Você está na página 1de 10

2 – Trabalho e Potência

Neste capítulo discutiremos conceitos relativos a trabalho e potência. Discutiremos ainda


os efeitos do atrito e as perdas de potência causadas por ele. Definiremos rendimento
mecânico e mostraremos sua influência nos projetos simples de mecânica de máquinas.

2.1 - Trabalho, Torque e Potência

2.1.1 Trabalho e Potência

Os próximos conceitos de mecânica que veremos serão os de trabalho de uma força


e potência.

O trabalho de uma força numa trajetória retilínea é expresso pelo produto escalar da
força F [N] pelo deslocamento d [m], ou

ℑ = F.d (2.1)

a unidade de trabalho no SI é o joule [J]. Nesta expressão, os vetores F e d devem ter


mesma direção e sentido.

A próxima figura ilustra o conceito de trabalho de uma força no movimento


retilíneo

Para o bloco, a forma matemática mais simples de escrever a equação 5.1 é

ℑ = Fx .d = F .d . cos θ (2.2)

onde θ é o ângulo entre a força F e o deslocamento d.

A potência numa trajetória retilínea é a razão entre trabalho ℑ realizado e o


tempo gasto (t) e é dada por

ℑ F .d . cos θ
Pot = = = F .v. cos θ (2.3)
t t
Mecânica Técnica

a unidade do SI para potência é o watt [W].

Exercício 01: O bate estaca eleva o batente de 2 toneladas a uma altura 10 m. Calcule o
trabalho realizado pela força peso e a potência absorvida do motor
(despreze as perdas por atrito) se o percurso de elevação foi feito em 20 s.

5.1.2 - Torque e Potência

Há uma grandeza física que está ligada aos esforços encontrados no movimento de
rotação. Vejamos a próxima figura

Podemos notar o efeito da força (punho do mecânico) sobre a barra, provocando a


rotação do parafuso de aperto. Da experiência, sabemos também que quanto maior à
distância d mais facilmente produziremos rotação no parafuso ligado a barra (efeito de
alavanca – ou de multiplicação de forças).

O efeito da alavanca é chamado em mecânica de momento de uma força ou


simplesmente torque e é definido pelo produto vetorial apresentado a seguir

M = F ×d (2.4)

desde que F e d, sejam perpendiculares. No SI a unidade usada para medir momento de


uma força é o N.m.

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo 17


Capitulo 2 – Trabalho e Potência

Caso o ângulo entre os vetores força F e distância d seja não perpendicular, podemos usar
a formulação geral para o calculo do torque expressa por

M = F × d × sen θ (2.5)

onde θ é o ângulo entre estes dois vetores.

Para sabermos qual é a direção do vetor M, devemos nos lembrar de que ele será
perpendicular tanto a F quanto a d. O sentido de M será facilmente descoberto usando a
tradicional regra da mão direita.

Exercício 2: Calcule o Momento Torçor Mt da manivela abaixo em kgfcm.

Exercício 3: O sarrilho abaixo é usado para elevação de cargas. Se o momento resistente


da carga é de 10 kgf.m e o comprimento do braço da alavanca é de 80 cm.
Calcule a força a ser imposta ao braço da alavanca (SI).

Exercício 4: Empregando-se uma alavanca com r1=60cm e uma força tangencial ft1=200N,
provoca-se uma tensão de torção na barra do eixo D=19mm. Qual será o valor
de ft2 que equilibrará a ação de ft1, sabendo que r2=20cm?

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo 18


Mecânica Técnica

Exercício 5: Calcule a força tangencial que cada pino do acoplamento rígido deve
suportar, sabendo que o diâmetro do círculo de pinos é de 20 cm e que o
conjugado (torque) produzido pelo motor elétrico é de 80 N.m.

Exercício 6: Calcular a força de corte Q no alicate da figura abaixo. (Lembre-se que no


equilíbrio: ∑F = 0 e ∑M =0 )

No movimento circular, a formulação para o trabalho é dada pelo produto do momento de


torção ou torque (Mt) com o ângulo de giro ou rotação (θ ), ou

ℑ = M t .θ (2.6)

onde o momento de torção é o produto da força tangencial pelo raio da rotação, ou

M t = Ft .r (2.7)

A potência no movimento circular será

ℑ M t .θ
Pot = = = M tϖ (2.8)
t t

Exercício 07: Suponha que o motor elétrico do exercício 05 proporcione uma rotação
constante no eixo de 1800 rpm durante o acionamento. Calcule sua potência
(despreze as perdas).

2.2 Rendimento

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo 19


Capitulo 2 – Trabalho e Potência

A potência de uma máquina é, de fato, sua capacidade de transformar energia, convertendo


em trabalho num dado intervalo de tempo. Para isso, a máquina precisa absorver energia de
alguma fonte. Entretanto, nem toda energia consumida da fonte é transformada em trabalho
útil, pois sempre existem perdas.
Num motor elétrico, por exemplo, as perdas são de natureza elétrica, magnética e
mecânica. Quando falamos em perdas mecânicas, estamos nos referindo, principalmente à
energia dissipada pelo atrito nas partes móveis.

Com base nos fatos, devemos distinguir entre a potência que é efetivamente transformada
em trabalho útil, Pútil, e a potência absorvida da fonte de energia primária, Pabsorvida, pois esta
é maior do que aquela. A diferença entre uma e outra parcela corresponde a potência
perdida, Pperdida, ou seja

Pabsorvida = Pútil + Pperdida (2.9)

A próxima ilustração é um esquema conveniente para visualizarmos a equação 2.9.

A eficiência com que um sistema ou máquina transforma a potência absorvida em potência


útil é expressa fisicamente como rendimento (η )

Pútil
η= (2.10)
Pabsorvida

onde η é adimensional.

Como já vimos anteriormente, a potência absorvida é maior do que a potência útil, ou


Pabsorvida > Pútil
assim

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo 20


Mecânica Técnica

0 ≤η <1

Com freqüência, o rendimento é expresso em percentual, bastando para isso multiplicar a


equação 2.10 por 100%. Desta forma

Pútil
η= × 100% (2.11)
Pabsorvida

Na maioria das aplicações mecânicas, trabalhamos com máquinas montadas em série.


Logo, uma máquina fornece potência à outra, e assim sucessivamente (veja a figura).

O rendimento total do sistema de máquinas será igual ao produto dos rendimentos parciais
de cada máquina

ηtotal =η1 ×η2 ×η3 ×... (2.12)


ou
Pu1 Pu 2 Pu 3
ηtotal = × × ×... (2.13)
Pa1 Pa 2 Pa 3

A Tabela 2.1 indica os valores médios dos rendimentos de alguns elementos de


máquinas usados para transmissão de movimento.

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo 21


Capitulo 2 – Trabalho e Potência

Tabela 2.1 – Valores médios dos rendimentos de alguns elementos

Elementos de Máquinas η (rendimento)

Mancais de escorregamento 95,5%


Mancais de roletes 98,0%
Mancais de rolamentos 99,0%
Engrenagens cilíndricas fundidas 93,0%
Engrenagens cilíndricas frezadas 96,0%
Engrenagens cônicas fundidas 92,0%
Engrenagens cônicas frezadas 95,0%
Correias planas 96,5%
Correias trapezoidais 97,5%
Correntes silenciosas 98,0%
Correntes Renold 96,0%
Cabos de aço 95,0%
Sem fim 60,0%
Talhas com 2 roldanas 94,0%
Talhas com 3 roldanas 92,0%
Talhas com 4 roldanas 91,0%
Talhas com 5 roldanas 89,0%

Exercício 08: Um motor elétrico absorve da rede de alimentação local uma potência de 5
[kW]. Sabendo que a potência útil em seu eixo é de 5 [CV], calcular o
rendimento percentual.

Exercício 09: Qual o rendimento total de um sistema formado por um motor elétrico de
rendimento 90% e de uma máquina cujo rendimento é de 70%.

Exercício 10: Determine a potência motriz necessária para acionar um motor elétrico que
gira a 800 rpm e imprime um torque (conjugado ou momento torçor) de 100
N.m, sabendo-se que as perdas no equipamento são da ordem de 20%.

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo 22


Mecânica Técnica

Exercício 11: Um guindaste eleva uma carga de 2 toneladas a uma altura de 1m em 5s.
Determine o rendimento do sistema se o motor utilizado é de 8 HP.

Exercício 12: Um sistema é composto por dois redutores, um de rendimento 90% e outro
de rendimento 68%, ligados em série. Se as relações de transmissão são de
8:1 e 15:1, calcule:

a) O rendimento total do sistema de redutores;


b) A relação de transmissão total do sistema.

Exercício 13: Calcule o rendimento total do sistema de elevação de carga.

Exercício 14: Um sistema é formado por um motor elétrico de rendimento 80% e uma
furadeira de rendimento 68%. Se a alimentação é de 14 HP e a rotação da
furadeira é de 360 rpm, calcule:

a) o rendimento total do sistema;


b) a potência útil do sistema;
c) o torque produzido pela furadeira.

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo 23


Capitulo 2 – Trabalho e Potência

Exercício 15: No sistema de elevação mostrado abaixo, sabe-se que o rendimento do


motor é 95%, o rendimento do redutor 1 é 90%, o rendimento do redutor 2 é
de 85%, o rendimento do tambor é 80%, a RT do redutor 1 é de 20:1, a RT do
redutor 2 é de 12:1, a rotação na saída do motor é 2400 rpm, a carga máxima a
ser transportada é de 2 toneladas e o raio do tambor é de 50 cm. Descubra qual
a potência do motor necessária para elevar a carga e o torque nos eixos 1,2 e 3.

Exercício 16: No sistema mostrado abaixo, um mecânico utilizando um único motor


elétrico de 4500 rpm montou um sistema composto por duas máquinas,
uma furadeira e um torno, de tal modo que quando uma máquina funciona, a
outra está desligada. Sabendo que o motor é alimentado com 40 HP e tem
rendimento é 90%, as engrenagens possuem os seguintes números de dentes
ZA=10, ZB=40, ZC=7, ZD=21, ZE=8, ZF=48, o rendimento do torno é de 85%,
o rendimento da transmissão AB é 96%, o rendimento da transmissão CD é
98%, o rendimento da transmissão EF é 97% e o conjugado na saída da
furadeira 500 N.m. Determine:

a) A potência útil do torno;


b) O rendimento na furadeira.

Nota: 1CV=736W

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo 24


Mecânica Técnica

1HP=745W

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo 25