Você está na página 1de 9

MARKETING DE PERMISSÃO E GAMIFICAÇÃO

Transformando estranhos em amigos e amigos em clientes


Vamos aprender mais sobre marketing !!

Os anúncios devem ser cativantes, em termos de chamar a atenção do cliente


em segundos. Neste resumo do livro, discutiremos como fazer isso.

Quem deve ler “Marketing de permissão”? E porque?


Este livro dá ao termo “Marketing” uma dimensão totalmente nova, de um
ponto de vista diferente.

Devido à abundância de informações, o mundo espera uma mudança


organizacional interna.

As pessoas se incomodam com milhares e milhares de mensagens impostas e,


portanto, é lógico buscar apenas relevância, não quantidade.

Além disso, os indivíduos que se esforçam para permitir que os consumidores


participem indiretamente do procedimento de desenvolvimento de anúncios
ficarão entusiasmados com Seth Godin e suas teorias.

Embora a ocupação enlouqueça as pessoas, transmitir uma mensagem sem


fazer pesquisas é como comprar mantimentos ao acaso - sem nem mesmo
verificar o que combina com você.

Fique atento a novas oportunidades de negócios e aproveite todas as


possibilidades ao longo do caminho.

Sobre Seth Godin


Seth GodinSeth Godin nasceu em 10 de julho de 1960 em Nova York. Ele teve
muitas campanhas de sucesso durante sua carreira.

Ele também teve uma função executiva no Yahoo como vice-presidente de


marketing direto do Yahoo, que mais tarde ficou maravilhado com Yoyodyne, a
empresa de Godin.

Como gerente de marca, Seth trabalhou na Spinnaker Software, uma empresa


de desenvolvimento de produtos multimídia.

Seth Godin é um profissional de marketing e um dos blogueiros mais influentes


do mundo.
Em seu clássico “Marketing de permissão”, ele traz conceitos fundamentais
essenciais para quem deseja fazer marketing para um consumidor mudado.

Os comerciais durante o seu programa de TV favorito ou ligação de


telemarketing na hora do jantar em família acabaram, assim como a
publicidade tradicional baseada em chamar a atenção das pessoas por meio da
interrupção.

Em vez de incomodar seu cliente em potencial, por que não incentivá-lo a


aceitar suas mensagens de marketing voluntariamente?

O marketing de permissão permite que você fale apenas com quem realmente
se preocupa com seus produtos e serviços e permite que sua empresa
construa relacionamentos de longo prazo com seus clientes.

“Resumo de marketing de permissão”

Em primeiro lugar, não fique muito confortável com o processo de gastar


milhares de dólares em uma única campanha de marketing. De qualquer forma,
o dinheiro não pode comprar criatividade e exclusividade.

Na verdade, um profissional de marketing pode começar colocando-se na


perspectiva do cliente e interpretar a mensagem transmitida - de forma
imparcial.

Em outras palavras, você deve descobrir o que seus clientes esperam de você.
Aderindo a conceitos antigos, quanto maior, melhor; pode levar ao desastre
total.

Você vai acabar sem um tostão sem ver nenhum resultado positivo.

O chefe de marketing direto do Yahoo disse uma vez: “Se você não está
familiarizado com as preferências dos consumidores, pergunte a eles”. Simples
assim.

Você não precisa perder tempo tentando resolver as coisas, apenas investigue
suas necessidades. Na realidade, os departamentos de marketing dão
prioridade às caras campanhas de marketing e negligenciam outros elementos
como produção, gestão, finanças, etc.

“Marketing de permissão” é a personificação de uma jornada de sucesso, que


garante ROI.

OS FUNDAMENTOS DO MARKETING DE PERMISSÃO:

Para que sua estratégia de marketing de permissão seja bem-sucedida, ela


deve se basear em 3 características principais:

Deve ser antecipado pelo cliente: ele deve aguardar com antecedência as
informações sobre o produto ou serviço de sua empresa. Não se trata de pegá-
lo de surpresa. É sobre querer ouvir você.
Deve ser pessoal: as informações de marketing devem se relacionar
profundamente com o cliente e não se concentrar em um mercado de massa.
Tem que ser personalizado.
Relevante para o cliente: tem que ser sobre algo que realmente importe e
queira saber mais sobre esse assunto. Se você seguir esses 3 critérios, as
pessoas vão querer saber mais sobre você e sua marca.
Seth Godin apenas assessora e incentiva as organizações, para premiar os
clientes com a entrega de um papel de responsabilidade, antes de lançar uma
“campanha”.

Vamos esclarecer tudo relacionado à permissão e por que o autor indica que o
processo de aprendizagem tem muito em comum com tudo o mais.

Na verdade, pelos padrões tradicionais, autorização e participação encontram-


se em bases controversas. Apesar de vivermos na Era da Informação, uma
época de menores restrições sociais, parece que não temos tempo para
agradar nossos clientes. Muitos discordariam, mas vejamos os fatos.

Os clientes fiéis não querem nada em troca além de um produto que satisfaça
suas necessidades.

Por outro lado, ao atingir novos mercados, a fim de ganhar confiança, permita
que os clientes iniciem o processo de edição em seu nome.
Não reconheça a teoria de que os clientes não estão interessados em fazer sua
contribuição. Se você planeja “doar” seu orçamento ou oferecer uma
recompensa para clientes que respeitem sua criatividade, você acabará falindo
em um piscar de olhos. Pagamentos, bônus, são estratégias ineficientes,
principalmente porque não duram.

Grandes avanços no mundo do marketing surgiram como resultado de


abertura e engenhosidade. No entanto, você pode economizar dinheiro
permitindo que os clientes façam o trabalho por você. O que isto significa?

Isso significa que, em vez de realizar uma análise extensa, que provavelmente
não terá retorno, você poderá obter melhores resultados com um orçamento
menor se os consumidores estiverem dispostos a cooperar.

Os especialistas em marketing direto endossam a ideia de ter um marketing de


“permissão” em vez de marketing de “interrupção”.

OS 5 NÍVEIS DE PERMISSÃO

Existem 5 níveis de permissão que sua marca pode ter de seus clientes:

→ Permissão situacional: O potencial cliente permite que sua empresa entre


em contato com você, fornecendo seus dados de contato e dados pessoais,
embora você ainda não tenha confiança na marca;
→ Confiança na marca: O cliente potencial confia na marca e permite que a
empresa continue se comunicando com ela sobre suas necessidades;

→ Relacionamento pessoal: existe permissão porque o cliente potencial tem


um relacionamento pessoal com alguém da empresa;

→ Permissão para pontos, sorteios e concursos: Nesta fase, o cliente


concorda em receber informações sobre os produtos e serviços da empresa e
já autorizou a utilização dos seus dados pessoais por terem incentivos, como
sorteio, concurso ou algum promoção ocasional;

→ Permissão Intravenosa: A empresa já assumiu o comando do fornecimento


de um produto ou serviço e o cliente está totalmente dependente do negócio.
Quanto mais o cliente confiar em sua empresa, mais permissões ele concederá
a você. No cenário ideal, sua empresa chega a ponto de ter autorização de
intravenosa. Um bom exemplo disso é quando você assina uma revista. Você
paga adiantado, confia no editor para obter o conteúdo do seu interesse,
nunca sabe o que virá na próxima vez, mas continue pagando.
No mundo dos negócios, a relação custo-benefício, junto com outras métricas,
determina se você está aplicando a estratégia certa ou não.

Do ponto de vista do cliente, como seria bonito se cada fabricante ou


prestador de serviço o consultasse primeiro, antes de embarcar em uma
campanha superficial.

A resistência a essa abordagem tola é apenas uma consequência da


publicidade imposta por alguma empresa, que não produz nenhuma
informação valiosa ou carece dessa centelha interior.

Sem dúvida, a Internet é o cérebro construtor da marca que permite que toda
essa operação funcione. No entanto, é lamentável esperar que a tecnologia
faça todo o trabalho árduo, devido às suas inconsistências.

O livro convincente de Godin oferece ideias poderosas e um esquema que


pode construir um sistema abrangente.
GetNugget adota a ideia de ter um conjunto de anúncios “Permissão” em vez
de “Perturbador” e recomenda este livro facilmente absorvível para executivos
de mercado, estudantes e outros tomadores de decisão independentes.

Lições-chave do “Marketing de permissão”

1. Criatividade para o teste


2. Mentalidade “out-of-box” como um dos elementos críticos no lançamento
de um anúncio
3. Diálogo em vez de monólogo

Criatividade para o teste


Dirigir-se a um público é ciência, é um mistério porque não existe uma forma
única de trabalhar em todas as situações.

Em geral, tudo depende de vários fatores, como ambiente, situação política,


recursos de marketing, participação de mercado da empresa, criatividade, etc.

Mentalidade “out-of-box”
como um dos elementos críticos no lançamento de um anúncio
Os padrões de pensamento prontos para uso são cruciais para levar em
consideração a permissão do consumidor antes de processar o comercial.

Embora essa abordagem raramente seja praticada, você deve reconsiderar


mais uma vez sua estratégia.

Diálogo em vez de monólogo

Às vezes, prestar atenção aos anúncios é um processo vinculado não apenas à


mensagem, mas também à mídia. O tempo necessário para um consumidor
sentir a atração é talvez o desafio mais significativo no mundo do marketing.

A era digital certamente não tem escassez de material necessário para


construir um anúncio, mas a falta de criatividade é um problema comum.
Como se pode verificar, o “Marketing de Permissão” visa um novo método de
“interagir” ou de estabelecer um diálogo entre ambas as partes, sem interferir
nas demais atividades.

Gostou deste resumo? Gostaríamos de convidá-lo a baixar nosso aplicativo


gratuito de 12 minutos, para mais resumos e audiolivros incríveis.

FORMAS DE GAMIFICAR

10 técnicas de gamificação que você pode usar instantaneamente

1. Crie um 'fluxo'
Se uma tarefa for muito fácil, você ficará entediado. Se, por outro lado, for muito difícil, você
se sentirá frustrado. Ao criar um jogo ou experiência de jogo, você terá que encontrar um
equilíbrio. Uma tarefa deve ser desafiadora, mas factível. Se você encontrar esse ponto
ideal, os usuários chegarão a algo que o psicólogo americano Mihaly Csikszentmihalyi
chama de ' fluxo '.

2. Deixe os usuários 'completarem' uma tarefa


As pessoas odeiam tarefas incompletas. Isso nos deixa desconfortáveis. O desejo de
conclusão é um mecanismo poderoso que você pode utilizar para encorajar determinado
comportamento. Pense, por exemplo, na mensagem do LinkedIn ' Seu perfil está 75%
concluído ...' Certifique-se de que parte da tarefa já foi feita, ou pelo menos fácil de concluir.
Isso vai empurrar as pessoas a começar (ou terminar) uma tarefa.
3. Configure desafios apropriados
Pequenos desafios fáceis de fazer são perfeitos para fazer as pessoas seguirem em frente.
Como esses desafios são tão simples, as pessoas não podem deixar de experimentá-los.
Pense em desafios como o do Facebook; ' Convide seus amigos e obtenha os primeiros 100
likes para sua página .' Objetivos minúsculos como esses engajarão as pessoas. Como as
pessoas passarão mais tempo jogando, elas apreciarão mais a experiência e continuarão
jogando para ver o que vem por aí ...
4. Permita que os jogadores personalizem as coisas
Todo ser humano tem um desejo de se expressar. Quando você permite que os usuários
usem sua criatividade para criar algo (por exemplo, uma página, perfil, conteúdo, etc.), eles
investem tempo, se divertem e consideram seu produto / serviço mais valioso.

5. Permitir aos usuários 'desbloquear' coisas


Ser capaz de desbloquear itens (por exemplo, conteúdo interessante, elementos secretos ou
superpoderes especiais) pode ser uma maneira interessante de motivar as pessoas a 'jogar o
seu jogo'. Certifique-se de mostrar antecipadamente esses itens secretos, para que os
jogadores saibam que há algo para desbloquear. Isso ajudará a despertar sua curiosidade e
fanatismo.
6. Faça as pessoas ficarem curiosas
ficarem curiosas A curiosidade é uma maneira atraente de manter as pessoas engajadas.
Você pode deixar as pessoas curiosas criando uma sequência (por exemplo, 'este é o desafio
1 de 6') ou usando um 'gancho', para que os usuários queiram saber como a história termina.

7. Use o elemento surpresa


Certifique-se de que os elementos básicos do jogo sejam reconhecíveis (por exemplo, a
arena, personagens, missões, jogabilidade, etc.). Dessa forma, os jogadores entendem e se
acostumam com o jogo. Eles descobrem como jogar e o que esperar. No entanto, de vez em
quando, você precisará adicionar elementos novos e inesperados para manter o jogo
emocionante.

8. Reconhecer conquistas
Se você elogiar os usuários por suas realizações (por exemplo, 50 curtidas em uma
mensagem, 12 postagens, etc.), você os deixará orgulhosos. E isso levará a mais
jogabilidade. Quando eles não esperam o incentivo, o efeito será ainda maior!

9. Inicie uma competição


Ao permitir que os jogadores competam entre si, você adicionará uma camada extra ao seu
jogo. Geralmente é muito mais divertido vencer (ou derrotar alguém) do que jogar sozinho.
Além disso, uma 'batalha' pode levar a mais jogos porque os jogadores continuarão se
desafiando para uma revanche.

10. Deixe os usuários colaborarem


competição é poderosa, mas a colaboração também. Deixe os jogadores trabalharem juntos.
É mais positivo do que jogar um contra o outro e é ótimo para a construção de equipes. Os
jogadores também aprenderão a se comunicar melhor.

Você também pode gostar