Você está na página 1de 6

Introdução a Física do Estado Sólido: Quarta

Lista - Capítulo 19 e 20 Ashcroft

Sergio Levy Nobre dos Santos

Matrícula: 404978

March 10, 2021

1. 1.19

a-) temos a pertubação U dada por:


" Z
! Z
#
2 Z2 X Z Z X 1
U =e − (1)
+ (2)
+ (1) (2)
R i=1 |R − ri | ri i,j=1 |ri − rj |
Calculando a correção de primeira ordem para o estado fundamental h0| U |0i,
temos:
Z
" ! Z
#
Z2 X 2 Z Z X 1
h0| U |0i = e h0| − (1)
+ (2) + (1) (2)
|0i
R i=1 |R − ri | ri i,j=1 |ri − rj |
" Z
! Z
#
1 X 1 1 X 1
= e2 Z 2 h0| |0i − Z h0| (1)
|0i + Z h0| (2) |0i + h0| (1) (2)
|0i
R i=1 |R − r | r i,j=1 |r − r |
i i i j

Como R é xo, o seu módulo também é. Logo temos:


" Z
! Z #
2 Z2 X 1 1 X 1
h0| U |0i = e − Z h0| (1)
|0i+Z h0| (2) |0i + h0| (1) (2)
|0i
R i=1 |R − r | r i,j=1 |r − r |
i i i j

Podemos representar h0| U |0i como:


Z
! Z
! Z
e2 Z 2 X Ze X Ze 2
X 1
h0| U |0i = −e h0| (1)
|0i −e h0| (2) |0i +e h0| (1) (2)
|0i
R i=1 |R − ri | i=1 ri i,j=1 |ri − rj |
em que as densidades de carga no estado fundamental podem ser escritos
como:
Z
X Ze
ρ(r11 , r12 , ......, r1Z ) = h0| (1)
|0i
i=1 |R − ri |
Z
X Ze
ρ2 (r21 , r22 , ......, r2Z ) = h0| (2)
|0i
i=1 ri

1
Logo, a correção de primeira ordem h0| U |0i é dada por:
Z
e2 Z 2 X 1
h0| U |0i = − e[ρ1 + ρ2 ] + e2 h0| (1) (2)
|0i
R i,j=1 |r − r |
i j

b-)
Como não temos orvelap entre as densidades ρ1 (r) e ρ2 (r), isso signica
que a interação elétron-elétron e2 Zi,j=1 h0| |r(1) −r
1
(2) |0i pode ser desprezada,
P
i j |
fazendo h0| U |0i ser como:
e2 Z 2
h0| U |0i ≈ − e[ρ1 + ρ2 ]
R
Por não termos orvelap, isso signica que a distância R entre os átomos é
grande, fazendo com consideramos apenas a correção de primeira ordem
para a energia
∆E = h0| U |0i
Logo, por ρ1 e ρ2 serem esfericamente simétrica, isso implica que a con-
tribuição média na energia ∆E pode ser desprezada uma vez que ρ1 e ρ2
são muito pequenas quando consideradas em unidade de volume. Logo
∆E vale:
2 2
e Z
∆E ≈
R
Como R é muito grande, então podemos aproximar ∆E como nulo.
∆E ≈ 0

2. 1.20

a-)

Tendo que a energia do estado fundamental do oscilador harmônico quân-


tico é 21 h̄ω , a energia potencial deve satisfazer:
1 1
M ω 2 (∆r)2 = u00 (r)(∆r)2
2 2
em que h  r 12  r 6 i
u = 2 A12 − A6 (1)
σ σ
Com isso, temos que ω pode ser dado por:
 r r 2
ω=h
σ M σ2
em que
r r  r 14  r 8
h = 156A12 − 42A6
σ σ σ

2
Logo, tendo que a variação da energia u é 12 h̄ω , tendo que h̄ = 2π ,
h
temos
r
h r 2
∆u = h̄ω = h
2π σ M σ2
1 r h
∆u =  √ h √
2π σ σ M 
tendo que Λ = √h ,
σ M
temos:
1 r
∆u = Λ √ h
2π σ
   
temos que f σr = √12π h σr . Logo, ∆u é dado por:
r
∆u = Λf
σ

b-)

tendo que rc seria o ponto de minimização, temos que a energia corrigida


ū pode ser dado por:
ū = u + ∆u
tomando sua derivada em valores próximos de rc , temos:
ū0 (rc + ∆r) = u0 (rc + ∆r) + ∆u0 (rc + ∆r) = 0

que é nulo em virtude de rc ser um ponto de mínimo.

Tendo a equação:
u0 (rc + ∆r) + ∆u0 (rc + ∆r) = 0

Podemos representar u0 (rc + ∆r) como u0 (rc + ∆r) = u00 (rc )∆r (Teorema
do valor médio) ∆u0 (rc + ∆r) ≈ ∆u0 (rc ) ja que rc >> ∆r . Logo, temos:
u00 (rc )∆r + ∆u0 (rc ) = 0

Logo, ∆r é dado por:


 
1 0 rc
∆u (rc ) 0 Λ √
π 2
h σ
∆r = − 00 =− h  i2
u (rc ) 2 rc
σ2 h σ
 
Tendo que h0 rc
σ é dado por:
r 
c 1  σ 14 σ8 
h0 =− 2184A12 15 − 336A6 9
σ 2h rc rc

3
Logo ∆r
rc pode ser dado por:
 
1 0 rc
∆r Λ π√ 2
h σ
= − h  i2
rc 2rc  rc
σ2 h σ
1
Λ π√ 2
 σ 14 σ8 
= h  i3 2184A12 15 − 336A6 9
4rc  rc rc rc
σ2 h σ
1
Λ π√ 2 1  σ 16  σ 10 
= h  i3 2 2184A12 − 336A6
4 rc σ rc rc
σ2 h σ
Λ   σ 16  σ 10 
= √ 3 2184A 12 − 336A 6
rc rc
h  i
4π 2 h rσc

Logo ∆r
rc é:
∆r σ
= Λg
rc rc
 
em que g σ
rc é:
σ 1   σ 16  σ 10 
g = √ 3 2184A 12 − 336A 6
rc rc rc
h  i
4π 2 h rσc

c-)

Calculando u ,
∆u
temos:
 
r
∆u Λf σ
= h  12  6 i
u
2 A12 σr − A6 σr
 
r
∆u f σ
=Λ h  12  6 i
u
2 A12 σr − A6 σr

Logo, podemos escrever ∆u


u como:
∆u r
= Λξ
u σ
em que  
r f σr
ξ = h  12  6 i
σ
2 A12 σr − A6 σr

4
3. 20.2
Tendo que a energia por par de íon no N aCl pode ser dada por:
αe2 C
u(r) = − + m
r r

em função da energia coulombiana − αer dada em função dos primeiros


2

vizinhos de um íon N a+ .

Tendo B0 é dado por


1 d2 u
B0 =
18r0 dr2

r=r0

em que r = r0 é ponto de mínimo (estabilidade do potencial). Calculamos,


então dr2
d2 u
r=r0
" #
du αe2 m  r0 m+1 m  r0 2
= − +
dr mr0 r0 r r0 r

Tomando a segunda derivada, temos:


" #
d2 u αe2 m(m + 1)  r0 m+2 2m  r0 3
= − 2
dr2 mr0 r02 r r0 r

Fazendo, então, d2 u
dr 2 , temos:
r=r0
" #
d2 u αe2 m(m + 1) 2m αe2
= − = (m − 1)
dr2 mr0 r02 r02 r03

r=r0

Logo, B0 é dado por:


1 αe2
B0 = (m − 1)
18r0 r03

Tendo que a energia de atração coulombiana ucoul (r) = − αer , podemos


2

reescrever B0 como:
(m − 1)
B0 = |ucoul (r0 )|
18r03
implicando na formula mencionada abaixo.
8r03 B0
m=1+
|ucoul (r0 )|

5
4. 20.3
Tendo u(r) em função de Z .
αe2 Z
u(r) = − + m
r r
tendo que r0 o ponto de mínimo potencial:
1
 mZ  m−1
r0 =
αe2
tomando u(r0 ), temos:
αe2 Z
u(r0 ) = − 1
 m−1 + m
 m−1
mZ mZ
αe2 αe2
1
 mZ  1−m m
 mZ  1−m
= −αe2 +Z
αe2 αe2
1
 mZ  1−m m
 mZ  1−m
= −αe2 +Z
αe2 αe2
1 m  1
 mZ  1−m  m  1−m Z 1−m 
2
= −αe + 2 m
αe2 e α 1−m
1 1 m  1
 m  1−m αZ 1−m  m  1−m Z  1−m
= −e2 2 1 +
e α 1−m e2 αm
1 
 m  1−m 1 m  1
Z 1−m
  m 1−m Z  1−m

= −e2 2 +
e αm e2 αm
m 1
1 
 m  1−m α m−1
 m 1−m αm  m−1
 m  1

= −e2 2 + 2
e Z e Z
Então u(r0 ), que é a energia coesiva no equilíbrio, é dado por:
" #
 αm  m−1
1 m
 m  1−m 1
 m  1−m
u(r0 ) = − e2 2
Z e2 e

Para m muito grande m >> 1, podemos representar u(r0 ) como:


" #
 αm  m1  m −1  − m1
2 m
u(r0 ) = −e
Z e2 e2

Para m muito pequeno m << 1, podemos representar u(r0 ) como:


" #
 αm −1  m m
2 m
 
u(r0 ) = −e
Z e2 e2

Você também pode gostar