Você está na página 1de 20

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS

INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS, COMUNICAÇÃO E ARTES


CURSO DE BIBLIOTECONOMIA
ANÁLISE DA INFORMAÇÃO I

A ANÁLISE DA INFORMAÇÃO EM SISTEMAS DE


RECUPERAÇÃO DE INFORMAÇÃO:
Ciclo Informacional, e Linguagens Natural e Documentária

Profº Edivanio Duarte de Souza


edivanioduarte@gmail.com

Maceió, Alagoas
2011.1
A Análise da Informação no Sistema de
Recuperação da Informação (SRI)
 O Ciclo da Informação;

 A informação e o documento em Sistemas de Recuperação da


Informação (SRI);

 O tratamento da informação nos SRI;

 Linguagem natural e Linguagem Documentária;

 Análise e representação da informação em SRI.


Representação Documentária
 Ciclo da informação:
• Universo da informação:
 produção do conhecimento;
 registro;
 assimilação.

• Universo do documento:
 seleção/aquisição;
 representação do conhecimento;
 disseminação da informação (DODEBEI, 2002).
Ciclo da Informação

Fonte: Dodebei (2002).


Universo da Informação
 Onde se dão as trocas de informação;
 Três etapas:
◦ produção de conhecimento:
 verticalização (especialização);
 horizontalização (complexidade).
◦ registro de conhecimento:
 diversidade de suportes (livros, periódicos, bases de dados, sites, CD-
ROM, etc.);
 diversidade de formatos (textuais, visuais, sonoras ou
tridimensionais).
◦ assimilação:
 percepção da informação;
 contextualização da informação
 geração de novos conhecimentos. (DODEBEI, 2002).
Esquema Geral do SRI (Universo do
Documento)

Fonte: Dodebei (2002).


Universo do Documento
 Subconjunto do ciclo de informação responsável pela memória
documentária;
 Três etapas:
◦ seleção e aquisição:
 composição do acervos ou das memórias;
 filtro entre necessidade de informação (usuário) e oferta de
informação (SRI).
◦ representação do conhecimento (representação da informação):
 Filosofia: construção do conhecimento;
 Filosofia da Linguagem: atribuição de significado às nossa experiências
(MAGRO, 1999 apud DODEBEI, 2002);
 Ciência da Informação: mediação entre emissor (SRI/usuário) e
receptor (usuário) (condensação dos conteúdos) (KOBASHI, 1996 apud
DODEBEI, 2002).
Universo do Documento
 Representação da informação:
◦ redução semântica:
 o processo de intermediação impõe a redução semântica em
detrimento da pluralidade de significados;

◦ pluralidade de significados:
 a relação entre o conteúdo (expresso na palavra) e o sujeito pensante;
 as representações variam não apenas pela forma de apresentação, mas
também pelo modo de interpretação.

◦ produção de sentidos:
 a representação documentária implica (possibilita) a produção de
(novos) sentidos;
 as palavras assumem significados de acordo com sua inserção
contextual (DODEBEI, 2002).
Universo do Documento

 Produtos da representação da informação:


◦ textos na íntegra;
◦ resumos;
◦ referências [bibliográficas];
◦ índices;
◦ catálogos;
◦ bibliografias;
◦ códigos textuais, imagéticos, sonoros, digitais, etc. (DODEBEI,
2002).
Universo do Documento
 Disseminação da informação:
◦ não apenas ocorre no universo do documento, faz parte da
natureza humana;
◦ conceito subordinado aos conceitos de transmissão, divulgação ou
veiculação de informação;
◦ a disseminação de um item extrapola a unidade material (forma e
conteúdo), por intermédio das relações estabelecidas pelas
representações da memória documentária;
◦ a disseminação da informação utiliza de estratégias redutoras para
impedir a oferta de informações não desejadas;
◦ a disseminação está necessariamente relacionada a satisfação de
determinada necessidade de informação (DODEBEI, 2002).
Representação Documentária:
componentes

Fonte: Dodebei (2002).


Representação Documentária

 Bibliográfica, descritiva ou objetiva (física):


◦ catalogação;
◦ referências;

 Intelectual, temática ou subjetiva (conteúdo):


◦ indexação;
◦ classificação (CESARINO; PINTO, 1978);
◦ resumo.
Indexação e Resumo
Materialidade Formalidade
 Representação concisa do  Análise, interpretação,
conteúdo de um seleção e síntese;
documento;

INDEXAÇÃO
Análise,
TEXTO-FONTE interpretação, OU
seleção e síntese
RESUMO
Linguagem Natural
 Linguagem natural:
◦ discurso comum;
◦ usada habitualmente na escrita e na fala;
◦ sinônimo de texto livre (o título, um resumo, um extrato, ou o
texto integral de uma publicação) (LANCASTER, 1993);
◦ linguagem e/ou palavras do autor;
◦ linguagem do documento;
◦ linguagem do texto-fonte.
 Funções da linguagem natural:
◦ semântica:
 polissemia;
 homonímia;
 sinonímia.
◦ sintática:
 estrutura frásica;
 coordenação entre os termos/palavras (DODEBEI, 2002).
Linguagem Documentária

• Dicotomia documentação/informação:
◦ análise documentária (analyse documentaire) – modelo europeu;
◦ análise da informação (information indexing) – modelo norte-
americano;
• Linguagens de representação da informação (Brasil) –
influências européia e norte-americana:
◦ linguagem documentária;
◦ linguagem de indexação.
Estrutura das Linguagens Documentárias
 De acordo com o domínio:
◦ universal (abarca a totalidade do conhecimento);
◦ especializada (abarca a totalidade de um campo especifico do
conhecimento).
 De acordo com o objeto:
◦ pré-coordenadas (relações de assunto) - unidimensionais;
Ex.: classificações decimais (CDD) e cabeçalhos de assunto.
◦ pós-coordenadas (relações conceituais) - pluridimensionais.
◦ Ex.: classificações facetadas (Colon Classification) e tesauros.
 De acordo com a ordem:
◦ Rede de conhecimento;
◦ Identificação e segmentação do domínio do conhecimento
(DODEBEI, 2002).
Funções das Linguagens Documentárias
 Organizar o campo conceitual da representação
documentária;

 Servir de instrumento para a distribuição útil dos livros ou


documentos:
◦ Classificação Decimal de Dewey (CDD);
◦ Classificação Decimal Universal (CDU).
 Controlar as dispersões léxicas, sintáticas e simbólicas no
processo de análise documentárias:
◦ Cabeçalhos de assuntos;
◦ Tesauros. (DODEBEI, 2002).
Controle de Vocabulário
 Semântico (vocabulário):
◦ sinônimo
 Sons de fala ver Pronúncia;
 Criação de abelha ver Apicultura;
◦ grafias diferentes:
 Bergamota ver Mexerica
◦ abreviaturas e siglas:
 ONU ver Organização das Nações Unidas;
◦ assuntos relacionados:
 Educação ver também Escolas;
 Ensino ver também Aprendizagem;
 Estrutura Física ver também Estrutura Molecular.
Controle de Vocabulário
 Sintático (estrutura frásica):
◦ CONCRETO-PROCESSO ou LUGAR (KAISER, 1911 apud FOSKETT,
1973):
 Ex.: Soldagem de aço X AÇO-SOLDAGEM;
◦ PMEST (Personality, Matter, Energy, Space e Time)
(RANGANATHAN, 1945 apud FOSKETT, 1973);
 Ex.: Soldagem de aço x SOLDAGEM-AÇO;
◦ COISA–PARTE-MATERIAL -AÇÃO (COATES, 1960 apud FOSKETT,
1973).
 Ex: Tratamento térmico do alumínio x ALUMÍNIO-TRATAMENTO
TÉRMICO.
 EX.: Fabricação de sacos multifolhados de papel Kraft x SACOS-PAPEL-
KRAFT-MULTIFOLHADO-FABRICAÇÃO
Referências
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6028: informação e documentação –
resumo – apresentação. Rio de Janeiro: ABNT, 2003. 2p.
CESARINO, M. A. N. Sistemas de recuperação de informação. Revista da Escola de
Biblioteconomia da UFMG, Belo Horizonte, v. 14, n. 2, p. 157-168, set. 1985. Disponível em:
< http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/reb/>. Acesso em: 08 ago. 2010.
CESARINO, M. A. N.; PINTO, M. C. M. Cabeçalho de assunto como linguagem de indexação. .
Revista da Escola de Biblioteconomia da UFMG, Belo Horizonte, v. 7, n. 2, p. 268-288, set.
1978. Disponível em: < http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/reb/>. Acesso em: 08 ago.
2010.
DODEBEI, V. L. D. Tesauro: linguagem de representação da memória documentária. Niterói:
Intertexto; Rio de Janeiro: Interciência, 2002. 119p.
FOSKETT, A.C. A abordagem temática da informação. São Paulo: Polígono; Brasília: Ed.
Universidade de Brasília, 1973. 437p.
LANCASTER, F. W. Indexação e resumos: teoria e prática. Brasília: Briquet de Lemos Livros,
2004. 347p.
PINTO, M. C. M. F. Análise e representação de assuntos em sistemas de recuperação de
informação; linguagens de indexação. Revista da Escola de Biblioteconomia da UFMG, Belo
Horizonte, v. 14, n. 2, p. 169-186, set. 1985. Disponível em: <
http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/reb/>. Acesso em: 08 ago. 2010.
SMIT, J. W. (Coord.). Análise documentária: a análise da síntese. Brasília: IBICT, 1987. 133p.

Você também pode gostar