Você está na página 1de 6

fauvismo

expressionismo

orfismo. Íuturismo
vorticismo

dadá e surrealismo

suprematismo. de stijl
construtivismo
expressionismo abstrato

arte cinética

arte PoP r ârtê oP

minimalismo

arte conceitua!
FuruRrsMo
Nonaenr Lvruron

Cl ub muitos aspectos, o futurismo foi único entre os movimentos artísticos mo-


r) d.rnor. Era italiano. Originou-se numa concepção de civilização e encontrou
expressão primeirarnente nas palavras; em vez de resultar de algum desconten-
tamento com idiomas de arte herdados e da ambição de criar um novo idioma,
partiu de uma idéia geral e só com dificulclade encontrou expressão artística. De
certo modo, foi o movimento mais radical, rejeitando ruidosamente todas as
tradições e os valores e instituições consagrados pelo tempo. Propagou suas idéias
muito rapidamente por toda a Europa, de Londres a Moscou, e foi el?mero
episódio meteórico, cuja importância duradoura tem sido geralmente subestimada,
- um
Escoiheu o seu próprio nome
- ao contrário de movimentos conloe ernpeúou-se
o cubisrno, que foram assim rotulados por críticos antagonistas
o fa,-lvismo e

-
em fornecer seu próprio fundamento lógico de forma literária: a tra<liçãr: rnod*rna
de manifestos afiísticos tern suâ origem básica no futurismc"
Ü poeta Filippo Tomma-so Marinetti {187{>1944) foi o fuiventer do n:i*vimen{o.
No outono de i908, ele escreveu itm manifesto que apareceu primeiro corn.,
prefácio parâ um volume de seus poemas, editado ern Mi1ão en-r janeirr-r de XgCI9"
Foi, entretanto, sua publicação em francês rra primeira página d* Lc Figarr; err 20
cie fevereiro <io rnesmc) ano que lhe propiciou o impacto que *stava busc*ndr:, e esía
é geraliriente corrsideracla a <iata de nascinlen{o do futurismo,
Cclrro nome paraxr mo-;imento, Mariretti hesitara er:tre <iinamlsria, elelri-
cidade e fuiuristnc. Âs aJtenrativas sugercm onrÍe estavarn seus intelesses. h.r[*is
corrscir.nte do qi.re a maioria dos escritores e artistas schr* o mund* dc pr:cl+r
tecnológico crescente, Marinetti queria que âs anes demolissem c passadc *:
celebrassern as deiicias da veloci<iade e da enersiit mecânie a. Escreveu ele e;n seu
nianifesto:

Declaramos que o esplendor do mundo foi aumentado por umâ nov* beleza: a bcieza da
velocidatlc. Um carro de corrida, sua canoceria ornamentada por gtandes tubos quc irâreceÍn
serpentes com rcspitação explosiva... um autcmrivel estridenle quc pareee corrcl cornc uftla
metrâlha é mais belo do que a Vitória AlaCa de Sa»ntrátia [a famcsa cscultura heienística nc
Louvte].." A belcza agora só existe na luta. Uma ohra que não seja dc caráter agressivo não p«ii:
ser umâ obra-prima... Querernos glorifiear â gucrra -- a úrrica higicnc Jo mutrric u
militarismo, o pattiotismo, o ato destru{ivo <Jos anarquistas, as l*ias irióias pelas quais um
-,
individuo morfe, o desprezo pclas mulhcrcs. Qucrcmos dcstruir tx; filuseus, as bihlloteeas e as
academias de todas as espécies, e combatel o moralisnro, o íeminismo e tai.las as torpezas
opôrtunistàs e utilitáriâs. Cantaremos as grandes rnuítidôcs cxcitadas pelo traball.:c, r: ptazer ou
os motins, as marés multicoloridas e de milhares de vozes da rcvoltiçãc eni capitais:-nodemas.
Cantatemos a incandescêncía notuma e vibtante tle arsenais o estaleiros, refulgirrdo *m violentas

'lt
eÊ*íI.aã
!

:?ií+íi+*
l;ãíiÉãi i: ãã r
ã 1ã [B íâ } íi íÉãi ÉãÊêãíiÊii§íiâiÊiââís
g gg g
g
T,,íí r l e É ã
r i â; í ãâ
ã § i
í í
i í íí Êí I I í ãÊf i aI ; IIi ãAI

titíâ
=
íÊi
í1rr
íiI gg§gllãgg*
ãírÊ: *gIlãíiâggt írl [rãeãs 3
Éris1íf ã

,i7iiíí êí§ííígâí í gÊr


ígiâiiíâiâíãíãíÍãsítííg[g ;
!
{

ía;Íã ãÊíÉ

[íâ íÉi e i- i
í tã i
iizã
=tií íãÊá';
ãÊÊ1*irã §ã ãíÍ §ãáÉ ài1íg íãíilâiÃÊã1r ír:a: âs;;ni;

laâírí'íããlãlíãiããgãí's§íí§íííêÊgíls
iár ríg íÊãíãlE
l* I âiê, iíããiír*êiɧtí rsííg1í§gígãpí
ã

.tlr ã I eííã ââíãã§íg ãS rtÉ ílí,iug}3;

§ iI ?rãí:ÊÉ H í9
iíEáâÊet:|iãi:-
: I ô'9.- "^ õ-:-13 g 3
7ÉYP>=92?iõ'8.ãP=á
i*âlriÊãalri ;ã
ãrtãEÊÉãa3Erâ}
??áíí;íí1+íã+Í
r Fã:õ ú; g I 9 iç ií1.
3ÊÍrrÉÉ5qi13ã;

ãe iíããÊíÉ íiEõ'
3 3 o-a: ó -<= = i'Y
?2õ 7 a =. =-- E i , F ó -E
= * ; X! I ='õ B ã" c
=
3ã ãaíEei ãããrr
E€ a 3 Íq3; F§.l-E É
ãr+ar§iã;F5ã:
ã'1 <ilE:á;E',:A?
: 3:.5 3 ã-qs=: â ? ="É*
aiP:+li*i=i*= ,
=

!
i
-rE
CONCEITOS DA ARTE MODERNA
Nikos Stangos
(organizador)

conceitos da Arte Modema apresenta ao grande público os príncipais


conceitos e transformfÇQes da arte a partir oe t'goo até o presente,
analisados em uma coletânea de ensaios escritos por alguns'dos mais
ímportantes e renomados historiadores e críticos dà arte ãa lnglàtena e
dos Estados unidos,.delineando um painel que é confibuição iunda-
mental para uma história da arte moderna. Sãô os seguintes ôs ensaios
que formam esta coletânea:

Fauvismo De Stijl
SInRx WHIFIELD Kerurueru FRRuproN
Exprec,sionismo Construtivismo
NoRgeRT LYNToN ARRoll SoHARF
Cubismo Expressioni smo Abstrato
JoHtt GololNc CHARLES HRRntsott
Purismo Arle Cinética
CsRrstopxeR Gneenr Cynt BRnner
Orfismo Arte Pop
VTRGtNtA SpATE EDWARD LucIe.Surx
Futurismo Arte Op
NoReTRT LYNToN Jasn RercxRnor
Vorticismo Minimalismo
Plul OveRy SUZI GABLIK
Dadá e Sutealismo Arte Conceitual
DRwruÁoes RosEnre Si/rrFt
Suprematismo
Aenoru Scxnnr

@ Jorge ZaharEditor t$.

Você também pode gostar