Você está na página 1de 34

DocuSign Envelope ID: 20A92AD9-B70D-4957-A20D-006F1E513A84

Elaborado em: Pagina:


NORMA DE PROCEDIMENTO
10/2010 1 de 34
Revisão: Próx.Revisão:
Título: Caderno de Segurança 08/2020
08/2018

CADERNO DE SEGURANÇA DO
TRABALHO
DocuSign Envelope ID: 20A92AD9-B70D-4957-A20D-006F1E513A84

Elaborado em: Pagina:


NORMA DE PROCEDIMENTO
10/2010 2 de 34
Revisão: Próx.Revisão:
Título: Caderno de Segurança 08/2020
08/2018

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO ...............................................................................................4
2 OBJETIVOS...................................................................................................4
3 POLÍTICA DE SAÚDE E SEGURANÇA DA EQUATORIAL ENERGIA...........5
4 CUMPRIMENTO DA LEGISLAÇÃO, NORMAS E PROCEDIMENTOS DE
SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO. ....................................................6
4.2 COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES – CIPA ...............6
4.3 EQUIPAMENTOS DE TRABALHO ................................................................7
4.3.1 MATERIAL DE SEGURANÇA DE USO INDIVIDUAL – EPI ...........................7
4.3.2 MATERIAL DE SEGURANÇA DE USO COLETIVO – EPC ...........................8
4.3.3 VEÍCULOS.....................................................................................................8
4.4 PROGRAMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DAS EMPRESAS
FORNECEDORAS .......................................................................................10
4.4.2 PROGRAMA DE PREVENÇAO DE RISCOS AMBIENTAIS – PPRA...........11
4.4.3 PLANO GERAL DE SEGURANÇA - PGS ....................................................12
4.4.3.1 CONTEÚDO DO PGS..................................................................................12
4.4.3.2 EXECUÇÃO E ACOMPANHAMENTO .........................................................14
4.5 CAPACITAÇÃO .................................................................................................14
4.5.1 TREINAMENTOS ........................................................................................14
4.5.1.1 TREINAMENTO EM NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E
SERVIÇOS EM ELETRICIDADE .................................................................15
4.5.1.2 TREINAMENTO EM NR 35 - TRABALHO EM ALTURA ..............................16
4.5.1.3 DIREÇÃO DEFENSIVA ...............................................................................16
4.6 ORDEM DE SERVIÇO DE SEGURANÇA ...................................................16
4.7 APR – ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO E CHECK-LIST ........................17
5 PROCEDIMENTOS DE TRABALHO ...........................................................18
5.1.1 APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS .......................................................18
5.1.2 INSPEÇÕES PRÉVIAS................................................................................20
5.2 METAS, PLANO DE AÇÃO E REUNIÕES DE SEGURANÇA ......................20
5.3 COMUNICAÇÃO DE ACIDENTES DE TRABALHO.....................................20
5.4 INTERVENÇÃO NO SISTEMA ELÉTRICO DA EQUATORIAL ENERGIA ...23
DocuSign Envelope ID: 20A92AD9-B70D-4957-A20D-006F1E513A84

Elaborado em: Pagina:


NORMA DE PROCEDIMENTO
10/2010 3 de 34
Revisão: Próx.Revisão:
Título: Caderno de Segurança 08/2020
08/2018
5.5 USO DE ESPORAS .....................................................................................24
5.6 ABERTURA E FECHAMENTO DE CHAVES SECCIONADORAS ...............26
6 ALOJAMENTOS ..........................................................................................26
7 RESPONSABILIDADES ..............................................................................28
8 PENALIDADES ............................................................................................29
9 PRAZO PARA APRESENTAÇÃO DA DOCUMENTAÇÃO...........................30
10 COMUNICAÇÃO COM A ÁREA DE SEGURANÇA DO TRABALHO DA
EQUATORIAL ENERGIA .............................................................................31
11 GLOSSÁRIO................................................................................................31
12 ANEXOS ......................................................................................................34
DocuSign Envelope ID: 20A92AD9-B70D-4957-A20D-006F1E513A84

Elaborado em: Pagina:


NORMA DE PROCEDIMENTO
10/2010 4 de 34
Revisão: Próx.Revisão:
Título: Caderno de Segurança 08/2020
08/2018

1 INTRODUÇÃO

A Saúde e Segurança do Trabalho são dos valores e compromissos das empresas


do GRUPO EQUATORIAL ENERGIA.

Os serviços contratados representam dentro da Empresa, a maior parcela de


serviços com risco, especificamente o risco com eletricidade.

Dessa forma, com a finalidade de promover o desenvolvimento dos nossos


Fornecedores em alinhamento com a Política de Saúde e Segurança das
empresas do GRUPO EQUATORIAL ENERGIA, a Empresa promove uma gestão
que visa reconhecer as empresas Fornecedoras como elemento indispensável ao
alcance do sucesso empresarial.

2 OBJETIVOS

Os procedimentos definidos neste documento têm a finalidade de disciplinar


contratualmente a aplicação das Normas, Legislação de Segurança, Higiene e
Medicina do Trabalho e Política de Saúde e Segurança das empresas do GRUPO
EQUATORIAL ENERGIA nas suas Empresas Fornecedoras. Aplica-se a todas as
Empresas Fornecedoras, seja por contrato temporário ou permanente, em
especial àquelas que realizam serviços elétricos nas instalações das empresas do
GRUPO EQUATORIAL ENERGIA.

Em conformidade com a Legislação vigente, procedimentos da EQUATORIAL


ENERGIA e, com o objetivo de preservar a integridade física dos colaboradores e
do patrimônio, o cumprimento deste documento é obrigatório por parte das
empresas Fornecedoras.
DocuSign Envelope ID: 20A92AD9-B70D-4957-A20D-006F1E513A84

Elaborado em: Pagina:


NORMA DE PROCEDIMENTO
10/2010 5 de 34
Revisão: Próx.Revisão:
Título: Caderno de Segurança 08/2020
08/2018

3 POLÍTICA DE SAÚDE E SEGURANÇA DAS EMPRESAS DO GRUPO


EQUATORIAL ENERGIA

A EQUATORIAL ENERGIA reconhece a Segurança e a Saúde de seus


colaboradores no trabalho como um VALOR que deve ser cuidado;

Todos os colaboradores da EQUATORIAL ENERGIA são responsáveis por sua


integridade física, pela sua própria segurança, das nossas famílias, dos nossos
clientes, do nosso ambiente de trabalho e da comunidade onde operamos;

Em todas as situações, a vida e a integridade física dos colaboradores que


trabalham na EQUATORIAL ENERGIA, devem obrigatoriamente ser protegidas e
respeitadas;

Na EQUATORIAL ENERGIA a Segurança do Trabalho é uma


RESPONSABILIDADE de todos, um Direito e uma Obrigação, cujos gestores em
todos os níveis hierárquicos, são responsáveis por cumprir e fazer cumprir em suas
áreas de ação, as Normas Legais e Procedimentos de Trabalho e Segurança
vigentes na Empresa;

A EQUATORIAL ENERGIA desenvolverá estratégias de gerenciamento de riscos,


adequadas ao seu pessoal próprio e fornecedores;

Todas as perdas produzidas por lesões ou acidentes ocorridos com os


colaboradores, ou com danos à propriedade que afetem a eficiência dos
processos produtivos, são previsíveis e portanto, evitáveis. Essa premissa levará
à obtenção da meta “ZERO” ACIDENTE;

O cumprimento desta Política é mandatário e será auditado e monitorado


regularmente;

A EQUATORIAL ENERGIA tomará ações que visem uma gestão integrada de


segurança, saúde e meio ambiente, fomentando a cultura de segurança, visando
à conscientização de todos os colaboradores, para eliminação e/ou diminuição
dos riscos na prevenção dos acidentes.
DocuSign Envelope ID: 20A92AD9-B70D-4957-A20D-006F1E513A84

Elaborado em: Pagina:


NORMA DE PROCEDIMENTO
10/2010 6 de 34
Revisão: Próx.Revisão:
Título: Caderno de Segurança 08/2020
08/2018

4 CUMPRIMENTO DA LEGISLAÇÃO, NORMAS E PROCEDIMENTOS DE


SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO.

4.1 SESMT – SERVIÇO ESPECIALIZADO EM ENGENHARIA DE


SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO.

a. A Empresa Fornecedora deverá dimensionar seu SESMT conforme a NR 04.

b. A Empresa Fornecedora deverá encaminhar à área de Segurança do Trabalho,


o cadastro do SESMT na SRT (realizado por meio do Sistema SESMT, disponível
no site do Ministério do Trabalho), em até 30 dias após o início das atividades e,
de imediato, sempre que houver alteração.

4.2 COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES – CIPA

a. A Empresa Fornecedora deverá dimensionar a Comissão Interna de Prevenção


de Acidentes – CIPA, de acordo com o estabelecido pela NR 05 (ou NR 18 para
atividades da Indústria da Construção).

b. Nos casos em que a empresa não for legalmente obrigada a constituir CIPA,
deverá a mesma designar um ou mais colaboradores para desenvolver as
atividades de prevenção, conforme a NR 05.

c. Promover treinamento para os membros da CIPA, titulares e suplentes, antes


de sua posse, contemplando a carga horária (20hrs) e o conteúdo exigidos
pela norma e quando a constituição da CIPA não for obrigatória, promover
treinamento anual para o designado responsável pelo cumprimento da NR.

d. Um representante da CIPA ou designado deverá participar das reuniões da


CIPA da CONTRATANTE nas localidades onde a mesma existir.

e. Encaminhar cópia do treinamento, ata de eleição e posse da CIPA para a área


de Segurança da CONTRATANTE, no início das atividades ou sempre que
houver mudança de gestão na CIPA.
DocuSign Envelope ID: 20A92AD9-B70D-4957-A20D-006F1E513A84

Elaborado em: Pagina:


NORMA DE PROCEDIMENTO
10/2010 7 de 34
Revisão: Próx.Revisão:
Título: Caderno de Segurança 08/2020
08/2018

4.3 EQUIPAMENTOS DE TRABALHO

4.3.1 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL – EPI

É todo dispositivo de uso individual destinado a proteger a integridade física do


trabalhador, conforme estabelecido na NR 06.

a. A Empresa Fornecedora deve fornecer gratuitamente aos seus colaboradores


os EPI necessários e adequados à execução dos serviços com segurança,
bem como exigir o seu uso, substituí-los quando danificados e extraviados.

b. Todo EPI deve possuir C.A.- Certificado de Aprovação emitido pelo Ministério
do Trabalho e Emprego, compatível com a atividade a ser desenvolvida e
devem ser adquiridos de acordo com o book EQUATORIAL ENERGIA

c. Cada colaborador deve possuir e utilizar os EPI necessários e adequados à


execução dos serviços com segurança.

d. A vestimenta utilizada pelos colaboradores deve conter identidade visual da


CONTRATANTE, de acordo com o especificado pela EQUATORIAL ENERGIA
e, em padrão de conforto e qualidade compatível com a natureza dos serviços
executados e com as especificações da NR10.

e. A entrega de EPI aos colaboradores deve ser realizada mediante


comprovação, com assinatura de documento de recebimento, o qual deverá
ser mantido em arquivo.

f. Nos casos em que a empresa e/ou equipe estiver iniciando em um novo


contrato, a mesma deve encaminhar para a área de Segurança do Trabalho
da CONTRATANTE, as cópias das fichas de EPI devidamente assinadas.

g. Os colaboradores devem ser treinados quanto ao uso adequado, guarda e


conservação dos EPI.

h. Os EPI e EPC utilizados no Sistema Elétrico de Potência devem ser


submetidos a ensaios periódicos, conforme NR 10.
DocuSign Envelope ID: 20A92AD9-B70D-4957-A20D-006F1E513A84

Elaborado em: Pagina:


NORMA DE PROCEDIMENTO
10/2010 8 de 34
Revisão: Próx.Revisão:
Título: Caderno de Segurança 08/2020
08/2018

4.3.2 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO COLETIVA – EPC

É todo dispositivo de uso coletivo destinado a proteger a integridade física do


trabalhador, conforme estabelecido na NR 06 e NR 10.

a. A Empresa Fornecedora deve fornecer e substituir todos os EPC necessários


à execução das atividades dos seus colaboradores.

b. Os EPC’s fornecidos deverão garantir a adoção do Sistema de Proteção


Coletivo necessário à proteção das equipes de trabalho, população e meio
ambiente durante a execução das atividades. Exemplo: Sistema de Proteção
Coletivo “Delimitação da área de trabalho” – EPC necessários: cone, fita, placa,
podendo a Fornecedora adotar medidas complementares que aumentem a
segurança dos colaboradores, comunidade e meio ambiente.

c. Os equipamentos de proteção coletiva, assim como os individuais, ferramentas


e veículos podem sofrer manutenções de acordo com as recomendações do
fabricante e da CONTRATANTE, de forma que não sofram alterações
estruturais que provoquem mudanças em suas capacidades de carga,
resistência a esforços, alteração nas características elétricas e mecânicas,
desconformidade com as normas vigentes, desrespeito à legislação, ou que
aumentem o risco ao usuário.

4.3.3 VEÍCULOS

a. A Empresa Fornecedora deverá obedecer ao Código Brasileiro de Trânsito e


Legislação em vigor, quanto a veículos e motoristas, bem como ao transporte
de cargas e de pessoas.

b. Os veículos devem estar em adequado estado de conservação, observando-


se aspectos como: pneus, estado da chaparia, vidros, portas, freios, direção,
condições mecânicas, dispositivos elétricos e acessórios de segurança
(extintor de incêndio, triangulo de sinalização, cintos de segurança e espelhos
retrovisores).

c. Os veículos devem conter as estruturas de acordo com o serviço em que serão


DocuSign Envelope ID: 20A92AD9-B70D-4957-A20D-006F1E513A84

Elaborado em: Pagina:


NORMA DE PROCEDIMENTO
10/2010 9 de 34
Revisão: Próx.Revisão:
Título: Caderno de Segurança 08/2020
08/2018

utilizados e, eventuais modificações e/ou acréscimos devem atender à


legislação e normas pertinentes.

d. As escadas, com a devida bandeirola de segurança, deverão ser transportadas


em porta-escadas com sistema de travamento ou amarradas e, em caso de
exceder ao cumprimento total do veículo, o veículo deve possuir as devidas
autorizações do DNIT.

e. No caso dos veículos pesados, é proibido o transporte das escadas embaixo


da sua carroceria (dentro do chassi). A escada deve ser transportada sobre a
carroceria do veículo de forma a mantê-la livre de impurezas como óleos,
graxas e água.

f. Os veículos utilizados nos contratos devem ser fornecidos pela Empresa


Fornecedora, ou seja, de propriedade da empresa ou locado pela mesma,
sendo proibido o uso em serviço, de veículos de propriedade dos
colaboradores, exceto quando houver autorização formal da CONTRATANTE,
através de documento emitido pelo gestor do contrato para locação dos
mesmos. O contrato de locação de veículo de propriedade de colaborador deve
ser apresentado à CONTRATANTE e devem constar as mesmas condições de
contratos de Locadoras de veículos.

g. Os veículos devem ser de cor padronizada branca ou prata, devidamente


identificados com a logo da CONTRATANTE, e possuírem o tempo de uso
conforme definido pela concessionária. Para veículos de outras cores deve
haver autorização formal do gestor do contrato.

h. O veículo deve possuir capacidade de transporte de passageiros condizente


com o número de membros da equipe, respeitando-se sua lotação, de acordo
com o código nacional de trânsito, sendo terminantemente proibido o
transporte de colaboradores em carrocerias. É aceito o uso de cabine auxiliar,
desde que esteja de acordo com o Código Brasileiro de Trânsito, devidamente
homologada pelo DETRAN e constando a lotação em sua documentação.

i. Deve ser elaborado e apresentado à Área de Segurança do trabalho da


DocuSign Envelope ID: 20A92AD9-B70D-4957-A20D-006F1E513A84

Elaborado em: Pagina:


NORMA DE PROCEDIMENTO
10/2010 10 de 34
Revisão: Próx.Revisão:
Título: Caderno de Segurança 08/2020
08/2018

CONTRATANTE o Plano de Manutenção de Veículos, devendo o mesmo ser


mantido atualizado pela Fornecedora.

j. Todos os veículos devem circular com os faróis baixos ligados, mesmo durante
o dia, para que permaneça bem visível de acordo com os princípios básicos da
direção defensiva.

OBS: Antes do início das atividades, a Empresa Fornecedora deverá fornecer a


relação com os dados dos veículos que estarão em serviço, devendo atualizá-la
sempre que houver substituição ou alteração das características dos mesmos. Os
veículos deverão passar por inspeção antes do início das atividades nas sedes
das Regionais, sendo preenchido o check list e a liberação deverá ser assinada
pelo técnico de segurança ou pelo executivo ou líder responsável pelo contrato.

4.4 PROGRAMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DAS EMPRESAS


FORNECEDORAS

4.4.1 PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL –


PCMSO

a. Conforme a NR 07, as Empresas Fornecedoras deverão elaborar anualmente


o PCMSO e o mesmo deverá se comunicar com o PCMSO da
CONTRATANTE.

b. Deve constar no PCMSO a realização dos exames ocupacionais: admissional,


periódico, demissional, de mudança de função e de retorno ao trabalho, com
emissão dos Atestados de Saúde Ocupacional - ASO.

c. É de responsabilidade da Empresa Fornecedora, arcar com todos os custos


de implantação e manutenção do PCMSO.

d. O Médico Coordenador da empresa Fornecedora deverá enviar anualmente


para o MTE e para a CONTRATANTE o relatório anual do PCMSO
contemplando as ações de saúde executadas durante o ano.
DocuSign Envelope ID: 20A92AD9-B70D-4957-A20D-006F1E513A84

Elaborado em: Pagina:


NORMA DE PROCEDIMENTO
10/2010 11 de 34
Revisão: Próx.Revisão:
Título: Caderno de Segurança 08/2020
08/2018

e. O PCMSO deve se comunicar com o PPRA e ser amplamente divulgado aos


colaboradores.

f. Nos casos em que a empresa estiver iniciando um novo contrato, a mesma


deve encaminhar para a área de Segurança do Trabalho da CONTRATANTE
a cópia do PCMSO e do ASO de todos os colaboradores. Quando as empresas
contratarem novos colaboradores, o ASO deve ser encaminhado antes dos
mesmos iniciarem as atividades.

g. Os dados obtidos nos exames médicos, avaliações clínicas e exames


complementares, as conclusões e as medidas tomadas são registrados em
prontuário individual arquivado por no mínimo 20 anos.

4.4.2 PROGRAMA DE PREVENÇAO DE RISCOS AMBIENTAIS – PPRA

a. Conforme NR 09, a Empresa Fornecedora deverá elaborar anualmente o


Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, visando à preservação da
saúde e integridade física dos colaboradores.

b. A cópia do PPRA com o cronograma de ações, bem como suas revisões e


análise global devem ser enviados para a área de Segurança do Trabalho da
EQUATORIAL ENERGIA sempre que necessário e pelo menos uma vez ao
ano. A comprovação do cumprimento do cronograma de ações deverá ser
enviada mensalmente à área de Segurança do Trabalho da CONTRATANTE.

c. Pelo não cumprimento do cronograma de ações do PPRA a Fornecedora pode


ser notificada ou multada de acordo com as normas internas CONTRATANTE.

d. A empresa deverá dar ciência aos seus colaboradores do levantamento e


riscos ambientais definidos no PPRA.

e. A empresa deverá elaborar o quadro sinóptico contendo o reconhecimento dos


riscos ambientais.
DocuSign Envelope ID: 20A92AD9-B70D-4957-A20D-006F1E513A84

Elaborado em: Pagina:


NORMA DE PROCEDIMENTO
10/2010 12 de 34
Revisão: Próx.Revisão:
Título: Caderno de Segurança 08/2020
08/2018

4.4.3 PLANO GERAL DE SEGURANÇA - PGS

a. O PLANO GERAL DE SEGURANÇA contempla o planejamento anual das


Empresas Fornecedoras das suas ações e campanhas voltadas para a Saúde
e Segurança do Trabalho com técnicas de conhecimento e prevenção de
acidentes e doenças ocupacionais.

b. Esse planejamento deve contemplar o cronograma de treinamentos,


capacitações e reciclagens de forma objetiva e que facilitem a sua execução e
acompanhamento.

c. O PLANO GERAL DE SEGURANÇA deve ser revisado anualmente.

d. O Programa deve contemplar Procedimento para ações de Atendimento às


Emergências (Plano de Emergência).

4.4.3.1 CONTEÚDO DO PGS

No PGS deve constar:

a) A apresentação da empresa de forma geral, contendo suas características,


o corpo funcional, sua Classificação Nacional de Atividade Econômica –
CNAE e seu grau de risco.

b) A quantidade de colaboradores.

c) As prioridades da empresa em relação à Saúde e Segurança.

Seguem abaixo sugestões de Plano de Ação para o Programa:


1. Formação e Desenvolvimento

a. Palestras

b. Treinamentos

c. Cursos de Capacitação

2. Ações de Campo

a. Campanhas específicas
DocuSign Envelope ID: 20A92AD9-B70D-4957-A20D-006F1E513A84

Elaborado em: Pagina:


NORMA DE PROCEDIMENTO
10/2010 13 de 34
Revisão: Próx.Revisão:
Título: Caderno de Segurança 08/2020
08/2018

b. Inspeções / Mutirão de Segurança

c. Diálogo de Segurança

d. Investigação e elaboração de relatório de acidente do trabalho

e. Análise Preliminar de Risco – APR

f. Prática dos 5 minutos

3. Campanhas e Eventos do Plano

3.1 Segurança

a. Uso e Conservação de EPI e EPC

b. Riscos Elétricos e sua Prevenção

c. Sinalização de áreas de Trabalho e Equipamentos

d. Sistemas de Proteção Coletivos

e. Movimentação, Transporte e Armazenamento de Materiais

f. Combate a Princípio de Incêndio

g. Responsabilidade Civil e Criminal

h. Direção Defensiva

3.2 Regras de Ouro para trabalhos no SEP (Sistema Elétrico de Potência)

3.3 Saúde

a. Primeiros Socorros

b. Ergonomia

c. Prevenção de Alcoolismo

d. Prevenção de Doenças Sexualmente Transmissíveis – DST

e. Prevenção de Tabagismo e outras drogas

f. Campanha de Combate à Dengue


DocuSign Envelope ID: 20A92AD9-B70D-4957-A20D-006F1E513A84

Elaborado em: Pagina:


NORMA DE PROCEDIMENTO
10/2010 14 de 34
Revisão: Próx.Revisão:
Título: Caderno de Segurança 08/2020
08/2018

4.4.3.2 EXECUÇÃO E ACOMPANHAMENTO

a. O acompanhamento do PLANO GERAL DE SEGURANÇA – PGS é de


responsabilidade da própria empresa Fornecedora.

b. Cabe à CONTRATANTE, através da área de segurança do trabalho orientar e


supervisionar o seu cumprimento, através de inspeções, auditorias e durante
as Reuniões de Segurança com as Empresas Fornecedoras.

4.5 CAPACITAÇÃO

4.5.1 TREINAMENTOS

a. Os colaboradores não podem iniciar as atividades antes de receber


treinamento prático específico para a atividade a ser exercida pelo mesmo.

b. Devem ser realizadas reciclagens dos treinamentos com frequência em


conformidade com a respectiva norma ou, na ausência de normas de
referência, anualmente.

c. Os operadores de equipamentos, como motosserra, motopoda, munck, cesto


aéreo e guindauto devem receber treinamento específico com emissão de
certificado, conforme NR12, devendo o treinamento ser atualizado com
frequência mínima bienal.

d. Os trabalhadores deverão possuir identificação de seu nível de autorização


para operação de equipamentos de forma que a mesma possa ser verificada
em campo, no momento das inspeções.

e. A Fornecedora deverá apresentar seus colaboradores à CONTRATANTE


quando receber convocação formal para treinamentos autorizados pelo
Gerente do Contrato, de forma a manter seus colaboradores devidamente
capacitados para realização das atividades.

f. Todos os colaboradores das fornecedoras devem ser treinados nos


procedimentos operacionais padrão referente às atividades a serem
DocuSign Envelope ID: 20A92AD9-B70D-4957-A20D-006F1E513A84

Elaborado em: Pagina:


NORMA DE PROCEDIMENTO
10/2010 15 de 34
Revisão: Próx.Revisão:
Título: Caderno de Segurança 08/2020
08/2018

executadas, sendo de responsabilidade do Gestor de Contrato, juntamente


com o preposto da contratada, manter os treinamentos atualizados.

g. É de responsabilidade da fornecedora manter todos os treinamentos


obrigatórios e necessários devidamente atualizados.

4.5.1.1 TREINAMENTO EM NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E


SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

a. Os colaboradores das Empresas Fornecedoras que irão trabalhar nos Serviços


com eletricidade devem possuir treinamento em NR 10 nos Módulos Básico,
Complementar e Reciclagens, conforme definido na NR 10, observando-se a
carga horária mínima exigida.

b. Os treinamentos da NR 10 devem ser ministrados antes do início das atividades.

c. Os cursos de capacitação de NR 10 devem ser ministrados por profissionais


qualificados (Sistema Oficial de Ensino) e habilitados da própria empresa ou
por instituições de reconhecida capacidade e habilitação técnica a fim de
garantir a qualidade técnica no exercício das suas atividades profissionais
de acordo com o item 10.8 da NR 10.

d. A reciclagem em NR 10 deve ser realizada em conformidade com o item


10.8.8.2 da referida norma (bianual ou sempre que ocorrerem mudanças de
funções ou afastamentos por períodos maiores que 90 dias).

e. Conforme a norma, o treinamento de NR 10 deve contemplar treinamento


prático de Primeiros Socorros e Combate a Incêndio.

f. Os trabalhadores com atividades não relacionadas às instalações elétricas


desenvolvidas em zona livre e na vizinhança da zona controlada, conforme
definido na NR 10, devem ser instruídos formalmente com conhecimentos que
permitam identificar e avaliar seus possíveis riscos e adotar as precauções
cabíveis.
DocuSign Envelope ID: 20A92AD9-B70D-4957-A20D-006F1E513A84

Elaborado em: Pagina:


NORMA DE PROCEDIMENTO
10/2010 16 de 34
Revisão: Próx.Revisão:
Título: Caderno de Segurança 08/2020
08/2018

4.5.1.2 TREINAMENTO EM NR 35 - TRABALHO EM ALTURA

a. Todos os colaboradores que executam atividades em altura devem possuir


treinamento em NR 35 conforme definido na citada norma – incluindo resgate
em altura e primeiros socorros, observando-se a carga horária mínima exigida.

b. Os treinamentos da NR 35 devem ser ministrados antes do início das atividades.

c. Os cursos de capacitação de NR 35 devem ser ministrados por profissionais


com comprovada proficiência no assunto, sob a responsabilidade de
profissional qualificado e habilitado em segurança do trabalho.

d. O treinamento periódico em NR 35 deve ser realizado em conformidade com o


item 35.3.2 da referida norma (bienal e sempre que ocorrerem mudanças nos
procedimentos, condições ou operações de trabalho; evento que indique a
necessidade de novo treinamento; retorno de afastamento ao trabalho por
período superior a noventa dias; mudança de empresa) e deve ter carga
horária mínima de oito horas.

e. O treinamento em NR 35 deve contemplar treinamento teórico e prático,


atendendo todos os itens da citada norma.

4.5.1.3 DIREÇÃO DEFENSIVA

Os condutores de veículos (automóveis ou motocicletas) devem ser treinados em


prática de Direção Defensiva com carga horária mínima de 8 horas com
reciclagem bienal mínima de 4 horas.

O treinamento deve contemplar exame prático de direção, contando no certificado


constar a identificação e assinatura do examinador e do treinando.

4.6 ORDEM DE SERVIÇO DE SEGURANÇA

a. O empregador deve elaborar a Ordem de Serviço de segurança (em


atendimento à NR 01) informando a todos os trabalhadores sobre:
DocuSign Envelope ID: 20A92AD9-B70D-4957-A20D-006F1E513A84

Elaborado em: Pagina:


NORMA DE PROCEDIMENTO
10/2010 17 de 34
Revisão: Próx.Revisão:
Título: Caderno de Segurança 08/2020
08/2018

a.1 - Os riscos inerentes a suas atividades laborais e locais de trabalho e, as


medidas de controle para prevenção de acidentes.

a.2 - As obrigações, proibições e punições em caso de descumprimento das


normas e procedimentos de segurança.

a.3 - Os procedimentos a serem seguidos em caso de acidente do trabalho ou


doença ocupacional.

b. Cada colaborador deve receber, tomar ciência e assinar a Ordem de Serviço


de Segurança quando da sua contratação.

c. A Empresa Fornecedora deverá manter um arquivo com todas as Ordens de


Serviço devidamente assinadas.

4.7 APR – ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO E CHECK-LIST

a. A Empresa Fornecedora deve treinar os colaboradores quanto à aplicação da


ferramenta APR/Check List.

b. As equipes devem preencher o formulário de Análise Preliminar de Risco antes


da execução das tarefas, com a finalidade de:

a.1 - Identificar os riscos potenciais em cada etapa de trabalho

a.2 - Definir e orientar as medidas de controle para eliminar, reduzir ou controlar


os riscos

c. A Análise Preliminar de Risco é realizada através de formulário APR / Check


List, conforme modelo sugerido no Anexo I, bem como em formulário
eletrônico.

d. A Empresa Fornecedora deverá manter um arquivo com todas as APR / Check


List emitidas anexadas as suas respectivas O.S ou P.T.

e. O direito de recusa deverá ser exercido e formalizado através da APR / Check


List sempre que forem encontradas situações que coloquem em risco a
integridade física dos colaboradores, da população ou risco de se provocar
DocuSign Envelope ID: 20A92AD9-B70D-4957-A20D-006F1E513A84

Elaborado em: Pagina:


NORMA DE PROCEDIMENTO
10/2010 18 de 34
Revisão: Próx.Revisão:
Título: Caderno de Segurança 08/2020
08/2018

danos a propriedades e bens, assim como se houver risco de se cometer


crimes ambientais.

5 PROCEDIMENTOS DE TRABALHO

5.1 INÍCIO DAS ATIVIDADES

O início das atividades da Empresa Fornecedora fica condicionado ao


recebimento prévio, pela área de Segurança do Trabalho da CONTRATANTE, dos
seguintes itens para alinhamento e verificação, conforme aplicação:

5.1.1 APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS

a. Documentação (PPRA, PCMSO, PCMAT, CIPA, PGS, ASO, SESMT);

b. Comprovante dos treinamentos de NR 10 Básico, Complementar e


Reciclagens, conforme item 10.8.8 e 10.8.8.2 da citada norma;

c. Documento de autorização dos colaboradores para intervenção no Sistema


Elétrico de Potência (SEP), conforme item 10.8.8.1 da NR 10, bem como
sistema de identificação da abrangência da autorização de cada
colaborador, conforme item 10.8.5 da mesma norma;

d. Comprovante dos treinamentos de NR 35 e Reciclagens, conforme item


35.3 da citada norma;

e. Cópia do documento de cadastro atualizado que permita conhecer a


abrangência de autorização de cada colaborador, conforme item 35.4.1.3
da NR 35;

f. Comprovante (original) de qualificação para eletricista (AT e BT) e outras


habilitações e qualificações;

g. Cópia da capacitação dos colaboradores para operar equipamentos


(guindaste, munck, equipamento de elevação, operador de motosserra,
DocuSign Envelope ID: 20A92AD9-B70D-4957-A20D-006F1E513A84

Elaborado em: Pagina:


NORMA DE PROCEDIMENTO
10/2010 19 de 34
Revisão: Próx.Revisão:
Título: Caderno de Segurança 08/2020
08/2018

operador de motopoda etc);

h. Comprovante dos demais treinamentos e capacitações relacionadas às


atividades, bem como habilitação (quando for o caso);

i. Cópia dos comprovantes dos treinamentos em Procedimentos de Trabalho;

j. Cópia do Registro do Serviço Especializado em Engenharia de Segurança


e em Medicina do Trabalho (SESMT) na Superintendência Regional do
Trabalho e Emprego (SRTE);

k. Cópia das atas de eleição, treinamento e posse da Comissão Interna de


Prevenção de Acidentes (CIPA), bem como evidências de realizações de
campanhas e SIPAT;

l. Relação de pessoal contendo: Nome completo, Matrícula, CPF e Cargo


conforme a Classificação Brasileira de Ocupação (CBO) do Ministério do
Trabalho e Emprego;

m. Cópia da Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS), devidamente


atualizada;

n. Cópia do Registro do colaborador, devidamente atualizado;

o. Comprovante da realização dos exames previstos no PCMSO e ASO.

p. Cópia da cautela de entrega de Equipamentos de Proteção Individual (EPI);

q. Comprovante da transmissão de Instrução de Segurança / Ordens de


Serviço, para os trabalhadores, conforme alínea “b”, item 1.7 da NR 01;

r. Cópia dos certificados de aprovação dos EPI’s;

s. Planos de manutenção de equipamentos e veículos;

t. Procedimentos de Trabalho e;

u. Cópia do controle das CNH’s e dos certificados dos treinamentos de


Direção Defensiva dos colaboradores autorizados a conduzir veículos.

OBS.: No caso da Empresa Fornecedora possuir Profissional de Segurança, deve


DocuSign Envelope ID: 20A92AD9-B70D-4957-A20D-006F1E513A84

Elaborado em: Pagina:


NORMA DE PROCEDIMENTO
10/2010 20 de 34
Revisão: Próx.Revisão:
Título: Caderno de Segurança 08/2020
08/2018

ser ele pessoalmente a realizar este procedimento de alinhamento.

Os demais documentos devem permanecer de fácil acesso na base da


empresa para fiscalização e auditoria.

5.1.2 INSPEÇÕES PRÉVIAS

a. As equipes só poderão iniciar as atividades após inspeção de segurança e


liberação formal a ser dada pela equipe de Segurança no Trabalho da
CONTRATANTE, ou por pessoas designadas formalmente para tal
liberação;

b. As inspeções serão realizadas em equipamentos de proteção individual,


equipamentos de proteção coletiva, veículos, equipamentos e ferramentas
e;

c. As equipes deverão se apresentar para as inspeções de posse do


formulário de inspeção devidamente assinado pelo Técnico de Segurança
do Trabalho responsável da empresa.

5.2 METAS, PLANO DE AÇÃO E REUNIÕES DE SEGURANÇA

a. As Empresas Fornecedoras devem possuir metas de Segurança acordadas


com a área de segurança do trabalho da CONTRATANTE antes do início das
atividades e, reformuladas anualmente.

b. A especificação das Metas e Plano de Ação se dará por meio de planilha para
acompanhamento mensal.

c. O acompanhamento das metas junto à CONTRATANTE se dará por meio da


apresentação da Planilha de Metas e das ações executadas nas Reuniões de
Segurança com as Empresas Fornecedoras, a se realizar com frequência
estabelecida pela área de Segurança do trabalho CONTRATANTE nas
respectivas Regionais.

5.3 COMUNICAÇÃO DE ACIDENTES DE TRABALHO


DocuSign Envelope ID: 20A92AD9-B70D-4957-A20D-006F1E513A84

Elaborado em: Pagina:


NORMA DE PROCEDIMENTO
10/2010 21 de 34
Revisão: Próx.Revisão:
Título: Caderno de Segurança 08/2020
08/2018

a. A Empresa Fornecedora deverá informar à CONTRATANTE em até 24 horas


todos os acidentes de trabalho, seja CPT, SPT, com lesão, sem lesão ou de
trajeto, bem como, incidentes com potencial de risco.

b. Quando da ocorrência de acidente do trabalho, a Empresa Fornecedora deverá


adotar o seguinte procedimento:

b.1 Comunicar imediatamente ao Gestor do Contrato e área de segurança do


trabalho, por telefone, e-mail, fax ou outro meio disponível.

b.2 Providenciar a Comunicação de Acidente do Trabalho – CAT e registrá-la


no INSS em até 24hs.

Observação 1: Caso não haja informações suficientes para abertura da CAT


Final no limite do prazo informado acima, deve-se realizar a abertura da
CAT Parcial em até 24hs;

Observação 2: Se após conclusão da investigação do acidente for constatado


que não há qualquer relação com acidente de trabalho, a referida CAT
Parcial deverá ser cancelada junto ao INSS.

b.3 Providenciar a Comunicação de Acidente do Trabalho a Superintendência


Regional do Trabalho – SRT em até 24hs.

b.4 Formalizar a comunicação do acidente preenchendo e encaminhando o


formulário de Comunicação de Acidente para o Gestor do contrato e
GERÊNCIA DE GENTE E GESTÃO (ÁREA DE SEGURANÇA), em até
24hs;

b.5 Promover a investigação do acidente e enviar uma cópia do Relatório de


Acidente para a Gerência de Gente e Gestão da EQUATORIAL ENERGIA,
conforme modelo sugerido no Anexo II, juntamente com a cópia da CAT,
no prazo máximo de 15 (quinze) dias após a data do ocorrido.

c. Os colaboradores envolvidos diretamente em acidente com perda de tempo -


CPT devem ser submetidos a um novo introdutório de segurança do trabalho,
somente podendo retornar às suas atividades após liberação formal da
DocuSign Envelope ID: 20A92AD9-B70D-4957-A20D-006F1E513A84

Elaborado em: Pagina:


NORMA DE PROCEDIMENTO
10/2010 22 de 34
Revisão: Próx.Revisão:
Título: Caderno de Segurança 08/2020
08/2018

EQUATORIAL ENERGIA.

Nota 1: Todo acidente fatal relacionado ao trabalho, inclusive as doenças do


trabalho que resultem morte, deve ser comunicado à unidade do Ministério do
Trabalho e Emprego mais próxima à ocorrência no prazo de até vinte e quatro
horas após a constatação do óbito, além de informado no mesmo prazo por
mensagem eletrônica ao Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho, da
Secretaria de Inspeção do Trabalho, no endereço dsst.sit@mte.gov.br contendo
as informações listadas abaixo.

Empregador

CNPJ, CEI ou CPF

Endereço e telefone da
empresa

Número da CAT registrada

Data do Óbito

Nome do Acidentado

Endereço do acidente

Situação geradora do
acidente

PORTARIA N.º 589 DE 28 DE ABRIL DE 2014 - MTE

Nota 2: A comunicação de que trata a Nota 1 não suprime a obrigação do


empregador de notificar todos os acidentes do trabalho e doenças relacionadas
ao trabalho, com ou sem afastamento, comprovadas ou objeto de suspeita,
mediante a emissão de Comunicação de Acidente de Trabalho - CAT apresentada
ao órgão competente do Ministério da Previdência Social.
DocuSign Envelope ID: 20A92AD9-B70D-4957-A20D-006F1E513A84

Elaborado em: Pagina:


NORMA DE PROCEDIMENTO
10/2010 23 de 34
Revisão: Próx.Revisão:
Título: Caderno de Segurança 08/2020
08/2018

5.4 INTERVENÇÃO NO SISTEMA ELÉTRICO DA EQUATORIAL ENERGIA

a. Quaisquer atividades de intervenção no sistema elétrico da EQUATORIAL


ENERGIA só podem ser executadas com emissão da P.T – Permissão de
Trabalho ou O.S – Ordem de Serviço e, nos casos de manobras/operações
programadas ou em tempo real, com a devida autorização e comunicação com o
Centro de Operações Integradas - COI da CONTRATANTE, conforme normas e
procedimentos da Empresa, sendo considerada falta gravíssima qualquer
intervenção sem a autorização da mesma.

b. As intervenções somente poderão ser realizadas por profissionais


devidamente capacitados, qualificados, habilitados e autorizados no teor da NR
10 e seguindo todas as demais normas e procedimentos operacionais padrão de
trabalho aplicáveis.

c. As estruturas em construção que se localizarem próximas às estruturas


energizadas ou que cruzem estruturas energizadas em qualquer trecho, deverão
ser liberadas para os trabalhos somente após o cumprimento das “Regras de
Ouro”.

d. Os trabalhadores autorizados a intervir em instalações elétricas devem ser


submetidos à exame de saúde compatível com as atividades a serem
desenvolvidas, realizado em conformidade com a NR 7 e registrado em seu
prontuário médico.

e. Nos serviços executados em instalações elétricas, devem ser adotadas


medidas de proteção coletiva aplicáveis, mediante procedimentos, às atividades
desenvolvidas, de forma a garantir a segurança e a saúde dos trabalhadores. Nos
trabalhos em instalações elétricas, quando as medidas de proteção coletiva forem
tecnicamente inviáveis ou insuficientes para controlar os riscos, devem ser
adotados equipamentos de proteção individual específicos e adequados às
atividades desenvolvidas, em atendimento ao disposto na NR 6.
DocuSign Envelope ID: 20A92AD9-B70D-4957-A20D-006F1E513A84

Elaborado em: Pagina:


NORMA DE PROCEDIMENTO
10/2010 24 de 34
Revisão: Próx.Revisão:
Título: Caderno de Segurança 08/2020
08/2018

f. As vestimentas de trabalho devem ser adequadas às atividades, contemplando


a condutibilidade, inflamabilidade e influências eletromagnéticas.

g. As pessoas responsáveis pela execução das medidas de salvamento devem


estar capacitadas a executar o resgate, prestar primeiros socorros e possuir
aptidão física e mental compatível com a atividade a desempenhar.

h. Durante a execução da atividade que o acesso seja por cordas, o trabalhador


deve permanecer conectado a, pelo menos, duas cordas em pontos de ancoragem
independentes. A execução da atividade com o trabalhador conectado a apenas
uma corda pode ser permitida se atendidos cumulativamente aos seguintes
requisitos: a) for evidenciado na análise de risco que o uso de uma segunda corda
gera um risco superior; b) sejam implementadas medidas suplementares,
previstas na análise de risco, que garantam um desempenho de segurança no
mínimo equivalente ao uso de duas cordas.)

5.5 USO DE ESPORAS

É proibido o uso de esporas em redes ELÉTRICAS DE TRANSMISSÃO (ALTA


OU MÉDIA TENSÃO) OU DISTRIBUIÇÃO (MÉDIA TENSÃO) ENERGIZADAS. O
uso de esporas é permitido somente quando as redes encontrarem-se
desenergizadas (seccionada, bloqueada, testada, aterrada, sinalizada e com
partes energizadas em suas proximidades devidamente protegidas) e não for
possível a utilização de escadas.

Todas as estruturas a serem trabalhadas devem ser checadas, inclusive as partes


enterradas, verificando-se a integridade das mesmas e os locais onde as esporas
serão apoiadas, para evitar que as mesmas venham a tombar ou quebrar com o
peso dos eletricistas. Não é permitido o uso de esporas em estruturas molhadas
devido ao risco de queda. O uso da linha de vida também é obrigatório para
operações com espora. Deve ser preenchida a Análise Preliminar de Risco para
cada atividade/estrutura a ser trabalhada.
DocuSign Envelope ID: 20A92AD9-B70D-4957-A20D-006F1E513A84

Elaborado em: Pagina:


NORMA DE PROCEDIMENTO
10/2010 25 de 34
Revisão: Próx.Revisão:
Título: Caderno de Segurança 08/2020
08/2018

Para REDES DE BAIXA TENSÃO ENERGIZADAS devem ser respeitados os itens


abaixo:

1. Para redes de baixa tensão energizadas devem ser usados os lençóis


isolantes em todas as fases e neutro e os eletricistas devem fazer uso da
luva isolante classe 0 (zero). Caso exista iluminação pública no local, o
braço da luminária também deve ser isolado com lençol isolante. Deve ser
preenchida a Análise Preliminar de Riscos antes da execução da tarefa.

2. Para os casos de poste 150/9 ou 150/10, os mesmos devem ser estaiados


provisoriamente no sentido contrário de onde haverá a escalada, para que
os esforços sejam anulados, evitando-se assim a quebra da estrutura. O
peso dos eletricistas, neste caso, deve ser limitado em 90 Kg que é o
esforço máximo que a face de escalada suporta de acordo com
informações do fabricante.

3. Durante o preenchimento da Análise Preliminar de Riscos deve ser


verificada a condição da estrutura (agressões do tempo, deterioração,
marcas de abalroamento, erosão próxima à estrutura, estabilidade da
estrutura, trincas ou rachaduras, engastamento ou outras condições que
não ofereçam segurança para realização das atividades).

4. Recomenda-se o uso da linha de vida em todas as atividades em altura, em


cumprimento ao disposto na NR 35 que trata de trabalhos em altura.

5. Não é recomendado a subida em estruturas que estejam molhadas devido


ao risco das esporas escorregarem e o eletricista não conseguir
estabilidade durante a subida ou descida, considerar também o risco da
estrutura molhada propiciar vazamento de corrente elétrica.

6. As empresas responsáveis pelas atividades deverão possuir


procedimentos operacionais específicos para estas atividades, de forma a
mantermos registro formal padronizado para realização de tarefas,
conforme consignado na NR 10 que trata de serviços com eletricidade.

As esporas devem estar em boas condições e o eletricista deve verificar os


componentes metálicos e a resistência das fitas de couro antes do uso. Em casos
DocuSign Envelope ID: 20A92AD9-B70D-4957-A20D-006F1E513A84

Elaborado em: Pagina:


NORMA DE PROCEDIMENTO
10/2010 26 de 34
Revisão: Próx.Revisão:
Título: Caderno de Segurança 08/2020
08/2018

que o couro das esporas venham a se molhar as mesmas devem secar à sombra
antes de serem guardadas para se evitar ressecamento ou apodrecimento.

Os eletricistas que forem trabalhar com este tipo de equipamento devem obedecer
à NR35 e receberem o treinamento nos moldes citados na referida norma.

Nota 3: Em áreas de difícil acesso, onde o uso de escadas não for possível,
excepcionalmente, será liberado o uso das esporas desde que respeitadas todas
as condições citadas anteriormente, avaliado e controlado também os riscos
adicionais, mas sempre sendo tratado como exceção e não como regra.

5.6 ABERTURA E FECHAMENTO DE CHAVES SECCIONADORAS

É obrigatória a utilização de escadas para manobras em chaves seccionadoras,


sendo que todo o procedimento padrão para utilização das mesmas deve ser
cumprido. Nos casos onde a utilização de escadas não for possível, o
procedimento deverá ser realizado utilizando o tapete isolante ou banqueta
isolada. Não é permitido realizar manobras em chaves seccionadoras utilizando
esporas.

6 ALOJAMENTOS

Para atividades onde seja necessário alojamento para colaboradores, o


mesmo deverá obedecer aos requisitos da NR 18:

18.4.2.10. Alojamento.

18.4.2.10.1. Os alojamentos dos canteiros de obra devem:

a. ter paredes de alvenaria, madeira ou material equivalente;

b. ter piso de concreto, cimentado, madeira ou material equivalente;

c. ter cobertura que proteja das intempéries;

d. ter área de ventilação de no mínimo 1/10 (um décimo) da área do piso;


DocuSign Envelope ID: 20A92AD9-B70D-4957-A20D-006F1E513A84

Elaborado em: Pagina:


NORMA DE PROCEDIMENTO
10/2010 27 de 34
Revisão: Próx.Revisão:
Título: Caderno de Segurança 08/2020
08/2018

e. ter iluminação natural e/ou artificial;

f. ter área mínima de 3,00 (três metros) quadrados por módulo


cama/armário, incluindo a área de circulação;

g. ter pé-direito de 2,50 (dois metros e cinqüenta centímetros) para cama


simples e de 3,00m (três metros) para camas duplas;

h. não estar situados em subsolos ou porões das edificações;

i. ter instalações elétricas adequadamente protegidas.

18.4.2.10.2. É proibido o uso de 3 (três) ou mais camas na mesma vertical.

18.4.2.10.3. A altura livre permitida entre uma cama e outra e entre a última e o
teto é de, no mínimo, 1,20m (um metro e vinte centímetros).

18.4.2.10.4. A cama superior do beliche deve ter proteção lateral e escada.

18.4.2.10.5. As dimensões mínimas das camas devem ser de 0,80m (oitenta


centímetros) por 1,90m (um metro e noventa centímetros) e distância entre o
ripamento do estrado de 0,05m (cinco centímetros), dispondo ainda de colchão
com densidade 26 (vinte e seis) e espessura mínima de 0,10m (dez centímetros).

18.4.2.10.6. As camas devem dispor de lençol, fronha e travesseiro em condições


adequadas de higiene, bem como cobertor, quando as condições climáticas assim
o exigirem.

18.4.2.10.7. Os alojamentos devem ter armários duplos individuais com as


seguintes dimensões mínimas:

a. 1,20m (um metro e vinte centímetros) de altura por 0,30m (trinta


centímetros) de largura e 0,40m (quarenta centímetros) de profundidade, com
separação ou prateleira, de modo que um compartimento, com a altura de
0,80m (oitenta centímetros), se destine a abrigar a roupa de uso comum e o
outro compartimento, com a altura de 0,40m (quarenta centímetros), a guardar
a roupa de trabalho; ou

b. 0,80m (oitenta centímetros) de altura por 0,50m (cinqüenta centímetros) de


largura e 0,40m (quarenta centímetros) de profundidade com divisão no sentido
DocuSign Envelope ID: 20A92AD9-B70D-4957-A20D-006F1E513A84

Elaborado em: Pagina:


NORMA DE PROCEDIMENTO
10/2010 28 de 34
Revisão: Próx.Revisão:
Título: Caderno de Segurança 08/2020
08/2018

vertical, de forma que os compartimentos, com largura de 0,25m (vinte e cinco


centímetros), estabeleçam rigorosamente o isolamento das roupas de uso
comum e de trabalho.

18.4.2.10.8. É proibido cozinhar e aquecer qualquer tipo de refeição dentro do


alojamento.

18.4.2.10.9. O alojamento deve ser mantido em permanente estado de


conservação, higiene e limpeza.

18.4.2.10.10. É obrigatório no alojamento o fornecimento de água potável, filtrada


e fresca, para os trabalhadores por meio de bebedouros de jato inclinado ou
equipamento similar que garanta as mesmas condições, na proporção de 1 (um)
para cada grupo de 25 (vinte e cinco) trabalhadores ou fração.

18.4.2.10.11. É vedada a permanência de pessoas com moléstia


infectocontagiosa nos alojamentos.

7 RESPONSABILIDADES

a. A Empresa Fornecedora responsabilizar-se-á integralmente por acidentes ou


mortes ocorridas durante os serviços, com seus colaboradores ou prepostos.

b. A Empresa Fornecedora responsabilizar-se-á pela inobservância ou infrações


de disposições legais, normas e regulamentos ou que sejam direcionadas à
CONTRATANTE pelo não cumprimento da legislação.

c. A Empresa Fornecedora é obrigada a cumprir a Lei n° 6.514/77, a Portaria


3.214/78 e a Portaria 598 de dezembro de 2004, referente à NR 10, bem como
os procedimentos de Saúde e Segurança da EQUATORIAL ENERGIA.

d. Cabe aos Gestores de Contrato, à GERÊNCIA DE GENTE E GESTÃO (área


de segurança do trabalho) e à Gerência de Suprimentos e Logística, a
responsabilidade de assegurar o cumprimento das cláusulas contratuais e das
normas de saúde e segurança do trabalho por parte das Empresas
Fornecedoras.
DocuSign Envelope ID: 20A92AD9-B70D-4957-A20D-006F1E513A84

Elaborado em: Pagina:


NORMA DE PROCEDIMENTO
10/2010 29 de 34
Revisão: Próx.Revisão:
Título: Caderno de Segurança 08/2020
08/2018

e. O Grupo Equatorial Energia repudia quaisquer situações de trabalhos escravos


ou análogos, sendo de responsabilidade das empresas Fornecedoras a
garantia das obrigações trabalhistas e de segurança de seus colaboradores,
sendo as mesmas passíveis de multas e distrato.

f. As responsabilidades das empresas fornecedoras não se limitam ao conteúdo


deste caderno, sendo obrigatório o conhecimento das legislações vigentes,
bem como o seu atendimento de acordo com as atividades desenvolvidas.

8 PENALIDADES

a. Os contratos entre as empresas do GRUPO EQUATORIAL ENERGIA e as


Empresas Fornecedoras preveem penalidades para os casos de não
cumprimento de cláusulas de Saúde e Segurança do Trabalho.

b. As penalidades estabelecidas serão aplicadas pelo não atendimento à


Legislação, procedimentos, normas, instruções e recomendações relativos à
Saúde e Segurança do Trabalho.

c. Quando da realização de inspeções/mutirões de segurança pela


CONTRATANTE, caso sejam constatados equipamentos fora de condições de
uso, irregularidades, adulterações ou o uso de equipamentos proibidos, a
CONTRATANTE possui autorização para recolher os itens “defeituosos” e para
inutilizar os EPI e EPC sem condições de uso. A devolução será realizada
somente após correção das situações não conformes.

d. Quando da realização de inspeções/mutirões de segurança realizadas pela


CONTRATANTE, em procedimentos de trabalho, EPI, EPC, ferramentas e
veículos, for registrada uma não conformidade, a Empresa Fornecedora será
notificada/multada por escrito e terá um prazo para correção da situação de
risco.

e. A CONTRATANTE tem autonomia para paralisar as equipes (atividades e


veículo) caso seja identificada situação de risco grave e iminente. As equipes
só poderão retornar às atividades após correção das não conformidades e,
DocuSign Envelope ID: 20A92AD9-B70D-4957-A20D-006F1E513A84

Elaborado em: Pagina:


NORMA DE PROCEDIMENTO
10/2010 30 de 34
Revisão: Próx.Revisão:
Título: Caderno de Segurança 08/2020
08/2018

com prévia apresentação ao responsável pela paralisação.

f. Caso o Gestor do contrato ou a fiscalização da equipe de Segurança do


Trabalho da CONTRATANTE encontrar qualquer não conformidade no
atendimento aos procedimentos de segurança por ela estabelecidos, às
normas, instruções ou suas recomendações, notificará a CONTRATADA
através do formulário de notificação ou informe de segurança via e-mail,
estabelecendo prazo para correção da irregularidade, informando as não
conformidades identificadas na inspeção e atribuindo pontos à infração de
acordo com tabela de pontuação estabelecida em contrato, na Cláusula das
Penalidades.

g. As notificações poderão, sob exclusivo critério do responsável da


CONTRATANTE pela imposição da penalidade, ser entregues pessoalmente
ao preposto indicado pela CONTRATADA, encaminhadas ao endereço
eletrônico do seu representante, ou o envio via correios;

h. A cada dez pontos alcançados, a empresa será multada no valor de R$


1.000,00 (um mil reais), cujo valor será descontado do pagamento do próximo
faturamento vincendo.

9 PRAZO PARA APRESENTAÇÃO DA DOCUMENTAÇÃO

Toda a documentação constante neste caderno deve ser entregue na área de


segurança do trabalho da CONTRATANTE antes do início das atividades pelo
fornecedor.

A renovação dos documentos deve ser feita sempre 30 dias antes de seu
vencimento para o caso de documentação que tenha prazo de validade (Ex.:
PPRA, PCMSO, ASO, Certificados de treinamentos, entre outros).
DocuSign Envelope ID: 20A92AD9-B70D-4957-A20D-006F1E513A84

Elaborado em: Pagina:


NORMA DE PROCEDIMENTO
10/2010 31 de 34
Revisão: Próx.Revisão:
Título: Caderno de Segurança 08/2020
08/2018

10 COMUNICAÇÃO COM A ÁREA DE SEGURANÇA DO TRABALHO DA


EQUATORIAL ENERGIA

OBS - INSERIR O E-MAIL DE CADA EMPRESA.


Endereço: Alameda A, Qd SQS s/n° Loteamento Quitandinha Altos do Calhau
São Luís – MA
CEP: 65071-680
Telefone: (98) 3217 2205 ou 98877 7855
E-mail: seguranca@EQUATORIAL ENERGIA-ma.com.br

11 GLOSSÁRIO

Alta Tensão (AT): tensão superior a 1000 volts em corrente alternada ou


1500 volts em corrente contínua, entre fases ou entre fase e terra.
Área Classificada: local com potencialidade de ocorrência de atmosfera
explosiva.
Aterramento Elétrico Temporário: ligação elétrica efetiva confiável e
adequada intencional à terra, destinada a garantir a equipotencialidade e mantida
continuamente durante a intervenção na instalação elétrica.
Atmosfera Explosiva: mistura com o ar, sob condições atmosféricas, de
substâncias inflamáveis na forma de gás, vapor, névoa, poeira ou fibras, na qual
após a ignição a combustão se propaga.
Baixa Tensão (BT): tensão superior a 50 volts em corrente alternada ou 120
volts em corrente contínua e igual ou inferior a 1000 volts em corrente alternada ou
1500 volts em corrente contínua, entre fases ou entre fase e terra.
Barreira: dispositivo que impede qualquer contato com partes energizadas
das instalações elétricas.
Contratada, Fornecedor ou Parceira: entende-se por organizações que
realizam serviços regidos por um acordo contratual com a EQUATORIAL ENERGIA,
e que não seja diretamente controlada ou supervisionada por empregados da
companhia.
DocuSign Envelope ID: 20A92AD9-B70D-4957-A20D-006F1E513A84

Elaborado em: Pagina:


NORMA DE PROCEDIMENTO
10/2010 32 de 34
Revisão: Próx.Revisão:
Título: Caderno de Segurança 08/2020
08/2018

Direito de Recusa: instrumento que assegura ao trabalhador a interrupção


de uma atividade de trabalho por considerar que ela envolve grave e iminente risco
para sua segurança e saúde ou de outras pessoas.
Equipamento de Proteção Coletiva (EPC): dispositivo, sistema, ou meio,
fixo ou móvel de abrangência coletiva, destinado a preservar a integridade física e a
saúde dos trabalhadores, usuários e terceiros.
Equipamento Segregado: equipamento tornado inacessível por meio de
invólucro ou barreira.
Extra-Baixa Tensão (EBT): tensão não superior a 50 volts em corrente
alternada ou 120 volts em corrente contínua, entre fases ou entre fase e terra.
Gestor de Contrato:Enxergamos a pessoa que coordena a prestação de
serviços desde a elaboração do escopo até o encerramento dos trabalhos dos
fornecedores.
Influências Externas: variáveis que devem ser consideradas na definição e
seleção de medidas de proteção para segurança das pessoas e desempenho dos
componentes da instalação.
Instalação Elétrica: conjunto das partes elétricas e não elétricas associadas
e com características coordenadas entre si, que são necessárias ao funcionamento
de uma parte determinada de um sistema elétrico.
Instalação Liberada para Serviços (BT/AT): aquela que garanta as
condições de
segurança ao trabalhador por meio de procedimentos e equipamentos adequados
desde o início até o final dos trabalhos e liberação para uso.
Impedimento de Reenergização: condição que garante a não energização
do circuito através de recursos e procedimentos apropriados, sob controle dos
trabalhadores envolvidos nos serviços.
Invólucro: envoltório de partes energizadas destinado a impedir qualquer
contato com partes internas.
Isolamento Elétrico: processo destinado a impedir a passagem de corrente
elétrica, por interposição de materiais isolantes.
Obstáculo: elemento que impede o contato acidental, mas não impede o
contato direto por ação deliberada.
DocuSign Envelope ID: 20A92AD9-B70D-4957-A20D-006F1E513A84

Elaborado em: Pagina:


NORMA DE PROCEDIMENTO
10/2010 33 de 34
Revisão: Próx.Revisão:
Título: Caderno de Segurança 08/2020
08/2018

Passaporte do Colaborador: Documento de porte obrigatório dos


colaboradores que consta as informações e instruções necessárias para
identificação do trabalhador e de seus níveis de autorização além de outras
informações específicas para o bom andamento das atividades.
Perigo: situação ou condição de risco com probabilidade de causar lesão
física ou dano à saúde das pessoas por ausência de medidas de controle.
Pessoa Advertida: pessoa informada ou com conhecimento suficiente para
evitar os perigos da eletricidade.
Preposto da Contratada: É aquela nomeada pelo fornecedor, com a
experiência específica para cumprir as obrigações contratuais, incluindo as
relacionadas á Saúde, Segurança e Meio Ambiente, mediante o contrato aplicável
ao serviço.
Procedimento: seqüência de operações a serem desenvolvidas para
realização de um determinado trabalho, com a inclusão dos meios materiais e
humanos, medidas de segurança e circunstâncias que impossibilitem sua realização.
Prontuário: sistema organizado de forma a conter uma memória dinâmica de
informações pertinentes às instalações e aos trabalhadores.
Risco: capacidade de uma grandeza com potencial para causar lesões ou
danos à saúde das pessoas.
Riscos Adicionais: todos os demais grupos ou fatores de risco, além dos
elétricos, específicos de cada ambiente ou processos de Trabalho que, direta ou
indiretamente, possam afetar a segurança e a saúde no trabalho.
Sinalização: procedimento padronizado destinado a orientar, alertar, avisar e
advertir.
Sistema Elétrico: circuito ou circuitos elétricos inter-relacionados destinados
a atingir um determinado objetivo.
Sistema Elétrico de Potência (SEP): conjunto das instalações e
equipamentos destinados à geração, transmissão e distribuição de energia elétrica
até a medição, inclusive.
Tensão de Segurança: extra baixa tensão originada em uma fonte de
segurança.
DocuSign Envelope ID: 20A92AD9-B70D-4957-A20D-006F1E513A84

Elaborado em: Pagina:


NORMA DE PROCEDIMENTO
10/2010 34 de 34
Revisão: Próx.Revisão:
Título: Caderno de Segurança 08/2020
08/2018

Trabalho em Proximidade: trabalho durante o qual o trabalhador pode entrar


na zona controlada, ainda que seja com uma parte do seu corpo ou com extensões
condutoras, representadas por materiais, ferramentas ou equipamentos que
manipule.
Travamento: ação destinada a manter, por meios mecânicos, um dispositivo
de manobra fixo numa determinada posição, de forma a impedir uma operação não
autorizada.
Zona de Risco: entorno de parte condutora energizada, não segregada,
acessível inclusive acidentalmente, de dimensões estabelecidas de acordo com o
nível de tensão, cuja aproximação só é permitida a profissionais autorizados e com a
adoção de técnicas e instrumentos apropriados de trabalho.

Zona Controlada: entorno de parte condutora energizada, não segregada,


acessível, de dimensões estabelecidas de acordo com o nível de tensão, cuja
aproximação só é permitida a profissionais autorizados.

12 ANEXOS

Anexo I - APR / Check – List


Anexo II - Relatórios de Acidente
Anexo III - Planilhas de Inspeção

Você também pode gostar