Você está na página 1de 27

FACULDADE DE CIÊNCIAS EDUCACIONAIS CAPIM

GROSSO – FCG / POLO PINDOBAÇU / CURSO:


LICENCIATURA EM PEDAGOGIA / 8º SEMESTRE
/ COMPONENTE CURRICULAR: TRABALHO DE
CONCLUSÃO DE CURSO II / DOCENTE: MURILO
MIRANDA

Indisciplina na sala de aula, um fato ainda muito recorrente.

DISCENTES:
Elma Ribeiro Cruz, Laine Gonçalves dos Santos e Núbia Almeida Duarte de Oliveira.

Pindobaçu BA,
2020.
Elma Ribeiro Cruz, Laine Gonçalves dos Santos e Núbia Almeida Duarte
de Oliveira.

Indisciplina na sala de aula


Trabalho de Conclusão de Curso apresentado na Faculdade de
Ciências Educacionais Capim Grosso FCG como requisito básico para
a conclusão do curso de Licenciatura em Pedagogia.

Orientador (a): Murilo Miranda

Pindobaçu BA,
2020.
Indisciplina na sala de aula, um fato ainda muito recorrente.
Elma Ribeiro Cruz¹
Laine Gonçalves dos Santos²
Núbia Almeida Duarte de Oliveira³
Murilo da Silva Miranda4

RESUMO
O termo Indisciplina atualmente é o mais abordado, um desafio para pais e
profissionais da educação, pois, envolvem fatores que perpassam os muros da
escola. Essa realidade afeta o desenvolvimento e aprendizagem do aluno. Dessa
maneira tivemos como problemáticas quais são as causas e consequências da
indisciplina em sala de aula? Objetivamos analisar, compreender e identificar se a
insatisfação dos alunos com as aulas tinha motivado a indisciplina. Para melhor
compreensão do referido tema usufruímos de pesquisas de natureza bibliográfica,
qualitativa que será realizada em sites, artigos, livros e pesquisa de campo com
entrevistas realizadas através de questionários abertos. Percebemos então que são
inúmeras as causas da indisciplina, necessariamente o professor precisa ter um
olhar sensível diante de atitudes de seus alunos para melhor compreensão e
resolução de conflitos em sala de aula, criando um ambiente harmonioso e
amigável.

Palavras – chave: Indisciplina, desenvolvimento, aprendizagem, harmonioso,


amigável.
ABSTRACT
The term Indiscipline is currently the most approached, a challenge for parents and
education professionals, as it involves factors that permeate the walls of the school.
This reality affects the student's development and learning. In this way, we had as
problems what are the causes and consequences of indiscipline in the classroom?
We aimed to analyze, understand and identify whether students' dissatisfaction with
classes had motivated indiscipline. For a better understanding of this topic, we use
bibliographic, qualitative research that will be carried out on websites, articles, books
and field research with interviews conducted through open questionnaires. We
realized then that there are countless causes of indiscipline, necessarily the teacher
needs to have a sensitive look at the attitudes of his students to better understand
and resolve conflicts in the classroom, creating an environment harmonious and
friendly.

Keywords: Indiscipline, development, learning, harmonious, friendly.

________________
1. Graduanda em Pedagogia pela Faculdade de Ciências Educacionais de Capim Grosso - FCG – e mail
elmaribeirocruz@gmail.com
2. Graduanda em Pedagogia pela Faculdade de Ciências Educacionais de Capim Grosso – FCG-
ls504368@gmail.com
3. Graduanda em Pedagogia pela Faculdade de Ciências Educacionais de Capim Grosso – FCG-
nubiaduarte2017@hotmail.com
4. Professor orientador, Pedagogo, Especialista em Psicopedagogia Institucional e Clínica. E- mail:
murilo77miranda@gmail.com
1 INTRODUÇÃO

O tema desse artigo é um assunto ainda presente e com muita dificuldade


para lidar com o mesmo, falta de atenção, conversas paralelas, agressões físicas e
verbais entre outros, são comportamentos que estão presente nas escolas e em
nosso cotidiano pois é um assunto que perpassa os muros da escola atingindo não
apenas os profissionais da educação e tornado essa profissão ainda mais
desafiadora como também atinge famílias. Estamos nos referindo à indisciplina
escolar, são diversos os motivos que levam crianças e adolescentes a tais
comportamentos que acabam gerando um bloqueio na aprendizagem.

Para melhor compreensão do assunto realizaremos uma pesquisa de


natureza bibliográfica para escrevermos esse artigo com o tema Indisciplina escolar,
um fato ainda muito recorrente, no qual abordaremos o conserto de indisciplina,
suas causas e consequências e denotar os direitos e deveres dos estudantes.

Indisciplina é uma realidade escolar e pode gerar consequências diante do


desenvolvimento e aprendizagem dos alunos, a mesma possui causas que levam o
aluno a tal comportamento, contudo, quais são as causas e consequências da
indisciplina na sala de aula?

A indisciplina se dá por diversos fatores, fatores tais que podem ocorrer na


escola ou no ambiente social que o indivíduo está inserido, como a família e a
sociedade como Tiba afirma, o ambiente interfere na disciplina.

A falta de disciplina causa uma perca intensa para todos gerando


desmotivação, desgaste emocional e psicológico, causando mal despenho e mal
desenvolvimento coletivo.

O combate à indisciplina tem sido um processo difícil, considerando que a


escola necessita do apoio da família para que juntos consigam atingir seus objetivos.

Para melhor compreensão do tema abordado como já mencionado acima, foi


utilizado pesquisa bibliográfica qualitativa, realizada em sites, artigos e pesquisa de
campo com alunos e corpo docente da escola Municipal Faustino Dias Lima,
entrevista realizada por meio de questionário aberto através de aplicativo de
mensagens wattszapp devido à pandemia da covid-19, houve respeito aos princípios
éticos contidos na resolução 466/2012, que norteia a ética na pesquisa com seres
humanos.

Para garantir o anonimato de cada entrevistado foram denominadas as letras


alfabéticas conforme a ordem da entrevista, enriquecida com a colaboração de
autores como Aquino, Vasconcelos, Tiba, Alves, Estrela, entre outros, com o objetivo
de conceituar, analisar e compreender as causas e consequências que a falta de
disciplina pode apresentar no processo de ensino/aprendizagem e identificar se a
insatisfação dos alunos com as aulas tenha motivado a indisciplina com o intuito de
apresentar propostas para descobrir e combate-la, utilizando uma metodologia
diferente na qual o professor irá trabalhar temas relacionados a autoestima, respeito
e na personalidade dos alunos.

Essa pesquisa é de grande relevância para compreendermos o conceito, as


causas e consequências geradas pela indisciplina e alcançarmos os objetivos
traçados, possibilitando uma visão mais ampla dessa realidade e proporcionando
melhoria dessa adversidade.

Atualmente esse fator vem assustando os professores e demais funcionários


da rede escolar, onde estão encontrando dificuldades em lidar com essa situação,
atrapalhando as atividades pedagógicas que são essenciais para o desenvolvimento
e aprendizagem dos alunos.

As manifestações de indisciplina, muitas vezes podem ser vistas como uma


forma de se mostrar para o mundo, mostrar sua existência até mesmo na sala de
aula, em muitos casos o indivíduo tem somente a intenção de ser ouvido alguém,
nos levando a considerar que para muitos alunos indisciplinados a rebeldia é uma
das formas de se expressar.

2 METODOLOGIA

Ao realizarmos esse artigo, usufruímos de um estudo descritivo com a


abordagem qualitativa, com relatos de experiência de gestores, professores e alunos
do Colégio Municipal Faustino Dias Lima, no Distrito de Carnaíba de Baixo
Pindobaçu Bahia, em setembro de 2020.

A pesquisa descritiva visa descrever o conceito de indisciplina suas causas e


consequências de acordo com o conhecimento empírico dos entrevistados.

Para a coleta de dados realizamos uma entrevista aberta, deixando o


entrevistado livre para explicar com suas próprias palavras o que estiver pensando.

O relato de experiência é uma ferramenta de pesquisa descritiva que


apresenta reflexão sobre uma ação ou conjunto de ações que abordam uma
situação vivenciada no âmbito profissional de interesse da comunidade cientifica
(CAVALCANTE LIMA, 2012).

Por causa da pandemia do COVID-19 as entrevistas foram realizadas via


aplicativo de mensagens (whats app), nos deparamos com muitas dificuldades para
a coleta de dados, pois muitas entrevistas realizadas não receberam o retorno com
as respostas e outros alegavam estar sem tempo para responder as mesmas.

Para a construção desse relato partiu-se para pesquisas eletrônicas nas


bases de dados de outros artigos, do Google acadêmico e Scielo, com o intuito de
buscar mais orientações que contribuam para a transformação dessa realidade.

A realização das entrevistas foram algo fundamental nesse relato, sendo


realizadas ao longo do desenvolvimento do trabalho entrevistas com doze alunos
obtendo o retorno de apenas seis alunos com o corpo docente, diretor, vice-diretor e
coordenador sendo que o coordenador alegou estar sem tempo, e doze professores
com o retorno de apenas quatro, uns não estavam dispostos a colaborar e outros
alegavam estar sem tempo.

Houve respeito aos princípios éticos contidos na resolução 466/2012, que


norteia a ética na pesquisa com seres humanos. Para garantir o anonimato, cada
entrevistado foi denominado por letras alfabéticas, conforme a ordem da entrevista.

3 CONCEITO DE IDISCIPLINA NA EDUCAÇÃO


Entende-se por indisciplina violação de regras de ordens impostas,
desobediência, rebeldia e insubordinação.

Observando o dia a dia das escolas do nosso país, ouvimos vários relatos de
professores de ensino afirmando que a educação vem atravessando um período de
crise. As instituições enfrentam diferentes problemas e dentre eles está o grande
desafio no qual alguns professores não sabem como lidar diante dessa situação,
sendo ela a indisciplina dos alunos.

Vivemos em uma sociedade em que jovens e crianças não cumprem regras,


não tem limites e respeito uns com os outros.

(...) As crianças de hoje em dia não tem limites, não reconhecem a


autoridade, não respeitam as regras, a responsabilidade, por isso é dos pais, que
teriam se tornado muito permissivo. (AQUINO 1998.p.7).

Infelizmente muitos profissionais da educação se deparam com esses tipos


de comportamentos, crianças e adolescentes, que são rebeldes, desobedientes,
insubordinados, etc.

Muitos professores, ao se depararem com atos indisciplinares


cotidianamente em sala de aula, possuem grande dificuldade de enfrentar
esta situação e acabam por desanimar pensando que este problema não
pode mais ser controlado. Denominam a indisciplina como algo histórico,
que sempre existia e que sempre vai existir, acomodam-se e se conformam
com a situação e não possuem expectativa de melhora (VASCONCELLOS
2004).

Nesse sentido, Alves (2006) acrescenta:

A indisciplina tem representado uma das grandes dificuldades da escola


contemporânea, assim como é hoje, um grande desafio a ser enfrentado
pelo profissional docente. A prática educacional como toda e qualquer
prática, faz surgir uma série de questões e, especificamente no trato de
problemas ligados a indisciplina, levanta dificuldades que instigam com
frequência os sujeitos envolvidos no processo educativo. A temática desta
investigação surgiu por se considerar que tal questão no cotidiano das salas
de aula, tem se constituído em uma das maiores dificuldades encontradas
por muitos educadores na sua prática educativa. Esta dificuldade se
constitui em motivo de preocupação para instituições escolares,
profissionais da educação, de um modo geral e pais. Essa realidade,
presente em salas de aula, tem deixado esses profissionais impotentes e
sem saber o que fazer diante de tal preocupação. (ALVES, 2006, p.16).
A falta de disciplina tem se tornado um dos maiores obstáculos, para a família
e para a escola, ambos não estão conseguindo disciplinar, controlar e lidar com essa
situação de filhos e alunos.

A mesma sempre esteve presente na história da educação, após a revolução


industrial houve um aumento, eram tomadas medidas com o objetivo de corrigir os
alunos, dentre eles o castigo físico.

Graças à convenção sobre os direitos da criança aprovado e assinado pelo


Brasil na ONU (Organização das Nações Unidas) em 1989 as crianças e
adolescentes passariam a ser sujeitos de direito, com a proibição da tortura em
qualquer medida, inclusive a palmada.

O artigo 18 é claro: “A criança e o adolescente tem o direito de ser educados


sem o uso de castigo físico ou de tratamento cruel ou degradante, como formas de
correção, disciplina, educação ou qualquer outro pretexto”.

Porém, a falta de disciplina não acabou e só vem aumentando com o passar


do tempo, a falta de respeito pelos professores, colegas e todos os profissionais da
educação.

É notória a conduta de falta de disciplina de crianças, adolescentes e jovens


em diversas atividades pedagógicas, seja dentro ou fora da sala de aula nos
processos de socialização e relacionamento que exercem com os demais alunos e
profissionais da educação, no contexto do espaço escolar.

Atualmente, o problema disciplinar ganhou proporções mais exageradas,


tonando-se o centro de preocupação dos professores ultrapassando os limites da
escola e estendendo-se a vários setores da sociedade tal como afirma Estrela
(1996, p.34).

O que há de novo atualmente é a intensidade e a amplitude que esse


fenômeno atingiu na escola de nossos dias, espalhando-se de forma
crescente por áreas populacionais, as mais diversas e atingindo
níveis de ensino que dele pareciam imunes, como começa a
acontecer no ensino superior. (ESTRELA, 1996, P. 34)

A falta de disciplina vem aumentando progressivamente, conversas paralelas,


risos constantes, no qual o aluno não espera sua vez de falar, guerras de papel,
durante a aula alunos ficam até mesmo de costas para o professor, sem contar com
as agressões físicas e verbais com professores, colegas e demais funcionários e até
mesmo ameaças de morte.

Quando há disciplina, há harmonia, desenvolvimento, aprendizagem, há uma


troca de saberes e valores, porque o professor não é o detentor do conhecimento.

Dados coletados

Para melhor compreensão de como se dar a indisciplina no distrito de


Carnaíba de baixo, foram aplicados questionários de entrevista para diretor, vice-
diretor, professores e alunos do Colégio Municipal Faustino Dias Lima.

O diretor afirma que indisciplina é uma ação do indivíduo que implica na


desorganização do planejamento, desobediência de regras causada por conversas
descontextualizadas atrapalhando o bom desenvolvimento da aula.

No primeiro momento, foi entrevistado o diretor que trabalha na área da educação


há mais de 14 anos:

“– Indisciplina é uma ação do indivíduo que implica na desorganização do


planejamento, desobediência de regras causadas por conversas
descontextualizadas atrapalhando o bom desenvolvimento da aula.”

No segundo momento, foi entrevistado o vice-diretor que trabalha na área da


educação há oito anos diz que:

“- Para o professor a disciplina começa com a atitude ou postura que assume


na sala de aula.”

Assim é disciplina, cumprir regras e normas que são inerentes ao ambiente


escolar.

Afirma ainda que existem alunos indisciplinados na escola que trabalha e


considera que não existe escola sem indivíduos indisciplinados.

No terceiro momento, entrevistamos a professora “A”, que trabalha há 24


anos nessa área diz que:
“-Todo o ambiente escolar é gerido por regras, regras essas que são
necessárias para facilitar a convivência entre professor e aluno. Logo, o
descumprimento dessas regras se entende como indisciplina, ou seja, a indisciplina
é o descumprimento das regras estabelecidas pela instituição escolar.”

Respondendo a perguntas feitas na entrevista diz que existem sim alunos


indisciplinados e muitos, na escola em que trabalha.

No quarto momento, entrevistamos a professora “B” na qual afirma que a


indisciplina são ações que atrapalham a aula, que impendem o trabalho do professor
e prejudica a aprendizagem do aluno, a mesma com experiência de 15 anos na
profissão afirma que com certeza há alunos indisciplinados na escola que trabalha.

No quinto momento, entrevistamos a professora “C” que trabalha na área a da


educação há oito anos relata que indisciplina é falta de respeito, quebra das regras
impostas, mau comportamento, não comprimento das tarefas.

No sexto momento, entrevistamos a professora “D” que trabalha como


educadora há 18 anos define indisciplina como desobediência, confusão ou negação
de ordem.

Por fim, entrevistamos alguns alunos:

O aluno “A” diz que indisciplina é a pessoa não ser educada e não ter
“modos” e nem respeito pelo próximo. Não se considerando um aluno indisciplinado
porque afirma ter recebido a educação certa, se estiver errada faz autocorreção.

Aluno “B” afirma que indisciplina é uma pessoa que não tem respeito às
regras, tem mau comportamento na escola, não cumpre com as obrigações
escolares. Não se considera uma aluna indisciplinada porque respeita as regras e
cumpre as obrigações escolares.

Aluno “C” diz que indisciplina é quando o aluno não respeita os professores,
não se considera um aluno indisciplinado porque sempre faz o que os professores
pedem.

O aluno “D” relata que indisciplina é o aluno “bagunceiro”, afirma ainda não
ser um aluno indisciplinado.
A aluna “E” define indisciplina como não obedecer às regras, ter conduta
errada, considera-se às vezes indisciplinada e às vezes não. Ao seu ponto de vista
deve haver um equilíbrio afirma ter sido bem-educada, porém, cada um tem um jeito
e ninguém consegue totalmente disciplinado.

3.1. Causas da indisciplina

O termo indisciplina atualmente é o mais abordado, tornando-se um desafio


para pais e professores, pois, envolve fatores que perpassam os muros da escola.

O aluno é um sujeito histórico que ao ingressar na escola, segundo Paulo


Freire, o aluno alfabetizado ou não, chega com uma bagagem cultural, que não pode
ser colocada em posição de inferioridade ou superioridade em frente à bagagem
cultural do seu educador.

Essas bagagens vêm do seu convívio com outros grupos sociais, com a
família e a própria sociedade, que estão em constante mudança, de repente um
aluno pode mudar seu comportamento por causa dessas constantes mudanças.

A indisciplina se da por diversos fatores, fatores tais que podem ocorrer na


escola ou no ambiente social que está inserido, como por exemplo, a família e a
sociedade.

É comum no cotidiano escolar, dizer que as crianças de hoje em dia,


apresentam falta de limite e não obedecem às regras, tendo uma
visão generalizada e estereotipada. O que antes era visto como mau
comportamento ou inquietação, hoje podemos ver por outro ponto de
vista, o aluno inquieto em sala de aula não necessariamente é sem
limite e indisciplinado. Então é preciso observar e analisar quais os
motivos que leva o aluno a ser inquieto, seria aulas tradicionais
desestimulantes, conteúdo fora do contexto e da realidade do aluno,
entre outros fatores. Portanto o educador deve buscar inovações
pertinentes aos discentes e trazer desafios que propicie uma
aprendizagem lúdica e interessante. (AQUINO, 1998).

Por outro lado, temos hoje a desvalorização do professor, onde o aluno, não
apresenta respeito por o mesmo. Ao qual a família lhes orientava esse valor.
(...) o professor era um dos seus representantes mais qualificados e
como tal era tratado (ainda que fosse um respeito meramente formal).
Hoje tudo mudou. Esse tratamento de respeito tem que ser
conquistado pelo professor (VASCONCELLOS, 1995, p.43).

Antigamente se um aluno tirasse nota baixa, os pais lhes corrigiam e hoje se


por falta de interesse o aluno tira nota baixa a própria família por vezes culpa o
professor, incentivando até mesmo a falta de respeito pelo educador.

Além desses aspectos citados acima podemos refletir também como causas
de indisciplinas, lares desestruturados, pais separados, instabilidade financeira,
violência, abusos sexuais, drogas, alcoolismo entre outros.

Tiba (2006, p.128). diz que “O ambiente também interfere na disciplina”. É


possível observar, alunos que vivem em lares sem uma boa estrutura familiar, como
em ambientes turbulentos causados por agressões físicas e Verbais constantes, por
alcoolismo, drogas e etc., geralmente apresentam comportamentos indisciplinados,
faltam respeito com os colegas, professores, funcionários e até mesmo fora da
escola apresentam tais comportamentos, se a educação se inicia em casa o
exemplo que estão tendo são esses.

Um dos fatores que contribui intensamente para a falta de disciplina é o fato


de os pais passarem menos tempo com os filhos, por várias questões e,
principalmente os pais que precisam e foram obrigados a trabalhar para o sustento
da família, passando a maioria do dia no trabalho e não permitindo o
acompanhamento mais de perto do desenvolvimento do seu filho.

Observar ainda que existem muitas famílias desestruturadas, desorientadas,


transferindo responsabilidades suas para a escola. Desde muito pequenas, as
crianças passam o dia todo em creches ou com babás, os pais ao chegarem
exaustos do trabalho pensam apenas em descansar e colocar as crianças para
dormir. Não se dedicam mais a vida escolar de seus filhos, em saber como estão na
escola, a não ser que sejam chamados para uma reunião.

Por passarem pouco tempo com as crianças, muitos pais não colocam limites
nos filhos, na tentativa de “recompensar” o tempo distante, não conseguem dizer
não para seus filhos, por esse motivo as mesmas chegam às escolas mais carentes
de atenção.

Quando os alunos chegam diferentes na sala de aula, devemos nos


aproximar para tentar conversar ou resolver a situação, pois a atitude dos pais e seu
tipo de criação são motivos que influenciam o comportamento da criança na escola.

Entender que o professor não faz da escola uma extensão do lar é


outro ponto que merece revisão. São funções diferentes. O professor
é preparado e especializado ao longo de um período para
compartilhar com o aluno a produção e sistematização do
conhecimento. Cada pai / mãe educa seus filhos a sua maneira.
Ainda que eventualmente o professor, sobretudo das séries iniciais,
tenham que atender algum imprevisto estranho a sua formação, isso
não o faz necessariamente substituto da função paterna/materna ou
das funções parentais. São atribuições diferentes, embora devam
caminhar para uma mesma direção (BOARINI, MARIA, 2013).

Em entrevistas realizadas para melhor compreensão do assunto abordado, o


vice-diretor afirma que:

- O que gera indisciplina é uma série de comportamentos e decisões que


torne os indivíduos do processo distinto e identificados interpessoalmente, professor
é professor, aluno é aluno, mesmo se sabendo que professor ensina e aluno
aprende, as posições de ambas devem estar estabelecidas.

Para o diretor existem alguns fatores que geram a indisciplina:

 Estado: Investimento nos setores da educação;


 Família x Escola: Falta da interação da escola com os pais e responsáveis e
dos mesmos com a escola, não deixando responsável na formação de
valores familiares;
 Professores: Falta de planejamento para ocupar o tempo dentro da sala de
aula, falta de domínio do conteúdo a aplicar e postura como autoridade e
como figura do professor.

Para a professora “A”, a indisciplina escolar é gerada pela desmotivação dos


alunos, e muitas das vezes pela falta de autoridade da escola em si, diante das
indisciplinas recorrentes no ambiente escolar, das quais gera um confronto para os
alunos descumprirem as regras escolares, gerando uma indisciplina futuramente.

Para a professora “B”, o que gera a indisciplina muitas vezes está na falta de
parceria da família na escola, família alcoólica, falta de alimentos e de um ambiente
saudável, isso afeta o psicológico da criança.

A professora “C” diz que muitas das vezes conversa e procura identificar o
que está acontecendo para que o aluno esteja passando por esse momento.

A professora “D” relata que me parte precisamos olhar o que está


acontecendo para que esse aluno seja indisciplinado.

Para o aluno “A”, o que gera a indisciplina é não prestar atenção na aula,
conversas paralelas, etc.

Para a aluna “B” é a falta de educação e respeito.

A aluna “C” relata que é gerada pela desmotivação do aluno.

O aluno “D”, diz que a indisciplina é causada, sobretudo pela desmotivação do


aluno, que isso é consequência ou tem ligação direta com outras causas. Ainda
afirma que a referida trás consequências como, agressões verbais e físicas, conflitos
na sala de aula, alunos estressados, disputa de poder com os professores, etc.

Para o aluno “E”, a indisciplina é gerada pela desmotivação dos alunos.

A aluna “F” relata que a indisciplina é gerada por não ter uma boa educação,
se achar superior aos outros.

3.2. Consequências da indisciplina na sala de aula

A indisciplina é um fator que vem interferindo de forma negativa a prática


pedagógica, causando conflitos em sala de aula. Acreditamos que ações de
indisciplina é um problema nas escolas, no qual a comunidade escolar, família e
sociedade deveriam cooperar para sanar esse problema que tem gerado inúmeras
consequências.
A disciplina deve orientar as regras, as leis e ao bem comum a fim de
conduzir ao benefício permanente do educando e da sociedade. Então precisamos
seguir a Leinº9. 394, de 20 de dezembro de 1996 que em seu artigo2º no item dos
princípios e fins da Educação Nacional nos diz:

“A educação dever da família e do Estado inspirada nos princípios de


liberdade e nas ideias de solidariedade humana, tem por finalidade o pleno
desenvolvimento do educando, seu preparo para o exercício da cidadania e sua
qualificação para o trabalho.”

A falta de disciplina gera várias consequências diante do


ensino/aprendizagem, não apenas para o aluno, como também para o professor.

A indisciplina causa frustração, ansiedade, interfere no trabalho do


professor, causa implicações na produtividade de aprendizagem do educando de
forma coletiva e individual, dificulta a própria aprendizagem do aluno indisciplinado,
etc.

É importante sabermos que acerca das consequências que a falta de


disciplina causa no ambiente escolar e principalmente no processo de
aprendizagem, devemos ressaltar que não somente o aluno indisciplinado sofre
perdas, mas também os colegas, professores e todos integrantes da escola.

Apesar do tempo em que se perde nas aulas em que há um aluno


indisciplinado, o educador vem se afastando e criando um clima de desordem na
sala de aula causada pela tensão provocada, na qual gera a perca do sentido,
desanimo e sente desejo de abandono a sua profissão.

Há professores que perdem muito tempo de sua aula tentando acomodar


seus alunos, para conseguir a atenção desejada, explicar o assunto e realizar suas
atividades, tempo esse que poderia ser utilizado para o desenvolvimento dos
conteúdos, por vezes sendo impossível realizar sua aula da forma que foi planejada
em seu plano de aula.

Além disso, quando um grupo de alunos não está colaborando, sem dúvidas
o resto da turma acaba se prejudicando.
(...) algumas atitudes que contribuem com o mau comportamento
dentro da sala de aula são a falta de educação social, por outro lado
existem estudantes que se comportam mal e ofendem funcionários da
escola (CHRSPINO, TIRANIO, SÃO PAULO, JULHO DE 2005, p.12).

O vice-diretor relata que a indisciplina retarda a aprendizagem e desestimula


alunos e professores, causa descredito à escola e insegurança a comunidade
escolar.

Para o diretor as consequências da indisciplina são déficit de aprendizagem,


devido a conversas descontextualizadas desviando a atenção do colega que está ao
lado, deviam da linha de pensamento do professor e algumas das vezes violentas.

A professora “A” refere-se que as consequências da indisciplina é o


desrespeito ao professor, agressões verbais, agressões físicas a outros alunos,
desinteresses pelos estudos, conflitos e muito mais.

Para a professora “B”, os alunos precisam ser responsáveis pelos seus atos
então com certeza serão punidos e acabam se prejudicando.

Para a professora “C”, algumas consequências são a falta de atenção


quebra da rotina e desmotivação.

Para a professora “D” as maiores consequências são a desmotivação e a


ineficácia do processo do ensino e aprendizagem.

Para a aluna “A” a consequência da indisciplina gera problemas para os


alunos.

Para a professora “B” a consequência da falta de disciplina é a queda no


rendimento escolar individual.

O aluno “C” relata que a falta de disciplina causa, não aprender um assunto
e ser prejudicado.

O aluno “D” afirma que causa estresse, desmotivação e prejudica o


desempenho dos mesmos.

O aluno “E” descreve que a indisciplina gera repetência, expulsão e notas


baixas.
Essa entrevista nos possibilitou compreender que toda instituição escolar é
gerida por regras, que se forem cumpridas possibilitam um bom relacionamento
entre corpo docente e alunos, proporcionando o bom desenvolvimento,
desempenho, aprendizado, boa convivência entre outros. Porém não podemos
deixar de ressaltar os direitos e deveres do aluno.

3.3. Direitos básicos dos estudantes

 Direito de ser matriculado na rede de ensino a partir de 6 anos de idade;


 Direito de ser respeitado pelos seus professores e colegas;
 Direito de denunciar abusos ocorridos contra ele na escola, como exposição
ao perigo, exploração de trabalho, discriminação de raça, crença ou cor,
abuso de autoridade ou abuso sexual;
 Direito de matricular-se, independentemente de ter repetido alguma série, de
sua idade, de preconceito, discriminação ou pagamento de taxa (em caso de
escola pública);
 Direito a merenda escolar, se a escola for pública;
 Direito a ensino noturno de qualidade, para aqueles que trabalham durante o
dia;
 Direito de só ser suspenso das atividades escolares ou excluído da escola por
motivo justo, previamente estabelecido, sendo-lhe garantido o direito a ampla
defesa;
 Direito ao acesso de livros que a escola possui;
 Direito de fundar e participar do conselho escolar, que é formado pela direção
da escola, por professores, alunos e pais;
 Direito de expressar livremente suas ideias;
 Direito de participar de atividades culturais e esportivas extraescolares e de
ter justificativas as suas faltas e respostas às provas a que faltou, se o
estudante for atleta;
 Direto de informa-se sobre o método que a escola adota para avaliar os
alunos e sobre o resultado das provas;
 Direito de contestar os métodos de avaliação da escola, podendo recorrer às
instancias escolares superiores;
 Direito de contestar as normas da escola se estas forem ilegais;
 Direito a meia entrada em cinemas, casa de show e teatro, coma a
apresentação da carteira de estudante.

3.4. Deveres básicos dos estudantes

 Dever de respeitar as normas da escola;


 Dever de comparecer regularmente as aulas;
 Dever de zelar pelo patrimônio público;
 Dever a se submetesse a processos avaliativos;
 Dever de entregar nas condições que recebeu, o material didático no final do
ano letivo;
 Dever de respeitar os diretores, professores, funcionários e os demais alunos
da escola;
 Dever de justificar as faltas às aulas e às provas;
 Dever de entregar toda a correspondência enviada aos seus pais ou
responsáveis;

Se respeitado os direitos e deveres, nos possibilita uma convivência em


harmonia e sucesso na educação.

Ao questionarmos aos professores o que fazer diante de atitudes de indisciplina


em sala de aula, o vice-diretor descreve que recorre aos níveis de medidas
estabelecidas pelos combinados, sem perder de vista a circunstância que
possivelmente desencadeou a indisciplina.

O diretor diz que diante das atitudes de indisciplina o que faz é se questionar o
motivo de tal comportamento, procurar conhecer o aluno buscando primeiramente
conhecer a família do mesmo e seu relacionamento familiar e o comportamento com
seus colegas, passando o caso para a psicopedagoga as escolas e tomar as
medidas necessárias para sanar o problema.
A professora “A” relata que primeiramente tenta fazê-los entenderem que, o que
estão fazendo não é correto, caso não seja resolvido, chama a direção para tentar
resolver, pois é direito de ambos.

A professora “B” diz ser educada com os alunos e mostrar o interesse por eles,
fazer com que os mesmos tenham confiança para que possamos entender a razão
das atitudes.

A professora “C” diz que muitas das vezes conversa e procura identificar o que
está acontecendo para que o aluno esteja passando por esse momento.

A professora “D” relata que em parte, precisamos olhar o que está acontecendo
para que esse aluno seja indisciplinado.

Na opinião da aluna “A” os professores deveriam pegar muito no pé, colocar


ordem na sala e ser mais rígidos.

Para o aluno “B” é colocar algumas regras.

Para o aluno “C” os professores deveriam ser mais rígidos com os mesmos.

O aluno “D” relata que os professores devem deixar claro quais serão as
consequências para os alunos.

Para o aluno “E” os professores precisam conversar mais com os alunos.

A aluna “F” comenta que os professores precisam ouvir mais, serem mais
receptivos e também não serem tão “bonzinhos”, talvez serem um pouco mais
rígidos.

Diante do questionamento: O que você faz para manter a disciplina na sala de


aula?

O vice respondeu que devesse estabelecer no primeiro momento possível


através de combinado e clareza, um relacionamento no qual o ambiente de sala de
aula seja agradável e passivo de controle.

O diretor afirma que deve ter planejamento do conteúdo, comprometimento,


conhecer as necessidades da turma e ser dinâmico.
A professora “A” relata que tenta manter a autoridade em sala de aula e ao
mesmo tempo ser amiga, pois coma a união dos dois se tem um desempenho
melhor.

A professora “B” relata que é importante ser amiga dos seus alunos, porém,
temos que ter domínio em sala de aula e não discutir com eles (os alunos).

A professora “C” afirma ter diálogo e conhecer a realidade de cada aluno.

A professora “D” relata definir regras, desenvolver aulas inovadoras, envolvê-los


em aulas cooperativas e sempre que puder fazer elogios.

4. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Ao realizarmos essa pesquisa foi possível perceber que a escola é vista para
os alunos, como a oportunidade de ser “alguém” na vida e de um futuro melhor.

Foram mencionados a desmotivação dos alunos, criança / adolescente, que


comparecem à escola por diversão com intenção de passar o tempo, não prestam
atenção na aula e acabam atrapalhando quem quer aprender. Muitas vezes por falta
de uma aula mais dinâmica, por falta de assunto que lhes chamem a atenção.

Professores e alunos mencionaram a falta do diálogo entre os mesmos, certa


cumplicidade e afeto para com os alunos, um relacionamento amigável entre ambos.

Professores relataram ainda à falta de parceria das famílias, muitos pais/


responsáveis passam o dia trabalhando outros no vício da bebida, jogos e etc.
sempre deixando as crianças sozinhas e transferindo para a escola toda a
responsabilidade da educação dos seus filhos; à falta de uma boa alimentação e
ambiente saudável também são fatores que contribuem para a indisciplina em sala
de aula.

Hoje em dia as famílias se distanciaram da escola, não se preocupam com a


educação dos filhos. Sabemos que esta responsabilidade não cabe somente aos
professores, mas, a família de forma conjunta.

Percebemos então que são inúmeras as causas da indisciplina


necessariamente o professor precisa ter um olhar sensível diante de atitudes de
seus alunos, para a compreensão e resolução de conflitos em sala de aula,
reduzindo as consequências geradas pela indisciplina e criando um ambiente
harmonioso e amigável.

Diante de experiências vivenciadas em sala de aula, é muito comum


observarmos no decorrer de aulas, alunos caminhando de carteira em carteira,
tirando a atenção dos outros, por vezes o professor está explicando o assunto e
alunos estão conversando até mesmo cantando, com entonação mais alta que a voz
do professor, meninas maquiando umas as outras, meninos brincando de virar
cartinha, de bolinha de papel e soprando-as com a caneta, entre outras ações que
atrapalham o desenvolvimento da aula.

O educador tenta chamar a atenção dos alunos pedindo a participação dos


mesmos sem sucesso, no qual muitas vezes o caderno nem sai da mochila, nos
deparamos com alunos que parece não entender o porquê de irem para a escola.

Será que todo esse tipo de comportamento é resultante das aulas que não
estão sendo motivadoras e não prendem a atenção dos alunos?

O professor precisa ensinar gramatica para a turma, mas, esse assunto não
é muito interessante! Fica a seguinte pergunta: O que eu como educador posso
fazer para apresentar uma aula mais prazerosa?

Se o docente investir em aulas mais dinâmicas e ainda assim houver


desmotivação e falta de interesse por parte do educando, por trás desse
comportamento há outros motivos que precisam ser analisados, como por exemplo,
drogas, agressão, má alimentação, divergências familiares, entre outros.

Maus comportamentos acabam impedindo que o professor realize o que foi


planejado para a sua aula. Por perder muito tempo tentando a harmonia e conexão
em sala de aula, acabam desmotivados em realizar seu trabalho, desgastados
emocionalmente e psicologicamente, causando uma perda intensa para todos.

Os alunos que tem interesse por vezes ficam dispersos observando o que os
outros estão fazendo, tentam entender o assunto e não conseguem por causa do
barulho perdem a concentração, causando mau desempenho e desenvolvimento
coletivo.
Notamos que com essa pesquisa, foi capaz de abrir várias indagações, pois,
o assunto aborda opiniões diferentes para a vivencia de cada pai ou aluno. De
acordo com o questionário que foi desenvolvido para professores, sobre o tema
proposto, houve divergências de opiniões de como se deve agir diante desse
problema, pois, os mesmos dizem buscar melhorias para o ensino através de mais
diálogo com os alunos indisciplinados e deixando-os expressarem suas ideias e
expor suas habilidades.

Sendo assim, ambos irão se conhecendo melhor e criando afinidades.

REFERÊNCIAS

AQUINO, Julio Groppa. A indisciplina e a escola atual. Revista da Faculdade de


Educação. V. 24, n. 2, São Paulo, 1998. Disponível em: http//www.scielo.br. Acesso
em 10 de setembro de 2020.

______ Indisciplina o Contraponto das escolas democráticas; São Paulo:


Moderna, 2003. Disponível em: https://jornaleemar.webnode.com.br/direitos-do-
estudante/. Acesso em 29 de setembro de 2020.

BANALETTI, Samara Mariana Menin; DAMETTO, Jarbas. Indisciplina no contexto


escolar: causas, consequências e perspectiva de intervenção. Revista de
Educação do Ideau, v. 10, n. 22, 2015. Disponível em: www.bage.ideau.com.br.
Disponível em:
https://www.google.com/url?
sa=t&source=web&rct=j&url=https://www.bage.ideau.com.br/wp-
content/files_mf/4644be6704aa0facbf42315e890d07f6284_1.pdf&ved=2ahUKEwjMp
u3kpcztAhXtIbkGHQGFBlsQFjADegQIFxAB&usg=AOvVaw0dca30vqMhzE7d06RfG
9wR. Acesso em 23 de setembro de 2020.

BOARINI, Maria Lucia. Indisciplina escolar: uma construção coletiva. Psicol. Esc.
Educ.,Maringá, v.17,n 1, p. 123-131,jun 2013. Disponível em
https://www.scielo.br/pdf/pee/v17n1/a13v17n1. Acesso em 24 de agosto de 2020.

CARVALHO, Luana Patrícia. RODRIGUES, Reinaldo. Pedagogia UNIASSELVI. A


INDISCIPLINA NA ESCOLA causas e diferentes manifestações. Disponível em:
https://semanaacademica.com.br/indisciplina-na-escola-causas-e-diferentes-
manifestacoes. Acesso em 26 de agosto de 2020.
CAVALCANTE, B. L. LIMA, U.T.S.de. Relato de Experiência de um estudante de
Enfermagem em um consultório especializado em tratamento de feridas.
Journal of Nursing and Health, v.2, n.1, p.94-103, 2012. Disponível em:
http://periodicos.ufpel.edu.br. Acesso em 25 de agosto de 2020.

DEITOS, Araujo de Dantas Francinilde. DANTAS, Francinete Maria. SILVA, Lima


Cruz da Rosineide. CARNEIRO, Alencar Lopes Maria Núbia Vera. A indisciplina
em sala de aula: Consequências no processo ensino-aprendizagem. IEP-
Instituto Específico de Ensino Pesquisa e Pós-Graduação. FACIMAB – Faculdade
de Ciências Sociais Aplicada de Marabá. Disponível em:
https://www.passeidireto.com/arquivo/67488225?utm_campaign=android-
arquivo&utm_medium=mobile. Acesso em 23 de agosto de 2020.
HADDAD, Jane Patrícia, FRANZOLOSO, Mariana Ribeiro – UTP Disciplina e
indisciplina na Escola Piaget. Disponível em:
http://www.janehaddad.com.br/new/indisciplina-escolar/294-disciplina-e-indisciplina-
na-esola-piaget. Acesso em 21 de agosto de 2020.

KOLARIK, Karem. RODRUGUES, Jaqueline Fonseca. MATTOS, Tereza Jacqueline


Figueiredo de. Indisciplina no cotidiano escolar. Projeção e Docência, vol.8, nº1.
p.38. 2017. Disponível em:
http://revista.faculdadeprojecao.edu.br/index.php/Projecao3/article/view/844. Acesso
em 24 de agosto de 2020.

LEDO, Valdir Aguiar. A indisciplina escolar nas pesquisas. Pontifícia


Universidade Católica de São Paulo-PUC. 2009. Disponível em:
https://www.passeidireto.com/arquivo/42917052?utm_campaign=android-
arquivo&utm_medium=mobile. Acesso em 24 de agosto de 2020.

LIMA, Rogério de Araújo. JORNAL EEMAR. Direitos do estudante. Disponível em


https://jornaleemar.webnode.com.br/direitos-do-estudante/. Acesso em 29 de
setembro de 2020.

MELO, Valquíria dos Reis. Indisciplina: Causas e consequências no ensino


aprendizagem de alunos dos anos iniciais de uma escola pública de João
Pinheiro /MG /2018. 008170. Faculdade Cidade de João Pinheiro: FCJP,
Pedagogia, 2018. Disponível em: portal. fcjp.edu. br. https://www.google.com/url?
sa=t&source=web&rct=j&url=http://portal.fcjp.edu.br:8080/pdf/008170.pdf&ved=2ahU
KEwjMpu3kpcztAhXtIbkGHQGFBlsQFjAMegQIGRAB&usg=AOvVaw0iFNQSB5UfW
oUb7nB_MfR7. Acesso em 15 de setembro de 2020.
MEIRELES Carla. Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).Politize.UNICEF:
Relatório ECA 25 anos. Estatuto da criança e do adolescente: quais direitos o
ECA garante... Publicação em 17 de agosto de 2017. Disponível em:
https://www.politize.com.br/estatuto-da-crianca-e-do-adolescente-direitos/ /. Acesso
em 24 de agosto de 2020.

OLIVEIRA, Magda Maria de.TORRES, Geanne Maria Costa. Indisciplina Escolar:


Um entrave para a Aprendizagem? Id on Line Revista Multidisciplinar e de
Psicologia. v.10,N.33.Supl.2. Janeiro 2017-ISSN 1981-1179. Disponível em:
https://idonline.emnuvens.com.br/id/article/view/660. Acesso em 10 de outubro de
2020.

PIRES, Dorotéia Baduy. Educação & Sociedade, ano XX, nº66, Abril/99.
VASCONCELOS, Celso dos Santos. Indisciplina: Construção da disciplina
consciente e interativa em sala de aula e na escola. São Paulo: Libertad Editora,
2004. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/es/v20n66/v20n66a8.pdf.Acesso em
12 de outubro de 2020.

SANTOS, Claudio. A INDISCIPLINA – UMA FORMA DE APRENDIZAGEM-?


Disponível em: https://www.passeidireto.com/arquivo/80776273/a-indisciplina-uma-
forma-de-aprendizagem-livro-para-publicacao-22-04-2020.26 . Acesso em 26 de
agosto de 2020.

SANTOS, Gildete Alves Dos. INDISCIPLINA ESCOLAR. Monografias Brasil


Escola. Disponível em: https://www.google.com/url?
sa=t&source=web&rct=j&url=https://m.monografias.brasilescola.uol.com.br/amp/educ
acao/indisciplina-.
escolar.htm&ved=2ahUKEwjMpu3kpcztAhXtIbkGHQGFBlsQFjAPegQIDBAB&usg=A
OvVaw3RC1XaMKD6G9Xi4VP0J7Qy&ampcf=1 . Acesso em: 21 de setembro de
2020.

SANTOS. Humberto Correa dos. A indisciplina na escola: causas, prevenções e


enfrentamento. Disponível em: https://www.passeidireto.com/arquivo/67/551581?
utm_campaign=android-arquivo&utm_medium=mobile.Acesso em: 26 agosto de
2020.

SILVA, Dorli Aparecida de Gouveia da. A indisciplina: causas e consequências


no processo do ensinar e aprender. Universidade Federal do Paraná – 2014.
Curso de especialização em Coordenação Pedagógica. Disponível em
http://scholar.google.com.br/scholar?hl=pt-
BR&as_sdt=0%2C&q=indisciplina+em+sala+de+aula +causas+e+consequ
%C3%AAncias&oq=indisciplina+em+sala+de+aula+causas+e+consequ
%C3%AAncia#gs_qabs&u=%23p%DsllYAfry-a4J. Acesso em 21 de agosto de 2020.

SILVA, Luciano Campos da; MATOS, Daniel Abud Seabra. As percepções dos
estudantes mineiros sobre a incidência de comportamentos de indisciplina em
sala de aula. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, 2014. Disponível em:
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-24782014000800010 .
Acesso em 21 de agosto de 2020.

ANEXOS
QUESTIONÁRIO AOS PROFESSORES

1º) O que é indisciplina?


2º) O que gera a indisciplina?
3º) O que você faz para manter a disciplina na sala de aula?
4º) O que você faz diante da atitude de indisciplina dos alunos?
5º) Você trabalha na área da educação há quantos anos?
6º) Quem é mais esforçados? Meninos ou meninas?
7º) Como você se define como professor (a)?
8º) Você considera que na escola onde você trabalha há alunos indisciplinados?
9º) O que você professor faz para melhorar a disciplina durante a aula?
10º) Quais são as consequências da indisciplina?
QUESTIONÁRIO AOS ALUNOS

1º) O que é indisciplina para você?


2º) Você se considera indisciplinado? Por quê?
3º) O que gera a indisciplina?
4º) Você acha que a indisciplina causa consequência? Quais?
5º) Você gosta de estudar?
6º) Como você vê o comportamento dos seus colegas?
7º) O que os professores podem fazer para melhorar a indisciplina na sala de aula?
8º) Você considera que atos indisciplinares podem interferir na aprendizagem sua e
de seus colegas?
9º) Qual nota você daria para sua escola?
10º) O que o estudo significa para você?

Você também pode gostar