Você está na página 1de 6

CENTRO UNIVERSITÁRIA INGÁ - UNINGÁ

BRITO, SUELEN. F. R.
CENTRO UNIVERSITÁRIA INGÁ
FARMÁCIA EAD

Componente Curricular
Estágio Curricular supervisionado I - Unidade Básica de Saúde (UBS)

Maringá
Dezembro/2020
INTRODUÇÃO

Esse estudo trata-se de uma resenha crítica da lei 8080 de 1990.


A lei 8.080/90, foi sancionada pelo então presidente da República, Fernando Collor
de Mello, e decretada pelo Congresso Nacional, foi publicada no diário oficial em 20 de
setembro de 1990 e implementando no país o Sistema Único de Saúde SUS.
Segunda a íntegra da Lei 8.080/90 (BRASIL, 1990), a saúde é um direito
fundamental do ser humano, devendo o Estado prover as condições indispensáveis ao
seu pleno exercício, as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a
organização e funcionamento dos serviços correspondentes, essa lei também é
conhecida como lei orgânica da saúde.
A obra é separada por títulos e capítulos, respectivamente:
● Título I contendo capítulo único
● Título II contendo VI capítulos
● Título III contendo II capítulos
● Título IV contendo capítulo único
● Título V contendo III capítulos
Sendo que o texto completo contém 17 páginas.

A lei 8.080/90 regulamenta e estabelece os princípios, os objetivos, as diretrizes,


bem como a competência e atribuições do Sistema Único de Saúde (SUS) que garante
o acesso universal e irrestrito à saúde. Além disso a lei em seus dispositivos estabelece
uma série de princípios que merecem ser destacados. Princípios esse que formam a base
do SUS, que são Integralidade, Universalidade, Hierarquização, Equidade,
Descentralização e Controle Social. Estes, orientam as diretrizes do SUS e suas funções,
esclarece sobre quais órgãos fazem parte do SUS e regras para complementar a
necessidade de convênio privado. Também dispõe as missões do SUS de identificar,
formular e executar ações concretas a políticas compatíveis às necessidades.
Esclarecendo sobre os objetivos para as ações de vigilância, prevenção e controle de
doenças junto a vigilância epidemiológica e vigilância em saúde.
Reitera a declaração de que o SUS deve ter comando único e suas devidas
secretarias Estadual, Municipal e Federal, como responsáveis dentro de seus territórios.
As relações de mediação entre os três poderes se dá através de comissões gestoras,
deixando claro suas devidas responsabilidades de acordo com seus setores.
Alguns capítulos tratam de leis adicionais para tornar claro as especificidades, tais
como, atenção à saúde indígena e a atenção domiciliar. Em suma, a lei toda trata de
forma detalhista e minuciosa os mais diversos e amplos aspectos de saúde no Brasil,
desde assistência básica e suas diretrizes até as especialidades.
A Lei 8080 de 1990 é um resumo de todas as diretrizes do sus, com acréscimos
de gestão e medidas operacionais.
CONCLUSÃO

Apesar da Constituição Brasileira garantir a todos o acesso à saúde, é comum


observar, sobretudo os mais carentes, absurdos sobre o sistema de saúde pública
do Brasil, como por exemplo falta de leitos hospitalares, medicamentos e
profissionais da saúde entre outros. Não obstante a lei 8.080/90 ter trazido avanço na
saúde, percebe -se que o SUS apresenta falhas, muitas das vezes graves. O direito à
saúde é um direito Fundamental importante tutelado pela Constituição Federal e que não
vem sendo respeitado em sua plenitude, apesar dos esforços que a atual situação em
que se vive; de Pandemia; ser algo sem precedentes, entende-se que se os princípios e
diretrizes do SUS fossem cumpridos, em teoria, funcionaria de forma exemplar para muito
países.
Nada disso invalida a necessidade do SUS, mas deixa claro a extrema importância
de sua existência é notória a carência de maior atenção a área, inclusive na fiscalização
quanto ao uso e distribuição de verbas e cargos. Segundo o Sanitarista Paulo Buss, da
Fiocruz (Buss,2020), o atual cenário pandêmico claro a importância do SUS, que realça
a importância e cumprimento da Lei 8080/90
O que se observa é que existe pouco investimento na área da saúde e
desenvolvimento científico; assim como é sabido que ocorre em outras áreas
importantes; além disso, também é clara a problemática no que diz respeito à má gestão
na distribuição dos recursos pelos governos federal, estadual e municipal. Apesar de
todos os problemas, a lei 8.080/1990 e o SUS representam um marco histórico na saúde
do Brasil, pois, apesar das falhas nessa lei, já reconhecida e publicado por muitos
especialistas, ela contribuiu muito para o avanço da saúde pública no país.
Suelen de Freitas da Rosa de Brito, Farmácia, Centro Universitária Ingá –
UNINGÁ.
REFERÊNCIAS

BRASIL. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos, 1990. LEI Nº 8.080, DE 19 DE
SETEMBRO DE 1990. Brasília, DF, 1990. Disponível em
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm> Acesso em 01 de dezembro de
2020.

CANUT, Leticia. Uma breve introdução ao SUS para compreensão do direito à saúde no
Brasil.
UFSC. v. 12 n. 12 (2012): Revista de Direitos Fundamentais & Democracia. Disponível
em <https://revistaeletronicardfd.unibrasil.com.br/index.php/rdfd/article/view/311>
Acesso em 04 de dezembro de 2020.

CARVALHO, Gilson de Cassia Marques. O momento atual do SUS ... a ousádia de


cumprir e fazer cumprir a lei. Saude soc., São Paulo, v. 2, n. 1, pág. 9-24, 1993. Disponível
em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-
12901993000100003&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 04 de dezembro de 2020.
https://doi.org/10.1590/S0104-12901993000100003 .

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em:


<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm> Acesso em 02 de
dezembro de 2020.

FORTE,Paulo Antonio de Carvalho. Bioeticistas brasileiros e os princípios da


universalidade e da integralidade no SUS. Rev Saúde Pública 2009;43(6) . Departamento
de Prática de Saúde Pública. Faculdade de Saúde Pública. Universidade de São Paulo.
São Paulo, SP, Brasil. Disponível em
<https://www.scielosp.org/article/rsp/2009.v43n6/1054-1058/pt/#ModalArticles> Acesso
em 04 de dezembro de 2020.
MATTOS, Ruben Araujo de. A integralidade na prática (ou sobre a prática da
integralidade). Cafajeste. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 20, n. 5, pág. 1411-1416,
outubro de 2004. Disponível em
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-
311X2004000500037&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 04 de dezembro de 2020.
https://doi.org/10.1590/S0102-311X2004000500037 .

ROCHA DE OLIVEIRA, M.; FERREIRA FREITAS, R. . ANÁLISE CRÍTICA DO ARTIGO


2º DA LEI 8.080 DE 1990 (LEI ORGÂNICA DA SAÚDE) QUE DISPÕE QUE A SAÚDE É
UM DIREITO FUNDAMENTAL DO SER HUMANO. Revista Desenvolvimento Social, v.
21, n. 1, p. 185-198, 7 abr. 2020. Disponível em
<https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/rds/article/view/1880/2006> Acesso em
04 de dezembro de 2020.

Você também pode gostar