Você está na página 1de 1

Política Social II

Professora Mara T. Valente


Cleber Fernando dos Santos 4° Ano.

Resenha do texto – E no Brasil?- Comentário critico sobre a Política de


seguridade social como parte da proteção social.

A leitura do presente texto possibilita a visibilidade histórica de como se deu a


introdução do sistema Capitalista no Brasil. Partindo desde a apatia do
movimento abolicionista, a criação das caixas de aposentadoria e elevação dos
direitos trabalhistas em determinadas categorias de trabalhadores.
Com a inserção de trabalhadores migrantes europeus, devido a cultura
sindicalista destes trabalhadores. Tem inicio a luta por direitos sociais e
trabalhistas, ainda que de forma tímida comparada aos movimentos
trabalhistas ingleses.
No avançar das lutas, Getúlio Vargas aprova a Consolidação das Leis
Trabalhistas (C.L.T) com a forte contradição de ser: direitos trabalhistas
baseados na Carta De Labour instituída no governo italiano e fascista de
Mussolini. Mas ainda assim um avanço frente o cenário posto até então.
Com o golpe militar em 1964 os avanços retrocedem, o Capitalismo
entra no Brasil a força (literalmente!!!) e com força total, há uma forte
campanha para que o povo trabalhe mais em prol do crescimento econômico
da nação, marcado principalmente pela perseguição a aqueles que se punham
contrários a ordem vigente, cerceando assim os poucos direitos sociais dos
quais dispunham o povo Brasileiro.
Em 1980, o regime militar dá sinais de sua insustentabilidade e
insuficiência, assim, ganham forças os movimentos populares que buscavam
além do fim do regime, direitos sociais como por exemplo o voto direto e a
instituição de uma Constituição legitimamente democrática, fruto da conquista
dos movimentos populares.
É instituída então a Constituição de 1988, versando sobre direitos
sociais diversos. No entanto, mesmo com esta conquista, chegamos ao século
XXI com contradições crescentes. Serviços sócios assistenciais marcados pelo
paternalismo, clientelismo e favoritismo.
Mesmo elegendo um governo de esquerda, este não rompe com a atual
ordem econômica neoliberalista que se fortifica com a desigualdade.
Quanto a previdência social, o que temos é um forte declive quanto aos
direitos trabalhistas, pois com instauração da terceirização de determinados
serviços, mina-se os direitos do trabalhador sem se perder a lucratividade.
Férias e descanso remunerados parecem passar longe da consolidação das
leis do Trabalho.
Por fim, a leitura do presente texto possibilita enxergarmos o pano de
fundo de tantas contradições presentes nos dias de hoje, contradições estas
que trazem consigo, o peso da história em seu bojo. Marcando fortemente
nossa atualidade à qual, embora tenhamos alcançado algumas conquistas.
Ainda se apresenta de forma coronealista como foram a mais de 40 anos atrás.