Você está na página 1de 25

AMAZONAS - 2006

Manual de Eventos

Normas e Procedimentos
MANUAL DE EVENTOS DA
UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS

Normas e Procedimentos
EDUARDO BRAGA
Governador

OMAR AZIZ
Vice-Governador

LOURENÇO DOS SANTOS PEREIRA BRAGA


Reitor

CARLOS EDUARDO DE SOUZA GONÇALVES


Vice-reitor

ANTONIO DIAS COUTO


Pró-reitor de Planejamento e Administração

WALMIR DE ALBUQUERQUE BARBOSA


Pró-reitor de Pós-graduação e Pesquisa

ADEMAR RAIMUNDO MAURO TEIXEIRA


Pró-reitor de Extensão e Assuntos Comunitários
Manual de Eventos da UEA - Normas e Procedimentos

Copyright © 2006
Nenhuma parte desta publicação pode ser alterada ou apropri-
ada sem a autorização da Assessoria de Comunicação da UEA
Criação: Cláudia Araújo de Menezes, MSc.
Editoração eletrônica: Hélcio Ferreira Júnior
Manaus – 2006

Assessoria de Comunicação e Eventos


Av. Djalma Batista, 3578 - Flores
CEP: 69.050-010 – Manaus - Amazonas
Tel/Fax: (92) 214-5784
E-m
mail: camenezes@uea.edu.br

www.uea.edu.br
| UNIDADES ACADÊMICAS DA UEA

CAPITAL
ESCOLA NORMAL SUPERIOR ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS
Edifício Professor Mário Ypiranga Monteiro Edifício Aderson Dutra
Diretora: Maria Amélia de Alcântara Freire Diretor: Randolpho de Souza Bittencourt
Av. Djalma Batista, 2470 - Chapada Av. Castelo Branco, 504 - Cachoeirinha
CEP 69050-010 Fone: (92) 3215-2070 CEP 69050-000 Fone: (92) 3622-0314

ESCOLA SUPERIOR DE ARTES E TURISMO ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA


Edifício Professor Samuel Benchimol Diretor: Vicente de Paulo Queiroz Nogueira
Diretora: Maria Leônia Alves do Vale Av. Darcy Vargas, 1200 - Parque 10
Rua Leonardo Malcher 1728 - Centro CEP 69065-020 Fone: (92) 3236-5573
CEP 69010-170 Fone: (92) 3627-2727

ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE


Diretor: Marcus Vinitius de Farias Guerra
Av. Carvalho Leal, 1777 - Cachoeirinha
CEP 69065-001 Fone: (92) 3214-9701 / 3664-2204

INTERIOR
CENTRO DE ENSINO NÚCLEO DE ENSINO
SUPERIOR DA UEA EM ITACOATIARA SUPERIOR DA UEA EM EIRUNEPÉ
Diretor: José Carlos Miranda Dias Gerente: Eduardo José Ratchwell
R. Mário Andreazza, Bairro de São Francisco Avenida Getúlio Vargas s/n - São José
CEP 69000-000 - Itacoatiara/AM CEP 69880-000 - Eirunepé/AM
Fone: (92) 3521-2985 Fone: (97) 3481-1001

CENTRO DE ESTUDOS NÚCLEO DE ENSINO


SUPERIORES DA UEA EM PARINTINS SUPERIOR DA UEA EM HUMAITÁ
Diretor: Francisco de Assis Serrão Dinelly Gerente: Robson Mendes
Est. Odovaldo Novo S/N - Est do Aeroporto Travessa do DNER, s/n - Centro
CEP 69152-470 - Parintins/AM CEP 69800-000 - Humaitá/AM
Fone: (92) 3533-2072 Fone: (97) 3373-2877

CENTRO DE ESTUDOS NÚCLEO DE ENSINO


SUPERIORES DA UEA EM TABATINGA SUPERIOR DA UEA EM MANACAPURU
Diretor: Ozíris Alves Guimarães Gerente: Andréia Cíntia Barreto Telles
Avenida da Amizade, 74 - Centro Rua Valdemar Ventura - bairro do São José
CEP 69640-000 - Tabatinga/AM CEP 69000-000 - Manacapuru/AM
Fone: (97) 3412-4980/3412-4203 Fone: (92) 3361-4249

CENTRO DE ESTUDOS NÚCLEO DE ENSINO SUPERIOR


SUPERIORES DA UEA EM TEFÉ DA UEA EM MANICORÉ
Diretora: Wilson Guilherme Acácio Gerente: Suelda de Paula Souza
Estrada do Bexiga, 1085 - Jerusalém Estrada do Atininga, s/n - Manicorezinho
CEP 69470-000 - Tefé/AM CEP 69800-000 - Manicoré/AM
Fone: (97) 3343-3396 e 3343-3461 Fone: (97) 3385-1219

NÚCLEO DE ENSINO NÚCLEO DE ENSINO SUPERIOR


SUPERIOR DA UEA EM BOCA DO ACRE DA UEA EM MAUÉS
Gerente: Gerente: Jorsimeire Ribeiro de Medeiros Martins
Rua BL, 23, Km. 07 - Platô do Piquiá Rua Higina Bonilha Rolim, s/n - Cel Negreiros
CEP 69850-000 - Boca do Acre/AM CEP 69190-000 - Maués/AM
Fone: (97) 3451-2413 Fone: (92) 3542-1568

NÚCLEO DE ENSINO NÚCLEO DE ENSINO SUPERIOR


SUPERIOR DA UEA EM CARAUARI DA UEA EM SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA
Gerente: Daniel da Costa Passos Gerente: Aracy Coimbra
Rua Juscelino Kunitchek, s/n - Centro Avenida Calha Norte, s/n - Cachoeirinha
CEP 69500-000 - Carauari/AM CEP 69750-000 - São Gabriel da Cachoeira/AM
Fone: (97) 3491-1134 Fone: (97) 3471-3469

NÚCLEO DE ENSINO
SUPERIOR DA UEA EM COARI
Gerente: Erly Braga
Rua C, s/n, Cj Amazonino Mendes - Bairro União
CEP 69460-000 - Coari/AM
Fone: (97) 3561-3273
|SUMÁRIO
APRESENTAÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .11
TIPOS DE EVENTOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .11
ORIENTAÇÕES GERAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .13
EXEMPLO DE ROTEIRO DE CERIMONIAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .15

FORMATURA
ATRIBUIÇÕES
da Comissão de Formatura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .17
do Aluno . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .17
da Assessoria de Comunicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .17

INFORMAÇÕES GERAIS
Paraninfo da Turma . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .18
Paraninfo Pessoal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .18
Patrono . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .18
Nome da Turma . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .18
Orador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .18
Convite . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .18
Roteiro da Solenidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .18
Protocolo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .19

INFORMAÇÕES INSTITUCIONAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .19

ANEXOS
Juramentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .22
Cores das Faixas e Pedra do Anel de Graduação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .22
Informações para a Colação de Grau . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .23

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .24


MANUAL DE EVENTOS DA UEA

APRESENTAÇÃO zadora, que estabelecerá o regulamento, a premi-


ação e o júri;

No intuito de sistematizar os eventos acadêmicos a Conferência - é o tipo de evento que se caracteriza


serem realizados na UEA, apresentamos o Manual de pela apresentação de um tema informativo (geral,
Eventos onde estão definidos os tipos e suas ca- técnico ou científico) por autoridade em determinado
racterísticas dos mesmos, para que haja uma assunto para um grande número de pessoas. A con-
padronização e também primar pela qualidade na ferência é uma reunião bastante formal, exigindo a
sua realização. presença de um presidente de mesa que coordenará
os trabalhos. Não são permitidas interrupções, as
perguntas devem ser feitas ao final da apresentação,
TIPOS DE EVENTOS por escrito e identificadas;

Congresso - são reuniões promovidas por entidades


As características que permitem enquadrar os even- associativas, visando debater assuntos de interesse de
tos, os apontam como: determinado ramo profissional. Existem, por exemplo,
os congressos técnicos que reúnem periodicamente
Almoço-palestra - evento que reúne um grupo de uma determinada especialidade, como os médicos e, na
pessoas com o objetivo de ouvir o convidado- maioria das vezes, cada especialidade realiza eventos
palestrante durante um almoço. Muito usado no separados promovido pela sua respectiva associação.
meio cerimonial.
Os congressos podem ter âmbito municipal, regional,
Após as várias explanações, os participantes são estadual, nacional ou internacional. Os nacionais
levados a debater entre si os pontos de suas teses, podem ter caráter municipal, estadual ou regional,
podendo haver a participação dos assistentes na quando interessam a um grupo mais restrito, mas, em
forma de perguntas orais ou escritas. O coorde- geral, abrangem profissionais de todo o país. Os con-
nador ou presidente da mesa é quem determina o gressos internacionais podem ser de uma determina-
êxito da mesa-redonda, pois este tem a missão de da região (congressos latino-americanos, congressos
conduzir os trabalhos de maneira que os ver- norte-americanos etc.) ou de âmbito mundial, quando
dadeiros objetivos da reunião sejam atingidos. há representantes de todos os continentes.

Assembléia - Reunião da qual participam delegações Os congressos podem ter várias sessões de trabal-
representativas de grupos, estados, países etc. Sua ho: mesas-redondas, conferências, simpósios,
característica principal é colocar em debate assun- temas livres, comissões, painéis, cursos, etc.
tos de grande interesse de grupos, classes ou deter- Algumas dessas atividades podem ser realizadas
minadas regiões. O desenvolvimento dos trabalhos isoladamente.
tem como peculiaridade à colocação das delegações
em lugares pré-estabelecidos. As conclusões são Os tipos mais comuns de congressos são:
submetidas à votação, transformando-se em
recomendação da assembléia. Apenas as delegações 1. Científicos - promovidos por entidades ligadas às
oficiais têm direito a voto, o que não impede de ciências naturais (botânica, zoologia, mineralogia,
serem aceitas inscrições de observadores interessa- petrologia, por exemplo). Desenvolvem-se basi-
dos na matéria, mas que funcionem unicamente camente por meio de sessões de trabalho com
como ouvintes. variadas denominações, conforme suas carac-
terísticas, a saber: mesa-redonda, simpósio, con-
Ciclo de Palestras - É derivado da conferência, sendo ferência, curso, mesa demonstrativa, mesa clínica,
que se diferencia por estar vinculado a uma série de colóquio (conversação ou palestra entre duas ou
palestras pronunciadas por professores e especialis- mais pessoas), painel, sessão, plenária, sessão de
tas na matéria a ser abordada. A assistência é temas livres. Os temas a serem debatidos, podem
homogênea e previamente selecionada, estando ser oficiais - onde há a participação plena e formal
capacitada a participar de uma seqüência de dos congressistas, ou temas livres, onde os con-
reuniões que tem como objetivo atingir um fim pré- gressistas, regularmente inscritos, fazem a apre-
determinado. sentação de seus trabalhos, sendo livre a partici-
pação dos demais.
Concurso - sua principal característica é a com-
petição, podendo ser aplicado a diversas áreas, tais 2. Técnicos - realizados por entidades ligadas às
como: artística, cultural, desportiva, científica e out- ciências exatas, humanas e sociais. Desenvolvem-
ras. Deve ser coordenado por uma comissão organi- se, geralmente, por meio de sessões de comissões

| 11 |
MANUAL DE EVENTOS DA UEA

ou grupos de trabalho, divididas em tantas quan- Exposição - exibição pública de produção artística,
tas necessárias. Cada comissão discute os temas a industrial, técnica ou científica, de caráter comercial
ela destinada, cabendo-lhe apresentar suas ou não;
recomendações, que serão levadas, juntamente
com as demais, a uma sessão plenária, da qual Feira - exibição pública com o objetivo de venda
participam todos os congressistas. Essas direta ou indireta, constituída de vários stands,
recomendações são submetidas à apreciação do montados em espaços especiais, onde são expostos
plenário, que ao final, votará por sua aprovação ou produtos e serviços.
rejeição. Se aprovadas, as recomendações trans-
formam-se em conclusões do congresso,sendo Fórum – É o tipo menos técnico de reunião, cujo prin-
encaminhadas às autoridades competentes com o cipal objetivo é conseguir a participação de um públi-
pronunciamento oficial da classe. co numeroso, que deve ser motivado. Tem se tornado
popular devido à necessidade de se sensibilizar a pop-
Convenção - Promovida isoladamente por grupos ulação para os problemas sociais existentes, como, por
empresariais que, geralmente reúnem indivíduos de exemplo, o Fórum de Proteção ao Menor Abandonado.
uma determinada empresa, podendo ser realizadas
por setores distintos ou congregar todos os seus inte- Geralmente é em um grande recinto com um coorde-
grantes. Umas são convenções de vendas que reúnem nador que levanta um problema de interesse geral em
os vendedores, distribuidores, revendedores, repre- busca da participação da coletividade. O debate é livre e
sentantes, com o objetivo de promover um produto, as opiniões são colhidas pelo coordenador, que apre-
mostrar todas as suas características e usos, para que senta uma conclusão que representa a da maioria.
os participantes possam efetuar os seus trabalhos Depois de aprovada, transforma-se no objetivo a ser
com o conhecimento do produto. Outros tipos de con- perseguido pelo grupo, orientando seu comportamento.
venções são as de congraçamento, as comemorativas,
as de fim de ano, etc. Todas buscam a integração das Inauguração - solenidade de curta duração com
pessoas pertencentes a uma determinada empresa, poucos discursos e que devem pautar-se pela obje-
submetendo-as a certos estímulos coletivos para que tividade, mostrando a importância do que está
possam agir em defesa dos interesses dessa. sendo inaugurado. Na inauguração fazem-se
agradecimentos aos que colaboram.
Debate - é a discussão entre dois oradores, onde
cada um defende um ponto de vista, moderado por Jornada - São reuniões realizadas periodicamente por
um coordenador. Pode ser aberto ao público ou determinadas classes de profissionais, com o objetivo
transmitido por veículo de mídia, entretanto, nunca de discutir um ou mais assuntos de interesse geral.
a platéia participa com perguntas; São congressos em miniatura que reúnem grupos de
uma determinada região em épocas propositalmente
1. Discussão - quando o assunto em pauta é debati- diferentes das dos congressos da categoria.
do em todos os aspectos; e
2. Exposição - quando alguém, previamente escala- Mesa-Redonda - É uma reunião clássica, preparada
do, realiza uma pesquisa e leva sua contribuição e conduzida por um coordenador ou presidente que
ao grupo; funciona como elemento moderador, orientando a
discussão para que não seja desviada do tema prin-
3. Conclusão - quando o coordenador, polarizando as cipal. Os participantes apresentam suas opiniões em
opiniões dominantes, propõe à aprovação do torno do assunto em pauta, e é lhes dado um tempo
grupo as recomendações finais da reunião. limite para a exposição.

Encontro - reunião de pessoas de uma categoria, Mostra - é uma exposição itinerante;


para debater sobre temas antagônicos, apresenta-
dos por representantes de grupos participantes, Painel - Também deriva da mesa-redonda, com a
necessitando de um coordenador para resumir e diferença de que os expositores discutem entre si o
apresentar as conclusões dos diversos grupos; assunto em pauta, mas o público somente assiste ao
debate, sem direito de formular perguntas à mesa.
Entrevista Coletiva- é o tipo de evento no qual um
especialista ou representante de empresa, entidade Palestra - é menos formal que a conferência e, car-
ou governo se coloca à disposição para responder acteriza-se pela apresentação de um tema pré-
sobre determinado assunto de seu conhecimento. determinado a um grupo pequeno, que já possui
Os questionadores são os representantes da noções sobre o assunto. É coordenado por um mod-
imprensa; A entrevista é sempre de responsabili- erador. Na palestra, os participantes podem intervir
dade da Assessoria de Imprensa da UEA. durante a exposição;

| 12 |
MANUAL DE EVENTOS DA UEA

Plenária - É como uma Assembléia, porém reunida mais antigos, em todas as partes, motivo de normas
para tratar de um único assunto. escritas. Ela existe em todos os níveis da sociedade,
inclusive na família.
Reunião - Termo utilizado para definir pequenos ou
grandes agrupamentos com fins específicos. No momento, vigora ainda no Brasil o Decreto nº
Reuniões podem acontecer durante congressos, 70.274, de março de 1972, definindo as “Normas do
convenções e outros. Cerimonial e a Ordem de Precedência”, o qual precisa
ser revisado para que sejam incorporadas as alter-
Salão - Evento destinado a promover e divulgar pro- ações impostas pela Constituição de 1988, no que diz
dutos, visando criar entre os consumidores uma respeito à criação de novos Tribunais.
imagem positiva das empresas participantes. Seu
objetivo é a promoção da imagem da empresa e não O Decreto determina, em 96 artigos, todos os pro-
a comercialização imediata. cedimentos hierárquicos das autoridades constituídas
em todos os níveis (Federação, Estados e Municípios)
Semana - reunião de pessoas pertencentes a uma que participem ou venham participar de todo e qual-
categoria profissional, com o objetivo de discutir quer ato público, que pela sua importância necessite
temas relacionados com a classe. Segue o mesmo de protocolo.
esquema do congresso, com palestras, conferências
e painéis. É necessário uma comissão organizadora As universidades devem seguir este Decreto em
e a produção de anais para distribuição aos partici- solenidades com a presença de autoridades que não
pantes; sejam da universidade, mas devem, também, respeitar
a Ordem de Precedência da Universidade. Poucas uni-
Seminário - São apresentações de grupos de trabal- versidades já incorporaram, no seu cotidiano, as suas
ho com temas previamente conhecidos pelos próprias regras de cerimonial, aprovadas por
debatedores com a participação ativa dos especta- Conselho Universitário. Estas regras são necessárias
dores após a exposição. principalmente para orientar e indicar procedimentos
de cerimonial nas atividades universitárias.
Seminário-Workshop - Exposição verbal de um
determinado assunto para pessoas colocadas em Destaca-se que o Reitor tem precedência sobre
um mesmo plano e possuindo algum conhecimento todas as demais autoridades presentes a um ato ofi-
prévio. Divide-se em três fases: cial da instituição, ou seja; cabe ao reitor presidir os
trabalhos e todos os atos a que estiver presente.
Sessão solene - Sessão
de instalação de um evento
ou decorrente de comemorações tais como aniver- As exceções ficam nos casos especiais, quando da
sários, homenagens póstumas e investidura em presença do Presidente da República ou do Vice-
cargo. Presidente, aos quais, por lei, o Reitor deve ceder a
precedência.
Simpósio - É um tipo de reunião derivado da mesa-
redonda. Com uma característica de ter a participação Em eventos da Universidade, o Reitor só cede a pre-
de especialistas de grande renome. A diferença fun- cedência no caso acima mencionado. Em todas as
damental é que, no simpósio, os expositores não outras situações, o reitor precede a: ministros de
debatem entre si os temas apresentados. De fato, os Estado, chefe de Estados estrangeiros, senadores,
debates, perguntas e respostas são feitos direta- governadores, deputados federais e estaduais,
mente com o público assistente, que participa ativa- prefeitos, vereadores, comandantes militares, e
mente dos trabalhos. quaisquer outras autoridades. Este procedimento
aplica-se aos eventos com autoridades convidadas e
apenas quando se tratar do reitor, ou do vice-reitor
ORIENTAÇÕES GERAIS no exercício da reitoria.

Na Universidade do Estado do Amazonas adota-se a


Ordem de precedência seguinte Ordem de Precedência para as cerimônias
Ordem de Precedência é a ordem pela qual se estab- de Outorga de Grau:
elece a estrutura máxima do Estado, na medida em que
se determina a ordem hierárquica de disposição das 1º Reitor;
autoridades do Estado, de um organismo ou de um 2º Vice-Reitor;
grupo social. 3º Decano (de acordo com a ordem hierárquica);
4º Diretor da respectiva Escola Superior ou
A Ordem de Precedência tem sido, desde os tempos 5º Docente designado pelo Reitor.

| 13 |
MANUAL DE EVENTOS DA UEA

Esta precedência restringe-se ao âmbito da Pela Lei n.º 5.700 em seu parágrafo único do artigo 30,
Universidade, quando não houver autoridade visitante determina: “É vedada qualquer outra forma de
convidada. Ao convidado deve ser oferecido o lugar saudação ao Hino Nacional que não seja: Atitude de
de honra - à direita do Reitor à Mesa dos trabalhos. respeito, de pé, e em silêncio, sendo os civis, com a
cabeça descoberta e os militares em continência,
Cabe à Chefia do Cerimonial fazer as recomen- segundo os regulamentos das respectivas corporações.
dações de precedência e condução das cerimônias
universitárias. Roteiro de Cerimonial
O roteiro é utilizado para orientar o presidente da
Bandeira e Hino Nacionais mesa do evento, em relação a ordem de chamada
Com a República nasceram também a Bandeira, o dos componentes. Utiliza-se também um lay out da
Hino, as Armas e o Selo Nacionais que representam mesa para facilitar os organizadores e convidados.
os valores e o espírito cívico do povo brasileiro, Favor observar que devem ser utilizados os nomes
devendo ser observados os padrões próprios de completos, assim como a pronuncia correta para
cada um, quando de suas representações. evitar contratempos.

A Lei nº 5.700 de 01.07.1971, regula a forma e a Nos eventos acadêmicos ns quais o Reitor estiver
representação desses símbolos. presente, este sempre presidirá a sessão e deve ser
obedecida a ordem hierárquica para a composição
Bandeira da mesa conforme segue:
A bandeira pode aparecer em todos os eventos, ofi-
ciais ou privativos, sendo hasteada ou arriada a Reitor
qualquer hora do dia ou da noite. Vice-reitor
Pró-Reitor de Planejamento e Administração
Ocupa em todo o Brasil, lugar de honra, sendo colo- Pró-Reitor de Ensino de Graduação
cada no centro ou à direita deste quando alinhada Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação
com outras bandeiras, e à direita de tribunas, mesas Pró-Reitor de Extensão e Assuntos Comunitários
de reuniões ou de trabalho. O lugar que lhe é desti- Diretor da Escola Superior que está promovendo o
nado deve ser atacado e de fácil visualização. evento
Coordenador do Curso que está promovendo o
Em composição com as bandeiras dos Estados evento
brasileiros, é colocada ao centro, seguindo a ordem Palestrante ou Conferencista convidado
da constituição brasileira.
Na ausência do Magnífico Reitor, a autoridade
Hino Nacional hierárquica seguinte presidirá o evento. A pessoa
A execução do Hino Nacional terá início depois que mais importante para a instituição é a primeira a ser
as autoridades houverem ocupado os lugares a elas chamada, pois é o anfitrião do evento, mas é a ulti-
destinados. ma a utilizar a palavra.

Nas cerimônias ao ar livre os hinos serão executados Atentar para a utilização correta das formas de trata-
por banda de música, de forma condigna; nos recin- mento para os cargos:
tos fechados por instrumentos que não deformem as
suas características ou reproduções gravadas. Sempre Magnífico Reitor
que possível, os hinos serão acompanhados por coro Magnífico Vice-Reitor
ou cantados pelas pessoas presentes. Serão ouvidos Excelentíssima Senhora Pró-reitora
ou cantados de pé,em qualquer circunstância. Excelentíssimo Senhor Diretor da Escola Superior

| 14 |
MANUAL DE EVENTOS DA UEA

EXEMPLO DE ROTEIRO DE COMPOSIÇÃO DA MESA


CERIMONIAL E LAY-OUT DA MESA DIRETIVA

Prof. José Russo


AULA INAUGURAL DO PROGRAMA

Prof. Fernando

Prof. Admilton

Dr. Luiz Edson


Poeta Thiago

Dr. Lourenço

Prof. Ozório
Prof.ª Lúcia
DE MESTRADO EM DIREITO AMBIENTAL

Sr. Sandro
Sr. Paulo
Data: 19 de março de 2004 (sexta-feira)
Horário: 19h 10 8 6 4 2 1 3 5 7 9

Local: Auditório da UEA

COMPOSIÇÃO DA MESA

01 – PROF. DR.
LOURENÇO DOS SANTOS PEREIRA BRAGA Exemplo de Composição da Mesa Diretiva em um evento
REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS na Escola Superior de Ciências da Saúde Presentes Reitor,
Vice-Reitor, Diretor da Escola, Secretario de Estado,
02 – POETA Palestrante:
THIAGO DE MELO

03 - PROF. DR.

Diretor da Escola
ADMILTON PINHEIRO SALAZAR

Palestrante
Vice-Reitor
Secretário
PRÓ-REITOR DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DA UNIVERSIDADE

Reitor
DO ESTADO DO AMAZONAS

04 – PROF. DR.
FERNANDO ANTÔNIO DE CARVALHO DANTAS
COORDENADOR DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO
AMBIENTAL

05 – PROF. DR.
LUIZ EDSON FACHIN
DIRETOR DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE FE-
DERAL DO PARANÁ – UFPR

06 – PROF.ª
LÚCIA VIANA
COORDENADORA DO CURSO DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DO
ESTADO DO AMAZONAS

07 - PROF.
JOSE RUSSO
DIRETOR DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE FE-
DERAL DO AMAZONAS

08 - PROF. DR.
OZÓRIO JOSÉ DE MENEZES FONSECA
PROFESSOR DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO AMBI-
ENTAL DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS

09 – SENHOR
SANDRO NAMIAS
DOCENTE DO MESTRADO EM DIREITO AMBIENTAL DA UNIVER-
SIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS

10 – SENHOR
PAULO FEITOZA
REPRESENTANTE DISCENTE DO PROGRAMA DE MESTRADO EM
DIREITO AMBIENTAL

| 15 |
MANUAL DE EVENTOS DA UEA

FORMATURA

ATRIBUIÇÕES citar a contagem de créditos e confirmar estar apto


para colar grau;
O aluno que perder o prazo só poderá optar por
DA COMISSÃO DE FORMATURA formatura SEM SOLENIDADE.
No ato da colação de grau, o aluno receberá um
Passar para Assessoria de Comunicação os tele- certificado de conclusão do curso e o histórico ou o
fones e e-mail de cada membro da comissão. diploma, caso o curso já esteja reconhecido. No caso
Tomar conhecimento do calendário das Colações da Certidão, o mesmo deverá comparecer à
de Graus e ensaios; Secretaria Geral, posteriormente, para pegar o seu
Preencher formulário, disponível na Assessoria de diploma devidamente registrado;
Comunicação, com os nomes do Paraninfo, do Só receberão o diploma os alunos que colarem
Patrono ou Patronesse, professores e funcionários grau e que estiverem em situação regular com a
homenageados, juramentista e outros convidados de Universidade, inclusive com a apresentação da do-
honra; cumentação exigida descrita a seguir:
Convidar e confirmar a presença dos professores Carteira ou Cédula de Identidade expedida por
e funcionários homenageados, do paraninfo, do Secretaria de Segurança, pelas Forças Armadas
patrono ou patronesse; ou pela Polícia Militar;
Apresentar lay-out do convite de formatura à Carteira de Identidade Profissional expedida por
Assessoria de Comunicação, para conferência for- órgão de classe oficial;
mal dos dados obrigatórios da universidade, antes Carteira de Reservista;
de enviá-lo para a gráfica; Carteira de Motorista (modelo novo, com foto);
Entregar para a Assessoria de Comunicação dois Carteira de Trabalho e Previdência Social;
convites para arquivo da Universidade; Em caso de necessidade, o aluno poderá reque-
Informar aos demais formandos sobre os pro- rer uma 2ª via do diploma, a mesma deverá ser
cedimentos e determinações da Universidade; solicitada através de requerimento e declaração
Marcar reunião com as empresas contratadas e a assinados pelo aluno;
Assessoria de Comunicação com o objetivo de infor-
mar sobre o cerimonial da UEA e evitar atitudes ou DA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO
procedimentos não condizentes com o protocolo da
Universidade; Marcar reunião com comissão de formatura ou
Caso não haja empresa contratada para organi- representante de classe para que tomem conheci-
zar a solenidade, as atribuições caberão à Comissão mento das datas das solenidades;
de Formatura. Comunicar a Secretaria da Escola as referidas
Os ensaios das formaturas com solenidade de- datas das Colações de cada Unidade Acadêmica a
verão ser marcadas com, no mínimo, com ante- qual as Comissões devem procurar para tomarem
cedência da colação de grau. Confirmar a data do conhecimento;
ensaio da cerimônia junto a Secretaria da sua Escola; Conduzir os alunos quanto às normas e protoco-
Informar aos professores e funcionários home- los para colação de grau da Universidade;
nageados que eles não irão compor a mesa diretiva. Comparecer aos ensaios das solenidades marca-
Será reservada uma fileira no auditório para esses dos para orientar sobre as normas de protocolo;
convidados especiais; Antes de iniciar o ensaio de formatura, informar
As solenidades serão conduzidas por um Mestre à comissão de formatura a relação dos formandos
de Cerimônia ou um funcionário da Unidade com documentação incompleta, enviada pela
Acadêmica. Secretaria Geral;
Enviar circular para a Reitoria, Pró-reitorias,
DO ALUNO Diretorias e Coordenações de Curso, informando
data, horário e local das formaturas;
No período estipulado no calendário escolar, o Confirmar a presença dos representantes da
aluno deverá procurar a Secretaria Geral para soli- Universidade nas solenidades;

| 17 |
MANUAL DE EVENTOS DA UEA

Preparar roteiro das formaturas; por alguém da Comissão de Formatura) e será chama-
Aprovar o lay-out final do convite de formatura do para recebe-la, lerá o seu conteúdo, agradecerá e
antes da impressão. A Assessoria de Comunicação voltará para o seu lugar de origem na platéia. A
se responsabilizará pela conferência dos dados Comissão de Formatura deverá comunica-lo oficial-
gerais da Universidade (item Convite). mente da escolha e deve lhe repassar as informações
Receber os convidados de honra, membros da sobre o protocolo do evento.
Reitoria, professores homenageados e autoridades,
quando da chegada ao local da formatura, orientando- NOME DA TURMA
os quanto ao roteiro e composição da mesa, apresen-
tar convidados de honra e autoridades que ainda não O mesmo não compõe a mesa de solenidade e
conheçam os membros da Instituição; terá que ser homenageado na Aula da Saudade. O
nome da turma ficará na placa de graduação que
será de escolhida e providenciada pela Comissão
INFORMAÇÕES GERAIS de Formatura. Salvo nos casos de várias
Comissões por curso, cada Comissão poderá fazer
a placa de graduação para o seu homenageado
PARANINFO DA TURMA (nome da turma).

Deverá ser escolhido mediante votação,para que ORADOR


haja um consenso. Sugere-se que o paraninfo seja
alguém de repercussão local, regional, estadual ou Cada Comissão de Formatura, juntamente com a
nacional,professor, diretor, que tenha alguma relação turma, deverá escolher, por intermédio de votação, o
com o curso ou com a Instituição. Caberá à Comissão orador. O orador deverá elaborar seu discurso com
de Formatura comunicar ao paraninfo a escolha do seu antecedência e a duração do mesmo deverá ser de, no
nome. Além do corpo diretivo da UEA, somente o máximo, 6 minutos.
paraninfo comporá a mesa no dia da colação de grau
e lhe será concedido um espaço de até 6 minutos para CONVITE
o discurso. A Comissão de Formatura deverá comuni-
ca-lo oficialmente da escolha e deve lhe repassar as Dados Obrigatórios
informações sobre o protocolo do evento. Nome dos formandos com os respectivos pais;
Nomes do Governador, Vice-governador,
PARANINFO PESSOAL Secretária de Ciência e Tecnologia, Secretária de
Educação e Qualidade do Ensino,Reitor, Vice-reitor,
O lugar para os paraninfos pessoais será nas fileiras Pró-reitora de Ensino de Graduação, Diretor da
logo atrás dos formandos. O mesmo deverá levantar-se Escola Superior em questão, Coordenador do Curso,
quando p graduando for chamado e ficar ao lado Paraninfo da turma, Patrono ou Patronesse, Pro-
esquerdo do mesmo e subir no palco. O graduando pára fessores Homenageados, Funcionários Homena-
em frente ao Reitor para receber o Grau e o Paraninfo geados, Orador, Formandos que farão a Leitura do
pessoal prossegue,dirigindo-se ao Coordenador(a) do Requerimento e do Juramento;
Curso. Após a outorga do grua, o graduando responde: Número da turma, o ano, nome completo do
"Assim prometo sob a minha honra". curso e da Universidade.
O Coordenador(a) do Curso entregará o canudo
ao Paraninfo Pessoal e o mesmo entregará ao Orientações
Graduado. Os dois descerão do palco e o Paraninfo
Pessoal caso queira, colocará o anel na parte inferi- Confirmar todos os nomes (completos) antes da
or do palco. Apenas o paraninfo pessoal poderá impressão;
acompanhar o graduando, não podendo subir cri- Conferir as mensagens;
anças de colo. A idade mínima para o paraninfo pes- Conferir dados da celebração religiosa,
soal é de 10 anos. solenidade e festa;
Nome da turma (opcional);
PATRONO Apresentar o layout do convite para a ACE antes
da impressão (imprescindível);
O Patrono deverá ser um consenso da turma, pois Entregar à ACE dois convites para arquivo da
será somente um. Não comporá a mesa de Universidade (imprescindível).
solenidade,nem proferirá discurso,mas terá um lugar
reservado na primeira fileira do auditório. Após o dis- ROTEIRO DA SOLENIDADE
curso do Paraninfo, o mesmo receberá uma placa de
homenagem (que deverá ser providenciada e entregue 1 Local (definido pela Comissão);

| 18 |
MANUAL DE EVENTOS DA UEA

2 Horário - as solenidades sempre acontecerão 2 Definir local, data e hora;


às 19h; 3 Definir número de convidados;
3 Número de convidados por formando será de 4 Marcar ensaio;
acordo com a capacidade do auditório; 5 Definir quem fará as leituras e o que será
4 É imprescindível o uso de becas pretas, com lido;
sua respectiva faixa e capelo, respeitando os 6 Reservar lugares para os formandos.
fundamentos do Cerimonial Universitário,
que deve ser providenciada por cada aluno; FESTA (RESPONSABILIDADE DA COMISSÃO)
5 Convidados de Honra:
Paraninfo (“padrinho” da turma); Orientações
Patrono ou Patronesse (profissional da área 1 Definir os formandos que irão participar;
homenageado); Professores Homenageados 2 Reservar o local e providenciar as fichas de
(no máximo 04); estacionamento;
Funcionários Homenageados (no máximo 03); 3 Definir data e hora;
6 Lugares reservados: professores home- 4 Confeccionar os convites individuais;
nageados, funcionários, paraninfo da turma, 5 Definir o número de convites por formando;
paraninfo pessoal, patrono ou patronesse 6 Reservar uma mesa para os convidados de
etc. (atribuição do Cerimonial da UEA). honra e os homenageados.

Observações importantes:
INFORMAÇÕES INSTITUCIONAIS
Discursos, no máximo, de 06 minutos;
Água para os componentes da mesa e tribuna
(responsabilidade do Cerimonial da UEA); GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS
Qualquer outra homenagem só poderá ser feita
se avisada com antecedência mínima de 10 dias à Governador
Assessoria de Comunicação, antes da solenidade da Carlos Eduardo de Souza Braga
formatura. Vice-G
Governador
Omar Abdel Aziz
PROTOCOLO Secretária de Estado de Ciência e Tecnologia
Marilene da Silva Correa Freitas
Os Atos Protocolares de um Cerimonial Secretaria de Estado da Educação e Qualidade do Ensino
Universitário são obrigatórios e serão conduzi- Gedeão Timóteo Amorim
dospor um Mestre de Cerimônia profissional.
UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS - UEA
1 Abertura (composição da mesa dos traba-
lhos); Reitor
2 Instalação da Cerimônia (Reitor ou o seu Prof.Lourenço dos Santos Pereira Braga
representante, presidindo a mesa); Vice-rreitor
3 Execução do Hino Nacional; Prof. Carlos Eduardo do Souza Gonçalves
4 Discurso do Acadêmico, Orador da Turma; Pró-rreitor de Planejamento e Administração
5 Juramento e pedido de concessão do grau Prof. Antonio Dias Couto
por Acadêmico; Pró-rreitor de Pós-g
graduação e Pesquisa
6 Concessão do Grau aos concluintes pelo Prof. Dr. Walmir de Albuqerque Barbosa
Reitor ou representante; Pró-rreitor de Extensão e Assuntos Comunitários
7 Homenagens (se for o caso); Prof. Ademar Raimundo Mauro Teixeira
8 Discurso do Paraninfo da Turma;
9 Pronunciamento do Reitor (ou substituto);
10 Execução do Hino do Amazonas; DADOS ESPECÍFICOS (DE ACORDO COM CADA CURSO)
11 Encerramento.

Caso seja produzido um vídeo sobre a turma o


ESCOLA NORMAL SUPERIOR
mesmo deverá ser exibido na festa. Diretora
Maria Amélia de Alcântara Freire
CELEBRAÇÃO RELIGIOSA (RESPONSABILIDADE DA COMISSÃO) Coordenadora de Qualidade
Elizabeth da Conceição Santos
Orientações Coordenadora Pedag góg
gica
1 Confirmar os formandos; Adilma Portela da Fonseca Torres

| 19 |
MANUAL DE EVENTOS DA UEA

Cursos vinculados ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE


NORMAL SUPERIOR Diretor
Adilma Portela da Fonseca Torres Dr. Marcus Vinitius de Farias Guerra

NORMAL SUPERIOR/PROFORMAR Cursos vinculados


Coordenador Geral ENFERMAGEM
Cecy Ribeiro Costa
Coordenadora Pedaggóggica
Coordenadora Adjjunta Maria de Nazaré de Souza Ribeiro
Irene da Costa Alves Coordenadora de Qualidade
Coordenadora Adjjunta Lisbeth Lima Hansen
Mª Augusta Ponce de Leão da Silva
MEDICINA
LICENCIATURA EM LETRAS (PORTUGUÊS) Coordenador Pedaggóg
gico
Marcus Frederico Krüger Aleixo Ricardo Augusto Chaves de Carvalho

LICENCIATURA EM MATEMÁTICA ODONTOLOGIA


Elisabeth da Conceição Santos Coordenador Pedag góg
gico
Benedito Taveira dos Santos
Coordenadora de Qualidade
ESCOLA SUPERIOR DE ARTES E TURISMO Tânia de Miranda Chicre de Alcântara
Diretora
Maria Leônia Alves do Vale
ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA
Coordenadora de Qualidade
Diretor
Karla Cristina Campos Ribeiro
Vicente de Paulo de Queiroz Nogueira
Cursos vinculados
Cursos vinculados
TURISMO
ENGENHARIA
Coordenadora Pedag góg
gica
Coordenador de Qualidade
Aldir Cavalcante Nunes
Mário Augusto Bessa de Figueiredo
DANÇA Coordenadora Ciclo Básico de Eng
genharia
Cristine Alcântara Teixeira
Coordenadora Pedag góggica
Ítala Clay de Oliveira Freitas ENGENHARIA ELÉTRICA
MÚSICA Cleto Cavalcante de Souza Leal
Coordenador Pedag góg
gico ENGENHARIA CIVIL
Gustavo Javier Medina Riera Paulo Roberto Loppi
ENGENHARIA MECÂNICA
ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS Raimundo Nonato Pinheiro do Nascimento
Diretor ENGENHARIA MECATRÔNICA
Randolpho de Souza Bittencourt Marlene Araújo de Faria
Coordenadora de Qualidade ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
Ezelaide Viegas da Costa Almeida
Ubirajara Ferreira da Silva
Cursos vinculados
ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
Antenor Ferreira Filho
Coordenadora Pedag
góg
gica
Simone Guimarães Menezes Estág
gios
José Brandão de Moura
DIREITO Laboratórios
Coordenadora Pedag góggica Luiz Guilherme Filho
Lúcia Maria Corrêa Viana
ENGENHARIA FLORESTAL
CIÊNCIA POLÍTICA Coordenador Pedag góggico
Coordenador Geral Manaus: Maria da Glória Gonçalves de Melo
Ricardo Riquena Itacoatiara: Luís Antônio de Araújo Pinto

| 20 |
MANUAL DE EVENTOS DA UEA

TECNOLOGIA EM ELETRÔNICA ESTUDOS HISTÓRIA


Coordenador Pedaggóggico Coordenador Pedag góggico
Roberto Higino Pereira da Silva Cláudia Regina Ferreira dos Santos
TECNOLOGIA EM MANUTENÇÃO MECÂNICA QUÍMICA
Coordenador Pedag
góg
gico Coordenador Pedaggóg
gico
Emanuel Rezende Rodrigues Djalma dos Santos Pereira

TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS FÍSICA


Coordenador Pedag góg
gico Coordenador Pedaggóg
gico
Antônio Cauper Filho Djalma dos Santos Pereira

LICENCIATURA EM INFORMÁTICA MATEMÁTICA


Coordenador Pedag góg
gico Coordenador Pedag góg
gico
Manaus: Alexandre Augusto Guedes Guimarães Luiz César Ferreira Almas
Itacoatiara: Hidelbrando Ferreira Rodrigues
LETRAS
Coordenador Pedaggóg
gico
CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE PARINTINS Marta Barbosa Cortezão

NORMAL SUPERIOR BIOLOGIA


Coordenador Pedag góggico Coordenador Pedag góg gico
José Luiz Pereira da Fonseca Sérgio Luís Gianizella

HISTÓRIA
Coordenador Pedag góggico CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE TABATINGA
Geórgio Ítalo Ferreira de Oliveira NORMAL SUPERIOR
GEOGRAFIA Coordenador Pedag góggico
Coordenador Pedag góg
gico Mariana Dias da Silva
Nilciana Dinelly de Souza GEOGRAFIA
BIOLOGIA Coordenador Pedag
góggico
Coordenador Pedag góg
gico José Camilo Ramos de Souza
Dilcindo Barros Trindade MATEMÁTICA
MATEMÁTICA Coordenador Pedaggóggico
Coordenador Pedag góggico Uvedel Bernabe Del Pino Paz
Francisco Eteval da Silva Feitosa LETRAS
QUÍMICA Coordenador Pedag góg
gico
Coordenador Pedaggóggico Cláudia Cristina de Menezes
Milade dos Santos Carneiro Cordeiro BIOLOGIA
FÍSICA Coordenador Pedag góg
gico
Coordenador Pedaggóggico Maria Del Pilar Diaz de Garcia
Milade dos Santos Carneiro Cordeiro Comitê Científico
Maria Del Pilar Diaz de Garcia
LETRAS
Coordenador Pedaggóg
gico
Ednelza Macedo Ribeiro

CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE TEFÉ


NORMAL SUPERIOR
Coordenador Pedaggóg
gico
Mª do Perpétuo Socorro Batista de Souza
ESTUDOS GEOGRAFIA
Coordenador Pedag góggico
Maria Eliane Lima Feitosa

| 21 |
MANUAL DE EVENTOS DA UEA

ANEXOS FÍSICA
Faixa: Amarela-escura Pedra: Topázio Imperial
GEOGRAFIA
JURAMENTO PARA TODOS OS CURSOS QUE NÃO TÊM FÓRMULA Faixa: Azul-escuro Pedra: Safira Azul
ESPECÍFICA
HISTÓRIA
PROMETO QUE, NO EXERCÍCIO PROFISSIONAL DE
Faixa: Azul-escuro Pedra: Safira Azul
LICENCIADO EM _________ , NO CURSO ________,
EXERCEREI COM FIDELIDADE OS PRECEITOS DA LETRAS
ÉTICA E DA CIÊNCIA, PROMOVENDO O DESENVOLVI- Faixa: Roxa Pedra: Ametista Clara
MENTO DA EDUCAÇÃO EM BENEFÍCIO DO CIDADÃO
LICENCIATURA EM INFORMÁTICA
E DA SOCIEDADE.
Faixa: Azul-escura Pedra: Safira Azul
JURAMENTO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS LICENCIATURA EM LETRAS (PORTUGUÊS)
PROMETO DIGNIFICAR MINHA PROFISSÃO, CON- Faixa: Roxa Pedra: Ametista Clara
SCIENTE DE MINHAS RESPONSABILIDADES LEGAIS,
LICENCIATURA EM MATEMÁTICA
OBSERVAR O CÓDIGO DE ÉTICA, OBJETIVANDO O
Faixa: Amarela-escura Pedra: Topázio Imperial
APERFEIÇOAMENTO DA CIÊNCIA DA ADMINIS-
TRAÇÃO, O DESENVOLVIMENTO DAS INSTITUIÇÕES E MATEMÁTICA
A GRANDEZA DO HOMEM E DA PÁTRIA. Faixa: Amarela-escura Pedra: Topázio Imperial
*De acordo com a Resolução Normativa CFA n.º 201, de
MEDICINA
19/12/97 que institui o juramento do Administrador.
Faixa: Verde-escura Pedra: Esmeralda

JURAMENTO DO CURSO DE DIREITO METEOROLOGIA


PROMETO, NO EXERCÍCIO DAS FUNÇÕES DE MEU Faixa: Azul Pedra: Safira Azul
GRAU, RESPEITAR SEMPRE OS PRINCÍPIOS DA HO- MÚSICA
NESTIDADE, PATROCINANDO O DIREITO, REALIZAN- Faixa: Amarela-escura Pedra: Topázio Imperial
DO A JUSTIÇA, PRESERVANDO OS BONS COSTUMES E
NUNCA FALTAR À CAUSA DA HUMANIDADE NORMAL SUPERIOR
Faixa: Roxa Pedra: Ametista
ODONTOLOGIA
Faixa: Grená Pedra: Granada

QUÍMICA
DAS CORES DA FAIXA E PEDRA DO ANEL DE GRADUAÇÃO Faixa: Amarela-escura Pedra: Topázio Imperial
SEGURANÇA PÚBLICA
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Faixa: Preta Pedra: Ônix
Faixa: Azul-escura Pedra: Safira Azul
TECNOLOGIA EM ELETRÔNICA
BIOLOGIA TECNOLOGIA EM MANUTENÇÃO MECÂNICA
Faixa: Azul-escuro Pedra: Safira Azul TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS
Faixa: Azul-escura Pedra: Safira Azul
CIÊNCIA POLÍTICA
Faixa: Vermelha Pedra: Rubi TURISMO
DANÇA Faixa: Azul Pedra: Safira Azul
Faixa: Azul-escuro Pedra: Safira-Azul
DIREITO
Faixa: Vermelha Pedra: Rubi
ENFERMAGEM
Faixa: Verde-escuro Pedra: Esmeralda
ENGENHARIA CIVIL
ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO
ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
ENGENHARIA ELÉTRICA
ENGENHARIA FLORESTAL
ENGENHARIA MECÂNICA
ENGENHARIA MECATRÔNICA
Faixa: Azul-escura Pedra: Safira Azul

| 22 |
MANUAL DE EVENTOS DA UEA

INFORMAÇÕES PARA A COLAÇÃO DE GRAU

Escola:
Curso:
Data dos Ensaios:
Data da Colação:
Nº de alunos:
COMISSÃO DE FORMATURA

Nome Presidente:
Telefones:
E-mails:
Nome Vice- Presidente:
Telefones:
E-mails:
Nome Secretário (a):
Telefones:
E-mails:
Nome Paraninfo:
Contatos:
Nome Patrono:
Contatos:
Nome Orador:
Contatos:
Nome Juramentista:
Contatos:
Nomes dos Professores e funcionários homenageados
1.
2.
3.
4.
5.
6.
7.
Convidados de Honra
1.
2.
3.
4.
5.
6.
7.
8.

| 23 |
MANUAL DE EVENTOS DA UEA

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ANDRADE, Renato Brenol. Manual de eventos. 1° MEIRELLES, Gilda Fleury.Tudo sobre eventos. São
Edição. 2000. Paulo. Editora Sprint, 1995.

BLANCO,Paolma Herrero. Gestión y organización de _____. Técnicas de organização de eventos


congresos – operativa, protocolo y cerimonial. empresariais. São Paulo. Editora Sprint, 1997.
Madrid: Trillas, 2000.
MELO NETO, Francisco Paulo de. Criatividade em
BUENDÍA, Juan Manuel. Organización de reuniones- eventos. São Paulo: Contexto, 2000.
convenciones, congresos,seminarios.Editora Trillas.
MENEZES, Cláudia Araújo de. Secretaria: a alma do
México,1991 (Reimpresso em 1999)
evento. Trabalho de Conclusão de Curso.
CAMPOS, Luiz Cláudio de A M. Eventos- Faculdades Objetivo Manaus,1998.
Oportunidade de novos negócios. Rio de Janeiro:
_____. Turismo de Eventos: a contextualização da
SENAC, 2000.
oferta da cidade de Manaus. 2002. 155p.
CANTON, Marisa Antonia. Eventos e estratégias Dissertação (Mestrado Profissional em Gestão de
organizacionais. São Paulo : SENAC, 1996. Negócios Turísticos)- Universidade Estadual do
Ceará. Fortaleza,CE.
CESCA, Cleuza G. G. Organização de Eventos:
Manual para Planejamento e Execução. São Paulo: _____. Organização de Eventos. Apostila do Curso de
Summus, 1997. Eventos. Manaus,AM, 2001.

CRAVIOTO MAGALLÓN, Tonatiuh. Organización de _____. Cerimonial e Protocolo para eventos. Apostila
Congresso y Convenciones. México: Trillas, 1998. de Curso de Cerimonial. Manaus,AM,2003.

GIACOMO, Cristina. Tudo acaba em festa. 2° Edição. MIYAMOTO, Massahiro. Administração de


São Paulo: Scritta, 1997. congressos científicos e técnicos. São Paulo:
Pioneira/ EDUCS, 1987.
GIL, Daniel De Camillis. Marketing, turismo de
eventos: estratégias para captação. Brasília: Pórtico, NAKANE, Andréa. Técnicas de organização de
2000. eventos. Rio de Janeiro: Infobook, 2000.

GONÇALVES, Carmem Lúcia Alves. Organização de NICHOLS, Bárbara (org). Gerenciamento profissional
Eventos com Arte e Profissionalismo. Fortaleza: de eventos. Fortaleza: Papicu, 1993.
SEBRAE, 2001.
OLIVEIRA, J.B. Como promover eventos – Cerimonial e
MATIAS, Marlene. Organização de Eventos. São protocolo na prática. Madras Business. São Paulo-SP.
Paulo: Manole, 2001.
RICHERO, Alicia. Eventos: guia práctica para su
_____.Os centros de convenções do estado de São planeación y ejecución. México: Trillas, 1993.
Paulo: como fator de desenvolvimento do turismo de
VELLOSO,Ana. Cerimonial Universitário. Brasilia:
eventos no estado. 2001. 224p. Dissertação
Editora da Universidade de Brasilia,2001.
(Mestrado em Ciências da Comunicação) – Escola de
Comunicação e Artes da Universidade de São
Paulo.São Paulo.

| 25 |

Você também pode gostar