Você está na página 1de 6

Origens do rock

Este gênero musical de grande sucesso surgiu nos Estados Unidos nos anos 50 (década de
1950).. Inovador e diferente de tudo que já tinha ocorrido na música, o rock unia um ritmo
rápido com pitadas de música negra do sul dos EUA e o country. Uma das características
mais importantes do rock era o acompanhamento de guitarra elétrica, bateria e baixo. Com
letras simples e um ritmo dançante, caiu rapidamente no gosto popular. Apareceu pela
primeira vez num programa de rádio no estado de Ohio (EUA), no ano de 1951.

A rock na década de 1950 : primeiros passos

É a fase inicial deste estilo, ganhando a simpatia dos jovens que se identificavam com o
estilo rebelde dos cantores e bandas. Surge nos EUA e espalha-se pelo mundo em pouco
tempo. No ano de 1954, Bill Haley lança o grande sucesso Shake, Rattle and Roll. No ano
seguinte, surge no cenário musical o rei do rock Elvis Presley. Unindo diversos ritmos como
a country music e o rhythm & blues. O roqueiro de maior sucesso até então, Elvis Presley
lançaria o disco, em 1956, Heartbreaker Hotel, atingindo vendas extraordinárias. Nesta
década, outros roqueiros fizeram sucesso como, por exemplo, Chuck Berry e Little Richard.

O rock nos anos 60: rebeldia e transgressão

Esta fase marca a entrada no mundo do rock da banda de maior sucesso de todos os tempo :
The Beatles. Os quatro jovens de Liverpool estouram nas paradas da Europa e Estados
Unidos, em 1962, com a música Love me do. Os Beatles ganham o mundo e o sucesso
aumentava a cada ano desta década.
A década de 1960 ficou conhecida como Anos Rebeldes, graças aos grandes movimentos
pacifistas e manifestações contra a Guerra do Vietnã. O rock ganha um caráter político de
contestação nas letras de Bob Dylan. Outro grupo inglês começa a fazer grande sucesso :
The Rolling Stones.
No final da década, em 1969, o Festival de Woodstock torna-se o símbolo deste período.
Sob o lema "paz e amor", meio milhão de jovens comparecem no concerto que contou com
a presença de Jimi Hendrix e Janis Joplin.
Bandas de rock que fizeram sucesso nesta época : The Mamas & The Papas, Animals, The
Who, Jefferson Airplane, Pink Floyd, The Beatles, Rolling Stones, The Doors.

O rock nos anos 70 : disco music, pop rock e punk rock

Nesta época o rock ganha uma cara mais popular com a massificação da música e o
surgimento do videoclipe. Surge também uma batida mais forte e pesada no cenário do
rock. É a vez do heavy metal de bandas como Led Zeppelin, Black Sabbath e Deep Purple.
Por outro lado, surge uma batida dançante que toma conta das pistas de dança do mundo
todo. A dance music desponta com os sucessos de Frank Zappa, Creedence Clearwater,
Capitain Beefheart, Neil Young, Elton John, Brian Ferry e David Bowie.
Bandas de rock com shows grandiosos aparecem nesta época : Pink Floyd Genesis, Queen e
Yes.
Anos 80 : um pouco de tudo no rock

A década de 1980 foi marcada pela convivência de vários estilos de rock. O new wave faz
sucesso no ritmo dançante das seguintes bandas: Talking Heads, The Clash, The Smith, The
Police.
Surge em Nova York uma emissora de TV dedicada à música e que impulsiona ainda mais
o rock. Esta emissora é a MTV, dedicada a mostrar videoclipes de bandas e cantores.
Começa a fazer sucesso a banda de rock irlandesa chamada U2 com letras de protesto e com
forte caráter político. Seguindo um estilo pop e dançante, aparecem Michael Jackson e
Madonna.

Anos 90 : década de fusões e experimentações

Esta década foi marcada por fusões de ritmos diferentes e do sucesso, em nível mundial, do
rap e do reggae. Bandas como Red Hot Chili Peppers e Faith no More fundem o heavy
metal e o funk, ganhando o gosto dos roqueiros e fazendo grande sucesso.
Surge o movimento grunge em Seattle, na California. O grupo Nirvana, liderado por Kurt
Cobain, é o maior representante deste novo estilo. R.E.M., Soundgarden, Pearl Jam e Alice
In Chains também fazem sucesso no cenário grunge deste período.
O rock britânico ganha novas bandas como, por exemplo, Oasis, Green Day e Supergrass.

O Rock no Brasil

O primeiro sucesso no cenário do rock brasileiro apareceu na voz de uma cantora. Celly
Campello estourou nas rádios com os sucessos Banho de Lua e Estúpido Cupido, no
começo da década de 1960. Em meados desta década, surge a Jovem Guarda com cantores
como, por exemplo, Roberto Carlos, Erasmo Carlos e Wanderléa. Com letras românticas e
ritmo acelerado, começa fazer sucesso entre os jovens.
Na década de 1970, surge Raul Seixas e o grupo Secos e Molhados. Na década seguinte,
com temas mais urbanos e falando da vida cotidiana, surgem bandas como: Ultraje a Rigor,
Legião Urbana, Titãs, Barão Vermelho, Kid Abelha, Engenheiros do Hawaii, Blitz e Os
Paralamas do Sucesso.
Na década de 1990, fazem sucesso no cenário do rock nacional : Raimundos, Charlie Brown
Jr., Jota Quest, Pato Fu, Skank entre outros.

Você sabia?

- Comemora-se em 13 de julho o Dia Mundial do Rock.


Rock é um termo abrangente que define o gênero musical popular que se desenvolveu
durante e após a década de 1950. Suas raízes se encontram no rock and roll e no rockabilly
que emergiu e se definiu nos Estados Unidos da América no final dos anos quarenta e início
dos cinqüenta, que evoluiu do blues, da música country e do rhythm and blues, entre outras
influências musicais que ainda incluem o folk, o gospel, o jazz e a música clássica. Todas
estas influências combinadas em uma simples estrutura musical baseada no blues que era
"rápida, dançável e pegajosa".

No final dos década de 1960 e início dos anos setenta, o rock desenvolveu diferentes
subgêneros. Quando foi misturado com a folk music ou com o blues ou com o jazz,
nasceram o folk rock, o blues-rock e o jazz-rock respectivamente. Na década de 1970, o
rock incorporou influências de gêneros como a soul music, o funk e de diversos ritmos de
países latino-americanos. Ainda naquela década, o rock gerou uma série de outros
subgêneros, tais como o soft rock, o glam rock, o heavy metal, o hard rock, o rock
progressivo e o punk rock. Já nos anos oitenta, os subgêneros que surgiram foram a New
Wave, o punk hardcore e rock alternativo. E na década de 1990, os sub-gêneros criados
foram o grunge, o britpop, o indie rock e o nu metal.

O som do rock muitas vezes gira em torno da guitarra elétrica ou do violão e utiliza um
forte backbeat (contratempo) estabelecido pelo ritmo do baixo elétrico, da bateria, do
teclado, e outros instrumentos como órgão, piano, ou, desde a década de 1970,
sintetizadores digitais. Junto com a guitarra ou teclado, o saxofone e a gaita (estilo blues)
são por vezes utilizados como instrumentos solo. Em sua "forma pura", o rock "tem três
acordes, um forte e insistente contratempo e uma melodia cativante".

A maioria dos grupos de rock são constituídos por um vocalista, um guitarrista, um baixista
e um baterista, formando um quarteto. Alguns grupos omitem uma ou mais destas funções
e/ou utilizam um vocalista que toca um instrumento enquanto canta, às vezes formando um
trio ou duo; outros ainda adicionam outros músicos, como um ou dois guitarristas e/ou
tecladista. Mais raramente, os grupos também utilizam saxofonistas ou trompetistas e até
instrumentos como violinos com cordas ou cellos.

O Rock and roll surgiu nos subúrbios dos Estados Unidos no final da anos 1940 e início da
década de 1950 e rapidamente se espalhou para o resto do mundo. Suas origens imediatas
remontam a uma mistura entre vários gêneros musicais populares da cultura negra naquele
momento, incluindo o rhythm and blues, a gospel music, o country e o western.[2] Em 1951,
na cidade de Cleveland (no Estado do Ohio), o discotecário Alan Freed começou a tocar
rhythm and blues para uma plateia multi-racial e a ele é creditado a primeira utilização da
expressão "rock and roll" para descrever a música.

Existe muita discussão sobre qual deveria ser considerada a primeira gravação rock & roll.
Uma forte candidata é "Rocket 88", de Jackie Brenston e os Delta Cats (na verdade, Ike
Turner e sua banda The Kings of Rhythm), gravada e lançada pela Sun Records de Sam
Philips em 1951.[4][5] Quatro anos depois, em 1955, "Rock Around the Clock" de Bill Haley
se tornou a primeira canção de rock and roll a chegar ao topo da parada de vendas e
execuções da revista Billboard e abriu caminho mundialmente para esta nova onda da
cultura popular. Mas uma edição da revista Rolling Stone de 2004 argumentou que "That's
All Right (Mama)", de 1954, o primeiro single de Elvis Presley (com Scotty Moore na
guitarra e Bill Black no baixo) para a Sun Records em Memphis foi o primeiro registro de
rock and roll na história e a criação do som "rockabilly" caractéristico da Sun Records..[6][7]
[8]
Mas, àquela altura, "Shake, Rattle & Roll" de Big Joe Turner, posteriormente regravada
por Haley, já estava no topo da parada R&B da Billboard. Outros artistas que lançaram os
primeiros sucessos do rock and roll foram Chuck Berry, Bo Diddley, Fats Domino, Little
Richard, Jerry Lee Lewis e Gene Vincent.

A década de 1950 assistiu ao crescimento da popularidade da guitarra elétrica e o


desenvolvimento de um estilo de rock and roll especificamente tocado por expoentes tais
como Berry, Link Wray e Scotty Moore. Também viu grandes avanços na tecnologia de
gravação, como a gravação multi-faixas desenvolvida por Les Paul e o tratamento
eletrônico de sons por produtores musicais inovadores como Joe Meek. Todos estes
avanços foram fundamentais para a influência do rock posteriormente.

Os efeitos sociais do rock and roll foram massivos e mundiais. Muito além de um simples
estilo musical, o rock and roll influenciou estilos de vida, moda, atitudes e linguagem.
Alguns acreditam que o novo gênero pôde ter ajudado a causa do movimento dos direitos
civis nos EUA, porque tanto jovens brancos quanto negros apreciavam a nova música. No
entanto, até o início da década de 1960, grande parte do impulso inicial musical e do
radicalismo social do rock and roll tinha se dissipado, com o crescimento de ídolos teen,
uma ênfase nas danças frenéticas e o desenvolvimento de uma leve música pop adolescente.
Nos anos 1960 surgiu o som da Motown. De 1961 a 1971, havia 110 músicas da gravadora
na listas das 10 mais tocadas, e artistas como Stevie Wonder, Marvin Gaye, The Supremes,
The Four Tops, e The Jackson 5, todos gravaram na Motown. Todos os cinco artistas da
Motown foram introduzidos no Rock and Roll Hall of Fame.

As bandas de rock progressivo foram além das fórmulas estabelecidas dentro do rock e
passaram a experimentar diferentes instrumentos, tipos de canções e formas musicais.
Algumas bandas como Beatles, Eric Burdon & The Animals, Pink Floyd, Moody Blues e
Procol Harum experimentaram novos instrumentos que incluindo seções com instrumentos
de sopro e orquestras. Muitas dessas bandas caminharam das convencionais canções de três
minutos em direção a composições mais longas, com acordes cada vez mais sofisticados.
Inspirados em artistas daquela época, os "proto-prog", novas bandas surgiram e criavam
seu próprio gênero, inicialmente baseado no Reino Unido, depois do lançamento do disco
de estréia do grupo King Crimson, em 1969, chamado "In the Court of the Crimson King".

As bandas de rock progressivo tomavam emprestado idéias musicais da música clássica, do


jazz, da música eletrônica e da música experimental. Suas canções variavam de uma belas e
exuberantes melodias para atonais, dissonantes, e complexas harmonias. Poucos grupos
atingiram grande sucesso comercial, mas muitos formaram uma legião de seguidores, entre
os quais, Pink Floyd, Yes, Marillion, Rush, Jethro Tull, Genesis e alguns outros grupos
menos notáveis que foram capazes de alavancar a complexidade de suas canções no bojo de
sucesso convencionais, angariando um público maior.

As primeiras bandas de rock alternativo - R.E.M., The Feelies e Violent Femmes -


combinaram suas influências punks com outras de folk music e do rock mainstream
(comercial). Destas, o R.E.M. foi a de maior êxito imediato; seu álbum de estréia
"Murmur", de 1983, figurou no Top 40 da Billboard e inspirou uma série de seguidores, as
bandas de jangle pop.[13] Uma das muitas cenas do jangle pop no começo dos anos oitenta
foi a "Paisley Underground", em Los Angeles, que buscava inspiração em artistas da
década de 1960 e incorporar a psicodelia, as ricas harmonias vocais e a interação da
guitarra do folk rock, bem como de bandas que influenciaram movimentos musicais
underground como o Velvet Underground

Selos independentes estadunidenses como SST Records, Twin/Tone Records, Touch & Go
Records e Dischord Records ocuparam posição de destaque na mudança do cenário
underground nos EUA dominado pelo hardcore punk em direção a diversos estilos do rock
alternativo que emergiriam a partir dos anos oitenta.[14] Bandas como Hüsker Dü e The
Replacements, amabas da cidade de Minneapolis, eram indicativos desta tendência. Estes
dois grupos começaram como bandas de punk rock, mas logo diversificaram os seus sons e
se tornaram mais melódicas,[13] culminando nos respectivos álbuns "Zen Arcade" e "Let It
Be" (ambos de 1984). Eles foram aclamados pela crítica e chamaram a atenção para o
florescimento do sub-gênero musical. Naquele mesmo ano, a SST Records também lançou
os primeiros trabalhos dos grupos Minutemen e Meat Puppets, que misturavam punk com
funk e country music, respectivamente.

O R.E.M. e o Hüsker Dü foram modelos para uma grande parte dos artistas alternativos dos
anos oitenta, de forma que conseguiriam aproximar suas carreiras.[13] Na segunda metade
daquela década, a cena alternativa e as rádios universitárias norte-americanas eranm
dominadas pelas chamadas bandas college rock, como The Pixies, They Might Be Giants,
Camper Van Beethoven, Dinosaur Jr e Throwing Muses - bem como por sobreviventes do
post-punk britânico. Outro estilo ascendente dentro do rock alternativo foi o noise rock das
bandas Sonic Youth, Big Black, Butthole Surfers, entre outras. No final daquela década, um
número crescente de grupos alternativos assinavam contratos com grandes gravadoras.
Enquanto no início grandes gravadoras que assinaram com o Hüsker Dü e os Replacements
obtiveram pouco sucesso, outros artistas que seguiram o mesmo caminho e também
assinaram com grandes selos, como os casos do R.E.M. do Jane's Addiction, alcançaram
grandes vendagens de discos que conduziram anos depois em uma ruptura com o
alternativo.[15][16] Algumas bandas como os Pixies tiveram um grande sucesso no exterior,
enqaunto eram igonorados em nível local.[13] No início da década de 1990, a indústria
fonográfica was abuzz about possibilidades de comercialização do rock alternatico e
ativamente incitou grupos alternativos como o Dinosaur Jr, Firehouse e Nirvana.

Numa época em que a Bossa Nova predominava, o rock desembarcou no Brasil no início da
década de 1960. Os primeiros sucessos de rock genuinamente brasileiros foram "Banho de
Lua" e "Estúpido Cupido", da cantora Celly Campelo, no começo daquela década. Ainda
nos anos sessenta, surgiu a Jovem Guarda, primeiro movimento do rock no país e de
sucesso entre boa parte da juventude brasileira. Inspirado nas letras românticas e no ritmo
acelerado padrão nos EUA, o gênero se popularizou em terras brasileiras através de
cantores como Roberto Carlos, Erasmo Carlos e Wanderléa.

No final da década, o grupo Mutantes misturou o rock à diversidade da música brasileira.


Foram também os primeiros a serem conhecidos no exterior. Décadas mais tarde, seriam
redescobertos e mais cultuados internacionalmente. Na virada para a década de 1970, surge
no cenário rock brasileiro nomes como Raul Seixas e o grupo Secos e Molhados.

Na década seguinte, o rock brasileiro seguiu um caminho com uma temática mais urbana e
cotidiana. Entre os principais destaques comerciais, estavam bandas como Legião Urbana
que foi um das maiores bandas de rock dos anos 80 e 90 no Brasil, RPM, Ultraje a Rigor,
Titãs, Barão Vermelho, Kid Abelha, Engenheiros do Hawaii, Blitz e Os Paralamas do
Sucesso. Na virada daquela década, a banda brasileira Sepultura - apesar de não estar ligada
ao cenário rock do país - se torna um dos principais nomes do heavy metal no Brasil e de
destaque no mundo. Nos anos 1990, outros ritmos e estilos ganharam total espaço na mídia
nacional, obscurecendo ótimos grupos que surgiram no país. O mercado está praticamente
fechado para o rock’n’roll, que anda encontrando sérias dificuldades para continuar
existindo na cultura brasileira. Ainda assim, grupos como Raimundos e Angra , apesar de o
primeiro ser punk e o segundo power metal,ainda estão abrindo espaço para os que ainda
devem surgir. O grupo Angra, sem dúvidas, atualmente, é um dos maiores representantes
do power metal, não só no Brasil, mas, em todo o mundo, sendo muito bem aceito na
Europa e no Japão com o álbum Angels Cry , considerado por muitos o melhor álbum da
banda, que obteve ótima repercussão tanto no Brasil como no exterior (principalmente no
Japão, onde a banda alcançou uma marca de mais de 100 mil cópias vendidas), graças à
inteligente mistura de heavy metal e música clássica, sonoridade que marcou o estilo da
banda. Devagar e sempre, o rock continua a desenvolver-se por aqui, chegando até mesmo
a ter representantes do black e death metal brasileiro, que já são conhecidos no mundo todo.
No Brasil, vale destacar ainda Raimundos,Pitty, Shaman, Hangar ,Sepultura, Korzus,
Matanza_(banda) ,Tuatha de Danann, Hibria, Torture Squad, Eterna entre outras que estão
se destacando no cenário do rock nacional. Mesmo tendo voltado à condição de
underground, que sempre lhe foi característica, o rock continua forte em todo o país, onde
encontra apoio dos fãs e da mídia especializada