Você está na página 1de 114

Sistema de Informação

SISTEMA DE INFORMAÇÃO

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 1
Sistema de Informação

GRUPO A Faculdade Multivix está presente de norte a sul


do Estado do Espírito Santo, com unidades em
MULTIVIX Cachoeiro de Itapemirim, Cariacica, Castelo, Nova
Venécia, São Mateus, Serra, Vila Velha e Vitória.
Desde 1999 atua no mercado capixaba, des-
tacando-se pela oferta de cursos de gradua-
ção, técnico, pós-graduação e extensão, com
qualidade nas quatro áreas do conhecimen-
to: Agrárias, Exatas, Humanas e Saúde, sem-
pre primando pela qualidade de seu ensino
e pela formação de profissionais com cons-
ciência cidadã para o mercado de trabalho.

Atualmente, a Multivix está entre o seleto


grupo de Instituições de Ensino Superior que
possuem conceito de excelência junto ao
Ministério da Educação (MEC). Das 2109 institui-
ções avaliadas no Brasil, apenas 15% conquistaram
notas 4 e 5, que são consideradas conceitos
de excelência em ensino.

Estes resultados acadêmicos colocam


todas as unidades da Multivix entre as
melhores do Estado do Espírito Santo e
entre as 50 melhores do país.

MISSÃO

Formar profissionais com consciência cida-


dã para o mercado de trabalho, com ele-
vado padrão de qualidade, sempre mantendo a
credibilidade, segurança e modernidade, visando
à satisfação dos clientes e colaboradores.

VISÃO

Ser uma Instituição de Ensino Superior reconheci-


da nacionalmente como referência em qualidade
educacional.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


2 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

EDITORIAL

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA • MULTIVIX

Diretor Executivo Revisão de Língua Portuguesa


Tadeu Antônio de Oliveira Penina Leandro Siqueira Lima

Diretora Acadêmica Revisão Técnica


Eliene Maria Gava Ferrão Penina Alexandra Oliveira
Alessandro Ventorin
Diretor Administrativo Financeiro Graziela Vieira Carneiro
Fernando Bom Costalonga
Design Editorial e Controle de Produção de Conteúdo
Diretor Geral Carina Sabadim Veloso
Helber Barcellos da Costa Maico Pagani Roncatto
Ednilson José Roncatto
Diretor da Educação a Distância Aline Ximenes Fragoso
Pedro Cunha Genivaldo Félix Soares

Conselho Editorial Multivix Educação a Distância


Eliene Maria Gava Ferrão Penina (presidente Gestão Acadêmica - Coord. Didático Pedagógico
do Conselho Editorial) Gestão Acadêmica - Coord. Didático Semipresencial
Kessya Penitente Fabiano Costalonga Gestão de Materiais Pedagógicos e Metodologia
Carina Sabadim Veloso Direção EaD
Patrícia de Oliveira Penina Coordenação Acadêmica EaD
Roberta Caldas Simões

BIBLIOTECA MULTIVIX (Dados de publicação na fonte)

Santos, Aloísio Andre dos.


Sistema de Informação / Aloísio Andre dos Santos. – Serra: Multivix, 2018.

Catalogação: Biblioteca Central Anisio Teixeira – Multivix Serra


2018 • Proibida a reprodução total ou parcial. Os infratores serão processados na forma da lei.

As imagens e ilustrações utilizadas nesta apostila foram obtidas no site: http://br.freepik.com

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 3
Sistema de Informação

APRESENTAÇÃO Aluno (a) Multivix,

DA DIREÇÃO Estamos muito felizes por você agora fazer parte


do maior grupo educacional de Ensino Superior do

EXECUTIVA Espírito Santo e principalmente por ter escolhido a


Multivix para fazer parte da sua trajetória profissional.

A Faculdade Multivix possui unidades em Cachoei-


ro de Itapemirim, Cariacica, Castelo, Nova Venécia,
São Mateus, Serra, Vila Velha e Vitória. Desde 1999,
no mercado capixaba, destaca-se pela oferta de
cursos de graduação, pós-graduação e extensão
de qualidade nas quatro áreas do conhecimento:
Agrárias, Exatas, Humanas e Saúde, tanto na mo-
dalidade presencial quanto a distância.

Além da qualidade de ensino já comprova-


da pelo MEC, que coloca todas as unidades do
Grupo Multivix como parte do seleto grupo das
Instituições de Ensino Superior de excelência no
Brasil, contando com sete unidades do Grupo en-
tre as 100 melhores do País, a Multivix preocupa-
-se bastante com o contexto da realidade local e
com o desenvolvimento do país. E para isso, pro-
cura fazer a sua parte, investindo em projetos so-
ciais, ambientais e na promoção de oportunida-
des para os que sonham em fazer uma faculdade
de qualidade mas que precisam superar alguns
obstáculos.
Prof. Tadeu Antônio de Oliveira Penina
Diretor Executivo do Grupo Multivix Buscamos a cada dia cumprir nossa missão que é:
“Formar profissionais com consciência cidadã para o
mercado de trabalho, com elevado padrão de quali-
dade, sempre mantendo a credibilidade, segurança
e modernidade, visando à satisfação dos clientes e
colaboradores.”

Entendemos que a educação de qualidade sempre


foi a melhor resposta para um país crescer. Para a
Multivix, educar é mais que ensinar. É transformar o
mundo à sua volta.

Seja bem-vindo!

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


4 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA
Caro aluno,

Caro(a) aluno(a), seja bem-vindo(a)! Nesta disciplina, apresentaremos a você os con-


teúdos básicos relativos à Tecnologia de Informação, Arquitetura de Tecnologia de
Informação e Sistema de Informação. Estudar e conhecer a diferença entre Tecnolo-
gia e Sistema de Informação é uma experiência fascinante. No dia a dia, utilizamos
os sistemas de informação de várias maneiras: seja por meio da compra de produtos
via internet ou até mesmo nas atividades diárias nos diferentes processos produti-
vos, como, por exemplo, na indústria automobilística. Entenderemos também como
ocorreu a evolução dos sistemas de informação ao longo da histórica e teremos a
oportunidade de entender a informação e o seu valor estratégico assim como os
sistemas de informação passando a processar altos volumes de dados, com maior
confiabilidade e rapidez. Os tipos de sistemas de informação que surgiram a partir de
1950 também serão assuntos a serem estudados, entenderemos as particularidades
desses sistemas e suas aplicações de forma a contribuir para o alcance de vanta-
gem competitiva. Faremos um apanhado sobre os tipos de sistemas inteligentes que
existem e iremos compreender que esses sistemas são baseados em tipos de inteli-
gências e que, na realidade, buscam imitar ou copiar a inteligência do ser humano.
Veremos que os sistemas inteligentes estão em todas as áreas, desde sistemas que
contribuem para a área de saúde, com soluções inovadoras no campo de diagnósti-
cos, até robôs que tentam substituir a presença do homem no campo afetivo. Iremos
estudar ainda o significado do gerenciamento de mudanças e seus impactos nas or-
ganizações, o significado de mudanças tecnológicas e, por fim, faremos uma análise
da logística reversa e as formas que temos de gerenciar os resíduos eletrônicos. Tenha
um ótimo estudo!

Ao final desta disciplina, esperamos que você:

1. Diferencie dados, informação e conhecimento.

2. Conceitue e diferencie Tecnologia de Informação e sistema de informação.

3. Identifique a evolução dos sistemas de informação ao longo da história.

4. Identifique e conceitue os tipos de sistemas de informação.

5. Explique a relação dos níveis organizacionais com os sistemas de informação.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 5
Sistema de Informação

6. Defina e identifique sistemas inteligentes.

7. Identifique os tipos de sistemas inteligentes.

8. Identifique ações que contribuem para o processo de mudanças nas organiza-


ções.

9. Defina mudança tecnológica.

10. Defina logística reversa.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


6 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

LISTA DE FIGURAS

>>FIGURA 1 - Relação entre Dados, Informação e Conhecimento 16


>>FIGURA 2 - Linguagem de computador 17
>>FIGURA 3 - Números primos 18
>>FIGURA 4 - Informação e Tecnologia 21
>>FIGURA 5 - Antena de torre de telecomunicações 23
>>FIGURA 6 - Computador 23
>>FIGURA 7 - Máquina de braço de robô de automação 24
>>FIGURA 8 - Figura 8 – Exemplo de Arquitetura de TI 26
>>FIGURA 9 - Moderno sistema de informação utilizado em
veículos automotivos TI 27
>>FIGURA 10 - Modelo de carro Ford do início do século XX 34
>>FIGURA 11 - Henry Ford 35
>>FIGURA 12 - Ábaco Romano 37
>>FIGURA 13 - Evolução dos sistemas de informação:
cronologia a partir de 1950 38
>>FIGURA 14 - Ciclo da água 41
>>FIGURA 15 - Diferentes tipos de sistema de informação 49
>>FIGURA 16 - Gráficos de acompanhamento 50
>>FIGURA 17 - Níveis organizacionais 51
>>FIGURA 18 - Ordens de compra (transações operacionais) 55
>>FIGURA 19 - Informações gerenciais: gráficos e tabelas 57
>>FIGURA 20 - Informações estratégicas 58
>>FIGURA 21 - Interação homem-máquina 63
>>FIGURA 22 - Robô, um sistema inteligente 65
>>FIGURA 23 - Representação de sistemas inteligentes na
área da saúde 66
>>FIGURA 24 - Sistema inteligente: robô 69
>>FIGURA 25 - O homem por trás do robô 72
>>FIGURA 26 - Mudança tecnológica 81
>>FIGURA 27 - Era agrícola 85

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 7
Sistema de Informação

>>FIGURA 28 - Produção seriada de carros na primeira


metade do século XX 86
>>FIGURA 29 - Era da tecnologia de informação 87
>>FIGURA 30 - Mainframe computer 88
>>FIGURA 31 - Computador pessoal 89
>>FIGURA 32 - Acesso à tecnologia em qualquer parte do mundo 90
>>FIGURA 33 - Mudança tecnológica: computador 92
>>FIGURA 34 - Ambiente organizacional 93
>>FIGURA 35 - Representação da Logística Reversa 98
>>FIGURA 36 - Logística reversa: retorno de produtos 102
>>FIGURA 37 - Lixo eletrônico 105
>>FIGURA 38 - Aterro Sanitário: descarte de lixo eletrônico 106
>>FIGURA 39 - Computação em nuvem 110

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


8 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

LISTA DE QUADROS

>>QUADRO 1 - Tipos de inteligência 67

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 9
Sistema de Informação

SUMÁRIO

1
1 DADOS, INFORMAÇÃO E CONHECIMENTO 16
UNIDADE
1.1 CONCEITO DE INFORMAÇÃO 18
1.2 TECNOLOGIA E SISTEMA DE INFORMAÇÃO 20
1.3 SOFTWARE E HARDWARE DE TI 24
1.4 SISTEMA DE INFORMAÇÃO 26

GLOSSÁRIO 29

2
2 EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 33
UNIDADE
2.1 CONTEXTO HISTÓRICO 33
2.2 EVOLUÇÃO – DÉCADA DE 50 DO SÉCULO XX 38
2.3 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: ASPECTOS TÉCNICOS E ORGANIZACIONAIS
41

CONCLUSÃO 45

UNIDADE 3 3 TIPOS DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO


3.1 NÍVEIS ADMINISTRATIVOS
49
51
3.1.1 NÍVEL ESTRATÉGICO 52
3.1.2 NÍVEL GERENCIAL 52
3.1.3 NÍVEL OPERACIONAL 53
3.2 TIPOS DE SI 54
3.2.1 SISTEMAS DE PROCESSAMENTO DE TRANSAÇÃO 54
3.2.2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) 56
3.2.3 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ESTRATÉGICA (SIE) 58

CONCLUSÃO 61

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


10 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

SUMÁRIO

4
4 SISTEMAS INTELIGENTES 63
UNIDADE
4.1 SISTEMAS INTELIGENTES 63
4.1.1 TIPOS DE INTELIGÊNCIA 66
4.1.2 TIPOS DE SISTEMAS INTELIGENTES 72

CONCLUSÃO 77

UNIDADE 5 5 INTRODUÇÃO 79
5.1 MUDANÇA TECNOLÓGICA NAS ORGANIZAÇÕES 81
5.2 CONTEXTO HISTÓRICO 84
5.3 O CONHECIMENTO DAS MÁQUINAS 91
5.4 IMPACTOS DA MUDANÇA TECNOLÓGICA 92
5.4.1 O AMBIENTE ORGANIZACIONAL 93

CONCLUSÃO 95

UNIDADE 6 6 INTRODUÇÃO 97
6.1 LOGÍSTICA REVERSA 97
6.2 DESCARTE TECNOLÓGICO 104
6.3 LOGÍSTICA REVERSA: TENDÊNCIAS 108

CONCLUSÃO 111

REFERÊNCIAS 112

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 11
Sistema de Informação

ICONOGRAFIA

ATENÇÃO ATIVIDADES DE
APRENDIZAGEM
PARA SABER

SAIBA MAIS
ONDE PESQUISAR CURIOSIDADES
LEITURA COMPLEMENTAR
DICAS

GLOSSÁRIO QUESTÕES

MÍDIAS
ÁUDIOS
INTEGRADAS

ANOTAÇÕES CITAÇÕES

EXEMPLOS DOWNLOADS

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


12 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

APRESENTAÇÃO DA UNIDADE
Caro(a) aluno(a), seja bem-vindo(a)! Nessa unidade, apresentaremos a você os con-
teúdos básicos relativos à Tecnologia de Informação, Arquitetura de Tecnologia de
Informação e Sistema de Informação. Estudar e conhecer a diferença entre Tecnolo-
gia e Sistema de Informação é uma experiência fascinante. No dia a dia, utilizamos
os sistemas de informação de várias maneiras: seja por meio da compra de produtos
via internet ou até mesmo nas atividades diárias nos diferentes processos produtivos,
como, por exemplo, na indústria automobilística. A diferença entre informação e da-
dos também é trabalhada na unidade. Você poderá perceber que um conjunto de
números e letras, quando apresentados de forma aleatória e sem nenhum significa-
do passam despercebidos pelas pessoas, ou seja, não apresentam nenhum significa-
do naquele momento.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 13
Sistema de Informação

UNIDADE 1

OBJETIVO
Ao final desta
unidade,
esperamos
que possa:

> Diferenciar informação e


dados.

> Conceituar Tecnologia de


Informação.

> Explicar o significado de


Arquitetura de Informação.

> Diferenciar Tecnologia de


Informação e Sistema de
informação.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


14 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

INTRODUÇÃO DA UNIDADE
Nos dias atuais, verificamos uma corrida para a informatização dos processos produ-
tivos, o que pode trazer sérios transtornos para as empresas, como, por exemplo, uma
padaria que informatiza o processo de venda e não consegue codificar todos os itens
estocados, uma farmácia que codifica incorretamente os medicamentos genéricos,
ou até mesmo uma pequena fábrica que não consegue gerenciar o seu estoque. O
que podemos perceber é a formação de grandes filas, vendas de produtos com pre-
ços diferentes do planejado, problemas no acerto do caixa e, até mesmo, estoque de
produtos além do necessário.

Administrar um negócio de sucesso exige sistemas de informação de qualidade para


processar todos os dados e estatísticas, tanto financeiros quanto organizacionais. Eli-
minar os problemas e maximizar a eficiência do trabalho são os objetivos essenciais
de qualquer empresa. Mas eles não podem ser alcançados sem um excelente siste-
ma de informação capaz de fornecer os dados que a empresa precisa em questão de
segundos e transformá-los em informação com a mesma velocidade. Logo, investir
em sistemas de informação é crucial para todas as empresas que pretendem ser
bem-sucedidas no mercado. Por meio do investimento em sistemas de informação
a empresa ficará bem organizada, e o gestor terá soluções rápidas e tomará decisões
mais rápidas sob qualquer circunstância, assim como os funcionários poderão geren-
ciar todas as informações e melhorar a execução de seus processos de negócios.

Para entender sobre as tecnologias de informação, os sistemas de informação e seu


papel no cotidiano das pessoas, vamos iniciar entendendo o significado de informa-
ção.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 15
Sistema de Informação

1 DADOS, INFORMAÇÃO E
CONHECIMENTO
No campo da tecnologia, precisamos situar o que é verdadeiramente informação e,
para isto há necessidade de entendermos que a informação está entre os conceitos
de dados e conhecimento, conforme pode ser observado pela FIGURA 1.

FIGURA 1 - RELAÇÃO ENTRE DADOS, INFORMAÇÃO E CONHECIMENTO

CONHECIMENTO

INFORMAÇÃO

DADOS

Fonte: Elaborado pelo autor, 2018.

Os dados, que compõem a base da pirâmide, não têm nenhum significado além de
sua existência, em si. Podem existir em qualquer forma, podendo ser utilizáveis ou
não. Um exemplo de dados são as linguagens de computador que, sendo colocadas
como uma imagem qualquer não tem nenhum significado, apenas existem, como
pode ser observado pela Figura 2.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


16 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

FIGURA 2 - LINGUAGEM DE COMPUTADOR

Fonte: SHUTTERSTOCK, 2018.

Enquanto dados não têm nenhum significado além de sua existência, podemos en-
tender conhecimento, que está no topo da pirâmide da FIGURA 1, como algo basea-
do no aprendizado, pensamento e compreensão adequada da área do problema.

Os estudos na área de programação fazem com que um analista de sistemas adquira


conhecimento sobre a área e, apenas visualizando a imagem apresentada na FIGU-
RA 2, consiga identificar o tipo de linguagem utilizada e para onde pode ser direcio-

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 17
Sistema de Informação

nada. Sendo assim, conhecimento é derivado da informação, sendo um processo que


se baseia por meio de determinações. O conhecimento não é informação, e informa-
ção não é dado, mas aliás, o que significa informação? Veja a resposta e o conceito de
informação no tópico a seguir.

1.1 CONCEITO DE INFORMAÇÃO

Segundo Setzer (2001, pág. 3), “a informação é uma abstração informal (isto é, não
pode ser formalizada através de uma teoria lógica ou matemática), que está na men-
te de alguém, representando algo significativo para essa pessoa”. Ou seja, informação
é o resultado do processamento dos dados, tem significado e pode contribuir no
processo de tomada de decisões. Uma linguagem de programação e o tratamento e
processamento de dados como aquele apresentando pela FIGURA 3, pode ser tornar
informação, sendo apresentada, como por exemplo, através de uma conta de água
ou luz. Para ilustrar a diferença entre dados e informação, vejamos a FIGURA 3.

FIGURA 3 - NÚMEROS PRIMOS

Fonte: SHUTTERSTOCK, 2018.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


18 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

Ao observar a imagem da FIGURA 3, apenas enxergamos números que, podem não


ter significado algum, no entanto, a imagem passa a ser informação a partir do mo-
mento que entendermos que se tratam de números primos que, apenas podem ser
divididos por 1 e por eles mesmos.

Segundo Audy et al. (2007, p. 88) “a informação é uma coleção de fatos organizados
de forma a possuir um valor adicional aos fatos em si”. Em outras palavras, são dados
interligados, concatenados, que passaram por um processo de transformação, cuja
forma e conteúdo são apropriados para um uso específico. A Informação possui ca-
racterísticas próprias que acabam por determinar o seu valor, podendo ser:

1. Precisa, confiável, clara – sem erros e os dados que a originou devem ser confi-
áveis.

2. Completa e econômica – deve apresentar todos os fatos relevantes no processo


em análise e os custos do seu processamento devem ser balanceados.

3. Flexível – o seu armazenamento deve permitir o seu uso de diferentes formas.

4. Relevante e simples – adequada aos tomadores de decisão.

5. Veloz, acessível e segura – deve ser entregue no tempo certo, sendo facilmente
acessível para todos os usuários, desde que, autorizados.

O conhecimento está intimamente ligado ao “fazer” e implica know-how e com-


preensão. É construído por cada indivíduo é um produto de sua experiência, e englo-
ba as normas pelas quais ele avalia novas entradas de seu entorno.

O conhecimento é uma mistura fluida de experiência estruturada, valores, in-


formação contextual, uma visão especializada e intuição ligada à terra que
fornece um ambiente e uma estrutura para avaliar e incorporar novas experi-
ências e informações. Origina e é aplicado na mente dos conhecedores. Nas
organizações, frequentemente manifesta-se não só em documentos ou repo-
sitórios, mas também em rotinas organizacionais, práticas e normas (Gamble
e Blackwell, 2001, p. 64).

Após a definição de conhecimento, podemos voltar à pirâmide da FIGURA 1 e des-


tacar que, para uma grande quantidade de dados (números, por exemplo), temos
um menor número de informação (que pode ser organizada por um conjunto de
números inteiros, racionais etc), que se tornam conhecimento através de estudos em
diferentes áreas, como a matemática e informática, expressados através de fórmulas
e algoritmos de programação.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 19
Sistema de Informação

A informação tem o seu valor no contexto organizacional uma vez que circula por to-
das as atividades produtivas, por meio de atividades de planejamento, programação,
aquisição, distribuição entre outras.

O fluxo de informação é conhecido pelos gestores em virtude de seu valor estratégi-


co como forma de alcance de vantagens competitivas, desta forma, a informação se
faz presente:

• Na Infraestrutura

Por meio de instalações físicas, serviços e gerenciamento que suportam os recursos


existentes em uma organização e os seus componentes como hardware do compu-
tador, software de propósito geral, redes e instalações de comunicação, bancos de
dados e o pessoal do gerenciamento da informação.

• Na Arquitetura de informação

Através do mapa ou plano de alto nível das necessidades de informação de uma em-
presa e o modo pelo qual essas necessidades estão sendo atendidas.

• Na gestão

Por meio de programas de treinamento; tomada de decisões gerenciais, assim como


na coleta, filtragem, análise, organização, armazenagem e disseminação da informa-
ção, objetivando apoiar o desenvolvimento das atividades cotidianas e a tomada de
decisão no ambiente corporativo.

1.2 TECNOLOGIA E SISTEMA DE INFORMAÇÃO

O termo Tecnologia da Informação (TI) foi cunhado em Harvard, a fim de fazer uma
distinção entre máquinas criadas para executar um escopo limitado de funções e as
máquinas utilizadas pela computação com o propósito geral de serem programadas
para várias tarefas. Como houve uma evolução da indústria de TI a partir de meados
do século 20, a capacidade da indústria de computação avançou, enquanto o cus-
to dos dispositivos e o consumo de energia caíram, um ciclo que continua até hoje
quando surgem novas tecnologias de informação. A FIGURA 4 ilustra o momento em
que vivemos, ou seja, estamos cercados de Tecnologia de Informação.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


20 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

FIGURA 4 - INFORMAÇÃO E TECNOLOGIA

Fonte: SHUTTERSTOCK, 2018.

Podemos conceituar a Tecnologia de Informação como o conjunto de recursos de


informação de uma organização, seus usuários e a gerência que os supervisiona, in-
cluindo a infraestrutura de TI e todos os outros sistemas de informação em uma orga-
nização. Desta forma, a Tecnologia de Informação é o uso de qualquer computador,
armazenamento, rede e outros dispositivos físicos, infraestrutura e processos, para
criar, processar, armazenar, proteger e trocar todas as formas de dados eletrônicos.

Segundo Beal (2001), Tecnologia de Informação significa qualquer sistema usado


para fornecer informações, o que inclui o seu processamento, que podem auxiliar os
gestores a tomar decisões dentro das organizações, qualquer que seja sua utilização.
A motivação, entretanto, sobre os sistemas a serem utilizados dependem das neces-
sidades de informação da organização no que se referem a melhor utilização dos
recursos materiais, financeiros, mercadológicos e humanos.

A TI é um termo que engloba todas as formas de tecnologia, em suas várias configu-


rações, incluindo dados de negócios, conversas, imagens fixas, filmes e apresentações
multimídia, assim como:

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 21
Sistema de Informação

• Computadores com uma interface humana.

• Redes de voz, vídeo e dados do equipamento, pessoal e serviços adquiridos,


necessários para operá-los.

• Salários e benefícios para o pessoal cujas descrições de emprego especifica-


mente incluem funções de tecnologia, ou seja, serviços de rede, desenvolvi-
mento de aplicações, administração de sistemas.

• Serviços de tecnologia fornecidos por fornecedores, clientes e empresas;

• Custos associados ao fornecimento de tecnologia de informação, desenvolvi-


mento, a aquisição, o licenciamento ou manutenção de software etc.

Desta forma, podemos então entender a TI como o uso de qualquer computador, ar-
mazenamento, rede e outros dispositivos físicos, infraestrutura e processos para criar,
processar, armazenar, proteger e trocar todas as formas de dados eletrônicos.

Muitos são os exemplos de Tecnologia de Informação e, em todos os espaços


podemos encontrá-los: Muitos são os exemplos de Tecnologia de Informação e,
em todos os espaços podemos encontrá-los:

1. Nas telecomunicações

Equipamentos de telefone e rádio e interruptores usados para comunicações de voz;


dados, voz e redes de vídeo e todo o equipamento associado de comunicações e
software; periféricos diretamente ligados aos sistemas de informação de computador
usados para coletar ou transmitir áudio, vídeo ou informação gráfica, tais como scan-
ners e digitalizadores.

• Sistemas de resposta de voz que interagem com uma base de dados de com-
putador ou aplicativo.

• Rede de comunicação via rádio.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


22 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

FIGURA 5 - ANTENA DE TORRE DE TELECOMUNICAÇÕES

Fonte: SHUTTERSTOCK, 2018.

2. Na informática

Armazenamento de dados e programas para entrada, processamento e saída de da-


dos; PCs e software dos usuários; hardware de servidor e softwares usados para supor-
tar aplicações, como correio eletrônico / groupware, serviços de arquivo e impressão,
banco de dados, aplicativo / servidores web, sistemas de armazenamento e outros
serviços de hospedagem.

FIGURA 6 - COMPUTADOR

Fonte: SHUTTERSTOCK, 2018.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 23
Sistema de Informação

3. Na automação

Software e suporte para os sistemas de automação de escritório, tais como processa-


mento de texto e planilhas, bem como o computador para executá-los etc.

FIGURA 7 - MÁQUINA DE BRAÇO DE ROBÔ DE AUTOMAÇÃO

Fonte: SHUTTERSTOCK, 2018.

A TI também inclui o gerenciamento de dados, seja na forma de texto, voz, imagem,


áudio ou alguma outra forma. Também pode envolver coisas relacionadas à Internet.
Isso dá à TI um significado totalmente novo, já que a Internet é seu próprio domínio.
A TI envolve a transferência de dados, por isso faz sentido que a Internet seja uma
parte da TI. A TI tornou-se parte de nossas vidas cotidianas e continua a proliferar em
novos domínios.

1.3 SOFTWARE E HARDWARE DE TI

A TI inclui várias camadas de equipamento físico (hardware), ferramentas de virtuali-


zação e gerenciamento ou automação, sistemas operacionais e aplicativos (software)
usados para executar funções essenciais. Dispositivos de usuário, periféricos e softwa-
re, como laptops, smartphones ou até mesmo equipamentos de gravação, podem

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


24 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

ser incluídos no domínio de TI. A TI também pode se referir às arquiteturas, metodo-


logias e regulamentos que regem o uso e o armazenamento de dados.

Os aplicativos comerciais incluem bancos de dados como o SQL Server , sistemas


transacionais como entrada de pedidos em tempo real, servidores de e-mail como
o Exchange , servidores da Web como o Apache, gerenciamento de relacionamento
com clientes e sistemas de planejamento de recursos empresariais . Esses aplicati-
vos executam instruções programadas para manipular, consolidar, dispersar ou afetar
dados para fins comerciais.

Servidores de computador executam aplicativos de negócios. Os servidores intera-


gem com usuários/clientes e outros servidores em uma ou mais redes de negócios.
Armazenamento é qualquer tipo de tecnologia que contém informações como da-
dos. As informações podem assumir qualquer forma, incluindo dados de arquivos,
multimídia, dados de telefonia e dados da Web, dados de sensores ou formatos futu-
ros. O armazenamento inclui memória de acesso aleatório volátil (RAM), bem como
unidades flash não-voláteis de fita , disco rígido e de estado sólido.

As arquiteturas de TI evoluíram para incluir virtualização e computação em nuvem ,


em que os recursos físicos são abstraídos e agrupados em diferentes configurações
para atender aos requisitos do aplicativo. Nuvens podem ser distribuídas entre locais
e compartilhadas com outros usuários de TI, ou contidas em um data center corpo-
rativo, ou em uma combinação de ambas as implantações.

MAS O QUE SIGNIFICA A ARQUITETURA DE TI?

A arquitetura de TI seria como um mapa ou plano de alto nível dos recursos de in-
formação em uma organização. Desta forma, temos uma orientação das operações
da organização, ou seja, um modelo a ser seguido. Pela FIGURA 8, é possível observar
de uma forma resumida, a arquitetura de Tecnologia de Informação de um banco de
dados a as diferentes interfaces com os usuários, podendo estes serem consumidores
finais, fornecedores ou até mesmo usuários internos.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 25
Sistema de Informação

FIGURA 8 - FIGURA 8 – EXEMPLO DE ARQUITETURA DE TI

Fonte: SHUTTERSTOCK, 2018.

A Tecnologia de Informação pode ser definida como um conjunto organizado de de-


cisões consensuais sobre as políticas e princípios, serviços e soluções comuns, normas
e orientações, bem como produtos de fornecedores específicos utilizados pelos for-
necedores de TI, dentro ou fora do ambiente organizacional. Os sistemas de informa-
ção surgem portando, como parte da Tecnologia de informação, assim como o fluxo
de informação, as pessoas e demais equipamentos existentes, mapeados através da
Arquitetura de tecnologia de Informação.

1.4 SISTEMA DE INFORMAÇÃO

Para entendermos a diferença entre SI e TI, partimos do pressuposto que a TI é a di-


mensão tecnológica dos SI, desta forma, podemos definir os sistemas de informação
como uma combinação de hardware, software, infraestrutura e pessoal para facilitar
o planejamento, o controle, a coordenação e a tomada de decisões em uma organi-
zação.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


26 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

Segundo Stair (2008, p. 11),

um sistema de informação é um tipo especializado de sistema e pode ser de-


finido de inúmeros modos. Nesse propósito, um sistema de informação é uma
série de elementos ou componentes interrelacionados que coletam (entrada),
manipulam e armazenam (processo), disseminam (saída) os dados e informa-
ções e fornecem um mecanismo de ‘feedback’.

De acordo com o Laudon e Jane (2004) um Sistema de Informação possui três ativi-
dades básicas: entrada, processamento e saída, desta forma, o feedback destacado
por Stair (2008) estabelece que o fluxo de informação dentro de um sistema de infor-
mação tem duplo sentido, podendo, desta forma, ser refinado e corrigido.

O Sistema de Informação é então um processo ou conjunto de componentes que


coleta, processa, armazena, analisa e discrimina informações para uma finalidade es-
pecífica. Não podemos deixar de mencionar que a maior parte dos Sistemas de Infor-
mação é computadorizada e que normalmente inclui hardware e software, os usuá-
rios do sistema, e os dados em si, como pode ser observado pela FIGURA 9, a seguir.

FIGURA 9 - MODERNO SISTEMA DE INFORMAÇÃO UTILIZADO EM VEÍCULOS AUTOMOTIVOS TI

Fonte: SHUTTERSTOCK, 2018.

A Tecnologia de Informação é mais abrangente e, além de conter os SI e a infraes-


trutura que dá suporte a esses sistemas, como equipamentos e pessoas, a TI envolve
técnicas de implementação; fluxos de relacionamentos entre negócios/operações;
comunicação, capacitação, treinamentos e outros recursos de informação como re-
des e internet.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 27
Sistema de Informação

CONCLUSÃO
Nesta unidade, tivemos a oportunidade de entender a diferença entre dado, infor-
mação e conhecimento. Como podemos perceber, dado é apenas um conjunto de
números e letras que não carregam significado algum; logo, precisam ser tratados, ar-
mazenados para que se tornem informação. No nosso dia a dia, é comum nos depa-
rarmos com uma série de números e letras que ficamos sem entender, por exemplo,
um letreiro com palavras em outra língua que não seja em português. Se no primei-
ro momento não entendemos, consideramos apenas um dado, um conjunto de le-
tras soltas. A partir do momento em que construímos conhecimento naquela língua,
passamos a interpretar, e os dados se tornam informação. Uma informação sobre
processo de matrícula, por exemplo, no curso específico daquela língua só pode ser
entendida se alguém conhecer o significado.

Vimos ainda, a diferença de um Sistema de Informação para a Tecnologia de Infor-


mação e que o usuário pode encontrar praticamente vários tipos de sistema de infor-
mação para adequar às suas necessidades.

No entanto, é importante lembrar que os tipos encontrados existem para lidar com
os problemas particulares ou organizacionais e dependem, desta forma, do tipo de
empresa, da atividade produtiva e das necessidades em relação a informação.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


28 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

GLOSSÁRIO
SI: Sistema de informação.

TI: Tecnologia de Informação

Feedback: Realimentar, dar resposta.

Software: Conjunto de programas, instruções e regras informáticas.

Hardware: Conjunto de componentes físicos, ou seja, tudo o que podemos


tocar.

SQL: (Structured Query Language) ou Linguagem de Consulta Estruturada.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 29
Sistema de Informação

APRESENTAÇÃO DA UNIDADE
Caro(a) aluno(a), seja bem-vindo(a)! Nessa unidade, será apresentada a evolução dos
sistemas de informação e um resumo do contexto histórico, ou seja, o que ocasionou o
surgimento e a evolução desses sistemas a partir da invenção dos computadores.

Você irá entender que a partir da década de 1950 do século XX os sistemas de informa-
ção evoluíram e passaram a ganhar espaço nas empresas como forma de vantagem
competitiva. Teremos a oportunidade de entender a informação e o seu valor estraté-
gico assim como os sistemas de informação passando a processar altos volumes de
dados, com maior confiabilidade e rapidez. A transição tecnológica vai desde grandes
e obsoletos computadores, para aparelhos pequenos e portáteis nos anos 2000.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


30 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

UNIDADE 2

OBJETIVO
Ao final desta
unidade,
esperamos
que possa:

> Explicar a evolução dos


sistemas de informação ao
longo da história.

> Identificar tipos de sistemas


de informação.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 31
Sistema de Informação

INTRODUÇÃO DA UNIDADE
O Sistema de Informação é um processo ou conjunto de componentes que coleta,
processa, armazena, analisa e discrimina informações para uma finalidade especí-
fica. Você pode encontrar praticamente vários tipos de sistema de informação que
existem para lidar com os problemas parti¬culares ou organizacionais. Consequente-
mente, a maioria das tentativas de classificar sistemas de informação em diferentes
modelos, depende da maneira pela qual as tarefas e responsabilidades são divididas
dentro de uma organização. Desta forma, a concepção de cada tipo de sistema de-
pende das necessidades de informação de cada tipo de organização ou empresa.
Como a maioria das organizações segue uma hierarquia, os sistemas de informação
também são concebidos respeitando a hierarquia, ou seja, seguem o “modelo de
pirâmide”. Os sistemas que ocupam o topo da pirâmide referem-se a informações
estratégicas e os sistemas que ocupam a base da pirâmide tratam das informações
do nível operacional, ou seja, do dia-a-dia das organizações.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


32 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

2 EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS


DE INFORMAÇÃO
A Informação e a Tecnologia sempre caminharam juntas desde que os computado-
res se tornaram equi¬pamentos comerciais, a partir da década de 60. No início, as
aplicações eram construídas isola¬damente, sem a preocupação com a existência de
duplicidade de processos e dados. Com a evolução tecnológica, a abordagem sistê-
mica da informação começou a ser uma tendência e uma necessidade nas organiza-
ções. Segundo Dias e Gazzaneo (1975), o conceito de Sistemas de Informação “veio
dar ao computador uma nova dimensão, transformando-o de mero processador de
dados em elemento preponderante na racionalização e na dinamização do trabalho
na empresa”.

No começo de sua utilização, os Sistemas de Informação (SI) trabalharam como fá-


bricas de papel, ou seja, pagar empregados, emitir recibos etc. Durante essa fase, os
objetivos dos SI eram medidos por meio de números de transações executadas por
dia, linhas de código escritas etc., no entanto, para entendermos como aconteceu a
evolução dos Sistemas de Informação (SI), voltamos a um contexto histórico.

2.1 CONTEXTO HISTÓRICO

Na primeira metade do século XX, já havia ocorrido a Primeira e Segunda Revolução


Industrial. A produção havia deixado de ser artesanal, passando para a produção em
série e em massa, ou seja, produtos eram produzidos em etapas de produção bem
definidas, em grandes quantidades e com formação de estoques, como o caso da
indústria automobilística, com a conhecida produção de carros da Ford, a partir de
1910. A FIGURA 1 apresenta um modelo de carro da Ford comercializado na primeira
metade do século XX.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 33
Sistema de Informação

FIGURA 10 - MODELO DE CARRO FORD DO INÍCIO DO SÉCULO XX

Fonte: SHUTTERSTOCK (2018)

Por sua vez, a produção em massa do início do século XX demandava tempo, re-
cursos financeiros, mão-de-obra etc., abrindo espaço para evolução dos sistemas de
informação, que, nesse período, foram quase em sua totalidade viabilizados por meio
de papel, e a base do processo era basicamente o uso de técnicas de arquivamento
e recupera¬ção de informações de grandes arquivos. As informa¬ções provenientes
dos “papéis” não facilitavam a qualidade da análise dos dados e, por sua vez, dificul-
tavam o ganho de produtividade desejado pelas grandes fábricas que surgiram nesse
período. O mundo ainda passava por guerras e batalhas pelo poder, que influencia-
vam diretamente o consumo, desta forma, além do crescimento da indústria bélica,
que demanda suprimentos para o combate, as guerras ocasionavam a necessidade
de reconstrução de cidades, impactando no crescimento de diferentes tipos de in-
dústria, como, por exemplo, a construção civil e alimentos.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


34 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

Dois nomes importantes da Segunda Revolução Industrial foram Taylor e Ford.

Frederick Winslow Taylor (americano) é considerado o pai da administração


científica, devido aos seus estudos na busca do aumen¬to da produtividade.
Taylor publicou um livro com o título “Principles of Cientific Management”
(Princípios da Administração Científica), apresentando os quatro princípios
básicos da Administração Científica. Na atualidade é conhecido como inventor
da medição de tempos e movimentos no chão de fábrica. Já Henry Ford,
também americano, foi responsável pelo chamado “Fordismo”, nome dado ao
modelo de produção automobilística em massa que consistia em aumentar
a produção com o aumento da eficiência e baixo preço/custo, resultando no
aumento das vendas, o que permitia a manutenção de preços mais baixos.

Disponível em: http://www.portaleducacao.com.br/admi-nistracao/artigos/40105/frede-


rick-taylor-e-a-administracao¬-cientifica#ixzz3kcXkM19e. Acesso em: 06 dez. 2016.

FIGURA 11 - HENRY FORD

Fonte: SHUTTERSTOCK (2018)

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 35
Sistema de Informação

Ainda na primeira metade do século XX, surgiram os primeiros computadores. Des-


taque para o primeiro computador eletromecânico, construído por Konrad Zuse, em
1936. Ele era um engenheiro alemão que construiu, a partir de relês que executavam
os cálculos e dados lidos em fitas perfuradas. Konrad tentou vender o computador ao
governo alemão, que desprezou a oferta, uma vez que não viam no computador uma
utilidade de uso nas guerras. Como os projetos de Zuse ficaram parados durante a
guerra, os americanos então investiram no desenvolvimento dos seus computadores.

Já nos Estados Unidos, o primeiro e mais famoso computador foi o chamado Ana-
lisador Numérico Eletrônico e o Computador (ENIAC), construído na Universidade
da Pensilvânia para fazer os cálculos balísticos para os militares dos EUA durante
uma Segunda Guerra Mundial. Pelo lado externo, o computador era coberto por um
emaranhado de cabos, centenas de luzes piscantes e quase 6.000 interruptores me-
cânicos. No interior, quase 18.000 tubos transportavam sinais elétricos de uma parte
da máquina para a outra. Foi a partir desse computador que se abriu espaço para o
surgimento da programação.

O mais antigo dispositivo de cálculo conhecido é provavelmente o ábaco


(FIGURA 2). Ele remonta pelo menos a 1100 aC e ainda está em uso hoje,
particularmente na Ásia.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


36 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

FIGURA 12 - ÁBACO ROMANO

Fonte: SHUTTERSTOCK, 2018

Na segunda década do século XIX, algumas idéias necessárias para a invenção do


computador estavam presentes:

1. Os benefícios potenciais para a ciência e para a indústria no que tange a auto-


matização dos cálculos de forma a melhorar a produtividade.

2. Com a automatização, surigiriam métodos específicos para tornar os cálculos


automatizados mais práticos, como a adição de algoritmos.

3. Direcionamento para um dispositivo multiuso por meio de instruções codifica-


das e demonstrações por meio de cartões perfurados que poderiam ser usados
para modificar as instruções de maneira rápida e flexível.

A partir das ideias, o computador passou a juntar todos os beníficios em um só equi-


pamento, daí a sua importância e evolução.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 37
Sistema de Informação

2.2 EVOLUÇÃO – DÉCADA DE 50 DO SÉCULO XX

A partir da década de 50 do século XX, os sistemas de informação passaram a ser


computadorizados, embora com aspectos meramente técnicos (Sistemas Contá-
beis). No mesmo período, surgiram os Sistemas de Processamento de Transação
(SPT´s), com as primeiras apli¬cações gerenciais das informações, provenientes des-
ses sistemas. Os computadores da época eram dotados de componentes caros e de
grandes dimensões (válvulas eletrônicas). Nesse período ocorreu, de forma gradativa,
a migração do uso de papel para o computador, o que contribuiu para a melhoria da
qualidade da informação e, consequentemente, dos produtos e serviços.

Podemos perceber, pela FIGURA 3, que a partir da década de 50, os diferentes tipos
de sistemas de informação que foram surgindo, ou seja, evoluindo, passando por dife-
rentes adaptações, seja nos aspectos técnicos (velocidade, tecnologia capacidade de
armazenamento), seja nos aspectos organizacionais (níveis administrativos, relação
usuário-máquina, relatórios).

FIGURA 13 - EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: CRONOLOGIA A PARTIR DE 1950

Fonte: elaborado pelo autor

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


38 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

O grande salto evolutivo nos sistemas de informação aconteceu nos anos 1980, com a
popularização dos computadores. Nesse período, a população já havia presenciado a
globalização, que teve início no final dos anos 70 do século XX e a Terceira Revolução
Industrial (era da qualidade total), com a indústria automobilística japonesa supe-
rando a indústria americana. A principal característica desta revolução foi o uso de
tecnologias avançadas no sistema industrial.

Ainda a partir dos anos 1980, surgiram os sistemas computadorizados para apoiar
as decisões operacionais, gerenciais e estratégicas: Manufacturing Rasoure Planning
(MRP); Computer Reservation System (CRS); Global Distribution System (GDS) e os
sistemas integrados de Gestão, como o caso do Enterprise Resource Planning (ERP)
entre outros.

Na segunda metade do século XX, aconteceram alguns fatos. Conheça:

• Intensificação do uso de recursos de informática.

• Substituição da mão de obra por máquinas.

• Automatização dos sistemas (robôs industriais) e a complexidade dos fluxos


de informação e dados.

Surgimento dos celulares, notebooks e tablets.

Até a década de 50 do século XX o enfoque dos sistemas de


informação era operacional. Nas décadas de 60 e 70 o enfoque
foi gerencial e, nas décadas de 80 e 90, os sistemas eram
voltados para a tomada de decisão. A partir dos anos 2000,
os sistemas se tornam inteligentes, agilizando a atualização
das informações em todos os níveis da empresa, desde o
operacional até o executivo.

Até a década de 50 do século XX o enfoque dos sistemas de informação era opera-


cional. Nas décadas de 60 e 70 o enfoque foi gerencial e, nas décadas de 80 e 90, os
sistemas eram voltados para a tomada de decisão. A partir dos anos 2000, os sistemas
se tornam inteligentes, agilizando a atualização das informações em todos os níveis
da empresa, desde o operacional até o executivo.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 39
Sistema de Informação

Podemos perceber que ao longo da história foram surgindo diferentes tipos de sis-
temas de informação, cada um com o seu objetivo. As informações disponibilizadas
pelos sistemas atingiram o nível estratégico, passando a ser referencial na elaboração
das estratégias empresariais.

Para aprofundar o seu momento de aprendizagem, faça a leitura da


reportagem com o título “A internet, 10 anos que abalaram o mundo”, da revista
Super Interessante.

A medida que novas tecnologias para registro e processamento de informaçao iam


surgindo no século XX, a necessidade sobre o entendimento e manipulação dos
sistemas foram sendo incorporadas aos equipamentos. Esse contexto levou a uma
profunda revolução na capacidade de registrar, processar, disseminar e buscar infor-
mações, o que ocasionou, por sua vez, mudanças ainda mais profundas na vida das
pessoas e das organizações empresariais e governanças coorporativas.

Para aprofundar o seu momento de aprendizagem, faça a leitura da repor-


tagem com o título “A World Wide Web completa 20 anos, conheça como
ela surgiu”, do site tecmundo, autora Luísa Barwinski.

Os sistemas de informação trouxeram diversidade para as atividades humanas, ace-


lerando o seu ritmo, permitindo que as pessoas desenvolvam e mantenham relacio-
namentos novos e muito mais recompensadores. Além disso, alcançaram a estrutura
e o mix de organizações, modificando o tipo de produtos comprados, influenciando

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


40 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

assim a natureza do trabalho. Informação e conhecimento tornaram-se recursos eco-


nômicos vitais. No entanto, juntamente com novas oportunidades, a dependência de
sistemas de informação trouxe novas ameaças.

2.3 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: ASPECTOS


TÉCNICOS E ORGANIZACIONAIS

O Sistema de Informação é um processo ou conjunto de componentes que coleta,


processa, armazena, analisa e discrimina informações para uma finalidade específica
e, para que isto acontecer, é necessário que haja um fluxo de informação e uma re-
troalimentação do sistema. Para analisarmos o funcionamento de um SI, podemos
comparar com o ciclo da água.

Veja a FIGURA 4, que representa o ciclo da água. Podemos perceber que o ciclo é
fechado, ou seja, se partirmos do pressuposto que tudo começa com as nascentes,
percebemos que a água nasce do solo e vai formando rios, por meios de alimenta-
ção dos seus afluentes e do lençol, até desaguar no mar. A partir daí, há evaporação,
formação das nuvens e precipitação, ou seja, a água retorna para a terra através das
chuvas e o ciclo se inicia novamente.

FIGURA 14 - CICLO DA ÁGUA

CICLO DA ÁGUA

CONDENSAÇÃO
PRECIPTAÇÃO

EVAPORAÇÃO

LENÇOL FREÁTICO INFILTRAÇÃO

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 41
Sistema de Informação

Ao compararmos um sistema de informação com o ciclo da água, entendemos que


as entradas do sistema (dados e informação) ao passarem por um processo de trans-
formação por meio de software e hardware, é como o fluxo ou caminho da água até
o mar, evaporação e formação de nuvens. E ainda, tendo como saídas as informações
através de relatórios, planilhas (água da chuva) e assim sucessivamente. Esse ciclo,
assim como o ciclo da água, é fechado, ou seja, sempre há um fluxo de alimentação
da entrada até a saída e da saída para a entrada. É nesse processo que está inserido
o sistema de informação, nele existem aspectos técnicos e organizacionais a serem
considerados.

• Os aspectos técnicos

Referem-se especificamente a questões de tecnologia e materiais, como por exem-


plo: software, hardware, armazenamento (banco de dados, nuvens), manutenção, ar-
quitetura tecnológica, linguagem de programação e interface; suporte tecnológico,
segurança da informação, design. Certificação digital, plataforma, codificação, funcio-
nalidades.

• Aspectos organizacionais

Prazo, requisitos empresariais, técnicas, métodos, forma de gestão e de documen-


tação, implantação, garantia e manutenção; metodologia, funcionalidades, suporte;
propriedade intelectual e direitos autorais da Solução de Tecnologia da Informação,
documentação, preços.

O processo de tomada de decisão e de definição de preço irá depender, por exemplo,


de estrutura montada para suportar um sistema de informação, ou seja, de todo apa-
rato que envolve a Tecnologia de Informação, sendo interessante compreender que
cada organização vai possuir pessoas diferentes trabalhando nessa TI, e a dinâmica e
a força de cada um também colaboram para definir o preço final do SI.

O uso de componentes como software, hardware, pessoas e de toda a infraestrutura


traz mudanças no processo de desenvolvimento e implantação de um sistema de
informação, sendo assim, vamos conhecer as etapas para construção dos Sistemas
de Informação:

1. Definição e entendimento do problema – para isto é fundamental que se fa-


çam as seguintes perguntas: de quais necessidades de informação a organiza-
ção precisa? Qual o volume de informação, quais tipos e quem serão os clientes
da informação?

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


42 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

2. Escolher os softwares e hardwares que suportam as necessidades da informa-


ção (custo-benefício).

3. Desenvolver soluções alternativas.

4. Implementar as soluções.

Os sistemas de informação baseados em computador visam melhorar os processos


de conhecimento, avaliação e gestão. Os Sistemas de informações bem-sucedidos
agregam informações da empresa e as organizam de maneira a permitir o acesso e
a geração de relatórios eficientes. A maioria dos sistemas é personalizada com base
nas necessidades e funções de uma empresa de forma individual, apesar de forne-
cedores já apresentarem solução padrão, ou seja, que atendem a diferentes tipos de
empresa de um mesmo ramo.

Os sistemas de informação podem ser projetados para executar uma função espe-
cífica, como o processamento de pedidos, ou podem ser criados em torno de vários
subsistemas que cobrem a maioria das funções de negócios. A chave para criar sis-
temas de informação eficazes é entender como um negócio opera e estabelecer um
sistema que aprimore a usabilidade dos dados e agilize os processos de negócios.

Desta forma é necessário ainda:

1. Analisar os procedimentos de negócios.

2. Criar um mapa visual de todos os sistemas de negócios.

3. Conduzir entrevistas com gerentes de negócios e funcionários para entender


como as informações são coletadas, processadas e usadas.

4. Analisar as saídas do produto e, em seguida,

5. Rastrear todas as etapas usadas para criar produtos e serviços.

Até o passo 5 o objetivo é ter uma forte compreensão do negócio global e dos siste-
mas existentes.

6. Identificar todos os dados que devem ser capturados no sistema de informa-


ções de gerenciamento.

7. Incluir todos os dados que são inseridos manualmente, dados importados de


fontes externas, como distribuidores, e informações necessárias para executar
os negócios.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 43
Sistema de Informação

8. Analisar todos os relatórios existentes para estabelecer como os dados são


agregados e divulgados. Para cada ponto de dados, observar os tipos de infor-
mações coletadas e os requisitos, como o tamanho dos dados.

9. Identificar o hardware e o software necessários para criar um sistema de infor-


mações de gerenciamento eficaz. Normalmente, o sistema precisará de uma
base forte de banco de dados, interfaces personalizadas para interação com
funcionários, recursos de segurança integrados, como acesso a senhas e relató-
rios.

10. Publicar um documento de requisitos do sistema que descreva as necessida-


des e objetivos do sistema inicial.

11. Analisar a proposta com executivos e gerentes para garantir que ela atenda às
suas necessidades.

12. Comprar software e hardware necessários.

13. Escolher equipamentos que tenham capacidade suficiente para atender aos
requisitos iniciais e tenham potencial para expansão.

14. Trabalhar com a equipe de desenvolvimento de software que é capaz de mo-


dificar ou criar o software para incluir o processamento do fluxo de trabalho,
telas de entrada de dados, relatórios diários e análise de dados resumida de
longo prazo.

15. Testar o sistema. Durante o desenvolvimento, programe cronogramas de tes-


tes de sistema frequentes e pontos de verificação do projeto para garantir a
qualidade, minimizar os erros e manter o projeto no caminho certo. Esses testes
ajudam a minimizar os erros do sistema e garantem a aderência às especifica-
ções do projeto.Sempre que possível, solicite assistência de teste dos usuários
finais do sistema.

16. Lançar o sistema de informações e realizar treinamentos. O treinamento deve


ocorrer em todos os níveis do negócio para garantir que o sistema esteja sendo
usado adequadamente. Monitore cuidadosamente todas as partes do sistema e
corrija quaisquer erros ou problemas rapidamente. Depois que o sistema estiver
em vigor, estabeleça processos de manutenção do sistema e analise as atualiza-
ções desejadas com o gerenciamento.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


44 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

CONCLUSÃO
Nesta unidade, tivemos a oportunidade de entender como os sistemas de informa-
ção evoluíram ao longo da história. Até a década de 50 do século XX, os sistemas de
informação passaram despercebidos. A partir do final da 2ª. Guerra Mundial, o mun-
do se voltou para novas técnicas de administração da produção, para o consumo de
novos produtos, para o conforto, sendo o cliente o foco principal. A partir desse mo-
mento as empresas perceberam o contexto estratégico da informação e passaram a
investir em sistemas de informação que pudessem apoiar a tomada de decisões nas
empresas.

Por fim, comparamos os sistemas de informação com o ciclo da água, sendo que o
fluxo de informação não tem apenas um sentido e sim, é cíclico. Entendemos que
os sistemas de informação são componentes essenciais e estratégicos para todos os
tipos de negócios e empresas

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 45
Sistema de Informação

APRESENTAÇÃO DA UNIDADE
Caro aluno, seja bem-vindo! Nesta unidade, apresentaremos a você os tipos de siste-
ma de informação que surgiram a partir de 1950, quando os mesmos passaram a ser
utilizados em todos os setores industriais. Você verá que as empresas possuem três
níveis organizacionais – operacional, gerencial e estratégico – e, para cada nível, há um
tipo de sistema de informação que trata das relações com os clientes e fornecedores,
sugerindo ordens de compra e produção que trazem, entre outras informações, dados
estratégicos. Cada sistema possui as suas especificidades e particularidades, de forma
a contribuir para que as empresas melhorem a qualidade dos processos produtivos e
entreguem ao mercado um produto ou serviço que atenda às necessidades do cliente.
Bons estudos!

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


46 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

UNIDADE 3

OBJETIVO
Ao final desta
unidade,
esperamos
que possa:

> Saber identificar os níveis


organizacionais.

> Entender os tipos de sistema


de informação.

> Compreender a relação entre


os níveis organizacionais e os
sistemas de informação.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 47
Sistema de Informação

INTRODUÇÃO DA UNIDADE
Uma empresa depende, em maior ou menor grau, do seu sistema de informação,
que existe com o propósito de ajudá-la a alcançar os objetivos a que se propõe. Com
o intuito de alcançar esses objetivos, o sistema de informação pode ser entendido
como uma forma de interação entre os ambientes, envolvendo: um grande volume
de dados e informações; complexidades de processamento dos dados; diferentes ti-
pos de clientes e/ou usuários da informação; interligação de diversas técnicas e tec-
nologias; atividades de planejamento, suporte e auxílio aos processos de tomadas de
decisão empresariais.

O uso difundido da tecnologia nas organizações criou uma dependência crítica dos
sistemas de informação; dessa forma, as organizações estão cada vez mais focadas
na maneira como os recursos de tecnologia de informação estão sendo gerenciados
e como podem suportar a estratégia organizacional e os processos de negócios por
meio de liderança, estruturas e processos organizacionais.

Em tempos de mudança permanente, as empresas lançam mão de diferentes tipos


de sistema de informação (sistema integrado de gestão, sistema computadorizado
de reservas, relacionamento com clientes e fornecedores, sistemas de informações
gerenciais, etc.), em todos os níveis organizacionais, buscando o sucesso e a excelên-
cia nos serviços e produtos destinados ao mercado.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


48 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

3 TIPOS DE SISTEMA DE
INFORMAÇÃO
Ao longo da história, surgiram diferentes tipos de sistema de informação (Figura 1),
cada um com o seu objetivo. Esses sistemas, na década de 50 do século XX, focavam
principalmente o nível operacional, ou seja, eram utilizados diretamente no auxílio
das operações produtivas através da informatização das listas de materiais, liberação
de ordens de produção e compra, controle de estoque, entre outros.

FIGURA 15 - DIFERENTES TIPOS DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO

Fonte: SHUTTERSTOCK, 2018.

A partir de 1970, os sistemas passaram a ter as funcionalidades ligadas diretamente


ao nível gerencial, sendo utilizados como apoio nas tomadas de decisão, uma vez
que os gráficos de acompanhamento de produtividade, custos e relatórios sobre a
qualidade dos produtos (Figura 2) chegavam com maior rapidez para os gerentes,
que passaram a tomar decisões mais precisas e embasadas em dados e relatórios
técnicos. Entre os anos 80 e 90 do mesmo século, os sistemas de informação passa-
ram a ser vistos como parte da estratégia das empresas, de forma a contribuir nos
critérios de competitividade, como custo, qualidade, preço, tempo de resposta, con-
fiabilidade e suporte ao cliente. As informações disponibilizadas pelos sistemas che-
garam ao nível estratégico, passando a ser referenciais na elaboração das estratégias
empresariais.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 49
Sistema de Informação

As estratégias empresariais podem ser:

De crescimento, que visa ao aumento de lucros e vendas, e à participação do


mercado de forma que a empresa possa ter aumento de valor.

De estabilidade, que se refere ao fato de a empresa ter operações em diversos


setores e poder optar em concentrar as suas operações e esforços administrativos
nas empresas existentes, sem aumentar suas unidades.

De redução, que se refere ao fato de a empresa decidir, para sobrevivência no


mercado, pela diminuição de tamanho.

FIGURA 16 - GRÁFICOS DE ACOMPANHAMENTO

Fonte: SHUTTERSTOCK, 2018.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


50 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

Dessa forma, é possível identificar os diferentes sistemas de informação que surgi-


ram a partir da década de 50 e relacioná-los aos níveis organizacionais das empresas
(operacional, gerencial/tático e estratégico), sendo que, para cada nível organizacio-
nal, existe um tipo específico de sistema de informação.

As empresas, independentemente do seu tamanho, utilizam as tecnologias disponí-


veis para gerenciar as atividades de negócios e ajudar nas tomadas de decisão. Elas
usam sistemas de informação para coletar dados e processá-los de acordo com as
necessidades da empresa, que, por sua vez, opera com mais eficiência, usando siste-
mas de informação variados para interagir com clientes e parceiros, reduzir custos e
gerar receitas.

3.1 NÍVEIS ADMINISTRATIVOS

Uma organização, independentemente do seu tamanho ou tipo, pode ser estrutura-


da em três níveis organizacionais – estratégico, gerencial e operacional – conforme a
figura 3.

FIGURA 17 - NÍVEIS ORGANIZACIONAIS

OPERACIONAL

Fonte: Elaborado pelo autor.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 51
Sistema de Informação

Cada nível oferece uma perspectiva diferente das atividades da organização e ajuda
os gestores na análise dos processos e na forma como podem aumentar a eficiência.

3.1.1 NÍVEL ESTRATÉGICO

Conhecido também como nível organizacional, corresponde ao nível mais elevado


de uma empresa, sendo composto por proprietários ou acionistas, altos executivos e
até mesmo conselheiros administrativos. Nesse nível, são elaboradas as estratégias e
metas de longo prazo e ainda as políticas e procedimentos da empresa. Além disso,
são atribuídos recursos para cada nível departamental.

Três conjuntos de deveres são relacionados a esse nível:

1. Assegurar supervisão direta e mecanismos de coordenação das atividades em-


presariais.

2. Administrar as condições fronteiriças da organização.

3. Desenvolver a estratégia empresarial.

3.1.2 NÍVEL GERENCIAL

Também conhecido como nível de processo ou nível tático, esse nível cuida (i) da
articulação interna entre os dois níveis (estratégico e operacional), (ii) da escolha e
captação de recursos necessários à empresa após definição dos recursos pelo nível
estratégico, (iii) assim como da distribuição e colocação do que foi produzido pela
empresa nos diversos segmentos de mercado. É o nível que lida com os problemas
de adequação das decisões tomadas no nível estratégico com as operações realiza-
das no nível operacional, sendo composto pela média administração da empresa.
Cabe ao nível gerencial administrar o nível operacional e cuidar das decisões em
níveis departamentais. São exemplos de sistemas de informação relacionados a esse
nível o sistema de informação gerencial (SIG) e o sistema de apoio à decisão (SAD).

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


52 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

3.1.3 NÍVEL OPERACIONAL

Este é o nível de atividade relacionado a problemas ligados à execução cotidiana e


eficiente das tarefas e operações da empresa. A responsabilidade em relação às ope-
rações do dia a dia afeta diretamente os clientes externos de uma empresa, o que
torna o nível operacional crucial para o sucesso dos objetivos estratégicos e competi-
tivos de uma organização. Dois aspectos importantes estão relacionados a esse nível:

4. Esse nível não se limita apenas à área de produção ou industrial, sendo também
situado nas demais áreas empresariais, como finanças, mercadológicas, RH, etc.

5. Nem sempre o nível operacional ocupa as camadas mais baixas dentro da hie-
rarquia; este nível acompanha a tecnologia. Quanto mais sofisticada for essa
tecnologia, mais o nível operacional tende a se projetar para todas as camadas
da hierarquia organizacional.

Nas companhias aéreas, o piloto executa uma atividade operacional que, além
de exigir formação e treinamento específicos, proporciona altos salários e
projeção de status dentro da companhia.

São exemplos de sistema utilizado no nível operacional, nas empresas de


manufatura, o sistema MRP (material requeriments planning ou planejamento
das necessidades de materiais) e o sistema MRP II (manufacturing resources
planning ou planejamentos dos recursos de manufatura).

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 53
Sistema de Informação

Segundo Santos (2003), o sistema MRP é exemplo de um sistema de ad-


ministração da produção que surgiu por volta da década de 70, período
que coincide com o início da Terceira Revolução Industrial. Esse sistema
determina o que, quanto e quando produzir e comprar os diversos semia-
cabados, componentes e matérias-primas; porém, sua primeira finalidade
foi o planejamento e organização da lista de materiais. Já o sistema MRP
II orienta decisões quanto o que, quanto e quando produzir e comprar,
e engloba também as decisões referentes à forma de produção, ou seja,
quais recursos produtivos (mão de obra e equipamentos) foram utilizados.

3.2 TIPOS DE SI

Vamos ver alguns tipos de sistema de informação que surgiram após 1950, cada um
suportando um nível organizacional específico. Esses sistemas incluem sistemas de
processamento de transações (SPT) no nível operacional; sistemas de informações
gerenciais (SIG) e sistemas de suporte à decisão (SSD) em nível gerencial; e os siste-
mas de apoio executivo (SAE) no nível estratégico.

3.2.1 SISTEMAS DE PROCESSAMENTO DE TRANSAÇÃO

É um sistema para transações operacionais de uma organização que envolve a coleta,


modificação e recuperação de todos os dados da transação, que incluem, por exem-
plo, fechamentos de pedido, códigos de produtos, número de matrícula, folha de
pagamento, ordens de serviço, ordens de compra (Figura 4), emissão de nota fiscal,
baixas em estoque, ordens de produção, entre outros.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


54 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

FIGURA 18 - ORDENS DE COMPRA (TRANSAÇÕES OPERACIONAIS)

Fonte: SHUTTERSTOCK, 2018.

Os SPTs são utilizados no nível operacional, e suas características incluem o desem-


penho, a confiabilidade e a consistência. Um SPT pode processar transações de duas
maneiras:

1. Em lote – com o processamento de transações em lote, o sistema reúne as tran-


sações ao longo de um período de tempo e processa-as de uma só vez. Por
exemplo, um SPT de folha de pagamento reúne horas dos trabalhadores por
duas semanas e, em seguida, processa todas as horas em um lote para calcular
o salário.

2. Em tempo real – o sistema processa uma transação imediatamente. Por exem-


plo, quando um passageiro reserva e marca um assento em uma viagem de
trem, ninguém mais pode selecioná-lo, a não ser que o passageiro, dono do
assento, cancele e deixe-o disponível novamente.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 55
Sistema de Informação

Toda empresa precisa processar transações para realizar suas operações diárias de
negócios. Transação refere-se a qualquer evento ou atividade que afete a organiza-
ção. Dependendo dos negócios da organização, as transações podem se diferir de
uma organização para outra. Em uma unidade fabril, por exemplo, as transações in-
cluem entradas de pedidos, recebimentos de mercadorias, envios, etc.; em um ban-
co, as transações incluem depósitos e retiradas, desconto de cheques, etc.

Um exemplo de SPT é o sistema MRP II, que, segundo Santos (2003), tem dois obje-
tivos básicos:

3. Melhorar o serviço ao cliente através do cumprimento dos prazos de entrega.

4. Reduzir investimentos em estoques, procurando adquirir e disponibilizar os ma-


teriais para a produção na quantidade necessária e no momento certo da sua
necessidade.

3.2.2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG)

SIGs são sistemas que dão suporte às atividades de planejamento e controle, contri-
buindo para que as informações fluam de maneira segura, eficaz e dentro do tempo
estabelecido. Podem ainda ser definidos como um conjunto de subsistemas, que tra-
balham de forma integrada e que apoiam todo o processo decisório em uma orga-
nização a nível gerencial. Esse sistema formaliza o processo de capturar, armazenar,
reunir e relatar informações, de maneira precisa e oportuna, para que se constitua
como força vital de qualquer organização.

A finalidade principal de um SIG é ajudar uma organização a atingir as suas metas,


fornecendo aos gestores uma visão das operações regulares da empresa, de modo
que se possa organizar, controlar e planejar, de forma mais eficaz e eficiente. Dessa
forma, pode-se entender que os SIGs fornecem informações (tabelas, gráficos, plani-
lhas), conforme a figura 5, relevantes aos gestores, possibilitando a eles um feedback
dos processos organizacionais, facilitando as tomadas de decisão. Embora relacio-
nados ao nível gerencial, os SIGs são usados em todos os níveis organizacionais. São
exemplos o CRM (customer relationship management), conhecido como sistema de
gerenciamento das relações com o cliente, e os sistemas de apoio à decisão (SAD).

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


56 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

FIGURA 19 - INFORMAÇÕES GERENCIAIS: GRÁFICOS E TABELAS

Fonte: SHUTTERSTOCK, 2018.

Embora seja relacionado ao nível gerencial, o sistema de apoio à decisão (SAD) é


aquele que disponibiliza subsídios para o gerenciamento do negócio em todos os ní-
veis organizacionais. Como exemplos, podemos citar: planilhas eletrônicas e sistemas
de análises estatísticas e de previsão de mercado. Além de recuperarem e apresen-
tarem dados, os SADs também permitem que sejam feitas diferentes análises mate-
máticas e estatísticas por meios de geração de gráficos e modificação de parâmetros
e variáveis (número de funcionários, tempo de produção, demanda, etc.).

Os SADs podem ainda executar ou auxiliar no processo decisório de forma a identi-


ficar, simular, calcular, avaliar, sintetizar e comparar dados e informações. Esses sis-
temas apresentam previsões, que os diferem dos sistemas de informação gerencial,
que apresentam aos gestores, basicamente, dados atuais para serem usados na aná-
lise de problemas.

Já os CRMs são usados pelos gestores para sincronizar esforços de vendas e mar-
keting. Esses sistemas acumulam e rastreiam as atividades dos clientes, incluindo
tendências de compras, defeitos de produtos e solicitações de clientes. Os recursos
dos sistemas de informações do CRM normalmente permitem que os clientes inte-
rajam com as empresas para obter feedback de serviço ou produto e resoluções de
problemas. As empresas também podem usar sistemas de CRM internamente como
um componente de suas estratégias de colaboração. Como tal, os sistemas de infor-

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 57
Sistema de Informação

mação CRM permitem que os parceiros de negócios interajam uns com os outros en-
quanto desenvolvem ideias e produtos. A colaboração pode ocorrer em tempo real,
mesmo quando os parceiros de negócios estão em locais remotos.

Os sistemas de informação gerencial são especialmente desenvolvidos para apoiar


as funções de planejamento, controle e tomada de decisão dos gerentes intermediá-
rios. Eles fornecem informações que atendem às necessidades de tomada de decisão
de gerentes e supervisores, utilizando rotinas simples, como resumos e comparações.
Geralmente, o formato dos relatórios produzidos pelos SIG é predefinido; por exem-
plo, um relatório de resumo, como informações sobre as vendas trimestrais feitas por
cada representante de vendas da empresa. Outro exemplo é o relatório de exceção,
que especifica as condições de exceção que as vendas feitas por um representante
de vendas estão muito abaixo do esperado.

Normalmente, os SIGs são usados para produzir relatórios mensais, trimestrais ou


anuais. No entanto, se os gerentes quiserem visualizar os dados diários ou horários,
esses sistemas permitem. Além disso, eles fornecem aos gerentes acesso on-line ao
desempenho atual, bem como registros anteriores da organização.

3.2.3 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ESTRATÉGICA (SIE)

São sistemas que possuem uma abrangência estratégica, pois trabalham com in-
formações relacionadas aos negócios (Figura 6) e geram dados sobre tendências
de mercado, posicionamento estratégico, gestão do conhecimento e inteligência
empresarial.

FIGURA 20 - INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS

Fonte: SHUTTERSTOCK, 2018.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


58 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

Um exemplo é o business intelligence systems (BIS) ou sistema de inteligência dos


negócios (SIN), que pode ser complexo à medida que identifica, extrai e analisa da-
dos para várias necessidades operacionais, particularmente para fins de tomada de
decisão. Os SINs podem fornecer análises que preveem padrões de vendas futuras,
resumir os custos atuais e prever as receitas de vendas. Esses sistemas coletam da-
dos dos vários data warehouses (banco de dados) de uma organização e fornecem
gerenciamento com análises de acordo com as linhas de negócios e a estratégia da
empresa. Por exemplo, as instituições financeiras usam sistemas BIS para desenvolver
modelos de risco de crédito que analisam o número e a extensão dos empréstimos
ou créditos concedidos a vários setores. Esses sistemas podem usar várias técnicas e
fórmulas para determinar a probabilidade de inadimplência a fim de que os rumos
estratégicos possam ser corrigidos. Assim como os SIGs, esses sistemas podem ser
utilizados em diferentes níveis organizacionais.

Outro exemplo são os sistemas de gestão do conhecimento, que organizam o co-


nhecimento e, depois, redistribuem ou compartilham com os indivíduos de uma or-
ganização. O objetivo desses sistemas de informação é trazer inovação, melhorar o
desempenho, trazer integração e reter conhecimento dentro da organização; dessa
forma, são vistos como sistemas de informações estratégicas. Embora os sistemas de
gestão do conhecimento sejam tipicamente comercializados para empresas maiores,
as pequenas empresas também podem se beneficiar da coleta de conhecimento.

Os sistemas de gestão do conhecimento servem como um repositório central e re-


têm informações em um formato padrão. Esses sistemas podem ajudar os proprietá-
rios de negócios a manter a consistência e permitir respostas rápidas a consultas de
clientes e parceiros.

Outro sistema que se pode direcionar ao nível estratégico é o planejamento estraté-


gico de sistemas (SSP), usado para estudar as necessidades de informação de uma
organização, identificar oportunidades estratégicas e desenvolver um plano para
atender a essas necessidades de informação.

Embora o planejamento de sistemas estratégicos seja sempre realizado com a gerên-


cia sênior de uma organização, seu objetivo é criar ações implementando o plano de
implementação de sistemas estratégicos. Para ser realmente eficaz, o planejamento
estratégico do sistema deve ser de propriedade e dirigido pelo executivo da organi-
zação, e não pelo departamento de SI. Esses sistemas ajudam no reconhecimento

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 59
Sistema de Informação

dos primeiros sinais de mudanças no comportamento do mercado e do cliente para


que a empresa possa adaptar rapidamente suas estratégias de decisão para evitar
impactos negativos e aproveitar as oportunidades.

Um sistema que atende a todos os níveis organizacionais é o ERP (enter-


prise resource planning – planejamento dos recursos da empresa). Segun-
do Albertão (2001, p. 26), esse sistema se refere a “uma arquitetura em que
a informação é disponível e circula por todas as atividades da empresa,
tais como logística, manufatura, finanças, recursos humanos, [portanto],
um sistema integrado de gestão”. O sistema ERP utiliza, segundo Santos
(2003), um banco de dados único, operando em uma plataforma comum,
interagindo com diversas aplicações e integrando todas as operações do
negócio em um só ambiente computacional. Sua característica principal é
a habilidade de necessitar a entrada da informação apenas uma vez.

Alguns fornecedores de sistemas ERP são:

1. SAP (https://www.sap.com/brazil/index.html).

2. Totvs (https://www.totvs.com/home).

Atualmente, os sistemas ERP integram-se a todas as áreas e funções de uma organi-


zação a fim de ajudar os líderes e gerentes a entender melhor todas as partes móveis
de suas operações, identificar oportunidades e tomar decisões mais informadas que
terão impacto no futuro. São vários os fornecedores de sistemas ERP, desde sistemas
caseiros, ou seja, desenvolvidos por quaisquer pessoas que detenham conhecimento
de programação e de desenvolvimento de sistemas de informação, até grandes for-
necedores internacionais, como o caso da SAP e da Oracle. Com o passar dos anos,
esses fornecedores (principalmente as grandes empresas) desenvolveram soluções-
-padrão que facilitam o processo de implantação e tornam o sistema ERP acessível
para qualquer tamanho de empresa em virtude da diminuição dos preços de aqui-
sição e licença.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


60 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

Apesar do uso da palavra empresa no nome, os sistemas ERP são usados por em-
presas de todos os tamanhos. Existem dois tipos principais de sistemas ERP sendo
implementados nas organizações hoje: no local e na nuvem. As diferenças entre os
dois serão explicadas em outra seção neste curso.

CONCLUSÃO
Nesta unidade, você teve a oportunidade de entender que existem vários tipos de
sistemas de informação, cada um podendo ser utilizado em um ou mais níveis orga-
nizacionais. Existem sistemas focados nas transações operacionais, ou seja, que são
direcionados para o nível operacional, onde as informações que circulam dizem res-
peito a ordens de compra, de serviço e de produção, notas fiscais, processamento de
pedidos, níveis de estoques, tempo de setup, preparação de máquinas, etc. Também
foram apresentados os sistemas que geram gráficos e tabelas com informações so-
bre produtividade, atendimento de metas, melhoria da qualidade, faturamento etc.,
ou seja, sistemas de informações gerenciais, voltados para o nível gerencial. Por fim,
mostraram-se os sistemas de informações estratégicas que abrangem informações
mais apuradas de mercado e de resultados financeiros.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 61
Sistema de Informação

UNIDADE 4

OBJETIVO
Ao final desta
unidade,
esperamos
que possa:

> Diferenciar os tipos de


inteligência.

> Definir os sistemas


inteligentes.

> Identificar os tipos de


sistemas inteligentes.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


62 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

4 SISTEMAS INTELIGENTES
Um sistema inteligente é um sistema baseado em computador, que pode represen-
tar, raciocinar e interpretar dados. Quando o mesmo é concebido, pode aprender
sobre a estrutura dos dados, analisar os dados para extrair padrões e significados, de-
rivar novas informações e identificar estratégias e comportamentos para atuar nos re-
sultados de sua análise. Os sistemas inteligentes vêm em muitas formas e têm muitas
aplicações, desde o processamento de grandes conjuntos de dados até o controle de
robôs e drones. As ideias e conceitos são extraídos das áreas de inteligência artificial
(projetos, computação, engenharia), do aprendizado de máquina e de uma varieda-
de de campos, como psicologia, linguística e ciências do cérebro, formando muitas
relações interdisciplinares.

4.1 SISTEMAS INTELIGENTES

Sistemas inteligentes são dispositivos que incorporam detecção, atuação e controle.


Podem descrever e analisar situações, tomar decisões preditivas e adaptativas ba-
seadas em dados disponíveis e, subsequentemente, realizar ações. Como estamos
entrando em novas fronteiras de interações homem-máquina (FIGURA 21), percebe-
mos que computadores ficam cada vez menores e mais poderosos. Também avança-
mos na nanoeletrônica, tecnologias de sensoriamento e comunicação que permitem
interações máquina a máquina, dando origem a dispositivos inteligentes, como mo-
nitores de saúde utilizados em casa e sistemas incorporados dentro de automóveis.
Eles nos ajudam a executar padrões de desempenho e melhorar a produtividade.

FIGURA 21 - INTERAÇÃO HOMEM-MÁQUINA

Fonte: SHUTTERSTOCK, 2018.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 63
Sistema de Informação

O Sistema Inteligente (IS) pode ser definido como o sistema que incorpora inteligên-
cia em aplicativos sendo manipulados por máquinas. Os sistemas inteligentes reali-
zam pesquisa e otimização, além de recursos de aprendizado. Podem ser modelados
no projeto de sistemas inteligentes diferentes tipos de aprendizado de máquina (por
exemplo, a detecção de um bom cliente por meio de um cartão de crédito), como
aprendizado supervisionado (quando o algoritmo de aprendizado, que é o indutor,
recebe um conjunto de exemplos de treinamento para os quais os rótulos da classe
associada são conhecidos) e não supervisionado e de reforço (quando o indutor ana-
lisa os exemplos fornecidos e tenta determinar se alguns deles podem ser agrupados
de alguma maneira, formando agrupamentos ou clusters).

Os sistemas inteligentes também executam tarefas automatizadas complexas que


não são possíveis pelo paradigma tradicional da computação. Vários sistemas de
diagnóstico, robótica e engenharia são resultados de procedimentos inteligentes im-
plementados no Intelligent System Design.

Um sistema inteligente é um sistema que pode imitar e automatizar


alguns comportamentos inteligentes do ser humano. Sistemas
especialistas, agentes inteligentes e sistemas baseados em
conhecimento são exemplos de sistemas inteligentes.

Sistemas inteligentes são máquinas tecnologicamente avançadas que percebem e


respondem ao mundo ao seu redor, como um robô, conforme a figura 22. Podem
assumir muitas formas, desde aspiradores automatizados, programas de reconheci-
mento facial e até sugestões de compras personalizadas na Internet.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


64 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

FIGURA 22 - ROBÔ, UM SISTEMA INTELIGENTE

Fonte: SHUTTERSTOCK, 2018.

A concepção de um sistema inteligente se concentra em dois campos principais: (1)


como as máquinas percebem seu ambiente; (2) como essas máquinas interagem
com esse ambiente.

Uma maneira pela qual esses sistemas podem perceber seu ambiente é por meio
da visão. O estudo de como os computadores podem entender e interpretar infor-
mações visuais a partir de imagens estáticas e sequências de vídeo surgiu no final da
década de 1950 e início da década de 1960. Desde então, tornou-se uma poderosa
tecnologia, que é central para os setores industrial, comercial e governamental do
país. Os principais fatores que contribuíram para esse desenvolvimento são o cres-
cimento exponencial da velocidade do processador e da capacidade de memória,
bem como os avanços algorítmicos. Por outro lado, a interação das máquinas com o
ambiente é possível por meio do entendimento do comportamento do ser humano,
as suas emoções, suas descobertas e sua inteligência.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 65
Sistema de Informação

4.1.1 TIPOS DE INTELIGÊNCIA

Inteligência é a capacidade de um sistema calcular, raciocinar, perceber relações e


analogias, aprender com a experiência, armazenar e recuperar informações da me-
mória, resolver problemas, compreender ideias complexas, usar a linguagem natural
fluentemente, classificar, generalizar e adaptar novas situações, como pode ser obser-
vado pela figura 23.

FIGURA 23 - REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS INTELIGENTES NA ÁREA DA SAÚDE

Fonte: SHUTTERSTOCK, 2018.

Quais tipos de inteligência existem?

A inteligência pode ser entendida de diversas formas, conforme explicitado no qua-


dro 1.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


66 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

QUADRO 1 - TIPOS DE INTELIGÊNCIA

INTELIGÊNCIA CONCEITO

Capacidade de pensar em palavras e usar a lin-


guagem para expressar e apreciar significados
complexos. A inteligência linguística nos permi-
te entender a ordem e o significado das pala-
Linguística vras e aplicar habilidades metalinguísticas para
refletir sobre o uso da linguagem. É também a
competência humana mais amplamente com-
partilhada. É evidente em poetas, romancistas,
jornalistas e oradores públicos eficazes. Jovens
adultos com esse tipo de inteligência gostam
de escrever, ler, contar histórias ou fazer palavras
cruzadas

Designa a capacidade humana de discriminar


entre os seres vivos (plantas, animais), bem como
a sensibilidade a outras características do mun-
do natural (nuvens, configurações de rochas).
Essa capacidade era claramente valiosa em nos-
so passado evolutivo como caçadores, coletores
Naturalista
e fazendeiros; continua sendo central em papéis,
como botânico ou chef. Especula-se também
que grande parte da nossa sociedade de con-
sumo explora as inteligências naturalistas, que
podem ser mobilizadas na discriminação entre
carros, tênis, tipos de maquiagem e afins.

Capacidade de criar, comunicar e compreender


significados feitos de som, compreensão de tom,
Musical
ritmo. Por exemplo: músicos, cantores, compo-
sitores.

Capacidade de calcular, quantificar, considerar


proposições e hipóteses e realizar operações ma-
temáticas completas. Permite-nos perceber rela-
ções e conexões e usar o pensamento simbólico
Lógica-matemática
abstrato; habilidades de raciocínio sequencial; e
padrões de pensamento indutivo e dedutivo. A
inteligência lógica é geralmente bem desenvol-
vida em matemáticos, cientistas e detetives.

Capacidade de perceber informações visuais ou


espaciais, alterá-las e recriar imagens visuais sem
Espacial referência aos objetos, construir imagens em 3D
e movê-las e girá-las. Por exemplo: físicos, astro-
nautas, leitores de mapas.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 67
Sistema de Informação

INTELIGÊNCIA CONCEITO

Capacidade de manipular objetos e usar uma


variedade de habilidades físicas. Essa inteligên-
cia também envolve um senso de tempo e a
Corporal-sinestésica perfeição das habilidades com a união mente-
-corpo. Atletas, dançarinos, cirurgiões e artesãos
exibem inteligência corporal-cinestésica bem
desenvolvida.

Capacidade de distinguir entre os próprios senti-


mentos, intenções e motivações. Sem exemplos
lógicos. A inteligência intrapessoal é a capacida-
de de entender a si mesmo e seus pensamen-
tos e sentimentos e usar esse conhecimento no
Intrapessoal
planejamento e na direção da vida de alguém.
A inteligência intrapessoal envolve não apenas
uma apreciação do eu, mas também da condi-
ção humana. É evidente em psicólogos, líderes
espirituais e filósofos.

Capacidade de reconhecer e fazer distinções en-


tre os sentimentos, crenças e intenções de outras
Interpessoal
pessoas. Por exemplo: comunicadores de massa,
entrevistadores.

Fonte: Adaptado de GARDNERS Howard, 2018.

Inteligência artificial

Após analisar todos os tipos de inteligência, podemos dizer que um


sistema é artificialmente inteligente (FIGURA 4) quando está equipado
com pelo menos um e no máximo todas as inteligências descritas
anteriormente.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


68 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

FIGURA 24 - SISTEMA INTELIGENTE: ROBÔ

Fonte: SHUTTERSTOCK, 2018.

Sendo assim, podemos concluir que a inteligência é intangível, ou seja, o que não
podemos pegar, tocar, é difícil de ser medido. É composta por:

1. Raciocínio

Conjunto de processos que nos permite fornecer base para o julgamento, tomada de
decisões e previsão. Existem basicamente dois tipos:

a. Raciocínio indutivo: realiza observações específicas para fazer declarações ge-


rais; mesmo que todas as premissas sejam verdadeiras em um enunciado, o
raciocínio indutivo permite que a conclusão seja falsa. Exemplo: “Maria é profes-
sora. Maria é estudiosa. Portanto, todos os professores são estudiosos.”

b. Raciocínio dedutivo: começa com uma declaração geral e examina as possibili-


dades de chegar a uma conclusão lógica e específica; se algo é verdade de uma
classe de coisas em geral, também é verdade para todos os membros dessa
classe. Exemplo: “Todas as mulheres acima dos 60 anos são avós. Dona Maria
tem 65 anos. Portanto, ela é uma avó.”

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 69
Sistema de Informação

2. Aprendizagem

É a atividade de adquirir conhecimento ou habilidade estudando, praticando, sendo


ensinado ou experimentando algo. Aprendizagem aumenta a consciência dos sujei-
tos do estudo.

A capacidade de aprender é atribuída aos seres humanos, no entanto, existem al-


guns animais e sistemas habilitados por inteligência artificial que apresentam essa
capacidade. A aprendizagem pode ser categorizada como:

a. Aprendizagem auditiva: é aprender ouvindo; por exemplo, palestras de áudio


gravadas.

b. Aprendizagem episódica: aprender lembrando sequências de eventos que al-


guém testemunhou ou experimentou; isso é linear e ordenado.

c. Aprendizagem motora: é aprender pelo movimento preciso dos músculos; por


exemplo, escolher objetos, escrever, etc.

d. Aprendizagem observacional: aprender assistindo e imitando os outros; por


exemplo, a criança tenta aprender imitando seu pai.

e. Aprendizagem perceptual: aprender reconhecendo estímulos que já foram


vistos anteriormente; por exemplo, identificando e classificando objetos e situ-
ações.

f. Aprendizagem relacional: aprender a diferenciar entre vários estímulos, com


base em propriedades relacionais, em vez de propriedades absolutas; por exem-
plo, adicionando um pouco de sal no momento de cozinhar batatas em vez de
cozinhá-las adicionando sal para evitar que fiquem salgadas novamente.

g. Aprendizagem espacial: aprender por meio de estímulos visuais, como ima-


gens, cores, mapas, etc.; por exemplo, uma pessoa pode criar um roteiro de
viagem em mente antes de realmente seguir a estrada.

h. Aprendizagem por resposta ao estímulo: aprender a realizar um comporta-


mento particular quando um certo estímulo está presente; por exemplo, um
cão levanta o ouvido ao ouvir a campainha.

3. Resolução de problemas

É o processo no qual a pessoa percebe e tenta chegar a uma solução desejada a par-
tir de uma situação presente, tomando algum caminho, que é bloqueado por obstá-
culos conhecidos ou desconhecidos.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


70 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

A resolução de problemas também inclui a tomada de decisão, que é


o processo de selecionar a alternativa mais adequada entre várias para
alcançar a meta desejada.

4. Percepção

É o processo de aquisição, interpretação, seleção e organização de informações sen-


soriais. A percepção pressupõe a detecção. Nos seres humanos, a percepção é auxi-
liada por órgãos sensoriais responsáveis pelos sentidos (olfato, paladar, tato, visão e
audição). Na inteligência artificial, o mecanismo de percepção junta os dados por
meio de sensores que ficam agrupados.

5. Inteligência linguística

É a habilidade de usar, compreender, falar e escrever a linguagem verbal e escrita. É


importante na comunicação interpessoal.

Diferença entre inteligência humana e de máquina:

• Os seres humanos percebem pelos padrões, enquanto as máquinas


percebem pelo conjunto de regras e dados.

• Os humanos armazenam e recordam informações por padrões, as


máquinas fazem isso pesquisando algoritmos. Por exemplo, o número
40404040 é fácil de lembrar, armazenar e recuperar, pois seu padrão
é simples.

• Os seres humanos podem descobrir o objeto completo mesmo se al-


guma parte dele estiver faltando ou distorcida, já as máquinas não
podem fazê-lo corretamente.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 71
Sistema de Informação

4.1.2 TIPOS DE SISTEMAS INTELIGENTES

O campo de sistemas inteligentes também se concentra em como esses sistemas


interagem com usuários humanos em ambientes físicos, sociais e dinâmicos e, prin-
cipalmente, em mudança. Os primeiros robôs possuíam pouca autonomia na toma-
da de decisões: eles assumiam um mundo previsível e perfumavam a mesma ação
repetidamente sob as mesmas condições. Hoje, um robô é considerado um sistema
autônomo que pode sentir o ambiente e pode atuar em um mundo físico para atin-
gir alguns objetivos, conforme ilustra a figura 25.

FIGURA 25 - O HOMEM POR TRÁS DO ROBÔ

Fonte: SHUTTERSTOCK, 2018.

Aparelhos médicos portáteis que são dispositivos pequenos e


inteligentes, integram sensores e computação incorporada com análise
avançada. O resultado é um sistema que pode medir remotamente
parâmetros vitais, como frequência cardíaca, frequência respiratória,
impedância da pele, níveis de oxigênio no sangue e pressão arterial, com
alertas automáticos que indicam quando um paciente deve procurar
assistência médica, facilitando ações preventivas a qualquer momento.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


72 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

A nova fronteira do sistema inteligente inclui máquinas e dispositivos, pessoas, sub-


-sistemas cibernéticos e físicos e informações, todas conectadas e interagindo de
forma contínua e adaptativa. Os sistemas inteligentes mudaram o foco de tecnolo-
gias individuais para a inteligência geral do sistema, resultando em mudanças fun-
damentais na forma como o produtos e serviços de amanhã serão criados, entregues
e monetizados. Por exemplo, em vez um sistema inteligente abranger só uma parte
do corpo, há tecnologias que relacionam o sistema nervoso com o sistema digestivo,
respiratório, entre outros.

Você sabia que as primeiras casas inteligentes que surgiram foram só


ideias, não estruturas reais? Durante décadas, a ficção científica explorou
a ideia da automação residencial. No conto de advertência de Bradbury,
“There will come soft rains”, ele descreve uma casa automatizada que
continua funcionando mesmo depois que os humanos morreram. Está
tudo bem assustador, até você considerar os benefícios reais da automação
residencial, então a ideia se torna mais reconfortante do que arrepiante.

Embora a ideia de automação residencial já exista há algum tempo, as casas inte-


ligentes reais surgiram há pouco tempo. A evolução se concentra no hardware das
casas, ou seja, invenções reais que levam aos lares inteligentes que conhecemos hoje
e dão vislumbre do que podemos esperar de um futuro próximo.

A evolução dos sistemas utilizados em residências (casas inteligentes) se inicia entre


os anos de 1901 e 1920, com a invenção dos eletrodomésticos que, embora não se-
jam considerados “inteligentes”, deram início às praticidades do lar que temos hoje.
O marco foi a invenção do primeiro aspirador movido a motor, em 1901. Anos mais
tarde, entre 1966 e 1967, surgiam o chamado ECHO IV e o computador da cozinha.
Embora nunca tenha sido vendido comercialmente, o ECHO IV foi o primeiro dispo-
sitivo inteligente que computava as listas de compras, controlava a temperatura da
casa e ativava e desativava equipamentos domésticos.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 73
Sistema de Informação

Já no final da década de 1990 e início dos anos 2000, as casas inteligentes, resultado
da automação doméstica, começaram a aumentar a sua popularidade. Assim, várias
tecnologias começaram a surgir, como cortinas automatizadas, acendimento auto-
mático das lâmpadas, alarmes, etc. As casas inteligentes de repente se tornaram uma
opção mais acessível e, portanto, uma tecnologia viável para os consumidores. Tecno-
logias e rede domésticas começaram a aparecer nas prateleiras das lojas.

Atualmente, as tecnologias das casas inteligentes são mais voltadas para a segurança
e para a sustentabilidade, ajudando o homem no consumo sustentável de energia.
As tendências atuais da automação doméstica incluem controle remoto móvel, luzes
automatizadas, ajuste automatizado do termostato, dispositivos de agendamento,
notificações móveis/por e-mail/texto e vigilância remota por vídeo.

Vejamos, então, outros exemplos de sistemas inteligentes:

1. Sistemas especializados: sistemas de rastreamento de voo; monitoramento da


saúde (tênis, celular); sistemas clínicos (prontuário médico eletrônico); sistemas
de marcação de consulta on-line.

2. Processamento de linguagem natural: recurso do Google Now, reconhecimen-


to de fala (Siri), saída de voz automática.

3. Redes neurais: sistemas de reconhecimento de padrões, como reconhecimen-


to de faces, de caracteres e de manuscrito.

4. Robótica: robôs industriais para movimentação, pulverização, pintura, verifica-


ção de precisão, perfuração, limpeza, revestimento, escultura, etc.

5. Sistemas lógicos difusos: sistemas eletrônicos de consumo de energia, siste-


mas de automóveis, etc.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


74 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

Você sabia que os sistemas inteligentes estão presentes na


indústria?

O Enterprise Resource Planning (ERP), ou Planejamento de Recursos


Empresariais, em tradução literal, como um sistema monolítico
de registros, está desaparecendo e dando lugar ao Intelligent ERP
ou ao i-ERP, no qual as ações e a inteligência são importantes. O
ERP inteligente vem com uma mistura de inteligência artificial e
aprendizado de máquina, tecnologia blockchain, conjuntos de dados
massivos, foco na experiência do usuário, nuvem e a Internet das Coisas.

A indústria inteligente (menos custos e mais resultados) e a cadeia de


suprimentos inteligente precisam de velocidade, processos perfeitos e
foco nos resultados A velocidade não se tornou apenas um diferencial
de negócios, ela também é fundamental para a melhoria dos
resultados e do nível de serviço ao cliente.

A pesquisa em sistemas inteligentes enfrenta inúmeros desafios, muitos dos quais


relacionados à representação do mundo físico, dinâmico e computacional. Vejamos
a seguir alguns desses possíveis desafios:

1. Incertezas

Os sensores físicos fornecem informações/ações limitadas, ruidosas e imprecisas. Por-


tanto, quaisquer ações tomadas pelo sistema podem estar incorretas, tanto devido
ao ruído nos sensores quanto devido às limitações na execução dessas ações.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 75
Sistema de Informação

2. Mundo dinâmico

O mundo físico muda continuamente, exigindo que as decisões sejam tomadas em


escalas de tempo rápidas para acomodar as mudanças no ambiente.

3. Computação obsoleta

Pesquisar o caminho ideal para uma meta requer uma pesquisa extensiva por meio
de um espaço de estado muito grande, que é computacionalmente caro. A desvan-
tagem de gastar muito tempo em computação é que o mundo pode mudar nesse
meio tempo, tornando o plano computado obsoleto.

4. Mapeamento

Muitas informações são perdidas na transformação do mundo 3D para o mundo 2D.


A visão computacional deve lidar com desafios, incluindo mudanças de perspecti-
va, iluminação e escala, desordem ou movimento de fundo e agrupamento de itens
com variação intra/interclasse.

Apesar dos desafios, os sistemas inteligentes estão preparados para preencher um


número crescente de funções na sociedade atual, incluindo:

• automatização da fábrica;

• robótica;

• aplicações militares;

• cuidados médicos;

• educação;

• entretenimento;

• inspeção visual;

• reconhecimento de caracteres;

• identificação humana usando várias modalidades biométricas (por exemplo,


rosto, impressão digital, íris, mão);

• vigilância visual;

• transporte inteligente.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


76 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

De fato, segundo Faceli (2011, p. 28) “nas últimas décadas, com a crescente comple-
xidade dos problemas a serem tratados computacionalmente e do volume de dados
gerados por diferentes setores, tornou-se clara a necessidade de ferramentas compu-
tacionais mais sofisticadas, que fossem mais autônomas, reduzindo a necessidade de
intervenção humana e dependência de especialistas”.

CONCLUSÃO
Nesta unidade, percebemos como os sistemas inteligentes vêm evoluindo e fazendo
parte cada vez mais da vida do ser humano, seja na rotina nas residências, por meio
das chamadas casas inteligentes, seja nos veículos, nos hospitais e clínicas, nas acade-
mias, nos aparelhos de celular, etc. Os sistemas inteligentes, apesar dos desafios e das
críticas sobre a possibilidade de substituição do trabalho do homem, vêm ganhando
espaço também na indústria, de forma a contribuir para a melhoria dos resultados
operacionais e na qualidade tanto dos produtos quanto dos serviços prestados.

Vimos também que os sistemas inteligentes têm contribuído para a melhoria dos
processos industriais, diminuindo os custos de produção, minimizando os impactos
ambientais e aumentando os resultados financeiros das empresas. Por outro lado,
têm contribuído para avanços na área de saúde, por meio de sistemas que simulam
alterações no corpo e ajudam no diagnóstico de doenças. Por essas e outras possibi-
lidades, presenciamos atualmente avanços tecnológicos e sistemas cada vez mais in-
teligentes, que se aproximam da realidade dos seres humanos. Não podemos deixar
de pontuar que a nova fronteira do sistema inteligente inclui máquinas e dispositivos,
pessoas, sub-sistemas cibernéticos e físicos e informações, todos conectados e intera-
gindo de forma contínua e adaptativa para melhorar a qualidade de vida do homem.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 77
Sistema de Informação

UNIDADE 5

OBJETIVO
Ao final desta
unidade,
esperamos
que possa:

> Definir gerenciamento


de mudanças.

> Identificar ações que


contribuam para o
processo de mudanças
nas organizações.

> Definir mudança


tecnológica.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


78 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

5 INTRODUÇÃO
O conceito de gerenciamento de mudanças remonta ao início de meados de 1900,
no entanto, foi na década de 1990 que a gestão da mudança se tornou bem conhe-
cida no ambiente de negócios e os processos organizacionais formais se tornaram
disponíveis.

Há razões concretas para o crescimento acelerado no setor de gerenciamento de mu-


danças: produtos, tecnologia ou ideias que costumavam levar anos para serem proje-
tados, desenvolvidos, testados e implementados, agora têm prazos reduzidos a meses
ou até semanas, como o caso dos telefones móveis. As expectativas crescentes dos
consumidores por produtos melhores, mais rápidos e mais baratos também impul-
sionam a necessidade de reorganizar a cultura de trabalho para atender à demanda.

O gerenciamento de mudanças evoluiu nos últimos anos com modelos, processos e


planos desenvolvidos para ajudar e facilitar o impacto das mudanças nas organiza-
ções. Os modelos de gerenciamento de mudanças foram desenvolvidos com base
em pesquisas e experiências sobre como gerenciar melhor as mudanças dentro de
uma organização ou em sua vida pessoal. A maioria dos modelos fornece um proces-
so de suporte que pode ser aplicado à sua organização ou crescimento pessoal.

Os processos de gerenciamento de mudanças incluem uma


sequência de etapas ou atividades que movem uma mudança desde o
início até a entrega.

Planos de gerenciamento de mudanças são desenvolvidos para


suportar um projeto para entregar uma mudança. Normalmente,
é criado durante o estágio de planejamento de um processo de
gerenciamento de mudanças.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 79
Sistema de Informação

As organizações estão constantemente experimentando mudanças causadas por


implementações de novas tecnologias, atualizações de processos, iniciativas de con-
formidade, reorganização ou melhorias no atendimento ao cliente. As mudanças são
constantes e necessárias para o crescimento e a lucratividade das empresas. Um pro-
cesso consistente de gerenciamento de mudanças ajudará a minimizar o impacto
que elas podem ocasionar.

Devido às expectativas sempre em mudança do consumidor e à competição na eco-


nomia global, a ciência da mudança organizacional está em constante evolução. O
elemento humano de gerenciamento de mudanças pode ser um dos mais difíceis
de navegar, porque as pessoas não gostam inerentemente de mudar ou se adaptar
bem a elas.

A maioria dos métodos de mudança concorda que a transformação é difícil e incô-


moda. Portanto, envolver as pessoas desde o início, implementar o processo e ajustar
continuamente a melhoria é fundamental para o sucesso. Isso inclui planejamento
completo, adesão, processo, recursos, comunicação e avaliação constantes.

Os processos eficazes de gerenciamento de mudanças dependem de atividades e fer-


ramentas de suporte. Essas ferramentas geralmente são desenvolvidas e gerenciadas
internamente pela equipe de gerenciamento de mudanças ou partes interessadas
diretamente no processo. Por exemplo, um roteiro de produto pode ser desenvolvido
pela equipe de gerenciamento de produtos, enquanto uma revisão post mortem
envolveria todos os responsáveis e os impactos da mudança. Estes podem incluir: ro-
teiros para produtos ou negócios; avaliações de prontidão; tutoriais de treinamento e
sessões de educação; fóruns de feedback das partes interessadas; gerenciamento de
resistência; plano de melhoria contínua, etc.

Hoje, existem inúmeras metodologias comprovadas. Alguns modelos se concentram


em mudar o indivíduo como um método de mudança cultural e alguns têm estrutu-
ras para mover uma organização inteira em direção a mudanças e melhorias focaliza-
das. Não existe uma solução “certa”, mas com pesquisa, exploração e planejamento
de recursos, uma estratégia de gerenciamento de mudanças é possível, independen-
temente do tamanho ou da necessidade da organização. Se o crescimento explosivo
no setor de gerenciamento de mudanças é uma indicação, o negócio da mudança
veio para ficar.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


80 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

5.1 MUDANÇA TECNOLÓGICA NAS


ORGANIZAÇÕES

Nesta unidade, apresentaremos a você o significado do gerenciamento de mudanças


e seus impactos nas organizações, compreenderemos que existem algumas ações
que podem contribuir para que a implementação de um processo de mudanças seja
bem-sucedido. Estudaremos também o significado de mudanças tecnológicas e, ao
fazer um retrospecto histórico, entenderemos que na atualidade essas mudanças
ocorrem com maior frequência, em virtude do avanço tecnológico e da disponibili-
dade de recursos financeiros e materiais.

Uma mudança tecnológica (Figura 1) tem impacto em todas as organizações. Desse


modo, três aspectos particulares do ambiente organizacional serão afetados direta-
mente pela mudança tecnológica: a concorrência e a incerteza de mercado aumen-
tarão; haverá requisitos para uma maior diversidade e maior qualidade nos produtos
e/ou serviços da organização; e no ambiente externo, as reformas política e legislativa
aumentarão sua complexidade. Cada uma dessas mudanças vai provocar respostas
da organização em sua estrutura e relacionamento com funcionários e clientes.

FIGURA 26 - MUDANÇA TECNOLÓGICA

Fonte: SHUTTERSTOCK, 2018.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 81
Sistema de Informação

Existem algumas ações que podem contribuir para que a implementação de um


processo de mudanças seja bem-sucedida.

Identificar o que será melhorado

Como a maioria das mudanças ocorre para melhorar um processo, um produto ou


um resultado, é essencial identificar o foco e esclarecer as metas. Isso também envol-
ve a identificação dos recursos e indivíduos que facilitarão o processo e o conduzirão.
A maioria dos processos de mudança reconhece e quer saber o que melhorar e, nesse
sentido, cria uma base sólida, com maior facilidade para uma implementação bem-
-sucedida.

Envolver todas as partes

Existem vários níveis de partes interessadas, que incluem a alta gerência, que dirige
e financia o empreendimento, os defensores do processo e aqueles que são direta-
mente encarregados de instituir o novo padrão. Todos têm diferentes expectativas
e experiências. Deve haver um alto nível de comprometimento. O processo de inte-
gração dos diferentes constituintes varia de acordo com cada estrutura de mudança,
mas todos oferecem planos que exigem tempo, paciência e comunicação.

Planejar a mudança

Esse é o “roteiro” que identifica o início, a rota a ser percorrida e o destino. Você tam-
bém integrará recursos a serem aproveitados, o escopo ou objetivo e os custos no pla-
no. Um elemento crítico do planejamento é fornecer um processo de várias etapas,
em vez de mudanças súbitas e não planejadas de “varredura”. Isso envolve delinear
o projeto com etapas claras com metas mensuráveis, incentivos, medições e análi-
ses. Por exemplo, um processo de gerenciamento de mudanças bem planejado e
controlado para serviços de TI reduzirá drasticamente o impacto das alterações da
infraestrutura de TI nos negócios. Há também uma precaução universal para praticar
a paciência durante todo esse processo e evitar atalhos.

Fornecer recursos e usar dados para avaliação

Como parte do processo de planejamento, a identificação de recursos e o financia-


mento são elementos cruciais. Estes podem incluir infraestrutura, equipamentos e
sistemas de software. Muitos modelos identificam a coleta e a análise de dados como
um elemento subutilizado. A clareza de relatórios sobre o progresso permite uma

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


82 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

melhor comunicação, distribuição adequada e oportuna de incentivos e medição de


sucessos e metas.

Comunicar

Esse é o “fio de ouro” que percorre toda a prática de gerenciamento de mudanças.


Identificar, planejar, integrar e executar um bom plano de gerenciamento de mudan-
ças depende de uma boa comunicação. Existem realidades psicológicas e sociológi-
cas inerentes às culturas de grupo. Aqueles já envolvidos estabeleceram conjuntos de
habilidades, conhecimentos e experiências. Mas eles também têm ordens, territórios
e costumes corporativos que precisam ser abordados. O fornecimento de linhas de
comunicação claras e abertas ao longo do processo é um elemento crítico em todas
as modalidades de mudança. Os métodos defendem a transparência e as estruturas
de comunicação de mão dupla que fornecem meios para tratar frustrações, aplaudir
o que está funcionando e mudar sem problemas o que não funciona.

Monitorar e gerenciar resistência, dependências e riscos orçamentários

A resistência é uma parte muito normal do gerenciamento de mudanças, mas pode


ameaçar o sucesso de um projeto. A maior parte da resistência ocorre devido ao
medo do desconhecido. Isso também ocorre porque há uma quantidade justa de
risco associada à mudança - o risco de afetar dependências, o retorno dos riscos de
investimento e os riscos associados à alocação de orçamento a algo novo.

Comemorar o sucesso

Reconhecer conquistas de marcos é uma parte essencial de qualquer projeto. Ao


gerenciar uma mudança em todo o seu ciclo de vida, é importante reconhecer o su-
cesso de equipes e indivíduos envolvidos. Isso ajudará na adoção de seu processo de
gerenciamento de mudanças, bem como na adoção da mudança em si.

Revisar e melhorar continuamente

Por mais que a mudança seja difícil e até dolorosa, também é um processo contínuo.
Mesmo as estratégias de gerenciamento de mudanças são comumente ajustadas ao
longo de um projeto. Como a comunicação, isso deve ser feito em todas as etapas
para identificar e remover bloqueios de estradas. E, como a necessidade de recursos
e dados, esse processo é tão bom quanto o compromisso com a medição e a análise.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 83
Sistema de Informação

A mudança tecnológica forçará mudanças nas funções gerenciais básicas. Haverá


maior responsabilidade na gestão dos resultados da organização, levando à ênfase
adicional no planejamento, tomada de decisão, controle e coordenação.

5.2 CONTEXTO HISTÓRICO

No campo da economia, uma mudança tecnológica resulta em um aumento na ne-


cessidade de eficiência de um produto ou processo que diretamente impacta no au-
mento na produção, sem necessariamente um aumento de matéria-prima e insumo.
Em outras palavras, alguém inventa ou melhora um produto ou processo, que é en-
tão usado para obter uma recompensa maior pela mesma quantidade de trabalho.

O telefone é um exemplo de um produto que passou por uma mudança tecnológica.


Ele sofreu muitas transformações diferentes ao longo dos anos, o que o tornou mais
eficiente.

Processos ou produtos, como o telefone, passam por mudanças


tecnológicas em três etapas: a) invenção: a criação de um novo
produto ou processo; b) inovação: a aplicação da invenção pela
primeira vez; c) difusão: o quão rápido os outros começam a
adotar a inovação.

Os efeitos da tecnologia ao longo da história da humanidade aparecem em fases dife-


rentes. Para entendermos esses efeitos, podemos dividir o crescimento e o avanço da
civilização em três eras, de acordo com suas respectivas infraestruturas tecnológicas:
a era agrícola, a era industrial e a era digital. Cada uma dessas eras foi profundamente
afetada pela capacidade de aquisição de novas informações e conhecimentos. No
entanto, todas elas exigiram e permitiram novas estruturas econômicas, revoluções
sociais, transformações culturais e modelos de trabalho.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


84 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

Vejamos cada uma dessas eras e seus impactos.

Era agrícola

Na era agrícola (Figura 2), as pessoas se concentravam principalmente no uso do po-


der dos elementos naturais, como o vento e a água. Os recursos mais importantes
eram a terra, o gado e os implementos agrícolas. A iniciativa de obter poder econômi-
co central estava nas mãos dos proprietários dos recursos (agricultores que possuíam
terras agrícolas vastas e férteis). Durante essa época, o proprietário dos recursos tam-
bém controlava o acesso às informações das propriedades.

FIGURA 27 - ERA AGRÍCOLA

Fonte: SHUTTERSTOCK, 2018.

Era industrial

Até o século XVIII, as pessoas costumavam ser valorizadas por conhecer um ofício. Por
exemplo, o trabalho do artesão dominava a produção, uma vez que o mesmo deti-
nha o conhecimento. Ainda no século XVIII, mais precisamente na década de 1770,
ocorreu a 1ª Revolução Industrial, dando início ao processo de mecanização. A partir
de então, as habilidades do artesão se tornaram desvalorizadas. As máquinas assumi-
ram o trabalho físico e a maioria das pessoas realizava tarefas simples e repetitivas ou
administrava as que faziam.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 85
Sistema de Informação

No início do século XX, a 2ª Revolução Industrial inova com a produção seriada (Figu-
ra 3), especialização do trabalho, estudos de tempos e movimentos, aumento da pro-
dutividade, trabalhos repetitivos e, anos mais tarde, controle estatístico da qualidade.
As pessoas passaram a concentrar-se na aplicação da energia industrial, na aquisição
de recursos físicos tradicionais e na produção em massa, operando de acordo com a
lei de aumento dos custos.

FIGURA 28 - Produção seriada de carros na primeira metade do século XX

Fonte: SHUTTERSTOCK, 2018.

Ou seja, uma vez que todos os fatores de produção (terra, mão de obra, capital) estão
no nível máximo de produção e eficiência, produzir uma unidade extra custará mais
que a média. Os motores a vapor, bem como o combustível, compreendiam as prin-
cipais infraestruturas. Durante essa era, a riqueza da civilização material foi ampliada,
aumentando a produtividade do espaço físico - construindo fábricas e estabelecendo
complexos industriais. Foram extremamente importantes para o sucesso das socie-
dades industriais as relações entre fabricantes, distribuidores e consumidores, melhor
produtividade, eficiência do processo e a atenção aos custos de transação.

Era digital

Após a 3ª Revolução Industrial, a humanidade presenciou a ascensão da indústria


japonesa, com a valorização da qualidade e o combate ao desperdício. As pessoas se
concentraram na geração e comercialização de produtos e serviços por meio de da-

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


86 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

dos digitalizados, informações e conhecimento. Essa era é baseada em uma infraes-


trutura que inclui tecnologias de informação e comunicação (Figura 4).

FIGURA 29 - Era da tecnologia de informação

Fonte: SHUTTERSTOCK, 2018.

Essa nova infraestrutura não está apenas ajudando as pessoas a fazerem as coisas
melhor e mais rápido do que em épocas anteriores, mas também está possibilitando
novas formas de controle, coordenação e colaboração em atividades mais pronta-
mente, a custos mais baixos, regidos pela lei da redução de custos. Isto é, devido às
propriedades dos bens digitais, o custo por unidade de produção marginal ou adi-
cional diminui gradativamente, enquanto a quantidade de todos os outros fatores de
produção permanece constante.

Produtividade Marginal (PMg) é a variação do produto


dada variação de uma unidade na quantidade de fator
de produção em determinado período de tempo.

No final do século XX, então, uma economia do conhecimento começou a se consolidar.


Os trabalhadores passaram a ser valorizados não pelo seu trabalho, mas pelo conheci-
mento especializado, muito do qual era incompreensível para seus superiores. Empre-
sas de sucesso tornaram-se organizações de aprendizagem, em que as máquinas
passaram a assumir tarefas cognitivas. Portanto, assim como na primeira Revolução

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 87
Sistema de Informação

Industrial, o papel dos seres humanos foi sendo redefinido rapidamente e as organi-
zações passaram a mudar a maneira como os processos produtivos eram viabilizados.

À medida que os recursos digitais se tornam acessíveis, processados, transferidos e


armazenados, independentemente da localização ou do tempo, as fronteiras e as dis-
tâncias geográficas passaram a não ser mais tão críticas quanto eram antes, passando
para os espaços eletrônicos totalmente novos e invisíveis.

Na era digital, as tecnologias continuam a evoluir com uma velocidade muito maior
que antes. De fato, os avanços contínuos da tecnologia de informação e comunica-
ção permitiram que o escopo da atividade humana se expandisse continuamente
no espaço eletrônico e criasse uma variedade de mudanças nas formas de condução
da atividade econômica. Dessa forma, presenciamos a evolução das tecnologias da
informação e comunicação, que podem ser vistas em quatro estágios diferentes.

Estágio 1: computação corporativa

Foi baseado em computadores mainframe (Figura 5). Nessa fase, o foco era melhorar
a eficiência do mundo físico, analisando suas características no espaço eletrônico e
modificando o espaço físico. O modelo administrativo seguido foi o de um monopó-
lio regulamentado, centralizando todos os recursos de computação nos centros de
processamento de dados. Muitos usuários compartilhavam um único computador
mainframe. Na época, era inviável fornecer equipamentos de computação caros para
a multiplicidade de usuários em potencial.

FIGURA 30 - Mainframe computer

Fonte: SHUTTERSTOCK, 2018.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


88 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

Estágio 2: computação do usuário final

Foi baseado em computadores pessoais (Figura 6). O foco nessa etapa foi apoiar as
melhorias de produtividade dos indivíduos, especialmente dos profissionais de negó-
cios. O modelo administrativo seguido foi o de um mercado livre habilitado por cada
indivíduo que possui seu próprio computador pessoal/computador de mesa. A noção
de “um computador por pessoa dentro de uma empresa” tornou-se possível.

FIGURA 31 - COMPUTADOR PESSOAL

Fonte: SHUTTERSTOCK, 2018.

Estágio 3: computação estratégica

Foi baseado na tecnologia de comunicação. A Internet tornou-se uma rede global,


à medida que os computadores heterogêneos e as interfaces de comunicação se
conectavam entre si, ligando as redes locais em uma única e grande rede de comuni-
cação. As empresas combinaram a Internet e os sistemas de aplicativos corporativos
(como planejamento de recursos empresariais, gerenciamento de relacionamento
com clientes, gerenciamento da cadeia de suprimentos, planejamento de requisitos
de materiais, gerenciamento de recursos humanos e sistemas de automação de for-
ma corporativa) para suportar processos de negócios e atividades interorganizacio-
nais. O modo administrativo adotado era uma estrutura regulamentada de livre mer-
cado com a arquitetura cliente-servidor. Por exemplo, quando acessa uma página
web, você utiliza um navegador, portanto o navegador é o cliente e o site é o servidor.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 89
Sistema de Informação

Estágio 4: atualidade

A tecnologia de informação e comunicação está caminhando para um novo estágio


baseado em computação onipresente.

O conceito de computação onipresente se refere a um


ambiente no qual a tecnologia computacional permeia
quase tudo, permitindo que as pessoas acessem
e controlem seu ambiente a qualquer hora e em
qualquer lugar (Figura 7).

FIGURA 32 - ACESSO À TECNOLOGIA EM QUALQUER PARTE DO MUNDO

Fonte: SHUTTERSTOCK, 2018.

Durante os estágios iniciais da era digital, a natureza dual do ambiente era tal que
não unificou o mundo físico e o espaço eletrônico. Essa nova etapa, no entanto, con-
centra-se em conectar o mundo físico diretamente com o espaço eletrônico, criando
um espaço onipresente que permite um nível de complexidade, velocidade e qua-
lidade nunca antes possível. O objetivo é criar um espaço otimizado que conecte
pessoas, computadores, redes e objetos, superando as limitações do mundo físico e
do espaço eletrônico. O modelo administrativo é colaboração e empreendedorismo.
Como a computação onipresente está preparando o caminho para uma nova etapa,
agora expandimos esse estágio e nos concentramos em entender como isso pode
atrapalhar a maneira como o trabalho é feito nas organizações.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


90 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

5.3 O CONHECIMENTO DAS MÁQUINAS

O conhecimento, por incrível que pareça, tem sido uma fonte de debate feroz por
mais de 2 mil anos, começando com um desentendimento entre Platão e seu aluno
mais famoso, Aristóteles. Platão acreditava em formas ideais. Para ele, o verdadei-
ro conhecimento consistia na familiaridade com essas formas e a virtude (que, em
termos modernos, estaria mais próxima da capacidade do que da moralidade) era
uma questão de concretizar essas formas na vida cotidiana. Platão teria se sentido
confortável como um gerente de fábrica cujos trabalhadores executam as instruções
conforme ele solicita.

Aristóteles, por outro lado, acreditava no conhecimento empírico, que você ganha
com a experiência. Em contraste com Platão, podemos imaginar Aristóteles anali-
sando constantemente dados, por meio de controle estatístico de processos, para
encontrar uma maneira melhor de fazer as coisas.

Ambos os métodos, a doutrinação de princípios e a coleta de dados, desempenha-


ram um papel importante nas organizações de aprendizagem. A diferença agora é
que muito do aprendizado está sendo assumido pelas máquinas.

Não muito tempo atrás, dependíamos do conhecimento humano para muitas coisas,
como a criação de itinerários de viagem, negociação de instrumentos financeiros e
compra de mídia altamente automatizada hoje em dia. À medida que avançamos
novas áreas, como fazer diagnósticos médicos, descobertas legais e até mesmo resul-
tados criativos, estão sendo mediadas por computadores. Talvez não surpreenden-
temente, os algoritmos misturam abordagens platônicas e aristotélicas como os hu-
manos. Inicialmente, seu pensamento é dirigido por princípios honrados pelo tempo
fornecidos por especialistas humanos (às vezes chamados de “parâmetros de Deus”).
Então, à medida que mais informações chegam, o computador começa a aprender
com seus próprios erros, ficando cada vez melhor em sua tarefa.

Esse processo continua a velocidades aceleradas. Assim como a ascensão da econo-


mia do conhecimento fortaleceu os trabalhadores do conhecimento, porque eles
tinham experiência que seus chefes não tinham, os computadores agora têm res-
postas que os próprios profissionais do conhecimento não conseguem entender. Isso
será incrivelmente perturbador nos próximos anos.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 91
Sistema de Informação

5.4 IMPACTOS DA MUDANÇA TECNOLÓGICA

Todos nós já experimentamos o impacto da tecnologia, como a mudança da máqui-


na de escrever para um computador (Figura 8).

FIGURA 33 - MUDANÇA TECNOLÓGICA: COMPUTADOR

Fonte: SHUTTERSTOCK, 2018.

Vamos verificar as consequências das mudanças tecnológicas no nosso mundo.

Cria novos produtos e processos

Quando os telefones foram inventados, o objetivo era poder se comunicar verbal-


mente com alguém. Devido a mudanças tecnológicas, temos várias maneiras de nos
comunicar usando nossos telefones, como texto, e-mail e redes sociais. Isso diminui a
distância entre as pessoas e facilita a interação.

Aumenta a eficiência, reduz os custos

A tecnologia possibilita a realização de tarefas diárias com mais rapidez e menos


energia de nossa parte. Por exemplo, algumas pessoas têm um robô de limpeza a vá-
cuo. Em vez de gastar 30 minutos limpando, eles apertam um botão, o robô executa
a tarefa e a pessoa tem o tempo para realizar outra atividade. Isso é eficiência.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


92 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

Ajuda as economias a evoluírem

As pessoas são capazes de aumentar as maneiras pelas quais elas criam riqueza. E
isso também tem um efeito cascata. Quando uma mudança tecnológica ocorre, ela
muda a forma como vivemos. Com a integração da tecnologia, as sociedades evoluí-
ram de caça e coleta tradicionais para a industrialização. Assim, menos pessoas estão
cultivando e mais estão se mudando para as cidades e trabalhando nas indústrias.

A mudança tecnológica pode afetar positivamente os valores individuais, o que pode


levar a uma maior sensibilidade moral e mais tolerância e compaixão pelos outros,
junto com uma abordagem mais racional da decisão a se fazer. Um possível efeito
da mudança tecnológica é o aumento da lealdade à profissão, e não à organização.

5.4.1 O AMBIENTE ORGANIZACIONAL

As mudanças tecnológicas e o crescimento rápido da globalização afetaram de for-


ma semelhante o ambiente organizacional (Figura 9). A organização e a estrutura
organizacional de anos passados não podem mais responder eficazmente às pres-
sões da atualidade. Os gestores precisam ter um novo tipo de habilidade gerencial,
diplomática e social.

FIGURA 34 - AMBIENTE ORGANIZACIONAL

Fonte: SHUTTERSTOCK, 2018.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 93
Sistema de Informação

Haverá crescente concorrência no mercado e incerteza como resultado de mudança


tecnológica, sendo a competição o nome do jogo. Atualmente, a mudança tecnoló-
gica é tão rápida que o mercado não pode estabilizar. Se antes, por exemplo, a IBM
dominou o grande mercado de computadores, não podemos falar o mesmo nos dias
atuais. As organizações responderão à crescente concorrência no mercado e à incer-
teza em várias formas. Elas serão forçadas a desenvolver mais regras e regulamentos
para suas atividades e, em seguida, deverão aumentar sua complexidade organiza-
cional para fazer cumprir e monitorar a aplicação dessas normas.

Um efeito amplo da mudança tecnológica na estrutura organizacional tem a ver com


a mudança mais rápida das características básicas do mix de produtos ou serviços.
Considere, por exemplo, a crescente complexidade das indústrias de bens de con-
sumo. Da próxima vez que você visitar um supermercado ou drogaria, olhe para a
variedade de marcas e tipos de produtos que você tem para escolher. Então, pense
em quantos gerentes esses produtos têm e quão complexa sua organização deve
ser para que estes estejam disponíveis para sua escolha. Ao visitar o supermercado
ou a farmácia, observe quantas novas marcas, nomes e produtos que você vê a cada
semana. Você também deve perceber quantos nomes e marcas anos após anos não
estão mais lá. O ciclo de vida do produto hoje é muitas vezes medido em meses, ou
mesmo semanas, ao invés de anos.

Também deve ser salientado que o cliente é muito consciente da qualidade dos
produtos e serviços utilizados. Isso força ainda mais as organizações a desenvolverem
procedimentos de controle de qualidade especializados e dispendiosos. Um ponto
fundamental a lembrar é que a mudança tecnológica na forma de habilidades para
desenvolver rápida e economicamente novas técnicas de produção é a chave que
torna possível a diversidade de produtos e serviços. A menos que inovações tecnoló-
gicas continuem, é muito possível que nos tornemos incapazes para manter a apoiar
essa demanda por novidades. A tentativa de fazer isso vai aumentar a pressão sobre
as organizações e forçá-las a usar a tecnologia.

Por fim, a atividade política cada vez mais complexa fora da organização é outro efei-
to amplo da mudança tecnológica. A tecnologia vem acompanhada de uma legisla-
ção, na maioria das vezes ampla e complexa. Organizações estão confiando cada vez
mais em suas equipes jurídicas para lidar com o processo legislativo e judicial como
uma atividade importante da organização.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


94 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

A mudança tecnológica, particularmente aquela associada ao computador, está tra-


zendo mudanças significativas na forma como as funções gerenciais básicas são exe-
cutadas. Essas mudanças tiveram seus efeitos mais extensos na forma de fornecer
melhor controle e coordenação dos sistemas de informação como insumos para o
planejamento e tomada de decisão.

A mudança tecnológica é inevitável. Isso afetará tanto os ambientes externos das


organizações, funções gerenciais básicas e valores individuais dos próprios geren-
tes, uma vez que haverá necessidade de treinamento dos funcionários com os novos
equipamentos, da mesma forma que os processos produtivos deverão ser alterados
para absorver as novas tecnologias e materiais. O resultado líquido dessa mudança
tecnológica será um aumento da exigência para a organização planejar o futuro.

CONCLUSÃO
Nesta unidade, podemos perceber que a mudança tecnológica vem alterando a for-
ma como as organizações produzem e entregam os seus produtos e serviços ao mer-
cado. As empresas entendem que todo o processo de mudança exige planejamento
e comprometimento de todos os funcionários, uma vez que envolvem particularida-
des tanto profissionais quanto pessoais. Concluímos que as mudanças tecnológicas,
com mais frequência na atualidade, vêm ajudando as empresas a serem mais com-
petitivas, uma vez que melhoram a qualidade do nível de serviço.

Podemos observar ainda que os efeitos da tecnologia ao longo da história da huma-


nidade apareceram em fases diferentes, cada uma com os seus reflexos na huma-
nidade, seja nos meios de produção, formas de consumo, agricultura ou indústria.
Percebemos que passamos para a era digital, na qual todos precisam acompanhar as
inovações tecnológicas que, por sua vez, geram impactos econômicos positivos para
as empresas e também influenciam o ambiente externo das organizações.

Concluímos, portanto, que na atualidade a mudança tecnológica é tão rápida que


o mercado não pode se estabilizar. Temos uma grande variedade de produtos no
mercado que, a todo o momento, mudam e sofrem devido ao desenvolvimento da
humanidade. Não podemos esquecer que o ciclo de vida do produto hoje é muitas
vezes medido em meses, ou mesmo semanas, ao invés de anos, como era no século
XX. A cada dia, um novo produto surge devido a uma nova tecnologia produto de
novos parâmetros sociais e tecnológicos.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 95
Sistema de Informação

UNIDADE 6

OBJETIVO
Ao final desta
unidade,
esperamos
que possa:

> Explicar o conceito de


logística reversa;

> Identificar os tipos de


produtos tecnológicos
que podem ser
reciclados.

> Identificar as
tendências da logística.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


96 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

6 INTRODUÇÃO
Na atualidade, as empresas tem que se adaptar para recuperar produtos destinados
ao mercado, é claro que esta concepção é totalmente contrária aos princípios da
qualidade que prezam pelo defeito zero, melhor nível de serviço, estoque zero etc. No
entanto, as organizações são envoltas de incertezas por todos os lados, ocorrem inci-
dentes e acidentes na entrega de produtos tais como: avarias; produto diferente do
adquirido em tamanho, formato e cor; mal funcionamento em virtude de problemas
no processo de produção somente identificados quando o produto já se encontra
no mercado (como o caso de recall), enfim, incertezas que precisam ser gerenciadas.

Se antes a Logística Reversa era um nicho na gestão da cadeia de suprimentos, na


atualidade a mesma vem emergindo como uma estratégia corporativa da cadeia de
suprimentos que apoia tudo, desde a sustentabilidade ambiental até a rentabilidade
final. Várias forças estão se combinando para impulsionar o interesse na Logística Re-
versa, incluindo: a pressão por lucratividade, volatilidade nos mercados, interesse da
comunidade em sustentabilidade, mudanças nas necessidades dos clientes e níveis
crescentes de regulamentação.

6.1 LOGÍSTICA REVERSA

Muitas organizações e indivíduos tentam definir a logística reversa se referindo a toda


atividade associada a um produto/serviço após o ponto de venda como o objetivo
final de otimizar ou tornar mais eficiente a atividade pós-venda, economizando recur-
sos financeiros e ambientais. No mercado, é comum encontrarmos alguns termos que
se referem a Logística Reversa, tais como: “Logística de Reposição”, “Retrologística”,
“Cadeia de Suprimentos de Reposição” ou ainda “Cadeia de Suprimentos Reversa”.

A logística reversa (FIGURA 1) não deve ser confundida com a logística de entrega ou
nem com a colocação do produto no mercado, essas atividades, assim como outras
do tipo armazenagem, reparo, reforma, reciclagem, lixo eletrônico, suporte pós-aten-
dimento, atendimento reverso, serviço de campo, são comuns à Logística Reversa,
ou seja, antecedem a mesma na Cadeia de Suprimentos. Nesse sentido, podemos
definir Logística Reversa como o conjunto de atividades que são realizadas após a

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 97
Sistema de Informação

venda de um produto para recuperar o valor e finalizar o ciclo de vida do produto.


Normalmente, envolve devolver um produto ao fabricante ou distribuidor ou enca-
minhá-lo para manutenção, reforma ou reciclagem, por isto, em muitas situações, é
conhecida como a logística de reposição ou retrologística.

FIGURA 35 - REPRESENTAÇÃO DA LOGÍSTICA REVERSA

Fonte: Shutterstock, 2018

Lembramos que a logística é o processo de planejamento, implementação e controle


do fluxo eficiente e econômico de matérias-primas, estoque em processo, produtos
acabados e informações relacionadas do ponto de origem até o ponto de consumo
para fins de conformidade com os requisitos do cliente.

Já a Logística Reversa inclui todas as atividades mencionadas na definição acima


com a diferença que a mesma as opera em sentido inverso, portanto, a Logística Re-
versa é o processo de planejamento, implementação e controle do fluxo eficiente e
econômico de matérias-primas, estoque em processo, produtos acabados e informa-
ções relacionadas do ponto de consumo até o ponto de origem para fins de recaptu-
ra, valor ou disposição adequada. Mais precisamente, é o processo de mover bens de
seu destino final típico com o propósito de capturar valor, ou descarte adequado. As
atividades de remanufatura e recondicionamento também podem ser incluídas na
definição de Logística Reversa.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


98 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

Historicamente, a Logística Reversa é entendida como o lugar onde itens indesejados


seriam reutilizados ou reciclados em novos itens. Os primeiros colonos usavam o que
tinham para facilitar a vida, como as mulheres que faziam colchas de roupas velhas
e trapos. A Segunda Guerra Mundial sofreu com a escassez em toda a cadeia de su-
primentos, nos Estados Unidos, por exemplo, o governo criou o primeiro programa
de reciclagem, mesmo frente a uma explosão de consumo propiciada pela produção
em massa, típica da época. A indústria automotiva foi forçada a reciclar e reutilizar
peças para veículos como resultado direto da escassez de materiais associada à Se-
gunda Guerra Mundial.

A história nos mostra que o primeiro grande recall de produtos


envolveu a montadora de veículos Ford, em 1978. O designer da
montadora queria construir um veículo compacto e de baixo custo para
que o mesmo fosse competitivo mas as questões de segurança foram
negligenciadas, e o resultado foram acidentes com o tanque de gás do
veículo o que ocasionou vários processos judiciais movidos por vítimas
e suas famílias envolvidas nos acidentes que a forma como a indústria
passou a encarar a segurança, a mitigação de riscos e o gerenciamento
do recall, melhorando a responsabilidade e a comunicação em toda a
cadeia de fornecimento.

Antes da década de 1970, os fluxos de produtos reversos eram agrupados com logística
ecológica ou ambiental, no entanto, o gerenciamento de retornos evoluiu passando a
ser reconhecida a complexidades do fluxo reverso em comparação com o fluxo logís-
tico (início para o fim), logo, a partir da década de 1980 a logística reversa começou a
se separar da logística tradicional e o termo foi definido como o processo de planejar,
implementar e controlar o fluxo eficiente e econômico de matérias-primas, estoque
em processo, produtos acabados e informações relacionadas do ponto de consumo
até o ponto de origem para fins de recaptura de valor ou descarte adequado.

Na atualidade, a logística reversa continua a evoluir para melhorar a transparência em


toda a cadeia de suprimentos, reduzindo os riscos, os custos e os impactos ambien-

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 99
Sistema de Informação

tais em toda a cadeia de fornecimento, concentrando-se no desenvolvimento de re-


lacionamentos colaborativos. Definir logística reversa tem sido um processo evolutivo.
As complexidades associadas ao fluxo reverso de mercadorias se estendem a muitas
áreas operacionais dentro de uma organização, o que pode afetar significativamente
o fluxo futuro de mercadorias.

Em uma cadeia de suprimentos tradicional, um processo de gestão não otimizado


resulta na produção abaixo do ideal, o que leva a geração de resíduos sólidos e peri-
gosos, além de custos operacionais adicionais em toda a cadeia de suprimentos.

Frequentemente, os gerentes de operações não entendem o impacto total em toda


a organização dos programas de redução de resíduos e reciclagem porque muitas
vezes é difícil quantificar os retornos sobre o investimento. Algumas das economias
de custo são projetadas, como economia de transporte (utilização de equipamentos
e meios de transporte com frete mais baixo, como caminhões), custos reduzidos de
energia (equipamentos mais econômicos) e entendimento de outros benefícios de
decisões eficazes de gerenciamento de retorno (coleta e pontos de distribuição). Um
especialista em logística reversa pode ser dedicado a pesquisar e determinar o con-
trole de qualidade, serviço ao cliente, reparo de garantia, armazenamento ou outras
implicações financeiras ao longo do processo de devolução.

Se nenhum material estiver sendo enviado “para trás” na cadeia de suprimentos, a


atividade provavelmente não é uma atividade de logística reversa. A logística reversa
também inclui o processamento de mercadorias devolvidas devido a danos, esto-
ques sazonais, reabastecimento, salvamento, recalls e estoques em excesso. Também
inclui os programas de reciclagem, programas de materiais perigosos como resíduos
hospitalares e tóxicos, disposição obsoleta de equipamentos e recuperação de ativos.

Os varejistas de supermercado foram os primeiros a começar a dedicar atenção ao


problema do retorno de produtos e a trabalhar no desenvolvimento de inovações no
campo da logística reversa. Acredita-se que, em virtude da disparidade entre as mar-
gens de lucro do varejo e dos fabricantes, os varejistas de supermercados acabaram
por desenvolver inovações, como centros de recuperação que, por sua vez, levaram
ao estabelecimento de centros de retorno centralizados. A centralização dos retornos
gerou benefícios significativos para a maioria das empresas que os implementaram,
tais como redução de reclamações e minimização dos custos associados às ativida-
des logísticas.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


100 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

Nos últimos anos, os varejistas se consolidaram e passaram a ter mais poder na ca-
deia de suprimentos se compararmos a alguns anos atrás, em geral, os grandes va-
rejistas são muito mais poderosos que os fabricantes. Poucos fabricantes podem di-
tar políticas para grandes varejistas como a Wal-Mart, Carrefour, Casas Bahia, Lojas
Americanas etc. Se um fabricante não aceitar devoluções, é improvável que o grande
varejista aceite os termos facilmente, no entanto, em alguns casos excepcionais, os
varejistas farão concessões para produtos de um fabricante que eles acreditam não
serem substituíveis por produtos similares.

Os retornos reduzem marginalmente a lucratividade dos varejistas em relação aos


fabricantes, em média, os varejistas usam uma facilidade de devolução centralizada
para lidar com as devoluções com muito mais frequência do que os fabricantes. Eles
também são mais propensos a vender os produtos retornados (produtos devolvidos
e que apresentam pequenas avarias) e até mesmo remanufatura ou reformar os pro-
dutos, em relação aos fabricantes.

Os fabricantes são significativamente mais propensos a reciclar ou depositar material


devolvido do que os varejistas. Parece que os varejistas estão mais avançados do que
os fabricantes quando se trata de programas de recuperação de ativos. Para outras
opções de disposição, como revendido como está, reembalagem ou doação; as res-
postas do varejista foram bastante semelhantes aos fabricantes.

As tecnologias mais usadas na Logística Reversa são:

• códigos de barras,

• rastreamento informatizado de retornos ,

• entrada informatizada de retornos,

• intercâmbio eletrônico de dados (EDI) e

• tecnologia de radiofrequência (RF).

Todas elas possuem como objetivo o aprimoramento do gerenciamento e a minimi-


zação dos impactos nos custos. As organizações entendem que esse gerenciamento
efetivamente terá um impacto positivo em seus resultados, logo, as empresas que
não dispensaram tempo e recursos financeiros para melhorar as atividades da Logís-
tica Reversa buscam, na atualidade, investir em sistemas computadorizados e mão
de obra qualificada para recuperar o tempo perdido.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 101
Sistema de Informação

Podemos citar cinco razões pelas quais as organizações devem implementar suas
próprias estratégias de Logística Reversa:

I. Permite que um comerciante receba produtos do consumidor ou envie mercado-


rias não vendidas (FIGURA 2) de volta ao fabricante para serem desmontadas, sepa-
radas, remontadas ou recicladas, minimizando os custos gerais de uma organização.

FIGURA 36 - LOGÍSTICA REVERSA: RETORNO DE PRODUTOS

Fonte> Shutterstock, 2018-09-02

II. Proporciona o aumento do ciclo de vida dos produtos, bem como a complexidade
da cadeia de suprimentos, as práticas de manutenção e as preferências do consu-
midor; que precisam ser aprimorados para manter a produtividade e o crescimento.

III. Os ganhos podem incluir: aumento da velocidade de produção, redução de custos


(transporte, manutenção administrativa e pós-venda, reparo e substituição), retenção
de clientes, melhorando as metas de serviço e atingindo as metas de sustentabilidade.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


102 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

IV. Maior valor pode ser extraído de bens usados/devolvidos, em vez de desperdiçar
mão-de-obra, tempo e custos de matérias-primas envolvidas na cadeia de suprimen-
tos original.

V. Maior satisfação e fidelidade do cliente, prestando mais atenção a produtos de-


feituosos e reparos de mercadorias. A logística reversa pode incluir a obtenção de
feedback para melhorar o entendimento das razões reais para o retorno do produto.

Uma vantagem importante de elevar a logística reversa no processo de planejamen-


to estratégico é a questão da sustentabilidade ambiental. A conformidade com as
regulamentações ambientais é a razão mais citada para a realização de melhorias
de sustentabilidade. Pensamento de ponta em logística reversa evoluiu para um en-
tendimento de que a conformidade pode levar a custos mais baixos e aumento de
produtividade.

Logística Reversa pode incluir a reciclagem de embalagens e os recursos


restantes encontrados em contêineres usados. À medida que a população
aumenta e os recursos se tornam mais escassos, o valor da reciclagem e do
reaproveitamento de recursos torna-se mais aparente. A eficiência na cadeia
de suprimentos elimina o desperdício e apoia iniciativas verdes que podem
fornecer diferenciação e vantagens competitivas em mercados lotados.

Existem várias oportunidades com logística reversa, especialmente em gerenciamen-


to de devoluções (incluindo recalls), obsolescência e reclamações de danos, reforma
/ modernização de produtos, manutenção e reparo de equipamentos, movimentos
de contêineres e iniciativas de sustentabilidade/reciclagem, incluindo a eliminação
adequada e ideal de resíduos. Muitas dessas oportunidades podem ser encontradas
através de sinergias e localização. Desta forma, podemos perceber que a Logística
Reversa oferece várias vantagens para a empresa em termos de benefícios tangíveis
e intangíveis.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 103
Sistema de Informação

No primeiro caso, as empresas podem recuperar equipamentos defeituosos e peças


que são recuperadas ou recondicionadas e, portanto, recuperam o valor das peças
defeituosas. Em segundo lugar, a embalagem e os materiais defeituosos são coleta-
dos e reciclados, gerando assim o valor da sucata de volta para a empresa. Em ter-
ceiro lugar, os equipamentos não vendidos e obsoletos são recolhidos do ponto de
venda, o que incentiva os distribuidores e os armazenistas a comprar com confiança
na empresa, sabendo que podem devolver o estoque não utilizado e, com isto, não
perder no negócio; como exemplo, podemos citar as bancas que vendem jornal im-
presso. É mais provável que os distribuidores estejam abertos para estocar todos os
produtos rapidamente.

Se um produto estiver com defeito, os consumidores o devolverão.


O fabricante precisaria organizar o envio de volta, testar o produto,
desmontá-lo, repará-lo e finalmente reciclá-lo ou descartá-lo. Esse
processo leva os produtos do consumidor de volta ao seu ponto de
origem, nomeando-o assim como “processo de logística reversa”.

6.2 DESCARTE TECNOLÓGICO

Com a alta rotatividade de tecnologia e taxas de obsolescência milhares de produtos


são descartados anualmente no mundo. O termo técnico para todo esse lixo de alta
tecnologia é o lixo eletrônico (FIGURA 37). Refere-se a produtos como TVs e compu-
tadores (incluindo teclados, monitores, mouse, impressoras, scanners e outros aces-
sórios) além de celulares, bateriais, pilhas, eletrodomésticios, lâmpadas, brinquedos,
furadeiras elétricas, marca-passos ect.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


104 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

FIGURA 37 - LIXO ELETRÔNICO

Fonte: Shutterstock, 2018

O fato é que todos os produtos citados anteriormente são atualizados constante-


mente pelo consumidor que, eventualmente, troca de tecnologia e em muitos casos,
acaba por armazenar os itens velhos em garagens, depósitos ou, simplesmente os
descartam diretamente no meio ambiente. Os eletrônicos são preenchidos com “me-
tais pesados” e substâncias químicas cancerígenas que estão bem quando você os
está usando, mas não tanto quando estão em um aterro ou, pior, quando as pessoas
os reciclam incorretamente. Milhares de toneladas de lixo eletrônico são enviadas ao
meio ambiente anualmente (FIGURA 4), o que coloca liberando no ar substâncias
tóxicas como mercúrio e chumbo no ar.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 105
Sistema de Informação

FIGURA 38 - ATERRO SANITÁRIO: DESCARTE DE LIXO ELETRÔNICO

Fonte: Shutterstock, 2018

Esforços estão sendo feitos para descartar os eletrônicos de maneira


mais responsável, como exemplo, destacamos a Apple, uma
multinacional norte-americana, que iniciou a alguns anos a troca de
celulares, oferecendo aos consumidores o crédito para a compra de
novos telefones. Uma empresa quando realiza esse tipo de troca, pode
revender o produto, como acontece com a indústria de aeronaves que,
após finalizado o ciclo de vida em uma empresa, passa por manutenção
e, após adaptações, são reclocadas em operação.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


106 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

A reciclagem eletrônica é o processo de fornecer equipamentos


eletrônicos que não precisamos mais para um fornecedor
de reciclagem eletrônica que os processa ou converte em
equipamentos novos e úteis. Na reciclagem podem ser
extraidos ainda componentes valiosos que podem ser usados
individualemente ou no processamento de outros produtos
(indústria).

Listados aqui estão os vários tipos de equipamentos eletrônicos que precisamos para
reciclar para que os mesmos não se tornem lixo eletrônico:

• Os telefones celulares, laptops e similares contêm muitos materiais tóxicos,


incluindo cádmio, chumbo, arsênico e mercúrio que são prejudiciais ao meio
ambiente. Esses, quando descartados de forma errada, tornam-se uma fonte
de degradação ambiental. No entanto, são contidos nesses aparelhos precio-
sos metais não renováveis que poderiam ser recuperados se enviados a uma
empresa de reciclagem eletrônica de forma adequada.

• As placas de circuito impresso contidas em telefones celulares, iPads e lap-


tops são fundidas para recuperar recursos não renováveis, como prata, esta-
nho, ouro, paládio, cobre e outros metais valiosos.

• As baterias são descascadas para retirar o plástico. Os metais são fundidos em


condições especializadas para recuperar níquel, aço, cádmio e cobalto que são
reutilizados para a produção de novas baterias e fabricação de aço inoxidável.

• Eletrodomésticos antigos, como DVDs, Televisores, Projetores de Vídeo, Caixas


de Conversão, Receptores a Cabo e Satélite, Acessórios para Jogos, Ventilado-
res, Fogões Elétricos e Aquecedores, Rádios, Frigoríficos e Congeladores, Mi-
croondas, Ferros Elétricos, Ar Condicionado e Máquinas de Lavar Roupa são
todos recicláveis. A maioria desses dispositivos contém plásticos e metais que
podem ser transformados novamente em produtos úteis.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 107
Sistema de Informação

• Dispositivos musicais digitais, tais como, CD players, MP3, rádios, aparelhos de


som, alto-falantes, leitores de DVD podem ser reciclados.

• Acessórios de computador antigos, como cabos, cabos, fiação, teclados, mou-


se, dispositivos apontadores, monitores, máquinas de fax, parafusos, scanners
e impressoras podem ser reciclados.

As tecnologias de reciclagem usam materiais residuais para fabricar novos produtos.


No processo estão envolvidas as atividades de coleta de materiais recicláveis, fabri-
cação ou reprocessamento, e venda. A reciclagem reduz a quantidade de resíduos
enviados para aterros sanitários, conserva os recursos naturais e economiza energia,
reduzindo assim as emissões de gases de efeito estufa. Várias técnicas foram desen-
volvidas para reciclar plásticos, vidro, metais, papel, madeira e lixo eletrônico e, apesar
da pressão do consumidor, a indústria de reciclagem demorou a responder para a
humanidade. A reciclagem é um negócio de margem fina ou seja, não se pode inves-
tir em tecnologias que não proporcionam um retorno positivo a curto prazo.

6.3 LOGÍSTICA REVERSA: TENDÊNCIAS

As tendências em relação à logística reversa são muitas, desde a terceirização até a


implantação de sofisticados sistemas de informação para o gerenciamento estratégi-
co. Abaixo estão listadas mais algumas:

• Colaboração entre as equipes

Planejamento e colaboração em gerenciamento de dados estratégicos entre as equi-


pes da empresa, incluído o ambiente externo, ajudarão a organização a desenvolver
consistência ao longo de um complexo processo de devoluções, por exemplo. Os
dados coletados podem identificar o motivo do retorno e a incapacidade do cliente
de usar o produto. Essas informações podem ser usadas para reprojetar o produto,
implementar um número gratuito para solucionar problemas de configuração ou
criar uma imagem ilustrada de procedimentos de configuração para reduzir a proba-
bilidade de devolução. Em última análise, a consistência no manuseio de devoluções
acelerará o fluxo de logística reversa, recuperará mais valor, reduzirá os custos de ma-
nuseio de devoluções e melhorará a satisfação do cliente.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


108 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

• Tecnologia

A implementação de sofisticados sistemas de informação possibilitarão o gerencia-


mento de dados que poderão melhorar a comunicação entre o fabricante e o vare-
jista, melhorando a manutenção do portal da empresa, identificando a validade do
retorno e assegurando que o crédito apropriado seja emitido como resultado do re-
torno. Os dados são críticos em qualquer organização porque um gerente não pode
gerenciar o que não é medido e rastreado. Boas decisões de negócios vêm do bom
gerenciamento de dados. O rastreamento de dados em todas as operações, onde re-
tornos ou infraestruturas de reciclagem podem não estar totalmente desenvolvidos,
permite lições aprendidas e colaboração para melhorar o gerenciamento de mate-
riais na cadeia reversa.

• Automação Facilitando Comunicações

O gerenciamento de dados e a automação de processos orientarão o gerenciamento


de retornos, desenvolvendo uma cadeia de fornecimento de malha fechada. É im-
portante identificar quais dados devem ser coletados e limitar a tomada de decisões
àqueles que estão em posição de ver a visão geral por meio da análise de dados e for-
necer ferramentas para auxiliar na manutenção dos retornos. Políticas e procedimen-
tos de retorno são muitas vezes confusos e não são comunicados fora da área que está
diretamente envolvida com devoluções. Torna-se mais problemático em toda a oferta,
especialmente no ponto de coleta em lojas de varejo, onde a rotatividade de funcio-
nários é tradicionalmente alta. Ao considerar um plano de comunicação automatiza-
do estratégico, muitos aspectos devem ser considerados tais como a identificação de
critérios associados à qualidade do produto, instruções de serviço, custos de transpor-
te, potencial recuperação de lucros e riscos materiais potencialmente perigosos.

• Terceirização

Muitas indústrias estão procurando terceirizar as atividades de gerenciamento de de-


voluções o que está exigindo a criação de soluções baseadas na Web que abrangerão
várias organizações em toda a cadeia de suprimentos, vários fusos horários e várias
mudanças de trabalho para fornecer informações sob demanda. As soluções inte-
gradas ajudarão as organizações a adotar tecnologias colaborativas de comunicação
que impulsionarão os processos de tomada de decisão e a consistência em toda a
cadeia de suprimentos. O valor pode ser extraído dos processos de logística reversa,
otimizando, rastreando e reconciliando o inventário, ao mesmo tempo em que forne-
ce recursos de suporte à tomada de decisões.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 109
Sistema de Informação

A computação em nuvem (FIGURA 4) está começando a evoluir dentro da logística


reversa, fornecendo aos fabricantes e prestadores de serviços de logística entregando
seus produtos, melhor controle e visibilidade de produtos devolvidos ou recusados
com facilidade em um sistema colaborativo.

FIGURA 39 - COMPUTAÇÃO EM NUVEM

Fonte: Shutterstock, 2018

Esses sistemas são projetados para facilitar a eficiência na colaboração e na comu-


nicação. A nuvem comunica dados internos externamente com mais facilidade. Um
parceiro na cadeia de suprimentos não se depara com atrasos de seus parceiros for-
necendo relatórios, trabalhando com os dados para integrá-los em seus sistemas ou
analisando manualmente esses relatórios para capturar as informações de que pre-
cisam. Esse tipo de colaboração maximizará os níveis de serviço, além de identificar
possíveis riscos que justificariam melhorias ou reprojeto do produto.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


110 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

CONCLUSÃO
Podemos concluir que a logística reversa varia de acordo com a indústria e a posição
do canal. Indústrias onde os retornos são uma parcela maior do custo operacional
tendem a ter melhores sistemas e processos de logística reversa. Vimos que ao longo
da história, houve a evolução da logística para cadeia de suprimentos e, na atualida-
de, há uma tendência de evolução da logística reversa. Esta, por sua vez, continua a
evoluir para melhorar a transparência em toda a cadeia de suprimentos, reduzindo
os riscos, os custos e os impactos ambientais em toda a cadeia de fornecimento, con-
centrando-se no desenvolvimento de relacionamentos colaborativos.

As empresas perceberam que mesmo com o retorno de produtos, problemas na


entrega e produtos obsoletos e com defeitos, elas poderiam diminuir os custos logís-
ticos ou, até mesmo, melhorar os resultados quando reciclam produtos. As empresas
perceberam também que com a alta rotatividade de tecnologia e taxas de obso-
lescência milhares de produtos são descartados anualmente no mundo. Podemos
concluir também que as principais tendências em relação à logística reversa são a co-
laboração entre as equipes, as questões tecnológicas, a automação e a terceirização,
sem deixar de mencionar a computação em nuvem que está começando a evoluir
dentro da logística reversa, fornecendo aos fabricantes e prestadores de serviços de
logística entregando seus produtos, melhor controle e visibilidade de produtos devol-
vidos ou recusados com facilidade em um sistema colaborativo.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 111
Sistema de Informação

REFERÊNCIAS
AUDY, J. L. N.; ANDRADE, G. K. de; CIDRAL, A. Fundamentos de sistemas de informação.
Porto Alegre: Bookman, 2007.

BEAL, A. O sistema de informação como estratégia empresarial. São Paulo: Atlas, 2001.

GAMBLE, P. R., BLACKWELL, J. Knowledge Management: A State of the Art Guide, Kogan
Page, London, 2001.

GONÇALVES, Rosana C. M. Grillo; RICCIO, E. L. Sistemas de informação: ênfase em contro-


ladoria e contabilidade. São Paulo: Atlas, 2009.

LAUDON, K. C. S.; JANE, P. Sistemas de informações gerenciais: administrando a empre-


sa digital. São Paulo: Prentice Hall, 2004.

STAIR, R. M. Princípios de sistemas de informação: uma abordagem gerencial. São Pau-


lo: Cengage Learning, 2008.

DIAS, D.; GAZZANEO, G. Projeto de Sistemas de Processamento de Dados. São Paulo: Ed.
LTC, 1975.

LAURINDO, F.J.B.; MESQUITA, M.A. Material Requirements Planning: 25 anos de histó- ria;
uma revisão do passado e prospecção do futuro. Revista Gestão & Produção, São Carlos,
v.7, n.3, p.320-337, dez. 2000, edição especial sobre Planejamento e Controle da Produção.

SILVA, F. D. et al. Tecnologia da Informação Gerando Competitividade nas Empresas.


Revista Factus, São Paulo, v. 65, n. 003, p. 33-50, abr. 2002.

ALBERTÃO, S. E. Sistemas de gestão empresarial: metodologia para avaliação, seleção e


implantação. São Paulo: Iglu, 2001. 102 p.

SANTOS, A. A. dos. Integração do MRPII ao ERP: estudo de caso de uma empresa ae-
ronáutica. Dissertação de Mestrado. Instituto Tecnológico de Aeronáutica. São José dos
Campos-SP, 2003.

FACELI, K. Inteligência artificial: uma abordagem de aprendizagem de máquina. Rio de


Janeiro: LTC, 2011.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


112 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
Sistema de Informação

LAUDON, K. C. S.; JANE, P. Sistemas de informações gerenciais: administrando a empre-


sa digital. São Paulo: Prentice Hall, 2004.

ROSA, J. L. G. Fundamentos da inteligência artificial. Rio de Janeiro: LTC, 2011.

STAIR, R. M. Princípios de sistemas de informação: uma abordagem gerencial. São Pau-


lo: Cengage Learning, 2008.

FACELI, K. Inteligência artificial: uma abordagem de aprendizagem de máquina. Rio de


Janeiro: LTC, 2011.

GONÇALVES, Rosana C. M. Grillo; RICCIO, E. L. Sistemas de informação: ênfase em contro-


ladoria e contabilidade. São Paulo: Atlas, 2009.

LAUDON, K. C. S.; JANE, P. Sistemas de informações gerenciais: administrando a empresa


digital. São Paulo: Prentice Hall, 2004.

STAIR, R. M. Princípios de sistemas de informação: uma abordagem gerencial. São Paulo:


Cengage Learning, 2008.

DIAS, D.; GAZZANEO, G. Projeto de Sistemas de Processamento de Dados. São Paulo: Ed.
LTC, 1975.

LAURINDO, F.J.B.; MESQUITA, M.A. Material Requirements Planning: 25 anos de histó- ria;
uma revisão do passado e prospecção do futuro. Revista Gestão & Produção, São Carlos,
v.7, n.3, p.320-337, dez. 2000, edição especial sobre Planejamento e Controle da Produção.

SILVA, F. D. et al. Tecnologia da Informação Gerando Competitividade nas Empresas. Re-


vista Factus, São Paulo, v. 65, n. 003, p. 33-50, abr. 2002.

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017
SUMÁRIO 113
Sistema de Informação

CONHEÇA TAMBÉM NOSSOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA NAS ÁREAS DE:

SAÚDE • EDUCAÇÃO • DIREITO • GESTÃO E NEGÓCIOS

EAD. MU LTIVIX.EDU.BR

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA/EAD


114 SUMÁRIO
Credenciada pela portaria MEC nº 767, de 22/06/2017, Publicada no D.O.U em 23/06/2017

Você também pode gostar