, direção de metas, e o estimulo ao
aluno (MASLOW apud HERSEY e BLANCHARD, 1986).

O aluno só terá estimulo se estiver motivado, e é a motivação que ativa,


dirige, dá persistência para que o aluno alcance seus objetivos. Para Balancho &
Coelho (1996).
14

Para Nérici (1993) A motivação estimula a vontade e interesse em conquistar


algo. Essa conquista tem haver com a educação onde no, Art.205, da Constituição
Federal diz: “a educação, é direito de todos e dever do Estado e da família, será
promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno
desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua
qualificação para o trabalho”.

Com isso a educação faz parte da motivação e para que se tenha motivação
tem que ter o incentivo, sendo que o processo de incentivo advém do professor e
está diretamente relacionado com o aprendizado dos alunos, fazendo assim com
que eles tracem metas e siga seus objetivos (ENGELMANN, 2010)..

Para que os alunos se sintam motivados em aprender, não deve haver


indisciplina, e isso é que os professores e a escola tentam buscar a todo o momento.
Os professores necessitam que os alunos o respeitem e que eles se esforcem para
se engajar em atividades com maior respeito aos seus colegas e com concentração
e esforço para aprender (NERI, 1992).

Lembrando que o aluno deve interagir durante as aulas e atividades, sendo


assim é interessante que o aluno exponha seu ponto de vista, e não é interessante
que o aluno fique em silêncio o tempo todo dentro da sala de aula, mas sempre se
comportando como aluno ativo fazendo com que haja debates sobre o assunto
abordado (MORAIS & VARELA, 2007).

Para Jesus (2000) tem dois tipos de conceito sobre motivação um é o desejo,
expectativa, preferência, tendência, impulso ou até mesmo vontade, e outro é ditado
pela psicologia sendo que é mais ambíguo, tendo vários significados.

Por isso que a motivação pode ser entendida como ação da natureza
cognitiva, na qual ela expõe a solução de determinados problemas, ou ainda a
motivação pode ser física, quando há esforço para realizar alguma atividade para
atingir uma determinada meta que pode ser a médio ou a longo prazo (PINTRICH;
SCHUNK, 2002 CITADOS POR SIQUEIRA & WECHSLER, 2009).

A motivação para que o aluno atinja uma determinada meta vai depender da
escola no contexto geral e principalmente do professor. Sendo que o professor é um
15

líder com autonomia que pode influenciar seus alunos para que se interessem pelas
aulas, com o maior rendimento e participação, fazendo com que eles obtenham bons
resultados na escola. O professor não só tem o papel de ser professor, mas também
influenciar seus alunos a motivação ( MORAES & VARELA, 2007).

Para French e Raven (1967), existem quatro maneiras de o professor


influenciar seus alunos: o reconhecimento do estatuto do professor pelos alunos; o
reconhecimento do aluno na capacidade de recompensar ou de punir o professor;
avaliação da estratégia e gestão da indisciplina; reconhecimento dos alunos pela
competência do professor na maneira de ensinar como passar seus conhecimentos;
identificação do aluno para com o professor.

As decisões do professor são muitas vezes atropeladas pelos alunos e pelos


pais destes; justamente pela questão da identificação do aluno com o professor
(JESUS, 1996).

No trabalho de Gilly (1976) Verificou que os professores privilegia alunos com


aspecto cognitivo, já os alunos privilegiam os professores pelo modo afetivo de
como os professores motivam seus alunos.

Para que haja uma motivação dos alunos é importante que o professor evite o
‘’distanciamento’’ a ‘’neutralidade afetiva’’ e até mesmo o ‘’autoritarismo’’, fazendo
assim com que a relação seja agradável (JESUS, 2007), e sempre tendo em vista o
diálogo, atenção e o principal dele o respeito.

Existem muitas estratégias que professores podem fazer para motivar seus
alunos (ABREU, 1996; CARRASCO E BAIGNOL, 1993; JESUS, 1996B;
JESUS, 2007), podemos citar algumas das principais.

 O professor tem que mostrar entusiasmo pelas atividades feitas pelos


alunos.

 Aprender as respectivas matérias dadas pelos professores em sala


de aula e explicar para que serva à matéria dada em sala de aula e pra que
serve em perspectivas futuras.

 Explicar a importância dos estudos aos seus alunos para uma


perspectiva futura.
16

 Criar situações em que os alunos participem ativamente da


construção do próprio saber.

Mas além de todas essas estratégias citadas a escola junto com o professor
se faz necessário adquirir algumas metas. Sabendo que as metas é um
fator determinante para a motivação dos alunos em sala de aula. Cabanach
et al (1996):

 Metas relacionadas com a tarefa: Atua com autonomia e não por


obrigação.

 Metas relacionadas com a auto- valorização: Metas relacionadas com


satisfação e o êxito, evitando a vergonha, humilhação e fracasso.

 Metas relacionadas com a valorização social: Aprovação dos adultos


e dos colegas e evita a rejeição dos colegas.

 Metas relacionadas a receber recompensas: buscam conseguir


prêmios e recompensas, evitando castigo ou ate mesmo perdas.

Dentre essas metas estão envolvida dois tipos de motivação, são as


motivações intrínsecas e extrínsecas (MORAES e VARELA, 2007). A motivação
intrínseca é a motivação que advém do interior da pessoa, já a extrínseca é aquela
que existe necessidade do meio externo em que se encontra o indivíduo
(SPRINTHALL & SPRINTHALL, 1993).

Na motivação intrínseca o indivíduo procura alguma atividade que lhe der


prazer, vontade, hábito, diferente da motivação extrínseca que o indivíduo se sente
motivado quando existe uma premiação ou uma recompensa (VIEIRA, 2013). Ou
quando o aluno se interessa por alguma matéria.

Já para Guimaraes (2004) A motivação intrínseca está ligada a


autodeterminação, competência e autonomia. A motivação interna vai depender de
como está o psicológico da pessoa, prazer, ideais, como está à mente, como a
pessoa está se sentindo e assim por diante, já a motivação externa está relacionado
com o meio em que o indivíduo se encontra como: ambiente familiar, ambiente
escolar, relações sociais, a influência do professor com o aluno.
17

Para Lepper, Handerlong e Iyengard (2005) A motivação extrínseca dos


estudantes ao passarem de série aumenta cada vez mais, devido pressões
externas, competição, esforço por recompensas.

Segundo Almeida e Mascarenhas (2006) a motivação do indivíduo vai


depender das suas condições internas e externas, só que em proporção diferente,
mas que todas duas tem grande influência na vida do indivíduo.

No Brasil ainda é pouco os estudos sobre motivação intrínsecas, mas ao fazer


o questionamento, verificou que os alunos tem preferência pela motivação intrínseca
(MARTINI,1999; ARCAS, 2003; NEVES, BORUCHOVITCH, 2004).

Segundo Hunt (1960, apud Lepper, Henderlong, 2000) utilizou o uso da


motivação intrínseca como destaque motivador natural. O estudo das duas
motivações tanto intrínseca como extrínseca busca descobrir os efeitos que as duas
causam em um determinado indivíduo.

De acordo com Rempel, Holmes & Zanna(1985 citado Afonso & Leal, 2009)
as duas formas de motivações irá contribuir significadamente com a vida cotidiana
do indivíduo. Para saber o que motiva indivíduo é necessário conhecer cada
particularidade do ser humano, no qual pode observar que seu desenvolvimento e
processo de aprendizagem são únicos (SANTOS & MOSQUERA, 2007).
18

2.2 Desmotivação

A desmotivação é um fator negativo que muitas vezes está inserida na vida


social do aluno, ocasionando seu fracasso tanto no ambiente, familiar, social e
acadêmico. Essa desmotivação causa a chamada indisciplina (PALOMARES, 2008).

Segundo Antunes (2002) Indisciplina em sala de aula é quando uma classe


não permite que o professor passe seus conhecimentos, não dando a oportunidade
ao professor de mostrar e despertar nos seus alunos o potencial que cada um tem.

Além disso, a desmotivação ocasiona passeios na sala de aula, o aluno


ignora totalmente a presença do professor, há conversas paralelas e muitas vezes
discussões entre aluno e professor (BINI; PABIS, 2008).

Vasconcellos (2000) diz que muitos desses conflitos por aluno indisciplinado
ocorrem porque na família não cumpriu seu papel de educar, chegando nas escolas
sem limites e sem saber a influência que os estudos têm para a sua vida futura.

De acordo com Tollefson (2000) Quando os alunos não são bem sucedidos
em sala de aula, há conflitos destes com o professor, ocasionado por inúmeros
fatores. Um dos fatores que se leva a conflito em sala de aula por desmotivação é:

 O aluno culpa o professor pelo seu baixo rendimento e o professor


acredita que o aluno é culpado pelo seu mal rendimento, deixando de
motivar os alunos com dificuldade:

 O aluno achar o professor antipático e as aulas desinteressantes

 Reconhecer por ‘’atividades são insignificantes’’

 Aulas sem dinâmica e sempre tradicionais.

 Matéria ‘’difícil’’

 Resistência do professor em aceitar algum tipo de crítica feito pelos


alunos em relação as suas aulas ou matéria
19

Ainda de acordo com Tollefson (2000), os professores podem ter uma baixa
estima com relação à eficiência na sua capacidade de ensinar. Esses motivos
também podem estar relacionados à baixa capacidade dos alunos em aprender,
descrença dos alunos na educação, falta de apoio familiar, baixo desempenho
escolar.

Segundo Silva (1995) é comum que os adolescentes vão contra as regalias


dos pais e das autoridades da escola. Essa desobediência que os adolescentes têm
é muitas vezes pela falha educacional dos pais, ou até mesmo a baixa qualidade
educacional nas escolas.

Uma pesquisa realizada pela UNESCO (Organização das Nações Unidas


para a Educação) mostrou que treze capitais brasileiras tem um maior número de
alunos insatisfeito com a aprendizagem nas escolas, por causa dos problemas
como: alunos com desinteresses, indisciplina e com pouco espaço no ambiente
escolar(Unesco, 2003).

O maior agravamento para a desmotivação desses alunos, desinteressados e


entre outros fatores são as condições sócio- econômicas (,boa renda familiar e
estrutura familiar adequada), fazendo assim com que o rendimento desses alunos
sejam insatisfatório (MELLO, 2004).

Mas não só isso, os professores também têm que cumprir seu papel de
motivador na sala de aula e nem sempre é o que vemos nas escolas. Isso vem por
uma série de fatores, uma delas é que o educador é desvalorizado
profissionalmente; a gestão pública para investimento do educador é ineficiente;
formação precária do profissional da educação (MELLO, 2004).

Frente a todos esses problemas os professores vão desanimando e


mostrando isso aos alunos que consequentemente irá desmotiva-los. Logo, isso
Contribui para que suas aulas não sejam inovadas, deixando transluzir aos alunos
uma aula cansativa, causando muitas vezes uma insatisfação por parte do aluno no
conteúdo do determinado professor (PALOMARES, 2008).
20

Não só a situação dos professores pode ocasionar a desmotivação dos


alunos, como também o ambiente escolar, na qual tem o poder de proporcionar ou
dificultar a natureza ativa dos alunos e suas realizações para autodeterminação
(REEVE, DECI e RYAN, 2004)

Ames (1984) cita três tipos de estrutura que pode instigar nos ambientes em
sala de aula, é a individualista, a cooperativa e a competitiva. Os que mais
predominam na sala de aula são a competitiva e a individualista, sendo que bem
menos é a cooperativa (BERRY, 2003).

A estrutura cooperativa é um fator positivo, pois os alunos agem em


coletividade, há maior proximação dos colegas e entre eles existem trabalhos
coletivos, onde um ajuda ao outro (ENGELMANN, 2010).

Por outro lado a ‘’estrutura cooperativa interfere nos procedimentos referentes


ao papel do professor especialmente quanto ao emprego formal ou informal da
aprendizagem cooperativa’’ (JOHNSON e JOHNSON, 2009).

Já a competitiva segundo Bzuneck e Guimarães (2004) Ela se predomina em


salas de aula juntamente com os alunos. Alguns autores acreditam que a estrutura
competitiva estimula os alunos o interesse por estudar.

Já para Brotto (1999) a competição acontece isoladamente onde não se


beneficia o grupo e sim apenas poucos indivíduos, ou seja, o que melhor se sair
bem em alguma atividade ou em alguma disciplina tem um destaque maior.

Para Bzuneck e Guimarães (2004) a competitividade entre os alunos é


simplesmente para mostrar ao professor e aos outros alunos quem é o melhor e
quem ocupa o primeiro lugar na sala de aula, mostra-se superior aos outros. Com
isso alguns alunos que não conseguem acompanhar esse grupo que se destacam
mais em sala de aula ficam desmotivados.
21

Dubet (2003) “os alunos mal sucedidos descobrem pouco a pouco que seu
trabalho “não se paga”, que eles não conseguem obter resultados honrosos apesar
de seus esforços”.

Isso faz com que essa parte dos alunos sinta-se rejeitados diante da turma
chegando muitas vezes a se autodiminuirem, fazendo assim com que os professores
vejam esses alunos desinteressados como uma simples falta de motivação de si
mesmo.

Bzuneck e Guimarães (2004) destacam alguns pontos negativos


decorrentes da competição:

 Diferenças sociais entre os alunos

 Individualismo

 Busca pelo sucesso próprio ao invés de ir à busca do aprendizado

 ‘’a promoção de relacionamentos de oposição’’

 Desmotivação intrínseca, por outro lado irá ter a motivação


extrínseca.
22

3. METODOLOGIA

O presente trabalho teve uma abordagem qualitativa e quantitativa, de acordo


com Gunther (2006) a utilização da análise quantitativa e qualitativa é importante,
pois são utilizadas formas complementares e não formas isoladas, sem se manter a
um ou outro método, ajustando-os para solucionar a problemática da sua pesquisa.

O trabalho foi realizado utilizando questionário onde conteve perguntas aos


alunos da rede pública do sétimo ao nono ano do ensino fundamental II, para cada
aluno das referidas séries (sétimo ao nono ano) um questionário e as perguntas
estarão relacionadas com o que motiva e desmotiva os alunos durante seu
aprendizado dentro da escola. O questionário será atribuído em forma de dados
para o presente estudo nas escolas municipais de Patos- PB.

As escolas estudadas foram a E.E.E.M José Gomes Alves, que fica localizada
na rua Donato Lócio, Utb 6251, no bairro do jatobá. E.M.E.E Professor Manoel de
Souza Oliveira, que fica localizada a rua Sebastião Queiroz, no bairro da vitória.
E.M.E.E Monsehor Manoel Vieira, que fica localizada na rua José Satyro Quinho,
171, o bairro Monte Castelo.

O objetivo da pesquisa foi explicitado ao alunado em sintonia com as


questões éticas, buscando proporcionar uma melhoria ao seu rendimento. Os
questionários foram entregues a todos os alunos do sétimo ao nono ano de maneira
individual contendo perguntas objetivas e poucas subjetivas de modo que cada
aluno responda o questionário sem precisar se identificar, abordando o que os
motiva ou desmotiva durante seu processo de aprendizagem.

Segundo Gil (p. 128/129) o uso do questionário é importante pois garante o


anonimato das respostas e não expõe os pesquisadores à influência das opiniões e
do aspecto pessoal do entrevistado.
23

O questionário teve perguntas claras, objetivas, concretas, precisas que


possibilite uma única interpretação Gil (1999). Sendo os critérios utilizados nos
questionários distribuídos da seguinte forma:

 Motivação: nessa categoria se vinculou episódios em que os alunos se


mostram interessados por determinada matéria.

 Desmotivação: essa categoria apresetou situações, aos quais os alunos


demonstraram desinteresse, em determinadas matérias.

 Motivo pelo qual o aluno gosta ou não gosta de determinada matéria: os episódios
dessa categoria apresentaram situações em que os alunos mostraram o motivo de
gostar ou não gostar da matéria

 Possíveis razões para a desmotivação: neste caso, se encontraram episódios que


apresentaram situações que podiam ser possíveis razões do fracasso, tanto do
professor como da escola, na motivação do aluno à aprendizagem e o que falta na
escola para melhorar a motivação deles.

Os dados catalogados foram organizados em planilha para melhor


interpretação dos resultados. Como produto foi gerado um texto com o registro da
motivação e desmotivação, motivo pelo qual o aluno gosta ou não gosta de
determinadas disciplinas e possíveis razões para a sua desmotivação.

Foram utilizadas as matérias (matemática, português, história, geografia,


ciências, artes, inglês, educação física e religião), que eles estudam diariamente na
escola para diagnosticar como encontra a motivação e desmotivação dos alunos
diante dos assuntos abordados em sala de aula. Assim como foi questionado a
família, a escola, professores e estrutura escolar na motivação dos alunos.
24

4. RESULTADOS E DISCUSSÕES

Houve uma união das três escolas do fundamental II, na qual demonstraram
94% dos alunos das três escolas gostam de estudar e 6% não gostam de estudar.
Observando que a maior parte dos alunos disse que gostam de estudar.

Tabela 1 Alunos que gostam de estudar ou não


Números de alunos que gostam de Números de alunos que não gostam de
estudar (%) estudar (%)
Escola 1 Escola 1
Escola 2 Escola 2
Escola 3 Escola 3

94% 6%
25

No quesito qual motivo do aluno gostar da matéria, verificou-se que 67,65%


dos alunos pensam em cursar uma faculdade futuramente. Observando assim que a
maior parte dos alunos das três escolas tem gosto pelo estudo porque pensam em
cursar uma faculdade futuramente. Então essa maior parte dos alunos mostram
preocupados e ao mesmo tempo já tem uma direção a certos objetivos para um
futuro próspero.

BORUCHOVITCH e BZNECK (2001), diz que quando há motivação intrínseca


e extrínseca, o aluno sente-se motivado pelo gosto em aprender, direcionando
perspectivas futuras.

Tabela 2 Motivos Dos Alunos Gostarem Da Matéria ou Não

Motivos Dos Alunos Gostarem da Motivos Dos alunos Não Gostarem


matéria (%) de estudar (%)
Escola 1 Escola 1
Escola 2 Escola 2
Escola 3 Escola 3

67,65% Cursar Faculdade 2,94% Tenho preguiça de ir à escola


futuramente
17,06% Curiosidade por novas 2,35% Meus Pais me obrigam
habilidades
8,82% Professores ou alguns 1,18% Trabalho não tenho tempo de
professores me compreendem e me estudar
motivam a estudar
26

Figura1: Matérias que os alunos gostam

O resultado mostrou que houve uma vantagem para o educador de ciências


(21,80%), porque a grande parte dos alunos entrevistados nas três escolas mostrou
a sua preferência pela mesma. Sendo que uma pequena quantidade 3,38% dos
alunos tem afinidade com português e inglês.

Qual a matéria que você mais gosta

21,80%

18,05%
16,92%

12,41%
9,02% 9,02%

4,51%
3,38% 3,38%
0,75% 0,75%

Segundo Not (1993) Quando determinada matéria tem dinamismo os alunos


se sentem mais motivados e passam a gostar do conteúdo que por ela é oferecido.
27

Figura 2: Motivo dos alunos gostarem da matéria

Quando perguntado qual o motivo do aluno gostar da matéria 28% dos alunos
das três escolas afirmaram que gosta da matéria pelo fato do professor explicar bem.

Gosta de estudar/não gosta de estudar


67,65%

17,06%
8,82%
2,94% 2,35% 1,18%

A B C D E F

A-Cursar faculdades futuramente


B-Curiosidades por novas habilidades
C- Professores/alguns professores me compreendem e me motivam a estudar
D-Tenho preguiça de ir estudar
E-Meus pais me obrigam
F-Trabalho não tenho tempo de estudar

Isso mostra que o educador passa seus conteúdos de forma simples, de fácil
entendimento sem deixar quaisquer dúvidas, havendo assim uma grande motivação por
partes dos alunos. Segundo Polleti (2002) o papel do professor é manter o aluno
interessado e curioso, para que suas aulas tenham efeitos positivos.
28

Figura 3: Matéria que o aluno menos gosta ou não gosta

Ao perguntarem aos alunos quais matérias eles menos gostam ou não


gostam 34,15% disseram que não gostam de português, sabendo que os
professores de português das três escolas não se repetem, ou seja, são professores
diferentes para cada escola.

Qual matéria você menos gosta/não gosta

34,15%

23,41%

11,22%
4,88% 4,88% 5,85% 4,39% 4,39% 4,39%
1,46%

A maior parte dos alunos mostrou que menos gosta ou não gosta da matéria
de português, observando nesse contexto uma necessidade maior dos profissionais da
matéria verificar o que está causando essa desmotivação dos alunos na referida matéria.

Para Balancho & Coelho (1996) o aluno motivado tem interesse pela matéria
e desperta por algo que condicione sua aprendizagem, buscando um objetico certo na
vida.
29

Figura 4: Motivo do aluno menos gostar da matéria ou não gosta

Quando foi perguntado o motivo do aluno menos gostar ou não gostar da


matéria 34,07% dos alunos relatou não gostar da matéria de português.

Motivo de não gostar da matéria


34,07%

15,93% 18,13%
11,54%
7,14% 6,59%
2,75% 3,85%

Professor Não tiro Acredito Não Aula Professor Matéria Não houve
não explica notas boas não precisar simpatizo parada, não não aceita difícil respostas
bem futuramente com o tem minha
professor(a) novidades opnião
.

A metodologia, as matérias que exigem memorização, aulas sem incentivo.


Tudo isso faz com que os alunos não se interessem por determinadas matérias,
fazendo assim com que eles achem a matéria difícil.

Segundo Ferreira et al. (2007); Senos e Diniz (1998); Caldas e Hübner (2001);
Tassoni (2000), um dos motivo da desmotivação de alguns alunos é devido alguns
fatores, entre eles, conteúdos desinteressantes sem nenhum sentido para o aluno,
uso de antigas metodologias, ensino vinculado a memorização.
30

Figura 5: Pais ou responsáveis na motivação dos seus filhos nos estudos

Ao perguntarem se os pais ou responsáveis dos alunos os motivam aos


estudo 72,2% disseram que seus pais ou responsáveis os motivam aos estudos e
querem que seus filhos façam uma futura faculdade.

Seus pais ou responsáveis motivam você ao estudo

72,2%

10,8% 5,7% 4%
2,8% 2,3% 1,1% 1,1%

A B C D E F G H

A- Eles me motivam aos estudos e querem que eu faça uma faculdade


B- Dão exemplos da importância dos estudos
C- Buscam solucionar meus problemas e dificuldades
D- Incentivam aos estudos
E- Não tem tempo de me incentivar, pois eles trabalham
F- Não sabem da importância dos estudos
G- Ir à escola para não ficar em casa
H- Não entendem mihas dificuldades, nem soluciona meus problemas

Contudo podemos concluir que no ambiente familiar os pais mostram-se


presentes e preocupados com o futuro dos seus filhos, e os motivando para
conseguir sempre algo a mais, até mesmo ter uma carreira de sucesso, sempre
passando pelos caminhos da educação. Como o trabalho foi pouco estudado não
houve referências com relação aos estudos entre os pais ou responsáveis dos
alunos.
31

Figura 6: Escola, equipe e os professores na motivação dos estudos dos


alunos

Quando foi perguntado ao aluno se a escola, equipe e professores os


motivam ao estudo 70,91% afirmaram que a escola os motivam a estudar e os
professores mostram a importância dos estudos.

A escola, equipe e professores motivam você aos estudos

70,91%

4,85% 7,88% 6,06% 5,45% 4,85%

A B C D E F

A- A equipe escolar nos motivam a estudar e nossos professores mostram a


importancia dos estudos
B- A escola soluciona o decaimento do rendimento do aluno

C- Professores fazem atividades para melhorar nosso rendimento

D- A escola chama meus responsáveis para solucionar os problemas

E-A escola não nos motiva nem soluciona nossos problemas

F-Professores não fazem atividades extras para melhorar nosso rendimento

Com relação a essa motivação, os alunos mostraram claramente que a


escola, equipe e professores não faltam com seu papel no compromisso de motivar
seus alunos, observando-se que a maioria dos alunos optaram por a equipe escolar os
motivam aos estudos e os professores mostra a importância dos estudos (70,91%).

A escola e os professores tem a função de manter a harmonia e proporcionar


situações agradáveis aos alunos (LIMA, 2000)
32

Figura 7: Estratégias dos professores para melhorar a motivação dos alunos

Quando foi perguntado aos alunos o que o professor podia fazer para
melhorar sua motivação, 35,75% responderam novas maneiras de ensinar.

Como o professor pode fazer para melhorar a sua motivação


35,75%

26,26%
22,91%

7,26% 7,82%

Atenção especial Novas maneiras Ter aula de Professor debater Professor


a minhas dúvidas de ensinar campo, laboratório com os alunos respeitar nossas
e viagens assuntos opiniões e deixar
relacionados a os alunos mostrar
matéria, ser suas
criativo competencias

Uma das interpretações desse resultado é que o professor precisa de uma


nova desenvoltura com relação a sua metodologia, já que sabemos que o ensino é
baseado no método tradicional, isso significa que é o professor, quadro, lápis e
explicação.

De acordo com Vasconcellos (1992) a metodologia tradicional não forma


pessoas críticas, mas sim passivas. Ou seja, os alunos não tem aquela liberdade de
se expressar com seu próprio pensamento, chegando a só concordar com o que o
professor fala diante do assunto exposto, muitas vezes até mesmo sem entender.

Aulas desse tipo podem tornar-se cansativa para o aluno, fazendo com que
muitas vezes eles fiquem dispersos, desmotivado e até mesmo chegando a serem
mal educados.

Por outro lado o professor que valoriza o conhecimento dos seus alunos, que
mostra assuntos interessantes, tem uma metodologia simplista, irá ter um espaço de
respeito mútuo e uma maior aprendizagem dos seus alunos.
33

Figura 8: Ambiente escolar na motivação dos alunos

No quesito o que falta na sua escola para melhorar sua motivação os alunos
com 21,49% afirmaram que falta uma quadra de jogos bem equipada e 20,39%
aulas de informática.

O que falta na sua escola para melhorar a sua


motivação

20,39% 21,49%
17,08%
14,88%
13,50% 12,67%

Ter Laboratório Aula de Quadra de Lanche de Aulas de


biblioteca equipado informática jogos qualidade reforços
com livros equipada
atualizados

A educação física para alunos, desenvolver a saúde do corpo, como também


desenvolve equilíbrio e preparação do aluno para disposição na sala de aula.

As aulas de computação para os alunos servem para eles estarem


conectados as tecnologias, utilização do computador nas pesquisas escolares e
estar por dentro dos benefícios que ele oferece.

Lima (2000) diz que o ambiente escolar tem que estar bem favorecido e
adaptado a necessidade e a vontade do aluno, despertando ao aluno o desejo em
aprender.
34

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Todo o trabalho foi desenvolvido de acordo com os princípios éticos e


responsabilidades vividas como professora e motivadora dentro da sala de aula, de
forma a proporcionar a melhoria da motivação dos alunos para que estes sejam bem
sucedidos no ambiente escolar, que seu rendimento seja bem satisfatório, havendo
o interesse dos alunos pelos estudos para que eles tracem seus objetivos futuros.

Os alunos das três escolas estudadas, grande parte gostam de estudar e tem
perspectiva futura, a equipe escolar, professores motivam seus alunos aos estudos,
assim como a família motiva seus filhos aos estudos. Mas falta uma metodologia
mais dinâmica para que os alunos sejam motivados a determinadas disciplinas,
como também falta um ambiente escolar adequado de acordo com a necessidade
do aluno.
35

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ABREU, M. V. Pais, professores e psicólogos. Coimbra: Coimbra Editora, 1996.

AFONSO, J. & LEAL, I. (2009). Esacala de motivação: adaptação e validação da


motivation scale (M.S.) de Rempel, Holmes & Zanna. Psicologia, saúde &
doenças, 10 (2), 249-266.

AMES, C. Competitive, cooperative, and individualistic goal structures: a


cognitivemotivational analysis. In: Ames, C.; Ames, R. (Ed.). Research on
motivation in education. New York: Academic Press, 1984. v. 1, p. 177-203 Antunes,
Celso. Professor bonzinho= aluno difícil: a questão da indisciplina em sala de aula.
5. ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

ARCAS, P. H. Avaliação da aprendizagem no regime de progressão continuada:


O que dizem os alunos. Dissertação de mestrado, Universidade Estadual de São
Paulo, São Paulo, 2003.

BALANCHO, M. J. S.; COELHO, F. M. Motivar os alunos, criatividade na relação


pedagógica: conceitos e práticas. 2. ed. Porto, Portugal: Texto, 1996.

Berry, R. L. Creating cooperative classrooms. The educational digest, v. 69, n. 2,


p. 39-42, Oct. 2003.

BINI, Luci Raimann; PABIS, Nelsi. Motivação ou interesse do aluno em sala de


aula e a relação com atitudes consideradas indisciplinares. Revista eletrônica
lato sensu, Curitiba, ano, n. 1, mar. 2008.

BORUCHOVITCH, Evely e BZUNECK, José Aloyseo (orgs). A motivação do aluno:


contribuições da psicologia contemporânea. 1.ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

BRASIL. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Ministério da


educação, Brasília, DF.

BROTTO, F. O. Jogos cooperativos: um exercício de convivência. São Paulo:


SESC, 1999.

BZUNECK, J. A. As crenças de auto- eficácia dos professores . In: F.F. Sisto, G.


de Oliveira, & L. T. D. Fini (Orgs.). Leituras de psicologia para formação de
professores. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2000.

BZUNECK, J. A.; GUIMARÃES, S. E. R. A aprendizagem escolar em contextos


competitivos. In. Boruchovitch, E.; Bzuneck, J. A. (org.). A aprendizagem: processo
36

psicológico e o contexto social na escola. Petrópolis: Vozes, 2004. Cap. 9, p. 251-


277.
CABANACH, R. G.; ARIAS, A. V.; PÉREZ, J. C. N.; GONZÁLEZ-PIENDA, J. N. Una
aproximación teórica al concepto de metas académicas y su relación com la
motivación escolar. Psicothema. Espanha, v. 8, n. 1, p. 45-61, 1996.

CALDAS, R.F.L e HUBNER, M.M.C. (2001). O desencantamento com o aprender


na escola: o que dizem professores e alunos. Psicologia: Teoria e Prática,
3(2):71-82. Recuperado em 05 janeiro, 2010, de
http://www3.mackenzie.br/editora/index.php/ptp/article/view/1091/804.

CARRASCO, J.; BAIGNOL, J. Técnicas y recursos para motivar a los alumnos.


Madrid: Ediciones Rialp, 1993.

DUBET, F. A escola e a exclusão. Cadernos de pesquisa, n. 119, p. 29-45, jul.


2003. Disponível em: HTTP://www.scielo.br/pdf/cp/n119a02.pdf. Acesso em: 01 mar.
2016.

ENGELMANN, E. A Motivação De Alunos Dos Cursos De Artes De Uma


Universidade Pública Do Norte Do Paraná. Londrina, 2010. 124 f. : Il.

FERREIRA, D.A., GAMA, E., SILVA, H. H. O., PADILHA, V. H., BARRETO, A. A.,
RODRIGUES, E. G., MACHADO, M. A (2007). Indisciplina e desinteresse do
aluno da rede oficial de ensino: uma abordagem da sociologia da educação.
Recuperado em 24 agosto, 2009, de
http://www.unisuam.edu.br/augustus/pdf/ed24/rev_augustus_TC_ed_24_05.pdf.

FRENCH, J.; RAVEN, B. As bases do poder social. In: Cartwright, D.; Zander, A.
(Ed.). Dinâmica de grupo: pesquisa e teoria. São Paulo: Herder,1967.

GIL, A, C. Métodos e técnicas em pesquisa social. 5.ed. São Paulo: Atlas, 1999.

----------. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.

GILLY, M. A propos des rapports enseignant-enseigné: la representátion


réciproque maître-élève repose-t-eller sur un malentendu? Congrès Lápport des
sciences fundamental aux sciences de l’ education. Actes... Paris: Ed. de L’Épi,
1976. v. II, p. 453-459.

GUIMARÃES, S. & BORUCHOVITCH, E. (2004). O estilo motivacional do


professor e a motivação intrínseca dos estudantes: Uma perspectiva da teoria
da autodeterminação. Psicologia: Reflexão e crítica, 17 (2), 143-150.

GUNTHER, Hartmut. Pesquisa Qualitativa Versus Pesquisa Quantitativa: Esta É


a Questão? In Psicologia: Teoria e Pesquisa. Mai- Ago 2006, Vol. 22 n. 2, pp. 201-
210.
37

HERSEY, Paul & BLANCHARD, KENNETH H. 1986. Psicologia para


Administradores. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária.

JESUS, S. (1996). Influências do professor sobre o aluno. Lisboa: Edições ASA.

JESUS, S. (2000). Motivação e formação de professores. Coimbra: Quarteto


editora.

JESUS, S. (2004). Psicologia da educação. Coimbra. Quarteto Editora.

JESUS, S. N. (2007). Estratégias para motivar os alunos. Educação, Porto Alegre,


v. 31, n.1, p. 21-29. 2008.

JESUS, S. N. A motivação para a profissão docente. Contributo para a


clarificação de situações de mal-estar e para a fundamentação de estratégias
de formação de professores. Aveiro: Estante Editora, 1996a

______. Influência do professor sobre os alunos. Porto:


Edições ASA, 1996b.

JOHNSON, D. W.; JOHNSON, R. T. An educational psychology success story:


social interdependence theory and cooperative learning. Educational researcher,
v. 38, n. 5, p. 365-379, June/July, 2009.

LEPPER, M. R., HENDERLONG, J. Turning ‘’ play’’ into ‘’work’’ and ‘’work’’ into ‘’
play’’: 25 years of research on intrinsic versus extrinsic motivation. In: C.
Sansone, J. M. Harackiewicz (EDS.) intrinsic and extrinsic motivation: the search for
optimal motivation and performance. San Diego, academic press, 2000.

LEPPER, M. R.; HENDERLONG, J.; IYENGAR, S. S. Intrinsic and extrinsic


motivational orientations in the classroom: age differences and academic
correlates. Journal of educational psychology, v.97, n. 2, p. 184-196, 2005.

LIMA, L.M.S. Motivação em sala de aula: A mola propulsora da aprendizagem.


In: SISTO, F.F; OLIVEIRA, G.C; FINI, L.D.T. (Orgs.) Leituras de psicologia para
formação de professores. Rio de Janeiro: Vozes, 2000. p. 148-161.

MARTINI, M. L. Atribuições de causalidade, crenças gerais e orientações


motivacionais de crianças brasieiras. Dissertação de mestrado, Universidade
Estadual de Campinas, Campinas, 1999.

MELLO, G. N. de. (2004). Cidadania e competitividade: Desafios educacionais


do terceiro milênio. São Paulo: Editora Cortez, 1994.
38

MESQUITA, R. & DUARTE, F. (1996). Dicionário de psicologia. Lisboa: Plátano


editora, S. A.

MORAES, C. R.; VARELA, S. Motivação do aluno durante o processo de ensino


e aprendizagem. Revista eletrônica de educação. Londrina, v. 1, n. 1, p. 1-15,
ago/dez., 2007.

MURRAY, Edward. Motivação e emoção. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores,


1971.

NERI, Anita Liberalesso. A motivação do estudante? Abordagem


Comportamental. In: La Puente, M. (Org.). Tendências contemporâneas em
psicologia da educação. São Paulo: Cortez, 1992.

NÉRICI, Imídeo Giuseppe. Didática: uma introdução. São Paulo: Atlas, 1993.

NEVES, E. R. C.; BORUCHOVITCH, E. A motivação de alunos no contexto da


progressão continuada. Psicológica: teoria e pesquisa, v. 20, n. 1, p. 077- 085,
2004.

PALOMARES, Denise Oliveira Amorim, Educação: como a relação aluno-


professor influencia na deficiência do aprendizado?. Disponível em:
<http://www.uel.br/grupoestudo/gaes/pages/arquivos/GT3%20Artigo%20Denise%20
Palomares%20Educacao%20como%20a%20relacao%20aluno%20professor.pdf>.
Acesso em 26 Mai. 2016.

PINTRICH, R. R.; Schunk, D. H. Motivation in education. theory, research and


applications. 2. ed. New Jersey: Pearson Education, 2002.

POLETTI, André. O professor e a gestão do conhecimento. Profissão mestre, São


Paulo, p. 22-23, set. 2002.

REEVE, J.; Deci, E. L.; Ryan, R. M. Self- determination theory: a dialectical


framework for understanding sociocultural influences on student motivation.
In: McINERNEY, D. M.; Van Etten, S. (Ed.) Big Theories revisited. Greenwich:
Information Age Publishing, 2004. Cap. 3, p. 31-60.

SANTOS, B. & MOSQUERA, J. (2007). Processos motivacionais em contextos


educativos. Educação, XXX, 297-306.

SENOS, J. e DINIZ, T. (1998). Auto-estima, resultados escolares e indisciplina:


estudo exploratório numa mostra de adolescentes. Analise psicológica, 2(XVI),
pp.: 267-276. Recuperado em 22 de janeiro, 2010 de
http://www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/aps/v16n2/v16n2a06.pdf.

SILVA, C. (2007). Leitura e motivação. Dissertação de mestrado em linguística


Universidade Federal de Uberlândia. Uberlândia.
39

SILVA, H.H.C. O que um professor pode aprender com um cronópio. Ou


visitando velhos problemas da escola brasileira. Rio de Janeiro,1995. (impresso).

SIQUEIRA, L. & WECHSLER, S. (2006). Motivação para aprendizagem escolar.


Possibilidade de medida. Avaliação psicológica, 5 (1), 21-31.

SIQUEIRA, L. & WECHSLER, S. (2009). Motivação para a aprendizagem escolar


e estilos criativos. Educação temática digital, 10, 124-146.

SPRINTHALL, N. A. & SPRINTHALL, R. C. (1993). Psicologia educacional. Lisboa:


Mcgraw Hill.

TAPIA, Jesús Alonso. Contexto, motivação e aprendizagem. In: Tapia, Jesús


Alonso; Fita, Enrique Caturla. A motivação em sala de aula: o que é, como se faz.
6. ed. São Paulo: Loyola, 2004. p. 12-61.

TARCITANO, T.; GUIMARÃES, A.L. Ensino médio no Brasil ganha maiôs análise
já feita em pesquisa. Brasília, 2003. Disponível em: < HTTP:/ www. Brasília.
unesco. org/ noticias/ revista_ant/noticias2003/ensino_medio_final> Acesso em: 01
mar. 2016.

TASSONI, E.C.M. (2000). Afetividade e aprendizagem: a relação professor


aluno. Recuperado e 05 janeiro, 2010 de
http://168.96.200.17/ar/libros/anped/2019T.PDF.

TOLLEFSON, N. classroom applications of cognitive theories of motivation.


Educational psychology Review, v. 12, n.1, p. 63-83, 2000.

VASCONCELLOS, Celso dos S. Metodologia Dialética em Sala de Aula.


In:Revista de Educação AEC. Brasília: abril de 1992 (n. 83).

VASCONCELLOS, Celso dos Sntos. Disciplina: construção da disciplina


consciente e interativa em sala de aula e na escola. 11. ed. São Paulo: Libertad,
2000.

VIEIRA, M. E. (2013). Criatividade e motivação em crianças e jovens: Um estudo


comparativo, Dissertação de mestrado em psicologia da educação.
Universidade de Algarve.
40

7. APÊNDICE

Universidade Federal de Campina Grande


Centro de Saúde e Tecnologia Rural
Unidade Acadêmica de Ciências Biológicas
Campus- Patos- PB

-Questionário sobre motivação e desmotivação dos alunos na escola da rede pública da cidade de
Patos- PB

1- Qual seu sexo?

Masculino Feminino

2- Você trabalha?

N Não trabalho Trabalho

3- Qual sua idade?

I. 12
II. 13
III. 14
IV. 15
V. 16
VI. 17
VII. 18
VIII. 19

4- Gosta de estudar?

I. Sim; Penso em cursar uma faculdade futuramente.


41

II. Sim; Tenho curiosidade por novas habilidades.


III. Sim; Os professores ou alguns professores me compreendem e me motivam a estudar.

I. Não; Os professores ou alguns professores não me motivam para o gosto em aprender e


não me compreendem.
II. Não; Tenho preguiça de ir à escola.
III. Não; Vou à escola somente porque meus pais obrigam.
IV. Não; Eu trabalho e não tenho tempo de estudar.

5- Qual a matéria que você gosta mais?


I. Português Artes Geografia Educação física

II. Religião Matemática Ciências História

III. Outra(qual?)_________

IV. Nenhuma (Se marcar nenhuma pule para próxima pergunta).

I. Gosto dessa matéria porque o/a professor (a) explica bem


II. Gosto dessa matéria porque tiro notas boa
III. Gosto dessa matéria porque vou precisar para uma futura faculdade
IV. Gosto dessa matéria porque o professor aceita minha opinião
V. Gosto dessa matéria porque o/a professor (a) me incentiva durante as aulas
VI. Gosto dessa matéria porque há novidades a cada aula
VII. Gosto dessa matéria porque é de fácil entendimento

6- Qual a matéria que você menos gosta ou não gosta?


I. Português Artes Geografia Educação física

II. Religião Matemática Ciências História

III. Outra(qual?)_________ Todas

I. O/a professor (a) não explica bem.


II. Porque não tiro notas boas.
III. Porque acredito não precisar futuramente.
IV. Porque não me simpatizo com o/a professor (a).
V. Porque não tem novidade e a aula é parada.
VI. Porque o/a professor (a) parece não aceitar minhas opiniões.
42

VII. Porque ela é difícil.

7- Em casa seus pais ou responsáveis motivam aos estudos?


I. Sim; Meus pais/ responsáveis querem que eu chegue a uma universidade e tenha um futuro
brilhante.
II. Sim; Meus pais/ responsáveis dão exemplos dentro de casa da importância do estudo.
III. Sim; Meus pais/responsáveis entendem minhas dificuldades em algumas matérias e buscam
solucionar meus problemas diante à escola.
IV. Sim; Meus pais/ responsáveis me incentivam a estudar.

I. Não; Meus pais/responsáveis não têm tempo de me incentivar porque trabalham.


II. Não; Meus pais/responsáveis não sabem a importância do estudo na minha vida.
III. Não; Meus pais/responsáveis acreditam que devo ir à escola para não ficar em casa.
IV. Não; Meus pais/responsáveis não entendem minhas dificuldades em algumas matérias e não
busca soluciona- las.
V. Não; Meus pais/responsáveis acham que devo trabalhar para ajudar nas despesas.

8- A escola com toda sua equipe inclusive professores tem motivado você durante todo seu
processo de permanência no estudo?
I. Sim; A escola e toda sua equipe nos motiva a estudar e, além disso, os professores mostram a
importância de estudar.
II. Sim; A escola procura solucionar o decaimento do rendimento dos alunos, para que possa
motiva- los a superar seus problemas e assim manter sua permanência na escola.
III. Sim; Os professores fazem atividades extras para melhorar nosso rendimento,
sendo que dentro dessas atividades nos trazem conteúdos interessantes.
IV Sim; Quando meu rendimento na escola não vai bem, a escola chama meus
responsáveis para solucionar este tipo de problema.

I. Não; A escola e toda sua equipe não me motivam a estudar, nem os professores mostram a
importância dos estudos na minha vida.
II. Não; A escola não se importa com nosso rendimento e nem procura solucionar nossos
problemas.
III. Não; Os professores não têm interesse em fazer atividades extras para melhorar nosso
rendimento, nem nos trazem conteúdos interessantes.

9- O que você acha que seus professores podem fazer para melhorar sua motivação?

I. Professor (a) precisa dar uma atenção especial nas minhas dúvidas.
43

II. Professor (a) deve proporcionar novas maneiras de ensinar, para melhorar meu
desempenho.
III. Professor (a) deve nos mostrar na prática o que ele ensina dentro da sala de aula, tipo:
aula em campo, laboratório, viagens educativas entre outros.
IV. Professor (a) deve ser aberto (a) para debater com os alunos assuntos relacionados
com a sua matéria e ser um (a) professor (a) criativo (a).
V. Professor (a) deve respeitar nossas opiniões e deixar nós alunos mostrarem nossas
competências diante do assunto abordado.

10- O que falta na sua escola para melhorar sua motivação?


I. Ter uma biblioteca com livros atualizados.
II. Ter um laboratório todo equipado.
III. Ter aula de informática uma vez por semana.
IV. Ter uma quadra de jogos bem equipada.
V. Ter lanche de qualidade.
VI. Ter professores que façam aula de reforço para alunos com rendimento baixo em certas
matérias.

Você também pode gostar